SlideShare uma empresa Scribd logo
A obra de arte na era da sua
Reprodutibilidade Técnica
     “   Walter Benjamin”
                      Por Priscila Souza
Frases - Introdução
• “Em todas as artes existe uma parte física que não pode
  continuar a ser olhada nem tratada como outrora.”.

• “É de se esperar que tão grandes inovações modifiquem toda
  a técnica das artes, agindo, desse modo, sobre a própria
  invenção, chegando talvez mesmo a modificar a própria noção
  de arte em termos mágicos.”.

• “[...] Marx empreendeu a análise de produção capitalista [...]
  Ficou explícito que dele (capitalismo) seria de se esperar, não
  só uma exploração crescentemente agravada do proletariado,
  como também, a criação de condições que tornariam possível
  a sua própria abolição.”.
Arte reprodutível
“Por princípio a obra de arte sempre foi reprodutível.”
                                              Resumindo, a Pop Art
                                              foi um movimento que
                                              usava produtos do
                                              mundo americano
                                              para inspiração de
                                              suas obras.
                                              Movimento de crítica
                                              satirizada e irônica
                                              ao consumo da
                                              sociedade, operando
                                              com signos estéticos,
                                              baseado na idéia da
                                              mídia se aproveitar
                                              de tudo e transformar
                                              em objetos de
                                              consumo, como ,por
                                              exemplo,
                                              celebridades.
Andy Warhol – Pop Art
Arte reprodutível
“Os Gregos conheciam apenas dois processos de reprodução
  técnica de obras de arte: a fundição e a cunhagem.”.




                    Diana (Artemis-grego) era a deusa
                    da lua e da caça, filha de Júpiter
                    (Zeus) e de Latona (Leto-Ninfa), e        € 2.00-O rapto de Europa
                    irmã mais velha de Apolo(Febo-          por Zeus, sob a forma de touro.
                    Romano).

 “Bronzes, terracotas e moedas eram as únicas obras de arte que podiam produzir em
 massa.”.
Artes gráficas
  “As artes gráficas foram reproduzidas pela primeira
    vez com a xilogravura e passou longo tempo até que,
    pela impressão, também a escrita fosse
    reproduzida.”.
                                            Xilogravura – arte de gravar
                                            em madeira.




Gravura é a prática de se marcar
superfícies e usá-las para
reproduzir imagens.
Tipos de gravura:
Gravura em metal
Xilogravura
Litografia
Serigrafia
Artes gráficas
                                               A tipografia é uma arte
                                               reprodutível. A impressão é um
                                               bom exemplo de
                                               reprodutibilidade.




Tipografia (do grego      Minotaure Magazine
typos — "forma“ou         1936 Henri Matisse
“cunho” — e graphein
— "escrita") é a arte e
o processo de criação
na composição de um
texto. Trabalho de
                                                   MR. AND MRS. AUBREY HAIR
composição
                                                   LOGOTIPO
A fotografia
“Mas poucas décadas após a invenção da litografia, as artes gráficas foram
  ultrapassadas pela fotografia.”.
                                                   “[...] o olho aprende mais
                                                   depressa do que a mão
                                                   desenha[...].”.


                                           Exemplo de Reprodução
                                           Contínua.
                                           Michael Snow.



                                           “Pela primeira vez, com a fotografia, a
                                           mão liberta-se das mais importantes
                                           obrigações artísticas no processo de
                                           reprodução de imagens foi tão
                                           extraordinariamente acelerado [...].”.
A fotografia
“O aqui e agora do original constitui o conceito da sua autenticidade.”.
                                                           “[...] reprodução [...]
                                                           desvalorizam-lhe [...] o seu
                                                           aqui e agora.”.




“O que murcha na era da
reprodutibilidade da obra de          A fotografia é uma arte, que possibilita meios de
arte é a sua aura.”.                  reprodução e pode servir para diversos fins.
A fotografia
  “A obra de arte reproduzida, torna-se cada vez mais a reprodução de uma obra
     de arte que assenta na reprodutibilidade.”.




    As câmeras digitais são um bom exemplo sobre cópias, já que as fotografias são
    transferidas digitalmente e o processo de cópia é extremamente fácil e rápido.


“A partir da chapa fotográfica, por exemplo, é possível fazer uma grande
quantidade de cópias, o que retira o sentido à questão da cópia autêntica.”
A obra de arte num contexto – A aura
   “Uma estátua antiga de Vênus, por exemplo, situava-se num contexto
      tradicional diferente, para os Gregos que a consideravam um objeto de
      culto, e para os clérigos medievais que viam nela um ídolo nefasto. Mas o
      que ambos enfrentavam da mesma forma, era a sua singularidade, por
      outras palavras, a sua aura.”.




 O nascimento de Vênus. Sandro Botticelli.
sin.gu.la.ri.zar
(singular+izar) 1 Distinguir(-se) de outros, fazer(-se), tornar(-se) singular
ou único na sua espécie. 2 Especificar, particularizar.
                                                                                Estátua de Vênus – Museu do Louvre.
A obra de arte num contexto – A aura

                        As imagens de Hórus
Templo de Hórus.        dentro de seu templo
                        pode ser vista como
                        um objeto de culto, já
                        as imagens de Hórus,
                        tiradas de seu
                        contexto tradicional, e
                        postas em um museu,
                        por exemplo, são
                        vistas como uma obra
                        de arte histórica.
                        Essa é a essência da
                        aura, a qual se faz
                        possível pelo contexto.
A obra de arte num contexto – A aura
Exemplos de reprodução:




Original                                Reprodução        Reprodução Digital
                                        moderna – Museu
                                        do Cairo.


             Reprodução para o mercado de consumo:
Recepção da Arte - O culto
“O alce representado pelo homem da idade da pedra, nas
  paredes das suas cavernas, é um instrumento mágico. É certo
  que ele o expõe perante os outros homens, mas é
  principalmente dedicado aos espíritos.”.
  A recepção da arte pode ser de duas maneiras: no valor de culto ou no valor de
  exposição da obra de arte.
 “A recepção na diversão [...] tem no cinema o seu verdadeiro instrumento de
 exercício.”.
Recepção da Arte - ExposiçãoxCulto
Na fotografia, o valor de culto pode ser empregado no retrato: “O culto da
  recordação dos entes queridos, ausentes [...]. ”




  “Mas quando o homem se retira da fotografia, o valor de exposição
  sobrepõe-se, pela primeira vez, ao valor de culto”.




  Os diversos meios de reprodução técnica da obra de arte aumentam a sua
  possibilidade de exposição, sua disponibilidade.
Filme
Sobre cinema, as “versões” de um mesmo roteiro
  pode ser exemplo de reprodução.
Cinema – o ator
  “ [...] no teatro o desempenho artístico do actor é
     apresentado ao público pela sua própria pessoa; [...]
     o desempenho do ator de cinema é apresentado ao
     público por um equipamento [...].”.
  No teatro, o ator envolve o público e se expõe, ele interpreta com sua imagem,
  no cinema esse envolvimento com o público só acontece quando o ator quebra a
  magia do cinema olhando para a câmera, como no exemplo abaixo, cena do
  filme Sr. & Sra Smith:




“A identificação do público com o ator só sucede na medida em que aquele se
    identifica com o equipamento.”.
Cinema
 “ O cinema reage ao aniquilar da aura, com
   uma construção artística da ‘personality’ fora
   do estúdio.”
  “O culto da “estrela”, promovido pelo capital cinematográfico [...].”.




“O que caracteriza o filme é não só a forma como o homem se apresenta
   perante o equipamento de registro, mas também a forma como [...]
   reproduz o seu meio ambiente.”.
Cinema – percepção
  “[...] o cinema enriqueceu o nosso horizonte de
     percepção [...].”.
    “Assim se torna compreensível que a natureza da linguagem da câmara seja
    diferente da do olho humano. Diferente, principalmente, porque em vez de um
    espaço preenchido conscientemente pelo homem, surge um outro preenchido
    inconscientemente.”. (Filmes que mexem com nosso inconsciente, valores morais e
    etc, um exemplo e indicação o filme “Amor sem fronteiras”:




“ A câmara leva-nos ao inconsciente óptico, tal como a psicanálise ao
   inconsciente das pulsões.”.
A arte da Arquitetura
“ Mas a necessidade humana de um abrigo é
  duradoura. A arquitetura nunca parou. A sua história
  é a mais antiga do que a de qualquer outra arte.”.


 “A construção de edifícios tem uma recepção de dois tipos: através do uso ou
 através da sua percepção.”.
Para finalizar a visão do cinema
               por Duhamel
    “Duhamel chama ao cinema um passatempo para a ralé,
uma diversão para criaturas iletradas, miseráveis, gastas pelo
trabalho e consumidas pelas preocupações... Um espectáculo
que não exige concentração nem pressupõe qualquer
capacidade de raciocínio..., que não ilumina nenhum coração e
que de forma alguma desperta qualquer esperança a não ser
a esperança ridícula de vir um dia a ser estrela em Los
Angeles. ”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Expressionismo Abstrato
Expressionismo AbstratoExpressionismo Abstrato
Expressionismo Abstrato
Andrea Dressler
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
annaartes
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Cristiane Seibt
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismo
camilagarciaia
 
Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?
Aline Corso
 
A estética do belo
A estética do beloA estética do belo
A estética do belo
Adriana Martins Christianini
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
Danielle Souza
 
Pós-modernismo
Pós-modernismoPós-modernismo
Pós-modernismo
Laércio Góes
 
Op art
Op artOp art
Op art
sheilabeca
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 
Hd 2016.1 aula 6_influências das vanguardas europeias - cubismo
Hd 2016.1 aula 6_influências das vanguardas europeias - cubismoHd 2016.1 aula 6_influências das vanguardas europeias - cubismo
Hd 2016.1 aula 6_influências das vanguardas europeias - cubismo
Ticianne Darin
 
Romantismo - História da Arte
Romantismo - História da ArteRomantismo - História da Arte
Romantismo - História da Arte
VIVIAN TROMBINI
 
A HistóRia Da Fotografia
A HistóRia Da FotografiaA HistóRia Da Fotografia
A HistóRia Da Fotografia
Victor Marinho
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Carlos Pinheiro
 
Capitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofiaCapitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofia
Paulo Olli
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
denise lugli
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
JulianoFonseca17
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
Solange Ferreira de Paula
 

Mais procurados (20)

Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
 
Expressionismo Abstrato
Expressionismo AbstratoExpressionismo Abstrato
Expressionismo Abstrato
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismo
 
Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?
 
A estética do belo
A estética do beloA estética do belo
A estética do belo
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
 
Pós-modernismo
Pós-modernismoPós-modernismo
Pós-modernismo
 
Op art
Op artOp art
Op art
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Hd 2016.1 aula 6_influências das vanguardas europeias - cubismo
Hd 2016.1 aula 6_influências das vanguardas europeias - cubismoHd 2016.1 aula 6_influências das vanguardas europeias - cubismo
Hd 2016.1 aula 6_influências das vanguardas europeias - cubismo
 
Romantismo - História da Arte
Romantismo - História da ArteRomantismo - História da Arte
Romantismo - História da Arte
 
A HistóRia Da Fotografia
A HistóRia Da FotografiaA HistóRia Da Fotografia
A HistóRia Da Fotografia
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 
Capitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofiaCapitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofia
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
 

Destaque

Introdução a cultura digital
Introdução a cultura digitalIntrodução a cultura digital
Introdução a cultura digital
Aline Corso
 
Aula 10 Escola de Toronto e a Perspectiva Tecnológica
Aula 10   Escola de Toronto e a Perspectiva TecnológicaAula 10   Escola de Toronto e a Perspectiva Tecnológica
Aula 10 Escola de Toronto e a Perspectiva Tecnológica
Elizeu Nascimento Silva
 
Polêmica Santander cultural
Polêmica Santander culturalPolêmica Santander cultural
Polêmica Santander cultural
Aline Corso
 
Teorias da comunicação: discussões preliminares
Teorias da comunicação: discussões preliminaresTeorias da comunicação: discussões preliminares
Teorias da comunicação: discussões preliminares
Aline Corso
 
7 Principios para analisar e construir Narrativas Transmídia
7 Principios para analisar e construir Narrativas Transmídia7 Principios para analisar e construir Narrativas Transmídia
7 Principios para analisar e construir Narrativas Transmídia
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Ética da comunicação
Ética da comunicaçãoÉtica da comunicação
Ética da comunicação
Laércio Góes
 
6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide
Erica Frau
 
Walter Benjamin
Walter BenjaminWalter Benjamin
Walter Benjamin
Carmen RSandianes-G
 
Manual de elaboração de trabalhos acadêmicos Facnopar
Manual de elaboração de trabalhos acadêmicos FacnoparManual de elaboração de trabalhos acadêmicos Facnopar
Manual de elaboração de trabalhos acadêmicos Facnopar
Vivian Castro Ockner
 
Teorias da Comunicação - Walter Benjamin
Teorias da Comunicação - Walter BenjaminTeorias da Comunicação - Walter Benjamin
Teorias da Comunicação - Walter Benjamin
sabota
 
Reprodutibilidade - Walter Benjamin
Reprodutibilidade - Walter Benjamin Reprodutibilidade - Walter Benjamin
Reprodutibilidade - Walter Benjamin
Afonso De Lima
 
Walter benjamin
Walter benjaminWalter benjamin
Walter benjamin
MLPM77
 
Candido, A. (1972). A literatura e a formação do homem
Candido, A. (1972). A literatura e a formação do homemCandido, A. (1972). A literatura e a formação do homem
Candido, A. (1972). A literatura e a formação do homem
Diego Pereira
 
Walter benjamim
Walter benjamimWalter benjamim
Walter benjamim
LEONIDES PEREIRA DE SOUZA
 
Cap 3 o universo das artes
Cap 3   o universo das artesCap 3   o universo das artes
Cap 3 o universo das artes
Kelly de Castro
 
O universo das artes
O universo das artes   O universo das artes
O universo das artes
Milena Leite
 
Arte e ciência
Arte e ciênciaArte e ciência
Arte e ciência
Venise Melo
 
A Identidade Cultural Na PóS Modernidade
A Identidade Cultural Na PóS ModernidadeA Identidade Cultural Na PóS Modernidade
A Identidade Cultural Na PóS Modernidade
CLUBE CIÊNCIAS
 
Breve História da Fotografia
Breve História da FotografiaBreve História da Fotografia
Breve História da Fotografia
João Lima
 
Hall, stuart. a identidade cultural na pós modernidade
Hall, stuart. a identidade cultural na pós modernidadeHall, stuart. a identidade cultural na pós modernidade
Hall, stuart. a identidade cultural na pós modernidade
Jaqueline Cristina Sosi
 

Destaque (20)

Introdução a cultura digital
Introdução a cultura digitalIntrodução a cultura digital
Introdução a cultura digital
 
Aula 10 Escola de Toronto e a Perspectiva Tecnológica
Aula 10   Escola de Toronto e a Perspectiva TecnológicaAula 10   Escola de Toronto e a Perspectiva Tecnológica
Aula 10 Escola de Toronto e a Perspectiva Tecnológica
 
Polêmica Santander cultural
Polêmica Santander culturalPolêmica Santander cultural
Polêmica Santander cultural
 
Teorias da comunicação: discussões preliminares
Teorias da comunicação: discussões preliminaresTeorias da comunicação: discussões preliminares
Teorias da comunicação: discussões preliminares
 
7 Principios para analisar e construir Narrativas Transmídia
7 Principios para analisar e construir Narrativas Transmídia7 Principios para analisar e construir Narrativas Transmídia
7 Principios para analisar e construir Narrativas Transmídia
 
Ética da comunicação
Ética da comunicaçãoÉtica da comunicação
Ética da comunicação
 
6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide
 
Walter Benjamin
Walter BenjaminWalter Benjamin
Walter Benjamin
 
Manual de elaboração de trabalhos acadêmicos Facnopar
Manual de elaboração de trabalhos acadêmicos FacnoparManual de elaboração de trabalhos acadêmicos Facnopar
Manual de elaboração de trabalhos acadêmicos Facnopar
 
Teorias da Comunicação - Walter Benjamin
Teorias da Comunicação - Walter BenjaminTeorias da Comunicação - Walter Benjamin
Teorias da Comunicação - Walter Benjamin
 
Reprodutibilidade - Walter Benjamin
Reprodutibilidade - Walter Benjamin Reprodutibilidade - Walter Benjamin
Reprodutibilidade - Walter Benjamin
 
Walter benjamin
Walter benjaminWalter benjamin
Walter benjamin
 
Candido, A. (1972). A literatura e a formação do homem
Candido, A. (1972). A literatura e a formação do homemCandido, A. (1972). A literatura e a formação do homem
Candido, A. (1972). A literatura e a formação do homem
 
Walter benjamim
Walter benjamimWalter benjamim
Walter benjamim
 
Cap 3 o universo das artes
Cap 3   o universo das artesCap 3   o universo das artes
Cap 3 o universo das artes
 
O universo das artes
O universo das artes   O universo das artes
O universo das artes
 
Arte e ciência
Arte e ciênciaArte e ciência
Arte e ciência
 
A Identidade Cultural Na PóS Modernidade
A Identidade Cultural Na PóS ModernidadeA Identidade Cultural Na PóS Modernidade
A Identidade Cultural Na PóS Modernidade
 
Breve História da Fotografia
Breve História da FotografiaBreve História da Fotografia
Breve História da Fotografia
 
Hall, stuart. a identidade cultural na pós modernidade
Hall, stuart. a identidade cultural na pós modernidadeHall, stuart. a identidade cultural na pós modernidade
Hall, stuart. a identidade cultural na pós modernidade
 

Semelhante a Walter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica

Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
Ellen_A
 
Aula 01 introdução
Aula 01   introduçãoAula 01   introdução
Aula 01 introdução
Venise Melo
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
Vasco L
 
Práticas artísticas contemporâneas algumas questões
Práticas artísticas contemporâneas algumas questõesPráticas artísticas contemporâneas algumas questões
Práticas artísticas contemporâneas algumas questões
Armando Oliveira
 
Arte e Design
Arte e DesignArte e Design
Pós Modernismo
Pós ModernismoPós Modernismo
Pós Modernismo
Bruno Conti
 
Criação do humano maquina
Criação do humano maquinaCriação do humano maquina
Criação do humano maquinaVenise Melo
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
António Silva
 
Benjamin Midia E Territorio
Benjamin   Midia E TerritorioBenjamin   Midia E Territorio
Benjamin Midia E Territorio
guestb5c7bce5
 
Teste história da arte 2
Teste história da arte 2Teste história da arte 2
Arte Conceitual Semina´Rio
Arte Conceitual  Semina´RioArte Conceitual  Semina´Rio
Arte Conceitual Semina´Rio
guest2b9b0d
 
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTECOLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
Renato Garcia
 
Arteterapia 02
Arteterapia 02Arteterapia 02
Arteterapia 02
Zoraya Gonçalves Araujo
 
Arte conceitual - Seminário
Arte conceitual - SeminárioArte conceitual - Seminário
Arte conceitual - Seminário
Arthur Barreto
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
Ana Barreiros
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
Ana Barreiros
 
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Fernando Alves
 
Estética2
Estética2Estética2
Estética2
Jorge Barbosa
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
lisneia2012
 
Apresentação perspectivas
Apresentação perspectivasApresentação perspectivas
Apresentação perspectivas
pedro_ferreira
 

Semelhante a Walter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica (20)

Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
 
Aula 01 introdução
Aula 01   introduçãoAula 01   introdução
Aula 01 introdução
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
 
Práticas artísticas contemporâneas algumas questões
Práticas artísticas contemporâneas algumas questõesPráticas artísticas contemporâneas algumas questões
Práticas artísticas contemporâneas algumas questões
 
Arte e Design
Arte e DesignArte e Design
Arte e Design
 
Pós Modernismo
Pós ModernismoPós Modernismo
Pós Modernismo
 
Criação do humano maquina
Criação do humano maquinaCriação do humano maquina
Criação do humano maquina
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Benjamin Midia E Territorio
Benjamin   Midia E TerritorioBenjamin   Midia E Territorio
Benjamin Midia E Territorio
 
Teste história da arte 2
Teste história da arte 2Teste história da arte 2
Teste história da arte 2
 
Arte Conceitual Semina´Rio
Arte Conceitual  Semina´RioArte Conceitual  Semina´Rio
Arte Conceitual Semina´Rio
 
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTECOLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
 
Arteterapia 02
Arteterapia 02Arteterapia 02
Arteterapia 02
 
Arte conceitual - Seminário
Arte conceitual - SeminárioArte conceitual - Seminário
Arte conceitual - Seminário
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
 
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
 
Estética2
Estética2Estética2
Estética2
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
 
Apresentação perspectivas
Apresentação perspectivasApresentação perspectivas
Apresentação perspectivas
 

Mais de Priscila Souza

Palestras nas Segundas
Palestras nas SegundasPalestras nas Segundas
Palestras nas Segundas
Priscila Souza
 
Palestra com Glauco Diógenes
Palestra com Glauco DiógenesPalestra com Glauco Diógenes
Palestra com Glauco Diógenes
Priscila Souza
 
Design para quem não é designer - Robin Williams
Design para quem não é designer - Robin WilliamsDesign para quem não é designer - Robin Williams
Design para quem não é designer - Robin Williams
Priscila Souza
 
Palestra com Angela Santos
Palestra com Angela SantosPalestra com Angela Santos
Palestra com Angela Santos
Priscila Souza
 
Palestra com Rejane Cantoni
Palestra com Rejane CantoniPalestra com Rejane Cantoni
Palestra com Rejane Cantoni
Priscila Souza
 
Palestra com Raquel Zuannon
Palestra com Raquel ZuannonPalestra com Raquel Zuannon
Palestra com Raquel Zuannon
Priscila Souza
 
Oficina de webdesign
Oficina de webdesignOficina de webdesign
Oficina de webdesign
Priscila Souza
 
Oficina de animação
Oficina de animaçãoOficina de animação
Oficina de animação
Priscila Souza
 
Resfest Brasil (2007)
Resfest Brasil (2007)Resfest Brasil (2007)
Resfest Brasil (2007)
Priscila Souza
 
Gestalt do objeto
Gestalt do objetoGestalt do objeto
Gestalt do objeto
Priscila Souza
 
Livro: Homepage - Jakob Nielsen e Marie Tahir
Livro: Homepage - Jakob Nielsen e Marie TahirLivro: Homepage - Jakob Nielsen e Marie Tahir
Livro: Homepage - Jakob Nielsen e Marie Tahir
Priscila Souza
 
O terminal
O terminalO terminal
O terminal
Priscila Souza
 
E o vento levou (1939)
E o vento levou (1939)E o vento levou (1939)
E o vento levou (1939)
Priscila Souza
 
A viagem de Chihiro (2001)
A viagem de Chihiro (2001)A viagem de Chihiro (2001)
A viagem de Chihiro (2001)
Priscila Souza
 
O Conde de Monte Cristo (2002)
O Conde de Monte Cristo (2002)O Conde de Monte Cristo (2002)
O Conde de Monte Cristo (2002)
Priscila Souza
 
FILE 08
FILE 08FILE 08
Evento: Cidade plástica II
Evento: Cidade plástica IIEvento: Cidade plástica II
Evento: Cidade plástica II
Priscila Souza
 
A reconstrução do Ballet triádico
A reconstrução do Ballet triádicoA reconstrução do Ballet triádico
A reconstrução do Ballet triádico
Priscila Souza
 
27 de Setembro: Dia da responsabilidade social
27 de Setembro: Dia da responsabilidade social27 de Setembro: Dia da responsabilidade social
27 de Setembro: Dia da responsabilidade social
Priscila Souza
 
Análise do site bidêoubalde
Análise do site bidêoubaldeAnálise do site bidêoubalde
Análise do site bidêoubalde
Priscila Souza
 

Mais de Priscila Souza (20)

Palestras nas Segundas
Palestras nas SegundasPalestras nas Segundas
Palestras nas Segundas
 
Palestra com Glauco Diógenes
Palestra com Glauco DiógenesPalestra com Glauco Diógenes
Palestra com Glauco Diógenes
 
Design para quem não é designer - Robin Williams
Design para quem não é designer - Robin WilliamsDesign para quem não é designer - Robin Williams
Design para quem não é designer - Robin Williams
 
Palestra com Angela Santos
Palestra com Angela SantosPalestra com Angela Santos
Palestra com Angela Santos
 
Palestra com Rejane Cantoni
Palestra com Rejane CantoniPalestra com Rejane Cantoni
Palestra com Rejane Cantoni
 
Palestra com Raquel Zuannon
Palestra com Raquel ZuannonPalestra com Raquel Zuannon
Palestra com Raquel Zuannon
 
Oficina de webdesign
Oficina de webdesignOficina de webdesign
Oficina de webdesign
 
Oficina de animação
Oficina de animaçãoOficina de animação
Oficina de animação
 
Resfest Brasil (2007)
Resfest Brasil (2007)Resfest Brasil (2007)
Resfest Brasil (2007)
 
Gestalt do objeto
Gestalt do objetoGestalt do objeto
Gestalt do objeto
 
Livro: Homepage - Jakob Nielsen e Marie Tahir
Livro: Homepage - Jakob Nielsen e Marie TahirLivro: Homepage - Jakob Nielsen e Marie Tahir
Livro: Homepage - Jakob Nielsen e Marie Tahir
 
O terminal
O terminalO terminal
O terminal
 
E o vento levou (1939)
E o vento levou (1939)E o vento levou (1939)
E o vento levou (1939)
 
A viagem de Chihiro (2001)
A viagem de Chihiro (2001)A viagem de Chihiro (2001)
A viagem de Chihiro (2001)
 
O Conde de Monte Cristo (2002)
O Conde de Monte Cristo (2002)O Conde de Monte Cristo (2002)
O Conde de Monte Cristo (2002)
 
FILE 08
FILE 08FILE 08
FILE 08
 
Evento: Cidade plástica II
Evento: Cidade plástica IIEvento: Cidade plástica II
Evento: Cidade plástica II
 
A reconstrução do Ballet triádico
A reconstrução do Ballet triádicoA reconstrução do Ballet triádico
A reconstrução do Ballet triádico
 
27 de Setembro: Dia da responsabilidade social
27 de Setembro: Dia da responsabilidade social27 de Setembro: Dia da responsabilidade social
27 de Setembro: Dia da responsabilidade social
 
Análise do site bidêoubalde
Análise do site bidêoubaldeAnálise do site bidêoubalde
Análise do site bidêoubalde
 

Walter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica

  • 1. A obra de arte na era da sua Reprodutibilidade Técnica “ Walter Benjamin” Por Priscila Souza
  • 2. Frases - Introdução • “Em todas as artes existe uma parte física que não pode continuar a ser olhada nem tratada como outrora.”. • “É de se esperar que tão grandes inovações modifiquem toda a técnica das artes, agindo, desse modo, sobre a própria invenção, chegando talvez mesmo a modificar a própria noção de arte em termos mágicos.”. • “[...] Marx empreendeu a análise de produção capitalista [...] Ficou explícito que dele (capitalismo) seria de se esperar, não só uma exploração crescentemente agravada do proletariado, como também, a criação de condições que tornariam possível a sua própria abolição.”.
  • 3. Arte reprodutível “Por princípio a obra de arte sempre foi reprodutível.” Resumindo, a Pop Art foi um movimento que usava produtos do mundo americano para inspiração de suas obras. Movimento de crítica satirizada e irônica ao consumo da sociedade, operando com signos estéticos, baseado na idéia da mídia se aproveitar de tudo e transformar em objetos de consumo, como ,por exemplo, celebridades. Andy Warhol – Pop Art
  • 4. Arte reprodutível “Os Gregos conheciam apenas dois processos de reprodução técnica de obras de arte: a fundição e a cunhagem.”. Diana (Artemis-grego) era a deusa da lua e da caça, filha de Júpiter (Zeus) e de Latona (Leto-Ninfa), e € 2.00-O rapto de Europa irmã mais velha de Apolo(Febo- por Zeus, sob a forma de touro. Romano). “Bronzes, terracotas e moedas eram as únicas obras de arte que podiam produzir em massa.”.
  • 5. Artes gráficas “As artes gráficas foram reproduzidas pela primeira vez com a xilogravura e passou longo tempo até que, pela impressão, também a escrita fosse reproduzida.”. Xilogravura – arte de gravar em madeira. Gravura é a prática de se marcar superfícies e usá-las para reproduzir imagens. Tipos de gravura: Gravura em metal Xilogravura Litografia Serigrafia
  • 6. Artes gráficas A tipografia é uma arte reprodutível. A impressão é um bom exemplo de reprodutibilidade. Tipografia (do grego Minotaure Magazine typos — "forma“ou 1936 Henri Matisse “cunho” — e graphein — "escrita") é a arte e o processo de criação na composição de um texto. Trabalho de MR. AND MRS. AUBREY HAIR composição LOGOTIPO
  • 7. A fotografia “Mas poucas décadas após a invenção da litografia, as artes gráficas foram ultrapassadas pela fotografia.”. “[...] o olho aprende mais depressa do que a mão desenha[...].”. Exemplo de Reprodução Contínua. Michael Snow. “Pela primeira vez, com a fotografia, a mão liberta-se das mais importantes obrigações artísticas no processo de reprodução de imagens foi tão extraordinariamente acelerado [...].”.
  • 8. A fotografia “O aqui e agora do original constitui o conceito da sua autenticidade.”. “[...] reprodução [...] desvalorizam-lhe [...] o seu aqui e agora.”. “O que murcha na era da reprodutibilidade da obra de A fotografia é uma arte, que possibilita meios de arte é a sua aura.”. reprodução e pode servir para diversos fins.
  • 9. A fotografia “A obra de arte reproduzida, torna-se cada vez mais a reprodução de uma obra de arte que assenta na reprodutibilidade.”. As câmeras digitais são um bom exemplo sobre cópias, já que as fotografias são transferidas digitalmente e o processo de cópia é extremamente fácil e rápido. “A partir da chapa fotográfica, por exemplo, é possível fazer uma grande quantidade de cópias, o que retira o sentido à questão da cópia autêntica.”
  • 10. A obra de arte num contexto – A aura “Uma estátua antiga de Vênus, por exemplo, situava-se num contexto tradicional diferente, para os Gregos que a consideravam um objeto de culto, e para os clérigos medievais que viam nela um ídolo nefasto. Mas o que ambos enfrentavam da mesma forma, era a sua singularidade, por outras palavras, a sua aura.”. O nascimento de Vênus. Sandro Botticelli. sin.gu.la.ri.zar (singular+izar) 1 Distinguir(-se) de outros, fazer(-se), tornar(-se) singular ou único na sua espécie. 2 Especificar, particularizar. Estátua de Vênus – Museu do Louvre.
  • 11. A obra de arte num contexto – A aura As imagens de Hórus Templo de Hórus. dentro de seu templo pode ser vista como um objeto de culto, já as imagens de Hórus, tiradas de seu contexto tradicional, e postas em um museu, por exemplo, são vistas como uma obra de arte histórica. Essa é a essência da aura, a qual se faz possível pelo contexto.
  • 12. A obra de arte num contexto – A aura Exemplos de reprodução: Original Reprodução Reprodução Digital moderna – Museu do Cairo. Reprodução para o mercado de consumo:
  • 13. Recepção da Arte - O culto “O alce representado pelo homem da idade da pedra, nas paredes das suas cavernas, é um instrumento mágico. É certo que ele o expõe perante os outros homens, mas é principalmente dedicado aos espíritos.”. A recepção da arte pode ser de duas maneiras: no valor de culto ou no valor de exposição da obra de arte. “A recepção na diversão [...] tem no cinema o seu verdadeiro instrumento de exercício.”.
  • 14. Recepção da Arte - ExposiçãoxCulto Na fotografia, o valor de culto pode ser empregado no retrato: “O culto da recordação dos entes queridos, ausentes [...]. ” “Mas quando o homem se retira da fotografia, o valor de exposição sobrepõe-se, pela primeira vez, ao valor de culto”. Os diversos meios de reprodução técnica da obra de arte aumentam a sua possibilidade de exposição, sua disponibilidade.
  • 15. Filme Sobre cinema, as “versões” de um mesmo roteiro pode ser exemplo de reprodução.
  • 16. Cinema – o ator “ [...] no teatro o desempenho artístico do actor é apresentado ao público pela sua própria pessoa; [...] o desempenho do ator de cinema é apresentado ao público por um equipamento [...].”. No teatro, o ator envolve o público e se expõe, ele interpreta com sua imagem, no cinema esse envolvimento com o público só acontece quando o ator quebra a magia do cinema olhando para a câmera, como no exemplo abaixo, cena do filme Sr. & Sra Smith: “A identificação do público com o ator só sucede na medida em que aquele se identifica com o equipamento.”.
  • 17. Cinema “ O cinema reage ao aniquilar da aura, com uma construção artística da ‘personality’ fora do estúdio.” “O culto da “estrela”, promovido pelo capital cinematográfico [...].”. “O que caracteriza o filme é não só a forma como o homem se apresenta perante o equipamento de registro, mas também a forma como [...] reproduz o seu meio ambiente.”.
  • 18. Cinema – percepção “[...] o cinema enriqueceu o nosso horizonte de percepção [...].”. “Assim se torna compreensível que a natureza da linguagem da câmara seja diferente da do olho humano. Diferente, principalmente, porque em vez de um espaço preenchido conscientemente pelo homem, surge um outro preenchido inconscientemente.”. (Filmes que mexem com nosso inconsciente, valores morais e etc, um exemplo e indicação o filme “Amor sem fronteiras”: “ A câmara leva-nos ao inconsciente óptico, tal como a psicanálise ao inconsciente das pulsões.”.
  • 19. A arte da Arquitetura “ Mas a necessidade humana de um abrigo é duradoura. A arquitetura nunca parou. A sua história é a mais antiga do que a de qualquer outra arte.”. “A construção de edifícios tem uma recepção de dois tipos: através do uso ou através da sua percepção.”.
  • 20. Para finalizar a visão do cinema por Duhamel “Duhamel chama ao cinema um passatempo para a ralé, uma diversão para criaturas iletradas, miseráveis, gastas pelo trabalho e consumidas pelas preocupações... Um espectáculo que não exige concentração nem pressupõe qualquer capacidade de raciocínio..., que não ilumina nenhum coração e que de forma alguma desperta qualquer esperança a não ser a esperança ridícula de vir um dia a ser estrela em Los Angeles. ”.