SlideShare uma empresa Scribd logo
Fundamentos e Bases em Cirurgia PlásticaFundamentos e Bases em Cirurgia Plástica
20142014
10.10. HEMANGIOMAS DA PELEHEMANGIOMAS DA PELE
E DO SUBCUTÂNEOE DO SUBCUTÂNEO
CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS
 ANOMALIAS CONGÊNITASANOMALIAS CONGÊNITAS;;
 VERDADEIROS HAMARTOMAS DO TECIDOVERDADEIROS HAMARTOMAS DO TECIDO
VASCULAR;VASCULAR;
 TUMORES BENIGNOS MAIS COMUNS EMTUMORES BENIGNOS MAIS COMUNS EM
CRIANÇASCRIANÇAS;;
 APARECEM NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA;APARECEM NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA;
 3 MULHERES : 1 HOMEM3 MULHERES : 1 HOMEM;;
 EM QUALQUER TECIDO, MAS É MAIS COMUMEM QUALQUER TECIDO, MAS É MAIS COMUM
NA PELE E SUBCUTÂNEO;NA PELE E SUBCUTÂNEO;
 SEM RELAÇÃO COM RAÇA OU COR DA PELESEM RELAÇÃO COM RAÇA OU COR DA PELE..
Hemangiomas
CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS
 ANOMALIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO QUE COMEÇA AANOMALIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO QUE COMEÇA A
SE FORMAR A PARTIR DA 4ª. SEMANA EMBRIONÁRIA, DOSE FORMAR A PARTIR DA 4ª. SEMANA EMBRIONÁRIA, DO
MESODERMA.MESODERMA.
 NA 8ª. SEMANA, A ÁRVORE VASCULAR ESTÁ TODANA 8ª. SEMANA, A ÁRVORE VASCULAR ESTÁ TODA
FORMADA;FORMADA;
 A DIFERENCIAÇÃO DOS VASOS SE INICIA QUANDO TODAA DIFERENCIAÇÃO DOS VASOS SE INICIA QUANDO TODA
A REDE DE ANGIOBLASTOS E CÉLULASA REDE DE ANGIOBLASTOS E CÉLULAS
VASOFORMADORAS – ÚNICA REDE CAPILARVASOFORMADORAS – ÚNICA REDE CAPILAR
INDIFERENCIADA;INDIFERENCIADA;
CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS
 DEPENDENDO DO ESTÁGIO E DODEPENDENDO DO ESTÁGIO E DO
LOCAL EM Q O ERRO ACONTECE –LOCAL EM Q O ERRO ACONTECE –
HEMANGIOMAS, FÍSTULAS ARTÉRIOHEMANGIOMAS, FÍSTULAS ARTÉRIO
VENOSAS E ANOMALIAS DAVENOSAS E ANOMALIAS DA
MATURAÇÃO DOS CANAISMATURAÇÃO DOS CANAIS
VASCULARES.VASCULARES.
CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO
 DIVERSAS FORMAS DE CLASSIFICAÇÃO USANDODIVERSAS FORMAS DE CLASSIFICAÇÃO USANDO
NOMES DE FRUTAS, BEBIDAS, INSETOS ETC...NOMES DE FRUTAS, BEBIDAS, INSETOS ETC...
 OUTRAS, SEGUNDO A MATURAÇÃO ENDOTELIAL,OUTRAS, SEGUNDO A MATURAÇÃO ENDOTELIAL,
VELOCIDADE DO FLUXO SANGUÍNEO, RELEVO;VELOCIDADE DO FLUXO SANGUÍNEO, RELEVO;
CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO
 QUANTO À EVOLUÇÃO CLÍNICA NATURAL, ASPECTOQUANTO À EVOLUÇÃO CLÍNICA NATURAL, ASPECTO
FÍSICO DA LESÃO, HISTOPATOLOGIA, EMBRIOGÊNESE:FÍSICO DA LESÃO, HISTOPATOLOGIA, EMBRIOGÊNESE:
 HEMANGIOMASHEMANGIOMAS PLANOSPLANOS,,
TUMORAISTUMORAIS ,,
SÍNDROMES HEMANGIOMATOSASSÍNDROMES HEMANGIOMATOSAS..
a.a. PLANOSPLANOS – SUPERFICIAIS E PROFUNDOS– SUPERFICIAIS E PROFUNDOS
b.b. TUMORAISTUMORAIS – FRAGIFORME, TUBEROSO, CAVERNOSO,– FRAGIFORME, TUBEROSO, CAVERNOSO,
MISTO.MISTO.
HEMANGIOMA PLANOHEMANGIOMA PLANO
SÃO LESÕES PLANAS;SÃO LESÕES PLANAS;
• SUPERFICIAIS OU PROFUNDAS DEPENDENTES DASUPERFICIAIS OU PROFUNDAS DEPENDENTES DA
PREDOMINÂNCIA DE CAPILARES ACOMETIDOS;PREDOMINÂNCIA DE CAPILARES ACOMETIDOS;
• APRESENTAÇÃO EM MAIOR OU MENOR NÚMEROAPRESENTAÇÃO EM MAIOR OU MENOR NÚMERO
NA PELE;NA PELE;
• MENOR NÚMERO = SUPERFICIAIS (MENOR NÚMERO = SUPERFICIAIS (COR SALMÃOCOR SALMÃO););
• MAIOR NÚMERO = PROFUNDAS (MAIOR NÚMERO = PROFUNDAS (COR VINHOSACOR VINHOSA).).
HEMANGIOMA PLANOHEMANGIOMA PLANO
 PRESENTES NO NASCIMENTO, NORMALMENTE NÃOPRESENTES NO NASCIMENTO, NORMALMENTE NÃO
INVOLUEM ESPONTANEAMENTE;INVOLUEM ESPONTANEAMENTE;
 FREQUENTE NA FACE – TRIGÊMIO;FREQUENTE NA FACE – TRIGÊMIO;
 DIAGNÓSTICO CLÍNICO;DIAGNÓSTICO CLÍNICO;
 CRESCIMENTO PROPORCIONAL ÀS ESTRUTURASCRESCIMENTO PROPORCIONAL ÀS ESTRUTURAS
ENVOLVIDAS;ENVOLVIDAS;
HEMANGIOMA PLANOHEMANGIOMA PLANO
- TIPO PROFUNDO, À PARTIR DA 1ª. DÉCADA DE VIDA –- TIPO PROFUNDO, À PARTIR DA 1ª. DÉCADA DE VIDA –
HIPERTROFIA (LÁBIOS, ASA NASAL, ORELHAS);HIPERTROFIA (LÁBIOS, ASA NASAL, ORELHAS);
- 2ª. DÉCADA DE VIDA – PODE APRESENTAR LESÕES- 2ª. DÉCADA DE VIDA – PODE APRESENTAR LESÕES
NODULARES E VERRUCOSAS (ECTASIA VASCULAR)NODULARES E VERRUCOSAS (ECTASIA VASCULAR)
Hemangiomas
Hemangiomas
HEMANGIOMA TUMORALHEMANGIOMA TUMORAL
 FRAGIFORME – ‘FRAGIFORME – ‘FRAGUS’ – LATIM;FRAGUS’ – LATIM;
 VINHOSOS E TUMORAIS, ARREDONDADOS, 1 – 5CMVINHOSOS E TUMORAIS, ARREDONDADOS, 1 – 5CM
DIÂMETRO, FACE E C.CABELUDODIÂMETRO, FACE E C.CABELUDO;;
 NO NASCIMENTO, APARÊNCIA DE ‘PICADA’ OUNO NASCIMENTO, APARÊNCIA DE ‘PICADA’ OU
TOCOTRAUMATISMO;TOCOTRAUMATISMO;
 CRESCE ATÉ O 3-4 MÊS;CRESCE ATÉ O 3-4 MÊS;
 INVOLUI ESPONTANEAMENTE À PARTIR DO 6-7INVOLUI ESPONTANEAMENTE À PARTIR DO 6-7
MÊS;MÊS;
 2 ANOS E MEIO – 50% INVOLUÇÃO;2 ANOS E MEIO – 50% INVOLUÇÃO;
 DESAPARECE TOTALMENTE COM 6 ANOS.DESAPARECE TOTALMENTE COM 6 ANOS.
HEMANGIOMAS TUMORAISHEMANGIOMAS TUMORAIS
 FRAGIFORMEFRAGIFORME
- NÃO DEIXAM SEQÜELAS, EXCETO EM ULCERAÇÕES.NÃO DEIXAM SEQÜELAS, EXCETO EM ULCERAÇÕES.
- DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL COM- DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL COM GRANULOMAGRANULOMA
PIOGÊNICOPIOGÊNICO
Hemangiomas
Hemangiomas
HEMANGIOMAS TUMORAISHEMANGIOMAS TUMORAIS
 TUBEROSOTUBEROSO
- LESÕES VINHOSAS, TUMORAIS COM SUPERFÍCIE,LESÕES VINHOSAS, TUMORAIS COM SUPERFÍCIE,
BORDAS E LIMITES IRREGULARES,;BORDAS E LIMITES IRREGULARES,;
- MÚLTIPLAS LESÕES QUE PODEM SERMÚLTIPLAS LESÕES QUE PODEM SER
COALESCENTES;COALESCENTES;
- MASSAS DE CÉLULAS ENDOTELIAIS IMATURAS;MASSAS DE CÉLULAS ENDOTELIAIS IMATURAS;
- HEMIFACE OU MEMBRO INTEIRO;HEMIFACE OU MEMBRO INTEIRO;
- ULCERAM FACILMENTEULCERAM FACILMENTE, POUCO SANGRAMENTO;, POUCO SANGRAMENTO;
- REGRESSÃO ESPONTÂNEA = FRAGIFORMEREGRESSÃO ESPONTÂNEA = FRAGIFORME
Hemangiomas
Hemangiomas
Hemangiomas
HEMANGIOMAS TUMORAISHEMANGIOMAS TUMORAIS
 CAVERNOSOCAVERNOSO
- OS MAIS FREQUENTES EM MUCOSAS, MAS TBOS MAIS FREQUENTES EM MUCOSAS, MAS TB
ACOMETEM PELE E DEMAIS TECIDOS;ACOMETEM PELE E DEMAIS TECIDOS;
- ECTASIAS VASCULARES DE PAREDES ENDOTELIAISECTASIAS VASCULARES DE PAREDES ENDOTELIAIS
COM ESCASSO ESTROMA DE TECIDO FIBROSO;COM ESCASSO ESTROMA DE TECIDO FIBROSO;
- MENOR PROBABILIDADE DE INVOLUÇÃOMENOR PROBABILIDADE DE INVOLUÇÃO
ESPONTÂNEA.ESPONTÂNEA.
Hemangiomas
Hemangiomas
HEMANGIOMAS TUMORAISHEMANGIOMAS TUMORAIS
 MISTOSMISTOS
- ASSOCIAÇÃO DE CAVERNOSO E TUBEROSO ÀASSOCIAÇÃO DE CAVERNOSO E TUBEROSO À
CLÍNICA E HISTOLOGIA;CLÍNICA E HISTOLOGIA;
- GRANDES PROPORÇÕES;GRANDES PROPORÇÕES;
- VASOS CALIBROSOS ALIMENTANDO A LESÃO;VASOS CALIBROSOS ALIMENTANDO A LESÃO;
- SEM REGRESSÃO ESPONTÂNEA.SEM REGRESSÃO ESPONTÂNEA.
Hemangiomas
SÍNDROMES HEMANGIOMATOSASSÍNDROMES HEMANGIOMATOSAS
 VERDADEIROS HEMANGIOMAS:VERDADEIROS HEMANGIOMAS:
1.1. SÍNDROME DE KASSABACH-MERRITSÍNDROME DE KASSABACH-MERRIT – ASSOCIADO– ASSOCIADO
À TRONBOCITOPENIA E HEMÓLISE;À TRONBOCITOPENIA E HEMÓLISE;
2.2. SÍNDROME DE MAFUCCISÍNDROME DE MAFUCCI – RARA, ASSOCIADA COM– RARA, ASSOCIADA COM
CONDROMAS DE FALANGES E TRANSFORMAÇÃOCONDROMAS DE FALANGES E TRANSFORMAÇÃO
MALIGNA;MALIGNA;
3.3. SÍNDROME DE KLIPPEL –TRENAUNAYSÍNDROME DE KLIPPEL –TRENAUNAY – TRÍADE:– TRÍADE:
HEMANGIOMA PLANO, VEIAS VARICOSAS C/ OU S/HEMANGIOMA PLANO, VEIAS VARICOSAS C/ OU S/
FÍSTULA ARTÉRIOVENOSAS E HIPERTROFIA DEFÍSTULA ARTÉRIOVENOSAS E HIPERTROFIA DE
PARTES MOLES E OSSO. M. SUPERIOR OU INFERIORPARTES MOLES E OSSO. M. SUPERIOR OU INFERIOR
TRATAMENTOTRATAMENTO
 EXPECTANTE;EXPECTANTE;
 CIRÚRGICO TOTAL OU PARCIAL;CIRÚRGICO TOTAL OU PARCIAL;
 CORTICOTERAPIA (MELHOR PARA TUBEROSOS.CORTICOTERAPIA (MELHOR PARA TUBEROSOS.
EFEITO REBOTE É POSSÍVEL. PLANOS NÃOEFEITO REBOTE É POSSÍVEL. PLANOS NÃO
RESPONDEM);RESPONDEM);
 CRIOTERAPIA (CAVERNOSOS DE MUCOSAS);CRIOTERAPIA (CAVERNOSOS DE MUCOSAS);
TRATAMENTOTRATAMENTO
 ESCLEROTERAPIA (GLICOSE HIPERTÔNICA A 50%);ESCLEROTERAPIA (GLICOSE HIPERTÔNICA A 50%);
 RAIO LASER (HEMANGIOMAS PLANOS);RAIO LASER (HEMANGIOMAS PLANOS);
 MAQUIAGEM;MAQUIAGEM;
 COMPRESSÃO (MALHAS);COMPRESSÃO (MALHAS);
 EMBOLIZAÇÃO (GEOFOAN);EMBOLIZAÇÃO (GEOFOAN);
 RADIOTERAPIA (RADIOTERAPIA (NÃO MAIS RECOMENDADANÃO MAIS RECOMENDADA););
 LIGADURA VASCULAR (LIGADURA VASCULAR (CUIDADO!!!!)CUIDADO!!!!)
OBRIGADO !OBRIGADO !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aneurisma
AneurismaAneurisma
Aneurisma
Juliana Loureiro
 
O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?
Universidade de São Paulo
 
Coarctação da Aorta, Arco Aórtico interrompido e Estenose Pulmonar,
Coarctação da Aorta, Arco Aórtico interrompido e Estenose Pulmonar, Coarctação da Aorta, Arco Aórtico interrompido e Estenose Pulmonar,
Coarctação da Aorta, Arco Aórtico interrompido e Estenose Pulmonar,
João Antônio Granzotti
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
janinemagalhaes
 
Cardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitasCardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitas
dapab
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
Brenda Lahlou
 
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Sindromes diarreicas
Sindromes diarreicasSindromes diarreicas
Sindromes diarreicas
Paulo Alambert
 
Semiologia do aparelho urinário
Semiologia do aparelho urinárioSemiologia do aparelho urinário
Semiologia do aparelho urinário
pauloalambert
 
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Bruna Cesário
 
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágicoNeurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Bruna Cesário
 
Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e CartilagensFisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Caio Gonçalves de Souza
 
Tipos de retalhos cutâneos e seus desenhos
Tipos de retalhos cutâneos e seus desenhosTipos de retalhos cutâneos e seus desenhos
Tipos de retalhos cutâneos e seus desenhos
Rogério Porto da Rocha
 
Aparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físicoAparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físico
Alinny Cunha
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e PescoçoExame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e Pescoço
Paulo Alambert
 
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
Ozimo Gama
 
Sessão caso
Sessão  casoSessão  caso
Sessão caso
janinemagalhaes
 
Espessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicos
Espessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicosEspessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicos
Espessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicos
Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
Laped Ufrn
 

Mais procurados (20)

Aneurisma
AneurismaAneurisma
Aneurisma
 
O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?
 
Coarctação da Aorta, Arco Aórtico interrompido e Estenose Pulmonar,
Coarctação da Aorta, Arco Aórtico interrompido e Estenose Pulmonar, Coarctação da Aorta, Arco Aórtico interrompido e Estenose Pulmonar,
Coarctação da Aorta, Arco Aórtico interrompido e Estenose Pulmonar,
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Cardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitasCardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitas
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
 
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Sindromes diarreicas
Sindromes diarreicasSindromes diarreicas
Sindromes diarreicas
 
Semiologia do aparelho urinário
Semiologia do aparelho urinárioSemiologia do aparelho urinário
Semiologia do aparelho urinário
 
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
 
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágicoNeurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
 
Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e CartilagensFisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
 
Tipos de retalhos cutâneos e seus desenhos
Tipos de retalhos cutâneos e seus desenhosTipos de retalhos cutâneos e seus desenhos
Tipos de retalhos cutâneos e seus desenhos
 
Aparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físicoAparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físico
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e PescoçoExame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e Pescoço
 
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
 
Sessão caso
Sessão  casoSessão  caso
Sessão caso
 
Espessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicos
Espessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicosEspessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicos
Espessamento endometrial à ultrassonografia e achados histeroscópicos
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
 

Semelhante a Hemangiomas

Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Tuberculose - Saúde pública.
Tuberculose - Saúde pública. Tuberculose - Saúde pública.
Tuberculose - Saúde pública.
MARAILZA LIMA
 
Câncer de tireóide 6 ano
Câncer de tireóide 6 anoCâncer de tireóide 6 ano
Câncer de tireóide 6 ano
cadu1301
 
Câncer de tireóide 6 ano
Câncer de tireóide 6 anoCâncer de tireóide 6 ano
Câncer de tireóide 6 ano
stefano_garzon
 
Tumores malignos da pele
Tumores malignos da peleTumores malignos da pele
Tumores malignos da pele
Rogério Porto da Rocha
 
Queimaduras. complexas e tratamento local
Queimaduras. complexas e tratamento localQueimaduras. complexas e tratamento local
Queimaduras. complexas e tratamento local
Rogério Porto da Rocha
 
Credenciamento saude
Credenciamento saudeCredenciamento saude
Credenciamento saude
Guy Valerio Barros dos Santos
 
Necrose
NecroseNecrose
Semiologia arterial e venosa
Semiologia arterial e venosaSemiologia arterial e venosa
Semiologia arterial e venosa
Paulo Alambert
 
A3 b3 filo cnidaria
A3 b3   filo cnidariaA3 b3   filo cnidaria
A3 b3 filo cnidaria
Alexandre Pusaudse
 
Tumores cervicais congênitos
Tumores cervicais congênitosTumores cervicais congênitos
Tumores cervicais congênitos
cadu1301
 
Tumores cervicais congênitos
Tumores cervicais congênitosTumores cervicais congênitos
Tumores cervicais congênitos
stefano_garzon
 
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMTSíndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Semioliga UFMT
 
Lesoes parte I
Lesoes parte ILesoes parte I
Lesoes parte I
Dermatologiacebcm
 
Escola santa helena
Escola santa helenaEscola santa helena
Escola santa helena
Silvânia Galdino
 
29_GRAD_2008_Thais_Helena.ppt
29_GRAD_2008_Thais_Helena.ppt29_GRAD_2008_Thais_Helena.ppt
29_GRAD_2008_Thais_Helena.ppt
TassioHuguenin2
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
barucalves
 
Aula08.03
Aula08.03Aula08.03
Aula08.03
Denise Carvalho
 
Aula08.03
Aula08.03Aula08.03
Aula08.03
Denise Carvalho
 
Ler 244 aula extra noções de comunicação t.c.c.ripoli
Ler 244 aula extra noções de comunicação t.c.c.ripoliLer 244 aula extra noções de comunicação t.c.c.ripoli
Ler 244 aula extra noções de comunicação t.c.c.ripoli
Bruno ventura de sousa
 

Semelhante a Hemangiomas (20)

Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Tuberculose - Saúde pública.
Tuberculose - Saúde pública. Tuberculose - Saúde pública.
Tuberculose - Saúde pública.
 
Câncer de tireóide 6 ano
Câncer de tireóide 6 anoCâncer de tireóide 6 ano
Câncer de tireóide 6 ano
 
Câncer de tireóide 6 ano
Câncer de tireóide 6 anoCâncer de tireóide 6 ano
Câncer de tireóide 6 ano
 
Tumores malignos da pele
Tumores malignos da peleTumores malignos da pele
Tumores malignos da pele
 
Queimaduras. complexas e tratamento local
Queimaduras. complexas e tratamento localQueimaduras. complexas e tratamento local
Queimaduras. complexas e tratamento local
 
Credenciamento saude
Credenciamento saudeCredenciamento saude
Credenciamento saude
 
Necrose
NecroseNecrose
Necrose
 
Semiologia arterial e venosa
Semiologia arterial e venosaSemiologia arterial e venosa
Semiologia arterial e venosa
 
A3 b3 filo cnidaria
A3 b3   filo cnidariaA3 b3   filo cnidaria
A3 b3 filo cnidaria
 
Tumores cervicais congênitos
Tumores cervicais congênitosTumores cervicais congênitos
Tumores cervicais congênitos
 
Tumores cervicais congênitos
Tumores cervicais congênitosTumores cervicais congênitos
Tumores cervicais congênitos
 
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMTSíndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
 
Lesoes parte I
Lesoes parte ILesoes parte I
Lesoes parte I
 
Escola santa helena
Escola santa helenaEscola santa helena
Escola santa helena
 
29_GRAD_2008_Thais_Helena.ppt
29_GRAD_2008_Thais_Helena.ppt29_GRAD_2008_Thais_Helena.ppt
29_GRAD_2008_Thais_Helena.ppt
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Aula08.03
Aula08.03Aula08.03
Aula08.03
 
Aula08.03
Aula08.03Aula08.03
Aula08.03
 
Ler 244 aula extra noções de comunicação t.c.c.ripoli
Ler 244 aula extra noções de comunicação t.c.c.ripoliLer 244 aula extra noções de comunicação t.c.c.ripoli
Ler 244 aula extra noções de comunicação t.c.c.ripoli
 

Mais de Rogério Porto da Rocha

Princípios básicos no tratamento das fraturas da face
Princípios básicos no tratamento das fraturas da facePrincípios básicos no tratamento das fraturas da face
Princípios básicos no tratamento das fraturas da face
Rogério Porto da Rocha
 
Fisiologia dos retalhos cutâneos
Fisiologia dos retalhos cutâneosFisiologia dos retalhos cutâneos
Fisiologia dos retalhos cutâneos
Rogério Porto da Rocha
 
Regeneração de nervos
Regeneração de nervosRegeneração de nervos
Regeneração de nervos
Rogério Porto da Rocha
 
Enxertos de pele
Enxertos de peleEnxertos de pele
Enxertos de pele
Rogério Porto da Rocha
 
Aspectos patológicos da cicatrização
Aspectos patológicos da cicatrizaçãoAspectos patológicos da cicatrização
Aspectos patológicos da cicatrização
Rogério Porto da Rocha
 
Cicatrização normal dos tecidos
Cicatrização normal dos tecidosCicatrização normal dos tecidos
Cicatrização normal dos tecidos
Rogério Porto da Rocha
 
Anatomia genital masculino do pênis
Anatomia genital masculino do pênisAnatomia genital masculino do pênis
Anatomia genital masculino do pênis
Rogério Porto da Rocha
 
Anatomia do sistema urinário
Anatomia do sistema urinárioAnatomia do sistema urinário
Anatomia do sistema urinário
Rogério Porto da Rocha
 
Anatomia da mímica facial
Anatomia da mímica facialAnatomia da mímica facial
Anatomia da mímica facial
Rogério Porto da Rocha
 
Anatomia do sistema genital feminino
Anatomia do sistema genital femininoAnatomia do sistema genital feminino
Anatomia do sistema genital feminino
Rogério Porto da Rocha
 
Anatomia do pé
Anatomia do péAnatomia do pé
Anatomia do pé
Rogério Porto da Rocha
 
Anatomia da mão
Anatomia da mãoAnatomia da mão
Anatomia da mão
Rogério Porto da Rocha
 
Lesões da me e te
Lesões da me e teLesões da me e te
Lesões da me e te
Rogério Porto da Rocha
 
Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomoSistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo
Rogério Porto da Rocha
 
Anatomia do peritônio
Anatomia do peritônioAnatomia do peritônio
Anatomia do peritônio
Rogério Porto da Rocha
 
Anatomia do membro inferior
Anatomia do membro inferiorAnatomia do membro inferior
Anatomia do membro inferior
Rogério Porto da Rocha
 
Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomoSistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo
Rogério Porto da Rocha
 
Lesões da me e te
Lesões da me e teLesões da me e te
Lesões da me e te
Rogério Porto da Rocha
 
Anatomia meninges, líquor e vasos do Sistema nervoso central
Anatomia meninges, líquor e vasos do Sistema nervoso centralAnatomia meninges, líquor e vasos do Sistema nervoso central
Anatomia meninges, líquor e vasos do Sistema nervoso central
Rogério Porto da Rocha
 
Funções do córtex e emoções
Funções do córtex e emoçõesFunções do córtex e emoções
Funções do córtex e emoções
Rogério Porto da Rocha
 

Mais de Rogério Porto da Rocha (20)

Princípios básicos no tratamento das fraturas da face
Princípios básicos no tratamento das fraturas da facePrincípios básicos no tratamento das fraturas da face
Princípios básicos no tratamento das fraturas da face
 
Fisiologia dos retalhos cutâneos
Fisiologia dos retalhos cutâneosFisiologia dos retalhos cutâneos
Fisiologia dos retalhos cutâneos
 
Regeneração de nervos
Regeneração de nervosRegeneração de nervos
Regeneração de nervos
 
Enxertos de pele
Enxertos de peleEnxertos de pele
Enxertos de pele
 
Aspectos patológicos da cicatrização
Aspectos patológicos da cicatrizaçãoAspectos patológicos da cicatrização
Aspectos patológicos da cicatrização
 
Cicatrização normal dos tecidos
Cicatrização normal dos tecidosCicatrização normal dos tecidos
Cicatrização normal dos tecidos
 
Anatomia genital masculino do pênis
Anatomia genital masculino do pênisAnatomia genital masculino do pênis
Anatomia genital masculino do pênis
 
Anatomia do sistema urinário
Anatomia do sistema urinárioAnatomia do sistema urinário
Anatomia do sistema urinário
 
Anatomia da mímica facial
Anatomia da mímica facialAnatomia da mímica facial
Anatomia da mímica facial
 
Anatomia do sistema genital feminino
Anatomia do sistema genital femininoAnatomia do sistema genital feminino
Anatomia do sistema genital feminino
 
Anatomia do pé
Anatomia do péAnatomia do pé
Anatomia do pé
 
Anatomia da mão
Anatomia da mãoAnatomia da mão
Anatomia da mão
 
Lesões da me e te
Lesões da me e teLesões da me e te
Lesões da me e te
 
Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomoSistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo
 
Anatomia do peritônio
Anatomia do peritônioAnatomia do peritônio
Anatomia do peritônio
 
Anatomia do membro inferior
Anatomia do membro inferiorAnatomia do membro inferior
Anatomia do membro inferior
 
Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomoSistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo
 
Lesões da me e te
Lesões da me e teLesões da me e te
Lesões da me e te
 
Anatomia meninges, líquor e vasos do Sistema nervoso central
Anatomia meninges, líquor e vasos do Sistema nervoso centralAnatomia meninges, líquor e vasos do Sistema nervoso central
Anatomia meninges, líquor e vasos do Sistema nervoso central
 
Funções do córtex e emoções
Funções do córtex e emoçõesFunções do córtex e emoções
Funções do córtex e emoções
 

Hemangiomas

  • 1. Fundamentos e Bases em Cirurgia PlásticaFundamentos e Bases em Cirurgia Plástica 20142014 10.10. HEMANGIOMAS DA PELEHEMANGIOMAS DA PELE E DO SUBCUTÂNEOE DO SUBCUTÂNEO
  • 2. CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS  ANOMALIAS CONGÊNITASANOMALIAS CONGÊNITAS;;  VERDADEIROS HAMARTOMAS DO TECIDOVERDADEIROS HAMARTOMAS DO TECIDO VASCULAR;VASCULAR;  TUMORES BENIGNOS MAIS COMUNS EMTUMORES BENIGNOS MAIS COMUNS EM CRIANÇASCRIANÇAS;;  APARECEM NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA;APARECEM NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA;  3 MULHERES : 1 HOMEM3 MULHERES : 1 HOMEM;;  EM QUALQUER TECIDO, MAS É MAIS COMUMEM QUALQUER TECIDO, MAS É MAIS COMUM NA PELE E SUBCUTÂNEO;NA PELE E SUBCUTÂNEO;  SEM RELAÇÃO COM RAÇA OU COR DA PELESEM RELAÇÃO COM RAÇA OU COR DA PELE..
  • 4. CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS  ANOMALIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO QUE COMEÇA AANOMALIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO QUE COMEÇA A SE FORMAR A PARTIR DA 4ª. SEMANA EMBRIONÁRIA, DOSE FORMAR A PARTIR DA 4ª. SEMANA EMBRIONÁRIA, DO MESODERMA.MESODERMA.  NA 8ª. SEMANA, A ÁRVORE VASCULAR ESTÁ TODANA 8ª. SEMANA, A ÁRVORE VASCULAR ESTÁ TODA FORMADA;FORMADA;  A DIFERENCIAÇÃO DOS VASOS SE INICIA QUANDO TODAA DIFERENCIAÇÃO DOS VASOS SE INICIA QUANDO TODA A REDE DE ANGIOBLASTOS E CÉLULASA REDE DE ANGIOBLASTOS E CÉLULAS VASOFORMADORAS – ÚNICA REDE CAPILARVASOFORMADORAS – ÚNICA REDE CAPILAR INDIFERENCIADA;INDIFERENCIADA;
  • 5. CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS  DEPENDENDO DO ESTÁGIO E DODEPENDENDO DO ESTÁGIO E DO LOCAL EM Q O ERRO ACONTECE –LOCAL EM Q O ERRO ACONTECE – HEMANGIOMAS, FÍSTULAS ARTÉRIOHEMANGIOMAS, FÍSTULAS ARTÉRIO VENOSAS E ANOMALIAS DAVENOSAS E ANOMALIAS DA MATURAÇÃO DOS CANAISMATURAÇÃO DOS CANAIS VASCULARES.VASCULARES.
  • 6. CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO  DIVERSAS FORMAS DE CLASSIFICAÇÃO USANDODIVERSAS FORMAS DE CLASSIFICAÇÃO USANDO NOMES DE FRUTAS, BEBIDAS, INSETOS ETC...NOMES DE FRUTAS, BEBIDAS, INSETOS ETC...  OUTRAS, SEGUNDO A MATURAÇÃO ENDOTELIAL,OUTRAS, SEGUNDO A MATURAÇÃO ENDOTELIAL, VELOCIDADE DO FLUXO SANGUÍNEO, RELEVO;VELOCIDADE DO FLUXO SANGUÍNEO, RELEVO;
  • 7. CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO  QUANTO À EVOLUÇÃO CLÍNICA NATURAL, ASPECTOQUANTO À EVOLUÇÃO CLÍNICA NATURAL, ASPECTO FÍSICO DA LESÃO, HISTOPATOLOGIA, EMBRIOGÊNESE:FÍSICO DA LESÃO, HISTOPATOLOGIA, EMBRIOGÊNESE:  HEMANGIOMASHEMANGIOMAS PLANOSPLANOS,, TUMORAISTUMORAIS ,, SÍNDROMES HEMANGIOMATOSASSÍNDROMES HEMANGIOMATOSAS.. a.a. PLANOSPLANOS – SUPERFICIAIS E PROFUNDOS– SUPERFICIAIS E PROFUNDOS b.b. TUMORAISTUMORAIS – FRAGIFORME, TUBEROSO, CAVERNOSO,– FRAGIFORME, TUBEROSO, CAVERNOSO, MISTO.MISTO.
  • 8. HEMANGIOMA PLANOHEMANGIOMA PLANO SÃO LESÕES PLANAS;SÃO LESÕES PLANAS; • SUPERFICIAIS OU PROFUNDAS DEPENDENTES DASUPERFICIAIS OU PROFUNDAS DEPENDENTES DA PREDOMINÂNCIA DE CAPILARES ACOMETIDOS;PREDOMINÂNCIA DE CAPILARES ACOMETIDOS; • APRESENTAÇÃO EM MAIOR OU MENOR NÚMEROAPRESENTAÇÃO EM MAIOR OU MENOR NÚMERO NA PELE;NA PELE; • MENOR NÚMERO = SUPERFICIAIS (MENOR NÚMERO = SUPERFICIAIS (COR SALMÃOCOR SALMÃO);); • MAIOR NÚMERO = PROFUNDAS (MAIOR NÚMERO = PROFUNDAS (COR VINHOSACOR VINHOSA).).
  • 9. HEMANGIOMA PLANOHEMANGIOMA PLANO  PRESENTES NO NASCIMENTO, NORMALMENTE NÃOPRESENTES NO NASCIMENTO, NORMALMENTE NÃO INVOLUEM ESPONTANEAMENTE;INVOLUEM ESPONTANEAMENTE;  FREQUENTE NA FACE – TRIGÊMIO;FREQUENTE NA FACE – TRIGÊMIO;  DIAGNÓSTICO CLÍNICO;DIAGNÓSTICO CLÍNICO;  CRESCIMENTO PROPORCIONAL ÀS ESTRUTURASCRESCIMENTO PROPORCIONAL ÀS ESTRUTURAS ENVOLVIDAS;ENVOLVIDAS;
  • 10. HEMANGIOMA PLANOHEMANGIOMA PLANO - TIPO PROFUNDO, À PARTIR DA 1ª. DÉCADA DE VIDA –- TIPO PROFUNDO, À PARTIR DA 1ª. DÉCADA DE VIDA – HIPERTROFIA (LÁBIOS, ASA NASAL, ORELHAS);HIPERTROFIA (LÁBIOS, ASA NASAL, ORELHAS); - 2ª. DÉCADA DE VIDA – PODE APRESENTAR LESÕES- 2ª. DÉCADA DE VIDA – PODE APRESENTAR LESÕES NODULARES E VERRUCOSAS (ECTASIA VASCULAR)NODULARES E VERRUCOSAS (ECTASIA VASCULAR)
  • 13. HEMANGIOMA TUMORALHEMANGIOMA TUMORAL  FRAGIFORME – ‘FRAGIFORME – ‘FRAGUS’ – LATIM;FRAGUS’ – LATIM;  VINHOSOS E TUMORAIS, ARREDONDADOS, 1 – 5CMVINHOSOS E TUMORAIS, ARREDONDADOS, 1 – 5CM DIÂMETRO, FACE E C.CABELUDODIÂMETRO, FACE E C.CABELUDO;;  NO NASCIMENTO, APARÊNCIA DE ‘PICADA’ OUNO NASCIMENTO, APARÊNCIA DE ‘PICADA’ OU TOCOTRAUMATISMO;TOCOTRAUMATISMO;  CRESCE ATÉ O 3-4 MÊS;CRESCE ATÉ O 3-4 MÊS;  INVOLUI ESPONTANEAMENTE À PARTIR DO 6-7INVOLUI ESPONTANEAMENTE À PARTIR DO 6-7 MÊS;MÊS;  2 ANOS E MEIO – 50% INVOLUÇÃO;2 ANOS E MEIO – 50% INVOLUÇÃO;  DESAPARECE TOTALMENTE COM 6 ANOS.DESAPARECE TOTALMENTE COM 6 ANOS.
  • 14. HEMANGIOMAS TUMORAISHEMANGIOMAS TUMORAIS  FRAGIFORMEFRAGIFORME - NÃO DEIXAM SEQÜELAS, EXCETO EM ULCERAÇÕES.NÃO DEIXAM SEQÜELAS, EXCETO EM ULCERAÇÕES. - DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL COM- DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL COM GRANULOMAGRANULOMA PIOGÊNICOPIOGÊNICO
  • 17. HEMANGIOMAS TUMORAISHEMANGIOMAS TUMORAIS  TUBEROSOTUBEROSO - LESÕES VINHOSAS, TUMORAIS COM SUPERFÍCIE,LESÕES VINHOSAS, TUMORAIS COM SUPERFÍCIE, BORDAS E LIMITES IRREGULARES,;BORDAS E LIMITES IRREGULARES,; - MÚLTIPLAS LESÕES QUE PODEM SERMÚLTIPLAS LESÕES QUE PODEM SER COALESCENTES;COALESCENTES; - MASSAS DE CÉLULAS ENDOTELIAIS IMATURAS;MASSAS DE CÉLULAS ENDOTELIAIS IMATURAS; - HEMIFACE OU MEMBRO INTEIRO;HEMIFACE OU MEMBRO INTEIRO; - ULCERAM FACILMENTEULCERAM FACILMENTE, POUCO SANGRAMENTO;, POUCO SANGRAMENTO; - REGRESSÃO ESPONTÂNEA = FRAGIFORMEREGRESSÃO ESPONTÂNEA = FRAGIFORME
  • 21. HEMANGIOMAS TUMORAISHEMANGIOMAS TUMORAIS  CAVERNOSOCAVERNOSO - OS MAIS FREQUENTES EM MUCOSAS, MAS TBOS MAIS FREQUENTES EM MUCOSAS, MAS TB ACOMETEM PELE E DEMAIS TECIDOS;ACOMETEM PELE E DEMAIS TECIDOS; - ECTASIAS VASCULARES DE PAREDES ENDOTELIAISECTASIAS VASCULARES DE PAREDES ENDOTELIAIS COM ESCASSO ESTROMA DE TECIDO FIBROSO;COM ESCASSO ESTROMA DE TECIDO FIBROSO; - MENOR PROBABILIDADE DE INVOLUÇÃOMENOR PROBABILIDADE DE INVOLUÇÃO ESPONTÂNEA.ESPONTÂNEA.
  • 24. HEMANGIOMAS TUMORAISHEMANGIOMAS TUMORAIS  MISTOSMISTOS - ASSOCIAÇÃO DE CAVERNOSO E TUBEROSO ÀASSOCIAÇÃO DE CAVERNOSO E TUBEROSO À CLÍNICA E HISTOLOGIA;CLÍNICA E HISTOLOGIA; - GRANDES PROPORÇÕES;GRANDES PROPORÇÕES; - VASOS CALIBROSOS ALIMENTANDO A LESÃO;VASOS CALIBROSOS ALIMENTANDO A LESÃO; - SEM REGRESSÃO ESPONTÂNEA.SEM REGRESSÃO ESPONTÂNEA.
  • 26. SÍNDROMES HEMANGIOMATOSASSÍNDROMES HEMANGIOMATOSAS  VERDADEIROS HEMANGIOMAS:VERDADEIROS HEMANGIOMAS: 1.1. SÍNDROME DE KASSABACH-MERRITSÍNDROME DE KASSABACH-MERRIT – ASSOCIADO– ASSOCIADO À TRONBOCITOPENIA E HEMÓLISE;À TRONBOCITOPENIA E HEMÓLISE; 2.2. SÍNDROME DE MAFUCCISÍNDROME DE MAFUCCI – RARA, ASSOCIADA COM– RARA, ASSOCIADA COM CONDROMAS DE FALANGES E TRANSFORMAÇÃOCONDROMAS DE FALANGES E TRANSFORMAÇÃO MALIGNA;MALIGNA; 3.3. SÍNDROME DE KLIPPEL –TRENAUNAYSÍNDROME DE KLIPPEL –TRENAUNAY – TRÍADE:– TRÍADE: HEMANGIOMA PLANO, VEIAS VARICOSAS C/ OU S/HEMANGIOMA PLANO, VEIAS VARICOSAS C/ OU S/ FÍSTULA ARTÉRIOVENOSAS E HIPERTROFIA DEFÍSTULA ARTÉRIOVENOSAS E HIPERTROFIA DE PARTES MOLES E OSSO. M. SUPERIOR OU INFERIORPARTES MOLES E OSSO. M. SUPERIOR OU INFERIOR
  • 27. TRATAMENTOTRATAMENTO  EXPECTANTE;EXPECTANTE;  CIRÚRGICO TOTAL OU PARCIAL;CIRÚRGICO TOTAL OU PARCIAL;  CORTICOTERAPIA (MELHOR PARA TUBEROSOS.CORTICOTERAPIA (MELHOR PARA TUBEROSOS. EFEITO REBOTE É POSSÍVEL. PLANOS NÃOEFEITO REBOTE É POSSÍVEL. PLANOS NÃO RESPONDEM);RESPONDEM);  CRIOTERAPIA (CAVERNOSOS DE MUCOSAS);CRIOTERAPIA (CAVERNOSOS DE MUCOSAS);
  • 28. TRATAMENTOTRATAMENTO  ESCLEROTERAPIA (GLICOSE HIPERTÔNICA A 50%);ESCLEROTERAPIA (GLICOSE HIPERTÔNICA A 50%);  RAIO LASER (HEMANGIOMAS PLANOS);RAIO LASER (HEMANGIOMAS PLANOS);  MAQUIAGEM;MAQUIAGEM;  COMPRESSÃO (MALHAS);COMPRESSÃO (MALHAS);  EMBOLIZAÇÃO (GEOFOAN);EMBOLIZAÇÃO (GEOFOAN);  RADIOTERAPIA (RADIOTERAPIA (NÃO MAIS RECOMENDADANÃO MAIS RECOMENDADA););  LIGADURA VASCULAR (LIGADURA VASCULAR (CUIDADO!!!!)CUIDADO!!!!)