SlideShare uma empresa Scribd logo
Herpes Simples
HPV
Dicentes:
Andreane Natalia
Bruna Leticia
Claudia Sorelle
Mércia Valença
Michelle Chaves
Herpes Simples
É uma infecção contagiosa, causada por dois vírus da

família do herpes viridae, o hsv-1 e o hsv-2. Infectam
algumas células de forma lítica causando lesão, ou seja
ocorre a destruição da célula, já em outros casos ela se
encontra em estado latente podendo aparecer mais
tarde. Afeta principalmente a área bucal ou genital.
Reservatório:
O homem

Incubação:
• 1 a 26 dias, em média 8 dias após o contato

Transmissibilidade:
• 4 a 12 dias após o aparecimento dos primeiros sintomas.
É possível que o vírus seja transmitido mesmo quando não
há sintomas ou feridas visíveis.
Transmissão:
Por contato íntimo com indivíduo transmissor do

vírus, a partir de superfície mucosa ou lesão
infectante.
O vírus ganha acesso através de escoriações na pele
ou contato direto com a cérvix uterina, uretra,
orofaringe ou conjuntiva.
Vírus da herpes tipo 1:
• Responsável por infecções da face e tronco, causa lesões

no interior da boca, como aftas, ou infecção do olho
(principalmente na conjuntiva e na córnea). Também
pode levar a uma infecção no revestimento do cérebro
(meningoencefalite).

Transmissão:
É transmitido através de contato com a saliva infectada.
Na vida adulta, cerca de 3.090% das pessoas já têm
anticorpos contra o HSV1.
Vírus da herpes tipo 2:
 É associado a úlceras ou feridas genitais. Entretanto,

algumas pessoas com HSV-2 não apresentam
sintomas. A infecção cruzada dos vírus de herpes do
tipo 1 e 2 pode acontecer se houver contato oralgenital. Isto é, pode-se pegar herpes genital na boca
ou herpes oral na área genital.
Transmissão:
E transmitido pelo ato sexual.
A herpes pode infectar um feto, a mãe infectada pode

transmitir o vírus ao recém-nascido em partos vaginais,
principalmente se ela tiver uma infecção ativa no
momento do parto. Entretanto, 60-80% das infecções
por herpes adquiridas por recém-nascidos ocorrem em
mulheres que NÃO apresentam sintomas de infecção de
herpes ou histórico de infecção de herpes genital.

O vírus da herpes nunca é eliminado do organismo, mas

permanece adormecido e pode ser ativado, causando
sintomas.
Diagnóstico:
Avaliação clínica associado a exames

complementares.

Exames de sangue para anticorpos de HSV (sorologia)
Teste de anticorpo fluorescente direto das células

extraídas de uma lesão
Cultura viral da lesão
Sintomas:
Aftas ou úlceras geralmente na boca, nos lábios e nas

gengivas, ou nas genitais
Nódulos linfáticos aumentados no pescoço ou na
virilha (geralmente somente no momento inicial da
infecção)
Herpes de boca
Febre- especialmente durante o primeiro episódio
Lesões genitais - podem começar com uma sensação
de queimação ou formigamento
Aftas
As lesões orais ou genitais da herpes costumam curar
sozinhas em 7-10 dias ou agrava-se em pessoas que
sofrem de alguma doença que enfraquece o sistema
imunológico.
Depois que a infecção ocorre, o vírus da herpes se
espalha até as células nervosas e permanece no corpo
pelo resto da vida.
Tratamento:
Medicamentoso em surtos graves:
Aciclovir,
Famciclovir e
Valaciclovir.
Pacientes com recorrências dos sintomas fazem uso
prolongado da medicação para reduzir a freqüência
das ocorrências.
Complicações possíveis
Dermatite herpetiforme (herpes espalhada pela pele)
Encefalite
Infecção do olho -- ceratoconjuntivite
Infecção da traqueia
Meningite
Pneumonia
Infecção prolongada grave em indivíduos

imunossuprimidos
Prevenção
•

•
•

•

•

É difícil de prevenir a infecção da herpes, pois o vírus pode
ser espalhado mesmo por pessoas que não apresentam sintomas
de um surto ativo.
Evitar contato direto com uma lesão aberta reduz o risco de
infecção.
Pessoas com herpes genital devem evitar contato sexual
enquanto houver lesões ativas. A prática de sexo seguro
também pode reduzir o risco de infecção - o que inclui o uso do
preservativo.
As pessoas com lesões da herpes ativas devem evitar, ainda,
contato com recém-nascidos, crianças com eczema ou pessoas
com sistema imunológico suprimido, pois eles compõem grupos
de risco para doenças mais graves.
Para minimizar o risco de infectar recém-nascidos, é
recomendada a cesariana para gestantes que possuem uma
infecção ativa de herpes no momento do parto.
Referências
 Whitley RJ. Herpes simplex virus infections. In: Goldman L, Ausiello

D, eds. Cecil Medicine. 23rd ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier.
2007: chap 397.

 Ministério da Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias. 8 edição.

Brasilia-DF, 2010.

 Ferreira.L Não há diferença entre herpes genital e labial. Disponível

em:http://noticias.uol.com.br/saude/ultimasnoticias/redacao/2012/01/24/nao-ha-mais-diferenca-entre-herpeslabial-e-genital-diz-medica.htm, acesso em 02/11/2013.
HPV
Conceito

Doença viral, com manifestação subclínica nos
genitais. Morfologicamente, são pápulas circunscritas,
hiperquerotósicas, ásperas e indolores, com tamanho
variável.

Agente etiológico:
Papilomavírus (HPV).

Reservatório:
O homem.
Modo de transmissão:
Por contato direto

Incubação:
1 a 20 meses, em média 3 meses.

Transmissibilidade:
Enquanto houver lesão viável.
Sintomas de HPV
Verrugas de tamanhos variáveis. No homem, é mais

comum na cabeça do pênis (glande) e na região do
ânus. Na mulher, os sintomas mais comuns do HPV
surgem na vagina, vulva, região do ânus e colo do
útero.
 As lesões do HPV também podem aparecer na boca e
na garganta.
 Tanto o homem quanto a mulher podem estar
infectados pelo vírus sem apresentar sintomas.
O HPV é um vírus capaz de infectar a pele ou as

mucosas e possui mais de 100 tipos
Pelo menos 13 podem contribuir para o surgimento
do câncer.
Dentre os HPV de alto risco, os tipos 16 e 18 estão
presentes em 70% dos casos de câncer de colo do
útero;
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS),
aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo
são portadoras do HPV, sendo que 32% estão
infectadas pelos tipos 16, 18 ou ambos
Complicações:
Cancerização, mais freqüentes na mulher, com

localização no útero. Pode aparecer papiloma de
laringe, que também pode ocorrer em lactentes, por
contaminação no canal de parto.

O vírus HPV é responsável por 95% dos casos de

câncer de colo do útero ;

É o 2º tumor mais frequente na população feminina,

atrás apenas do câncer de mama;
É a 4ª causa de morte de mulheres por câncer no

Brasil;

Por ano, faz em média 4.800 vítimas fatais no Brasil e

estima-se 17.540 novos casos em 2013
Diagnóstico:
Clínico, epidemiológico e laboratorial.
Infecção clínica: visão do condiloma acuminado
Infecção subclínica: Peniscopia, colpocitologia e

colposcopia com biópsia
Infecção latente: teste para detecção do HPV.
Tratamento de HPV
Remoção

das lesões condilomatosas visíveis e
subclínicas, visto que não é possível a erradicação do
HPV.
Podem ser utilizado ácido tricloroácético a 80% ou
90% nas lesões.
Na gestante apenas tratar as lesões condilomatosas.
Prevenção
• O Ministério da Saúde orienta que as mulheres, dos

25 aos 64 anos, façam o exame preventivo
(Papanicolau) anualmente.
• Vacina: Foram desenvolvidas duas vacinas contra os
tipos de HPV mais presentes no câncer de colo do
útero. Essa vacina, na verdade, previne contra a
infecção por HPV.
• Uma dessas vacinas é quadrivalente, previne contra
quatro tipos de HPV: o 16 e 18, presentes em 70% dos
casos de câncer de colo do útero, e o 6 e 11, presentes
em 90% dos casos de verrugas genitais.
• A outra é específica para os subtipos de HPV 16 e 18.
A vacinação não exclui as ações de prevenção, como o

uso da camisinha e o exame Papanicolau.
Vacina é ineficaz em que ainda não iniciou a vida

sexual e, portanto, não teve contato com o vírus HPV.
Faixa etária definida com base em pesquisas nacionais

sobre comportamento sexual e início da vida sexual.
Referências:

Ministério da Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias.

8 edição. Brasilia-DF, 2010.

Ministério da Saúde. Vacina contra o HPV. Disponível

em:http://www.slideshare.net/MinSaude/vacinacontra-o-hpv-apresentao. Acesso em: 02/11/2013.

Vacina contra HPV chega em 2013 ao SUS. Disponível

em:http://www.futura.org.br/blog/2013/01/08/vacinacontra-hpv-chega-em-2013-ao-sus-assista-noconexao-futura/. Acesso em: 02/11/2013.
Dúvidas???
Obrigada !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Herpes simples
Herpes simplesHerpes simples
Herpes simples
Brenda Oliveira
 
Biologia - Herpes Genitais
Biologia -  Herpes GenitaisBiologia -  Herpes Genitais
Biologia - Herpes Genitais
Amanda Sbcs
 
Simão 9ºb nº21 herpes genital
Simão 9ºb nº21   herpes genitalSimão 9ºb nº21   herpes genital
Simão 9ºb nº21 herpes genital
aplicarcn
 
Hpv
HpvHpv
O Herpes
O HerpesO Herpes
O Herpes
Lucas Lucinger
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
Berenice Damasceno
 
Apresenção vírus do papiloma humano (hpv)
Apresenção vírus do papiloma humano (hpv)Apresenção vírus do papiloma humano (hpv)
Apresenção vírus do papiloma humano (hpv)
Renato Abdoral
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
HERPES GENITAL Ds ts
HERPES GENITAL Ds tsHERPES GENITAL Ds ts
HERPES GENITAL Ds ts
Marcus Vinicius
 
Citomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: PatologiaCitomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: Patologia
Raphael Machado
 
Clamídia
ClamídiaClamídia
DST
DSTDST
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
António Matias
 
Herpes Genital
Herpes GenitalHerpes Genital
Herpes Genital
Marta Lopes
 
Dst telma, mafalda, teresa e mariana
Dst  telma, mafalda, teresa e marianaDst  telma, mafalda, teresa e mariana
Dst telma, mafalda, teresa e mariana
BESL
 
Tricomoníase
TricomoníaseTricomoníase
Tricomoníase
Andressa Macena
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Toxoplasmose Congênita
Toxoplasmose CongênitaToxoplasmose Congênita
Toxoplasmose Congênita
Patricia Nunes
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Eduarda Medeiros
 
DST – Doenças Sexualmente Transmisíveis
DST – Doenças Sexualmente TransmisíveisDST – Doenças Sexualmente Transmisíveis
DST – Doenças Sexualmente Transmisíveis
Gilberto Ribeiro Pinto Júnior
 

Mais procurados (20)

Herpes simples
Herpes simplesHerpes simples
Herpes simples
 
Biologia - Herpes Genitais
Biologia -  Herpes GenitaisBiologia -  Herpes Genitais
Biologia - Herpes Genitais
 
Simão 9ºb nº21 herpes genital
Simão 9ºb nº21   herpes genitalSimão 9ºb nº21   herpes genital
Simão 9ºb nº21 herpes genital
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
O Herpes
O HerpesO Herpes
O Herpes
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
 
Apresenção vírus do papiloma humano (hpv)
Apresenção vírus do papiloma humano (hpv)Apresenção vírus do papiloma humano (hpv)
Apresenção vírus do papiloma humano (hpv)
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
HERPES GENITAL Ds ts
HERPES GENITAL Ds tsHERPES GENITAL Ds ts
HERPES GENITAL Ds ts
 
Citomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: PatologiaCitomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: Patologia
 
Clamídia
ClamídiaClamídia
Clamídia
 
DST
DSTDST
DST
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
 
Herpes Genital
Herpes GenitalHerpes Genital
Herpes Genital
 
Dst telma, mafalda, teresa e mariana
Dst  telma, mafalda, teresa e marianaDst  telma, mafalda, teresa e mariana
Dst telma, mafalda, teresa e mariana
 
Tricomoníase
TricomoníaseTricomoníase
Tricomoníase
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Toxoplasmose Congênita
Toxoplasmose CongênitaToxoplasmose Congênita
Toxoplasmose Congênita
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
 
DST – Doenças Sexualmente Transmisíveis
DST – Doenças Sexualmente TransmisíveisDST – Doenças Sexualmente Transmisíveis
DST – Doenças Sexualmente Transmisíveis
 

Destaque

Herpes Labial
Herpes LabialHerpes Labial
Herpes Labial
David Samerson
 
Casos Clínicos Dermatología
Casos Clínicos DermatologíaCasos Clínicos Dermatología
Casos Clínicos Dermatología
Fri cho
 
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Professor Robson
 
Sindrome de stevens johnson
Sindrome de stevens johnsonSindrome de stevens johnson
Sindrome de stevens johnson
Alejandro Propranolol
 
Sind stevens johnson
Sind stevens johnsonSind stevens johnson
Sind stevens johnson
Giuliana Seo
 
Casos ClíNicos Em Dermatologia
Casos ClíNicos Em DermatologiaCasos ClíNicos Em Dermatologia
Casos ClíNicos Em Dermatologia
bubuzinhapj
 
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Estomatologista- Dra Dulce Cabelho
 
Patologias dermatologicas
Patologias dermatologicasPatologias dermatologicas
Patologias dermatologicas
Nathanael Amparo
 
Herpes simple
Herpes simpleHerpes simple
Herpes simple
roogaona
 
Síndrome de stevens johnson
Síndrome de stevens johnsonSíndrome de stevens johnson
Síndrome de stevens johnson
Yeiscimin Escobedo
 
Sindrome de stevens jhonson
Sindrome de stevens jhonsonSindrome de stevens jhonson
Sindrome de stevens jhonson
narcos_88
 
Síndrome steven johnson
Síndrome steven johnson Síndrome steven johnson
Síndrome steven johnson
ENFERMERO
 
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Nadia Morais Tonussi
 
DERMATO - LESÕES ELEMENTARES
DERMATO - LESÕES ELEMENTARESDERMATO - LESÕES ELEMENTARES
DERMATO - LESÕES ELEMENTARES
Italo Pinto
 
Síndrome Stevens Johnson y Necrólisis Epidérmica Tóxica UP Med
Síndrome Stevens Johnson y Necrólisis Epidérmica Tóxica UP MedSíndrome Stevens Johnson y Necrólisis Epidérmica Tóxica UP Med
Síndrome Stevens Johnson y Necrólisis Epidérmica Tóxica UP Med
Liliana Santiago Sanchez
 
Herpes virus
Herpes virusHerpes virus
Herpes virus
zeratul sandoval
 
Apresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSC
Apresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSCApresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSC
Apresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSC
Fernando Espírito Santo Silva
 
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃOTCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
professsorcarlinho
 

Destaque (18)

Herpes Labial
Herpes LabialHerpes Labial
Herpes Labial
 
Casos Clínicos Dermatología
Casos Clínicos DermatologíaCasos Clínicos Dermatología
Casos Clínicos Dermatología
 
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
 
Sindrome de stevens johnson
Sindrome de stevens johnsonSindrome de stevens johnson
Sindrome de stevens johnson
 
Sind stevens johnson
Sind stevens johnsonSind stevens johnson
Sind stevens johnson
 
Casos ClíNicos Em Dermatologia
Casos ClíNicos Em DermatologiaCasos ClíNicos Em Dermatologia
Casos ClíNicos Em Dermatologia
 
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
 
Patologias dermatologicas
Patologias dermatologicasPatologias dermatologicas
Patologias dermatologicas
 
Herpes simple
Herpes simpleHerpes simple
Herpes simple
 
Síndrome de stevens johnson
Síndrome de stevens johnsonSíndrome de stevens johnson
Síndrome de stevens johnson
 
Sindrome de stevens jhonson
Sindrome de stevens jhonsonSindrome de stevens jhonson
Sindrome de stevens jhonson
 
Síndrome steven johnson
Síndrome steven johnson Síndrome steven johnson
Síndrome steven johnson
 
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
 
DERMATO - LESÕES ELEMENTARES
DERMATO - LESÕES ELEMENTARESDERMATO - LESÕES ELEMENTARES
DERMATO - LESÕES ELEMENTARES
 
Síndrome Stevens Johnson y Necrólisis Epidérmica Tóxica UP Med
Síndrome Stevens Johnson y Necrólisis Epidérmica Tóxica UP MedSíndrome Stevens Johnson y Necrólisis Epidérmica Tóxica UP Med
Síndrome Stevens Johnson y Necrólisis Epidérmica Tóxica UP Med
 
Herpes virus
Herpes virusHerpes virus
Herpes virus
 
Apresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSC
Apresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSCApresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSC
Apresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSC
 
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃOTCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
 

Semelhante a Herpes simples travbalho slide modificado

Prevençao em saude item 11
Prevençao em saude  item 11Prevençao em saude  item 11
Prevençao em saude item 11
' Paan
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
kselani
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
kselani
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Tomás Pinto
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis mais comuns
Infecções Sexualmente Transmissíveis mais comunsInfecções Sexualmente Transmissíveis mais comuns
Infecções Sexualmente Transmissíveis mais comuns
RodrigodAlincourt
 
Microscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia ClínicaMicroscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia Clínica
Patrícia Prates
 
Condiloma acuminado hpv
Condiloma acuminado  hpvCondiloma acuminado  hpv
Condiloma acuminado hpv
Larissa Nascimento
 
IST INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
IST INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISIST INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
IST INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
Ramon Loreno
 
Revista info+
Revista info+Revista info+
Tudo Sobre Dst
Tudo Sobre DstTudo Sobre Dst
Tudo Sobre Dst
Monique Esline
 
Dst
DstDst
HPV são doenças relacionadas ao sexo sem prevensão
HPV  são doenças relacionadas ao sexo sem prevensãoHPV  são doenças relacionadas ao sexo sem prevensão
HPV são doenças relacionadas ao sexo sem prevensão
facilitandoseudia
 
Campanha hpv
Campanha hpvCampanha hpv
Campanha hpv
Taynara Barreto
 
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Gardênia Souza
 
Hpv
HpvHpv
Ist hpv
Ist hpvIst hpv
Ist hpv
Rita Pereira
 
Slideshare dst's
Slideshare dst'sSlideshare dst's
Slideshare dst's
biologia2009tecbio
 
Hpv seminário de microbiologia
Hpv  seminário de microbiologiaHpv  seminário de microbiologia
Hpv seminário de microbiologia
Laíz Coutinho
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
Saúde Hervalense
 
dst parte 1. DOENÇA SEXUALEMTE TRANSMISSIVEL
dst parte 1. DOENÇA SEXUALEMTE TRANSMISSIVELdst parte 1. DOENÇA SEXUALEMTE TRANSMISSIVEL
dst parte 1. DOENÇA SEXUALEMTE TRANSMISSIVEL
LuanMiguelCosta
 

Semelhante a Herpes simples travbalho slide modificado (20)

Prevençao em saude item 11
Prevençao em saude  item 11Prevençao em saude  item 11
Prevençao em saude item 11
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis mais comuns
Infecções Sexualmente Transmissíveis mais comunsInfecções Sexualmente Transmissíveis mais comuns
Infecções Sexualmente Transmissíveis mais comuns
 
Microscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia ClínicaMicroscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia Clínica
 
Condiloma acuminado hpv
Condiloma acuminado  hpvCondiloma acuminado  hpv
Condiloma acuminado hpv
 
IST INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
IST INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISIST INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
IST INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
Revista info+
Revista info+Revista info+
Revista info+
 
Tudo Sobre Dst
Tudo Sobre DstTudo Sobre Dst
Tudo Sobre Dst
 
Dst
DstDst
Dst
 
HPV são doenças relacionadas ao sexo sem prevensão
HPV  são doenças relacionadas ao sexo sem prevensãoHPV  são doenças relacionadas ao sexo sem prevensão
HPV são doenças relacionadas ao sexo sem prevensão
 
Campanha hpv
Campanha hpvCampanha hpv
Campanha hpv
 
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Ist hpv
Ist hpvIst hpv
Ist hpv
 
Slideshare dst's
Slideshare dst'sSlideshare dst's
Slideshare dst's
 
Hpv seminário de microbiologia
Hpv  seminário de microbiologiaHpv  seminário de microbiologia
Hpv seminário de microbiologia
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
 
dst parte 1. DOENÇA SEXUALEMTE TRANSMISSIVEL
dst parte 1. DOENÇA SEXUALEMTE TRANSMISSIVELdst parte 1. DOENÇA SEXUALEMTE TRANSMISSIVEL
dst parte 1. DOENÇA SEXUALEMTE TRANSMISSIVEL
 

Mais de BrunnaMello

Questionário - Herpes Simples / HPV
Questionário  - Herpes Simples / HPVQuestionário  - Herpes Simples / HPV
Questionário - Herpes Simples / HPV
BrunnaMello
 
Doenças diarreicas agudas questionarios
Doenças diarreicas agudas questionariosDoenças diarreicas agudas questionarios
Doenças diarreicas agudas questionarios
BrunnaMello
 
Descrição da doença de chagas questionario
Descrição da doença de chagas questionarioDescrição da doença de chagas questionario
Descrição da doença de chagas questionario
BrunnaMello
 
Doenças diarreicas aguda
Doenças diarreicas agudaDoenças diarreicas aguda
Doenças diarreicas aguda
BrunnaMello
 
Doença de chagas correto
Doença de chagas  corretoDoença de chagas  correto
Doença de chagas correto
BrunnaMello
 
Trabalho de leishmaniose
Trabalho de leishmanioseTrabalho de leishmaniose
Trabalho de leishmaniose
BrunnaMello
 

Mais de BrunnaMello (6)

Questionário - Herpes Simples / HPV
Questionário  - Herpes Simples / HPVQuestionário  - Herpes Simples / HPV
Questionário - Herpes Simples / HPV
 
Doenças diarreicas agudas questionarios
Doenças diarreicas agudas questionariosDoenças diarreicas agudas questionarios
Doenças diarreicas agudas questionarios
 
Descrição da doença de chagas questionario
Descrição da doença de chagas questionarioDescrição da doença de chagas questionario
Descrição da doença de chagas questionario
 
Doenças diarreicas aguda
Doenças diarreicas agudaDoenças diarreicas aguda
Doenças diarreicas aguda
 
Doença de chagas correto
Doença de chagas  corretoDoença de chagas  correto
Doença de chagas correto
 
Trabalho de leishmaniose
Trabalho de leishmanioseTrabalho de leishmaniose
Trabalho de leishmaniose
 

Herpes simples travbalho slide modificado

  • 2. Dicentes: Andreane Natalia Bruna Leticia Claudia Sorelle Mércia Valença Michelle Chaves
  • 3. Herpes Simples É uma infecção contagiosa, causada por dois vírus da família do herpes viridae, o hsv-1 e o hsv-2. Infectam algumas células de forma lítica causando lesão, ou seja ocorre a destruição da célula, já em outros casos ela se encontra em estado latente podendo aparecer mais tarde. Afeta principalmente a área bucal ou genital.
  • 4. Reservatório: O homem Incubação: • 1 a 26 dias, em média 8 dias após o contato Transmissibilidade: • 4 a 12 dias após o aparecimento dos primeiros sintomas. É possível que o vírus seja transmitido mesmo quando não há sintomas ou feridas visíveis.
  • 5. Transmissão: Por contato íntimo com indivíduo transmissor do vírus, a partir de superfície mucosa ou lesão infectante. O vírus ganha acesso através de escoriações na pele ou contato direto com a cérvix uterina, uretra, orofaringe ou conjuntiva.
  • 6. Vírus da herpes tipo 1: • Responsável por infecções da face e tronco, causa lesões no interior da boca, como aftas, ou infecção do olho (principalmente na conjuntiva e na córnea). Também pode levar a uma infecção no revestimento do cérebro (meningoencefalite). Transmissão: É transmitido através de contato com a saliva infectada. Na vida adulta, cerca de 3.090% das pessoas já têm anticorpos contra o HSV1.
  • 7.
  • 8. Vírus da herpes tipo 2:  É associado a úlceras ou feridas genitais. Entretanto, algumas pessoas com HSV-2 não apresentam sintomas. A infecção cruzada dos vírus de herpes do tipo 1 e 2 pode acontecer se houver contato oralgenital. Isto é, pode-se pegar herpes genital na boca ou herpes oral na área genital. Transmissão: E transmitido pelo ato sexual.
  • 9.
  • 10. A herpes pode infectar um feto, a mãe infectada pode transmitir o vírus ao recém-nascido em partos vaginais, principalmente se ela tiver uma infecção ativa no momento do parto. Entretanto, 60-80% das infecções por herpes adquiridas por recém-nascidos ocorrem em mulheres que NÃO apresentam sintomas de infecção de herpes ou histórico de infecção de herpes genital. O vírus da herpes nunca é eliminado do organismo, mas permanece adormecido e pode ser ativado, causando sintomas.
  • 11. Diagnóstico: Avaliação clínica associado a exames complementares. Exames de sangue para anticorpos de HSV (sorologia) Teste de anticorpo fluorescente direto das células extraídas de uma lesão Cultura viral da lesão
  • 12. Sintomas: Aftas ou úlceras geralmente na boca, nos lábios e nas gengivas, ou nas genitais Nódulos linfáticos aumentados no pescoço ou na virilha (geralmente somente no momento inicial da infecção) Herpes de boca Febre- especialmente durante o primeiro episódio Lesões genitais - podem começar com uma sensação de queimação ou formigamento Aftas
  • 13. As lesões orais ou genitais da herpes costumam curar sozinhas em 7-10 dias ou agrava-se em pessoas que sofrem de alguma doença que enfraquece o sistema imunológico. Depois que a infecção ocorre, o vírus da herpes se espalha até as células nervosas e permanece no corpo pelo resto da vida.
  • 14.
  • 15. Tratamento: Medicamentoso em surtos graves: Aciclovir, Famciclovir e Valaciclovir. Pacientes com recorrências dos sintomas fazem uso prolongado da medicação para reduzir a freqüência das ocorrências.
  • 16. Complicações possíveis Dermatite herpetiforme (herpes espalhada pela pele) Encefalite Infecção do olho -- ceratoconjuntivite Infecção da traqueia Meningite Pneumonia Infecção prolongada grave em indivíduos imunossuprimidos
  • 17. Prevenção • • • • • É difícil de prevenir a infecção da herpes, pois o vírus pode ser espalhado mesmo por pessoas que não apresentam sintomas de um surto ativo. Evitar contato direto com uma lesão aberta reduz o risco de infecção. Pessoas com herpes genital devem evitar contato sexual enquanto houver lesões ativas. A prática de sexo seguro também pode reduzir o risco de infecção - o que inclui o uso do preservativo. As pessoas com lesões da herpes ativas devem evitar, ainda, contato com recém-nascidos, crianças com eczema ou pessoas com sistema imunológico suprimido, pois eles compõem grupos de risco para doenças mais graves. Para minimizar o risco de infectar recém-nascidos, é recomendada a cesariana para gestantes que possuem uma infecção ativa de herpes no momento do parto.
  • 18. Referências  Whitley RJ. Herpes simplex virus infections. In: Goldman L, Ausiello D, eds. Cecil Medicine. 23rd ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier. 2007: chap 397.  Ministério da Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias. 8 edição. Brasilia-DF, 2010.  Ferreira.L Não há diferença entre herpes genital e labial. Disponível em:http://noticias.uol.com.br/saude/ultimasnoticias/redacao/2012/01/24/nao-ha-mais-diferenca-entre-herpeslabial-e-genital-diz-medica.htm, acesso em 02/11/2013.
  • 19.
  • 20. HPV
  • 21. Conceito Doença viral, com manifestação subclínica nos genitais. Morfologicamente, são pápulas circunscritas, hiperquerotósicas, ásperas e indolores, com tamanho variável. Agente etiológico: Papilomavírus (HPV). Reservatório: O homem.
  • 22. Modo de transmissão: Por contato direto Incubação: 1 a 20 meses, em média 3 meses. Transmissibilidade: Enquanto houver lesão viável.
  • 23. Sintomas de HPV Verrugas de tamanhos variáveis. No homem, é mais comum na cabeça do pênis (glande) e na região do ânus. Na mulher, os sintomas mais comuns do HPV surgem na vagina, vulva, região do ânus e colo do útero.  As lesões do HPV também podem aparecer na boca e na garganta.  Tanto o homem quanto a mulher podem estar infectados pelo vírus sem apresentar sintomas.
  • 24. O HPV é um vírus capaz de infectar a pele ou as mucosas e possui mais de 100 tipos Pelo menos 13 podem contribuir para o surgimento do câncer. Dentre os HPV de alto risco, os tipos 16 e 18 estão presentes em 70% dos casos de câncer de colo do útero; Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo são portadoras do HPV, sendo que 32% estão infectadas pelos tipos 16, 18 ou ambos
  • 25.
  • 26. Complicações: Cancerização, mais freqüentes na mulher, com localização no útero. Pode aparecer papiloma de laringe, que também pode ocorrer em lactentes, por contaminação no canal de parto. O vírus HPV é responsável por 95% dos casos de câncer de colo do útero ; É o 2º tumor mais frequente na população feminina, atrás apenas do câncer de mama;
  • 27. É a 4ª causa de morte de mulheres por câncer no Brasil; Por ano, faz em média 4.800 vítimas fatais no Brasil e estima-se 17.540 novos casos em 2013
  • 28. Diagnóstico: Clínico, epidemiológico e laboratorial. Infecção clínica: visão do condiloma acuminado Infecção subclínica: Peniscopia, colpocitologia e colposcopia com biópsia Infecção latente: teste para detecção do HPV.
  • 29. Tratamento de HPV Remoção das lesões condilomatosas visíveis e subclínicas, visto que não é possível a erradicação do HPV. Podem ser utilizado ácido tricloroácético a 80% ou 90% nas lesões. Na gestante apenas tratar as lesões condilomatosas.
  • 30. Prevenção • O Ministério da Saúde orienta que as mulheres, dos 25 aos 64 anos, façam o exame preventivo (Papanicolau) anualmente. • Vacina: Foram desenvolvidas duas vacinas contra os tipos de HPV mais presentes no câncer de colo do útero. Essa vacina, na verdade, previne contra a infecção por HPV. • Uma dessas vacinas é quadrivalente, previne contra quatro tipos de HPV: o 16 e 18, presentes em 70% dos casos de câncer de colo do útero, e o 6 e 11, presentes em 90% dos casos de verrugas genitais. • A outra é específica para os subtipos de HPV 16 e 18.
  • 31. A vacinação não exclui as ações de prevenção, como o uso da camisinha e o exame Papanicolau.
  • 32. Vacina é ineficaz em que ainda não iniciou a vida sexual e, portanto, não teve contato com o vírus HPV. Faixa etária definida com base em pesquisas nacionais sobre comportamento sexual e início da vida sexual.
  • 33. Referências: Ministério da Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias. 8 edição. Brasilia-DF, 2010. Ministério da Saúde. Vacina contra o HPV. Disponível em:http://www.slideshare.net/MinSaude/vacinacontra-o-hpv-apresentao. Acesso em: 02/11/2013. Vacina contra HPV chega em 2013 ao SUS. Disponível em:http://www.futura.org.br/blog/2013/01/08/vacinacontra-hpv-chega-em-2013-ao-sus-assista-noconexao-futura/. Acesso em: 02/11/2013.