SlideShare uma empresa Scribd logo
É possível ao professor deixar claro para o aluno que a Matemática não é uma Ciência morta, mas uma Ciência viva na qual um progresso contínuo é realizado. FLORIAN CAJORI, 1890
AS FONTES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA ANTIGA E MEDIEVAL INTRODUÇÃO E FONTES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
Principal obra de referência: LORIA, Gino.  Guida allo Studio della Storia delle Matematiche . 2 a  ed. Milano: Ulrico Hoepli, 1946. 385 p. Disponível na Biblioteca do Instituto de Matemática e Estatística da USP.
Categorias de fontes da História da Matemática,  segundo Gino Loria: I. Relíquias ou restos, que são vestígios do passado sem qualquer propósito de conservar ou transmitir à posteridade a memória do presente, como edifícios, armamentos, brasões, contratos, leis, cartas, festas etc. Sinalização de Estrada Romana indicando distâncias de Rhegium (130 aC), fonte de informações sobre o uso dos numerais romanos.
II. Monumentos erguidos com o propósito de conservar para a posteridade a memória do presente, como por exemplo construções de monumentos, túmulos, inscrições etc. Pirâmides do Egito antigo, fonte de estudos sobre a Matemática da época.
III. Tradição   oral e escrita.  Página do Diário de Gauss, útil para tentar acompanhar o poder de criação do matemático.
1. AS FONTES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA ANTIGA E MEDIEVAL Dificuldades especiais para estudar a matemática das civilizações anteriores à grega:  As poucas fontes primárias que possuímos estão representadas pelos documentos arqueológicos, as inscrições, os papiros descobertos ao sabor das escavações, em virtude, portanto, de uma seleção arbitrária. MARROU, Henri-Irénée.  Sobre o Conhecimento Histórico . Tradução de Roberto Cortes de Lacerda. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1978, 265 p., p. 56
Fontes principais:  inscrições em monumentos; inscrições em objetos; papiros.  Escrita principal: hieróglifos Período imperial: 2800 - 715 aC Região: litoral mediterrâneo da África Fontes da História da Matemática do Egito Antigo
Numerais egípcios em parede de um templo em Luxor
Numerais hieróglifos egípcios 123.440 cabeças de gado 223.400 mulas 232.413 cabras  em inscrição em uma tumba real 243.688 búfalos (?)
Gravura em um cetro real egípcio: 120.000 prisioneiros 1.422.000 cabras capturadas (!)
Trecho do Papiro de Moscou Problema do cálculo do volume de  um tronco de pirâmide de base quadrada .
Decifrador dos hieróglifos egípcios: Jean-François Champollion (1790-1832 França)  Professor de História Começou a estudar os hieróglifos  com 17 anos
Um mesmo texto em três escritas diferentes: hieróglifa em cima, demótica no meio e grega em baixo. Datada de 196 aC Chave para a decifração dos hieróglifos egípcios   Pedra de Roseta Encontrada por um soldado de Napoleão em 1799. Entregue pela França ao Museu Britânico em 1801. Champolion a traduziu em 1820, após 12 anos de pesquisa!
Fontes principais: tabletas de barro cozido Escrita: cuneiforme Período: 3500 - 561 aC Região: entre os rios Tigres e Eufrates (Oriente Médio) Principal cidade-estado: Babilônia Fontes da História da Matemática  dos Povos da Mesopotâmia
Tableta com numerais cuneiformes babilônios de 2800 aC A tradução das tabletas cuneiformes teve início em 1870, quando se descobriu uma inscrição trilingüe nas encostas do monte Behistun,  narrando a vitória do rei Dario sobre Cambises.
Somente em 1934 Otto Neugebauer decifrou, interpretou e publicou as tabletas matemáticas babilônias. Essa ausência de ligação linear com a Matemática das civilizações pré-helênicas contribuiu para a criação da idéia de que a Matemática é uma ciência que praticamente nasceu pronta e sistematizada, como aparece nas obras gregas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da escrita
História da escritaHistória da escrita
História da escrita
escolaodeteribaroli
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
ProfessoresColeguium
 
Introdução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do HistoriadorIntrodução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do Historiador
Andre Lucas
 
Moisés e a escrita alfabética
Moisés e a escrita alfabéticaMoisés e a escrita alfabética
Moisés e a escrita alfabética
Instituto Teológico Gamaliel
 
Histor 01
Histor 01Histor 01
Aula históriaeotempo
Aula históriaeotempoAula históriaeotempo
Aula históriaeotempo
Rosely Monteiro
 

Mais procurados (7)

História da escrita
História da escritaHistória da escrita
História da escrita
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Introdução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do HistoriadorIntrodução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do Historiador
 
A importância didática da história antiga
A importância didática da história antigaA importância didática da história antiga
A importância didática da história antiga
 
Moisés e a escrita alfabética
Moisés e a escrita alfabéticaMoisés e a escrita alfabética
Moisés e a escrita alfabética
 
Histor 01
Histor 01Histor 01
Histor 01
 
Aula históriaeotempo
Aula históriaeotempoAula históriaeotempo
Aula históriaeotempo
 

Destaque

Porque 123
Porque 123Porque 123
Porque 123
Maria Cristina
 
115417 planode aula-questão7-proporcionalidade
115417 planode aula-questão7-proporcionalidade115417 planode aula-questão7-proporcionalidade
115417 planode aula-questão7-proporcionalidade
Anazaniboni
 
Sistemas de Numeração
Sistemas de NumeraçãoSistemas de Numeração
Sistemas de Numeração
Renata Domingos
 
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãOApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
guest3b0191
 
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICAHISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
gilmar_adv
 
A história dos números blog
A história dos números   blogA história dos números   blog
A história dos números blog
Thamiris Santos
 

Destaque (6)

Porque 123
Porque 123Porque 123
Porque 123
 
115417 planode aula-questão7-proporcionalidade
115417 planode aula-questão7-proporcionalidade115417 planode aula-questão7-proporcionalidade
115417 planode aula-questão7-proporcionalidade
 
Sistemas de Numeração
Sistemas de NumeraçãoSistemas de Numeração
Sistemas de Numeração
 
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãOApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
 
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICAHISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
 
A história dos números blog
A história dos números   blogA história dos números   blog
A história dos números blog
 

Semelhante a Historia da Matemática

artigo 01 _ Matemática da pré história ao Egito Antigo.pdf
artigo 01 _ Matemática da pré história ao Egito Antigo.pdfartigo 01 _ Matemática da pré história ao Egito Antigo.pdf
artigo 01 _ Matemática da pré história ao Egito Antigo.pdf
JCSantos25
 
A matemática do Egito e Mesopotâmia .Artigo baseados em pesquisas bibliográfi...
A matemática do Egito e Mesopotâmia .Artigo baseados em pesquisas bibliográfi...A matemática do Egito e Mesopotâmia .Artigo baseados em pesquisas bibliográfi...
A matemática do Egito e Mesopotâmia .Artigo baseados em pesquisas bibliográfi...
Zaqueu Oliveira
 
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historiaA evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
cosme11
 
Histor 11
Histor 11Histor 11
Cartografia - História (1º parte)
Cartografia - História (1º parte)Cartografia - História (1º parte)
Cartografia - História (1º parte)
O Geógrafo - Geociências
 
ARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
ARQUEOLOGIA AULA 1.pptARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
ARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
LuizAdell1
 
Hd 2016.1 aula 3_pre-design e renascimento impresso - parte a
Hd 2016.1 aula 3_pre-design e renascimento impresso - parte aHd 2016.1 aula 3_pre-design e renascimento impresso - parte a
Hd 2016.1 aula 3_pre-design e renascimento impresso - parte a
Ticianne Darin
 
Jb news informativo nr. 2347
Jb news   informativo nr. 2347Jb news   informativo nr. 2347
Jb news informativo nr. 2347
JB News
 
_Colecao_Os_Pensadores__Vol_01.pdf
_Colecao_Os_Pensadores__Vol_01.pdf_Colecao_Os_Pensadores__Vol_01.pdf
_Colecao_Os_Pensadores__Vol_01.pdf
Allan Barros
 
Santos, a.
Santos, a.Santos, a.
Santos, a.
Débs Pereira
 
História da cartografia
História da cartografiaHistória da cartografia
História da cartografia
Adriana Pires Marcial
 
Introdução à História
Introdução à HistóriaIntrodução à História
Introdução à História
Luiz Valentim
 
01 os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
01   os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)01   os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
01 os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
Silvestre Lacerda
 
01 os pré-socráticos - coleção os pensadores (1996)
01   os pré-socráticos - coleção os pensadores (1996)01   os pré-socráticos - coleção os pensadores (1996)
01 os pré-socráticos - coleção os pensadores (1996)
Esdras Cardoso
 
01 os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
01   os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)01   os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
01 os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
Américo Moraes
 
História dos annales trajetória
História dos annales   trajetóriaHistória dos annales   trajetória
História dos annales trajetória
Helio Smoly
 
Histor 10
Histor 10Histor 10
Aula sobre história introdução
Aula sobre história introduçãoAula sobre história introdução
Aula sobre história introdução
mundica broda
 
01 os-pré-socraticos-coleção-os-pensadores-1996
01 os-pré-socraticos-coleção-os-pensadores-199601 os-pré-socraticos-coleção-os-pensadores-1996
01 os-pré-socraticos-coleção-os-pensadores-1996
MGS High School
 
Ae vh7 ficha_avaliacao_3b
Ae vh7 ficha_avaliacao_3bAe vh7 ficha_avaliacao_3b
Ae vh7 ficha_avaliacao_3b
Cristina Albuquerque
 

Semelhante a Historia da Matemática (20)

artigo 01 _ Matemática da pré história ao Egito Antigo.pdf
artigo 01 _ Matemática da pré história ao Egito Antigo.pdfartigo 01 _ Matemática da pré história ao Egito Antigo.pdf
artigo 01 _ Matemática da pré história ao Egito Antigo.pdf
 
A matemática do Egito e Mesopotâmia .Artigo baseados em pesquisas bibliográfi...
A matemática do Egito e Mesopotâmia .Artigo baseados em pesquisas bibliográfi...A matemática do Egito e Mesopotâmia .Artigo baseados em pesquisas bibliográfi...
A matemática do Egito e Mesopotâmia .Artigo baseados em pesquisas bibliográfi...
 
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historiaA evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
 
Histor 11
Histor 11Histor 11
Histor 11
 
Cartografia - História (1º parte)
Cartografia - História (1º parte)Cartografia - História (1º parte)
Cartografia - História (1º parte)
 
ARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
ARQUEOLOGIA AULA 1.pptARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
ARQUEOLOGIA AULA 1.ppt
 
Hd 2016.1 aula 3_pre-design e renascimento impresso - parte a
Hd 2016.1 aula 3_pre-design e renascimento impresso - parte aHd 2016.1 aula 3_pre-design e renascimento impresso - parte a
Hd 2016.1 aula 3_pre-design e renascimento impresso - parte a
 
Jb news informativo nr. 2347
Jb news   informativo nr. 2347Jb news   informativo nr. 2347
Jb news informativo nr. 2347
 
_Colecao_Os_Pensadores__Vol_01.pdf
_Colecao_Os_Pensadores__Vol_01.pdf_Colecao_Os_Pensadores__Vol_01.pdf
_Colecao_Os_Pensadores__Vol_01.pdf
 
Santos, a.
Santos, a.Santos, a.
Santos, a.
 
História da cartografia
História da cartografiaHistória da cartografia
História da cartografia
 
Introdução à História
Introdução à HistóriaIntrodução à História
Introdução à História
 
01 os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
01   os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)01   os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
01 os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
 
01 os pré-socráticos - coleção os pensadores (1996)
01   os pré-socráticos - coleção os pensadores (1996)01   os pré-socráticos - coleção os pensadores (1996)
01 os pré-socráticos - coleção os pensadores (1996)
 
01 os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
01   os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)01   os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
01 os pré-socraticos - coleção os pensadores (1996)
 
História dos annales trajetória
História dos annales   trajetóriaHistória dos annales   trajetória
História dos annales trajetória
 
Histor 10
Histor 10Histor 10
Histor 10
 
Aula sobre história introdução
Aula sobre história introduçãoAula sobre história introdução
Aula sobre história introdução
 
01 os-pré-socraticos-coleção-os-pensadores-1996
01 os-pré-socraticos-coleção-os-pensadores-199601 os-pré-socraticos-coleção-os-pensadores-1996
01 os-pré-socraticos-coleção-os-pensadores-1996
 
Ae vh7 ficha_avaliacao_3b
Ae vh7 ficha_avaliacao_3bAe vh7 ficha_avaliacao_3b
Ae vh7 ficha_avaliacao_3b
 

Mais de Maria Cristina

Ed. Financeira - Você_sabe_comprar?
Ed. Financeira  - Você_sabe_comprar?Ed. Financeira  - Você_sabe_comprar?
Ed. Financeira - Você_sabe_comprar?
Maria Cristina
 
Aposentadoria
AposentadoriaAposentadoria
Aposentadoria
Maria Cristina
 
O Universo
O UniversoO Universo
O Universo
Maria Cristina
 
Livros
LivrosLivros
Mostrade matematica
Mostrade matematicaMostrade matematica
Mostrade matematica
Maria Cristina
 
Equação do 1grau
Equação do 1grauEquação do 1grau
Equação do 1grau
Maria Cristina
 
Polígonos
PolígonosPolígonos
Polígonos
Maria Cristina
 
Frações
FraçõesFrações
Frações
Maria Cristina
 
Angulos
AngulosAngulos
Graus
GrausGraus
Expressão numérica
Expressão numéricaExpressão numérica
Expressão numérica
Maria Cristina
 
Equacoes
EquacoesEquacoes
Equacoes
Maria Cristina
 
Baia de-sepetiba
Baia de-sepetibaBaia de-sepetiba
Baia de-sepetiba
Maria Cristina
 
Potencia e Radiciação em Z
Potencia e Radiciação em ZPotencia e Radiciação em Z
Potencia e Radiciação em Z
Maria Cristina
 
Polígonos
PolígonosPolígonos
Polígonos
Maria Cristina
 
Graus
GrausGraus
Porcentagem
PorcentagemPorcentagem
Porcentagem
Maria Cristina
 
Area e perimetro
Area e perimetroArea e perimetro
Area e perimetro
Maria Cristina
 
Adição e subtração em Q
Adição e subtração em QAdição e subtração em Q
Adição e subtração em Q
Maria Cristina
 
Multiplicação e divisão
Multiplicação e divisãoMultiplicação e divisão
Multiplicação e divisão
Maria Cristina
 

Mais de Maria Cristina (20)

Ed. Financeira - Você_sabe_comprar?
Ed. Financeira  - Você_sabe_comprar?Ed. Financeira  - Você_sabe_comprar?
Ed. Financeira - Você_sabe_comprar?
 
Aposentadoria
AposentadoriaAposentadoria
Aposentadoria
 
O Universo
O UniversoO Universo
O Universo
 
Livros
LivrosLivros
Livros
 
Mostrade matematica
Mostrade matematicaMostrade matematica
Mostrade matematica
 
Equação do 1grau
Equação do 1grauEquação do 1grau
Equação do 1grau
 
Polígonos
PolígonosPolígonos
Polígonos
 
Frações
FraçõesFrações
Frações
 
Angulos
AngulosAngulos
Angulos
 
Graus
GrausGraus
Graus
 
Expressão numérica
Expressão numéricaExpressão numérica
Expressão numérica
 
Equacoes
EquacoesEquacoes
Equacoes
 
Baia de-sepetiba
Baia de-sepetibaBaia de-sepetiba
Baia de-sepetiba
 
Potencia e Radiciação em Z
Potencia e Radiciação em ZPotencia e Radiciação em Z
Potencia e Radiciação em Z
 
Polígonos
PolígonosPolígonos
Polígonos
 
Graus
GrausGraus
Graus
 
Porcentagem
PorcentagemPorcentagem
Porcentagem
 
Area e perimetro
Area e perimetroArea e perimetro
Area e perimetro
 
Adição e subtração em Q
Adição e subtração em QAdição e subtração em Q
Adição e subtração em Q
 
Multiplicação e divisão
Multiplicação e divisãoMultiplicação e divisão
Multiplicação e divisão
 

Historia da Matemática

  • 1. É possível ao professor deixar claro para o aluno que a Matemática não é uma Ciência morta, mas uma Ciência viva na qual um progresso contínuo é realizado. FLORIAN CAJORI, 1890
  • 2. AS FONTES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA ANTIGA E MEDIEVAL INTRODUÇÃO E FONTES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
  • 3. Principal obra de referência: LORIA, Gino. Guida allo Studio della Storia delle Matematiche . 2 a ed. Milano: Ulrico Hoepli, 1946. 385 p. Disponível na Biblioteca do Instituto de Matemática e Estatística da USP.
  • 4. Categorias de fontes da História da Matemática, segundo Gino Loria: I. Relíquias ou restos, que são vestígios do passado sem qualquer propósito de conservar ou transmitir à posteridade a memória do presente, como edifícios, armamentos, brasões, contratos, leis, cartas, festas etc. Sinalização de Estrada Romana indicando distâncias de Rhegium (130 aC), fonte de informações sobre o uso dos numerais romanos.
  • 5. II. Monumentos erguidos com o propósito de conservar para a posteridade a memória do presente, como por exemplo construções de monumentos, túmulos, inscrições etc. Pirâmides do Egito antigo, fonte de estudos sobre a Matemática da época.
  • 6. III. Tradição oral e escrita. Página do Diário de Gauss, útil para tentar acompanhar o poder de criação do matemático.
  • 7. 1. AS FONTES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA ANTIGA E MEDIEVAL Dificuldades especiais para estudar a matemática das civilizações anteriores à grega: As poucas fontes primárias que possuímos estão representadas pelos documentos arqueológicos, as inscrições, os papiros descobertos ao sabor das escavações, em virtude, portanto, de uma seleção arbitrária. MARROU, Henri-Irénée. Sobre o Conhecimento Histórico . Tradução de Roberto Cortes de Lacerda. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1978, 265 p., p. 56
  • 8. Fontes principais: inscrições em monumentos; inscrições em objetos; papiros. Escrita principal: hieróglifos Período imperial: 2800 - 715 aC Região: litoral mediterrâneo da África Fontes da História da Matemática do Egito Antigo
  • 9. Numerais egípcios em parede de um templo em Luxor
  • 10. Numerais hieróglifos egípcios 123.440 cabeças de gado 223.400 mulas 232.413 cabras em inscrição em uma tumba real 243.688 búfalos (?)
  • 11. Gravura em um cetro real egípcio: 120.000 prisioneiros 1.422.000 cabras capturadas (!)
  • 12. Trecho do Papiro de Moscou Problema do cálculo do volume de um tronco de pirâmide de base quadrada .
  • 13. Decifrador dos hieróglifos egípcios: Jean-François Champollion (1790-1832 França) Professor de História Começou a estudar os hieróglifos com 17 anos
  • 14. Um mesmo texto em três escritas diferentes: hieróglifa em cima, demótica no meio e grega em baixo. Datada de 196 aC Chave para a decifração dos hieróglifos egípcios Pedra de Roseta Encontrada por um soldado de Napoleão em 1799. Entregue pela França ao Museu Britânico em 1801. Champolion a traduziu em 1820, após 12 anos de pesquisa!
  • 15. Fontes principais: tabletas de barro cozido Escrita: cuneiforme Período: 3500 - 561 aC Região: entre os rios Tigres e Eufrates (Oriente Médio) Principal cidade-estado: Babilônia Fontes da História da Matemática dos Povos da Mesopotâmia
  • 16. Tableta com numerais cuneiformes babilônios de 2800 aC A tradução das tabletas cuneiformes teve início em 1870, quando se descobriu uma inscrição trilingüe nas encostas do monte Behistun, narrando a vitória do rei Dario sobre Cambises.
  • 17. Somente em 1934 Otto Neugebauer decifrou, interpretou e publicou as tabletas matemáticas babilônias. Essa ausência de ligação linear com a Matemática das civilizações pré-helênicas contribuiu para a criação da idéia de que a Matemática é uma ciência que praticamente nasceu pronta e sistematizada, como aparece nas obras gregas.