SlideShare uma empresa Scribd logo
Franz Kafka
A metamorfose.
Franz kafka
• Franz Kafka (Praga, 3 de julho de 1883) foi um
dos maiores escritores de ficção do século XX.
Kafka era de origem judaica, nasceu em
Praga, Áustria-Hungria (atual República
Checa), e escrevia em língua alemã. O
conjunto de seus textos— na maioria
incompletos e publicados postumamente —
situa-se entre os mais influentes da literatura
ocidental.
Literatura Fantástica.
• O termo “fantástico”, presente no título deste
verbete, é oriundo do latim phantasticus (-a,um), que, por sua vez, provém do grego
φανταστικός (phantastikós) - ambas as palavras
provenientes de "fantasia". Refere-se ao que é
criado pela imaginação, o que não existe na
realidade. É aplicável a um objeto como a
literatura, pois o universo da literatura, por mais
que se tente aproximá-la do real, está limitado ao
fantasioso e ao ficcional. Todo texto fantástico
tem
elementos
inverossímeis, imaginários, distantes da realidade
dos homens.
• CAPÍTULO I
• Numa manhã, ao despertar de sonhos
inquietantes, Gregor Samsa deu por si na cama
transformado num gigantesco inseto. Estava
deitado sobre o dorso, tão duro que parecia
revestido de metal, e, ao levantar um pouco a
cabeça, divisou o arredondado ventre castanho
dividido em duros segmentos arqueados, sobre o
qual a colcha dificilmente mantinha a posição e
estava a ponto de escorregar. Comparadas com o
resto do corpo, as inúmeras pernas, que eram
miseravelmente
finas,
agitavam-se
desesperadamente diante de seus olhos.
Franz kafka
• Que me aconteceu? - pensou. Não era um
sonho. O quarto, um vulgar quarto
humano, apenas bastante acanhado, ali
estava, como de costume, entre as quatro
paredes que lhe eram familiares. Por cima da
mesa, onde estava deitado, desembrulhada e
em completa desordem, uma série de
amostras de roupas: Samsa era caixeiroviajante, estava pendurada a fotografia que
recentemente recortara de uma revista
ilustrada e colocara numa bonita moldura
dourada.
Franz kafka
• Mostrava uma senhora, de chapéu e estola de
peles, rigidamente sentada, a estender ao
espectador um enorme regalo de peles, onde
o antebraço sumia!
Franz kafka
• Gregor desviou então a vista para a janela e deu
com o céu nublado - ouviam-se os pingos de
chuva a baterem na calha da janela e isso o fez
sentir-se bastante melancólico. Não seria melhor
dormir um pouco e esquecer todo este delírio? cogitou. Mas era impossível, estava habituado a
dormir para o lado direito e, na presente
situação, não podia virar-se. Por mais que se
esforçasse por inclinar o corpo para a
direita, tornava sempre a rebolar, ficando de
costas. Tentou, pelo menos, cem vezes, fechando
os olhos, para evitar ver as pernas a debateremse, e só desistiu quando começou a sentir no
flanco uma ligeira dor entorpecida que nunca
antes experimentara.
Bibliografia
• KAFKA, Franz. A Metarmofose; retirado em:
http://www.culturabrasil.org/zip/metamorfos
e.pdf Acesso em: 15/01/2014.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oscar wilde
Oscar wildeOscar wilde
Oscar wilde
hercoles mateus
 
Resumo exame.docx
Resumo exame.docxResumo exame.docx
Resumo exame.docx
CarolinaRodrigues818742
 
Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]
quintaldasletras
 
Resumo dom casmurro
Resumo dom casmurroResumo dom casmurro
Resumo dom casmurro
Elias Gobira
 
Agualusa 2
Agualusa 2Agualusa 2
Agualusa 2
Carla Nunes
 
Franz.kafka.a.metamorfose
Franz.kafka.a.metamorfoseFranz.kafka.a.metamorfose
Franz.kafka.a.metamorfose
Ariane Mafra
 
Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
nelsonalves70
 
Ensaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a CegueiraEnsaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a Cegueira
Ana Tapadas
 
Os maias-cronologia
Os maias-cronologiaOs maias-cronologia
Os maias-cronologia
Feliciano Novo
 
A Menina Que Roubava Livros
A Menina Que Roubava LivrosA Menina Que Roubava Livros
A Menina Que Roubava Livros
Jéssica Freitas
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
becresforte
 
O Alienista - Machado de Assis.
O Alienista - Machado de Assis.O Alienista - Machado de Assis.
O Alienista - Machado de Assis.
Julia Maldonado Garcia
 
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Rita Galrito
 
Poesias pós-modernas: concretismo, Poesia Práxis e Poema-Processo
Poesias pós-modernas: concretismo, Poesia Práxis e Poema-ProcessoPoesias pós-modernas: concretismo, Poesia Práxis e Poema-Processo
Poesias pós-modernas: concretismo, Poesia Práxis e Poema-Processo
Djeisci Maldaner
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
Helena Coutinho
 
Crime e castigo de Fiódor Dostoiévski
Crime e castigo de Fiódor DostoiévskiCrime e castigo de Fiódor Dostoiévski
Crime e castigo de Fiódor Dostoiévski
Bruno Diel
 
Alberto caeiro
Alberto caeiroAlberto caeiro
Alberto caeiro
Maria da Paz
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Patrícia Faria
 
Os Maias de A a Z
Os Maias de A a ZOs Maias de A a Z
Os Maias de A a Z
lumigopereira
 
Personagens memorial do convento
Personagens memorial do conventoPersonagens memorial do convento
Personagens memorial do convento
paulouhf
 

Mais procurados (20)

Oscar wilde
Oscar wildeOscar wilde
Oscar wilde
 
Resumo exame.docx
Resumo exame.docxResumo exame.docx
Resumo exame.docx
 
Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]
 
Resumo dom casmurro
Resumo dom casmurroResumo dom casmurro
Resumo dom casmurro
 
Agualusa 2
Agualusa 2Agualusa 2
Agualusa 2
 
Franz.kafka.a.metamorfose
Franz.kafka.a.metamorfoseFranz.kafka.a.metamorfose
Franz.kafka.a.metamorfose
 
Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
 
Ensaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a CegueiraEnsaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a Cegueira
 
Os maias-cronologia
Os maias-cronologiaOs maias-cronologia
Os maias-cronologia
 
A Menina Que Roubava Livros
A Menina Que Roubava LivrosA Menina Que Roubava Livros
A Menina Que Roubava Livros
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
O Alienista - Machado de Assis.
O Alienista - Machado de Assis.O Alienista - Machado de Assis.
O Alienista - Machado de Assis.
 
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
 
Poesias pós-modernas: concretismo, Poesia Práxis e Poema-Processo
Poesias pós-modernas: concretismo, Poesia Práxis e Poema-ProcessoPoesias pós-modernas: concretismo, Poesia Práxis e Poema-Processo
Poesias pós-modernas: concretismo, Poesia Práxis e Poema-Processo
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
Crime e castigo de Fiódor Dostoiévski
Crime e castigo de Fiódor DostoiévskiCrime e castigo de Fiódor Dostoiévski
Crime e castigo de Fiódor Dostoiévski
 
Alberto caeiro
Alberto caeiroAlberto caeiro
Alberto caeiro
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
 
Os Maias de A a Z
Os Maias de A a ZOs Maias de A a Z
Os Maias de A a Z
 
Personagens memorial do convento
Personagens memorial do conventoPersonagens memorial do convento
Personagens memorial do convento
 

Semelhante a Franz kafka

Tópico-frasal narrativo: A METAMORFOSE.pptx
Tópico-frasal narrativo: A METAMORFOSE.pptxTópico-frasal narrativo: A METAMORFOSE.pptx
Tópico-frasal narrativo: A METAMORFOSE.pptx
MariaPauladeSouzaTur
 
A metamorfose (Franz Kafka)
A metamorfose   (Franz Kafka)A metamorfose   (Franz Kafka)
A metamorfose (Franz Kafka)
Prof. Sonia Santana
 
Cópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptxCópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptx
walternascimento19
 
naturalismo.ppt
naturalismo.pptnaturalismo.ppt
naturalismo.ppt
Lídia Costa
 
naturalismo - Literatura brasileira - Aula
naturalismo - Literatura brasileira - Aulanaturalismo - Literatura brasileira - Aula
naturalismo - Literatura brasileira - Aula
MaiteFerreira4
 
Aula memórias póstumas de brás cubas machado de assis
Aula memórias póstumas de brás cubas   machado de assisAula memórias póstumas de brás cubas   machado de assis
Aula memórias póstumas de brás cubas machado de assis
B Vidal
 
Poemas Malditos
Poemas MalditosPoemas Malditos
Poemas Malditos
elibs_brasil
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
Kauan_ts
 
Resumos dos Capítulos do livro "O Teorema do Papagaio"
Resumos dos Capítulos do livro "O Teorema do Papagaio"Resumos dos Capítulos do livro "O Teorema do Papagaio"
Resumos dos Capítulos do livro "O Teorema do Papagaio"
Walisson Miranda
 
Alçapão para gigantes, de Péricles Prade
Alçapão para gigantes, de Péricles PradeAlçapão para gigantes, de Péricles Prade
Alçapão para gigantes, de Péricles Prade
BlogPP
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
luisprista
 
Seminário de literatura; Noite Na Taverna
Seminário de literatura; Noite Na TavernaSeminário de literatura; Noite Na Taverna
Seminário de literatura; Noite Na Taverna
vvic2008z
 
O amor nos tempos do cólera + A hora da estrela
O amor nos tempos do cólera + A hora da estrelaO amor nos tempos do cólera + A hora da estrela
O amor nos tempos do cólera + A hora da estrela
Sarah Reinoso
 
Reflexão escrita francisco aguiar 12ºA
Reflexão escrita   francisco aguiar 12ºAReflexão escrita   francisco aguiar 12ºA
Reflexão escrita francisco aguiar 12ºA
IsabelPereira2010
 
Cioran, emil silogismos da amargura
Cioran, emil   silogismos da amarguraCioran, emil   silogismos da amargura
Cioran, emil silogismos da amargura
Paulo Guerrah
 
Alvares de Azevedo - Macário
Alvares de Azevedo - MacárioAlvares de Azevedo - Macário
Alvares de Azevedo - Macário
Amanda Almeida Resende
 
Uma Casa na Escuridão
Uma Casa na EscuridãoUma Casa na Escuridão
Uma Casa na Escuridão
Ana Tapadas
 
Mesa-redonda: Literatura fantástica
Mesa-redonda: Literatura fantásticaMesa-redonda: Literatura fantástica
Mesa-redonda: Literatura fantástica
Maurício Coelho
 
Lacos de-familia
Lacos de-familiaLacos de-familia
Lacos de-familia
Manami Fukace Ferreira
 
Resumo lacos-de-familia
Resumo lacos-de-familiaResumo lacos-de-familia
Resumo lacos-de-familia
Edjeynne Velez
 

Semelhante a Franz kafka (20)

Tópico-frasal narrativo: A METAMORFOSE.pptx
Tópico-frasal narrativo: A METAMORFOSE.pptxTópico-frasal narrativo: A METAMORFOSE.pptx
Tópico-frasal narrativo: A METAMORFOSE.pptx
 
A metamorfose (Franz Kafka)
A metamorfose   (Franz Kafka)A metamorfose   (Franz Kafka)
A metamorfose (Franz Kafka)
 
Cópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptxCópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptx
 
naturalismo.ppt
naturalismo.pptnaturalismo.ppt
naturalismo.ppt
 
naturalismo - Literatura brasileira - Aula
naturalismo - Literatura brasileira - Aulanaturalismo - Literatura brasileira - Aula
naturalismo - Literatura brasileira - Aula
 
Aula memórias póstumas de brás cubas machado de assis
Aula memórias póstumas de brás cubas   machado de assisAula memórias póstumas de brás cubas   machado de assis
Aula memórias póstumas de brás cubas machado de assis
 
Poemas Malditos
Poemas MalditosPoemas Malditos
Poemas Malditos
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Resumos dos Capítulos do livro "O Teorema do Papagaio"
Resumos dos Capítulos do livro "O Teorema do Papagaio"Resumos dos Capítulos do livro "O Teorema do Papagaio"
Resumos dos Capítulos do livro "O Teorema do Papagaio"
 
Alçapão para gigantes, de Péricles Prade
Alçapão para gigantes, de Péricles PradeAlçapão para gigantes, de Péricles Prade
Alçapão para gigantes, de Péricles Prade
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
 
Seminário de literatura; Noite Na Taverna
Seminário de literatura; Noite Na TavernaSeminário de literatura; Noite Na Taverna
Seminário de literatura; Noite Na Taverna
 
O amor nos tempos do cólera + A hora da estrela
O amor nos tempos do cólera + A hora da estrelaO amor nos tempos do cólera + A hora da estrela
O amor nos tempos do cólera + A hora da estrela
 
Reflexão escrita francisco aguiar 12ºA
Reflexão escrita   francisco aguiar 12ºAReflexão escrita   francisco aguiar 12ºA
Reflexão escrita francisco aguiar 12ºA
 
Cioran, emil silogismos da amargura
Cioran, emil   silogismos da amarguraCioran, emil   silogismos da amargura
Cioran, emil silogismos da amargura
 
Alvares de Azevedo - Macário
Alvares de Azevedo - MacárioAlvares de Azevedo - Macário
Alvares de Azevedo - Macário
 
Uma Casa na Escuridão
Uma Casa na EscuridãoUma Casa na Escuridão
Uma Casa na Escuridão
 
Mesa-redonda: Literatura fantástica
Mesa-redonda: Literatura fantásticaMesa-redonda: Literatura fantástica
Mesa-redonda: Literatura fantástica
 
Lacos de-familia
Lacos de-familiaLacos de-familia
Lacos de-familia
 
Resumo lacos-de-familia
Resumo lacos-de-familiaResumo lacos-de-familia
Resumo lacos-de-familia
 

Mais de Fábio Oliveira

Rumos e caminhos
Rumos e caminhosRumos e caminhos
Rumos e caminhos
Fábio Oliveira
 
Maui
MauiMaui
Oficna de escrita criativa
Oficna de escrita criativaOficna de escrita criativa
Oficna de escrita criativa
Fábio Oliveira
 
A semântica das cores na literatura fantástica
A semântica das cores na literatura fantásticaA semântica das cores na literatura fantástica
A semântica das cores na literatura fantástica
Fábio Oliveira
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
Fábio Oliveira
 
Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.
Fábio Oliveira
 
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Fábio Oliveira
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Fábio Oliveira
 
O jovem, a natureza, a ética
O jovem, a natureza, a éticaO jovem, a natureza, a ética
O jovem, a natureza, a ética
Fábio Oliveira
 
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
Fábio Oliveira
 
Os doze trabalhos de hércules
Os doze trabalhos de hérculesOs doze trabalhos de hércules
Os doze trabalhos de hércules
Fábio Oliveira
 

Mais de Fábio Oliveira (11)

Rumos e caminhos
Rumos e caminhosRumos e caminhos
Rumos e caminhos
 
Maui
MauiMaui
Maui
 
Oficna de escrita criativa
Oficna de escrita criativaOficna de escrita criativa
Oficna de escrita criativa
 
A semântica das cores na literatura fantástica
A semântica das cores na literatura fantásticaA semântica das cores na literatura fantástica
A semântica das cores na literatura fantástica
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
 
Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.
 
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
O jovem, a natureza, a ética
O jovem, a natureza, a éticaO jovem, a natureza, a ética
O jovem, a natureza, a ética
 
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
 
Os doze trabalhos de hércules
Os doze trabalhos de hérculesOs doze trabalhos de hércules
Os doze trabalhos de hércules
 

Franz kafka

  • 3. • Franz Kafka (Praga, 3 de julho de 1883) foi um dos maiores escritores de ficção do século XX. Kafka era de origem judaica, nasceu em Praga, Áustria-Hungria (atual República Checa), e escrevia em língua alemã. O conjunto de seus textos— na maioria incompletos e publicados postumamente — situa-se entre os mais influentes da literatura ocidental.
  • 4. Literatura Fantástica. • O termo “fantástico”, presente no título deste verbete, é oriundo do latim phantasticus (-a,um), que, por sua vez, provém do grego φανταστικός (phantastikós) - ambas as palavras provenientes de "fantasia". Refere-se ao que é criado pela imaginação, o que não existe na realidade. É aplicável a um objeto como a literatura, pois o universo da literatura, por mais que se tente aproximá-la do real, está limitado ao fantasioso e ao ficcional. Todo texto fantástico tem elementos inverossímeis, imaginários, distantes da realidade dos homens.
  • 5. • CAPÍTULO I • Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregor Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco inseto. Estava deitado sobre o dorso, tão duro que parecia revestido de metal, e, ao levantar um pouco a cabeça, divisou o arredondado ventre castanho dividido em duros segmentos arqueados, sobre o qual a colcha dificilmente mantinha a posição e estava a ponto de escorregar. Comparadas com o resto do corpo, as inúmeras pernas, que eram miseravelmente finas, agitavam-se desesperadamente diante de seus olhos.
  • 7. • Que me aconteceu? - pensou. Não era um sonho. O quarto, um vulgar quarto humano, apenas bastante acanhado, ali estava, como de costume, entre as quatro paredes que lhe eram familiares. Por cima da mesa, onde estava deitado, desembrulhada e em completa desordem, uma série de amostras de roupas: Samsa era caixeiroviajante, estava pendurada a fotografia que recentemente recortara de uma revista ilustrada e colocara numa bonita moldura dourada.
  • 9. • Mostrava uma senhora, de chapéu e estola de peles, rigidamente sentada, a estender ao espectador um enorme regalo de peles, onde o antebraço sumia!
  • 11. • Gregor desviou então a vista para a janela e deu com o céu nublado - ouviam-se os pingos de chuva a baterem na calha da janela e isso o fez sentir-se bastante melancólico. Não seria melhor dormir um pouco e esquecer todo este delírio? cogitou. Mas era impossível, estava habituado a dormir para o lado direito e, na presente situação, não podia virar-se. Por mais que se esforçasse por inclinar o corpo para a direita, tornava sempre a rebolar, ficando de costas. Tentou, pelo menos, cem vezes, fechando os olhos, para evitar ver as pernas a debateremse, e só desistiu quando começou a sentir no flanco uma ligeira dor entorpecida que nunca antes experimentara.
  • 12. Bibliografia • KAFKA, Franz. A Metarmofose; retirado em: http://www.culturabrasil.org/zip/metamorfos e.pdf Acesso em: 15/01/2014.