SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
Ciências da Natureza e
suas Tecnologias - Física
Ensino Médio, 2ª Série
ENERGIA TÉRMICA
Prof. Orlando
Calor e Temperatura
Temperatura: é uma grandeza física,
que mede o grau de agitação das
partículas de um corpo, substância
ou sistema físico.
Calor: é a energia térmica que flui de um corpo de maior temperatura para um de
menor temperatura.
Imagem:
Greg
L
/
GNU
Free
Documentation
License
Imagem: SEE-PE
TERMOLOGIA é a parte da Física que estuda os
fenômenos relacionados com a energia térmica, o
calor e a temperatura.
FÍSICA, 2ª Série
ENERGIA TÉRMICA
Imagem: Gérald Tapp / Creative Commons Attribution-Share Alike
3.0 Unported
Imagem: Fir0002, flagstaffotos.com.au / GNU Free Documentation
License / http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Fire02.jpg
◼ As partículas constituintes dos corpos estão em contínuo movimento.
Entende-se temperatura, como sendo uma grandeza que mede a
maior ou menor intensidade dessa agitação térmica.
A quantidade que informa quão quente ou frio é um
objeto em relação a algum padrão é chamada de
temperatura (1).
Imagens:
SEE-PE
◼ As partículas constituintes dos corpos estão em contínuo movimento.
Entende-se temperatura, como sendo uma grandeza que mede a
maior ou menor intensidade dessa agitação térmica.
A quantidade que informa quão quente ou frio é um
objeto em relação a algum padrão é chamada de
temperatura (1).
MAIOR
TEMPERATURA
MENOR
TEMPERATURA
Imagens:
SEE-PE
Se os corpos estiverem a
temperaturas diferentes, a
energia pode ser trocada entre
eles (2).
No equilíbrio térmico os corpos em contato térmico deixam de trocar energia.
Frequentemente associamos o conceito de temperatura com o grau de quente
ou de frio de um corpo que tocamos .
A NOSSA PELE É SENSÍVEL À TAXA DE TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA E
NÃO À TEMPERATURA DO CORPO.
Imagem:
SEE-PE
Lei Zero da Termodinâmica
"Se dois corpos estão em
equilíbrio térmico com um
terceiro, então eles estão
em equilíbrio térmico entre
si." (3)
Imagem:
SEE-PE
Termometria
Termômetro – Um dispositivo calibrado para medir a temperatura do corpo.
É a partir da termologia que se estudam os processos de medição da temperatura
de um corpo.
Imagem:
Zwager
/
Public
Domain
COMO MEDIR A TEMPERATURA
Algumas das propriedades físicas que mudam com a temperatura e que são
usadas nos termômetros:
• o volume de um líquido;
• o comprimento de um sólido;
• a pressão de um gás mantido a volume constante;
• o volume de um gás mantido a pressão constante;
• a resistência eléctrica de um condutor;
• a cor de um corpo quente.
Imagem:
Geof
from
de.wikipedia.org
/
GNU
Free
Documentation
License
Termômetro
• Instrumento destinado a medir
a temperatura dos corpos;
• A medida da temperatura é
feita de forma indireta;
• Grandezas e substâncias
termométricas;
TIPOS DE TERMÔMETROS
Podem ser: de mercúrio, a álcool, clínico, Six e Bellani, de
resistência elétrica, bimetálico, de pressão de gás, laser e
infravermelho.
Imagem superior à esquerda: Menchi / GNU Free Documentation
License. Inferior à esquerda: Biol / Public Domain. E acima: Optris /
Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported.
Escalas Termométricas - GRADUAÇÃO
Escalas Termométricas
Escala Celsius
A Escala Celsius construída em 1742, pelo físico e astrônomo
sueco Anders Celsius, que adotou para o ponto de fusão de
gelo o valor 0 (zero) e para o ponto de ebulição da água o
valor 100 (cem). Dividiu-se o intervalo obtido entre os
pontos fixos em cem partes iguais, em que cada parte
corresponde a uma unidade da escala e foi denominada
de grau Celsius, cujo símbolo é o °C.
Como o intervalo entre os pontos fixos dessa escala foi
dividido em cem partes iguais, ela recebeu o nome
de centesimal e, atualmente, a Escala Celsius é a mais
utilizada em todo o mundo (4).
Imagem:
Olof
Arenius
/
Astronomical
observatory
of
Uppsala
University
/
Public
Domain.
Imagem:
Pearson
Scott
Foresman
/
Wikimedia
Foundation
/Public
Domain
Escala Fahrenheit
A Escala Fahrenheit foi construída, em 1727, pelo físico alemão
Daniel Gabriel Fahrenheit, que adotou o valor 0 (zero) para a
mistura: água, gelo picado e sal; e o valor 100 para a temperatura do
corpo humano. Dividiu-se o intervalo entre esses pontos fixos em 100
partes iguais e cada parte recebeu o nome de grau Fahrenheit, cujo
símbolo é °F.
Ao compararmos os pontos fixos escolhidos por Fahrenheit e Celsius,
temos para o ponto de fusão do gelo o valor 32 °F e para o ponto de
vapor da água o valor 212 °F; o intervalo dividido em 100 partes
iguais pelo sueco (Celsius) é dividido em 180 partes iguais Fahrenheit
(5).
Esta escala foi utilizada principalmente pelos países que foram colonizados pelos britânicos,
mas seu uso atualmente se restringe a poucos países de língua inglesa, como os Estados
Unidos e Belize.
Imagem:
Pearson
Scott
Foresman
/
Wikimedia
Foundation
/Public
Domain
• Em países de clima frio, as temperaturas
assumem, quase sempre, valores positivos na
escala Fahrenheit, o que não é acompanhado
pela graduação em Celsius. O zero Fahrenheit é
-17,78 °C, portanto, poucas serão as situações
em que serão apresentados valores negativos na
previsão do tempo, o que facilita a compreensão
de temperatura pelos habitantes de países de
clima frio, principalmente para cálculos de
amplitude térmica pelos mais humildes.
(Exemplo: uma cidade com temperatura abaixo
do ponto de fusão da água somente durante a
noite) (9).
VANTAGENS
Imagem:
Pearson
Scott
Foresman
/
Wikimedia
Foundation
/Public
Domain
• Em Celsius, a definição da passagem de estado febril para febre que precisa da
utilização de medicamentos está entre os valores 37 e 38 °C. Em Fahrenheit,
acostumou-se a tratar pacientes com medicamentos, quando a febre destes chega
a valores de 3 dígitos (100 °F = 37,78 °C). É usual encontrar, nos países que
utilizam a medida, enfermeiras falando: "A temperatura já atingiu três dígitos,
vamos dar uma medicação". Numa época pré-industrial e antes do
aperfeiçoamento do setor de saúde, esta foi uma valiosa informação para
enfermeiros e médicos, fato que parece perder a importância com o passar do
tempo (11).
VANTAGENS
Escala kelvin
O Termômetro de Gás
O comportamento observado
nesse dispositivo é a variação da
pressão com a temperatura de um
volume fixo de gás.
Foi calibrado utilizando-se os pontos de
fusão do gelo e de ebulição da água.
A altura h (a diferença entre os níveis do
reservatório e da coluna A) indica a
pressão no frasco.
Imagem:
Autor
Desconhecido
/
United
States
public
domain
Mercúrio
Se quisermos medir a temperatura de uma substância, colocamos o frasco de
gás em contato térmico com a substância e ajustamos a coluna de mercúrio.
Curva de calibração
Imagem: Kuroisam
/ Public Domain
Imagem:
SEE-PE
A figura mostra a curva de calibração para três gases diferentes.
Observamos que se estendermos as
retas rumo às temperaturas negativas,
para P=0, a temperatura é de –273,15
C para as três retas.
Tal temperatura deve representar um limite inferior para os processos físicos, porque
a pressão mais baixa possível é P=0 (seria um vácuo perfeito).
Isso sugere que essa temperatura em
particular tem importância universal,
pois não depende da substância usada
no termômetro.
Definimos a temperatura de –273,15 C como sendo o zero absoluto.
Imagem: SEE-PE
Assim, Kelvin atribuiu o valor zero para este
estado térmico(zero absoluto) e o valor de 1
kelvin a uma extensão igual à do grau Celsius,
de modo que o ponto de fusão do gelo,
corresponde a 273 K e o ponto de ebulição da
água, corresponde a 373 K. O nome e o
símbolo grau kelvin foram abolidos em
convenção científica internacional e
substituídos simplesmente por kelvin;
portanto, ao invés de 10 °K, escreve-se 10 K e
lê-se: dez kelvin.
Imagem:
Celsius_kelvin_estandar_1954.png:
Homo
logos
/
Modificações
feitas
por
Kismalac
/
GNU
Free
Documentation
License.
Posteriormente, descobriu-se ser impossível atingir o estado de
agitação molecular nulo; as moléculas têm uma energia mínima
denominada energia do ponto zero, e o zero absoluto é
inatingível na prática. O zero absoluto é obtido por extrapolação
e não deve ser interpretado como o estado em que as partículas
estariam em completo repouso, pois elas possuem uma energia
mínima finita e apresentam movimento.
CONVERSÃO ENTRE AS ESCALAS
• FÓRMULA GERAL PARA CONVERSÃO DE
TEMPERATURA:
CONVERSÃO ENTRE AS ESCALAS
CONVERSÃO ENTRE AS ESCALAS
• EXEMPLOS:
É um termômetro de mercúrio adaptado para funcionar no intervalo de temperaturas de 35°C a
44°C. Normalmente, é utilizado na determinação da temperatura do corpo humano e de outros
seres vivos. Como é construído com a finalidade básica de indicar a temperatura mais
elevada por ele atingida, quando em contato com o corpo humano, o termômetro clínico é
considerado um termômetro de máxima.
Para que esse objetivo seja alcançado, há um estrangulamento do tubo capilar na região que o
liga ao bulbo, evitando, assim, o refluxo de mercúrio após ter atingido a temperatura máxima.
Para desfazer o efeito do estrangulamento, é suficiente sacudir o termômetro com movimentos
rápidos, pois a inércia do mercúrio leva-o de volta ao bulbo. O termômetro clínico deve ter
pequenas dimensões, a fim de atingir o equilíbrio térmico com o corpo humano rapidamente, e sua
escala deve ser fracionada para que seja sensível à pequenas variações de temperatura. Na prática,
o termômetro clínico apresenta tubo capilar de alguns milímetros de diâmetro e comprimento de
dez centímetros aproximadamente (18).
TERMÔMETRO CLÍNICO
Imagem:
Zwager
/
Public
Domain
O termômetro clínico, quando usado em mais de um paciente, pode funcionar como
veículo de contaminação microbiana. Assim, após cada tomada de temperatura, ele
deve ser esterilizado. Mas, devido ao pequeno intervalo de temperaturas (35°C a
44°C) em que ele trabalha, essa esterilização não pode ser feita através de processos
que utilizam temperaturas elevadas. O álcool é, portanto, o antisséptico
recomendado.
Os termômetros de mercúrio são muito utilizados na prática, pois:
- o mercúrio é facilmente obtido em elevado grau de pureza;
- o mercúrio apresenta dilatação térmica regular e muito superior à do vidro;
- sob pressão normal, o mercúrio é líquido num intervalo de temperaturas bastante
extenso (entre 39°C e 359°C), o que abrange os fenômenos térmicos mais frequentes;
- o mercúrio não adere ao vidro e não reage com ele;
- os termômetros de mercúrio são de fácil construção e cômodos no manuseio (19).
A escala Réaumur é uma escala de temperatura concebida
em 1731 pelo físico e inventor francês René-Antoine Ferchault de
Réaumur (1683-1757), cujos pontos fixos são o ponto de
congelamento da água (zero) e seu ponto de ebulição (80 graus).
Inventou um termômetro a álcool e apresentou uma escala
termométrica para esses tipos de termômetros (1730), que fez
muito sucesso na Europa Ocidental.
Assim, a unidade desta escala, o grau Réaumur, vale 4/5 de 1
grau Celsius e tem o mesmo zero que o grau Celsius. Seu símbolo
é °R.
OUTRAS ESCALAS – EM DESUSO
ESCALA RÉAUMUR
Imagem:
J.
Pizzetta
/
United
States
public
domain
Imagem:
Green
Lane
/
GNU
Free
Documentation
License
ESCALA RANKINE
Escala Termométrica inventada por
William John Macqorn Rankine
(1820 - 1872), físico escocês que
atribuiu o valor zero ao zero
absoluto e utilizou o grau Fahrenheit
como unidade de variação (20).
Imagem:
United
States
public
domain
Imagem:
SEE-PE
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
3b, 4, 5, 6,
20a, 21,
25, 29b
SEE-PE Acervo SEE-PE 23/02/2012
2a Fir0002, flagstaffotos.com.au / GNU Free
Documentation License /
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Fir
e02.jpg
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Fire02.
jpg
09/02/2012
2b Gérald Tapp / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Iceber
gs.jpg
09/02/2012
3a Greg L / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm
ally_Agitated_Molecule.gif
09/02/2012
7 e 26 Zwager / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Kwikth
ermometers.jpg
09/02/2012
8 Geof from de.wikipedia.org / GNU Free
Documentation License
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm
ometer4x_75percent_15.389.jpg
09/02/2012
9a Menchi / GNU Free Documentation Licensehttp://commons.wikimedia.org/wiki/File:Clinica
l_thermometer_38.7.JPG
09/02/2012
9b Biol / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Koorts
thermometers-AFEC-0120-
Lot240901%2BHartmann-0123-Lot3499.jpg
09/02/2012
9c Optris / Creative Commons Attribution-
Share Alike 3.0 Unported
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Optris
CT.jpg
09/02/2012
Tabela de Imagens
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
11a Olof Arenius / Astronomical observatory of
Uppsala University / Public Domain.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Anders
-Celsius-Head.jpg
10/02/2012
11b Pearson Scott Foresman / Wikimedia
Foundation /Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm
ometer_(PSF)_de.svg
10/02/2012
12 Pearson Scott Foresman / Wikimedia
Foundation /Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm
ometer_(PSF)_de.svg
10/02/2012
13 Autor Desconhecido, 1735 / Horrebows Basis
Astronomiæ / United States Public Domain
http://en.wikipedia.org/wiki/File:Ole_R%C3%B8
mer_at_work.jpg
10/02/2012
14a Autor Desconhecido / United States public
domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Fahren
heit_small.jpg
10/02/2012
14b Daniel Gabriel Fahrenheit / United States Public
Domain
http://en.wikipedia.org/wiki/File:Daniel_Gabriel
_Fahrenheit_Signature.svg
10/02/2012
16 Pearson Scott Foresman / Wikimedia
Foundation /Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm
ometer_(PSF)_de.svg
10/02/2012
19a Autor Desconhecido / United States public
domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Lord_K
elvin_photograph.jpg
10/02/2012
Tabela de Imagens
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
19b Kuroisam / Public Domain Kuroisam / Public Domain 10/02/2012
20b Kuroisam / Public Domain Kuroisam / Public Domain 10/02/2012
23 Celsius_kelvin_estandar_1954.png: Homo logos
/ Modificações feitas por Kismalac / GNU Free
Documentation License.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Celsius
Kelvin.svg
10/02/2012
28a J. Pizzetta / United States Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Reaum
ur_1683-1757.jpg
10/02/2012
28b Green Lane / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Old_R%
C3%A9aumur_scale_thermometer_-
_IMG_0983.JPG
10/02/2012
29a Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:W_J_M
_Rankine.JPG
10/02/2012
Tabela de Imagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Temperatura
TemperaturaTemperatura
Temperaturapanelada
 
Segmentos proporcionais 1
Segmentos proporcionais 1Segmentos proporcionais 1
Segmentos proporcionais 1luciaoliv
 
Gincana geometria plana
Gincana geometria planaGincana geometria plana
Gincana geometria planaAndrea Vilela
 
SEGMENTOS PROPORCIONAIS E TEOREMA DE TALES.pptx
SEGMENTOS PROPORCIONAIS E TEOREMA DE TALES.pptxSEGMENTOS PROPORCIONAIS E TEOREMA DE TALES.pptx
SEGMENTOS PROPORCIONAIS E TEOREMA DE TALES.pptxMárcia Moura
 
Dilatação Térmica (exercícios)
Dilatação Térmica (exercícios)Dilatação Térmica (exercícios)
Dilatação Térmica (exercícios)Edson Marcos Silva
 
Introdução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmicaIntrodução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmicaHelder Guerreiro
 
RelaçõEs Trigonometricas
RelaçõEs TrigonometricasRelaçõEs Trigonometricas
RelaçõEs Trigonometricasguest0eac51
 
DivisãO Da Circunferência
DivisãO Da CircunferênciaDivisãO Da Circunferência
DivisãO Da Circunferênciaeditazevedo42
 
Geometria 4º ano
Geometria 4º anoGeometria 4º ano
Geometria 4º anolveiga
 
Apostila: Introdução a Limite, Derivada e Integral
Apostila: Introdução a Limite, Derivada e IntegralApostila: Introdução a Limite, Derivada e Integral
Apostila: Introdução a Limite, Derivada e IntegralMaria Teresa Thomaz
 
Áreas e Perímetros de Figuras Semelhantes
Áreas e Perímetros de Figuras SemelhantesÁreas e Perímetros de Figuras Semelhantes
Áreas e Perímetros de Figuras Semelhantesmatematica3g
 

Mais procurados (20)

Temperatura
TemperaturaTemperatura
Temperatura
 
Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)
 
Segmentos proporcionais 1
Segmentos proporcionais 1Segmentos proporcionais 1
Segmentos proporcionais 1
 
Transformações geométricas
Transformações geométricasTransformações geométricas
Transformações geométricas
 
Angulos
AngulosAngulos
Angulos
 
Slide aula angulos
Slide aula angulosSlide aula angulos
Slide aula angulos
 
Gincana geometria plana
Gincana geometria planaGincana geometria plana
Gincana geometria plana
 
SEGMENTOS PROPORCIONAIS E TEOREMA DE TALES.pptx
SEGMENTOS PROPORCIONAIS E TEOREMA DE TALES.pptxSEGMENTOS PROPORCIONAIS E TEOREMA DE TALES.pptx
SEGMENTOS PROPORCIONAIS E TEOREMA DE TALES.pptx
 
Tales9ºano
Tales9ºanoTales9ºano
Tales9ºano
 
Dilatação Térmica (exercícios)
Dilatação Térmica (exercícios)Dilatação Térmica (exercícios)
Dilatação Térmica (exercícios)
 
Classificação de ângulos
Classificação de ângulosClassificação de ângulos
Classificação de ângulos
 
Introdução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmicaIntrodução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmica
 
RelaçõEs Trigonometricas
RelaçõEs TrigonometricasRelaçõEs Trigonometricas
RelaçõEs Trigonometricas
 
DivisãO Da Circunferência
DivisãO Da CircunferênciaDivisãO Da Circunferência
DivisãO Da Circunferência
 
Multiplicação
MultiplicaçãoMultiplicação
Multiplicação
 
Simetria@
Simetria@Simetria@
Simetria@
 
Geometria 4º ano
Geometria 4º anoGeometria 4º ano
Geometria 4º ano
 
Ciclo de Brayton
Ciclo de BraytonCiclo de Brayton
Ciclo de Brayton
 
Apostila: Introdução a Limite, Derivada e Integral
Apostila: Introdução a Limite, Derivada e IntegralApostila: Introdução a Limite, Derivada e Integral
Apostila: Introdução a Limite, Derivada e Integral
 
Áreas e Perímetros de Figuras Semelhantes
Áreas e Perímetros de Figuras SemelhantesÁreas e Perímetros de Figuras Semelhantes
Áreas e Perímetros de Figuras Semelhantes
 

Semelhante a FÍSICA -Aula introdutória de TERMOLOGIA - 2° Ano (2).pdf

Semelhante a FÍSICA -Aula introdutória de TERMOLOGIA - 2° Ano (2).pdf (20)

Escalas termométricas.pptx
Escalas termométricas.pptxEscalas termométricas.pptx
Escalas termométricas.pptx
 
Aula 1 temperatura
Aula 1   temperaturaAula 1   temperatura
Aula 1 temperatura
 
Escalas termométricas
Escalas termométricasEscalas termométricas
Escalas termométricas
 
Termoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptxTermoligia trabalhar.pptx
Termoligia trabalhar.pptx
 
2 ano fisica
2 ano fisica2 ano fisica
2 ano fisica
 
C:\Fakepath\Termometria
C:\Fakepath\TermometriaC:\Fakepath\Termometria
C:\Fakepath\Termometria
 
AULA SOBRE Termometria
AULA SOBRE TermometriaAULA SOBRE Termometria
AULA SOBRE Termometria
 
TERMOLOGIA
TERMOLOGIATERMOLOGIA
TERMOLOGIA
 
Aaaaaa
AaaaaaAaaaaa
Aaaaaa
 
Temperatura
TemperaturaTemperatura
Temperatura
 
Termologia - I-Termometria
Termologia - I-TermometriaTermologia - I-Termometria
Termologia - I-Termometria
 
Termologia 2 aula
Termologia 2   aulaTermologia 2   aula
Termologia 2 aula
 
Termometria aula
Termometria   aulaTermometria   aula
Termometria aula
 
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptxAULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
AULA-001---TERMOMETRIA-E-CALORIMETRIA_0d196498cda04bdbb848c2c572009c89.pptx
 
Escalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVIN
Escalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVINEscalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVIN
Escalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVIN
 
HIGI CALOR 21 09 07.pptx
HIGI CALOR 21 09 07.pptxHIGI CALOR 21 09 07.pptx
HIGI CALOR 21 09 07.pptx
 
Termometria
TermometriaTermometria
Termometria
 
Termômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricasTermômetros e escalas termométricas
Termômetros e escalas termométricas
 

Mais de JosOrlando23

REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO.pptx
REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO.pptxREGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO.pptx
REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO.pptxJosOrlando23
 
AULA Primeira lei da termodinâmica.pptx
AULA Primeira lei da termodinâmica.pptxAULA Primeira lei da termodinâmica.pptx
AULA Primeira lei da termodinâmica.pptxJosOrlando23
 
FÍSICA_MU_MUV_E_QUEDA LIVRE.pdf
FÍSICA_MU_MUV_E_QUEDA LIVRE.pdfFÍSICA_MU_MUV_E_QUEDA LIVRE.pdf
FÍSICA_MU_MUV_E_QUEDA LIVRE.pdfJosOrlando23
 
dcrc_CNATUREZA.pdf
dcrc_CNATUREZA.pdfdcrc_CNATUREZA.pdf
dcrc_CNATUREZA.pdfJosOrlando23
 
Espelhos planos e esféricos.pdf
Espelhos planos e esféricos.pdfEspelhos planos e esféricos.pdf
Espelhos planos e esféricos.pdfJosOrlando23
 
FÍSICA- AULA E ATIVIDADE.pdf
FÍSICA- AULA E ATIVIDADE.pdfFÍSICA- AULA E ATIVIDADE.pdf
FÍSICA- AULA E ATIVIDADE.pdfJosOrlando23
 

Mais de JosOrlando23 (6)

REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO.pptx
REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO.pptxREGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO.pptx
REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO.pptx
 
AULA Primeira lei da termodinâmica.pptx
AULA Primeira lei da termodinâmica.pptxAULA Primeira lei da termodinâmica.pptx
AULA Primeira lei da termodinâmica.pptx
 
FÍSICA_MU_MUV_E_QUEDA LIVRE.pdf
FÍSICA_MU_MUV_E_QUEDA LIVRE.pdfFÍSICA_MU_MUV_E_QUEDA LIVRE.pdf
FÍSICA_MU_MUV_E_QUEDA LIVRE.pdf
 
dcrc_CNATUREZA.pdf
dcrc_CNATUREZA.pdfdcrc_CNATUREZA.pdf
dcrc_CNATUREZA.pdf
 
Espelhos planos e esféricos.pdf
Espelhos planos e esféricos.pdfEspelhos planos e esféricos.pdf
Espelhos planos e esféricos.pdf
 
FÍSICA- AULA E ATIVIDADE.pdf
FÍSICA- AULA E ATIVIDADE.pdfFÍSICA- AULA E ATIVIDADE.pdf
FÍSICA- AULA E ATIVIDADE.pdf
 

Último

Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...azulassessoria9
 
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfAutonoma
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Cabiamar
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxOrações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxKtiaOliveira68
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...azulassessoria9
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreLeandroLima265595
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do séculoBiblioteca UCS
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...azulassessoria9
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 

Último (20)

Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxOrações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 

FÍSICA -Aula introdutória de TERMOLOGIA - 2° Ano (2).pdf

  • 1. Ciências da Natureza e suas Tecnologias - Física Ensino Médio, 2ª Série ENERGIA TÉRMICA Prof. Orlando
  • 2.
  • 3.
  • 4. Calor e Temperatura Temperatura: é uma grandeza física, que mede o grau de agitação das partículas de um corpo, substância ou sistema físico. Calor: é a energia térmica que flui de um corpo de maior temperatura para um de menor temperatura. Imagem: Greg L / GNU Free Documentation License Imagem: SEE-PE
  • 5. TERMOLOGIA é a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a energia térmica, o calor e a temperatura. FÍSICA, 2ª Série ENERGIA TÉRMICA Imagem: Gérald Tapp / Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported Imagem: Fir0002, flagstaffotos.com.au / GNU Free Documentation License / http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Fire02.jpg
  • 6. ◼ As partículas constituintes dos corpos estão em contínuo movimento. Entende-se temperatura, como sendo uma grandeza que mede a maior ou menor intensidade dessa agitação térmica. A quantidade que informa quão quente ou frio é um objeto em relação a algum padrão é chamada de temperatura (1). Imagens: SEE-PE
  • 7. ◼ As partículas constituintes dos corpos estão em contínuo movimento. Entende-se temperatura, como sendo uma grandeza que mede a maior ou menor intensidade dessa agitação térmica. A quantidade que informa quão quente ou frio é um objeto em relação a algum padrão é chamada de temperatura (1). MAIOR TEMPERATURA MENOR TEMPERATURA Imagens: SEE-PE
  • 8. Se os corpos estiverem a temperaturas diferentes, a energia pode ser trocada entre eles (2). No equilíbrio térmico os corpos em contato térmico deixam de trocar energia. Frequentemente associamos o conceito de temperatura com o grau de quente ou de frio de um corpo que tocamos . A NOSSA PELE É SENSÍVEL À TAXA DE TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA E NÃO À TEMPERATURA DO CORPO. Imagem: SEE-PE
  • 9. Lei Zero da Termodinâmica "Se dois corpos estão em equilíbrio térmico com um terceiro, então eles estão em equilíbrio térmico entre si." (3) Imagem: SEE-PE
  • 10. Termometria Termômetro – Um dispositivo calibrado para medir a temperatura do corpo. É a partir da termologia que se estudam os processos de medição da temperatura de um corpo. Imagem: Zwager / Public Domain
  • 11. COMO MEDIR A TEMPERATURA Algumas das propriedades físicas que mudam com a temperatura e que são usadas nos termômetros: • o volume de um líquido; • o comprimento de um sólido; • a pressão de um gás mantido a volume constante; • o volume de um gás mantido a pressão constante; • a resistência eléctrica de um condutor; • a cor de um corpo quente. Imagem: Geof from de.wikipedia.org / GNU Free Documentation License Termômetro • Instrumento destinado a medir a temperatura dos corpos; • A medida da temperatura é feita de forma indireta; • Grandezas e substâncias termométricas;
  • 12. TIPOS DE TERMÔMETROS Podem ser: de mercúrio, a álcool, clínico, Six e Bellani, de resistência elétrica, bimetálico, de pressão de gás, laser e infravermelho. Imagem superior à esquerda: Menchi / GNU Free Documentation License. Inferior à esquerda: Biol / Public Domain. E acima: Optris / Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported.
  • 14. Escalas Termométricas Escala Celsius A Escala Celsius construída em 1742, pelo físico e astrônomo sueco Anders Celsius, que adotou para o ponto de fusão de gelo o valor 0 (zero) e para o ponto de ebulição da água o valor 100 (cem). Dividiu-se o intervalo obtido entre os pontos fixos em cem partes iguais, em que cada parte corresponde a uma unidade da escala e foi denominada de grau Celsius, cujo símbolo é o °C. Como o intervalo entre os pontos fixos dessa escala foi dividido em cem partes iguais, ela recebeu o nome de centesimal e, atualmente, a Escala Celsius é a mais utilizada em todo o mundo (4). Imagem: Olof Arenius / Astronomical observatory of Uppsala University / Public Domain. Imagem: Pearson Scott Foresman / Wikimedia Foundation /Public Domain
  • 15. Escala Fahrenheit A Escala Fahrenheit foi construída, em 1727, pelo físico alemão Daniel Gabriel Fahrenheit, que adotou o valor 0 (zero) para a mistura: água, gelo picado e sal; e o valor 100 para a temperatura do corpo humano. Dividiu-se o intervalo entre esses pontos fixos em 100 partes iguais e cada parte recebeu o nome de grau Fahrenheit, cujo símbolo é °F. Ao compararmos os pontos fixos escolhidos por Fahrenheit e Celsius, temos para o ponto de fusão do gelo o valor 32 °F e para o ponto de vapor da água o valor 212 °F; o intervalo dividido em 100 partes iguais pelo sueco (Celsius) é dividido em 180 partes iguais Fahrenheit (5). Esta escala foi utilizada principalmente pelos países que foram colonizados pelos britânicos, mas seu uso atualmente se restringe a poucos países de língua inglesa, como os Estados Unidos e Belize. Imagem: Pearson Scott Foresman / Wikimedia Foundation /Public Domain
  • 16. • Em países de clima frio, as temperaturas assumem, quase sempre, valores positivos na escala Fahrenheit, o que não é acompanhado pela graduação em Celsius. O zero Fahrenheit é -17,78 °C, portanto, poucas serão as situações em que serão apresentados valores negativos na previsão do tempo, o que facilita a compreensão de temperatura pelos habitantes de países de clima frio, principalmente para cálculos de amplitude térmica pelos mais humildes. (Exemplo: uma cidade com temperatura abaixo do ponto de fusão da água somente durante a noite) (9). VANTAGENS Imagem: Pearson Scott Foresman / Wikimedia Foundation /Public Domain
  • 17. • Em Celsius, a definição da passagem de estado febril para febre que precisa da utilização de medicamentos está entre os valores 37 e 38 °C. Em Fahrenheit, acostumou-se a tratar pacientes com medicamentos, quando a febre destes chega a valores de 3 dígitos (100 °F = 37,78 °C). É usual encontrar, nos países que utilizam a medida, enfermeiras falando: "A temperatura já atingiu três dígitos, vamos dar uma medicação". Numa época pré-industrial e antes do aperfeiçoamento do setor de saúde, esta foi uma valiosa informação para enfermeiros e médicos, fato que parece perder a importância com o passar do tempo (11). VANTAGENS
  • 18. Escala kelvin O Termômetro de Gás O comportamento observado nesse dispositivo é a variação da pressão com a temperatura de um volume fixo de gás. Foi calibrado utilizando-se os pontos de fusão do gelo e de ebulição da água. A altura h (a diferença entre os níveis do reservatório e da coluna A) indica a pressão no frasco. Imagem: Autor Desconhecido / United States public domain Mercúrio
  • 19. Se quisermos medir a temperatura de uma substância, colocamos o frasco de gás em contato térmico com a substância e ajustamos a coluna de mercúrio. Curva de calibração Imagem: Kuroisam / Public Domain Imagem: SEE-PE
  • 20. A figura mostra a curva de calibração para três gases diferentes. Observamos que se estendermos as retas rumo às temperaturas negativas, para P=0, a temperatura é de –273,15 C para as três retas. Tal temperatura deve representar um limite inferior para os processos físicos, porque a pressão mais baixa possível é P=0 (seria um vácuo perfeito). Isso sugere que essa temperatura em particular tem importância universal, pois não depende da substância usada no termômetro. Definimos a temperatura de –273,15 C como sendo o zero absoluto. Imagem: SEE-PE
  • 21. Assim, Kelvin atribuiu o valor zero para este estado térmico(zero absoluto) e o valor de 1 kelvin a uma extensão igual à do grau Celsius, de modo que o ponto de fusão do gelo, corresponde a 273 K e o ponto de ebulição da água, corresponde a 373 K. O nome e o símbolo grau kelvin foram abolidos em convenção científica internacional e substituídos simplesmente por kelvin; portanto, ao invés de 10 °K, escreve-se 10 K e lê-se: dez kelvin. Imagem: Celsius_kelvin_estandar_1954.png: Homo logos / Modificações feitas por Kismalac / GNU Free Documentation License.
  • 22. Posteriormente, descobriu-se ser impossível atingir o estado de agitação molecular nulo; as moléculas têm uma energia mínima denominada energia do ponto zero, e o zero absoluto é inatingível na prática. O zero absoluto é obtido por extrapolação e não deve ser interpretado como o estado em que as partículas estariam em completo repouso, pois elas possuem uma energia mínima finita e apresentam movimento.
  • 23. CONVERSÃO ENTRE AS ESCALAS • FÓRMULA GERAL PARA CONVERSÃO DE TEMPERATURA:
  • 25. CONVERSÃO ENTRE AS ESCALAS • EXEMPLOS:
  • 26. É um termômetro de mercúrio adaptado para funcionar no intervalo de temperaturas de 35°C a 44°C. Normalmente, é utilizado na determinação da temperatura do corpo humano e de outros seres vivos. Como é construído com a finalidade básica de indicar a temperatura mais elevada por ele atingida, quando em contato com o corpo humano, o termômetro clínico é considerado um termômetro de máxima. Para que esse objetivo seja alcançado, há um estrangulamento do tubo capilar na região que o liga ao bulbo, evitando, assim, o refluxo de mercúrio após ter atingido a temperatura máxima. Para desfazer o efeito do estrangulamento, é suficiente sacudir o termômetro com movimentos rápidos, pois a inércia do mercúrio leva-o de volta ao bulbo. O termômetro clínico deve ter pequenas dimensões, a fim de atingir o equilíbrio térmico com o corpo humano rapidamente, e sua escala deve ser fracionada para que seja sensível à pequenas variações de temperatura. Na prática, o termômetro clínico apresenta tubo capilar de alguns milímetros de diâmetro e comprimento de dez centímetros aproximadamente (18). TERMÔMETRO CLÍNICO Imagem: Zwager / Public Domain
  • 27. O termômetro clínico, quando usado em mais de um paciente, pode funcionar como veículo de contaminação microbiana. Assim, após cada tomada de temperatura, ele deve ser esterilizado. Mas, devido ao pequeno intervalo de temperaturas (35°C a 44°C) em que ele trabalha, essa esterilização não pode ser feita através de processos que utilizam temperaturas elevadas. O álcool é, portanto, o antisséptico recomendado. Os termômetros de mercúrio são muito utilizados na prática, pois: - o mercúrio é facilmente obtido em elevado grau de pureza; - o mercúrio apresenta dilatação térmica regular e muito superior à do vidro; - sob pressão normal, o mercúrio é líquido num intervalo de temperaturas bastante extenso (entre 39°C e 359°C), o que abrange os fenômenos térmicos mais frequentes; - o mercúrio não adere ao vidro e não reage com ele; - os termômetros de mercúrio são de fácil construção e cômodos no manuseio (19).
  • 28. A escala Réaumur é uma escala de temperatura concebida em 1731 pelo físico e inventor francês René-Antoine Ferchault de Réaumur (1683-1757), cujos pontos fixos são o ponto de congelamento da água (zero) e seu ponto de ebulição (80 graus). Inventou um termômetro a álcool e apresentou uma escala termométrica para esses tipos de termômetros (1730), que fez muito sucesso na Europa Ocidental. Assim, a unidade desta escala, o grau Réaumur, vale 4/5 de 1 grau Celsius e tem o mesmo zero que o grau Celsius. Seu símbolo é °R. OUTRAS ESCALAS – EM DESUSO ESCALA RÉAUMUR Imagem: J. Pizzetta / United States public domain Imagem: Green Lane / GNU Free Documentation License
  • 29. ESCALA RANKINE Escala Termométrica inventada por William John Macqorn Rankine (1820 - 1872), físico escocês que atribuiu o valor zero ao zero absoluto e utilizou o grau Fahrenheit como unidade de variação (20). Imagem: United States public domain Imagem: SEE-PE
  • 30. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 3b, 4, 5, 6, 20a, 21, 25, 29b SEE-PE Acervo SEE-PE 23/02/2012 2a Fir0002, flagstaffotos.com.au / GNU Free Documentation License / http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Fir e02.jpg http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Fire02. jpg 09/02/2012 2b Gérald Tapp / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Iceber gs.jpg 09/02/2012 3a Greg L / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm ally_Agitated_Molecule.gif 09/02/2012 7 e 26 Zwager / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Kwikth ermometers.jpg 09/02/2012 8 Geof from de.wikipedia.org / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm ometer4x_75percent_15.389.jpg 09/02/2012 9a Menchi / GNU Free Documentation Licensehttp://commons.wikimedia.org/wiki/File:Clinica l_thermometer_38.7.JPG 09/02/2012 9b Biol / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Koorts thermometers-AFEC-0120- Lot240901%2BHartmann-0123-Lot3499.jpg 09/02/2012 9c Optris / Creative Commons Attribution- Share Alike 3.0 Unported http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Optris CT.jpg 09/02/2012 Tabela de Imagens
  • 31. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 11a Olof Arenius / Astronomical observatory of Uppsala University / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Anders -Celsius-Head.jpg 10/02/2012 11b Pearson Scott Foresman / Wikimedia Foundation /Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm ometer_(PSF)_de.svg 10/02/2012 12 Pearson Scott Foresman / Wikimedia Foundation /Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm ometer_(PSF)_de.svg 10/02/2012 13 Autor Desconhecido, 1735 / Horrebows Basis Astronomiæ / United States Public Domain http://en.wikipedia.org/wiki/File:Ole_R%C3%B8 mer_at_work.jpg 10/02/2012 14a Autor Desconhecido / United States public domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Fahren heit_small.jpg 10/02/2012 14b Daniel Gabriel Fahrenheit / United States Public Domain http://en.wikipedia.org/wiki/File:Daniel_Gabriel _Fahrenheit_Signature.svg 10/02/2012 16 Pearson Scott Foresman / Wikimedia Foundation /Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Therm ometer_(PSF)_de.svg 10/02/2012 19a Autor Desconhecido / United States public domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Lord_K elvin_photograph.jpg 10/02/2012 Tabela de Imagens
  • 32. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 19b Kuroisam / Public Domain Kuroisam / Public Domain 10/02/2012 20b Kuroisam / Public Domain Kuroisam / Public Domain 10/02/2012 23 Celsius_kelvin_estandar_1954.png: Homo logos / Modificações feitas por Kismalac / GNU Free Documentation License. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Celsius Kelvin.svg 10/02/2012 28a J. Pizzetta / United States Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Reaum ur_1683-1757.jpg 10/02/2012 28b Green Lane / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Old_R% C3%A9aumur_scale_thermometer_- _IMG_0983.JPG 10/02/2012 29a Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:W_J_M _Rankine.JPG 10/02/2012 Tabela de Imagens