SlideShare uma empresa Scribd logo
EJA CONTINENTE I – COQUEIROS (2011)<br />LÍNGUA PORTUGUESA - Profᵃ. Jociane Araujo Peres da Luz<br />DIÁRIO<br />O diário é um gênero textual que geralmente tem como leitor o próprio escritor. Normalmente é utilizado para anotar os acontecimentos mais marcantes do dia a dia, para ser relido as anotações posteriores e ser lembrado dos fatos muitas vezes esquecidos. Também é um instrumento de confidências de seus donos, que preferem estabelecer um diálogo com ele a trocar confidências com outras pessoas.<br />Veja o que é citado em alguns dicionários da língua portuguesa:<br />Diário (adjetivo) – 1 que se faz ou acontece todos os dias; (substantivo masculino) 2 registro pessoal ou comercial  das atividades de cada dia. (HOUAISS)<br />Diário (adjetivo) 1 que se faz ou acontece todos os dias; cotidiano. (substantivo masculino) 2 relação do que se faz ou acontece diariamente. 3 livro de registro de despesas ou fatos diários. 4 jornal que se publica diariamente.<br />O que desperta, portanto, o interesse das pessoas em ter um diário é a vontade de registrar pensamentos e sentimentos, de guardar as lembranças, sejam elas boas ou más.<br />A importância de se produzir um diário além de se ter o hábito de anotar os fatos importantes de nossas vidas é de que num diário, pode nos trazer, no futuro, uma leitura interessante. Ele pode refletir momentos pessoais significativos para a avaliação de nossas experiências que, muitas vezes, podem nos incomodar, por serem tristes, preocupantes ou, nos alegrar por trazerem sentimentos felizes e de bem-estar.<br />Um diário pode ser escrito em longos ou curtos períodos e suas páginas costumam ser datadas. Ele pode ou não ser dirigido a alguém e pode ser real ou fictício (inventado), conter ou não assinatura pessoal. Por ele ser um relato pessoal, a linguagem empregada é na 1ᵃ. Pessoa, com verbos no pretérito perfeito (ex.:  Ainda estamos vivas. E juntas. Por aqui é tudo tão tranquilo e tão seguro que é difícil acreditar que todo o nosso passado recente seja real). Ainda, ele pode se tornar ou não público.<br />São exemplos de modelo e de boa leitura: Caderno de Segredos (Lino de Albergaria), Inverno na manhã – Uma jovem no gueto de Varsóvia (Janina Bauman), Diário de Anne Frank (Anne Frank), O Diário de Zlata – A vida de uma menina na guerra (Zlata Filipovic), Vozes Roubadas (Zlata Filipovic).<br />Sugestões de Atividades:<br />Escreva uma página de diário, relatando fatos marcantes ou diferentes que você vivenciou recentemente. Ou relatando fatos do passado, como o nascimento de um irmão, um encontro inesperado, o primeiro dia na escola, uma surpresa agradável, a alegria de ganhar um animal de estimação, uma viagem ou um passeio inesquecível. Avalie sua página de diário. Se necessário, refaça o texto, passe-o a limpo e, se quiser, ilustre sua página de diário com desenhos, fotos e colagens.<br />Mostre vários exemplos de textos que contenham relatos pessoais de algumas pessoas que tenham diário. Peça aos alunos que escrevam o que entenderam sobre um dos textos e quais os seus sentimentos e ideias em relação ao que foi lido.<br />Escreva uma primeira página de diário, contando os últimos fatos que vem acontecendo com você; como você está se sentindo em relação à sua vida e às pessoas com quem convive, e o que lhe deu mais alegria ou preocupação durante a semana que se passou.<br />Crie uma personagem. Faça uma breve descrição sobre ele, explicando quem ele é, o que ele faz, onde vive, etc. em seguida, imagine um dia na vida dessa personagem e escreva na página de seu diário. A linguagem empregada deve combinar com a personagem. Se ele for poético, sentimental, sua linguagem deverá ser mais suave, cheia de imagens delicadamente construídas por meio das palavras. Se for, por outro lado, um adolescente rebelde, você pode ser mais objetivo, empregar mais gírias. Se for uma personagem apaixonada pela informática, você pode usar termos desse universo ao escrever.<br />Peça para que seus alunos relatem algo sobre eles. Façam um rascunho antes e avaliem sua página de diário. Se necessário, refaçam o texto, passem-no a limpo e, se quiserem, ilustrem sua página de diário com desenhos, fotos e colagens. Após, pode-se fazer um mural, afixando o que foi produzido por eles. <br />Referências Bibliográficas:<br />CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português: linguagens, 6ᵒ ano. – 5. ed. Reform. – SP: Atual, 2009. pp. 164-167. <br />Minidicionário Houaiss da língua portuguesa. Org. pelo Instituto  Antônio Houaiss de Lexicografia e Banco de Dados da Língua Portuguesa S/C Ltda.  – 2. ed. Ver. E aum. – Rio de Janeiro: Objetiva, 2004. p. 247  <br />Minidicionário Luft. 20. ed. – São Paulo: Ática, 2001. p. 244<br />SARMENTO, Leila Lauar. Português: leitura, produção, gramática. 6ᵃ. Série. 1ᵃ. Edição. São Paulo: Moderna, 2002. pp. 144-145.<br />
Gênero Textual Diário

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfPoema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Caroline Assis
 
Narrativas relato-de-viagem
Narrativas relato-de-viagemNarrativas relato-de-viagem
Narrativas relato-de-viagem
Professora Salete Costa
 
Aula9: O texto opinativo
Aula9:  O texto opinativoAula9:  O texto opinativo
Aula9: O texto opinativo
André Figundio
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
GernciadeProduodeMat
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
Tissiane Gomes
 
Texto descritivo 6 ano
Texto descritivo 6 anoTexto descritivo 6 ano
Texto descritivo 6 ano
Fazendo Novas Amizades Fauze
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Ricardo Leandro Flores Ricalde
 
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaApostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Jose Arnaldo Silva
 
Conto
ContoConto
Relato
RelatoRelato
Relato
Scheyla Lima
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
Olivaldo Ferreira
 
Conto social 9º
Conto social 9ºConto social 9º
Conto social 9º
Roseny90
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Relação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotaçãoRelação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotação
iamraphael
 
Elementos constituintes da narrativa narrador, personagem, espaço, tempo, pro...
Elementos constituintes da narrativa narrador, personagem, espaço, tempo, pro...Elementos constituintes da narrativa narrador, personagem, espaço, tempo, pro...
Elementos constituintes da narrativa narrador, personagem, espaço, tempo, pro...
RITADECASSIARODRIGUE20
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
Ana Arminda Moreira
 
Palavras Cruzadas sobre funcoes da linguagem1_resp
Palavras Cruzadas sobre funcoes da linguagem1_respPalavras Cruzadas sobre funcoes da linguagem1_resp
Palavras Cruzadas sobre funcoes da linguagem1_resp
Dilmara Faria
 
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
JohnJeffersonAlves1
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
Renally Arruda
 

Mais procurados (20)

Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfPoema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdf
 
Narrativas relato-de-viagem
Narrativas relato-de-viagemNarrativas relato-de-viagem
Narrativas relato-de-viagem
 
Aula9: O texto opinativo
Aula9:  O texto opinativoAula9:  O texto opinativo
Aula9: O texto opinativo
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
Texto descritivo 6 ano
Texto descritivo 6 anoTexto descritivo 6 ano
Texto descritivo 6 ano
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaApostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Relato
RelatoRelato
Relato
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
 
Conto social 9º
Conto social 9ºConto social 9º
Conto social 9º
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Relação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotaçãoRelação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotação
 
Elementos constituintes da narrativa narrador, personagem, espaço, tempo, pro...
Elementos constituintes da narrativa narrador, personagem, espaço, tempo, pro...Elementos constituintes da narrativa narrador, personagem, espaço, tempo, pro...
Elementos constituintes da narrativa narrador, personagem, espaço, tempo, pro...
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
 
Palavras Cruzadas sobre funcoes da linguagem1_resp
Palavras Cruzadas sobre funcoes da linguagem1_respPalavras Cruzadas sobre funcoes da linguagem1_resp
Palavras Cruzadas sobre funcoes da linguagem1_resp
 
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 

Semelhante a Gênero Textual Diário

Passaporte da leitura e da escrita
Passaporte da leitura e da escritaPassaporte da leitura e da escrita
Passaporte da leitura e da escrita
guestbca78d0
 
Passaporte Leitura E Escrita
Passaporte Leitura E EscritaPassaporte Leitura E Escrita
Passaporte Leitura E Escrita
guestc85284
 
Passaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escritaPassaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escrita
ecoleitura
 
Passaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escritaPassaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escrita
ecoleitura
 
Slides olimpíadas de língua portuguea
Slides  olimpíadas de língua portugueaSlides  olimpíadas de língua portuguea
Slides olimpíadas de língua portuguea
Hilda Pereira Louça carneiro
 
A CRÔNICA
A CRÔNICAA CRÔNICA
A CRÔNICA
Hermeson Aciole
 
Resumo Tp4 Unid. 16
Resumo Tp4   Unid. 16Resumo Tp4   Unid. 16
Resumo Tp4 Unid. 16
christall2009
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Diario
DiarioDiario
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdfApostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
LilianPiola
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
Luis Carlos Santos
 
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAFORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
weleslima
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Glacemi Loch
 
Slide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo CrônicaSlide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo Crônica
Jomari
 
Sugestões para estimular o prazer da escrita
Sugestões para estimular o prazer da escritaSugestões para estimular o prazer da escrita
Sugestões para estimular o prazer da escrita
Fernanda Sousa
 
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Evilane Alves
 
Portugues vol1
Portugues vol1Portugues vol1
Portugues vol1
Blaunier Matheus
 
Roteiro de-leitura-publica
Roteiro de-leitura-publicaRoteiro de-leitura-publica
Roteiro de-leitura-publica
Lourival Francisco
 
Dias Lendários Fragmento 1
Dias Lendários Fragmento 1Dias Lendários Fragmento 1
Dias Lendários Fragmento 1
Bernardo Moraes Bueno
 
interpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptxinterpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptx
JssicaCassiano2
 

Semelhante a Gênero Textual Diário (20)

Passaporte da leitura e da escrita
Passaporte da leitura e da escritaPassaporte da leitura e da escrita
Passaporte da leitura e da escrita
 
Passaporte Leitura E Escrita
Passaporte Leitura E EscritaPassaporte Leitura E Escrita
Passaporte Leitura E Escrita
 
Passaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escritaPassaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escrita
 
Passaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escritaPassaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escrita
 
Slides olimpíadas de língua portuguea
Slides  olimpíadas de língua portugueaSlides  olimpíadas de língua portuguea
Slides olimpíadas de língua portuguea
 
A CRÔNICA
A CRÔNICAA CRÔNICA
A CRÔNICA
 
Resumo Tp4 Unid. 16
Resumo Tp4   Unid. 16Resumo Tp4   Unid. 16
Resumo Tp4 Unid. 16
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Diario
DiarioDiario
Diario
 
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdfApostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
 
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAFORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
 
Slide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo CrônicaSlide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo Crônica
 
Sugestões para estimular o prazer da escrita
Sugestões para estimular o prazer da escritaSugestões para estimular o prazer da escrita
Sugestões para estimular o prazer da escrita
 
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
 
Portugues vol1
Portugues vol1Portugues vol1
Portugues vol1
 
Roteiro de-leitura-publica
Roteiro de-leitura-publicaRoteiro de-leitura-publica
Roteiro de-leitura-publica
 
Dias Lendários Fragmento 1
Dias Lendários Fragmento 1Dias Lendários Fragmento 1
Dias Lendários Fragmento 1
 
interpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptxinterpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptx
 

Mais de Jomari

O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
Jomari
 
Período Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo PortuguêsPeríodo Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo Português
Jomari
 
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino MédioConteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Jomari
 
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino MédioConteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Jomari
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual Notícia
Jomari
 
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2  bim - ENSINO MÉDIOProva 2  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Jomari
 
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1  bim - ENSINO MÉDIOProva 1  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
Jomari
 
Estrutura das Palavras
Estrutura das PalavrasEstrutura das Palavras
Estrutura das Palavras
Jomari
 
Slide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Slide Regras Acentuação Língua PortuguesaSlide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Slide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Jomari
 
Atividades de Revisão de Ortografia
Atividades de Revisão de OrtografiaAtividades de Revisão de Ortografia
Atividades de Revisão de Ortografia
Jomari
 
Aula Gênero Textual Lenda
Aula Gênero Textual LendaAula Gênero Textual Lenda
Aula Gênero Textual Lenda
Jomari
 
Slide Genero Textual Estatuto
Slide Genero Textual EstatutoSlide Genero Textual Estatuto
Slide Genero Textual Estatuto
Jomari
 
Prova frase oração período
Prova frase oração períodoProva frase oração período
Prova frase oração período
Jomari
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Jomari
 
Literatura Portuguesa Trovadorismo
Literatura Portuguesa TrovadorismoLiteratura Portuguesa Trovadorismo
Literatura Portuguesa Trovadorismo
Jomari
 
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa eQuadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Jomari
 
Slide os gêneros literários
Slide os gêneros literáriosSlide os gêneros literários
Slide os gêneros literários
Jomari
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavras
Jomari
 
Como Escrever um Artigo
Como Escrever um ArtigoComo Escrever um Artigo
Como Escrever um Artigo
Jomari
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
Jomari
 

Mais de Jomari (20)

O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
 
Período Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo PortuguêsPeríodo Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo Português
 
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino MédioConteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
 
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino MédioConteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual Notícia
 
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2  bim - ENSINO MÉDIOProva 2  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
 
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1  bim - ENSINO MÉDIOProva 1  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
 
Estrutura das Palavras
Estrutura das PalavrasEstrutura das Palavras
Estrutura das Palavras
 
Slide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Slide Regras Acentuação Língua PortuguesaSlide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Slide Regras Acentuação Língua Portuguesa
 
Atividades de Revisão de Ortografia
Atividades de Revisão de OrtografiaAtividades de Revisão de Ortografia
Atividades de Revisão de Ortografia
 
Aula Gênero Textual Lenda
Aula Gênero Textual LendaAula Gênero Textual Lenda
Aula Gênero Textual Lenda
 
Slide Genero Textual Estatuto
Slide Genero Textual EstatutoSlide Genero Textual Estatuto
Slide Genero Textual Estatuto
 
Prova frase oração período
Prova frase oração períodoProva frase oração período
Prova frase oração período
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Literatura Portuguesa Trovadorismo
Literatura Portuguesa TrovadorismoLiteratura Portuguesa Trovadorismo
Literatura Portuguesa Trovadorismo
 
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa eQuadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
 
Slide os gêneros literários
Slide os gêneros literáriosSlide os gêneros literários
Slide os gêneros literários
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
Como Escrever um Artigo
Como Escrever um ArtigoComo Escrever um Artigo
Como Escrever um Artigo
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
 

Último

Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 

Último (20)

Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 

Gênero Textual Diário

  • 1. EJA CONTINENTE I – COQUEIROS (2011)<br />LÍNGUA PORTUGUESA - Profᵃ. Jociane Araujo Peres da Luz<br />DIÁRIO<br />O diário é um gênero textual que geralmente tem como leitor o próprio escritor. Normalmente é utilizado para anotar os acontecimentos mais marcantes do dia a dia, para ser relido as anotações posteriores e ser lembrado dos fatos muitas vezes esquecidos. Também é um instrumento de confidências de seus donos, que preferem estabelecer um diálogo com ele a trocar confidências com outras pessoas.<br />Veja o que é citado em alguns dicionários da língua portuguesa:<br />Diário (adjetivo) – 1 que se faz ou acontece todos os dias; (substantivo masculino) 2 registro pessoal ou comercial das atividades de cada dia. (HOUAISS)<br />Diário (adjetivo) 1 que se faz ou acontece todos os dias; cotidiano. (substantivo masculino) 2 relação do que se faz ou acontece diariamente. 3 livro de registro de despesas ou fatos diários. 4 jornal que se publica diariamente.<br />O que desperta, portanto, o interesse das pessoas em ter um diário é a vontade de registrar pensamentos e sentimentos, de guardar as lembranças, sejam elas boas ou más.<br />A importância de se produzir um diário além de se ter o hábito de anotar os fatos importantes de nossas vidas é de que num diário, pode nos trazer, no futuro, uma leitura interessante. Ele pode refletir momentos pessoais significativos para a avaliação de nossas experiências que, muitas vezes, podem nos incomodar, por serem tristes, preocupantes ou, nos alegrar por trazerem sentimentos felizes e de bem-estar.<br />Um diário pode ser escrito em longos ou curtos períodos e suas páginas costumam ser datadas. Ele pode ou não ser dirigido a alguém e pode ser real ou fictício (inventado), conter ou não assinatura pessoal. Por ele ser um relato pessoal, a linguagem empregada é na 1ᵃ. Pessoa, com verbos no pretérito perfeito (ex.: Ainda estamos vivas. E juntas. Por aqui é tudo tão tranquilo e tão seguro que é difícil acreditar que todo o nosso passado recente seja real). Ainda, ele pode se tornar ou não público.<br />São exemplos de modelo e de boa leitura: Caderno de Segredos (Lino de Albergaria), Inverno na manhã – Uma jovem no gueto de Varsóvia (Janina Bauman), Diário de Anne Frank (Anne Frank), O Diário de Zlata – A vida de uma menina na guerra (Zlata Filipovic), Vozes Roubadas (Zlata Filipovic).<br />Sugestões de Atividades:<br />Escreva uma página de diário, relatando fatos marcantes ou diferentes que você vivenciou recentemente. Ou relatando fatos do passado, como o nascimento de um irmão, um encontro inesperado, o primeiro dia na escola, uma surpresa agradável, a alegria de ganhar um animal de estimação, uma viagem ou um passeio inesquecível. Avalie sua página de diário. Se necessário, refaça o texto, passe-o a limpo e, se quiser, ilustre sua página de diário com desenhos, fotos e colagens.<br />Mostre vários exemplos de textos que contenham relatos pessoais de algumas pessoas que tenham diário. Peça aos alunos que escrevam o que entenderam sobre um dos textos e quais os seus sentimentos e ideias em relação ao que foi lido.<br />Escreva uma primeira página de diário, contando os últimos fatos que vem acontecendo com você; como você está se sentindo em relação à sua vida e às pessoas com quem convive, e o que lhe deu mais alegria ou preocupação durante a semana que se passou.<br />Crie uma personagem. Faça uma breve descrição sobre ele, explicando quem ele é, o que ele faz, onde vive, etc. em seguida, imagine um dia na vida dessa personagem e escreva na página de seu diário. A linguagem empregada deve combinar com a personagem. Se ele for poético, sentimental, sua linguagem deverá ser mais suave, cheia de imagens delicadamente construídas por meio das palavras. Se for, por outro lado, um adolescente rebelde, você pode ser mais objetivo, empregar mais gírias. Se for uma personagem apaixonada pela informática, você pode usar termos desse universo ao escrever.<br />Peça para que seus alunos relatem algo sobre eles. Façam um rascunho antes e avaliem sua página de diário. Se necessário, refaçam o texto, passem-no a limpo e, se quiserem, ilustrem sua página de diário com desenhos, fotos e colagens. Após, pode-se fazer um mural, afixando o que foi produzido por eles. <br />Referências Bibliográficas:<br />CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português: linguagens, 6ᵒ ano. – 5. ed. Reform. – SP: Atual, 2009. pp. 164-167. <br />Minidicionário Houaiss da língua portuguesa. Org. pelo Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia e Banco de Dados da Língua Portuguesa S/C Ltda. – 2. ed. Ver. E aum. – Rio de Janeiro: Objetiva, 2004. p. 247 <br />Minidicionário Luft. 20. ed. – São Paulo: Ática, 2001. p. 244<br />SARMENTO, Leila Lauar. Português: leitura, produção, gramática. 6ᵃ. Série. 1ᵃ. Edição. São Paulo: Moderna, 2002. pp. 144-145.<br />