TCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA

17.397 visualizações

Publicada em

O presente trabalho tem como tema: Relação, família e escola. E tem como objetivo pesquisar sobre a importância dessa relação e suas contribuições para o desenvolvimento da criança.

Publicada em: Educação
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.397
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
164
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA

  1. 1. 1 CENTRO EDUCACIONAL ELIÃ – CEEL CURSO DE GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA ARLENE DA GRAÇA SILVA TONILSON BARROS DE ARAÚJO RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA TOMÉ-AÇU-PARÁ ANO – 2014
  2. 2. 2 CENTRO EDUCACIONAL ELIÃ – CEEL CURSO DE GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA ARLENE DA GRAÇA SILVA TONILSON BARROS DE ARAÚJO RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao colegiado de PEDAGOGIA do Centro Educacional Eliã – CEEL, Como requisito final para obtenção do título de graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia sob a orientação do Prof. Ped. Esp. Livaldo de A. Amaral. TOMÉ-AÇU-PARÁ ANO – 2014
  3. 3. 3 CENTRO EDUCACIONAL ELIÃ – CEEL CURSO DE GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA ARLENE DA GRAÇA SILVA TONILSON BARROS DE ARAÚJO RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA Avaliado por:_______________ Data:_____________________ Conceito:__________________ TOMÉ-AÇU-PARÁ ANO - 2014
  4. 4. 4 Professor, o mundo pode não ter aplaudir, mais o conhecimento, mais lúcido da ciência tem de reconhecer que você é o profissional mais importante da sociedade. Augusto cury
  5. 5. 5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho à minha família pelo apoio e incentivos incondicionais, as professoras e aos professores da minha vida: da educação básica, da universidade e as companheiras de trabalho. Arlene Da Graça Silva
  6. 6. 6 DEDICATÓRIA A meus pais, fontes da minha vida, que agradeço por ter me dado condições de empreender a longa caminhada em busca desse grande sucesso. Dedico também, a todos os professores que contribuíram com o nosso conhecimento em relação a educação, conhecendo a história de cada teórico. Tonilson Barros De Araújo
  7. 7. 7 AGRADECIMENTO Este trabalho não teria sido possível sem a colaboração e participação de algumas pessoas importante na minha vida, que direto ou indiretamente contribuíram para a sua concretização. Primeiramente, quero expressar um muito obrigado a todos os professores que me acompanharam nesta jornada. A toda minha família sem exceção, mãe, pai, irmã, pelo exemplo e encorajamento e o nunca desistir. Arlene Da Graça Silva
  8. 8. 8 AGRADECIMENTO Agradeço primeiramente a minha família, especialmente a minha mãe, pelo incentivo e amor dedicados ao longo desta carreira. Assim como toda a minha existência. Aos professores do curso de Pedagogia CEEL, que com seu amor e dedicação nos fizeram acreditar, ao longo desta jornada, que o caminho para um mundo melhor e a educação. Tonilson Barros De Araújo
  9. 9. 9 SUMÁRIO * INTRODUÇÃO 11 1. I CAPITULO ESCOLA E FAMILIA: QUAL A RELAÇÃO? 14 1.1 Caracterização da família 16 1.2 Contextualização histórica sobre a escola 19 1.3 Desafios da relação família e escola 23 1.4 Objetivos comuns: escola e família 26 1.5 A CONSTITUIÇÃO A RESPEITO DA FAMÍLIA E A ESCOLA 30 2. II CAPITULO A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO CONTEXTO ESCOLAR 33 2.1 O papel da família no cotidiano escolar 34 2.2 A importância da família na prática docente 37 2.3 Valores e a família 40 2.4 Impedimentos na aproximação escola e família 43 2.5 Fatores do cotidiano escolar 44 3. III CAPÍTULO CARACTERÍSTICA DA PESQUISA 46 3.1 Procedimentos metodológicos 46 3.2 Características gerais da escola 47 3.3 Perfil do corpo docente 48 3.4 Perfil do corpo discente 49 4. IV CAPÍTULO PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE DADOS 50 4.1 Procedimentos e análise dos dados coletados 50 5. Considerações 57 6. Referências bibliográficas 59
  10. 10. 10 RESUMO O presente trabalho tem como tema: Relação, família e escola. E tem como objetivo pesquisar sobre a importância dessa relação e suas contribuições para o desenvolvimento da criança. Foi realizado um estudo de campo na Escola Municipal Nossa Senhora do Perpétuo Socorro no município de Tomé-Açu/Pa. Foram feitas coletas de dados em forma de entrevista com professores e pais sobre participação da família na educação escolar dos seus filhos. E em que medida essa parceria contribui para o desenvolvimento educacional do aluno? A pesquisa realizada de caráter qualitativa, e de cunho bibliográfico tendo como referencial teórico autores como, PEREIRA (2008), PRADO (1981), TIBA (1996), e outros que discutem esta temática. Ressaltando ainda a relevante da parceria entre escola e família quando as mesmas têm um objetivo comum, assim as crianças alcançarão o sucesso em um ambiente saudável que estimule o seu desenvolvimento da criança. Palavras-chave: Educação, Família, Escola, Participação. ABSTRAT: This work has as its theme: Relationship, family and school. And aims to research the importance of this relationship and its contributions to the development of the child. A field study was conducted at the Municipal School Our Lady of Perpetual Help in the city of Tome- Acu / Pa. Data collections were made in an interview with teachers and parents about family participation in school education of their children. And to what extent this partnership contributes to the educational development of students? The research of qualitative character, and bibliographic nature theoretically based authors such as, Pereira (2008), PRADO (1981), TIBA (1996), and others discussing this issue. Also emphasizing the relevance of the partnership between school and family when they have a common goal, so the kids will achieve success in a healthy environment that stimulates your child's development. Keywords: Education, Family, School, Participation
  11. 11. 11 INTRODUÇÃO A família é o primeiro ambiente de convivência da criança e as escolas são complementos à educação recebida pela família. O presente trabalho ao ser planejado tem como objetivo geral analisar e refletir sobre a importância da relação: escola e família e suas contribuições no desenvolvimento social e intelectual da criança. Sendo assim o tema proposto se justifica pelas constantes inquietações das necessidades dessa relação, que enquanto instituições sociais que se relacionam de maneira permanente e dinâmica no processo de desenvolvimento dos indivíduos, devem estabelecer meios de cooperação, para que tal processo ocorra de maneira efetiva em suas diferentes esferas. E esse tema estudado é relevante devido também à necessidade que a sociedade atual está passando. Percebe-se os apelos que uma boa parte da sociedade faz para as autoridades e comunidades, numa tentativa de resgatar a família e seus valores. Outros fatores interessantes na pesquisar é a relação da família no desenvolvimento escolar da criança, que está relacionado com a busca constante, por parte dos educadores, em especial os docentes, em diminuir o número de fracassos escolares ou então proporcionar um aprendizado completo e dinâmico a todas as crianças em período escolar. Este interesse nasceu ao pensar até que ponto a família pode contribuir ou não para o sucesso da criança no contexto escolar? A escola através da sua dimensão social vai além da transmissão do conhecimento socialmente acumulado e tem como objetivo a socialização de seus alunos, devendo prepara-los para futuras ações na sociedade e a família, por sua vez mediar relações de cunho afetivo, social e cognitivo. Essa importância de se compreender a relação e a influência familiar no desenvolvimento educacional de uma criança pode contribuir para que o professor possa também compreender as atitudes e dificuldades enfrentadas pela criança no seu dia a dia na escola. A metodologia da pesquisa foi baseada na análise de dados qualitativos e bibliográficos com embasamento teórico com visão dos autores que discutem a temática e análise de dados coletados na Escola Municipal de Ensino Fundamental Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, com professores e pais/mães dos alunos da creche e 1° ano da referida escola. O trabalho está dividido em quatro capítulos, que estão subdivididos em tópicos específicos que tratarão de questões referentes a cada um deles.
  12. 12. 12 Assim, no primeiro capítulo apresenta um breve histórico sobre a caracterização da família, contextualização histórica sobre a escola, seus desafio e objetivos comuns até a constituição a respeito da família na escola. Que de acordo com os autores De acordo com Perrenoud & Montandon (1998), a escola não deveria viver sem a família nem a família deveria viver sem a escola, uma depende da outra, na tentativa de alcançar um maior objetivo. Já no segundo capítulo, discorreremos a importância da família no contexto escolar, seu papel e importância na prática docente, seus valores, impedimentos em relação a aproximação da escola e por fim os fatores do cotidiano escolar. Fundamentados nos Teóricos Maldonado, tiba (1996) e Gokhale (1980) defende que a família além de servir de base para a futura sociedade, desempenha também papel fundamental na vida social do aluno. A educação familiar bem fundamentada possui papel importante no desenvolvimento do comportamento produtivo do discente. No terceiro capítulo, abordaremos a característica da pesquisa: metodologia usada, característica da escola, corpo docente e discente. E como o professor pode contribuir com a aproximação desta família e o universo escolar de seus filhos. E fundamentados com os teóricos, que refletem sobre a necessidade dos docentes em conscientizar as famílias da importância da sua participação na vida escolar de seu filho, sendo que, a família é o primeiro grupo social do qual a criança faz parte e, por isso, é nela que a criança formaliza os seus pontos positivos e negativos em relação à escola e ao mundo, e os quais garantirão o seu sucesso ou insucesso futuro. Por fim, no quarto capítulo discutiremos os procedimentos e analises de dados coletados, registrando assim nossas considerações a cerca da pesquisa feita. Levantando informações para uma melhor compreensão da importância da família no contexto escolar e a relação existente entre família e âmbito escolar da criança. Considerando a busca de uma harmonia entre família e escola deve fazer parte de qualquer trabalho educativo que tem como foco a formação de um indivíduo autônomo. Essa harmonia entre escola e família baseia-se na divisão do trabalho de educação de crianças, envolvendo expectativas recíprocas. Levando em consideração que o ser humano aprende o tempo todo, nos mais diversos interesses que a vida lhe apresenta, o papel da família é essencial, pois é ela que determina, desde cedo, o que seus filhos precisam aprender o que é necessário saberem para tomarem as decisões que os beneficiem no futuro.
  13. 13. 13 E nas considerações finais, apresenta a conclusão dos dados obtidos, com comentários críticos acerca da pesquisa desenvolvida. Enfim, será redigida uma conclusão expondo essas considerações a respeito do trabalho realizado, enfatizando os resultados alcançados, assim também como a análise dos dados coletados, através dos quais se pretende mostrar novas informações, contribuindo assim com novos conhecimentos para a sociedade e mostrando a importância da relação família e escola no desenvolvimento educacional da criança.
  14. 14. 14 CAPÍTULO I ESCOLA E FAMILIA: QUAL A RELAÇÃO? Neste capítulo abordaremos sobre a importância da relação escola e família, que hoje em dia existe cada vez mais a necessidade de a escola estar em perfeita sintonia com a família, já que buscam o mesmo objetivo. A escola é uma instituição que complementa a família e juntas tornam-se lugares agradáveis para a convivência de todos. A educação constitui uma das componentes fundamentais do processo de socialização de qualquer indivíduo, tendo em vista a integração plena no seu ambiente. A escola não deveria viver sem a família nem a família deveria viver sem a escola. Uma depende da outra, na tentativa de alcançar um maior objetivo, qualquer um que seja, porque um melhor futuro para os alunos é, automaticamente, para toda a sociedade. De acordo com Perrenoud & Montandon: As famílias preocupam-se, também cada vez mais com o desabrochar e a felicidade dos seus filhos, esperando que a escola os discipline sem os anular e os instrua sem os privar da sua infância (Perrenoud & Montandon 1998, p.47), Segundo os autores que referem que o diálogo com a escola não se instaura numa base de igualdade e que, individualmente, os pais não se relacionam numa base de igualdade, fato que se acentua ainda mais quando em presença dos lugares mais elevados na hierarquia escolar. Portanto, a escola é, com frequência, atentamente vigiada pelos pais que lhe confiam os seus filhos com uma mistura de confiança e de desconfiança. A escola não deve ser só um lugar de aprendizagem, mas também um campo de ação no qual haverá continuidade da vida afetiva que deverá existir a 100% em casa. É na escola que se deve conscientizar a respeito dos problemas do planeta: destruição do meio ambiente, desvalorização de grupos menos favorecidos economicamente, etc. Na escola deve-se falar sobre amizade, sobre a importância do grupo. A necessidade de se construir uma relação entre escola e família, deve ser para planejar, estabelecer compromissos e acordos mínimos para que o educando/filho tenha uma educação com qualidade tanto em casa quanto na escola. De acordo com Pereira (2008, p.29): A Relação entre a Escola e a Família tem vindo a ser alvo de todo um conjunto de atenções: através de notícias nos meios de comunicação,
  15. 15. 15 de discursos de políticos, da divulgação de projetos de investigação e de nova legislação. De acordo com o referido autor, desenvolvimento da criança deve ser compreendido de forma holística e a compreensão das diferenças individuais no desenvolvimento saudável e patológico implica a consideração das transações que ocorrem ao longo do tempo entre indivíduo e contextos sociais e ecológicos. Segundo esta autora o contexto é constituído por diferentes níveis, uns mais próximos e outros mais distantes, que sofrem influências múltiplas entre si. Não existe uma única forma correta de envolver os pais. As escolas devem procurar oferecer opções variadas que se adapte às características e necessidades de uma comunidade educativa cada vez mais heterogénea. A intensidade do contato é importante e deve incluir reuniões gerais e o recurso à comunidade escrita, mas sobretudo os encontros a dois. Intensidade e diversidade parecem ser as características mais marcantes dos programas eficazes. Para Estrela (citado por Villas-Boas, 2001, p.119), a relação escola-família parece encontrar-se, atualmente numa encruzilhada: por um lado, a vida urbana e tudo o que esta implica tem levado à crescente demissão das responsabilidades familiares e consequentemente, a escola terá de servir de “abrigo”, tendo, por isso, incumbências educativas que competem à família; por outro lado, e felizmente, cada vez existem mais pais que tentam participar na vida escolar dos filhos. Desta forma parece caber à escola dar o primeiro passo no sentido de preencher a lacuna existente em termos de comunicação “positiva” não só entre a escola e a família, mas também entre estas e a comunidade, mas esta comunicação não deverá fazer-se num sentido único, sendo desta forma fundamental que os professores sintam necessidade de “ouvirem os pais e partilharem com eles algum poder de decisão”. A educação “move-se” como um processo de socialização com duas dimensões distintas: - Social, onde a herança cultural é transmitida às novas gerações através do trabalho de várias instituições; - Individual, onde a aquisição de conhecimentos, as habilidades, as competências e os valores estão em constante desenvolvimento. No entanto, a dimensão individual está subordinada à social no contexto de interesses, objetivos e relações de poder dependentes da idade, seja na família ou na escola. Ao longo da história e em diferentes sociedades, os modos de educação
  16. 16. 16 e de reprodução social variaram entre os grupos e classes de uma mesma sociedade. Educar, no sentido geral de criar crianças, não é atribuição exclusiva quer dos pais/mães biológicos, quer da família, quer da escola. Monroe (citado por Pereira, 2008, p.67) esclarece sobre a confusão que se gerou quando educação passou a ser sinônimo de escola. Conforme: Ela deve ser distinguida da escolarização. A educação escolar tornou-se o modo de educação predominante nas sociedades modernas democráticas, a partir da escolarização compulsória nos finais do século XIX com uma organização específica: currículo seriado, sistema de avaliações, níveis, diplomas, professores, professoras e outros profissionais especializados. (Pereira, 2008, p.67) Esta organização funciona como um processo multifacetado de aprendizagem e de desenvolvimento humano, baseado na experiência e participação nas várias práticas e espaços sociais ao longo da vida. Nesse contexto pais e educadores buscam, sem a intenção de transferir responsabilidade e sim estabelecer diálogos, estabelecer formas de interação sociais que propiciem a participação e cooperação entre as famílias e a escola. E através dessa relação a criança aprendem, interiorizem conteúdo e constituem sua identidade, tornado evidente que o laço entre família e escola vão além do caráter meramente institucional estabelecida, que esse contato seja contínua visando a promoção do desenvolvimento da criança. Pois, toda criança necessita de atenção, cuidado, amor, afeto e incentivo. É importante a parceria entre escola e família e quando as mesmas têm um mesmo objetivo comum alcançarão sucesso. 1.1- CARACTERIZAÇÃO DA FAMÍLIA Os estudos sobre a história da família é baseado em descrição e conhecimento de imagens, retratos, quadros ou monumentos, particularmente dos antigos. Devido a esses estudos percebe-se que no século XV e XVI surge o sentimento da família, a partir desse momento a família não é apenas vivida discretamente, mas é reconhecida como um valor e exaltada por todas as forças da emoção. Segundo Prado (1981): A família é a instituição social histórica mais antiga, é a instituição mais sólida desta era cristã, pois apesar dos seus conflitos, continua manifestando grande capacidade de sobrevivência e de adaptação às tendências sociais e culturais manifestadas nas diversas sociedades.
  17. 17. 17 Esse sentimento fez surgir em torno da família conjugal, a família formada pelos pais e seus filhos. As crianças passavam por um estágio, aprendiam os serviços domésticos, com o objetivo de tornar-se um bom servidor. Toda educação se fazia através da aprendizagem com os adultos, com sete anos a criança era conduzida até outra família para morar e aprender com esta família. Notamos que a família ao longo da História da humanidade passou por uma profunda transformação. Esse processo evolutivo inseriu inúmeras situações na seara jurídica, do qual o Direito ainda não obtém entendimento pacificado, como o abandono afetivo paterno-filial. Faz-se necessário percorrer alguns períodos históricos para que se possa compreender a evolução histórica e legislativa da família e da filiação. Primeiramente, pretende-se demonstrar a evolução conceitual e a modificação do modelo de família até chegar à atualidade. No que diz respeito especialmente à evolução da família, Noé de Medeiros elenca algumas teorias: Basicamente a família segundo Homero, firmou sua organização no patriarcado, originado no sistema de mulheres, filhos e servos sujeitos ao poder limitador do pai. Após surgiu a teoria de que os primeiros homens teriam vivido em hordas promíscuas, unindo-se ao outro sexo sem vínculo civis ou sociais. Posteriormente, organizou-se a sociedade em tribos, evidenciando a base da família em torno da mulher, dando origem ao matriarcado. O pai poderia até ser desconhecido. Os filhos e parentes tomavam as normas e nome da mãe. Desse modo, conforme o autor, a família inicialmente foi chefiada pela mulher, mas por um período muito curto, pois, em seguida o homem assumiu a direção da família e dos bens. Figura-se na família moderna as escolhas pessoais, contudo, prossegue mesmo assim “as escolhas à disposição das famílias de classe média urbanas são distintas daquelas das famílias faveladas chefiadas por mulheres”. Ou seja, nem todos os grupos sociais apresentam as mesmas mudanças observadas na modernidade, como é ainda no caso de cidades do interior do país onde os papéis de homens e mulheres continuam bem demarcados, com as relações familiares baseadas no respeito da autoridade, em geral no modelo patriarcal. Com a Constituição Federal de 1988, teve início uma crescente transformação na forma pela qual o Estado legisla e compreende a família. Com o surgimento de algumas mudanças fundamentais, como o das políticas públicas de promoção e assistência, do Programa de Saúde da Família, na adoção e guarda dos filhos, além
  18. 18. 18 de se flexibilizar os papéis da estrutura hierárquica tradicionalista possibilitando novas configurações familiares. A família é o núcleo natural e fundamental da sociedade e como tal deve ser protegida, como se conclui do disposto na "Convenção Americana de Direitos Humanos de 1969." No mesmo sentido, podemos citar outras convenções internacionais que reforçam o fato de ser a família pedra fundamental da sociedade, tais como a "Declaração Universal dos Direito Humanos", o "Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos", o "Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais" e a "Convenção sobre os Direitos da Criança." Para todos os fins e todas as possíveis interpretações, é importante registrar que a família é um sistema muito complexo, passando por vários ciclos de desenvolvimento ao longo da história. Assim, transformou-se através dos tempos, acompanhando mudanças religiosas, econômicas e socioculturais. Segundo Jacques Commaille, a família é a instituição jurídica e social resultante das justas núpcias, que dão origem à sociedade conjugal, da qual derivam três diferentes vínculos: o conjugal, o de parentesco e o de afinidade. Esse conceito certamente teve papel de destaque na história, mas cabe frisar que atualmente o casamento, enquanto único instituto a ensejar e a legitimar a família, perdeu importância. Alargou-se, assim, o conceito de família, antes profundamente atrelado aos efeitos do casamento, considerado então a fonte geradora de suas normas básicas. O Estado deixa de interessar-se apenas pelo ato formal do casamento, preocupando-se, sobretudo, em resguardar o grupo familiar. Desta forma, a família não mais se baseia na concepção canônica de procriação e educação da prole, nem tampouco na concepção meramente legalista, mas na mútua assistência e satisfação sexual, o que permite que sejam vislumbradas novas possibilidades de entidade familiar, uma vez que o afeto passa a ser pressuposto de constituição dessas relações. Caracterizar a família é uma tarefa bastante complexa, porque a família foi-se transformando conforme a exigência social de cada época. Ainda hoje, temos dificuldade para conceituar família, dada a sua complexidade. Osório (1996, p.14) nos diz que: A família não é uma expressão passível de conceituação, mas tão somente de descrições; ou seja; é possível descrever as várias
  19. 19. 19 estruturas ou modalidades assumidas pela família através dos tempos, mas não defini-la ou encontrar algum elemento comum a todas as formas com que se apresenta este agrupamento humano. O ser humano nasce em uma situação de dependência extrema, e tem de ser atendido e alimentado porque não tem como defender-se. É o ser da natureza que mais precisa de ajuda do seu semelhante para tornar-se independente, sendo que nunca o será totalmente. Observa-se que a criança necessita de atenção, cuidado, amor, afeto e incentivo. Quando a família proporciona um ambiente saudável e cuida das necessidades da criança, ocorre um progresso em suas pessoais potencialidades e, futuramente, serão adultos com êxito. A sociedade atual é constituída por vários tipos de família. Família nuclear formada por pai, mãe e filhos e a família contemporânea, casais divorciados, mães como chefe de casa, uniões homossexuais, pais adolescentes e todo tipo de união que ocorre hoje. Contudo, ainda assim é responsabilidade da família e instituições de educação infantil assumir e desempenhar a sua função, sempre uma completando a outra, não permitindo lacunas, assim teremos uma educação infantil que visa a qualidade e não a quantidade, lembrando que a criança é um ser ativo, competente e produtor de cultura, mas que depende dessa integração para se desenvolver. 1.2- CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA SOBRE A ESCOLA A educação historicamente, sempre ocupou um espaço importante na sociedade, na qual a escola e a família desempenham papéis fundamentais na transmissão dos conhecimentos. Entretanto, as relações estabelecidas entre escola e família ao longo da história sempre ocupou um espaço importante no âmbito educacional, já que as duas instituições são as principais responsáveis pela formação integral do indivíduo. Contudo, cada uma desempenha papeis distintos, porém complementares, na educação que é fornecida para a criança. O contexto familiar é o primeiro espaço de socialização, e será nele que o indivíduo aprenderá os valores e conhecimentos que nortearão sua vida. Entretanto, a escola também se encontra imersa na tarefa de educar o ser humano, na medida em que o trabalho realizado pelos profissionais que ali atuam, visam o desenvolvimento integral do indivíduo, enfatizando o trabalho pedagógico na construção de um ser preparado para os saberes escolares, bem como para a vida em sociedade.
  20. 20. 20 Sendo assim o ser humano sempre se encontra em processo constante de socialização com o meio no qual vive, a partir das interações com os indivíduos a sua volta estabelece relações afetivas e sociais que irão nortear sua trajetória no processo histórico. Até meados do século XVII, a criança era vista como um adulto em miniatura; vivia exposta a tudo o que os adultos participavam; até mesmos os artistas da época representavam as crianças com as mesmas características dos adultos, distinguindo apenas o tamanho. Entretanto, a partir do século XVIII a infância passa a ter um espaço reservado na sociedade moderna, começa-se a valorizar a imagem da criança, como sendo uma fase distinta e peculiar, que merecia cuidados específicos, na qual passariam a ser tratadas como indivíduos merecedores de necessidades específicas relativas à infância. Segundo Ariès (1981, p.160) “Esse fenômeno comprova uma transformação considerável da família: esta se concentrou na criança, e sua vida confundiu-se com as relações cada vez mais sentimentais dos pais e dos filhos”. A família passou a ter um papel mais afetivo na formação da criança, enfatizando também a educação como fator importante nas relações estabelecidas. Nesse período não havia escolas, as crianças recebiam o conhecimento de forma direta e informal, por meio dos familiares. Dessa forma, a família se torna a primeira instituição responsável pela formação do indivíduo. A educação fornecida pelos familiares era uma educação informal, fundamentada na prática das tarefas cotidianas, e não em um sistema de ensino. Assim, o conhecimento adquirido no seio da sociedade se tornava uma aprendizagem fundamental para o individuo se situar dentro das relações estabelecidas no contexto em que vivia. Essa visão educacional, enfatiza-se o surgimento da escola como fonte de uma educação sistemática, diferente dos saberes aprendido em casa. Segundo Oliveira (2003, p.11), define educação como sendo: Uma das atividades básicas de todas as sociedades humanas, pois a sobrevivência de qualquer sociedade depende da transmissão de sua herança cultural aos jovens. Contudo, o papel da escola na transmissão de conhecimentos está relacionada ao processo sistemático, que visa apenas a transmissão de determinadas ciências, técnicas e conteúdos, sendo assim uma educação formal no processo de desenvolvimento do indivíduo. Ao mesmo tempo em que a escola tem por função a socialização entre seus participantes.
  21. 21. 21 A escola em sua origem era um bem que poucos podiam usufruir, pois a educação formal era direcionada às elites dominantes, deixando o restante da população sem os conhecimentos eruditos que eram transmitidos no ambiente escolar. No entanto, a partir dos ideais estabelecidos na Revolução Francesa no final do século XVIII, a educação foi estabelecida como direito de todos na maioria dos países. Nesta perspectiva global de transformações de ideais, o Brasil teve esse direito reconhecido somente com a Constituição de 1988, na qual foi estabelecida a igualdade entre todos os cidadãos, e a educação, que antes era vista como dever apenas da família, passou a ser também dever do Estado, o que favoreceu para que a educação básica se tornasse direito fundamental para o desenvolvimento do indivíduo. Na perspectiva educacional, a família desempenha uma função importante na educação formal e informal. A instituição família, bem como a instituição escolar, são ferramentas primordiais no desenvolvimento social, emocional, cultural e cognitivo do individuo, ao mesmo tempo em que são transmissoras do conhecimento e dos valores éticos culturais. Sendo assim a relação entre escola e família eram estreitamente complexos que de acordo com Duarte (2000) a inserção das mulheres no mercado de trabalho influenciou de forma direta a criação de novas instituições escolares, o que acarretou num distanciamento familiar, já que a mãe ficava longe do filho durante uma parcela significativa do dia. A família deixou de ser a única instituição de proteção da criança, pois a escola também passou a exercer o papel de atender e educar tal indivíduo de acordo com suas necessidades. Como já foi dito anteriormente, muitas leis e estudos ditam os direitos estabelecidos às crianças, contudo é válido ressaltar que ambas as instituições, escola e família, passaram a dividir o dever de auxiliar a criança e adolescente em seu desenvolvimento social e cognitivo. Diversas são as relações que escolas e famílias desempenham no desenvolvimento do indivíduo, em que a família é vista como a primeira e principal instituição de aquisição de valores e cultura, que prepara o indivíduo para as demais relações que irá estabelecer posteriormente, como foi citado anteriormente. A partir desses pressupostos, a escola, juntamente com a família, detém diversas atribuições na formação integral do indivíduo, tal como A família é essencial para o desenvolvimento do indivíduo, independentemente de sua formação. É no meio familiar que o indivíduo tem seus primeiros contatos com o mundo externo, com a
  22. 22. 22 linguagem, com a aprendizagem e aprender os primeiros valores e hábitos. Tal convivência é fundamental para que a criança se insira no meio escolar sem problemas de relacionamento disciplinar, entre ele e os outros. A construção coletiva, a valorização da contribuição de cada um, a vivência da participação da família em todos os espaços da escola, além de garantir processos de aprendizagem, de apropriação de conhecimentos, garantirá a escolarização e poderá efetivar-se na formação de seres humanos mais bem preparados para uma prática social. 1.3- DESAFIOS DA RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA A relação entre escola e família enfrenta diversos desafios, que muitos estão relacionados com o papel e responsabilidade que cada instituição possui na formação integral da criança. A instituição escolar tem que se preparar para enfrentar os desafios que o mundo exterior está proporcionando ao meio familiar e essa situação acaba gerando uma série de sentimentos conflitantes, não só entre pais e filhos, mas também entre os próprios pais. Em vista disso é que destacamos a necessidade de uma parceira entre família e escola, visto que, apesar de cada um apresentar valores e objetivos próprios no que se refere à educação de uma criança, necessita uma da outra e quanto maior for a diferença maior será a necessidade de relaciona-se. Contudo, a família, em consonância com a escola e vice-versa, são peças fundamentais para o pleno desenvolvimento da criança e consequentemente são pilares imprescindíveis no desempenho escolar. Entretanto, para conhecer a família é necessário que a escola abra a suas portas e que garanta sua permanência. Nesse sentido, Bertrand (1999, p.29) afirma que: As reflexões avançam hoje, para identificação de características que influenciam as diferentes práticas de cidadania pelo mundo a fora. A estratégia para a construção de uma sociedade democrática não é única. Assim um dos desafios da escola é sempre envolver a família dos educandos em atividades escolares. Não para falar dos problemas que envolvem a família atualmente, mas para ouvi-los e tentar engajá-los em algum movimento realizado pela escola como projetos, festas, desfiles escolares. Em outras palavras está se
  23. 23. 23 vivendo em um pequeno intervalo de tempo, um período de grandes transformações muitas delas difíceis de serem aceitas ou compreendidas. E dentro dessa situação está a família e a escola, a família deve se esforçar e superar desafios e estar presente em todos os momentos da vida da criança, presença que implica envolvimento comprometimento e colaboração, deve atentar para as dificuldades não só cognitivas, mas também comportamentais. Deve estar pronta para intervir da melhor maneira possível, visando sempre o bem de seus filhos, mesmo que signifique sucessivos “não” as suas exigências. A família deve ser o espaço indispensável para garantir a sobrevivência e a proteção integral dos filhos e demais membros, independentemente dos arranjos familiar ou da forma como se vêm estruturando. Para Tiba (1996, p.178): É dentro de casa na socialização familiar, que um filho adquire, aprende e absorve a disciplina para um futuro próximo, ter saúde social. A educação familiar é um fator bastante importante na formação da personalidade da criança desenvolvendo sua criatividade ética e cidadania refletindo diretamente no processo escolar. Os pais não podem confundir a atribuição de responsabilidade com o abandono da supervisão escolar necessária a todo ser humano. A responsabilidade é extremamente importante para o desenvolvimento da criança, mas como toda etapa da vida do indivíduo necessita de um ser mais experiente, no caso a família, para nortear as atitudes a serem tomadas pelo mesmo. Entretanto, mesmo conhecendo os problemas e desafios peculiaridades das famílias e por consequência dos educandos, se não houver um interesse mútuo em solucioná-los, o esforço de detectar tais problemas tornam-se nulos, impedindo que a escola e o professor possam intervir para o sucesso do educando. O interesse e participação familiar são fundamentais. A escola necessita saber que é uma instituição que completa a família, e que ambos precisam ser uns lugares agradáveis e afetivos para a criança. Os pais e a escola devem ter princípios muitos próximos para o benefício do filho/aluno. Portanto, os desafios da relação entre família e escola no contexto envolvem mais que a simples presença dos pais na escola, os desafios dizem respeito às condições primordiais de gestão, dentro dos princípios democráticos que lhe deve ser inerente, e de prática emancipadora por um processo de ensino-aprendizagem significante e significativo.
  24. 24. 24 Para haver aprendizagem significativa o aluno precisa ter uma disposição para aprender e o conteúdo escolar a ser aprendido tem que ser potencialmente significativo, ou seja, ele tem que ser social, lógico e psicologicamente significativo. Mas é na vivência das aprendizagens que elas realmente ganham sentido. O aluno aprende enquanto vive e vive enquanto aprende. É nessa perspectiva que a família é espaço de aprendizagem e de ensino e fica, portanto, evidenciado que se o educando aprende sem o acompanhamento da família. A escola muitas vezes é tomada pela sombra da descrença de alguns professores que pensam que se a família não dá importância para a educação dos próprios filhos, não caberia ao professor ir além do seu mero afazer. E o mero afazer incorpora toda a burocracia e fazer destituído de sentido, de amor, de cor, de alegria, de esperança e de vida inerentes à prática educacional. Embora isso possa ter alguma lógica, não é razoável porque o ofício do professor está para além dos desafios que lhe são impostos, inclusive o da ausência da família. Da mesma que é preciso uma mudança na postura da família, também é preciso que a escola aprenda a conjugar suas funções estabelecendo prioridade sobre aquilo que lhe é mais próprio. Jamais se pretende, por exemplo, dizer que uma escola da zona rural não deve ensinar orientação para o trânsito, porém, é que a escola concentre mais esforços na promoção da aprendizagem significativa, na formação crítica do educando, na preparação para a vida; na melhoria das condições de trabalho e na valorização do magistério. Nesse sentido, Freire (In: TORRES, 1979, p. 18) afirma que “A ação educativa não pode prescindir do conhecimento crítico desta situação, sob pena de se tornar ‘bancária’ ou de pregar no deserto.” De fato, não se pode esperar nenhum ânimo ou alegria de um professor que trabalha carregado pela miséria que sua remuneração o limita. Da mesma forma, só ensina com qualidade, independe de remuneração ou condições de trabalho, quem tem qualidades. É com qualidade, boa remuneração e condições de trabalho que o professor deve, na alegria de ser professor, desenvolver projetos que promovam o retorno da família ao espaço escolar, não como observadora, como comumente se faz, mas como ente participativo e condição para a efetivação do sentido comunitário e democrático que a escola deve ter. Um dos pilares da sociedade, a família deve prezar pela valorização da instituição escolar e defender, com sua presença e participação ativa, políticas educacionais que viabilizem a efetiva função social da
  25. 25. 25 escola, qual seja, a de formar cidadãos éticos, conscientes e com condições de intervenção na história. A educação é esse instrumento de luta do homem contra a exploração, uma vez que permite a conscientização, pelo conhecimento da realidade, e oferece possibilidades de superação, que é o sentido do ato educacional. Na necessidade de encontrar caminhos para os desafios da relação família e escola fica evidente, que a cooperação é um dos caminhos a serem seguidos. Assim minimizando os desafios que ambas enfrentam na construção de valores morais e éticos na conduta das crianças inseridos no contexto escolar. Dessa maneira, abordar o tema incluindo todos que participam da relação escola-família, partindo do papel que cada um deve desempenhar e buscar reflexões acerca dos problemas cotidianos que as duas instituições enfrentam é uma maneira viável e prática de encontrar respostas que possam colaborar para que escola e família possam caminhar juntas no processo de formação do indivíduo. 1.4- OBJETIVOS COMUNS: ESCOLA E FAMÍLIA Pesquisas mostram que a família e a escola são fundamentais para o desenvolvimento pessoal e social de crianças e adolescentes. Não se imagina a formação de adultos com personalidade bem estruturada, em condições de exercer cidadania e socialmente úteis, se a existência destes grupos sociais. Esse é um dos pontos em comum entre a escola e a família a necessidade de se buscar formas de articulação entre a família e a escola. Fácil falar sobre ela, difícil construí-la. Além do mais, hoje se vê a educação como algo permanente, por toda vida, um processo continuado e não mais como uma etapa a ser realizada. Talvez o atual desejo da escola como instituição seja a família mais próxima dela, para enfrentar as atuais dificuldades, as intencionalidades e obrigações decorrentes para efetivar a parceria desejada. Essa relação não diz respeito apenas aos filhos/alunos, mas a todos, familiares, professores e comunidade em geral. Para que uma casa, uma comunidade, uma família ou uma escola, funcione é necessário que cada uma execute bem a sua respectiva função da melhor forma possível, para que os objetivos sejam atingidos. Alguns atuam sozinhos e outros em equipe, mas todos atuam em alguma parte da instituição de ensino, seja vigilante, bibliotecário,
  26. 26. 26 merendeira e outros que também fazem parte do contexto escolar. São todos educadores, apesar de, muitas vezes, não saberem disso. A família tem o papel de estimular no filho o comportamento de estudante e cidadão e o da escola seria orientar aos pais nos objetivos que a escola espera que o aluno atinja e de criar momentos para que essa integração aconteça. Para Içami Tiba (2007, p.63): As crianças precisam ser protegidas e cobradas de acordo com suas necessidades e capacidades, protegidas nas situações das quais não seguem se defender, e cobradas naquilo que estão aptas a fazer. Por essa razão, escola e família possuem funções que se assemelham e se aproximam funções estas que poderiam se resumir, sinteticamente, em como proteger e educar, dar autonomia à criança, pode permanecer no espaço da troca, sem cair na armadilha da disputa, buscando acertos e corrigindo erros. E entender que a relação que o aluno mantém com a escola está relacionada não só com o tipo de família, como, também com as relações que seus membros mantêm entre si. Porque é no momento que o filho é colocado na escola que o sistema familiar fica exposto. Podem ser compreendidas a escola e a família ou consideradas como sistemas humanos em constantes interações que possuem como elemento de união o filho- aluno. O aluno chega à escola com seus modelos, seus medos, dificuldades e desejos, tendo que aprender os valores da instituição e conviver com a diversidade. É um momento rico e delicado para ele, sua família e para a escola. A busca de uma boa relação entre família e escola deve fazer parte de qualquer trabalho educativo que tem como foco a criança. Além disso, a escola também exerce uma função educativa junto aos pais, discutindo, informando, aconselhando, encaminhando os mais diversos assuntos, para que família e escola, em colaboração mútua, possam promover uma educação integral da criança. Uma relação baseada na divisão do trabalho de educação de crianças e jovens, envolvendo expectativas recíprocas. Quando se tem o mesmo objetivo, a parceria desejável convoca-se os pais na participação na educação, principalmente pelo dever de casa que é uma estratégia de promoção de sucesso escolar, não se leva em consideração as mudanças históricas e as diversidades culturais nos modos de educação e reprodução social.
  27. 27. 27 Família e escola constituem se dois polos diferentes, mas com mesmos objetivos fundamentais para a formação humana e social dos sujeitos. A família é a primeira mediadora entre o homem e a cultura, o mundo que o rodeia, segundo Dessen e Polônia (2007), afirmam que: É nela que se constitui as primeiras relações afetivas sociais e cognitivas, as quais são influenciadas pelas condições materiais históricas e culturais daquele grupo familiar, ela é a matriz da aprendizagem humana, com significados e práticas culturais próprias que geram modelos de relação interpessoal e de construção individual e coletiva. Dessen e Polônia (2007, p56), Essas vivências integram a experiência coletiva e individual que organiza, interfere e a torna uma unidade dinâmica, estruturando as formas de subjetivação e interação social. E é por meio das interações familiares que se concretizam as transformações nas sociedades que, por sua vez, influenciarão as relações familiares futuras, caracterizando se por um processo de influências bidirecionais, entre os membros familiares e os diferentes ambientes que compõem os sistemas sociais, dentre eles a escola. As percepções de mundo, do outro, e da escola, experienciadas pelos sujeitos na família é que influenciarão as futuras relações interpessoais e coletivas, incluindo nessas relações, a escola. Sendo assim, os objetivos comuns entre família e escola só começa a existir a partir do momento em que os pais fazem a opção por essa ou aquela escola e essa relação é de suma importância para que haja avanços na educação dos sujeitos envolvidos. E essa relação existente entre família e escola nas muitas vezes é um jogo de empurra/empurra entre as duas instituições, a este respeito à autora nos afirma: Uma vez efetivada a matrícula, família e escola começam a estabelecer uma espécie de jogo. Nele, acontecem as mais variadas formas de jogar visto serem, escola e família, universos complexos de crenças, valores, costumes, etc. Que vão se desembrulhando e se tornando visíveis no dia-a-dia. (ZENKER, 2004, p. 254). Para estreitar os laços entre escola e família é necessário que haja colaboração de ambos os lados. Nesta direção, é importante observar como a escola e, especificamente, os professores empregam as experiências que os alunos têm em casa. Face à leitura, é muito importante que a escola conheça e saiba como utilizar as experiências de casa para gerir as competências imprescindíveis ao letramento. A interpretação de textos ou a escrita podem ser estimuladas pelos
  28. 28. 28 conhecimentos oriundos de outros contextos, servindo de auxílio à aprendizagem formal. É possível pensar numa integração dos pais com a escola, pois a mesma sem a ajuda da família corre o risco de não conseguir sozinha estabelecer meios para que os alunos sejam autônomos em relação ao hábito de estudar, seja em casa ou, no ambiente escolar. Nesse sentido, fica claro que a função da família e a função da escola se complementam na construção de um ser humano mais participativo e mais consciente. O ideal é que a família e a escola tracem as mesmas metas de forma simultânea propiciando ao aluno uma segurança na aprendizagem de forma que venha criar cidadãos críticos capazes de enfrentar a complexidade de situações que surgem na sociedade. Portanto, é necessário que a escola leve em consideração os conhecimentos trazidos pelas crianças, conhecimentos estes oriundos do contexto familiar. Já a família, em contra partida precisa envolver se no processo de ensino dos filhos. Os pais devem estar atentos tanto nos aspectos de acompanhamento das tarefas e dos trabalhos desenvolvidos pelo aluno, quanto na permanência deste no ambiente escolar e a qualidade das relações que ele, o sujeito, estabelece entre os pares, amigos. Portanto os laços e objetivos afetivos, estruturados e consolidados tanto na escola como na família permitem que os indivíduos lidem com conflitos, aproximações e situações oriundas destes vínculos, aprendendo a resolver os problemas de maneira conjunta ou separada. Sendo assim, tanto a família como a escola tem os mesmo objetivos, na formação do sujeito e a parceria entre as duas instituições aparecem como mecanismo para que o desenvolvimento do sujeito se realize de forma integral. 1.5- A CONSTITUIÇÃO A RESPEITO DA FAMÍLIA E A ESCOLA A constituição a respeito da família e a escola em nossa sociedade, a qual foi alicerçada desde a sua colonização pelos preceitos dogmáticos de origem católica, a família-modelo e almejada, está relacionada a formação nuclear, onde cabia a esta família diversas funções, entre as quais, ser fonte de estabilidade econômica, base religiosa, moral, profissional e principalmente educacional.
  29. 29. 29 As condições para a construção de uma sociedade com justiça social dependem da universalização do ensino básico com qualidade. Através da aplicação da Constituição Federal e do Estatuto da Criança e do Adolescente garante-se o direito fundamental à educação. A Constituição Federal expressa que a educação é direito de todos e dever do Estado e da família, que deverá ser promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, objetivando o pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Também é possível, conforme a Constituição, a coexistência de instituições públicas e privadas de ensino. Quanto à escola pública, ou seja, a instituída e mantida pelo Poder Público, preocupou-se o legislador, principalmente, com o ensino fundamental, que engloba da primeira até a oitava série da educação básica. O Estatuto da Criança e do Adolescente, lei federal que está em vigor no nosso país desde outubro de 1990, trata dos direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes, dedicando-se, ao direito à educação, em destaque, nos artigos 53 a 59. Esta lei, na sua elaboração, contou com a participação da sociedade civil, através de movimentos populares e entidades organizadas, incluindo técnicos da área da educação. O Estatuto da Criança e do Adolescente estabelece no artigo 19: Toda criança ou adolescente tem direito de ser criado e educado no seio de sua família e, excepcionalmente, em família substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes. Assegura-se às crianças e aos adolescentes a igualdade de condições para o acesso e permanência na escola. A garantia de acesso e de permanência significa que todos têm o direito de ingressar na escola, sem distinção de qualquer natureza, e não pode ser obstada a permanência de quem teve acesso. O acesso não pode ser impedido para qualquer criança ou adolescente, todos têm o direito a se matricular numa escola pública ou particular. A integridade física da criança e do adolescente não pode, de forma alguma, sofrer qualquer agressão. A escola não pode impingir castigos físicos, desde a moderna "palmada pedagógica" até a antiga "palmatória". Se houver desrespeito que submeta a criança ou o adolescente a vexame ou constrangimento, caracteriza-se um crime, com pena de detenção de seis meses a dois anos (artigo 232, do Estatuto da Criança e do Adolescente). Está garantido
  30. 30. 30 também o direito de organização e participação em entidades estudantis que objetivem a defesa dos direitos dos alunos. Este direito é, na verdade, consequência da garantia constitucional da plena liberdade de associação para fins lícitos. Os pais têm direitos em relação à escola: ciência do processo educativo e participação na definição das propostas educacionais. Busca-se, com o exercício destes direitos, a integração família/escola. As reuniões dos pais com os professores, a direção e contatos frequentes com o corpo docente são necessários. O Estatuto da Criança e do Adolescente dispõe que os pais têm a obrigação de matricular seus filhos na rede regular de ensino, incumbindo-lhes o dever de educação dos filhos. Quando há omissão dos pais, pode ocorrer até a perda do pátrio poder e responsabilidade criminal pela prática do delito de abandono intelectual. Todas as consequências do comportamento omissivo dos pais decorre do fato de que a educação é um dever não só do Estado, mas também da família. Para cumprir as obrigações de dirigir a criação e educação dos filhos, os pais têm o direito de conhecimento do processo pedagógico adotado pela escola, para avaliá-los e saber se correspondentes aos princípios e expectativas quanto à formação integral dos seus filhos. Os pais têm, também, o direito de participar na definição das propostas educacionais, influenciando para que o ensino ministrado sirva aos seus filhos como instrumento de desenvolvimento de potencialidades e seja adequado aos costumes e princípios da família. Com o exercício desta função, há a exposição pelos interessados de suas necessidades e expectativas. O Estatuto da Criança e do Adolescente, outrossim, repetindo a Constituição Federal, dispõe que é dever do Estado assegurar à criança e ao adolescente ensino fundamental, obrigatório e gratuito, inclusive para os que não tiveram acesso na idade própria. É obrigatório o atendimento em creches e pré-escolas às crianças de zero a seis anos de idade, bem como a oferta de ensino regular noturno, adequado às condições do adolescente trabalhador. A Constituição Federal de 1988 enunciou o direito à educação como um direito social de todos e dever do Estado e da família, devendo ser promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Para Pompeu (2005, p. 89) “de um lado, se encontra a pessoa portadora do direito à educação e, do outro, a obrigação estatal de prestá-la”. Portanto, há um direito subjetivo exigível, do qual é titular o indivíduo; no que concerne ao Estado, há o
  31. 31. 31 dever jurídico de dar o devido cumprimento. Como vimos a legislação estabelece que a família deva desempenhar papel educacional e não incumbir apenas à escola a função de educar, art. 205 – Constituição Federal.
  32. 32. 32 CAPÍTULO II A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO CONTEXTO ESCOLAR Neste capítulo decorreremos sobre a importância da família no contexto escolar, com objetivo de investigar a importância e a influencia da família no desempenho escolar dos filhos. Tendo em vista que é durante o processo de alfabetização que a relação escola e família se destacam. Uma vez que os fatores relativos à vida extraescolar dos alunos impactam no aprendizado a organização escolar precisa ser cuidadosamente planejada, organizada e implementada para informar aos pais sobre a vida escolar de seus filhos. 2.1- O PAPEL DA FAMÍLIA NO COTIDIANO ESCOLAR Abordaremos a importância da família em acompanhar o desenvolvimento escolar da criança e como o docente pode ajudar nesta relação. Como vimos anteriormente, a importância da familiar na formação educacional da criança, que se constitui como um fator primordial para o sucesso escolar. Gokhale (1980) defende que a família além de servir de base para a futura sociedade, desempenha também papel fundamental na vida social do aluno. A educação familiar bem fundamentada possui papel importante no desenvolvimento do comportamento produtivo do discente. Além de uma educação familiar bem fundamentada, Tiba (1996), defende a inserção da escola na vida familiar do aluno. A família, por outro lado, deve proporcionar atenção e carinho à criança e deve assegurar um ambiente agradável para que a criança consiga de maneira satisfatória resolver seus deveres escolares. As relações familiares implicam na integração que o aluno apresenta com o processo ensino-aprendizagem, indagando que os pais são o maior valor que pode vir a possibilitar o entendimento do indivíduo. A família tem o dever de estruturar o sujeito em sua identificação, individuação e autonomia. Esse processo ocorre no cotidiano da criança, no qual lhe são oferecidos carinho, atenção e dedicação para que possa suprir suas necessidades, por meio da arte da convivência. Segundo Tiba (2007,p.187): A educação escolar é diferente da educação familiar. Não há como uma substituir a outra, pois ambas são complementares. Não se pode delegar à escola parte da educação familiar, pois está é única e
  33. 33. 33 exclusiva, voltada à formação do caráter e aos padrões de comportamentos familiares. Como já dissemos anteriormente, é de suma importância que haja a participação da família no contexto escolar dos filhos, de forma complementar ao trabalho realizado na escola. Um trabalho conjunto, em que a participação dos pais é essencial e insubstituível. No entanto, esta participação dos pais no processo de aprendizado de seus filhos, se dá muito antes da criança entrar na escola. Sendo que, o meio que cerca esta criança influenciará diretamente no seu aprendizado na escola, pois no que concerne ao aprendizado da leitura, por exemplo, a criança terá um maior interesse em aprender a ler, se em seu meio familiar a mesma está acostumada a ver seus pais lendo e se estes momentos de leitura estiverem relacionados com lembranças de prazer e situações de vida cotidiana, ou seja, a maneira através da qual a “coisa escrita” é recebida em casa determina em grande parte o modo pelo qual a criança vai recebê-la. Além disso, quando os pais se aproximam da escola e do professor, acompanhando diariamente os cadernos e as anotações de seus filhos, a parceria com a escola tende a dar certo. Participar de eventos, festas e exposições que a escola elabora também é uma atitude interessante, pois é inteiramente necessário para o equilíbrio e o sucesso da criança que as duas partes educativas encarregadas de seu futuro trabalhem em colaboração. De forma que, cada parte responsável pela criança, ou seja, família e escola busquem juntas as soluções necessárias para que a trajetória escolar da criança seja tranquila e enriquecedora. Nesse sentido, é interessante que a escola na parceira com a família mostre a importância da aprendizagem dos conhecimentos do mundo pela criança para que, mesmo os pais que por várias situações de vida não tiveram a oportunidade de estudar, tenham a visão da importância que os estudos podem fazer por seus filhos, até para interromper muitas vezes um círculo vicioso, o qual afasta a criança da escola e perpetua o analfabetismo no nosso país é dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade a efetivação dos direitos referente à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade, e à convivência familiar e comunitária (ECA, 2004, p.11). A família, na maioria das vezes, reconhece suas dificuldades em cumprir o papel de socialização
  34. 34. 34 primária e remete grande parte desta responsabilidade para a escola. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) aponta em seu artigo 1º: A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. Assim, compreendemos que os primeiros passos para formação do indivíduo deveriam acontecer no âmbito familiar. A família é um agente educador cuja função é transmitir a herança cultural e social durante os primeiros anos de vida, preparando a criança para seu ingresso na sociedade. De acordo com o Estatuto, a sociedade, a família, a comunidade e o poder público têm o dever de acompanhar o desenvolvimento da criança para que os pais tenham uma visão melhor do filho em relação à escola, é necessário que ele esteja bem informado e escutar à professora com toda sua experiência em sala de aula, acompanhamento das tarefas e dos trabalhos escolares; estabelecimento de horários de estudo; acompanhamento do rendimento do aluno na escola; encorajamento ao desenvolvimento por meio do reforço aos esforços da própria criança; participação na programação da escola, como atividades esportivas e extracurriculares; pois ambas podem trabalhar juntas as dificuldades e o melhoramento do desenvolvimento da criança. Pois, além da capacidade de atender ás demandas da criança, considerando sua etapa de desenvolvimento para inserção na escolarização formal, é tarefa da família criar um ambiente propício para a aprendizagem escolar, incluído a comportamento sistemático e orientações contínuas em relação aos hábitos de estudos e as tarefas escolares. 2.2- A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NA PRÁTICA DOCENTE É preciso conhecer os alunos para entender quais são suas habilidades e suas dificuldades, com o intuito de ajudá-los em seu aprendizado. Para isso, também é importante a aproximação das famílias com os docentes da escola. Para entender o ambiente familiar no qual as crianças vivem, as histórias familiares de cada um, se recebem apoio e ajuda em casa nas tarefas escolares. Assim, o diálogo é a chave para termos acesso às informações, que serão de grande valor para a prática docente para desempenhar seu trabalho, sabendo das necessidades, dificuldades, sobre a vida escolar das crianças.
  35. 35. 35 É necessário, para o exercício da profissão docente, o diálogo com a comunidade, além dos conhecimentos teóricos de como ocorre o processo de aprendizagem, para compreendermos que vários fatores, internos e externos, influenciam no desenvolvimento dos educandos. Cabe ao professor, junto às famílias, dialogar e colaborar para que as aprendizagens sejam estimuladas e que os alunos tenham sucesso nesta caminhada. A aprendizagem não é favorecida, tanto pelas instalações da escola, pelos materiais utilizados, quanto pela falta de diálogo, de interação, de participação dos pais, de atuação dos funcionários da escola como uma equipe, etc. Enfim, são encontradas inúmeras barreiras que interferem e até mesmo prejudicam a aprendizagem dos alunos. A escola que deveria privilegiar o trabalho em grupo e a interação social demonstra o contrário, pois os educadores não trabalham como uma equipe, com a mesma proposta, os alunos e pais não estão muito próximos, não há muito diálogo entre professores e pais. Desta forma, o professor fica perdido, sem saber o que fazer com os problemas de falta de atenção, de indisciplina, sem saber o que fazer para que o aluno com dificuldades aprenda, pois ele se encontra sozinho, com a turma que apresenta problemas que fogem da sua responsabilidade e entendimento. Portanto, acredito que os problemas enfrentados pelos professores são difíceis de serem resolvidos, de forma que possamos trabalhar com estas orientações de Freire, Piaget e Vygotsky, já que muitas outras pessoas estão envolvidas no processo de ensino-aprendizagem das crianças. Piaget e Vygotsky foram pesquisadores que enfatizaram, destacaram as ações dos alunos sobre os conteúdos a serem aprendidos e, segundo seus escritos, a ação pedagógica deve privilegiar os trabalhos em grupo e a interação social. Entretanto, enquanto não houver consciência e diálogo entre pais e professores, família e escola, conhecimento de novas teorias e práticas educacionais, professores que entendam o desenvolvimento infantil e que tenham uma nova visão de ensino-aprendizagem, que favoreça a mudança, as crianças continuarão se perdendo pelo caminho e as escolas continuarão a perpetuar o sentimento de fracasso escolar e coletivo. Entendemos, portanto, que se a criança, interagindo com o meio em que vive, transforma e é transformada pelo mesmo, compreendemos que a criança sofre
  36. 36. 36 influências das pessoas e situações que vivencia cotidianamente. Essas pessoas e situações fogem do conhecimento do professor, mas interferem na aprendizagem e no desenvolvimento de seus alunos. Por isso a interação entre família e escola é tão importante e necessária, para ajudar e dar apoio ao aluno quando o mesmo se encontra em dificuldades. O diálogo é fundamental para chegarmos aos motivos que levam os estudantes, crianças, jovens ou adultos, aos problemas de indisciplina, falta de limites, desrespeito ao próximo, problemas de relacionamento com os pais, agressões aos professores e colegas, e, aos problemas de aprendizagem, que são corriqueiros e tanto preocupam pais e professores. O professor deve ser um investigador. Investigador, porque com um conhecimento de técnicas pedagógicas, com um domínio de conteúdos escolares e experiência acumulada em seu trabalho docente, deve considerar algo que não está nos livros, que ele não pode conhecer de antemão. Muitos alunos repetem o ano, se sentem desmotivados por não terem este apoio em casa, na família e na própria escola. Daí a necessidade de diálogo, mas sabemos que isto não ocorre com frequência na família, tampouco na escola. O professor é um mediador entre o conhecimento sociocultural presente na sociedade. O professor está atento e aberto às dúvidas e impasses, curiosidades, formulando sínteses, discutindo significados e ultrapassando limites. O professor que assume essa visão de ensino-aprendizagem privilegia uma metodologia que favorece a mudança. A prática docente tem muito a nos dizer, quando nos coloca diante de inúmeras situações-problema, mas nos indicam, também, suas possíveis soluções. Cabe aos pais e educadores, à própria sociedade, mudar suas formas de agir, deixando o diálogo e os problemas de convivência sempre relegados ao segundo plano, como se não fossem importantes. Tudo o que acontece com a criança, em casa e na escola, fica marcado para sempre na sua memória. Brinquedos, brincadeiras, conversas, situações, interferem no seu desenvolvimento, na sua aprendizagem e tem o poder de determinar a forma com que ela vê o mundo. A participação dos pais e o diálogo entre pais, alunos e professores, são muito importantes. Essa interação entre família e escola é fundamental para que, através da educação, seja possível formar cidadãos responsáveis e mais conscientes de seu papel na sociedade. Talvez seja necessária
  37. 37. 37 uma reflexão acerca do quadro apresentado pelos professores parceiros, e que os próprios educadores comecem a mudar a sua postura, chamando os pais à escola para participar de reuniões, onde haja conversas produtivas e esclarecedoras sobre os problemas, além dos educadores fazerem sua parte, estimulando o aprendizado, criando e oferecendo condições para que as crianças possam aprender e compreender conceitos e desenvolver-se em todos os sentidos. Conseguindo agir desta forma, através da união e do diálogo franco e aberto com a família e a pratica docente, estaremos criando e fortalecendo laços que são importantes para o desenvolvimento dos pequenos e dos maiores, e, quem sabe, tornando a sociedade mais justa, solidária, digna e mais feliz. A escola é uma instituição criada pelos homens e ainda está em pleno processo de desenvolvimento, e o professor com sua prática é uma peça importante dependendo de sua atuação em sala de aula para o desenvolvimento de seus alunos. Mas de acordo com Paulo Freire (1999 p,18) o comprometimento da família com a melhoria da qualidade escolar, com o desenvolvimento de seu filho como ser humano: A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda se a opção é progressista, senão se está a favor da vida e não da morte, da equidade e não da justiça, do direito e não do arbítrio, da convivência com o diferente e não de sua negação, não se tem outro caminho se não viver a opção que escolher. Encarná-la diminuindo, assim, a distância entre o que se diz e o que se fez. FREIRE (1999 p,18). O ideal é que a família e a escola tracem as mesmas metas de forma simultânea propiciando ao aluno uma segurança na aprendizagem de forma que venha criar cidadãos críticos capazes de enfrentar a complexidade de situações que surgem na sociedade. Nessa perspectiva o professor é elemento que pode contribuir decisivamente para a perpetuação de uma escola de qualidade, com elementos de transformações da sociedade, colaborando para o bem estar do ser humano. 2.3- VALORES E A FAMÍLIA A sociedade está passando por uma profunda crise ética e moral, porque a prática dos valores humanos foi esquecida. Vivemos em momentos de tensão, correrias e o tempo sempre sendo o inimigo para ser combatido. E com isso muitos pais não têm dado atenção devida a família. O tempo de dedicação é pouco. Definindo valores humanos como um conjunto de qualidades que nos distinguem
  38. 38. 38 como seres humanos independentemente de credo, raça, condição social ou religião e estabelece que seja através do amor que se reflita os quatro principais valores universais: paz, verdade, ação correta e não violência. Os valores humanos são fundamentos morais e espirituais da consciência humana. Todos os seres humanos podem e devem tomar conhecimento dos valores a eles inerentes. Os valores humanos estão diretamente ligados, ao que é, ou ao que teria que ser do homem para o homem tais como, honestidade, ética, educação, cultura, humildade, bondade, moral, respeito, solidariedade, justiça, e por aí vai. Esses conjuntos de normas e regras que regulam o comportamento do homem em sociedade, e estas são adquiridas pela educação, pela tradição e pelo cotidiano. Que deveriam orientar o comportamento do homem em relação aos outros homens na sociedade em que vive, garantindo, outrossim, o bem-estar social”, ou seja, a forma que o homem deve se comportar no seu meio social. Os pais são os formadores da moral da ética e dos princípios espirituais Justiça, igualdade, tolerância… São palavras que cada dia mais se escutam nas escolas. A Educação nos Valores, já está presente no curriculum escolar, mas isso não é suficiente. Ficar no nível teórico não serve de nada. E, na prática, esquecemos frequentemente que palavras tão grandiosas como “Empatia” ou “Respeito” se traduzem em premissas tão singelas como “não atirar papéis para o chão”, “ceder o assento a quem mais o necessite” ou “abrir a porta a quem vai carregado”. Que a “Educação nos Valores” tenha chegado às escolas é um passo que realmente devemos celebrar. Nunca devemos esquecer que o lar é o autêntico formador de pessoas. As crianças aprendem continuamente através dos seus pais, não só o que estes lhes contam, mas também, sobretudo, pelo que vêem neles, como atuam, como respondem perante os problemas. Em definitivo, as crianças observam e copiam o proceder dos seus pais perante a vida. Contudo, estes valores e exigências foram divergidos, e resultaram em uma diminuição do contato entre pais e filhos em proporções extremadas. Antes o jovem internalizava uma diretriz de conduta, enquanto hoje, com o distanciamento dos pais, a função de transmitir valores fica, direta ou indiretamente, conferida à mídia e, de forma menos intensa e presente, às escolas. Que Segundo Corrêa (2000, p. 130):
  39. 39. 39 Pai e mãe sentem-se esmaecidos, confusos, ambivalentes quanto aos seus papéis e quanto aos valores a serem transmitidos aos filhos. A exposição a que estamos submetidos pela avalanche das transformações sociais, culturais e econômicas acaba por alterar os códigos e valores que são usados na formulação que possamos fazer de nós mesmos e da família. A família é uma instituição que desempenhava funções variadas. A ideia de função remete ao significado de cumprir algo, desempenhar um dever ou tarefa e dessa forma, a família tem por obrigação cumprir algumas ações que lhe compete. Uma das principais tarefas da família é preparar a criança para ser inserida na sociedade, através da herança de valores estabelecidos na família como cultura, afetividade, religião e educação. O artigo 226 da Constituição Federal de 1988 dispõe que “a família é à base da sociedade”. Entretanto a família tem condições muito precárias para realizar a socialização primária e, cada vez menos, o faz devidamente. A autêntica educação nos valores transmite-se, passa dos pais para os seus filhos desde o dia do nascimento até ao final da vida. Não obstante, tem uma importância relevante durante os primeiros anos. Até aos seis ou sete anos de idade as crianças possuem uma moral denominada “heterónima”, ou seja, a sua motivação para fazer as coisas de uma maneira ou de outra é corresponder ao que o papá e a mamã desejariam: o que dizem os pais são “verdades absolutas”. Conforme crescem vão compreendendo melhor por que é importante atuar de certa forma e não de outras, mas seguem, sempre, guiando-se pelo que vêem em casa, especialmente até aos doze anos. Daí a tremenda importância de educar as crianças através do exemplo, para desenvolver uma educação cívica. Conforme Froabel: Os pais e as mães, podem encontrar uma fonte inesgotável de alegrias na educação dos filhos. Não há satisfação maior, não há felicidade mais profunda, que a de educar nossos filhos, viver com eles, ou melhor, viver neles. (FROEBEL,2001,p.66) Já comentámos que, até os doze anos aproximadamente, o lar é a principal fonte de valores, direitos e deveres da criança. Agora também terá que se dizer que há coisas que dificilmente se aprendem mais tarde. Se em pequenos não nos acostumamos a guardar o pacote no bolso quando não há um cesto de papéis à mão, a não pôr a música muito alta para não incomodar o vizinho, a dizer obrigado quando nos fazem um favor ou a não insultar os que são diferentes, será mais
  40. 40. 40 complicado aprendê-lo mais tarde. Porque o civismo, o respeito, a honestidade e todos os valores humanos são em grande medida hábitos, rotinas que aprendemos em família, de forma inconsciente, e que mais tarde, na escola, chegamos a valorizar com a reflexão que permite a maturidade. Os valores transmitem-se através do exemplo, mas assentam com força, graças à compreensão de que são necessários. Como podemos ajudar uma criança pequena a perceber esta importância? Uma boa maneira é aplicar a fórmula de “faz pelos outro o que gostarias que fizessem por ti, e não lhes faças o que não gostarias que te fizessem”. Por outras palavras, colocar as crianças na hipótese de serem eles os protagonistas de certas atitudes. A importância da família na vida do indivíduo é imensurável, vez que, a partir dela que ela adquiri os primeiros conceitos que formarão os pilares de seu caráter e servirão de orientação para os caminhos a serem trilhados em toda a sua trajetória de vida. 2.4- IMPEDIMENTOS NA APROXIMAÇÃO ESCOLA E FAMÍLIA No que se refere ao impedimento na aproximação escola e família um dos fatores que prejudicam o rendimento escolar dos alunos, destaca-se a falta de condições favoráveis para o estudo, principalmente nas classes menos favorecidas. Ainda que nessas camadas sociais podem ser evidenciadas situações bastante diversas, desde extrema precariedade até realidades na qual a família oferece boas condições de trabalho. No entanto, na atual situação das famílias menos favorecidas, é bastante possível que os casos em que há ausência de situações adequadas aos estudos predominem amplamente. Diante disso Paro (2007, p. 48) afirma que: “a precariedade dos recursos e dos espaços para o estudo no interior dos lares não deixa de ser uma realidade que dificulta o trabalho estudantil das crianças e jovens”. Percebe-se, então, que famílias menos favorecidas financeiramente possuem uma dificuldade muito maior em poder proporcionar aos filhos condições favoráveis de estudos. O fator condição social exerce fundamental influência no insucesso nos estudos por parte dos alunos. Esse ponto que faz a maior diferença nos resultados da educação nas escolas, é essa proximidade dos pais no esforço diário dos professores. Infelizmente não poucos as escolas que podem se orgulhar de ter uma aproximação maior com os pais, ou de realizarem algumas ações neste sentido.
  41. 41. 41 Entretanto, estas ações concretas, visando atrair os pais para a escola, podem ser uma ótima saúde para formar melhore os alunos dentro dos padrões de estudos esperados em no sentido da cidadania. Esse fator apontado por Paro (2007) como prejudicial à integração família e escola é a comunicação ineficiente. Em relação a isso, ele afirma que a comunicação eficiente entre a família e a escola está muito distante da realidade atual, e que os valores importantes no que diz respeito ao ensino ficam prejudicados nesse tipo de relação. De acordo com o mesmo autor, a falta de iniciativa dos educadores contribui de maneira significativa para este quadro. Para ele, os docentes deixam a desejar nas atitudes, além de haver escassez de trabalho em conjunto com a família dos alunos. As barreiras culturais são outros fatores que dificultam aproximação da família e escola Deste modo, é necessário que professores e diretores desenvolvam habilidades e ações que explorem os diferentes níveis de experiências, conhecimentos e oportunidades dos pais visando uma implementação mais efetiva do envolvimento família e escola. Os docentes não têm iniciativa de trabalho junto à família do aluno, e que esta também é carente de habilidade e incentivo para que os filhos tenham bons hábitos escolares. Desta forma e nas palavras de Marques (citado por Villas-Boas, 2001, p.119): Parece caber à escola dar o primeiro passo no sentido de preencher a lacuna existente em termos de comunicação positiva não só entre a escola e a família, mas também entre estas e a comunidade, mas esta comunicação não deverá fazer-se num sentido único, sendo desta forma fundamental que os professores sintam necessidade de ouvirem os pais e partilharem com eles algum poder de decisão. Entende-se que a escola tem que caminha, frente aos novos desafios, embora que a precariedade de condições das classes menos favorecidas economicamente influencia de maneira negativa no processo educacional, e que isso aliado à falta de interesse do educador em resocializar o aluno e de trazer a família para dentro da escola, ajuda a potencializar ainda mais os problemas que assolam o sistema educacional brasileiro. 2.5- FATORES DO COTIDIANO ESCOLAR No decorrer dos últimos anos e escola vem se constituindo como uma importante integrante do contexto social. Assim, aquilo que ocorre no interior das
  42. 42. 42 escolas, a pratica pedagógica não pode ser entendida de forma isolada da sociedade, como fator isolado, mas sim inserido em todo o contexto, de modo decisivo para o sucesso escolar. O trabalho de estudiosos da educação vem se esforçando para realizar a difícil tarefa de articular teorias educacionais numa perspectiva histórica, tomando como foco a escola no seu dia-a-dia, e buscando entender como se determinam reciprocidade os processos sociais mais amplos que estão ocorrendo num determinado período. Pois, a escola no seu dia-a-dia é universo bastante diversificado, onde a finalidade aparentemente conhecida, formam grupos homogêneos com indivíduos diferentes, onde estes desempenham atividades variadas, com significado, que uma parcela desses indivíduos é inadequado e não constitui desafio, nem provoca aprendizagem. Esse cotidiano escolar, para ser dinâmico e reflexivo deverá desenvolver um trabalho que contribua para o desenvolvimento de uma prática pedagógica que possibilite a formação de um cidadão com instrumentos para compreender e cooperar na transformação social. Diante do exposto acima as escolas devem se organizar os seus espaços e disponibilizar recursos visando facilitar o trabalho do professor. E essa preocupação é necessária para quem quer garantir um ensino que seja significativo para o aluno. Nesse sentido é importante destacar a relação realizada pelos sujeitos no processo educativo. Essa organização do dia-a-dia da escola tem uma grande importância para a construção do conhecimento, bem como o espaço, a organização dos materiais, a organização do tempo, a relação professor-aluno, a comunicação entre a família e a escola, a metodologia de ensino, a gestão, esses são algumas dimensões que constitui o cotidiano escolar. Isso significa que o nível cotidiano não é o campo fechado, mas liga-se a outros níveis da realidade. Ou seja, a escola tem o objetivo de transmitir o saber cultural organizado, mas que o aluno só atingirá tal saber se for considerado o saber popular que já possui, o saber que faz parte do universo desse aluno e da sua família. Existem outros fatores decisivos que influenciam também, no cotidiano escolar, e que são de suma importância para o sucessor escolar das crianças, tais como: família, professor/escola, o próprio aluno, saúde e recursos econômicos, entre outros. É importante lembrar que nenhum dos fatores mencionados acima tem força determinante sozinho. Portanto, vários fatores atuam interligados uns com os outros,
  43. 43. 43 ora podendo um ter mais destaque do que o outro. Esses múltiplos elementos não se somam uns aos outros, mas se combinam para criar a realidade. Para que um aluno venha a ter sucesso escolar, todos os fatores devem atuar em conjunto. Eles não são determinantes, pois, mesmo estando presentes na vida de uma pessoa, não são garantia de sucesso. Quanto maior a diversidade de fatores do cotidiano escolar mais enriquecido torna-se o desenvolvimento infantil. Como enfatiza o documento Parâmetros de Qualidade para a Educação Infantil (MEC, 2006, p.15): Crianças expostas a uma gama ampliada de possibilidades interativas têm seu universo pessoal de significados ampliado, desde que se encontrem em contextos coletivos de boa qualidade. Essa afirmativa é considerada válida para todas as crianças, independentemente de sua origem social, pertinência étnico/racial, ou credo, desde que nascem. Todos esses fatores: as condições do espaço, organização, recursos, diversidade de ambientes internos e ao ar livre, adequação, limpeza, segurança etc. São fundamentais, mas é pelas relações que os sujeitos estabelecem que o espaço físico deixa de ser um material construído e organizado e adquire a condição de ambiente. Assim, pelas interações, o espaço se qualifica e torna-se uma moldura sobre a qual as sensações se revelam e produzem marcas. Um trabalho de qualidade para as crianças pequenas exige ambientes aconchegantes, seguros, estimulantes, desafiadores, criativos, alegres e divertidos, onde as atividades elevem sua autoestima, valorizem e ampliem as suas experiências e seu universo cultural, agucem a curiosidade, a capacidade de pensar, de decidir, de atuar, de criar, de imaginar, de expressar. Ambientes que se abram à brincadeira, que é o modo como às crianças dão sentido ao mundo, produzem história, criam cultura, experimentam e fazem arte. Todos esses fatores do cotidiano escolar precisam, sobretudo, ser compreendidos como espaços sociais onde o educador tem um papel decisivo, não só na organização e na disposição dos recursos, mas também na sua postura, na forma de mediar as relações, de se relacionar com as crianças, de ouvi-las e de instigá-las na busca de conhecimentos. São os educadores que dão o tom ao trabalho, que reforçam ou não a capacidade crítica e a curiosidade das crianças, que as aproximam dos objetos e das situações, que acreditam ou não nas suas possibilidades, que buscam entender suas produções, que dão espaço para a fala, e o cotidiano escolar expressa, a autonomia e a autoria. São eles também que fazem
  44. 44. 44 a ponte com as famílias e a comunidade, que promovem trocas sobre o desenvolvimento, as conquistas e as necessidades das crianças, que esclarecem os pais sobre os mais diversos assuntos que dizem respeito à infância, que organizam eventos e atividades culturais e socializadoras, todos contribuindo para o desenvolvimento e sucesso escolar da criança.
  45. 45. 45 CAPÍTULO III CARACTERÍSTICA DA PESQUISA Este capítulo recorrerá sobre os procedimentos metodológicos e os procedimentos de análise de dados assim também como os resultados obtidos através da entrevista com o corpo docente e pais dos alunos, da Escola Municipal Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no município de Tomé-Açu, sobre a importância da relação família e escola. Proporcionamos uma breve caracterização do local onde o mesmo ocorreu à entrevista e o detalhamento metodológico da pesquisa, incluindo o campo, a população alvo, os instrumentos e técnicas de coleta de dados e de análise de resultados. 3.1 - PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Com a finalidade de se centralizar a discussão sobre a importância da relação família e escola na Escola Municipal Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, realizamos entrevista com duas professoras, que trabalham na referida escola, que funciona com oito turmas. A entrevista realizada com 02 professoras da escola e 02 mães, que se disponibilizaram a responder as perguntas. A entrevista foi realizada, obedecendo a um roteiro de seis perguntas a cada entrevistado, que nos permitiu uma coleta de dados de forma ágil. A entrevista foi realizada no mês de Dezembro de 2014, com duração média de 60 minutos, na referida escola. De modo geral, as respostas, diante das perguntas realizadas, foram suficientes para a finalidade do nosso trabalho. A entrevistadas nos permitiram compreender melhor a relação família e escola, nesta entidade de ensino, e suas possiblidades e desafio a serem superados, para que ser torne uma educação de qualidade. A pesquisa do tipo etnográfico foi dividida em duas etapas, a coleta de dados, por meio das entrevistas com professore e pais. Logo após a construção de um roteiro semiestruturado, com seis questões de natureza explicativa que possibilitaram aos entrevistados maior flexibilidade no momento de expor suas opiniões e posicionamentos. O roteiro de entrevista foi realizado com as professores da Instituição selecionada, como mencionado anteriormente a fim de perceber suas falas suas concepções e representações sobre a relação família e
  46. 46. 46 escola. A liberdade no percurso de sua realização é um ponto marcante nas entrevistas semiestruturadas, não sendo obrigatório o acompanhamento de um roteiro rígido, tornando possível às duas partes fazer inferências ou esclarecimentos. Como afirma Ludke: [...] É importante atentar para o caráter de interação que permeia a entrevista. Mais que os outros métodos de pesquisa, que em geral estabelecem uma relação hierárquica entre o pesquisador e o pesquisado, como na observação unidirecional, na entrevista a relação que se cria é de interação, havendo uma atmosfera de influência recíproca entre quem pergunta e quem responde. (LUDKE, 1986, p.33). No seu contexto estavam presentes questões que surgiam no decorrer da entrevista. Todas as entrevistadas tiveram o intuito explanar as questões sobre a importância da relação família e escola e de como ela é trabalhada nesta escola. 3.2- CARACTERÍSTICAS GERAIS DA ESCOLA A escola pesquisada foi a Escola Municipal Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, situada na Rua Francisco Soares, s/n - bairro da pedreira, foi fundada em 03 de janeiro de 2011, pelo Pe. Célio Torresan e a pedagoga Izabel de Oliveira Santana que vendo as dificuldades que as crianças tinham ao se deslocarem para outros bairros. A escola funciona em regime de convênio com a parceria da Prefeitura Municipal de Tomé-Açu. O objetivo da escola e possibilitar a reflexão criticam e a tomada de decisões coletivas de cunho técnico pedagógicos, buscando incessantemente garantir a qualidade de ensino oferecido à comunidade, desenvolvendo ações pedagógicas para a formação do sujeito ético e critico transformador de sua realidade social. Essa instituição é considerada de pequeno porte e recebe aluno de classe baixa e media,, sendo que uma quantidade expressiva de alunos é beneficiada com o programa de governo federal, como a bolsa família. A escola vem trabalhando com a modalidade de ensino regular atendendo turmas da creche (educação infantil) ao 1° ano do ensino fundamental de 9° anos, de acordo com a LDB 9394/96. Atualmente a escola tem como diretora a fundadora Isabel de Oliveira Santana, 14 funcionários e as turmas estão organizados assim: 02 turmas de creche, 02 de pré I, 02 de pré II e 02 turmas de 1º ano.
  47. 47. 47 3.3 - PERFIL DO CORPO DOCENTE Ao nível do Pré-Escolar considera-se que o corpo docente é estável, sendo que na maioria feminino, sendo uma professora por turma, num total de 08 professoras. Verificamos também, que a maioria dessas professoras e casada e possui mais de 30 anos de idade, e que já possuem experiência na educação infantil, e que as mesmas residem no mesmo bairro que a escola está situada. Em relação à escolaridade apenas 06 professoras da escola possuem licenciatura em pedagogia e 02 apenas o antigo magistério, mas que as mesma estão cursando pedagogia. Observamos que a formação escolar das professoras acima mencionadas, sendo que nem todas possuem ensino superior completo, com exceção a duas professoras da creche que estão com o curso superior, mas que as mesmas estão buscando formação é aqui entendida como ponto positivo para educadores conforme esclarece Nilma Lino Gomes, ao afirmar que: Quanto mais complexas se tornam as relações entre educação, conhecimento e cotidiano escolar; cultura escolar e processos educativos; escola e organização do trabalho docente, mais o campo da Pedagogia é desafiado a compreender e apresentar alternativas para a formação dos seus profissionais. (Gomes, 2008, p.19) O interesse das professoras em concluir o curso superior e manter uma formação continuada pode ser ampliada conforme o aperfeiçoamento do educador é de uma importância para que o mesmo possa provar no seu ambiente de trabalho teorias discutidas na Academia, de forma a não distanciar teoria da prática. Em relação à diretora e coordenadora da escola, ambas possuem características físicas de pessoas negras, e foram eleitas para ocuparem seus cargos através da Secretaria de Educação, e já estão há 06 anos há frente da escola. A direção reside próximo da escola, o que segundo possibilita o seu deslocamento e ajuda a conhecer melhor a clientela da escola, e consciente dos problemas que afetam o bairro, e as necessidades dos alunos. A escola proporciona construir um olhar mais sensível à diversidade apresentada no espaço escolar e em relação a sala de aula, e as metodologias que as professoras decidiram adotar foi a de ajustar os conteúdos abarcados pelo projeto político pedagógico com a série correspondente, partindo de conhecimentos prévios dos alunos. As professoras colocam-se como dispostas a fazer educação
  48. 48. 48 enquanto tiverem fôlego, não representando um empecilho para ‘incomodar’ as suas práticas. 3.4 - PERFIL DO CORPO DISCENTE A Escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, atende crianças de 03 a 07 anos de idade, distribuídos em 08 turmas, com total de 230 alunos. Onde 90% desses alunos moram próximo da instituição são pessoas com um nível socioeconômico de baixa renda e moram há bastante tempo na comunidade e faixa etária de 05 a 07 anos de idade, ambos os sexo. As maiorias das casas próximo à escola são de alvenaria, por se tratar de um bairro totalmente asfaltado e com saneamento básico adequado. A maioria dos alunos faz o trajeto de casa para a escola e vice-versa de bicicleta ou de pé com seus respectivos responsáveis. As atividades pedagógicas realizadas no espaço externo da escola, ao lado da igreja católica. Pois a escola possui um amplo espaço para atividades Externas. As crianças tem acesso a diversos materiais lúdicos, enquanto realizavam suas brincadeiras. O trabalho na Educação Infantil parte do princípio de que a intencionalidade educativa deve estar presente nas interações adulto/criança, sobretudo quando o adulto responsável assume o compromisso de levar ao êxito os propósitos ao qual a interação se destina, especialmente quando se trata de interações pedagógicas, ou seja, daquelas que justificam a existência de espaços institucionais. A proposta pedagógica da escola, em ralação a seus alunos, contém visão religiosa, já que a escola no terreno da igreja católica, e que as crianças tem livre acesso a culto promovido pela igreja.
  49. 49. 49 CAPÍTULO IV PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE DADOS Neste capítulo, discorreremos sobre os procedimentos e análises de dados, junto com as nossas considerações acerca da pesquisa realizada. De inicio procuramos conhecer a realidade da escola pesquisada através de visitas a escola no intervalo das aulas. Primeiro procuramos a direção da escola para a autorização e o uso do nome da escola neste trabalho. Autorizado pela direção, conversamos com as professores da educação infantil, pedindo também autorização para marcar a data da entrevista, e tivemos apoio de duas professoras e duas mães, para a coleta de dados. Depois de alguns dias tivemos o momento de conversa com os professores para coleta de dados para a pesquisa. Também, relataremos informações adquiridas através da aplicação dos questionários de entrevistas semiestruturadas com as educadoras da referida escola. No decorrer da pesquisa foram coletados dados significativos sobre o entendimento das mesmas sobre a relação família e escola, na educação infantil. 4.1- PROCEDIMENTOS E ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS Ainda dentro deste capítulo discorreremos sobre os procedimentos e análise dos dados coletado, que foram obtidos através da entrevista com 06 perguntas semiestruturadas, com os sujeitos desta pesquisa que foram: duas professoras da educação infantil e duas mães. Onde foram feitas 06 pregunta as professoras e 02 perguntas as mães dos alunos, sempre procurando nos respaldarmos nos autores que embasam a fundamentação teórica. Sendo que a entrevista é um encontro entre duas ou mais pessoas, a fim de que uma delas obtenha informações a respeito de determinado assunto, mediante uma conversação de natureza profissional. Com isso, foram feitas as perguntas as duas professoras que chamaremos de (P 1, P 2), depois à duas mães (M1, M2) e em seguida foram feitas as tabulações e análises dos dados através de suas respectiva respostas. Apresentamos a seguir, as perguntas e respostas dos entrevistados e logo em seguida fizemos nossas análises em relação às mesmas.
  50. 50. 50 A entrevista com as professoras da escola e mães dos alunos nos permite conhecer melhor o contexto da relação entre família e escola e as ações que auxilie essa entidade a melhorar o ensino aprendizagem dessas crianças. Por essa razão achamos por bem ouvir, o que essas professoras e as mães sobre as suas possibilidades e desafios diante desta caminhada. Começamos a entrevista procurando entender as relações existentes entre família e escola através do questionamento as professoras sobre a participação da família nos projetos da escola, e qual metodologia a escola usa para essa reação? A resposta foi a seguinte: Constantemente, a escola faz reunião aos pais, para orientá-los sobre temas abordados a cada semestre, e procura sempre manter um bom diálogo, para que os pais participem mais na escola. (P 1). A escola fazer reuniões com os pais, antes de fazer algumas atividades culturais, mais a participação ainda é pouco. (P2). De acordo com as respostas das professoras a escola possui um grande papel na construção dessa parceria, devendo considerar a necessidade da família, levando-as a vivenciar situações que lhes possibilitem se sentirem participantes ativos nessa parceria e não apenas meros expectadores, mas também como construtores de uma educação para a sociedade. Vale ainda ressaltar que escola e família precisam se unir e juntas procurar entender o que é FAMÍLIA, o que é ESCOLA, como eram vistas anteriormente essas instituições e como é hoje, e ainda procurar, juntas, entender o que é desenvolvimento humano e aprendizagem, como a criança aprende etc., pois como diz ARROYO (2000, p166): [...] os aprendizes se ajudam uns aos outros a aprender, trocando saberes, vivências, significados, culturas. Trocando questionamentos seus, de seu tempo cultural, trocando incertezas, perguntas, mais do que respostas, talvez, mas trocando. Observa-se que a interação família/escola é necessária para que ambas conheçam suas realidades e suas limitações e busquem caminhos que permitam facilitar o entrosamento entre si, para o sucesso educacional do filho/aluno. Continuamos o diálogo sobre essa relação família e escola sobre as reuniões de pais e mestre feito na escola, e uma das professoras nos relatou que:
  51. 51. 51 Nas reuniões a escola também busca ouvir as famílias, que precisam de um bom entendimento sobre alguns assuntos envolvendo a criança como foco. (P 1). É feito convite para todos os responsáveis sobre as reuniões bimestrais, para que possamos informar sobre eventos e o rendimento ou dificuldade dos alunos. (P 2) Através de reuniões ou atividades escolares, podemos observar nas respostas das professoras, que a família e a escola buscam atingir os mesmos objetivos, preparar a criança para o mundo, devem estes comungar os mesmos ideais para que possam vir a superar dificuldades e conflitos que diariamente angustiam os profissionais da escola e também os próprios alunos e seus pais. “A escola nunca educará sozinha, de modo que a responsabilidade educacional da família jamais cessará. Uma vez escolhida a escola, a relação com ela apenas começa. È preciso o diálogo entre escola, pais e filhos”. (REIS, 2007, p. 6). Portanto, uma boa relação entre a família e a escola deve estar presente em qualquer trabalho educativo que tenha como principal alvo o aluno. A escola deve também, exercer sua função educativa junto aos pais, discutindo, informando, orientando sobre os mais variados assuntos, para que em reciprocidade, escola e família possam proporcionar um bom desempenho escolar e social às crianças. Indagamos sobre as vantagens da participação da família na escola a as dificuldades dessa participação, as respostas das entrevistadas foram: É possível concluir que a participação dos pais na vida escolar das crianças é sim, imprescindível, mas que ao mesmo tempo é necessário que esse envolvimento seja de qualidade, só assim será um sucesso. (P 1). É importante para o sucesso escolar que a criança note que seus pais buscam motivá-los para obter este sucesso. De certa forma, os pais são a força motriz para o estudo das crianças, e seu bom desempenho. (P 2). Analisando as respostas das professoras podemos observar que a importância da família na vida de todo ser humano está atrelada automaticamente ao bom desenvolvimento e ao indivíduo que no futuro irá também constituir uma família alicerçado na sua própria experiência de vida. Nesse sentido: “Na interação familiar, que é prévia e social (porém determinada pelo meio ambiente), que configura – se bem precocemente a personalidade, determinando – se aí as características sociais, éticas, morais e cívicas dos integrantes da comunidade adulta”. (KNOBEL, 1996, p.19).

×