SlideShare uma empresa Scribd logo
Enfisema Pulmonar Deficiência da proteína  α 1  - antitripsina   (AAT)
Enfisema Pulmonar É um transtorno em que as estruturas dos pulmões conhecidas como alvéolos ou sacos aéreos incham-se de maneira excessiva.  Este inchamento excessivo promove a destruição das paredes alveolares, o que causa uma diminuição da função respiratória. Os síntomas precoces da enfisema incluem falta de ar e tosse .
Reconstrução tridimensional de uma tomografía computarizada (TC) de um paciente com deficiência severa de AAT. A enfisema, representada pelas áreas escuras, aparece predominantemente na zona inferior dos pulmões, tal como se assinala com as flechas . Enfisema Pulmonar
Sintomas Perda da capacidade respiratória Oxigenação insuficiente Chiado no peito Capacidade reduzida para exercícios físicos
Causas Infecções das vias aéreas Tabagismo Poluição do ar  Herança genética caracterizada pela deficiência de uma proteína chamada  α 1  – antitripsina (AAT)  que pode também provocar doenças hepáticas.
O enfisema causado pela  deficiência da  α 1  – antitripsina (AAT)  surge em idade precoce, enquanto que, quando causado por outros fatores, como o tabagismo, ocorre em idades mais avançadas, após muitos anos de fumo . A estreita relação entre a deficiência de AAT e o desenvolvimento de enfisema foi descrita pela primeira vez em 1963, por Laurell e Ericksson, que notaram a ausência da banda  α 1  (alfa1) na eletroforese de proteínas. A principal função da AAT é de proteger os tecidos da elastase, enzima produzida pelos neutrófilos.
Deficiência de  α 1  – antitripsina (AAT)   A deficiência da  α 1  – antitripsina é  uma doença genética autossômica co-dominante. Para que a doença se manifeste, é necessário que o indivíduo herde dois genes anormais – um do pai e outro da mãe.
Deficiência de  α 1  – antitripsina (AAT)   O Alfa-1 se caracteriza por uns níveis no sangue muitos baixos ou inexistentes de uma proteína chamada AAT (alfa-1 antitripsina) que é produzida pelo fígado. A função principal da AAT é de proteger o tecido pulmonar da inflamação ocasionada pelas infecções e pelos irritantes inalados, como a fumaça de cigarro. Os baixos níveis da AAT em sangue ocorrem porque o fígado não pode liberar a AAT com rapidez normal.  Numa porcentagem pequena dos afetados, a acumulação da AAT ocasiona dano grave ao fígado.
Manifestações do Alfa-1 Asma com uma obstrução de fluxo de ar que não reverte completamente depois de um tratamento agressivo com broncodilatadores. Dilatação das vias aéreas (bronquiectasias) Cirrose hepática em crianças, adolescentes e adultos Hepatite crônica e câncer do fígado em adultos Inflamação dos vasos sanguíneos pequenos
Sinais e sintomas mais comuns da Alfa-1 Falta de ar em repouso ou ao realizar algum esforço Fadiga ou ofegação Tosse crônica  Infecções pulmonares frequentes Alergias durante todo o ano Rápida deterioração da função pulmonar sem uma história significativa do tabagismo Coloração amarelada de olhos e pele V ômito de sangue ou rastro de sangue nas feze s
Classificação das variantes da deficiência de   α 1  - antitripsina   Níveis normais de antitripsina Níveis baixos ou menos que 35% do normal Níveis nulos ou sem atividade Antitripsina disfuncional (presença de  α 1  – antitripsina com função anormal)
α 1  - Antitripsina   É uma glicoproteína de 52kDa sintetizada primariamente pelo fígado (hepatócitos) e codificada no cromossoma 14q31-32.115-17 Possui atividade de inibição proteolítica da elastase neutrofílica e de outras proteinases  É uma enzima inibidora “in vitro” da protease tripsina pancreática
α 1  - Antitripsina   Inicialmente se denominou assim pela sua habilidade de inibir a tripsina pancreática A deficiência de α1-antitripsina  provoca a destruição lenta das fibras elásticas dos pulmões – Enfisema Pulmonar
Glicoproteína de cadeia polipeptídica única de 394 resíduos de aminoácidos Três dos seus resíduos de asparagina tem carboidratos ligados às suas cadeias laterais Possui formato alongado: 30% em  α –hélice  e aproximadamente 40% em folhas beta Possui um grupo metionil-seril (posição 358 e 359) onde se liga ao centro ativo das serinoproteases Possui ligação com a protease apertada chamada por isso de “suicida”. Características da  α 1 - Antitripsina
Funções da  α 1  - antitripsina     α 1  – antitripsina elastase neutrofílica   ( protease serina que é responsável pela hidrólise da elastina no pulmão) inibe Com a perda da capacidade inibidora da  α 1 – antitripsina   a atividade da elastase (enzima produzida pelos neutrófilos) pode ocasionar enfisema pulmonar
Funções da  α 1  - antitripsina   A  α 1–antitripsina  também protege os tecidos em períodos de stress, como na inflamação.
  Medida da  α 1  – antitripsina Pode-se medir a atividade antiproteolítica no plasma utilizando substratos sintéticos como a  N-benzoil-DL-arginina-p-nitroanilida Usa-se a tripsina como enzima porque 95% da atividade antitripsínica do plasma são devidos à  α 1 –antitripsina.  Utiliza-se também a radioimunodifusão, mas seu uso é mais útil em casos de doenças genéticas
Conseqüências da mutação de Glu para Lys Mudança de um aminoácido ácido para um básico pode ser grave. A antitripsina mutante (variante Z) é pobremente secretada das células hepáticas. A proteína mutante (variante Z) acumula-se no retículo endoplasmático. A ponte salina Glu 342  e Lys 290  deixa de ser formada ocasionando em dobras lentas da molécula. Aminoácidos hidrofóbicos interajem com aminoácidos similares causando agregação e o fracasso da secreção
Observações importantes O tabagismo leva a uma deficiência de  α 1  – antitripsina  a partir da oxidação dos resíduos de metionina ao sulfóxido que leva à inativação de proteínas, inclusive a  α 1  – antitripsina . A oxidação biológica de resíduos de metionina nas proteínas pode ser obtida por íon hipoclorito, peróxido de hidrogênio ou superóxidos e radicais hidroxilas. A provável oxidação da metionina pode ser decorrente de algum agente presente na fumaça do cigarro Os resíduos de metionina oxidada podem contribuir para patologias como artrite rematóide e cataratas do cristalino.
Tratamento da Enfisema A meta do tratamento é aliviar os sintomas do doente e prevenir a progressão da doença. Estudos estão sendo realizados para esclarecer melhor o mecanismo de lesão no fígado para se obter possibilidades de tratamento que bloqueie essas lesões. Podem ser usados corticóides ou broncodilatadores, por via oral ou inalatória. A terapia do oxigênio também beneficia muitos pacientes aliviando os sintomas.
Tratamento da Enfisema α 1  – antitripsina  recombinantes Muitos progressos foram feitos para a administração de  α 1  – antitripsina  recombinante sob forma de aerossol.  Essa proteína recombinante foi isolada de células de leveduras transformadas ainda que para expressarem um gene ativo para a  α 1  – antitripsina  humana.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpocDoença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
saulo vinicius
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 
DPOC Exacerbado
DPOC ExacerbadoDPOC Exacerbado
DPOC Exacerbado
Fernanda Rubio Geromel
 
Doenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Doenca pulmonar obs_cronica_dpocDoenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Doenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Jordan Gomes
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Amanda Thomé
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
elizgalvao
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
pauloalambert
 
Dpoc pronto
Dpoc prontoDpoc pronto
Asma
AsmaAsma
Doenças Pulmonares Intersticiais
Doenças Pulmonares IntersticiaisDoenças Pulmonares Intersticiais
Doenças Pulmonares Intersticiais
Flávia Salame
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Alexandre Naime Barbosa
 
Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
Cassyano Correr
 
Insuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriaInsuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratória
pauloalambert
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
Vinicius Lopes
 
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVAINSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
Paulo Alambert
 
Bronquite
BronquiteBronquite
Bronquite
Mônica Firmida
 
Asma
AsmaAsma

Mais procurados (20)

Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpocDoença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
DPOC Exacerbado
DPOC ExacerbadoDPOC Exacerbado
DPOC Exacerbado
 
Doenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Doenca pulmonar obs_cronica_dpocDoenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Doenca pulmonar obs_cronica_dpoc
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
 
Dpoc pronto
Dpoc prontoDpoc pronto
Dpoc pronto
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Doenças Pulmonares Intersticiais
Doenças Pulmonares IntersticiaisDoenças Pulmonares Intersticiais
Doenças Pulmonares Intersticiais
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
 
Insuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriaInsuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratória
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVAINSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
 
Bronquite
BronquiteBronquite
Bronquite
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 

Semelhante a Enfisema Pulmonar

Alfa 1 antitripsina
Alfa 1 antitripsinaAlfa 1 antitripsina
Alfa 1 antitripsina
TBQ-RLORC
 
Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
Mairimed
 
Aula Imunologia- mediadores químicos
Aula Imunologia- mediadores químicosAula Imunologia- mediadores químicos
Aula Imunologia- mediadores químicos
John Rock
 
Adenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angelAdenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angel
Valentina Cará
 
Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)
Lorena de Assis
 
Aula - SNA.ppt
Aula - SNA.pptAula - SNA.ppt
Aula - SNA.ppt
DanielleBraga22
 
Asma
AsmaAsma
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Introdução ao Ortomolecular
Introdução ao OrtomolecularIntrodução ao Ortomolecular
Introdução ao Ortomolecular
Clínica Higashi
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
DPOC.PDF
DPOC.PDFDPOC.PDF
DPOC.PDF
wfkam
 

Semelhante a Enfisema Pulmonar (11)

Alfa 1 antitripsina
Alfa 1 antitripsinaAlfa 1 antitripsina
Alfa 1 antitripsina
 
Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
 
Aula Imunologia- mediadores químicos
Aula Imunologia- mediadores químicosAula Imunologia- mediadores químicos
Aula Imunologia- mediadores químicos
 
Adenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angelAdenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angel
 
Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)
 
Aula - SNA.ppt
Aula - SNA.pptAula - SNA.ppt
Aula - SNA.ppt
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Introdução ao Ortomolecular
Introdução ao OrtomolecularIntrodução ao Ortomolecular
Introdução ao Ortomolecular
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
DPOC.PDF
DPOC.PDFDPOC.PDF
DPOC.PDF
 

Mais de Nutricionista

Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Nutricionista
 
Membrana E Transporte
Membrana E TransporteMembrana E Transporte
Membrana E Transporte
Nutricionista
 
Embriologia (2)
Embriologia (2)Embriologia (2)
Embriologia (2)
Nutricionista
 
Revisao Gametogenese
Revisao GametogeneseRevisao Gametogenese
Revisao Gametogenese
Nutricionista
 
Microbiota Normal
Microbiota NormalMicrobiota Normal
Microbiota Normal
Nutricionista
 
Leptina Obesidade E Comportamento
Leptina Obesidade E ComportamentoLeptina Obesidade E Comportamento
Leptina Obesidade E Comportamento
Nutricionista
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
Nutricionista
 

Mais de Nutricionista (7)

Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Membrana E Transporte
Membrana E TransporteMembrana E Transporte
Membrana E Transporte
 
Embriologia (2)
Embriologia (2)Embriologia (2)
Embriologia (2)
 
Revisao Gametogenese
Revisao GametogeneseRevisao Gametogenese
Revisao Gametogenese
 
Microbiota Normal
Microbiota NormalMicrobiota Normal
Microbiota Normal
 
Leptina Obesidade E Comportamento
Leptina Obesidade E ComportamentoLeptina Obesidade E Comportamento
Leptina Obesidade E Comportamento
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 

Enfisema Pulmonar

  • 1. Enfisema Pulmonar Deficiência da proteína α 1 - antitripsina (AAT)
  • 2. Enfisema Pulmonar É um transtorno em que as estruturas dos pulmões conhecidas como alvéolos ou sacos aéreos incham-se de maneira excessiva. Este inchamento excessivo promove a destruição das paredes alveolares, o que causa uma diminuição da função respiratória. Os síntomas precoces da enfisema incluem falta de ar e tosse .
  • 3. Reconstrução tridimensional de uma tomografía computarizada (TC) de um paciente com deficiência severa de AAT. A enfisema, representada pelas áreas escuras, aparece predominantemente na zona inferior dos pulmões, tal como se assinala com as flechas . Enfisema Pulmonar
  • 4. Sintomas Perda da capacidade respiratória Oxigenação insuficiente Chiado no peito Capacidade reduzida para exercícios físicos
  • 5. Causas Infecções das vias aéreas Tabagismo Poluição do ar Herança genética caracterizada pela deficiência de uma proteína chamada α 1 – antitripsina (AAT) que pode também provocar doenças hepáticas.
  • 6. O enfisema causado pela deficiência da α 1 – antitripsina (AAT) surge em idade precoce, enquanto que, quando causado por outros fatores, como o tabagismo, ocorre em idades mais avançadas, após muitos anos de fumo . A estreita relação entre a deficiência de AAT e o desenvolvimento de enfisema foi descrita pela primeira vez em 1963, por Laurell e Ericksson, que notaram a ausência da banda α 1 (alfa1) na eletroforese de proteínas. A principal função da AAT é de proteger os tecidos da elastase, enzima produzida pelos neutrófilos.
  • 7. Deficiência de α 1 – antitripsina (AAT) A deficiência da α 1 – antitripsina é uma doença genética autossômica co-dominante. Para que a doença se manifeste, é necessário que o indivíduo herde dois genes anormais – um do pai e outro da mãe.
  • 8. Deficiência de α 1 – antitripsina (AAT) O Alfa-1 se caracteriza por uns níveis no sangue muitos baixos ou inexistentes de uma proteína chamada AAT (alfa-1 antitripsina) que é produzida pelo fígado. A função principal da AAT é de proteger o tecido pulmonar da inflamação ocasionada pelas infecções e pelos irritantes inalados, como a fumaça de cigarro. Os baixos níveis da AAT em sangue ocorrem porque o fígado não pode liberar a AAT com rapidez normal.  Numa porcentagem pequena dos afetados, a acumulação da AAT ocasiona dano grave ao fígado.
  • 9. Manifestações do Alfa-1 Asma com uma obstrução de fluxo de ar que não reverte completamente depois de um tratamento agressivo com broncodilatadores. Dilatação das vias aéreas (bronquiectasias) Cirrose hepática em crianças, adolescentes e adultos Hepatite crônica e câncer do fígado em adultos Inflamação dos vasos sanguíneos pequenos
  • 10. Sinais e sintomas mais comuns da Alfa-1 Falta de ar em repouso ou ao realizar algum esforço Fadiga ou ofegação Tosse crônica Infecções pulmonares frequentes Alergias durante todo o ano Rápida deterioração da função pulmonar sem uma história significativa do tabagismo Coloração amarelada de olhos e pele V ômito de sangue ou rastro de sangue nas feze s
  • 11. Classificação das variantes da deficiência de α 1 - antitripsina Níveis normais de antitripsina Níveis baixos ou menos que 35% do normal Níveis nulos ou sem atividade Antitripsina disfuncional (presença de α 1 – antitripsina com função anormal)
  • 12. α 1 - Antitripsina É uma glicoproteína de 52kDa sintetizada primariamente pelo fígado (hepatócitos) e codificada no cromossoma 14q31-32.115-17 Possui atividade de inibição proteolítica da elastase neutrofílica e de outras proteinases É uma enzima inibidora “in vitro” da protease tripsina pancreática
  • 13. α 1 - Antitripsina Inicialmente se denominou assim pela sua habilidade de inibir a tripsina pancreática A deficiência de α1-antitripsina provoca a destruição lenta das fibras elásticas dos pulmões – Enfisema Pulmonar
  • 14. Glicoproteína de cadeia polipeptídica única de 394 resíduos de aminoácidos Três dos seus resíduos de asparagina tem carboidratos ligados às suas cadeias laterais Possui formato alongado: 30% em α –hélice e aproximadamente 40% em folhas beta Possui um grupo metionil-seril (posição 358 e 359) onde se liga ao centro ativo das serinoproteases Possui ligação com a protease apertada chamada por isso de “suicida”. Características da α 1 - Antitripsina
  • 15. Funções da α 1 - antitripsina α 1 – antitripsina elastase neutrofílica ( protease serina que é responsável pela hidrólise da elastina no pulmão) inibe Com a perda da capacidade inibidora da α 1 – antitripsina a atividade da elastase (enzima produzida pelos neutrófilos) pode ocasionar enfisema pulmonar
  • 16. Funções da α 1 - antitripsina A α 1–antitripsina também protege os tecidos em períodos de stress, como na inflamação.
  • 17. Medida da α 1 – antitripsina Pode-se medir a atividade antiproteolítica no plasma utilizando substratos sintéticos como a N-benzoil-DL-arginina-p-nitroanilida Usa-se a tripsina como enzima porque 95% da atividade antitripsínica do plasma são devidos à α 1 –antitripsina. Utiliza-se também a radioimunodifusão, mas seu uso é mais útil em casos de doenças genéticas
  • 18. Conseqüências da mutação de Glu para Lys Mudança de um aminoácido ácido para um básico pode ser grave. A antitripsina mutante (variante Z) é pobremente secretada das células hepáticas. A proteína mutante (variante Z) acumula-se no retículo endoplasmático. A ponte salina Glu 342 e Lys 290 deixa de ser formada ocasionando em dobras lentas da molécula. Aminoácidos hidrofóbicos interajem com aminoácidos similares causando agregação e o fracasso da secreção
  • 19. Observações importantes O tabagismo leva a uma deficiência de α 1 – antitripsina a partir da oxidação dos resíduos de metionina ao sulfóxido que leva à inativação de proteínas, inclusive a α 1 – antitripsina . A oxidação biológica de resíduos de metionina nas proteínas pode ser obtida por íon hipoclorito, peróxido de hidrogênio ou superóxidos e radicais hidroxilas. A provável oxidação da metionina pode ser decorrente de algum agente presente na fumaça do cigarro Os resíduos de metionina oxidada podem contribuir para patologias como artrite rematóide e cataratas do cristalino.
  • 20. Tratamento da Enfisema A meta do tratamento é aliviar os sintomas do doente e prevenir a progressão da doença. Estudos estão sendo realizados para esclarecer melhor o mecanismo de lesão no fígado para se obter possibilidades de tratamento que bloqueie essas lesões. Podem ser usados corticóides ou broncodilatadores, por via oral ou inalatória. A terapia do oxigênio também beneficia muitos pacientes aliviando os sintomas.
  • 21. Tratamento da Enfisema α 1 – antitripsina recombinantes Muitos progressos foram feitos para a administração de α 1 – antitripsina recombinante sob forma de aerossol. Essa proteína recombinante foi isolada de células de leveduras transformadas ainda que para expressarem um gene ativo para a α 1 – antitripsina humana.