SlideShare uma empresa Scribd logo
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS
DO BRASIL
Professor: Everton Lima
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS: CONCEITO
Os domínios morfoclimáticos são divisões que se baseiam nos
diferentes tipos de relevos que são resultantes das condições
climáticas atuais e do passado bem como na cobertura vegetal
e nos tipos de solo.
Classificação:
Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir
das características climáticas, botânicas, hidrológicas entre
outras. Esta classificação feita, segundo o geógrafo Aziz
Ab’Sáber, dividiu o Brasil em seis domínios.
DOMÍNIO DOS MARES DE MORRO
Esse domínio geoecológico localiza-se na porção oriental do País, desde o
Nordeste até o Sul. Na região Sudeste, penetra para o interior, abrangendo o
centro-sul de Minas Gerais e São Paulo.
Predominam os dobramentos cristalinos, produziu um relevo típico de morro
mamelonares (em forma de “meias laranjas”). É o domínio brasileiro mais sujeito
aos processos erosivos, consequência desse relevo acidentado e da ação do
clima tropical úmido.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
- Floresta latifoliada tropical
- Regiões de planaltos (terrenos cristalinos erodidos:
“pães-de-açúcar” ou “meias-laranjas”)
- Clima tropical litorâneo
- Solos profundos e de boa fertilidade natural.
- Bioma brasileiro mais devastado (existem apenas
cerca de 5% de Mata Atlântica nativa).
Na Zona da Mata
Nordestina encontra-se
um solo de grande
fertilidade, denominado
massapé; originou-se da
decomposição do
granito, do gnaisse e, às
vezes, do calcário. No
Sudeste, ocorre a
presença de um solo
argiloso de razoável
fertilidade, formado,
principalmente, pela
decomposição química
do granito em climas
úmidos, denominados
salmourão.
OCUPAÇÃO HUMANA NO DOMÍNIO DOS MARES DE
MORRO
VAMOS PRATICAR MONSTROS!
TEIXEIRA, W. et al. Decifrando a Terra. São Paulo: Nacional, 2009 (adaptado).
(Enem – 2011) O gráfico relaciona diversas variáveis ao processo de formação de solos. A interpretação dos
dados mostra que a água é um dos importantes fatores de pedogênese, pois nas áreas
A) de clima temperado ocorrem alta pluviosidade e grande profundidade de solos.
B) tropicais ocorre menor pluviosidade, o que se relaciona com a menor profundidade das rochas
inalteradas.
C) de latitudes em torno de 30o ocorrem as maiores profundidades de solo, visto que há maior umidade.
D) tropicais a profundidade do solo é menor, o que evidencia menor intemperismo químico da água sobre as
rochas.
E) de menor latitude ocorrem as maiores precipitações, assim como a maior profundidade dos solos.
VAMOS... VOCÊS JÁ SABEM!
Os mapas representam distintos padrões de distribuição de processos socioespaciais.
Nesse sentido, a menor incidência de disputas territoriais envolvendo povos indígenas
se explica pela
a) fertilização natural dos solos.
b) expansão da fronteira agrícola.
c) intensificação da migração de retorno.
d) homologação de reservas extrativistas.
e) concentração histórica da urbanização.
DOMÍNIO DA CAATINGA
- A caatinga ( mato branco ) é uma extensa região do nordeste brasileiro, que ocupa mais de 70%
de sua área (11% do território brasileiro);
- Solo da Caatinga é razoavelmente fértil, Apesar de raso e conter grande quantidade de pedras;
- A Caatinga abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe,
Alagoas, Bahia, sul e leste do Piauí e norte de Minas Gerais.
Só defende a caatinga de
verdade
Quem conhece facheiro ou
xiquexique
Quem já fez uma cerca pau-a-
pique
Tão comum em qualquer
propriedade
Quem com oito ou dez anos
de idade
Já fez festa em apanha de
algodão
Limpou mato, plantou milho e
feijão
Colocando os dois pés na terra
quente
Só defende a caatinga quem se
sente
Parte dela ou reside no Sertão
DÉFICIT HÍDRICO DA CAATINGA
Déficit hídrico, predominância de rios intermitentes: os cursos d’água
permanecem secos por cinco a sete meses durante o ano. Entretanto,
a mais importante bacia hidrográfica é a do São Francisco. Apesar de
percorrer áreas de clima semiárido, é um rio perene.
VAMOS PRATICAR MONSTROS!
Então, a travessia das veredas sertanejas é mais exaustiva que a de uma estepe
nua. Nesta, ao menos, o viajante tem o desafogo de um horizonte largo e a
perspectiva das planuras francas. Ao passo que a outra o afoga; abrevia-lhe o olhar;
agride-o e estonteia-o; enlaça-o na trama espinescente e não o atrai; repulsa-o com
as folhas urticantes, com o espinho, com os gravetos estalados em lanças, e
desdobra-se-lhe na frente léguas e léguas, imutável no aspecto desolado; árvore
sem folhas, de galhos estorcidos e secos, revoltos, entrecruzados, apontando
rijamente no espaço ou estirando-se flexuosos pelo solo, lembrando um bracejar
imenso, de tortura, da flora agonizante…
CUNHA, E. Os sertões. Disponível em: http://pt.scribd.com. Acesso em: 2 jun. 2012.
Os elementos da paisagem descritos no texto correspondem a aspectos
biogeográficos presentes na
a) composição de vegetação xerófila.
b) formação de florestas latifoliadas.
c) transição para mata de grande porte.
d) adaptação à elevada salinidade.
e) homogeneização da cobertura perenifólia.
DOMÍNIO AMAZÔNICO
Amazônia, ampla região natural que se estende entre o maciço das
guianas e o planalto brasileiro, e desde o Atlântico até os Andes, na
América do sul, com uma superfície de 7 milhões km2
compartilhada pelo Brasil (em sua maior parte), Guiana Francesa,
Suriname, Guiana, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.
• Floresta latifoliada equatorial.
• Grande biodiversidade.
• Clima equatorial úmido.
• “terras baixas” (planícies,
depressões e planaltos residuais).
• solos baixa fertilidade natural.
OCUPAÇÃO HUMANA DA AMAZÔNIA
Breve histórico:
1960 – Com o intuito de integrar a Amazônia com o resto do País, os
militares pregam a unificação do País e a proteção da floresta contra a
“internacionalização”. Utilizando um discurso nacionalista, os militares
realizam várias obras em infraestrutura para a ocupação da região, a
principal é a Transamazônica. É a política "Integrar para não Entregar".
1970 – A população da Amazônia Legal atinge a quantia de 7 milhões de
habitantes, reflexo das políticas públicas para a ocupação do território, no
entanto, os problemas ambientais gerados são desastrosos, a área
desmatada da Amazônia chega a 14 milhões de hectares.
1980 – Os problemas ambientais na Amazônia, rotulada como “pulmão do
mundo”, geram repercussões internacionais. O assassinato do líder
sindical Chico Mendes, em 1988, agrava ainda mais as pressões
internacionais em relação às políticas desenvolvidas no Brasil para a
preservação da Amazônia.
OCUPAÇÃO HUMANA DA AMAZÔNIA
1990 – Se intensifica o desmatamento na região para a produção de
soja, estima-se que a extensão territorial desmatada atinja 41 milhões
de hectares.
2000 – Conforme dados do Instituto de Geografia e Estatística (IBGE),
a população da Amazônia é de 21 milhões de pessoas. A pecuária
passa a ser a grande vilã e principal responsável pelo desmatamento.
O rebanho bovino é de cerca de 64 milhões de cabeças.
Naturalizada brasileira, a irmã Dorothy chegou
ao país em 1966 e, por 20 anos, atuou na região
do Pará ao lado de pequenos agricultores na
luta pela geração de emprego, reflorestamento
e redução dos conflitos fundiários. Um de seus
principais trabalhos missionários foi o Projeto
de Desenvolvimento Sustentável (PDS)
Esperança, que procurava aliar a agricultura
familiar à preservação da floresta amazônica.
VAMOS PRATICAR MONSTROS!
(Enem – 2012) A moderna “conquista da Amazônia” inverteu o eixo
geográfico da colonização da região. Desde a época colonial até meados
do século XIX, as correntes principais de população movimentaram-se no
sentido Leste-Oeste, estabelecendo uma ocupação linear articulada. Nas
últimas décadas, os fluxos migratórios passaram a se verificar no sentido
Sul-Norte, conectando o Centro-Sul à Amazônia.
OLIC, N. B. Ocupação da Amazônia, uma epopeia inacabada. Jornal
Mundo, ano 16, n. 4, ago. 2008 (adaptado).
O primeiro eixo geográfico de ocupação das terras amazônicas
demonstra um padrão relacionado à criação de
a) núcleos urbanos em áreas litorâneas.
b) centros agrícolas modernos no interior.
c) vias férreas entre espaços de mineração.
d) faixas de povoamento ao longo das estradas.
e) povoados interligados próximos a grandes rios.
VAMOS PRATICAR MONSTROS!
(Enem – 2011) A Floresta Amazônica, com toda a sua imensidão, não
vai estar aí para sempre. Foi preciso alcançar toda essa taxa de
desmatamento de quase 20 mil quilômetros quadrados ao ano, na
última década do século XX, para que uma pequena parcela de
brasileiros se desse conta de que o maior patrimônio natural do país
está sendo torrado.
AB’SABER, A. Amazônia: do discurso à práxis. São Paulo: EdUSP, 1996. Um processo econômico
que tem contribuído na atualidade para acelerar o problema ambiental descrito é:
A) Expansão do Projeto Grande Carajás, com incentivos à chegada de
novas empresas mineradoras.
B) Difusão do cultivo da soja com a implantação de monoculturas
mecanizadas.
C) Construção da rodovia Transamazônica, com o objetivo de interligar
a região Norte ao restante do país.
D) Criação de áreas extrativistas do látex das seringueiras para os
chamados povos da floresta.
E) Ampliação do polo industrial da Zona Franca de Manaus, visando
atrair empresas nacionais e estrangeiras.
DOMÍNIO DO CERRADO
O cerrado é um domínio geoecológico característico do Brasil
Central, apresentando terrenos cristalinos e sedimentares.
Abrange não somente a maior parte da região Centro-Oeste,
mas também trechos de Minas Gerais, parte ocidental da Bahia
e sul do Maranhão e do Piauí.
Nesse domínio predominam os solos pobres e bastante ácidos.
São solos altamente lixiviados e laterizados, que, para serem
utilizados na agricultura, necessitam de corretivos; utiliza-se
normalmente o método da calagem, que é a adição de calcário
ao solo, visando à correção do pH. Ao sul, aparecem
significativas manchas de terra roxa, de grande fertilidade
natural.
Domínio de Cerrado: CARACTERÍSTICAS
OCUPAÇÃO HUMANA DO CERRADO
A ocupação humana para o
Cerrado pode ser relacionada
aos projetos de desenvolvimento
do país, podendo ser observado
desde os anos 1950 com a
construção de Brasília.
Algumas atividades foram
decisivas para o aumento da
ocupação, entre elas:
- Atividades pecuaristas;
- Atividades agrícolas;
- Atividades mineradoras;
-Intenso processo de
urbanização
AMEAÇAS PARA O DOMÍNIO DO CERRADO
São inúmeros os fatores que têm causado a destruição do cerrado, mas podemos
elencar alguns como: topografia geralmente plana facilita a mecanização
incentivando a sua ocupação, explosão demográfica na sua região, exploração
predatória de madeira para carvão, especulação imobiliária, falta de políticas
públicas ambientais concretas, falta de fiscalização nas unidades de conservação,
principalmente, falta de conscientização ambiental da população, monocultura
extensiva, uso indiscriminado de agrotóxicos poluindo os rios e riachos, garimpo e
mineração em geral.
Segundo o IBAMA, Mato Grosso do Sul movimentou 8,6 milhões de metros cúbicos de carvão vegetal
entre 2007 e 2009, o que inclui o carvão importado do Paraguai. Do total produzido, 99% é
proveniente de lenha de floresta nativa, de acordo com Lourenço. “Equívoco” e “exagero”.
A soja foi introduzida em Goiás em 1950 e no Mato Grosso do Sul nos anos 1970. Todavia, o
crescimento explosivo da produção na Região Centro-Oeste ocorreu a partir da década de 1980. Essa
Região contribuía com menos de 2% da produção nacional de soja, em 1970; 20%, em 1980; 40%, em
1990 e quase 60%, na primeira década dos anos 2000. Destaca-se o Estado do Mato Grosso, líder
nacional de produção e de rendimento de soja (EMBRAPA, 2007).
QUEIMADAS: UMA GRANDE COINCIDÊNCIA?
VAMOS PRATICAR MONSTROS!
(Enem- 2011) O Centro-Oeste apresentou-se como extremamente
receptivo aos novos fenômenos da urbanização, já que era
praticamente virgem, não possuindo infraestrutura de monta,
nem outros investimentos fixos vindos do passado. Pôde, assim,
receber uma infraestrutura nova, totalmente a serviço de uma economia
moderna.
SANTOS, M. A Urbanização Brasileira. São Paulo: EdUSP, 2005 (adaptado).
O texto trata da ocupação de uma parcela do território brasileiro. O
processo econômico diretamente associado a essa ocupação foi o
avanço da
A) industrialização voltada para o setor de base.
B) economia da borracha no sul da Amazônia.
C) fronteira agropecuária que degradou parte do cerrado.
D) exploração mineral na Chapada dos Guimarães.
E) extrativismo na região pantaneira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientaisDomínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Suely Takahashi
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
Christie Freitas
 
Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
André Luiz Marques
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Rogerio Silveira
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
Cleber Reis
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 
Localização do território brasileiro
Localização do território brasileiroLocalização do território brasileiro
Localização do território brasileiro
Gabrielly Peixoto
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
Fatima Freitas
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
Cleber Reis
 
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
Cléber Figueiredo Beda de Ávila
 
Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - Geografia
Bruna M
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
Prof. Francesco Torres
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Rogério Bartilotti
 
Recursos minerais brasil (geologia 02)
Recursos minerais  brasil (geologia 02)Recursos minerais  brasil (geologia 02)
Recursos minerais brasil (geologia 02)
Camila Brito
 
Recurso minerais do brasil
Recurso minerais do brasilRecurso minerais do brasil
Recurso minerais do brasil
Artur Lara
 
7° ano região sudeste e sul
7° ano   região sudeste e sul7° ano   região sudeste e sul
7° ano região sudeste e sul
Tiago Marinho
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
Prof. Francesco Torres
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
Christie Freitas
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
Prof. Francesco Torres
 
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm baGeografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Nilberte
 

Mais procurados (20)

Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientaisDomínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
 
Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
Localização do território brasileiro
Localização do território brasileiroLocalização do território brasileiro
Localização do território brasileiro
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
 
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
 
Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - Geografia
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Recursos minerais brasil (geologia 02)
Recursos minerais  brasil (geologia 02)Recursos minerais  brasil (geologia 02)
Recursos minerais brasil (geologia 02)
 
Recurso minerais do brasil
Recurso minerais do brasilRecurso minerais do brasil
Recurso minerais do brasil
 
7° ano região sudeste e sul
7° ano   região sudeste e sul7° ano   região sudeste e sul
7° ano região sudeste e sul
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
 
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm baGeografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
 

Destaque

Domínios morfoclimático e bioma do Brasil
Domínios morfoclimático e bioma do BrasilDomínios morfoclimático e bioma do Brasil
Domínios morfoclimático e bioma do Brasil
José Walisson Pinto
 
Dominios morfoclimaticos
Dominios morfoclimaticosDominios morfoclimaticos
Dominios morfoclimaticos
Roberto Júnior
 
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
Edmar Alves da Cruz
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
J R Messias
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
profleofonseca
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileirosDomínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileiros
karolpoa
 
Biomassas no brasil
Biomassas no brasilBiomassas no brasil
Biomassas no brasil
Maria da Paz
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientaisDomínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
karolpoa
 
Projeto meio ambiente e sustentabilidade
Projeto meio ambiente e sustentabilidadeProjeto meio ambiente e sustentabilidade
Projeto meio ambiente e sustentabilidade
Clotildes Clere Alcântara
 
Domínios Morfoclimáticos Brasileiro
Domínios Morfoclimáticos BrasileiroDomínios Morfoclimáticos Brasileiro
Domínios Morfoclimáticos Brasileiro
vitor moraes ribeiro
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
leila Cardoso
 
Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
Rogério Bartilotti
 
Domínios morfoclimaticos e biomas do Brasil
Domínios morfoclimaticos e biomas do BrasilDomínios morfoclimaticos e biomas do Brasil
Domínios morfoclimaticos e biomas do Brasil
Mayllson Almeida
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 

Destaque (14)

Domínios morfoclimático e bioma do Brasil
Domínios morfoclimático e bioma do BrasilDomínios morfoclimático e bioma do Brasil
Domínios morfoclimático e bioma do Brasil
 
Dominios morfoclimaticos
Dominios morfoclimaticosDominios morfoclimaticos
Dominios morfoclimaticos
 
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileirosDomínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileiros
 
Biomassas no brasil
Biomassas no brasilBiomassas no brasil
Biomassas no brasil
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientaisDomínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
 
Projeto meio ambiente e sustentabilidade
Projeto meio ambiente e sustentabilidadeProjeto meio ambiente e sustentabilidade
Projeto meio ambiente e sustentabilidade
 
Domínios Morfoclimáticos Brasileiro
Domínios Morfoclimáticos BrasileiroDomínios Morfoclimáticos Brasileiro
Domínios Morfoclimáticos Brasileiro
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
 
Domínios morfoclimaticos e biomas do Brasil
Domínios morfoclimaticos e biomas do BrasilDomínios morfoclimaticos e biomas do Brasil
Domínios morfoclimaticos e biomas do Brasil
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 

Semelhante a Domínios morfoclimáticos do brasil

UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas BrasilierosUE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
Silvio Araujo de Sousa
 
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território BrasileiroUE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
Silvio Araujo de Sousa
 
Livro breve painel etno hsiotirco de ms
Livro breve painel etno hsiotirco de msLivro breve painel etno hsiotirco de ms
Livro breve painel etno hsiotirco de ms
alinecerutticultura
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
Pré Master
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Ademir Aquino
 
Amazônia.pptx
Amazônia.pptxAmazônia.pptx
Amazônia.pptx
LedianeMartinsDeFrei1
 
Livro breve painel etno hsiotirco de ms (2)
Livro breve painel etno hsiotirco de ms (2)Livro breve painel etno hsiotirco de ms (2)
Livro breve painel etno hsiotirco de ms (2)
Aline Sesti Cerutti
 
Livro breve painel etno hsiotirco de ms
Livro breve painel etno hsiotirco de msLivro breve painel etno hsiotirco de ms
Livro breve painel etno hsiotirco de ms
Aline Sesti Cerutti
 
Revisão uefs geografia
Revisão uefs geografiaRevisão uefs geografia
Revisão uefs geografia
Ademir Aquino
 
As fronteiras naturais do Brasil
As fronteiras naturais do BrasilAs fronteiras naturais do Brasil
As fronteiras naturais do Brasil
Murderdoll_Natty
 
Domínios morfloclimáticos brasileiros
Domínios morfloclimáticos brasileirosDomínios morfloclimáticos brasileiros
Domínios morfloclimáticos brasileiros
Ysla Mayara Tavares
 
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃOBIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Bacias hidrograficas- brasileiras
Bacias hidrograficas- brasileirasBacias hidrograficas- brasileiras
Bacias hidrograficas- brasileiras
eunamahcado
 
Dossiê nordeste seco ab'saber - 1999
Dossiê nordeste seco   ab'saber - 1999Dossiê nordeste seco   ab'saber - 1999
Dossiê nordeste seco ab'saber - 1999
Filipe Carvalho
 
IECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na Amazônia
IECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na AmazôniaIECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na Amazônia
IECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na Amazônia
profrodrigoribeiro
 
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Nery Costa
 
AULA APOSTILA 1 2A.ppt
AULA APOSTILA 1 2A.pptAULA APOSTILA 1 2A.ppt
AULA APOSTILA 1 2A.ppt
MatheusTavares100
 
1cCaatinga-bacia_do_rio_Sao_Francisco..pdf
1cCaatinga-bacia_do_rio_Sao_Francisco..pdf1cCaatinga-bacia_do_rio_Sao_Francisco..pdf
1cCaatinga-bacia_do_rio_Sao_Francisco..pdf
Millyy2
 
20569967-Geografia-de-Mato-Grosso.pdf
20569967-Geografia-de-Mato-Grosso.pdf20569967-Geografia-de-Mato-Grosso.pdf
20569967-Geografia-de-Mato-Grosso.pdf
AlanaKarine5
 
Biomas brasileiros flavia marques
Biomas brasileiros flavia marquesBiomas brasileiros flavia marques
Biomas brasileiros flavia marques
Fernanda Cristina Vieira Pereira
 

Semelhante a Domínios morfoclimáticos do brasil (20)

UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas BrasilierosUE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
 
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território BrasileiroUE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
 
Livro breve painel etno hsiotirco de ms
Livro breve painel etno hsiotirco de msLivro breve painel etno hsiotirco de ms
Livro breve painel etno hsiotirco de ms
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
 
Amazônia.pptx
Amazônia.pptxAmazônia.pptx
Amazônia.pptx
 
Livro breve painel etno hsiotirco de ms (2)
Livro breve painel etno hsiotirco de ms (2)Livro breve painel etno hsiotirco de ms (2)
Livro breve painel etno hsiotirco de ms (2)
 
Livro breve painel etno hsiotirco de ms
Livro breve painel etno hsiotirco de msLivro breve painel etno hsiotirco de ms
Livro breve painel etno hsiotirco de ms
 
Revisão uefs geografia
Revisão uefs geografiaRevisão uefs geografia
Revisão uefs geografia
 
As fronteiras naturais do Brasil
As fronteiras naturais do BrasilAs fronteiras naturais do Brasil
As fronteiras naturais do Brasil
 
Domínios morfloclimáticos brasileiros
Domínios morfloclimáticos brasileirosDomínios morfloclimáticos brasileiros
Domínios morfloclimáticos brasileiros
 
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃOBIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
 
Bacias hidrograficas- brasileiras
Bacias hidrograficas- brasileirasBacias hidrograficas- brasileiras
Bacias hidrograficas- brasileiras
 
Dossiê nordeste seco ab'saber - 1999
Dossiê nordeste seco   ab'saber - 1999Dossiê nordeste seco   ab'saber - 1999
Dossiê nordeste seco ab'saber - 1999
 
IECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na Amazônia
IECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na AmazôniaIECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na Amazônia
IECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na Amazônia
 
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
 
AULA APOSTILA 1 2A.ppt
AULA APOSTILA 1 2A.pptAULA APOSTILA 1 2A.ppt
AULA APOSTILA 1 2A.ppt
 
1cCaatinga-bacia_do_rio_Sao_Francisco..pdf
1cCaatinga-bacia_do_rio_Sao_Francisco..pdf1cCaatinga-bacia_do_rio_Sao_Francisco..pdf
1cCaatinga-bacia_do_rio_Sao_Francisco..pdf
 
20569967-Geografia-de-Mato-Grosso.pdf
20569967-Geografia-de-Mato-Grosso.pdf20569967-Geografia-de-Mato-Grosso.pdf
20569967-Geografia-de-Mato-Grosso.pdf
 
Biomas brasileiros flavia marques
Biomas brasileiros flavia marquesBiomas brasileiros flavia marques
Biomas brasileiros flavia marques
 

Mais de Privada

Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
Privada
 
Idade Média - Curso completo
Idade Média - Curso completoIdade Média - Curso completo
Idade Média - Curso completo
Privada
 
Culturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianasCulturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianas
Privada
 
Matrículas abertas e com novidades
Matrículas abertas e com novidadesMatrículas abertas e com novidades
Matrículas abertas e com novidades
Privada
 
Matrículas abertas e com novidades
Matrículas abertas e com novidadesMatrículas abertas e com novidades
Matrículas abertas e com novidades
Privada
 
Nova republica
Nova republicaNova republica
Nova republica
Privada
 
O Populismo; A República Liberal; Período Democrático. (1946 – 1964)
O Populismo; A República Liberal; Período Democrático. (1946 – 1964)O Populismo; A República Liberal; Período Democrático. (1946 – 1964)
O Populismo; A República Liberal; Período Democrático. (1946 – 1964)
Privada
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
Privada
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
Privada
 
Egito Antigo - 1º Ano
Egito Antigo - 1º AnoEgito Antigo - 1º Ano
Egito Antigo - 1º Ano
Privada
 
Mesopotâmia 1º Ano
Mesopotâmia 1º AnoMesopotâmia 1º Ano
Mesopotâmia 1º Ano
Privada
 
Mesopotamia 1 1 ano (1)
Mesopotamia 1   1 ano (1)Mesopotamia 1   1 ano (1)
Mesopotamia 1 1 ano (1)
Privada
 
Pré-história
Pré-históriaPré-história
Pré-história
Privada
 
Primeira guerra 9º ano
Primeira guerra 9º anoPrimeira guerra 9º ano
Primeira guerra 9º ano
Privada
 
Ano novo
Ano novoAno novo
Ano novo
Privada
 
UESB Manual do-candidato-2016
UESB Manual do-candidato-2016UESB Manual do-candidato-2016
UESB Manual do-candidato-2016
Privada
 
Uesb2015 cad2
Uesb2015 cad2Uesb2015 cad2
Uesb2015 cad2
Privada
 
Ditadura releitura
Ditadura   releituraDitadura   releitura
Ditadura releitura
Privada
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Privada
 
Governos populistas(1945-1964) resumo
Governos populistas(1945-1964)   resumoGovernos populistas(1945-1964)   resumo
Governos populistas(1945-1964) resumo
Privada
 

Mais de Privada (20)

Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
 
Idade Média - Curso completo
Idade Média - Curso completoIdade Média - Curso completo
Idade Média - Curso completo
 
Culturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianasCulturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianas
 
Matrículas abertas e com novidades
Matrículas abertas e com novidadesMatrículas abertas e com novidades
Matrículas abertas e com novidades
 
Matrículas abertas e com novidades
Matrículas abertas e com novidadesMatrículas abertas e com novidades
Matrículas abertas e com novidades
 
Nova republica
Nova republicaNova republica
Nova republica
 
O Populismo; A República Liberal; Período Democrático. (1946 – 1964)
O Populismo; A República Liberal; Período Democrático. (1946 – 1964)O Populismo; A República Liberal; Período Democrático. (1946 – 1964)
O Populismo; A República Liberal; Período Democrático. (1946 – 1964)
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
Egito Antigo - 1º Ano
Egito Antigo - 1º AnoEgito Antigo - 1º Ano
Egito Antigo - 1º Ano
 
Mesopotâmia 1º Ano
Mesopotâmia 1º AnoMesopotâmia 1º Ano
Mesopotâmia 1º Ano
 
Mesopotamia 1 1 ano (1)
Mesopotamia 1   1 ano (1)Mesopotamia 1   1 ano (1)
Mesopotamia 1 1 ano (1)
 
Pré-história
Pré-históriaPré-história
Pré-história
 
Primeira guerra 9º ano
Primeira guerra 9º anoPrimeira guerra 9º ano
Primeira guerra 9º ano
 
Ano novo
Ano novoAno novo
Ano novo
 
UESB Manual do-candidato-2016
UESB Manual do-candidato-2016UESB Manual do-candidato-2016
UESB Manual do-candidato-2016
 
Uesb2015 cad2
Uesb2015 cad2Uesb2015 cad2
Uesb2015 cad2
 
Ditadura releitura
Ditadura   releituraDitadura   releitura
Ditadura releitura
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Governos populistas(1945-1964) resumo
Governos populistas(1945-1964)   resumoGovernos populistas(1945-1964)   resumo
Governos populistas(1945-1964) resumo
 

Último

livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 

Último (20)

livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 

Domínios morfoclimáticos do brasil

  • 2. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS: CONCEITO Os domínios morfoclimáticos são divisões que se baseiam nos diferentes tipos de relevos que são resultantes das condições climáticas atuais e do passado bem como na cobertura vegetal e nos tipos de solo. Classificação: Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir das características climáticas, botânicas, hidrológicas entre outras. Esta classificação feita, segundo o geógrafo Aziz Ab’Sáber, dividiu o Brasil em seis domínios.
  • 3.
  • 4. DOMÍNIO DOS MARES DE MORRO Esse domínio geoecológico localiza-se na porção oriental do País, desde o Nordeste até o Sul. Na região Sudeste, penetra para o interior, abrangendo o centro-sul de Minas Gerais e São Paulo. Predominam os dobramentos cristalinos, produziu um relevo típico de morro mamelonares (em forma de “meias laranjas”). É o domínio brasileiro mais sujeito aos processos erosivos, consequência desse relevo acidentado e da ação do clima tropical úmido.
  • 5. CARACTERÍSTICAS GERAIS - Floresta latifoliada tropical - Regiões de planaltos (terrenos cristalinos erodidos: “pães-de-açúcar” ou “meias-laranjas”) - Clima tropical litorâneo - Solos profundos e de boa fertilidade natural. - Bioma brasileiro mais devastado (existem apenas cerca de 5% de Mata Atlântica nativa).
  • 6. Na Zona da Mata Nordestina encontra-se um solo de grande fertilidade, denominado massapé; originou-se da decomposição do granito, do gnaisse e, às vezes, do calcário. No Sudeste, ocorre a presença de um solo argiloso de razoável fertilidade, formado, principalmente, pela decomposição química do granito em climas úmidos, denominados salmourão.
  • 7. OCUPAÇÃO HUMANA NO DOMÍNIO DOS MARES DE MORRO
  • 8.
  • 9. VAMOS PRATICAR MONSTROS! TEIXEIRA, W. et al. Decifrando a Terra. São Paulo: Nacional, 2009 (adaptado). (Enem – 2011) O gráfico relaciona diversas variáveis ao processo de formação de solos. A interpretação dos dados mostra que a água é um dos importantes fatores de pedogênese, pois nas áreas A) de clima temperado ocorrem alta pluviosidade e grande profundidade de solos. B) tropicais ocorre menor pluviosidade, o que se relaciona com a menor profundidade das rochas inalteradas. C) de latitudes em torno de 30o ocorrem as maiores profundidades de solo, visto que há maior umidade. D) tropicais a profundidade do solo é menor, o que evidencia menor intemperismo químico da água sobre as rochas. E) de menor latitude ocorrem as maiores precipitações, assim como a maior profundidade dos solos.
  • 10. VAMOS... VOCÊS JÁ SABEM! Os mapas representam distintos padrões de distribuição de processos socioespaciais. Nesse sentido, a menor incidência de disputas territoriais envolvendo povos indígenas se explica pela a) fertilização natural dos solos. b) expansão da fronteira agrícola. c) intensificação da migração de retorno. d) homologação de reservas extrativistas. e) concentração histórica da urbanização.
  • 11. DOMÍNIO DA CAATINGA - A caatinga ( mato branco ) é uma extensa região do nordeste brasileiro, que ocupa mais de 70% de sua área (11% do território brasileiro); - Solo da Caatinga é razoavelmente fértil, Apesar de raso e conter grande quantidade de pedras; - A Caatinga abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, sul e leste do Piauí e norte de Minas Gerais.
  • 12. Só defende a caatinga de verdade Quem conhece facheiro ou xiquexique Quem já fez uma cerca pau-a- pique Tão comum em qualquer propriedade Quem com oito ou dez anos de idade Já fez festa em apanha de algodão Limpou mato, plantou milho e feijão Colocando os dois pés na terra quente Só defende a caatinga quem se sente Parte dela ou reside no Sertão
  • 13.
  • 14.
  • 15. DÉFICIT HÍDRICO DA CAATINGA Déficit hídrico, predominância de rios intermitentes: os cursos d’água permanecem secos por cinco a sete meses durante o ano. Entretanto, a mais importante bacia hidrográfica é a do São Francisco. Apesar de percorrer áreas de clima semiárido, é um rio perene.
  • 16. VAMOS PRATICAR MONSTROS! Então, a travessia das veredas sertanejas é mais exaustiva que a de uma estepe nua. Nesta, ao menos, o viajante tem o desafogo de um horizonte largo e a perspectiva das planuras francas. Ao passo que a outra o afoga; abrevia-lhe o olhar; agride-o e estonteia-o; enlaça-o na trama espinescente e não o atrai; repulsa-o com as folhas urticantes, com o espinho, com os gravetos estalados em lanças, e desdobra-se-lhe na frente léguas e léguas, imutável no aspecto desolado; árvore sem folhas, de galhos estorcidos e secos, revoltos, entrecruzados, apontando rijamente no espaço ou estirando-se flexuosos pelo solo, lembrando um bracejar imenso, de tortura, da flora agonizante… CUNHA, E. Os sertões. Disponível em: http://pt.scribd.com. Acesso em: 2 jun. 2012. Os elementos da paisagem descritos no texto correspondem a aspectos biogeográficos presentes na a) composição de vegetação xerófila. b) formação de florestas latifoliadas. c) transição para mata de grande porte. d) adaptação à elevada salinidade. e) homogeneização da cobertura perenifólia.
  • 17. DOMÍNIO AMAZÔNICO Amazônia, ampla região natural que se estende entre o maciço das guianas e o planalto brasileiro, e desde o Atlântico até os Andes, na América do sul, com uma superfície de 7 milhões km2 compartilhada pelo Brasil (em sua maior parte), Guiana Francesa, Suriname, Guiana, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. • Floresta latifoliada equatorial. • Grande biodiversidade. • Clima equatorial úmido. • “terras baixas” (planícies, depressões e planaltos residuais). • solos baixa fertilidade natural.
  • 18.
  • 19.
  • 20. OCUPAÇÃO HUMANA DA AMAZÔNIA Breve histórico: 1960 – Com o intuito de integrar a Amazônia com o resto do País, os militares pregam a unificação do País e a proteção da floresta contra a “internacionalização”. Utilizando um discurso nacionalista, os militares realizam várias obras em infraestrutura para a ocupação da região, a principal é a Transamazônica. É a política "Integrar para não Entregar". 1970 – A população da Amazônia Legal atinge a quantia de 7 milhões de habitantes, reflexo das políticas públicas para a ocupação do território, no entanto, os problemas ambientais gerados são desastrosos, a área desmatada da Amazônia chega a 14 milhões de hectares. 1980 – Os problemas ambientais na Amazônia, rotulada como “pulmão do mundo”, geram repercussões internacionais. O assassinato do líder sindical Chico Mendes, em 1988, agrava ainda mais as pressões internacionais em relação às políticas desenvolvidas no Brasil para a preservação da Amazônia.
  • 21. OCUPAÇÃO HUMANA DA AMAZÔNIA 1990 – Se intensifica o desmatamento na região para a produção de soja, estima-se que a extensão territorial desmatada atinja 41 milhões de hectares. 2000 – Conforme dados do Instituto de Geografia e Estatística (IBGE), a população da Amazônia é de 21 milhões de pessoas. A pecuária passa a ser a grande vilã e principal responsável pelo desmatamento. O rebanho bovino é de cerca de 64 milhões de cabeças. Naturalizada brasileira, a irmã Dorothy chegou ao país em 1966 e, por 20 anos, atuou na região do Pará ao lado de pequenos agricultores na luta pela geração de emprego, reflorestamento e redução dos conflitos fundiários. Um de seus principais trabalhos missionários foi o Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Esperança, que procurava aliar a agricultura familiar à preservação da floresta amazônica.
  • 22. VAMOS PRATICAR MONSTROS! (Enem – 2012) A moderna “conquista da Amazônia” inverteu o eixo geográfico da colonização da região. Desde a época colonial até meados do século XIX, as correntes principais de população movimentaram-se no sentido Leste-Oeste, estabelecendo uma ocupação linear articulada. Nas últimas décadas, os fluxos migratórios passaram a se verificar no sentido Sul-Norte, conectando o Centro-Sul à Amazônia. OLIC, N. B. Ocupação da Amazônia, uma epopeia inacabada. Jornal Mundo, ano 16, n. 4, ago. 2008 (adaptado). O primeiro eixo geográfico de ocupação das terras amazônicas demonstra um padrão relacionado à criação de a) núcleos urbanos em áreas litorâneas. b) centros agrícolas modernos no interior. c) vias férreas entre espaços de mineração. d) faixas de povoamento ao longo das estradas. e) povoados interligados próximos a grandes rios.
  • 23. VAMOS PRATICAR MONSTROS! (Enem – 2011) A Floresta Amazônica, com toda a sua imensidão, não vai estar aí para sempre. Foi preciso alcançar toda essa taxa de desmatamento de quase 20 mil quilômetros quadrados ao ano, na última década do século XX, para que uma pequena parcela de brasileiros se desse conta de que o maior patrimônio natural do país está sendo torrado. AB’SABER, A. Amazônia: do discurso à práxis. São Paulo: EdUSP, 1996. Um processo econômico que tem contribuído na atualidade para acelerar o problema ambiental descrito é: A) Expansão do Projeto Grande Carajás, com incentivos à chegada de novas empresas mineradoras. B) Difusão do cultivo da soja com a implantação de monoculturas mecanizadas. C) Construção da rodovia Transamazônica, com o objetivo de interligar a região Norte ao restante do país. D) Criação de áreas extrativistas do látex das seringueiras para os chamados povos da floresta. E) Ampliação do polo industrial da Zona Franca de Manaus, visando atrair empresas nacionais e estrangeiras.
  • 24. DOMÍNIO DO CERRADO O cerrado é um domínio geoecológico característico do Brasil Central, apresentando terrenos cristalinos e sedimentares. Abrange não somente a maior parte da região Centro-Oeste, mas também trechos de Minas Gerais, parte ocidental da Bahia e sul do Maranhão e do Piauí. Nesse domínio predominam os solos pobres e bastante ácidos. São solos altamente lixiviados e laterizados, que, para serem utilizados na agricultura, necessitam de corretivos; utiliza-se normalmente o método da calagem, que é a adição de calcário ao solo, visando à correção do pH. Ao sul, aparecem significativas manchas de terra roxa, de grande fertilidade natural.
  • 25. Domínio de Cerrado: CARACTERÍSTICAS
  • 26. OCUPAÇÃO HUMANA DO CERRADO A ocupação humana para o Cerrado pode ser relacionada aos projetos de desenvolvimento do país, podendo ser observado desde os anos 1950 com a construção de Brasília. Algumas atividades foram decisivas para o aumento da ocupação, entre elas: - Atividades pecuaristas; - Atividades agrícolas; - Atividades mineradoras; -Intenso processo de urbanização
  • 27. AMEAÇAS PARA O DOMÍNIO DO CERRADO São inúmeros os fatores que têm causado a destruição do cerrado, mas podemos elencar alguns como: topografia geralmente plana facilita a mecanização incentivando a sua ocupação, explosão demográfica na sua região, exploração predatória de madeira para carvão, especulação imobiliária, falta de políticas públicas ambientais concretas, falta de fiscalização nas unidades de conservação, principalmente, falta de conscientização ambiental da população, monocultura extensiva, uso indiscriminado de agrotóxicos poluindo os rios e riachos, garimpo e mineração em geral. Segundo o IBAMA, Mato Grosso do Sul movimentou 8,6 milhões de metros cúbicos de carvão vegetal entre 2007 e 2009, o que inclui o carvão importado do Paraguai. Do total produzido, 99% é proveniente de lenha de floresta nativa, de acordo com Lourenço. “Equívoco” e “exagero”. A soja foi introduzida em Goiás em 1950 e no Mato Grosso do Sul nos anos 1970. Todavia, o crescimento explosivo da produção na Região Centro-Oeste ocorreu a partir da década de 1980. Essa Região contribuía com menos de 2% da produção nacional de soja, em 1970; 20%, em 1980; 40%, em 1990 e quase 60%, na primeira década dos anos 2000. Destaca-se o Estado do Mato Grosso, líder nacional de produção e de rendimento de soja (EMBRAPA, 2007).
  • 28. QUEIMADAS: UMA GRANDE COINCIDÊNCIA?
  • 29.
  • 30. VAMOS PRATICAR MONSTROS! (Enem- 2011) O Centro-Oeste apresentou-se como extremamente receptivo aos novos fenômenos da urbanização, já que era praticamente virgem, não possuindo infraestrutura de monta, nem outros investimentos fixos vindos do passado. Pôde, assim, receber uma infraestrutura nova, totalmente a serviço de uma economia moderna. SANTOS, M. A Urbanização Brasileira. São Paulo: EdUSP, 2005 (adaptado). O texto trata da ocupação de uma parcela do território brasileiro. O processo econômico diretamente associado a essa ocupação foi o avanço da A) industrialização voltada para o setor de base. B) economia da borracha no sul da Amazônia. C) fronteira agropecuária que degradou parte do cerrado. D) exploração mineral na Chapada dos Guimarães. E) extrativismo na região pantaneira.