SlideShare uma empresa Scribd logo
Região Norte
Unidade 5
Tema 1
Amazônia é a área de abrangência
da Floresta Amazônica, que
ultrapassa os limites da Região
Norte e avança sobre vários países
da América do Sul, conhecida
como Amazônia Internacional ou
Pan-Amazônia.
A Amazônia Legal, criada pelo
governo brasileiro para promover o
desenvolvimento regional, engloba
a área que abrange a Amazônia no
país, o que inclui todos os estados
da Região Norte, o Mato Grosso e
porção do Maranhão.
Região Norte e Amazônia não são sinônimos
Tema 1
Floresta Amazônica
A Floresta Amazônica, desde as regiões com proximidades com o Rio Amazonas, Rio
Negro, Rio Madeira e até as partes mais altas, está dividida ou subdividida em:
Mata de igapó
Essa composição vegetativa ocorre em
áreas de baixo relevo próximas a rios,
permanecendo, por essa razão, alagada. As
plantas dessas áreas apresentam estatura
máxima de 20 metros, além de cipós e
plantas aquáticas.
Mata de várzea
Vegetação que se estabelece em áreas mais
elevadas em relação às matas de igapó, mesmo
assim sofre inundações, porém somente nos
períodos de cheias. Nelas ocorrem algumas
espécies de grande porte, como o cacaueiro e a
seringueira
Tema 1
Ocorre nas regiões que não sofrem
com as ações das cheias. Nessa parte
da floresta, as árvores apresentam
alturas que oscilam entre 30 e 60
metros, desenvolvendo-se com
distâncias restritas entre si, fato que
dificulta a inserção de luz, uma vez
que as copas das árvores ficam muito
próximas. Em razão desse fato, não
há plantas menores, pois o interior
dessas matas é escuro,
impossibilitando a reprodução de
vegetais por não ocorrer o processo
de fotossíntese
Mata de terra firme
Tema 1
Outras formações
vegetais
A Região Norte apresenta outros
tipos de formações vegetais e
também áreas de transição entre um
tipo de vegetação e outro.
Destacam-se os campos, que
ocorrem em Roraima, e o cerrado,
que ocorre em determinadas áreas
de Roraima, Pará, Amapá e em
grande parte de Tocantins.
Já em áreas costeiras dos estados do
Amapá e Pará, as matas de igapó e as
matas de várzea dão lugar aos
mangues da Amazônia, áreas de
grande biodiversidade.
Tema 1
Clima
O clima da região norte engloba dois tipos: Equatorial e o Tropical., mas na maior parte da
Região Norte ocorre o clima equatorial úmido, cujas médias de temperatura são elevadas,
chegando a ultrapassar 27 °C e contribuindo para a alta taxa de evaporação.
​A amplitude térmica é baixa, com pouca variação de temperatura entre o dia e a noite. A
Região Norte apresenta os índices pluviométricos mais altos do país, chegando a superar
2.500 mm anuais em algumas áreas.
No estado do Tocantins e em Rondônia há ocorrência de clima tropical, com invernos secos e
verões chuvosos.
Tema 1
Relevo
Na Região Norte predominam as terras baixas. Apenas no norte do estado de Roraima,
onde se inicia o Planalto das Guianas, são encontradas grandes elevações, como o Pico da
Neblina, ponto mais alto do país, e o Monte Roraima. O restante da região apresenta
altitudes inferiores a 500 metros e a maior parte se encontra abaixo dos 100 metros.
A região Norte apresenta
extensos e volumosos rios,
como o Amazonas e o
Tocantins, que forma a bacia
hidrográfica Tocantins-
Araguaia. A bacia do Rio
Amazonas é a maior do
mundo e ocupa uma extensa
área da América do Sul,
incluindo praticamente toda a
Região Norte e porções da
Região Centro-Oeste do país.
Hidrografia
Tema 1
Rios e ocupação
Na Bacia do Rio Amazonas circula cerca de
20% de toda a água doce do planeta e às
margens de seus rios há terras indígenas,
comunidades ribeirinhas, vilas e cidades
de diversos tamanhos.
Na Região Norte há muitas vias fluviais
navegáveis e em muitos casos as
embarcações representam o principal,
senão o único, meio de transporte de
pessoas e de mercadorias.
O regime de cheias e vazantes influencia
aspectos da vida local, como o transporte
e a agricultura, pois o alagamento das
várzeas durante as cheias resulta em solos
fertilizados, que podem ser explorados
quando o nível das águas está baixo.
Outro aspecto a ser observado é o modo
de construção das casas suspensas da
população ribeirinha, as palafitas.
Palafita no rio Piriá no município de
Curralinho no estado do Pará.
Transporte Escolar
Tema 1
Principais atividades econômicas
Diversas atividades econômicas motivaram a ocupação
da Região Norte. Parte desse processo se deu de forma
predatória, com a devastação da floresta e o
desrespeito às comunidades tradicionais que lá viviam.
A economia da região Norte do Brasil é constituída
basicamente por atividades ligadas ao setor primário,
destaque para o extrativismo (vegetal, animal e
mineral) e agropecuária.
Tema 2
Extrativismo Vegetal
Extrativismo
Na Amazônia, o extrativismo, a
caça e a pesca é muito
importante para a população
porque destas atividades obtém
sua sobrevivência.
O ciclo da borracha foi um
momento da história econômica
e social do Brasil, relacionado
com a extração de látex da
seringueira e comercialização da
borracha.
Tema 2
Extração de Látex
Além do minério de ferro, há também manganês ( na Serra dos Carajás)
utilizado com o ferro na produção de ligas metálicas resistentes; a
bauxita do qual se extrai a alumina para a produção do alumínio, de
largo uso industrial; a cassiterita (minério se produz o estanho); o ouro,
encontradas em áreas de aluvião ou em rochas mineralizadas; e o gás
natural, na reserva de Urucu, em Coari (AM).
O subsolo da Região Norte é
muito rico em minérios e conta
com grandes reservas, como a
de ferro (a maior do mundo).
As atividades ligadas à
mineração na região Norte têm
se despontado como uma
relevante fonte de geração de
riqueza, especialmente com a
instalação de grandes empresas
mineradoras.
Tema 2
Projeto Grande Carajás
O projeto não se restringia apenas à exploração de minérios, mas
abrangia também a construção de estradas e de uma ferrovia para
escoar os minérios e o aproveitamento dos rios para a geração de
energia elétrica, por meio da construção da hidrelétrica de Tucuruí,
no Pará. Observe mapa acima.
Tema 2
O Projeto Grande Carajás foi
criado em 1967 e teve por
objetivo realizar a exploração
integrada e em alta escala dos
recursos minerais dessa
província mineralógica, que é
considerada a mais rica do
mundo (possui minério de
ferro, ouro, estanho, bauxita –
nome dado ao minério de
alumínio -, manganês, níquel e
cobre).
Indústria
A atividade industrial teve impulso por meio de incentivos
governamentais na criação de um polo industrial.
Zona Franca de Manaus
A Zona Franca de Manaus é uma área
empresarial e industrial criada na
cidade de Manaus, capital do Estado
do Amazonas, cujo objetivo principal é
atrair empresas e promover uma
maior ocupação e integração
territorial com a região Norte do país.
A Zona Franca de Manaus, área isenta
de impostos de importação na qual as
empresas podem comprar peças e
componentes do exterior a custos
baixos, montando eletrodomésticos e
outros bens de consumo para serem
vendidos em todo o país.
Tema 2
Agropecuária
Programas de ocupação da Região Norte criados entre
1950 e 1980 ajudaram a criar polos agropecuários e
atualmente os estados do Pará e Rondônia se destacam
no setor, que além da pecuária bovina inclui a pecuária
bufalina na Ilha de Marajó (PA) e Roraima e diversas
produções agrícolas, como o cacau, a pimenta-do-reino, a
mandioca e a soja.
Tema 2
Criação de Búfalos – Ilha de Marajó - PA
A região é considerada uma fronteira agrícola do
Brasil, nela são produzidos desde produtos
tradicionais, como mandioca, milho e arroz, até de
exportação, como a soja, que tem sido uma cultura
bastante difundida na região e ao mesmo tempo a
que mais provoca desmatamento da floresta
Amazônica, sem contar que áreas cobertas por soja
tendem a provocar a diminuição dos índices
pluviométricos em cerca de 15%. As pastagens
provocam uma redução inferior, aproximadamente
3,9%. Talvez pareça pouco, mas é preocupante, pois a
expansão agropecuária ocorre de forma geométrica,
se a ocupação para essa atividade continuar nesse
ritmo, em pouco tempo o clima característico da
região (quente e úmido) se alterará, comprometendo
todo o ecossistema.
A produção agropecuária na região Norte gera uma
grande preocupação ambiental, pelo fato de abrigar a
maior floresta equatorial do mundo. É bom lembrar
também que o solo amazônico é pobre em nutrientes,
desse modo, se retirada a cobertura vegetal a área se
transforma praticamente em um deserto.
Tema 2
Turismo
Hoje existem importantes polos hoteleiros na região Norte, como
as cidades de Manaus e Parintins, no Amazonas. Os turistas
buscam a riqueza natural e cultural do Norte.
O ecoturismo, realizado de maneira a minimizar os impactos sobre
o meio ambiente, envolvendo comunidades locais, é cada vez mais
valorizado na Amazônia, pois estimula a conservação de áreas de
floresta
Tema 2
Amazon
Ecopark
Expansão urbana
A Região Norte é a maior do país em extensão territorial, porém sua
população é pequena, supera somente o Centro-Oeste. A população
absoluta da Região Norte responde por cerca de 8% do total do país.
Um dado interessante sobre a região em questão é a concentração
urbana e rural nas margens de rios, com tal característica temos
cidades como Belém, Manaus, Porto Velho, Santarém, entre outras.
Esse aspecto recebe o nome de população ribeirinha.
Tema 2
Manaus - AM
Medidas promovidas pelos governos para a ocupação da Região Norte e o
desenvolvimento da indústria e da agropecuária, levaram uma grande
expansão urbana na região a partir da segunda metade do século XX.
A construção de rodovias promoveu o surgimento de novos centros
urbanos e houve forte migração do campo para as grandes cidades,
principalmente para as capitais, que cresceram em ritmo acelerado e que
ainda sofrem com a falta de planejamento urbano.
Em 2010, aproximadamente 73% dos 15,8 milhões de habitantes da
Região Norte habitavam áreas urbanas e a expansão das cidades vem
pressionando zonas de floresta, sobretudo nas periferias das regiões
metropolitanas.
Tema 2
https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2011/04/29/com-
migracao-agricola-norte-e-regiao-onde-populacao-mais-cresce-no-pais-mostra-
ibge.htm
Tema 2
Principais cidades
As duas principais e mais populosas cidades da Região Norte são
Belém (PA)e Manaus (AM). As outras capitais, Macapá (AP), Rio
Branco, Porto Velho (RO) e Palmas (TO), são cidades de menor
porte, consideradas capitais regionais.
Os maiores centros urbanos são importantes para os habitantes
de pequenos municípios ou da zona rural que para lá se
deslocam em busca de produtos e serviços.
Tema 2
Monumento marco zero do Equador,
aqui fica o meio do mundo - Macapá
O desmatamento na Amazônia
São causas do desmatamento da Floresta Amazônia:
• extração de madeira;
• a implantação de áreas destinadas à agropecuária;
• a expansão urbana e a abertura de rodovias.
A desmatamento da Floresta Amazônica é um dos principais
problemas ambientais do mundo atual, em função de sua grande
importância para o meio ambiente. Este desmatamento causa
extinção de espécies vegetais e animais, trazendo danos
irreparáveis para o ecossistema amazônico.
Tema 3
Diminuição do desmatamento
Na Amazônia, o desmatamento tem historicamente sido
muito alto.
Medidas como leis mais rigorosas, aumento da fiscalização e
monitoramento da floresta por satélite têm sido tomadas para
evitar o avanço da retirada ilegal de madeira ou abertura de
novos campos de cultivo que não obedecem à legislação
sobre a preservação da floresta.
Tema 3
Tema 3
Para atuar na exploração da madeira da floresta, as madeireiras precisam de
licença do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais
Renováveis, o Ibama.
Incentivada pela elevada demanda por produtos madeireiros, a extração legal
e ilegal de madeira é uma causa importante da destruição da floresta
amazônica.
A derrubada de árvores está intimamente ligada à construção de rodovias e a
movimentos migratórios. O acesso rodoviário facilita a entrada na mata e a
extração seletiva de madeira. Apesar disso, a extração da madeira passou a
ocorrer em áreas cada vez mais interiores da floresta, alcançadas por estradas
abertas pelos madeireiros.
Extração de madeira
Tema 3
Expansão agropecuária
Parte da Floresta Amazônica foi devastada para abrir espaço para
as atividades agropecuárias, principalmente para os pastos
destinados à criação extensiva de gado.
O solo amazônico conta com baixo potencial agrícola, mas diversos
cultivos têm apresentado bons resultados com o uso da
biotecnologia e de técnicas agrícolas avançadas, principalmente a
soja, que avança no sul do estado do Amazonas, Maranhão e
Tocantins.
Tema 3
Tema 3
Queimadas
Problemas
• Podem se transformar em vastos incêndios florestais;
• Causam poluição atmosférica;
• Degradam o solo, matando organismos responsáveis pela
fertilização e expondo-o aos processos erosivos.
Tema 3
A técnica das queimadas
é antiga e herdada dos
indígenas para queimar
a mata e, assim, facilitar
a limpeza para se abrir
um campo de cultivo ou
área de pastagem.
Hidrelétricas
Durante as últimas décadas, hidrelétricas foram
construídas nos rios da bacia do Amazonas, visando o
desenvolvimento da região o que ocasionou impactos
ambientais.
O potencial para construção de hidrelétricas é pequeno,
com predomínio de terrenos planos. Assim, para
abastecer as hidrelétricas, é necessário que extensas
áreas sejam alagadas, onde muitas vezes vivem
comunidades ribeirinhas e grupos indígenas. As
populações são removidas e realocadas, mas nem
sempre são consideradas suas reais necessidades,
havendo prejuízos para essas comunidades.
Tema 3
A construção da Usina de Belo Monte e seus impactos ambientais
24 de maio de 2013
Considerada a maior obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a construção da Usina de
Belo Monte será a terceira maior usina do mundo, localizada no rio Xingu, próximo ao município de
Altamira, no norte do Pará. A previsão de sua entrega é para 2015.
A usina deverá gerar 41,6 milhões de megawatts de energia por ano, o suficiente para atender o consumo
de 20 milhões de pessoas no Brasil. Poderá ajudar também no desenvolvimento econômico da região, com
a criação de empregos.
Apesar destes aspectos positivos, a sua construção irá gerar muitos impactos ambientais também, como a
inundação de áreas das cidades de Altamira e Vitória do Xingu em consequência da construção de dois
canais, que irá desviar o leito original do rio e prejudicar os agricultores e a população local, já que a única
forma de transporte desta região, o transporte fluvial, será interrompida, além de acarretar na redução da
oferta de água. A travessia de um local ao outro é de grande importância estes moradores, já que é dessa
forma que eles têm acesso à médicos, dentistas e fazem seus negócios, como a venda de peixes e
castanhas.
A diminuição da vazão do rio Xingu também afetará as terras indígenas de Paquiçamba e Arara da Volta
Grande do Xingu, prejudicando os índios que vivem da pesca feita no rio. Além disso, o desmatamento na
área poderá ser intensificado, além do aumento da ocupação desordenada do território, causando
impacto sobre essas populações indígenas, condenando seus povos e sua cultura que sempre residiram ao
longo de sua bacia.
A construção desta usina não terá reservatório de água e dependerá da sazonalidade das chuvas. Em
época de cheia a usina deverá operar com metade da capacidade, porém, em tempo de seca, a geração de
energia pode ir um pouco abaixo de 4,5 mil MW. Além disso, a instalação da infraestrutura desta obra
afetará também a flora e a fauna local, causando uma perda irreversível de centenas de espécies. Levando
estes dados em consideração, a viabilidade econômica desta construção se torna contraditória.
Por conta destes impactos, a construção desta usina já foi paralisada e retomada muitas vezes. É uma
polêmica que já dura mais de 20 anos, mas que não impediu o andamento da sua construção, que segue
até hoje.
http://www.pensamentoverde.com.br/meio-ambiente/a-construcao-da-usina-de-belo-monte-e-seus-
impactos-ambientais/
Preservação dos recursos naturais
O desenvolvimento sustentável se refere a qualquer
modelo de desenvolvimento econômico que consiga
satisfazer as necessidades das gerações atuais sem
comprometer as gerações futuras, por meio de medidas
que reduzam o impacto socioambiental, como:
• garantir que o uso das plantas, dos peixes
e de outros seres vivos seja feito de forma
a não interferir no ciclo de reprodução das
espécies exploradas;
• explorar áreas já modificadas, como as
bordas da floresta, sem afetar a
biodiversidade de áreas preservadas;
• reduzir a utilização de matérias-primas e
aumentar a reciclagem e reutilização;
• valorizar as comunidades tradicionais e
aproveitar seus conhecimentos.
Brasil na contramão do
desenvolvimento sustentável.
Tema 4
Aprendendo com as comunidades tradicionais
• Na Região Norte, existem diversas
comunidades tradicionais formadas por:
• ribeirinhos;
• quilombolas;
• grupos indígenas e outros povos da
floresta.
Essas comunidades exploram recursos da floresta
sem agredi-la. Dela obtém alimentos e materiais
usados na construção de utensílios, exploram
comercialmente o látex, a castanha-do-brasil, o açaí,
o guaraná, entre outros.
Tema 4
Muitas empresas praticam a biopirataria. Além de
retirar matéria-prima, tomam para si o
conhecimento popular e não remuneram as pessoas
que forneceram as informações ou o país de onde
retiraram os componentes para suas fórmulas.
Tema 4
Projetos de êxito
Muitas empresas, institutos e organizações não
governamentais estão implantando projetos de
desenvolvimento sustentável que envolvem o
reflorestamento e a agricultura sustentável de
espécies nativas, como o açaí.
Açaí Região Norte
Tema 4
Os grupos indígenas da Amazônia
Entre as regiões brasileiras, a Região Norte possui a maior população
indígena e na Amazônia estão localizados 98,5% das terras indígenas do país,
distribuídas em 422 reservas (aproximadamente 22% de toda a Amazônia
Legal).
Os povos indígenas dependem da floresta e dos rios amazônicos para sua
sobrevivência, e entre os objetivos do desenvolvimento sustentável está
garantir que eles tenham seus direitos respeitados, o que nem sempre
ocorre.
Tema 4
Atualmente, a relação entre as populações indígena
e não indígena tem sido conflituosa, pois ainda são
constantes as invasões das terras indígenas, até
mesmo daquelas demarcadas de acordo com a
Constituição Federal.
Tema 4
As reservas extrativistas
Para preservar os recursos da Floresta Amazônica foram criadas reservas
extrativistas, áreas que pertencem à União e nas quais uma quantidade
determinada de famílias pode explorá-la comercialmente. Nessas reservas
é proibida a transferência de posse e a prática do extrativismo predatório.
A criação das reservas foi o resultado de lutas das comunidades
tradicionais. No Acre, destacou-se Chico Mendes, seringueiro que ficou
conhecido mundialmente pela defesa da floresta. Em 1988, foi
assassinado pelo filho de um seringalista, contrário às posições de
Mendes, que atrapalhavam seus interesses.
Tema 4
Tema 4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
André Luiz Marques
 
Apresentação região norte
Apresentação região norteApresentação região norte
Apresentação região norte
Naty Arantes
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
Stéfano Silveira
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
Bruna Ribeiro Guedes
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
Gustavo Silva de Souza
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasil
Professor
 
Aspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americanoAspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americano
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Continente Asiático
Continente AsiáticoContinente Asiático
Continente Asiático
Cel Rufino
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º ano
Simone Aguiar
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
Prof.Paulo/geografia
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
Prof. Francesco Torres
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
Josi Zanette do Canto
 
A Regionalização da América
A Regionalização da AméricaA Regionalização da América
A Regionalização da América
Cadernizando
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Geografia continente europeu
Geografia   continente europeuGeografia   continente europeu
Geografia continente europeu
André Luiz Marques
 
ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA
ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPAASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA
ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA
Gustavo Silva de Souza
 
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas BrasileirasHidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Saulo Lucena
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
Vinicius Coelho
 

Mais procurados (20)

Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
 
Apresentação região norte
Apresentação região norteApresentação região norte
Apresentação região norte
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasil
 
Aspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americanoAspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americano
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
Continente Asiático
Continente AsiáticoContinente Asiático
Continente Asiático
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º ano
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
 
A Regionalização da América
A Regionalização da AméricaA Regionalização da América
A Regionalização da América
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
 
Geografia continente europeu
Geografia   continente europeuGeografia   continente europeu
Geografia continente europeu
 
ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA
ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPAASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA
ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA
 
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas BrasileirasHidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
 

Semelhante a 7º ano unidade 5 - Região Norte

Material completo - Região norte brasileira
Material completo - Região norte brasileiraMaterial completo - Região norte brasileira
Material completo - Região norte brasileira
Ana Maciel
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
Rosemildo Lima
 
Região norte.caderno
Região norte.cadernoRegião norte.caderno
Região norte.caderno
Camila Brito
 
Geo29
Geo29Geo29
Trab. de geografia
Trab. de geografiaTrab. de geografia
Trab. de geografia
AnaTajes
 
Nordeste síntese sub-regiões
Nordeste   síntese sub-regiõesNordeste   síntese sub-regiões
Nordeste síntese sub-regiões
Márcia Dutra
 
Módulos 10 geografia f1 e f2
Módulos 10 geografia f1 e f2Módulos 10 geografia f1 e f2
Módulos 10 geografia f1 e f2
takahico
 
Regiao Sudeste
Regiao SudesteRegiao Sudeste
Regiao Sudeste
Walquiria Dutra
 
Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
Walquiria Dutra
 
Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
Walquiria Dutra
 
julio.almeida1232
julio.almeida1232julio.almeida1232
julio.almeida1232
Jullio Almeiida
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
Christie Freitas
 
Zona da Mata.pptx
Zona da Mata.pptxZona da Mata.pptx
Zona da Mata.pptx
AlessandroMoreira47
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
Camila Brito
 
COMPLEXO DA AMAZÔNIA.pdf
COMPLEXO DA AMAZÔNIA.pdfCOMPLEXO DA AMAZÔNIA.pdf
COMPLEXO DA AMAZÔNIA.pdf
LucasAraujoMatos
 
Modulo 16 - O Complexo Amazônico
Modulo 16  - O Complexo AmazônicoModulo 16  - O Complexo Amazônico
Modulo 16 - O Complexo Amazônico
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Dominios morfoclimáticos
Dominios morfoclimáticosDominios morfoclimáticos
Dominios morfoclimáticos
Pessoal
 
Região norte 2009
Região norte 2009Região norte 2009
Região norte 2009
Manuel de Abreu
 
Região-centro-oeste.pptx
Região-centro-oeste.pptxRegião-centro-oeste.pptx
Região-centro-oeste.pptx
Ricardo Diniz campos
 
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTEDemétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Deto - Geografia
 

Semelhante a 7º ano unidade 5 - Região Norte (20)

Material completo - Região norte brasileira
Material completo - Região norte brasileiraMaterial completo - Região norte brasileira
Material completo - Região norte brasileira
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
 
Região norte.caderno
Região norte.cadernoRegião norte.caderno
Região norte.caderno
 
Geo29
Geo29Geo29
Geo29
 
Trab. de geografia
Trab. de geografiaTrab. de geografia
Trab. de geografia
 
Nordeste síntese sub-regiões
Nordeste   síntese sub-regiõesNordeste   síntese sub-regiões
Nordeste síntese sub-regiões
 
Módulos 10 geografia f1 e f2
Módulos 10 geografia f1 e f2Módulos 10 geografia f1 e f2
Módulos 10 geografia f1 e f2
 
Regiao Sudeste
Regiao SudesteRegiao Sudeste
Regiao Sudeste
 
Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
 
Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
 
julio.almeida1232
julio.almeida1232julio.almeida1232
julio.almeida1232
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
 
Zona da Mata.pptx
Zona da Mata.pptxZona da Mata.pptx
Zona da Mata.pptx
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
 
COMPLEXO DA AMAZÔNIA.pdf
COMPLEXO DA AMAZÔNIA.pdfCOMPLEXO DA AMAZÔNIA.pdf
COMPLEXO DA AMAZÔNIA.pdf
 
Modulo 16 - O Complexo Amazônico
Modulo 16  - O Complexo AmazônicoModulo 16  - O Complexo Amazônico
Modulo 16 - O Complexo Amazônico
 
Dominios morfoclimáticos
Dominios morfoclimáticosDominios morfoclimáticos
Dominios morfoclimáticos
 
Região norte 2009
Região norte 2009Região norte 2009
Região norte 2009
 
Região-centro-oeste.pptx
Região-centro-oeste.pptxRegião-centro-oeste.pptx
Região-centro-oeste.pptx
 
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTEDemétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
 

Mais de Christie Freitas

Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1
Christie Freitas
 
Unidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcialUnidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcial
Christie Freitas
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
Christie Freitas
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
Christie Freitas
 
6ano unidade3
6ano unidade36ano unidade3
6ano unidade3
Christie Freitas
 
Unidade 8 sexto ano
Unidade 8   sexto anoUnidade 8   sexto ano
Unidade 8 sexto ano
Christie Freitas
 
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7  temas 3 e 4 - sexto anoUnidade 7  temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
Christie Freitas
 
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Christie Freitas
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoanoUnidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoano
Christie Freitas
 
Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4
Christie Freitas
 
Unidade 2 oitavo ano
Unidade 2   oitavo anoUnidade 2   oitavo ano
Unidade 2 oitavo ano
Christie Freitas
 
Unidade 5 6 ano
Unidade 5 6 anoUnidade 5 6 ano
Unidade 5 6 ano
Christie Freitas
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
Christie Freitas
 
Unidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto anoUnidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto ano
Christie Freitas
 
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
Christie Freitas
 
Unidade 9 - 6º ano
Unidade 9   - 6º anoUnidade 9   - 6º ano
Unidade 9 - 6º ano
Christie Freitas
 
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8   temas 3 e 4 sexto anoUnidade 8   temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
Christie Freitas
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
Christie Freitas
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
Christie Freitas
 

Mais de Christie Freitas (20)

Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1
 
Unidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcialUnidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcial
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
6ano unidade3
6ano unidade36ano unidade3
6ano unidade3
 
Unidade 8 sexto ano
Unidade 8   sexto anoUnidade 8   sexto ano
Unidade 8 sexto ano
 
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7  temas 3 e 4 - sexto anoUnidade 7  temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
 
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade4
 
Unidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoanoUnidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoano
 
Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4
 
Unidade 2 oitavo ano
Unidade 2   oitavo anoUnidade 2   oitavo ano
Unidade 2 oitavo ano
 
Unidade 5 6 ano
Unidade 5 6 anoUnidade 5 6 ano
Unidade 5 6 ano
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto anoUnidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto ano
 
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
 
Unidade 9 - 6º ano
Unidade 9   - 6º anoUnidade 9   - 6º ano
Unidade 9 - 6º ano
 
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8   temas 3 e 4 sexto anoUnidade 8   temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
 

Último

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 

Último (20)

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 

7º ano unidade 5 - Região Norte

  • 3. Amazônia é a área de abrangência da Floresta Amazônica, que ultrapassa os limites da Região Norte e avança sobre vários países da América do Sul, conhecida como Amazônia Internacional ou Pan-Amazônia. A Amazônia Legal, criada pelo governo brasileiro para promover o desenvolvimento regional, engloba a área que abrange a Amazônia no país, o que inclui todos os estados da Região Norte, o Mato Grosso e porção do Maranhão. Região Norte e Amazônia não são sinônimos Tema 1
  • 4. Floresta Amazônica A Floresta Amazônica, desde as regiões com proximidades com o Rio Amazonas, Rio Negro, Rio Madeira e até as partes mais altas, está dividida ou subdividida em: Mata de igapó Essa composição vegetativa ocorre em áreas de baixo relevo próximas a rios, permanecendo, por essa razão, alagada. As plantas dessas áreas apresentam estatura máxima de 20 metros, além de cipós e plantas aquáticas. Mata de várzea Vegetação que se estabelece em áreas mais elevadas em relação às matas de igapó, mesmo assim sofre inundações, porém somente nos períodos de cheias. Nelas ocorrem algumas espécies de grande porte, como o cacaueiro e a seringueira Tema 1
  • 5. Ocorre nas regiões que não sofrem com as ações das cheias. Nessa parte da floresta, as árvores apresentam alturas que oscilam entre 30 e 60 metros, desenvolvendo-se com distâncias restritas entre si, fato que dificulta a inserção de luz, uma vez que as copas das árvores ficam muito próximas. Em razão desse fato, não há plantas menores, pois o interior dessas matas é escuro, impossibilitando a reprodução de vegetais por não ocorrer o processo de fotossíntese Mata de terra firme Tema 1
  • 6.
  • 7. Outras formações vegetais A Região Norte apresenta outros tipos de formações vegetais e também áreas de transição entre um tipo de vegetação e outro. Destacam-se os campos, que ocorrem em Roraima, e o cerrado, que ocorre em determinadas áreas de Roraima, Pará, Amapá e em grande parte de Tocantins. Já em áreas costeiras dos estados do Amapá e Pará, as matas de igapó e as matas de várzea dão lugar aos mangues da Amazônia, áreas de grande biodiversidade. Tema 1
  • 8.
  • 9. Clima O clima da região norte engloba dois tipos: Equatorial e o Tropical., mas na maior parte da Região Norte ocorre o clima equatorial úmido, cujas médias de temperatura são elevadas, chegando a ultrapassar 27 °C e contribuindo para a alta taxa de evaporação. ​A amplitude térmica é baixa, com pouca variação de temperatura entre o dia e a noite. A Região Norte apresenta os índices pluviométricos mais altos do país, chegando a superar 2.500 mm anuais em algumas áreas. No estado do Tocantins e em Rondônia há ocorrência de clima tropical, com invernos secos e verões chuvosos. Tema 1
  • 10. Relevo Na Região Norte predominam as terras baixas. Apenas no norte do estado de Roraima, onde se inicia o Planalto das Guianas, são encontradas grandes elevações, como o Pico da Neblina, ponto mais alto do país, e o Monte Roraima. O restante da região apresenta altitudes inferiores a 500 metros e a maior parte se encontra abaixo dos 100 metros.
  • 11. A região Norte apresenta extensos e volumosos rios, como o Amazonas e o Tocantins, que forma a bacia hidrográfica Tocantins- Araguaia. A bacia do Rio Amazonas é a maior do mundo e ocupa uma extensa área da América do Sul, incluindo praticamente toda a Região Norte e porções da Região Centro-Oeste do país. Hidrografia Tema 1
  • 12. Rios e ocupação Na Bacia do Rio Amazonas circula cerca de 20% de toda a água doce do planeta e às margens de seus rios há terras indígenas, comunidades ribeirinhas, vilas e cidades de diversos tamanhos. Na Região Norte há muitas vias fluviais navegáveis e em muitos casos as embarcações representam o principal, senão o único, meio de transporte de pessoas e de mercadorias. O regime de cheias e vazantes influencia aspectos da vida local, como o transporte e a agricultura, pois o alagamento das várzeas durante as cheias resulta em solos fertilizados, que podem ser explorados quando o nível das águas está baixo. Outro aspecto a ser observado é o modo de construção das casas suspensas da população ribeirinha, as palafitas. Palafita no rio Piriá no município de Curralinho no estado do Pará. Transporte Escolar Tema 1
  • 13. Principais atividades econômicas Diversas atividades econômicas motivaram a ocupação da Região Norte. Parte desse processo se deu de forma predatória, com a devastação da floresta e o desrespeito às comunidades tradicionais que lá viviam. A economia da região Norte do Brasil é constituída basicamente por atividades ligadas ao setor primário, destaque para o extrativismo (vegetal, animal e mineral) e agropecuária. Tema 2 Extrativismo Vegetal
  • 14. Extrativismo Na Amazônia, o extrativismo, a caça e a pesca é muito importante para a população porque destas atividades obtém sua sobrevivência. O ciclo da borracha foi um momento da história econômica e social do Brasil, relacionado com a extração de látex da seringueira e comercialização da borracha. Tema 2 Extração de Látex
  • 15. Além do minério de ferro, há também manganês ( na Serra dos Carajás) utilizado com o ferro na produção de ligas metálicas resistentes; a bauxita do qual se extrai a alumina para a produção do alumínio, de largo uso industrial; a cassiterita (minério se produz o estanho); o ouro, encontradas em áreas de aluvião ou em rochas mineralizadas; e o gás natural, na reserva de Urucu, em Coari (AM). O subsolo da Região Norte é muito rico em minérios e conta com grandes reservas, como a de ferro (a maior do mundo). As atividades ligadas à mineração na região Norte têm se despontado como uma relevante fonte de geração de riqueza, especialmente com a instalação de grandes empresas mineradoras. Tema 2
  • 16. Projeto Grande Carajás O projeto não se restringia apenas à exploração de minérios, mas abrangia também a construção de estradas e de uma ferrovia para escoar os minérios e o aproveitamento dos rios para a geração de energia elétrica, por meio da construção da hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. Observe mapa acima. Tema 2 O Projeto Grande Carajás foi criado em 1967 e teve por objetivo realizar a exploração integrada e em alta escala dos recursos minerais dessa província mineralógica, que é considerada a mais rica do mundo (possui minério de ferro, ouro, estanho, bauxita – nome dado ao minério de alumínio -, manganês, níquel e cobre).
  • 17. Indústria A atividade industrial teve impulso por meio de incentivos governamentais na criação de um polo industrial. Zona Franca de Manaus A Zona Franca de Manaus é uma área empresarial e industrial criada na cidade de Manaus, capital do Estado do Amazonas, cujo objetivo principal é atrair empresas e promover uma maior ocupação e integração territorial com a região Norte do país. A Zona Franca de Manaus, área isenta de impostos de importação na qual as empresas podem comprar peças e componentes do exterior a custos baixos, montando eletrodomésticos e outros bens de consumo para serem vendidos em todo o país. Tema 2
  • 18. Agropecuária Programas de ocupação da Região Norte criados entre 1950 e 1980 ajudaram a criar polos agropecuários e atualmente os estados do Pará e Rondônia se destacam no setor, que além da pecuária bovina inclui a pecuária bufalina na Ilha de Marajó (PA) e Roraima e diversas produções agrícolas, como o cacau, a pimenta-do-reino, a mandioca e a soja. Tema 2 Criação de Búfalos – Ilha de Marajó - PA
  • 19. A região é considerada uma fronteira agrícola do Brasil, nela são produzidos desde produtos tradicionais, como mandioca, milho e arroz, até de exportação, como a soja, que tem sido uma cultura bastante difundida na região e ao mesmo tempo a que mais provoca desmatamento da floresta Amazônica, sem contar que áreas cobertas por soja tendem a provocar a diminuição dos índices pluviométricos em cerca de 15%. As pastagens provocam uma redução inferior, aproximadamente 3,9%. Talvez pareça pouco, mas é preocupante, pois a expansão agropecuária ocorre de forma geométrica, se a ocupação para essa atividade continuar nesse ritmo, em pouco tempo o clima característico da região (quente e úmido) se alterará, comprometendo todo o ecossistema. A produção agropecuária na região Norte gera uma grande preocupação ambiental, pelo fato de abrigar a maior floresta equatorial do mundo. É bom lembrar também que o solo amazônico é pobre em nutrientes, desse modo, se retirada a cobertura vegetal a área se transforma praticamente em um deserto. Tema 2
  • 20. Turismo Hoje existem importantes polos hoteleiros na região Norte, como as cidades de Manaus e Parintins, no Amazonas. Os turistas buscam a riqueza natural e cultural do Norte. O ecoturismo, realizado de maneira a minimizar os impactos sobre o meio ambiente, envolvendo comunidades locais, é cada vez mais valorizado na Amazônia, pois estimula a conservação de áreas de floresta Tema 2 Amazon Ecopark
  • 21. Expansão urbana A Região Norte é a maior do país em extensão territorial, porém sua população é pequena, supera somente o Centro-Oeste. A população absoluta da Região Norte responde por cerca de 8% do total do país. Um dado interessante sobre a região em questão é a concentração urbana e rural nas margens de rios, com tal característica temos cidades como Belém, Manaus, Porto Velho, Santarém, entre outras. Esse aspecto recebe o nome de população ribeirinha. Tema 2 Manaus - AM
  • 22. Medidas promovidas pelos governos para a ocupação da Região Norte e o desenvolvimento da indústria e da agropecuária, levaram uma grande expansão urbana na região a partir da segunda metade do século XX. A construção de rodovias promoveu o surgimento de novos centros urbanos e houve forte migração do campo para as grandes cidades, principalmente para as capitais, que cresceram em ritmo acelerado e que ainda sofrem com a falta de planejamento urbano. Em 2010, aproximadamente 73% dos 15,8 milhões de habitantes da Região Norte habitavam áreas urbanas e a expansão das cidades vem pressionando zonas de floresta, sobretudo nas periferias das regiões metropolitanas. Tema 2
  • 24. Principais cidades As duas principais e mais populosas cidades da Região Norte são Belém (PA)e Manaus (AM). As outras capitais, Macapá (AP), Rio Branco, Porto Velho (RO) e Palmas (TO), são cidades de menor porte, consideradas capitais regionais. Os maiores centros urbanos são importantes para os habitantes de pequenos municípios ou da zona rural que para lá se deslocam em busca de produtos e serviços. Tema 2 Monumento marco zero do Equador, aqui fica o meio do mundo - Macapá
  • 25. O desmatamento na Amazônia São causas do desmatamento da Floresta Amazônia: • extração de madeira; • a implantação de áreas destinadas à agropecuária; • a expansão urbana e a abertura de rodovias. A desmatamento da Floresta Amazônica é um dos principais problemas ambientais do mundo atual, em função de sua grande importância para o meio ambiente. Este desmatamento causa extinção de espécies vegetais e animais, trazendo danos irreparáveis para o ecossistema amazônico. Tema 3
  • 26. Diminuição do desmatamento Na Amazônia, o desmatamento tem historicamente sido muito alto. Medidas como leis mais rigorosas, aumento da fiscalização e monitoramento da floresta por satélite têm sido tomadas para evitar o avanço da retirada ilegal de madeira ou abertura de novos campos de cultivo que não obedecem à legislação sobre a preservação da floresta. Tema 3
  • 28. Para atuar na exploração da madeira da floresta, as madeireiras precisam de licença do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, o Ibama. Incentivada pela elevada demanda por produtos madeireiros, a extração legal e ilegal de madeira é uma causa importante da destruição da floresta amazônica. A derrubada de árvores está intimamente ligada à construção de rodovias e a movimentos migratórios. O acesso rodoviário facilita a entrada na mata e a extração seletiva de madeira. Apesar disso, a extração da madeira passou a ocorrer em áreas cada vez mais interiores da floresta, alcançadas por estradas abertas pelos madeireiros. Extração de madeira Tema 3
  • 29. Expansão agropecuária Parte da Floresta Amazônica foi devastada para abrir espaço para as atividades agropecuárias, principalmente para os pastos destinados à criação extensiva de gado. O solo amazônico conta com baixo potencial agrícola, mas diversos cultivos têm apresentado bons resultados com o uso da biotecnologia e de técnicas agrícolas avançadas, principalmente a soja, que avança no sul do estado do Amazonas, Maranhão e Tocantins. Tema 3
  • 31. Queimadas Problemas • Podem se transformar em vastos incêndios florestais; • Causam poluição atmosférica; • Degradam o solo, matando organismos responsáveis pela fertilização e expondo-o aos processos erosivos. Tema 3 A técnica das queimadas é antiga e herdada dos indígenas para queimar a mata e, assim, facilitar a limpeza para se abrir um campo de cultivo ou área de pastagem.
  • 32. Hidrelétricas Durante as últimas décadas, hidrelétricas foram construídas nos rios da bacia do Amazonas, visando o desenvolvimento da região o que ocasionou impactos ambientais. O potencial para construção de hidrelétricas é pequeno, com predomínio de terrenos planos. Assim, para abastecer as hidrelétricas, é necessário que extensas áreas sejam alagadas, onde muitas vezes vivem comunidades ribeirinhas e grupos indígenas. As populações são removidas e realocadas, mas nem sempre são consideradas suas reais necessidades, havendo prejuízos para essas comunidades. Tema 3
  • 33. A construção da Usina de Belo Monte e seus impactos ambientais 24 de maio de 2013 Considerada a maior obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a construção da Usina de Belo Monte será a terceira maior usina do mundo, localizada no rio Xingu, próximo ao município de Altamira, no norte do Pará. A previsão de sua entrega é para 2015. A usina deverá gerar 41,6 milhões de megawatts de energia por ano, o suficiente para atender o consumo de 20 milhões de pessoas no Brasil. Poderá ajudar também no desenvolvimento econômico da região, com a criação de empregos. Apesar destes aspectos positivos, a sua construção irá gerar muitos impactos ambientais também, como a inundação de áreas das cidades de Altamira e Vitória do Xingu em consequência da construção de dois canais, que irá desviar o leito original do rio e prejudicar os agricultores e a população local, já que a única forma de transporte desta região, o transporte fluvial, será interrompida, além de acarretar na redução da oferta de água. A travessia de um local ao outro é de grande importância estes moradores, já que é dessa forma que eles têm acesso à médicos, dentistas e fazem seus negócios, como a venda de peixes e castanhas. A diminuição da vazão do rio Xingu também afetará as terras indígenas de Paquiçamba e Arara da Volta Grande do Xingu, prejudicando os índios que vivem da pesca feita no rio. Além disso, o desmatamento na área poderá ser intensificado, além do aumento da ocupação desordenada do território, causando impacto sobre essas populações indígenas, condenando seus povos e sua cultura que sempre residiram ao longo de sua bacia. A construção desta usina não terá reservatório de água e dependerá da sazonalidade das chuvas. Em época de cheia a usina deverá operar com metade da capacidade, porém, em tempo de seca, a geração de energia pode ir um pouco abaixo de 4,5 mil MW. Além disso, a instalação da infraestrutura desta obra afetará também a flora e a fauna local, causando uma perda irreversível de centenas de espécies. Levando estes dados em consideração, a viabilidade econômica desta construção se torna contraditória. Por conta destes impactos, a construção desta usina já foi paralisada e retomada muitas vezes. É uma polêmica que já dura mais de 20 anos, mas que não impediu o andamento da sua construção, que segue até hoje. http://www.pensamentoverde.com.br/meio-ambiente/a-construcao-da-usina-de-belo-monte-e-seus- impactos-ambientais/
  • 34.
  • 35. Preservação dos recursos naturais O desenvolvimento sustentável se refere a qualquer modelo de desenvolvimento econômico que consiga satisfazer as necessidades das gerações atuais sem comprometer as gerações futuras, por meio de medidas que reduzam o impacto socioambiental, como: • garantir que o uso das plantas, dos peixes e de outros seres vivos seja feito de forma a não interferir no ciclo de reprodução das espécies exploradas; • explorar áreas já modificadas, como as bordas da floresta, sem afetar a biodiversidade de áreas preservadas; • reduzir a utilização de matérias-primas e aumentar a reciclagem e reutilização; • valorizar as comunidades tradicionais e aproveitar seus conhecimentos. Brasil na contramão do desenvolvimento sustentável. Tema 4
  • 36. Aprendendo com as comunidades tradicionais • Na Região Norte, existem diversas comunidades tradicionais formadas por: • ribeirinhos; • quilombolas; • grupos indígenas e outros povos da floresta. Essas comunidades exploram recursos da floresta sem agredi-la. Dela obtém alimentos e materiais usados na construção de utensílios, exploram comercialmente o látex, a castanha-do-brasil, o açaí, o guaraná, entre outros. Tema 4
  • 37. Muitas empresas praticam a biopirataria. Além de retirar matéria-prima, tomam para si o conhecimento popular e não remuneram as pessoas que forneceram as informações ou o país de onde retiraram os componentes para suas fórmulas. Tema 4
  • 38. Projetos de êxito Muitas empresas, institutos e organizações não governamentais estão implantando projetos de desenvolvimento sustentável que envolvem o reflorestamento e a agricultura sustentável de espécies nativas, como o açaí. Açaí Região Norte Tema 4
  • 39. Os grupos indígenas da Amazônia Entre as regiões brasileiras, a Região Norte possui a maior população indígena e na Amazônia estão localizados 98,5% das terras indígenas do país, distribuídas em 422 reservas (aproximadamente 22% de toda a Amazônia Legal). Os povos indígenas dependem da floresta e dos rios amazônicos para sua sobrevivência, e entre os objetivos do desenvolvimento sustentável está garantir que eles tenham seus direitos respeitados, o que nem sempre ocorre. Tema 4
  • 40. Atualmente, a relação entre as populações indígena e não indígena tem sido conflituosa, pois ainda são constantes as invasões das terras indígenas, até mesmo daquelas demarcadas de acordo com a Constituição Federal. Tema 4
  • 41. As reservas extrativistas Para preservar os recursos da Floresta Amazônica foram criadas reservas extrativistas, áreas que pertencem à União e nas quais uma quantidade determinada de famílias pode explorá-la comercialmente. Nessas reservas é proibida a transferência de posse e a prática do extrativismo predatório. A criação das reservas foi o resultado de lutas das comunidades tradicionais. No Acre, destacou-se Chico Mendes, seringueiro que ficou conhecido mundialmente pela defesa da floresta. Em 1988, foi assassinado pelo filho de um seringalista, contrário às posições de Mendes, que atrapalhavam seus interesses. Tema 4