SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO
02
Processo N°
N°
LICENÇA DE OPERAÇÃO
VALIDADE ATÉ : 09/10/2020
Versão: 01
Data: 09/10/2015
37/00876/12
37002638
Ampliação
IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE
Nome CNPJ
Logradouro Cadastro na CETESB
Número Complemento Bairro CEP Município
CARACTERÍSTICAS DO PROJETO
Atividade Principal
Descrição
Bacia Hidrográfica UGRHI
Corpo Receptor Classe
Área ( metro quadrado)
Terreno Construída Atividade ao Ar Livre Novos Equipamentos Área do módulo explorado(ha)
Horário de Funcionamento (h)
Início
às
Término
Número de Funcionários
Administração Produção Data Número
A CETESB–Companhia Ambiental do Estado de São Paulo, no uso das atribuições que lhe foram
conferidas pela Lei Estadual nº 118/73, alterada pela Lei 13.542 de 08 de maio de 2009, e demais
normas pertinentes, emite a presente Licença, nas condições e termos nela constantes;
A presente licença está sendo concedida com base nas informações apresentadas pelo interessado e
não dispensa nem substitui quaisquer Alvarás ou Certidões de qualquer natureza, exigidos pela
legislação federal, estadual ou municipal;
A presente Licença de Operação refere-se aos locais, equipamentos ou processos produtivos
relacionados em folha anexa;
Os equipamentos de controle de poluição existentes deverão ser mantidos e operados adequadamente,
de modo a conservar sua eficiência;
No caso de existência de equipamentos ou dispositivos de queima de combustível, a densidade da
fumaça emitida pelos mesmos deverá estar de acordo com o disposto no artigo 31 do Regulamento da
Lei Estadual nº 997, de 31 de maio de 1976, aprovado pelo Decreto nº 8468, de 8 de setembro de
1976, e suas alterações;
Alterações nas atuais atividades, processos ou equipamentos deverão ser precedidas de Licença
Prévia e Licença de Instalação, nos termos dos artigos 58 e 58-A do Regulamento acima mencionado;
Caso venham a existir reclamações da população vizinha em relação a problemas de poluição
ambiental causados pela firma, esta deverá tomar medidas no sentido de solucioná-los em caráter de
urgência;
A renovação da licença de operação deverá ser requerida com antecedência mínima de 120 dias,
contados da data da expiração de seu prazo de validade.
USO DA CETESB EMITENTE
SD N° Tipos de Exigências Técnicas Local:
ENTIDADE
Esta licença de número 37002638 foi certificada por assinatura digital, processo
eletrônico baseado em sistema criptográfico assimétrico, assinado eletronicamente por
chave privada. Para verificação de sua autenticidade deve ser consultada a página da
CETESB, na Internet, no endereço: autenticidade.cetesb.sp.gov.br
ESTRE AMBIENTAL S/A 03.147.393/0002-30
ESTRADA MUNICIPAL PLN 190 513-271-6
190 PARQUE DA REPRESA 13140-000 PAULÍNIA
Aterros sanitários; gestão de
14 - PIRACICABA 5 - PIRACICABA/CAPIVARI/JUNDIAÍ
831.785,24 20.787,46
00:01 23:59 0 0
Licença de Instalação
08/02/2014 37000708
91140666 Água, Solo, Outros
PAULÍNIA
Pag.1/4
Pag.2/4
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO
02
Processo N°
N°
LICENÇA DE OPERAÇÃO
VALIDADE ATÉ : 09/10/2020
Versão: 01
Data: 09/10/2015
37/00876/12
37002638
Ampliação
ENTIDADE
EXIGÊNCIAS TÉCNICAS
01. O aterro sanitário deverá ser operado, em conformidade com o projeto submetido à aprovação da CETESB,
por ocasião da solicitação da Licença de Instalação, devendo o empreendedor garantir a adoção e manutenção
permanente de todas as medidas operacionais previstas no projeto. O empreendedor deverá manter sistemática de
operação e manutenção contínua das estruturas do aterro, em especial os acessos e as drenagens de líquidos
percolados, de gases e de águas pluviais, de modo a garantir o adequado funcionamento destas estruturas.
02. O aterro somente poderá receber resíduos sólidos urbanos e industriais de classes II-A e II-B, de
acordo com a norma NBR 10.004 - Resíduos sólidos - Classificação, da ABNT - Associação Brasileira de Normas
Técnicas. Não poderão ser recebidos no aterro resíduos com líquidos livres, determinados conforme a norma NBR
12988 - Líquidos Livres - Verificação em Amostras de Resíduos, da Associação Brasileira de Normas Técnicas,
ou que contenham substâncias solúveis em hexana (óleos e graxas) em teores superiores a 5 %.
03. A operação do aterro deverá ser adequadamente conduzida, com a cobertura diária e definitiva dos
resíduos com espessura de 30 cm de solo e a adequada coleta e tratamento, tanto de líquidos percolados tanto
de gases, de modo a impedir a emissão de substâncias odoríferas na atmosfera, em quantidades que possam ser
percebidas fora dos limites da propriedade do aterro ou que possam causar inconvenientes ao bem
estar público.
04. A empresa deverá acompanhar sistematicamente o tráfego de caminhões que transportam resíduos para
destinação no Centro de Gerenciamento de Resíduos - CGR Paulínia, incluindo a consulta à população residente
nas proximidades do trajeto, e tomar medidas imediatas em situações que a movimentação de veículos possa
causar inconvenientes ao bem estar público.
05. O empreendedor deverá manter a sistemática de controle de recebimento de resíduos no aterro, de modo a
garantir que só sejam depositados no local os resíduos autorizados. O recebimento de resíduos industriais
está condicionando à apresentação de CADRI - Certificado de Movimentação de Resíduos de Interesse Ambiental,
pelo gerador. Relatório sucinto e conclusivo, referente a este controle, deverá ser submetido à CETESB,
trimestralmente, com as informações referentes aos resíduos recebidos diariamente (características e
quantidades), à via útil remanescente do aterro licenciado e à demonstração de atendimento aos limites
estabelecidos no licenciamento do aterro (qualitativos e quantitavos).
06. Os líquidos percolados do aterro deverão ser adequadamente coletados e armazenados, em sistema
impermeabilizado e estanque, e destinados a instalações licenciadas para o seu recebimento, tratamento e
destino final. O envio destes efluentes líquidos a instalações de terceiros deverá ser precedido de obtenção
de CADRI - Certificado de Movimentação de Resíduos de Interesse Ambiental. O responsável pela operação do
aterro deverá encaminhar à CETESB relatórios anuais, com informações referentes às quantidades mensais
geradas, armazenadas e destinadas dos líquidos percolados, além da destinação dada a estes líquidos.
07. A empresa deverá operar os qeuipamentos implantados, correspondentes ao projeto de armazenamento dos
líquidos percolados no empreendimento, com capacidade de armazenamento temporário de no mínimo 03 (três)
dias, conforme proposta técnica apresentada à CETESB em 24/02/2014. O cronograma físico desta proposta deverá
ser revisado para a operação de 08 (oito) tanques até 12/10/2015 e a implantação e início de operação dos
últimos 04 (quatro) tanques até 31/12/2015.
08. A empresa deverá apresentar à CETESB, no prazo de 15 (quinze) dias corridos, a contar da data de
emissão desta Licença, as seguintes informações:
- manifestação do DAEE - Departamento de Águas e Energia Elétrica quanto ao pedido do tamponamento/selamento
do poço 01 DAEE 277-297 e a sua localização em planta;
- providências tomadas para que a estrutura do poço não afetasse a manta impermeabilizante colocada na base
da futura ampliação;
- relatório conclusivo acerca do Plano de desmobilização da Fase II como a comprovação, inclusive com fotos,
do cumprimento das ações definidas no supracitado Plano;
- localização dos poços de monitoramento em planta, o perfil construtivo final de cada um dos poços selados,
a justificativa para o tamponamento e a comprovação do recolhimento da ART do trabalho realizado;
- as figuras do estudo de investigação ambiental em escala adequada;
- cópia do estudo de investigação ambiental em meio digital (arquivos pdf e doc).
09. A empresa deverá manter sistemática de controle de recebimento de resíduos, atendendo continuamente às
Pag.3/4
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO
02
Processo N°
N°
LICENÇA DE OPERAÇÃO
VALIDADE ATÉ : 09/10/2020
Versão: 01
Data: 09/10/2015
37/00876/12
37002638
Ampliação
ENTIDADE
exigências técnicas 10, 11, 12, 13, 14 e 15 da Licença de Instalação 37000708, de 08/02/2014, juntamente com
a análise de sulfetos, cianetos e inflamabilidade e as análises completas periódicas dos resíduos recebidos,
de forma a confirmar se as características dos mesmos são aquelas originalmente verificadas nas análises de
pré-aceitação. Os ensaios dos parâmetros a serem analisados devem ser propostos pelo interessado e submetidos
à apreciação da CETESB. A periodicidade deverá ser estabelecida em função das cargas recebidas, de forma a
ser representativa da qualidade dos resíduos já recebidos.
10. A Estre Ambiental S. A. deverá apresentar à CETESB, no prazo de 30 (trinta) dias corridos, a contar da
data de emissão desta Licença, relatório técnico integrado e consolidado, referente ao cumprimento de todos
os Termos de Compromisso de Recuperação Ambiental já firmados pelo empreendimento contendo, no mínimo, as
seguintes informações:
- levantamento de todos os Termos de Compromisso de Recuperação Ambiental firmados anteriormente;
- áreas de plantio;
- número de mudas compromissadas;
- atual estágio de desenvolvimento das mudas,
- número de mudas que efetivamente adquiriram sua autonomia;
- caso necessário, apresentar proposição do plantio complementar das árvores nativas ainda não consolidadas.
Para o plantio de novas mudas, deverão ser apresentadas as seguintes informações:
- projeto técnico de reposição florestal elaborado de acordo com as diretrizes adotadas pela CETESB;
- identificação das áreas de plantio futuro;
- apresentação de cópias das certidões das matrículas dos imóveis onde se localizam as áreas de plantio e a
anuência dos seus proprietários;
- caracterização das áreas de plantio;
- indicação das espécies e número de mudas para cada área;
- procuração de representante legal da empresa para assinatura de Termo de Compromisso de Recuperação
Ambiental.
11. A empresa deverá atender integralmente às recomendações do Parecer Técnico 096/13/IPSR, de 19/12/2013,
e avaliar e adaptar o monitoramento geotécnico do aterro, incluindo, quando pertinente, as diretrizes
contidas no Roteiro para Elaboração de Relatórios de Avaliação da Estabilidade Geotécnica de Aterros
Sanitários constante no Anexo III do Parecer Técnico 096/13/IPSR.
12. Durante a fase de operação das ampliações, disponibilizar na área do empreendimento os relatórios
trimestrais do Monitoramento das Águas Subterrâneas. Apresentar anualmente relatório consolidado e
interpretado dos relatórios trimestrais do Monitoramento das Águas Subterrâneas, conforme a listagem dos
Parâmetros Indicadores de Contaminação das Águas Subterrâneas constante no Anexo I do Parecer Técnico
096/13/IPSR e também de todos os Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos (PAH), presentes na metodologia
analítica EPA 8270 e a varredura integral dos VOCs conforme EPA 8260. Os relatórios deverão avaliar a
efetividade das medidas de controle adotadas durante a operação do aterro, indicando eventuais melhorias.
13. Durante a fase de operação das ampliações, disponibilizar na área do empreendimento os relatórios
trimestrais do Monitoramento das Águas Superficiais. Apresentar anualmente relatório consolidado e
interpretado dos relatórios trimestrais do Monitoramento das Águas Superficiais, conforme a listagem
Parâmetros Indicadores de Contaminação das Águas Superficiais constante no Anexo II do Parecer Técnico
096/13/IPSR. Os relatórios deverão avaliar a efetividade das medidas de controle adotadas durante a operação
do Aterro, indicando eventuais melhorias.
14. Durante a fase de operação das ampliações, disponibilizar na área do empreendimento os relatórios
mensais do Monitoramento Geotécnico do Aterro, e apresentar anualmente relatório consolidado e interpretado
dos relatórios mensais do Monitoramento Geotécnico do Aterro. O relatório deverá avaliar a efetividade das
medidas de estabilidade geotécnica adotadas durante a operação do Aterro.
15. Durante a fase de operação das ampliações, disponibilizar na área do empreendimento os relatórios
anuais do Programa de Monitoramento de Vetores de doenças e da avifauna necrófaga. Em tais relatórios, deverá
ser apresentado o andamento do monitoramento das aves e insetos, da implementação das medidas preventivas
propostas além de outras que se fizerem necessárias a partir dos resultados obtidos nesse Programa, incluindo
o controle por desratização.
16. A empresa deverá presentar relatórios semestrais, comprovando a implementação do Programa de
Monitoramento dos Processos Erosivos.
Pag.4/4
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO
02
Processo N°
N°
LICENÇA DE OPERAÇÃO
VALIDADE ATÉ : 09/10/2020
Versão: 01
Data: 09/10/2015
37/00876/12
37002638
Ampliação
ENTIDADE
17. Os resíduos tratados na unidade de biorremediação (solos descontaminados) não poderão ser utilizados
para a cobertura do aterro, conforme compromisso assumido pela empresa.
18. A empresa deverá implementar e manter todos os programas previstos no procedimento de licenciamento
ambiental do empreendimento, apresentando à CETESB relatórios periódicos, de modo a demonstrar o cumprimento
de todas as exigências da Licença Ambiental Prévia 01364, de 23/03/2009.
19. Antes do encerramento das atividades, a empresa deverá apresentar Plano de Desativação do Aterro
Sanitário, que contemple propostas detalhadas sobre a proteção da área e da continuidade do monitoramento dos
sistemas de proteção ambiental instalados e proposta detalhada de uso futuro (projeto de revegetação da
área), que deverão ser aprovados pela CETESB.
20. Os resíduos sólidos de classe I - perigosos gerados pelo empreendimento deverão ser adequadamente
armazenados, conforme a norma NBR 12235 - Armazenamento de resíduos sólidos perigosos, da ABNT, e destinados
exclusivamente a sistemas de tratamento ou disposição aprovados pela CETESB, mediante prévia obtenção do
CADRI - Certificado de Movimentação de Resíduos de Interesse Ambiental.
OBSERVAÇÕES
01. Esta Licença de Operação é válida para a ampliação do aterro sanitário da Estre Ambiental S. A., de
Paulínia, com a utilização da Fase II Etapa A do projeto da ampliação, correspondente à área de atividades ao
ar livre de 20.787,46 m², conforme projeto aprovado pela CETESB, parte do objeto da Licença Ambiental Prévia
01364, de 23/03/2009, e da Licença de Instalação 37000708, de 08/02/2014.
02. Esta Licença de Operação é válida para a disposição máxima de 5.000 toneladas/dia de resíduos sólidos
urbanos e de resíduos industriais de classes II-A e II-B, conforme a norma NBR 10.004 - Classificação de
resíduos sólidos, da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, isentos de líquidos livres e com teor
máximo de substâncias solúveis em hexana (óleos e graxas) de 5 %, em peso, com a utilização das operações e
equipamentos referentes a esta fase, relacionados no Memorial de Caracterização de Empreendimento apresentado
por ocasião de sua solicitação.
03. Por ocasião da conclusão da implantação da Fase II Etapa B do projeto da ampliação, pevista no projeto
apresentado para a obtenção da Licença Ambiental Prévia 01364, de 23/03/2009, e da Licença de Instalação
37000708, de 08/02/2014, e antes do início de sua operação, a Estre Ambiental S. A. deverá solicitar a
Licença de Operação correspondente a esta etapa, apresentando toda a documentação para comprovar o
cumprimento das exigências técnicas estabelecidas nas outras etapas do licenciamento ambiental, inclusive
nesta Licença de Operação, em tempo hábil para permitir a análise e manifestação da CETESB quanto a este
pedido, antes do início da operação da Fase II Etapa B.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Delta A/Cetesb -LP 23-9-2011
Delta A/Cetesb -LP 23-9-2011Delta A/Cetesb -LP 23-9-2011
Delta A/Cetesb -LP 23-9-2011Laura Magalhães
 
Estre/Licença Cetesb operação parcial
Estre/Licença Cetesb operação parcialEstre/Licença Cetesb operação parcial
Estre/Licença Cetesb operação parcialAnita Rocha
 
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)Roger Lionel King
 
Nbr 7198 1993 projeto e execucao instal agua quente
Nbr 7198   1993   projeto e execucao instal agua quenteNbr 7198   1993   projeto e execucao instal agua quente
Nbr 7198 1993 projeto e execucao instal agua quenteDaniella Gonçalves Portela
 
Eia Rima do incinerador da Atento
Eia Rima do incinerador da AtentoEia Rima do incinerador da Atento
Eia Rima do incinerador da AtentoJamildo Melo
 
Licenciamento instalacao predial
Licenciamento instalacao predialLicenciamento instalacao predial
Licenciamento instalacao predialWescley Sena
 
Autolicenciamento ambiental no RS
Autolicenciamento ambiental no RSAutolicenciamento ambiental no RS
Autolicenciamento ambiental no RSMatinalJornalismo
 
aterro industrial
aterro industrialaterro industrial
aterro industrialPaulo Silva
 
Nbr 5626 instalação predial de água fria
Nbr 5626 instalação predial de água friaNbr 5626 instalação predial de água fria
Nbr 5626 instalação predial de água friaDandara Santos
 
TCE e a Emlurb de João da Costa
TCE e a Emlurb de João da CostaTCE e a Emlurb de João da Costa
TCE e a Emlurb de João da CostaJamildo Melo
 
Apresentação AquaExpert Angola
Apresentação AquaExpert AngolaApresentação AquaExpert Angola
Apresentação AquaExpert AngolaVitor Marques
 

Mais procurados (16)

Delta A/Cetesb -LP 23-9-2011
Delta A/Cetesb -LP 23-9-2011Delta A/Cetesb -LP 23-9-2011
Delta A/Cetesb -LP 23-9-2011
 
Estre/Licença Cetesb operação parcial
Estre/Licença Cetesb operação parcialEstre/Licença Cetesb operação parcial
Estre/Licença Cetesb operação parcial
 
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
 
Bloco3
Bloco3Bloco3
Bloco3
 
Nbr 7198 1993 projeto e execucao instal agua quente
Nbr 7198   1993   projeto e execucao instal agua quenteNbr 7198   1993   projeto e execucao instal agua quente
Nbr 7198 1993 projeto e execucao instal agua quente
 
CETESP
CETESPCETESP
CETESP
 
Eia Rima do incinerador da Atento
Eia Rima do incinerador da AtentoEia Rima do incinerador da Atento
Eia Rima do incinerador da Atento
 
Benter01
Benter01Benter01
Benter01
 
Licenciamento instalacao predial
Licenciamento instalacao predialLicenciamento instalacao predial
Licenciamento instalacao predial
 
Autolicenciamento ambiental no RS
Autolicenciamento ambiental no RSAutolicenciamento ambiental no RS
Autolicenciamento ambiental no RS
 
aterro industrial
aterro industrialaterro industrial
aterro industrial
 
Nbr 5626 instalação predial de água fria
Nbr 5626 instalação predial de água friaNbr 5626 instalação predial de água fria
Nbr 5626 instalação predial de água fria
 
Abnt nb - instalação
Abnt    nb  - instalação Abnt    nb  - instalação
Abnt nb - instalação
 
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes   pdrePlano diretor de resíduos e efluentes   pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
 
TCE e a Emlurb de João da Costa
TCE e a Emlurb de João da CostaTCE e a Emlurb de João da Costa
TCE e a Emlurb de João da Costa
 
Apresentação AquaExpert Angola
Apresentação AquaExpert AngolaApresentação AquaExpert Angola
Apresentação AquaExpert Angola
 

Semelhante a Licença de Operação para Aterro Sanitário em Paulínia

Delta A /Cetesb LP-LI 4-3-2011
Delta A /Cetesb LP-LI 4-3-2011Delta A /Cetesb LP-LI 4-3-2011
Delta A /Cetesb LP-LI 4-3-2011Laura Magalhães
 
Cetesb-Delta A -LO 2012
Cetesb-Delta A  -LO 2012Cetesb-Delta A  -LO 2012
Cetesb-Delta A -LO 2012Lia Prado
 
Delta A/Cetesb -LP 12-12-2012
Delta A/Cetesb -LP 12-12-2012 Delta A/Cetesb -LP 12-12-2012
Delta A/Cetesb -LP 12-12-2012 Laura Magalhães
 
Delta A/transbordo 2018- LI vencida
Delta A/transbordo 2018- LI vencidaDelta A/transbordo 2018- LI vencida
Delta A/transbordo 2018- LI vencida1962laura
 
Delta A/Cetesb-LP LI 16-12-2011
Delta A/Cetesb-LP LI 16-12-2011Delta A/Cetesb-LP LI 16-12-2011
Delta A/Cetesb-LP LI 16-12-2011Laura Magalhães
 
Termo de referência transbordo, transporte e disposição final
Termo de referência transbordo, transporte e disposição finalTermo de referência transbordo, transporte e disposição final
Termo de referência transbordo, transporte e disposição finalJeffinhoSantos2
 
Resoluções Conama Postos de Combustíveis
Resoluções Conama Postos de CombustíveisResoluções Conama Postos de Combustíveis
Resoluções Conama Postos de Combustíveischarlessousa192
 
Delta A/Cetesb/Certificado aprovacao
Delta A/Cetesb/Certificado aprovacaoDelta A/Cetesb/Certificado aprovacao
Delta A/Cetesb/Certificado aprovacaoLaura Magalhães
 
Cetesb-Delta A certificado aprovacao
Cetesb-Delta A certificado aprovacaoCetesb-Delta A certificado aprovacao
Cetesb-Delta A certificado aprovacaoLia Prado
 
Instrução normativa n001.2007 postos de abastecimento
Instrução normativa n001.2007 postos de abastecimentoInstrução normativa n001.2007 postos de abastecimento
Instrução normativa n001.2007 postos de abastecimentoMarcelo Forest
 
Tac cetesb aterro delta a pirelli santa barbara
Tac cetesb aterro delta a pirelli santa barbaraTac cetesb aterro delta a pirelli santa barbara
Tac cetesb aterro delta a pirelli santa barbaraResgate Cambuí
 
Tac Cetesb/Delta A e outros
Tac Cetesb/Delta A e outrosTac Cetesb/Delta A e outros
Tac Cetesb/Delta A e outrosLaura Magalhães
 
CHECK LIST Hospital clinicas e similares.pdf
CHECK LIST Hospital clinicas e similares.pdfCHECK LIST Hospital clinicas e similares.pdf
CHECK LIST Hospital clinicas e similares.pdfJaqueRibeiro8
 
IN 03 (6) parcelamento do solo.pdf
IN 03 (6) parcelamento do solo.pdfIN 03 (6) parcelamento do solo.pdf
IN 03 (6) parcelamento do solo.pdfFABRICIOPEDRO4
 
Como montar um pca posto de bastecimento
Como montar um pca   posto de bastecimentoComo montar um pca   posto de bastecimento
Como montar um pca posto de bastecimentoKATIA ARAUJO
 
Obrigações ambientais da indústria
Obrigações ambientais da indústriaObrigações ambientais da indústria
Obrigações ambientais da indústriaFirjan
 

Semelhante a Licença de Operação para Aterro Sanitário em Paulínia (20)

Delta A/Cetesb LO 2016
Delta A/Cetesb LO 2016Delta A/Cetesb LO 2016
Delta A/Cetesb LO 2016
 
Delta A/Cetesb LO 2013
Delta A/Cetesb LO 2013Delta A/Cetesb LO 2013
Delta A/Cetesb LO 2013
 
Delta A /Cetesb LP-LI 4-3-2011
Delta A /Cetesb LP-LI 4-3-2011Delta A /Cetesb LP-LI 4-3-2011
Delta A /Cetesb LP-LI 4-3-2011
 
Delta A/Cetesb/ LO 2012
Delta A/Cetesb/ LO 2012Delta A/Cetesb/ LO 2012
Delta A/Cetesb/ LO 2012
 
Cetesb-Delta A -LO 2012
Cetesb-Delta A  -LO 2012Cetesb-Delta A  -LO 2012
Cetesb-Delta A -LO 2012
 
Delta A/Cetesb -LP 12-12-2012
Delta A/Cetesb -LP 12-12-2012 Delta A/Cetesb -LP 12-12-2012
Delta A/Cetesb -LP 12-12-2012
 
Delta A/transbordo 2018- LI vencida
Delta A/transbordo 2018- LI vencidaDelta A/transbordo 2018- LI vencida
Delta A/transbordo 2018- LI vencida
 
Delta A/Cetesb-LP LI 16-12-2011
Delta A/Cetesb-LP LI 16-12-2011Delta A/Cetesb-LP LI 16-12-2011
Delta A/Cetesb-LP LI 16-12-2011
 
Termo de referência transbordo, transporte e disposição final
Termo de referência transbordo, transporte e disposição finalTermo de referência transbordo, transporte e disposição final
Termo de referência transbordo, transporte e disposição final
 
Resoluções Conama Postos de Combustíveis
Resoluções Conama Postos de CombustíveisResoluções Conama Postos de Combustíveis
Resoluções Conama Postos de Combustíveis
 
Delta A/Cetesb/Certificado aprovacao
Delta A/Cetesb/Certificado aprovacaoDelta A/Cetesb/Certificado aprovacao
Delta A/Cetesb/Certificado aprovacao
 
Cetesb-Delta A certificado aprovacao
Cetesb-Delta A certificado aprovacaoCetesb-Delta A certificado aprovacao
Cetesb-Delta A certificado aprovacao
 
Instrução normativa n001.2007 postos de abastecimento
Instrução normativa n001.2007 postos de abastecimentoInstrução normativa n001.2007 postos de abastecimento
Instrução normativa n001.2007 postos de abastecimento
 
Tac cetesb aterro delta a pirelli santa barbara
Tac cetesb aterro delta a pirelli santa barbaraTac cetesb aterro delta a pirelli santa barbara
Tac cetesb aterro delta a pirelli santa barbara
 
Tac Cetesb/Delta A e outros
Tac Cetesb/Delta A e outrosTac Cetesb/Delta A e outros
Tac Cetesb/Delta A e outros
 
CHECK LIST Hospital clinicas e similares.pdf
CHECK LIST Hospital clinicas e similares.pdfCHECK LIST Hospital clinicas e similares.pdf
CHECK LIST Hospital clinicas e similares.pdf
 
IN 03 (6) parcelamento do solo.pdf
IN 03 (6) parcelamento do solo.pdfIN 03 (6) parcelamento do solo.pdf
IN 03 (6) parcelamento do solo.pdf
 
Como montar um pca posto de bastecimento
Como montar um pca   posto de bastecimentoComo montar um pca   posto de bastecimento
Como montar um pca posto de bastecimento
 
Obrigações ambientais da indústria
Obrigações ambientais da indústriaObrigações ambientais da indústria
Obrigações ambientais da indústria
 
Decreto nº 47137 de 2017
Decreto nº 47137 de 2017 Decreto nº 47137 de 2017
Decreto nº 47137 de 2017
 

Mais de 1962laura

Barragem sanasa doc svds pta 1 2017
Barragem sanasa doc svds  pta 1 2017Barragem sanasa doc svds  pta 1 2017
Barragem sanasa doc svds pta 1 20171962laura
 
Jonas/Comissionados Recurso indeferido 12 /6/20
Jonas/Comissionados Recurso indeferido 12 /6/20Jonas/Comissionados Recurso indeferido 12 /6/20
Jonas/Comissionados Recurso indeferido 12 /6/201962laura
 
Plano de contingencia corona final_2020/Fiocruz
Plano de contingencia corona final_2020/FiocruzPlano de contingencia corona final_2020/Fiocruz
Plano de contingencia corona final_2020/Fiocruz1962laura
 
Ação Hamílton-D.Leopoldo/MP
Ação Hamílton-D.Leopoldo/MPAção Hamílton-D.Leopoldo/MP
Ação Hamílton-D.Leopoldo/MP1962laura
 
0016615 15.2018.8.26.0041 despacho
0016615 15.2018.8.26.0041 despacho0016615 15.2018.8.26.0041 despacho
0016615 15.2018.8.26.0041 despacho1962laura
 
0016615 15.2018.8.26.0041 (1) denuncia mp
0016615 15.2018.8.26.0041 (1)   denuncia mp0016615 15.2018.8.26.0041 (1)   denuncia mp
0016615 15.2018.8.26.0041 (1) denuncia mp1962laura
 
Parklet-pedido liminar
Parklet-pedido liminarParklet-pedido liminar
Parklet-pedido liminar1962laura
 
Parklet Cambui- liminar partes
Parklet Cambui- liminar partesParklet Cambui- liminar partes
Parklet Cambui- liminar partes1962laura
 
Sanasa/esgoto Apa campinas
Sanasa/esgoto Apa campinasSanasa/esgoto Apa campinas
Sanasa/esgoto Apa campinas1962laura
 
TAC AGV/Swiss Park-SVDS
TAC AGV/Swiss Park-SVDSTAC AGV/Swiss Park-SVDS
TAC AGV/Swiss Park-SVDS1962laura
 
TAC Villeneuve e Noville /Swiss Park-GAPE
TAC Villeneuve e Noville /Swiss Park-GAPETAC Villeneuve e Noville /Swiss Park-GAPE
TAC Villeneuve e Noville /Swiss Park-GAPE1962laura
 
TAC AGV/Swiss Park
TAC AGV/Swiss ParkTAC AGV/Swiss Park
TAC AGV/Swiss Park1962laura
 
Delta A/transbordo 2018-memorial descritivo
Delta A/transbordo 2018-memorial descritivoDelta A/transbordo 2018-memorial descritivo
Delta A/transbordo 2018-memorial descritivo1962laura
 
Delta A/transbordo 2018-edital 9/2018
Delta A/transbordo 2018-edital 9/2018Delta A/transbordo 2018-edital 9/2018
Delta A/transbordo 2018-edital 9/20181962laura
 
Congepa/termo de reciprocidade 1/2010-FJPO
Congepa/termo de reciprocidade 1/2010-FJPOCongepa/termo de reciprocidade 1/2010-FJPO
Congepa/termo de reciprocidade 1/2010-FJPO1962laura
 
Congeapa/protocolo de intenções-FJPO
Congeapa/protocolo de intenções-FJPOCongeapa/protocolo de intenções-FJPO
Congeapa/protocolo de intenções-FJPO1962laura
 
Barragens Pedreira e Duas Pontes/estudos pagos pela Replan
Barragens Pedreira e Duas Pontes/estudos pagos pela ReplanBarragens Pedreira e Duas Pontes/estudos pagos pela Replan
Barragens Pedreira e Duas Pontes/estudos pagos pela Replan1962laura
 
DPJ/convocação comissionados pelo secretario Paulela
DPJ/convocação comissionados pelo secretario PaulelaDPJ/convocação comissionados pelo secretario Paulela
DPJ/convocação comissionados pelo secretario Paulela1962laura
 
Operação haustório do gaeco em campinas
Operação haustório do gaeco em campinasOperação haustório do gaeco em campinas
Operação haustório do gaeco em campinas1962laura
 
Parklet (?) Cambui /Questionamento CMDU 3/8/17
Parklet (?) Cambui /Questionamento CMDU 3/8/17Parklet (?) Cambui /Questionamento CMDU 3/8/17
Parklet (?) Cambui /Questionamento CMDU 3/8/171962laura
 

Mais de 1962laura (20)

Barragem sanasa doc svds pta 1 2017
Barragem sanasa doc svds  pta 1 2017Barragem sanasa doc svds  pta 1 2017
Barragem sanasa doc svds pta 1 2017
 
Jonas/Comissionados Recurso indeferido 12 /6/20
Jonas/Comissionados Recurso indeferido 12 /6/20Jonas/Comissionados Recurso indeferido 12 /6/20
Jonas/Comissionados Recurso indeferido 12 /6/20
 
Plano de contingencia corona final_2020/Fiocruz
Plano de contingencia corona final_2020/FiocruzPlano de contingencia corona final_2020/Fiocruz
Plano de contingencia corona final_2020/Fiocruz
 
Ação Hamílton-D.Leopoldo/MP
Ação Hamílton-D.Leopoldo/MPAção Hamílton-D.Leopoldo/MP
Ação Hamílton-D.Leopoldo/MP
 
0016615 15.2018.8.26.0041 despacho
0016615 15.2018.8.26.0041 despacho0016615 15.2018.8.26.0041 despacho
0016615 15.2018.8.26.0041 despacho
 
0016615 15.2018.8.26.0041 (1) denuncia mp
0016615 15.2018.8.26.0041 (1)   denuncia mp0016615 15.2018.8.26.0041 (1)   denuncia mp
0016615 15.2018.8.26.0041 (1) denuncia mp
 
Parklet-pedido liminar
Parklet-pedido liminarParklet-pedido liminar
Parklet-pedido liminar
 
Parklet Cambui- liminar partes
Parklet Cambui- liminar partesParklet Cambui- liminar partes
Parklet Cambui- liminar partes
 
Sanasa/esgoto Apa campinas
Sanasa/esgoto Apa campinasSanasa/esgoto Apa campinas
Sanasa/esgoto Apa campinas
 
TAC AGV/Swiss Park-SVDS
TAC AGV/Swiss Park-SVDSTAC AGV/Swiss Park-SVDS
TAC AGV/Swiss Park-SVDS
 
TAC Villeneuve e Noville /Swiss Park-GAPE
TAC Villeneuve e Noville /Swiss Park-GAPETAC Villeneuve e Noville /Swiss Park-GAPE
TAC Villeneuve e Noville /Swiss Park-GAPE
 
TAC AGV/Swiss Park
TAC AGV/Swiss ParkTAC AGV/Swiss Park
TAC AGV/Swiss Park
 
Delta A/transbordo 2018-memorial descritivo
Delta A/transbordo 2018-memorial descritivoDelta A/transbordo 2018-memorial descritivo
Delta A/transbordo 2018-memorial descritivo
 
Delta A/transbordo 2018-edital 9/2018
Delta A/transbordo 2018-edital 9/2018Delta A/transbordo 2018-edital 9/2018
Delta A/transbordo 2018-edital 9/2018
 
Congepa/termo de reciprocidade 1/2010-FJPO
Congepa/termo de reciprocidade 1/2010-FJPOCongepa/termo de reciprocidade 1/2010-FJPO
Congepa/termo de reciprocidade 1/2010-FJPO
 
Congeapa/protocolo de intenções-FJPO
Congeapa/protocolo de intenções-FJPOCongeapa/protocolo de intenções-FJPO
Congeapa/protocolo de intenções-FJPO
 
Barragens Pedreira e Duas Pontes/estudos pagos pela Replan
Barragens Pedreira e Duas Pontes/estudos pagos pela ReplanBarragens Pedreira e Duas Pontes/estudos pagos pela Replan
Barragens Pedreira e Duas Pontes/estudos pagos pela Replan
 
DPJ/convocação comissionados pelo secretario Paulela
DPJ/convocação comissionados pelo secretario PaulelaDPJ/convocação comissionados pelo secretario Paulela
DPJ/convocação comissionados pelo secretario Paulela
 
Operação haustório do gaeco em campinas
Operação haustório do gaeco em campinasOperação haustório do gaeco em campinas
Operação haustório do gaeco em campinas
 
Parklet (?) Cambui /Questionamento CMDU 3/8/17
Parklet (?) Cambui /Questionamento CMDU 3/8/17Parklet (?) Cambui /Questionamento CMDU 3/8/17
Parklet (?) Cambui /Questionamento CMDU 3/8/17
 

Último

Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedoresdiogodidi3
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíMarcelo Guerra
 
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdfRenandantas16
 
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAmjhordam
 
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.pptNormasAgenda
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxGeagra UFG
 
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfManuais Formação
 

Último (7)

Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
 
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
 
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
 
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
 

Licença de Operação para Aterro Sanitário em Paulínia

  • 1. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO 02 Processo N° N° LICENÇA DE OPERAÇÃO VALIDADE ATÉ : 09/10/2020 Versão: 01 Data: 09/10/2015 37/00876/12 37002638 Ampliação IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Nome CNPJ Logradouro Cadastro na CETESB Número Complemento Bairro CEP Município CARACTERÍSTICAS DO PROJETO Atividade Principal Descrição Bacia Hidrográfica UGRHI Corpo Receptor Classe Área ( metro quadrado) Terreno Construída Atividade ao Ar Livre Novos Equipamentos Área do módulo explorado(ha) Horário de Funcionamento (h) Início às Término Número de Funcionários Administração Produção Data Número A CETESB–Companhia Ambiental do Estado de São Paulo, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Lei Estadual nº 118/73, alterada pela Lei 13.542 de 08 de maio de 2009, e demais normas pertinentes, emite a presente Licença, nas condições e termos nela constantes; A presente licença está sendo concedida com base nas informações apresentadas pelo interessado e não dispensa nem substitui quaisquer Alvarás ou Certidões de qualquer natureza, exigidos pela legislação federal, estadual ou municipal; A presente Licença de Operação refere-se aos locais, equipamentos ou processos produtivos relacionados em folha anexa; Os equipamentos de controle de poluição existentes deverão ser mantidos e operados adequadamente, de modo a conservar sua eficiência; No caso de existência de equipamentos ou dispositivos de queima de combustível, a densidade da fumaça emitida pelos mesmos deverá estar de acordo com o disposto no artigo 31 do Regulamento da Lei Estadual nº 997, de 31 de maio de 1976, aprovado pelo Decreto nº 8468, de 8 de setembro de 1976, e suas alterações; Alterações nas atuais atividades, processos ou equipamentos deverão ser precedidas de Licença Prévia e Licença de Instalação, nos termos dos artigos 58 e 58-A do Regulamento acima mencionado; Caso venham a existir reclamações da população vizinha em relação a problemas de poluição ambiental causados pela firma, esta deverá tomar medidas no sentido de solucioná-los em caráter de urgência; A renovação da licença de operação deverá ser requerida com antecedência mínima de 120 dias, contados da data da expiração de seu prazo de validade. USO DA CETESB EMITENTE SD N° Tipos de Exigências Técnicas Local: ENTIDADE Esta licença de número 37002638 foi certificada por assinatura digital, processo eletrônico baseado em sistema criptográfico assimétrico, assinado eletronicamente por chave privada. Para verificação de sua autenticidade deve ser consultada a página da CETESB, na Internet, no endereço: autenticidade.cetesb.sp.gov.br ESTRE AMBIENTAL S/A 03.147.393/0002-30 ESTRADA MUNICIPAL PLN 190 513-271-6 190 PARQUE DA REPRESA 13140-000 PAULÍNIA Aterros sanitários; gestão de 14 - PIRACICABA 5 - PIRACICABA/CAPIVARI/JUNDIAÍ 831.785,24 20.787,46 00:01 23:59 0 0 Licença de Instalação 08/02/2014 37000708 91140666 Água, Solo, Outros PAULÍNIA Pag.1/4
  • 2. Pag.2/4 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO 02 Processo N° N° LICENÇA DE OPERAÇÃO VALIDADE ATÉ : 09/10/2020 Versão: 01 Data: 09/10/2015 37/00876/12 37002638 Ampliação ENTIDADE EXIGÊNCIAS TÉCNICAS 01. O aterro sanitário deverá ser operado, em conformidade com o projeto submetido à aprovação da CETESB, por ocasião da solicitação da Licença de Instalação, devendo o empreendedor garantir a adoção e manutenção permanente de todas as medidas operacionais previstas no projeto. O empreendedor deverá manter sistemática de operação e manutenção contínua das estruturas do aterro, em especial os acessos e as drenagens de líquidos percolados, de gases e de águas pluviais, de modo a garantir o adequado funcionamento destas estruturas. 02. O aterro somente poderá receber resíduos sólidos urbanos e industriais de classes II-A e II-B, de acordo com a norma NBR 10.004 - Resíduos sólidos - Classificação, da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Não poderão ser recebidos no aterro resíduos com líquidos livres, determinados conforme a norma NBR 12988 - Líquidos Livres - Verificação em Amostras de Resíduos, da Associação Brasileira de Normas Técnicas, ou que contenham substâncias solúveis em hexana (óleos e graxas) em teores superiores a 5 %. 03. A operação do aterro deverá ser adequadamente conduzida, com a cobertura diária e definitiva dos resíduos com espessura de 30 cm de solo e a adequada coleta e tratamento, tanto de líquidos percolados tanto de gases, de modo a impedir a emissão de substâncias odoríferas na atmosfera, em quantidades que possam ser percebidas fora dos limites da propriedade do aterro ou que possam causar inconvenientes ao bem estar público. 04. A empresa deverá acompanhar sistematicamente o tráfego de caminhões que transportam resíduos para destinação no Centro de Gerenciamento de Resíduos - CGR Paulínia, incluindo a consulta à população residente nas proximidades do trajeto, e tomar medidas imediatas em situações que a movimentação de veículos possa causar inconvenientes ao bem estar público. 05. O empreendedor deverá manter a sistemática de controle de recebimento de resíduos no aterro, de modo a garantir que só sejam depositados no local os resíduos autorizados. O recebimento de resíduos industriais está condicionando à apresentação de CADRI - Certificado de Movimentação de Resíduos de Interesse Ambiental, pelo gerador. Relatório sucinto e conclusivo, referente a este controle, deverá ser submetido à CETESB, trimestralmente, com as informações referentes aos resíduos recebidos diariamente (características e quantidades), à via útil remanescente do aterro licenciado e à demonstração de atendimento aos limites estabelecidos no licenciamento do aterro (qualitativos e quantitavos). 06. Os líquidos percolados do aterro deverão ser adequadamente coletados e armazenados, em sistema impermeabilizado e estanque, e destinados a instalações licenciadas para o seu recebimento, tratamento e destino final. O envio destes efluentes líquidos a instalações de terceiros deverá ser precedido de obtenção de CADRI - Certificado de Movimentação de Resíduos de Interesse Ambiental. O responsável pela operação do aterro deverá encaminhar à CETESB relatórios anuais, com informações referentes às quantidades mensais geradas, armazenadas e destinadas dos líquidos percolados, além da destinação dada a estes líquidos. 07. A empresa deverá operar os qeuipamentos implantados, correspondentes ao projeto de armazenamento dos líquidos percolados no empreendimento, com capacidade de armazenamento temporário de no mínimo 03 (três) dias, conforme proposta técnica apresentada à CETESB em 24/02/2014. O cronograma físico desta proposta deverá ser revisado para a operação de 08 (oito) tanques até 12/10/2015 e a implantação e início de operação dos últimos 04 (quatro) tanques até 31/12/2015. 08. A empresa deverá apresentar à CETESB, no prazo de 15 (quinze) dias corridos, a contar da data de emissão desta Licença, as seguintes informações: - manifestação do DAEE - Departamento de Águas e Energia Elétrica quanto ao pedido do tamponamento/selamento do poço 01 DAEE 277-297 e a sua localização em planta; - providências tomadas para que a estrutura do poço não afetasse a manta impermeabilizante colocada na base da futura ampliação; - relatório conclusivo acerca do Plano de desmobilização da Fase II como a comprovação, inclusive com fotos, do cumprimento das ações definidas no supracitado Plano; - localização dos poços de monitoramento em planta, o perfil construtivo final de cada um dos poços selados, a justificativa para o tamponamento e a comprovação do recolhimento da ART do trabalho realizado; - as figuras do estudo de investigação ambiental em escala adequada; - cópia do estudo de investigação ambiental em meio digital (arquivos pdf e doc). 09. A empresa deverá manter sistemática de controle de recebimento de resíduos, atendendo continuamente às
  • 3. Pag.3/4 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO 02 Processo N° N° LICENÇA DE OPERAÇÃO VALIDADE ATÉ : 09/10/2020 Versão: 01 Data: 09/10/2015 37/00876/12 37002638 Ampliação ENTIDADE exigências técnicas 10, 11, 12, 13, 14 e 15 da Licença de Instalação 37000708, de 08/02/2014, juntamente com a análise de sulfetos, cianetos e inflamabilidade e as análises completas periódicas dos resíduos recebidos, de forma a confirmar se as características dos mesmos são aquelas originalmente verificadas nas análises de pré-aceitação. Os ensaios dos parâmetros a serem analisados devem ser propostos pelo interessado e submetidos à apreciação da CETESB. A periodicidade deverá ser estabelecida em função das cargas recebidas, de forma a ser representativa da qualidade dos resíduos já recebidos. 10. A Estre Ambiental S. A. deverá apresentar à CETESB, no prazo de 30 (trinta) dias corridos, a contar da data de emissão desta Licença, relatório técnico integrado e consolidado, referente ao cumprimento de todos os Termos de Compromisso de Recuperação Ambiental já firmados pelo empreendimento contendo, no mínimo, as seguintes informações: - levantamento de todos os Termos de Compromisso de Recuperação Ambiental firmados anteriormente; - áreas de plantio; - número de mudas compromissadas; - atual estágio de desenvolvimento das mudas, - número de mudas que efetivamente adquiriram sua autonomia; - caso necessário, apresentar proposição do plantio complementar das árvores nativas ainda não consolidadas. Para o plantio de novas mudas, deverão ser apresentadas as seguintes informações: - projeto técnico de reposição florestal elaborado de acordo com as diretrizes adotadas pela CETESB; - identificação das áreas de plantio futuro; - apresentação de cópias das certidões das matrículas dos imóveis onde se localizam as áreas de plantio e a anuência dos seus proprietários; - caracterização das áreas de plantio; - indicação das espécies e número de mudas para cada área; - procuração de representante legal da empresa para assinatura de Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental. 11. A empresa deverá atender integralmente às recomendações do Parecer Técnico 096/13/IPSR, de 19/12/2013, e avaliar e adaptar o monitoramento geotécnico do aterro, incluindo, quando pertinente, as diretrizes contidas no Roteiro para Elaboração de Relatórios de Avaliação da Estabilidade Geotécnica de Aterros Sanitários constante no Anexo III do Parecer Técnico 096/13/IPSR. 12. Durante a fase de operação das ampliações, disponibilizar na área do empreendimento os relatórios trimestrais do Monitoramento das Águas Subterrâneas. Apresentar anualmente relatório consolidado e interpretado dos relatórios trimestrais do Monitoramento das Águas Subterrâneas, conforme a listagem dos Parâmetros Indicadores de Contaminação das Águas Subterrâneas constante no Anexo I do Parecer Técnico 096/13/IPSR e também de todos os Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos (PAH), presentes na metodologia analítica EPA 8270 e a varredura integral dos VOCs conforme EPA 8260. Os relatórios deverão avaliar a efetividade das medidas de controle adotadas durante a operação do aterro, indicando eventuais melhorias. 13. Durante a fase de operação das ampliações, disponibilizar na área do empreendimento os relatórios trimestrais do Monitoramento das Águas Superficiais. Apresentar anualmente relatório consolidado e interpretado dos relatórios trimestrais do Monitoramento das Águas Superficiais, conforme a listagem Parâmetros Indicadores de Contaminação das Águas Superficiais constante no Anexo II do Parecer Técnico 096/13/IPSR. Os relatórios deverão avaliar a efetividade das medidas de controle adotadas durante a operação do Aterro, indicando eventuais melhorias. 14. Durante a fase de operação das ampliações, disponibilizar na área do empreendimento os relatórios mensais do Monitoramento Geotécnico do Aterro, e apresentar anualmente relatório consolidado e interpretado dos relatórios mensais do Monitoramento Geotécnico do Aterro. O relatório deverá avaliar a efetividade das medidas de estabilidade geotécnica adotadas durante a operação do Aterro. 15. Durante a fase de operação das ampliações, disponibilizar na área do empreendimento os relatórios anuais do Programa de Monitoramento de Vetores de doenças e da avifauna necrófaga. Em tais relatórios, deverá ser apresentado o andamento do monitoramento das aves e insetos, da implementação das medidas preventivas propostas além de outras que se fizerem necessárias a partir dos resultados obtidos nesse Programa, incluindo o controle por desratização. 16. A empresa deverá presentar relatórios semestrais, comprovando a implementação do Programa de Monitoramento dos Processos Erosivos.
  • 4. Pag.4/4 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO 02 Processo N° N° LICENÇA DE OPERAÇÃO VALIDADE ATÉ : 09/10/2020 Versão: 01 Data: 09/10/2015 37/00876/12 37002638 Ampliação ENTIDADE 17. Os resíduos tratados na unidade de biorremediação (solos descontaminados) não poderão ser utilizados para a cobertura do aterro, conforme compromisso assumido pela empresa. 18. A empresa deverá implementar e manter todos os programas previstos no procedimento de licenciamento ambiental do empreendimento, apresentando à CETESB relatórios periódicos, de modo a demonstrar o cumprimento de todas as exigências da Licença Ambiental Prévia 01364, de 23/03/2009. 19. Antes do encerramento das atividades, a empresa deverá apresentar Plano de Desativação do Aterro Sanitário, que contemple propostas detalhadas sobre a proteção da área e da continuidade do monitoramento dos sistemas de proteção ambiental instalados e proposta detalhada de uso futuro (projeto de revegetação da área), que deverão ser aprovados pela CETESB. 20. Os resíduos sólidos de classe I - perigosos gerados pelo empreendimento deverão ser adequadamente armazenados, conforme a norma NBR 12235 - Armazenamento de resíduos sólidos perigosos, da ABNT, e destinados exclusivamente a sistemas de tratamento ou disposição aprovados pela CETESB, mediante prévia obtenção do CADRI - Certificado de Movimentação de Resíduos de Interesse Ambiental. OBSERVAÇÕES 01. Esta Licença de Operação é válida para a ampliação do aterro sanitário da Estre Ambiental S. A., de Paulínia, com a utilização da Fase II Etapa A do projeto da ampliação, correspondente à área de atividades ao ar livre de 20.787,46 m², conforme projeto aprovado pela CETESB, parte do objeto da Licença Ambiental Prévia 01364, de 23/03/2009, e da Licença de Instalação 37000708, de 08/02/2014. 02. Esta Licença de Operação é válida para a disposição máxima de 5.000 toneladas/dia de resíduos sólidos urbanos e de resíduos industriais de classes II-A e II-B, conforme a norma NBR 10.004 - Classificação de resíduos sólidos, da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, isentos de líquidos livres e com teor máximo de substâncias solúveis em hexana (óleos e graxas) de 5 %, em peso, com a utilização das operações e equipamentos referentes a esta fase, relacionados no Memorial de Caracterização de Empreendimento apresentado por ocasião de sua solicitação. 03. Por ocasião da conclusão da implantação da Fase II Etapa B do projeto da ampliação, pevista no projeto apresentado para a obtenção da Licença Ambiental Prévia 01364, de 23/03/2009, e da Licença de Instalação 37000708, de 08/02/2014, e antes do início de sua operação, a Estre Ambiental S. A. deverá solicitar a Licença de Operação correspondente a esta etapa, apresentando toda a documentação para comprovar o cumprimento das exigências técnicas estabelecidas nas outras etapas do licenciamento ambiental, inclusive nesta Licença de Operação, em tempo hábil para permitir a análise e manifestação da CETESB quanto a este pedido, antes do início da operação da Fase II Etapa B.