SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
As forças
Intermoleculares
O
H
H
H
H O
Prof.: Bumba
As forças Intermoleculares
Como você explica o
fato de uma mesma
substância poder se
apresentar na forma
sólida, líquida e
gasosa?
 É a intensidade da força
entre as moléculas .
As forças Intermoleculares
Importante:
 Quanto menos intensas forem as forças
intermoleculares, mais volátil será a substância e
menor será sua temperatura de ebulição.
As forças Intermoleculares
 A coesão da matéria nos estados físicos, sólido, líquido e
gasoso é consequência da atração entre moléculas
através das ligações intermoleculares (ligação entre
moléculas).
Aumento da intensidade das forças intermoleculares
As forças Intermoleculares
 As ligações intermoleculares são mais fracas do que as
ligações interatômicas (ligações entre átomos que
constituem as moléculas).
O
H
H
HH
O
O
H
H
Clica Enter
As forças Intermoleculares
Forças intermoleculares mais fortes
Maior ponto de fusão
O
H
H
O
H
H
Clica Enter
As forças Intermoleculares
Quanto mais fortes as ligações
intermoleculares, maior será a energia posta
em jogo para romper as ligações entre
moléculas, de forma que se dê a mudança de
estado físico.
O
H
H
O
H
H
Moléculas
 As unidades constituintes da
estrutura são moléculas.
 As moléculas podem ser
polares ou apolares.
 As ligações químicas que se
estabelecem entre as unidades
constituintes da estrutura são
ligações dipolo-dipolo e
ligações de London.
Ligações dipolo-dipolo
 As ligações dipolo-dipolo estabelecem-se entre moléculas
polares ( R  0 ).
Clica Enter
Ligações de Hidrogênio
O
H
H
HH
O
O
H
H
+
-
+ +
+
+ +
-
-
Clica Enter
 A ligação de H ( Hidrogênio ) é um caso particular da ligação diplo-dipolo.
 As ligações de H estabelecem-se entre átomos pequenos e com
eletronegatividades altas (F , O e N) e o átomo de H.
Tensão Superficial
 As ligações de H, são das ligações intermoleculares as mais
fortes.
Clica Enter
Ligações dipolo-dipolo
H
H
H
H O
S
 O que condiciona a diferença no estado físico destas
substâncias são as ligações de H que se estabelecem
entre as moléculas de água. Entre moléculas de H2S não
se estabelecem ligações de H.
Gás ( 25º C ) Liquido ( 25º C )
Ligações dipolo-dipolo
H
H
H
H
S
 Entre moléculas de H2S estabelecem-se
ligações dipolo-dipolo.
S
Clica Enter
Ligações de Hidrogénio
 É necessário fornecer mais energia à água para romper essas
ligações ( Hidrogênio ), daí , o seu ponto de ebulição ser
maior.
O
H
H
HH
O
O
H
H
+
-
+ +
+
+ +
-
-
Clica Enter
Ligações de Hidrogénio Clica Enter
Forças de Wander Walls
(Dipolo Induzido ou Força de london)
 Acontece em moléculas APOLARES.
 Em média , a nuvem eletrônica distribui-se de
uma forma esférica à volta do núcleo.
 O movimento do elétron, provoca num
determinado instante um dipolo instantâneo.
A
Molécula
apolar
Dipolo
instantâneo
+ -
Forças de Wander Walls
(Dipolo Induzido ou Força de London)
 Esta polarização é induzida à moléculas
vizinhas, resultando daí forças de atração entre
moléculas.
Clica Enter
Forças de Wander Walls
(Dipolo Induzido ou Força de London)
 A ligação de London depende :
- do número de elétrons;
- do tamanho da molécula;
B
Molécula
apolar
Dipolo
instantâneo
+ +
--
-
Dipolo
induzido
A A B
Clica Enter
+
Forças de Wander Walls
(Dipolo Induzido ou Força de London)
À medida que o raio atómico aumenta (aumento do nº
de elétrons) as forças de dispersão de London são
mais fortes, daí que, à temperatura ambiente o flúor e
o cloro são gases, o bromo é líquido e o iodo é sólido.
9 F ; 17 Cl ; 35 Br ; 53 I
Meus queridos, qualquer
dúvida é só ligar para
0800BUMBA, a ligação é
gratuita.
Valeu!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Reações químicas ppt
Reações químicas pptReações químicas ppt
Reações químicas ppt
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
 
Concentração das soluções
Concentração  das soluçõesConcentração  das soluções
Concentração das soluções
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas
 
Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
 
Transformação da Materia
Transformação da MateriaTransformação da Materia
Transformação da Materia
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 

Destaque

Apresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermolecularesApresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermolecularesClaudia Cinara Braga
 
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularLigações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularCarlos Priante
 
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem cópia
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem   cópiaAula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem   cópia
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem cópiajacqueagnet
 
Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]Regina Correia
 
Ligações interatômicas
Ligações interatômicasLigações interatômicas
Ligações interatômicasBio Sem Limites
 
Ligações interatômicas
Ligações interatômicasLigações interatômicas
Ligações interatômicasdianalove15
 

Destaque (10)

Apresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermolecularesApresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermoleculares
 
Forças Intermoleculares
Forças IntermolecularesForças Intermoleculares
Forças Intermoleculares
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Introdução a interações moleculares
Introdução a interações molecularesIntrodução a interações moleculares
Introdução a interações moleculares
 
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularLigações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
 
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem cópia
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem   cópiaAula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem   cópia
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem cópia
 
Tipos de interações moleculares
Tipos de interações molecularesTipos de interações moleculares
Tipos de interações moleculares
 
Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]
 
Ligações interatômicas
Ligações interatômicasLigações interatômicas
Ligações interatômicas
 
Ligações interatômicas
Ligações interatômicasLigações interatômicas
Ligações interatômicas
 

Semelhante a Forças intermoleculares

1º conteúdo as forças intermoleculares
1º conteúdo   as forças intermoleculares1º conteúdo   as forças intermoleculares
1º conteúdo as forças intermolecularesRose Belmiro
 
Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialLeandro Da Paz Aristides
 
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeGeometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeValquiria R. Nascimento
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermolecularesDacio Cardoso
 
Aula 18 ligações ou forças intermoleculares - 3º ano
Aula 18   ligações ou forças intermoleculares - 3º anoAula 18   ligações ou forças intermoleculares - 3º ano
Aula 18 ligações ou forças intermoleculares - 3º anoAlpha Colégio e Vestibulares
 
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC FrancaForças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC FrancaJosé Marcelo Cangemi
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivoJosé Marcelo Cangemi
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermolecularesFernando Lucas
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.JulianaGimenes
 
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPytForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPytProfªThaiza Montine
 
Folha 9 aula forças intermoleculares
Folha 9 aula forças intermolecularesFolha 9 aula forças intermoleculares
Folha 9 aula forças intermolecularesRikardo Coimbra
 
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermolecularesAna muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermolecularesAna Paula Muniz
 
Forças intermoleculares e propriedades físicas
Forças intermoleculares e propriedades físicasForças intermoleculares e propriedades físicas
Forças intermoleculares e propriedades físicasAlda Ernestina dos Santos
 
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7   8 propriedades físicas - forças intermolecularesAula 7   8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermolecularesGustavo Silveira
 
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesPolaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesBio Sem Limites
 

Semelhante a Forças intermoleculares (20)

FORÇAS INTERMLECULARES
FORÇAS INTERMLECULARESFORÇAS INTERMLECULARES
FORÇAS INTERMLECULARES
 
1º conteúdo as forças intermoleculares
1º conteúdo   as forças intermoleculares1º conteúdo   as forças intermoleculares
1º conteúdo as forças intermoleculares
 
Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares material
 
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeGeometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Aula 18 ligações ou forças intermoleculares - 3º ano
Aula 18   ligações ou forças intermoleculares - 3º anoAula 18   ligações ou forças intermoleculares - 3º ano
Aula 18 ligações ou forças intermoleculares - 3º ano
 
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC FrancaForças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca
 
As forças
As forçasAs forças
As forças
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivo
 
Estados da máteria
Estados da máteriaEstados da máteria
Estados da máteria
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.
 
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPytForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
 
johan seminario.pptx
johan seminario.pptxjohan seminario.pptx
johan seminario.pptx
 
Folha 9 aula forças intermoleculares
Folha 9 aula forças intermolecularesFolha 9 aula forças intermoleculares
Folha 9 aula forças intermoleculares
 
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermolecularesAna muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermoleculares
 
Forças intermoleculares e propriedades físicas
Forças intermoleculares e propriedades físicasForças intermoleculares e propriedades físicas
Forças intermoleculares e propriedades físicas
 
qr10_ppt_m13.pptx
qr10_ppt_m13.pptxqr10_ppt_m13.pptx
qr10_ppt_m13.pptx
 
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7   8 propriedades físicas - forças intermolecularesAula 7   8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
 
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesPolaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
 

Mais de Marco Bumba

Aula inaugural de química
Aula inaugural de químicaAula inaugural de química
Aula inaugural de químicaMarco Bumba
 
Processo quimicos bumba
Processo quimicos   bumbaProcesso quimicos   bumba
Processo quimicos bumbaMarco Bumba
 
Métodos de separação
Métodos de separaçãoMétodos de separação
Métodos de separaçãoMarco Bumba
 
Titulação ácido base
Titulação ácido baseTitulação ácido base
Titulação ácido baseMarco Bumba
 
Aula 2-eletroanalítica
Aula 2-eletroanalíticaAula 2-eletroanalítica
Aula 2-eletroanalíticaMarco Bumba
 
AAula eletroanalitica 2 marco
AAula eletroanalitica 2   marcoAAula eletroanalitica 2   marco
AAula eletroanalitica 2 marcoMarco Bumba
 
Aula eletroanalitica 1 marco
Aula eletroanalitica 1   marcoAula eletroanalitica 1   marco
Aula eletroanalitica 1 marcoMarco Bumba
 
Lista de exercícios neutralização ácido base
Lista de exercícios neutralização ácido baseLista de exercícios neutralização ácido base
Lista de exercícios neutralização ácido baseMarco Bumba
 
Lavoisier e proust
Lavoisier e proustLavoisier e proust
Lavoisier e proustMarco Bumba
 
História da química
História da químicaHistória da química
História da químicaMarco Bumba
 
Ano internacional da química
Ano internacional da químicaAno internacional da química
Ano internacional da químicaMarco Bumba
 

Mais de Marco Bumba (12)

Aula inaugural de química
Aula inaugural de químicaAula inaugural de química
Aula inaugural de química
 
Processo quimicos bumba
Processo quimicos   bumbaProcesso quimicos   bumba
Processo quimicos bumba
 
Métodos de separação
Métodos de separaçãoMétodos de separação
Métodos de separação
 
Titulação ácido base
Titulação ácido baseTitulação ácido base
Titulação ácido base
 
Aula 2-eletroanalítica
Aula 2-eletroanalíticaAula 2-eletroanalítica
Aula 2-eletroanalítica
 
AAula eletroanalitica 2 marco
AAula eletroanalitica 2   marcoAAula eletroanalitica 2   marco
AAula eletroanalitica 2 marco
 
Aula eletroanalitica 1 marco
Aula eletroanalitica 1   marcoAula eletroanalitica 1   marco
Aula eletroanalitica 1 marco
 
Enade 2011
Enade 2011Enade 2011
Enade 2011
 
Lista de exercícios neutralização ácido base
Lista de exercícios neutralização ácido baseLista de exercícios neutralização ácido base
Lista de exercícios neutralização ácido base
 
Lavoisier e proust
Lavoisier e proustLavoisier e proust
Lavoisier e proust
 
História da química
História da químicaHistória da química
História da química
 
Ano internacional da química
Ano internacional da químicaAno internacional da química
Ano internacional da química
 

Último

Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 

Último (20)

Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 

Forças intermoleculares

  • 2. As forças Intermoleculares Como você explica o fato de uma mesma substância poder se apresentar na forma sólida, líquida e gasosa?  É a intensidade da força entre as moléculas .
  • 3. As forças Intermoleculares Importante:  Quanto menos intensas forem as forças intermoleculares, mais volátil será a substância e menor será sua temperatura de ebulição.
  • 4. As forças Intermoleculares  A coesão da matéria nos estados físicos, sólido, líquido e gasoso é consequência da atração entre moléculas através das ligações intermoleculares (ligação entre moléculas). Aumento da intensidade das forças intermoleculares
  • 5. As forças Intermoleculares  As ligações intermoleculares são mais fracas do que as ligações interatômicas (ligações entre átomos que constituem as moléculas). O H H HH O O H H Clica Enter
  • 6. As forças Intermoleculares Forças intermoleculares mais fortes Maior ponto de fusão O H H O H H Clica Enter
  • 7. As forças Intermoleculares Quanto mais fortes as ligações intermoleculares, maior será a energia posta em jogo para romper as ligações entre moléculas, de forma que se dê a mudança de estado físico. O H H O H H
  • 8. Moléculas  As unidades constituintes da estrutura são moléculas.  As moléculas podem ser polares ou apolares.  As ligações químicas que se estabelecem entre as unidades constituintes da estrutura são ligações dipolo-dipolo e ligações de London.
  • 9. Ligações dipolo-dipolo  As ligações dipolo-dipolo estabelecem-se entre moléculas polares ( R  0 ). Clica Enter
  • 10. Ligações de Hidrogênio O H H HH O O H H + - + + + + + - - Clica Enter  A ligação de H ( Hidrogênio ) é um caso particular da ligação diplo-dipolo.  As ligações de H estabelecem-se entre átomos pequenos e com eletronegatividades altas (F , O e N) e o átomo de H.
  • 11. Tensão Superficial  As ligações de H, são das ligações intermoleculares as mais fortes. Clica Enter
  • 12. Ligações dipolo-dipolo H H H H O S  O que condiciona a diferença no estado físico destas substâncias são as ligações de H que se estabelecem entre as moléculas de água. Entre moléculas de H2S não se estabelecem ligações de H. Gás ( 25º C ) Liquido ( 25º C )
  • 13. Ligações dipolo-dipolo H H H H S  Entre moléculas de H2S estabelecem-se ligações dipolo-dipolo. S Clica Enter
  • 14. Ligações de Hidrogénio  É necessário fornecer mais energia à água para romper essas ligações ( Hidrogênio ), daí , o seu ponto de ebulição ser maior. O H H HH O O H H + - + + + + + - - Clica Enter
  • 16. Forças de Wander Walls (Dipolo Induzido ou Força de london)  Acontece em moléculas APOLARES.  Em média , a nuvem eletrônica distribui-se de uma forma esférica à volta do núcleo.  O movimento do elétron, provoca num determinado instante um dipolo instantâneo. A Molécula apolar Dipolo instantâneo + -
  • 17. Forças de Wander Walls (Dipolo Induzido ou Força de London)  Esta polarização é induzida à moléculas vizinhas, resultando daí forças de atração entre moléculas. Clica Enter
  • 18. Forças de Wander Walls (Dipolo Induzido ou Força de London)  A ligação de London depende : - do número de elétrons; - do tamanho da molécula; B Molécula apolar Dipolo instantâneo + + -- - Dipolo induzido A A B Clica Enter +
  • 19. Forças de Wander Walls (Dipolo Induzido ou Força de London) À medida que o raio atómico aumenta (aumento do nº de elétrons) as forças de dispersão de London são mais fortes, daí que, à temperatura ambiente o flúor e o cloro são gases, o bromo é líquido e o iodo é sólido. 9 F ; 17 Cl ; 35 Br ; 53 I
  • 20. Meus queridos, qualquer dúvida é só ligar para 0800BUMBA, a ligação é gratuita. Valeu!