SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
Estrutura dos códigos e qualificadores da
CIF
Soraia Micaela
Fisioterapeuta, MS, PhD
Faculdade de Saúde Pública da USP
Universidade Nove de Julho
O que é Funcionalidade?
Condição de saúde (transtorno ou doença)
Fatores ambientais Fatores pessoais
Fonte: OMS, 2015.
Funções e Estruturas
do Corpo
Atividade Participação
Classificação Internacional de Funcionalidade,
Incapacidade e Saúde
Como classificar e qualificar a
funcionalidade humana?
Proposta taxonômica da CIF
Proposta taxonômica da CIF
Taxonomia da CIF
Classificação
Partes
Componentes
Construtos/
qualificadores
Domínios e
categorias
em diferentes níveis
CIF
Parte 1:
Functionalidade e
Incapacidade
Parte 2:
Fatores Contextuais
Funções e Estruturas
do Corpo
Atividades e
Participação
Fatores
Ambientais
Fatores
Pessoais
Alt. em
Estruturas
Corporais
Capaci-
dade
Desempenho Facilitador/
Barreira
Item
níveis:
1º
2º
3º
4º
Item
níveis:
1º
2º
3º
4º
Item
níveis:
1º
2º
3º
4º
Alt. em
Funções
Corporais
Item
níveis:
1º
2º
3º
4º
Item
níveis:
1º
2º
3º
4º
CÓDIGOS
Cada um dos 4 componentes da CIF são
codificado com uma letra:
b : para funções corporais (“body”)
s : para estruturas anatômicas (“structure”)
d : para Atividade e Participação: (“domain”)
e : para Fatores Ambientais (« environment »)
b1 – b8 s1 – s8 d1 – d9 e1 – e5
Estrutura da CIF
CIF
Funções do
corpo
Estruturas
do corpo
Atividades &
Participações
Fatores
ambientais
b s d e
b110 – b899 s110 – s899 d110 – d999 e110 – e599
b1100 – b7809
b11420 – b54509
s1100 – s8309
s11000 – s76009
d1150 – d9309 e1100 – e5959
Componentes
Classificação de primeiro nível
Classificação de segundo nível
Classificação detalhada
Quantomaioronível,maisdetalhado
(Exemplo de codificação de uma função do corpo: Dor nas costas)
- 1° número do código: N° do capítulo (1°nível)
- b2  Funções Sensoriais e Dor
- código da categoria : 2 números (2°nível)
-b 280  Sensação de dor
- código da sub-categoria : 1 número (3°nível)
- b 2801  Dor localizada
- código do nível de detalhe da sub-categoria: 1 número (4° nível)
- b 28013  Dor nas costas
CIF Níveis de Codificação
Níveis de Codificação da CIF
Códigos da CIF: Prefixo + código numérico + qualificadores da CIF
Funções do corpo
Funções do corpo
Estruturas do corpo
Atividades e Participação
Fatores ambientais
Exemplo de classificação:
Funções Corporais Alteradas
Exemplo: Paciente com Doença de Parkinson
 Movimentos involuntários b765
 Funções de Energia b130
 Funções Emocionais b152
 Cérebro s1103
 Estruturas relacionadas ao
Movimento s798
Estruturas Corporais Alteradas
Exemplo: Paciente com Doença de Parkinson
Atividades limitadas e Participações restritas
Exemplo: Paciente com Doença de Parkinson
 Uso fino das mãos d440
 Movimentar-se pelos ambientes d450
 Alimentação d550
 Vestuário d540
 Fala d330
 Vida Comunitária d910
 Recreação e Lazer d920
 Emprego d850
Qualificadores da CIF
CIF Qualificadores
1° Qualificador
Código Genérico para todos componentes da CIF
• xxx.0 : nenhum problema 0- 4%
• xxx.1 : problema leve 5-24%
• xxx.2 : problema moderado 25-49%
• xxx.3 : problema grave 50-95%
• xxx.4 : problema completo 96-100%
• xxx.8 : não especificado
• xxx.9 : não aplicável
Qualificadores - Funções do corpo
Função do Corpo
bxxx._
Primeiro
qualificador Extensão da deficiência
xxx.0 Nenhuma deficiência
xxx.1 Deficiência LEVE
xxx.2 Deficiência MODERADA
xxx.3 Deficiência GRAVE
xxx.4 Deficiência COMPLETA
xxx.8 não especificada
xxx.9 não aplicável
Funções corporais são codificadas com o qualificador genérico
que indica a extensão da deficiência.
OMS, 2015
Exemplo – função do corpo
 Uma pessoa tem dor leve
 b280.1
 Uma mulher tem incontinência urinária grave
 b6202.3
Estruturas corpóreas
sxxx._ _ _
Primeiro
qualificador Extensão da deficiência
Apresentação da deficiência
(Natureza)
Segundo
qualificador
Estruturas Corporais são codificadas com 3 qualificadores que
indicam a extensão, a natureza e a localização da deficiência
Qualificadores de Estruturas Corporais
Localização da deficiência
Terceiro
qualificador
(Sugerido)
xxx.0 Nenhuma deficiência
xxx.1 Deficiência LEVE
xxx.2 Deficiência MODERADA
xxx.3 Deficiência GRAVE
xxx.4 Deficiência COMPLETA
xxx.8 não especificado
xxx.9 não aplicável
Estruturas corpóreas
sxxx._ _ _
Primeiro
qualificador Extensão da deficiência
Apresentação da deficiência
(Natureza)
Segundo
qualificador
Estruturas Corporais são codificadas com 3 qualificadores que
indicam a extensão, a natureza e a localização da deficiência
Qualificadores de Estruturas Corporais
Localização da deficiência
Terceiro
qualificador
(Sugerido)
xxx.Y 0 nenhuma alteração na estrutura
xxx.Y 1 ausência total
xxx.Y 2 ausência parcial
xxx.Y 3 parte adicional
xxx.Y 4 dimensões aberrantes
xxx.Y 5 descontinuidade
xxx.Y 6 posição desviada
xxx.Y 7 alteração qualitativa na estrutura
xxx.Y 8 não especificado
xxx.Y 9 não aplicável
Estruturas corpóreas
sxxx._ _ _
Primeiro
qualificador Extensão da deficiência
Apresentação da deficiência
(Natureza)
Segundo
qualificador
Estruturas Corporais são codificadas com 3 qualificadores que
indicam a extensão, a natureza e a localização da deficiência
Qualificadores de Estruturas Corporais
Localização da deficiência
Terceiro
qualificador
(Sugerido)
xxx.Y 0 Mais de uma região
xxx.Y 1 Direita
xxx.Y 2 Esquerda
xxx.Y 3 Ambos os lados
xxx.Y 4 Parte anterior
xxx.Y 5 Parte Posterior
xxx.Y 6 Proximal
xxx.Y 7 Distal
xxx.Y 8 não especificado
xxx.Y 9 não aplicável
Exemplo
Estrutura do membro inferior s750
s7501 – estrutura da perna
s75010 – Ossos da perna
1º qualificador – 4 deficiência completa
2º qualificador - 1 ausência total
3º qualificador – 2 esquerda
Estrutura Corporal
Desarticulação do
joelho à esquerda
Qualificadores
Atividade e Participação
- 2 qualificadores: desempenho e capacidade (medidos
com uma escala genérica)
Desempenho: aquilo que o indivíduo faz no seu ambiente
atual / real.
Capacidade: uma capacidade do indivíduo de executar
uma tarefa ou ação.
Este qualificador indica o provável nível mais elevado
de funcionalidade que uma pessoa pode atingir em um
dado momento, em um ambiente uniforme ou padronizado.
d4500. _ _
Qualificador de Desempenho (1° qualificador)
Qualificador de Capacidade (sem assistência)
(2° qualificador)
2 qualificadores adicionais: • capacidade com assistência
• desempenho sem assistência
Desempenho e Capacidade são
medidos com códigos genéricos
OMS, 2015
Desempenho e Capacidade
OMS, 2001, pág. 203
d4500. _ _ _ _
Qualificador de Desempenho (1° qualificador)
Qualificador de Capacidade (sem assistência)
(2° qualificador)
Qualificador de Capacidade (com assistência)
(3° qualificador)
Qualificador de desempenho (sem assistência)
(4° qualificador)
Codificação de
Fatores Ambientais
Fatores ambientais são codificados
com o qualificador genérico. Indica a
extensão na qual um fator é um
facilitador ou uma barreira.
Codificação de fatores ambientais
com a escala + ou -
xxx.0 Nenhuma barreira
xxx.1 Barreira Leve
xxx.2 Barreira Moderada
xxx.3 Barreira Grave
xxx.4 Barreira Completa
xxx.8 Barreira, não especificada
xxx.9 Não aplicável
xxx+0 Nenhum facilitador
xxx+1 Facilitador Leve
xxx+2 Facilitador Moderado
xxx+3 Facilitador Considerável
xxx+4 Facilitador Completo
xxx+8 Facilitador não especificado
xxx+9 Não aplicável
Facilitadores
+ + Uso de medicamentos e110
+ + Profissionais de Saúde e355
+ + Cadeira de Rodas e120
Barreiras
- - Atitudes da Família e Amigos e410
- - Sistemas e Políticas de Saúde e580
Fatores ambientais
Facilitadores e Barreiras
Exemplo: Paciente com Doença de Parkinson
Exercícios
 Qual dessas categorias da CIF denota uma
categoria de 3º nível?
a) d850
b) s7502
c) b7
d) b28013
e) e310
 Atribua o qualificador correto de acordo com as
descrições abaixo:
a) Problema completo: xxx. 4
b) Barreira moderada: xxx. 2
c) Nenhuma deficiência: xxx. 0
d) Facilitador leve: xxx. +1
e) Deficiência grave: xxx. 3
Caso Clínico
 Adicione o Qualificador da CIF apropriado à categoria que se
refere ao termo em negrito descrito no caso clínico:
 Um homem de 26 anos com Lesão da Medula T 7 (ASIA A)
queixa-se de dor leve b280._1__ ao mover seu tronco. Sua
circulação periférica é extremamente pobre, resultando em
graves problemas de manutenção da pressão arterial
b4202._3__, por isso, é essencial para ele tomar remédio, que
tem pelo menos um efeito positivo mínimo e1151._+1__. Além
disso, sua espasticidade muscular moderada b735._2__ ainda
é um problema que pode ser influenciado positivamente pela
fisioterapia e580. +2 ____. Manter-se na posição sentado por
um longo período de tempo é muito problemático d4153. _2_,
consequentemente, o paciente não consegue mais trabalhar
na sua antiga profissão d850._4__.
Obrigada!
soraia.micaelaa@gmail.com
Soraia Micaela
Fisioterapeuta, MS, PhD
Faculdade de Saúde Pública da USP
Universidade Nove de Julho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cif - breve explicitação
Cif - breve explicitaçãoCif - breve explicitação
Cif - breve explicitaçãomfcpestana
 
Exercícios para a aplicação da CIF
Exercícios para a aplicação da CIFExercícios para a aplicação da CIF
Exercícios para a aplicação da CIFCassia Buchalla
 
ESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMS
ESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMSESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMS
ESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMSSara Nunes
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaNatha Fisioterapia
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMAmericanFisio
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosNay Ribeiro
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicadaJucie Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Manual de goniometria
Manual de goniometriaManual de goniometria
Manual de goniometria
 
Core sets da CIF
Core sets da CIFCore sets da CIF
Core sets da CIF
 
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de VidaDesenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
 
Cif - breve explicitação
Cif - breve explicitaçãoCif - breve explicitação
Cif - breve explicitação
 
Exercícios para a aplicação da CIF
Exercícios para a aplicação da CIFExercícios para a aplicação da CIF
Exercícios para a aplicação da CIF
 
ESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMS
ESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMSESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMS
ESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMS
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
 
Lesão Medular
Lesão MedularLesão Medular
Lesão Medular
 
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
 
O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?
 
Modulo 12
Modulo 12Modulo 12
Modulo 12
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
 
Modulo 10
Modulo 10Modulo 10
Modulo 10
 
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
 

Mais de Cassia Buchalla

A CIF na atenção básica
A CIF na atenção básicaA CIF na atenção básica
A CIF na atenção básicaCassia Buchalla
 
Regras de Relacionamento (linking rules) de ferramentas de mensuração em saúd...
Regras de Relacionamento (linking rules) de ferramentas de mensuração em saúd...Regras de Relacionamento (linking rules) de ferramentas de mensuração em saúd...
Regras de Relacionamento (linking rules) de ferramentas de mensuração em saúd...Cassia Buchalla
 
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São PauloPolíticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São PauloCassia Buchalla
 
O uso da CIF em Pesquisa
O uso da CIF em Pesquisa O uso da CIF em Pesquisa
O uso da CIF em Pesquisa Cassia Buchalla
 
Manual WHODAS2.0 em Português
Manual WHODAS2.0 em PortuguêsManual WHODAS2.0 em Português
Manual WHODAS2.0 em PortuguêsCassia Buchalla
 

Mais de Cassia Buchalla (8)

A CIF na atenção básica
A CIF na atenção básicaA CIF na atenção básica
A CIF na atenção básica
 
I can function - m ICF
I can function - m ICFI can function - m ICF
I can function - m ICF
 
Regras de Relacionamento (linking rules) de ferramentas de mensuração em saúd...
Regras de Relacionamento (linking rules) de ferramentas de mensuração em saúd...Regras de Relacionamento (linking rules) de ferramentas de mensuração em saúd...
Regras de Relacionamento (linking rules) de ferramentas de mensuração em saúd...
 
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São PauloPolíticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
 
WHODAS 2.0
WHODAS 2.0WHODAS 2.0
WHODAS 2.0
 
O uso da CIF em Pesquisa
O uso da CIF em Pesquisa O uso da CIF em Pesquisa
O uso da CIF em Pesquisa
 
Manual WHODAS2.0 em Português
Manual WHODAS2.0 em PortuguêsManual WHODAS2.0 em Português
Manual WHODAS2.0 em Português
 
Manual prático da CIF
Manual prático da CIFManual prático da CIF
Manual prático da CIF
 

Último

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 

Estrutura dos Códigos e Qualificadores da CIF

  • 1. Estrutura dos códigos e qualificadores da CIF Soraia Micaela Fisioterapeuta, MS, PhD Faculdade de Saúde Pública da USP Universidade Nove de Julho
  • 2. O que é Funcionalidade?
  • 3. Condição de saúde (transtorno ou doença) Fatores ambientais Fatores pessoais Fonte: OMS, 2015. Funções e Estruturas do Corpo Atividade Participação Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde
  • 4. Como classificar e qualificar a funcionalidade humana?
  • 7. Taxonomia da CIF Classificação Partes Componentes Construtos/ qualificadores Domínios e categorias em diferentes níveis CIF Parte 1: Functionalidade e Incapacidade Parte 2: Fatores Contextuais Funções e Estruturas do Corpo Atividades e Participação Fatores Ambientais Fatores Pessoais Alt. em Estruturas Corporais Capaci- dade Desempenho Facilitador/ Barreira Item níveis: 1º 2º 3º 4º Item níveis: 1º 2º 3º 4º Item níveis: 1º 2º 3º 4º Alt. em Funções Corporais Item níveis: 1º 2º 3º 4º Item níveis: 1º 2º 3º 4º
  • 8. CÓDIGOS Cada um dos 4 componentes da CIF são codificado com uma letra: b : para funções corporais (“body”) s : para estruturas anatômicas (“structure”) d : para Atividade e Participação: (“domain”) e : para Fatores Ambientais (« environment »)
  • 9. b1 – b8 s1 – s8 d1 – d9 e1 – e5 Estrutura da CIF CIF Funções do corpo Estruturas do corpo Atividades & Participações Fatores ambientais b s d e b110 – b899 s110 – s899 d110 – d999 e110 – e599 b1100 – b7809 b11420 – b54509 s1100 – s8309 s11000 – s76009 d1150 – d9309 e1100 – e5959 Componentes Classificação de primeiro nível Classificação de segundo nível Classificação detalhada Quantomaioronível,maisdetalhado
  • 10. (Exemplo de codificação de uma função do corpo: Dor nas costas) - 1° número do código: N° do capítulo (1°nível) - b2  Funções Sensoriais e Dor - código da categoria : 2 números (2°nível) -b 280  Sensação de dor - código da sub-categoria : 1 número (3°nível) - b 2801  Dor localizada - código do nível de detalhe da sub-categoria: 1 número (4° nível) - b 28013  Dor nas costas CIF Níveis de Codificação
  • 11. Níveis de Codificação da CIF Códigos da CIF: Prefixo + código numérico + qualificadores da CIF
  • 17. Exemplo de classificação: Funções Corporais Alteradas Exemplo: Paciente com Doença de Parkinson  Movimentos involuntários b765  Funções de Energia b130  Funções Emocionais b152
  • 18.  Cérebro s1103  Estruturas relacionadas ao Movimento s798 Estruturas Corporais Alteradas Exemplo: Paciente com Doença de Parkinson
  • 19. Atividades limitadas e Participações restritas Exemplo: Paciente com Doença de Parkinson  Uso fino das mãos d440  Movimentar-se pelos ambientes d450  Alimentação d550  Vestuário d540  Fala d330  Vida Comunitária d910  Recreação e Lazer d920  Emprego d850
  • 21. CIF Qualificadores 1° Qualificador Código Genérico para todos componentes da CIF • xxx.0 : nenhum problema 0- 4% • xxx.1 : problema leve 5-24% • xxx.2 : problema moderado 25-49% • xxx.3 : problema grave 50-95% • xxx.4 : problema completo 96-100% • xxx.8 : não especificado • xxx.9 : não aplicável
  • 22. Qualificadores - Funções do corpo Função do Corpo bxxx._ Primeiro qualificador Extensão da deficiência xxx.0 Nenhuma deficiência xxx.1 Deficiência LEVE xxx.2 Deficiência MODERADA xxx.3 Deficiência GRAVE xxx.4 Deficiência COMPLETA xxx.8 não especificada xxx.9 não aplicável Funções corporais são codificadas com o qualificador genérico que indica a extensão da deficiência. OMS, 2015
  • 23. Exemplo – função do corpo  Uma pessoa tem dor leve  b280.1  Uma mulher tem incontinência urinária grave  b6202.3
  • 24. Estruturas corpóreas sxxx._ _ _ Primeiro qualificador Extensão da deficiência Apresentação da deficiência (Natureza) Segundo qualificador Estruturas Corporais são codificadas com 3 qualificadores que indicam a extensão, a natureza e a localização da deficiência Qualificadores de Estruturas Corporais Localização da deficiência Terceiro qualificador (Sugerido) xxx.0 Nenhuma deficiência xxx.1 Deficiência LEVE xxx.2 Deficiência MODERADA xxx.3 Deficiência GRAVE xxx.4 Deficiência COMPLETA xxx.8 não especificado xxx.9 não aplicável
  • 25. Estruturas corpóreas sxxx._ _ _ Primeiro qualificador Extensão da deficiência Apresentação da deficiência (Natureza) Segundo qualificador Estruturas Corporais são codificadas com 3 qualificadores que indicam a extensão, a natureza e a localização da deficiência Qualificadores de Estruturas Corporais Localização da deficiência Terceiro qualificador (Sugerido) xxx.Y 0 nenhuma alteração na estrutura xxx.Y 1 ausência total xxx.Y 2 ausência parcial xxx.Y 3 parte adicional xxx.Y 4 dimensões aberrantes xxx.Y 5 descontinuidade xxx.Y 6 posição desviada xxx.Y 7 alteração qualitativa na estrutura xxx.Y 8 não especificado xxx.Y 9 não aplicável
  • 26. Estruturas corpóreas sxxx._ _ _ Primeiro qualificador Extensão da deficiência Apresentação da deficiência (Natureza) Segundo qualificador Estruturas Corporais são codificadas com 3 qualificadores que indicam a extensão, a natureza e a localização da deficiência Qualificadores de Estruturas Corporais Localização da deficiência Terceiro qualificador (Sugerido) xxx.Y 0 Mais de uma região xxx.Y 1 Direita xxx.Y 2 Esquerda xxx.Y 3 Ambos os lados xxx.Y 4 Parte anterior xxx.Y 5 Parte Posterior xxx.Y 6 Proximal xxx.Y 7 Distal xxx.Y 8 não especificado xxx.Y 9 não aplicável
  • 27. Exemplo Estrutura do membro inferior s750 s7501 – estrutura da perna s75010 – Ossos da perna 1º qualificador – 4 deficiência completa 2º qualificador - 1 ausência total 3º qualificador – 2 esquerda Estrutura Corporal Desarticulação do joelho à esquerda
  • 28. Qualificadores Atividade e Participação - 2 qualificadores: desempenho e capacidade (medidos com uma escala genérica) Desempenho: aquilo que o indivíduo faz no seu ambiente atual / real. Capacidade: uma capacidade do indivíduo de executar uma tarefa ou ação. Este qualificador indica o provável nível mais elevado de funcionalidade que uma pessoa pode atingir em um dado momento, em um ambiente uniforme ou padronizado.
  • 29. d4500. _ _ Qualificador de Desempenho (1° qualificador) Qualificador de Capacidade (sem assistência) (2° qualificador) 2 qualificadores adicionais: • capacidade com assistência • desempenho sem assistência Desempenho e Capacidade são medidos com códigos genéricos OMS, 2015
  • 30. Desempenho e Capacidade OMS, 2001, pág. 203 d4500. _ _ _ _ Qualificador de Desempenho (1° qualificador) Qualificador de Capacidade (sem assistência) (2° qualificador) Qualificador de Capacidade (com assistência) (3° qualificador) Qualificador de desempenho (sem assistência) (4° qualificador)
  • 31. Codificação de Fatores Ambientais Fatores ambientais são codificados com o qualificador genérico. Indica a extensão na qual um fator é um facilitador ou uma barreira.
  • 32. Codificação de fatores ambientais com a escala + ou - xxx.0 Nenhuma barreira xxx.1 Barreira Leve xxx.2 Barreira Moderada xxx.3 Barreira Grave xxx.4 Barreira Completa xxx.8 Barreira, não especificada xxx.9 Não aplicável xxx+0 Nenhum facilitador xxx+1 Facilitador Leve xxx+2 Facilitador Moderado xxx+3 Facilitador Considerável xxx+4 Facilitador Completo xxx+8 Facilitador não especificado xxx+9 Não aplicável
  • 33. Facilitadores + + Uso de medicamentos e110 + + Profissionais de Saúde e355 + + Cadeira de Rodas e120 Barreiras - - Atitudes da Família e Amigos e410 - - Sistemas e Políticas de Saúde e580 Fatores ambientais Facilitadores e Barreiras Exemplo: Paciente com Doença de Parkinson
  • 35.  Qual dessas categorias da CIF denota uma categoria de 3º nível? a) d850 b) s7502 c) b7 d) b28013 e) e310
  • 36.  Atribua o qualificador correto de acordo com as descrições abaixo: a) Problema completo: xxx. 4 b) Barreira moderada: xxx. 2 c) Nenhuma deficiência: xxx. 0 d) Facilitador leve: xxx. +1 e) Deficiência grave: xxx. 3
  • 37. Caso Clínico  Adicione o Qualificador da CIF apropriado à categoria que se refere ao termo em negrito descrito no caso clínico:  Um homem de 26 anos com Lesão da Medula T 7 (ASIA A) queixa-se de dor leve b280._1__ ao mover seu tronco. Sua circulação periférica é extremamente pobre, resultando em graves problemas de manutenção da pressão arterial b4202._3__, por isso, é essencial para ele tomar remédio, que tem pelo menos um efeito positivo mínimo e1151._+1__. Além disso, sua espasticidade muscular moderada b735._2__ ainda é um problema que pode ser influenciado positivamente pela fisioterapia e580. +2 ____. Manter-se na posição sentado por um longo período de tempo é muito problemático d4153. _2_, consequentemente, o paciente não consegue mais trabalhar na sua antiga profissão d850._4__.
  • 38. Obrigada! soraia.micaelaa@gmail.com Soraia Micaela Fisioterapeuta, MS, PhD Faculdade de Saúde Pública da USP Universidade Nove de Julho