SlideShare uma empresa Scribd logo
2009
Aulo17pinho@




               EMPRESAS
               CONSTITUIÇÃO JURIDICA DAS
               SOCIEDADES




                  Paulo Pinho ; Paulo Granja; Cláudia Costa; Carla Pinto, Fernanda, Bruno
                                                                TURMA EFA 2008/2009
Constituição                      Jurídica                 das
Sociedades
Antes de iniciar um projecto, qualquer potencial empresário deve
ponderar sobre o tipo de empresa que pretende constituir, tendo em
conta que esta determinará o modelo de funcionamento desde a
constituição da empresa até ao desenvolvimento do
empreendimento.

Esta decisão passa numa primeira fase por decidir se irá
desenvolver o projecto sozinho ou conjuntamente com outras
pessoas.

1º Se decidir estabelecer-se individualmente, poderá optar por uma
das seguintes formas:

a) Empresário em Nome Individual;
b) Estabelecimento Individual de Responsabilidade Limitada
(E.I.R.L.);
c) Sociedade Unipessoal por Quotas.

2ºSe a opção recair sobre a constituição de uma empresa em
2º
conjunto com outras pessoas, poderá decidir sobre uma das
seguintes formas:

a) Sociedades em Nome Colectivo;
b) Sociedades por Quotas;
c) Sociedade Anónima;
d) Sociedade em Comandita Simples;
e) Sociedade em Comandita por Acções.

Sendo as mais usuais as sociedades por quotas e anónimas.

1  A-)
   A-   EMPRESÁRIO                                                           EM                NOME
INDIVIDUAL1
É uma empresa titulada por um só indivíduo, que afecta os bens próprios à
exploração da sua actividade económica.

No que respeita à responsabilidade do empresário, ele responde
ilimitadamente pelas dívidas contraídas no exercício da sua actividade
perante os seus credores, com todos os bens que integrem o seu património.


1 B-) EIRL (Estabelecimento Individual de
   B-
Responsabilidade Limitada)2
É uma empresa titulada por um só indivíduo, cuja responsabilidade pelas
dívidas decorrentes da actividade empresarial é limitada a uma parcela dos
seus bens.


  C-
1 C-) SOCIEDADE UNIPESSOAL POR
QUOTAS3
Esta nova figura de sociedade, criada pelo D.L. nº 257/96, de 31 de
Dezembro, reveste a forma de sociedade unipessoal, que pode ser uma pessoa
singular ou colectiva, que é o titular da totalidade do capital social.

1   Decreto-Lei nº 339/85, de 21/08, art. 3.º - Condições para ser empresário em nome individual.

2
    Decreto-Lei nº 248/86 de 25/08.
3
    Artigo 270.º-A a 270.º-G do Código das Sociedades Comerciais.
A estas sociedades aplicam-se as normas relativas às sociedades por quotas,
salvo as que pressupõem a pluralidade de sócios.
Possibilidade de constituir uma sociedade unipessoal, ou seja, a redução do
número de sócios de uma sociedade por quotas até um, evitando a
necessidade de existência de sócios de favor.

Constituída por um único sócio, pessoa singular ou colectiva, que é o titular
da totalidade do capital social e a responsabilidade do sócio encontra-se
limitada ao montante do capital social.
Capital social mínimo de 5.000 euros
Pode resultar da concentração das quotas da sociedade num único sócio,
independentemente da causa da concentração;
A firma da sociedade deve ser formada pela expressão "Sociedade
Unipessoal" ou "Unipessoal" antes da palavra "limitada" ou "lda";
Só o património social responde pelas dívidas da sociedade;
 Um EIRL poderá a qualquer momento ser transformado numa sociedade
unipessoal por quotas;
Uma pessoa singular só pode ser sócia de uma única sociedade desta
natureza;
Estas sociedades podem ser constituídas com escritura ou por documento
particular.




  A-
2 A-) SOCIEDADE EM NOME COLECTIVO4
Nestas sociedades o sócio além de responder individualmente pela sua
entrada, responde pelas obrigações sociais subsidiariamente em relação à
sociedade e solidariamente com os outros sócios.
A firma, quando não individualiza todos os sócios, deve conter o nome ou
firma de um deles, com o aditamento, abreviado ou por extenso "e
Companhia" ou por qualquer outro que indique a existência de outros sócios.



4
    Artigo 175.º a 196.º do Código das Sociedades Comerciais.
B-
2 B-) SOCIEDADE POR QUOTAS5
O capital social mínimo é de 5.000 euros
O capital está dividido em quotas e a cada sócio fica a pertencer uma quota
correspondente à entrada;
Os sócios respondem solidariamente pelas entradas convencionadas no
contrato social;
Nenhuma quota pode ser inferior a 100 euros (20.048$00);
Só o património social responde pelas dívidas da sociedade;
A firma deve ser formada, com ou sem sigla, pelo nome ou firma de todos,
algum ou alguns sócios, por denominação particular ou por ambos, acrescido
de “limitada" ou "Lda".




  C-
2 C-) SOCIEDADE ANÓNIMA6
As sociedades anónimas têm o capital dividido em acções e cada accionista
limita a sua responsabilidade ao valor das acções que subscreveu.
Todas as acções têm o mesmo valor nominal, que não pode ser inferior a 1
cêntimo
O valor nominal mínimo do capital é de 50.000 euros
Não pode ser constituída por um número de sócios inferior a 5, salvo
quando a lei o dispense;
A firma deve ser formada, com ou sem sigla, pelo nome ou firma de um ou
alguns sócios ou por denominação particular, ou ainda pela reunião de
ambos, ao que acresce a expressão "sociedade anónima" ou "SA";




5
    Artigos 197.º a 270.º do Código das Sociedades Comerciais.
6
    Artigo 271.º a 464.º do Código das Sociedades Comerciais.
D-            em
2 D-) Sociedade em comandita
É uma sociedade de responsabilidade mista porque reúne sócios de
responsabilidade limitada (comanditários), que contribuem com o capital, e
sócios de responsabilidade ilimitada (comanditados), que contribuem com
bens ou serviços, assumindo a gestão e a direcção efectiva da sociedade e
respondem pelas dívidas da sociedade nos mesmos termos da sociedade em
nome colectivo

Podem ser simples ou por acções. Nas primeiras não há representação do
capital por acções. Nas segundas só as participações dos sócios
comanditários são representadas por acções.

A firma é formada pelo nome ou firma de um, pelo menos, dos sócios
comanditados e o aditamento "em comandita" ou "& Comandita", "em
comandita por acções" ou "& comandita por acções";
O nome dos sócios comanditários não pode figurar na firma da sociedade,
salvo se o consentirem expressamente.

Existem dois tipos de sociedades em comandita:
Sociedade em Comandita Simples, não há representação do capital por
acções;
Sociedades em Comandita por Acções, em que só as participações dos sócios
comanditários são representados por acções.

Cooperativas

São associações, permanentemente abertas à entrada de novos associados, os
quais contribuem com bens e/ou serviços para a realização de uma
actividade económica de escopo mutualistas. A sua finalidade económica
reside em conseguir a satisfação do interesse dos seus associados em obter
determinados bens a preços inferiores aos do mercado, ou vender os seus
produtos      eliminando       os     intermediários      do      mercado.
Finalidade:
Finalidade:
As cooperativas têm por finalidade obter ganhos ou poupanças de despesa
que surgirão nos seus patrimónios e não no da cooperativa. Na
eventualidade de se registarem saldos positivos das receitas sobre as
despesas, estes são restituídos aos cooperantes na proporção das operações
por eles realizadas através da cooperativa, logo não como dividendos, mas
como reembolsos.

Segundo o Código Cooperativo, as cooperativas são pessoas colectivas, de
livre constituição, de capital e composição variáveis, que visam através da
cooperação e entreajuda dos seus membros e na observância dos princípios
cooperativos, a satisfação, sem fins lucrativos, das necessidades económicas,
sociais ou culturais destes, podendo ainda, a título complementar, realizar
operações com terceiros. As cooperativas podem ser de 1º grau ou de grau
superior.

São cooperativas de 1º grau, aquelas, cujos membros sejam pessoas
singulares, maiores, ou pessoas colectivas, podendo a legislação
complementar aplicável aos diversos ramos do sector prever os casos em que
aos menores seja reconhecida a qualidade de cooperador. Cooperativas de
grau superior são as que se agrupam ou filiam sob a forma de uniões,
federações e confederações.

A responsabilidade dos membros das cooperativas é limitada ao montante
do capital subscrito pelo cooperador, sem prejuízo de os estatutos da
cooperativa poderem determinar que a responsabilidade dos cooperadores
seja ilimitada, ou ainda limitada em relação a uns e ilimitada quanto aos
outros.

O número de membros (cooperadores) de uma cooperativa é variável e
ilimitado, mas não poderá ser inferior a cinco, caso se trate de uma
cooperativa de 1º grau, nem inferior a dois, caso se trate de uma cooperativa
de grau superior.
O capital social das cooperativas é variável, podendo os estatutos daquelas
e a legislação complementar aplicável aos diversos ramos do sector
cooperativo determinar o seu montante mínimo inicial que não poderá, no
entanto, salvo neste último caso, ser inferior a 2500 euros.
Sociedade Anónima Europeia
A sociedade anónima europeia assume a forma de uma sociedade de capital
dividido por acções, com personalidade jurídica, em que a sua sede
estatutária se localiza num dos Estados membros estando sujeita a registo
no Estado membro da localização da sede estatutária. A constituição das
sociedades anónimas europeias, também designadas por «societas europeia»,
foi prevista no Regulamento (CE) nº 2157/2001, publicado no JO L nº 294,
a 10 de Novembro de 2001, determinando, ainda, que aquele entre em vigor
a 8 de Outubro de 2004.

Cada accionista é responsável apenas até ao limite do capital por ele
subscrito.
A firma de uma sociedade anónima europeia deve integrar, no início ou no
final, a sigla «SE». Apenas as sociedades anónimas europeias podem incluir
esta sigla.

O capital subscrito deve ser de, pelo menos, 120 mil euros.

Modalidades de constituição de uma SE

O artigo 2º do Regulamento (CE) nº 2157/2001 (e artigos seguintes)
determina em que condição se pode constituir uma SE por meio de fusão,
bem como uma SE «holding» e uma SE/filial.
A constituição de uma SE com sede em Portugal, em qualquer destas
modalidades, assim como a alteração dos estatutos decorrente da
transferência de sede daquela sociedade para Portugal está sujeita a
escritura pública, bem como a registo e publicação nos termos da legislação
respectiva.

As sociedades anónimas europeias com sede em Portugal regem-se pelos
seguintes documentos:
Regulamento (CE) nº 2157/2001, publicado no JO L nº 294, a 10 de
Novembro de 2001;
Respectivos estatutos;
Decreto-Lei nº 2/2005, de 4 de Janeiro (Aprova o Regime Jurídico das
Sociedades Anónimas Europeias com sede em Portugal) e, subsidiariamente,
Legislação nacional que regula as sociedades anónimas, designadamente no
que respeita à estrutura, à orgânica, ao funcionamento e à extinção da
sociedade, à designação, competência, responsabilidade e cessação de
funções dos titulares dos órgãos sociais, e às alterações do contrato de
sociedade.
Relativamente às sociedades anónimas europeias estão, igualmente, sujeitos
a registo os seguintes factos:
Constituição;
Prestação das contas anuais e, se for caso disso, das contas consolidadas;
Projecto de transferência da sede para outro Estado membro da União
Europeia;
Alterações aos respectivos estatutos;
Projecto de transformação em sociedade anónima de direito interno;
Transformação a que se refere a alínea anterior;
Dissolução;
Encerramento da liquidação ou o regresso à actividade da sociedade;
Restantes factos referentes a sociedades anónimas que, por lei, estejam
sujeitos a registo.
Envolvimento dos trabalhadores na SE
É regulado pela Directiva 2001/86/CE
Diplomas relacionados com este artigo:
Decreto-Lei nº 2/2005 de 4 de Janeiro de 2005
Condição se pode constituir uma SE por meio de fusão, bem como uma SE
«holding» e uma SE/filial.
A constituição de uma SE com sede em Portugal, em qualquer destas
modalidades, assim como a alteração dos estatutos decorrente da
transferência de sede daquela sociedade para Portugal está sujeita a
escritura pública, bem como a registo e publicação nos termos da legislação
respectiva.
IPSS
De acordo com o artigo nº1 do Decreto-Lei nº 119/83 de 25 de Fevereiro, as
IPSS: São entidades jurídicas constituídas sem finalidade lucrativa, por
iniciativa privada, com o propósito de dar expressão organizada ao dever
moral de solidariedade e de justiça entre os indivíduos e desde que não sejam
administradas pelo Estado ou por um corpo autárquico, para prosseguir,
entre outros, os seguintes objectivos, mediante a concessão de bens e
prestação de serviços:
a) Apoio a crianças e jovens;
b) Apoio à família;
c) Apoio à integração social e comunitária;
d) Protecção dos cidadãos na velhice e invalidez e em todas as situações de
falta ou diminuição de meios de subsistência ou de incapacidade de auto
sustento;
e) Promoção e protecção, nomeadamente através de prestação de cuidados de
medicina preventiva, curativa e de reabilitação;
f) Educação e formação profissional dos cidadãos;
g) Resolução dos problemas habitacionais das populações.


Juridicamente as IPSS podem assumir as seguintes formas:
a) Associações de Solidariedade Social;
b) Associações de Voluntários de Acção Social;
c) Associações de Socorros Mútuos ou Associações Mutualistas
(Mutualidades);
d) Fundações de Solidariedade Social;
e) Irmandades da Misericórdia ou Santas Casas da Misericórdia (SCM).


As organizações religiosas que desenvolvam actividades de solidariedade
social, tais como os Centros Paroquiais ou Congregações, ficam sujeitas ao
regime das Fundações de Solidariedade Social (artigo 41º). Caso estas
organizações religiosas estejam relacionadas com a Igreja Católica ficam
igualmente sujeitas ao regime da Concordata assinada entre a Santa Sé e a
República Portuguesa em 7 de Maio de 1940.


As IPSS podem agrupar-se:
a) Em uniões;
b) Em federações;
c) Em confederações


Presentemente existem a Confederação Nacional de Instituições Sociais
(CNIS [1]), a União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e a União das
Mutualidades (UM).
As IPSS assim que registadas adquirem o estatuto de entidade de utilidade
pública (artigo 8º do Decreto-Lei nº 119/83 de 25 de Fevereiro) que acarreta
para estas simultaneamente benefícios (isenções fiscais, tarifas reduzidas de
água e electricidade, apoio financeiro) e encargos (prestação de contas,
obrigação de cooperação com a Administração Pública, sujeição de tutela).
As IPSS têm em vista o exercício da acção social, a prevenção de situações
de carência, exclusão social ou qualquer tipo de marginalização e por outro
lado promovem a integração comunitária e desenvolvem actividades de
apoio à família, juventude, terceira idade, deficientes e a toda a população
necessitada.
Nem sempre é fácil definir jurídica e legalmente uma associação sem fins
lucrativos como IPSS, no entanto, são IPSS todas as associações sem fins
lucrativos (Misericórdias inclusive), que desenvolvem acções sociais e que
estavam inscritas na ex - Direcção Geral de Acção Social (DGAS), actual
Direcção Geral de Solidariedade e Segurança Social (DGSS).
Conclusão:
Com este trabalho pretendemos demonstrar os vários tipos de sociedades
existentes no código comercial português e suas respectivas
responsabilidades jurídicas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Empresarial 5
Empresarial 5Empresarial 5
Empresarial 5
Norberto Gonzaga
 
Tipos de empresas e Sociedades
Tipos de empresas e SociedadesTipos de empresas e Sociedades
Tipos de empresas e Sociedades
Mariane Moral
 
Trabalho miolo sociedade em nome coletivo
Trabalho miolo sociedade em nome coletivoTrabalho miolo sociedade em nome coletivo
Trabalho miolo sociedade em nome coletivo
Francisco Neres
 
Direito empresarial aula 3 teoria geral das sociedades classificações
Direito empresarial aula 3  teoria geral das sociedades classificaçõesDireito empresarial aula 3  teoria geral das sociedades classificações
Direito empresarial aula 3 teoria geral das sociedades classificações
Fabrício jonathas
 
Empresa comercial limitada - LTDA
Empresa comercial limitada - LTDAEmpresa comercial limitada - LTDA
Empresa comercial limitada - LTDA
Edhy Torres
 
Aula direito empresarial- Das sociedades empresárias
Aula direito empresarial- Das sociedades empresáriasAula direito empresarial- Das sociedades empresárias
Aula direito empresarial- Das sociedades empresárias
Simone Oliveira de Almeida .'.
 
Fichamento de direito societário
Fichamento de direito societárioFichamento de direito societário
Fichamento de direito societário
Nilceia Piacente
 
Sociedade
SociedadeSociedade
Sociedade
Nandinha Andrade
 
O que é uma Sociedade por Quotas ?
O que é uma Sociedade por Quotas ?O que é uma Sociedade por Quotas ?
O que é uma Sociedade por Quotas ?
Catarina Simões
 
Apresentação sociedade
Apresentação sociedadeApresentação sociedade
Apresentação sociedade
Agatha Soares
 
Sociedade em Conta de Participação
Sociedade em Conta de ParticipaçãoSociedade em Conta de Participação
Sociedade em Conta de Participação
Pricila Yessayan
 
Direito empresarial i aula 5
Direito empresarial i   aula 5Direito empresarial i   aula 5
Direito empresarial i aula 5
Fabiano Manquevich
 
Tipos de empresas
Tipos de empresasTipos de empresas
Tipos de empresas
Luis Manuel Brito
 
Empresarial 4
Empresarial 4Empresarial 4
Empresarial 4
Norberto Gonzaga
 
Direito comercial e industrial
Direito comercial e industrialDireito comercial e industrial
Direito comercial e industrial
Ilania Gonçalves
 
Diferenças entre tipos de empresas
Diferenças entre tipos de empresasDiferenças entre tipos de empresas
Diferenças entre tipos de empresas
Arileia Araujo
 
Sociedade Empresária
Sociedade Empresária Sociedade Empresária
Sociedade Empresária
Leo Marinho
 
Aula 04 sociedade limitada
Aula 04   sociedade limitadaAula 04   sociedade limitada
Aula 04 sociedade limitada
patricianoleto
 
Tipologias de Empresas
Tipologias de EmpresasTipologias de Empresas
Tipologias de Empresas
Ines Soares
 
Sociedade limitada apresentação img
Sociedade limitada apresentação imgSociedade limitada apresentação img
Sociedade limitada apresentação img
rihannaprincess
 

Mais procurados (20)

Empresarial 5
Empresarial 5Empresarial 5
Empresarial 5
 
Tipos de empresas e Sociedades
Tipos de empresas e SociedadesTipos de empresas e Sociedades
Tipos de empresas e Sociedades
 
Trabalho miolo sociedade em nome coletivo
Trabalho miolo sociedade em nome coletivoTrabalho miolo sociedade em nome coletivo
Trabalho miolo sociedade em nome coletivo
 
Direito empresarial aula 3 teoria geral das sociedades classificações
Direito empresarial aula 3  teoria geral das sociedades classificaçõesDireito empresarial aula 3  teoria geral das sociedades classificações
Direito empresarial aula 3 teoria geral das sociedades classificações
 
Empresa comercial limitada - LTDA
Empresa comercial limitada - LTDAEmpresa comercial limitada - LTDA
Empresa comercial limitada - LTDA
 
Aula direito empresarial- Das sociedades empresárias
Aula direito empresarial- Das sociedades empresáriasAula direito empresarial- Das sociedades empresárias
Aula direito empresarial- Das sociedades empresárias
 
Fichamento de direito societário
Fichamento de direito societárioFichamento de direito societário
Fichamento de direito societário
 
Sociedade
SociedadeSociedade
Sociedade
 
O que é uma Sociedade por Quotas ?
O que é uma Sociedade por Quotas ?O que é uma Sociedade por Quotas ?
O que é uma Sociedade por Quotas ?
 
Apresentação sociedade
Apresentação sociedadeApresentação sociedade
Apresentação sociedade
 
Sociedade em Conta de Participação
Sociedade em Conta de ParticipaçãoSociedade em Conta de Participação
Sociedade em Conta de Participação
 
Direito empresarial i aula 5
Direito empresarial i   aula 5Direito empresarial i   aula 5
Direito empresarial i aula 5
 
Tipos de empresas
Tipos de empresasTipos de empresas
Tipos de empresas
 
Empresarial 4
Empresarial 4Empresarial 4
Empresarial 4
 
Direito comercial e industrial
Direito comercial e industrialDireito comercial e industrial
Direito comercial e industrial
 
Diferenças entre tipos de empresas
Diferenças entre tipos de empresasDiferenças entre tipos de empresas
Diferenças entre tipos de empresas
 
Sociedade Empresária
Sociedade Empresária Sociedade Empresária
Sociedade Empresária
 
Aula 04 sociedade limitada
Aula 04   sociedade limitadaAula 04   sociedade limitada
Aula 04 sociedade limitada
 
Tipologias de Empresas
Tipologias de EmpresasTipologias de Empresas
Tipologias de Empresas
 
Sociedade limitada apresentação img
Sociedade limitada apresentação imgSociedade limitada apresentação img
Sociedade limitada apresentação img
 

Destaque

Sociedades Comerciais, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD 2014)
Sociedades Comerciais, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD 2014) Sociedades Comerciais, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD 2014)
Sociedades Comerciais, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD 2014)
A. Rui Teixeira Santos
 
Tipos De Sociedades1
Tipos De Sociedades1Tipos De Sociedades1
Tipos De Sociedades1
fercarvalho40
 
Sociedade limitada apresentação
Sociedade limitada apresentaçãoSociedade limitada apresentação
Sociedade limitada apresentação
rihannaprincess
 
Sociedade anônima
Sociedade anônimaSociedade anônima
Sociedade anônima
Mauro Sousa
 
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
A. Rui Teixeira Santos
 
Direito Comercial - Apontamentos das aulas do Prof. Doutor Rui Teixeira Santo...
Direito Comercial - Apontamentos das aulas do Prof. Doutor Rui Teixeira Santo...Direito Comercial - Apontamentos das aulas do Prof. Doutor Rui Teixeira Santo...
Direito Comercial - Apontamentos das aulas do Prof. Doutor Rui Teixeira Santo...
A. Rui Teixeira Santos
 
Aula Sociedade Anonima - acrescentada
Aula Sociedade Anonima - acrescentadaAula Sociedade Anonima - acrescentada
Aula Sociedade Anonima - acrescentada
Mari Lopes
 
artigos 9º, 10º, 11º e 12 do código das sociedades comerciais
artigos 9º, 10º, 11º e 12 do código das sociedades comerciais artigos 9º, 10º, 11º e 12 do código das sociedades comerciais
artigos 9º, 10º, 11º e 12 do código das sociedades comerciais
Marta Jorge
 
Tipos de sociedades
Tipos de sociedadesTipos de sociedades
Tipos de sociedades
Karo Velasquez
 
Modelo de contrato social
Modelo de contrato socialModelo de contrato social
Modelo de contrato social
Luiz Piovesana
 
A formação das sociedades comercias por fusão e cisão
A formação das sociedades comercias por fusão e cisãoA formação das sociedades comercias por fusão e cisão
A formação das sociedades comercias por fusão e cisão
Universidade Pedagogica
 
Accoes ou quotas proprias
Accoes ou quotas propriasAccoes ou quotas proprias
Accoes ou quotas proprias
Universidade Pedagogica
 
Mercado de capitais e sociedades comerciais desportivas, prof. doutor Rui Tei...
Mercado de capitais e sociedades comerciais desportivas, prof. doutor Rui Tei...Mercado de capitais e sociedades comerciais desportivas, prof. doutor Rui Tei...
Mercado de capitais e sociedades comerciais desportivas, prof. doutor Rui Tei...
A. Rui Teixeira Santos
 
Constituição de sociedades
Constituição de sociedadesConstituição de sociedades
Constituição de sociedades
Universidade Pedagogica
 
Oral
OralOral
Oral
Ed1991
 
trabalho 497382
trabalho 497382trabalho 497382
trabalho 497382
Hugo Farinha
 
Tipos de sociedades comerciales
Tipos de sociedades comercialesTipos de sociedades comerciales
Tipos de sociedades comerciales
JUAN CARLOS
 
Trabalho de Contabilidade - S/A
Trabalho de Contabilidade - S/ATrabalho de Contabilidade - S/A
Trabalho de Contabilidade - S/A
Josester Teixeira de Souza
 
04.[2014] fund i-mod i-rot 4-euzebio aula
04.[2014] fund i-mod i-rot 4-euzebio aula04.[2014] fund i-mod i-rot 4-euzebio aula
04.[2014] fund i-mod i-rot 4-euzebio aula
Euzebio Medrado
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 07 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07 cathedra icms-rj
contacontabil
 

Destaque (20)

Sociedades Comerciais, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD 2014)
Sociedades Comerciais, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD 2014) Sociedades Comerciais, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD 2014)
Sociedades Comerciais, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD 2014)
 
Tipos De Sociedades1
Tipos De Sociedades1Tipos De Sociedades1
Tipos De Sociedades1
 
Sociedade limitada apresentação
Sociedade limitada apresentaçãoSociedade limitada apresentação
Sociedade limitada apresentação
 
Sociedade anônima
Sociedade anônimaSociedade anônima
Sociedade anônima
 
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
 
Direito Comercial - Apontamentos das aulas do Prof. Doutor Rui Teixeira Santo...
Direito Comercial - Apontamentos das aulas do Prof. Doutor Rui Teixeira Santo...Direito Comercial - Apontamentos das aulas do Prof. Doutor Rui Teixeira Santo...
Direito Comercial - Apontamentos das aulas do Prof. Doutor Rui Teixeira Santo...
 
Aula Sociedade Anonima - acrescentada
Aula Sociedade Anonima - acrescentadaAula Sociedade Anonima - acrescentada
Aula Sociedade Anonima - acrescentada
 
artigos 9º, 10º, 11º e 12 do código das sociedades comerciais
artigos 9º, 10º, 11º e 12 do código das sociedades comerciais artigos 9º, 10º, 11º e 12 do código das sociedades comerciais
artigos 9º, 10º, 11º e 12 do código das sociedades comerciais
 
Tipos de sociedades
Tipos de sociedadesTipos de sociedades
Tipos de sociedades
 
Modelo de contrato social
Modelo de contrato socialModelo de contrato social
Modelo de contrato social
 
A formação das sociedades comercias por fusão e cisão
A formação das sociedades comercias por fusão e cisãoA formação das sociedades comercias por fusão e cisão
A formação das sociedades comercias por fusão e cisão
 
Accoes ou quotas proprias
Accoes ou quotas propriasAccoes ou quotas proprias
Accoes ou quotas proprias
 
Mercado de capitais e sociedades comerciais desportivas, prof. doutor Rui Tei...
Mercado de capitais e sociedades comerciais desportivas, prof. doutor Rui Tei...Mercado de capitais e sociedades comerciais desportivas, prof. doutor Rui Tei...
Mercado de capitais e sociedades comerciais desportivas, prof. doutor Rui Tei...
 
Constituição de sociedades
Constituição de sociedadesConstituição de sociedades
Constituição de sociedades
 
Oral
OralOral
Oral
 
trabalho 497382
trabalho 497382trabalho 497382
trabalho 497382
 
Tipos de sociedades comerciales
Tipos de sociedades comercialesTipos de sociedades comerciales
Tipos de sociedades comerciales
 
Trabalho de Contabilidade - S/A
Trabalho de Contabilidade - S/ATrabalho de Contabilidade - S/A
Trabalho de Contabilidade - S/A
 
04.[2014] fund i-mod i-rot 4-euzebio aula
04.[2014] fund i-mod i-rot 4-euzebio aula04.[2014] fund i-mod i-rot 4-euzebio aula
04.[2014] fund i-mod i-rot 4-euzebio aula
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 07 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07 cathedra icms-rj
 

Semelhante a Formas Sociedades

Dicas formalize sua empresa
Dicas formalize sua empresaDicas formalize sua empresa
Dicas formalize sua empresa
apostilacontabil
 
Formas jurídicas de empresa
Formas jurídicas de empresaFormas jurídicas de empresa
Formas jurídicas de empresa
Vasco Andorinha
 
Tipos de sociedades
Tipos de sociedadesTipos de sociedades
Tipos de sociedades
rosangelafremes
 
unid_2.pdf
unid_2.pdfunid_2.pdf
unid_2.pdf
SammuelFabricio1
 
Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais
erickv99
 
Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais
Andreramos98
 
T i po l o g i a s
T i po l o g i a sT i po l o g i a s
T i po l o g i a s
flaaviosoares
 
T i po l o g i a s
T i po l o g i a sT i po l o g i a s
T i po l o g i a s
flaaviosoares
 
T i po l o g i a s
T i po l o g i a sT i po l o g i a s
T i po l o g i a s
flaaviosoares
 
Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciaisTipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais
tiaguinho1
 
Tipologiasdeempresascomerciais 120113101244-phpapp02
Tipologiasdeempresascomerciais 120113101244-phpapp02Tipologiasdeempresascomerciais 120113101244-phpapp02
Tipologiasdeempresascomerciais 120113101244-phpapp02
Edgar Varela Gonçalves
 
Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciaisTipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais
Jorge Dias
 
Sociedade limitada
Sociedade limitadaSociedade limitada
Sociedade limitada
Lucilene G.O. Adonai
 
Sociedades Econômicas
Sociedades EconômicasSociedades Econômicas
Sociedades Econômicas
UNOPAR, UNEB
 
Aspectos jurídicos das organizações
Aspectos jurídicos das organizaçõesAspectos jurídicos das organizações
Aspectos jurídicos das organizações
Gilhml
 
Abertura empresa
Abertura empresaAbertura empresa
Abertura empresa
Paulo Ramos
 
Contabilidade comercial
Contabilidade comercialContabilidade comercial
Contabilidade comercial
Luciano Cavalcante
 
a empresa.pptx
a empresa.pptxa empresa.pptx
a empresa.pptx
DuarteTeles5
 
Sociedade em comandita simples
Sociedade em comandita simplesSociedade em comandita simples
Sociedade em comandita simples
dalvansimon
 
Trabalho de legislação empresás e empresarios
Trabalho de legislação   empresás e empresariosTrabalho de legislação   empresás e empresarios
Trabalho de legislação empresás e empresarios
Radionline Familiasertaneja
 

Semelhante a Formas Sociedades (20)

Dicas formalize sua empresa
Dicas formalize sua empresaDicas formalize sua empresa
Dicas formalize sua empresa
 
Formas jurídicas de empresa
Formas jurídicas de empresaFormas jurídicas de empresa
Formas jurídicas de empresa
 
Tipos de sociedades
Tipos de sociedadesTipos de sociedades
Tipos de sociedades
 
unid_2.pdf
unid_2.pdfunid_2.pdf
unid_2.pdf
 
Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais
 
Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais
 
T i po l o g i a s
T i po l o g i a sT i po l o g i a s
T i po l o g i a s
 
T i po l o g i a s
T i po l o g i a sT i po l o g i a s
T i po l o g i a s
 
T i po l o g i a s
T i po l o g i a sT i po l o g i a s
T i po l o g i a s
 
Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciaisTipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais
 
Tipologiasdeempresascomerciais 120113101244-phpapp02
Tipologiasdeempresascomerciais 120113101244-phpapp02Tipologiasdeempresascomerciais 120113101244-phpapp02
Tipologiasdeempresascomerciais 120113101244-phpapp02
 
Tipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciaisTipologias de empresas comerciais
Tipologias de empresas comerciais
 
Sociedade limitada
Sociedade limitadaSociedade limitada
Sociedade limitada
 
Sociedades Econômicas
Sociedades EconômicasSociedades Econômicas
Sociedades Econômicas
 
Aspectos jurídicos das organizações
Aspectos jurídicos das organizaçõesAspectos jurídicos das organizações
Aspectos jurídicos das organizações
 
Abertura empresa
Abertura empresaAbertura empresa
Abertura empresa
 
Contabilidade comercial
Contabilidade comercialContabilidade comercial
Contabilidade comercial
 
a empresa.pptx
a empresa.pptxa empresa.pptx
a empresa.pptx
 
Sociedade em comandita simples
Sociedade em comandita simplesSociedade em comandita simples
Sociedade em comandita simples
 
Trabalho de legislação empresás e empresarios
Trabalho de legislação   empresás e empresariosTrabalho de legislação   empresás e empresarios
Trabalho de legislação empresás e empresarios
 

Mais de fercarvalho40

A história da comunicação
A história da comunicação A história da comunicação
A história da comunicação
fercarvalho40
 
Visita à Reserva Natural, "Dunas S. Jacinto" - (30/02/2010)
Visita à Reserva Natural, "Dunas S. Jacinto" - (30/02/2010)Visita à Reserva Natural, "Dunas S. Jacinto" - (30/02/2010)
Visita à Reserva Natural, "Dunas S. Jacinto" - (30/02/2010)
fercarvalho40
 
Visita ao Museu da Chapelaria (19.Dez.09)
Visita ao Museu da Chapelaria (19.Dez.09)Visita ao Museu da Chapelaria (19.Dez.09)
Visita ao Museu da Chapelaria (19.Dez.09)
fercarvalho40
 
Comboios De Ontem Comboios De Hoje
Comboios De Ontem Comboios De HojeComboios De Ontem Comboios De Hoje
Comboios De Ontem Comboios De Hoje
fercarvalho40
 
Final Actividade "Fotos/power point"
Final Actividade "Fotos/power point"Final Actividade "Fotos/power point"
Final Actividade "Fotos/power point"
fercarvalho40
 
De NóS Para VóS
De NóS Para VóSDe NóS Para VóS
De NóS Para VóS
fercarvalho40
 

Mais de fercarvalho40 (7)

A história da comunicação
A história da comunicação A história da comunicação
A história da comunicação
 
Visita à Reserva Natural, "Dunas S. Jacinto" - (30/02/2010)
Visita à Reserva Natural, "Dunas S. Jacinto" - (30/02/2010)Visita à Reserva Natural, "Dunas S. Jacinto" - (30/02/2010)
Visita à Reserva Natural, "Dunas S. Jacinto" - (30/02/2010)
 
Visita ao Museu da Chapelaria (19.Dez.09)
Visita ao Museu da Chapelaria (19.Dez.09)Visita ao Museu da Chapelaria (19.Dez.09)
Visita ao Museu da Chapelaria (19.Dez.09)
 
Comboios De Ontem Comboios De Hoje
Comboios De Ontem Comboios De HojeComboios De Ontem Comboios De Hoje
Comboios De Ontem Comboios De Hoje
 
Final Actividade "Fotos/power point"
Final Actividade "Fotos/power point"Final Actividade "Fotos/power point"
Final Actividade "Fotos/power point"
 
Nucleo Gerador N 4
Nucleo  Gerador N 4Nucleo  Gerador N 4
Nucleo Gerador N 4
 
De NóS Para VóS
De NóS Para VóSDe NóS Para VóS
De NóS Para VóS
 

Formas Sociedades

  • 1. 2009 Aulo17pinho@ EMPRESAS CONSTITUIÇÃO JURIDICA DAS SOCIEDADES Paulo Pinho ; Paulo Granja; Cláudia Costa; Carla Pinto, Fernanda, Bruno TURMA EFA 2008/2009
  • 2.
  • 3.
  • 4. Constituição Jurídica das Sociedades Antes de iniciar um projecto, qualquer potencial empresário deve ponderar sobre o tipo de empresa que pretende constituir, tendo em conta que esta determinará o modelo de funcionamento desde a constituição da empresa até ao desenvolvimento do empreendimento. Esta decisão passa numa primeira fase por decidir se irá desenvolver o projecto sozinho ou conjuntamente com outras pessoas. 1º Se decidir estabelecer-se individualmente, poderá optar por uma das seguintes formas: a) Empresário em Nome Individual; b) Estabelecimento Individual de Responsabilidade Limitada (E.I.R.L.); c) Sociedade Unipessoal por Quotas. 2ºSe a opção recair sobre a constituição de uma empresa em 2º conjunto com outras pessoas, poderá decidir sobre uma das seguintes formas: a) Sociedades em Nome Colectivo; b) Sociedades por Quotas; c) Sociedade Anónima; d) Sociedade em Comandita Simples;
  • 5. e) Sociedade em Comandita por Acções. Sendo as mais usuais as sociedades por quotas e anónimas. 1 A-) A- EMPRESÁRIO EM NOME INDIVIDUAL1 É uma empresa titulada por um só indivíduo, que afecta os bens próprios à exploração da sua actividade económica. No que respeita à responsabilidade do empresário, ele responde ilimitadamente pelas dívidas contraídas no exercício da sua actividade perante os seus credores, com todos os bens que integrem o seu património. 1 B-) EIRL (Estabelecimento Individual de B- Responsabilidade Limitada)2 É uma empresa titulada por um só indivíduo, cuja responsabilidade pelas dívidas decorrentes da actividade empresarial é limitada a uma parcela dos seus bens. C- 1 C-) SOCIEDADE UNIPESSOAL POR QUOTAS3 Esta nova figura de sociedade, criada pelo D.L. nº 257/96, de 31 de Dezembro, reveste a forma de sociedade unipessoal, que pode ser uma pessoa singular ou colectiva, que é o titular da totalidade do capital social. 1 Decreto-Lei nº 339/85, de 21/08, art. 3.º - Condições para ser empresário em nome individual. 2 Decreto-Lei nº 248/86 de 25/08. 3 Artigo 270.º-A a 270.º-G do Código das Sociedades Comerciais.
  • 6. A estas sociedades aplicam-se as normas relativas às sociedades por quotas, salvo as que pressupõem a pluralidade de sócios. Possibilidade de constituir uma sociedade unipessoal, ou seja, a redução do número de sócios de uma sociedade por quotas até um, evitando a necessidade de existência de sócios de favor. Constituída por um único sócio, pessoa singular ou colectiva, que é o titular da totalidade do capital social e a responsabilidade do sócio encontra-se limitada ao montante do capital social. Capital social mínimo de 5.000 euros Pode resultar da concentração das quotas da sociedade num único sócio, independentemente da causa da concentração; A firma da sociedade deve ser formada pela expressão "Sociedade Unipessoal" ou "Unipessoal" antes da palavra "limitada" ou "lda"; Só o património social responde pelas dívidas da sociedade; Um EIRL poderá a qualquer momento ser transformado numa sociedade unipessoal por quotas; Uma pessoa singular só pode ser sócia de uma única sociedade desta natureza; Estas sociedades podem ser constituídas com escritura ou por documento particular. A- 2 A-) SOCIEDADE EM NOME COLECTIVO4 Nestas sociedades o sócio além de responder individualmente pela sua entrada, responde pelas obrigações sociais subsidiariamente em relação à sociedade e solidariamente com os outros sócios. A firma, quando não individualiza todos os sócios, deve conter o nome ou firma de um deles, com o aditamento, abreviado ou por extenso "e Companhia" ou por qualquer outro que indique a existência de outros sócios. 4 Artigo 175.º a 196.º do Código das Sociedades Comerciais.
  • 7. B- 2 B-) SOCIEDADE POR QUOTAS5 O capital social mínimo é de 5.000 euros O capital está dividido em quotas e a cada sócio fica a pertencer uma quota correspondente à entrada; Os sócios respondem solidariamente pelas entradas convencionadas no contrato social; Nenhuma quota pode ser inferior a 100 euros (20.048$00); Só o património social responde pelas dívidas da sociedade; A firma deve ser formada, com ou sem sigla, pelo nome ou firma de todos, algum ou alguns sócios, por denominação particular ou por ambos, acrescido de “limitada" ou "Lda". C- 2 C-) SOCIEDADE ANÓNIMA6 As sociedades anónimas têm o capital dividido em acções e cada accionista limita a sua responsabilidade ao valor das acções que subscreveu. Todas as acções têm o mesmo valor nominal, que não pode ser inferior a 1 cêntimo O valor nominal mínimo do capital é de 50.000 euros Não pode ser constituída por um número de sócios inferior a 5, salvo quando a lei o dispense; A firma deve ser formada, com ou sem sigla, pelo nome ou firma de um ou alguns sócios ou por denominação particular, ou ainda pela reunião de ambos, ao que acresce a expressão "sociedade anónima" ou "SA"; 5 Artigos 197.º a 270.º do Código das Sociedades Comerciais. 6 Artigo 271.º a 464.º do Código das Sociedades Comerciais.
  • 8. D- em 2 D-) Sociedade em comandita É uma sociedade de responsabilidade mista porque reúne sócios de responsabilidade limitada (comanditários), que contribuem com o capital, e sócios de responsabilidade ilimitada (comanditados), que contribuem com bens ou serviços, assumindo a gestão e a direcção efectiva da sociedade e respondem pelas dívidas da sociedade nos mesmos termos da sociedade em nome colectivo Podem ser simples ou por acções. Nas primeiras não há representação do capital por acções. Nas segundas só as participações dos sócios comanditários são representadas por acções. A firma é formada pelo nome ou firma de um, pelo menos, dos sócios comanditados e o aditamento "em comandita" ou "& Comandita", "em comandita por acções" ou "& comandita por acções"; O nome dos sócios comanditários não pode figurar na firma da sociedade, salvo se o consentirem expressamente. Existem dois tipos de sociedades em comandita: Sociedade em Comandita Simples, não há representação do capital por acções; Sociedades em Comandita por Acções, em que só as participações dos sócios comanditários são representados por acções. Cooperativas São associações, permanentemente abertas à entrada de novos associados, os quais contribuem com bens e/ou serviços para a realização de uma actividade económica de escopo mutualistas. A sua finalidade económica reside em conseguir a satisfação do interesse dos seus associados em obter determinados bens a preços inferiores aos do mercado, ou vender os seus produtos eliminando os intermediários do mercado.
  • 9. Finalidade: Finalidade: As cooperativas têm por finalidade obter ganhos ou poupanças de despesa que surgirão nos seus patrimónios e não no da cooperativa. Na eventualidade de se registarem saldos positivos das receitas sobre as despesas, estes são restituídos aos cooperantes na proporção das operações por eles realizadas através da cooperativa, logo não como dividendos, mas como reembolsos. Segundo o Código Cooperativo, as cooperativas são pessoas colectivas, de livre constituição, de capital e composição variáveis, que visam através da cooperação e entreajuda dos seus membros e na observância dos princípios cooperativos, a satisfação, sem fins lucrativos, das necessidades económicas, sociais ou culturais destes, podendo ainda, a título complementar, realizar operações com terceiros. As cooperativas podem ser de 1º grau ou de grau superior. São cooperativas de 1º grau, aquelas, cujos membros sejam pessoas singulares, maiores, ou pessoas colectivas, podendo a legislação complementar aplicável aos diversos ramos do sector prever os casos em que aos menores seja reconhecida a qualidade de cooperador. Cooperativas de grau superior são as que se agrupam ou filiam sob a forma de uniões, federações e confederações. A responsabilidade dos membros das cooperativas é limitada ao montante do capital subscrito pelo cooperador, sem prejuízo de os estatutos da cooperativa poderem determinar que a responsabilidade dos cooperadores seja ilimitada, ou ainda limitada em relação a uns e ilimitada quanto aos outros. O número de membros (cooperadores) de uma cooperativa é variável e ilimitado, mas não poderá ser inferior a cinco, caso se trate de uma cooperativa de 1º grau, nem inferior a dois, caso se trate de uma cooperativa de grau superior. O capital social das cooperativas é variável, podendo os estatutos daquelas e a legislação complementar aplicável aos diversos ramos do sector cooperativo determinar o seu montante mínimo inicial que não poderá, no entanto, salvo neste último caso, ser inferior a 2500 euros.
  • 10. Sociedade Anónima Europeia A sociedade anónima europeia assume a forma de uma sociedade de capital dividido por acções, com personalidade jurídica, em que a sua sede estatutária se localiza num dos Estados membros estando sujeita a registo no Estado membro da localização da sede estatutária. A constituição das sociedades anónimas europeias, também designadas por «societas europeia», foi prevista no Regulamento (CE) nº 2157/2001, publicado no JO L nº 294, a 10 de Novembro de 2001, determinando, ainda, que aquele entre em vigor a 8 de Outubro de 2004. Cada accionista é responsável apenas até ao limite do capital por ele subscrito. A firma de uma sociedade anónima europeia deve integrar, no início ou no final, a sigla «SE». Apenas as sociedades anónimas europeias podem incluir esta sigla. O capital subscrito deve ser de, pelo menos, 120 mil euros. Modalidades de constituição de uma SE O artigo 2º do Regulamento (CE) nº 2157/2001 (e artigos seguintes) determina em que condição se pode constituir uma SE por meio de fusão, bem como uma SE «holding» e uma SE/filial. A constituição de uma SE com sede em Portugal, em qualquer destas modalidades, assim como a alteração dos estatutos decorrente da transferência de sede daquela sociedade para Portugal está sujeita a escritura pública, bem como a registo e publicação nos termos da legislação respectiva. As sociedades anónimas europeias com sede em Portugal regem-se pelos seguintes documentos: Regulamento (CE) nº 2157/2001, publicado no JO L nº 294, a 10 de Novembro de 2001;
  • 11. Respectivos estatutos; Decreto-Lei nº 2/2005, de 4 de Janeiro (Aprova o Regime Jurídico das Sociedades Anónimas Europeias com sede em Portugal) e, subsidiariamente, Legislação nacional que regula as sociedades anónimas, designadamente no que respeita à estrutura, à orgânica, ao funcionamento e à extinção da sociedade, à designação, competência, responsabilidade e cessação de funções dos titulares dos órgãos sociais, e às alterações do contrato de sociedade. Relativamente às sociedades anónimas europeias estão, igualmente, sujeitos a registo os seguintes factos: Constituição; Prestação das contas anuais e, se for caso disso, das contas consolidadas; Projecto de transferência da sede para outro Estado membro da União Europeia; Alterações aos respectivos estatutos; Projecto de transformação em sociedade anónima de direito interno; Transformação a que se refere a alínea anterior; Dissolução; Encerramento da liquidação ou o regresso à actividade da sociedade; Restantes factos referentes a sociedades anónimas que, por lei, estejam sujeitos a registo. Envolvimento dos trabalhadores na SE É regulado pela Directiva 2001/86/CE Diplomas relacionados com este artigo: Decreto-Lei nº 2/2005 de 4 de Janeiro de 2005
  • 12. Condição se pode constituir uma SE por meio de fusão, bem como uma SE «holding» e uma SE/filial. A constituição de uma SE com sede em Portugal, em qualquer destas modalidades, assim como a alteração dos estatutos decorrente da transferência de sede daquela sociedade para Portugal está sujeita a escritura pública, bem como a registo e publicação nos termos da legislação respectiva.
  • 13. IPSS De acordo com o artigo nº1 do Decreto-Lei nº 119/83 de 25 de Fevereiro, as IPSS: São entidades jurídicas constituídas sem finalidade lucrativa, por iniciativa privada, com o propósito de dar expressão organizada ao dever moral de solidariedade e de justiça entre os indivíduos e desde que não sejam administradas pelo Estado ou por um corpo autárquico, para prosseguir, entre outros, os seguintes objectivos, mediante a concessão de bens e prestação de serviços: a) Apoio a crianças e jovens; b) Apoio à família; c) Apoio à integração social e comunitária; d) Protecção dos cidadãos na velhice e invalidez e em todas as situações de falta ou diminuição de meios de subsistência ou de incapacidade de auto sustento; e) Promoção e protecção, nomeadamente através de prestação de cuidados de medicina preventiva, curativa e de reabilitação; f) Educação e formação profissional dos cidadãos; g) Resolução dos problemas habitacionais das populações. Juridicamente as IPSS podem assumir as seguintes formas: a) Associações de Solidariedade Social; b) Associações de Voluntários de Acção Social; c) Associações de Socorros Mútuos ou Associações Mutualistas (Mutualidades);
  • 14. d) Fundações de Solidariedade Social; e) Irmandades da Misericórdia ou Santas Casas da Misericórdia (SCM). As organizações religiosas que desenvolvam actividades de solidariedade social, tais como os Centros Paroquiais ou Congregações, ficam sujeitas ao regime das Fundações de Solidariedade Social (artigo 41º). Caso estas organizações religiosas estejam relacionadas com a Igreja Católica ficam igualmente sujeitas ao regime da Concordata assinada entre a Santa Sé e a República Portuguesa em 7 de Maio de 1940. As IPSS podem agrupar-se: a) Em uniões; b) Em federações; c) Em confederações Presentemente existem a Confederação Nacional de Instituições Sociais (CNIS [1]), a União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e a União das Mutualidades (UM). As IPSS assim que registadas adquirem o estatuto de entidade de utilidade pública (artigo 8º do Decreto-Lei nº 119/83 de 25 de Fevereiro) que acarreta para estas simultaneamente benefícios (isenções fiscais, tarifas reduzidas de água e electricidade, apoio financeiro) e encargos (prestação de contas, obrigação de cooperação com a Administração Pública, sujeição de tutela). As IPSS têm em vista o exercício da acção social, a prevenção de situações de carência, exclusão social ou qualquer tipo de marginalização e por outro lado promovem a integração comunitária e desenvolvem actividades de apoio à família, juventude, terceira idade, deficientes e a toda a população necessitada.
  • 15. Nem sempre é fácil definir jurídica e legalmente uma associação sem fins lucrativos como IPSS, no entanto, são IPSS todas as associações sem fins lucrativos (Misericórdias inclusive), que desenvolvem acções sociais e que estavam inscritas na ex - Direcção Geral de Acção Social (DGAS), actual Direcção Geral de Solidariedade e Segurança Social (DGSS).
  • 16. Conclusão: Com este trabalho pretendemos demonstrar os vários tipos de sociedades existentes no código comercial português e suas respectivas responsabilidades jurídicas.