SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças da Modernidade Doenças Cardíacas Obesidade Stress Tabagismo Etilismo Prof. Francisco Robson da Costa Lima
Doenças cardíacas Prof. Francisco Robson da Costa Lima
Com o coração nas mãos   As doenças cardíacas são a principal causa   de morte no país, com 300.000 vítimas fatais a   cada ano. Está ao alcance de todos evitá-las
12 por 8 é ruim   Médicos decretam que pressão boa é a que fica abaixo disso
Os fatores de risco do infarto Fatores de risco que o humorista  “ Bussunda” apresentava ao sofrer  um infarto
Os alertas do corpo   Os sinais que indicam que o coração não está recebendo sangue suficiente podem ser subestimados ou ignorados. Conheça alguns deles: •  Dor ou desconforto no peito. Costuma durar alguns minutos, desaparece e volta em seguida  •  Dor que se irradia do peito para outras áreas do corpo, principalmente pescoço, mandíbulas, braços, estômago e costas  •  Náuseas e vômitos  •  Falta de ar  •  Fadiga excessiva  •  Tontura Fontes: Protásio da Luz, cardiologista do Incor e American Heart Association
Quando uma artéria entope... Lesões nas paredes dos vasos que irrigam o coração servem de depósito para placas de gordura. O acúlumo dessas placas pode bloquear o fluxo sanguíneo  ...e quando ela se rompe... A foto abaixo capta uma hemorragia no momento do infarto. A pressão alta provoca erosão nas paredes internas dos vasos sangüíneos. Em alguns casos, eles estouram
Mulheres na faixa dos 30 anos devem se preocupar com a saúde do coração
 
Exercícios físicos e alimentação saudável ainda são as melhores armas contra doenças cardiovasculares   Esforço que compensa
A prática regular de esportes reduz em 25% os riscos de problemas no coração e melhora o quadro de quem já sofre de uma doença cardíaca. A razão: a atividade física é vital ao controle de colesterol, peso, hipertensão, diabetes e stress – coleção de fatores de risco associados às doenças do coração.  Esforço que compensa
AGITA São Paulo Esforço que compensa   BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA Melhora Perfil Lipídico Diminui P A Diminui Resistência à Insulina Melhora Força Muscular Aumenta Densidade Óssea Melhora Resistência Física Melhora Mobilidade Articular Controla o Peso Corporal
Esforço que compensa   Faixa etária ideal:  todas, mas é apenas a partir de 1 ano que o bebê já tem desenvoltura para as primeiras brincadeiras na piscina Ressalva dos cardiologistas:  é o único dos quatro esportes que não impõe riscos ao coração  NATAÇÃO                          
Faixa etária ideal:  a partir dos 14 anos, quando a estrutura óssea já está preparada para agüentar esse tipo de esforço  Ressalva dos cardiologistas:  controle os batimentos cardíacos por meio de sensores e relógios especiais. Não deixe o ritmo exceder 75% de sua freqüência cardíaca máxima  CORRIDA                          
Faixa etária ideal:  dos 5 (quando as crianças passam a ter mais coordenação motora) aos 55 anos. Depois dessa idade, é bom ouvir a palavra de um médico antes de seguir em frente  Ressalva dos cardiologistas:  não entre em campo apenas uma vez por semana – o despreparo físico sobrecarrega o coração  FUTEBOL                    
VÔLEI                 Faixa etária ideal:  dos 15 aos 55 anos – antes ou depois disso, o vôlei costuma forçar demais as articulações Ressalva dos cardiologistas: os melhores esportes para o coração são aqueles que envolvem esforço constante – não é o caso do vôlei
O sangue revela   Não se podem desprezar os efeitos do LDL, o mau colesterol. Mas os médicos defendem agora que o mais importante é aumentar os níveis de HDL, o colesterol do bem
Como vencer a inflamação  Com a descoberta de que doenças graves como os ataques cardíacos, alguns tipos de câncer e o mal de Alzheimer podem ter como uma das causas as inflamações, os médicos passaram a aconselhar cuidados especiais com elas. Algumas de suas sugestões: EXERCÍCIOS Praticar exercícios regularmente, pelo menos trinta minutos por dia, é um aliado na luta contra a inflamação. Queimar calorias ajuda a reduzir as células de gordura, que são um dos fatores envolvidos nos processos inflamatórios.
Como vencer a inflamação  ALIMENTAÇÃO O consumo de peixe, óleos vegetais, frutas e legumes aumenta a quantidade de substâncias antioxidantes cuja presença no organismo inibe os efeitos destrutivos das inflamações.
Como vencer a inflamação  MEDICAÇÃO Um médico pode recomendar a ingestão regular de aspirina para evitar inflamações em geral. As estatinas, substâncias que diminuem o colesterol, podem ter efeito antiinflamatório sobre o interior das artérias e, assim, aumentar seu efeito protetor do sistema cardiovascular. Pesquisas mostram também o efeito benéfico de certos medicamentos antiinflamatórios não esteróides. HIGIENE ORAL Escovar os dentes e usar o fio dental regularmente ajuda a afastar o risco de doenças periodontais e gengivite, uma das portas de entrada mais comuns para as inflamações.
Os alimentos do bem
Doce prevenção   O chocolate quente junta-se ao vinho tinto e aos chás verde e preto na lista das bebidas benéficas
A importância da prevenção
Com o coração nas mãos   Hoje é possível calcular   com precisão o risco de uma pessoa ter problemas cardíacos no prazo de dez anos. Isso é uma arma poderosa de prevenção
O futuro de seu coração Ok, você já sabe de cor e salteado quais são os maiores  inimigos do coração  –  tabagismo ,  hipertensão ,  colesterol alto ,  diabetes . Mas há uma novidade nesse campo: dá para calcular na ponta do lápis qual é exatamente a probabilidade de uma pessoa ter um problema cardíaco num prazo de dez anos, a partir da exposição a esses fatores de risco. Até pouco tempo atrás, essa contabilidade era impossível de ser feita. Ela só se tornou possível graças aos avanços das pesquisas em cardiologia, a área da medicina que mais evoluiu nos últimos vinte anos. Quer saber o que o futuro reserva ao seu coração, mantidas as suas condições atuais? Então faça o teste.
 
 
Resultado do Teste TESTE CONCLUÍDO, VEJA O QUE FAZER... ...se o resultado de sua avaliação foi  inferior a 11% , o risco de você vir a sofrer de doenças cardíacas nos próximos dez anos é baixo. Para mantê-lo nesse nível, recomendam-se, se for o caso, mudanças no estilo de vida – abandonar o cigarro, praticar exercícios regularmente, ter uma dieta balanceada e manter o peso ideal
Resultado do Teste ...se o seu teste ficou  entre   11% e 20% , o risco é moderado. Além de adotar hábitos mais saudáveis, talvez seja o caso de você tomar diariamente um comprimido de aspirina infantil, que ajuda a afinar o sangue ...se o resultado é  superior a 20%  , a probabilidade de você ser acometido por problemas de coração é altíssima. Além da aspirina, é recomendável o uso de estatinas, drogas para reduzir o colesterol. Se você for diabético ou se tem ou já teve algum problema cardíaco, deve-se considerar ainda o uso de betabloqueadores e inibidores da ECA, drogas contra a pressão alta ...se a avaliação apresentou risco baixo ou moderado, mas o seu nível de LDL é igual ou superior a 130, é o caso de recorrer ao uso de estatinas  Fonte: Raul Santos, cardiologista do Instituto do Coração e do Hospital Albert Einstein, em São Paulo
Visite o Blog Professor Robson e faça o seu teste www.professorrobsoncosta.blogspot.com
Obesidade Prof. Francisco Robson da Costa Lima
 
 
 
O preço da gordura   Pela primeira vez, foram calculados os custos da obesidade no Brasil: 1,5 bilhão de reais por ano
 
Trabalhar engorda   Dos 22 milhões de trabalhadores brasileiros com carteira assinada, 3,1 milhões almoçam todos os dias no restaurante da própria empresa   Uma pesquisa mostra que quase a metade dos funcionários das grandes empresas está acima do peso
 
O prazer da gordura   Seu cérebro não está nem aí com sua saúde.  Ele gosta mesmo é de hambúrguer com batata frita   Spurlock: 11 quilos a mais depois de um mês à base de fast food
Outra má notícia para os gordinhos   Estudos mostram que a obesidade pode comprometer a fertilidade de homens e mulheres   Casal Dançando,  do pintor e escultor colombiano Fernando Botero: o problema é depois da dança
Obesidade e infertilidade
O fim da barriga   Está em curso uma revolução nos estudos sobre a obesidade. Mais importante do que a quantidade de gordura é o modo como ela se distribui pelo corpo. O objetivo agora é eliminar aquela "barriguinha", nociva à estética e à saúde
O perigo do pneu   A gordura abdominal...  ... triplica  o risco de infartos ou derrames ...aumenta em  cinco vezes  a probabilidade de diabetes ...oferece  30%  a mais de risco de casos de câncer, em especial os de mama, útero e cólon  E ainda pode:  • reduzir o colesterol bom, o HDL • aumentar a taxa de triglicérides e o acúmulo de colesterol ruim, o LDL  • elevar a pressão arterial  • causar infertilidade em mulheres  • facilitar a apnéia do sono
Tipos de obesidade
De posse das medidas da cintura e dos quadris, faça a seguinte conta:    Circunferência da cintura (em cm) Circunferência do quadril (em cm)   Relação cintura-quadril RESULTADO  Os valores obtidos não podem ultrapassar 0,90 entre os homens e 0,85 entre as mulheres. Se isso acontecer, é sinal de que a gordura visceral é uma ameaça à saúde
SERGIO CAMPILONGO 39 anos, advogado  Altura:  1,85 metro  Peso:  147 quilos  Glicemia:  94 mg/dl  Triglicérides:  49 mg/dl  Comentário:  Apesar da obesidade mórbida, Campilongo tem a gordura bem distribuída, o que o protege de alterações metabólicas. Sua glicemia e sua taxa de triglicérides são absolutamente normais. Isso não o isenta, no entanto, dos riscos de insuficiência cardíaca, provocada pela sobrecarga do excesso de peso  Tipos de obesidade
CARLOS ESTRELA 62 anos, farmacêutico  Circunferência da cintura:  114 centímetros  Glicemia:  105 mg/dl  Triglicérides:  198 mg/dl  HDL (colesterol bom):  32 mg/dl  Comentário:  A circunferência da cintura de Estrela está muito acima da ideal. O acúmulo de tecido adiposo na região abdominal reflete-se diretamente na glicemia, nos níveis de triglicérides e de HDL, o colesterol bom – alterações metabólicas que o levaram ao diabetes e a um infarto  Tipos de obesidade
FERNANDA BARROSO 29 anos, professora  Glicemia:  65 mg/dl  Triglicérides:  39 mg/dl  Circunferência da cintura:  80 centímetros  Circunferência dos quadris:  105 centímetros  Comentário:  Fernanda é um exemplo típico do perfil pêra, com gordura corporal predominantemente subcutânea. Apesar de mais difícil de ser perdido, esse tipo de gordura é o menos nocivo à saúde. Graças a ele, a probabilidade de a professora desenvolver diabetes ou algum distúrbio cardiovascular é muito baixa  Tipos de obesidade
LUIZ ROTTA FILHO 62 anos, comerciante  Altura:  1,70 metro Peso:  83 quilos  Triglicérides:  390 mg/dl  HDL (colesterol bom):  32 mg/dl  Pressão arterial:  entre 12 por 8 e 15 por 9  Comentário:  Rotta Filho não pertence à categoria dos obesos, mas apresenta depósito de gordura predominantemente abdominal – o que se reflete nos níveis elevados de triglicérides, nas baixas taxas de HDL, o colesterol bom, e nos episódios de hipertensão arterial. É grande o risco de ele sofrer de problemas cardiovasculares  Tipos de obesidade
O que pode ser feito para eliminar a gordura
Alerta contra a gordura trans   Ganha força o movimento para banir da alimentação a mais perigosa das gorduras
 
 
Stress Prof. Francisco Robson da Costa Lima
 
As mais estressadas do mundo   Uma pesquisa inédita revela que as crianças brasileiras vivem sitiadas por medos e preocupações
Esses dados constam de uma pesquisa inédita patrocinada pelo canal Nickelodeon, que ouviu 2 800 crianças entre 8 e 15 anos das classes A e C, em catorze países.
Entrada de uma escola brasileira, com grades e seguranças: lá dentro, a preocupação é a nota; do lado de fora, um medo que abrange de seqüestros a assaltos
 
 
 
É stress?* Assinale as alternativas que mais correspondem ao comportamento de seu filho no último mês Ele se mostrou muito tenso Ele se mostrou agressivo Esteve muito impaciente Ficou triste Sem motivo aparente, ficou entusiasmado Demonstrou desânimo Disse ter pensamentos negativos recorrentes Teve dificuldade para acordar Teve dificuldade de interagir com meninos e meninas da sua idade  Demonstrou estar com a auto-estima baixa e só viu defeitos em si próprio
É stress?* Começou a ter dificuldades nos estudos Começou a usar cigarro, álcool, remédios calmantes ou drogas ilícitas, como maconha Esteve sempre cansado Teve dores de cabeça freqüentes Não conseguiu se concentrar Rangeu os dentes Teve insônia Suas mãos estiveram freqüentemente trêmulas Suou excessivamente nas mãos Ficou constantemente gripado Análise: assinalar mais de onze sintomas pode indicar um quadro de stress. Nesse caso, é recomendável procurar um especialista * O teste, desenvolvido pela psicóloga Valquiria Tricoli com base na Escala de Stress para Adolescentes, serve apenas como indicativo de stress, não como diagnóstico
O stress envelhece   A prova disso foi encontrada dentro  das células por um estudo americano
O stress engorda   Sinais de alerta   Os sintomas abaixo são característicos da obesidade provocada por stress. Se tiver qualquer um deles, procure um médico: Gordura mais concentrada na região do abdome, nas coxas e nos braços  Doenças cardiovasculares, hipertensão arterial e diabetes Depressão  Fome compulsiva à noite Aumento de peso após algum trauma, como separação, morte de parente próximo, desemprego   Fonte: Instituto de Endocrinologia e Diabetes do Rio de Janeiro
Stress X Profissões
Situações que causam mais Stress
Mau humor mata   Pesquisa confirma: quem se irrita constantemente corre mais riscos de sofrer um ataque cardíaco
Como anda a sua raiva? Avalie seu grau de irritabilidade e quanto ele pode ser perigoso, utilizando a Escala Spielberger da Raiva: 1. Perco facilmente a paciência (  ) quase nunca (  ) às vezes (  ) freqüentemente (  ) quase sempre 4 pontos Quase sempre 3 pontos Freqüentemente 2 pontos Às vezes 1 ponto Quase nunca
Como anda a sua raiva? 2. Tenho explosões emocionais (  ) quase nunca (  ) às vezes  (  ) freqüentemente (  ) quase sempre 3. Minha raiva é desproporcional à situação (  ) quase nunca (  ) às vezes (  ) freqüentemente (  ) quase nunca
Como anda a sua raiva? 4. Fico nervoso quando os erros dos outros me atrapalham (  ) quase nunca (  ) às vezes (  ) freqüentemente (  ) quase sempre   5. Fico irritado quando faço um bom trabalho e as pessoas não reconhecem (  ) quase nunca (  ) às vezes (  ) freqüentemente (  ) quase sempre
Como anda a sua raiva? 6. Perco o controle facilmente (  ) quase nunca (  ) às vezes (  ) freqüentemente (  ) quase sempre 7. Quando fico zangado, digo coisas terríveis (  ) quase nunca (  ) às vezes (  ) freqüentemente (  ) quase sempre
Como anda a sua raiva? 8. Fico furioso quando sou criticado na frente de outras pessoas (  ) quase nunca (  ) às vezes (  ) freqüentemente (  ) quase sempre   9. Quando estou irritado, tenho vontade de agredir alguém fisicamente (  ) quase nunca (  ) às vezes (  ) freqüentemente (  ) quase sempre  
10. Fico enfurecido quando faço um bom trabalho e recebo uma má avaliação (  ) quase nunca (  ) às vezes (  ) freqüentemente (  ) quase sempre Como anda a sua raiva?
Como anda a sua raiva?    Resultado: De 22 a 40 pontos  – Você é um raivoso contumaz: irrita-se intensamente e com freqüência. Muito cuidado com o coração  De 15 a 21 pontos  – Nervosinho ocasional: sente raiva apenas de vez em quando e com intensidade moderada. Tente continuar mantendo os nervos sob controle  De 10 a 14 pontos  – Parabéns. Você se irrita pouco e raramente. Sobre o coração, nada a temer  Fonte:  Associação Americana do Coração/Escala Spielberger da Raiva
10 dicas para lidar com o stress   1) FIQUE ATENTO AOS SINTOMAS: pode ser uma súbita sensação de ansiedade ou cansaço exagerado. É mais fácil controlar o problema no estágio inicial.  2) PRATIQUE EXERCÍCIOS FÍSICOS: meia hora diária de ginástica três vezes por semana libera energia, reduz a ansiedade e melhora o humor.
10 dicas para lidar com o stress   3) COMA DIREITO: três ou quatro refeições diárias, feitas com calma, ajudam a relaxar. Alimentação balanceada – sem excesso de álcool, doces, salgadinhos e gorduras – ajuda o organismo a enfrentar a tensão.  4) NÃO ESQUEÇA O LAZER: reserve tempo para atividades que dão prazer, como ler um bom livro, ouvir música, adotar um hobby ou praticar esporte.  5) DIGA NÃO: quem aceita tudo, mesmo a contragosto, tende a acumular obrigações, tanto no trabalho como na vida pessoal. Tarefas além da conta resultam em ansiedade e frustração.
10 dicas para lidar com o stress   6) MUDE DE ATITUDE:  você cria expectativas exageradas? Guarda muito rancor? São comportamentos responsáveis pelos piores quadros de stress. Tente ser mais flexível.  7) CONTE OS SEUS PROBLEMAS:  mesmo que ninguém possa resolver a questão, só o fato de desabafar já é um alívio e tanto. Um psicólogo ou um psicanalista são boas opções.
10 dicas para lidar com o stress   8) DÊ UM TEMPO:  se você trabalha oito, dez horas por dia, pequenas pausas de hora em hora ajudam a relaxar. Cinco minutos bastam para esfriar a cabeça.  9) TRABALHO VOLUNTÁRIO:  canalizar energia para ajudar outras pessoas pode reduzir a tendência natural de amplificar os problemas pessoais ou de prestar demasiada atenção a si próprio.  10) TENTE RELAXAR:  uma técnica eficiente para aliviar a tensão do dia-a-dia consiste em aspirar o ar lentamente e tentar levá-lo para a parte inferior do pulmão. O objetivo é atingir uma respiração regular. Ajuda se a pessoa concentrar o pensamento em um ponto fixo, que pode ser uma frase.
Tabagismo Prof. Francisco Robson da Costa Lima
Medidas de combate ao Tabagismo no Brasil
Estatística do tabagismo no Brasil
Estatística do tabagismo no Brasil
Preço pelo vício
Conteúdo de uma tragada
Substâncias mais nocivas à saúde física
O risco de se viciar com o cigarro é maior
Efeitos do fumo nas mulheres
Os efeitos da fumaça no organismo dos bebês e crianças
O vício dos homens é diferente do vício das mulheres
Dá para viver sem fumar   "Comecei a fumar aos 13 anos e fumava de um maço a um maço e meio por dia. Mas, como tenho uma doença cardíaca grave e já fui operada três vezes, não poderia fumar jamais. Tentei parar algumas vezes, mas nunca consegui. Em março de 2007, tive uma embolia pulmonar e minha médica disse: 'Ou você pára, ou você morre'. A última cartada era o novo remédio. Até agora, está dando certo. Se dependesse de mim, eu continuaria fumando. Gosto da fumaça, do cheiro, da sensação... A diferença é que, em comparação às outras vezes em que tentei parar, não tenho mais vontade de fumar, apesar da saudade do hábito. Sinto falta especialmente naquelas situações em que certamente estaria com o cigarro nas mãos, como quando saio à noite. Sem o cigarro, estou mais ansiosa e comendo mais. Por causa do remédio, sinto enjôos. Mas dá para viver sem fumar."  Gabriella Jorge de Moraes,  26 anos, estudante de psicologia
Imagem pode ser tudo   Estudo afirma que a tomografia é um exame eficaz na detecção precoce do câncer de pulmão. Mas essa conclusão está longe de ser consenso
Imagem da campanha antifumo patrocinada pelo governo inglês: "Não se deixe fisgar" é o slogan   Campanhas antifumo
 
 
 
 
Métodos de tratamento
O arsenal aumenta   Aprovado um remédio que corta o prazer de fumar e evita sintomas de abstinência
 
 
Prognóstico para os que param de fumar
A vida sem cigarro   Parou há quatro anos Nome:  Neimar Alves, 39 anos, publicitária de Porto Alegre Quanto tempo fumou:  Dezessete anos O que motivou a decisão:  Sofreu pressão das filhas, teve problemas de pele, como envelhecimento precoce e rugas O que mudou em sua vida:  Recuperou o paladar. Trocou o cafezinho e o cigarro por água e hoje se sente menos estressada. Melhorou seu desempenho no trabalho e ganhou disposição. Faz ginástica três vezes por semana numa academia
A vida sem cigarro   Parou há seis anos Nome:  Hélio Valle, 34 anos, economista de Belo Horizonte Quanto tempo fumou:  Quinze anos O que motivou a decisão:  Não tinha resistência física para praticar esportes, perdeu peso e estava com a auto-estima em baixa O que mudou em sua vida:  Corre e anda de bicicleta todos os dias, além de ir à academia. Atingiu o peso ideal e recuperou o olfato e o paladar
A vida sem cigarro   Parou há três meses Nome:  Marília Freitas Di Lascio, 37 anos, artista gráfica de São Paulo Quanto tempo fumou:  Vinte anos O que motivou a decisão:  Sentiu queda na resistência física. Também quis prevenir-se contra problemas de pele O que mudou em sua vida:  Depois de engordar 4 quilos, mudou seus hábitos alimentares. Hoje prefere uma dieta rica em verduras e legumes. Voltou a caminhar pela manhã e nada 1.000 metros por semana. A pele está mais hidratada
Obrigado! Visite o Blog Professor Robson www.professorrobsoncosta.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
alimentacao
 
Estilo de Vida Saudavel
Estilo de Vida SaudavelEstilo de Vida Saudavel
Estilo de Vida Saudavel
Tatiana Acioli
 
Corporate Resource Management - CRM - Estresse
Corporate Resource Management - CRM - EstresseCorporate Resource Management - CRM - Estresse
Corporate Resource Management - CRM - Estresse
ColegioFenix
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
alimentacao
 
Slides obesidade
Slides obesidadeSlides obesidade
Slides obesidade
Ana Lucia Costa
 
Benefícios da atividade física para os Diabéticos e os Idosos
Benefícios da atividade física para os Diabéticos e os Idosos Benefícios da atividade física para os Diabéticos e os Idosos
Benefícios da atividade física para os Diabéticos e os Idosos
Yuri Guimarães
 
Obesidade Completo
Obesidade CompletoObesidade Completo
Obesidade Completo
profanabela
 
Atividade Física e Qualidade de Vida
Atividade Física e Qualidade de VidaAtividade Física e Qualidade de Vida
Atividade Física e Qualidade de Vida
Thelsy
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
Vanessa Paiva
 
Beneficios da dança para o corpo
Beneficios da dança para o corpoBeneficios da dança para o corpo
Beneficios da dança para o corpo
Railson Almeida
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
Fernanda Nascimento Nascimento
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
Cíntia Costa
 
O jovem no mercado de trabalho
O jovem no mercado de trabalhoO jovem no mercado de trabalho
O jovem no mercado de trabalho
-
 
A importância da alimentação na atividade física.
A importância da alimentação na atividade física.A importância da alimentação na atividade física.
A importância da alimentação na atividade física.
Selma Brunetti Silva
 
Saúde e bem-estar
Saúde e bem-estarSaúde e bem-estar
Saúde e bem-estar
louisacarla
 
Alimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vidaAlimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vida
phtizzo
 
Sedentarismo
SedentarismoSedentarismo
Sedentarismo
Karina Lima
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
Jessica Timoteo
 
Anabolizantes
Anabolizantes Anabolizantes
Anabolizantes
joell07
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
carlasalgueiro
 

Mais procurados (20)

Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Estilo de Vida Saudavel
Estilo de Vida SaudavelEstilo de Vida Saudavel
Estilo de Vida Saudavel
 
Corporate Resource Management - CRM - Estresse
Corporate Resource Management - CRM - EstresseCorporate Resource Management - CRM - Estresse
Corporate Resource Management - CRM - Estresse
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Slides obesidade
Slides obesidadeSlides obesidade
Slides obesidade
 
Benefícios da atividade física para os Diabéticos e os Idosos
Benefícios da atividade física para os Diabéticos e os Idosos Benefícios da atividade física para os Diabéticos e os Idosos
Benefícios da atividade física para os Diabéticos e os Idosos
 
Obesidade Completo
Obesidade CompletoObesidade Completo
Obesidade Completo
 
Atividade Física e Qualidade de Vida
Atividade Física e Qualidade de VidaAtividade Física e Qualidade de Vida
Atividade Física e Qualidade de Vida
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
 
Beneficios da dança para o corpo
Beneficios da dança para o corpoBeneficios da dança para o corpo
Beneficios da dança para o corpo
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
O jovem no mercado de trabalho
O jovem no mercado de trabalhoO jovem no mercado de trabalho
O jovem no mercado de trabalho
 
A importância da alimentação na atividade física.
A importância da alimentação na atividade física.A importância da alimentação na atividade física.
A importância da alimentação na atividade física.
 
Saúde e bem-estar
Saúde e bem-estarSaúde e bem-estar
Saúde e bem-estar
 
Alimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vidaAlimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vida
 
Sedentarismo
SedentarismoSedentarismo
Sedentarismo
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Anabolizantes
Anabolizantes Anabolizantes
Anabolizantes
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 

Destaque

Qualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalhoQualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalho
niedsonsantana
 
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnoutEnfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
Álvarez Dantas
 
Stress ocupacional
Stress ocupacionalStress ocupacional
Stress ocupacional
Sandro Sans
 
Gestão de stress nas organizações
Gestão de stress nas organizaçõesGestão de stress nas organizações
Gestão de stress nas organizações
rubenm93
 
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
Dra. Myrian Marino
 
Palestra sobre Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho
Palestra sobre Estresse e Qualidade de Vida no TrabalhoPalestra sobre Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho
Palestra sobre Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho
Patrícia Sena
 
Stress No Trabalho
Stress No TrabalhoStress No Trabalho
Stress No Trabalho
Aristides Faria
 
Palestra sobre Stress
Palestra sobre StressPalestra sobre Stress
Palestra sobre Stress
guesteeef299
 
Slide Show - Qualidade de Vida no trabalho
Slide Show - Qualidade de Vida no trabalho Slide Show - Qualidade de Vida no trabalho
Slide Show - Qualidade de Vida no trabalho
Ana Paula Melo
 
Stress
StressStress
Stress
Lala_f
 
Síndrome de burnout
Síndrome de burnoutSíndrome de burnout
Síndrome de burnout
CREVELARO
 
Slide Qualidade de Vida no Trabalho
Slide Qualidade de Vida no TrabalhoSlide Qualidade de Vida no Trabalho
Slide Qualidade de Vida no Trabalho
Crícia Silva
 

Destaque (12)

Qualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalhoQualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalho
 
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnoutEnfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
 
Stress ocupacional
Stress ocupacionalStress ocupacional
Stress ocupacional
 
Gestão de stress nas organizações
Gestão de stress nas organizaçõesGestão de stress nas organizações
Gestão de stress nas organizações
 
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
Palestra "Stress e Ansiedade: O Mal do Século?" Dra. Myrian Marino Martins So...
 
Palestra sobre Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho
Palestra sobre Estresse e Qualidade de Vida no TrabalhoPalestra sobre Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho
Palestra sobre Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho
 
Stress No Trabalho
Stress No TrabalhoStress No Trabalho
Stress No Trabalho
 
Palestra sobre Stress
Palestra sobre StressPalestra sobre Stress
Palestra sobre Stress
 
Slide Show - Qualidade de Vida no trabalho
Slide Show - Qualidade de Vida no trabalho Slide Show - Qualidade de Vida no trabalho
Slide Show - Qualidade de Vida no trabalho
 
Stress
StressStress
Stress
 
Síndrome de burnout
Síndrome de burnoutSíndrome de burnout
Síndrome de burnout
 
Slide Qualidade de Vida no Trabalho
Slide Qualidade de Vida no TrabalhoSlide Qualidade de Vida no Trabalho
Slide Qualidade de Vida no Trabalho
 

Semelhante a Doenças da Modernidade Professor Robson

Obesidade e Trabalho
Obesidade e TrabalhoObesidade e Trabalho
Obesidade e Trabalho
Professor Robson
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
Professor Robson
 
Colesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor RobsonColesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor Robson
Professor Robson
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
ProfCalazans
 
Pfizer informa
Pfizer informaPfizer informa
Pfizer informa
saudefieb
 
O que é colesterol
O que é colesterolO que é colesterol
O que é colesterol
Amadeu Wolff
 
O que é colesterol
O que é colesterol  O que é colesterol
O que é colesterol
Amadeu Wolff
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
archibald29
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
medprev
 
O que é o Colesterol
O que é o ColesterolO que é o Colesterol
O que é o Colesterol
resgatesalta
 
Aulasobrecolesterol
AulasobrecolesterolAulasobrecolesterol
Aulasobrecolesterol
Ana Lúcia Paula
 
Colesterol EsplicaçãO
Colesterol EsplicaçãOColesterol EsplicaçãO
Colesterol EsplicaçãO
Marcos Lourenço
 
Colesterol orientações
Colesterol   orientaçõesColesterol   orientações
Colesterol orientações
Leonardo Alves
 
20061023 Colesterol
20061023 Colesterol20061023 Colesterol
20061023 Colesterol
cab3032
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
Nelson Comegnio
 
Aulasobrecolesterol
AulasobrecolesterolAulasobrecolesterol
Aulasobrecolesterol
guestef9650
 
Pfizer informa
Pfizer informaPfizer informa
Pfizer informa
Armin Caldas
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
carlos ars
 
Aulasobrecolesterol
AulasobrecolesterolAulasobrecolesterol
Aulasobrecolesterol
kotorvaros
 
Colesterol, o que é isso?
Colesterol, o que é isso?Colesterol, o que é isso?
Colesterol, o que é isso?
phpontim
 

Semelhante a Doenças da Modernidade Professor Robson (20)

Obesidade e Trabalho
Obesidade e TrabalhoObesidade e Trabalho
Obesidade e Trabalho
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Colesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor RobsonColesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor Robson
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
 
Pfizer informa
Pfizer informaPfizer informa
Pfizer informa
 
O que é colesterol
O que é colesterolO que é colesterol
O que é colesterol
 
O que é colesterol
O que é colesterol  O que é colesterol
O que é colesterol
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
 
O que é o Colesterol
O que é o ColesterolO que é o Colesterol
O que é o Colesterol
 
Aulasobrecolesterol
AulasobrecolesterolAulasobrecolesterol
Aulasobrecolesterol
 
Colesterol EsplicaçãO
Colesterol EsplicaçãOColesterol EsplicaçãO
Colesterol EsplicaçãO
 
Colesterol orientações
Colesterol   orientaçõesColesterol   orientações
Colesterol orientações
 
20061023 Colesterol
20061023 Colesterol20061023 Colesterol
20061023 Colesterol
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
 
Aulasobrecolesterol
AulasobrecolesterolAulasobrecolesterol
Aulasobrecolesterol
 
Pfizer informa
Pfizer informaPfizer informa
Pfizer informa
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
 
Aulasobrecolesterol
AulasobrecolesterolAulasobrecolesterol
Aulasobrecolesterol
 
Colesterol, o que é isso?
Colesterol, o que é isso?Colesterol, o que é isso?
Colesterol, o que é isso?
 

Mais de Professor Robson

Como cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculoseComo cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculose
Professor Robson
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica
Professor Robson
 
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIVTópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênitaFluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpiãoFluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Professor Robson
 
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Professor Robson
 

Mais de Professor Robson (20)

Como cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculoseComo cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculose
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica
 
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIVTópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
 
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
 
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênitaFluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
 
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpiãoFluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
 
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 

Doenças da Modernidade Professor Robson

  • 1. Doenças da Modernidade Doenças Cardíacas Obesidade Stress Tabagismo Etilismo Prof. Francisco Robson da Costa Lima
  • 2. Doenças cardíacas Prof. Francisco Robson da Costa Lima
  • 3. Com o coração nas mãos As doenças cardíacas são a principal causa de morte no país, com 300.000 vítimas fatais a cada ano. Está ao alcance de todos evitá-las
  • 4. 12 por 8 é ruim Médicos decretam que pressão boa é a que fica abaixo disso
  • 5. Os fatores de risco do infarto Fatores de risco que o humorista “ Bussunda” apresentava ao sofrer um infarto
  • 6. Os alertas do corpo Os sinais que indicam que o coração não está recebendo sangue suficiente podem ser subestimados ou ignorados. Conheça alguns deles: • Dor ou desconforto no peito. Costuma durar alguns minutos, desaparece e volta em seguida • Dor que se irradia do peito para outras áreas do corpo, principalmente pescoço, mandíbulas, braços, estômago e costas • Náuseas e vômitos • Falta de ar • Fadiga excessiva • Tontura Fontes: Protásio da Luz, cardiologista do Incor e American Heart Association
  • 7. Quando uma artéria entope... Lesões nas paredes dos vasos que irrigam o coração servem de depósito para placas de gordura. O acúlumo dessas placas pode bloquear o fluxo sanguíneo ...e quando ela se rompe... A foto abaixo capta uma hemorragia no momento do infarto. A pressão alta provoca erosão nas paredes internas dos vasos sangüíneos. Em alguns casos, eles estouram
  • 8. Mulheres na faixa dos 30 anos devem se preocupar com a saúde do coração
  • 9.  
  • 10. Exercícios físicos e alimentação saudável ainda são as melhores armas contra doenças cardiovasculares Esforço que compensa
  • 11. A prática regular de esportes reduz em 25% os riscos de problemas no coração e melhora o quadro de quem já sofre de uma doença cardíaca. A razão: a atividade física é vital ao controle de colesterol, peso, hipertensão, diabetes e stress – coleção de fatores de risco associados às doenças do coração. Esforço que compensa
  • 12. AGITA São Paulo Esforço que compensa BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA Melhora Perfil Lipídico Diminui P A Diminui Resistência à Insulina Melhora Força Muscular Aumenta Densidade Óssea Melhora Resistência Física Melhora Mobilidade Articular Controla o Peso Corporal
  • 13. Esforço que compensa Faixa etária ideal: todas, mas é apenas a partir de 1 ano que o bebê já tem desenvoltura para as primeiras brincadeiras na piscina Ressalva dos cardiologistas: é o único dos quatro esportes que não impõe riscos ao coração NATAÇÃO                    
  • 14. Faixa etária ideal: a partir dos 14 anos, quando a estrutura óssea já está preparada para agüentar esse tipo de esforço Ressalva dos cardiologistas: controle os batimentos cardíacos por meio de sensores e relógios especiais. Não deixe o ritmo exceder 75% de sua freqüência cardíaca máxima CORRIDA                    
  • 15. Faixa etária ideal: dos 5 (quando as crianças passam a ter mais coordenação motora) aos 55 anos. Depois dessa idade, é bom ouvir a palavra de um médico antes de seguir em frente Ressalva dos cardiologistas: não entre em campo apenas uma vez por semana – o despreparo físico sobrecarrega o coração FUTEBOL                
  • 16. VÔLEI             Faixa etária ideal: dos 15 aos 55 anos – antes ou depois disso, o vôlei costuma forçar demais as articulações Ressalva dos cardiologistas: os melhores esportes para o coração são aqueles que envolvem esforço constante – não é o caso do vôlei
  • 17. O sangue revela Não se podem desprezar os efeitos do LDL, o mau colesterol. Mas os médicos defendem agora que o mais importante é aumentar os níveis de HDL, o colesterol do bem
  • 18. Como vencer a inflamação Com a descoberta de que doenças graves como os ataques cardíacos, alguns tipos de câncer e o mal de Alzheimer podem ter como uma das causas as inflamações, os médicos passaram a aconselhar cuidados especiais com elas. Algumas de suas sugestões: EXERCÍCIOS Praticar exercícios regularmente, pelo menos trinta minutos por dia, é um aliado na luta contra a inflamação. Queimar calorias ajuda a reduzir as células de gordura, que são um dos fatores envolvidos nos processos inflamatórios.
  • 19. Como vencer a inflamação ALIMENTAÇÃO O consumo de peixe, óleos vegetais, frutas e legumes aumenta a quantidade de substâncias antioxidantes cuja presença no organismo inibe os efeitos destrutivos das inflamações.
  • 20. Como vencer a inflamação MEDICAÇÃO Um médico pode recomendar a ingestão regular de aspirina para evitar inflamações em geral. As estatinas, substâncias que diminuem o colesterol, podem ter efeito antiinflamatório sobre o interior das artérias e, assim, aumentar seu efeito protetor do sistema cardiovascular. Pesquisas mostram também o efeito benéfico de certos medicamentos antiinflamatórios não esteróides. HIGIENE ORAL Escovar os dentes e usar o fio dental regularmente ajuda a afastar o risco de doenças periodontais e gengivite, uma das portas de entrada mais comuns para as inflamações.
  • 22. Doce prevenção O chocolate quente junta-se ao vinho tinto e aos chás verde e preto na lista das bebidas benéficas
  • 23. A importância da prevenção
  • 24. Com o coração nas mãos Hoje é possível calcular com precisão o risco de uma pessoa ter problemas cardíacos no prazo de dez anos. Isso é uma arma poderosa de prevenção
  • 25. O futuro de seu coração Ok, você já sabe de cor e salteado quais são os maiores inimigos do coração – tabagismo , hipertensão , colesterol alto , diabetes . Mas há uma novidade nesse campo: dá para calcular na ponta do lápis qual é exatamente a probabilidade de uma pessoa ter um problema cardíaco num prazo de dez anos, a partir da exposição a esses fatores de risco. Até pouco tempo atrás, essa contabilidade era impossível de ser feita. Ela só se tornou possível graças aos avanços das pesquisas em cardiologia, a área da medicina que mais evoluiu nos últimos vinte anos. Quer saber o que o futuro reserva ao seu coração, mantidas as suas condições atuais? Então faça o teste.
  • 26.  
  • 27.  
  • 28. Resultado do Teste TESTE CONCLUÍDO, VEJA O QUE FAZER... ...se o resultado de sua avaliação foi inferior a 11% , o risco de você vir a sofrer de doenças cardíacas nos próximos dez anos é baixo. Para mantê-lo nesse nível, recomendam-se, se for o caso, mudanças no estilo de vida – abandonar o cigarro, praticar exercícios regularmente, ter uma dieta balanceada e manter o peso ideal
  • 29. Resultado do Teste ...se o seu teste ficou entre 11% e 20% , o risco é moderado. Além de adotar hábitos mais saudáveis, talvez seja o caso de você tomar diariamente um comprimido de aspirina infantil, que ajuda a afinar o sangue ...se o resultado é superior a 20% , a probabilidade de você ser acometido por problemas de coração é altíssima. Além da aspirina, é recomendável o uso de estatinas, drogas para reduzir o colesterol. Se você for diabético ou se tem ou já teve algum problema cardíaco, deve-se considerar ainda o uso de betabloqueadores e inibidores da ECA, drogas contra a pressão alta ...se a avaliação apresentou risco baixo ou moderado, mas o seu nível de LDL é igual ou superior a 130, é o caso de recorrer ao uso de estatinas Fonte: Raul Santos, cardiologista do Instituto do Coração e do Hospital Albert Einstein, em São Paulo
  • 30. Visite o Blog Professor Robson e faça o seu teste www.professorrobsoncosta.blogspot.com
  • 31. Obesidade Prof. Francisco Robson da Costa Lima
  • 32.  
  • 33.  
  • 34.  
  • 35. O preço da gordura Pela primeira vez, foram calculados os custos da obesidade no Brasil: 1,5 bilhão de reais por ano
  • 36.  
  • 37. Trabalhar engorda Dos 22 milhões de trabalhadores brasileiros com carteira assinada, 3,1 milhões almoçam todos os dias no restaurante da própria empresa Uma pesquisa mostra que quase a metade dos funcionários das grandes empresas está acima do peso
  • 38.  
  • 39. O prazer da gordura Seu cérebro não está nem aí com sua saúde. Ele gosta mesmo é de hambúrguer com batata frita Spurlock: 11 quilos a mais depois de um mês à base de fast food
  • 40. Outra má notícia para os gordinhos Estudos mostram que a obesidade pode comprometer a fertilidade de homens e mulheres Casal Dançando, do pintor e escultor colombiano Fernando Botero: o problema é depois da dança
  • 42. O fim da barriga Está em curso uma revolução nos estudos sobre a obesidade. Mais importante do que a quantidade de gordura é o modo como ela se distribui pelo corpo. O objetivo agora é eliminar aquela "barriguinha", nociva à estética e à saúde
  • 43. O perigo do pneu A gordura abdominal... ... triplica o risco de infartos ou derrames ...aumenta em cinco vezes a probabilidade de diabetes ...oferece 30% a mais de risco de casos de câncer, em especial os de mama, útero e cólon E ainda pode: • reduzir o colesterol bom, o HDL • aumentar a taxa de triglicérides e o acúmulo de colesterol ruim, o LDL • elevar a pressão arterial • causar infertilidade em mulheres • facilitar a apnéia do sono
  • 45. De posse das medidas da cintura e dos quadris, faça a seguinte conta:   Circunferência da cintura (em cm) Circunferência do quadril (em cm)   Relação cintura-quadril RESULTADO Os valores obtidos não podem ultrapassar 0,90 entre os homens e 0,85 entre as mulheres. Se isso acontecer, é sinal de que a gordura visceral é uma ameaça à saúde
  • 46. SERGIO CAMPILONGO 39 anos, advogado Altura: 1,85 metro Peso: 147 quilos Glicemia: 94 mg/dl Triglicérides: 49 mg/dl Comentário: Apesar da obesidade mórbida, Campilongo tem a gordura bem distribuída, o que o protege de alterações metabólicas. Sua glicemia e sua taxa de triglicérides são absolutamente normais. Isso não o isenta, no entanto, dos riscos de insuficiência cardíaca, provocada pela sobrecarga do excesso de peso Tipos de obesidade
  • 47. CARLOS ESTRELA 62 anos, farmacêutico Circunferência da cintura: 114 centímetros Glicemia: 105 mg/dl Triglicérides: 198 mg/dl HDL (colesterol bom): 32 mg/dl Comentário: A circunferência da cintura de Estrela está muito acima da ideal. O acúmulo de tecido adiposo na região abdominal reflete-se diretamente na glicemia, nos níveis de triglicérides e de HDL, o colesterol bom – alterações metabólicas que o levaram ao diabetes e a um infarto Tipos de obesidade
  • 48. FERNANDA BARROSO 29 anos, professora Glicemia: 65 mg/dl Triglicérides: 39 mg/dl Circunferência da cintura: 80 centímetros Circunferência dos quadris: 105 centímetros Comentário: Fernanda é um exemplo típico do perfil pêra, com gordura corporal predominantemente subcutânea. Apesar de mais difícil de ser perdido, esse tipo de gordura é o menos nocivo à saúde. Graças a ele, a probabilidade de a professora desenvolver diabetes ou algum distúrbio cardiovascular é muito baixa Tipos de obesidade
  • 49. LUIZ ROTTA FILHO 62 anos, comerciante Altura: 1,70 metro Peso: 83 quilos Triglicérides: 390 mg/dl HDL (colesterol bom): 32 mg/dl Pressão arterial: entre 12 por 8 e 15 por 9 Comentário: Rotta Filho não pertence à categoria dos obesos, mas apresenta depósito de gordura predominantemente abdominal – o que se reflete nos níveis elevados de triglicérides, nas baixas taxas de HDL, o colesterol bom, e nos episódios de hipertensão arterial. É grande o risco de ele sofrer de problemas cardiovasculares Tipos de obesidade
  • 50. O que pode ser feito para eliminar a gordura
  • 51. Alerta contra a gordura trans Ganha força o movimento para banir da alimentação a mais perigosa das gorduras
  • 52.  
  • 53.  
  • 54. Stress Prof. Francisco Robson da Costa Lima
  • 55.  
  • 56. As mais estressadas do mundo Uma pesquisa inédita revela que as crianças brasileiras vivem sitiadas por medos e preocupações
  • 57. Esses dados constam de uma pesquisa inédita patrocinada pelo canal Nickelodeon, que ouviu 2 800 crianças entre 8 e 15 anos das classes A e C, em catorze países.
  • 58. Entrada de uma escola brasileira, com grades e seguranças: lá dentro, a preocupação é a nota; do lado de fora, um medo que abrange de seqüestros a assaltos
  • 59.  
  • 60.  
  • 61.  
  • 62. É stress?* Assinale as alternativas que mais correspondem ao comportamento de seu filho no último mês Ele se mostrou muito tenso Ele se mostrou agressivo Esteve muito impaciente Ficou triste Sem motivo aparente, ficou entusiasmado Demonstrou desânimo Disse ter pensamentos negativos recorrentes Teve dificuldade para acordar Teve dificuldade de interagir com meninos e meninas da sua idade Demonstrou estar com a auto-estima baixa e só viu defeitos em si próprio
  • 63. É stress?* Começou a ter dificuldades nos estudos Começou a usar cigarro, álcool, remédios calmantes ou drogas ilícitas, como maconha Esteve sempre cansado Teve dores de cabeça freqüentes Não conseguiu se concentrar Rangeu os dentes Teve insônia Suas mãos estiveram freqüentemente trêmulas Suou excessivamente nas mãos Ficou constantemente gripado Análise: assinalar mais de onze sintomas pode indicar um quadro de stress. Nesse caso, é recomendável procurar um especialista * O teste, desenvolvido pela psicóloga Valquiria Tricoli com base na Escala de Stress para Adolescentes, serve apenas como indicativo de stress, não como diagnóstico
  • 64. O stress envelhece A prova disso foi encontrada dentro das células por um estudo americano
  • 65. O stress engorda Sinais de alerta Os sintomas abaixo são característicos da obesidade provocada por stress. Se tiver qualquer um deles, procure um médico: Gordura mais concentrada na região do abdome, nas coxas e nos braços Doenças cardiovasculares, hipertensão arterial e diabetes Depressão Fome compulsiva à noite Aumento de peso após algum trauma, como separação, morte de parente próximo, desemprego Fonte: Instituto de Endocrinologia e Diabetes do Rio de Janeiro
  • 67. Situações que causam mais Stress
  • 68. Mau humor mata Pesquisa confirma: quem se irrita constantemente corre mais riscos de sofrer um ataque cardíaco
  • 69. Como anda a sua raiva? Avalie seu grau de irritabilidade e quanto ele pode ser perigoso, utilizando a Escala Spielberger da Raiva: 1. Perco facilmente a paciência ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase sempre 4 pontos Quase sempre 3 pontos Freqüentemente 2 pontos Às vezes 1 ponto Quase nunca
  • 70. Como anda a sua raiva? 2. Tenho explosões emocionais ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase sempre 3. Minha raiva é desproporcional à situação ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase nunca
  • 71. Como anda a sua raiva? 4. Fico nervoso quando os erros dos outros me atrapalham ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase sempre 5. Fico irritado quando faço um bom trabalho e as pessoas não reconhecem ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase sempre
  • 72. Como anda a sua raiva? 6. Perco o controle facilmente ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase sempre 7. Quando fico zangado, digo coisas terríveis ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase sempre
  • 73. Como anda a sua raiva? 8. Fico furioso quando sou criticado na frente de outras pessoas ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase sempre   9. Quando estou irritado, tenho vontade de agredir alguém fisicamente ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase sempre  
  • 74. 10. Fico enfurecido quando faço um bom trabalho e recebo uma má avaliação ( ) quase nunca ( ) às vezes ( ) freqüentemente ( ) quase sempre Como anda a sua raiva?
  • 75. Como anda a sua raiva?   Resultado: De 22 a 40 pontos – Você é um raivoso contumaz: irrita-se intensamente e com freqüência. Muito cuidado com o coração De 15 a 21 pontos – Nervosinho ocasional: sente raiva apenas de vez em quando e com intensidade moderada. Tente continuar mantendo os nervos sob controle De 10 a 14 pontos – Parabéns. Você se irrita pouco e raramente. Sobre o coração, nada a temer Fonte: Associação Americana do Coração/Escala Spielberger da Raiva
  • 76. 10 dicas para lidar com o stress 1) FIQUE ATENTO AOS SINTOMAS: pode ser uma súbita sensação de ansiedade ou cansaço exagerado. É mais fácil controlar o problema no estágio inicial. 2) PRATIQUE EXERCÍCIOS FÍSICOS: meia hora diária de ginástica três vezes por semana libera energia, reduz a ansiedade e melhora o humor.
  • 77. 10 dicas para lidar com o stress 3) COMA DIREITO: três ou quatro refeições diárias, feitas com calma, ajudam a relaxar. Alimentação balanceada – sem excesso de álcool, doces, salgadinhos e gorduras – ajuda o organismo a enfrentar a tensão. 4) NÃO ESQUEÇA O LAZER: reserve tempo para atividades que dão prazer, como ler um bom livro, ouvir música, adotar um hobby ou praticar esporte. 5) DIGA NÃO: quem aceita tudo, mesmo a contragosto, tende a acumular obrigações, tanto no trabalho como na vida pessoal. Tarefas além da conta resultam em ansiedade e frustração.
  • 78. 10 dicas para lidar com o stress 6) MUDE DE ATITUDE: você cria expectativas exageradas? Guarda muito rancor? São comportamentos responsáveis pelos piores quadros de stress. Tente ser mais flexível. 7) CONTE OS SEUS PROBLEMAS: mesmo que ninguém possa resolver a questão, só o fato de desabafar já é um alívio e tanto. Um psicólogo ou um psicanalista são boas opções.
  • 79. 10 dicas para lidar com o stress 8) DÊ UM TEMPO: se você trabalha oito, dez horas por dia, pequenas pausas de hora em hora ajudam a relaxar. Cinco minutos bastam para esfriar a cabeça. 9) TRABALHO VOLUNTÁRIO: canalizar energia para ajudar outras pessoas pode reduzir a tendência natural de amplificar os problemas pessoais ou de prestar demasiada atenção a si próprio. 10) TENTE RELAXAR: uma técnica eficiente para aliviar a tensão do dia-a-dia consiste em aspirar o ar lentamente e tentar levá-lo para a parte inferior do pulmão. O objetivo é atingir uma respiração regular. Ajuda se a pessoa concentrar o pensamento em um ponto fixo, que pode ser uma frase.
  • 80. Tabagismo Prof. Francisco Robson da Costa Lima
  • 81. Medidas de combate ao Tabagismo no Brasil
  • 85. Conteúdo de uma tragada
  • 86. Substâncias mais nocivas à saúde física
  • 87. O risco de se viciar com o cigarro é maior
  • 88. Efeitos do fumo nas mulheres
  • 89. Os efeitos da fumaça no organismo dos bebês e crianças
  • 90. O vício dos homens é diferente do vício das mulheres
  • 91. Dá para viver sem fumar "Comecei a fumar aos 13 anos e fumava de um maço a um maço e meio por dia. Mas, como tenho uma doença cardíaca grave e já fui operada três vezes, não poderia fumar jamais. Tentei parar algumas vezes, mas nunca consegui. Em março de 2007, tive uma embolia pulmonar e minha médica disse: 'Ou você pára, ou você morre'. A última cartada era o novo remédio. Até agora, está dando certo. Se dependesse de mim, eu continuaria fumando. Gosto da fumaça, do cheiro, da sensação... A diferença é que, em comparação às outras vezes em que tentei parar, não tenho mais vontade de fumar, apesar da saudade do hábito. Sinto falta especialmente naquelas situações em que certamente estaria com o cigarro nas mãos, como quando saio à noite. Sem o cigarro, estou mais ansiosa e comendo mais. Por causa do remédio, sinto enjôos. Mas dá para viver sem fumar." Gabriella Jorge de Moraes, 26 anos, estudante de psicologia
  • 92. Imagem pode ser tudo Estudo afirma que a tomografia é um exame eficaz na detecção precoce do câncer de pulmão. Mas essa conclusão está longe de ser consenso
  • 93. Imagem da campanha antifumo patrocinada pelo governo inglês: "Não se deixe fisgar" é o slogan Campanhas antifumo
  • 94.  
  • 95.  
  • 96.  
  • 97.  
  • 99. O arsenal aumenta Aprovado um remédio que corta o prazer de fumar e evita sintomas de abstinência
  • 100.  
  • 101.  
  • 102. Prognóstico para os que param de fumar
  • 103. A vida sem cigarro Parou há quatro anos Nome: Neimar Alves, 39 anos, publicitária de Porto Alegre Quanto tempo fumou: Dezessete anos O que motivou a decisão: Sofreu pressão das filhas, teve problemas de pele, como envelhecimento precoce e rugas O que mudou em sua vida: Recuperou o paladar. Trocou o cafezinho e o cigarro por água e hoje se sente menos estressada. Melhorou seu desempenho no trabalho e ganhou disposição. Faz ginástica três vezes por semana numa academia
  • 104. A vida sem cigarro Parou há seis anos Nome: Hélio Valle, 34 anos, economista de Belo Horizonte Quanto tempo fumou: Quinze anos O que motivou a decisão: Não tinha resistência física para praticar esportes, perdeu peso e estava com a auto-estima em baixa O que mudou em sua vida: Corre e anda de bicicleta todos os dias, além de ir à academia. Atingiu o peso ideal e recuperou o olfato e o paladar
  • 105. A vida sem cigarro Parou há três meses Nome: Marília Freitas Di Lascio, 37 anos, artista gráfica de São Paulo Quanto tempo fumou: Vinte anos O que motivou a decisão: Sentiu queda na resistência física. Também quis prevenir-se contra problemas de pele O que mudou em sua vida: Depois de engordar 4 quilos, mudou seus hábitos alimentares. Hoje prefere uma dieta rica em verduras e legumes. Voltou a caminhar pela manhã e nada 1.000 metros por semana. A pele está mais hidratada
  • 106. Obrigado! Visite o Blog Professor Robson www.professorrobsoncosta.blogspot.com