SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENFERMAGEM
BIBLIOTECA “WANDA DE AGUIAR HORTA”
GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE
DISSERTAÇÃO, TESE, MONOGRAFIA E
PROJETO DE PESQUISA
SÃO PAULO
2015
2
Universidade de São Paulo
Reitor: Prof. Dr. Marco Antonio Zago
Vice-Reitor: Prof. Dr. Vahan Agopyan
Escola da Enfermagem
Diretora: Profa. Dra. Diná de Almeida Lopes Monteiro da Cruz
Vice-Diretora: Profa. Dra. Miriam Aparecida Barbosa Merighi
Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta”
Chefe Técnica de Serviço: Neide Bombeiro Filet
Seção de Atendimento ao Usuário:
Sonia Maria Gardim
Seção de Disseminação da Informação e Publicações:
Yuka Saheki
Seção de Aquisição e Tratamento da Informação:
Fabiana Gulin Longhi Palácio
Grupo de Trabalho:
Juliana Akie Takahashi
Neide Bombeiro Filet
Sonia Maria Gardim
Yuka Saheki
Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 – Cerqueira César
CEP 05403-000 - São Paulo - SP - Brasil
Telefone: (11) 3061-7524/7525/7568/8827
E-mail: bibee@usp.br
http://www.ee.usp.br/biblioteca/whorta/index.php
3
Catalogação na Publicação (CIP)
Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta”
Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo
Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem.
Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta”.
Guia prático para elaboração de dissertação, tese,
monografia e projeto de pesquisa / Juliana Akie
Takahashi, Neide Bombeiro Filet, Sonia Maria Gardim,
Yuka Saheki. – São Paulo, 2015.
Inclui bibliografia
1. Teses e dissertações (normas). 2. Normalização
de documentos. 3. Referências bibliográficas
(normalização). I. Takahashi, Juliana Akie II. Filet, Neide
Bombeiro III. Gardim, Sonia Maria IV. Saheki, Yuka
V.Título.
4
SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO............................................................................................06
1 DEFINIÇÕES: Dissertação, Tese, Monografia e Projeto de Pesquisa................. 07
2 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO......................................................08
2.1 PARTE EXTERNA (capa e lombada).............................................................. 08
2.2 PRÉ-TEXTO...............................................................................................09
2.3 TEXTO..................................................................................................... 32
2.4 PÓS-TEXTO.............................................................................................. 33
3 REGRAS GERAIS DE FORMAÇÃO DO TEXTO..................................................38
3.1 REDAÇÃO................................................................................................. 38
3.2 USO DE NUMERAIS....................................................................................38
3.3 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA DAS SEÇÕES.................................................... 38
3.4 SIGLAS.................................................................................................... 39
3.5 EQUAÇÕES E FÓRMULAS............................................................................ 39
3.6 ILUSTRAÇÕES (figuras, quadros, gráficos, etc.)............................................. 39
3.7 TABELAS.................................................................................................. 41
4 FORMATAÇÃO DO TEXTO...........................................................................44
4.1 REPRODUÇÃO E ENCADERNAÇÃO................................................................ 46
4.2 DEPÓSITO NA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES DA USP.........46
5 TIPOS DE CITAÇÃO NO TEXTO E SISTEMAS DE CITAÇÃO...............................47
5.1 CITAÇÃO DIRETA...................................................................................... 47
5.2 CITAÇÃO INDIRETA................................................................................... 48
5.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO................................................................................49
5.4 CITAÇÃO DE FONTES INFORMAIS................................................................ 49
5
5.5 USO DO NEGRITO, SUBLINHADO OU ITÁLICO NAS CITAÇÕES......................... 51
5.6 SISTEMAS DE CITAÇÃO..............................................................................51
5.7 EXCLUSÃO DE PARTES DE TEXTO, ACRÉSCIMOS E COMENTÁRIOS...................59
5.8 NOTAS DE RODAPÉ....................................................................................59
6 REFERÊNCIAS.......................................................................................... 60
6.1 AUTORIA..................................................................................................64
6.2 TÍTULO.................................................................................................... 69
6.3 EDIÇÃO....................................................................................................71
6.4 NOTAS TIPOGRÁFICAS (local de publicação, editora e ano)............................. 71
6.5 DESCRIÇÃO FÍSICA................................................................................... 74
6.6 SÉRIES E COLEÇÕES..................................................................................76
7 MODELOS DE REFERÊNCIAS...................................................................... 77
7.1 MONOGRAFIAS......................................................................................... 77
7.2 PERIÓDICOS (revistas ou seriados)..............................................................84
7.3 ARTIGO OU MATÉRIA DE JORNAL................................................................ 93
7.4 DISSERTAÇÃO, TESE, MONOGRAFIA (trabalho de conclusão de curso),
RELATÓRIO E PROJETO DE PESQUISA..........................................................94
7.5 EVENTOS CIENTÍFICOS (congresso, seminário, simpósio, etc.)........................ 96
7.6 DOCUMENTO JURÍDICO ADAPTADO (legislação, jurisprudência e doutrina)........99
7.7 OUTROS MATERIAIS IMPRESSOS.................................................................102
7.8 MATERIAL AUDIOVISUAL............................................................................105
7.9 DOCUMENTO ELETRÔNICO......................................................................... 106
REFERÊNCIAS...............................................................................................112
6
APRESENTAÇÃO
Considerando que a Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta”, da Escola de Enfermagem da
Universidade de São Paulo (USP), tem como missão apoiar as atividades do ensino, pesquisa e
extensão, foi elaborado o “Guia prático para elaboração de dissertação, tese, monografia e
projeto de pesquisa”, cujo objetivo é auxiliar alunos, docentes, pesquisadores e funcionários na
elaboração de trabalhos acadêmicos/científicos.
Este guia baseou-se nas normas internacionais do grupo de editores científicos da área
médica, em Vancouver, denominado Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas
(International Committee of Medical Journals Editors – ICMJE), conhecida como Estilo
Vancouver, cuja última revisão foi disponibilizada em setembro de 2011 e nas normas da
Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, com algumas adaptações para a Escola de
Enfermagem da USP.
Esperamos que esse Guia contribua, de forma clara, nas orientações a serem seguidas.
Neide Bombeiro Filet
Chefe Técnica de Serviço
Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta”
7
1 DEFINIÇÕES: Dissertação, Tese, Monografia e
Projeto de Pesquisa
DISSERTAÇÃO
Documento que apresenta o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um
estudo científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado em sua extensão, com o
objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento de
literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. É feito sob
a coordenação de um orientador (doutor), visando à obtenção do título de mestre (ABNT,
2011a).
TESE
Documento que apresenta o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um
estudo científico de tema único e bem delimitado. Deve ser elaborado com base em
investigação original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. É
feito sob a coordenação de um orientador (doutor) e visa a obtenção do título de doutor, ou
similar (ABNT, 2011a).
MONOGRAFIA
Trabalho de conclusão de curso de graduação, trabalho de graduação interdisciplinar,
trabalho de conclusão de curso de especialização e/ou aperfeiçoamento. Documento que
apresenta o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido que
deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso,
programa e outros. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador (ABNT, 2011a).
PROJETO DE PESQUISA
Compreende uma das fases da pesquisa. É a descrição da sua estrutura. (ABNT, 2011b).
O projeto de pesquisa segue as mesmas orientações de estrutura das dissertações, teses e
monografias, com acréscimo dos recursos utilizados e do cronograma, estabelecidos pela
norma de apresentação de projeto de pesquisa NBR 15.287 (ABNT, 2011b).
8
2 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO
A estrutura de trabalhos acadêmicos compreende: parte externa e parte interna (ABNT,
2011b). A parte externa contém capa e lombada (elementos obrigatórios) enquanto a
parte interna está subdivida em três partes: Pré-texto, Texto e Pós-texto.
2.1 PARTE EXTERNA (capa e lombada)
9
A capa é a proteção externa do trabalho, sobre a qual se imprimem as informações
indispensáveis à sua identificação e composta por (ABNT, 2011a):
- Nome da instituição;
- Nome do autor;
- Título;
- Subtítulo: se houver, deve ser precedido de dois pontos, evidenciando a sua subordinação ao
título;
- Número do volume: se houver mais de um, deve constar em cada capa o respectivo volume;
- Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado. No caso de cidades homônimas
recomenda-se o acréscimo da sigla do Estado;
- Ano de depósito.
A lombada deve ser composta por (ABNT, 2011a):
- Nome do autor;
- Título: se o título for muito extenso, escreva-o até onde der e utilize reticências para suprimir
o restante;
- Subtítulo: se houver;
- Grau pretendido (se dissertação, doutorado, etc.);
- Editor;
- Ano de depósito.
2.2 PRÉ-TEXTO
10
FOLHA DE ROSTO
Os elementos da folha de rosto são obrigatórios e devem ser apresentados na seguinte
ordem (ABNT, 2011a):
§ Nome do autor;
§ Título;
§ Subtítulo (se houver);
§ Número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada folha de rosto a
especificação do respectivo volume);
§ Tipo do trabalho (dissertação, tese ou monografia e outros);
§ Objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros);
§ Nome do programa da pós-graduação;
§ Nome da instituição em que o trabalho é submetido;
§ Área de concentração;
§ Nome do orientador(a);
§ Nome do co-orientador(a) (se houver);
§ Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado;
§ Ano de depósito (da entrega).
11
Folha de Rosto de Dissertação
SILMAR MARIA DA SILVA
RETORNO AO TRABALHO:
A VIVÊNCIA DOS TRABALHADORES DE
ENFERMAGEM COM DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES
RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT)
Dissertação apresentada ao Programa de
Pós-Graduação em Gerenciamento em
Enfermagem da Escola de Enfermagem da
Universidade de São Paulo para obtenção
do título de Mestra em Ciências
Área de concentração: Fundamentos e
Práticas de Gerenciamento em
Enfermagem e em Saúde
Orientadora: Prof.ª Drª. Patrícia Campos
Pavan Baptista
São Paulo
2012
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
12
Folha de Rosto de Tese
MARIA MARTA NOLASCO CHAVES
COMPETÊNCIA AVALIATIVA DO ENFERMEIRO PARA O
RECONHECIMENTO E ENFRENTAMENTO DAS
NECESSIDADES EM SAÚDE DAS FAMÍLIAS
Tese apresentada ao Programa de Pós-
Graduação Interunidades EEUSP-EERP
da Escola de Enfermagem da
Universidade de São Paulo para obtenção
do título de Doutora em Ciências
Área de concentração: Cuidados em
Saúde
Orientadora: Profª. Drª. Emiko Yoshikawa
Egry
São Paulo
2012
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
13
Folha de Rosto Corrigida (Dissertação/Tese)
Resolução nº6.018, de 24 de novembro de 2011
FABIANA GULIN LONGHI PALÁCIO
CATEGORIZAÇÃO CONCEITUAL DA INFORMAÇÃO
JURÍDICA
Versão corrigida da Dissertação
apresentada ao Programa de Pós-
Graduação em Ciência da Informação da
Escola de Comunicação e Artes da
Universidade de São Paulo para obtenção
do título de Mestre.
Área de concentração: Cultura e
Informação
Orientadora: Prof.ª Drª. Vânia Mara Alves
Lima
VERSÃO CORRIGIDA
A versão original encontra-se disponível na Biblioteca da Escola
de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo e na
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Universidade de
São Paulo.
São Paulo
2013
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
14
VERSO DA FOLHA DE ROSTO
No verso da folha de rosto deve constar a autorização para reprodução da tese e a ficha
catalográfica, que será elaborada pela Biblioteca, mediante agendamento prévio, através do
e-mail bibee@usp.br, com o encaminhamento dos seguintes dados:
- Folha de rosto, com todos os dados da tese;
- Resumo, com as palavras-chave, retiradas prioritariamente dos Descritores em Ciências da
Saúde – DeCS (http//:decs.bvs.br). Consulte também o Vocabulário Controlado da USP
(http://143.107.73.99/vocab/vocab.php). Em caso de dúvidas, contate o bibliotecário.
AUTORIZO A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE
TRABALHO, POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU
ELETRÔNICO, PARA FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE
QUE CITADA A FONTE.
Assinatura: ____________________________ Data___/___/___
Catalogação na Publicação (CIP)
Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta”
Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo
2 cm 3 cm
2 cm
3 cm
Almeida, Marília Mastrocolla de
A adesão de adolescentes ao tratamento para uso de
álcool e outras drogas: um bicho de sete cabeças? /
Marília Mastrocolla de Almeida. – São Paulo, 2010.
358 p.
Tese (Doutorado) – Escola de Enfermagem da
Universidade de São Paulo.
Orientadora: Profª DrªMárcia Aparecida Ferreira de
Oliveira
1. Adolescentes. 2. Serviços de saúde mental. 3.
Transtornos relacionados ao uso de substâncias. I. Título.
15
ERRATA
Deve ser inserida logo após a folha de rosto constituída pela referência do trabalho e
pelo texto da errata. Apresentada em papel avulso ou encartado acrescida ao trabalho, somente
se detectado erro após a impressão (ABNT, 2011a).
A errata é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica
como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
Santos CE. Compreendendo as expectativas em um curso de
graduação em enfermagem: o olhar discente e docente [tese].
São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo;
2005.
ERRATA
Página Linha Onde se lê Leia-se
12 5 discrinar discriminar
39 7 apresenta-se apresentam-se
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
16
FOLHA DE APROVAÇÃO
A folha de aprovação é constituída por (ABNT, 2011a):
§ Nome do autor;
§ Título e subtítulo (se houver);
§ Tipo do trabalho (dissertação, tese, etc.);
§ Área de concentração;
§ Nome da instituição a que é submetido o trabalho;
§ Grau pretendido (mestre, doutor, etc.);
§ Data da aprovação;
§ Nome, titulação e assinatura dos componentes da banca examinadora e instituições a
que pertencem.
A data de aprovação e assinatura dos membros componentes da banca examinadora
devem ser colocadas após a aprovação do trabalho (ABNT, 2011a). Para mestrado são três
assinaturas da banca examinadora e para doutorado são cinco.
17
Folha de Aprovação de Mestrado
Nome: Silmar Maria da Silva
Titulo: Retorno ao trabalho: a vivência dos trabalhadores de
enfermagem com distúrbios osteomusculares relacionados ao
trabalho (DORT).
Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em
Gerenciamento em Enfermagem da Escola de Enfermagem da
Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestra
em Ciências.
Aprovado em: ___/___/___
Banca Examinadora
Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________
Julgamento:________________ Assinatura:_______________
Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________
Julgamento:________________ Assinatura:_______________
Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________
Julgamento:________________ Assinatura:_______________
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
18
Folha de Aprovação de Doutorado
Nome: Maria Marta Nolasco Chaves
Titulo: Competência avaliativa do enfermeiro para o
reconhecimento e enfrentamento das necessidades em saúde
das famílias.
Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação
Interunidades EEUSP-EERP da Escola de Enfermagem da
Universidade de São Paulo para obtenção do título de Doutora
em Ciências.
Aprovado em: ___/___/___
Banca Examinadora
Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________
Julgamento:________________ Assinatura:_______________
Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________
Julgamento:________________ Assinatura:_______________
Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________
Julgamento:________________ Assinatura:_______________
Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________
Julgamento:________________ Assinatura:_______________
Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________
Julgamento:________________ Assinatura:_______________
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
19
DEDICATÓRIA (opcional)
Texto em que o autor presta homenagem ou dedica seu trabalho (ABNT, 2011a).
A dedicatória é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação
numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
DEDICATÓRIA
Aos meus pais, os maiores amores da minha vida a quem
dedico todas as minhas vitórias.
Ao Paulo, companheiro de todos os momentos, pela
compreensão e carinho ao longo do período de elaboração
deste trabalho.
Aos meus filhos Danilo e Gabriela, seres especiais, presença
diária de amor e motivação.
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
20
AGRADECIMENTOS (opcional)
Texto em que o autor faz agradecimentos dirigidos àqueles que contribuíram de maneira
relevante à elaboração do trabalho (ABNT, 2011a).
O agradecimento é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação
numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
AGRADECIMENTOS
À orientadora e amiga, Profª Drª __________, pela competência
e respeito com que conduziu este processo, do alvorecer da
ideia até a sua síntese.
Às Professoras Drª. __________ e Drª. __________, pelas
valiosas contribuições no Exame de Qualificação.
Às minhas amigas, queridas, que acompanharam a minha
trajetória desde muito: Amanda, Daniela e Juliana.
À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo
pela concessão da bolsa de mestrado e pelo apoio financeiro
para a realização desta pesquisa.
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
21
EPÍGRAFE (opcional)
Texto em que o autor apresenta uma citação, seguida de indicação de autoria,
relacionada ou não com a matéria tratada no corpo do trabalho (ABNT, 2011a).
A quantidade e a qualidade da dor que sentimos são
determinadas pelas nossas experiências prévias e de quanto
bem nos lembramos dela; pela capacidade de entender suas
causas e compreender suas consequências. Ainda, a cultura em
que estamos inseridos tem papel essencial em como sentimos e
respondemos à dor.
(Melzack, Wall, 1991)
3 cm 2 cm
22
RESUMO
O resumo deve ser estruturado, redigido em um único parágrafo, porém ressaltando o
objetivo, o método, os resultados e as conclusões.
Deve ser precedido da referência do documento, ser composto de uma sequência de
frases concisas, afirmativas e não de enumeração de tópicos (ABNT, 2003a).
A primeira frase deve ser significativa, explicando o tema principal do documento. A
seguir, deve-se indicar a informação sobre a categoria do tratamento (estudo de caso, etc.). O
verbo deverá estar na voz ativa e na terceira pessoa do singular (ABNT, 2003a).
As palavras-chave devem figurar logo abaixo do resumo, antecedidas da expressão
palavras-chave separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto (ABNT, 2003a).
Elas devem ser retiradas, preferencialmente, do Descritor em Ciências da Saúde – DeCS
(http//:decs.bvs.br).
Evitar o uso de símbolos, contrações, fórmulas, equações, diagramas, etc. desde que
não sejam absolutamente necessários (ABNT, 2003a).
O resumo deve conter de 150 a 500 palavras para os trabalhos acadêmicos (teses,
dissertações e outros) e relatórios técnico-científicos (ABNT, 2003a).
O resumo é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação
numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
23
Araújo CRMA. Determinantes da anemia em mães e filhos no Brasil [tese]. São Paulo:
Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2012.
RESUMO
Introdução: Anemia por carência alimentar de ferro é a deficiência nutricional mais
frequente e preocupante do ponto de vista da saúde coletiva. Afeta principalmente
crianças, gestantes e mulheres em idade fértil. Apesar das medidas de intervenção para
prevenção e controle da anemia no Brasil, estudos mostram que as prevalências ainda
continuam elevadas. Considerando que a ocorrência da anemia atrela-se a condições
sociais e econômicas, este estudo tem como base a Teoria da Determinação Social do
Processo Saúde Doença e analisa sua ocorrência em mães e filhos, considerando o
contexto familiar. Objetivo: Investigar a situação da anemia e seus determinantes em
mães e filhos no Brasil, considerando o contexto familiar. Médoto: Delineada como
pesquisa transversal de abordagem quantitativa, o estudo utilizou o banco de dados da
Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Mulher e da Criança (PNDS) 2006, que foi
realizada em amostra probabilística de domicílios. As informações foram coletadas de
novembro/2006 a maio/2007 através de dois questionários, com informações básicas
sobre o domicílio e seus moradores e informações detalhadas sobre o público-alvo,
mulheres de 15 a 49 anos e seus filhos menores de 5 anos. Foram avaliadas cerca de 15
mil mulheres e 5 mil crianças, com amostragem representativa das cincomacrorregiões
brasileiras e do contexto urbano e rural. Aproximadamente 40% dos comicílios foram
selecionados para coleta de sangue das mulheres, porém todas as crianças nascidas a
partir de janeiro de 2001 tiveram o sangue colhido, desde que filhos biológicos da
entrevistada, independentemente do domicílio ter sido sorteado para a participação da
mulher na coleta de sangue. Análise de hemoglobina foi realizada em 5.915 mulheres e
4.558 crianças... Resultados: A ocorrência de anemia foi de 36,8% em mães e/ou filhos,
23,4% nas mães e 17,0% nos filhos. Mães apresentaram chance 1,49 vezes maior de ter
anemia do que os filhos, e não se verificou associação entre anemia nas mães e nos
filhos... Conclusões: A ocorrência de anemia em mães e/ou filhos é maior nas
macrorregiões menos desenvolvidas e em famílias com insegurança alimentar, o que
evidencia a determinação social dessa carência nutricional...
PALAVRAS-CHAVE: Anemia. Anemia ferropriva. Mães. Saúde da mulher. Saúde da
criança. Saúde pública. Enfermagem primária. Fatores epidemiológicos
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
24
ABSTRACT
O abstract deve ser redigido em inglês, acompanhando o mesmo formato do resumo
em português. Observar que na referência que precede o abstract, os itens nome do autor,
instituição e local devem ser escritos em português.
O abstract é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação
numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
Araújo MMT. When “a word of affection comforts more than any medicine”: needs and
expectations of the patients under palliative care [thesis]. São Paulo (SP), Brasil: Escola
de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2006.
ABSTRACT
The objective of this study was to know the expectations of the patients who have no
therapeutic possibilities and who are under palliative care regarding nursing assistance
during the dying process, as well as to identify these patients' needs related to
communication with the nursing team. The data were collected during the first semester
of 2005, through half-structured interviews with guided questions, among 39 oncologic
patients without healing prognosis, having a limited capacity to perform activities and
subjected to palliative chemotherapy in a hospital institution of the city of São Paulo,
Brazil. After loyal transcription of the speeches, the data were analyzed according to the
methodology of content analysis. From the interviewee speeches six categories emerged
that proved the multidimensional suffering of cancer and its treatment, the fact that
regardless of the suffering, life goes on; that spirituality and the family while acting as
sources of support provide stimulation for confronting an advanced oncologic disease.
The interviewees also revealed the nursing assistance which they desire and the role of
note which represented the communication and interpersonal relationship for those who
face the dying process. Therefore, it can be concluded that the interviewed patients
redeemed the value of human relationships based on empathy and compassion as basis
for the care they expect, desiring from the nursing professional a technical-scientific ability
to perform actions necessary to relieve the suffering, especially an adequate control of
pain, empathy and compassionate behavior, well informed and emotionally supportive.
Interpersonal communication proved to be an important attribution to palliative care as
long as its value has been prominent in the speeches, paying particular attention to the
non-verbal signs of the professional for establishing a link of trust, the necessity of
compassionate presence, the desire of not focusing the interaction and the relationship
only on the disease and death and in its place concentrating on a cheerful verbal
communication favoring optimism and good humor.
KEYWORDS: Palliative care. Death. Terminally ill patient. Interpersonal communication.
Oncologic nursing.
3 cm 2 cm
2 cm
3 cm
25
LISTA DE ILUSTRAÇÕES (opcional)
Elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por
seu nome específico, travessão, título e respectivo número da folha ou página. Quando
necessário, recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (desenhos,
esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos
e outras) (ABNT, 2011a).
A lista de ilustrações é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui
identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e
negritado no texto.
Consulte o capítulo sobre Ilustrações (3.6) para obter mais detalhes.
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
3 cm 2 cmFigura 1 Cérebro, com aracnóide-máter, parte craniana (vista
superior)
Figura 2
Figura 3
Figura 4
Figura 5
Figura 6
Cérebro, com aracnóide-máter, parte craniana (vista
inferior)
Artérias das faces basilar e medial do cérebro (vista
medial)
Cérebro, tronco do encéfalo, com o cerebelo, bem
como com os nervos cranianos; após a remoção da
pia-máter, parte craniana (vista inferior)
Giros do hemisfério cerebral (vista medial)
Lobos do cérebro (vista lateral)
_
_
_
_
_
_
12
13
20
35
38
42
26
LISTA DE TABELAS (opcional)
Elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado
por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da folha ou página (ABNT,
2011a).
A lista de tabelas é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação
numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
LISTA DE TABELAS
3 cm 2 cmTaxa de crescimento da população
Esperança de vida ao nascer
Proporção de menores de 5 anos de idade na
população
Tabela 1
Tabela 2
Tabela 3
Tabela 4
Tabela 5
Tabela 6
_
_
_
_
_
_
Tabela 7
Tabela 8
_
_
Taxa de mortalidade infantil
Taxa de mortalidade perinatal
Mortalidade proporcional por idade, em menores de 1
ano de idade
12
26
28
33
34
35
Razão de mortalidade materna
Taxa de mortalidade em menores de 5 anos
68
75
27
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS (opcional)
Consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto, seguidas
das palavras ou expressões correspondentes gravadas por extenso. Recomenda-se elaborar
uma lista para abreviaturas e outra para siglas (ABNT, 2011a).
A lista de abreviaturas e siglas é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui
identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e
negritado no texto.
LISTA DE ABREVIATURAS
abr. abril
adapt. adaptação
anál. clín. análise(s) clínica(s)
anat. anatomia
aprox. aproximadamente
bacteriol. bacteriologia
cap. capítulo
cir. cirurgia
cód. código
dez. dezembro
embriol. embriologia
farmac. farmacologia
fig. figura
hab. habitante(s)
microbiol. microbiologia
obstet. obstetrícia
out. outubro
p.ex. por exemplo
3 cm 2 cm
28
LISTA DE SIGLAS
ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas
BEMFAM Sociedade Civil do Bem-Estar Familiar
BIREME Biblioteca Regional de Medicina
CDC Center for Disease Control
IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
OMS Organização Mundial da Saúde
OPAS Organização Panamericana da Saúde
PAISM Programa de Atendimento Integral à Saúde da
Mulher
PNDS Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde
USP Universidade de São Paulo
3 cm 2 cm
29
LISTA DE SÍMBOLOS (opcional)
Elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com o devido significado
(ABNT, 2011a).
A lista de símbolos é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação
numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
LISTA DE SÍMBOLOS
ºC graus Celsius
K graus Kelvin
a* coordenada a
C* croma
H* ângulo hue
L* luminosidade
30
SUMÁRIO
Enumeração das divisões, seções e outras partes de uma publicação, na mesma ordem e
grafia em que a matéria nele se sucede. O sumário deve ser localizado como último elemento
Pré-texto (ABNT, 2003b).
Regras gerais para apresentação (ABNT, 2003b):
- a palavra sumário deve estar centralizada e ser utilizada a mesma fonte da seção primária.
Mais detalhes, consulte Capítulo 4.
- as subdivisões das seções devem ser apresentadas como está sendo utilizado no texto;
- os elementos do Pré-Texto não devem fazer parte do sumário.
O sumário é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação
numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
31
SUMÁRIO
3	
  cm
2	
  cm
2	
  cm
3	
  cm
32
2.3 TEXTO
INTRODUÇÃO
Parte inicial do texto onde devem constar a delimitação do assunto tratado, objetivos da
pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho (ABNT, 2005).
É nesta parte do texto que o autor justifica sua pesquisa e levanta o problema.
DESENVOLVIMENTO
Parte principal do texto que contém a exposição ordenada e detalhada do assunto.
Divide-se em seções e subseções que variam em função da abordagem do tema e do método
(ABNT, 2005):
- objetivos: descreve a finalidade da realização do estudo a ser feito. O estudo pode ter
objetivos gerais e objetivos específicos;
- revisão da literatura: o autor levanta a bibliografia já existente sobre o assunto a ser
abordado e verifica nesse momento se há trabalho similar ao seu;
- métodos: descreve o caminho que a pesquisa irá percorrer para alcançar o objetivo.
Recomenda-se que o texto siga uma lógica e possua clareza a ponto de outro pesquisador que
ler o trabalho acadêmico conseguir reproduzir, de forma idêntica, a pesquisa realizada. Segundo
Gil (2007), a metodologia deve incluir os tipos de pesquisa (experimental, estudo de caso, etc.),
população e amostra, coleta de dados (questionário, testes, etc.) e análise dos dados (análise
quantitativa, qualitativa, etc.). Pesquisas que envolvem seres humanos precisam do parecer do
33
Comitê de Ética em Pesquisa. Entre no link
http://www.ee.usp.br/pesquisa/site/comite%20de%20%20etica%20plataforma%20brasil.html,
realize o cadastro e siga as orientações do site Plataforma Brasil;
- resultados: apresentação dos dados coletados que podem ser quantitativos ou narrativos;
- discussão: a partir do que o autor levantou, ele faz uma análise e interpretação dos dados
obtidos nos resultados. É nesta parte que o autor tem a oportunidade de fazer a ligação entre o
Problema, os Resultados e a comparação com outros trabalhos anteriormente publicados.
CONCLUSÃO
Parte final do texto na qual se apresentam conclusões correspondentes aos objetivos ou
hipóteses (ABNT, 2005).
Na pesquisa qualitativa, recomenda-se acrescentar após o item Conclusão, as
Considerações Finais, pois segundo Marconi e Lakatos (2009), “a finalidade da pesquisa
científica não é apenas a de fazer um relatório ou descrição dos dados pesquisados, mas relatar
o desenvolvimento de um caráter interpretativo no que se refere aos dados obtidos”.
2.4 PÓS-TEXTO
34
REFERÊNCIAS
Conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento que permite
sua identificação individual (ABNT, 2002a).
Consulte o capítulo 6 (Referências) e 7 (Exemplos de Referências) para mais
informações.
GLOSSÁRIO (opcional)
O glossário deve ser utilizado quando o texto possui termos pouco conhecidos. Sua
apresentação segue o formato de um dicionário e tem a finalidade de esclarecer os seus
significados.
O glossário é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação
numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
GLOSSÁRIO
Termo geralmente utilizado para descrever queixas
relacionadas a erros de refração, desequilíbrio do
músculo ocular, incluindo dor ao redor dos olhos,
ardência e coceira das pálpebras, fadiga ocular e
cefaléias.
Manifestação fenotípica de um gene (ou genes)
pelos processos de transcrição genética e tradução
genética.
Anomalia congênita ou desenvolvida em que o
globo ocular é anormalmente pequeno.
Prática profissional voltada para os cuidados
básicos com os olhos e com a visão, que inclui a
medição do poder refrativo visual e a correção dos
defeitos visuais com lentes ou óculos.
Estudo e tratamento de defeitos da visão binocular
resultante de defeitos na musculatura ótica ou de
hábitos visuais deficientes. Envolve uma técnica de
exercícios para o olho desenvolvida para corrigir os
eixos visuais que não estiverem coordenados de
forma apropriada para permitir a visão binocular.
___________________
*Fonte: Descritores em Ciências da Saúde (DeCS). Disponível em:
http://decs.bvs.br/. Acesso em: 12 nov. 2012.
Astenopia
Expressão
Gênica
Microfitalmia
Optometria
Ortóptica
35
APÊNDICES (opcional)
Texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de complementar sua argumentação,
sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho (ABNT, 2005).
Utilizam-se letras maiúsculas dobradas (por exemplo: AA, AB, AC, AD...), na
identificação dos apêndices quando esgotadas as letras do alfabeto (ABNT, 2011a).
Os apêndices podem ser utilizados para apresentação dos questionários, roteiro de
entrevistas, etc.
A paginação do apêndice deve ser contínua ao do texto.
O apêndice é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação
numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
APÊNDICE A – Questionário
1. Sexo:
( ) Masculino ( ) Feminino
2. Idade:
( ) 15 a 25 anos
( ) 26 a 35 anos
( ) 36 a 45 anos
( ) 46 a 55 anos
( ) 56 anos ou mais
3. Atividade profissional:______________________________
4. Grau de escolaridade:
( ) Ensino fundamental incompleto
( ) Ensino fundamental completo
( ) Ensino médio incompleto
( ) Ensino médio completo
( ) Ensino superior incompleto
( ) Ensino superior completo
( ) Outros________________________________________________
5. Renda mensal:
( ) 1 a 5 salários mínimos
( ) 6 a 10 salários mínimos
( ) 11 a 15 salários mínimos
( ) 16 a 20 salários mínimos
( ) mais de 21 salários mínimos
36
ANEXOS (opcional)
Texto ou documento não elaborado pelo autor que serve de fundamentação,
comprovação e ilustração (ABNT, 2005).
A paginação do anexo deve ser contínua ao do texto.
O anexo é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica
como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
ANEXO 1 - INVENTÁRIO DE ANSIEDADE TRAÇO
Instruções: Seguem-se algumas afirmações que estão sendo usadas
para descrever sentimento pessoais. Leia-as e faça um círculo ao redor
do número que melhor indicar como você geralmente se sente. Não há
respostas certas ou erradas. Não gaste muito tempo numa única
afirmação, mas tente dar respostas que mais se aproximar de como
você geralmente se sente.
1. Sinto-me bem.
1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre
2. Canso-me facilmente
1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre
3. Tenho vontade de chorar.
1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre
4. Gostaria de ser tão feliz quanto os outros parecem ser.
1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre
5. Perco oportunidades porque não consigo tomar decisões
rapidamente.
1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre
6. Sinto-me descansado.
1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre
7. Sou calmo.
1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre
37
ÍNDICE (opcional)
É uma lista detalhada dos assuntos, nomes de pessoas, instituições, nomes geográficos,
acontecimentos, e devem ser preferencialmente, ordenados alfabeticamente, com indicação da
sua localização na página da publicação em que aparece (OLIVEIRA, 2002).
A paginação do índice deve ser contínua ao do texto.
O índice é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica
como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
ÍNDICE
A
Abdome
distendido, 20, 116, 129
globoso, 52, 54
parede do, 11, 57, 101, 104
Acidose metabólica, 70
B
Bacteriúria, 44
Bile, drenagem da, 37, 41
C
Colite ulcerativa, 12, 60
Colostomia
ascendente, 33, 39
direita, 40
indicações de, 45, 55, 79, 87, 102
D
Dor
abdominal, 46, 85, 110
crônica, 93
pós-operatória, 46
38
3 REGRAS GERAIS DE FORMATAÇÃO DO TEXTO
3.1 REDAÇÃO
Utilize um estilo sóbrio, preciso, objetivo e claro para que o leitor consiga entender o
raciocínio e as ideias do autor, de uma forma direta (Severino, 2007).
Procure escrever os textos na terceira pessoa, ou seja, ao invés de utilizar “minha
pesquisa”, “minhas análises”, utilize “esta pesquisa”, “estas análises”. Escreva também na voz
ativa, ao invés de voz passiva, pois a leitura torna-se de mais fácil compreensão. Evite usar
adjetivos e generalizações.
3.2 USO DE NUMERAIS
Para números com apenas um dígito (de 1 a 9), escreva por extenso. Números a partir
de dois dígitos podem ser escritos em números arábicos. Exceções: início de frase, números
cem (100) e mil (1000), idade e tempo (Martins, 2006).
3.3 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA DAS SEÇÕES
Destacam-se gradativamente os títulos das seções, utilizando o recurso de negrito, no
sumário e, de forma idêntica, no texto (ABNT, 2011a).
39
3.4 SIGLAS
Quando mencionada pela primeira vez no texto, deve ser indicada entre parênteses,
precedida do nome completo (ABNT, 2011a). Poderá, também, ser utilizada com o uso do
travessão.
3.5 EQUAÇÕES E FÓRMULAS
Para facilitar a leitura, devem ser destacadas no texto e, se necessário, numeradas com
algarismos arábicos entre parênteses, alinhados à direita. Na sequência normal do texto é
permitido o uso de uma entrelinha maior que comporte seus elementos (expoentes, índices,
entre outros) (ABNT, 2011a).
3.6 ILUSTRAÇÕES (figuras, quadros, gráficos, etc.)
Qualquer que seja o tipo de ilustração, sua identificação aparece na parte superior,
precedida da palavra designativa (desenho, esquema, fluxograma, fotografia, gráfico, mapa,
organograma, planta, quadro, retrato, figura, imagem, entre outros), seguida de seu número
de ordem de ocorrência no texto, em algarismos arábicos, travessão e do respectivo título. Após
a ilustração, na parte inferior, indicar a fonte consultada, legenda, notas e outras informações
necessárias à sua compreensão (se houver). A ilustração deve ser citada no texto e inserida o
mais próximo possível do trecho a que se refere (ABNT, 2011a).
Caso utilize mais de 3 ilustrações, inclua a Lista de Ilustrações. Consulte o
capítulo 2.2 Pré-Texto.
40
41
3.7 TABELAS
Tabela é a forma não discursiva de apresentação de informações, das quais o dado
numérico se destaca como informação central e devem ser numeradas sequencialmente, na
ordem em que forem citadas no texto (IBGE, 1993). Deve ser inserido o mais próximo possível
do trecho a que se refere (ABNT, 2011a).
Ao utilizar várias tabelas, inclua a Lista de Tabelas. Consulte o capítulo 2.2 Pré-
Texto.
42
Seguem algumas recomendações do IBGE:
• O texto contido na tabela deve estar alinhado horizontalmente e não na vertical, para
facilitar a leitura dos dados;
§ A tabela deve ser colocada em posição vertical, para facilitar a leitura dos dados. Caso o
espaço não seja suficiente, colocá-la em posição horizontal com o título voltado para a
margem esquerda da folha;
§ Se a tabela não couber em uma página, pode ser continuada na página seguinte. Nesse
caso, a tabela interrompida não será delimitada por traço horizontal na parte inferior
(não será fechada) e o cabeçalho será repetido na página seguinte;
43
§ Quando a tabela pertencer a um capítulo, a numeração deve seguir a ordem precedida
do número do capítulo (ver exemplo abaixo, sinalizado em azul):
44
4 FORMATAÇÃO DO TEXTO
Os textos devem ser digitados em cor preta, podendo utilizar outras cores somente para
as ilustrações. Utilizar papel branco ou reciclado, no formato A4 (21cm X 29,7cm).
O pré-texto (folha de rosto, errata, folha de aprovação, dedicatória, agradecimentos,
epígrafe, resumo, abstract, listas, sumário) deve ser impresso somente do lado anverso da
folha, exceto o verso da folha de rosto. O restante do trabalho deve ser impresso no formato
frente-e-verso a partir da Introdução (no Word, utilize a opção Margens Personalizadas, escolha
a opção Margens Espelho e ajuste o tamanho das margens, se necessário).
As margens para o texto devem ter (ABNT, 2011a):
Utilize a fonte Times New Roman ou Arial, obedecendo aos seguintes tamanhos:
Superior 3,0 cm
Interna (lado que será encadernado) 3,0 cm
Inferior 2,0 cm
Externa 2,0 cm
Tamanho	
  14
Negrito
Caixa	
  Alta
Títulos	
  das	
  seções	
  primárias	
  (dos	
  capítulos)
Capa
Folha	
  de	
  Rosto	
  (autor,	
  título	
  do	
  trabalho	
  e	
  local)
Títulos	
  das	
  seções	
  secundárias	
  (dos	
  capítulos)
Títulos	
  das	
  seções	
  terciárias	
  (dos	
  capítulos)
Títulos	
  das	
  seções	
  quaternárias	
  (dos	
  capítulos)
Títulos	
  das	
  seções	
  quinárias	
  (dos	
  capítulos)
Corpo	
  do	
  texto	
  
Demais	
  informações	
  contidas	
  na	
  Folha	
  de	
  Rosto
Citações	
  diretas	
  com	
  mais	
  de	
  três	
  linhas
Notas	
  de	
  rodapé
Legendas	
  das	
  ilustrações	
  e	
  tabelas
Tamanho	
  12
Negrito
Inicial	
  Maiúscula
Tamanho	
  13
Negrito
Caixa	
  Alta
Tamanho	
  12
Sem	
  negrito
Tamanho	
  10
Sem	
  negrito
MedidaMargem
45
Todo capítulo da seção primária deve ser iniciado em uma nova página.
ESPAÇAMENTO
O texto todo deve ser digitado com espaço de um e meio (1,5 cm) entre as linhas,
exceto as citações diretas com mais de três linhas, notas de rodapé, referências, legendas das
ilustrações e da tabela, natureza (tipo do trabalho, objetivo, nome da instituição a que é
submetido e área de concentração), que devem ser digitados em espaço simples. As
46
referências, ao final do trabalho, devem ser separadas entre si por espaço simples (ABNT,
2011a).
PAGINAÇÃO
As páginas do Pré-Texto devem ser contadas, mas não numeradas (ABNT, 2011a).
A numeração da página deve iniciar na primeira página do Texto, utilizando algarismos
arábicos (1, 2, 3, 4...), no canto superior direito e no verso deverá ser colocada no canto
superior esquerdo.
4.1 REPRODUÇÃO E ENCADERNAÇÃO
4.2 DEPÓSITO NA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E
DISSERTAÇÕES DA USP
O aluno deve entregar ao Serviço de Pós-Graduação uma cópia da dissertação ou tese
em CD-ROM no formato Word® para Windows e o Formulário de Autorização preenchido e
assinado, disponível no endereço http://pandora.cisc.usp.br/tde, para cadastramento no Portal
de Teses Digitais da USP.
Para conhecer o Portal de Teses da USP, acesse http://www.teses.usp.br.
47
5 TIPOS DE CITAÇÃO NO TEXTO E SISTEMAS DE
CITAÇÃO
Citação é a menção no texto, de uma informação extraída de uma outra fonte (ABNT,
2002b).
5.1 CITAÇÃO DIRETA
É a transcrição idêntica do texto de parte da obra consultada (ABNT, 2002b).
COM ATÉ TRÊS LINHAS
Segundo Severino (2007, p. 214) “Quaisquer que sejam as distinções que se
possam fazer para caracterizar as várias formas de trabalhos científicos, é preciso
afirmar preliminarmente que todos eles têm em comum a necessária procedência de
um trabalho de pesquisa [...]”.
“O texto do resumo deve ser composto de um único parágrafo, com uma
extensão entre 200 e 250 palavras [...] computando-se todos os seus elementos”
(Severino, 2007, p. 209). ou (SEVERINO, 2007, p. 209).
Autor
mencionado no
início da frase
Autor
mencionado no
final da frase
Modelo
Vancouver
Modelo
ABNT
Modelo
Vancouver e ABNT
48
COM MAIS DE TRÊS LINHAS
5.2 CITAÇÃO INDIRETA
Texto baseado na obra do autor consultado, escrito com as próprias palavras (ABNT,
2002b).
Fonte tamanho 10
Modelo
Vancouver e ABNT
Autor
mencionado no
início da frase
Uma revisão sistemática, assim como outros tipos de estudo de
revisão, é uma forma de pesquisa que utiliza como fonte de dados a
literatura sobre determinado tema. Esse tipo de investigação
disponibiliza um resumo das evidências relacionadas a uma
estratégia de intervenção específica, mediante a aplicação de
métodos explícitos e sistematizados de busca, apreciação crítica e
síntese da informação selecionada (Sampaio e Mancini, 2007, p. 84).
ou (SAMPAIO; MANCINI, 2007, p. 84).
Fonte tamanho 10Autor
mencionado no
final da frase
Em seu artigo, Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa
da evidência científica, Sampaio e Mancini, (2007, p. 84) destaca que:
Uma revisão sistemática, assim como outros tipos de estudo de
revisão, é uma forma de pesquisa que utiliza como fonte de dados a
literatura sobre determinado tema. Esse tipo de investigação
disponibiliza um resumo das evidências relacionadas a uma
estratégia de intervenção específica, mediante a aplicação de
métodos explícitos e sistematizados de busca, apreciação crítica e
síntese da informação selecionada.
Modelo
ABNT
Modelo
Vancouver
Fonte tamanho 10
“Terminado o levantamento bibliográfico, é chegado o momento de iniciar o
trabalho da pesquisa propriamente dita, o momento da leitura e da documentação”.
Segundo Severino (2000), após a realização do levantamento bibliográfico, faz-se
a leitura e os apontamentos para dar início ao trabalho da pesquisa.
Modelo Vancouver e ABNT
Texto original
do autor
Texto alterado,
com as ideias
do autor
49
5.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO
Citação direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original (ABNT,
2002b). O uso do “apud” ou “citado por” deve ser evitado e utilizado somente em caso de
extrema necessidade, como por exemplo, nos casos em que a obra esteja esgotada e de difícil
acesso.
5.4 CITAÇÃO DE FONTES INFORMAIS
Quando se tratar de dados obtidos por informação verbal (palestras, debates,
comunicações, etc.), indicar, entre parênteses, a expressão “informação verbal”, mencionando
os dados disponíveis, em nota de rodapé (ABNT, 2002b).
Segundo Silva (1983 apud Abreu, 1999, p. 3) diz ser [...]
Modelo Vancouver e ABNT
NORODAPÉNOTEXTO
Vacina contra gripe estará disponível até o dia 14 de junho de 2012
(informação verbal)*.
*Notícia fornecida pelo secretário da Prefeitura Municipal de Itupeva, em 13 de junho de 2012.
Vancouver
e ABNT
50
TRABALHOS EM FASE DE ELABORAÇÃO
Na citação de trabalhos em fase de elaboração, deve ser mencionado o fato, indicando
os dados disponíveis, em nota de rodapé (ABNT, 2002b).
TRABALHOS EM FASE DE IMPRESSÃO
Trabalhos que estiverem em fase de impressão podem ser citados no texto, porém, na
Lista de Referência, após a menção de todos os elementos da obra, deve ser acrescida a
palavra “No prelo” para texto em português e “In press” para texto em outro idioma.
NORODAPÉNOTEXTO
Os poetas selecionados contribuíram para a consolidação da poesia no
Rio Grande do Sul, séculos XIX e XX (em fase de elaboração)*.
*Poetas rio-grandenses, de autoria de Elvo Clemente, a ser editado pela EDIPUCRS, 2002.
Vancouver
e ABNT
ABNTVancouver
Marins JLC. Massa calcificada da naso-faringe. Radiol Bras. 1991(23). No prelo.
MARINS, J. L. C. Massa calcificada da naso-faringe. Radiol. Bras. n. 23, 1991.
No Prelo.
51
5.5 USO DO NEGRITO, SUBLINHADO OU ITÁLICO NAS CITAÇÕES
Para enfatizar trechos da citação, destaque com negrito e use a expressão “grifo nosso”
entre parênteses, após a chamada da citação, ou “grifo do autor”, caso o destaque já faça parte
da obra consultada (ABNT, 2002b).
5.6 SISTEMAS DE CITAÇÃO
Sistemas de citação (ou sistemas de chamada) têm como objetivo padronizar a forma de
apresentação das citações no texto. Estas citações deverão ter uma correlação com a Lista de
Referências (ABNT, 2002b).
Dois tipos de sistemas são utilizados: Sistema Autor-Data e Sistema Numérico. A
vantagem do Sistema Autor-Data é que possibilita o reconhecimento do autor citado no
momento da leitura do texto, enquanto no Sistema Numérico o leitor deverá interromper a
leitura e consultar a Lista de Referências, caso queira identificar o autor citado (USP, 2008).
VancouverABNT
“[...] para que não tenha lugar a producção de degenerados, quer physicos
quer moraes, misérias, verdadeiras ameaças à sociedade.” (Souto, 1916, p. 46,
grifo nosso).
“[...] para que não tenha lugar a producção de degenerados, quer physicos
quer moraes, misérias, verdadeiras ameaças à sociedade.” (SOUTO, 1916, p.
46, grifo nosso).
52
AUTOR-DATA
As citações são indicadas pelo sobrenome do autor, seguido da data de publicação do
trabalho (ABNT, 2002b).
Um autor
No texto
Dois autores
No texto
Vancouver
eABNT
Vancouver
Segundo Secaf (2010), trabalho científico é uma tomada [...].
[...] sobre escrever um trabalho científico (Secaf, 2010).
ABNT
[...] sobre escrever um trabalho científico (SECAF, 2010).
Vancouver
eABNT
Vancouver
Nahas e Ferreira (2005) assinalam que o uso [...]
[...] (Nahas, Ferreira, 2005).
ABNT
[...] (NAHAS; FERREIRA, 2005).
Utilize no final da frase
Utilize no final da frase
53
Até três autores
No texto
Mais de três autores
No texto
Vancouver
eABNT
Vancouver
Mendes, Silveira e Galvão (2008) foram os [...]
[...] (Mendes, Silveira, Galvão, 2008).
ABNT
[...] (MENDES; SILVEIRA; GALVÃO, 2008).
Utilize no final da frase
Utilize no final da frase
Vancouver
eABNT
Vancouver
Joventino et al. (2011) verificaram [...]
[...] (Joventino et al., 2011).
ABNT
[...] (JOVENTINO et al., 2011).
Utilize no final da frase
Utilize no final da frase
54
Trabalhos do mesmo autor com coincidência de ano de publicação
No texto
Trabalhos do mesmo autor com diferentes datas de publicação
No texto
Vancouver
eABNT
Vancouver
Joventino et al. (2011a) verificaram [...]
[...] (Joventino et al., 2011b).
ABNT
[...] (JOVENTINO et al., 2011b).
Utilize no final da frase
Utilize no final da frase
Vancouver
eABNT
Vancouver
[...] sugere Cunha (1999, 2002, 2011)
[...] (Cunha, 1999, 2002, 2011).
ABNT
[...] (CUNHA, 1999, 2002, 2011).
Utilize no final da frase
Utilize no final da frase
55
Coincidência de sobrenomes de autores e ano de publicação
No texto
Caso a inicial do nome dos autores também seja igual, diferencie utilizando o nome por
extenso.
No texto
Vancouver
eABNT
Vancouver
Queiroz, Fernando (2009) e Queiroz, Fábio (2009) estudaram [...]
[...] (Queiroz Fernando, 2009; Queiroz Fábio, 2009).
ABNT
[...] (QUEIROZ, Fernando, 2009; QUEIROZ, Fábio, 2009).
Utilize no final da frase
Utilize no final da frase
Vancouver
eABNT
Vancouver
Oliveira L. (2012)
Oliveira S. (2012)
[...] (Oliveira L, 2012; Oliveira S, 2012).
ABNT
[...] (OLIVEIRA, L., 2012; OLIVEIRA, S., 2012).
Utilize no final da frase
Utilize no final da frase
Diferencie os autores
pela inicial do nome
56
Citação de vários trabalhos de autores diferentes
No texto (iniciando o parágrafo pelos autores)
No texto (autores mencionados entre parênteses)
Entidades coletivas
Quando citadas pela primeira vez
No texto
Vancouver
eABNT
Andrade (1999), Batista (2003), Campos (1999) e Guimarães (2005)
estudaram a importância [...].
Cite os autores por ordem alfabética. Havendo
coincidência de sobrenome, estes autores deverão ser
ordenados na sequência cronológica.
Vancouver
[...] (Cunha, 2011; Oliveira, 2012; Queiroz, 2009).
ABNT
[...] (CUNHA, 2011; OLIVEIRA, 2012; QUEIROZ, 2009).
Vancouver
eABNT
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2010 [...]
Por extenso, seguido da sigla
57
Citadas a partir da segunda vez
No texto
Publicações sem autoria expressa
No texto (citação sem autoria, entrada pelo título da obra)
Vancouver
eABNT
De acordo com o Relatório da OMS (2010) foi durante [...]
Somente a sigla
Vancouver
eABNT
Vancouver
De acordo com a publicação Jornal Brasileiro de Pneumonologia... (2004)
publicar artigos científicos [...]
[...] (Jornal Brasileiro de Pneumonologia ..., 2004).
ABNT
[...] (JORNAL BRASILEIRO DE PNEUMONOLOGIA..., 2004).
Utilize no final da frase
Utilize no final da frase
58
Eventos (Congresso, Conferência, Seminário, etc.)
No texto
SISTEMA NUMÉRICO
Vancouver
eABNT
Vancouver
De acordo com os trabalhos apresentados no Congresso Brasileiro de
Enfermagem (2010) [...]
[...] (Congresso Brasileiro de Enfermagem, 2010).
ABNT
[...] (CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM, 2010).
Utilize no final da frase
Utilize no final da frase
O documento mostra a situação da enfermagem no Brasil
(14)
.
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) os países subdesenvolvidos
ou em desenvolvimento
12
.
Sampaio
(5)
em seu estudo encontrou dados relevantes [...]
Use
(14)
ou
12
59
5.7 EXCLUSÃO DE PARTES DE TEXTO, ACRÉSCIMOS E
COMENTÁRIOS
Devem ser indicadas as exclusões de partes de texto, acréscimos e comentários, do
seguinte modo (ABNT, 2002b):
- Para exclusão de partes do texto, use [...]
- Para acréscimos e comentários, use [ ]
5.8 NOTAS DE RODAPÉ
Notas esclarecedoras feitas pelo autor, com informações que complementam o texto.
Utilize:
§ Asterisco (*) quando não ultrapassarem três por página;
§ Números arábicos sequenciais (1, 2, 3...).
Vancouver
eABNT
Vancouver
eABNT
Segundo Oliveira (2004, p.123), na medida em que o pesquisador
necessitar de informações mais recentes e atualizadas deve procurar artigos em
revistas [...] com o objetivo de reunir a documentação relativa à pesquisa.
Segundo Oliveira (2004, p.123), na medida em que o pesquisador
necessitar de informações mais recentes e atualizadas deve procurar artigos em
revistas [e também nas dissertações e teses] [...] com o objetivo de reunir a
documentação relativa à pesquisa .
Use para excluir
partes do texto
Use para acrescentar
comentários
60
6 REFERÊNCIAS
Conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento, que
permite sua identificação individual (ABNT, 2002a).
As referências podem ser organizadas de duas formas:
- ordem alfabética: para citações no texto utilizando Sistema Autor-Data, ou seja, as citações
aparecem no texto pelo sobrenome e ano de publicação.
- ordem numérica: para citações no texto utilizando Sistema Numérico, ou seja, há um número
sobrescrito identificando as citações.
61
REFERÊNCIAS ESTILO VANCOUVER (Sistema Autor-Data)
REFERÊNCIAS
Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.
Brasil. Lei n. 7.498 de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a
regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências.
Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1, p. 1.
Freire P. Educação e mudança. 21ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra;
1997.
Horta WA. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU; 1979.
Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em
saúde. 8ª ed. São Paulo: Hucitec; 2004.
Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis:
Vozes; 1994.
Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em
enfermagem. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.
62
REFERÊNCIAS ESTILO VANCOUVER (Sistema Numérico)
REFERÊNCIAS
1 Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em
enfermagem. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.
2 Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em
saúde. 8ª ed. São Paulo: Hucitec; 2004.
3 Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.
4 Horta WA. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU; 1979.
5 Brasil. Lei n. 7.498 de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a
regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências.
Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1, p.1.
6 Freire P. Educação e mudança. 21ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra;
1997
7 Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade.
Petrópolis: Vozes; 1994.
63
REFERÊNCIAS MODELO ABNT (Sistema Autor-Data)
Em alguns casos, o autor pode acrescentar após as Referências, a Bibliografia
Consultada para informar referências não citadas no texto, porém consultadas para dar
embasamento à sua pesquisa.
REFERÊNCIAS MODELO ABNT (Sistema Numérico)
A ABNT não possui Sistema Numérico.
REFERÊNCIAS
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.
BRASIL. Lei nº. 7.498 de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a
regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências.
Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1, p. 1.
FREIRE, P. Educação e mudança. 21. ed. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1997.
HORTA, W. A. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU, 1979.
MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade.
Petrópolis: Vozes, 1994.
MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa
em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.
POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de
pesquisa em enfermagem. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.
64
6.1 AUTORIA
§ Autor(es): pessoa(s) física(s) responsável(eis) pela criação do conteúdo intelectual ou
artístico de um documento.
§ Autor(es) entidade(s): instituição(ões), organização(ões), empresa(s), comitê(s),
comissão(ões), evento(s) entre outros, responsável(eis) por publicações em que não se
distingue a autoria pessoal (ABNT, 2002a).
VÁRIOS AUTORES
Vancouver
Cianciarullo TI, Gualda DMR, Melleiro MM,
Anabuko MH.
Peres HHC, Lima AFC, Cruz DALM,
Gaidzinski RR, Oliveira NB, Ortiz DCF et al.
CRUZ, D. A. L. M.; RIESCO, M. L. G.;
OLIVEIRA, S. M. J. V.
PERES, H. H. C. et al.
Referencie até 6 autores.
Mais que 6, utilize a expressão
latina “et al”
Referencie até 3 autores. Mais que
3, indique apenas o primeiro
autor, seguido da expressão latina
“et al”
ABNTVancouver
Fujimori E
Faro ACM
FUJIMORI, E.
FARO, Ana Cristina Mancussi e
Na Referência, a entrada do autor
inicia pelo sobrenome seguido
pelas iniciais do nome e prenome
(as preposições devem ser
omitidas)
Caso utilize o nome completo do
autor, as preposições devem ser
mantidas
ABNT
Até 6 autores
Mais de 6 autores
Até 3 autores
Mais de 3 autores
65
RESPONSABILIDADE INTELECTUAL (editores, organizadores,
coordenadores, etc.)
NOMES LIGADOS POR HÍFEN
NOMES CONSTITUÍDOS DE DUAS OU MAIS PALAVRAS QUE
FORMEM UMA EXPRESSÃO
Vancouver
Kurcgant P, organizadora
Santos FS, editor
KURCGANT, P. (Org.)
SANTOS, F. S. (Ed.)
ABNTVancouver
Schimidt-Rohr K
SCHIMIDT-ROHR, K
ABNT
Klaus Schimidt-Rohr
Klaus Schimidt-Rohr
Vancouver
Castelo Branco C
CASTELO BRANCO, C.
ABNT
Camilo Castelo Branco
Camilo Castelo Branco
66
NOMES QUE POSSUAM DESIGNAÇÃO DE PARENTESCO
NOMES ESPANHÓIS
NOMES COM PREFIXO
ABNTVancouver
Amorim Neto RC
AMORIM NETO, R. C.
Utilize esta regra para os
seguintes sobrenomes com
designação de parentesco: Filho,
Júnior, Sobrinho, etc.
Para sobrenomes ingleses,
acrescente a designação de
parentesco após a inicial do
nome: Davis R Jr
Roque do Carmo Amorim Neto
Roque do Carmo Amorim Neto
ABNTVancouver
Rodríguez Jiménez A
RODRÍGUEZ JIMÉNEZ, A.
Antonio Rodríguez Jiménez
Antonio Rodríguez Jiménez
ABNTVancouver
Van Dyke K
MacDonald J
Le Guay F
O’Conner RP
Du Bois EF
D’Albuquerque AC
VAN DYKE, K.
MACDONALD, J.
LE GUAY, F.
O’CONNER, R. P.
DU BOIS, E. F.
D’ALBUQUERQUE, A. C.
67
NOME CHINÊS
NOME JAPONÊS
ABNTVancouver
Jung C
Zhou WH
JUNG, C.
ZHOU, W. H.
Jung Chang
Zhou Wei Hui
Jung Chang
Zhou Wei Hui
Vancouver
Bashô M
Kurosawa A
BASHÔ, M.
KUROSAWA, A.
ABNT
Matsuô Bashô
Akira Kurosawa
Matsuô Bashô
Akira Kurosawa
68
VÁRIOS TRABALHOS DE UM MESMO AUTOR
No estilo Vancouver, quando for referenciar dois ou mais trabalhos do mesmo autor,
deve ser colocado o sobrenome e as iniciais do nome. Na norma ABNT, usar um traço.
AUTORES CORPORATIVOS
As obras de responsabilidade de entidades (órgãos governamentais, empresas,
associações, etc.) têm entrada, de modo geral, pelo nome da entidade. Quando a entidade tem
uma denominação genérica, seu nome é precedido pelo nome do órgão superior, ou pelo nome
da jurisdição geográfica à qual pertence. Em caso de duplicidade de nomes, acrescentar no final
a unidade geográfica que identifica a jurisdição, entre parênteses (ABNT, 2002a).
Quando houver duas ou mais organizações diferentes, de equivalentes hierarquias,
separe por ponto e vírgula. Para os casos de igual subordinação hierárquica, separe por vírgula.
Vancouver
Minayo MCS. O desafio do conhecimento. 8.ed. São Paulo: Hucitec; 2004.
Minayo MCS. Violência e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2010.
ABNT
MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. 8.ed. São Paulo: Hucitec, 2004.
________. Violência e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2010.
Vancouver
Brasil. Ministério da Saúde; Organização Mundial da Saúde.
Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas Públicas.
Associação Brasileira de Enfermagem.
São Paulo (Estado). Secretaria de Estado da Saúde.
Biblioteca Nacional (Portugal).
ABNT
BRASIL. Ministério da Saúde; Organização Mundial da Saúde.
BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas Públicas.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM.
SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Saúde.
BIBLIOTECA NACIONAL (Portugal).
69
6.2 TÍTULO
ENTRADAS PELO TÍTULO
Utilize para obras sem autoria.
TÍTULOS DE EVENTOS (congresso, simpósio, seminário, etc.)
Vancouver
O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.
ABNT
O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.
Vancouver
Cecil texbook of medicine
AME Dicionário de administração de medicamentos na enfermagem
ABNT
CECIL texbook of medicine
AME Dicionário de administração de medicamentos na enfermagem
Vancouver
62º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2010 out. 11-5; Florianópolis,
SC.
ABNT
Congresso Brasileiro de Enfermagem, 62., 2010, Florianópolis.
70
TÍTULOS TRADUZIDOS
TÍTULOS DE PERIÓDICOS
Vancouver
Para títulos de periódicos com mais de uma palavra, consulte a padronização do título
abreviado em “Journals in NCBI Database”, no Portal Pubmed, disponível em:
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/nlmcatalog/journals. Para títulos com apenas uma palavra, não
abreviar.
ABNT
Os títulos de periódicos podem ser apresentados por extenso ou abreviados de acordo
com a NBR 6032 (ABNT, 1989) e em negrito.
Vancouver
Swearingem PL, Howard CH. Atlas fotográfico de procedimentos de
enfermagem. Trad. de Rosali Isabel Barduchi Ohl.
ABNT
Swearingem, P. L.; Howard, C. H. Atlas fotográfico de procedimentos
de enfermagem. Tradução de Rosali Isabel Barduchi Ohl.
Vancouver
Nurs Res Pract.
Rev Esc Enferm USP.
Nursing Research and Practice.
Revista da Escola de Enfermagem da USP.
ABNT
Nursing Research and Practice,
Nurs. Res. Pract.,
Revista da Escola de Enfermagem da USP,
Rev. Esc. Enferm. USP.,
71
6.3 EDIÇÃO
6.4 NOTAS TIPOGRÁFICAS (local de publicação, editora e ano)
Vancouver
2ª ed.
3ª ed. rev. ampl.
2
nd
ed.
20
th
ed.
2. ed.
3. ed. rev. ampl.
3
rd
ed.
20
th
ed.
ABNT
Omitir quando
se tratar da
1ª edição
Vancouver
Barueri: Manole; 2012.
Barueri: Manole, 2012.
ABNT
Cidade: Editora; Ano de publicação.
Cidade: Editora; Ano de publicação.
72
CIDADE
EDITORA
Vancouver
eABNT
Utilize quando desconhecido o local de publicação
Utilize quando conhecido, mas não mencionado
Identifique cidades homônimas
O nome do local (cidade) de publicação deve ser
indicado tal como figura no documento
Cidade Editora Ano de publicação
[S.l.]:
[São Paulo]:
Viçosa (RN):
Viçosa (MG):
New York:
Nova Iorque:
Vancouver
eABNT
Porto Alegre: Artes Médicas
Philadelphia: WB Saunders
Utilize quando desconhecida a editora.
Omita a palavra Editora, Livraria, Ltda., S.A. etc.
Obs.: Se a Editora for mencionada na Autoria, omita neste campo.
Cidade Editora Ano de publicação
[s.n.]:
Vozes:
Se possuir duas ou mais Editoras,
mencione a primeira citada.
Até 2 editoras, indicam-se ambas.
Mais que 2, indica-se a primeira ou
a que estiver em destaque.
Vancouver ABNT
73
DATA DE PUBLICAÇÃO
SEM DATA DE PUBLICAÇÃO
DATAS INCERTAS DE PUBLICAÇÃO
Cidade Editora Ano de publicação
São Paulo: Edusp; 2012.
São Caetano do Sul: Yendis; 2011.
São Paulo: Edusp, 2012.
São Caetano do Sul: Yendis, 2011.
Vancouver
ABNT
São Paulo: Cortez; [s.d.]
São Paulo: Cortez, [s.d.]
Vancouver
ABNT
Vancouver
eABNT
[1960 ou 1961] um ano ou outro
[1955?] data provável
[1972] data certa, mas não indicada no documento
[entre 1910 e 1916] para indicar intervalos menores que 20 anos
[ca. 1980] data aproximada
[198-] década certa
[198-?] década provável
[18--] século certo
[18--?] século provável
[s.d.] não identificação da data da publicação
74
6.5 DESCRIÇÃO FÍSICA
PAGINAÇÃO
INDICAÇÃO DE VOLUME
Indicação de volume para livros, capítulos ou partes
Vancouver
Livro no todo (opcional)
Capítulos ou partes de livros
Artigos de periódicos
Livro no todo (opcional)
Capítulos ou partes de livros
Artigos de periódicos
ABNT
530 p.
p. 30-8.
:485-502
:485-93
:485-9
530 p.
p. 30-8.
p. 485-502.
Vancouver
São Paulo: Cortez; 2008. v. 1.
Porto Alegre: Artes Médicas; 2007. 2 v.
ABNT
São Paulo: Cortez, 2008. v. 1.
Porto Alegre: Artes Médicas, 2007. 2 v.
75
Indicação de volume para periódicos
Indicação de fascículos para periódicos
Vancouver
2000;15
ABNT
São Paulo, v. 15
ano volume
Vancouver
Am J Nurs. 2004;104(3)
Int J Nurs Stud. 2003;(2)
ABNT
American Journal of Nursing, v. 104, n. 3
Am. J. Nurs., v. 104, n. 3
International Journal of Nursing Studies, v. 40, n. 2
Int. J. Nurs. Stud., v. 40, n. 2
ano volume fascículo
ano fascículo
76
6.6 SÉRIES E COLEÇÕES
Recursos criados pelos editores ou pelas instituições responsáveis, para reunir conjuntos
específicos de obras que recebem o mesmo tratamento gráfico-editorial (ABNT, 2002a).
Vancouver
eABNT
(Série Enfermagem no SUS, 6)
77
7 MODELOS DE REFERÊNCIAS
Todos os modelos de referências utilizadas neste capítulo seguem a padronização de dois
estilos de referência: Vancouver e ABNT. Alguns modelos de referência no estilo Vancouver
foram adaptados a partir das normas da ABNT, pois as referencias na área jurídica não são
contempladas no Vancouver.
7.1 MONOGRAFIAS
7.1.1 MONOGRAFIA CONSIDERADA NO TODO
COM UM AUTOR
Vancouver
Sá AC. O cuidado do emocional em saúde. 2ª ed. São Paulo: Robe; 2003.
ABNT
SÁ, A. C. O cuidado do emocional em saúde. 2. ed. São Paulo: Robe, 2003.
Sobrenome Prenome(s) (iniciais). Título. Edição. Local de publicação
(Cidade): Editora; Ano de publicação.
SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais). Título. Edição. Local de
publicação (Cidade): Editora, ano de publicação.
Somente a partir da 2ª
Somente a partir da 2ª
78
COM DOIS AUTORES
COM TRÊS OU MAIS AUTORES
Vancouver
Smeltzer SC, Bare BG. Brunner & Suddarth: tratado de enfermagem médico-
cirúrgica.12ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011.
ABNT
SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. Brunner & Suddarth: tratado de enfermagem
médico-cirúrgica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.
Vancouver
Curi R, Araújo Filho JP, Leite-Moreira A, Ferreira AJ, Carpinelli AR, Lopes AG, et
al. Fisiologia básica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009.
ABNT
CURI, R., et al. Fisiologia básica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.
Referenciam-se até os seis primeiros, seguidos da expressão latina “et
al”.
Quando há mais de três autores, referencia-se apenas o primeiro
seguido da expressão latina “et al”.
79
COM INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE INTELECTUAL (editor,
organizador, coordenador e outros)
AUTORES CORPORATIVOS (órgãos governamentais, entidades,
associações, etc.)
Vancouver
Kurcgant P, coordenadora. Gerenciamento em enfermagem. 2ª ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan; 2010.
ABNT
KURCGANT, P. (Coord.). Gerenciamento em enfermagem. 2. ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.
Vancouver
Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de
Atenção Especializada. Manual de apoio aos gestores do SUS: organização da
rede de laboratórios clínicos. Brasília; 2003.
Organização Mundial da Saúde. Classificação de transtornos mentais e de
comportamento da CID 10: diretrizes...Porto Alegre: Artes Médicas; 2009.
American Dietetic Association; Dietitians of Canadá. Positions of the American
Dietetic Association and Dietitians of Canada: nutrition and women’s health. J Am
Diet Assoc. 2004;104(6):984-1001.
ABNT
BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de
Atenção Especializada. Manual de apoio aos gestores do SUS: organização da
rede de laboratórios clínicos. Brasília, 2003.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação de transtornos mentais
e de comportamento da CID 10: diretrizes...Porto Alegre: Artes Médicas, 2009.
AMERICAN DIETETIC ASSOCIATION; DIETITIANS OF CANADÁ. Positions of
the American Dietetic Association and Dietitians of Canada: nutrition and
women’s health. J Am Diet Assoc. v. 104, n. 6, p. 984-1001, 2004.
80
TRABALHOS SEM AUTORIA EXPRESSA (autoria desconhecida ou
não identificada)
COM INDICAÇÃO DO TRADUTOR (opcional)
Vancouver
Sistema de assistência de enfermagem: evolução e tendências. 3ª ed. São
Paulo: Ícone; 2005.
ABNT
SISTEMA de assistência de enfermagem: evolução e tendências. 3. ed. São
Paulo: Ícone, 2005.
Título. Local de publicação (Cidade): Editora; Ano de publicação.
TÍTULO (a primeira palavra em letras maiúsculas). Local de
publicação (Cidade): Editora, ano de publicação.
Vancouver
Carpenito-Moyet LJ. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica.
Trad. de Regina Machado Garcez. Porto Alegre: Artmed; 2012.
ABNT
CARPENITO-MOYET, L. J. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática
clínica. Tradução de Regina Machado Garcez. Porto Alegre: Artmed, 2012.
81
COM INDICAÇÃO DE SUBTÍTULO
COM INDICAÇÃO DE SÉRIE
Vancouver
Campbell ML. Nurse to nurse: cuidados paliativos em enfermagem. Porto Alegre:
AMGH; 2011.
ABNT
CAMPBELL, M. L. Nurse to nurse: cuidados paliativos em enfermagem. Porto
Alegre: AMGH, 2011.
Sobrenome Prenome(s) (iniciais). Título: subtítulo. Local de publicação
(Cidade): Editora; ano de publicação.
SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais). Título: subtítulo. Local de
publicação (Cidade): Editora, ano de publicação.
Vancouver
Philippi MLS, Arone EM. Enfermagem em doenças transmissíveis. 12ª ed. rev.
São Paulo: SENAC; 2010. (Série apontamentos).
ABNT
PHILIPPI, M. L. S.; ARONE, E. M. Enfermagem em doenças
transmissíveis.12. ed. rev. São Paulo: SENAC, 2010. (Série apontamentos).
82
COM INDICAÇÃO DE VOLUME
7.1.2 CAPÍTULOS OU PARTE DE LIVROS
CAPÍTULO DE LIVRO CUJO AUTOR É O MESMO DA OBRA
Vancouver
Berrios GE, Porter R, Ávila LA. Uma história da psiquiatria clínica: a origem e a
história dos transtornos psiquiátricos. São Paulo: Escuta; 2012. 2 v.
Berrios GE, Porter R, Ávila LA. Uma história da psiquiatria clínica: a origem e a
história dos transtornos psiquiátricos. São Paulo: Escuta; 2012. v. 1.
ABNT
BERRIOS, G. E.; PORTER, R.; ÁVILA, L. A. Uma história da psiquiatria
clínica: a origem e a história dos transtornos psiquiátricos. São Paulo: Escuta,
2012. 2 v.
BERRIOS, G. E.; PORTER, R.; ÁVILA, L. A. Uma história da psiquiatria
clínica: a origem e a história dos transtornos psiquiátricos. São Paulo: Escuta,
2012. v. 1.
Vancouver
Volpato G. Publicação científica. 3ª ed. São Paulo: Cultura Acadêmica; 2008.
Avaliação da qualidade científica; p. 71-95.
Stake RE. Qualitative research: studying how things work. New York: Guilford
Press; c2010. Review of literature: zooming to see the problem; p. 105-16.
ABNT
VOLPATO, G. Avaliação da qualidade científica. In: _______ Produção
científica. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2008. p. 71-95.
STAKE, R. E. Review of literature: zooming to see the problem. In: _______
Qualitative research: studying how things work. New York: Guilford Press,
c2010. p. 105-16.
Sobrenome Prenome(s) (iniciais) do livro. Título do livro. Local de
publicação (Cidade): Editora; ano de publicação. Título do capítulo ou
parte referenciada; paginação.
SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais) do livro. Título do capítulo. In:
______. Título do livro. Local de publicação (Cidade): Editora, ano
de publicação. Paginação do capítulo ou parte referenciada.
83
CAPÍTULO DE LIVRO DE AUTOR COLABORADOR (autor do capítulo
não é o mesmo da obra)
7.1.3 DICIONÁRIOS
CONSIDERADOS NO TODO
Vancouver
Fugulin FMG, Gaidzinski RR. Dimensionamento da equipe de enfermagem em
unidades de internação. In: Harada MJCS, organizadora. Gestão em
enfermagem: ferramenta para prática segura. São Caetano do Sul: Yendis; 2011.
p. 214-22.
ABNT
FUGULIN, F. M. G.; GAIDZINSKI, R. R. Dimensionamento da equipe de
enfermagem em unidades de internação. In: HARADA, M. J. C. S. (Org.). Gestão
em enfermagem: ferramenta para prática segura. São Caetano do Sul: Yendis,
2011. p. 214-22.
Vancouver
AME: Dicionário de administração de medicamentos na enfermagem. Rio de
Janeiro: EPUB; 2011.
Fonseca AL, editor. Dicionário de especialidades farmacêuticas: DEF 2011/12.
40ª ed. Rio de Janeiro: Publicações Científicas; 2011.
ABNT
AME: dicionário de administração de medicamentos na enfermagem. Rio de
Janeiro: EPUB, 2011.
FONSECA, A. L. (Ed.). Dicionário de especialidades farmacêuticas: DEF
2011/12. 40ª ed. Rio de Janeiro: Publicações Científicas, 2011.
84
PARTES OU VERBETES
7.2 PERIÓDICOS (revistas ou seriados)
Vancouver
Houaiss A, Villar MS, Franco FMM. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio
de Janeiro: Objetiva; 2009. Babosa; p. 237.
Last JM, editor. A dictionary of epidemiology. 4
th
ed. Oxford: Oxford University
Press; 2001. Meta-analysis; p. 114.
ABNT
BABOSA. In: HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. M. Dicionário
Houaiss da lingua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000. p.237.
META-ANALYSIS. In: LAST, J. M. (ed.). In: A dictionary of epidemiology. 4
th
ed.
Oxford: Oxford University Press, 2001. p. 114.
Vancouver
Laus AM, Anselmi ML. Ausência dos trabalhadores de enfermagem em um
hospital escola. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(4):681-9.
Cicconi L, Claypool M, Stevens W. Prevention of transmissible infections in the
perioperative setting. AORN J. 2010;92(5):519-27.
ABNT
LAUS, A. M.; ANSELMI, M. L. Ausência dos trabalhadores de enfermagem em
um hospital escola. Rev. Esc. Enferm. USP, v. 42, n. 4, p. 9, 2008.
CICCONI, L; CLAYPOOL, M; STEVENS, W. Prevention of transmissible
infections in the perioperative setting. AORN J, v. 92, n. 5, p. 519-27, 2010.
Sobrenome Prenome (iniciais). Título do artigo. Título do periódico
abreviado. Ano de publicação;nº do volume(nº do fascículo):página
inicial e final do artigo.
SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais) . Título do artigo. Título do
periódico abreviado, nº do volume, nº do fascículo, página inicial e
final do artigo e ano de publicação.
.
Na ABNT os títulos de periódicos podem
ser indicados por extenso ou abreviados
85
ARTIGO COM TRÊS OU MAIS AUTORES
ARTIGO SEM AUTORIA
Vancouver
Fero LJ, O’Donnell JM, Zullo TG, Dabbs AD, Kitutu J, Samosky JT, et al. Critical
thinking skills in nursing students: comparision of simulation-based performance
with metrics. J Adv Nurs. 2010;66(10):2182-93.
ABNT
FERO, L.J. et al. Critical thinking skills in nursing students: comparision of
simulation-based performance with metrics. J. Adv. Nurs., v. 66, n. 10, p. 2182-
93, 2010.
Indicam-se até os seis primeiros, seguidos de “et al”
Indica-se o primeiro, seguido de “et al”
Vancouver
How allograft tissue is regulated. OR Manager. 2010;26(12):17.
ABNT
HOW allograft tissue is regulated. OR Manager., v. 26, n. 12, p. 17, 2010.
Título do artigo. Título do periódico. Ano de publicação;nº do
volume(nº do fascículo):página inicial e final do artigo.
TÍTULO do artigo (primeira palavra em letras maiúsculas). Título do
periódico, nº do volume, nº do fascículo, página inicial e final do artigo
e ano de publicação.
86
ARTIGO COM UMA OU MÚLTIPLAS INSTITUIÇÕES COMO AUTOR
ARTIGO COM AUTORIA PESSOAL E INSTITUCIONAL
Vancouver
American Dietetic Association; Dietitians of Canadá. Positions of the American
Dietetic Association and Dietitians of Canada: nutrition and women’s health. J Am
Diet Assoc. 2004;104(6):984-1001.
ABNT
American Dietetic Association; Dietitians of Canadá. Positions of the American
Dietetic Association and Dietitians of Canada: nutrition and women’s health. J.
Am. Diet. Assoc., v. 104, n. 6, p. 984-1001, 2004.
Vancouver
Michael YL, Whitlock EP, Lin JS, Fu R, O'Connor EA, Gold R; US Preventive
Services Task Force. Primary care-relevant interventions to prevent falling in
older adults: a systematic evidence review for the U.S. Preventive Services Task
Force. Ann Intern Med. 2010;153(12):815-25.
ABNT
MICHAEL, Y. L.; WHITLOCK, E. P., LIN, J. S.; FU, R.; O'CONNOR, E. A.; GOLD,
R.; US PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE. Primary care-relevant
interventions to prevent falling in older adults: a systematic evidence review for
the U.S. Preventive Services Task Force. Ann. Intern. Med., v. 153, n. 12, p.
815-25, 2010.
87
ARTIGO PUBLICADO ELETRONICAMENTE ANTES DA VERSÃO
IMPRESSA, (Epub ahead of print)
Com data somente da versão eletrônica
Com dados da versão impressa e data da versão eletrônica
Vancouver
Lonn L, Edmond JJ, Marco J, Kearney PP, Gallagher AG. Virtual reality
simulation training in a higth-fidelity procedure suite: operator appraisal. J Vasc
Interv Radiol. 2012 Jul. 31. [Epub ahead of print]
ABNT
LONN, L. ; EDMOND, J. J. ; MARCO, J. ; KEARNY, P. P. ; GALLAGHER, A. G.
Virtual reality simulation training in a higth-fidelity procedure suite: operator
appraisal. J. Vasc. Interv. Radiol. Publicado eletronicamente antes da versão
impressa em: 2012 jul. 31.
Vancouver
Militello LK, Kelly AS, Melnyk BM. Systematic review of text-messaging
interventions to promote healthy behaviors in pediatric and adolescent
populations: implications for clinical practice and research. Worldviews Evid
Based Nurs. 2012;9(2):66-77. Epub 2012 Jan 23.
ABNT
Militello, L. K.; Kelly, A. S.; Melnyk, B. M. Systematic review of text-messaging
interventions to promote healthy behaviors in pediatric and adolescent
populations: implications for clinical practice and research. Worldviews Evid.
Based. Nurs. v. 9, n. 2, p. 66-77, 2012. Publicado eletronicamente antes da
versão impressa em: 2012 jan 23.
88
ARTIGO NO PRELO “In press”
ARTIGO COM DIGITAL OBJECT IDENTIFIER (DOI)
Vancouver
Silva LM, Oliveira SMJV, Silva FMS, Alvarenga MB. Uso da bola suíça no
trabalho de parto. Acta Paul Enferm. 2011;24(5). No prelo.
Santos JO, Oliveira SMJV, Silva FMB, Nobre MRC, Osava RH, Riesco MLG.
Low-level laser therapy for pain relief after episiotomy: a double-blind randomized
clinical trial. J Clin Nurs. In press 2012.
ABNT
Silva LM, Oliveira SMJV, Silva FMS, Alvarenga MB. Uso da bola suíça no
trabalho de parto. Acta Paul. Enferm., 2011;24(5). No prelo.
SANTOS, J. O. et al. Low-level laser therapy for pain relief after episiotomy: a
double-blind randomized clinical trial. J. Clin. Nurs., In press 2012.
Vancouver
Puri S, O'Brian MR. The hmuQ and hmuD genes from Bradyrhizobium japonicum
encode heme-degrading enzymes. J Bacteriol [Internet]. 2006 [cited 2007 Jan
8];188(18):6476-82. Available from:
http://jb.asm.org/cgi/content/full/188/18/6476?view=long&pmid=16952937. DOI:
10.1128/JB.00737-06.
ABNT
PURI, S.; O'BRIAN, M.R. The hmuQ and hmuD genes from Bradyrhizobium
japonicum encode heme-degrading enzymes. J. Bacteriol. v. 188, n. 18, 2006.
Disponível em:
http://jb.asm.org/cgi/content/full/188/18/6476?view=long&pmid=16952937. DOI:
10.1128/JB.00737-06. Acesso em: 8 jan. 2007.
89
SEM INDICAÇÃO DO VOLUME
VOLUME COM SUPLEMENTO
VOLUME PUBLICADO EM PARTES
Vancouver
Aldé A. O internauta casual: notas sobre a circulação da opinião política na
Internet. Rev USP. 2011;(90):24-41.
ABNT
ALDÉ, A. O internauta casual: notas sobre a circulação da opinião política na
Internet. Rev. USP. n. 90, p.24-41, 2011.
Vancouver
Cano FG, Rosenfeld S. Eventos adversos a medicamentos em hospitais: uma
revisão sistemática. Cad Saúde Pública. 2009;25 Supl3:S360-72.
ABNT
CANO, F. G. ; ROSENFELD, S. Eventos adversos a medicamentos em hospitais:
uma revisão sistemática. Cad. Saúde Publ., v. 25, p. S360-72, 2009.
Suplemento 3.
Vancouver
Kulish N. The psychoanalytic method from an epistemological viewpoint. Int J
Psychoanal. 2002;83(Pt 2):491-5.
ABNT
KULISH, N. The psychoanalytic method from an epistemological viewpoint. Int. J.
Psychoanal., v. 83, pt. 2, p. 491-5, 2002.
90
FASCÍCULO COM SUPLEMENTO
FASCÍCULO PUBLICADO EM PARTES
NÚMERO ESPECIAL
Vancouver
Ross AP. Strategies for optimal disease management , adherence, and outcomes
in multiple sclerosis patients. Neurology. 2008;71(24 Suppl 3):S1-2.
ABNT
ROSS, A. P. Strategies for optimal disease management , adherence, and
outcomes in multiple sclerosis patients. Neurology, v. 71, n. 24, p. S1-2, 2008.
Supplement 3.
Vancouver
Stecker MS. Root cause analysis. J Vasc Interv Radiol. 2007;18(1 Pt 1):5-8.
ABNT
STECKER, M. S. Root cause analysis. J. Vasc. Interv. Radiol., v. 18, n. 1, pt. 1,
p. 5-8, 2007.
Vancouver
Fugulin FMT, Lima AFC, Castilho V, Bochembuzio L, Costa JA, Castro L, et al.
Custo da adequação quantitativa de profissionais de enfermagem em unidade
neonatal. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(N. esp.):1582-8.
ABNT
FUGULIN, F. M. T., et al. Custo da adequação quantitativa de profissionais de
enfermagem em unidade neonatal. Rev. Esc. Enferm. USP., v. 45, p. 1582-8,
2011. Número especial.
91
ARTIGO SEM INDICAÇÃO DE FASCÍCULO E VOLUME
PAGINAÇÃO EM ALGARISMOS ROMANOS
ARTIGO COM PUBLICAÇÃO DE ERRATA
Vancouver
Mental health matters. HRSA Careaction. 2009 May:1-8.
ABNT
MENTAL health matters. HRSA Careaction, p. 1-8, May. 2009.
Nesses casos, a indicação
do mês da publicação é obrigatória
Vancouver
Schüklenk U. Courting controversy. Bioethics. 2012;26(4):ii.
ABNT
SCHÜKLENK, U. Courting controversy. Bioethics, v. 26, n. 4, p. ii, 2012.
Vancouver
Duberstein PR, Chapman BP, Tindle HA, Sink KM, Bamonti P, Robbins J et al.
Personality and risk for Alzheimer’s disease in adults 72 years of age and older: a
6-year follow-up. Psychol Aging. 2011;26(2):351-62. Erratum in: Psychol Aging.
20121;26(2):338.
ABNT
DUBERSTEIN, P. R. et al. Personality and risk for Alzheimer’s disease in adults
72 years of age and older: a 6-year follow-up. Psychol. Aging, v. 26, n. 2, p. 351-
62, 2011. Errata em: Psychol. Aging, v. 26, n. 2, p. 338. 2011.
92
EDITORIAL OU CARTA
RESENHAS
Vancouver
Dallaire C. Programa de colaboração e graduação internacionais em
administração de enfermagem [editorial]. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(N.
esp.):1537-8.
Post KH. Vascular access [letter]. Nephrol News Issues. 2005;19(5):51.
ABNT
DALLAIRE, C. Programa de colaboração e graduação internacionais em
administração de enfermagem: editorial. Rev. Esc. Enferm. USP., v. 45, p. 1537-
8, 2011. Número especial.
POST, K. H. Vascular access: letter. Nephrol. News Issues, v. 19, n. 5, p. 51,
2005.
Vancouver
Reyes PAP. O corpo como parâmetro antropológico na bioética. São Leopoldo:
Escola Superior de Teologia; 2005. [Resenha de: Costa CAS. Rev Cienc Saúde.
2008;1(2):93-4].
ABNT
REYES, P. A. P. O corpo como parâmetro antropológico na bioética. São
Leopoldo: Escola Superior de Teologia, 2005. Resenha de: COSTA, C. A. S.
Rev. Cienc. Saúde, v. 1, n. 2, p. 93-4, 2008.
93
REVISTAS COM TÍTULOS HOMÔNIMOS
No momento em que for incluir referências de revistas, verifique se não há revistas com
títulos idênticos. Caso haja, indique entre parênteses o local de publicação.
7.3 ARTIGO OU MATÉRIA DE JORNAL
NOTA: Recomenda-se não utilizar este tipo de material em artigos científicos.
Vancouver
Calil AM, Silva SC, Padilha KG. Dor e evento adverso: a relação entre esses dois
conceitos. Nursing (São Paulo). 2010;13(151):630-4.
ABNT
CALIL, A. M. ; SILVa, S. C. ; PADILHA, K. G. Dor e evento adverso: a relação
entre esses dois conceitos. Nursing (São Paulo), v. 13, n. 151, p. 630-4, 2010.
Vancouver
Braga R. A rebelião do “precariado” europeu. Folha de S. Paulo. 2012 jan. 26;
Tendências/Debates:A-3.
ABNT
BRAGA, R. A rebelião do “precariado” europeu. Folha de S. Paulo, São Paulo,
26 jan. 2006. Tendências/Debates, p. A-3.
94
7.4 DISSERTAÇÃO, TESE E MONOGRAFIA (trabalho de conclusão
de curso), RELATÓRIO E PROJETO DE PESQUISA
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
TESE DE DOUTORADO
Vancouver
Claro HG. Tradução e adaptação cultural do Instrumento Global Appraisal of
Individual Needs - INITIAL [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem,
Universidade de São Paulo; 2010.
ABNT
CLARO, H. G. Tradução e adaptação cultural do Instrumento Global
Appraisal of Individual Needs - INITIAL. 2010. Dissertação (Mestrado em
Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Sobrenome Prenome (iniciais). Título da tese: subtítulo (se houver)
[grau]. Local (Cidade): Instituição onde foi defendida; ano da defesa.
SOBRENOME. Prenome (iniciais). Título da tese: subtítulo (se
houver). Ano da defesa. Tipo (Grau) – Instituição onde foi defendida,
local (Cidade).
Vancouver
Cavagioni LC. Influência do plantão de 24 horas sobre a pressão arterial e o perfil
de risco cardiovascular em profissionais da área da saúde que atuam em
serviços de atendimento pré-hospitalar [tese]. São Paulo: Escola de
Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2010.
ABNT
CAVAGIONI, L. C. de. Influência do plantão de 24 horas sobre a pressão
arterial e o perfil de risco cardiovascular em profissionais da área da saúde
que atuam em serviços de atendimento pré-hospitalar. 2010. Tese
(Doutorado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade de São
Paulo, São Paulo.
95
TESE LIVRE-DOCÊNCIA
MONOGRAFIA (Trabalho de Conclusão de Curso)
Vancouver
Mira VL. Avaliação de programas de treinamento e desenvolvimento da equipe
de enfermagem de dois hospitais do município de São Paulo [tese livre-
docência]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2010.
ABNT
MIRA, V. L. Avaliação de programas de treinamento e desenvolvimento da
equipe de enfermagem de dois hospitais do município de São Paulo. 2010.
Tese (Livre-Docência) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo,
São Paulo.
Vancouver
Fernandes AO. Percepção da gestante adolescente sobre o suporte prestado
pela mãe [monografia]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São
Paulo; 2011.
ABNT
FERNANDES, A. O. Percepção da gestante adolescente sobre o suporte
prestado pela mãe. 2011. Monografia de Conclusão de Curso (Graduação em
Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo.
96
RELATÓRIO E PROJETO DE PESQUISA
Os relatórios e projetos de pesquisa são de acesso restrito e geralmente não estão
disponíveis para consulta, com algumas exceções. Deste modo, devem ser mencionados em
nota de rodapé e recomenda-se que não sejam utilizados como referência em artigos
científicos.
7.5 EVENTOS CIENTÍFICOS (congresso, seminário, simpósio,
etc.)
Vancouver
Felli VEA. Resgatando o conhecimento sobre a saúde do trabalhador de
enfermagem [projeto de pesquisa]. São Paulo: Escola de Enfermagem,
Universidade de São Paulo; 2002.
Gaidzinski RR. Dimensionamento de pessoal de enfermagem: aplicação de um
modelo [relatório de pesquisa]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade
de São Paulo; 2000.
ABNT
FELLI, V. E. A. Resgatando o conhecimento sobre a saúde do trabalhador
de enfermagem. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São
Paulo, 2002. [Projeto de pesquisa].
GAIDZINSKI, R. R. Dimensionamento de pessoal de enfermagem: aplicação
de um modelo. [Relatório de pesquisa]. São Paulo: Escola de Enfermagem,
Universidade de São Paulo, 2000.
97
CONSIDERADOS NO TODO
TRABALHOS APRESENTADOS EM EVENTOS E PUBLICADOS SOBRE
FORMA DE RESUMOS, ANAIS, “PROCEEDINGS”, ETC.
Vancouver
Anais do 62º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2010 out. 11-15;
Florianópolis. Florianópolis: ABEn-Seção-SC; 2010.
ABNT
CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM, 62., 2010, Florianópolis.
Anais. Florianópolis: ABEn-Seção-SC, 2010.
Tipo de publicação, número e nome do evento; data de realização;
Cidade de realização do evento. Cidade da publicação: Editora ou
Instituição responsável pela publicação; ano de publicação.
NOME DO EVENTO, número do evento (se houver). Ano de
realização do evento. Cidade de realização do evento. Tipo de
publicação. Cidade da publicação: Editora ou Instituição responsável
pela publicação, ano de publicação.
Vancouver
Schwantes L. Violência contra a gestante: desafio para os profissionais da
Atenção Básica. In: Anais do 62º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2010
out.11-15; Florianópolis. Florianópolis: ABEn-Seção-SC; 2010. p. 2849-51.
ABNT
SCHWANTES, L. Violência contra a gestante: desafio para os profissionais da
Atenção Básica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM, 62., 2010,
Florianópolis. Anais. Florianópolis: ABEn-Seção-SC, 2010. p. 2849-51.
Sobrenome(s) Prenome(s) (iniciais). Título do trabalho. In: Tipo de
publicação, número e título do evento; data do evento; cidade de realização
do evento. Cidade da publicação: Editora ou Instituição responsável pela
publicação; ano de publicação. Página do trabalho ou resumo.
SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais). Título do trabalho. In: NOME DO
EVENTO, numeração do evento (se houver), ano e local (Cidade) de
realização. Tipo de publicação. Cidade da publicação: Editora ou
Instituição responsável pela publicação, ano de publicação. Página do
trabalho ou do resumo.
98
PUBLICADOS EM PERIÓDICOS
NÃO PUBLICADOS
Trabalhos apresentados em evento e não publicados devem ser mencionados em nota
de rodapé.
MESA REDONDA
Vancouver
Lelis MAS. Programa de treinamento em cateterismo vesical intermitente-técnica
limpa. Rev Esc Enferm USP. 1999;33(n. esp):105. [Apresentado no 3º Congresso
Brasileiro de Estomaterapia; 1999 nov. 9-12; São Paulo].
ABNT
LELIS, M. A. S. Programa e treinamento em cateterismo vesical intermitente-
técnica limpa. Rev. Esc. Enferm. USP, v. 33, p. 105. Número especial.
[Apresentado no 3º Congresso Brasileiro de Estomaterapia, 1999, São Paulo].
Vancouver
Fonseca RMGS. (Escola de Enfermagem da USP). Mulher e saúde: avanços e
problemas [Apresentado na 15ª Convenção Capixaba de Enfermagem; 1995 set.
20; Vitória].
ABNT
FONSECA. R. M. G. S. (Escola de Enfermagem da USP). Mulher e saúde:
avanços e problemas. [Apresentado na 15ª Convenção Capixaba de
Enfermagem, Vitória, 1995].
Vancouver
Silva IA. Amamentação: uma questão de assumir risco ou garantir benefícios.
[Apresentado na Mesa Redonda: Amamentação na Perspectiva da Mulher, no 3º
Congresso Brasileiro de Bancos de Leite Humano; 2002 ago 16-20; Petrópolis].
ABNT
SILVA, I.A. Amamentação: uma questão de assumir risco ou garantir benefícios.
[Apresentado na Mesa Redonda: Amamentação na Perspectiva da Mulher, no
3º Congresso Brasileiro de Bancos de Leite Humano; 2002 ago 16-20;
Petrópolis].
99
7.6 DOCUMENTO JURÍDICO ADAPTADO (legislação,
jurisprudência e doutrina)
LEGISLAÇÃO
CONSTITUIÇÃO FEDERAL
Vancouver
Brasil. Lei n. 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do
exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União,
Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1:10.
São Paulo (Estado). Decreto n. 58.052, de 16 de maio de 2012. Regulamenta a
Lei federal n, 12.527, de 18 de novembro de 2011, que regula o acesso a
informações, e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São Paulo.
2012;122(92):1.
ABNT
BRASIL. Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação
do exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União,
Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1, p. 10.
SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 58.052, de 16 de maio de 2012. Regulamenta
a Lei federal n, 12.527, de 18 de novembro de 2011, que regula o acesso a
informações, e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São
Paulo, São Paulo, v. 122, n. 92, p. 1, 2012.
Vancouver
Brasil. Constituição, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil.
Brasília: Senado; 1988.
ABNT
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.
Brasília: Senado, 1988.
100
EMENDA CONSTITUCIONAL
MEDIDA PROVISÓRIA
Vancouver
Brasil. Constituição, 1988. Emenda constitucional n. 71, de 30 de novembro de
2012. Acrescenta o art. 216-A à Constituição Federal para instituir o Sistema
Nacional de Cultura. Diário Oficial da União. 2012;231:1.
ABNT
BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional nº 71, de 30 de novembro
de 2012. Acrescenta o art. 216-A à Constituição Federal para instituir o Sistema
Nacional de Cultura. Diário Oficial da União, Brasília, v. 149, n. 231, p. 1, 30
nov. 2012.
Vancouver
Brasil. Medida provisória n. 589, de 13 de novembro de 2012. Dispõe sobre o
parcelamento de débitos junto à Fazenda Nacional relativos às contribuições
previdenciárias de responsabilidade dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília. 14 nov. 2012;
Seção 1:1.
ABNT
BRASIL. Medida provisória nº 589, de 13 de novembro de 2012. Dispõe sobre o
parcelamento de débitos junto à Fazenda Nacional relativos às contribuições
previdenciárias de responsabilidade dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, 14 nov. 2012.
Seção 1, p. 1.
101
PORTARIAS, DELIBERAÇÕES, RESOLUÇÕES, ETC.
CÓDIGOS
Vancouver
Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM n. 1.863, de 29 de setembro de 2003.
Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas
as Unidades Federadas, respeitadas as competências das três esferas de
gestão. In: Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção às
Urgências. Brasília; 2004. p. 7-11.
Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN – 189/1996. Estabelece
parâmetro para Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem
nas Instituições de Saúde. In: Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo.
Documentos básicos de enfermagem: enfermeiros, técnicos e auxiliares. São
Paulo; 2001. p. 144-51.
ABNT
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 1.863, de 29 de setembro de 2003.
Institui a política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas
as Unidades Federadas, respeitadas as competências das três esferas de
gestão. In: _______.Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília, 2004.
p. 7-11.
CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN – 189/1996.
Estabelece parâmetro para Dimensionamento do Quadro de Profissionais de
Enfermagem nas Instituições de Saúde. In: CONSELHO REGIONAL DE
ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Documentos básicos de enfermagem:
enfermeiros, técnicos e auxiliares. São Paulo, 2001. p. 144-51.
Vancouver
Brasil. Novo código civil: exposição de motivos e texto sancionado. Brasília:
Gabinete do Senador Efraim Morais; 2003.
ABNT
BRASIL. Novo código civil: exposição de motivos e texto sancionado. Brasília:
Gabinete do Senador Efraim Morais, 2003.
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa
Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tutorial PubMed - módulo básico
Tutorial PubMed - módulo básicoTutorial PubMed - módulo básico
Tutorial PubMed - módulo básico
Universidade de São Paulo
 
Aula de metodologia, monografia e tcc
Aula de metodologia, monografia e tccAula de metodologia, monografia e tcc
Aula de metodologia, monografia e tcc
Cursos Profissionalizantes
 
Fontes de pesquisa
Fontes de pesquisaFontes de pesquisa
Fontes de pesquisa
Fernanda Berg
 
Tipos de pesquisa
Tipos de pesquisaTipos de pesquisa
Tipos de pesquisa
Andreza Patrícia Martins
 
Diferença entre DESCRITORES e PALAVRAS-CHAVE
Diferença entre DESCRITORES e PALAVRAS-CHAVEDiferença entre DESCRITORES e PALAVRAS-CHAVE
Diferença entre DESCRITORES e PALAVRAS-CHAVE
Universidade de São Paulo
 
Aula como elaborar um artigo científico
Aula   como elaborar um artigo científicoAula   como elaborar um artigo científico
Aula como elaborar um artigo científico
Ludmila Moura
 
Redação Científica
Redação CientíficaRedação Científica
Redação Científica
Solange Santana
 
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
Jordano Santos Cerqueira
 
Tipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográficaTipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográfica
Ricardo Alexandre
 
Tutorial PubMed - módulo intermediário
Tutorial PubMed - módulo intermediárioTutorial PubMed - módulo intermediário
Tutorial PubMed - módulo intermediário
Universidade de São Paulo
 
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos CientíficosMetodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Hamilton Nobrega
 
Revisão bibliográfica
Revisão bibliográficaRevisão bibliográfica
Apresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoApresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científico
Larissa Almada
 
Aprenda a pesquisar no Portal BVS: módulo intermediário
Aprenda a pesquisar no Portal BVS: módulo intermediárioAprenda a pesquisar no Portal BVS: módulo intermediário
Aprenda a pesquisar no Portal BVS: módulo intermediário
Universidade de São Paulo
 
Aula fontes de informação
Aula  fontes de informaçãoAula  fontes de informação
Aula fontes de informação
Sistema de Bibliotecas da UEL
 
Introdução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaIntrodução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científica
Paulo Silva
 
Recursos informacionais: diferença entre portal, bases de dados, diretórios, ...
Recursos informacionais: diferença entre portal, bases de dados, diretórios, ...Recursos informacionais: diferença entre portal, bases de dados, diretórios, ...
Recursos informacionais: diferença entre portal, bases de dados, diretórios, ...
Universidade de São Paulo
 
FONTES DE INFORMAÇAO.pptx
FONTES DE INFORMAÇAO.pptxFONTES DE INFORMAÇAO.pptx
FONTES DE INFORMAÇAO.pptx
OdeteMyraMesquita
 
Oficina estruturação de projeto de pesquisa
Oficina estruturação de projeto de pesquisaOficina estruturação de projeto de pesquisa
Oficina estruturação de projeto de pesquisa
Graziele Oliveira
 
Introdução à Metodologia
Introdução à MetodologiaIntrodução à Metodologia
Introdução à Metodologia
Universidade Federal do Oeste Pará
 

Mais procurados (20)

Tutorial PubMed - módulo básico
Tutorial PubMed - módulo básicoTutorial PubMed - módulo básico
Tutorial PubMed - módulo básico
 
Aula de metodologia, monografia e tcc
Aula de metodologia, monografia e tccAula de metodologia, monografia e tcc
Aula de metodologia, monografia e tcc
 
Fontes de pesquisa
Fontes de pesquisaFontes de pesquisa
Fontes de pesquisa
 
Tipos de pesquisa
Tipos de pesquisaTipos de pesquisa
Tipos de pesquisa
 
Diferença entre DESCRITORES e PALAVRAS-CHAVE
Diferença entre DESCRITORES e PALAVRAS-CHAVEDiferença entre DESCRITORES e PALAVRAS-CHAVE
Diferença entre DESCRITORES e PALAVRAS-CHAVE
 
Aula como elaborar um artigo científico
Aula   como elaborar um artigo científicoAula   como elaborar um artigo científico
Aula como elaborar um artigo científico
 
Redação Científica
Redação CientíficaRedação Científica
Redação Científica
 
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
 
Tipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográficaTipos de revisão bibliográfica
Tipos de revisão bibliográfica
 
Tutorial PubMed - módulo intermediário
Tutorial PubMed - módulo intermediárioTutorial PubMed - módulo intermediário
Tutorial PubMed - módulo intermediário
 
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos CientíficosMetodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
 
Revisão bibliográfica
Revisão bibliográficaRevisão bibliográfica
Revisão bibliográfica
 
Apresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoApresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científico
 
Aprenda a pesquisar no Portal BVS: módulo intermediário
Aprenda a pesquisar no Portal BVS: módulo intermediárioAprenda a pesquisar no Portal BVS: módulo intermediário
Aprenda a pesquisar no Portal BVS: módulo intermediário
 
Aula fontes de informação
Aula  fontes de informaçãoAula  fontes de informação
Aula fontes de informação
 
Introdução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaIntrodução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científica
 
Recursos informacionais: diferença entre portal, bases de dados, diretórios, ...
Recursos informacionais: diferença entre portal, bases de dados, diretórios, ...Recursos informacionais: diferença entre portal, bases de dados, diretórios, ...
Recursos informacionais: diferença entre portal, bases de dados, diretórios, ...
 
FONTES DE INFORMAÇAO.pptx
FONTES DE INFORMAÇAO.pptxFONTES DE INFORMAÇAO.pptx
FONTES DE INFORMAÇAO.pptx
 
Oficina estruturação de projeto de pesquisa
Oficina estruturação de projeto de pesquisaOficina estruturação de projeto de pesquisa
Oficina estruturação de projeto de pesquisa
 
Introdução à Metodologia
Introdução à MetodologiaIntrodução à Metodologia
Introdução à Metodologia
 

Destaque

Resenha fundamentos da teologia prática
Resenha fundamentos da teologia práticaResenha fundamentos da teologia prática
Resenha fundamentos da teologia prática
Jean Francesco
 
ÉTICA EMPRESARIAL 8. Los comités de ética
ÉTICA EMPRESARIAL 8. Los comités de éticaÉTICA EMPRESARIAL 8. Los comités de ética
ÉTICA EMPRESARIAL 8. Los comités de ética
asuncionvelilla.blogspot.com
 
ÉTICA EMPRESARIAL 9. La auditoría ética
ÉTICA EMPRESARIAL 9. La auditoría éticaÉTICA EMPRESARIAL 9. La auditoría ética
ÉTICA EMPRESARIAL 9. La auditoría ética
asuncionvelilla.blogspot.com
 
Enfermagem forense bibliografia
Enfermagem forense bibliografiaEnfermagem forense bibliografia
Enfermagem forense bibliografia
Albino Gomes
 
TCC Gestão do Tempo na Profissão do Administrador
TCC Gestão do Tempo na Profissão do AdministradorTCC Gestão do Tempo na Profissão do Administrador
TCC Gestão do Tempo na Profissão do Administrador
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
TCC
TCCTCC
Como fazer citações
Como fazer citaçõesComo fazer citações
Como fazer citações
Biblioteca ESPM Rio
 
Tutorial Completo EndNote Basic
Tutorial Completo EndNote BasicTutorial Completo EndNote Basic
Tutorial Completo EndNote Basic
Universidade de São Paulo
 
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Elaine Maia
 
Roteiro para escrever projetos
Roteiro para escrever projetosRoteiro para escrever projetos
Guia para apresentação de uma Tese
Guia para apresentação de uma TeseGuia para apresentação de uma Tese
Guia para apresentação de uma Tese
Márcia Castilho de Sales
 

Destaque (11)

Resenha fundamentos da teologia prática
Resenha fundamentos da teologia práticaResenha fundamentos da teologia prática
Resenha fundamentos da teologia prática
 
ÉTICA EMPRESARIAL 8. Los comités de ética
ÉTICA EMPRESARIAL 8. Los comités de éticaÉTICA EMPRESARIAL 8. Los comités de ética
ÉTICA EMPRESARIAL 8. Los comités de ética
 
ÉTICA EMPRESARIAL 9. La auditoría ética
ÉTICA EMPRESARIAL 9. La auditoría éticaÉTICA EMPRESARIAL 9. La auditoría ética
ÉTICA EMPRESARIAL 9. La auditoría ética
 
Enfermagem forense bibliografia
Enfermagem forense bibliografiaEnfermagem forense bibliografia
Enfermagem forense bibliografia
 
TCC Gestão do Tempo na Profissão do Administrador
TCC Gestão do Tempo na Profissão do AdministradorTCC Gestão do Tempo na Profissão do Administrador
TCC Gestão do Tempo na Profissão do Administrador
 
TCC
TCCTCC
TCC
 
Como fazer citações
Como fazer citaçõesComo fazer citações
Como fazer citações
 
Tutorial Completo EndNote Basic
Tutorial Completo EndNote BasicTutorial Completo EndNote Basic
Tutorial Completo EndNote Basic
 
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
 
Roteiro para escrever projetos
Roteiro para escrever projetosRoteiro para escrever projetos
Roteiro para escrever projetos
 
Guia para apresentação de uma Tese
Guia para apresentação de uma TeseGuia para apresentação de uma Tese
Guia para apresentação de uma Tese
 

Semelhante a Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa

Manual de Elaboração do TCC
Manual de Elaboração do TCCManual de Elaboração do TCC
Manual de Elaboração do TCC
Edilma Albuquerque
 
Manual Normalizacao TCC
Manual Normalizacao TCCManual Normalizacao TCC
Manual Normalizacao TCC
Edilma Albuquerque
 
Normas da ABNT
Normas da ABNTNormas da ABNT
Normas da ABNT
proinfoalda
 
Manual Normalizacao TCC
Manual Normalizacao TCCManual Normalizacao TCC
Manual Normalizacao TCC
Edilma Albuquerque
 
Normas Abnt Para Trabalhos Academicos
Normas Abnt Para Trabalhos AcademicosNormas Abnt Para Trabalhos Academicos
Normas Abnt Para Trabalhos Academicos
AnneBravo
 
Apostila de orientacao_alunos_v7
Apostila de orientacao_alunos_v7Apostila de orientacao_alunos_v7
Apostila de orientacao_alunos_v7
Esmeralda Cavalcante
 
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisaApostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Cassiano Scott Puhl
 
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicaoMetodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Thaís .
 
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicaoMetodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Ferreira José
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
IFRR
 
Guia de estrutura_apresetacao_ipe
Guia de estrutura_apresetacao_ipeGuia de estrutura_apresetacao_ipe
Guia de estrutura_apresetacao_ipe
Alexandre Lima
 
Guia abnt senac
Guia abnt senacGuia abnt senac
Guia abnt senac
LuizfmRamos
 
Tipos de artigo cientifico
Tipos de artigo cientificoTipos de artigo cientifico
Tipos de artigo cientifico
Karime Nogueira de Oliveira
 
Manual de..
Manual de..Manual de..
Manual de..
Daniele Moura
 
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
Edjailma Alves
 
Trabalhos academicos3
Trabalhos academicos3Trabalhos academicos3
Trabalhos academicos3
jp85jp
 
3 manual-para-elaboracao-de-tcc
3 manual-para-elaboracao-de-tcc3 manual-para-elaboracao-de-tcc
3 manual-para-elaboracao-de-tcc
Lima Pedagoga
 
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
Autônomo
 
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
marioferreiraneto
 
Autor anônimo como fazer uma monografia
Autor anônimo   como fazer uma monografiaAutor anônimo   como fazer uma monografia
Autor anônimo como fazer uma monografia
acajado
 

Semelhante a Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa (20)

Manual de Elaboração do TCC
Manual de Elaboração do TCCManual de Elaboração do TCC
Manual de Elaboração do TCC
 
Manual Normalizacao TCC
Manual Normalizacao TCCManual Normalizacao TCC
Manual Normalizacao TCC
 
Normas da ABNT
Normas da ABNTNormas da ABNT
Normas da ABNT
 
Manual Normalizacao TCC
Manual Normalizacao TCCManual Normalizacao TCC
Manual Normalizacao TCC
 
Normas Abnt Para Trabalhos Academicos
Normas Abnt Para Trabalhos AcademicosNormas Abnt Para Trabalhos Academicos
Normas Abnt Para Trabalhos Academicos
 
Apostila de orientacao_alunos_v7
Apostila de orientacao_alunos_v7Apostila de orientacao_alunos_v7
Apostila de orientacao_alunos_v7
 
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisaApostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
 
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicaoMetodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicao
 
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicaoMetodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
 
Guia de estrutura_apresetacao_ipe
Guia de estrutura_apresetacao_ipeGuia de estrutura_apresetacao_ipe
Guia de estrutura_apresetacao_ipe
 
Guia abnt senac
Guia abnt senacGuia abnt senac
Guia abnt senac
 
Tipos de artigo cientifico
Tipos de artigo cientificoTipos de artigo cientifico
Tipos de artigo cientifico
 
Manual de..
Manual de..Manual de..
Manual de..
 
Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011Caderno de normas_24_junho_2011
Caderno de normas_24_junho_2011
 
Trabalhos academicos3
Trabalhos academicos3Trabalhos academicos3
Trabalhos academicos3
 
3 manual-para-elaboracao-de-tcc
3 manual-para-elaboracao-de-tcc3 manual-para-elaboracao-de-tcc
3 manual-para-elaboracao-de-tcc
 
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
 
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
 
Autor anônimo como fazer uma monografia
Autor anônimo   como fazer uma monografiaAutor anônimo   como fazer uma monografia
Autor anônimo como fazer uma monografia
 

Mais de Universidade de São Paulo

Tutorial turnitin
Tutorial turnitinTutorial turnitin
Tutorial turnitin
Universidade de São Paulo
 
2020 tutorial scopus
2020 tutorial scopus2020 tutorial scopus
2020 tutorial scopus
Universidade de São Paulo
 
2020 04 tutorial_orcid_revisado final
2020 04 tutorial_orcid_revisado final2020 04 tutorial_orcid_revisado final
2020 04 tutorial_orcid_revisado final
Universidade de São Paulo
 
Tutorial Publons - Web of Science
Tutorial Publons - Web of ScienceTutorial Publons - Web of Science
Tutorial Publons - Web of Science
Universidade de São Paulo
 
Tutorial sobre unificar perfis utilizando o Scopus Author Feedback Wizard
Tutorial sobre unificar perfis utilizando o Scopus Author Feedback WizardTutorial sobre unificar perfis utilizando o Scopus Author Feedback Wizard
Tutorial sobre unificar perfis utilizando o Scopus Author Feedback Wizard
Universidade de São Paulo
 
Tutorial sobre ORCID
Tutorial sobre ORCIDTutorial sobre ORCID
Tutorial sobre ORCID
Universidade de São Paulo
 
JCR - Enfermagem 2017
JCR - Enfermagem 2017JCR - Enfermagem 2017
JCR - Enfermagem 2017
Universidade de São Paulo
 
Como integrar o ORCID no Currículo Lattes
Como integrar o ORCID no Currículo LattesComo integrar o ORCID no Currículo Lattes
Como integrar o ORCID no Currículo Lattes
Universidade de São Paulo
 
Fator de impacto 2016 - Área de enfermagem
Fator de impacto 2016 - Área de  enfermagemFator de impacto 2016 - Área de  enfermagem
Fator de impacto 2016 - Área de enfermagem
Universidade de São Paulo
 
Descubra o título completo da revista
Descubra o título completo da revistaDescubra o título completo da revista
Descubra o título completo da revista
Universidade de São Paulo
 
Orcid - como vincular o perfil para quem já possui ResearcherID
Orcid - como vincular o perfil para quem já possui ResearcherIDOrcid - como vincular o perfil para quem já possui ResearcherID
Orcid - como vincular o perfil para quem já possui ResearcherID
Universidade de São Paulo
 
Fator impacto de revistas de enfermagem - 2015
Fator impacto  de revistas de enfermagem - 2015Fator impacto  de revistas de enfermagem - 2015
Fator impacto de revistas de enfermagem - 2015
Universidade de São Paulo
 
Researchgate workshop 11-set2015
Researchgate workshop 11-set2015Researchgate workshop 11-set2015
Researchgate workshop 11-set2015
Universidade de São Paulo
 
Jcr enfermagem 2015
Jcr enfermagem 2015Jcr enfermagem 2015
Jcr enfermagem 2015
Universidade de São Paulo
 
Artigos eletrônicos. Como obter o texto completo?
Artigos eletrônicos. Como obter o texto completo?Artigos eletrônicos. Como obter o texto completo?
Artigos eletrônicos. Como obter o texto completo?
Universidade de São Paulo
 
Tutorial Cochrane Library: content access
Tutorial Cochrane Library: content accessTutorial Cochrane Library: content access
Tutorial Cochrane Library: content access
Universidade de São Paulo
 
Tutorial PubMed: basic module
Tutorial PubMed: basic moduleTutorial PubMed: basic module
Tutorial PubMed: basic module
Universidade de São Paulo
 
Tutorial CINAHL: basic module
Tutorial CINAHL: basic moduleTutorial CINAHL: basic module
Tutorial CINAHL: basic module
Universidade de São Paulo
 
Recursos bibliométricos da Web of Science
Recursos bibliométricos da Web of ScienceRecursos bibliométricos da Web of Science
Recursos bibliométricos da Web of Science
Universidade de São Paulo
 
Aprenda a pesquisar na Web of Science
Aprenda a pesquisar na Web of ScienceAprenda a pesquisar na Web of Science
Aprenda a pesquisar na Web of Science
Universidade de São Paulo
 

Mais de Universidade de São Paulo (20)

Tutorial turnitin
Tutorial turnitinTutorial turnitin
Tutorial turnitin
 
2020 tutorial scopus
2020 tutorial scopus2020 tutorial scopus
2020 tutorial scopus
 
2020 04 tutorial_orcid_revisado final
2020 04 tutorial_orcid_revisado final2020 04 tutorial_orcid_revisado final
2020 04 tutorial_orcid_revisado final
 
Tutorial Publons - Web of Science
Tutorial Publons - Web of ScienceTutorial Publons - Web of Science
Tutorial Publons - Web of Science
 
Tutorial sobre unificar perfis utilizando o Scopus Author Feedback Wizard
Tutorial sobre unificar perfis utilizando o Scopus Author Feedback WizardTutorial sobre unificar perfis utilizando o Scopus Author Feedback Wizard
Tutorial sobre unificar perfis utilizando o Scopus Author Feedback Wizard
 
Tutorial sobre ORCID
Tutorial sobre ORCIDTutorial sobre ORCID
Tutorial sobre ORCID
 
JCR - Enfermagem 2017
JCR - Enfermagem 2017JCR - Enfermagem 2017
JCR - Enfermagem 2017
 
Como integrar o ORCID no Currículo Lattes
Como integrar o ORCID no Currículo LattesComo integrar o ORCID no Currículo Lattes
Como integrar o ORCID no Currículo Lattes
 
Fator de impacto 2016 - Área de enfermagem
Fator de impacto 2016 - Área de  enfermagemFator de impacto 2016 - Área de  enfermagem
Fator de impacto 2016 - Área de enfermagem
 
Descubra o título completo da revista
Descubra o título completo da revistaDescubra o título completo da revista
Descubra o título completo da revista
 
Orcid - como vincular o perfil para quem já possui ResearcherID
Orcid - como vincular o perfil para quem já possui ResearcherIDOrcid - como vincular o perfil para quem já possui ResearcherID
Orcid - como vincular o perfil para quem já possui ResearcherID
 
Fator impacto de revistas de enfermagem - 2015
Fator impacto  de revistas de enfermagem - 2015Fator impacto  de revistas de enfermagem - 2015
Fator impacto de revistas de enfermagem - 2015
 
Researchgate workshop 11-set2015
Researchgate workshop 11-set2015Researchgate workshop 11-set2015
Researchgate workshop 11-set2015
 
Jcr enfermagem 2015
Jcr enfermagem 2015Jcr enfermagem 2015
Jcr enfermagem 2015
 
Artigos eletrônicos. Como obter o texto completo?
Artigos eletrônicos. Como obter o texto completo?Artigos eletrônicos. Como obter o texto completo?
Artigos eletrônicos. Como obter o texto completo?
 
Tutorial Cochrane Library: content access
Tutorial Cochrane Library: content accessTutorial Cochrane Library: content access
Tutorial Cochrane Library: content access
 
Tutorial PubMed: basic module
Tutorial PubMed: basic moduleTutorial PubMed: basic module
Tutorial PubMed: basic module
 
Tutorial CINAHL: basic module
Tutorial CINAHL: basic moduleTutorial CINAHL: basic module
Tutorial CINAHL: basic module
 
Recursos bibliométricos da Web of Science
Recursos bibliométricos da Web of ScienceRecursos bibliométricos da Web of Science
Recursos bibliométricos da Web of Science
 
Aprenda a pesquisar na Web of Science
Aprenda a pesquisar na Web of ScienceAprenda a pesquisar na Web of Science
Aprenda a pesquisar na Web of Science
 

Último

AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 

Último (20)

AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 

Guia prática para elaboração de dissertação, tese, monografia e projetos de pesquisa

  • 1. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM BIBLIOTECA “WANDA DE AGUIAR HORTA” GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE DISSERTAÇÃO, TESE, MONOGRAFIA E PROJETO DE PESQUISA SÃO PAULO 2015
  • 2. 2 Universidade de São Paulo Reitor: Prof. Dr. Marco Antonio Zago Vice-Reitor: Prof. Dr. Vahan Agopyan Escola da Enfermagem Diretora: Profa. Dra. Diná de Almeida Lopes Monteiro da Cruz Vice-Diretora: Profa. Dra. Miriam Aparecida Barbosa Merighi Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta” Chefe Técnica de Serviço: Neide Bombeiro Filet Seção de Atendimento ao Usuário: Sonia Maria Gardim Seção de Disseminação da Informação e Publicações: Yuka Saheki Seção de Aquisição e Tratamento da Informação: Fabiana Gulin Longhi Palácio Grupo de Trabalho: Juliana Akie Takahashi Neide Bombeiro Filet Sonia Maria Gardim Yuka Saheki Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 – Cerqueira César CEP 05403-000 - São Paulo - SP - Brasil Telefone: (11) 3061-7524/7525/7568/8827 E-mail: bibee@usp.br http://www.ee.usp.br/biblioteca/whorta/index.php
  • 3. 3 Catalogação na Publicação (CIP) Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta” Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem. Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta”. Guia prático para elaboração de dissertação, tese, monografia e projeto de pesquisa / Juliana Akie Takahashi, Neide Bombeiro Filet, Sonia Maria Gardim, Yuka Saheki. – São Paulo, 2015. Inclui bibliografia 1. Teses e dissertações (normas). 2. Normalização de documentos. 3. Referências bibliográficas (normalização). I. Takahashi, Juliana Akie II. Filet, Neide Bombeiro III. Gardim, Sonia Maria IV. Saheki, Yuka V.Título.
  • 4. 4 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO............................................................................................06 1 DEFINIÇÕES: Dissertação, Tese, Monografia e Projeto de Pesquisa................. 07 2 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO......................................................08 2.1 PARTE EXTERNA (capa e lombada).............................................................. 08 2.2 PRÉ-TEXTO...............................................................................................09 2.3 TEXTO..................................................................................................... 32 2.4 PÓS-TEXTO.............................................................................................. 33 3 REGRAS GERAIS DE FORMAÇÃO DO TEXTO..................................................38 3.1 REDAÇÃO................................................................................................. 38 3.2 USO DE NUMERAIS....................................................................................38 3.3 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA DAS SEÇÕES.................................................... 38 3.4 SIGLAS.................................................................................................... 39 3.5 EQUAÇÕES E FÓRMULAS............................................................................ 39 3.6 ILUSTRAÇÕES (figuras, quadros, gráficos, etc.)............................................. 39 3.7 TABELAS.................................................................................................. 41 4 FORMATAÇÃO DO TEXTO...........................................................................44 4.1 REPRODUÇÃO E ENCADERNAÇÃO................................................................ 46 4.2 DEPÓSITO NA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES DA USP.........46 5 TIPOS DE CITAÇÃO NO TEXTO E SISTEMAS DE CITAÇÃO...............................47 5.1 CITAÇÃO DIRETA...................................................................................... 47 5.2 CITAÇÃO INDIRETA................................................................................... 48 5.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO................................................................................49 5.4 CITAÇÃO DE FONTES INFORMAIS................................................................ 49
  • 5. 5 5.5 USO DO NEGRITO, SUBLINHADO OU ITÁLICO NAS CITAÇÕES......................... 51 5.6 SISTEMAS DE CITAÇÃO..............................................................................51 5.7 EXCLUSÃO DE PARTES DE TEXTO, ACRÉSCIMOS E COMENTÁRIOS...................59 5.8 NOTAS DE RODAPÉ....................................................................................59 6 REFERÊNCIAS.......................................................................................... 60 6.1 AUTORIA..................................................................................................64 6.2 TÍTULO.................................................................................................... 69 6.3 EDIÇÃO....................................................................................................71 6.4 NOTAS TIPOGRÁFICAS (local de publicação, editora e ano)............................. 71 6.5 DESCRIÇÃO FÍSICA................................................................................... 74 6.6 SÉRIES E COLEÇÕES..................................................................................76 7 MODELOS DE REFERÊNCIAS...................................................................... 77 7.1 MONOGRAFIAS......................................................................................... 77 7.2 PERIÓDICOS (revistas ou seriados)..............................................................84 7.3 ARTIGO OU MATÉRIA DE JORNAL................................................................ 93 7.4 DISSERTAÇÃO, TESE, MONOGRAFIA (trabalho de conclusão de curso), RELATÓRIO E PROJETO DE PESQUISA..........................................................94 7.5 EVENTOS CIENTÍFICOS (congresso, seminário, simpósio, etc.)........................ 96 7.6 DOCUMENTO JURÍDICO ADAPTADO (legislação, jurisprudência e doutrina)........99 7.7 OUTROS MATERIAIS IMPRESSOS.................................................................102 7.8 MATERIAL AUDIOVISUAL............................................................................105 7.9 DOCUMENTO ELETRÔNICO......................................................................... 106 REFERÊNCIAS...............................................................................................112
  • 6. 6 APRESENTAÇÃO Considerando que a Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta”, da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP), tem como missão apoiar as atividades do ensino, pesquisa e extensão, foi elaborado o “Guia prático para elaboração de dissertação, tese, monografia e projeto de pesquisa”, cujo objetivo é auxiliar alunos, docentes, pesquisadores e funcionários na elaboração de trabalhos acadêmicos/científicos. Este guia baseou-se nas normas internacionais do grupo de editores científicos da área médica, em Vancouver, denominado Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas (International Committee of Medical Journals Editors – ICMJE), conhecida como Estilo Vancouver, cuja última revisão foi disponibilizada em setembro de 2011 e nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, com algumas adaptações para a Escola de Enfermagem da USP. Esperamos que esse Guia contribua, de forma clara, nas orientações a serem seguidas. Neide Bombeiro Filet Chefe Técnica de Serviço Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta”
  • 7. 7 1 DEFINIÇÕES: Dissertação, Tese, Monografia e Projeto de Pesquisa DISSERTAÇÃO Documento que apresenta o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado em sua extensão, com o objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento de literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor), visando à obtenção do título de mestre (ABNT, 2011a). TESE Documento que apresenta o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico de tema único e bem delimitado. Deve ser elaborado com base em investigação original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor) e visa a obtenção do título de doutor, ou similar (ABNT, 2011a). MONOGRAFIA Trabalho de conclusão de curso de graduação, trabalho de graduação interdisciplinar, trabalho de conclusão de curso de especialização e/ou aperfeiçoamento. Documento que apresenta o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador (ABNT, 2011a). PROJETO DE PESQUISA Compreende uma das fases da pesquisa. É a descrição da sua estrutura. (ABNT, 2011b). O projeto de pesquisa segue as mesmas orientações de estrutura das dissertações, teses e monografias, com acréscimo dos recursos utilizados e do cronograma, estabelecidos pela norma de apresentação de projeto de pesquisa NBR 15.287 (ABNT, 2011b).
  • 8. 8 2 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO A estrutura de trabalhos acadêmicos compreende: parte externa e parte interna (ABNT, 2011b). A parte externa contém capa e lombada (elementos obrigatórios) enquanto a parte interna está subdivida em três partes: Pré-texto, Texto e Pós-texto. 2.1 PARTE EXTERNA (capa e lombada)
  • 9. 9 A capa é a proteção externa do trabalho, sobre a qual se imprimem as informações indispensáveis à sua identificação e composta por (ABNT, 2011a): - Nome da instituição; - Nome do autor; - Título; - Subtítulo: se houver, deve ser precedido de dois pontos, evidenciando a sua subordinação ao título; - Número do volume: se houver mais de um, deve constar em cada capa o respectivo volume; - Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado. No caso de cidades homônimas recomenda-se o acréscimo da sigla do Estado; - Ano de depósito. A lombada deve ser composta por (ABNT, 2011a): - Nome do autor; - Título: se o título for muito extenso, escreva-o até onde der e utilize reticências para suprimir o restante; - Subtítulo: se houver; - Grau pretendido (se dissertação, doutorado, etc.); - Editor; - Ano de depósito. 2.2 PRÉ-TEXTO
  • 10. 10 FOLHA DE ROSTO Os elementos da folha de rosto são obrigatórios e devem ser apresentados na seguinte ordem (ABNT, 2011a): § Nome do autor; § Título; § Subtítulo (se houver); § Número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada folha de rosto a especificação do respectivo volume); § Tipo do trabalho (dissertação, tese ou monografia e outros); § Objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros); § Nome do programa da pós-graduação; § Nome da instituição em que o trabalho é submetido; § Área de concentração; § Nome do orientador(a); § Nome do co-orientador(a) (se houver); § Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado; § Ano de depósito (da entrega).
  • 11. 11 Folha de Rosto de Dissertação SILMAR MARIA DA SILVA RETORNO AO TRABALHO: A VIVÊNCIA DOS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM COM DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT) Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Gerenciamento em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestra em Ciências Área de concentração: Fundamentos e Práticas de Gerenciamento em Enfermagem e em Saúde Orientadora: Prof.ª Drª. Patrícia Campos Pavan Baptista São Paulo 2012 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 12. 12 Folha de Rosto de Tese MARIA MARTA NOLASCO CHAVES COMPETÊNCIA AVALIATIVA DO ENFERMEIRO PARA O RECONHECIMENTO E ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES EM SAÚDE DAS FAMÍLIAS Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação Interunidades EEUSP-EERP da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Doutora em Ciências Área de concentração: Cuidados em Saúde Orientadora: Profª. Drª. Emiko Yoshikawa Egry São Paulo 2012 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 13. 13 Folha de Rosto Corrigida (Dissertação/Tese) Resolução nº6.018, de 24 de novembro de 2011 FABIANA GULIN LONGHI PALÁCIO CATEGORIZAÇÃO CONCEITUAL DA INFORMAÇÃO JURÍDICA Versão corrigida da Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Ciência da Informação da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre. Área de concentração: Cultura e Informação Orientadora: Prof.ª Drª. Vânia Mara Alves Lima VERSÃO CORRIGIDA A versão original encontra-se disponível na Biblioteca da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo e na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Universidade de São Paulo. São Paulo 2013 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 14. 14 VERSO DA FOLHA DE ROSTO No verso da folha de rosto deve constar a autorização para reprodução da tese e a ficha catalográfica, que será elaborada pela Biblioteca, mediante agendamento prévio, através do e-mail bibee@usp.br, com o encaminhamento dos seguintes dados: - Folha de rosto, com todos os dados da tese; - Resumo, com as palavras-chave, retiradas prioritariamente dos Descritores em Ciências da Saúde – DeCS (http//:decs.bvs.br). Consulte também o Vocabulário Controlado da USP (http://143.107.73.99/vocab/vocab.php). Em caso de dúvidas, contate o bibliotecário. AUTORIZO A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE TRABALHO, POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU ELETRÔNICO, PARA FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADA A FONTE. Assinatura: ____________________________ Data___/___/___ Catalogação na Publicação (CIP) Biblioteca “Wanda de Aguiar Horta” Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo 2 cm 3 cm 2 cm 3 cm Almeida, Marília Mastrocolla de A adesão de adolescentes ao tratamento para uso de álcool e outras drogas: um bicho de sete cabeças? / Marília Mastrocolla de Almeida. – São Paulo, 2010. 358 p. Tese (Doutorado) – Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Orientadora: Profª DrªMárcia Aparecida Ferreira de Oliveira 1. Adolescentes. 2. Serviços de saúde mental. 3. Transtornos relacionados ao uso de substâncias. I. Título.
  • 15. 15 ERRATA Deve ser inserida logo após a folha de rosto constituída pela referência do trabalho e pelo texto da errata. Apresentada em papel avulso ou encartado acrescida ao trabalho, somente se detectado erro após a impressão (ABNT, 2011a). A errata é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. Santos CE. Compreendendo as expectativas em um curso de graduação em enfermagem: o olhar discente e docente [tese]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2005. ERRATA Página Linha Onde se lê Leia-se 12 5 discrinar discriminar 39 7 apresenta-se apresentam-se 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 16. 16 FOLHA DE APROVAÇÃO A folha de aprovação é constituída por (ABNT, 2011a): § Nome do autor; § Título e subtítulo (se houver); § Tipo do trabalho (dissertação, tese, etc.); § Área de concentração; § Nome da instituição a que é submetido o trabalho; § Grau pretendido (mestre, doutor, etc.); § Data da aprovação; § Nome, titulação e assinatura dos componentes da banca examinadora e instituições a que pertencem. A data de aprovação e assinatura dos membros componentes da banca examinadora devem ser colocadas após a aprovação do trabalho (ABNT, 2011a). Para mestrado são três assinaturas da banca examinadora e para doutorado são cinco.
  • 17. 17 Folha de Aprovação de Mestrado Nome: Silmar Maria da Silva Titulo: Retorno ao trabalho: a vivência dos trabalhadores de enfermagem com distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Gerenciamento em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestra em Ciências. Aprovado em: ___/___/___ Banca Examinadora Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________ Julgamento:________________ Assinatura:_______________ Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________ Julgamento:________________ Assinatura:_______________ Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________ Julgamento:________________ Assinatura:_______________ 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 18. 18 Folha de Aprovação de Doutorado Nome: Maria Marta Nolasco Chaves Titulo: Competência avaliativa do enfermeiro para o reconhecimento e enfrentamento das necessidades em saúde das famílias. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação Interunidades EEUSP-EERP da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Doutora em Ciências. Aprovado em: ___/___/___ Banca Examinadora Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________ Julgamento:________________ Assinatura:_______________ Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________ Julgamento:________________ Assinatura:_______________ Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________ Julgamento:________________ Assinatura:_______________ Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________ Julgamento:________________ Assinatura:_______________ Prof. Dr. ___________________ Instituição:________________ Julgamento:________________ Assinatura:_______________ 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 19. 19 DEDICATÓRIA (opcional) Texto em que o autor presta homenagem ou dedica seu trabalho (ABNT, 2011a). A dedicatória é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. DEDICATÓRIA Aos meus pais, os maiores amores da minha vida a quem dedico todas as minhas vitórias. Ao Paulo, companheiro de todos os momentos, pela compreensão e carinho ao longo do período de elaboração deste trabalho. Aos meus filhos Danilo e Gabriela, seres especiais, presença diária de amor e motivação. 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 20. 20 AGRADECIMENTOS (opcional) Texto em que o autor faz agradecimentos dirigidos àqueles que contribuíram de maneira relevante à elaboração do trabalho (ABNT, 2011a). O agradecimento é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. AGRADECIMENTOS À orientadora e amiga, Profª Drª __________, pela competência e respeito com que conduziu este processo, do alvorecer da ideia até a sua síntese. Às Professoras Drª. __________ e Drª. __________, pelas valiosas contribuições no Exame de Qualificação. Às minhas amigas, queridas, que acompanharam a minha trajetória desde muito: Amanda, Daniela e Juliana. À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo pela concessão da bolsa de mestrado e pelo apoio financeiro para a realização desta pesquisa. 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 21. 21 EPÍGRAFE (opcional) Texto em que o autor apresenta uma citação, seguida de indicação de autoria, relacionada ou não com a matéria tratada no corpo do trabalho (ABNT, 2011a). A quantidade e a qualidade da dor que sentimos são determinadas pelas nossas experiências prévias e de quanto bem nos lembramos dela; pela capacidade de entender suas causas e compreender suas consequências. Ainda, a cultura em que estamos inseridos tem papel essencial em como sentimos e respondemos à dor. (Melzack, Wall, 1991) 3 cm 2 cm
  • 22. 22 RESUMO O resumo deve ser estruturado, redigido em um único parágrafo, porém ressaltando o objetivo, o método, os resultados e as conclusões. Deve ser precedido da referência do documento, ser composto de uma sequência de frases concisas, afirmativas e não de enumeração de tópicos (ABNT, 2003a). A primeira frase deve ser significativa, explicando o tema principal do documento. A seguir, deve-se indicar a informação sobre a categoria do tratamento (estudo de caso, etc.). O verbo deverá estar na voz ativa e na terceira pessoa do singular (ABNT, 2003a). As palavras-chave devem figurar logo abaixo do resumo, antecedidas da expressão palavras-chave separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto (ABNT, 2003a). Elas devem ser retiradas, preferencialmente, do Descritor em Ciências da Saúde – DeCS (http//:decs.bvs.br). Evitar o uso de símbolos, contrações, fórmulas, equações, diagramas, etc. desde que não sejam absolutamente necessários (ABNT, 2003a). O resumo deve conter de 150 a 500 palavras para os trabalhos acadêmicos (teses, dissertações e outros) e relatórios técnico-científicos (ABNT, 2003a). O resumo é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
  • 23. 23 Araújo CRMA. Determinantes da anemia em mães e filhos no Brasil [tese]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2012. RESUMO Introdução: Anemia por carência alimentar de ferro é a deficiência nutricional mais frequente e preocupante do ponto de vista da saúde coletiva. Afeta principalmente crianças, gestantes e mulheres em idade fértil. Apesar das medidas de intervenção para prevenção e controle da anemia no Brasil, estudos mostram que as prevalências ainda continuam elevadas. Considerando que a ocorrência da anemia atrela-se a condições sociais e econômicas, este estudo tem como base a Teoria da Determinação Social do Processo Saúde Doença e analisa sua ocorrência em mães e filhos, considerando o contexto familiar. Objetivo: Investigar a situação da anemia e seus determinantes em mães e filhos no Brasil, considerando o contexto familiar. Médoto: Delineada como pesquisa transversal de abordagem quantitativa, o estudo utilizou o banco de dados da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Mulher e da Criança (PNDS) 2006, que foi realizada em amostra probabilística de domicílios. As informações foram coletadas de novembro/2006 a maio/2007 através de dois questionários, com informações básicas sobre o domicílio e seus moradores e informações detalhadas sobre o público-alvo, mulheres de 15 a 49 anos e seus filhos menores de 5 anos. Foram avaliadas cerca de 15 mil mulheres e 5 mil crianças, com amostragem representativa das cincomacrorregiões brasileiras e do contexto urbano e rural. Aproximadamente 40% dos comicílios foram selecionados para coleta de sangue das mulheres, porém todas as crianças nascidas a partir de janeiro de 2001 tiveram o sangue colhido, desde que filhos biológicos da entrevistada, independentemente do domicílio ter sido sorteado para a participação da mulher na coleta de sangue. Análise de hemoglobina foi realizada em 5.915 mulheres e 4.558 crianças... Resultados: A ocorrência de anemia foi de 36,8% em mães e/ou filhos, 23,4% nas mães e 17,0% nos filhos. Mães apresentaram chance 1,49 vezes maior de ter anemia do que os filhos, e não se verificou associação entre anemia nas mães e nos filhos... Conclusões: A ocorrência de anemia em mães e/ou filhos é maior nas macrorregiões menos desenvolvidas e em famílias com insegurança alimentar, o que evidencia a determinação social dessa carência nutricional... PALAVRAS-CHAVE: Anemia. Anemia ferropriva. Mães. Saúde da mulher. Saúde da criança. Saúde pública. Enfermagem primária. Fatores epidemiológicos 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 24. 24 ABSTRACT O abstract deve ser redigido em inglês, acompanhando o mesmo formato do resumo em português. Observar que na referência que precede o abstract, os itens nome do autor, instituição e local devem ser escritos em português. O abstract é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. Araújo MMT. When “a word of affection comforts more than any medicine”: needs and expectations of the patients under palliative care [thesis]. São Paulo (SP), Brasil: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2006. ABSTRACT The objective of this study was to know the expectations of the patients who have no therapeutic possibilities and who are under palliative care regarding nursing assistance during the dying process, as well as to identify these patients' needs related to communication with the nursing team. The data were collected during the first semester of 2005, through half-structured interviews with guided questions, among 39 oncologic patients without healing prognosis, having a limited capacity to perform activities and subjected to palliative chemotherapy in a hospital institution of the city of São Paulo, Brazil. After loyal transcription of the speeches, the data were analyzed according to the methodology of content analysis. From the interviewee speeches six categories emerged that proved the multidimensional suffering of cancer and its treatment, the fact that regardless of the suffering, life goes on; that spirituality and the family while acting as sources of support provide stimulation for confronting an advanced oncologic disease. The interviewees also revealed the nursing assistance which they desire and the role of note which represented the communication and interpersonal relationship for those who face the dying process. Therefore, it can be concluded that the interviewed patients redeemed the value of human relationships based on empathy and compassion as basis for the care they expect, desiring from the nursing professional a technical-scientific ability to perform actions necessary to relieve the suffering, especially an adequate control of pain, empathy and compassionate behavior, well informed and emotionally supportive. Interpersonal communication proved to be an important attribution to palliative care as long as its value has been prominent in the speeches, paying particular attention to the non-verbal signs of the professional for establishing a link of trust, the necessity of compassionate presence, the desire of not focusing the interaction and the relationship only on the disease and death and in its place concentrating on a cheerful verbal communication favoring optimism and good humor. KEYWORDS: Palliative care. Death. Terminally ill patient. Interpersonal communication. Oncologic nursing. 3 cm 2 cm 2 cm 3 cm
  • 25. 25 LISTA DE ILUSTRAÇÕES (opcional) Elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, travessão, título e respectivo número da folha ou página. Quando necessário, recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outras) (ABNT, 2011a). A lista de ilustrações é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. Consulte o capítulo sobre Ilustrações (3.6) para obter mais detalhes. LISTA DE ILUSTRAÇÕES 3 cm 2 cmFigura 1 Cérebro, com aracnóide-máter, parte craniana (vista superior) Figura 2 Figura 3 Figura 4 Figura 5 Figura 6 Cérebro, com aracnóide-máter, parte craniana (vista inferior) Artérias das faces basilar e medial do cérebro (vista medial) Cérebro, tronco do encéfalo, com o cerebelo, bem como com os nervos cranianos; após a remoção da pia-máter, parte craniana (vista inferior) Giros do hemisfério cerebral (vista medial) Lobos do cérebro (vista lateral) _ _ _ _ _ _ 12 13 20 35 38 42
  • 26. 26 LISTA DE TABELAS (opcional) Elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da folha ou página (ABNT, 2011a). A lista de tabelas é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. LISTA DE TABELAS 3 cm 2 cmTaxa de crescimento da população Esperança de vida ao nascer Proporção de menores de 5 anos de idade na população Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Tabela 5 Tabela 6 _ _ _ _ _ _ Tabela 7 Tabela 8 _ _ Taxa de mortalidade infantil Taxa de mortalidade perinatal Mortalidade proporcional por idade, em menores de 1 ano de idade 12 26 28 33 34 35 Razão de mortalidade materna Taxa de mortalidade em menores de 5 anos 68 75
  • 27. 27 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS (opcional) Consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto, seguidas das palavras ou expressões correspondentes gravadas por extenso. Recomenda-se elaborar uma lista para abreviaturas e outra para siglas (ABNT, 2011a). A lista de abreviaturas e siglas é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. LISTA DE ABREVIATURAS abr. abril adapt. adaptação anál. clín. análise(s) clínica(s) anat. anatomia aprox. aproximadamente bacteriol. bacteriologia cap. capítulo cir. cirurgia cód. código dez. dezembro embriol. embriologia farmac. farmacologia fig. figura hab. habitante(s) microbiol. microbiologia obstet. obstetrícia out. outubro p.ex. por exemplo 3 cm 2 cm
  • 28. 28 LISTA DE SIGLAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas BEMFAM Sociedade Civil do Bem-Estar Familiar BIREME Biblioteca Regional de Medicina CDC Center for Disease Control IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística OMS Organização Mundial da Saúde OPAS Organização Panamericana da Saúde PAISM Programa de Atendimento Integral à Saúde da Mulher PNDS Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde USP Universidade de São Paulo 3 cm 2 cm
  • 29. 29 LISTA DE SÍMBOLOS (opcional) Elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com o devido significado (ABNT, 2011a). A lista de símbolos é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. LISTA DE SÍMBOLOS ºC graus Celsius K graus Kelvin a* coordenada a C* croma H* ângulo hue L* luminosidade
  • 30. 30 SUMÁRIO Enumeração das divisões, seções e outras partes de uma publicação, na mesma ordem e grafia em que a matéria nele se sucede. O sumário deve ser localizado como último elemento Pré-texto (ABNT, 2003b). Regras gerais para apresentação (ABNT, 2003b): - a palavra sumário deve estar centralizada e ser utilizada a mesma fonte da seção primária. Mais detalhes, consulte Capítulo 4. - as subdivisões das seções devem ser apresentadas como está sendo utilizado no texto; - os elementos do Pré-Texto não devem fazer parte do sumário. O sumário é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto.
  • 32. 32 2.3 TEXTO INTRODUÇÃO Parte inicial do texto onde devem constar a delimitação do assunto tratado, objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho (ABNT, 2005). É nesta parte do texto que o autor justifica sua pesquisa e levanta o problema. DESENVOLVIMENTO Parte principal do texto que contém a exposição ordenada e detalhada do assunto. Divide-se em seções e subseções que variam em função da abordagem do tema e do método (ABNT, 2005): - objetivos: descreve a finalidade da realização do estudo a ser feito. O estudo pode ter objetivos gerais e objetivos específicos; - revisão da literatura: o autor levanta a bibliografia já existente sobre o assunto a ser abordado e verifica nesse momento se há trabalho similar ao seu; - métodos: descreve o caminho que a pesquisa irá percorrer para alcançar o objetivo. Recomenda-se que o texto siga uma lógica e possua clareza a ponto de outro pesquisador que ler o trabalho acadêmico conseguir reproduzir, de forma idêntica, a pesquisa realizada. Segundo Gil (2007), a metodologia deve incluir os tipos de pesquisa (experimental, estudo de caso, etc.), população e amostra, coleta de dados (questionário, testes, etc.) e análise dos dados (análise quantitativa, qualitativa, etc.). Pesquisas que envolvem seres humanos precisam do parecer do
  • 33. 33 Comitê de Ética em Pesquisa. Entre no link http://www.ee.usp.br/pesquisa/site/comite%20de%20%20etica%20plataforma%20brasil.html, realize o cadastro e siga as orientações do site Plataforma Brasil; - resultados: apresentação dos dados coletados que podem ser quantitativos ou narrativos; - discussão: a partir do que o autor levantou, ele faz uma análise e interpretação dos dados obtidos nos resultados. É nesta parte que o autor tem a oportunidade de fazer a ligação entre o Problema, os Resultados e a comparação com outros trabalhos anteriormente publicados. CONCLUSÃO Parte final do texto na qual se apresentam conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses (ABNT, 2005). Na pesquisa qualitativa, recomenda-se acrescentar após o item Conclusão, as Considerações Finais, pois segundo Marconi e Lakatos (2009), “a finalidade da pesquisa científica não é apenas a de fazer um relatório ou descrição dos dados pesquisados, mas relatar o desenvolvimento de um caráter interpretativo no que se refere aos dados obtidos”. 2.4 PÓS-TEXTO
  • 34. 34 REFERÊNCIAS Conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento que permite sua identificação individual (ABNT, 2002a). Consulte o capítulo 6 (Referências) e 7 (Exemplos de Referências) para mais informações. GLOSSÁRIO (opcional) O glossário deve ser utilizado quando o texto possui termos pouco conhecidos. Sua apresentação segue o formato de um dicionário e tem a finalidade de esclarecer os seus significados. O glossário é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. GLOSSÁRIO Termo geralmente utilizado para descrever queixas relacionadas a erros de refração, desequilíbrio do músculo ocular, incluindo dor ao redor dos olhos, ardência e coceira das pálpebras, fadiga ocular e cefaléias. Manifestação fenotípica de um gene (ou genes) pelos processos de transcrição genética e tradução genética. Anomalia congênita ou desenvolvida em que o globo ocular é anormalmente pequeno. Prática profissional voltada para os cuidados básicos com os olhos e com a visão, que inclui a medição do poder refrativo visual e a correção dos defeitos visuais com lentes ou óculos. Estudo e tratamento de defeitos da visão binocular resultante de defeitos na musculatura ótica ou de hábitos visuais deficientes. Envolve uma técnica de exercícios para o olho desenvolvida para corrigir os eixos visuais que não estiverem coordenados de forma apropriada para permitir a visão binocular. ___________________ *Fonte: Descritores em Ciências da Saúde (DeCS). Disponível em: http://decs.bvs.br/. Acesso em: 12 nov. 2012. Astenopia Expressão Gênica Microfitalmia Optometria Ortóptica
  • 35. 35 APÊNDICES (opcional) Texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho (ABNT, 2005). Utilizam-se letras maiúsculas dobradas (por exemplo: AA, AB, AC, AD...), na identificação dos apêndices quando esgotadas as letras do alfabeto (ABNT, 2011a). Os apêndices podem ser utilizados para apresentação dos questionários, roteiro de entrevistas, etc. A paginação do apêndice deve ser contínua ao do texto. O apêndice é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. APÊNDICE A – Questionário 1. Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino 2. Idade: ( ) 15 a 25 anos ( ) 26 a 35 anos ( ) 36 a 45 anos ( ) 46 a 55 anos ( ) 56 anos ou mais 3. Atividade profissional:______________________________ 4. Grau de escolaridade: ( ) Ensino fundamental incompleto ( ) Ensino fundamental completo ( ) Ensino médio incompleto ( ) Ensino médio completo ( ) Ensino superior incompleto ( ) Ensino superior completo ( ) Outros________________________________________________ 5. Renda mensal: ( ) 1 a 5 salários mínimos ( ) 6 a 10 salários mínimos ( ) 11 a 15 salários mínimos ( ) 16 a 20 salários mínimos ( ) mais de 21 salários mínimos
  • 36. 36 ANEXOS (opcional) Texto ou documento não elaborado pelo autor que serve de fundamentação, comprovação e ilustração (ABNT, 2005). A paginação do anexo deve ser contínua ao do texto. O anexo é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. ANEXO 1 - INVENTÁRIO DE ANSIEDADE TRAÇO Instruções: Seguem-se algumas afirmações que estão sendo usadas para descrever sentimento pessoais. Leia-as e faça um círculo ao redor do número que melhor indicar como você geralmente se sente. Não há respostas certas ou erradas. Não gaste muito tempo numa única afirmação, mas tente dar respostas que mais se aproximar de como você geralmente se sente. 1. Sinto-me bem. 1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre 2. Canso-me facilmente 1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre 3. Tenho vontade de chorar. 1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre 4. Gostaria de ser tão feliz quanto os outros parecem ser. 1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre 5. Perco oportunidades porque não consigo tomar decisões rapidamente. 1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre 6. Sinto-me descansado. 1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre 7. Sou calmo. 1. quase nunca 2. às vezes 3. bastante 4. quase sempre
  • 37. 37 ÍNDICE (opcional) É uma lista detalhada dos assuntos, nomes de pessoas, instituições, nomes geográficos, acontecimentos, e devem ser preferencialmente, ordenados alfabeticamente, com indicação da sua localização na página da publicação em que aparece (OLIVEIRA, 2002). A paginação do índice deve ser contínua ao do texto. O índice é um título sem indicativo numérico, ou seja, não possui identificação numérica como as outras seções, portanto, o título deve estar centralizado e negritado no texto. ÍNDICE A Abdome distendido, 20, 116, 129 globoso, 52, 54 parede do, 11, 57, 101, 104 Acidose metabólica, 70 B Bacteriúria, 44 Bile, drenagem da, 37, 41 C Colite ulcerativa, 12, 60 Colostomia ascendente, 33, 39 direita, 40 indicações de, 45, 55, 79, 87, 102 D Dor abdominal, 46, 85, 110 crônica, 93 pós-operatória, 46
  • 38. 38 3 REGRAS GERAIS DE FORMATAÇÃO DO TEXTO 3.1 REDAÇÃO Utilize um estilo sóbrio, preciso, objetivo e claro para que o leitor consiga entender o raciocínio e as ideias do autor, de uma forma direta (Severino, 2007). Procure escrever os textos na terceira pessoa, ou seja, ao invés de utilizar “minha pesquisa”, “minhas análises”, utilize “esta pesquisa”, “estas análises”. Escreva também na voz ativa, ao invés de voz passiva, pois a leitura torna-se de mais fácil compreensão. Evite usar adjetivos e generalizações. 3.2 USO DE NUMERAIS Para números com apenas um dígito (de 1 a 9), escreva por extenso. Números a partir de dois dígitos podem ser escritos em números arábicos. Exceções: início de frase, números cem (100) e mil (1000), idade e tempo (Martins, 2006). 3.3 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA DAS SEÇÕES Destacam-se gradativamente os títulos das seções, utilizando o recurso de negrito, no sumário e, de forma idêntica, no texto (ABNT, 2011a).
  • 39. 39 3.4 SIGLAS Quando mencionada pela primeira vez no texto, deve ser indicada entre parênteses, precedida do nome completo (ABNT, 2011a). Poderá, também, ser utilizada com o uso do travessão. 3.5 EQUAÇÕES E FÓRMULAS Para facilitar a leitura, devem ser destacadas no texto e, se necessário, numeradas com algarismos arábicos entre parênteses, alinhados à direita. Na sequência normal do texto é permitido o uso de uma entrelinha maior que comporte seus elementos (expoentes, índices, entre outros) (ABNT, 2011a). 3.6 ILUSTRAÇÕES (figuras, quadros, gráficos, etc.) Qualquer que seja o tipo de ilustração, sua identificação aparece na parte superior, precedida da palavra designativa (desenho, esquema, fluxograma, fotografia, gráfico, mapa, organograma, planta, quadro, retrato, figura, imagem, entre outros), seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto, em algarismos arábicos, travessão e do respectivo título. Após a ilustração, na parte inferior, indicar a fonte consultada, legenda, notas e outras informações necessárias à sua compreensão (se houver). A ilustração deve ser citada no texto e inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere (ABNT, 2011a). Caso utilize mais de 3 ilustrações, inclua a Lista de Ilustrações. Consulte o capítulo 2.2 Pré-Texto.
  • 40. 40
  • 41. 41 3.7 TABELAS Tabela é a forma não discursiva de apresentação de informações, das quais o dado numérico se destaca como informação central e devem ser numeradas sequencialmente, na ordem em que forem citadas no texto (IBGE, 1993). Deve ser inserido o mais próximo possível do trecho a que se refere (ABNT, 2011a). Ao utilizar várias tabelas, inclua a Lista de Tabelas. Consulte o capítulo 2.2 Pré- Texto.
  • 42. 42 Seguem algumas recomendações do IBGE: • O texto contido na tabela deve estar alinhado horizontalmente e não na vertical, para facilitar a leitura dos dados; § A tabela deve ser colocada em posição vertical, para facilitar a leitura dos dados. Caso o espaço não seja suficiente, colocá-la em posição horizontal com o título voltado para a margem esquerda da folha; § Se a tabela não couber em uma página, pode ser continuada na página seguinte. Nesse caso, a tabela interrompida não será delimitada por traço horizontal na parte inferior (não será fechada) e o cabeçalho será repetido na página seguinte;
  • 43. 43 § Quando a tabela pertencer a um capítulo, a numeração deve seguir a ordem precedida do número do capítulo (ver exemplo abaixo, sinalizado em azul):
  • 44. 44 4 FORMATAÇÃO DO TEXTO Os textos devem ser digitados em cor preta, podendo utilizar outras cores somente para as ilustrações. Utilizar papel branco ou reciclado, no formato A4 (21cm X 29,7cm). O pré-texto (folha de rosto, errata, folha de aprovação, dedicatória, agradecimentos, epígrafe, resumo, abstract, listas, sumário) deve ser impresso somente do lado anverso da folha, exceto o verso da folha de rosto. O restante do trabalho deve ser impresso no formato frente-e-verso a partir da Introdução (no Word, utilize a opção Margens Personalizadas, escolha a opção Margens Espelho e ajuste o tamanho das margens, se necessário). As margens para o texto devem ter (ABNT, 2011a): Utilize a fonte Times New Roman ou Arial, obedecendo aos seguintes tamanhos: Superior 3,0 cm Interna (lado que será encadernado) 3,0 cm Inferior 2,0 cm Externa 2,0 cm Tamanho  14 Negrito Caixa  Alta Títulos  das  seções  primárias  (dos  capítulos) Capa Folha  de  Rosto  (autor,  título  do  trabalho  e  local) Títulos  das  seções  secundárias  (dos  capítulos) Títulos  das  seções  terciárias  (dos  capítulos) Títulos  das  seções  quaternárias  (dos  capítulos) Títulos  das  seções  quinárias  (dos  capítulos) Corpo  do  texto   Demais  informações  contidas  na  Folha  de  Rosto Citações  diretas  com  mais  de  três  linhas Notas  de  rodapé Legendas  das  ilustrações  e  tabelas Tamanho  12 Negrito Inicial  Maiúscula Tamanho  13 Negrito Caixa  Alta Tamanho  12 Sem  negrito Tamanho  10 Sem  negrito MedidaMargem
  • 45. 45 Todo capítulo da seção primária deve ser iniciado em uma nova página. ESPAÇAMENTO O texto todo deve ser digitado com espaço de um e meio (1,5 cm) entre as linhas, exceto as citações diretas com mais de três linhas, notas de rodapé, referências, legendas das ilustrações e da tabela, natureza (tipo do trabalho, objetivo, nome da instituição a que é submetido e área de concentração), que devem ser digitados em espaço simples. As
  • 46. 46 referências, ao final do trabalho, devem ser separadas entre si por espaço simples (ABNT, 2011a). PAGINAÇÃO As páginas do Pré-Texto devem ser contadas, mas não numeradas (ABNT, 2011a). A numeração da página deve iniciar na primeira página do Texto, utilizando algarismos arábicos (1, 2, 3, 4...), no canto superior direito e no verso deverá ser colocada no canto superior esquerdo. 4.1 REPRODUÇÃO E ENCADERNAÇÃO 4.2 DEPÓSITO NA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES DA USP O aluno deve entregar ao Serviço de Pós-Graduação uma cópia da dissertação ou tese em CD-ROM no formato Word® para Windows e o Formulário de Autorização preenchido e assinado, disponível no endereço http://pandora.cisc.usp.br/tde, para cadastramento no Portal de Teses Digitais da USP. Para conhecer o Portal de Teses da USP, acesse http://www.teses.usp.br.
  • 47. 47 5 TIPOS DE CITAÇÃO NO TEXTO E SISTEMAS DE CITAÇÃO Citação é a menção no texto, de uma informação extraída de uma outra fonte (ABNT, 2002b). 5.1 CITAÇÃO DIRETA É a transcrição idêntica do texto de parte da obra consultada (ABNT, 2002b). COM ATÉ TRÊS LINHAS Segundo Severino (2007, p. 214) “Quaisquer que sejam as distinções que se possam fazer para caracterizar as várias formas de trabalhos científicos, é preciso afirmar preliminarmente que todos eles têm em comum a necessária procedência de um trabalho de pesquisa [...]”. “O texto do resumo deve ser composto de um único parágrafo, com uma extensão entre 200 e 250 palavras [...] computando-se todos os seus elementos” (Severino, 2007, p. 209). ou (SEVERINO, 2007, p. 209). Autor mencionado no início da frase Autor mencionado no final da frase Modelo Vancouver Modelo ABNT Modelo Vancouver e ABNT
  • 48. 48 COM MAIS DE TRÊS LINHAS 5.2 CITAÇÃO INDIRETA Texto baseado na obra do autor consultado, escrito com as próprias palavras (ABNT, 2002b). Fonte tamanho 10 Modelo Vancouver e ABNT Autor mencionado no início da frase Uma revisão sistemática, assim como outros tipos de estudo de revisão, é uma forma de pesquisa que utiliza como fonte de dados a literatura sobre determinado tema. Esse tipo de investigação disponibiliza um resumo das evidências relacionadas a uma estratégia de intervenção específica, mediante a aplicação de métodos explícitos e sistematizados de busca, apreciação crítica e síntese da informação selecionada (Sampaio e Mancini, 2007, p. 84). ou (SAMPAIO; MANCINI, 2007, p. 84). Fonte tamanho 10Autor mencionado no final da frase Em seu artigo, Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica, Sampaio e Mancini, (2007, p. 84) destaca que: Uma revisão sistemática, assim como outros tipos de estudo de revisão, é uma forma de pesquisa que utiliza como fonte de dados a literatura sobre determinado tema. Esse tipo de investigação disponibiliza um resumo das evidências relacionadas a uma estratégia de intervenção específica, mediante a aplicação de métodos explícitos e sistematizados de busca, apreciação crítica e síntese da informação selecionada. Modelo ABNT Modelo Vancouver Fonte tamanho 10 “Terminado o levantamento bibliográfico, é chegado o momento de iniciar o trabalho da pesquisa propriamente dita, o momento da leitura e da documentação”. Segundo Severino (2000), após a realização do levantamento bibliográfico, faz-se a leitura e os apontamentos para dar início ao trabalho da pesquisa. Modelo Vancouver e ABNT Texto original do autor Texto alterado, com as ideias do autor
  • 49. 49 5.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO Citação direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original (ABNT, 2002b). O uso do “apud” ou “citado por” deve ser evitado e utilizado somente em caso de extrema necessidade, como por exemplo, nos casos em que a obra esteja esgotada e de difícil acesso. 5.4 CITAÇÃO DE FONTES INFORMAIS Quando se tratar de dados obtidos por informação verbal (palestras, debates, comunicações, etc.), indicar, entre parênteses, a expressão “informação verbal”, mencionando os dados disponíveis, em nota de rodapé (ABNT, 2002b). Segundo Silva (1983 apud Abreu, 1999, p. 3) diz ser [...] Modelo Vancouver e ABNT NORODAPÉNOTEXTO Vacina contra gripe estará disponível até o dia 14 de junho de 2012 (informação verbal)*. *Notícia fornecida pelo secretário da Prefeitura Municipal de Itupeva, em 13 de junho de 2012. Vancouver e ABNT
  • 50. 50 TRABALHOS EM FASE DE ELABORAÇÃO Na citação de trabalhos em fase de elaboração, deve ser mencionado o fato, indicando os dados disponíveis, em nota de rodapé (ABNT, 2002b). TRABALHOS EM FASE DE IMPRESSÃO Trabalhos que estiverem em fase de impressão podem ser citados no texto, porém, na Lista de Referência, após a menção de todos os elementos da obra, deve ser acrescida a palavra “No prelo” para texto em português e “In press” para texto em outro idioma. NORODAPÉNOTEXTO Os poetas selecionados contribuíram para a consolidação da poesia no Rio Grande do Sul, séculos XIX e XX (em fase de elaboração)*. *Poetas rio-grandenses, de autoria de Elvo Clemente, a ser editado pela EDIPUCRS, 2002. Vancouver e ABNT ABNTVancouver Marins JLC. Massa calcificada da naso-faringe. Radiol Bras. 1991(23). No prelo. MARINS, J. L. C. Massa calcificada da naso-faringe. Radiol. Bras. n. 23, 1991. No Prelo.
  • 51. 51 5.5 USO DO NEGRITO, SUBLINHADO OU ITÁLICO NAS CITAÇÕES Para enfatizar trechos da citação, destaque com negrito e use a expressão “grifo nosso” entre parênteses, após a chamada da citação, ou “grifo do autor”, caso o destaque já faça parte da obra consultada (ABNT, 2002b). 5.6 SISTEMAS DE CITAÇÃO Sistemas de citação (ou sistemas de chamada) têm como objetivo padronizar a forma de apresentação das citações no texto. Estas citações deverão ter uma correlação com a Lista de Referências (ABNT, 2002b). Dois tipos de sistemas são utilizados: Sistema Autor-Data e Sistema Numérico. A vantagem do Sistema Autor-Data é que possibilita o reconhecimento do autor citado no momento da leitura do texto, enquanto no Sistema Numérico o leitor deverá interromper a leitura e consultar a Lista de Referências, caso queira identificar o autor citado (USP, 2008). VancouverABNT “[...] para que não tenha lugar a producção de degenerados, quer physicos quer moraes, misérias, verdadeiras ameaças à sociedade.” (Souto, 1916, p. 46, grifo nosso). “[...] para que não tenha lugar a producção de degenerados, quer physicos quer moraes, misérias, verdadeiras ameaças à sociedade.” (SOUTO, 1916, p. 46, grifo nosso).
  • 52. 52 AUTOR-DATA As citações são indicadas pelo sobrenome do autor, seguido da data de publicação do trabalho (ABNT, 2002b). Um autor No texto Dois autores No texto Vancouver eABNT Vancouver Segundo Secaf (2010), trabalho científico é uma tomada [...]. [...] sobre escrever um trabalho científico (Secaf, 2010). ABNT [...] sobre escrever um trabalho científico (SECAF, 2010). Vancouver eABNT Vancouver Nahas e Ferreira (2005) assinalam que o uso [...] [...] (Nahas, Ferreira, 2005). ABNT [...] (NAHAS; FERREIRA, 2005). Utilize no final da frase Utilize no final da frase
  • 53. 53 Até três autores No texto Mais de três autores No texto Vancouver eABNT Vancouver Mendes, Silveira e Galvão (2008) foram os [...] [...] (Mendes, Silveira, Galvão, 2008). ABNT [...] (MENDES; SILVEIRA; GALVÃO, 2008). Utilize no final da frase Utilize no final da frase Vancouver eABNT Vancouver Joventino et al. (2011) verificaram [...] [...] (Joventino et al., 2011). ABNT [...] (JOVENTINO et al., 2011). Utilize no final da frase Utilize no final da frase
  • 54. 54 Trabalhos do mesmo autor com coincidência de ano de publicação No texto Trabalhos do mesmo autor com diferentes datas de publicação No texto Vancouver eABNT Vancouver Joventino et al. (2011a) verificaram [...] [...] (Joventino et al., 2011b). ABNT [...] (JOVENTINO et al., 2011b). Utilize no final da frase Utilize no final da frase Vancouver eABNT Vancouver [...] sugere Cunha (1999, 2002, 2011) [...] (Cunha, 1999, 2002, 2011). ABNT [...] (CUNHA, 1999, 2002, 2011). Utilize no final da frase Utilize no final da frase
  • 55. 55 Coincidência de sobrenomes de autores e ano de publicação No texto Caso a inicial do nome dos autores também seja igual, diferencie utilizando o nome por extenso. No texto Vancouver eABNT Vancouver Queiroz, Fernando (2009) e Queiroz, Fábio (2009) estudaram [...] [...] (Queiroz Fernando, 2009; Queiroz Fábio, 2009). ABNT [...] (QUEIROZ, Fernando, 2009; QUEIROZ, Fábio, 2009). Utilize no final da frase Utilize no final da frase Vancouver eABNT Vancouver Oliveira L. (2012) Oliveira S. (2012) [...] (Oliveira L, 2012; Oliveira S, 2012). ABNT [...] (OLIVEIRA, L., 2012; OLIVEIRA, S., 2012). Utilize no final da frase Utilize no final da frase Diferencie os autores pela inicial do nome
  • 56. 56 Citação de vários trabalhos de autores diferentes No texto (iniciando o parágrafo pelos autores) No texto (autores mencionados entre parênteses) Entidades coletivas Quando citadas pela primeira vez No texto Vancouver eABNT Andrade (1999), Batista (2003), Campos (1999) e Guimarães (2005) estudaram a importância [...]. Cite os autores por ordem alfabética. Havendo coincidência de sobrenome, estes autores deverão ser ordenados na sequência cronológica. Vancouver [...] (Cunha, 2011; Oliveira, 2012; Queiroz, 2009). ABNT [...] (CUNHA, 2011; OLIVEIRA, 2012; QUEIROZ, 2009). Vancouver eABNT Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2010 [...] Por extenso, seguido da sigla
  • 57. 57 Citadas a partir da segunda vez No texto Publicações sem autoria expressa No texto (citação sem autoria, entrada pelo título da obra) Vancouver eABNT De acordo com o Relatório da OMS (2010) foi durante [...] Somente a sigla Vancouver eABNT Vancouver De acordo com a publicação Jornal Brasileiro de Pneumonologia... (2004) publicar artigos científicos [...] [...] (Jornal Brasileiro de Pneumonologia ..., 2004). ABNT [...] (JORNAL BRASILEIRO DE PNEUMONOLOGIA..., 2004). Utilize no final da frase Utilize no final da frase
  • 58. 58 Eventos (Congresso, Conferência, Seminário, etc.) No texto SISTEMA NUMÉRICO Vancouver eABNT Vancouver De acordo com os trabalhos apresentados no Congresso Brasileiro de Enfermagem (2010) [...] [...] (Congresso Brasileiro de Enfermagem, 2010). ABNT [...] (CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM, 2010). Utilize no final da frase Utilize no final da frase O documento mostra a situação da enfermagem no Brasil (14) . Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) os países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento 12 . Sampaio (5) em seu estudo encontrou dados relevantes [...] Use (14) ou 12
  • 59. 59 5.7 EXCLUSÃO DE PARTES DE TEXTO, ACRÉSCIMOS E COMENTÁRIOS Devem ser indicadas as exclusões de partes de texto, acréscimos e comentários, do seguinte modo (ABNT, 2002b): - Para exclusão de partes do texto, use [...] - Para acréscimos e comentários, use [ ] 5.8 NOTAS DE RODAPÉ Notas esclarecedoras feitas pelo autor, com informações que complementam o texto. Utilize: § Asterisco (*) quando não ultrapassarem três por página; § Números arábicos sequenciais (1, 2, 3...). Vancouver eABNT Vancouver eABNT Segundo Oliveira (2004, p.123), na medida em que o pesquisador necessitar de informações mais recentes e atualizadas deve procurar artigos em revistas [...] com o objetivo de reunir a documentação relativa à pesquisa. Segundo Oliveira (2004, p.123), na medida em que o pesquisador necessitar de informações mais recentes e atualizadas deve procurar artigos em revistas [e também nas dissertações e teses] [...] com o objetivo de reunir a documentação relativa à pesquisa . Use para excluir partes do texto Use para acrescentar comentários
  • 60. 60 6 REFERÊNCIAS Conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento, que permite sua identificação individual (ABNT, 2002a). As referências podem ser organizadas de duas formas: - ordem alfabética: para citações no texto utilizando Sistema Autor-Data, ou seja, as citações aparecem no texto pelo sobrenome e ano de publicação. - ordem numérica: para citações no texto utilizando Sistema Numérico, ou seja, há um número sobrescrito identificando as citações.
  • 61. 61 REFERÊNCIAS ESTILO VANCOUVER (Sistema Autor-Data) REFERÊNCIAS Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977. Brasil. Lei n. 7.498 de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1, p. 1. Freire P. Educação e mudança. 21ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1997. Horta WA. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU; 1979. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ª ed. São Paulo: Hucitec; 2004. Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes; 1994. Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.
  • 62. 62 REFERÊNCIAS ESTILO VANCOUVER (Sistema Numérico) REFERÊNCIAS 1 Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2004. 2 Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ª ed. São Paulo: Hucitec; 2004. 3 Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977. 4 Horta WA. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU; 1979. 5 Brasil. Lei n. 7.498 de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1, p.1. 6 Freire P. Educação e mudança. 21ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1997 7 Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes; 1994.
  • 63. 63 REFERÊNCIAS MODELO ABNT (Sistema Autor-Data) Em alguns casos, o autor pode acrescentar após as Referências, a Bibliografia Consultada para informar referências não citadas no texto, porém consultadas para dar embasamento à sua pesquisa. REFERÊNCIAS MODELO ABNT (Sistema Numérico) A ABNT não possui Sistema Numérico. REFERÊNCIAS BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977. BRASIL. Lei nº. 7.498 de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1, p. 1. FREIRE, P. Educação e mudança. 21. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. HORTA, W. A. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU, 1979. MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004. POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.
  • 64. 64 6.1 AUTORIA § Autor(es): pessoa(s) física(s) responsável(eis) pela criação do conteúdo intelectual ou artístico de um documento. § Autor(es) entidade(s): instituição(ões), organização(ões), empresa(s), comitê(s), comissão(ões), evento(s) entre outros, responsável(eis) por publicações em que não se distingue a autoria pessoal (ABNT, 2002a). VÁRIOS AUTORES Vancouver Cianciarullo TI, Gualda DMR, Melleiro MM, Anabuko MH. Peres HHC, Lima AFC, Cruz DALM, Gaidzinski RR, Oliveira NB, Ortiz DCF et al. CRUZ, D. A. L. M.; RIESCO, M. L. G.; OLIVEIRA, S. M. J. V. PERES, H. H. C. et al. Referencie até 6 autores. Mais que 6, utilize a expressão latina “et al” Referencie até 3 autores. Mais que 3, indique apenas o primeiro autor, seguido da expressão latina “et al” ABNTVancouver Fujimori E Faro ACM FUJIMORI, E. FARO, Ana Cristina Mancussi e Na Referência, a entrada do autor inicia pelo sobrenome seguido pelas iniciais do nome e prenome (as preposições devem ser omitidas) Caso utilize o nome completo do autor, as preposições devem ser mantidas ABNT Até 6 autores Mais de 6 autores Até 3 autores Mais de 3 autores
  • 65. 65 RESPONSABILIDADE INTELECTUAL (editores, organizadores, coordenadores, etc.) NOMES LIGADOS POR HÍFEN NOMES CONSTITUÍDOS DE DUAS OU MAIS PALAVRAS QUE FORMEM UMA EXPRESSÃO Vancouver Kurcgant P, organizadora Santos FS, editor KURCGANT, P. (Org.) SANTOS, F. S. (Ed.) ABNTVancouver Schimidt-Rohr K SCHIMIDT-ROHR, K ABNT Klaus Schimidt-Rohr Klaus Schimidt-Rohr Vancouver Castelo Branco C CASTELO BRANCO, C. ABNT Camilo Castelo Branco Camilo Castelo Branco
  • 66. 66 NOMES QUE POSSUAM DESIGNAÇÃO DE PARENTESCO NOMES ESPANHÓIS NOMES COM PREFIXO ABNTVancouver Amorim Neto RC AMORIM NETO, R. C. Utilize esta regra para os seguintes sobrenomes com designação de parentesco: Filho, Júnior, Sobrinho, etc. Para sobrenomes ingleses, acrescente a designação de parentesco após a inicial do nome: Davis R Jr Roque do Carmo Amorim Neto Roque do Carmo Amorim Neto ABNTVancouver Rodríguez Jiménez A RODRÍGUEZ JIMÉNEZ, A. Antonio Rodríguez Jiménez Antonio Rodríguez Jiménez ABNTVancouver Van Dyke K MacDonald J Le Guay F O’Conner RP Du Bois EF D’Albuquerque AC VAN DYKE, K. MACDONALD, J. LE GUAY, F. O’CONNER, R. P. DU BOIS, E. F. D’ALBUQUERQUE, A. C.
  • 67. 67 NOME CHINÊS NOME JAPONÊS ABNTVancouver Jung C Zhou WH JUNG, C. ZHOU, W. H. Jung Chang Zhou Wei Hui Jung Chang Zhou Wei Hui Vancouver Bashô M Kurosawa A BASHÔ, M. KUROSAWA, A. ABNT Matsuô Bashô Akira Kurosawa Matsuô Bashô Akira Kurosawa
  • 68. 68 VÁRIOS TRABALHOS DE UM MESMO AUTOR No estilo Vancouver, quando for referenciar dois ou mais trabalhos do mesmo autor, deve ser colocado o sobrenome e as iniciais do nome. Na norma ABNT, usar um traço. AUTORES CORPORATIVOS As obras de responsabilidade de entidades (órgãos governamentais, empresas, associações, etc.) têm entrada, de modo geral, pelo nome da entidade. Quando a entidade tem uma denominação genérica, seu nome é precedido pelo nome do órgão superior, ou pelo nome da jurisdição geográfica à qual pertence. Em caso de duplicidade de nomes, acrescentar no final a unidade geográfica que identifica a jurisdição, entre parênteses (ABNT, 2002a). Quando houver duas ou mais organizações diferentes, de equivalentes hierarquias, separe por ponto e vírgula. Para os casos de igual subordinação hierárquica, separe por vírgula. Vancouver Minayo MCS. O desafio do conhecimento. 8.ed. São Paulo: Hucitec; 2004. Minayo MCS. Violência e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2010. ABNT MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. 8.ed. São Paulo: Hucitec, 2004. ________. Violência e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2010. Vancouver Brasil. Ministério da Saúde; Organização Mundial da Saúde. Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas Públicas. Associação Brasileira de Enfermagem. São Paulo (Estado). Secretaria de Estado da Saúde. Biblioteca Nacional (Portugal). ABNT BRASIL. Ministério da Saúde; Organização Mundial da Saúde. BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas Públicas. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM. SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Saúde. BIBLIOTECA NACIONAL (Portugal).
  • 69. 69 6.2 TÍTULO ENTRADAS PELO TÍTULO Utilize para obras sem autoria. TÍTULOS DE EVENTOS (congresso, simpósio, seminário, etc.) Vancouver O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. ABNT O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Vancouver Cecil texbook of medicine AME Dicionário de administração de medicamentos na enfermagem ABNT CECIL texbook of medicine AME Dicionário de administração de medicamentos na enfermagem Vancouver 62º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2010 out. 11-5; Florianópolis, SC. ABNT Congresso Brasileiro de Enfermagem, 62., 2010, Florianópolis.
  • 70. 70 TÍTULOS TRADUZIDOS TÍTULOS DE PERIÓDICOS Vancouver Para títulos de periódicos com mais de uma palavra, consulte a padronização do título abreviado em “Journals in NCBI Database”, no Portal Pubmed, disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/nlmcatalog/journals. Para títulos com apenas uma palavra, não abreviar. ABNT Os títulos de periódicos podem ser apresentados por extenso ou abreviados de acordo com a NBR 6032 (ABNT, 1989) e em negrito. Vancouver Swearingem PL, Howard CH. Atlas fotográfico de procedimentos de enfermagem. Trad. de Rosali Isabel Barduchi Ohl. ABNT Swearingem, P. L.; Howard, C. H. Atlas fotográfico de procedimentos de enfermagem. Tradução de Rosali Isabel Barduchi Ohl. Vancouver Nurs Res Pract. Rev Esc Enferm USP. Nursing Research and Practice. Revista da Escola de Enfermagem da USP. ABNT Nursing Research and Practice, Nurs. Res. Pract., Revista da Escola de Enfermagem da USP, Rev. Esc. Enferm. USP.,
  • 71. 71 6.3 EDIÇÃO 6.4 NOTAS TIPOGRÁFICAS (local de publicação, editora e ano) Vancouver 2ª ed. 3ª ed. rev. ampl. 2 nd ed. 20 th ed. 2. ed. 3. ed. rev. ampl. 3 rd ed. 20 th ed. ABNT Omitir quando se tratar da 1ª edição Vancouver Barueri: Manole; 2012. Barueri: Manole, 2012. ABNT Cidade: Editora; Ano de publicação. Cidade: Editora; Ano de publicação.
  • 72. 72 CIDADE EDITORA Vancouver eABNT Utilize quando desconhecido o local de publicação Utilize quando conhecido, mas não mencionado Identifique cidades homônimas O nome do local (cidade) de publicação deve ser indicado tal como figura no documento Cidade Editora Ano de publicação [S.l.]: [São Paulo]: Viçosa (RN): Viçosa (MG): New York: Nova Iorque: Vancouver eABNT Porto Alegre: Artes Médicas Philadelphia: WB Saunders Utilize quando desconhecida a editora. Omita a palavra Editora, Livraria, Ltda., S.A. etc. Obs.: Se a Editora for mencionada na Autoria, omita neste campo. Cidade Editora Ano de publicação [s.n.]: Vozes: Se possuir duas ou mais Editoras, mencione a primeira citada. Até 2 editoras, indicam-se ambas. Mais que 2, indica-se a primeira ou a que estiver em destaque. Vancouver ABNT
  • 73. 73 DATA DE PUBLICAÇÃO SEM DATA DE PUBLICAÇÃO DATAS INCERTAS DE PUBLICAÇÃO Cidade Editora Ano de publicação São Paulo: Edusp; 2012. São Caetano do Sul: Yendis; 2011. São Paulo: Edusp, 2012. São Caetano do Sul: Yendis, 2011. Vancouver ABNT São Paulo: Cortez; [s.d.] São Paulo: Cortez, [s.d.] Vancouver ABNT Vancouver eABNT [1960 ou 1961] um ano ou outro [1955?] data provável [1972] data certa, mas não indicada no documento [entre 1910 e 1916] para indicar intervalos menores que 20 anos [ca. 1980] data aproximada [198-] década certa [198-?] década provável [18--] século certo [18--?] século provável [s.d.] não identificação da data da publicação
  • 74. 74 6.5 DESCRIÇÃO FÍSICA PAGINAÇÃO INDICAÇÃO DE VOLUME Indicação de volume para livros, capítulos ou partes Vancouver Livro no todo (opcional) Capítulos ou partes de livros Artigos de periódicos Livro no todo (opcional) Capítulos ou partes de livros Artigos de periódicos ABNT 530 p. p. 30-8. :485-502 :485-93 :485-9 530 p. p. 30-8. p. 485-502. Vancouver São Paulo: Cortez; 2008. v. 1. Porto Alegre: Artes Médicas; 2007. 2 v. ABNT São Paulo: Cortez, 2008. v. 1. Porto Alegre: Artes Médicas, 2007. 2 v.
  • 75. 75 Indicação de volume para periódicos Indicação de fascículos para periódicos Vancouver 2000;15 ABNT São Paulo, v. 15 ano volume Vancouver Am J Nurs. 2004;104(3) Int J Nurs Stud. 2003;(2) ABNT American Journal of Nursing, v. 104, n. 3 Am. J. Nurs., v. 104, n. 3 International Journal of Nursing Studies, v. 40, n. 2 Int. J. Nurs. Stud., v. 40, n. 2 ano volume fascículo ano fascículo
  • 76. 76 6.6 SÉRIES E COLEÇÕES Recursos criados pelos editores ou pelas instituições responsáveis, para reunir conjuntos específicos de obras que recebem o mesmo tratamento gráfico-editorial (ABNT, 2002a). Vancouver eABNT (Série Enfermagem no SUS, 6)
  • 77. 77 7 MODELOS DE REFERÊNCIAS Todos os modelos de referências utilizadas neste capítulo seguem a padronização de dois estilos de referência: Vancouver e ABNT. Alguns modelos de referência no estilo Vancouver foram adaptados a partir das normas da ABNT, pois as referencias na área jurídica não são contempladas no Vancouver. 7.1 MONOGRAFIAS 7.1.1 MONOGRAFIA CONSIDERADA NO TODO COM UM AUTOR Vancouver Sá AC. O cuidado do emocional em saúde. 2ª ed. São Paulo: Robe; 2003. ABNT SÁ, A. C. O cuidado do emocional em saúde. 2. ed. São Paulo: Robe, 2003. Sobrenome Prenome(s) (iniciais). Título. Edição. Local de publicação (Cidade): Editora; Ano de publicação. SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais). Título. Edição. Local de publicação (Cidade): Editora, ano de publicação. Somente a partir da 2ª Somente a partir da 2ª
  • 78. 78 COM DOIS AUTORES COM TRÊS OU MAIS AUTORES Vancouver Smeltzer SC, Bare BG. Brunner & Suddarth: tratado de enfermagem médico- cirúrgica.12ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011. ABNT SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. Brunner & Suddarth: tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. Vancouver Curi R, Araújo Filho JP, Leite-Moreira A, Ferreira AJ, Carpinelli AR, Lopes AG, et al. Fisiologia básica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009. ABNT CURI, R., et al. Fisiologia básica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. Referenciam-se até os seis primeiros, seguidos da expressão latina “et al”. Quando há mais de três autores, referencia-se apenas o primeiro seguido da expressão latina “et al”.
  • 79. 79 COM INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE INTELECTUAL (editor, organizador, coordenador e outros) AUTORES CORPORATIVOS (órgãos governamentais, entidades, associações, etc.) Vancouver Kurcgant P, coordenadora. Gerenciamento em enfermagem. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010. ABNT KURCGANT, P. (Coord.). Gerenciamento em enfermagem. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. Vancouver Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. Manual de apoio aos gestores do SUS: organização da rede de laboratórios clínicos. Brasília; 2003. Organização Mundial da Saúde. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID 10: diretrizes...Porto Alegre: Artes Médicas; 2009. American Dietetic Association; Dietitians of Canadá. Positions of the American Dietetic Association and Dietitians of Canada: nutrition and women’s health. J Am Diet Assoc. 2004;104(6):984-1001. ABNT BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. Manual de apoio aos gestores do SUS: organização da rede de laboratórios clínicos. Brasília, 2003. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID 10: diretrizes...Porto Alegre: Artes Médicas, 2009. AMERICAN DIETETIC ASSOCIATION; DIETITIANS OF CANADÁ. Positions of the American Dietetic Association and Dietitians of Canada: nutrition and women’s health. J Am Diet Assoc. v. 104, n. 6, p. 984-1001, 2004.
  • 80. 80 TRABALHOS SEM AUTORIA EXPRESSA (autoria desconhecida ou não identificada) COM INDICAÇÃO DO TRADUTOR (opcional) Vancouver Sistema de assistência de enfermagem: evolução e tendências. 3ª ed. São Paulo: Ícone; 2005. ABNT SISTEMA de assistência de enfermagem: evolução e tendências. 3. ed. São Paulo: Ícone, 2005. Título. Local de publicação (Cidade): Editora; Ano de publicação. TÍTULO (a primeira palavra em letras maiúsculas). Local de publicação (Cidade): Editora, ano de publicação. Vancouver Carpenito-Moyet LJ. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica. Trad. de Regina Machado Garcez. Porto Alegre: Artmed; 2012. ABNT CARPENITO-MOYET, L. J. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica. Tradução de Regina Machado Garcez. Porto Alegre: Artmed, 2012.
  • 81. 81 COM INDICAÇÃO DE SUBTÍTULO COM INDICAÇÃO DE SÉRIE Vancouver Campbell ML. Nurse to nurse: cuidados paliativos em enfermagem. Porto Alegre: AMGH; 2011. ABNT CAMPBELL, M. L. Nurse to nurse: cuidados paliativos em enfermagem. Porto Alegre: AMGH, 2011. Sobrenome Prenome(s) (iniciais). Título: subtítulo. Local de publicação (Cidade): Editora; ano de publicação. SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais). Título: subtítulo. Local de publicação (Cidade): Editora, ano de publicação. Vancouver Philippi MLS, Arone EM. Enfermagem em doenças transmissíveis. 12ª ed. rev. São Paulo: SENAC; 2010. (Série apontamentos). ABNT PHILIPPI, M. L. S.; ARONE, E. M. Enfermagem em doenças transmissíveis.12. ed. rev. São Paulo: SENAC, 2010. (Série apontamentos).
  • 82. 82 COM INDICAÇÃO DE VOLUME 7.1.2 CAPÍTULOS OU PARTE DE LIVROS CAPÍTULO DE LIVRO CUJO AUTOR É O MESMO DA OBRA Vancouver Berrios GE, Porter R, Ávila LA. Uma história da psiquiatria clínica: a origem e a história dos transtornos psiquiátricos. São Paulo: Escuta; 2012. 2 v. Berrios GE, Porter R, Ávila LA. Uma história da psiquiatria clínica: a origem e a história dos transtornos psiquiátricos. São Paulo: Escuta; 2012. v. 1. ABNT BERRIOS, G. E.; PORTER, R.; ÁVILA, L. A. Uma história da psiquiatria clínica: a origem e a história dos transtornos psiquiátricos. São Paulo: Escuta, 2012. 2 v. BERRIOS, G. E.; PORTER, R.; ÁVILA, L. A. Uma história da psiquiatria clínica: a origem e a história dos transtornos psiquiátricos. São Paulo: Escuta, 2012. v. 1. Vancouver Volpato G. Publicação científica. 3ª ed. São Paulo: Cultura Acadêmica; 2008. Avaliação da qualidade científica; p. 71-95. Stake RE. Qualitative research: studying how things work. New York: Guilford Press; c2010. Review of literature: zooming to see the problem; p. 105-16. ABNT VOLPATO, G. Avaliação da qualidade científica. In: _______ Produção científica. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2008. p. 71-95. STAKE, R. E. Review of literature: zooming to see the problem. In: _______ Qualitative research: studying how things work. New York: Guilford Press, c2010. p. 105-16. Sobrenome Prenome(s) (iniciais) do livro. Título do livro. Local de publicação (Cidade): Editora; ano de publicação. Título do capítulo ou parte referenciada; paginação. SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais) do livro. Título do capítulo. In: ______. Título do livro. Local de publicação (Cidade): Editora, ano de publicação. Paginação do capítulo ou parte referenciada.
  • 83. 83 CAPÍTULO DE LIVRO DE AUTOR COLABORADOR (autor do capítulo não é o mesmo da obra) 7.1.3 DICIONÁRIOS CONSIDERADOS NO TODO Vancouver Fugulin FMG, Gaidzinski RR. Dimensionamento da equipe de enfermagem em unidades de internação. In: Harada MJCS, organizadora. Gestão em enfermagem: ferramenta para prática segura. São Caetano do Sul: Yendis; 2011. p. 214-22. ABNT FUGULIN, F. M. G.; GAIDZINSKI, R. R. Dimensionamento da equipe de enfermagem em unidades de internação. In: HARADA, M. J. C. S. (Org.). Gestão em enfermagem: ferramenta para prática segura. São Caetano do Sul: Yendis, 2011. p. 214-22. Vancouver AME: Dicionário de administração de medicamentos na enfermagem. Rio de Janeiro: EPUB; 2011. Fonseca AL, editor. Dicionário de especialidades farmacêuticas: DEF 2011/12. 40ª ed. Rio de Janeiro: Publicações Científicas; 2011. ABNT AME: dicionário de administração de medicamentos na enfermagem. Rio de Janeiro: EPUB, 2011. FONSECA, A. L. (Ed.). Dicionário de especialidades farmacêuticas: DEF 2011/12. 40ª ed. Rio de Janeiro: Publicações Científicas, 2011.
  • 84. 84 PARTES OU VERBETES 7.2 PERIÓDICOS (revistas ou seriados) Vancouver Houaiss A, Villar MS, Franco FMM. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva; 2009. Babosa; p. 237. Last JM, editor. A dictionary of epidemiology. 4 th ed. Oxford: Oxford University Press; 2001. Meta-analysis; p. 114. ABNT BABOSA. In: HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. M. Dicionário Houaiss da lingua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000. p.237. META-ANALYSIS. In: LAST, J. M. (ed.). In: A dictionary of epidemiology. 4 th ed. Oxford: Oxford University Press, 2001. p. 114. Vancouver Laus AM, Anselmi ML. Ausência dos trabalhadores de enfermagem em um hospital escola. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(4):681-9. Cicconi L, Claypool M, Stevens W. Prevention of transmissible infections in the perioperative setting. AORN J. 2010;92(5):519-27. ABNT LAUS, A. M.; ANSELMI, M. L. Ausência dos trabalhadores de enfermagem em um hospital escola. Rev. Esc. Enferm. USP, v. 42, n. 4, p. 9, 2008. CICCONI, L; CLAYPOOL, M; STEVENS, W. Prevention of transmissible infections in the perioperative setting. AORN J, v. 92, n. 5, p. 519-27, 2010. Sobrenome Prenome (iniciais). Título do artigo. Título do periódico abreviado. Ano de publicação;nº do volume(nº do fascículo):página inicial e final do artigo. SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais) . Título do artigo. Título do periódico abreviado, nº do volume, nº do fascículo, página inicial e final do artigo e ano de publicação. . Na ABNT os títulos de periódicos podem ser indicados por extenso ou abreviados
  • 85. 85 ARTIGO COM TRÊS OU MAIS AUTORES ARTIGO SEM AUTORIA Vancouver Fero LJ, O’Donnell JM, Zullo TG, Dabbs AD, Kitutu J, Samosky JT, et al. Critical thinking skills in nursing students: comparision of simulation-based performance with metrics. J Adv Nurs. 2010;66(10):2182-93. ABNT FERO, L.J. et al. Critical thinking skills in nursing students: comparision of simulation-based performance with metrics. J. Adv. Nurs., v. 66, n. 10, p. 2182- 93, 2010. Indicam-se até os seis primeiros, seguidos de “et al” Indica-se o primeiro, seguido de “et al” Vancouver How allograft tissue is regulated. OR Manager. 2010;26(12):17. ABNT HOW allograft tissue is regulated. OR Manager., v. 26, n. 12, p. 17, 2010. Título do artigo. Título do periódico. Ano de publicação;nº do volume(nº do fascículo):página inicial e final do artigo. TÍTULO do artigo (primeira palavra em letras maiúsculas). Título do periódico, nº do volume, nº do fascículo, página inicial e final do artigo e ano de publicação.
  • 86. 86 ARTIGO COM UMA OU MÚLTIPLAS INSTITUIÇÕES COMO AUTOR ARTIGO COM AUTORIA PESSOAL E INSTITUCIONAL Vancouver American Dietetic Association; Dietitians of Canadá. Positions of the American Dietetic Association and Dietitians of Canada: nutrition and women’s health. J Am Diet Assoc. 2004;104(6):984-1001. ABNT American Dietetic Association; Dietitians of Canadá. Positions of the American Dietetic Association and Dietitians of Canada: nutrition and women’s health. J. Am. Diet. Assoc., v. 104, n. 6, p. 984-1001, 2004. Vancouver Michael YL, Whitlock EP, Lin JS, Fu R, O'Connor EA, Gold R; US Preventive Services Task Force. Primary care-relevant interventions to prevent falling in older adults: a systematic evidence review for the U.S. Preventive Services Task Force. Ann Intern Med. 2010;153(12):815-25. ABNT MICHAEL, Y. L.; WHITLOCK, E. P., LIN, J. S.; FU, R.; O'CONNOR, E. A.; GOLD, R.; US PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE. Primary care-relevant interventions to prevent falling in older adults: a systematic evidence review for the U.S. Preventive Services Task Force. Ann. Intern. Med., v. 153, n. 12, p. 815-25, 2010.
  • 87. 87 ARTIGO PUBLICADO ELETRONICAMENTE ANTES DA VERSÃO IMPRESSA, (Epub ahead of print) Com data somente da versão eletrônica Com dados da versão impressa e data da versão eletrônica Vancouver Lonn L, Edmond JJ, Marco J, Kearney PP, Gallagher AG. Virtual reality simulation training in a higth-fidelity procedure suite: operator appraisal. J Vasc Interv Radiol. 2012 Jul. 31. [Epub ahead of print] ABNT LONN, L. ; EDMOND, J. J. ; MARCO, J. ; KEARNY, P. P. ; GALLAGHER, A. G. Virtual reality simulation training in a higth-fidelity procedure suite: operator appraisal. J. Vasc. Interv. Radiol. Publicado eletronicamente antes da versão impressa em: 2012 jul. 31. Vancouver Militello LK, Kelly AS, Melnyk BM. Systematic review of text-messaging interventions to promote healthy behaviors in pediatric and adolescent populations: implications for clinical practice and research. Worldviews Evid Based Nurs. 2012;9(2):66-77. Epub 2012 Jan 23. ABNT Militello, L. K.; Kelly, A. S.; Melnyk, B. M. Systematic review of text-messaging interventions to promote healthy behaviors in pediatric and adolescent populations: implications for clinical practice and research. Worldviews Evid. Based. Nurs. v. 9, n. 2, p. 66-77, 2012. Publicado eletronicamente antes da versão impressa em: 2012 jan 23.
  • 88. 88 ARTIGO NO PRELO “In press” ARTIGO COM DIGITAL OBJECT IDENTIFIER (DOI) Vancouver Silva LM, Oliveira SMJV, Silva FMS, Alvarenga MB. Uso da bola suíça no trabalho de parto. Acta Paul Enferm. 2011;24(5). No prelo. Santos JO, Oliveira SMJV, Silva FMB, Nobre MRC, Osava RH, Riesco MLG. Low-level laser therapy for pain relief after episiotomy: a double-blind randomized clinical trial. J Clin Nurs. In press 2012. ABNT Silva LM, Oliveira SMJV, Silva FMS, Alvarenga MB. Uso da bola suíça no trabalho de parto. Acta Paul. Enferm., 2011;24(5). No prelo. SANTOS, J. O. et al. Low-level laser therapy for pain relief after episiotomy: a double-blind randomized clinical trial. J. Clin. Nurs., In press 2012. Vancouver Puri S, O'Brian MR. The hmuQ and hmuD genes from Bradyrhizobium japonicum encode heme-degrading enzymes. J Bacteriol [Internet]. 2006 [cited 2007 Jan 8];188(18):6476-82. Available from: http://jb.asm.org/cgi/content/full/188/18/6476?view=long&pmid=16952937. DOI: 10.1128/JB.00737-06. ABNT PURI, S.; O'BRIAN, M.R. The hmuQ and hmuD genes from Bradyrhizobium japonicum encode heme-degrading enzymes. J. Bacteriol. v. 188, n. 18, 2006. Disponível em: http://jb.asm.org/cgi/content/full/188/18/6476?view=long&pmid=16952937. DOI: 10.1128/JB.00737-06. Acesso em: 8 jan. 2007.
  • 89. 89 SEM INDICAÇÃO DO VOLUME VOLUME COM SUPLEMENTO VOLUME PUBLICADO EM PARTES Vancouver Aldé A. O internauta casual: notas sobre a circulação da opinião política na Internet. Rev USP. 2011;(90):24-41. ABNT ALDÉ, A. O internauta casual: notas sobre a circulação da opinião política na Internet. Rev. USP. n. 90, p.24-41, 2011. Vancouver Cano FG, Rosenfeld S. Eventos adversos a medicamentos em hospitais: uma revisão sistemática. Cad Saúde Pública. 2009;25 Supl3:S360-72. ABNT CANO, F. G. ; ROSENFELD, S. Eventos adversos a medicamentos em hospitais: uma revisão sistemática. Cad. Saúde Publ., v. 25, p. S360-72, 2009. Suplemento 3. Vancouver Kulish N. The psychoanalytic method from an epistemological viewpoint. Int J Psychoanal. 2002;83(Pt 2):491-5. ABNT KULISH, N. The psychoanalytic method from an epistemological viewpoint. Int. J. Psychoanal., v. 83, pt. 2, p. 491-5, 2002.
  • 90. 90 FASCÍCULO COM SUPLEMENTO FASCÍCULO PUBLICADO EM PARTES NÚMERO ESPECIAL Vancouver Ross AP. Strategies for optimal disease management , adherence, and outcomes in multiple sclerosis patients. Neurology. 2008;71(24 Suppl 3):S1-2. ABNT ROSS, A. P. Strategies for optimal disease management , adherence, and outcomes in multiple sclerosis patients. Neurology, v. 71, n. 24, p. S1-2, 2008. Supplement 3. Vancouver Stecker MS. Root cause analysis. J Vasc Interv Radiol. 2007;18(1 Pt 1):5-8. ABNT STECKER, M. S. Root cause analysis. J. Vasc. Interv. Radiol., v. 18, n. 1, pt. 1, p. 5-8, 2007. Vancouver Fugulin FMT, Lima AFC, Castilho V, Bochembuzio L, Costa JA, Castro L, et al. Custo da adequação quantitativa de profissionais de enfermagem em unidade neonatal. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(N. esp.):1582-8. ABNT FUGULIN, F. M. T., et al. Custo da adequação quantitativa de profissionais de enfermagem em unidade neonatal. Rev. Esc. Enferm. USP., v. 45, p. 1582-8, 2011. Número especial.
  • 91. 91 ARTIGO SEM INDICAÇÃO DE FASCÍCULO E VOLUME PAGINAÇÃO EM ALGARISMOS ROMANOS ARTIGO COM PUBLICAÇÃO DE ERRATA Vancouver Mental health matters. HRSA Careaction. 2009 May:1-8. ABNT MENTAL health matters. HRSA Careaction, p. 1-8, May. 2009. Nesses casos, a indicação do mês da publicação é obrigatória Vancouver Schüklenk U. Courting controversy. Bioethics. 2012;26(4):ii. ABNT SCHÜKLENK, U. Courting controversy. Bioethics, v. 26, n. 4, p. ii, 2012. Vancouver Duberstein PR, Chapman BP, Tindle HA, Sink KM, Bamonti P, Robbins J et al. Personality and risk for Alzheimer’s disease in adults 72 years of age and older: a 6-year follow-up. Psychol Aging. 2011;26(2):351-62. Erratum in: Psychol Aging. 20121;26(2):338. ABNT DUBERSTEIN, P. R. et al. Personality and risk for Alzheimer’s disease in adults 72 years of age and older: a 6-year follow-up. Psychol. Aging, v. 26, n. 2, p. 351- 62, 2011. Errata em: Psychol. Aging, v. 26, n. 2, p. 338. 2011.
  • 92. 92 EDITORIAL OU CARTA RESENHAS Vancouver Dallaire C. Programa de colaboração e graduação internacionais em administração de enfermagem [editorial]. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(N. esp.):1537-8. Post KH. Vascular access [letter]. Nephrol News Issues. 2005;19(5):51. ABNT DALLAIRE, C. Programa de colaboração e graduação internacionais em administração de enfermagem: editorial. Rev. Esc. Enferm. USP., v. 45, p. 1537- 8, 2011. Número especial. POST, K. H. Vascular access: letter. Nephrol. News Issues, v. 19, n. 5, p. 51, 2005. Vancouver Reyes PAP. O corpo como parâmetro antropológico na bioética. São Leopoldo: Escola Superior de Teologia; 2005. [Resenha de: Costa CAS. Rev Cienc Saúde. 2008;1(2):93-4]. ABNT REYES, P. A. P. O corpo como parâmetro antropológico na bioética. São Leopoldo: Escola Superior de Teologia, 2005. Resenha de: COSTA, C. A. S. Rev. Cienc. Saúde, v. 1, n. 2, p. 93-4, 2008.
  • 93. 93 REVISTAS COM TÍTULOS HOMÔNIMOS No momento em que for incluir referências de revistas, verifique se não há revistas com títulos idênticos. Caso haja, indique entre parênteses o local de publicação. 7.3 ARTIGO OU MATÉRIA DE JORNAL NOTA: Recomenda-se não utilizar este tipo de material em artigos científicos. Vancouver Calil AM, Silva SC, Padilha KG. Dor e evento adverso: a relação entre esses dois conceitos. Nursing (São Paulo). 2010;13(151):630-4. ABNT CALIL, A. M. ; SILVa, S. C. ; PADILHA, K. G. Dor e evento adverso: a relação entre esses dois conceitos. Nursing (São Paulo), v. 13, n. 151, p. 630-4, 2010. Vancouver Braga R. A rebelião do “precariado” europeu. Folha de S. Paulo. 2012 jan. 26; Tendências/Debates:A-3. ABNT BRAGA, R. A rebelião do “precariado” europeu. Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 jan. 2006. Tendências/Debates, p. A-3.
  • 94. 94 7.4 DISSERTAÇÃO, TESE E MONOGRAFIA (trabalho de conclusão de curso), RELATÓRIO E PROJETO DE PESQUISA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO TESE DE DOUTORADO Vancouver Claro HG. Tradução e adaptação cultural do Instrumento Global Appraisal of Individual Needs - INITIAL [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2010. ABNT CLARO, H. G. Tradução e adaptação cultural do Instrumento Global Appraisal of Individual Needs - INITIAL. 2010. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo. Sobrenome Prenome (iniciais). Título da tese: subtítulo (se houver) [grau]. Local (Cidade): Instituição onde foi defendida; ano da defesa. SOBRENOME. Prenome (iniciais). Título da tese: subtítulo (se houver). Ano da defesa. Tipo (Grau) – Instituição onde foi defendida, local (Cidade). Vancouver Cavagioni LC. Influência do plantão de 24 horas sobre a pressão arterial e o perfil de risco cardiovascular em profissionais da área da saúde que atuam em serviços de atendimento pré-hospitalar [tese]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2010. ABNT CAVAGIONI, L. C. de. Influência do plantão de 24 horas sobre a pressão arterial e o perfil de risco cardiovascular em profissionais da área da saúde que atuam em serviços de atendimento pré-hospitalar. 2010. Tese (Doutorado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo.
  • 95. 95 TESE LIVRE-DOCÊNCIA MONOGRAFIA (Trabalho de Conclusão de Curso) Vancouver Mira VL. Avaliação de programas de treinamento e desenvolvimento da equipe de enfermagem de dois hospitais do município de São Paulo [tese livre- docência]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2010. ABNT MIRA, V. L. Avaliação de programas de treinamento e desenvolvimento da equipe de enfermagem de dois hospitais do município de São Paulo. 2010. Tese (Livre-Docência) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo. Vancouver Fernandes AO. Percepção da gestante adolescente sobre o suporte prestado pela mãe [monografia]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2011. ABNT FERNANDES, A. O. Percepção da gestante adolescente sobre o suporte prestado pela mãe. 2011. Monografia de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo.
  • 96. 96 RELATÓRIO E PROJETO DE PESQUISA Os relatórios e projetos de pesquisa são de acesso restrito e geralmente não estão disponíveis para consulta, com algumas exceções. Deste modo, devem ser mencionados em nota de rodapé e recomenda-se que não sejam utilizados como referência em artigos científicos. 7.5 EVENTOS CIENTÍFICOS (congresso, seminário, simpósio, etc.) Vancouver Felli VEA. Resgatando o conhecimento sobre a saúde do trabalhador de enfermagem [projeto de pesquisa]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2002. Gaidzinski RR. Dimensionamento de pessoal de enfermagem: aplicação de um modelo [relatório de pesquisa]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2000. ABNT FELLI, V. E. A. Resgatando o conhecimento sobre a saúde do trabalhador de enfermagem. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 2002. [Projeto de pesquisa]. GAIDZINSKI, R. R. Dimensionamento de pessoal de enfermagem: aplicação de um modelo. [Relatório de pesquisa]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 2000.
  • 97. 97 CONSIDERADOS NO TODO TRABALHOS APRESENTADOS EM EVENTOS E PUBLICADOS SOBRE FORMA DE RESUMOS, ANAIS, “PROCEEDINGS”, ETC. Vancouver Anais do 62º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2010 out. 11-15; Florianópolis. Florianópolis: ABEn-Seção-SC; 2010. ABNT CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM, 62., 2010, Florianópolis. Anais. Florianópolis: ABEn-Seção-SC, 2010. Tipo de publicação, número e nome do evento; data de realização; Cidade de realização do evento. Cidade da publicação: Editora ou Instituição responsável pela publicação; ano de publicação. NOME DO EVENTO, número do evento (se houver). Ano de realização do evento. Cidade de realização do evento. Tipo de publicação. Cidade da publicação: Editora ou Instituição responsável pela publicação, ano de publicação. Vancouver Schwantes L. Violência contra a gestante: desafio para os profissionais da Atenção Básica. In: Anais do 62º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2010 out.11-15; Florianópolis. Florianópolis: ABEn-Seção-SC; 2010. p. 2849-51. ABNT SCHWANTES, L. Violência contra a gestante: desafio para os profissionais da Atenção Básica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM, 62., 2010, Florianópolis. Anais. Florianópolis: ABEn-Seção-SC, 2010. p. 2849-51. Sobrenome(s) Prenome(s) (iniciais). Título do trabalho. In: Tipo de publicação, número e título do evento; data do evento; cidade de realização do evento. Cidade da publicação: Editora ou Instituição responsável pela publicação; ano de publicação. Página do trabalho ou resumo. SOBRENOME, Prenome(s) (iniciais). Título do trabalho. In: NOME DO EVENTO, numeração do evento (se houver), ano e local (Cidade) de realização. Tipo de publicação. Cidade da publicação: Editora ou Instituição responsável pela publicação, ano de publicação. Página do trabalho ou do resumo.
  • 98. 98 PUBLICADOS EM PERIÓDICOS NÃO PUBLICADOS Trabalhos apresentados em evento e não publicados devem ser mencionados em nota de rodapé. MESA REDONDA Vancouver Lelis MAS. Programa de treinamento em cateterismo vesical intermitente-técnica limpa. Rev Esc Enferm USP. 1999;33(n. esp):105. [Apresentado no 3º Congresso Brasileiro de Estomaterapia; 1999 nov. 9-12; São Paulo]. ABNT LELIS, M. A. S. Programa e treinamento em cateterismo vesical intermitente- técnica limpa. Rev. Esc. Enferm. USP, v. 33, p. 105. Número especial. [Apresentado no 3º Congresso Brasileiro de Estomaterapia, 1999, São Paulo]. Vancouver Fonseca RMGS. (Escola de Enfermagem da USP). Mulher e saúde: avanços e problemas [Apresentado na 15ª Convenção Capixaba de Enfermagem; 1995 set. 20; Vitória]. ABNT FONSECA. R. M. G. S. (Escola de Enfermagem da USP). Mulher e saúde: avanços e problemas. [Apresentado na 15ª Convenção Capixaba de Enfermagem, Vitória, 1995]. Vancouver Silva IA. Amamentação: uma questão de assumir risco ou garantir benefícios. [Apresentado na Mesa Redonda: Amamentação na Perspectiva da Mulher, no 3º Congresso Brasileiro de Bancos de Leite Humano; 2002 ago 16-20; Petrópolis]. ABNT SILVA, I.A. Amamentação: uma questão de assumir risco ou garantir benefícios. [Apresentado na Mesa Redonda: Amamentação na Perspectiva da Mulher, no 3º Congresso Brasileiro de Bancos de Leite Humano; 2002 ago 16-20; Petrópolis].
  • 99. 99 7.6 DOCUMENTO JURÍDICO ADAPTADO (legislação, jurisprudência e doutrina) LEGISLAÇÃO CONSTITUIÇÃO FEDERAL Vancouver Brasil. Lei n. 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1:10. São Paulo (Estado). Decreto n. 58.052, de 16 de maio de 2012. Regulamenta a Lei federal n, 12.527, de 18 de novembro de 2011, que regula o acesso a informações, e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São Paulo. 2012;122(92):1. ABNT BRASIL. Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 1986. Seção 1, p. 10. SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 58.052, de 16 de maio de 2012. Regulamenta a Lei federal n, 12.527, de 18 de novembro de 2011, que regula o acesso a informações, e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, v. 122, n. 92, p. 1, 2012. Vancouver Brasil. Constituição, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado; 1988. ABNT BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.
  • 100. 100 EMENDA CONSTITUCIONAL MEDIDA PROVISÓRIA Vancouver Brasil. Constituição, 1988. Emenda constitucional n. 71, de 30 de novembro de 2012. Acrescenta o art. 216-A à Constituição Federal para instituir o Sistema Nacional de Cultura. Diário Oficial da União. 2012;231:1. ABNT BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional nº 71, de 30 de novembro de 2012. Acrescenta o art. 216-A à Constituição Federal para instituir o Sistema Nacional de Cultura. Diário Oficial da União, Brasília, v. 149, n. 231, p. 1, 30 nov. 2012. Vancouver Brasil. Medida provisória n. 589, de 13 de novembro de 2012. Dispõe sobre o parcelamento de débitos junto à Fazenda Nacional relativos às contribuições previdenciárias de responsabilidade dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília. 14 nov. 2012; Seção 1:1. ABNT BRASIL. Medida provisória nº 589, de 13 de novembro de 2012. Dispõe sobre o parcelamento de débitos junto à Fazenda Nacional relativos às contribuições previdenciárias de responsabilidade dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, 14 nov. 2012. Seção 1, p. 1.
  • 101. 101 PORTARIAS, DELIBERAÇÕES, RESOLUÇÕES, ETC. CÓDIGOS Vancouver Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM n. 1.863, de 29 de setembro de 2003. Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas as Unidades Federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. In: Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília; 2004. p. 7-11. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN – 189/1996. Estabelece parâmetro para Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Instituições de Saúde. In: Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Documentos básicos de enfermagem: enfermeiros, técnicos e auxiliares. São Paulo; 2001. p. 144-51. ABNT BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 1.863, de 29 de setembro de 2003. Institui a política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas as Unidades Federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. In: _______.Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília, 2004. p. 7-11. CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN – 189/1996. Estabelece parâmetro para Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Instituições de Saúde. In: CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Documentos básicos de enfermagem: enfermeiros, técnicos e auxiliares. São Paulo, 2001. p. 144-51. Vancouver Brasil. Novo código civil: exposição de motivos e texto sancionado. Brasília: Gabinete do Senador Efraim Morais; 2003. ABNT BRASIL. Novo código civil: exposição de motivos e texto sancionado. Brasília: Gabinete do Senador Efraim Morais, 2003.