SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
ACESSIBILIDADE Profa. Dra. Mônica Pereira dos Santos Faculdade de Educação Universidade Federal do Rio de Janeiro www.lapeade.com.br [email_address] (21) 81362400
Acessibilidade - Entraves ,[object Object]
Acessibilidade - Definição ,[object Object],[object Object]
Acessibilidade - Tipos ,[object Object]
Acessibilidade - Tipos ,[object Object]
Acessibilidade – possibilidades (?) ,[object Object]
Uma pequena extensão sobre o assunto ,[object Object]
Avaliando a Acessibilidade ,[object Object]
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Atravessando a rua  Rua sem faixa de pedestre (Foto 1).  Rua muito movimentada e sem semáforo.  Calçada sem rebaixamento, junto à faixa de pedestre, impossibilita a travessia de pessoas em cadeira de rodas.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Calçada em frente à escola  Escola localizada em rua muito inclinada, o que impede o acesso a pé de pessoas com deficiência motora (Foto 2).  Não é possível identificar a escola a partir da rua, pois seu nome não é visível (Foto3).  Calçada sem pavimentação ou com buracos e degraus (Foto 4).  Obstáculos – como placas, floreiras, lixeiras, postes, galhos de árvores, toldos, entulho, etc. – atrapalham a circulação das pessoas (Foto 5). 2 3 4 5
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Paradas de ônibus  Não existe parada de ônibus próxima à entrada da escola.  Não é possível, desde a parada de ônibus, chegar ao portão da escola, em cadeira de rodas, devido à pavimentação irregular, obstáculos ou desníveis.  Não há piso tátil direcional e/ou de alerta, para auxiliar pessoas com deficiência visual (Foto 3).  Não há alargamentos da via para embarque e desembarque das pessoas. Não há estacionamento para deficientes. 2 3 4 5
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Caminho até a porta de entrada  Caminho sem pavimentação ou com buracos e degraus (Foto 1).  Pavimentação escorregadia em dias de chuva ou ofuscante em dias de sol.  Caminho estreito e com muitos obstáculos que atrapalham a circulação das pessoas, como placas, floreiras, lixeiras, postes, galhos de árvores, toldos, entulho, etc. (Foto 2).  Caminho muito amplo, sem limites definidos, não possui piso tátil direcional para guiar pessoas com deficiência visual até a porta da escola. 1 2
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Porta de entrada  É difícil identificar a porta de entrada. Quando há degraus em frente à porta de entrada, não existe rampa (Foto 3). Estacionamento da escola  Situado no local onde as crianças brincam: perigo (Foto 4).  Não existem vagas para pessoas com deficiência.  Vagas estreitas, piso irregular, como brita, e não estão sinalizadas.  O caminho até a porta da escola possui pavimentação irregular, degraus ou obstáculos (Foto 5). 3 4 5
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Recepção e salas de atendimento Não existe mapa tátil que possibilite aos usuários se localizarem e conhecerem os ambientes da escola.  Não existem placas de identificação nas portas e, quando existem, suas letras são pequenas e sem contraste de cor (Foto 1).  Balcão de atendimento difícil de encontrar e/ou muito alto (Fotos 1 e 4).  Ambiente muito amplo, sem piso tátil direcional (Foto 2).  Pavimentação ofuscante em dias de sol (Foto 2).  Não existem placas, na recepção, para indicar o caminho a seguir para os demais ambientes da escola (Foto 2).  1 2
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Recepção e salas de atendimento Móveis e equipamentos mal localizados atrapalham a passagem de todos, principalmente a de pessoas em cadeira de rodas, e são obstáculos para as pessoas com deficiência visual.  Falta de contraste de cor entre pisos, paredes e móveis dificultam a circulação de pessoas com baixa visão (Foto 3).  Não existem placas com letras em relevo ou escritas em Braille (Foto 4).  Não há telefone público acessível a pessoas em cadeira de rodas, nem com amplificador de sinal para pessoas com audição reduzida. 3 4
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Corredores Corredores muito estreitos em relação à quantidade de pessoas que os utilizam.  Elementos mal localizados, como lixeiras, bebedouros, telefones públicos, extintores de incêndio, vasos de plantas, móveis, placas, entre outros, atrapalham a passagem e são obstáculos para as pessoas com deficiência.  Não há contraste de cor entre piso, parede e portas que facilite a orientação de pessoas com baixa visão.  Piso escorregadio, irregular e em más condições.  Piso em desnível dificulta a passagem de pessoas em cadeira de rodas.  Corredores muito amplos, sem piso tátil direcional para guiar pessoas com deficiência visual.  Muretas ou grades de proteção muito baixas ou mal fixadas causam risco de acidente.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Corredores Corredores situados em locais elevados ou em pavimentos superiores, sem grade ou mureta de proteção, causam riscos de acidente .  Não há placas indicativas para orientar as saídas, escadas, rampas e outras direções importantes.  Não existe identificação junto às portas dos diferentes ambientes para indicar a que atividades se destinam.  O bebedouro não permite que pessoas em cadeira de rodas, crianças pequenas ou pessoas de baixa estatura o utilizem, pois é muito alto, de difícil manuseio e sem espaço para aproximação de cadeira de rodas
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Corredores Identificação em letras pequenas e sem contraste de cor com o fundo. Vãos de abertura das portas muito estreitos para a passagem de cadeira de rodas. Portas do tipo vaivém, sem visor ao alcance dos olhos de crianças menores e pessoas em cadeira de rodas. Maçanetas redondas, de difícil manuseio. Degrau nas soleiras das portas.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Escadas  Escadas muito estreitas.Piso escorregadio e em más condições por falta de manutenção. Degraus muito baixos ou muito altos, muito curtos ou muito longos. Degraus possuem tamanhos diferentes entre si. Não existe borda em cor contrastante, em cada degrau, para auxiliar pessoas com baixa visão a identificá-los. Obstáculos nos patamares, como vasos, móveis e abertura de portas.  Não existe piso tátil de alerta no início e no final da escada.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Rampas -  Escola com mais de um andar e sem rampas, apenas escadas.  Quando há rampa, é muito estreita. Seu piso é escorregadio, desnivelado e com buracos. Obstáculos nos patamares, como vasos, móveis e abertura de portas.  Rampa muito comprida e sem patamares para descanso. Rampa é muito inclinada e difícil de subir com cadeira de rodas. Não existe piso tátil de alerta no início e no final da rampa.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Corrimãos e grades de proteção para rampas e escadas  Não existem corrimãos nos dois lados de todas as escadas e rampas. Não existe parede ou grade de proteção (guarda-corpo) ao longo das escadas e. Essa parede ou grade de proteção é muito baixa e cria situações de perigo. Não há corrimão ao alcance de crianças menores e pessoas em cadeira de rodas. Corrimãos não se prolongam no final e no início da rampa ou da escada. Corrimãos ferem as mãos.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Salas de aula:  Falta contraste de cor entre piso, parede e móveis. Carteiras com dimensões que não permitem a aproximação de cadeira de rodas. Carteiras inadequadas para crianças obesas ou com estatura diferente do grupo de alunos da sala. Corredor muito estreito entre as carteiras para a passagem de cadeira de rodas. Quadro-negro muito alto para ser alcançado por crianças menores ou em cadeira de rodas. Espaço muito estreito entre o quadro e as carteiras para a circulação e manobra de cadeira de rodas.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Laboratórios e salas de artes:  Mesas ou pias com obstáculos, como pés e gaveteiros, que impedem a aproximação de pessoas em cadeira de rodas. Mesas ou pias com altura inadequada – muito baixa ou muito alta – dificultam o uso por pessoas de diferentes estaturas.  Prateleiras muito altas não permitem que pessoas em cadeira de rodas ou crianças menores alcancem objetos, instrumentos, tintas e potes.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Laboratórios e salas de artes:  Não existe computador com programa acessível a pessoas com deficiência visual. Falta contraste entre as cores do piso, parede e móveis. Quadro-negro muito alto para o alcance de crianças menores ou em cadeira de rodas. Espaço apertado entre os móveis para a passagem de cadeira de rodas. Acessórios da pia, como toalheiro, cesto de lixo e saboneteira, muito altos crianças e pessoas em cadeira de rodas. Torneiras difíceis de manusear por pessoas com mobilidade reduzida nas mãos.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Sala de Recursos Multifuncional:  Falta contraste entre as cores do piso, parede e móveis da sala de recursos multifuncional. Espaço pequeno, mesas muito próximas umas das outras e sem separação entre os ambientes de atendimento. Mesas com obstáculos, como pés e gaveteiros, que impedem a aproximação de pessoas em cadeira de rodas.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Sala de Recursos Multifuncional:  Mesas muito baixas ou muito altas para o uso de uma pessoa em cadeira de rodas. Falta computador com programa de leitor de tela para alunos com deficiência visual. Faltam espaços adequados para armazenar e expor materiais didáticos que sejam acessíveis a todos.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Espaço da Educação Infantil:  Falta de contraste de cor entre piso, parede e móveis. Piso muito frio, áspero ou escorregadio. Mesas não permitem a aproximação de cadeira de rodas. Mobiliário inadequado às dimensões das diferentes faixas etárias das crianças. Mobiliário inadequado às dimensões das diferentes faixas etárias das crianças, como pias e quadro-negro muito altos. Espaço estreito entre os móveis para a passagem de uma cadeira de rodas.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Espaço da Educação Infantil:  Sala apertada, sem espaço livre para brincadeiras que exigem movimento. Não há recanto com tapete, almofadas e espelho para atividades no chão e para repouso. Sala distante do fraldário e de banheiro exclusivo para crianças menores. Sala sem ligação direta a um pátio, varanda ou parque infantil de uso exclusivo das crianças. Aberturas muito altas e pequenas que dificultam a ventilação, iluminação e a visualização para o exterior .
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Biblioteca:  Mesas com obstáculos, como pés, gaveteiros, e/ou altura inadequada, que impedem a aproximação de pessoas em cadeira de rodas. Sala da biblioteca pequena e com muitos móveis, impedindo a circulação de uma cadeira de rodas. Corredores entre estantes muito estreitos para a passagem de cadeira de rodas.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Biblioteca:  Prateleiras muito altas para que pessoas em cadeira de rodas ou crianças menores alcancem os livros. Balcão de empréstimo muito alto para o uso de crianças menores e pessoas em cadeira de rodas. Não existe computador com leitores de tela para alunos com deficiência visual. Não há contraste de cor entre as cores do piso, parede e móveis .
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Auditório:  Não há contraste de cor entre piso, parede e móveis. Não há espaço suficiente, nos corredores de acesso aos assentos, para a circulação de uma cadeira de rodas. Não há espaço destinado para cadeira de rodas junto aos outros assentos, e isso faz com que permaneça isolada no meio da circulação. Locais destinados ao cadeirante e assentos preferenciais para obesos e pessoas com mobilidade reduzida não se situam em piso plano horizontal, nem oferecem boa visibilidade para o palco.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Auditório:  Em auditórios muito amplos, não há piso inclinado para facilitar a visualização do palco. Não há rampa quando há degraus entre as fileiras de assentos ou para acesso ao palco. Não há faixa em cor contrastante nas bordas dos degraus, das rampas e na borda do palco. Localização e dimensão das portas dificultam o acesso e criam situações de risco.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Sanitários:  Não existem sanitários com vasos e lavatórios masculino e feminino acessíveis na escola. Sanitários acessíveis, localizados em pavimento onde não é possível chegar com cadeira de rodas. Portas dos sanitários muito estreitas para a passagem de uma cadeira de rodas. Espaço de circulação dentro do sanitário muito apertado para uma pessoa manobrar sua cadeira de rodas até o vaso sanitário e o lavatório. Lavatórios com coluna ou armários que impedem a aproximação de uma cadeira de rodas. Torneiras difíceis de alcançar ou manusear. Boxes acessíveis muito apertados para transferir a pessoa da cadeira de rodas para o vaso sanitário. Assentos dos vasos sanitários em altura desconfortável .
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Sanitários:  Não existem lavatórios, vasos sanitários e descargas em altura adequada para crianças de baixa estatura. Falta de contraste de cor entre piso, parede e equipamentos. Barras de apoio mal localizadas não auxiliam a transferência de uma pessoa em cadeira de rodas para o vaso sanitário. Portas dos boxes acessíveis não possuem puxadores que facilitem seu fechamento.  Maçanetas difíceis de manusear por pessoas com mobilidade reduzida nas mãos.  Desnível muito grande e sem rampa entre o banheiro e a circulação.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Refeitório: Não há contraste de cor entre piso, parede e móveis. Mesa comunitária com cadeiras fixas que impedem a aproximação de uma cadeira de rodas ou, quando permitem, a cadeira fica no meio da circulação . Mesa muito alta para o uso de uma pessoa em cadeira de rodas. Mesa para cadeirantes encontra-se afastada das demais e longe do balcão das refeições. Não é possível circular com a cadeira de rodas nos corredores entre as mesas do refeitório. Balcão de distribuição de alimentos muito alto para o alcance e a visualização de pessoas em cadeira de rodas ou crianças pequenas.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Quadra de esportes:  Não há rota acessível que permita às pessoas com mobilidade reduzida chegarem à quadra, aos bancos/arquibancadas ou aos sanitários e vestiários. Falta piso tátil direcional para guiar as pessoas com deficiência visual até a entrada da quadra, bancos, sanitários e vestiários.  No caso de quadras cercadas por telas ou paredes, os vãos de acesso são muito estreitos para a passagem de cadeira de rodas.Não há contraste das cores do piso e demais elementos da quadra, como linhas de marcação, traves, redes e cestas. Falta espaço vago para uma cadeira de rodas entre os bancos ou na arquibancada. Faltam sanitários e vestiários acessíveis próximos à quadra.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Pátios:  Piso escorregadio quando molhado e ofuscante em dias de sol. Pisos inadequados – desnivelados, com degraus, alagadiços – que impedem a circulação de cadeira de rodas. Pátio com muitos obstáculos, como bancos, telefones, bebedouros, extintores de incêndio, vasos de plantas, móveis, lixeiras, etc., que atrapalham a circulação de pessoas. Obstáculos não-identificados com piso tátil de alerta para pessoas com deficiência visual.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Pátios:  Pátio muito amplo, sem limites definidos e sem piso tátil direcional para guiar as pessoas com deficiência visual até os principais acessos. Não existe grade de proteção para evitar quedas nos pátios localizados em terrenos inclinados ou em pavimentos elevados. Não existem bancos ou eles estão em mau estado de conservação. A escola não possui pátio com espaços amplos para brincadeiras nem mobiliário adequado.
Pensando a Acessibilidade em sua Escola Pátios:  Pátio muito amplo, sem limites definidos e sem piso tátil direcional para guiar as pessoas com deficiência visual até os principais acessos. Não existe grade de proteção para evitar quedas nos pátios localizados em terrenos inclinados ou em pavimentos elevados. Não existem bancos ou eles estão em mau estado de conservação. A escola não possui pátio com espaços amplos para brincadeiras nem mobiliário adequado.
Barreiras na Comunicação e Informação O teclado não tem linguagem Braille e possui teclas de levantamento. As teclas de decisão são identificadas pelo nome e pela respectiva cor: Anular – vermelho, Corrigir – amarelo, Confirmar – verde. As cores das teclas estão um bocado gastas, sendo pouco visível a tecla anular. A funcionalidade de som não estava acessível.
Sem barreiras na Comunicação O teclado tem linguagem Braille e possui teclas de levantamento. As teclas de decisão são identificadas pelo nome e pela respectiva cor: Anular – vermelho, Corrigir - amarelo, Confirmar – verde. As teclas são perfeitamente legíveis e emitem um som audível sempre que premidas.
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas
Tecnologias Assistivas http://www2.uepa.br/nedeta/ http://www.tecnologiaassistiva.net/br http://www.abteca.org.br/abteca.html http://www.gace.org.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiploSlides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Compede
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
Cassia Dias
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
ceciliaconserva
 

Mais procurados (20)

Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiploSlides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Tecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e PossibilidadesTecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
 
Tecnologia Assistiva
Tecnologia AssistivaTecnologia Assistiva
Tecnologia Assistiva
 
Tecnologia assistiva na inclusão
Tecnologia assistiva na inclusãoTecnologia assistiva na inclusão
Tecnologia assistiva na inclusão
 
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptxO Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
 
inclusão social
inclusão socialinclusão social
inclusão social
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Deficiência Auditiva
Deficiência AuditivaDeficiência Auditiva
Deficiência Auditiva
 
Historia da Educação Especial no Brasil
 Historia da Educação Especial no Brasil Historia da Educação Especial no Brasil
Historia da Educação Especial no Brasil
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline VenturaEducação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
 
Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho
Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalhoInclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho
Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho
 
Slides apresentação tcc final
Slides apresentação tcc finalSlides apresentação tcc final
Slides apresentação tcc final
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
 
Autismo aula power point
Autismo aula power pointAutismo aula power point
Autismo aula power point
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
 

Destaque

Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade UrbanaMobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Milton R. Almeida
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
Blendon Mendonça
 
Dicas de acessibilidade
Dicas de acessibilidadeDicas de acessibilidade
Dicas de acessibilidade
AIT5cre
 
Acessibilidade como Fator de Inovação - Intercon 2009 - Imasters
Acessibilidade como Fator de Inovação - Intercon 2009 - ImastersAcessibilidade como Fator de Inovação - Intercon 2009 - Imasters
Acessibilidade como Fator de Inovação - Intercon 2009 - Imasters
Horácio Soares
 

Destaque (20)

Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade UrbanaMobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
 
Diretrizes acessibilidade wcag_2
Diretrizes acessibilidade wcag_2Diretrizes acessibilidade wcag_2
Diretrizes acessibilidade wcag_2
 
Sistemas Inteligentes de Transporte (ITS) no transporte público urbano
Sistemas Inteligentes de Transporte (ITS) no transporte público urbanoSistemas Inteligentes de Transporte (ITS) no transporte público urbano
Sistemas Inteligentes de Transporte (ITS) no transporte público urbano
 
Lições sobre Mobilidade - O que é Mobilidade Urbana?
Lições sobre Mobilidade - O que é Mobilidade Urbana?Lições sobre Mobilidade - O que é Mobilidade Urbana?
Lições sobre Mobilidade - O que é Mobilidade Urbana?
 
Guia de acessibilidade e mobilidade para todos
Guia de acessibilidade e mobilidade para todosGuia de acessibilidade e mobilidade para todos
Guia de acessibilidade e mobilidade para todos
 
Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é Mobilidade Urbana Sustentável?
Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é Mobilidade Urbana Sustentável?Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é Mobilidade Urbana Sustentável?
Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é Mobilidade Urbana Sustentável?
 
Mobilidade urbana pdf
 Mobilidade urbana pdf Mobilidade urbana pdf
Mobilidade urbana pdf
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
 
Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é TOD?
Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é TOD?Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é TOD?
Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é TOD?
 
Mobilidade Urbana
Mobilidade UrbanaMobilidade Urbana
Mobilidade Urbana
 
1o fala vidigal gentrificação apresentação Gentrification Rio de Janeiro
1o fala vidigal gentrificação apresentação Gentrification Rio de Janeiro1o fala vidigal gentrificação apresentação Gentrification Rio de Janeiro
1o fala vidigal gentrificação apresentação Gentrification Rio de Janeiro
 
Dicas de acessibilidade
Dicas de acessibilidadeDicas de acessibilidade
Dicas de acessibilidade
 
Cartilha de Acessibilidade na Web - Fascículo I - 2013
Cartilha de Acessibilidade na Web - Fascículo I - 2013Cartilha de Acessibilidade na Web - Fascículo I - 2013
Cartilha de Acessibilidade na Web - Fascículo I - 2013
 
Acessibilidade como Fator de Inovação - Intercon 2009 - Imasters
Acessibilidade como Fator de Inovação - Intercon 2009 - ImastersAcessibilidade como Fator de Inovação - Intercon 2009 - Imasters
Acessibilidade como Fator de Inovação - Intercon 2009 - Imasters
 
Promovendo Acessibilidade Espacial nos Edifícios Públicos
Promovendo Acessibilidade Espacial nos Edifícios PúblicosPromovendo Acessibilidade Espacial nos Edifícios Públicos
Promovendo Acessibilidade Espacial nos Edifícios Públicos
 
Propostas da conferencia dos deficientes 2010
Propostas da conferencia dos deficientes 2010Propostas da conferencia dos deficientes 2010
Propostas da conferencia dos deficientes 2010
 
Apresentação do Projeto Inclusão Eficiente
Apresentação do Projeto Inclusão EficienteApresentação do Projeto Inclusão Eficiente
Apresentação do Projeto Inclusão Eficiente
 
Pessoas com deficiencia no trabalho
Pessoas com deficiencia no trabalhoPessoas com deficiencia no trabalho
Pessoas com deficiencia no trabalho
 
Acessibilidade, legislação e potencial das PcD
Acessibilidade, legislação e potencial das PcDAcessibilidade, legislação e potencial das PcD
Acessibilidade, legislação e potencial das PcD
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda (20)

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Mídia-educação
 
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Educação aberta
 
Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Futuros imaginários
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leis
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fases
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
lbgsouza
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 

Acessibilidade

  • 1. ACESSIBILIDADE Profa. Dra. Mônica Pereira dos Santos Faculdade de Educação Universidade Federal do Rio de Janeiro www.lapeade.com.br [email_address] (21) 81362400
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Atravessando a rua Rua sem faixa de pedestre (Foto 1). Rua muito movimentada e sem semáforo. Calçada sem rebaixamento, junto à faixa de pedestre, impossibilita a travessia de pessoas em cadeira de rodas.
  • 10. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Calçada em frente à escola Escola localizada em rua muito inclinada, o que impede o acesso a pé de pessoas com deficiência motora (Foto 2). Não é possível identificar a escola a partir da rua, pois seu nome não é visível (Foto3). Calçada sem pavimentação ou com buracos e degraus (Foto 4). Obstáculos – como placas, floreiras, lixeiras, postes, galhos de árvores, toldos, entulho, etc. – atrapalham a circulação das pessoas (Foto 5). 2 3 4 5
  • 11. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Paradas de ônibus Não existe parada de ônibus próxima à entrada da escola. Não é possível, desde a parada de ônibus, chegar ao portão da escola, em cadeira de rodas, devido à pavimentação irregular, obstáculos ou desníveis. Não há piso tátil direcional e/ou de alerta, para auxiliar pessoas com deficiência visual (Foto 3). Não há alargamentos da via para embarque e desembarque das pessoas. Não há estacionamento para deficientes. 2 3 4 5
  • 12. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Caminho até a porta de entrada Caminho sem pavimentação ou com buracos e degraus (Foto 1). Pavimentação escorregadia em dias de chuva ou ofuscante em dias de sol. Caminho estreito e com muitos obstáculos que atrapalham a circulação das pessoas, como placas, floreiras, lixeiras, postes, galhos de árvores, toldos, entulho, etc. (Foto 2). Caminho muito amplo, sem limites definidos, não possui piso tátil direcional para guiar pessoas com deficiência visual até a porta da escola. 1 2
  • 13. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Porta de entrada É difícil identificar a porta de entrada. Quando há degraus em frente à porta de entrada, não existe rampa (Foto 3). Estacionamento da escola Situado no local onde as crianças brincam: perigo (Foto 4). Não existem vagas para pessoas com deficiência. Vagas estreitas, piso irregular, como brita, e não estão sinalizadas. O caminho até a porta da escola possui pavimentação irregular, degraus ou obstáculos (Foto 5). 3 4 5
  • 14. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Recepção e salas de atendimento Não existe mapa tátil que possibilite aos usuários se localizarem e conhecerem os ambientes da escola. Não existem placas de identificação nas portas e, quando existem, suas letras são pequenas e sem contraste de cor (Foto 1). Balcão de atendimento difícil de encontrar e/ou muito alto (Fotos 1 e 4). Ambiente muito amplo, sem piso tátil direcional (Foto 2). Pavimentação ofuscante em dias de sol (Foto 2). Não existem placas, na recepção, para indicar o caminho a seguir para os demais ambientes da escola (Foto 2). 1 2
  • 15. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Recepção e salas de atendimento Móveis e equipamentos mal localizados atrapalham a passagem de todos, principalmente a de pessoas em cadeira de rodas, e são obstáculos para as pessoas com deficiência visual. Falta de contraste de cor entre pisos, paredes e móveis dificultam a circulação de pessoas com baixa visão (Foto 3). Não existem placas com letras em relevo ou escritas em Braille (Foto 4). Não há telefone público acessível a pessoas em cadeira de rodas, nem com amplificador de sinal para pessoas com audição reduzida. 3 4
  • 16. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Corredores Corredores muito estreitos em relação à quantidade de pessoas que os utilizam. Elementos mal localizados, como lixeiras, bebedouros, telefones públicos, extintores de incêndio, vasos de plantas, móveis, placas, entre outros, atrapalham a passagem e são obstáculos para as pessoas com deficiência. Não há contraste de cor entre piso, parede e portas que facilite a orientação de pessoas com baixa visão. Piso escorregadio, irregular e em más condições. Piso em desnível dificulta a passagem de pessoas em cadeira de rodas. Corredores muito amplos, sem piso tátil direcional para guiar pessoas com deficiência visual. Muretas ou grades de proteção muito baixas ou mal fixadas causam risco de acidente.
  • 17. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Corredores Corredores situados em locais elevados ou em pavimentos superiores, sem grade ou mureta de proteção, causam riscos de acidente . Não há placas indicativas para orientar as saídas, escadas, rampas e outras direções importantes. Não existe identificação junto às portas dos diferentes ambientes para indicar a que atividades se destinam. O bebedouro não permite que pessoas em cadeira de rodas, crianças pequenas ou pessoas de baixa estatura o utilizem, pois é muito alto, de difícil manuseio e sem espaço para aproximação de cadeira de rodas
  • 18. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Corredores Identificação em letras pequenas e sem contraste de cor com o fundo. Vãos de abertura das portas muito estreitos para a passagem de cadeira de rodas. Portas do tipo vaivém, sem visor ao alcance dos olhos de crianças menores e pessoas em cadeira de rodas. Maçanetas redondas, de difícil manuseio. Degrau nas soleiras das portas.
  • 19. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Escadas Escadas muito estreitas.Piso escorregadio e em más condições por falta de manutenção. Degraus muito baixos ou muito altos, muito curtos ou muito longos. Degraus possuem tamanhos diferentes entre si. Não existe borda em cor contrastante, em cada degrau, para auxiliar pessoas com baixa visão a identificá-los. Obstáculos nos patamares, como vasos, móveis e abertura de portas. Não existe piso tátil de alerta no início e no final da escada.
  • 20. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Rampas - Escola com mais de um andar e sem rampas, apenas escadas. Quando há rampa, é muito estreita. Seu piso é escorregadio, desnivelado e com buracos. Obstáculos nos patamares, como vasos, móveis e abertura de portas. Rampa muito comprida e sem patamares para descanso. Rampa é muito inclinada e difícil de subir com cadeira de rodas. Não existe piso tátil de alerta no início e no final da rampa.
  • 21. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Corrimãos e grades de proteção para rampas e escadas Não existem corrimãos nos dois lados de todas as escadas e rampas. Não existe parede ou grade de proteção (guarda-corpo) ao longo das escadas e. Essa parede ou grade de proteção é muito baixa e cria situações de perigo. Não há corrimão ao alcance de crianças menores e pessoas em cadeira de rodas. Corrimãos não se prolongam no final e no início da rampa ou da escada. Corrimãos ferem as mãos.
  • 22. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Salas de aula: Falta contraste de cor entre piso, parede e móveis. Carteiras com dimensões que não permitem a aproximação de cadeira de rodas. Carteiras inadequadas para crianças obesas ou com estatura diferente do grupo de alunos da sala. Corredor muito estreito entre as carteiras para a passagem de cadeira de rodas. Quadro-negro muito alto para ser alcançado por crianças menores ou em cadeira de rodas. Espaço muito estreito entre o quadro e as carteiras para a circulação e manobra de cadeira de rodas.
  • 23. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Laboratórios e salas de artes: Mesas ou pias com obstáculos, como pés e gaveteiros, que impedem a aproximação de pessoas em cadeira de rodas. Mesas ou pias com altura inadequada – muito baixa ou muito alta – dificultam o uso por pessoas de diferentes estaturas. Prateleiras muito altas não permitem que pessoas em cadeira de rodas ou crianças menores alcancem objetos, instrumentos, tintas e potes.
  • 24. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Laboratórios e salas de artes: Não existe computador com programa acessível a pessoas com deficiência visual. Falta contraste entre as cores do piso, parede e móveis. Quadro-negro muito alto para o alcance de crianças menores ou em cadeira de rodas. Espaço apertado entre os móveis para a passagem de cadeira de rodas. Acessórios da pia, como toalheiro, cesto de lixo e saboneteira, muito altos crianças e pessoas em cadeira de rodas. Torneiras difíceis de manusear por pessoas com mobilidade reduzida nas mãos.
  • 25. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Sala de Recursos Multifuncional: Falta contraste entre as cores do piso, parede e móveis da sala de recursos multifuncional. Espaço pequeno, mesas muito próximas umas das outras e sem separação entre os ambientes de atendimento. Mesas com obstáculos, como pés e gaveteiros, que impedem a aproximação de pessoas em cadeira de rodas.
  • 26. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Sala de Recursos Multifuncional: Mesas muito baixas ou muito altas para o uso de uma pessoa em cadeira de rodas. Falta computador com programa de leitor de tela para alunos com deficiência visual. Faltam espaços adequados para armazenar e expor materiais didáticos que sejam acessíveis a todos.
  • 27. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Espaço da Educação Infantil: Falta de contraste de cor entre piso, parede e móveis. Piso muito frio, áspero ou escorregadio. Mesas não permitem a aproximação de cadeira de rodas. Mobiliário inadequado às dimensões das diferentes faixas etárias das crianças. Mobiliário inadequado às dimensões das diferentes faixas etárias das crianças, como pias e quadro-negro muito altos. Espaço estreito entre os móveis para a passagem de uma cadeira de rodas.
  • 28. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Espaço da Educação Infantil: Sala apertada, sem espaço livre para brincadeiras que exigem movimento. Não há recanto com tapete, almofadas e espelho para atividades no chão e para repouso. Sala distante do fraldário e de banheiro exclusivo para crianças menores. Sala sem ligação direta a um pátio, varanda ou parque infantil de uso exclusivo das crianças. Aberturas muito altas e pequenas que dificultam a ventilação, iluminação e a visualização para o exterior .
  • 29. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Biblioteca: Mesas com obstáculos, como pés, gaveteiros, e/ou altura inadequada, que impedem a aproximação de pessoas em cadeira de rodas. Sala da biblioteca pequena e com muitos móveis, impedindo a circulação de uma cadeira de rodas. Corredores entre estantes muito estreitos para a passagem de cadeira de rodas.
  • 30. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Biblioteca: Prateleiras muito altas para que pessoas em cadeira de rodas ou crianças menores alcancem os livros. Balcão de empréstimo muito alto para o uso de crianças menores e pessoas em cadeira de rodas. Não existe computador com leitores de tela para alunos com deficiência visual. Não há contraste de cor entre as cores do piso, parede e móveis .
  • 31. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Auditório: Não há contraste de cor entre piso, parede e móveis. Não há espaço suficiente, nos corredores de acesso aos assentos, para a circulação de uma cadeira de rodas. Não há espaço destinado para cadeira de rodas junto aos outros assentos, e isso faz com que permaneça isolada no meio da circulação. Locais destinados ao cadeirante e assentos preferenciais para obesos e pessoas com mobilidade reduzida não se situam em piso plano horizontal, nem oferecem boa visibilidade para o palco.
  • 32. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Auditório: Em auditórios muito amplos, não há piso inclinado para facilitar a visualização do palco. Não há rampa quando há degraus entre as fileiras de assentos ou para acesso ao palco. Não há faixa em cor contrastante nas bordas dos degraus, das rampas e na borda do palco. Localização e dimensão das portas dificultam o acesso e criam situações de risco.
  • 33. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Sanitários: Não existem sanitários com vasos e lavatórios masculino e feminino acessíveis na escola. Sanitários acessíveis, localizados em pavimento onde não é possível chegar com cadeira de rodas. Portas dos sanitários muito estreitas para a passagem de uma cadeira de rodas. Espaço de circulação dentro do sanitário muito apertado para uma pessoa manobrar sua cadeira de rodas até o vaso sanitário e o lavatório. Lavatórios com coluna ou armários que impedem a aproximação de uma cadeira de rodas. Torneiras difíceis de alcançar ou manusear. Boxes acessíveis muito apertados para transferir a pessoa da cadeira de rodas para o vaso sanitário. Assentos dos vasos sanitários em altura desconfortável .
  • 34. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Sanitários: Não existem lavatórios, vasos sanitários e descargas em altura adequada para crianças de baixa estatura. Falta de contraste de cor entre piso, parede e equipamentos. Barras de apoio mal localizadas não auxiliam a transferência de uma pessoa em cadeira de rodas para o vaso sanitário. Portas dos boxes acessíveis não possuem puxadores que facilitem seu fechamento. Maçanetas difíceis de manusear por pessoas com mobilidade reduzida nas mãos. Desnível muito grande e sem rampa entre o banheiro e a circulação.
  • 35. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Refeitório: Não há contraste de cor entre piso, parede e móveis. Mesa comunitária com cadeiras fixas que impedem a aproximação de uma cadeira de rodas ou, quando permitem, a cadeira fica no meio da circulação . Mesa muito alta para o uso de uma pessoa em cadeira de rodas. Mesa para cadeirantes encontra-se afastada das demais e longe do balcão das refeições. Não é possível circular com a cadeira de rodas nos corredores entre as mesas do refeitório. Balcão de distribuição de alimentos muito alto para o alcance e a visualização de pessoas em cadeira de rodas ou crianças pequenas.
  • 36. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Quadra de esportes: Não há rota acessível que permita às pessoas com mobilidade reduzida chegarem à quadra, aos bancos/arquibancadas ou aos sanitários e vestiários. Falta piso tátil direcional para guiar as pessoas com deficiência visual até a entrada da quadra, bancos, sanitários e vestiários. No caso de quadras cercadas por telas ou paredes, os vãos de acesso são muito estreitos para a passagem de cadeira de rodas.Não há contraste das cores do piso e demais elementos da quadra, como linhas de marcação, traves, redes e cestas. Falta espaço vago para uma cadeira de rodas entre os bancos ou na arquibancada. Faltam sanitários e vestiários acessíveis próximos à quadra.
  • 37. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Pátios: Piso escorregadio quando molhado e ofuscante em dias de sol. Pisos inadequados – desnivelados, com degraus, alagadiços – que impedem a circulação de cadeira de rodas. Pátio com muitos obstáculos, como bancos, telefones, bebedouros, extintores de incêndio, vasos de plantas, móveis, lixeiras, etc., que atrapalham a circulação de pessoas. Obstáculos não-identificados com piso tátil de alerta para pessoas com deficiência visual.
  • 38. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Pátios: Pátio muito amplo, sem limites definidos e sem piso tátil direcional para guiar as pessoas com deficiência visual até os principais acessos. Não existe grade de proteção para evitar quedas nos pátios localizados em terrenos inclinados ou em pavimentos elevados. Não existem bancos ou eles estão em mau estado de conservação. A escola não possui pátio com espaços amplos para brincadeiras nem mobiliário adequado.
  • 39. Pensando a Acessibilidade em sua Escola Pátios: Pátio muito amplo, sem limites definidos e sem piso tátil direcional para guiar as pessoas com deficiência visual até os principais acessos. Não existe grade de proteção para evitar quedas nos pátios localizados em terrenos inclinados ou em pavimentos elevados. Não existem bancos ou eles estão em mau estado de conservação. A escola não possui pátio com espaços amplos para brincadeiras nem mobiliário adequado.
  • 40. Barreiras na Comunicação e Informação O teclado não tem linguagem Braille e possui teclas de levantamento. As teclas de decisão são identificadas pelo nome e pela respectiva cor: Anular – vermelho, Corrigir – amarelo, Confirmar – verde. As cores das teclas estão um bocado gastas, sendo pouco visível a tecla anular. A funcionalidade de som não estava acessível.
  • 41. Sem barreiras na Comunicação O teclado tem linguagem Braille e possui teclas de levantamento. As teclas de decisão são identificadas pelo nome e pela respectiva cor: Anular – vermelho, Corrigir - amarelo, Confirmar – verde. As teclas são perfeitamente legíveis e emitem um som audível sempre que premidas.
  • 52. Tecnologias Assistivas http://www2.uepa.br/nedeta/ http://www.tecnologiaassistiva.net/br http://www.abteca.org.br/abteca.html http://www.gace.org.br/