SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Hérica Fernandes
Lyssa Martins
Paísa de Sousa
Silmara Fonteles
Acadêmicos:
Ana Carolina Coelho
Daniel Ximenes
Diangra Guida
Giovana Lopes
Março/2014
INTRODUÇÃO
SISTEMAJUDICIÁRIO:
CARGOS QUE EXERCIAM
OFICIAIS
ADMINISTRATIVOS
DIKU
(Juízes)
CHEFE DE
FAMÍLIA
DIKU - JUÍZES
Juristas
Profissionais
Homens letrados
pela escola de
Escribas
“Se um juiz fez um julgamento, tomou uma decisão, fez exarar um
documento selado e depois alterou o seu julgamento: comprovarão
contra esse juiz a alteração do julgamento que fez; ele pagará, então,
doze vezes a quantia reclamada nesse processo e, na assembleia, fá-lo-
ão levantar-se de seu trono de juiz. Ele não voltará a sentar-se com os
juízes em um processo.” (Bouzon, 2000: p.49)
RESPECTIVAS FUNÇÕES DE CADA
CARGO
CHEFE DE
FAMÍLIA
Jurisdição
Doméstica
Não dispunham
sobre o direito de
vida ou de morte
sobre seus
dependentes.
Podendo julgar seus
dependentes tanto em
questões
Direito Civil
Direito Penal
RESPECTIVAS FUNÇÕES DE CADA
CARGO
CONSELHO DE
ANCIÃOS
Podiam intervir em
disputas do:
Direito Público Direito Privado
RESPECTIVAS FUNÇÕES DE CADA
CARGO
RESPECTIVAS FUNÇÕES DE CADA
CARGO
OFICIAIS
ADMINISTRATIVOS
Recebiam atribuições
Judiciárias
Governadores da
Província
AFIGURADO REI DO IMPÉRIO
Podia intervir, ex-officio,
em todos os processos
através de autos diversos.
Segundo a documentação
oficial, o rei parece ter sido
onipresente na vida jurídica
mesopotâmica.
sua competência ligava-se
ao direito administrativo,
aos crimes de sangue e aos
dossiês políticos.
NASCIMENTO DO MINISTÉRIO
PÚBLICO
O Ministério Público foi criado no período
paleobabilônico. O oficial podia denunciar
Autoridades
Políticas
Delitos os quais
ele tivesse
conhecimento
Era uma
espécie de
Acusador
Público
NASCIMENTO DAFIGURADO
ADVOGADO
Parece que a profissão existiu na
época Paleo Assíria.
O advogado era nomeado pelas
autoridades públicas ou recrutado
por um particular.
PROCEDIMENTOS JUDICIÁRIOS
Instauração do Processo;
Constituição da prova;
Promulgação da sentença.
Mesopotâmia e Seus
Códigos Sumérios
ESTELADOSABUTRES (2450 a.C)
“Que jamais um homem
de Umma cruze a fronteira
de Ningirsu! Que jamais se
altere e o seu declive e a
sua vala! Que não se
movam a estela! Se ele
cruzar a fronteira…se
abata sobre Umma.”
URUKAGINADE LAGASH (2350 a.C.)
 Limitar o poder dos
sacerdotes e grandes
proprietários de terras.
 Os pobres não seriam
mas obrigados a vender
seus bens aos ricos.
 Não era permitido pena
de morte (A vida era
dom divino).
LIPIT-ISHTAR
Se um home for pego roubando
o pomar de outro homem,
deverá pagar 10 shakels de
prata.
Se um homem cortar uma
arvore pertencente ao jardim
de outro homem irá pagar uma
mina e meia de prata.
UR-NAMMU (2100 a.C)
 Aplicação de penas pecuniárias, ao invés das penas talianas.
 Possui 57 normas jurídicas, no entanto, apenas 30 normas
foram recuperadas.
CÓDIGO DE ESHNUNNA(1930
a.C.)
Contém cerca de 60
artigos.
 Julgamentos
 Funcionamento do
Reino e do Palácio
 Casamento
 Divorcio
CÓDIGO DE HAMMURÁBI
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
O exemplo mais antigo de um código de leis
“publicadas”, A estela, tem 2.25 m de altura em rocha
de diorito,.
• A estela foi descoberta em 1901 nas montanhas de
Iran, onde foi levada, provavelmente depois de uma
conquista.
COMPARAÇÃO
129.
Se a esposa de alguém for
surpreendida em flagrante
com outro homem, ambos
devem ser amarrados e
jogados dentro d'água, mas
o marido pode perdoar a
sua esposa, assim como o
rei perdoa a seus escravos.
Dt.22.22
Se um homem for achado
deitado com uma mulher
que tem marido, então,
ambos morrerão, o homem
que se deitou com a mulher
e a mulher; assim,
eliminarás o mal de Israel.
HAMMURÁBI BIBLIA
Vs.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Colonização Espanhola
Colonização EspanholaColonização Espanhola
Colonização Espanhola
 
A grécia antiga
A grécia antigaA grécia antiga
A grécia antiga
 
Direitos humanos tratados internacionais
Direitos humanos   tratados internacionaisDireitos humanos   tratados internacionais
Direitos humanos tratados internacionais
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
A teoria tridimensional do direito
A teoria tridimensional do direito A teoria tridimensional do direito
A teoria tridimensional do direito
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Período Pré Colonial
Período Pré ColonialPeríodo Pré Colonial
Período Pré Colonial
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
 
Resumo processo de independência do brasil
Resumo   processo de independência do brasilResumo   processo de independência do brasil
Resumo processo de independência do brasil
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Historia do Direito
Historia do DireitoHistoria do Direito
Historia do Direito
 
Direito hebraico
Direito hebraicoDireito hebraico
Direito hebraico
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
As Primeiras Leis e o Código de Hammurabi
As Primeiras Leis e o Código de HammurabiAs Primeiras Leis e o Código de Hammurabi
As Primeiras Leis e o Código de Hammurabi
 
O império macedônico e alexandre iii o
O império macedônico e alexandre iii   oO império macedônico e alexandre iii   o
O império macedônico e alexandre iii o
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Direito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacaoDireito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacao
 

Destaque

As mulheres na mesopotamia texto
As mulheres na mesopotamia   textoAs mulheres na mesopotamia   texto
As mulheres na mesopotamia textoFabio Santos
 
Direito dos povos sem escrita
Direito dos povos sem escritaDireito dos povos sem escrita
Direito dos povos sem escritaKayronn Sa Silva
 
Boletim de informações Prefeitura de Cruz das almas, Ba, 02.12.13
Boletim de informações Prefeitura de Cruz das almas, Ba, 02.12.13Boletim de informações Prefeitura de Cruz das almas, Ba, 02.12.13
Boletim de informações Prefeitura de Cruz das almas, Ba, 02.12.13TvSaj
 
A influência cultural grega no mundo moderno
A influência cultural grega no mundo modernoA influência cultural grega no mundo moderno
A influência cultural grega no mundo modernoLuciane
 
Civilização Mesopotâmica
Civilização MesopotâmicaCivilização Mesopotâmica
Civilização MesopotâmicaPaulo Alexandre
 
Filosofia mercador de veneza
Filosofia mercador de venezaFilosofia mercador de veneza
Filosofia mercador de venezaMima Rivera
 
Mercador de Veneza- Português
Mercador de Veneza- PortuguêsMercador de Veneza- Português
Mercador de Veneza- Português11CPTS
 
Direito dos povos ágrafos
Direito dos povos ágrafosDireito dos povos ágrafos
Direito dos povos ágrafossandra09121970
 
Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1Denise Moreira
 
Capítulo 11 as contribuições da cultura grega para o mundo
Capítulo 11   as contribuições da cultura grega para o mundoCapítulo 11   as contribuições da cultura grega para o mundo
Capítulo 11 as contribuições da cultura grega para o mundoIsaquel Silva
 
Mercador de Veneza
Mercador de VenezaMercador de Veneza
Mercador de VenezaAdvogadassqn
 

Destaque (20)

Direito grego
Direito gregoDireito grego
Direito grego
 
Mesopotamia slide
Mesopotamia slideMesopotamia slide
Mesopotamia slide
 
Direito cuneiformes
Direito cuneiformesDireito cuneiformes
Direito cuneiformes
 
As mulheres na mesopotamia texto
As mulheres na mesopotamia   textoAs mulheres na mesopotamia   texto
As mulheres na mesopotamia texto
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Direito dos povos sem escrita
Direito dos povos sem escritaDireito dos povos sem escrita
Direito dos povos sem escrita
 
Boletim de informações Prefeitura de Cruz das almas, Ba, 02.12.13
Boletim de informações Prefeitura de Cruz das almas, Ba, 02.12.13Boletim de informações Prefeitura de Cruz das almas, Ba, 02.12.13
Boletim de informações Prefeitura de Cruz das almas, Ba, 02.12.13
 
codigo-de-manu-completo
codigo-de-manu-completocodigo-de-manu-completo
codigo-de-manu-completo
 
A influência cultural grega no mundo moderno
A influência cultural grega no mundo modernoA influência cultural grega no mundo moderno
A influência cultural grega no mundo moderno
 
Civilização Mesopotâmica
Civilização MesopotâmicaCivilização Mesopotâmica
Civilização Mesopotâmica
 
O Povo Hebreu
O Povo HebreuO Povo Hebreu
O Povo Hebreu
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
Mulher cópia
Mulher   cópiaMulher   cópia
Mulher cópia
 
Filosofia mercador de veneza
Filosofia mercador de venezaFilosofia mercador de veneza
Filosofia mercador de veneza
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
Mercador de Veneza- Português
Mercador de Veneza- PortuguêsMercador de Veneza- Português
Mercador de Veneza- Português
 
Direito dos povos ágrafos
Direito dos povos ágrafosDireito dos povos ágrafos
Direito dos povos ágrafos
 
Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1
 
Capítulo 11 as contribuições da cultura grega para o mundo
Capítulo 11   as contribuições da cultura grega para o mundoCapítulo 11   as contribuições da cultura grega para o mundo
Capítulo 11 as contribuições da cultura grega para o mundo
 
Mercador de Veneza
Mercador de VenezaMercador de Veneza
Mercador de Veneza
 

Mais de Lyssa Martins

Legalização das Drogas no Brasil
Legalização das Drogas no BrasilLegalização das Drogas no Brasil
Legalização das Drogas no BrasilLyssa Martins
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direitoLyssa Martins
 
A Urbanização de Balsas/MA
A Urbanização de Balsas/MAA Urbanização de Balsas/MA
A Urbanização de Balsas/MALyssa Martins
 
Energia Geotérmica
Energia Geotérmica Energia Geotérmica
Energia Geotérmica Lyssa Martins
 
Aconselhamento Genético
Aconselhamento GenéticoAconselhamento Genético
Aconselhamento GenéticoLyssa Martins
 
História do maranhão
História do maranhãoHistória do maranhão
História do maranhãoLyssa Martins
 
Maranhão - Império
Maranhão - ImpérioMaranhão - Império
Maranhão - ImpérioLyssa Martins
 
Indústria Contemporanea no Brasil
Indústria Contemporanea no BrasilIndústria Contemporanea no Brasil
Indústria Contemporanea no BrasilLyssa Martins
 
Manifesto Antropófagico
Manifesto AntropófagicoManifesto Antropófagico
Manifesto AntropófagicoLyssa Martins
 
Movimento Estudantil
Movimento EstudantilMovimento Estudantil
Movimento EstudantilLyssa Martins
 
Um Mundo Sem as Armas Nucleares
Um Mundo Sem as Armas NuclearesUm Mundo Sem as Armas Nucleares
Um Mundo Sem as Armas NuclearesLyssa Martins
 

Mais de Lyssa Martins (16)

Legalização das Drogas no Brasil
Legalização das Drogas no BrasilLegalização das Drogas no Brasil
Legalização das Drogas no Brasil
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
 
A Urbanização de Balsas/MA
A Urbanização de Balsas/MAA Urbanização de Balsas/MA
A Urbanização de Balsas/MA
 
Energia Geotérmica
Energia Geotérmica Energia Geotérmica
Energia Geotérmica
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
 
Aconselhamento Genético
Aconselhamento GenéticoAconselhamento Genético
Aconselhamento Genético
 
História do maranhão
História do maranhãoHistória do maranhão
História do maranhão
 
Maranhão - Império
Maranhão - ImpérioMaranhão - Império
Maranhão - Império
 
Futurismoo
FuturismooFuturismoo
Futurismoo
 
Indústria Contemporanea no Brasil
Indústria Contemporanea no BrasilIndústria Contemporanea no Brasil
Indústria Contemporanea no Brasil
 
Manifesto Antropófagico
Manifesto AntropófagicoManifesto Antropófagico
Manifesto Antropófagico
 
Pl 122
Pl 122Pl 122
Pl 122
 
Biologia molucos
Biologia   molucosBiologia   molucos
Biologia molucos
 
Revolta da vacina
Revolta da vacinaRevolta da vacina
Revolta da vacina
 
Movimento Estudantil
Movimento EstudantilMovimento Estudantil
Movimento Estudantil
 
Um Mundo Sem as Armas Nucleares
Um Mundo Sem as Armas NuclearesUm Mundo Sem as Armas Nucleares
Um Mundo Sem as Armas Nucleares
 

Último

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 

Último (20)

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 

Sistema Judiciário Mesopotâmico

  • 1. Hérica Fernandes Lyssa Martins Paísa de Sousa Silmara Fonteles Acadêmicos: Ana Carolina Coelho Daniel Ximenes Diangra Guida Giovana Lopes Março/2014
  • 3.
  • 5. DIKU - JUÍZES Juristas Profissionais Homens letrados pela escola de Escribas “Se um juiz fez um julgamento, tomou uma decisão, fez exarar um documento selado e depois alterou o seu julgamento: comprovarão contra esse juiz a alteração do julgamento que fez; ele pagará, então, doze vezes a quantia reclamada nesse processo e, na assembleia, fá-lo- ão levantar-se de seu trono de juiz. Ele não voltará a sentar-se com os juízes em um processo.” (Bouzon, 2000: p.49) RESPECTIVAS FUNÇÕES DE CADA CARGO
  • 6. CHEFE DE FAMÍLIA Jurisdição Doméstica Não dispunham sobre o direito de vida ou de morte sobre seus dependentes. Podendo julgar seus dependentes tanto em questões Direito Civil Direito Penal RESPECTIVAS FUNÇÕES DE CADA CARGO
  • 7. CONSELHO DE ANCIÃOS Podiam intervir em disputas do: Direito Público Direito Privado RESPECTIVAS FUNÇÕES DE CADA CARGO
  • 8. RESPECTIVAS FUNÇÕES DE CADA CARGO OFICIAIS ADMINISTRATIVOS Recebiam atribuições Judiciárias Governadores da Província
  • 9. AFIGURADO REI DO IMPÉRIO Podia intervir, ex-officio, em todos os processos através de autos diversos. Segundo a documentação oficial, o rei parece ter sido onipresente na vida jurídica mesopotâmica. sua competência ligava-se ao direito administrativo, aos crimes de sangue e aos dossiês políticos.
  • 10. NASCIMENTO DO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público foi criado no período paleobabilônico. O oficial podia denunciar Autoridades Políticas Delitos os quais ele tivesse conhecimento Era uma espécie de Acusador Público
  • 11. NASCIMENTO DAFIGURADO ADVOGADO Parece que a profissão existiu na época Paleo Assíria. O advogado era nomeado pelas autoridades públicas ou recrutado por um particular.
  • 12. PROCEDIMENTOS JUDICIÁRIOS Instauração do Processo; Constituição da prova; Promulgação da sentença.
  • 14. ESTELADOSABUTRES (2450 a.C) “Que jamais um homem de Umma cruze a fronteira de Ningirsu! Que jamais se altere e o seu declive e a sua vala! Que não se movam a estela! Se ele cruzar a fronteira…se abata sobre Umma.”
  • 15. URUKAGINADE LAGASH (2350 a.C.)  Limitar o poder dos sacerdotes e grandes proprietários de terras.  Os pobres não seriam mas obrigados a vender seus bens aos ricos.  Não era permitido pena de morte (A vida era dom divino).
  • 16. LIPIT-ISHTAR Se um home for pego roubando o pomar de outro homem, deverá pagar 10 shakels de prata. Se um homem cortar uma arvore pertencente ao jardim de outro homem irá pagar uma mina e meia de prata.
  • 17. UR-NAMMU (2100 a.C)  Aplicação de penas pecuniárias, ao invés das penas talianas.  Possui 57 normas jurídicas, no entanto, apenas 30 normas foram recuperadas.
  • 18. CÓDIGO DE ESHNUNNA(1930 a.C.) Contém cerca de 60 artigos.  Julgamentos  Funcionamento do Reino e do Palácio  Casamento  Divorcio
  • 20. INTRODUÇÃO O exemplo mais antigo de um código de leis “publicadas”, A estela, tem 2.25 m de altura em rocha de diorito,. • A estela foi descoberta em 1901 nas montanhas de Iran, onde foi levada, provavelmente depois de uma conquista.
  • 21. COMPARAÇÃO 129. Se a esposa de alguém for surpreendida em flagrante com outro homem, ambos devem ser amarrados e jogados dentro d'água, mas o marido pode perdoar a sua esposa, assim como o rei perdoa a seus escravos. Dt.22.22 Se um homem for achado deitado com uma mulher que tem marido, então, ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher e a mulher; assim, eliminarás o mal de Israel. HAMMURÁBI BIBLIA Vs.