SlideShare uma empresa Scribd logo
HOSPITALIZAÇÃO INFANTIL DE 
0 A 17 ANOS 
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA 
Enf@: Michelle Lucia 
Rio de Janeiro 
2010
INTRODUÇÃO 
A hospitalização da 
criança costuma ser 
vivenciada por ela com 
grande sofrimento 
psíquico potencializado 
pelo distanciamento da 
família, pela submissão 
aos procedimentos e 
rotinas hospitalares e 
por lidar com a fantasia 
ou o perigo real de 
morte.
HOSPITALIZAÇÃO 
 As teorias relevam 
que o ambiente 
hospitalar é para a 
criança um local de 
sofrimento físico e 
emocional. Lá, seu 
corpo é manipulado 
de forma “invasiva” 
e dolorosa, havendo 
pouca ou nenhuma 
explicação em 
relação à 
necessidade do 
procedimento. É 
para ela um local 
hostil, desconhecido 
e “assustador”, onde 
pessoas não 
familiares impõem o 
cuprimento de regras 
e bom 
comportamento. 
teorias relevam que o ambiente hospitalar 
é para a criança um local de sofrimento 
físico e emocional. Lá, seu corpo é 
manipulado de forma “invasiva” e dolorosa, 
havendo pouca ou nenhuma explicação em 
relação à necessidade do procedimento. É 
para ela um local hostil, desconhecido e 
“assustador”, onde pessoas não familiares 
impõem o cumprimento de regras e bom 
comportamento.
O IMPACTO DA HOSPITALIZAÇÃO 
EM CRIANÇAS E 
ADOLESCENTES 
 Na maior parte do tempo de hospitalização, a 
criança fica restringida ao leito, submetida à 
passividade, cercada de pessoas estranhas e que, 
para ela, trazem mais dor e sofrimento. 
 Dor representada pelas agulhas, cortes, 
medicações que ardem na pele, dentre outros 
procedimentos desagradáveis, até mesmo para 
um adulto.
CONTINUAÇÃO 
Esses fatores tornam-nas mais vulneráveis às 
conseqüências emocionais da hospitalização. É 
comum a ocorrência de mecanismos de defesa, do 
tipo: 
REGRESSÃO, recusa de alimentos sólidos, diminuição 
do vocabulário, perda do controle dos esfíncteres, 
além de outras reações emocionais
HOSPITALIZAÇÕES E SUAS 
EXPERIÊNCIAS 
Quando uma criança é internada em um 
hospital, a primeira percepção que tem é 
de estranhamento ao ambiente, aos 
procedimentos, aos medicamentos, 
equipamentos e os profissionais. Há um 
desconhecimento do ato médico como um 
todo; surgem intervenções invasivas com 
pouca ou nenhuma comunicação da 
equipe de saúde, dificultando que a 
criança perceba como parte de sua cura, 
associando mais a intenções punitivas e 
castigo (especialmente as que envolvem 
utilização de agulhas).
CONTINUAÇÃO 
É necessário preparar emocionalmente o 
paciente nas situações de angústia e estresse 
no contato com a hospitalização, para que seus 
medos e fantasias sejam amenizados.
CONTINUAÇÃO 
 Vimos que a experiência de hospitalização é fonte de 
stress e ansiedade para a maioria das crianças, podendo 
mesmo contribuir para um risco acrescido de 
perturbações de comportamento e de psicopatologia a 
médio e longo prazo.
COMPORTAMENTOS DAS CRIANÇAS E 
DA FAMÍLIA A HOSPITALIZAÇÃO 
Segundo Baldini e Krebs (1999, Internet), as reações da 
criança frente à doença e a hospitalização dependem 
principalmente do nível de desenvolvimento psíquico na 
ocasião, do grau de apoio familiar, do tipo de doença e das 
atitudes do médico.
CONTINUAÇÃO 
Quando a 
internação ocorre 
Dos quatro meses aos dois anos; 
Dos dois aos cinco anos; 
Dos cinco aos sete anos; 
Dos sete aos nove anos; 
Dos nove aos onze anos; 
Dos onze aos treze anos; 
Dos treze aos dezessete anos.
CONTINUAÇÃO 
 Reações dos pais podem reagir com descrença, 
Riva ou culpa e podem responsabilizar-se pela 
doença da criança. Sentem também medo, 
ansiedade e frustração. Eventualmente, podem 
reagir com algum grau de depressão. 
 Reações dos irmãos experimentam solidão, 
medo, preocupação, raiva, ressentimento, ciúme 
e culpa. 
 Papeis familiares alterados isto afeta cada 
membro da família, por exemplo, uma reação 
comum é a atenção especializada a criança 
doente e a os outros filhos se considerar como 
rejeitados.
DIREITOS DA CRIANÇA E DO 
ADOLESCENTE HOSPITALIZADOS 
CARTA DA CRIANÇA HOSPITALIZADA 
Esta Carta foi preparada por várias 
associações européias em 1988, em Leiden. 
Esta Carta resume e reafirma os Direitos das 
crianças hospitalizadas.
 A admissão de uma criança no Hospital só deve ter lugar quando os 
cuidados necessários à sua doença não possam ser prestados em 
casa, em consulta externa ou em hospital de dia. 
 Uma criança hospitalizada tem direito a ter os pais ou seus 
substitutos, junto dela, dia e noite, qualquer que seja a sua idade ou o 
seu estado. 
 As crianças e os pais têm o direito de receber uma informação sobre 
a doença e os tratamentos, adequada à idade e à compreensão, a fim 
de poderem participar nas decisões que lhes dizem respeito. 
 A equipa de saúde deve estar organizada de modo a assegurar a 
continuidade dos cuidados que são prestados a cada criança. 
 A intimidade de cada CRIANÇA deve ser respeitada. A criança deve 
ser tratada com cuidado e compreensão em todas as circunstâncias.
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM A 
CRIANÇA HOSPITALIZADA 
 Neste cenário a enfermagem se inserir de maneira a tornar o mais 
agradável possível a estadia da criança no hospital. Gostaria de 
sensibilizar os profissionais da área de saúde para que consigam 
captar as reais necessidades das crianças com a maior paciência 
possível. 
 A figura materna representa conforto, segurança, apoio, carinho e 
proteção, quando as crianças internadas podem contar com o apoio 
das mães durante a internação se tornam mais capazes de suportar 
os sofrimentos e ansiedades causadas pela hospitalização. 
 Para que a assistência de enfermagem seja efetiva deve-se 
compreender o impacto da hospitalização nas crianças e em suas 
mães, observando suas reações, e buscando junto à equipe ajudá-las, 
pra que se possa desenvolver um melhor trabalho possível. O 
apoio emocional, que é o coração da enfermagem.
 É necessário expandir a atuação da enfermagem, não se 
restringindo puramente à prestação da assistência a criança 
hospitalizada; mas estender-se ao conhecimento dos fatores 
emocionais da mãe, pois o cuidado humanizado engloba cuidar de 
quem cuida. 
 Brincando a criança expressa de modo simbólico suas fantasias, 
seus desejos e suas experiências vividas. 
 Tais resultados comprovam cada vez mais o quanto as brincadeiras 
podem auxiliar no processo de recuperação da criança hospitalizada. 
 Preparar a criança através de atividades lúdicas para que ela possa 
enfrentar de maneira mais realista os conflitos vividos pela cirurgia e 
outros procedimentos prestado. 
 A participação ativa dos pais nesse momento transmite tranqüilidade 
à criança, atenuando vivências desagradáveis durante a 
hospitalização.
CONCLUSÃO 
Concluímos que, adoecer faz parte da vida. Todavia, algumas 
doenças levam à hospitalização, afetando a vida das pessoas 
durante um determinado período de tempo. O caso torna-se 
mais grave quando o paciente em questão é uma criança e 
quando a causa de internação, além de ser alguma 
debilidade física acaba tornando-se crônica, prejudicando 
uma das etapas mais importantes da vida: a infância. Desta 
forma os principais conhecimentos atuais sobre as 
conseqüências psicológicas da hospitalização infantil, é 
apresentar algumas sugestões das estratégias a implementar 
para que esta experiência possa ser cada vez menos uma 
causa de problemas comportamentais ,emocionais e de 
desenvolvimento.
Referências Bibliográficas 
CHIATTONE, H. B. C. “Relato de experiência de intervenção 
psicológica junto a crianças hospitalizadas em Psicologia Hospitalar: 
a atuação do psicólogo no contexto hospitalar. São Paulo: Traço 
Editora, 1984. 
Santos, Iraci. Enfermagem Assistencial no ambiente hospitalar. São 
Paulo: Atheneu, 2004 
Disponível em: 
HTTP://www.caentrenos.wordpress.com/2008/07/15/hospitalização-infantil. 
Acesso em15/05/2010 ás1145h 
Disponível em: 
HTTP://www.pesquisapsicologica.pro.br/pub01/fabricya.htm.Acesso 
em 15/05/2010 ás 01:49h 
Disponível em: 
HTTP://www.hospvirt.org.br/enfermagem/port/hospital.htm.Acesso 
em15/05/2010 ás 02: 31h
Já fui sonho... projeto... feto... 
Hoje, sou como o raiar de um novo dia, 
O brotar de uma semente, 
O desabrochar de uma flor! 
Sou como uma doce melodia, 
Com autor e partitura, 
Só preciso que me "toquem" com ternura, 
Para que eu possa ser gente! 
Do bem, quero ser sempre contexto, 
Não nasci para ser avesso! 
Sou portador de sol, 
Trago luz, 
Alegria e esperança, 
Afinal sou criança, 
Imagem e semelhança de Jesus! 
OBRIGADA!!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Aroldo Gavioli
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
Enayad
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguro
Proqualis
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
EDSON ALAN QUEIROZ
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
Jose Roberto
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
Rejane Durães
 
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda GástricaCuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
Amanda Thaysa
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
jorge luiz dos santos de souza
 
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia ePrevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Laíz Coutinho
 
Triagem Neonatal
Triagem NeonatalTriagem Neonatal
Triagem Neonatal
allysson danilo
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
blogped1
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Eduardo Gomes da Silva
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
Centro Universitário Ages
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
Luana Santos
 

Mais procurados (20)

Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguro
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda GástricaCuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
 
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia ePrevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
 
Triagem Neonatal
Triagem NeonatalTriagem Neonatal
Triagem Neonatal
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 

Destaque

Pediatria
PediatriaPediatria
Pediatria
sanmendoza
 
Intervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátricaIntervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátrica
Gladyanny Veras
 
Pediatria
PediatriaPediatria
Pediatria
Flash Faces
 
Aplicação de Software Social - Mashups
Aplicação de Software Social - MashupsAplicação de Software Social - Mashups
Aplicação de Software Social - Mashups
guest81c0b7
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Gladyanny Veras
 
Trabalho pediatria
Trabalho pediatriaTrabalho pediatria
Trabalho pediatria
Henrique Brugnera
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Renato Bach
 

Destaque (7)

Pediatria
PediatriaPediatria
Pediatria
 
Intervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátricaIntervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátrica
 
Pediatria
PediatriaPediatria
Pediatria
 
Aplicação de Software Social - Mashups
Aplicação de Software Social - MashupsAplicação de Software Social - Mashups
Aplicação de Software Social - Mashups
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Trabalho pediatria
Trabalho pediatriaTrabalho pediatria
Trabalho pediatria
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
 

Semelhante a Hospitalização infantil de 0 a 17 anos

Manual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizadaManual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizada
gisa_legal
 
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionaisCartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
LucasSilva385433
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Ivanilson Gomes
 
5 psicopedagogia hospitalr
5  psicopedagogia hospitalr5  psicopedagogia hospitalr
5 psicopedagogia hospitalr
DalianeNascimento3
 
135594270-Aula-8-Humanizacao.ppt
135594270-Aula-8-Humanizacao.ppt135594270-Aula-8-Humanizacao.ppt
135594270-Aula-8-Humanizacao.ppt
VeruchaAnzoa
 
Brinquedoteca
BrinquedotecaBrinquedoteca
Brinquedoteca
Renata Santos
 
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e AdultoPsicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Deisiane Cazaroto
 
Livroatencaoacrianca
LivroatencaoacriancaLivroatencaoacrianca
Livroatencaoacrianca
enzofaversani
 
Livro Atenção à Criança
Livro Atenção à CriançaLivro Atenção à Criança
Livro Atenção à Criança
Fabíola Mapin
 
Artigo sala de espera
Artigo sala de esperaArtigo sala de espera
Artigo sala de espera
StefaneThais
 
Histórico da pedagogia hospitalar
Histórico da pedagogia hospitalarHistórico da pedagogia hospitalar
Histórico da pedagogia hospitalar
pedagogiaaoaopedaletra.com Mendonca
 
Brinquedo Terapêutico
Brinquedo TerapêuticoBrinquedo Terapêutico
Brinquedo Terapêutico
Camila Ferreira
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
AndressaMolina3
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
AndressaMolina3
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
WellingtonTeixeira24
 
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Lucas Fontes
 
Pedagogia Hospitalar
Pedagogia HospitalarPedagogia Hospitalar
Pedagogia Hospitalar
Daniel Rocha
 
Trabalho Psicopedagogia Hospitalar
Trabalho Psicopedagogia HospitalarTrabalho Psicopedagogia Hospitalar
Trabalho Psicopedagogia Hospitalar
QuelenP
 
Fundamentos de Enfermagem -
Fundamentos de Enfermagem -Fundamentos de Enfermagem -
Fundamentos de Enfermagem -
LucianaSousa469679
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Cláudio Costa
 

Semelhante a Hospitalização infantil de 0 a 17 anos (20)

Manual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizadaManual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizada
 
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionaisCartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
 
5 psicopedagogia hospitalr
5  psicopedagogia hospitalr5  psicopedagogia hospitalr
5 psicopedagogia hospitalr
 
135594270-Aula-8-Humanizacao.ppt
135594270-Aula-8-Humanizacao.ppt135594270-Aula-8-Humanizacao.ppt
135594270-Aula-8-Humanizacao.ppt
 
Brinquedoteca
BrinquedotecaBrinquedoteca
Brinquedoteca
 
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e AdultoPsicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
 
Livroatencaoacrianca
LivroatencaoacriancaLivroatencaoacrianca
Livroatencaoacrianca
 
Livro Atenção à Criança
Livro Atenção à CriançaLivro Atenção à Criança
Livro Atenção à Criança
 
Artigo sala de espera
Artigo sala de esperaArtigo sala de espera
Artigo sala de espera
 
Histórico da pedagogia hospitalar
Histórico da pedagogia hospitalarHistórico da pedagogia hospitalar
Histórico da pedagogia hospitalar
 
Brinquedo Terapêutico
Brinquedo TerapêuticoBrinquedo Terapêutico
Brinquedo Terapêutico
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
 
Pedagogia Hospitalar
Pedagogia HospitalarPedagogia Hospitalar
Pedagogia Hospitalar
 
Trabalho Psicopedagogia Hospitalar
Trabalho Psicopedagogia HospitalarTrabalho Psicopedagogia Hospitalar
Trabalho Psicopedagogia Hospitalar
 
Fundamentos de Enfermagem -
Fundamentos de Enfermagem -Fundamentos de Enfermagem -
Fundamentos de Enfermagem -
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
 

Hospitalização infantil de 0 a 17 anos

  • 1. HOSPITALIZAÇÃO INFANTIL DE 0 A 17 ANOS ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA Enf@: Michelle Lucia Rio de Janeiro 2010
  • 2. INTRODUÇÃO A hospitalização da criança costuma ser vivenciada por ela com grande sofrimento psíquico potencializado pelo distanciamento da família, pela submissão aos procedimentos e rotinas hospitalares e por lidar com a fantasia ou o perigo real de morte.
  • 3. HOSPITALIZAÇÃO  As teorias relevam que o ambiente hospitalar é para a criança um local de sofrimento físico e emocional. Lá, seu corpo é manipulado de forma “invasiva” e dolorosa, havendo pouca ou nenhuma explicação em relação à necessidade do procedimento. É para ela um local hostil, desconhecido e “assustador”, onde pessoas não familiares impõem o cuprimento de regras e bom comportamento. teorias relevam que o ambiente hospitalar é para a criança um local de sofrimento físico e emocional. Lá, seu corpo é manipulado de forma “invasiva” e dolorosa, havendo pouca ou nenhuma explicação em relação à necessidade do procedimento. É para ela um local hostil, desconhecido e “assustador”, onde pessoas não familiares impõem o cumprimento de regras e bom comportamento.
  • 4. O IMPACTO DA HOSPITALIZAÇÃO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES  Na maior parte do tempo de hospitalização, a criança fica restringida ao leito, submetida à passividade, cercada de pessoas estranhas e que, para ela, trazem mais dor e sofrimento.  Dor representada pelas agulhas, cortes, medicações que ardem na pele, dentre outros procedimentos desagradáveis, até mesmo para um adulto.
  • 5. CONTINUAÇÃO Esses fatores tornam-nas mais vulneráveis às conseqüências emocionais da hospitalização. É comum a ocorrência de mecanismos de defesa, do tipo: REGRESSÃO, recusa de alimentos sólidos, diminuição do vocabulário, perda do controle dos esfíncteres, além de outras reações emocionais
  • 6. HOSPITALIZAÇÕES E SUAS EXPERIÊNCIAS Quando uma criança é internada em um hospital, a primeira percepção que tem é de estranhamento ao ambiente, aos procedimentos, aos medicamentos, equipamentos e os profissionais. Há um desconhecimento do ato médico como um todo; surgem intervenções invasivas com pouca ou nenhuma comunicação da equipe de saúde, dificultando que a criança perceba como parte de sua cura, associando mais a intenções punitivas e castigo (especialmente as que envolvem utilização de agulhas).
  • 7. CONTINUAÇÃO É necessário preparar emocionalmente o paciente nas situações de angústia e estresse no contato com a hospitalização, para que seus medos e fantasias sejam amenizados.
  • 8. CONTINUAÇÃO  Vimos que a experiência de hospitalização é fonte de stress e ansiedade para a maioria das crianças, podendo mesmo contribuir para um risco acrescido de perturbações de comportamento e de psicopatologia a médio e longo prazo.
  • 9. COMPORTAMENTOS DAS CRIANÇAS E DA FAMÍLIA A HOSPITALIZAÇÃO Segundo Baldini e Krebs (1999, Internet), as reações da criança frente à doença e a hospitalização dependem principalmente do nível de desenvolvimento psíquico na ocasião, do grau de apoio familiar, do tipo de doença e das atitudes do médico.
  • 10. CONTINUAÇÃO Quando a internação ocorre Dos quatro meses aos dois anos; Dos dois aos cinco anos; Dos cinco aos sete anos; Dos sete aos nove anos; Dos nove aos onze anos; Dos onze aos treze anos; Dos treze aos dezessete anos.
  • 11. CONTINUAÇÃO  Reações dos pais podem reagir com descrença, Riva ou culpa e podem responsabilizar-se pela doença da criança. Sentem também medo, ansiedade e frustração. Eventualmente, podem reagir com algum grau de depressão.  Reações dos irmãos experimentam solidão, medo, preocupação, raiva, ressentimento, ciúme e culpa.  Papeis familiares alterados isto afeta cada membro da família, por exemplo, uma reação comum é a atenção especializada a criança doente e a os outros filhos se considerar como rejeitados.
  • 12. DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE HOSPITALIZADOS CARTA DA CRIANÇA HOSPITALIZADA Esta Carta foi preparada por várias associações européias em 1988, em Leiden. Esta Carta resume e reafirma os Direitos das crianças hospitalizadas.
  • 13.  A admissão de uma criança no Hospital só deve ter lugar quando os cuidados necessários à sua doença não possam ser prestados em casa, em consulta externa ou em hospital de dia.  Uma criança hospitalizada tem direito a ter os pais ou seus substitutos, junto dela, dia e noite, qualquer que seja a sua idade ou o seu estado.  As crianças e os pais têm o direito de receber uma informação sobre a doença e os tratamentos, adequada à idade e à compreensão, a fim de poderem participar nas decisões que lhes dizem respeito.  A equipa de saúde deve estar organizada de modo a assegurar a continuidade dos cuidados que são prestados a cada criança.  A intimidade de cada CRIANÇA deve ser respeitada. A criança deve ser tratada com cuidado e compreensão em todas as circunstâncias.
  • 14. CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM A CRIANÇA HOSPITALIZADA  Neste cenário a enfermagem se inserir de maneira a tornar o mais agradável possível a estadia da criança no hospital. Gostaria de sensibilizar os profissionais da área de saúde para que consigam captar as reais necessidades das crianças com a maior paciência possível.  A figura materna representa conforto, segurança, apoio, carinho e proteção, quando as crianças internadas podem contar com o apoio das mães durante a internação se tornam mais capazes de suportar os sofrimentos e ansiedades causadas pela hospitalização.  Para que a assistência de enfermagem seja efetiva deve-se compreender o impacto da hospitalização nas crianças e em suas mães, observando suas reações, e buscando junto à equipe ajudá-las, pra que se possa desenvolver um melhor trabalho possível. O apoio emocional, que é o coração da enfermagem.
  • 15.  É necessário expandir a atuação da enfermagem, não se restringindo puramente à prestação da assistência a criança hospitalizada; mas estender-se ao conhecimento dos fatores emocionais da mãe, pois o cuidado humanizado engloba cuidar de quem cuida.  Brincando a criança expressa de modo simbólico suas fantasias, seus desejos e suas experiências vividas.  Tais resultados comprovam cada vez mais o quanto as brincadeiras podem auxiliar no processo de recuperação da criança hospitalizada.  Preparar a criança através de atividades lúdicas para que ela possa enfrentar de maneira mais realista os conflitos vividos pela cirurgia e outros procedimentos prestado.  A participação ativa dos pais nesse momento transmite tranqüilidade à criança, atenuando vivências desagradáveis durante a hospitalização.
  • 16. CONCLUSÃO Concluímos que, adoecer faz parte da vida. Todavia, algumas doenças levam à hospitalização, afetando a vida das pessoas durante um determinado período de tempo. O caso torna-se mais grave quando o paciente em questão é uma criança e quando a causa de internação, além de ser alguma debilidade física acaba tornando-se crônica, prejudicando uma das etapas mais importantes da vida: a infância. Desta forma os principais conhecimentos atuais sobre as conseqüências psicológicas da hospitalização infantil, é apresentar algumas sugestões das estratégias a implementar para que esta experiência possa ser cada vez menos uma causa de problemas comportamentais ,emocionais e de desenvolvimento.
  • 17. Referências Bibliográficas CHIATTONE, H. B. C. “Relato de experiência de intervenção psicológica junto a crianças hospitalizadas em Psicologia Hospitalar: a atuação do psicólogo no contexto hospitalar. São Paulo: Traço Editora, 1984. Santos, Iraci. Enfermagem Assistencial no ambiente hospitalar. São Paulo: Atheneu, 2004 Disponível em: HTTP://www.caentrenos.wordpress.com/2008/07/15/hospitalização-infantil. Acesso em15/05/2010 ás1145h Disponível em: HTTP://www.pesquisapsicologica.pro.br/pub01/fabricya.htm.Acesso em 15/05/2010 ás 01:49h Disponível em: HTTP://www.hospvirt.org.br/enfermagem/port/hospital.htm.Acesso em15/05/2010 ás 02: 31h
  • 18. Já fui sonho... projeto... feto... Hoje, sou como o raiar de um novo dia, O brotar de uma semente, O desabrochar de uma flor! Sou como uma doce melodia, Com autor e partitura, Só preciso que me "toquem" com ternura, Para que eu possa ser gente! Do bem, quero ser sempre contexto, Não nasci para ser avesso! Sou portador de sol, Trago luz, Alegria e esperança, Afinal sou criança, Imagem e semelhança de Jesus! OBRIGADA!!!!