SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
Baixar para ler offline
CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC
SANTO AMARO
Julio Ricardo Gomes Mota
Desenvolvimento de competências em Webdesigner
São Paulo
2016
Julio Ricardo Gomes Mota
Desenvolvimento de competências em Webdesign
Trabalho de conclusão de curso apresentado ao
Centro Universitário Senac – Santo Amaro,
como exigência parcial para a obtenção do grau
de Especialista em Docência para a Educação
Profissional
São Paulo
2016
Julio Ricardo Gomes Mota
Desenvolvimento de competências em Webdesign
Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro
Universitário Senac – Santo Amaro, como exigência
parcial para a obtenção do grau de Especialista em
Docência para a Educação Profissional.
Orientador (a): Luciana Gimenes Parada Dos Santos
A banca examinadora dos Trabalhos de Conclusão, em sessão pública realizada em
________/_______/_______, considerou o (a) candidato (a):
1) Examinador (a)
2) Examinador (a)
3) Presidente
A minha mãe, Sofia Mota, que foi a primeira e mais
inesquecível de todas as professoras.
AGRADECIMENTOS
Gostaria de agradecer a mestre Luciana Parada Gimenes pela sua disposição, pela grande
capacidade entender as dificuldades dos alunos e por sempre estar nos estimulando, com certeza
é isso que fez com que vencêssemos as grandes dificuldades.
Gostaria de agradecer também a todos os colegas de classe, com você aprendi muito, como diz
o ditado “a união faz a força” e poder compartilhar conhecimento, experiências e as dificuldades
de nosso trabalho a aprendizagem foi extremamente significativo.
Gostaria de agradecer especialmente a minha esposa Fabrícia pelo incentivo e pelas horas que
de atenção para compartilhar as minhas experiências, devaneios e modestas ideias sobre
aprendizagem.
Agradeço também a todos os alunos que participaram dos laboratórios, aprendi muito com todos
vocês, a aprendizagem é uma via de mão dupla quem ensina aprende e muitas vezes quem
aprende também ensina. Agradeço também meu irmão Jeff pelos feedbacks das minhas aulas.
Não posso deixar de citar a coordenadora do CEP-TIC Nilce, que me auxiliou com o
desenvolvimento do PTD, debatendo e me ajudando a amadurecer as ideias contidas neste
trabalho.
Quero agradecer ao S.r. Osvaldino Vieira que foi a maior influência para que eu me
identificasse com essa profissão. Agradeço a toda a minha família e aos colegas da Extrafarma
com os quais muitas vezes compartilhei minhas ideias sobre aprendizagem.
Agradeço a professora Lina, Gilvana, James e Moises do CEPTIC, por aceitarem o participar
do projeto que promoveu a sinergia de conhecimento entre cursos e competências distintas,
tivemos muito trabalho e aprendizagem.
Por fim quero agradecer a todas as pessoas as quais não citei o nome, mas participaram direta
ou indiretamente na composição desse trabalho, todos foram de extrema importância.
“Nunca diga às pessoas como fazer as coisas. Diga-
lhes o que deve ser feito e elas surpreenderão você
com sua engenhosidade. ”
George Patton
Resumo
Este trabalho perpassa pela discussão das mudanças nas relações do homem com trabalho e a
necessidade de adaptação de profissionais e escolas profissionalizantes para adequar-se aos
requisitos do mercado na Era do Conhecimento. Embasado nas ideias de Perrenoud, Moreira,
Ausubel e Kuller propõe a aprendizagem por meio do desenvolvimento de competências como
uma solução para otimizar a preparação do discente e dessa forma promovendo uma melhor
adaptação as constantes mudanças no mercado de trabalho. Por fim busca utilizar a metodologia
dos 7 passos (ação – reflexão – ação), proposta por Kuller, como um meio para o
desenvolvimento de competências no curso de Webdesign. Após o entendimento dos conceitos
iniciais de competência e indicadores de competências foi desenvolvido o Plano de Trabalho
Docente (PTD). Por fim, a metodologia foi aplicada em três laboratórios práticos em que para
cada laboratório foi realizada uma análise e posteriormente o aprimoramento no PTD. Como
resultado dos laboratórios percebeu-se que implementar no curso de Webdesign a
aprendizagem por competência proporciona o autodesenvolvimento do aluno facilitando seu
sucesso no mercado de trabalho.
Abstract
This work is for the discussion of the changes in the relationship of man with work and the need
for adaptation of professional and vocational schools to suit market requirements in the age of
knowledge. Based on the ideas of Perrenoud, Moreira, Ausubel and Kuller proposes learning
through skills development as a solution to optimize student preparation and thus promoting a
better adaptation to the constant changes in the labor market. Finally, the search using the
methodology of the 7 steps (action-reflection-action), proposed by Kuller, as a means for the
development of skills in Webdesign. After understanding the initial concepts of competence
and skill indicators was developed the Teaching work plan (PTD). Finally, the methodology
was applied in three Labs in which for each laboratory was conducted an analysis and the
improvement in PTD. As a result of the Labs realized that implement the course competency
learning Webdesign provides the self-development of facilitating student success in the labor
market.
SUMÁRIO
1. APRENDIZAGEM POR COMPETÊNCIA .......................................................... 13
1.1. O que é aprender.............................................................................................. 13
1.2. O homem, o trabalho e a aprendizagem. ......................................................... 14
1.3. O que é competência........................................................................................ 16
1.4. A construção de competências......................................................................... 18
1.4.1. Contextualização e mobilização............................................................... 19
1.4.2. Definição da atividade de aprendizagem.................................................. 20
1.4.3. Organização da atividade de aprendizagem ............................................. 21
1.4.4. Coordenação e acompanhamento............................................................. 21
1.4.5. Análise e avaliação da atividade de aprendizagem .................................. 21
1.4.6. Acesso a outras referências....................................................................... 22
1.4.7. Síntese e aplicação.................................................................................... 22
2. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS EM WEBDESIGN. .................. 23
2.1. Laboratório I .................................................................................................... 23
2.2. Laboratório II................................................................................................... 27
2.3. Laboratório III.................................................................................................. 30
3. APRIMORANDO O PTD...................................................................................... 35
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................. 40
Referências ..................................................................................................................... 42
ANEXO 1 ....................................................................................................................... 43
ANEXO 2 ....................................................................................................................... 47
ANEXO 3 ....................................................................................................................... 48
11
INTRODUÇÃO
De acordo com Chiavenato (CHIAVENATO, 2004) a partir da Segunda Revolução Industrial
a tecnologia vem influenciando de forma poderosa o funcionamento das organizações, como
exemplo temos os modelos de produção – Taylorismo e Fordismo – utilizados no século XX.
Esses sistemas consistiam na divisão do trabalho e especialização do operário em uma só tarefa.
Com a entrada da Era da informação e da atual Era do Conhecimento, o modelo de trabalho de
grande parte das organizações modificou-se mais uma vez. Sendo assim, a simples execução
de tarefas não mais confere à concepção de competência implicitamente exigida no mercado de
trabalho. Essa se transformou, exigindo que o profissional tenha uma visão holística, possua
autonomia, flexibilidade, saiba trabalhar em grupo e atualize conhecimentos de forma
constante.
Apesar de toda evolução cientifica, econômica e tecnológica a sociedade vive com grande
desigualdade social. Em países como o Brasil a baixa qualidade do ensino formal que é
oferecido a população das classes C e D aumentam as disparidades com relação a minoria dos
trabalhadores que estão preparados para as exigências do mercado de trabalho.
Nesse cenário, as instituições de ensino profissionalizante necessitam se adaptar as
transformações desafiadoras que estão ocorrendo diariamente no mundo, faz-se necessário
atualizar o conceito de competência as necessidades das organizações, utilizando as melhores
práticas de ensino existentes.
De acordo com Ausubel, o conteúdo sem significado é facilmente esquecido ocorrendo em uma
aprendizagem superficial, ele afirma ainda que o aprendizado de novos conhecimentos ocorre
a partir do que o aluno já sabe. Sendo assim, o objetivo desse trabalho é possibilitar que os
alunos tenham um salto qualitativo na aquisição de novos conhecimentos possibilitando o
alinhamento das competências técnicas e comportamentais com as reais necessidades do atual
mercado de trabalho em Webdesign.
Neste contexto esse trabalho busca utilizar uma metodologia para desenvolvimento de
competências que possibilite a capacitação do aluno de forma autônoma e profunda,
considerando o inter-relacionamento entre competências e a real importância para os alunos e
organizações. Tendo como objetivo a aplicação no curso de Webdesign de uma metodologia de
ação e reflexão focada no desenvolvimento de competências transversais baseado na corrente
cognitivista da aprendizagem significativa de Ausubel.
12
Esse trabalho está divido em três partes. Na primeira veremos os principais conceitos
relacionados a competência, metodologia de ação - reflexão - ação e pôr fim a como a utilização
da aprendizagem significativa pode auxiliar na aprendizagem do aluno. Na segunda parte, será
feita uma análise sobre a aplicação desses conceitos em três laboratórios realizados com turmas
de web design. Por fim, na terceira parte do trabalho será proposto uma situação de
aprendizagem com base nos conceitos e experiências discutidas anteriormente.
13
1. APRENDIZAGEM POR COMPETÊNCIA
1.1. O QUE É APRENDER
De forma simples aprender significa adquirir novos conhecimentos, sendo de extrema
importância para o desenvolvimento humano, pois é com ela que a sociedade vem evoluindo.
A criação das primeiras ferramentas há 150 mil anos atrás é um exemplo de aquisição de
conhecimento em que o homem descobriu a usar pedras como uma ferramenta ou arma para
defender-se de predadores. Descobertas como o domínio do fogo, a invenção da roda,
agricultura e metalurgia também exemplificam o fato de que a aprendizagem pode transformar
uma sociedade.
Conforme a sociedade foi evoluindo a complexidade do conhecimento foi aumentando, neste
ponto, o processo de aprendizagem deixa de ser simplesmente passado entre as pessoas, surgem
pesquisadores e professores como figuras importantes neste cenário.
Estudiosos buscaram entender o funcionamento do processo de aprendizagem, várias teorias
foram criadas. Platão desenvolveu a Teoria do Inatismo que diz que cada ser nasce com uma
predisposição para um determinado conhecimento, fazendo com que o professor tenha o papel
apenas de auxiliar ao aluno durante o processo de ensino. Em contrapartida, Aristóteles em seu
Empirismo afirma que o aluno aprende quando se relaciona com o meio, desconsiderando os
saberes prévios do aluno. Outra corrente é a do construtivismo de Piaget que prega a
participação ativa do aluno agindo e transformando o objeto de estudo. Neste contexto o
professor deve criar situações de aprendizagem que proporcionem a interação e
desenvolvimento do aluno (SANTOMAURO).
Quando o aluno estuda algo novo que está relacionado a conhecimentos prévios ele aprenderá
de forma mais eficaz do que em uma aprendizagem mecânica onde não há o relacionamento
entre o objeto de estudo e a experiência do aluno.
14
1.2. O HOMEM, O TRABALHO E A APRENDIZAGEM.
Durante a Era industrial houveram muitos avanços tecnológicos que favoreceram o aumento
populacional, uma das consequências disso foi o aumento da demanda de produtos e serviços.
Esse ciclo entre avanço tecnológico e aumento da demanda de produtos e serviços vem se
estendendo até hoje em plena Era do Conhecimento, com isso cada vez mais organizações se
emprenham para crescer e se manter no mercado extremamente competitivo.
Com a popularização da internet, bilhões de pessoas passaram a ter acesso a milhares de
informações as quais jamais tiveram pensado seus idealizadores, como consequência as pessoas
têm a possibilidade de obter mais conhecimento e ficar mais exigente em relação aos produtos
e serviços prestados pelas organizações (DELUIZ).
Esse cenário vem mudando a forma como o homem se relaciona com o trabalho, organizações
precisam aprimorar e inovar em seus produtos e serviços. Essa tendência influencia diretamente
as relações do homem com o trabalho pois as empresas buscam os profissionais que sejam
capazes de analisar e resolver problemas desafiadores, eles precisam estar atualizados,
aprendendo constantemente de forma autônoma para acompanhar o mercado.
Perrenoud (2012, p. 31) confirma isso quando diz: “Numa sociedade moderna, a busca pela
eficácia justifica a reorganização permanente do trabalho. A globalização aumenta a
concorrência. Apenas as organizações flexíveis conseguem sobreviver. Portanto, exige-se que
os empregados se adaptem constantemente a novos produtos, a novas tecnologias, a novos
conhecimentos, a novos métodos e a divisões do trabalho permanentemente remanejadas”
Apesar de todas as transformações que o mercado vem sofrendo com o passar do tempo ainda
existem instituições que preparam os alunos visando simplesmente transmitir conteúdo
específico de seus cursos, utilizando métodos de ensino que não despertam a autonomia do
aluno para resolver problemas e se adaptar as mais diversas situações que o mercado de trabalho
irá lhe impor.
Mais especificamente no mercado de Webdesign, a maioria dos cursos se limitam a ensinar a
utilização de ferramentas, geralmente de forma mecânica onde o professor demonstra a
utilização da ferramenta e o aluno apenas reproduz, desconsiderando fatores importantes como
o conhecimento prévio do aluno em sua metodologia de aprendizagem e o mercado de trabalho.
15
Com relação ao mercado, o aluno não estará preparado pois a simples reprodução da utilização
de softwares não proporciona as competências mais apreciadas pelos maiores clientes, como a
capacidade de criar um design intuitivo, criativo, de boa usabilidade que permita o cliente lucrar
com o investimento realizado. Já a aprendizagem do aluno fica prejudicada pois não é
considerada a subjetividade e não será possível utilizar métodos que potencializem as
capacidades deles, consequentemente os temas mais complexos não são bem entendidos e
assimilados pois não há conexões dos novos conteúdos com os conhecimentos prévios do aluno.
Sendo assim a aprendizagem acaba por ser superficial, facilmente esquecida e o engajamento
do aluno no mercado de trabalho será mais difícil.
Considerando o cenário que impõe constantes desafios aos profissionais faz-se necessário que
a qualificação seja constantemente repensada e adaptada para que os alunos atinjam
conhecimentos capazes de suprir as necessidades do mercado.
De acordo com Perrenoud (2012, p. 30): "Competência é a faculdade de mobilizar um conjunto
de recursos cognitivos (saberes, capacidades, informações etc.). Para solucionar com
pertinência e eficácia uma série de situações". Com base nessa afirma é plausível considerar
que uma aprendizagem focada no desenvolvimento de competências está próxima de preparar
o discente para os desafios do mercado de trabalho.
Perrenoud (2012, p. 30) afirma ainda que “No mundo do trabalho, desenvolver as próprias
competências deixou de ser uma escolha, passando a ser uma simples condição”. Isso significa
que a preparação do futuro profissional deve ir além de simplesmente passar informação,
levando-os a prática do autodesenvolvimento em prol da adaptação as constantes mudanças que
ocorrem em qualquer área de trabalho.
16
1.3. O QUE É COMPETÊNCIA.
A concepção de competência pode variar dependendo da área especifica de mercado.
Para Perrenoud (2012, p. 45) é possível encontrar um consenso nas ciências da educação e do
trabalho afirmando que: “competência é o poder de agir com eficácia em uma situação,
mobilizando e combinando, em tempo real e de modo pertinente, os recursos intelectuais e
emocionais”.
Segundo Perrenoud (2012 apud Le Boterf1994)
[...]”A competência não é um estado, e sim um processo. Se a competência é um saber
agir, como funciona tal saber? O operador competente é aquele que é capaz de
mobilizar e de colocar em prática, de modo eficaz, as diferentes funções de um sistema
no qual intervêm recursos tão diversos quanto as operações de raciocínio, os
conhecimentos, as ativações da memória, as avaliações, as capacidades relacionais ou
os esquemas comportamentais. Essa alquimia continua sendo uma terra amplamente
incógnita”. [..]
Segundo Perrenoud (2012 apud Gillet,1991)
[...]”uma competência é um sistema de conhecimentos, conceituais e processuais,
organizados em esquemas operatórios e permitindo, no interior de um conjunto de
situações, a identificação de uma tarefa-problema e a sua resolução, por meio de uma
ação eficaz. (Gillet, 1991) ”[...]
Com base nessas afirmações podemos concluir que é possível suprir as necessidades do
exigente mercado de trabalho por meio do desenvolvimento de competências, onde o aprendiz
deverá ser preparado não somente para realizar simples tarefas, mas estar apto a analisar novas
situações que possam estar até além do seu conhecimento, mas por meio de um conjunto de
conhecimentos e ações seja capaz de aprender, reter conhecimentos e adaptar-se a situações que
aparecerão no cotidiano do trabalho.
Considerando essas premissas é possível, por exemplo, prever as competências que os alunos
do curso de Webdesign precisa desenvolver para estar preparado para as imprevisíveis situações
desafiadoras que o cotidiano da profissão lhes trará. Neste caso, uma das competências a
desenvolver é “Desenvolver layouts para websites”, que apesar do nome simples envolve uma
série de saberes interconectados, por exemplo, planejar e aplicar Briefing com o cliente,
planejar a arquitetura da informação, desenvolver design do layout com base em teorias do
17
design, aplicação de cores dentre tantos outros saberes necessários para o desenvolvimento do
layout de um site.
No entanto, é necessário frisar que desenvolver a competência de criação de layouts para
websites se faz necessário a mobilização de outras competências, por exemplo, ao realizar o
briefing (entrevista) com o cliente será necessário utilizar meios para se comunicar de forma
efetiva, posteriormente será necessário analisar as informações coletadas e por fim será
realizado o planejamento para criação do site.
É importante perceber sem a mobilização da competência “saber se comunicar” dificilmente o
aluno conseguirá realizar o briefing corretamente e como consequência seu projeto dificilmente
terá sucesso. Ainda neste exemplo outra com competência necessária para que o aluno consiga
fechar o contrato com o cliente é saber definir o preço e estimar o tempo necessário para criação
do projeto, essas competências estão extremamente ligadas pois o futuro profissional deve
conhecer todo o processo de criação de um site para estimar o valor do trabalho, também deverá
considerar outras variáveis como aluguel, serviços, custos fixos e variáveis.
Considerando que muitos aprendizes buscam trabalhar por contra própria, faz-se necessário
considerar competências relacionadas ao empreendedorismo. Obviamente não é possível prever
todas as situações que cada aluno enfrentará no mercado de trabalho, porém é preciso entender
que as competências se relacionam em uma espécie de ecossistema e quando se desenvolve as
competências de forma a relacioná-las com outras competências (diretamente ou indiretamente
ligadas) a preparação para as situações de trabalho será mais completa.
Perrenoud (2012, p. 71) confirma isso quando indaga se a competência transversal de analisar
pode realmente ser definida como uma competência. Ainda que analise consista em utilizar
lógica, método, memoria e raciocínio para perceber os componentes de um sistema e suas
relações não é possível todas as pessoas que a possuam realizem análises de em todas as áreas
do conhecimento.
Sendo assim, ainda que analisar seja uma competência, muitas vezes se faz necessário a
utilização de competências especificas para que a análise seja feita de forma eficaz.
18
1.4. A construção de competências
Segundo Perrenoud (2012, p. 72) [...] “as competências não são algo que se possa ser ensinado,
de modo que o seu desenvolvimento, dando ênfase ao papel do professor como criador de tais
situações, numa posição muito diferente daquela de transmissor de saberes ”[..].
Sendo assim não é possível simplesmente ensinar uma competência, da mesma forma que se
ensina operações aritméticas, as competências são desenvolvidas por meio de situações as quais
planejadas para motivar e pôr o aluno no centro metodológico.
Kuller (2012) confirma isso quando afirma: “em uma situação de aprendizagem, é sempre
exigido o exercício das competências desenvolvidas”.
Como exemplo podemos tomar uma situação de aprendizagem onde o aluno terá que escolher
as cores que irá utilizar em um website. Nessa atividade o aluno precisará realizar uma tarefa
de forma ativa, não podem ser apenas ouvinte em uma exposição dialogada.
Segundo Kuller (2012), em termos de metodologia é possível realizar o desenvolvimento de
competências utilizando qualquer método onde o aluno seja o protagonista da atividade. No
entanto ele sugere uma estrutura que possa padronizar o desenvolvimento de competências de
forma geral. A gráfico abaixo mostra a estrutura sugerida:
Ilustração 1 – 7 passos para planejar atividade de desenvolvimento de competência.
1-
Contextualizaç
ão e
Mobilização
2- Definição da
atividade de
aprendizagem
3- Organização
da atividade de
aprendizagem
4-
Coordenação e
acompanhame
nto
5- Análise e
avaliação das
atividades de
aprendizagem.
6- Acesso a
outras referencias
7- Síntese e
aplicação
Situação de
aprendizagem
19
1.4.1.CONTEXTUALIZAÇÃO E MOBILIZAÇÃO.
Esse passo levará ao aprendiz a compreensão e importância da situação de aprendizagem,
visando relacionar a competência que será desenvolvida com conhecimentos prévios do aluno,
proporcionando assim uma aprendizagem que “faça sentindo” e que seja significativa. Kuller
(2012).
Essa fase é uma preparação para o desenvolvimento da competência e é possível “nivelar os
alunos” que estão mais distantes da competência a ser desenvolvida, isso é de extrema
importância principalmente em cursos onde os conhecimentos não são comuns à maioria das
pessoas, como nos cursos de Webdesign e Programação. Obviamente o professor terá que
realizar um esforço maior em busca de elementos nestes cursos que se aproximem da realidade
do aluno.
Como afirmativa disso Ausubel (1968) diz que “[...]a contextualização deve servir de ponte
entre o que o aluno já sabe e o que aluno deverá sabe”. Quando o conteúdo a ser ensinado é
relacionado com o que o aluno já sabe essa aprendizagem passa a se tornar significativa.
No que diz respeito a mobilização Kuller (2012) afirma que tem como objetivo estimular os
alunos para as próximas etapas da situação de aprendizagem. Essa fase é muito importante pois
pode ajudar o aluno a vencer seus medos, procrastinação, criando um ambiente favorável
mentalmente para a aprendizagem.
Esses estímulos são importantes pois de certa forma empurram o aluno a ir em frente de forma
que possam ultrapassar os limites impostos pela própria mente, vencendo seus medos e
inseguranças, podendo tornar-se um ciclo que frente aos resultados positivos o aluno perceba
seu potencial de aprendizagem.
De forma pratica a mobilização pode ser implementada como uma breve introdução do
conteúdo, sendo possível utilizar recursos como imagens, vídeos, musicas, dinâmicas entre
outros que possam impulsionar o aluno a desenvolver a competência desejada.
Sendo assim a contextualização aproxima a competência a ser desenvolvida à realidade de vida
do aluno tornando-a significativa para estes aprendizes e concomitantemente a mobilização os
estimulam de forma que criem disposição para vencer os possíveis obstáculos que irão
20
encontrar durante a o desenrolar da situação de aprendizagem, com isso, podemos concluir que
essa é uma etapa preparatória para atividade de aprendizagem que virá a seguir.
O resultado desejado com essa etapa é a percepção dos alunos com relação a relevância da
competência que será desenvolvida e motivá-los a superar suas dificuldades.
1.4.2.DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM
A próxima etapa na metodologia de desenvolvimento de competências sugerida por Kuller
(2012) é a definição da atividade de aprendizagem, ela é a primeira ação dentro do ciclo ação-
reflexão-ação que tem por objetivo desenvolver uma competência.
Essa deve ser uma atividade de aprendizagem do aluno, sendo assim, deve-se descartar qualquer
metodologia onde o foco está no discente, tais como: a exposição dialogada, aula expositiva,
instrução passo a passo para realização de tarefas.
Existem inúmeros fatos que podem justificar essa abordagem, em primeiro lugar é necessário
que o aluno desenvolva a competência por meio de exercício que deve ser um problema ou
desafio que estimule os aprendizes.
Uma boa prática é propor problemas/desafios contextualizados com situações que simulem a
realidade que ocorre no mercado de trabalho, porém, nunca desconsiderando o nível de
desenvolvimento atual do aluno.
Considerando a subjetividade de cada aprendiz, pode-se enxergar outra grande vantagem que é
possibilidade do aluno descobrir a sua melhor forma de aprender, criar seus próprios esquemas
mentais de raciocínio e analise potencializando seus resultados.
Ainda no que concerne ao protagonismo discente na ação desenvolvimento de competências é
possível abrandar ou conciliar as disparidades de conhecimento em relação aos integrantes da
turma, pois cada aluno poderá desenvolver e aprofundar-se de acordo com a sua própria
capacidade.
Mesmo que nessa fase o aluno deva ter prioridade no desenvolvimento da competência, não
está eximida a responsabilidade do professor. De acordo com Kuller (2012) o “Exercício da
competência poderia vir depois da demonstração do professor”.
21
1.4.3.ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM
Com a definição da atividade de aprendizagem realizada deve-se prosseguir para organização
da atividade de aprendizagem que é a terceira etapa, nela deve-se planejar e organizar a
atividade que deve conter a orientação necessária para o professor conduzir a atividade e o
aluno possa realiza-la.
Na organização da atividade o professor deve prever o local e os recursos necessários para a
realização da atividade, além disso é necessário descrever as etapas da atividade de
aprendizagem.
1.4.4.COORDENAÇÃO E ACOMPANHAMENTO
O próximo passo é a coordenação e acompanhamento que consiste em prever os meios
acompanhar as ações dos alunos. É possível realizar esta tarefa de forma direta ou delega-la aos
alunos. No caso da delegação deve-se analisar a possibilidade da presença ou não do professor
que pode intensificar a metodologia da realidade externa em espaços públicos, em atividades
individuais onde não seja possível a presença do professor.
No curso de Webdesign é necessário que o professor observe constantemente o
desenvolvimento dos alunos e quando necessário os auxilie a corrigir o curso da atividade
principalmente quando se tratar de pesquisas na internet onde é comum encontrar materiais de
má qualidade ou com informações obsoletas. Essa correção evita que o aluno trilhe pelo
caminho errado e perca tempo. Para evitar esse tipo de problema é recomendável indicar sites
e materiais confiáveis, porém nem sempre isso é possível.
Ainda que seja necessário realizar correções no percorrer da atividade é preciso estimular a
autonomia dos discentes em detrimento da simples transmissão de conhecimentos e
informações.
1.4.5.ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM
A quinta etapa consiste na análise e avaliação da atividade de aprendizagem, este é o momento
de realizar uma reflexão com base na atividade de aprendizagem desenvolvida. Nela está
descrita como é realizada a avaliação e como serão obtidos os resultados da atividade realizada.
22
É uma etapa de extrema importância pois proporciona aos alunos um feedback que poderá
ajuda-los a corrigir possíveis erros ou dificuldades encontradas durante a atividade de
aprendizagem.
A avaliação deve ser planejada e utilizada como uma ferramenta que possibilite aos alunos
refletir sobre suas atitudes e desempenho, para que possam assim reorganizar seus
conhecimentos e posteriormente agir sobre ele para desenvolver a competência de forma mais
eficaz.
Existem vários formatos de realização de avaliação, porém os métodos tradicionais como
provas nem sempre poderão medir a competência de um aluno ou levar os discentes a reflexão
sobre seu aprendizado.
1.4.6.ACESSO A OUTRAS REFERÊNCIAS.
Em seguida a próxima etapa é o acesso a outras referências que ainda faz parte da reflexão sobre
a atividade desenvolvida, devem ser disponibilizados aos alunos as recomendações práticas,
normas, a produção teórica relacionada a competência em desenvolvimento. Assim o aluno
poderá comparar a atividade com a teoria existente.
Esse momento é importante para os alunos no sentido de que será possível analisar e comparar
as referências com os possíveis erros cometidos. Ainda que não houvesse erro é uma ótima
oportunidade para realizar uma consolidação teórica esclarecendo pontos que ficaram obscuros
ou sequer foram percebidos durante a atividade.
1.4.7. SÍNTESE E APLICAÇÃO
Por fim o sétimo passo é a síntese e aplicação que consiste na ação dos alunos para sintetizar a
aprendizagem e aplica-la em uma nova situação de aprendizagem.
23
2. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS EM WEBDESIGN.
Este capítulo trata-se do relato da execução dos três laboratórios aplicados em sala de aula,
considerando desde a criação do PTD até a sua execução, e os desdobramentos. Ao fazer uma
análise mais profunda é possível perceber que existem um quarto laboratório que está
relacionado aos alunos do Curso de Especialização em Docência para a Educação Profissional.
Percebe-se então que enquanto os professores aplicam seus laboratórios por meio da utilização
dos sete passos metodológicos para o desenvolvimento de competências ao mesmo tempo estão
vivendo a experiência como alunos. Os PTDs desenvolvido para os laboratórios estão no
ANEXO 1.
Os três laboratórios foram aplicados no curso de Webdesign, porém, os conceitos da
competência a ser desenvolvida foram alterados de acordo com as reflexões realizadas após a
aplicação do laboratório I. Cada laboratório foi aplicado em uma turma diferente e após as
avaliações do professor pelos alunos, sempre foi realizado um processo de reflexão em busca
de respostas para melhorar o desenvolvimento do aluno.
Os links para os formulários aplicados em sala estão disponíveis no ANEXO 2.
2.1. LABORATÓRIO I
Como experiência de desenvolvimento de competências utilizando a metodologia de ação
reflexão ação proposta por Kuller, foram realizados três laboratórios no curso de Webdesign,
aplicadas em turmas diferentes, em diferentes contextos de conhecimento da metodologia e do
próprio ponto focal de estudo que é a criação do layout de um site.
O primeiro ponto a ser considerado são as especificidades encontradas em cursos de tecnologia,
pois esta possui uma dinâmica de transformação muito intensa, sendo comumente necessário a
realização de várias adaptações:
• Do professor que precisa estar em sintonia com as novas tecnologias que estão sendo
utilizadas no mercado de trabalho. Outro ponto é perceber as tecnologias que estão
caindo em desuso, principalmente para que o ensino não seja embasado em conteúdo
que não será utilizado no mercado. Sendo assim o professor deve estar em constante
aprendizagem e requalificação.
24
• Do plano de curso que também devem estar atualizados com as mais recentes
tecnologias utilizadas no mercado.
• Em casos de curso com vários blocos a organização do cronograma que deve ter a
melhor ordem para possibilitar ao aluno uma aprendizagem continua e estável.
• Da instituição de ensino que deve disponibilizar os recursos minimamente necessários
para o desenvolvimento das competências.
Essas condições são importantes pois apesar de cada laboratório considerar apenas o
desenvolvimento de uma competência com seus indicadores, é necessário considerar que para
o bom desempenho do profissional de Webdesigner é necessário um conjunto de competências
que constantemente interagem entre si.
Geralmente no final do curso essas competências culminam em um trabalho que faça a
integração de todas as competências trabalhadas durante o curso.
O primeiro laboratório consistiu em realizar uma situação de aprendizagem a seguinte
competência: planejar a estrutura de um site.
Como no Plano de Curso de Webdesign não existe a definição de competências e indicadores
de competências foi necessário realizar as devidas adaptações
Os quadros a seguir mostram as adaptações realizadas:
Tabela 1 – Competências e bases tecnológicas do PAE de Webdesign
BLOCO TEMÁTICO I Planejamento Visual para Web 20h
Competências Específicas Bases Tecnológicas
 Planejar, criar, editar e definir a estrutura
de um Website;
 Conhecer os efeitos e respostas humanas
em função de sua exposição às cores;
 Definir o melhor conjunto de cores de
acordo com a proposta do site;
 Discernir a anatomia do tipo de fontes,
construções e efeitos de visibilidade e
legibilidade na web;
 Aplicar a tipologia como elemento da
comunicação para web;
 Teoria e Prática da Cor: Visão e olho; luz;
sistemas. Círculo cromático; esquema
cromático, através de pesquisa e criação.
Contraste e fenômenos.
 Tipologia: Tipologia. Famílias tipográficas.
Medidas tipográficas;
 Composição Visual: Estudo dos elementos
compositivos: ritmo, contraste, densidade,
movimento, equilíbrio, concentração,
direção, dinamismo, expansão.
25
 Compreender a ocupação e organização da
superfície bidimensional de um website,
como elemento expressivo;
 Conhecer as regras básicas do design para
websites;
 Utilizar o briefing como ferramenta para
planejar websites.
 Estudo do espaço compositivo em relação à
forma, distanciamento e aproximação.
 Plano, ilusão, distorção, profundidade,
volume-luz, sombra e esboço.
Fonte: PAE Curso Webdesign
A tabela a seguir mostra as adaptações realizadas para o desenvolvimento da competência
planejar a estrutura de um site com seus indicadores.
Tabela 2 – Situações de aprendizagem para a competência criando a estrutura de um site.
Competência: planejar a estrutura de um site 20hs
Situações de
aprendizagem
Situações de aprendizagem
Criando a estrutura
básica de um site
Conhecendo as etapas de criação de um site
Utilizar o briefing como ferramenta para planejar websites.
Conhecendo as regras básicas do design para websites
Compreender a ocupação e organização da superfície
bidimensional de um website;
Aplicando cores como elemento de comunicação para web;
Aplicando a tipologia como elemento da comunicação para
web;
Criando a estrutura básica de um site.
Pode-se observar na tabela 2 que a competência desenvolvida no laboratório 1 foi planejar a
estrutura de um site que consiste no processo de realização de um briefing com o cliente (
entrevistas, aplicações de questionários, reuniões), analise dos dados coletados do briefing,
aplicação de teorias do design para criação de layout web, definir a divisão do conteúdo na área
do site, analisar e definir as cores, imagens e tipografia adequadas para utiliza-las conforme o
significado e objetivo do cliente, criar Wireframe( rascunho) do site.
26
A contextualização aplicada na atividade foi um diálogo entre professor e alunos em que busca
do entendimento das possíveis etapas de desenvolvimento de um site estendendo-o até a
importância da realização do briefing.
A atividade de aprendizagem consistiu em uma conversa em grupo para em busca da resposta
sobre a necessidade do planejamento para a criação de um site.
A atividade foi organizada da seguinte forma:
1. Foram colocados questionamentos a toda turma, relacionados a competência, por
exemplo, qual é a influência das cores na criação de um site?
2. Cada aluno deu a sua contribuição/opinião.
3. Concomitantemente o professor anotou as palavras chave no quadro
4. No final, todo os alunos realizaram adaptações e em grupo buscamos a melhor
resposta para os questionamentos.
O acompanhamento se baseou em permitir a livre participação dos alunos e evitar que eles
saíssem do assunto em foco. Já a avaliação se baseou na observação da participação e interesse
do aluno.
Como acesso a outras referências foi solicitado aos alunos realizarem uma pesquisa em apostila
e internet sobre o tema estudado anteriormente. A síntese consistiu na criação de um rascunho
de um site utilizando todos os conceitos desenvolvidos em sala.
A atividade foi produtiva no sentido ter saído da rotina das aulas expositivas, percebeu-se que
todos os alunos buscaram participar das atividades. Com relação a avaliação todos tiveram bom
aproveitamento.
Apesar da atividade ter sido realizada com sucesso houveram falhas que precisam ser corrigidas
com base no feedback dos alunos ficam enumeradas as seguintes melhorias:
• Melhorar a comunicação com os alunos em relação as atividades propostas
• Melhorar a organização do tempo
• Criar atividades desafiadoras diversificadas.
27
2.2. LABORATÓRIO II
Antes do início do planejamento e execução do segundo laboratório foi realizada uma reflexão
levando em conta a avaliação do professor pela turma e como resultado o plano de trabalho
docente foi refeito.
A competência a ser desenvolvida foi renomeada para Criar Layout de um Site. Essa mudança
aconteceu pelo fato de que na maioria dos casos o simples planejando da estrutura não resolve
um problema real levando em conta o mercado de trabalho de Belém-Pa. É necessário não
somente criar um simples rascunho em papel (Wireframe) mas desenvolver o layout em uma
ferramenta gráfica para que posteriormente possa passar pelo processo de transformação em
páginas web.
No laboratório I ocorreu que o Bloco que tratava do planejamento do curso terminava e o
próximo bloco tratava da criação de páginas web por meios de códigos HTML (Hypertext
Markup Language) e só depois de 20 horas (aproximadamente três semanas) foi trabalhada a
ferramenta gráfica.
Como consequência muitos alunos sentiram dificuldade de aplicar os conceitos de design web
para criação dos layouts em ferramentas gráficas.
Sendo assim, foi proposto a coordenação da unidade de ensino a mudança na disposição dos
blocos do curso de forma que o planejamento da estrutura e a utilização da ferramenta gráfica
ficassem em sequência. Sendo assim, os dois blocos foram trabalhados como se fossem uma
única competência: Criar Layout de um Site.
Essa atividade consiste em mobilizar os mais diversos saberes teóricos e práticos que vão desde
a entrevista e análise de dados com o cliente a concepção e desenvolvimento do design de um
site em uma ferramenta gráfica.
No entanto, o trabalho desenvolvido nesse laboratório foi além da competência especifica em
si pois para o exercício de uma profissão é necessário ter um conjunto de competências que
muitas vezes trabalham em conjunto como se fossem engrenagens de uma máquina.
Para este fim foi elaborado um miniprojeto com participação da professora de valores no âmbito
profissional onde os alunos se dividiram em grupo e desenvolveram um plano de negócios para
28
a criação de uma agencia de web design. Além disso, realizamos parcerias com turmas do curso
de editor gráfico que tiveram o trabalho de desenvolver o logotipo das empresas. A conclusão
deste trabalho foi o desenvolvimento ou redesign de um site para um cliente fictício.
No que se refere a atividade de aprendizagem da competência Criar Layout de um Site a
contextualização e mobilização foi denominada de: “O que é design? ”. Iniciada no auditório
com as duas turmas de Webdesign em uma exposição dialogada que buscou mostrar o que é a
profissão e qual a importância do Webdesign como forma de comunicação digital. Como
resultado a exposição naturalmente virou uma espécie de debate que durou aproximadamente
duas horas, mais tempo que o previsto.
A definição da atividade de aprendizagem ficou definida em 7 etapas, cada etapa corresponde
aos indicadores previstos na competência Criar Layout de um Site. A tabela abaixo mostra a
relação entre o indicador de competência e o resumo da etapa de atividade de aprendizagem
correspondente:
Tabela 3 – Desenvolvimento dos indicadores de aprendizagem
Indicador de aprendizagem Etapa da atividade realizada (Resumo)
Conhece workflow de Webdesign; Pesquisa por formas de fluxo de trabalho para
criação de websites.
Aplica briefing como ferramenta de analisa
de requisitos do projeto;
Leitura direcionada e aplicação prática de
Briefing.
Define a organização da informação em um
site;
Leitura direcionada e criação de Sitemap
Conhece os principais conceitos de design:
contraste, alinhamento, proximidade e
repetição
Escolher 1 site para realizar analise de
aplicabilidade dos conceitos estudados
Conhece e utiliza as cores no processo de
comunicação de um site;
Pesquisa: A cor como ferramenta de
transmissão de informação.
Conhece e utiliza a tipografia para a
comunicação de um site;
Pesquisa: A Tipologia como ferramenta de
transmissão de informação.
29
Conhece os mais variados tipos de layouts
utilizados em sites na web há indicador que
compõe a competência a ser desenvolvida
como segue:
Seminário: Tipos de layout.
A coordenação de acompanhamento da atividade de aprendizagem foi definida da seguinte
forma:
Observação de participação individual do aluno: realização de trabalhos e exercícios propostos,
participação de forma significativa em discussões, tirar dúvidas de assuntos estudados,
demonstrar aprimoramento em assuntos abordados durante a atividade
Observação de participação em atividades em grupo: participar de forma ativa em trabalhos em
grupo, buscar comunicação e trabalho em equipe.
Intervir em se necessário, em casos que de alguma forma os alunos percam o foco da atividade
ou fujam do tema independentemente do motivo, para realizar redirecionamento focando o
objetivo da atividade.
Avaliação da Atividade de Aprendizagem seguiu os seguintes critérios:
• Observação de realização de atividades.
• Frequência.
• Entrega de trabalhos e exercícios de forma pontual.
• Observação da qualidade dos trabalhos entregues (relevância de informações,
apresentação do trabalho e outros)
• Observação do desenvolvimento do aluno em relação ao seu aprimoramento a
capacidade de resolução de problemas reais no mercado de trabalho.
O acesso há outras referências deu a cada etapa da atividade se deu por meio leituras
direcionadas.
A síntese de aplicação consistiu em criar o layout de um site utilizando os todos os conceitos
debatidos em sala de aula (briefing, dimensionamento do site, tipo de layout utilizado,
navegação, cores e tipologia).
30
Grande parte dos alunos demonstrou interesse em participar das atividades. Foi possível
perceber evolução dos alunos, porém alguns desenvolveram a competência de forma mais lenta
que o esperado.
O Resultado do projeto foi muito satisfatório proporcionando aos alunos o desenvolvimento da
competência da Criar Layout de um Site de aprendizagem relacionando à outras competências
como trabalho em equipe, empreendedorismo.
As interações entre as turmas de Webdesign e editor gráfico foram muito produtivas, para os
alunos de Webdesign houve a possibilidade de ser cliente e ter uma logomarca profissional
economizando tempo e melhorando a qualidade dos trabalhos. Para os alunos do curso de Editor
gráfico foi possível vivenciar uma situação de aprendizagem que está bem próxima da realidade
desse profissional.
As principais dificuldades a esta atividade foi a grande quantidade de trabalho a ser feito em
curto espaço de tempo. Outro fator que prejudicial ao trabalho foi a evasão de 50% da turma
por motivos diversos (saúde, incompatibilidade de tempo, outros), esse fator desmontou as
equipes sendo necessário remontar e remodelar os trabalhos pelo menos duas vezes. Mesmo
assim a atividade foi produtiva.
Para o próximo laboratório ficam os seguintes pontos a serem melhorados
1. Melhorar a comunicação com os alunos.
2. Melhorar a organização do tempo
3. Analisar e melhorar a atividade de integração de competências.
2.3. LABORATÓRIO III
Antes de iniciar o laboratório houve uma análise do trabalho realizado anteriormente e os pontos
principais a serem repensados foram a comunicação e adequação da quantidade de trabalhos a
disponibilidade de tempo para estudo da maioria dos alunos da turma.
O plano de trabalho docente aplicado nesse laboratório foi semelhante ao do Laboratório II,
diferenciado pela forma de acompanhamento que foi realizada por meio de metas quinzenais,
reuniões diárias e questionários de sondagem periódicos.
31
Antes de aplicar a contextualização foi realizada uma avaliação diagnóstica por meio de um
formulário online com o objetivo de entender o aluno, conhecer as expectativas, conhecer o
grau de conhecimento do aluno para que possa ser realizada as adaptações no Plano de Trabalho
Docente. Abaixo a listagem das 3 principais perguntas:
1. Você tem acesso a um computador?
2. Você está trabalhando no momento?
3. Na sala você aprende melhor?
No total onze alunos responderam o questionário, as informações foram sintetizadas no formato
de gráficos. Veja a seguir:
Gráfico 1 – Quantidade de alunos que possuem computador
Fonte: Formulário aplicado em sala de aula.
A grande maioria dos alunos possui computador possibilitando realizar atividades em casa,
utilizando as ferramentas que serão aprendidas em sala de aula. Os alunos que não possuem
computador poderão realizar a atividade no cyber da unidade de ensino. Essas atividades
poderão servir como uma possibilidade de treinar e adquirir habilidade no uso das ferramentas.
2
9
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
NÃO SIM
1. Possui computador?
32
Gráfico 2 – Quantidade de alunos que estão trabalhando
Fonte: Formulário aplicado em sala de aula.
Conforme o gráfico 2 a grande maioria dos alunos não trabalham e não possuem experiência
profissional na área de Webdesign ou correlatas. Isso deverá ser considerado na a atividade de
contextualização pois a partir dessa informação e do diálogo entre alunos e professor em sala
de aula observou-se a necessidade de criar mecanismos mais elaborados para relacionar o
conteúdo aos saberes prévios do aluno.
Gráfico 3 – Melhor forma de compreensão do aluno.
Fonte: Formulário aplicado em sala de aula.
Com base no gráfico 3 podemos concluir que a maioria dos alunos possuem a percepção de que
aprendem em primeiro lugar ouvindo e posteriormente exercitando, então para aumentar os
8
1
2
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9
Não
Por conta propia
Sim
2. Você está trabalhando?
9
3
6
0 2 4 6 8 10
O que o profesor fala
O que o professor escreve
Os exercícios e trabalhos
3. Na sala você compreende melhor?
33
resultados o trabalho foi focado nas alternativas de atividade que tenha maior chance de
melhores resultados de aprendizagem podendo ser por exemplo: seminários e exercícios.
As informações coletadas juntamente com analises de gráficos possibilitaram pequenas
modificações no planejamento da atividade, porém significativas. A competência a ser
desenvolvida continua sendo Criar o Layout de um Site.
A contextualização e mobilização foi repetida, e no final os resultados dos projetos do
laboratório 2 foram exibidos, o que causou bastante expectativas nos alunos.
Em todos os outros passos foram mantidos o planejamento do laboratório II, com exceção da
coordenação e acompanhamento em que foi acrescentada uma adaptação da metodologia de
desenvolvimento ágil SCRUM.
O SCRUM é principalmente utilizado em fabricas de software, porém pode ser adaptado para
qualquer área. Uma das suas principais características é promover a autonomia de cada membro
da equipe (time geralmente de 5 a 8 pessoas), para desenvolvimento de pequenas tarefas que
duram entre uma a duas semanas (Sprint1
) (SHUTHERLAND, 2014).
Em sala de aula, foi definido o período do Sprint de uma semana e deu-se início as atividades.
Todos os dias foi realizada uma mini reunião do professor com cada um dos alunos, sendo
realizadas três perguntas:
1. O você fez ontem?
2. O que você vai fazer hoje?
3. Existe algum empecilho para realização da atividade?
Por meio das perguntas foi possível remover alguns impedimentos e otimizar a produtividade
dos alunos, todos conseguiram cumprir o Sprint dentro do prazo previsto de cinco dias (isso
não havia acontecido nos outros laboratórios).
Os resultados do laboratório três foram muito bons, todos os alunos conseguiram realizar a
atividade proposta de forma satisfatória, inter-relacionando todos os indicadores da
competência Criar Layout de um Site.
1
No Scrumo projeto é dividido em ciclos temporais chamados de Sprint.
34
Como ponto a melhorar para as próximas turmas ficam:
Elaborar novas atividades que possibilitem o aluno criar uma melhor relação do conteúdo com
o conhecimento do aluno. O aprendiz deve ser imerso na atividade de forma a possibilitar a
aprendizagem ainda que não esteja trabalhando diretamente nela.
Utilizar na pratica conceitos de modo cerebral focado e difuso para melhorar a capacidade de
assimilação de blocos de conhecimento.
Utilizar métodos e técnicas de aumento de produtividade para otimizar o tempo em sala de aula,
como o Ciclo PDCA e o SCRUM.
35
3. APRIMORANDO O PTD
Com base na experiência realizada nos laboratórios é possível refletir sobre os acertos e erros
que aconteceram dentro e fora de sala de aula. Sendo assim, é necessário buscar a raiz de cada
problema ocorrido para encontrar as possíveis soluções e assim, ao mesmo tempo que se ensina
também se aprende.
Antes de desenhar a situação de aprendizagem é necessário ter a compreensão que não existe
parâmetros que definam a situação de aprendizagem perfeita, porém é possível perceber alguns
aspectos que podem ser considerados para o aprimoramento da construção de competências e
saberes.
A primeira conclusão alcançada neste trabalho é que se a atividade de aprendizagem busca
colocar os alunos como centro no desenvolvimento da competência, então faz-se necessário
conhece-los. Considerar a subjetividade de cada aluno, entender quais são os seus objetivos de
vida e como o curso poderá ajudá-lo.
Sem essa contextualização é praticamente impossível aplicar a aprendizagem significativa,
afinal, a nova aprendizagem vai se relacionar com qual conhecimento prévio?
Quando se conhece os alunos é possível entende-los e saber como estimula-los de forma eficaz,
além disso, é possível saber quais são as formas como cada um aprende e dessa forma realizar
adaptações necessárias para aumentar a efetividade da aprendizagem.
O segundo ponto a ser considerado é que a atividade deve estar focada em resultados, replicando
o que já acontece em empresas da indústria e comercio. Focar em resultados não significa
realizar a atividade com pressa para entregar trabalhos, mas sim desenvolver atividades em que
os alunos tenham um salto qualitativo na aprendizagem.
Nos casos das áreas de tecnologia é necessário observar além da aprendizagem as questões de
qualidade dos trabalhos, isso envolve conhecimento e vontade de realizá-los bem, tanto alunos
quanto professores. Para o docente estar atualizado com as últimas tecnologias de mercado não
é opcional, pois não adianta o aluno desenvolver uma competência especifica de uma área
tecnológica que está em desuso. Fazer isso é marginalizar a profissão e criar os famosos
“sobrinhos” que passam horas trabalhando por valores muito abaixo do mercado.
36
Ainda falando de foco em resultados é aconselhável sempre buscar novos métodos e
ferramentas que proporcionem ao aluno uma maior facilidade para aprender.
A exemplo disso são as ferramentas que facilitam a comunicação e diálogo com os alunos e que
possibilitem ter um plano de estudos para casa ou gerenciamento de tarefas.
O terceiro ponto a considerar é buscar relacionar competências, por exemplo, os alunos de
Webdesign ao tentar ingressar no mercado de trabalho precisarão comunicar-se com clientes e
colegas de trabalho, trabalhar em equipe e aprender muitas coisas sem o auxílio de um
professor. Então esses quesitos devem ser considerados na hora de desenvolver a atividade de
aprendizagem.
Tomando como exemplo a competência desenvolvida nos laboratórios 1 e 2 Criar o Layout de
um Site é possível perceber a necessidade de “competências genéricas” que trabalharão em
conjunto com a específica.
O a ilustração a seguir mostra o possível processo para criação do layout.
Sendo mais especifico no processo de briefing (coleta de dados sobre o trabalho a ser
desenvolvido) o futuro profissional terá que mobilizar um conjunto de competências que não
estão diretamente ligadas com a criação do design como criar planejamento de briefing,
comunicar-se de forma eficaz, trabalhar em equipe de forma eficiente.
Na fase de planejamento e analise o aluno devera a analisar os dados coletados, estudar o
negócio do cliente, estipular cronograma de execução do projeto e por fim estipular orçamento
do projeto.
Então com base nesses fatos é de extrema importância que o professor considere essas
competências como componente básico da formação do Webdesigner e dessa forma busque
Ilustração2 Processo para desenvolvimento do design
37
maneiras de desenvolver essas competências concomitantemente com a competência do criar
layout de um site.
Ainda falando de competências que devem ser mescladas na atividade de aprendizagem é
possível considerar competências que possibilitem ao aluno um melhor desempenho durante
todo o curso.
A exemplo disso temos a competência de saber aprender que poderá auxiliar ao aluno um
melhor aproveitamento durante todo o curso e quando estiver atuando no mercado será de
extrema importância pois constantemente surgem novas tecnologias e na maioria das vezes não
é possível realizar um curso ou ter um professor para ensinar.
Apesar de alguns alunos já possuírem algumas dessas competências antes mesmo de iniciar o
curso de Webdesigner, elas precisam ser trabalhadas durante a atividade de aprendizagem de
forma subliminar, porém o ideal é que o aluno tenha consciência de que elas estão lá e são de
extrema importância.
Uma forma em que é possível potencializar a atividade de desenvolvimento de competências é
por meio de parcerias com outras turmas que podem ser do mesmo curso ou não, isso foi testado
durante o projeto elaborado no laboratório 2 que envolveu duas turmas do curso de
Webdesigner e duas turmas do curso de Editor gráfico.
Entre as turmas de Webdesigner foi possível trocar experiências durante as aulas em conjunto
que geralmente estavam relacionadas a explicação do projeto e apresentações finais. Com essa
interação foi possível trocar informações e experiências específicas e de forma singela
desenvolver a capacidade de comunicação.
Já o trabalho com as turmas de editor gráfico foi mais complexo, pois a atividade foi realizada
com o objetivo de criar o logotipo das equipes de Webdesign. As turmas 1 de editor e web eram
de turnos diferentes (manhã e noite) onde a comunicação foi realizado por e-mail o que
dificultou a dinâmica da atividade pois muitas vezes a comunicação falhou.
Já no caso das turmas 2 (que eram do mesmo turno) a comunicação e trabalho em equipe
trouxeram um resultado excelente para ambas as turmas, os alunos demonstraram muito
interesse e a participação das equipes foi intensa.
Na ilustração abaixo é possível visualizar as interações que houveram entre as quatro turmas.
38
Ilustração 3 – Interação entre turmas no laboratório 2
Feitas as devidas alterações é possível planejar e desenhar a atividade por meio da metodologia
dos 7 passos, para isso que isso aconteça serão necessárias várias adaptações para cada nova
turma. Isso porque em primeiro lugar será necessário criar as atividades com base no
conhecimento dos alunos. O outro ponto a considerar são os cursos que estão em oferta no
momento. Independente do curso com boa vontade e muito trabalho é possível.
Para o futuro podemos prospectar a evolução dessa atividade por meio de interações diretas
como mercado de trabalho. Um exemplo seria a criação de uma fábrica de sites (no caso do
curso de Webdesign) do SENAC-PA. Essa experiência já acontece em Belém em outras
instituições então isso significa que é possível.
39
Para resumir os quesitos para desenvolver ainda mais a situação de aprendizagem em web
design:
1. Criar mecanismos para conhecer os alunos.
2. Atualizar conhecimentos do discente em relação a novas tecnologias
3. Criar um ambiente que facilite a comunicação professor/aluno.
4. Utilizar ferramentas e métodos que possam melhorara a produtividade das aulas
5. Inserir na atividade de aprendizagem o relacionamento das competências especifica
com as competências complementares
6. Criar sinergia entre cursos para troca de experiência entre os alunos
Com base nesses pontos é necessário realizar adaptações constantes no PTD.
40
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao finalizar o curso percebe-se que ensinar saberes não supri as necessidades dos alunos em
relação as cobranças no mundo real. O conhecimento por si só não é suficiente para que eles
resolvam os problemas que acontecem no dia a dia de cada profissão.
Observado isso, chega-se a concepção de que a forma de ensino que mais se adequa para a
preparação de alunos a atuarem como profissionais no mercado de trabalho é a aprendizagem
por meio de desenvolvimento de competências.
Foi possível detectar na pratica que a metodologia dos 7 passos para desenvolvimento de
competências é muito eficaz, isso porque ao mesmo tempo em que foi realizada a aplicação da
atividade de aprendizagem com os alunos em sala de aula, os professores também foram alunos
e passaram pelo processo de ação reflexão ação.
Percebesse nesse processo que é oportunizado ao aluno uma aprendizagem significativa e
autônoma que pode ser realizada de forma simples e prática, posteriormente é possível refletir
sobre os erros e acertos e por fim é dada uma nova oportunidade de agir de forma que o aluno
pode superar as dificuldades e ter a competência desenvolvida a um ponto em que a
aprendizagem seja continua mesmo depois que o curso termine.
Percebe-se que por meio da criação do PTD baseado nas 7 etapas é possível cria-los e
implementa-los de forma bem definida, sem margens a ambiguidades. Facilitando fatores como
desenvolvimento de competências especificas e genéricas que complementem ainda mais a
formação do profissional.
Com a etapa da Mobilização é possível estimular o aluno a conseguir alcançar os objetivos em
sala de aula. Percebe-se a melhora na comunicação entre alunos e professor e consequentemente
melhoria na maioria dos resultados.
Com relação as avaliações as antigas provas que já não eram utilizadas casualmente foram
deixadas de lado e em seu lugar começou a ser realizada a observação do desenvolvimento do
aluno e da atividade de aprendizagem, fatores como interesse e participação, evolução do aluno
em relação a competência a ser desenvolvida, qualidade dos trabalhos realizados e habilidade
para fazer as tarefas são consideradas nas avaliações.
41
Com a experiência do curso de pós-graduação em docência para o ensino superior foi possível
mudar a forma de pensar competências e perceber como elas se interligam. Além disso uma
com a metodologia dos 7 passos uma grande interrogação foi respondida, como se desenvolve
uma competência?
Após a realização da pós-graduação em docência pode-se afirmar que o professor participante
do curso possui as competências necessárias para criar e aplicar planejamento para
desenvolvimento de competências dos alunos e de si próprio, gerando a possibilidade da
aprendizagem continua após o termino do curso.
42
REFERÊNCIAS
CHIAVENATO, I. Introdução a Teoria Geral da Administração. São Paulo: Makron Books,
2004.
DELUIZ, N. O Modelo das Competências Profissionais no Mundo do Trabalho e na Educação:
Implicações para. SENAC. Disponivel em: <http://www.senac.br/bts/273/boltec273b.htm>.
Acesso em: 15 Janeiro 2016.
KULLER, J. A.; RODRIGO, N. D. F. Metodologia de Desenvolvimento de Competências.
Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2013.
MOREIRA, M. A. Aprendizagem Significativa: a teoria e textos complementares. 1. ed. São
Paulo: Editora e Livraria da Física, 2011.
PERRENOUD, P. Desenvolver Competências ou ensinar saberes? A escola que prepara
para a vida. 1. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2012.
SHUTHERLAND, J. SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo.
São Paulo: LeYa, 2014.
ANEXO 1
PLANEJAMENTO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM
Competência (s) / indicador (es) a ser (em) desenvolvido (s): Planejar e criar a estrutura
de um website.
Situação de aprendizagem: Criar Layout de um site
Passos Metodológicos:
Recursos a serem
utilizados
Tempo
1. Contextualização e Mobilização:
O que é Web design?
Atividade que consiste no entendimento do que é a
profissão e qual a importância do Webdesign como
forma de comunicação digital
Computador, Datashow,
auditório, papel, lápis,
internet
1h
2. Definição da Atividade de Aprendizagem:
Criar Layout de um site:
1. Pesquisa por formas de fluxo de trabalho
para criação de websites.
2. Leitura direcionada e aplicação de Briefing.
3. Definição de Sitemap e arquitetura da
informação.
4. Pesquisa e Leitura direcionada: entendendo
a estrutura bidimensional de um site.
5. Pesquisa: A cor como ferramenta de
transmissão de informação.
6. Pesquisa: A Tipologia como ferramenta de
transmissão de informação.
7. Seminário: Tipos de layout.
Computador, Datashow,
auditório
14hs
3. Organização da Atividade de Aprendizagem:
1. Pesquisa por formas de fluxo de trabalho para
criação de websites
1.1. Realizar Pesquisa
1.2. Discutir em grupo e tirar conclusões sobre o
que foi aprendido
2. Briefing
2.1. Realizar leitura individual de texto
direcionado para o assunto
2.2. Criar duplas e aplicar briefing onde um dos
participantes será o cliente e o outro fará o
papel do Webdesigner
3. Sitemap e arquitetura da informação
3.1. Leitura individual sobre texto direcionado a
arquitetura da informação e tipos de
navegação
3.2. Voltar a dupla anterior e criar o Sitemap
4. Estrutura Bidimensional
4.1. Leitura direcionada sobre: A forma como
uma pessoa lê um website
4.2. Pesquisa sobre conceitos básicos na
definição de um bom layout – Alinhamento,
contraste, proximidade e repetição
4.3. Discussão em grupo para tirar duvidas
4.4. Escolher 1 site para realizar analise de
aplicabilidade dos conceitos estudados
(atividade individual)
5. Cor
5.1. Mostrar várias imagens, o aluno deverá
anotar o nome da cor predominante de cada
imagem e ao lado informar como eles
acham que aquela cor está comunicando.
5.2. Posteriormente visualizar vídeo especifico
sobre significado de cores
5.3. Verificar se o que eles escreveram conferem
com as informações mostradas no vídeo
5.4. Discussão em grupo
6. Tipologia
6.1. Mostrar alguns exemplos de textos com
suas tipologias
6.2. Pedir para o aluno anotar se visualmente o
texto condiz com o que está escrito com a
devida justificativa
6.3. Pesquisa individual sobre tipologia: tipos e
famílias tipográficas, tamanho,
espaçamento, alinhamento de textos
6.4. Discussão em grupo para tirar possíveis
duvidas
7. Seminário: Tipos de layout.
7.1. Formar equipes de no máximo 4 pessoas
7.2. Definir tema que cada equipe irá apresentar
7.3. Realizar pesquisa
7.4. Apresentar trabalho
4. Coordenação e Acompanhamento:
Geral:
Aplicação do SCRUM:
18hs
Durante o desenvolvimento das atividades realizar
mini reuniões diárias fazendo as seguintes
perguntas:
1. O que você fez ontem?
2. O que vai fazer hoje?
3. Existe alguma coisa atrapalhando?
 Observação de participação individual do
aluno: realização de trabalhos e exercícios
propostos, participação de forma significativa
em discussões, tirar dúvidas de assuntos
estudados, demonstrar aprimoramento em
assuntos abordados durante a atividade
 Observação de participação em atividades
em grupo: participar de forma ativa em
trabalhos em grupo, buscar comunicação e
trabalho em equipe.
 Intervir em se necessário, em casos que de
alguma forma os alunos percam o foco da
atividade ou fujam do tema
independentemente do motivo, para realizar
redirecionamento focando o objetivo da
atividade.
5. Avaliação da Atividade de Aprendizagem:
 Observação de realização de atividades.
 Frequência.
 Entrega de trabalhos e exercícios de forma
pontual.
 Observação da qualidade dos trabalhos
entregues (relevância de informações,
apresentação do trabalho e outros)
 Observação do desenvolvimento do aluno
em relação ao seu aprimoramento a
capacidade de resolução de problemas reais
no mercado de trabalho.
18hs
6. Acesso a Outras Referências:
Indicação de sites com leituras complementares
sobre os temas abordados
7. Síntese e Aplicação:
Aplicar todos os conhecimentos para criação de um
Wireframe (Rascunho de um site), definindo e
justificando:
 Briefing
 Dimensionamento do site
 Tipo de layout utilizado
 Navegação
 Cores
 Tipologia utilizada
15
minutos
ANEXO 2
Formulário 1
1. Informe seu nome?
2. Data de nascimento?
3. Estado Civil?
4. Bairro?
5. Em que escola você fez seus estudos?
6. Qual o principal motivo para a escolha do curso?
7. Você já fez algum curso de informática, quais?
8. Possui computador?
9. Tem acesso à internet?
10. Você está trabalhando no momento?
11. Você possui alguma experiência profissional na área de informática?
12. Qual o principal meio de comunicação que você usa?
13. Na sala você compreende melhor? (Ouvindo, escrevendo, exercício)
14. Quando você estuda em grupo você é mais (doador, receptor, os dois)?
É possível acessar o questionário de sondagem 1 completo pela url https://goo.gl/PxF7v&
É possível acessar o questionário de acompanhamento de curso 1 completo pela url
https://goo.gl/HZnwik
Para acessar os sites produzidos pelas turmas 1 e 2 no projeto de empreendedorismo acesse:
http://juliogomes.net/possenac/tcc
ANEXO 3
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC/PA, CEP-
TIC.
Coordenador (a) do Curso de: Nilce
Elaborador do projeto:
 Julio Gomes
 James Moreira
 Gilvana Salame
 Nilce Cardoso
Curso Webdesign - 220 horas
PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROJETO PEDAGÓGICO
3.1 Histórico/diagnóstico do curso
Ao ministrar o curso de Webdesign os professores vêm percebendo que existe uma
desatualização do curso em relação ao conteúdo proposto, tecnologias que estavam em seu auge
há 3 ou 4 anos atrás agora foram descontinuadas e entraram em desuso, concomitantemente
novas tecnologias foram desenvolvidas e surgiram novas áreas dentro da profissão.
Em comparação a nova metodologia de ensino que está sendo implantada pelo SENAC
NACIONAL o plano de curso também está desatualizado pois não prevê a criação do
conhecimento do aluno de forma continua e independente
3.2. Justificativa
O objetivo principal que norteou este projeto é a desatualização do Plano de curso de
Webdesign em relação ao mercado de trabalho e o novo plano nacional de ensino do SENAC
3.3 Objetivos
 Adequar o curso ao plano nacional de ensino do SENAC
 Adequar o curso as necessidades do mercado de trabalho
 Melhorar a integração de componentes do curso como valores no âmbito profissional
e os componentes específicos de Webdesign.
 Criar um elo entre temas abordados no curso de Webdesign com os de cursos de áreas
correlatas como editor gráfico, fotografia e outros.
 Cria projeto empreendimento na área de Webdesign.
Descrição do Projeto
Geral: O projeto é uma simulação que está dividido em duas partes: desenvolvimento do plano
de negócios e atendimento de serviço para um cliente fictício.
 Criar o plano de negócios para uma empresa de Webdesign, que será iniciado na
disciplina de valores.
 Criar um website para empresa
 Criar um website para um cliente
O plano de negócios tem por objetivo descrever por escrito os objetivos de um negócio
e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo os riscos
e as incertezas. Por meio do plano de negócio será possível identificar e restringir erros com a
empresa ainda no papel, ao invés de cometê-los no mercado, em nossos projetos
desenvolveremos:
Desenvolver
plano de
negócios
Desenvolver
Website da
empresa
Desenvolver o
projeto web
para um cliente
SUMÁRIO EXECUTIVO:
O sumário executivo é um resumo do PLANO DE NEGÓCIO. Não se trata de uma
introdução ou justificativa e, sim, de um sumário contendo seus pontos mais importantes
ANÁLISE DE MERCADO
Relaciona-se ao marketing da organização, apresentando o entendimento do mercado,
clientes, concorrentes e quanto a empresa conhece, em dados e informações, o mercado onde
atua.
PLANO DE MARKETING
Detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing da empresa
Descreve os principais os serviços que serão prestados, informando quais serviços serão
prestados, suas características e as garantias oferecidas.
PLANO OPERACIONAL
Define o plano para estrutura física da empresa, capacidade de produção ou prestação
de serviços, necessidade de pessoal.
PLANO FINANCEIRO
Define um plano onde será realizado a estimativa de investimentos, capital de giro,
investimentos totais, estimativa de faturamento, estimativa de custos para a comercialização,
lucratividade do negócio entre outros.
O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO DE UM WEBSITE
BRIEFING
Etapa em que serão coletadas as informações necessárias para o desenvolvimento
do site.
PLANEJAMENTO DO PROJETO DE SITE
Definição de navegação do site, arquitetura da informação e rascunho do site. Criação
do mapa do site e Wireframe.
CRIAR UMA PROPOSTA PARA CLIENTE
Desenvolver documento com informações sobre o serviço que será prestado,
cronograma, valores e garantia do serviço.
DESENVOLVIMENTO DO LAYOUT DO SITE
Plano de
Negócios
Sumário
executivo
Analise de
mercado
Plano de
Marketing
Plano
operacional
Plano
Financeiro
Empresa de
Webdesign
Refinamento do planejamento do site, escolha de tipografia, ajuste das cores e
esquema de cores. Pesquisa por imagens.
Desenvolvimento do layout completo de todas ou das principais páginas do site
DIAGRAMAÇÃO DO LAYOUT PARA PÁGINAS WEB
Transformar as imagens dos layouts em páginas web com uso de linguagens de
marcação e estilização.
Desenvolvimento de outros recursos do site como programação, vídeos, imagens.
TESTES E HOSPEDAGEM DO SITE
Teste de usabilidade, links e outros
Hospedagem do site e configuração do domínio, e-mail e outros
MANUTENÇÃO DO SITE
Caso o cliente solicite a manutenção no contrato. Realizar pequenas alterações e
ajustes no site solicitadas pelo cliente. Adesão de novos serviços como o de
otimização do site em mecanismos de busca ou otimizar o tempo de carregamento do
site entre outros.
Briefing Planejamento Proposta
LayoutDiagramaçãoTestes
Hospedagem Manutenção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila sistemas operacionais
Apostila sistemas operacionaisApostila sistemas operacionais
Apostila sistemas operacionais
fernandao777
 
HELBER_CHOO_-_TRABALHO_DE_LICENCIATURA
HELBER_CHOO_-_TRABALHO_DE_LICENCIATURAHELBER_CHOO_-_TRABALHO_DE_LICENCIATURA
HELBER_CHOO_-_TRABALHO_DE_LICENCIATURA
Helber Choo
 
Aluno Monitor Final 2008
Aluno Monitor Final 2008Aluno Monitor Final 2008
Aluno Monitor Final 2008
Adriana Vieira
 
Manual.fpif modulo 1 fisoot
Manual.fpif modulo 1 fisootManual.fpif modulo 1 fisoot
Manual.fpif modulo 1 fisoot
Ivan Couras
 
Relatório final oficina de formação isabel ricardo
Relatório final  oficina de formação isabel ricardoRelatório final  oficina de formação isabel ricardo
Relatório final oficina de formação isabel ricardo
João Alves Ribeiro Ferreira
 
Apresentacao da oficina1 presencial
Apresentacao da oficina1 presencialApresentacao da oficina1 presencial
Apresentacao da oficina1 presencial
Escolalorenzo
 
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_20132 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
Paula Fernandes
 

Mais procurados (19)

Saudabilidade e bem estar - nutrição semestre 3º flex e 4º regular
Saudabilidade e bem estar - nutrição semestre 3º flex e 4º regularSaudabilidade e bem estar - nutrição semestre 3º flex e 4º regular
Saudabilidade e bem estar - nutrição semestre 3º flex e 4º regular
 
Catalogo de cursos webAula
Catalogo de cursos webAulaCatalogo de cursos webAula
Catalogo de cursos webAula
 
Apostila sistemas operacionais
Apostila sistemas operacionaisApostila sistemas operacionais
Apostila sistemas operacionais
 
Arte gestao pessoas
Arte gestao pessoasArte gestao pessoas
Arte gestao pessoas
 
Apostila Sistemas Operacionais
Apostila Sistemas Operacionais Apostila Sistemas Operacionais
Apostila Sistemas Operacionais
 
Reflexão final do módulo trabalho de recuperação
Reflexão final do módulo   trabalho de recuperaçãoReflexão final do módulo   trabalho de recuperação
Reflexão final do módulo trabalho de recuperação
 
HELBER_CHOO_-_TRABALHO_DE_LICENCIATURA
HELBER_CHOO_-_TRABALHO_DE_LICENCIATURAHELBER_CHOO_-_TRABALHO_DE_LICENCIATURA
HELBER_CHOO_-_TRABALHO_DE_LICENCIATURA
 
Apostila adm produção
Apostila adm produçãoApostila adm produção
Apostila adm produção
 
O caso do restaurante alho &amp; cebola processos gerenciais semestre 3º fl...
O caso do restaurante alho &amp; cebola   processos gerenciais semestre 3º fl...O caso do restaurante alho &amp; cebola   processos gerenciais semestre 3º fl...
O caso do restaurante alho &amp; cebola processos gerenciais semestre 3º fl...
 
Aluno Monitor Final 2008
Aluno Monitor Final 2008Aluno Monitor Final 2008
Aluno Monitor Final 2008
 
Manual.fpif modulo 1 fisoot
Manual.fpif modulo 1 fisootManual.fpif modulo 1 fisoot
Manual.fpif modulo 1 fisoot
 
Plano de trabalho de estágio cursos de licenciatura
Plano de trabalho de estágio cursos de licenciaturaPlano de trabalho de estágio cursos de licenciatura
Plano de trabalho de estágio cursos de licenciatura
 
Reflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisio
Reflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisioReflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisio
Reflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisio
 
25046427 relatorio-final-da-oficina-de-formacao
25046427 relatorio-final-da-oficina-de-formacao25046427 relatorio-final-da-oficina-de-formacao
25046427 relatorio-final-da-oficina-de-formacao
 
Relatório final oficina de formação isabel ricardo
Relatório final  oficina de formação isabel ricardoRelatório final  oficina de formação isabel ricardo
Relatório final oficina de formação isabel ricardo
 
Apresentacao da oficina1 presencial
Apresentacao da oficina1 presencialApresentacao da oficina1 presencial
Apresentacao da oficina1 presencial
 
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_20132 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 
Revisão da aula 1
Revisão da aula 1Revisão da aula 1
Revisão da aula 1
 

Semelhante a Desenvolvimento de competências em Webdesigner

Projeto Curso de Didática
Projeto Curso de DidáticaProjeto Curso de Didática
Projeto Curso de Didática
Alesfer
 
Folha avaliação formativa[15433]
Folha   avaliação formativa[15433]Folha   avaliação formativa[15433]
Folha avaliação formativa[15433]
pereyras
 
Projeto Microlins Jovem de Sucesso - papel timbrado
Projeto Microlins Jovem de Sucesso - papel timbradoProjeto Microlins Jovem de Sucesso - papel timbrado
Projeto Microlins Jovem de Sucesso - papel timbrado
marinathebaldi
 
Docente Independente Empreendedor
Docente Independente EmpreendedorDocente Independente Empreendedor
Docente Independente Empreendedor
Messias Matusse
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
Siouxiesiouxie
 

Semelhante a Desenvolvimento de competências em Webdesigner (20)

O Ensino Superior e a promoção de competências transversais – a proposta da F...
O Ensino Superior e a promoção de competências transversais – a proposta da F...O Ensino Superior e a promoção de competências transversais – a proposta da F...
O Ensino Superior e a promoção de competências transversais – a proposta da F...
 
Projeto Cadê Você? Integrando Novas Possibilidades
Projeto Cadê Você? Integrando Novas PossibilidadesProjeto Cadê Você? Integrando Novas Possibilidades
Projeto Cadê Você? Integrando Novas Possibilidades
 
O Meu Portefólio/Tic no Ensino-Apendizagem
O Meu Portefólio/Tic no Ensino-ApendizagemO Meu Portefólio/Tic no Ensino-Apendizagem
O Meu Portefólio/Tic no Ensino-Apendizagem
 
Projeto Curso de Didática
Projeto Curso de DidáticaProjeto Curso de Didática
Projeto Curso de Didática
 
Fazendo Acontecer
Fazendo AcontecerFazendo Acontecer
Fazendo Acontecer
 
O Movimento Maker na Educação
O Movimento Maker na EducaçãoO Movimento Maker na Educação
O Movimento Maker na Educação
 
Folha avaliação formativa[15433]
Folha   avaliação formativa[15433]Folha   avaliação formativa[15433]
Folha avaliação formativa[15433]
 
E-learning para e-formadores
E-learning para e-formadoresE-learning para e-formadores
E-learning para e-formadores
 
Oficina de blog
Oficina de blogOficina de blog
Oficina de blog
 
Pedagogia empresarial3
Pedagogia empresarial3Pedagogia empresarial3
Pedagogia empresarial3
 
Projeto Microlins Jovem de Sucesso - papel timbrado
Projeto Microlins Jovem de Sucesso - papel timbradoProjeto Microlins Jovem de Sucesso - papel timbrado
Projeto Microlins Jovem de Sucesso - papel timbrado
 
Escola de Negocios UP
Escola de Negocios UPEscola de Negocios UP
Escola de Negocios UP
 
Escola de Negocios
Escola de NegociosEscola de Negocios
Escola de Negocios
 
3º MóDulo 1 Parte
3º MóDulo 1 Parte3º MóDulo 1 Parte
3º MóDulo 1 Parte
 
3º MóDulo 1ªParte
3º MóDulo 1ªParte3º MóDulo 1ªParte
3º MóDulo 1ªParte
 
PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS
PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOSPLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS
PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS
 
Docente Independente Empreendedor
Docente Independente EmpreendedorDocente Independente Empreendedor
Docente Independente Empreendedor
 
Pfap relatorio final
Pfap relatorio finalPfap relatorio final
Pfap relatorio final
 
Projeto de Inclusão do Jovem no Mundo do Trabalho.
Projeto de Inclusão do Jovem  no Mundo do Trabalho.Projeto de Inclusão do Jovem  no Mundo do Trabalho.
Projeto de Inclusão do Jovem no Mundo do Trabalho.
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
 

Último

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 

Último (20)

Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 

Desenvolvimento de competências em Webdesigner

  • 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC SANTO AMARO Julio Ricardo Gomes Mota Desenvolvimento de competências em Webdesigner São Paulo 2016
  • 2. Julio Ricardo Gomes Mota Desenvolvimento de competências em Webdesign Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário Senac – Santo Amaro, como exigência parcial para a obtenção do grau de Especialista em Docência para a Educação Profissional São Paulo 2016
  • 3.
  • 4. Julio Ricardo Gomes Mota Desenvolvimento de competências em Webdesign Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário Senac – Santo Amaro, como exigência parcial para a obtenção do grau de Especialista em Docência para a Educação Profissional. Orientador (a): Luciana Gimenes Parada Dos Santos A banca examinadora dos Trabalhos de Conclusão, em sessão pública realizada em ________/_______/_______, considerou o (a) candidato (a): 1) Examinador (a) 2) Examinador (a) 3) Presidente
  • 5. A minha mãe, Sofia Mota, que foi a primeira e mais inesquecível de todas as professoras.
  • 6. AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer a mestre Luciana Parada Gimenes pela sua disposição, pela grande capacidade entender as dificuldades dos alunos e por sempre estar nos estimulando, com certeza é isso que fez com que vencêssemos as grandes dificuldades. Gostaria de agradecer também a todos os colegas de classe, com você aprendi muito, como diz o ditado “a união faz a força” e poder compartilhar conhecimento, experiências e as dificuldades de nosso trabalho a aprendizagem foi extremamente significativo. Gostaria de agradecer especialmente a minha esposa Fabrícia pelo incentivo e pelas horas que de atenção para compartilhar as minhas experiências, devaneios e modestas ideias sobre aprendizagem. Agradeço também a todos os alunos que participaram dos laboratórios, aprendi muito com todos vocês, a aprendizagem é uma via de mão dupla quem ensina aprende e muitas vezes quem aprende também ensina. Agradeço também meu irmão Jeff pelos feedbacks das minhas aulas. Não posso deixar de citar a coordenadora do CEP-TIC Nilce, que me auxiliou com o desenvolvimento do PTD, debatendo e me ajudando a amadurecer as ideias contidas neste trabalho. Quero agradecer ao S.r. Osvaldino Vieira que foi a maior influência para que eu me identificasse com essa profissão. Agradeço a toda a minha família e aos colegas da Extrafarma com os quais muitas vezes compartilhei minhas ideias sobre aprendizagem. Agradeço a professora Lina, Gilvana, James e Moises do CEPTIC, por aceitarem o participar do projeto que promoveu a sinergia de conhecimento entre cursos e competências distintas, tivemos muito trabalho e aprendizagem. Por fim quero agradecer a todas as pessoas as quais não citei o nome, mas participaram direta ou indiretamente na composição desse trabalho, todos foram de extrema importância.
  • 7. “Nunca diga às pessoas como fazer as coisas. Diga- lhes o que deve ser feito e elas surpreenderão você com sua engenhosidade. ” George Patton
  • 8. Resumo Este trabalho perpassa pela discussão das mudanças nas relações do homem com trabalho e a necessidade de adaptação de profissionais e escolas profissionalizantes para adequar-se aos requisitos do mercado na Era do Conhecimento. Embasado nas ideias de Perrenoud, Moreira, Ausubel e Kuller propõe a aprendizagem por meio do desenvolvimento de competências como uma solução para otimizar a preparação do discente e dessa forma promovendo uma melhor adaptação as constantes mudanças no mercado de trabalho. Por fim busca utilizar a metodologia dos 7 passos (ação – reflexão – ação), proposta por Kuller, como um meio para o desenvolvimento de competências no curso de Webdesign. Após o entendimento dos conceitos iniciais de competência e indicadores de competências foi desenvolvido o Plano de Trabalho Docente (PTD). Por fim, a metodologia foi aplicada em três laboratórios práticos em que para cada laboratório foi realizada uma análise e posteriormente o aprimoramento no PTD. Como resultado dos laboratórios percebeu-se que implementar no curso de Webdesign a aprendizagem por competência proporciona o autodesenvolvimento do aluno facilitando seu sucesso no mercado de trabalho.
  • 9. Abstract This work is for the discussion of the changes in the relationship of man with work and the need for adaptation of professional and vocational schools to suit market requirements in the age of knowledge. Based on the ideas of Perrenoud, Moreira, Ausubel and Kuller proposes learning through skills development as a solution to optimize student preparation and thus promoting a better adaptation to the constant changes in the labor market. Finally, the search using the methodology of the 7 steps (action-reflection-action), proposed by Kuller, as a means for the development of skills in Webdesign. After understanding the initial concepts of competence and skill indicators was developed the Teaching work plan (PTD). Finally, the methodology was applied in three Labs in which for each laboratory was conducted an analysis and the improvement in PTD. As a result of the Labs realized that implement the course competency learning Webdesign provides the self-development of facilitating student success in the labor market.
  • 10. SUMÁRIO 1. APRENDIZAGEM POR COMPETÊNCIA .......................................................... 13 1.1. O que é aprender.............................................................................................. 13 1.2. O homem, o trabalho e a aprendizagem. ......................................................... 14 1.3. O que é competência........................................................................................ 16 1.4. A construção de competências......................................................................... 18 1.4.1. Contextualização e mobilização............................................................... 19 1.4.2. Definição da atividade de aprendizagem.................................................. 20 1.4.3. Organização da atividade de aprendizagem ............................................. 21 1.4.4. Coordenação e acompanhamento............................................................. 21 1.4.5. Análise e avaliação da atividade de aprendizagem .................................. 21 1.4.6. Acesso a outras referências....................................................................... 22 1.4.7. Síntese e aplicação.................................................................................... 22 2. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS EM WEBDESIGN. .................. 23 2.1. Laboratório I .................................................................................................... 23 2.2. Laboratório II................................................................................................... 27 2.3. Laboratório III.................................................................................................. 30 3. APRIMORANDO O PTD...................................................................................... 35 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................. 40 Referências ..................................................................................................................... 42 ANEXO 1 ....................................................................................................................... 43 ANEXO 2 ....................................................................................................................... 47 ANEXO 3 ....................................................................................................................... 48
  • 11. 11 INTRODUÇÃO De acordo com Chiavenato (CHIAVENATO, 2004) a partir da Segunda Revolução Industrial a tecnologia vem influenciando de forma poderosa o funcionamento das organizações, como exemplo temos os modelos de produção – Taylorismo e Fordismo – utilizados no século XX. Esses sistemas consistiam na divisão do trabalho e especialização do operário em uma só tarefa. Com a entrada da Era da informação e da atual Era do Conhecimento, o modelo de trabalho de grande parte das organizações modificou-se mais uma vez. Sendo assim, a simples execução de tarefas não mais confere à concepção de competência implicitamente exigida no mercado de trabalho. Essa se transformou, exigindo que o profissional tenha uma visão holística, possua autonomia, flexibilidade, saiba trabalhar em grupo e atualize conhecimentos de forma constante. Apesar de toda evolução cientifica, econômica e tecnológica a sociedade vive com grande desigualdade social. Em países como o Brasil a baixa qualidade do ensino formal que é oferecido a população das classes C e D aumentam as disparidades com relação a minoria dos trabalhadores que estão preparados para as exigências do mercado de trabalho. Nesse cenário, as instituições de ensino profissionalizante necessitam se adaptar as transformações desafiadoras que estão ocorrendo diariamente no mundo, faz-se necessário atualizar o conceito de competência as necessidades das organizações, utilizando as melhores práticas de ensino existentes. De acordo com Ausubel, o conteúdo sem significado é facilmente esquecido ocorrendo em uma aprendizagem superficial, ele afirma ainda que o aprendizado de novos conhecimentos ocorre a partir do que o aluno já sabe. Sendo assim, o objetivo desse trabalho é possibilitar que os alunos tenham um salto qualitativo na aquisição de novos conhecimentos possibilitando o alinhamento das competências técnicas e comportamentais com as reais necessidades do atual mercado de trabalho em Webdesign. Neste contexto esse trabalho busca utilizar uma metodologia para desenvolvimento de competências que possibilite a capacitação do aluno de forma autônoma e profunda, considerando o inter-relacionamento entre competências e a real importância para os alunos e organizações. Tendo como objetivo a aplicação no curso de Webdesign de uma metodologia de ação e reflexão focada no desenvolvimento de competências transversais baseado na corrente cognitivista da aprendizagem significativa de Ausubel.
  • 12. 12 Esse trabalho está divido em três partes. Na primeira veremos os principais conceitos relacionados a competência, metodologia de ação - reflexão - ação e pôr fim a como a utilização da aprendizagem significativa pode auxiliar na aprendizagem do aluno. Na segunda parte, será feita uma análise sobre a aplicação desses conceitos em três laboratórios realizados com turmas de web design. Por fim, na terceira parte do trabalho será proposto uma situação de aprendizagem com base nos conceitos e experiências discutidas anteriormente.
  • 13. 13 1. APRENDIZAGEM POR COMPETÊNCIA 1.1. O QUE É APRENDER De forma simples aprender significa adquirir novos conhecimentos, sendo de extrema importância para o desenvolvimento humano, pois é com ela que a sociedade vem evoluindo. A criação das primeiras ferramentas há 150 mil anos atrás é um exemplo de aquisição de conhecimento em que o homem descobriu a usar pedras como uma ferramenta ou arma para defender-se de predadores. Descobertas como o domínio do fogo, a invenção da roda, agricultura e metalurgia também exemplificam o fato de que a aprendizagem pode transformar uma sociedade. Conforme a sociedade foi evoluindo a complexidade do conhecimento foi aumentando, neste ponto, o processo de aprendizagem deixa de ser simplesmente passado entre as pessoas, surgem pesquisadores e professores como figuras importantes neste cenário. Estudiosos buscaram entender o funcionamento do processo de aprendizagem, várias teorias foram criadas. Platão desenvolveu a Teoria do Inatismo que diz que cada ser nasce com uma predisposição para um determinado conhecimento, fazendo com que o professor tenha o papel apenas de auxiliar ao aluno durante o processo de ensino. Em contrapartida, Aristóteles em seu Empirismo afirma que o aluno aprende quando se relaciona com o meio, desconsiderando os saberes prévios do aluno. Outra corrente é a do construtivismo de Piaget que prega a participação ativa do aluno agindo e transformando o objeto de estudo. Neste contexto o professor deve criar situações de aprendizagem que proporcionem a interação e desenvolvimento do aluno (SANTOMAURO). Quando o aluno estuda algo novo que está relacionado a conhecimentos prévios ele aprenderá de forma mais eficaz do que em uma aprendizagem mecânica onde não há o relacionamento entre o objeto de estudo e a experiência do aluno.
  • 14. 14 1.2. O HOMEM, O TRABALHO E A APRENDIZAGEM. Durante a Era industrial houveram muitos avanços tecnológicos que favoreceram o aumento populacional, uma das consequências disso foi o aumento da demanda de produtos e serviços. Esse ciclo entre avanço tecnológico e aumento da demanda de produtos e serviços vem se estendendo até hoje em plena Era do Conhecimento, com isso cada vez mais organizações se emprenham para crescer e se manter no mercado extremamente competitivo. Com a popularização da internet, bilhões de pessoas passaram a ter acesso a milhares de informações as quais jamais tiveram pensado seus idealizadores, como consequência as pessoas têm a possibilidade de obter mais conhecimento e ficar mais exigente em relação aos produtos e serviços prestados pelas organizações (DELUIZ). Esse cenário vem mudando a forma como o homem se relaciona com o trabalho, organizações precisam aprimorar e inovar em seus produtos e serviços. Essa tendência influencia diretamente as relações do homem com o trabalho pois as empresas buscam os profissionais que sejam capazes de analisar e resolver problemas desafiadores, eles precisam estar atualizados, aprendendo constantemente de forma autônoma para acompanhar o mercado. Perrenoud (2012, p. 31) confirma isso quando diz: “Numa sociedade moderna, a busca pela eficácia justifica a reorganização permanente do trabalho. A globalização aumenta a concorrência. Apenas as organizações flexíveis conseguem sobreviver. Portanto, exige-se que os empregados se adaptem constantemente a novos produtos, a novas tecnologias, a novos conhecimentos, a novos métodos e a divisões do trabalho permanentemente remanejadas” Apesar de todas as transformações que o mercado vem sofrendo com o passar do tempo ainda existem instituições que preparam os alunos visando simplesmente transmitir conteúdo específico de seus cursos, utilizando métodos de ensino que não despertam a autonomia do aluno para resolver problemas e se adaptar as mais diversas situações que o mercado de trabalho irá lhe impor. Mais especificamente no mercado de Webdesign, a maioria dos cursos se limitam a ensinar a utilização de ferramentas, geralmente de forma mecânica onde o professor demonstra a utilização da ferramenta e o aluno apenas reproduz, desconsiderando fatores importantes como o conhecimento prévio do aluno em sua metodologia de aprendizagem e o mercado de trabalho.
  • 15. 15 Com relação ao mercado, o aluno não estará preparado pois a simples reprodução da utilização de softwares não proporciona as competências mais apreciadas pelos maiores clientes, como a capacidade de criar um design intuitivo, criativo, de boa usabilidade que permita o cliente lucrar com o investimento realizado. Já a aprendizagem do aluno fica prejudicada pois não é considerada a subjetividade e não será possível utilizar métodos que potencializem as capacidades deles, consequentemente os temas mais complexos não são bem entendidos e assimilados pois não há conexões dos novos conteúdos com os conhecimentos prévios do aluno. Sendo assim a aprendizagem acaba por ser superficial, facilmente esquecida e o engajamento do aluno no mercado de trabalho será mais difícil. Considerando o cenário que impõe constantes desafios aos profissionais faz-se necessário que a qualificação seja constantemente repensada e adaptada para que os alunos atinjam conhecimentos capazes de suprir as necessidades do mercado. De acordo com Perrenoud (2012, p. 30): "Competência é a faculdade de mobilizar um conjunto de recursos cognitivos (saberes, capacidades, informações etc.). Para solucionar com pertinência e eficácia uma série de situações". Com base nessa afirma é plausível considerar que uma aprendizagem focada no desenvolvimento de competências está próxima de preparar o discente para os desafios do mercado de trabalho. Perrenoud (2012, p. 30) afirma ainda que “No mundo do trabalho, desenvolver as próprias competências deixou de ser uma escolha, passando a ser uma simples condição”. Isso significa que a preparação do futuro profissional deve ir além de simplesmente passar informação, levando-os a prática do autodesenvolvimento em prol da adaptação as constantes mudanças que ocorrem em qualquer área de trabalho.
  • 16. 16 1.3. O QUE É COMPETÊNCIA. A concepção de competência pode variar dependendo da área especifica de mercado. Para Perrenoud (2012, p. 45) é possível encontrar um consenso nas ciências da educação e do trabalho afirmando que: “competência é o poder de agir com eficácia em uma situação, mobilizando e combinando, em tempo real e de modo pertinente, os recursos intelectuais e emocionais”. Segundo Perrenoud (2012 apud Le Boterf1994) [...]”A competência não é um estado, e sim um processo. Se a competência é um saber agir, como funciona tal saber? O operador competente é aquele que é capaz de mobilizar e de colocar em prática, de modo eficaz, as diferentes funções de um sistema no qual intervêm recursos tão diversos quanto as operações de raciocínio, os conhecimentos, as ativações da memória, as avaliações, as capacidades relacionais ou os esquemas comportamentais. Essa alquimia continua sendo uma terra amplamente incógnita”. [..] Segundo Perrenoud (2012 apud Gillet,1991) [...]”uma competência é um sistema de conhecimentos, conceituais e processuais, organizados em esquemas operatórios e permitindo, no interior de um conjunto de situações, a identificação de uma tarefa-problema e a sua resolução, por meio de uma ação eficaz. (Gillet, 1991) ”[...] Com base nessas afirmações podemos concluir que é possível suprir as necessidades do exigente mercado de trabalho por meio do desenvolvimento de competências, onde o aprendiz deverá ser preparado não somente para realizar simples tarefas, mas estar apto a analisar novas situações que possam estar até além do seu conhecimento, mas por meio de um conjunto de conhecimentos e ações seja capaz de aprender, reter conhecimentos e adaptar-se a situações que aparecerão no cotidiano do trabalho. Considerando essas premissas é possível, por exemplo, prever as competências que os alunos do curso de Webdesign precisa desenvolver para estar preparado para as imprevisíveis situações desafiadoras que o cotidiano da profissão lhes trará. Neste caso, uma das competências a desenvolver é “Desenvolver layouts para websites”, que apesar do nome simples envolve uma série de saberes interconectados, por exemplo, planejar e aplicar Briefing com o cliente, planejar a arquitetura da informação, desenvolver design do layout com base em teorias do
  • 17. 17 design, aplicação de cores dentre tantos outros saberes necessários para o desenvolvimento do layout de um site. No entanto, é necessário frisar que desenvolver a competência de criação de layouts para websites se faz necessário a mobilização de outras competências, por exemplo, ao realizar o briefing (entrevista) com o cliente será necessário utilizar meios para se comunicar de forma efetiva, posteriormente será necessário analisar as informações coletadas e por fim será realizado o planejamento para criação do site. É importante perceber sem a mobilização da competência “saber se comunicar” dificilmente o aluno conseguirá realizar o briefing corretamente e como consequência seu projeto dificilmente terá sucesso. Ainda neste exemplo outra com competência necessária para que o aluno consiga fechar o contrato com o cliente é saber definir o preço e estimar o tempo necessário para criação do projeto, essas competências estão extremamente ligadas pois o futuro profissional deve conhecer todo o processo de criação de um site para estimar o valor do trabalho, também deverá considerar outras variáveis como aluguel, serviços, custos fixos e variáveis. Considerando que muitos aprendizes buscam trabalhar por contra própria, faz-se necessário considerar competências relacionadas ao empreendedorismo. Obviamente não é possível prever todas as situações que cada aluno enfrentará no mercado de trabalho, porém é preciso entender que as competências se relacionam em uma espécie de ecossistema e quando se desenvolve as competências de forma a relacioná-las com outras competências (diretamente ou indiretamente ligadas) a preparação para as situações de trabalho será mais completa. Perrenoud (2012, p. 71) confirma isso quando indaga se a competência transversal de analisar pode realmente ser definida como uma competência. Ainda que analise consista em utilizar lógica, método, memoria e raciocínio para perceber os componentes de um sistema e suas relações não é possível todas as pessoas que a possuam realizem análises de em todas as áreas do conhecimento. Sendo assim, ainda que analisar seja uma competência, muitas vezes se faz necessário a utilização de competências especificas para que a análise seja feita de forma eficaz.
  • 18. 18 1.4. A construção de competências Segundo Perrenoud (2012, p. 72) [...] “as competências não são algo que se possa ser ensinado, de modo que o seu desenvolvimento, dando ênfase ao papel do professor como criador de tais situações, numa posição muito diferente daquela de transmissor de saberes ”[..]. Sendo assim não é possível simplesmente ensinar uma competência, da mesma forma que se ensina operações aritméticas, as competências são desenvolvidas por meio de situações as quais planejadas para motivar e pôr o aluno no centro metodológico. Kuller (2012) confirma isso quando afirma: “em uma situação de aprendizagem, é sempre exigido o exercício das competências desenvolvidas”. Como exemplo podemos tomar uma situação de aprendizagem onde o aluno terá que escolher as cores que irá utilizar em um website. Nessa atividade o aluno precisará realizar uma tarefa de forma ativa, não podem ser apenas ouvinte em uma exposição dialogada. Segundo Kuller (2012), em termos de metodologia é possível realizar o desenvolvimento de competências utilizando qualquer método onde o aluno seja o protagonista da atividade. No entanto ele sugere uma estrutura que possa padronizar o desenvolvimento de competências de forma geral. A gráfico abaixo mostra a estrutura sugerida: Ilustração 1 – 7 passos para planejar atividade de desenvolvimento de competência. 1- Contextualizaç ão e Mobilização 2- Definição da atividade de aprendizagem 3- Organização da atividade de aprendizagem 4- Coordenação e acompanhame nto 5- Análise e avaliação das atividades de aprendizagem. 6- Acesso a outras referencias 7- Síntese e aplicação Situação de aprendizagem
  • 19. 19 1.4.1.CONTEXTUALIZAÇÃO E MOBILIZAÇÃO. Esse passo levará ao aprendiz a compreensão e importância da situação de aprendizagem, visando relacionar a competência que será desenvolvida com conhecimentos prévios do aluno, proporcionando assim uma aprendizagem que “faça sentindo” e que seja significativa. Kuller (2012). Essa fase é uma preparação para o desenvolvimento da competência e é possível “nivelar os alunos” que estão mais distantes da competência a ser desenvolvida, isso é de extrema importância principalmente em cursos onde os conhecimentos não são comuns à maioria das pessoas, como nos cursos de Webdesign e Programação. Obviamente o professor terá que realizar um esforço maior em busca de elementos nestes cursos que se aproximem da realidade do aluno. Como afirmativa disso Ausubel (1968) diz que “[...]a contextualização deve servir de ponte entre o que o aluno já sabe e o que aluno deverá sabe”. Quando o conteúdo a ser ensinado é relacionado com o que o aluno já sabe essa aprendizagem passa a se tornar significativa. No que diz respeito a mobilização Kuller (2012) afirma que tem como objetivo estimular os alunos para as próximas etapas da situação de aprendizagem. Essa fase é muito importante pois pode ajudar o aluno a vencer seus medos, procrastinação, criando um ambiente favorável mentalmente para a aprendizagem. Esses estímulos são importantes pois de certa forma empurram o aluno a ir em frente de forma que possam ultrapassar os limites impostos pela própria mente, vencendo seus medos e inseguranças, podendo tornar-se um ciclo que frente aos resultados positivos o aluno perceba seu potencial de aprendizagem. De forma pratica a mobilização pode ser implementada como uma breve introdução do conteúdo, sendo possível utilizar recursos como imagens, vídeos, musicas, dinâmicas entre outros que possam impulsionar o aluno a desenvolver a competência desejada. Sendo assim a contextualização aproxima a competência a ser desenvolvida à realidade de vida do aluno tornando-a significativa para estes aprendizes e concomitantemente a mobilização os estimulam de forma que criem disposição para vencer os possíveis obstáculos que irão
  • 20. 20 encontrar durante a o desenrolar da situação de aprendizagem, com isso, podemos concluir que essa é uma etapa preparatória para atividade de aprendizagem que virá a seguir. O resultado desejado com essa etapa é a percepção dos alunos com relação a relevância da competência que será desenvolvida e motivá-los a superar suas dificuldades. 1.4.2.DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM A próxima etapa na metodologia de desenvolvimento de competências sugerida por Kuller (2012) é a definição da atividade de aprendizagem, ela é a primeira ação dentro do ciclo ação- reflexão-ação que tem por objetivo desenvolver uma competência. Essa deve ser uma atividade de aprendizagem do aluno, sendo assim, deve-se descartar qualquer metodologia onde o foco está no discente, tais como: a exposição dialogada, aula expositiva, instrução passo a passo para realização de tarefas. Existem inúmeros fatos que podem justificar essa abordagem, em primeiro lugar é necessário que o aluno desenvolva a competência por meio de exercício que deve ser um problema ou desafio que estimule os aprendizes. Uma boa prática é propor problemas/desafios contextualizados com situações que simulem a realidade que ocorre no mercado de trabalho, porém, nunca desconsiderando o nível de desenvolvimento atual do aluno. Considerando a subjetividade de cada aprendiz, pode-se enxergar outra grande vantagem que é possibilidade do aluno descobrir a sua melhor forma de aprender, criar seus próprios esquemas mentais de raciocínio e analise potencializando seus resultados. Ainda no que concerne ao protagonismo discente na ação desenvolvimento de competências é possível abrandar ou conciliar as disparidades de conhecimento em relação aos integrantes da turma, pois cada aluno poderá desenvolver e aprofundar-se de acordo com a sua própria capacidade. Mesmo que nessa fase o aluno deva ter prioridade no desenvolvimento da competência, não está eximida a responsabilidade do professor. De acordo com Kuller (2012) o “Exercício da competência poderia vir depois da demonstração do professor”.
  • 21. 21 1.4.3.ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM Com a definição da atividade de aprendizagem realizada deve-se prosseguir para organização da atividade de aprendizagem que é a terceira etapa, nela deve-se planejar e organizar a atividade que deve conter a orientação necessária para o professor conduzir a atividade e o aluno possa realiza-la. Na organização da atividade o professor deve prever o local e os recursos necessários para a realização da atividade, além disso é necessário descrever as etapas da atividade de aprendizagem. 1.4.4.COORDENAÇÃO E ACOMPANHAMENTO O próximo passo é a coordenação e acompanhamento que consiste em prever os meios acompanhar as ações dos alunos. É possível realizar esta tarefa de forma direta ou delega-la aos alunos. No caso da delegação deve-se analisar a possibilidade da presença ou não do professor que pode intensificar a metodologia da realidade externa em espaços públicos, em atividades individuais onde não seja possível a presença do professor. No curso de Webdesign é necessário que o professor observe constantemente o desenvolvimento dos alunos e quando necessário os auxilie a corrigir o curso da atividade principalmente quando se tratar de pesquisas na internet onde é comum encontrar materiais de má qualidade ou com informações obsoletas. Essa correção evita que o aluno trilhe pelo caminho errado e perca tempo. Para evitar esse tipo de problema é recomendável indicar sites e materiais confiáveis, porém nem sempre isso é possível. Ainda que seja necessário realizar correções no percorrer da atividade é preciso estimular a autonomia dos discentes em detrimento da simples transmissão de conhecimentos e informações. 1.4.5.ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM A quinta etapa consiste na análise e avaliação da atividade de aprendizagem, este é o momento de realizar uma reflexão com base na atividade de aprendizagem desenvolvida. Nela está descrita como é realizada a avaliação e como serão obtidos os resultados da atividade realizada.
  • 22. 22 É uma etapa de extrema importância pois proporciona aos alunos um feedback que poderá ajuda-los a corrigir possíveis erros ou dificuldades encontradas durante a atividade de aprendizagem. A avaliação deve ser planejada e utilizada como uma ferramenta que possibilite aos alunos refletir sobre suas atitudes e desempenho, para que possam assim reorganizar seus conhecimentos e posteriormente agir sobre ele para desenvolver a competência de forma mais eficaz. Existem vários formatos de realização de avaliação, porém os métodos tradicionais como provas nem sempre poderão medir a competência de um aluno ou levar os discentes a reflexão sobre seu aprendizado. 1.4.6.ACESSO A OUTRAS REFERÊNCIAS. Em seguida a próxima etapa é o acesso a outras referências que ainda faz parte da reflexão sobre a atividade desenvolvida, devem ser disponibilizados aos alunos as recomendações práticas, normas, a produção teórica relacionada a competência em desenvolvimento. Assim o aluno poderá comparar a atividade com a teoria existente. Esse momento é importante para os alunos no sentido de que será possível analisar e comparar as referências com os possíveis erros cometidos. Ainda que não houvesse erro é uma ótima oportunidade para realizar uma consolidação teórica esclarecendo pontos que ficaram obscuros ou sequer foram percebidos durante a atividade. 1.4.7. SÍNTESE E APLICAÇÃO Por fim o sétimo passo é a síntese e aplicação que consiste na ação dos alunos para sintetizar a aprendizagem e aplica-la em uma nova situação de aprendizagem.
  • 23. 23 2. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS EM WEBDESIGN. Este capítulo trata-se do relato da execução dos três laboratórios aplicados em sala de aula, considerando desde a criação do PTD até a sua execução, e os desdobramentos. Ao fazer uma análise mais profunda é possível perceber que existem um quarto laboratório que está relacionado aos alunos do Curso de Especialização em Docência para a Educação Profissional. Percebe-se então que enquanto os professores aplicam seus laboratórios por meio da utilização dos sete passos metodológicos para o desenvolvimento de competências ao mesmo tempo estão vivendo a experiência como alunos. Os PTDs desenvolvido para os laboratórios estão no ANEXO 1. Os três laboratórios foram aplicados no curso de Webdesign, porém, os conceitos da competência a ser desenvolvida foram alterados de acordo com as reflexões realizadas após a aplicação do laboratório I. Cada laboratório foi aplicado em uma turma diferente e após as avaliações do professor pelos alunos, sempre foi realizado um processo de reflexão em busca de respostas para melhorar o desenvolvimento do aluno. Os links para os formulários aplicados em sala estão disponíveis no ANEXO 2. 2.1. LABORATÓRIO I Como experiência de desenvolvimento de competências utilizando a metodologia de ação reflexão ação proposta por Kuller, foram realizados três laboratórios no curso de Webdesign, aplicadas em turmas diferentes, em diferentes contextos de conhecimento da metodologia e do próprio ponto focal de estudo que é a criação do layout de um site. O primeiro ponto a ser considerado são as especificidades encontradas em cursos de tecnologia, pois esta possui uma dinâmica de transformação muito intensa, sendo comumente necessário a realização de várias adaptações: • Do professor que precisa estar em sintonia com as novas tecnologias que estão sendo utilizadas no mercado de trabalho. Outro ponto é perceber as tecnologias que estão caindo em desuso, principalmente para que o ensino não seja embasado em conteúdo que não será utilizado no mercado. Sendo assim o professor deve estar em constante aprendizagem e requalificação.
  • 24. 24 • Do plano de curso que também devem estar atualizados com as mais recentes tecnologias utilizadas no mercado. • Em casos de curso com vários blocos a organização do cronograma que deve ter a melhor ordem para possibilitar ao aluno uma aprendizagem continua e estável. • Da instituição de ensino que deve disponibilizar os recursos minimamente necessários para o desenvolvimento das competências. Essas condições são importantes pois apesar de cada laboratório considerar apenas o desenvolvimento de uma competência com seus indicadores, é necessário considerar que para o bom desempenho do profissional de Webdesigner é necessário um conjunto de competências que constantemente interagem entre si. Geralmente no final do curso essas competências culminam em um trabalho que faça a integração de todas as competências trabalhadas durante o curso. O primeiro laboratório consistiu em realizar uma situação de aprendizagem a seguinte competência: planejar a estrutura de um site. Como no Plano de Curso de Webdesign não existe a definição de competências e indicadores de competências foi necessário realizar as devidas adaptações Os quadros a seguir mostram as adaptações realizadas: Tabela 1 – Competências e bases tecnológicas do PAE de Webdesign BLOCO TEMÁTICO I Planejamento Visual para Web 20h Competências Específicas Bases Tecnológicas  Planejar, criar, editar e definir a estrutura de um Website;  Conhecer os efeitos e respostas humanas em função de sua exposição às cores;  Definir o melhor conjunto de cores de acordo com a proposta do site;  Discernir a anatomia do tipo de fontes, construções e efeitos de visibilidade e legibilidade na web;  Aplicar a tipologia como elemento da comunicação para web;  Teoria e Prática da Cor: Visão e olho; luz; sistemas. Círculo cromático; esquema cromático, através de pesquisa e criação. Contraste e fenômenos.  Tipologia: Tipologia. Famílias tipográficas. Medidas tipográficas;  Composição Visual: Estudo dos elementos compositivos: ritmo, contraste, densidade, movimento, equilíbrio, concentração, direção, dinamismo, expansão.
  • 25. 25  Compreender a ocupação e organização da superfície bidimensional de um website, como elemento expressivo;  Conhecer as regras básicas do design para websites;  Utilizar o briefing como ferramenta para planejar websites.  Estudo do espaço compositivo em relação à forma, distanciamento e aproximação.  Plano, ilusão, distorção, profundidade, volume-luz, sombra e esboço. Fonte: PAE Curso Webdesign A tabela a seguir mostra as adaptações realizadas para o desenvolvimento da competência planejar a estrutura de um site com seus indicadores. Tabela 2 – Situações de aprendizagem para a competência criando a estrutura de um site. Competência: planejar a estrutura de um site 20hs Situações de aprendizagem Situações de aprendizagem Criando a estrutura básica de um site Conhecendo as etapas de criação de um site Utilizar o briefing como ferramenta para planejar websites. Conhecendo as regras básicas do design para websites Compreender a ocupação e organização da superfície bidimensional de um website; Aplicando cores como elemento de comunicação para web; Aplicando a tipologia como elemento da comunicação para web; Criando a estrutura básica de um site. Pode-se observar na tabela 2 que a competência desenvolvida no laboratório 1 foi planejar a estrutura de um site que consiste no processo de realização de um briefing com o cliente ( entrevistas, aplicações de questionários, reuniões), analise dos dados coletados do briefing, aplicação de teorias do design para criação de layout web, definir a divisão do conteúdo na área do site, analisar e definir as cores, imagens e tipografia adequadas para utiliza-las conforme o significado e objetivo do cliente, criar Wireframe( rascunho) do site.
  • 26. 26 A contextualização aplicada na atividade foi um diálogo entre professor e alunos em que busca do entendimento das possíveis etapas de desenvolvimento de um site estendendo-o até a importância da realização do briefing. A atividade de aprendizagem consistiu em uma conversa em grupo para em busca da resposta sobre a necessidade do planejamento para a criação de um site. A atividade foi organizada da seguinte forma: 1. Foram colocados questionamentos a toda turma, relacionados a competência, por exemplo, qual é a influência das cores na criação de um site? 2. Cada aluno deu a sua contribuição/opinião. 3. Concomitantemente o professor anotou as palavras chave no quadro 4. No final, todo os alunos realizaram adaptações e em grupo buscamos a melhor resposta para os questionamentos. O acompanhamento se baseou em permitir a livre participação dos alunos e evitar que eles saíssem do assunto em foco. Já a avaliação se baseou na observação da participação e interesse do aluno. Como acesso a outras referências foi solicitado aos alunos realizarem uma pesquisa em apostila e internet sobre o tema estudado anteriormente. A síntese consistiu na criação de um rascunho de um site utilizando todos os conceitos desenvolvidos em sala. A atividade foi produtiva no sentido ter saído da rotina das aulas expositivas, percebeu-se que todos os alunos buscaram participar das atividades. Com relação a avaliação todos tiveram bom aproveitamento. Apesar da atividade ter sido realizada com sucesso houveram falhas que precisam ser corrigidas com base no feedback dos alunos ficam enumeradas as seguintes melhorias: • Melhorar a comunicação com os alunos em relação as atividades propostas • Melhorar a organização do tempo • Criar atividades desafiadoras diversificadas.
  • 27. 27 2.2. LABORATÓRIO II Antes do início do planejamento e execução do segundo laboratório foi realizada uma reflexão levando em conta a avaliação do professor pela turma e como resultado o plano de trabalho docente foi refeito. A competência a ser desenvolvida foi renomeada para Criar Layout de um Site. Essa mudança aconteceu pelo fato de que na maioria dos casos o simples planejando da estrutura não resolve um problema real levando em conta o mercado de trabalho de Belém-Pa. É necessário não somente criar um simples rascunho em papel (Wireframe) mas desenvolver o layout em uma ferramenta gráfica para que posteriormente possa passar pelo processo de transformação em páginas web. No laboratório I ocorreu que o Bloco que tratava do planejamento do curso terminava e o próximo bloco tratava da criação de páginas web por meios de códigos HTML (Hypertext Markup Language) e só depois de 20 horas (aproximadamente três semanas) foi trabalhada a ferramenta gráfica. Como consequência muitos alunos sentiram dificuldade de aplicar os conceitos de design web para criação dos layouts em ferramentas gráficas. Sendo assim, foi proposto a coordenação da unidade de ensino a mudança na disposição dos blocos do curso de forma que o planejamento da estrutura e a utilização da ferramenta gráfica ficassem em sequência. Sendo assim, os dois blocos foram trabalhados como se fossem uma única competência: Criar Layout de um Site. Essa atividade consiste em mobilizar os mais diversos saberes teóricos e práticos que vão desde a entrevista e análise de dados com o cliente a concepção e desenvolvimento do design de um site em uma ferramenta gráfica. No entanto, o trabalho desenvolvido nesse laboratório foi além da competência especifica em si pois para o exercício de uma profissão é necessário ter um conjunto de competências que muitas vezes trabalham em conjunto como se fossem engrenagens de uma máquina. Para este fim foi elaborado um miniprojeto com participação da professora de valores no âmbito profissional onde os alunos se dividiram em grupo e desenvolveram um plano de negócios para
  • 28. 28 a criação de uma agencia de web design. Além disso, realizamos parcerias com turmas do curso de editor gráfico que tiveram o trabalho de desenvolver o logotipo das empresas. A conclusão deste trabalho foi o desenvolvimento ou redesign de um site para um cliente fictício. No que se refere a atividade de aprendizagem da competência Criar Layout de um Site a contextualização e mobilização foi denominada de: “O que é design? ”. Iniciada no auditório com as duas turmas de Webdesign em uma exposição dialogada que buscou mostrar o que é a profissão e qual a importância do Webdesign como forma de comunicação digital. Como resultado a exposição naturalmente virou uma espécie de debate que durou aproximadamente duas horas, mais tempo que o previsto. A definição da atividade de aprendizagem ficou definida em 7 etapas, cada etapa corresponde aos indicadores previstos na competência Criar Layout de um Site. A tabela abaixo mostra a relação entre o indicador de competência e o resumo da etapa de atividade de aprendizagem correspondente: Tabela 3 – Desenvolvimento dos indicadores de aprendizagem Indicador de aprendizagem Etapa da atividade realizada (Resumo) Conhece workflow de Webdesign; Pesquisa por formas de fluxo de trabalho para criação de websites. Aplica briefing como ferramenta de analisa de requisitos do projeto; Leitura direcionada e aplicação prática de Briefing. Define a organização da informação em um site; Leitura direcionada e criação de Sitemap Conhece os principais conceitos de design: contraste, alinhamento, proximidade e repetição Escolher 1 site para realizar analise de aplicabilidade dos conceitos estudados Conhece e utiliza as cores no processo de comunicação de um site; Pesquisa: A cor como ferramenta de transmissão de informação. Conhece e utiliza a tipografia para a comunicação de um site; Pesquisa: A Tipologia como ferramenta de transmissão de informação.
  • 29. 29 Conhece os mais variados tipos de layouts utilizados em sites na web há indicador que compõe a competência a ser desenvolvida como segue: Seminário: Tipos de layout. A coordenação de acompanhamento da atividade de aprendizagem foi definida da seguinte forma: Observação de participação individual do aluno: realização de trabalhos e exercícios propostos, participação de forma significativa em discussões, tirar dúvidas de assuntos estudados, demonstrar aprimoramento em assuntos abordados durante a atividade Observação de participação em atividades em grupo: participar de forma ativa em trabalhos em grupo, buscar comunicação e trabalho em equipe. Intervir em se necessário, em casos que de alguma forma os alunos percam o foco da atividade ou fujam do tema independentemente do motivo, para realizar redirecionamento focando o objetivo da atividade. Avaliação da Atividade de Aprendizagem seguiu os seguintes critérios: • Observação de realização de atividades. • Frequência. • Entrega de trabalhos e exercícios de forma pontual. • Observação da qualidade dos trabalhos entregues (relevância de informações, apresentação do trabalho e outros) • Observação do desenvolvimento do aluno em relação ao seu aprimoramento a capacidade de resolução de problemas reais no mercado de trabalho. O acesso há outras referências deu a cada etapa da atividade se deu por meio leituras direcionadas. A síntese de aplicação consistiu em criar o layout de um site utilizando os todos os conceitos debatidos em sala de aula (briefing, dimensionamento do site, tipo de layout utilizado, navegação, cores e tipologia).
  • 30. 30 Grande parte dos alunos demonstrou interesse em participar das atividades. Foi possível perceber evolução dos alunos, porém alguns desenvolveram a competência de forma mais lenta que o esperado. O Resultado do projeto foi muito satisfatório proporcionando aos alunos o desenvolvimento da competência da Criar Layout de um Site de aprendizagem relacionando à outras competências como trabalho em equipe, empreendedorismo. As interações entre as turmas de Webdesign e editor gráfico foram muito produtivas, para os alunos de Webdesign houve a possibilidade de ser cliente e ter uma logomarca profissional economizando tempo e melhorando a qualidade dos trabalhos. Para os alunos do curso de Editor gráfico foi possível vivenciar uma situação de aprendizagem que está bem próxima da realidade desse profissional. As principais dificuldades a esta atividade foi a grande quantidade de trabalho a ser feito em curto espaço de tempo. Outro fator que prejudicial ao trabalho foi a evasão de 50% da turma por motivos diversos (saúde, incompatibilidade de tempo, outros), esse fator desmontou as equipes sendo necessário remontar e remodelar os trabalhos pelo menos duas vezes. Mesmo assim a atividade foi produtiva. Para o próximo laboratório ficam os seguintes pontos a serem melhorados 1. Melhorar a comunicação com os alunos. 2. Melhorar a organização do tempo 3. Analisar e melhorar a atividade de integração de competências. 2.3. LABORATÓRIO III Antes de iniciar o laboratório houve uma análise do trabalho realizado anteriormente e os pontos principais a serem repensados foram a comunicação e adequação da quantidade de trabalhos a disponibilidade de tempo para estudo da maioria dos alunos da turma. O plano de trabalho docente aplicado nesse laboratório foi semelhante ao do Laboratório II, diferenciado pela forma de acompanhamento que foi realizada por meio de metas quinzenais, reuniões diárias e questionários de sondagem periódicos.
  • 31. 31 Antes de aplicar a contextualização foi realizada uma avaliação diagnóstica por meio de um formulário online com o objetivo de entender o aluno, conhecer as expectativas, conhecer o grau de conhecimento do aluno para que possa ser realizada as adaptações no Plano de Trabalho Docente. Abaixo a listagem das 3 principais perguntas: 1. Você tem acesso a um computador? 2. Você está trabalhando no momento? 3. Na sala você aprende melhor? No total onze alunos responderam o questionário, as informações foram sintetizadas no formato de gráficos. Veja a seguir: Gráfico 1 – Quantidade de alunos que possuem computador Fonte: Formulário aplicado em sala de aula. A grande maioria dos alunos possui computador possibilitando realizar atividades em casa, utilizando as ferramentas que serão aprendidas em sala de aula. Os alunos que não possuem computador poderão realizar a atividade no cyber da unidade de ensino. Essas atividades poderão servir como uma possibilidade de treinar e adquirir habilidade no uso das ferramentas. 2 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 NÃO SIM 1. Possui computador?
  • 32. 32 Gráfico 2 – Quantidade de alunos que estão trabalhando Fonte: Formulário aplicado em sala de aula. Conforme o gráfico 2 a grande maioria dos alunos não trabalham e não possuem experiência profissional na área de Webdesign ou correlatas. Isso deverá ser considerado na a atividade de contextualização pois a partir dessa informação e do diálogo entre alunos e professor em sala de aula observou-se a necessidade de criar mecanismos mais elaborados para relacionar o conteúdo aos saberes prévios do aluno. Gráfico 3 – Melhor forma de compreensão do aluno. Fonte: Formulário aplicado em sala de aula. Com base no gráfico 3 podemos concluir que a maioria dos alunos possuem a percepção de que aprendem em primeiro lugar ouvindo e posteriormente exercitando, então para aumentar os 8 1 2 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Não Por conta propia Sim 2. Você está trabalhando? 9 3 6 0 2 4 6 8 10 O que o profesor fala O que o professor escreve Os exercícios e trabalhos 3. Na sala você compreende melhor?
  • 33. 33 resultados o trabalho foi focado nas alternativas de atividade que tenha maior chance de melhores resultados de aprendizagem podendo ser por exemplo: seminários e exercícios. As informações coletadas juntamente com analises de gráficos possibilitaram pequenas modificações no planejamento da atividade, porém significativas. A competência a ser desenvolvida continua sendo Criar o Layout de um Site. A contextualização e mobilização foi repetida, e no final os resultados dos projetos do laboratório 2 foram exibidos, o que causou bastante expectativas nos alunos. Em todos os outros passos foram mantidos o planejamento do laboratório II, com exceção da coordenação e acompanhamento em que foi acrescentada uma adaptação da metodologia de desenvolvimento ágil SCRUM. O SCRUM é principalmente utilizado em fabricas de software, porém pode ser adaptado para qualquer área. Uma das suas principais características é promover a autonomia de cada membro da equipe (time geralmente de 5 a 8 pessoas), para desenvolvimento de pequenas tarefas que duram entre uma a duas semanas (Sprint1 ) (SHUTHERLAND, 2014). Em sala de aula, foi definido o período do Sprint de uma semana e deu-se início as atividades. Todos os dias foi realizada uma mini reunião do professor com cada um dos alunos, sendo realizadas três perguntas: 1. O você fez ontem? 2. O que você vai fazer hoje? 3. Existe algum empecilho para realização da atividade? Por meio das perguntas foi possível remover alguns impedimentos e otimizar a produtividade dos alunos, todos conseguiram cumprir o Sprint dentro do prazo previsto de cinco dias (isso não havia acontecido nos outros laboratórios). Os resultados do laboratório três foram muito bons, todos os alunos conseguiram realizar a atividade proposta de forma satisfatória, inter-relacionando todos os indicadores da competência Criar Layout de um Site. 1 No Scrumo projeto é dividido em ciclos temporais chamados de Sprint.
  • 34. 34 Como ponto a melhorar para as próximas turmas ficam: Elaborar novas atividades que possibilitem o aluno criar uma melhor relação do conteúdo com o conhecimento do aluno. O aprendiz deve ser imerso na atividade de forma a possibilitar a aprendizagem ainda que não esteja trabalhando diretamente nela. Utilizar na pratica conceitos de modo cerebral focado e difuso para melhorar a capacidade de assimilação de blocos de conhecimento. Utilizar métodos e técnicas de aumento de produtividade para otimizar o tempo em sala de aula, como o Ciclo PDCA e o SCRUM.
  • 35. 35 3. APRIMORANDO O PTD Com base na experiência realizada nos laboratórios é possível refletir sobre os acertos e erros que aconteceram dentro e fora de sala de aula. Sendo assim, é necessário buscar a raiz de cada problema ocorrido para encontrar as possíveis soluções e assim, ao mesmo tempo que se ensina também se aprende. Antes de desenhar a situação de aprendizagem é necessário ter a compreensão que não existe parâmetros que definam a situação de aprendizagem perfeita, porém é possível perceber alguns aspectos que podem ser considerados para o aprimoramento da construção de competências e saberes. A primeira conclusão alcançada neste trabalho é que se a atividade de aprendizagem busca colocar os alunos como centro no desenvolvimento da competência, então faz-se necessário conhece-los. Considerar a subjetividade de cada aluno, entender quais são os seus objetivos de vida e como o curso poderá ajudá-lo. Sem essa contextualização é praticamente impossível aplicar a aprendizagem significativa, afinal, a nova aprendizagem vai se relacionar com qual conhecimento prévio? Quando se conhece os alunos é possível entende-los e saber como estimula-los de forma eficaz, além disso, é possível saber quais são as formas como cada um aprende e dessa forma realizar adaptações necessárias para aumentar a efetividade da aprendizagem. O segundo ponto a ser considerado é que a atividade deve estar focada em resultados, replicando o que já acontece em empresas da indústria e comercio. Focar em resultados não significa realizar a atividade com pressa para entregar trabalhos, mas sim desenvolver atividades em que os alunos tenham um salto qualitativo na aprendizagem. Nos casos das áreas de tecnologia é necessário observar além da aprendizagem as questões de qualidade dos trabalhos, isso envolve conhecimento e vontade de realizá-los bem, tanto alunos quanto professores. Para o docente estar atualizado com as últimas tecnologias de mercado não é opcional, pois não adianta o aluno desenvolver uma competência especifica de uma área tecnológica que está em desuso. Fazer isso é marginalizar a profissão e criar os famosos “sobrinhos” que passam horas trabalhando por valores muito abaixo do mercado.
  • 36. 36 Ainda falando de foco em resultados é aconselhável sempre buscar novos métodos e ferramentas que proporcionem ao aluno uma maior facilidade para aprender. A exemplo disso são as ferramentas que facilitam a comunicação e diálogo com os alunos e que possibilitem ter um plano de estudos para casa ou gerenciamento de tarefas. O terceiro ponto a considerar é buscar relacionar competências, por exemplo, os alunos de Webdesign ao tentar ingressar no mercado de trabalho precisarão comunicar-se com clientes e colegas de trabalho, trabalhar em equipe e aprender muitas coisas sem o auxílio de um professor. Então esses quesitos devem ser considerados na hora de desenvolver a atividade de aprendizagem. Tomando como exemplo a competência desenvolvida nos laboratórios 1 e 2 Criar o Layout de um Site é possível perceber a necessidade de “competências genéricas” que trabalharão em conjunto com a específica. O a ilustração a seguir mostra o possível processo para criação do layout. Sendo mais especifico no processo de briefing (coleta de dados sobre o trabalho a ser desenvolvido) o futuro profissional terá que mobilizar um conjunto de competências que não estão diretamente ligadas com a criação do design como criar planejamento de briefing, comunicar-se de forma eficaz, trabalhar em equipe de forma eficiente. Na fase de planejamento e analise o aluno devera a analisar os dados coletados, estudar o negócio do cliente, estipular cronograma de execução do projeto e por fim estipular orçamento do projeto. Então com base nesses fatos é de extrema importância que o professor considere essas competências como componente básico da formação do Webdesigner e dessa forma busque Ilustração2 Processo para desenvolvimento do design
  • 37. 37 maneiras de desenvolver essas competências concomitantemente com a competência do criar layout de um site. Ainda falando de competências que devem ser mescladas na atividade de aprendizagem é possível considerar competências que possibilitem ao aluno um melhor desempenho durante todo o curso. A exemplo disso temos a competência de saber aprender que poderá auxiliar ao aluno um melhor aproveitamento durante todo o curso e quando estiver atuando no mercado será de extrema importância pois constantemente surgem novas tecnologias e na maioria das vezes não é possível realizar um curso ou ter um professor para ensinar. Apesar de alguns alunos já possuírem algumas dessas competências antes mesmo de iniciar o curso de Webdesigner, elas precisam ser trabalhadas durante a atividade de aprendizagem de forma subliminar, porém o ideal é que o aluno tenha consciência de que elas estão lá e são de extrema importância. Uma forma em que é possível potencializar a atividade de desenvolvimento de competências é por meio de parcerias com outras turmas que podem ser do mesmo curso ou não, isso foi testado durante o projeto elaborado no laboratório 2 que envolveu duas turmas do curso de Webdesigner e duas turmas do curso de Editor gráfico. Entre as turmas de Webdesigner foi possível trocar experiências durante as aulas em conjunto que geralmente estavam relacionadas a explicação do projeto e apresentações finais. Com essa interação foi possível trocar informações e experiências específicas e de forma singela desenvolver a capacidade de comunicação. Já o trabalho com as turmas de editor gráfico foi mais complexo, pois a atividade foi realizada com o objetivo de criar o logotipo das equipes de Webdesign. As turmas 1 de editor e web eram de turnos diferentes (manhã e noite) onde a comunicação foi realizado por e-mail o que dificultou a dinâmica da atividade pois muitas vezes a comunicação falhou. Já no caso das turmas 2 (que eram do mesmo turno) a comunicação e trabalho em equipe trouxeram um resultado excelente para ambas as turmas, os alunos demonstraram muito interesse e a participação das equipes foi intensa. Na ilustração abaixo é possível visualizar as interações que houveram entre as quatro turmas.
  • 38. 38 Ilustração 3 – Interação entre turmas no laboratório 2 Feitas as devidas alterações é possível planejar e desenhar a atividade por meio da metodologia dos 7 passos, para isso que isso aconteça serão necessárias várias adaptações para cada nova turma. Isso porque em primeiro lugar será necessário criar as atividades com base no conhecimento dos alunos. O outro ponto a considerar são os cursos que estão em oferta no momento. Independente do curso com boa vontade e muito trabalho é possível. Para o futuro podemos prospectar a evolução dessa atividade por meio de interações diretas como mercado de trabalho. Um exemplo seria a criação de uma fábrica de sites (no caso do curso de Webdesign) do SENAC-PA. Essa experiência já acontece em Belém em outras instituições então isso significa que é possível.
  • 39. 39 Para resumir os quesitos para desenvolver ainda mais a situação de aprendizagem em web design: 1. Criar mecanismos para conhecer os alunos. 2. Atualizar conhecimentos do discente em relação a novas tecnologias 3. Criar um ambiente que facilite a comunicação professor/aluno. 4. Utilizar ferramentas e métodos que possam melhorara a produtividade das aulas 5. Inserir na atividade de aprendizagem o relacionamento das competências especifica com as competências complementares 6. Criar sinergia entre cursos para troca de experiência entre os alunos Com base nesses pontos é necessário realizar adaptações constantes no PTD.
  • 40. 40 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao finalizar o curso percebe-se que ensinar saberes não supri as necessidades dos alunos em relação as cobranças no mundo real. O conhecimento por si só não é suficiente para que eles resolvam os problemas que acontecem no dia a dia de cada profissão. Observado isso, chega-se a concepção de que a forma de ensino que mais se adequa para a preparação de alunos a atuarem como profissionais no mercado de trabalho é a aprendizagem por meio de desenvolvimento de competências. Foi possível detectar na pratica que a metodologia dos 7 passos para desenvolvimento de competências é muito eficaz, isso porque ao mesmo tempo em que foi realizada a aplicação da atividade de aprendizagem com os alunos em sala de aula, os professores também foram alunos e passaram pelo processo de ação reflexão ação. Percebesse nesse processo que é oportunizado ao aluno uma aprendizagem significativa e autônoma que pode ser realizada de forma simples e prática, posteriormente é possível refletir sobre os erros e acertos e por fim é dada uma nova oportunidade de agir de forma que o aluno pode superar as dificuldades e ter a competência desenvolvida a um ponto em que a aprendizagem seja continua mesmo depois que o curso termine. Percebe-se que por meio da criação do PTD baseado nas 7 etapas é possível cria-los e implementa-los de forma bem definida, sem margens a ambiguidades. Facilitando fatores como desenvolvimento de competências especificas e genéricas que complementem ainda mais a formação do profissional. Com a etapa da Mobilização é possível estimular o aluno a conseguir alcançar os objetivos em sala de aula. Percebe-se a melhora na comunicação entre alunos e professor e consequentemente melhoria na maioria dos resultados. Com relação as avaliações as antigas provas que já não eram utilizadas casualmente foram deixadas de lado e em seu lugar começou a ser realizada a observação do desenvolvimento do aluno e da atividade de aprendizagem, fatores como interesse e participação, evolução do aluno em relação a competência a ser desenvolvida, qualidade dos trabalhos realizados e habilidade para fazer as tarefas são consideradas nas avaliações.
  • 41. 41 Com a experiência do curso de pós-graduação em docência para o ensino superior foi possível mudar a forma de pensar competências e perceber como elas se interligam. Além disso uma com a metodologia dos 7 passos uma grande interrogação foi respondida, como se desenvolve uma competência? Após a realização da pós-graduação em docência pode-se afirmar que o professor participante do curso possui as competências necessárias para criar e aplicar planejamento para desenvolvimento de competências dos alunos e de si próprio, gerando a possibilidade da aprendizagem continua após o termino do curso.
  • 42. 42 REFERÊNCIAS CHIAVENATO, I. Introdução a Teoria Geral da Administração. São Paulo: Makron Books, 2004. DELUIZ, N. O Modelo das Competências Profissionais no Mundo do Trabalho e na Educação: Implicações para. SENAC. Disponivel em: <http://www.senac.br/bts/273/boltec273b.htm>. Acesso em: 15 Janeiro 2016. KULLER, J. A.; RODRIGO, N. D. F. Metodologia de Desenvolvimento de Competências. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2013. MOREIRA, M. A. Aprendizagem Significativa: a teoria e textos complementares. 1. ed. São Paulo: Editora e Livraria da Física, 2011. PERRENOUD, P. Desenvolver Competências ou ensinar saberes? A escola que prepara para a vida. 1. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2012. SHUTHERLAND, J. SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo. São Paulo: LeYa, 2014.
  • 43. ANEXO 1 PLANEJAMENTO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM Competência (s) / indicador (es) a ser (em) desenvolvido (s): Planejar e criar a estrutura de um website. Situação de aprendizagem: Criar Layout de um site Passos Metodológicos: Recursos a serem utilizados Tempo 1. Contextualização e Mobilização: O que é Web design? Atividade que consiste no entendimento do que é a profissão e qual a importância do Webdesign como forma de comunicação digital Computador, Datashow, auditório, papel, lápis, internet 1h 2. Definição da Atividade de Aprendizagem: Criar Layout de um site: 1. Pesquisa por formas de fluxo de trabalho para criação de websites. 2. Leitura direcionada e aplicação de Briefing. 3. Definição de Sitemap e arquitetura da informação. 4. Pesquisa e Leitura direcionada: entendendo a estrutura bidimensional de um site. 5. Pesquisa: A cor como ferramenta de transmissão de informação. 6. Pesquisa: A Tipologia como ferramenta de transmissão de informação. 7. Seminário: Tipos de layout. Computador, Datashow, auditório 14hs 3. Organização da Atividade de Aprendizagem: 1. Pesquisa por formas de fluxo de trabalho para criação de websites 1.1. Realizar Pesquisa 1.2. Discutir em grupo e tirar conclusões sobre o que foi aprendido 2. Briefing 2.1. Realizar leitura individual de texto direcionado para o assunto 2.2. Criar duplas e aplicar briefing onde um dos participantes será o cliente e o outro fará o papel do Webdesigner 3. Sitemap e arquitetura da informação
  • 44. 3.1. Leitura individual sobre texto direcionado a arquitetura da informação e tipos de navegação 3.2. Voltar a dupla anterior e criar o Sitemap 4. Estrutura Bidimensional 4.1. Leitura direcionada sobre: A forma como uma pessoa lê um website 4.2. Pesquisa sobre conceitos básicos na definição de um bom layout – Alinhamento, contraste, proximidade e repetição 4.3. Discussão em grupo para tirar duvidas 4.4. Escolher 1 site para realizar analise de aplicabilidade dos conceitos estudados (atividade individual) 5. Cor 5.1. Mostrar várias imagens, o aluno deverá anotar o nome da cor predominante de cada imagem e ao lado informar como eles acham que aquela cor está comunicando. 5.2. Posteriormente visualizar vídeo especifico sobre significado de cores 5.3. Verificar se o que eles escreveram conferem com as informações mostradas no vídeo 5.4. Discussão em grupo 6. Tipologia 6.1. Mostrar alguns exemplos de textos com suas tipologias 6.2. Pedir para o aluno anotar se visualmente o texto condiz com o que está escrito com a devida justificativa 6.3. Pesquisa individual sobre tipologia: tipos e famílias tipográficas, tamanho, espaçamento, alinhamento de textos 6.4. Discussão em grupo para tirar possíveis duvidas 7. Seminário: Tipos de layout. 7.1. Formar equipes de no máximo 4 pessoas 7.2. Definir tema que cada equipe irá apresentar 7.3. Realizar pesquisa 7.4. Apresentar trabalho 4. Coordenação e Acompanhamento: Geral: Aplicação do SCRUM: 18hs
  • 45. Durante o desenvolvimento das atividades realizar mini reuniões diárias fazendo as seguintes perguntas: 1. O que você fez ontem? 2. O que vai fazer hoje? 3. Existe alguma coisa atrapalhando?  Observação de participação individual do aluno: realização de trabalhos e exercícios propostos, participação de forma significativa em discussões, tirar dúvidas de assuntos estudados, demonstrar aprimoramento em assuntos abordados durante a atividade  Observação de participação em atividades em grupo: participar de forma ativa em trabalhos em grupo, buscar comunicação e trabalho em equipe.  Intervir em se necessário, em casos que de alguma forma os alunos percam o foco da atividade ou fujam do tema independentemente do motivo, para realizar redirecionamento focando o objetivo da atividade. 5. Avaliação da Atividade de Aprendizagem:  Observação de realização de atividades.  Frequência.  Entrega de trabalhos e exercícios de forma pontual.  Observação da qualidade dos trabalhos entregues (relevância de informações, apresentação do trabalho e outros)  Observação do desenvolvimento do aluno em relação ao seu aprimoramento a capacidade de resolução de problemas reais no mercado de trabalho. 18hs 6. Acesso a Outras Referências: Indicação de sites com leituras complementares sobre os temas abordados
  • 46. 7. Síntese e Aplicação: Aplicar todos os conhecimentos para criação de um Wireframe (Rascunho de um site), definindo e justificando:  Briefing  Dimensionamento do site  Tipo de layout utilizado  Navegação  Cores  Tipologia utilizada 15 minutos
  • 47. ANEXO 2 Formulário 1 1. Informe seu nome? 2. Data de nascimento? 3. Estado Civil? 4. Bairro? 5. Em que escola você fez seus estudos? 6. Qual o principal motivo para a escolha do curso? 7. Você já fez algum curso de informática, quais? 8. Possui computador? 9. Tem acesso à internet? 10. Você está trabalhando no momento? 11. Você possui alguma experiência profissional na área de informática? 12. Qual o principal meio de comunicação que você usa? 13. Na sala você compreende melhor? (Ouvindo, escrevendo, exercício) 14. Quando você estuda em grupo você é mais (doador, receptor, os dois)? É possível acessar o questionário de sondagem 1 completo pela url https://goo.gl/PxF7v& É possível acessar o questionário de acompanhamento de curso 1 completo pela url https://goo.gl/HZnwik Para acessar os sites produzidos pelas turmas 1 e 2 no projeto de empreendedorismo acesse: http://juliogomes.net/possenac/tcc
  • 48. ANEXO 3 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC/PA, CEP- TIC. Coordenador (a) do Curso de: Nilce Elaborador do projeto:  Julio Gomes  James Moreira  Gilvana Salame  Nilce Cardoso Curso Webdesign - 220 horas PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROJETO PEDAGÓGICO 3.1 Histórico/diagnóstico do curso Ao ministrar o curso de Webdesign os professores vêm percebendo que existe uma desatualização do curso em relação ao conteúdo proposto, tecnologias que estavam em seu auge há 3 ou 4 anos atrás agora foram descontinuadas e entraram em desuso, concomitantemente novas tecnologias foram desenvolvidas e surgiram novas áreas dentro da profissão. Em comparação a nova metodologia de ensino que está sendo implantada pelo SENAC NACIONAL o plano de curso também está desatualizado pois não prevê a criação do conhecimento do aluno de forma continua e independente 3.2. Justificativa O objetivo principal que norteou este projeto é a desatualização do Plano de curso de Webdesign em relação ao mercado de trabalho e o novo plano nacional de ensino do SENAC 3.3 Objetivos  Adequar o curso ao plano nacional de ensino do SENAC  Adequar o curso as necessidades do mercado de trabalho
  • 49.  Melhorar a integração de componentes do curso como valores no âmbito profissional e os componentes específicos de Webdesign.  Criar um elo entre temas abordados no curso de Webdesign com os de cursos de áreas correlatas como editor gráfico, fotografia e outros.  Cria projeto empreendimento na área de Webdesign. Descrição do Projeto Geral: O projeto é uma simulação que está dividido em duas partes: desenvolvimento do plano de negócios e atendimento de serviço para um cliente fictício.  Criar o plano de negócios para uma empresa de Webdesign, que será iniciado na disciplina de valores.  Criar um website para empresa  Criar um website para um cliente O plano de negócios tem por objetivo descrever por escrito os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo os riscos e as incertezas. Por meio do plano de negócio será possível identificar e restringir erros com a empresa ainda no papel, ao invés de cometê-los no mercado, em nossos projetos desenvolveremos: Desenvolver plano de negócios Desenvolver Website da empresa Desenvolver o projeto web para um cliente
  • 50. SUMÁRIO EXECUTIVO: O sumário executivo é um resumo do PLANO DE NEGÓCIO. Não se trata de uma introdução ou justificativa e, sim, de um sumário contendo seus pontos mais importantes ANÁLISE DE MERCADO Relaciona-se ao marketing da organização, apresentando o entendimento do mercado, clientes, concorrentes e quanto a empresa conhece, em dados e informações, o mercado onde atua. PLANO DE MARKETING Detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing da empresa Descreve os principais os serviços que serão prestados, informando quais serviços serão prestados, suas características e as garantias oferecidas. PLANO OPERACIONAL Define o plano para estrutura física da empresa, capacidade de produção ou prestação de serviços, necessidade de pessoal. PLANO FINANCEIRO Define um plano onde será realizado a estimativa de investimentos, capital de giro, investimentos totais, estimativa de faturamento, estimativa de custos para a comercialização, lucratividade do negócio entre outros.
  • 51. O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO DE UM WEBSITE BRIEFING Etapa em que serão coletadas as informações necessárias para o desenvolvimento do site. PLANEJAMENTO DO PROJETO DE SITE Definição de navegação do site, arquitetura da informação e rascunho do site. Criação do mapa do site e Wireframe. CRIAR UMA PROPOSTA PARA CLIENTE Desenvolver documento com informações sobre o serviço que será prestado, cronograma, valores e garantia do serviço. DESENVOLVIMENTO DO LAYOUT DO SITE Plano de Negócios Sumário executivo Analise de mercado Plano de Marketing Plano operacional Plano Financeiro Empresa de Webdesign
  • 52. Refinamento do planejamento do site, escolha de tipografia, ajuste das cores e esquema de cores. Pesquisa por imagens. Desenvolvimento do layout completo de todas ou das principais páginas do site DIAGRAMAÇÃO DO LAYOUT PARA PÁGINAS WEB Transformar as imagens dos layouts em páginas web com uso de linguagens de marcação e estilização. Desenvolvimento de outros recursos do site como programação, vídeos, imagens. TESTES E HOSPEDAGEM DO SITE Teste de usabilidade, links e outros Hospedagem do site e configuração do domínio, e-mail e outros MANUTENÇÃO DO SITE Caso o cliente solicite a manutenção no contrato. Realizar pequenas alterações e ajustes no site solicitadas pelo cliente. Adesão de novos serviços como o de otimização do site em mecanismos de busca ou otimizar o tempo de carregamento do site entre outros. Briefing Planejamento Proposta LayoutDiagramaçãoTestes Hospedagem Manutenção