SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
Baixar para ler offline
PRINCÍPIOS BÁSICOS
SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO
PRINCÍPIOS BÁSICOS
O interesse público prevalece sobre o interesse individual
respeitadas as garantias constitucionais e pagas as indenizações
devidas, quando for o caso.
PRESUNÇÃO DE LEGITIMIDADE
Presunção da verdade, que diz respeito à certeza dos fatos;
Presunção da legalidade, presume-se, até prova em contrário, que
todos os seus atos sejam praticados com observância das normas
legais pertinentes.
A presunção é relativa – Juris tantum.
AUTOTUTELA
PRINCÍPIOS BÁSICOS
Súmula 473: “A administração Pública pode anular os seus
próprios atos, quando eivados de vícios que os tornem ilegais,
porque deles não se originam direitos, ou revogá-los, por motivo
de conveniência e oportunidade, respeitados os direitos
adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial”.
CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO
Os serviços públicos não podem parar, devendo manter-se
sempre em funcionamento, dentro das formas e períodos próprios
da prestação.
CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO
DISCUSSÕES:
Greve do servidor público?
Interrupção de serviço de concessão e permissão?
Aplicação da exception non adimplenti contractus em Contratos
da Administração?
CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO
Se o serviço deve ser ininterrupto, o servidor tem direito de
greve?
O servidor público tem sim direito de greve (art.37, VII, CF).
Ocorre que este dispositivo enuncia que o direito de greve do
servidor público será exercido conforme a lei específica.
Mas, qual é essa lei específica? Essa lei específica é ordinária ou
complementar?
PRINCÍPIOS BÁSICOS
Art. 37.
VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites
definidos em lei específica; (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO
Aplicabilidade das Normas Constitucionais
Norma de eficácia plena – aplicação imediata, auto executória;
Norma de eficácia contida – há o direito; pode-se exercê-lo desde
já, mas a lei pode, futuramente, restringir esse direito.
Norma de eficácia limitada – não se pode exercer enquanto não
vier a lei.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
GREVE DO SERVIDOR PÚBLICO:
O servidor tem o direito a greve;
A greve é uma norma de eficácia limitada;
A greve será regulamentada por uma lei ordinária;
CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO
(MI 670; MI 708 e MI 712).
O STF admite a greve dos servidores enquanto não for aprovada a
lei específica do servidor público, aplicando-se a lei do trabalhador
privado no que couber (Lei 7.783/89).
Esse mandado de injunção marcou a história do MI, passando a
ter efeitos concretos, ao invés de meramente declaratórios.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
Em decorrência da aplicação deste princípio, o particular
contratado para executar serviço público não pode alegar a
exceção do contrato não cumprido.
ISONOMIA OU DA IGUALDADE
“O princípio da igualdade consiste em tratar desigualmente os
desiguais e igualmente os iguais” (Aristóteles).
Fundamenta a exigência de concurso público e licitação.
Contudo, o art.78XV da Lei de Licitações e Contratos, permite a
suspensão dos serviços no caso de atraso de pagamento por mais
de 90 dias, salvo se houver calamidade pública, perturbação na
ordem ou guerra.
CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO
Outra questão é com relação dos efeitos do MI, é que ele sempre
foi inter partes.
Nesse caso, o STF mudou também seu posicionamento,
reconhecendo para esses MI o efeito erga omnes, fundamentando
que era para evitar um inchaço de ações.
Esse caso foi uma exceção, não significando que todos os MI do
STF terão efeitos concretos e erga omnes.
CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO
Então, hoje, o servidor tem sim direito de greve, com a aplicação
da lei do trabalhador privado.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
GREVE DO SERVIDOR PÚBLICO:
O servidor tem o direito a greve;
A greve é uma norma de eficácia limitada;
A greve será regulamentada por uma lei ordinária;
De acordo com o Supremo Tribunal Federal o exercício da
greve será possível nos moldes da iniciativa privada.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
Limita a discricionariedade administrativa, na medida em que a
atividade administrativa deve guardar uma proporção adequada
entre os meios que se emprega e o fim que a lei quer alcançar.
INDISPONIBILIDADE OU PODER-DEVER
A administração não pode transigir, ou deixar de aplicar a lei, se
não nos casos expressamente permitidos.
RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE
Fundamenta a limitação do Estado em fazer acordos judiciais.
CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO
(FCC/2009/TJ/SE) A regra geral de proibição de greve nos serviços
públicos, a faculdade de a Administração utilizar equipamentos e
instalações de empresa que com ela contrata, e a necessidade de
institutos com a suplência, a delegação e a substituição, são
consequências do princípio da?
a) continuidade do serviço público.
b) autotutela.
c) legalidade.
d) Segurança Jurídica
CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO
A EXCEPTIO NON ADIMPLETI CONTRACTUS
Esta expressão latina que significa a exceção do contrato não
cumprido.
É a regra, nos contratos bilaterais, pois é um "meio de defesa para
uma das partes que ainda não cumpriu com sua obrigação porque
a parte contrária também não o fez“.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
Em decorrência da aplicação deste princípio, o particular
contratado para executar serviço público não pode alegar a
exceção do contrato não cumprido.
ISONOMIA OU DA IGUALDADE
“O princípio da igualdade consiste em tratar desigualmente os
desiguais e igualmente os iguais” (Aristóteles).
Fundamenta a exigência de concurso público e licitação.
Contudo, o art.78XV da Lei de Licitações e Contratos, permite a
suspensão dos serviços no caso de atraso de pagamento por mais
de 90 dias, salvo se houver calamidade pública, perturbação na
ordem ou guerra.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
Limita a discricionariedade administrativa, na medida em que a
atividade administrativa deve guardar uma proporção adequada
entre os meios que se emprega e o fim que a lei quer alcançar.
RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE
RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE
Agir de forma razoável significa agir de forma lógica, com
coerência, congruência, conforme os padrões do homem médio.
No direito administrativo, esses dois princípios aparecem sempre
juntos.
Proíbem-se, aqui, os excessos e os despropósitos.
Limita a discricionariedade administrativa, na medida em que a
atividade administrativa deve guardar uma proporção adequada
entre os meios que se emprega e o fim que a lei quer alcançar;
RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE
Não devem ser impostas aos administrados obrigações, sanções
ou restrições em medida superior àquela estritamente necessária
ao atendimento do interesse público, devendo-se adequar
razoavelmente os meios aos fins.
Assim, exige-se do agente da Administração Pública um agir com
adequação e proporcionalidade, sem abusos, sem excessos.
RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE
Art. 2º, Lei 9.784 - A Administração Pública obedecerá, dentre
outros, aos princípios da legalidade, finalidade, motivação,
razoabilidade, proporcionalidade, moralidade, ampla defesa,
contraditório, segurança jurídica, interesse público e eficiência.
Razoabilidade e proporcionalidade são princípios implícitos na CF,
mas expressos na norma infraconstitucional, como se observa da
lei 9.784/99, art. 2º.
RAZOABILIDADE X PROPORCIONALIDADE
Antigo instituto do direito anglo-saxão, que remonta a clausula
Law of the land inscrita na Magna Carta de 1215,
O conceito de razoabilidade surgiu há muitos anos atrás, tendo
sua origem e desenvolvimento ligados à garantia do devido
processo legal,
Desenvolveu-se também mais tarde nos Estados Unidos com um
aspecto muito mais substantivo ou material (“substantive due
process of law”), para permitir ao Judiciário investigar o próprio
mérito dos atos do poder público, a fim de verificar se esses atos
são razoáveis, ou seja, se estão conforme a razão, supondo
equilíbrio, moderação e harmonia.
RAZOABILIDADE X PROPORCIONALIDADE
Diferentemente do princípio da razoabilidade, as primeiras noções
de proporcionalidade surgiram com o direito alemão e prussiano
na transição do século XVIII para o século XIX, a fim de que fosse
limitado o poder de polícia da Administração Pública em sua
atuação, com base nos ideais liberais e de superação da era
absolutista.
CONCEITOS DO PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE
“O princípio da razoabilidade, no contexto jurídico-sistemático da
busca do interesse público primário, a exigência de justificada e
adequada ponderação administrativa, aberta nos exatos limites
constitucionais em que a regra de competência habilitadora
autorizar, dos princípios, valores, interesses, bens ou direitos
consagrados no ordenamento jurídico, impondo aos agentes
administrativos que maximize a proteção jurídica dispensada para
cada qual, segundo o peso, importância ou preponderância que
venham adquirir e ostentar em cada caso objeto de decisão.” José
Roberto Pimenta de Oliveira.
O PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE
A proporcionalidade é uma derivação do Direito Administrativo, a
qual assumiu importância no âmbito constitucional com o Tribunal
Constitucional Alemão, regulando a aplicação dos direitos e
garantias fundamentais, a partir dos ideais de Direitos Humanos
surgidos após a Segunda Guerra Mundial.
Basicamente é fundado na relação de causalidade existente entre
um meio e um fim a ser atingido, ou seja, o princípio da
proporcionalidade exige a melhor escolha de um meio para que
determinado fim seja alcançado.
EXERCÍCIO
(Analista/TRT/8ªR/FCC/2010) Agente público que, sendo
competente e adotando regular processo disciplinar com
direito ao contraditório e ampla defesa, aplica sanção
administrativa de demissão a servidor que se ausentou
do serviçodurante o expediente,sem autorização do
chefe imediato, infringe, dentre outros, o princípio da
a) razoabilidade.
b) supremacia do interesse público.
c) motivação.
d) impessoalidade.
e) eficiência.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
INDISPONIBILIDADE OU PODER-DEVER
A administração não pode transigir, ou deixar de aplicar a lei, se
não nos casos expressamente permitidos.
Fundamenta a limitação do Estado em fazer acordos judiciais.
INDISPONIBILIDADE OU PODER-DEVER
A administração não pode transigir, ou deixar de aplicar a lei,
senão nos casos expressamente permitidos.
Nem dispor de bens, verbas ou interesses fora dos estritos limites
legais.
Assim, os poderes atribuídos ao administrador público têm a
natureza de poder-dever, ele não pode deixar de exercê-los, sob
pena de configurar a omissão.
EXERCÍCIOS
(CESPE - 2013 – MJ) Com referência aos princípios do direito
administrativo e aos poderes da administração, julgue os próximos
itens.
As restrições impostas à atividade administrativa que decorrem do
fato de ser a administração pública mera gestora de bens e de
interesses públicos derivam do princípio da indisponibilidade do
interesse público, que é um dos pilares do regime jurídico-
administrativo.
( ) Certo ( ) Errado
PRINCÍPIOS BÁSICOS
ATO ADMINISTRATIVO
Competência
Finalidade
Forma
Motivo
Objeto
PRINCÍPIOS BÁSICOS
A regra geral é a obrigatoriedade da motivação, tanto para atos
vinculados, quanto para atos discricionários, salvo quanto a lei
expressamente dispensar a motivação.
MOTIVAÇÃO
É a explicação por escrito
dos motivos.
É o fundamento de fato e
de direito.
MOTIVO=
MOTIVAÇÃO
A motivação dos atos administrativos vem se impondo dia a dia,
como uma exigência do Direito Público e da legalidade
governamental.
Por princípio, as decisões administrativas devem ser motivadas
formalmente, vale dizer que a parte dispositiva deve vir precedida
de uma explicação ou exposição dos fundamentos de fato
(motivos-pressupostos) e de direito (motivos-determinantes da
lei).
MOTIVAÇÃO
No direito administrativo, a motivação deverá constituir norma,
não só por razões de boa administração, como porque toda
autoridade ou Poder em um sistema de governo representativo
deve explicar legalmente, ou juridicamente suas decisões.
MOTIVAÇÃO
Motivo e motivação são institutos autônomos e não se
confundem.
Motivo é a situação fática ou jurídica que impulsionou à feitura do
ato. Não pode haver, jamais, um ato administrativo sem o
elemento motivo.
MOTIVAÇÃO
Motivação pode ser entendida como a explanação, a
fundamentação, a explicitação dos motivos que conduziram o
agente público para a elaboração do ato administrativo.
Com esteio na lei 9784/99, Hely Lopes Meirelles diz que
“denomina-se motivação a exposição ou a indicação por escrito
dos fatos e dos fundamentos jurídicos do ato”.
MOTIVAÇÃO
Geralmente a motivação é apresentada sob a forma de
“considerandos”.
Motivar significa apresentar e explicar, de maneira clara e
congruente, os elementos que ensejaram o convencimento da
autoridade, indicando os fatos e os fundamentos jurídicos que
foram considerados.
EXERCÍCIOS
7. ( UEG - 2013 - PC-GO - Escrivão de Polícia Civil) Pelo significado do
princípio da motivação,
a) a Administração deve zelar pela legalidade de seus atos e
condutas e pela adequação deles ao interesse público. PRINCÍPIO DA
LEGALIDADE E DA FINALIDADE
b) o administrador tem o dever de explicitar as razões que o levam a
decidir, bem como os fins desejados e a fundamentação legal
adotada.
c) o motivo é elemento do ato administrativo, sem o qual a decisão
padece de vício.
d) os atos administrativos materializados em documentos gozam de
fé pública. PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE LEGITIMIDADE E NÃO
PRINCÍPIO DA MOTIVAÇÃO.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
ESPECIALIDADE
Aplica-se mais às autarquias. Não podem elas ter outras funções
além daquelas para as quais foram criadas, salvo alteração legal
posterior.
PRINCÍPIO DA ESPECIALIDADE
Porém, conforme nos ensina Maria Sylvia Di Pietro, embora esse
princípio se refira mais às autarquias, não há razão para negar a
sua aplicação quanto às demais pessoas jurídicas, instituídas por
lei, para integrarem a Administração Indireta, pois sendo
instituídas por lei, não podem desviar-se dos objetivos legalmente
definidos.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
A Administração Pública direta fiscaliza as atividades dos seus
entes e órgãos, com o objetivo de garantir suas finalidades
institucionais.
PRINCÍPIO DO CONTROLE OU TUTELA
VINCULAÇÃO
SUBORDINAÇÃO
PR
MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES
ANATEL
EXERCÍCIOS
(FCC/Analista Jud. Adm./TRE/RN/11) O princípio segundo o
qual a Administração Pública Direta fiscaliza as atividades dos
entes da Administração Indireta denomina-se
a) finalidade.
b) controle OU TUTELA.
c) autotutela.
d) supremacia do interesse público.
e) legalidade.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
HIERARQUIA
Em consonância com o princípio da hierarquia, os órgãos da
Administração Pública são estruturados de tal forma que se cria
uma relação de coordenação e subordinação entre uns e outros,
cada qual com atribuições previstas em lei.
HIERARQUIA
Em consonância com o princípio da hierarquia, os órgãos da
Administração Pública são estruturados de tal forma que se cria
uma relação de coordenação e subordinação entre uns e outros,
cada qual com atribuições previstas em lei.
Desse princípio decorre uma série de prerrogativas para a
Administração: a de rever os atos dos subordinados, a de delegar
e avocar atribuições, a de punir; para o subordinado surge o dever
de obediência.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
Tal princípio foi acrescentado pelo artigo 2º, da caput, da Lei n°
9.784/99.
Artigo 2º: “interpretação da norma administrativa da forma que
melhor garanta o atendimento do fim público a que se dirige,
vedada a aplicação retroativa de nova interpretação.”
SEGURANÇA JURÍDICA
SEGURANÇA JURÍDICA
O princípio se justifica pelo fato de ser comum, na esfera
administrativa, haver mudança de interpretação de determinadas
normas legais, com a consequente mudança de orientação, em
caráter normativo, afetando situações já reconhecidas e
consolidadas na vigência de orientação anterior, gerando
insegurança jurídica.
Assim, se a lei deve respeitar o direito adquirido, o ato jurídico
perfeito e a coisa julgada, por respeito ao princípio da segurança
jurídica, não é admissível que os administrados tenham seus
direitos ameaçados pelas interpretações jurídicas variáveis no
tempo.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO
Assegura o cumprimento do art. 5º, LV da CF que assegura aos
litigantes e acusados em geral, o contraditório e a ampla defesa,
com os meios e recursos a ela inerentes.
AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO
Assegura o cumprimento do art. 5o, LV da CF que assegura aos
litigantes e acusados em geral, o contraditório e a ampla defesa,
com os meios e recursos a ela inerentes.
AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO
Na via administrativa, esses princípios são novos, surgindo a partir
da CF/88:
Art.5º, LV “Os processos administrativos e judiciais devem
respeitar o contraditório e a ampla defesa”.
A maioria das nulidades em processo administrativo está ligada à
falta de contraditório e de ampla defesa.
AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO
Contraditório é dar ciência à parte da existência do processo;
Bilateralidade do processo administrativo;
Estado Democrático de Direito: ninguém pode ser processado e
condenado sem ter direito de participar da decisão judicial ou
administrativa;
AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO
Pela ampla defesa, deve-se dar a oportunidade da parte se
defender, ainda que ela não exerça efetivamente essa defesa.
Exigências/ desdobramentos/ condições para a ampla defesa:
(1) A defesa deve ser prévia ao julgamento.
- procedimento preestabelecido;
- penalidades previamente estabelecidas;
EXERCÍCIOS
FCC/2010/TCE/RO) O artigo 5º, inciso LV, da Constituição Federal estabelece que "aos
litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados, em geral, são
assegurados o contraditório e a ampla defesa, com os meios e recursos a eles
inerentes". Os princípios do contraditório e da ampla defesa
a) aplicam-se exclusivamente aos processos administrativos disciplinares.
b) pressupõem a existência de litígio instaurado, podendo ser invocados
somente após formalização de acusação.
c) aplicam-se nos processos administrativos, dentre outros casos, sempre que
houver a possibilidade de repercussão desfavorável na esfera jurídica dos
envolvidos.
d) podem ser dispensados especialmente quando não houver repercussão
patrimonial no processo administrativo.
e) não ensejam, no processo administrativo, a anulação dos atos e decisões
proferidas, salvo na hipótese de comprovado prejuízo funcional ao servidor
envolvido.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
PRINCÍPIO DO CONTROLE JUDICIAL:
PRINCÍPIO DO CONTROLE JUDICIAL E DA RESPONSABILIDADE DO
ESTADO POR ATO ADMINISTRATIVO
Art. 5º
XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão
ou ameaça a direito;
PRINCÍPIOS BÁSICOS
RESPONSABILIDADE DO ESTADO:
Art. 37.
§ 6º - As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado
prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que
seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o
direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou
culpa.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
Poder-Dever de Agir
Significa que o Administrador Público deve agir com presteza,
agilidade, configurando a boa administração.
PODERES E DEVERES DO ADMINISTRADOR PÚBLICO
Hely Lopes Meirelles (2005:106) enumera três principais deveres
do Administrador Público:
1º DEVER DE EFICIÊNCIA:
PRINCÍPIOS BÁSICOS
O art. 37 § 4º da CF preconiza que os atos de improbidade
administrativa importarão a suspensão dos direitos políticos, a
perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o
ressarcimento ao erário, na forma e gradação previstas em lei, sem
prejuízo da ação penal cabível.
2º DEVER DE PROBIDADE
Lei 8.429/92, que lista três condutas básicas:
• ações ou omissões que causam enriquecimento ilícito;
• que causam prejuízo ao erário
• violem qualquer princípio da Administração Pública.
PRINCÍPIOS BÁSICOS
3º Dever de prestar contas
PRINCÍPIOS BÁSICOS
Ocorre quando a autoridade, embora competente para
praticar o ato, vai além do permitido e exorbita no uso de suas
faculdades administrativas. Excede sua competência legal e
invalida o ato, que se torna arbitrário, ilícito e nulo.
ABUSO DE PODER DIVIDE-SE EM DUAS ESPÉCIES:
Excesso de poder:
PRINCÍPIOS BÁSICOS
O Desvio de finalidade ou de poder caracteriza-se quando a
autoridade, embora atuando nos limites de sua competência,
pratica o ato por motivos ou com fins diversos dos objetivados
pela lei ou pelo interesse público.
Desvio de Poder ou Desvio de Finalidade:
PRINCÍPIOS BÁSICOS
A lei regulamentar da ação popular ( lei 4.717 de 29.6.65)
consigna o desvio de finalidade como vício nulificador do ato
administrativo lesivo do patrimônio público e o considera
caracterizado quando o “agente pratica o ato visando a fim
diverso daquele previsto, explícita ou implicitamente, na regra
da competência, (art. 2º , ‘e’, e parágrafo único, ‘e’).
Desvio de Poder ou Desvio de Finalidade:
PRINCÍPIOS BÁSICOS
OMISSÃO DA ADMINISTRAÇÃO:
Então, a inércia da Administração, retardando ato ou fato que
deva praticar, abuso de poder que enseja correção judicial e
indenização ao prejudicado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dissecando a lei 8112 atualizada (1)
Dissecando a lei 8112 atualizada (1)Dissecando a lei 8112 atualizada (1)
Dissecando a lei 8112 atualizada (1)Sidney Arcanjo
 
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos AdministrativosDaniel Oliveira
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativoItalo Higino
 
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo  apostila-resumo bom para concursosDireito administrativo  apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursosleticia_sa
 
Direito administrtivo resumão
Direito administrtivo   resumãoDireito administrtivo   resumão
Direito administrtivo resumãoPaula Tavares
 
Curso de Introdução ao Direito Administrativo
Curso de Introdução ao Direito AdministrativoCurso de Introdução ao Direito Administrativo
Curso de Introdução ao Direito Administrativochrystianlima
 
Direito empresarial teoria geral da empresa
Direito empresarial   teoria geral da empresaDireito empresarial   teoria geral da empresa
Direito empresarial teoria geral da empresaDiego Gomes
 
Resumo de Direito Administrativo para INSS 2016
Resumo de Direito Administrativo para INSS 2016Resumo de Direito Administrativo para INSS 2016
Resumo de Direito Administrativo para INSS 2016Estratégia Concursos
 
Ética no serviço público
Ética no serviço públicoÉtica no serviço público
Ética no serviço públicoAnderson Leite
 
Resumo art. 37 a 41 cf
Resumo art. 37 a 41 cfResumo art. 37 a 41 cf
Resumo art. 37 a 41 cfJully Oliver
 
Princípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração públicaPrincípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração públicaJaqueline dos Santos
 

Mais procurados (20)

Dissecando a lei 8112 atualizada (1)
Dissecando a lei 8112 atualizada (1)Dissecando a lei 8112 atualizada (1)
Dissecando a lei 8112 atualizada (1)
 
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
Resumao completo direito administrativo   direito administrativoResumao completo direito administrativo   direito administrativo
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
 
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Civil apresentação 1
Civil apresentação 1Civil apresentação 1
Civil apresentação 1
 
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo  apostila-resumo bom para concursosDireito administrativo  apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
 
Aula 7 ato administrativo
Aula 7   ato administrativoAula 7   ato administrativo
Aula 7 ato administrativo
 
Aula Administração direta e indireta
Aula Administração direta e indiretaAula Administração direta e indireta
Aula Administração direta e indireta
 
Direito administrtivo resumão
Direito administrtivo   resumãoDireito administrtivo   resumão
Direito administrtivo resumão
 
Curso de Introdução ao Direito Administrativo
Curso de Introdução ao Direito AdministrativoCurso de Introdução ao Direito Administrativo
Curso de Introdução ao Direito Administrativo
 
Direito empresarial teoria geral da empresa
Direito empresarial   teoria geral da empresaDireito empresarial   teoria geral da empresa
Direito empresarial teoria geral da empresa
 
Resumo de Direito Administrativo para INSS 2016
Resumo de Direito Administrativo para INSS 2016Resumo de Direito Administrativo para INSS 2016
Resumo de Direito Administrativo para INSS 2016
 
Jornada de trabalho
Jornada de trabalhoJornada de trabalho
Jornada de trabalho
 
Ética no serviço público
Ética no serviço públicoÉtica no serviço público
Ética no serviço público
 
Resumo art. 37 a 41 cf
Resumo art. 37 a 41 cfResumo art. 37 a 41 cf
Resumo art. 37 a 41 cf
 
Legislação Trabalhista
Legislação TrabalhistaLegislação Trabalhista
Legislação Trabalhista
 
Princípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração públicaPrincípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração pública
 
Sociologia juridica
Sociologia juridica Sociologia juridica
Sociologia juridica
 
Níveis organizacionais
Níveis organizacionaisNíveis organizacionais
Níveis organizacionais
 
Economia mista
Economia mistaEconomia mista
Economia mista
 

Destaque

Questões direito administrativo
Questões direito administrativoQuestões direito administrativo
Questões direito administrativoFilipe Antunes
 
Histórias de Vida Volume III - Mulheres do direito, Mulheres no Ministério Pú...
Histórias de Vida Volume III - Mulheres do direito, Mulheres no Ministério Pú...Histórias de Vida Volume III - Mulheres do direito, Mulheres no Ministério Pú...
Histórias de Vida Volume III - Mulheres do direito, Mulheres no Ministério Pú...Ministério Público de Santa Catarina
 
Presentations - Zarget CRO meetup 2017
Presentations - Zarget CRO meetup 2017Presentations - Zarget CRO meetup 2017
Presentations - Zarget CRO meetup 2017ZargetHQ
 
Direito administrativo exercícios (1)
Direito administrativo   exercícios (1)Direito administrativo   exercícios (1)
Direito administrativo exercícios (1)Andreza Pollyana
 
Creating Packages that Run Anywhere with Chef Habitat
Creating Packages that Run Anywhere with Chef HabitatCreating Packages that Run Anywhere with Chef Habitat
Creating Packages that Run Anywhere with Chef HabitatNell Shamrell-Harrington
 
6° Período embrionario y Período fetal
6° Período embrionario y Período fetal6° Período embrionario y Período fetal
6° Período embrionario y Período fetalFelipe Flores
 
3° División celular y gametogénesis
3° División celular y gametogénesis3° División celular y gametogénesis
3° División celular y gametogénesisFelipe Flores
 
Highest Rated Satisfaction (Overall)
Highest Rated Satisfaction (Overall)Highest Rated Satisfaction (Overall)
Highest Rated Satisfaction (Overall)G2Crowd
 
Compras administracao publica
Compras administracao publica Compras administracao publica
Compras administracao publica Kayo César
 
A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS VEREADORES NA DISCUSSÃO DO PLANO DIRETOR PE...
A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS VEREADORES NA DISCUSSÃO DO PLANO DIRETOR PE...A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS VEREADORES NA DISCUSSÃO DO PLANO DIRETOR PE...
A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS VEREADORES NA DISCUSSÃO DO PLANO DIRETOR PE...Isabela Espíndola
 
Taller de Color · Pac 1 · Paquita Ribas
Taller de Color · Pac 1 · Paquita RibasTaller de Color · Pac 1 · Paquita Ribas
Taller de Color · Pac 1 · Paquita RibasPaquita Ribas
 
экскурсия в библиотеку имени франко
экскурсия в библиотеку имени франкоэкскурсия в библиотеку имени франко
экскурсия в библиотеку имени франкоpeshkova_anastasiya
 
заняття лIлi укр
заняття лIлi укрзаняття лIлi укр
заняття лIлi укрAlyona Bilyk
 
Types of English Sentences 1
Types of English Sentences 1Types of English Sentences 1
Types of English Sentences 1Omaima Ayoub
 
Understanding Authenticity in Language Teaching & Assessment
Understanding Authenticity in Language Teaching & Assessment Understanding Authenticity in Language Teaching & Assessment
Understanding Authenticity in Language Teaching & Assessment Omaima Ayoub
 

Destaque (20)

Questões direito administrativo
Questões direito administrativoQuestões direito administrativo
Questões direito administrativo
 
Тишлиева М.Г.
Тишлиева М.Г.Тишлиева М.Г.
Тишлиева М.Г.
 
Actividad2
Actividad2Actividad2
Actividad2
 
Histórias de Vida Volume III - Mulheres do direito, Mulheres no Ministério Pú...
Histórias de Vida Volume III - Mulheres do direito, Mulheres no Ministério Pú...Histórias de Vida Volume III - Mulheres do direito, Mulheres no Ministério Pú...
Histórias de Vida Volume III - Mulheres do direito, Mulheres no Ministério Pú...
 
Flashtennis semanario 27 febrero 2017
Flashtennis semanario 27 febrero 2017Flashtennis semanario 27 febrero 2017
Flashtennis semanario 27 febrero 2017
 
Presentations - Zarget CRO meetup 2017
Presentations - Zarget CRO meetup 2017Presentations - Zarget CRO meetup 2017
Presentations - Zarget CRO meetup 2017
 
Direito administrativo exercícios (1)
Direito administrativo   exercícios (1)Direito administrativo   exercícios (1)
Direito administrativo exercícios (1)
 
Creating Packages that Run Anywhere with Chef Habitat
Creating Packages that Run Anywhere with Chef HabitatCreating Packages that Run Anywhere with Chef Habitat
Creating Packages that Run Anywhere with Chef Habitat
 
6° Período embrionario y Período fetal
6° Período embrionario y Período fetal6° Período embrionario y Período fetal
6° Período embrionario y Período fetal
 
3° División celular y gametogénesis
3° División celular y gametogénesis3° División celular y gametogénesis
3° División celular y gametogénesis
 
Highest Rated Satisfaction (Overall)
Highest Rated Satisfaction (Overall)Highest Rated Satisfaction (Overall)
Highest Rated Satisfaction (Overall)
 
Compras administracao publica
Compras administracao publica Compras administracao publica
Compras administracao publica
 
A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS VEREADORES NA DISCUSSÃO DO PLANO DIRETOR PE...
A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS VEREADORES NA DISCUSSÃO DO PLANO DIRETOR PE...A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS VEREADORES NA DISCUSSÃO DO PLANO DIRETOR PE...
A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS VEREADORES NA DISCUSSÃO DO PLANO DIRETOR PE...
 
Taller de Color · Pac 1 · Paquita Ribas
Taller de Color · Pac 1 · Paquita RibasTaller de Color · Pac 1 · Paquita Ribas
Taller de Color · Pac 1 · Paquita Ribas
 
экскурсия в библиотеку имени франко
экскурсия в библиотеку имени франкоэкскурсия в библиотеку имени франко
экскурсия в библиотеку имени франко
 
Ação Civil Pública transporte escolar [08.2017.00050937-5
Ação Civil Pública transporte escolar [08.2017.00050937-5Ação Civil Pública transporte escolar [08.2017.00050937-5
Ação Civil Pública transporte escolar [08.2017.00050937-5
 
заняття лIлi укр
заняття лIлi укрзаняття лIлi укр
заняття лIлi укр
 
Types of English Sentences 1
Types of English Sentences 1Types of English Sentences 1
Types of English Sentences 1
 
Understanding Authenticity in Language Teaching & Assessment
Understanding Authenticity in Language Teaching & Assessment Understanding Authenticity in Language Teaching & Assessment
Understanding Authenticity in Language Teaching & Assessment
 
ACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - Criciúma
ACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - CriciúmaACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - Criciúma
ACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - Criciúma
 

Semelhante a Direito Administrativo - Princípios Básicos

Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito AdministrativoAPMBA
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito AdministrativoAPMBA
 
Apostila dir administrativo
Apostila dir administrativoApostila dir administrativo
Apostila dir administrativoarigabal
 
Resumo muito bom_eu_avaliei_lei 8.112_dir_adm
Resumo muito bom_eu_avaliei_lei 8.112_dir_admResumo muito bom_eu_avaliei_lei 8.112_dir_adm
Resumo muito bom_eu_avaliei_lei 8.112_dir_admFernando Beltrao
 
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01Karine Garuzzi
 
Resumo muito bom!!! eu avaliei.
Resumo muito bom!!! eu avaliei.Resumo muito bom!!! eu avaliei.
Resumo muito bom!!! eu avaliei.lettyciaufrrj
 
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre MazzaResumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre MazzaJamile Silva
 
Apostila complementar-dpe-rs-tecnico-nocoes-de-direito-administrativo-tatiana...
Apostila complementar-dpe-rs-tecnico-nocoes-de-direito-administrativo-tatiana...Apostila complementar-dpe-rs-tecnico-nocoes-de-direito-administrativo-tatiana...
Apostila complementar-dpe-rs-tecnico-nocoes-de-direito-administrativo-tatiana...Adriana Mattos da Silva
 
principiosdireitoadministrativo
principiosdireitoadministrativoprincipiosdireitoadministrativo
principiosdireitoadministrativoRosangelaBraatz1
 
Princípios de direito administrativo
Princípios de direito administrativoPrincípios de direito administrativo
Princípios de direito administrativoLenise Barros
 
Mat completo dir. adm carreiras jurídicas 2015
Mat completo dir. adm carreiras jurídicas 2015Mat completo dir. adm carreiras jurídicas 2015
Mat completo dir. adm carreiras jurídicas 2015Fabiano Gabriel
 
Material Completo D. ADM CERS 2015
Material Completo D. ADM CERS 2015Material Completo D. ADM CERS 2015
Material Completo D. ADM CERS 2015Letícia Félix
 
Direito administrativo - 2015
Direito administrativo - 2015 Direito administrativo - 2015
Direito administrativo - 2015 Lorena Duarte
 
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios ConstitucionaisDireito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios ConstitucionaisPreOnline
 
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios ConstitucionaisDireito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios ConstitucionaisMentor Concursos
 
Apostila direito adm
Apostila direito admApostila direito adm
Apostila direito admLaécio Malta
 

Semelhante a Direito Administrativo - Princípios Básicos (20)

Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
 
Apostila dir administrativo
Apostila dir administrativoApostila dir administrativo
Apostila dir administrativo
 
Resumo muito bom_eu_avaliei_lei 8.112_dir_adm
Resumo muito bom_eu_avaliei_lei 8.112_dir_admResumo muito bom_eu_avaliei_lei 8.112_dir_adm
Resumo muito bom_eu_avaliei_lei 8.112_dir_adm
 
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
 
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
Direitoadministrativo apostila-resumobomparaconcursos-120829150842-phpapp01
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Resumo muito bom!!! eu avaliei.
Resumo muito bom!!! eu avaliei.Resumo muito bom!!! eu avaliei.
Resumo muito bom!!! eu avaliei.
 
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre MazzaResumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
 
Apostila complementar-dpe-rs-tecnico-nocoes-de-direito-administrativo-tatiana...
Apostila complementar-dpe-rs-tecnico-nocoes-de-direito-administrativo-tatiana...Apostila complementar-dpe-rs-tecnico-nocoes-de-direito-administrativo-tatiana...
Apostila complementar-dpe-rs-tecnico-nocoes-de-direito-administrativo-tatiana...
 
principiosdireitoadministrativo
principiosdireitoadministrativoprincipiosdireitoadministrativo
principiosdireitoadministrativo
 
Princípios de direito administrativo
Princípios de direito administrativoPrincípios de direito administrativo
Princípios de direito administrativo
 
Intervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômicoIntervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômico
 
Mat completo dir. adm carreiras jurídicas 2015
Mat completo dir. adm carreiras jurídicas 2015Mat completo dir. adm carreiras jurídicas 2015
Mat completo dir. adm carreiras jurídicas 2015
 
Materialcompletar
MaterialcompletarMaterialcompletar
Materialcompletar
 
Material Completo D. ADM CERS 2015
Material Completo D. ADM CERS 2015Material Completo D. ADM CERS 2015
Material Completo D. ADM CERS 2015
 
Direito administrativo - 2015
Direito administrativo - 2015 Direito administrativo - 2015
Direito administrativo - 2015
 
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios ConstitucionaisDireito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
 
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios ConstitucionaisDireito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
 
Apostila direito adm
Apostila direito admApostila direito adm
Apostila direito adm
 

Mais de Mentor Concursos

Direito Administrativo - Art. 41 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 41 da CF 88Direito Administrativo - Art. 41 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 41 da CF 88Mentor Concursos
 
Direito Administrativo - Art. 40 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 40 da CF 88Direito Administrativo - Art. 40 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 40 da CF 88Mentor Concursos
 
Direito Administrativo - Art. 39 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 39 da CF 88Direito Administrativo - Art. 39 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 39 da CF 88Mentor Concursos
 
Direito Administrativo - Responsabilidade do Servidor Público
Direito Administrativo - Responsabilidade do Servidor PúblicoDireito Administrativo - Responsabilidade do Servidor Público
Direito Administrativo - Responsabilidade do Servidor PúblicoMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Agentes Públicos Acumulação
Direito Administrativo - Agentes Públicos AcumulaçãoDireito Administrativo - Agentes Públicos Acumulação
Direito Administrativo - Agentes Públicos AcumulaçãoMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Sistema Remuneratório
Direito Administrativo - Sistema RemuneratórioDireito Administrativo - Sistema Remuneratório
Direito Administrativo - Sistema RemuneratórioMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Classificação dos Servidores Públicos
Direito Administrativo - Classificação dos Servidores PúblicosDireito Administrativo - Classificação dos Servidores Públicos
Direito Administrativo - Classificação dos Servidores PúblicosMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Agentes Públicos
Direito Administrativo - Agentes PúblicosDireito Administrativo - Agentes Públicos
Direito Administrativo - Agentes PúblicosMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Atos AdministrativosMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicosDireito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicosMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Controle Administrativo
Direito Administrativo - Controle AdministrativoDireito Administrativo - Controle Administrativo
Direito Administrativo - Controle AdministrativoMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Estado, Governo e Administração
Direito Administrativo - Estado, Governo e AdministraçãoDireito Administrativo - Estado, Governo e Administração
Direito Administrativo - Estado, Governo e AdministraçãoMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Desapropriação
Direito Administrativo - DesapropriaçãoDireito Administrativo - Desapropriação
Direito Administrativo - DesapropriaçãoMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do EstadoDireito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do EstadoMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Lei 8.112/90
Direito Administrativo - Lei 8.112/90Direito Administrativo - Lei 8.112/90
Direito Administrativo - Lei 8.112/90Mentor Concursos
 
Direito Administrativo - Recursos Administrativos
Direito Administrativo - Recursos AdministrativosDireito Administrativo - Recursos Administrativos
Direito Administrativo - Recursos AdministrativosMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização AdministrativaDireito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização AdministrativaMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
Direito Administrativo - Regime Jurídico AdministrativoDireito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
Direito Administrativo - Regime Jurídico AdministrativoMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Regras de Interpretação do Direito Administrativo
Direito Administrativo - Regras de Interpretação do Direito AdministrativoDireito Administrativo - Regras de Interpretação do Direito Administrativo
Direito Administrativo - Regras de Interpretação do Direito AdministrativoMentor Concursos
 
Direito Administrativo - Introdução
Direito Administrativo - IntroduçãoDireito Administrativo - Introdução
Direito Administrativo - IntroduçãoMentor Concursos
 

Mais de Mentor Concursos (20)

Direito Administrativo - Art. 41 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 41 da CF 88Direito Administrativo - Art. 41 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 41 da CF 88
 
Direito Administrativo - Art. 40 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 40 da CF 88Direito Administrativo - Art. 40 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 40 da CF 88
 
Direito Administrativo - Art. 39 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 39 da CF 88Direito Administrativo - Art. 39 da CF 88
Direito Administrativo - Art. 39 da CF 88
 
Direito Administrativo - Responsabilidade do Servidor Público
Direito Administrativo - Responsabilidade do Servidor PúblicoDireito Administrativo - Responsabilidade do Servidor Público
Direito Administrativo - Responsabilidade do Servidor Público
 
Direito Administrativo - Agentes Públicos Acumulação
Direito Administrativo - Agentes Públicos AcumulaçãoDireito Administrativo - Agentes Públicos Acumulação
Direito Administrativo - Agentes Públicos Acumulação
 
Direito Administrativo - Sistema Remuneratório
Direito Administrativo - Sistema RemuneratórioDireito Administrativo - Sistema Remuneratório
Direito Administrativo - Sistema Remuneratório
 
Direito Administrativo - Classificação dos Servidores Públicos
Direito Administrativo - Classificação dos Servidores PúblicosDireito Administrativo - Classificação dos Servidores Públicos
Direito Administrativo - Classificação dos Servidores Públicos
 
Direito Administrativo - Agentes Públicos
Direito Administrativo - Agentes PúblicosDireito Administrativo - Agentes Públicos
Direito Administrativo - Agentes Públicos
 
Direito Administrativo - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Atos Administrativos
 
Direito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicosDireito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicos
 
Direito Administrativo - Controle Administrativo
Direito Administrativo - Controle AdministrativoDireito Administrativo - Controle Administrativo
Direito Administrativo - Controle Administrativo
 
Direito Administrativo - Estado, Governo e Administração
Direito Administrativo - Estado, Governo e AdministraçãoDireito Administrativo - Estado, Governo e Administração
Direito Administrativo - Estado, Governo e Administração
 
Direito Administrativo - Desapropriação
Direito Administrativo - DesapropriaçãoDireito Administrativo - Desapropriação
Direito Administrativo - Desapropriação
 
Direito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do EstadoDireito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do Estado
 
Direito Administrativo - Lei 8.112/90
Direito Administrativo - Lei 8.112/90Direito Administrativo - Lei 8.112/90
Direito Administrativo - Lei 8.112/90
 
Direito Administrativo - Recursos Administrativos
Direito Administrativo - Recursos AdministrativosDireito Administrativo - Recursos Administrativos
Direito Administrativo - Recursos Administrativos
 
Direito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização AdministrativaDireito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização Administrativa
 
Direito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
Direito Administrativo - Regime Jurídico AdministrativoDireito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
Direito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
 
Direito Administrativo - Regras de Interpretação do Direito Administrativo
Direito Administrativo - Regras de Interpretação do Direito AdministrativoDireito Administrativo - Regras de Interpretação do Direito Administrativo
Direito Administrativo - Regras de Interpretação do Direito Administrativo
 
Direito Administrativo - Introdução
Direito Administrativo - IntroduçãoDireito Administrativo - Introdução
Direito Administrativo - Introdução
 

Último

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 

Direito Administrativo - Princípios Básicos

  • 1.
  • 3. SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO PRINCÍPIOS BÁSICOS O interesse público prevalece sobre o interesse individual respeitadas as garantias constitucionais e pagas as indenizações devidas, quando for o caso. PRESUNÇÃO DE LEGITIMIDADE Presunção da verdade, que diz respeito à certeza dos fatos; Presunção da legalidade, presume-se, até prova em contrário, que todos os seus atos sejam praticados com observância das normas legais pertinentes. A presunção é relativa – Juris tantum.
  • 4. AUTOTUTELA PRINCÍPIOS BÁSICOS Súmula 473: “A administração Pública pode anular os seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornem ilegais, porque deles não se originam direitos, ou revogá-los, por motivo de conveniência e oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial”. CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO Os serviços públicos não podem parar, devendo manter-se sempre em funcionamento, dentro das formas e períodos próprios da prestação.
  • 5. CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO DISCUSSÕES: Greve do servidor público? Interrupção de serviço de concessão e permissão? Aplicação da exception non adimplenti contractus em Contratos da Administração?
  • 6. CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO Se o serviço deve ser ininterrupto, o servidor tem direito de greve? O servidor público tem sim direito de greve (art.37, VII, CF). Ocorre que este dispositivo enuncia que o direito de greve do servidor público será exercido conforme a lei específica. Mas, qual é essa lei específica? Essa lei específica é ordinária ou complementar?
  • 7. PRINCÍPIOS BÁSICOS Art. 37. VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
  • 8. CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO Aplicabilidade das Normas Constitucionais Norma de eficácia plena – aplicação imediata, auto executória; Norma de eficácia contida – há o direito; pode-se exercê-lo desde já, mas a lei pode, futuramente, restringir esse direito. Norma de eficácia limitada – não se pode exercer enquanto não vier a lei.
  • 9. PRINCÍPIOS BÁSICOS GREVE DO SERVIDOR PÚBLICO: O servidor tem o direito a greve; A greve é uma norma de eficácia limitada; A greve será regulamentada por uma lei ordinária;
  • 10. CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO (MI 670; MI 708 e MI 712). O STF admite a greve dos servidores enquanto não for aprovada a lei específica do servidor público, aplicando-se a lei do trabalhador privado no que couber (Lei 7.783/89). Esse mandado de injunção marcou a história do MI, passando a ter efeitos concretos, ao invés de meramente declaratórios.
  • 11. PRINCÍPIOS BÁSICOS Em decorrência da aplicação deste princípio, o particular contratado para executar serviço público não pode alegar a exceção do contrato não cumprido. ISONOMIA OU DA IGUALDADE “O princípio da igualdade consiste em tratar desigualmente os desiguais e igualmente os iguais” (Aristóteles). Fundamenta a exigência de concurso público e licitação. Contudo, o art.78XV da Lei de Licitações e Contratos, permite a suspensão dos serviços no caso de atraso de pagamento por mais de 90 dias, salvo se houver calamidade pública, perturbação na ordem ou guerra.
  • 12. CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO Outra questão é com relação dos efeitos do MI, é que ele sempre foi inter partes. Nesse caso, o STF mudou também seu posicionamento, reconhecendo para esses MI o efeito erga omnes, fundamentando que era para evitar um inchaço de ações. Esse caso foi uma exceção, não significando que todos os MI do STF terão efeitos concretos e erga omnes.
  • 13. CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO Então, hoje, o servidor tem sim direito de greve, com a aplicação da lei do trabalhador privado.
  • 14. PRINCÍPIOS BÁSICOS GREVE DO SERVIDOR PÚBLICO: O servidor tem o direito a greve; A greve é uma norma de eficácia limitada; A greve será regulamentada por uma lei ordinária; De acordo com o Supremo Tribunal Federal o exercício da greve será possível nos moldes da iniciativa privada.
  • 15. PRINCÍPIOS BÁSICOS Limita a discricionariedade administrativa, na medida em que a atividade administrativa deve guardar uma proporção adequada entre os meios que se emprega e o fim que a lei quer alcançar. INDISPONIBILIDADE OU PODER-DEVER A administração não pode transigir, ou deixar de aplicar a lei, se não nos casos expressamente permitidos. RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE Fundamenta a limitação do Estado em fazer acordos judiciais.
  • 16. CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO (FCC/2009/TJ/SE) A regra geral de proibição de greve nos serviços públicos, a faculdade de a Administração utilizar equipamentos e instalações de empresa que com ela contrata, e a necessidade de institutos com a suplência, a delegação e a substituição, são consequências do princípio da? a) continuidade do serviço público. b) autotutela. c) legalidade. d) Segurança Jurídica
  • 17. CONTINUIDADE DO SERVIÇO PÚBLICO A EXCEPTIO NON ADIMPLETI CONTRACTUS Esta expressão latina que significa a exceção do contrato não cumprido. É a regra, nos contratos bilaterais, pois é um "meio de defesa para uma das partes que ainda não cumpriu com sua obrigação porque a parte contrária também não o fez“.
  • 18. PRINCÍPIOS BÁSICOS Em decorrência da aplicação deste princípio, o particular contratado para executar serviço público não pode alegar a exceção do contrato não cumprido. ISONOMIA OU DA IGUALDADE “O princípio da igualdade consiste em tratar desigualmente os desiguais e igualmente os iguais” (Aristóteles). Fundamenta a exigência de concurso público e licitação. Contudo, o art.78XV da Lei de Licitações e Contratos, permite a suspensão dos serviços no caso de atraso de pagamento por mais de 90 dias, salvo se houver calamidade pública, perturbação na ordem ou guerra.
  • 19. PRINCÍPIOS BÁSICOS Limita a discricionariedade administrativa, na medida em que a atividade administrativa deve guardar uma proporção adequada entre os meios que se emprega e o fim que a lei quer alcançar. RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE
  • 20. RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE Agir de forma razoável significa agir de forma lógica, com coerência, congruência, conforme os padrões do homem médio. No direito administrativo, esses dois princípios aparecem sempre juntos. Proíbem-se, aqui, os excessos e os despropósitos. Limita a discricionariedade administrativa, na medida em que a atividade administrativa deve guardar uma proporção adequada entre os meios que se emprega e o fim que a lei quer alcançar;
  • 21. RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE Não devem ser impostas aos administrados obrigações, sanções ou restrições em medida superior àquela estritamente necessária ao atendimento do interesse público, devendo-se adequar razoavelmente os meios aos fins. Assim, exige-se do agente da Administração Pública um agir com adequação e proporcionalidade, sem abusos, sem excessos.
  • 22. RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE Art. 2º, Lei 9.784 - A Administração Pública obedecerá, dentre outros, aos princípios da legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade, proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditório, segurança jurídica, interesse público e eficiência. Razoabilidade e proporcionalidade são princípios implícitos na CF, mas expressos na norma infraconstitucional, como se observa da lei 9.784/99, art. 2º.
  • 23. RAZOABILIDADE X PROPORCIONALIDADE Antigo instituto do direito anglo-saxão, que remonta a clausula Law of the land inscrita na Magna Carta de 1215, O conceito de razoabilidade surgiu há muitos anos atrás, tendo sua origem e desenvolvimento ligados à garantia do devido processo legal, Desenvolveu-se também mais tarde nos Estados Unidos com um aspecto muito mais substantivo ou material (“substantive due process of law”), para permitir ao Judiciário investigar o próprio mérito dos atos do poder público, a fim de verificar se esses atos são razoáveis, ou seja, se estão conforme a razão, supondo equilíbrio, moderação e harmonia.
  • 24. RAZOABILIDADE X PROPORCIONALIDADE Diferentemente do princípio da razoabilidade, as primeiras noções de proporcionalidade surgiram com o direito alemão e prussiano na transição do século XVIII para o século XIX, a fim de que fosse limitado o poder de polícia da Administração Pública em sua atuação, com base nos ideais liberais e de superação da era absolutista.
  • 25. CONCEITOS DO PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE “O princípio da razoabilidade, no contexto jurídico-sistemático da busca do interesse público primário, a exigência de justificada e adequada ponderação administrativa, aberta nos exatos limites constitucionais em que a regra de competência habilitadora autorizar, dos princípios, valores, interesses, bens ou direitos consagrados no ordenamento jurídico, impondo aos agentes administrativos que maximize a proteção jurídica dispensada para cada qual, segundo o peso, importância ou preponderância que venham adquirir e ostentar em cada caso objeto de decisão.” José Roberto Pimenta de Oliveira.
  • 26. O PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE A proporcionalidade é uma derivação do Direito Administrativo, a qual assumiu importância no âmbito constitucional com o Tribunal Constitucional Alemão, regulando a aplicação dos direitos e garantias fundamentais, a partir dos ideais de Direitos Humanos surgidos após a Segunda Guerra Mundial. Basicamente é fundado na relação de causalidade existente entre um meio e um fim a ser atingido, ou seja, o princípio da proporcionalidade exige a melhor escolha de um meio para que determinado fim seja alcançado.
  • 27. EXERCÍCIO (Analista/TRT/8ªR/FCC/2010) Agente público que, sendo competente e adotando regular processo disciplinar com direito ao contraditório e ampla defesa, aplica sanção administrativa de demissão a servidor que se ausentou do serviçodurante o expediente,sem autorização do chefe imediato, infringe, dentre outros, o princípio da a) razoabilidade. b) supremacia do interesse público. c) motivação. d) impessoalidade. e) eficiência.
  • 28. PRINCÍPIOS BÁSICOS INDISPONIBILIDADE OU PODER-DEVER A administração não pode transigir, ou deixar de aplicar a lei, se não nos casos expressamente permitidos. Fundamenta a limitação do Estado em fazer acordos judiciais.
  • 29. INDISPONIBILIDADE OU PODER-DEVER A administração não pode transigir, ou deixar de aplicar a lei, senão nos casos expressamente permitidos. Nem dispor de bens, verbas ou interesses fora dos estritos limites legais. Assim, os poderes atribuídos ao administrador público têm a natureza de poder-dever, ele não pode deixar de exercê-los, sob pena de configurar a omissão.
  • 30. EXERCÍCIOS (CESPE - 2013 – MJ) Com referência aos princípios do direito administrativo e aos poderes da administração, julgue os próximos itens. As restrições impostas à atividade administrativa que decorrem do fato de ser a administração pública mera gestora de bens e de interesses públicos derivam do princípio da indisponibilidade do interesse público, que é um dos pilares do regime jurídico- administrativo. ( ) Certo ( ) Errado
  • 32. PRINCÍPIOS BÁSICOS A regra geral é a obrigatoriedade da motivação, tanto para atos vinculados, quanto para atos discricionários, salvo quanto a lei expressamente dispensar a motivação. MOTIVAÇÃO É a explicação por escrito dos motivos. É o fundamento de fato e de direito. MOTIVO=
  • 33. MOTIVAÇÃO A motivação dos atos administrativos vem se impondo dia a dia, como uma exigência do Direito Público e da legalidade governamental. Por princípio, as decisões administrativas devem ser motivadas formalmente, vale dizer que a parte dispositiva deve vir precedida de uma explicação ou exposição dos fundamentos de fato (motivos-pressupostos) e de direito (motivos-determinantes da lei).
  • 34. MOTIVAÇÃO No direito administrativo, a motivação deverá constituir norma, não só por razões de boa administração, como porque toda autoridade ou Poder em um sistema de governo representativo deve explicar legalmente, ou juridicamente suas decisões.
  • 35. MOTIVAÇÃO Motivo e motivação são institutos autônomos e não se confundem. Motivo é a situação fática ou jurídica que impulsionou à feitura do ato. Não pode haver, jamais, um ato administrativo sem o elemento motivo.
  • 36. MOTIVAÇÃO Motivação pode ser entendida como a explanação, a fundamentação, a explicitação dos motivos que conduziram o agente público para a elaboração do ato administrativo. Com esteio na lei 9784/99, Hely Lopes Meirelles diz que “denomina-se motivação a exposição ou a indicação por escrito dos fatos e dos fundamentos jurídicos do ato”.
  • 37. MOTIVAÇÃO Geralmente a motivação é apresentada sob a forma de “considerandos”. Motivar significa apresentar e explicar, de maneira clara e congruente, os elementos que ensejaram o convencimento da autoridade, indicando os fatos e os fundamentos jurídicos que foram considerados.
  • 38. EXERCÍCIOS 7. ( UEG - 2013 - PC-GO - Escrivão de Polícia Civil) Pelo significado do princípio da motivação, a) a Administração deve zelar pela legalidade de seus atos e condutas e pela adequação deles ao interesse público. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE E DA FINALIDADE b) o administrador tem o dever de explicitar as razões que o levam a decidir, bem como os fins desejados e a fundamentação legal adotada. c) o motivo é elemento do ato administrativo, sem o qual a decisão padece de vício. d) os atos administrativos materializados em documentos gozam de fé pública. PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE LEGITIMIDADE E NÃO PRINCÍPIO DA MOTIVAÇÃO.
  • 39. PRINCÍPIOS BÁSICOS ESPECIALIDADE Aplica-se mais às autarquias. Não podem elas ter outras funções além daquelas para as quais foram criadas, salvo alteração legal posterior.
  • 40. PRINCÍPIO DA ESPECIALIDADE Porém, conforme nos ensina Maria Sylvia Di Pietro, embora esse princípio se refira mais às autarquias, não há razão para negar a sua aplicação quanto às demais pessoas jurídicas, instituídas por lei, para integrarem a Administração Indireta, pois sendo instituídas por lei, não podem desviar-se dos objetivos legalmente definidos.
  • 41. PRINCÍPIOS BÁSICOS A Administração Pública direta fiscaliza as atividades dos seus entes e órgãos, com o objetivo de garantir suas finalidades institucionais. PRINCÍPIO DO CONTROLE OU TUTELA VINCULAÇÃO SUBORDINAÇÃO PR MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES ANATEL
  • 42. EXERCÍCIOS (FCC/Analista Jud. Adm./TRE/RN/11) O princípio segundo o qual a Administração Pública Direta fiscaliza as atividades dos entes da Administração Indireta denomina-se a) finalidade. b) controle OU TUTELA. c) autotutela. d) supremacia do interesse público. e) legalidade.
  • 43. PRINCÍPIOS BÁSICOS HIERARQUIA Em consonância com o princípio da hierarquia, os órgãos da Administração Pública são estruturados de tal forma que se cria uma relação de coordenação e subordinação entre uns e outros, cada qual com atribuições previstas em lei.
  • 44. HIERARQUIA Em consonância com o princípio da hierarquia, os órgãos da Administração Pública são estruturados de tal forma que se cria uma relação de coordenação e subordinação entre uns e outros, cada qual com atribuições previstas em lei. Desse princípio decorre uma série de prerrogativas para a Administração: a de rever os atos dos subordinados, a de delegar e avocar atribuições, a de punir; para o subordinado surge o dever de obediência.
  • 45. PRINCÍPIOS BÁSICOS Tal princípio foi acrescentado pelo artigo 2º, da caput, da Lei n° 9.784/99. Artigo 2º: “interpretação da norma administrativa da forma que melhor garanta o atendimento do fim público a que se dirige, vedada a aplicação retroativa de nova interpretação.” SEGURANÇA JURÍDICA
  • 46. SEGURANÇA JURÍDICA O princípio se justifica pelo fato de ser comum, na esfera administrativa, haver mudança de interpretação de determinadas normas legais, com a consequente mudança de orientação, em caráter normativo, afetando situações já reconhecidas e consolidadas na vigência de orientação anterior, gerando insegurança jurídica. Assim, se a lei deve respeitar o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada, por respeito ao princípio da segurança jurídica, não é admissível que os administrados tenham seus direitos ameaçados pelas interpretações jurídicas variáveis no tempo.
  • 47. PRINCÍPIOS BÁSICOS AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO Assegura o cumprimento do art. 5º, LV da CF que assegura aos litigantes e acusados em geral, o contraditório e a ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.
  • 48. AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO Assegura o cumprimento do art. 5o, LV da CF que assegura aos litigantes e acusados em geral, o contraditório e a ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.
  • 49. AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO Na via administrativa, esses princípios são novos, surgindo a partir da CF/88: Art.5º, LV “Os processos administrativos e judiciais devem respeitar o contraditório e a ampla defesa”. A maioria das nulidades em processo administrativo está ligada à falta de contraditório e de ampla defesa.
  • 50. AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO Contraditório é dar ciência à parte da existência do processo; Bilateralidade do processo administrativo; Estado Democrático de Direito: ninguém pode ser processado e condenado sem ter direito de participar da decisão judicial ou administrativa;
  • 51. AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO Pela ampla defesa, deve-se dar a oportunidade da parte se defender, ainda que ela não exerça efetivamente essa defesa. Exigências/ desdobramentos/ condições para a ampla defesa: (1) A defesa deve ser prévia ao julgamento. - procedimento preestabelecido; - penalidades previamente estabelecidas;
  • 52. EXERCÍCIOS FCC/2010/TCE/RO) O artigo 5º, inciso LV, da Constituição Federal estabelece que "aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados, em geral, são assegurados o contraditório e a ampla defesa, com os meios e recursos a eles inerentes". Os princípios do contraditório e da ampla defesa a) aplicam-se exclusivamente aos processos administrativos disciplinares. b) pressupõem a existência de litígio instaurado, podendo ser invocados somente após formalização de acusação. c) aplicam-se nos processos administrativos, dentre outros casos, sempre que houver a possibilidade de repercussão desfavorável na esfera jurídica dos envolvidos. d) podem ser dispensados especialmente quando não houver repercussão patrimonial no processo administrativo. e) não ensejam, no processo administrativo, a anulação dos atos e decisões proferidas, salvo na hipótese de comprovado prejuízo funcional ao servidor envolvido.
  • 53. PRINCÍPIOS BÁSICOS PRINCÍPIO DO CONTROLE JUDICIAL: PRINCÍPIO DO CONTROLE JUDICIAL E DA RESPONSABILIDADE DO ESTADO POR ATO ADMINISTRATIVO Art. 5º XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;
  • 54. PRINCÍPIOS BÁSICOS RESPONSABILIDADE DO ESTADO: Art. 37. § 6º - As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa.
  • 55. PRINCÍPIOS BÁSICOS Poder-Dever de Agir Significa que o Administrador Público deve agir com presteza, agilidade, configurando a boa administração. PODERES E DEVERES DO ADMINISTRADOR PÚBLICO Hely Lopes Meirelles (2005:106) enumera três principais deveres do Administrador Público: 1º DEVER DE EFICIÊNCIA:
  • 56. PRINCÍPIOS BÁSICOS O art. 37 § 4º da CF preconiza que os atos de improbidade administrativa importarão a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma e gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível. 2º DEVER DE PROBIDADE Lei 8.429/92, que lista três condutas básicas: • ações ou omissões que causam enriquecimento ilícito; • que causam prejuízo ao erário • violem qualquer princípio da Administração Pública.
  • 57. PRINCÍPIOS BÁSICOS 3º Dever de prestar contas
  • 58. PRINCÍPIOS BÁSICOS Ocorre quando a autoridade, embora competente para praticar o ato, vai além do permitido e exorbita no uso de suas faculdades administrativas. Excede sua competência legal e invalida o ato, que se torna arbitrário, ilícito e nulo. ABUSO DE PODER DIVIDE-SE EM DUAS ESPÉCIES: Excesso de poder:
  • 59. PRINCÍPIOS BÁSICOS O Desvio de finalidade ou de poder caracteriza-se quando a autoridade, embora atuando nos limites de sua competência, pratica o ato por motivos ou com fins diversos dos objetivados pela lei ou pelo interesse público. Desvio de Poder ou Desvio de Finalidade:
  • 60. PRINCÍPIOS BÁSICOS A lei regulamentar da ação popular ( lei 4.717 de 29.6.65) consigna o desvio de finalidade como vício nulificador do ato administrativo lesivo do patrimônio público e o considera caracterizado quando o “agente pratica o ato visando a fim diverso daquele previsto, explícita ou implicitamente, na regra da competência, (art. 2º , ‘e’, e parágrafo único, ‘e’). Desvio de Poder ou Desvio de Finalidade:
  • 61. PRINCÍPIOS BÁSICOS OMISSÃO DA ADMINISTRAÇÃO: Então, a inércia da Administração, retardando ato ou fato que deva praticar, abuso de poder que enseja correção judicial e indenização ao prejudicado.