SlideShare uma empresa Scribd logo
FORMAÇÃO
LITÚRGICA
Teologia da Liturgia / Preparando a
Celebração
APANHADO
HISTÓRICO
 Desde a mais remota antiguidade o
homem buscou formas de se
comunicar com a divindade; isto em
todos os povos; seja através de
danças, músicas, usando elementos
da natureza como flores, plantas,
animais, frutas, etc. É uma
tendência inata no homem. O ser
humano gosta de celebrações:
celebramos aniversários,
casamentos, bodas, formaturas,
vitórias conquistadas, etc. Tudo isto
acontece também,
espontaneamente, no campo da fé,
para se comunicar com Deus que se
revela ao homem
 As Sagradas Escrituras nos mostram que desde o
Antigo Testamento o povo judeu celebrava
ricamente a Liturgia. Deus estabeleceu uma
Aliança com esse povo, através de Noé, Abraão,
Isaac, Jacó, Moisés, Davi, dos Profetas, etc…
 E esse povo respondia então a Deus mediante
um culto de louvor e de adoração, de maneira
rica e muito criteriosa. A tribo de Levi, os
levitas, foi escolhida por Deus para prestarem os
serviços religiosos. Daí saía os sacerdotes. Nesta
Aliança Deus propõe ao povo as suas Leis a
serem observadas, e, em contrapartida promete
ao povo caminhar com ele, socorrê-lo e libertá-
lo em suas necessidades.
 A Liturgia do Antigo Testamento foi a
forma que o povo encontrou para dar a
sua resposta a Deus e celebrar a sua
presença. Assim, o povo ia ao Templo,
que Jesus tanto valorizou, à sinagoga, e
mesmo em família, para orar e ouvir a
sua Palavra, e celebrar o seu Deus, o
qual escolheu Israel como a sua Esposa. A
Lei e os Profetas, os Salmos e os demais
livros sapienciais tiveram grande
importância nestas celebrações, e ainda
tem hoje. O próprio Jesus cantou os
Salmos na última Ceia. Veja algumas
citações que se referem à liturgia:
“Moisés aspergiu com sangue a Tenda e
todos os utensílios do culto (liturgia)”
(Hb 9,21). “Completados os dias do seu
ministério (liturgia), Zacarias voltou para
casa” (Lc 1,23). “Celebravam eles (os
primeiros discípulos) a liturgia em honra
do Senhor” (At 13,2).
VATICANO II
 Por ocasião do Movimento
Litúrgico do início deste século
o termo LITURGIA será usado
com grande força, sendo que o
Concílio Vaticano II o
consagrará nos seus diversos
documentos, em especial na
Constituição sobre a Liturgia
Sacrosanctum Concilium,
entendendo sempre por
«Liturgia» “o exercício do
sacerdócio de Jesus Cristo”
(SC 7), ou o “cume em direção
ao qual se dirige toda a ação
da Igreja e, ao mesmo tempo,
a fonte da qual sai toda a sua
força” (SC 10).
LEX ORANDI, LEX CREDENDI
 A fé da Igreja é anterior à fé do fiel, que é convidado a
aderir a ela.
 Quando a Igreja celebra os sacramentos, confessa a fé
recebida dos apóstolos.
 Daí o adágio antigo: lex orandi, lex credendi ("a lei da
oração é a lei da fé") segundo Próspero de Aquitânia
[século V). A lei da oração é a lei da fé, ou seja: a Igreja
traduz em sua profissão de fé aquilo que expressa em
sua oração. A liturgia é um elemento constitutivo da
santa e viva Tradição.
 No início data história está a vontade de
Deus de “salvar e fazer chegar ao
conhecimento da verdade todas as pessoas
humanas”. Para conseguir isso, Deus
acompanha toda a história, particularmente
do seu povo eleito, comunicando-se com ele
sobretudo pelos profetas, mas finalmente
por seu próprio Filho.
 A vontade de Deus de salvar a humanidade,
seu eterno plano de salvação, que é a fonte
de toda a história que chega a seu ponto
culminante na páscoa do seu Filho,
revelando assim que é um Deus de amor.
Este é o grande mistério da fé que
celebramos na liturgia.
 No mistério pascal toda a
Trindade está envolvida.
 O Filho se entrega na
obediência filial ao Pai ao
seu projeto salvífico por
meio da força do Espírito
Santo. Além disso, foi do seu
lado aberto na cruz que
nasceu o sacramento de toda
a Igreja (SC n.5). É esse
sacramento que é celebrado.
O mistério pascal é para a
liturgia o seu fulcro.
 Numa perspectiva cristológica e
eclesiológica, para
a Sacrosanctum Concilium a
liturgia é fruto de um mandato
do Senhor.
 Da mesma forma que Cristo foi
enviado pelo Pai, de igual modo
ele enviou os apóstolos não
somente para pregar o Evangelho
e anunciar o mistério pascal, mas
para também levarem a efeito o
que anunciavam, isto é, a OBRA
de SALVAÇÃO através do
Sacrifício, que é a eucaristia, e
dos demais sacramentos. Por
conta disso a Igreja nunca deixou
de se reunir para a celebração do
mistério pascal (SCn.6).
 «Esta obra da redenção humana e da
glorificação perfeita de Deus, cujo
prelúdio foram as magníficas obras
divinas operadas no povo do Antigo
Testamento, realizou-a Cristo Senhor,
principalmente pelo mistério pascal da
sua bem-aventurada paixão,
Ressurreição dos mortos e gloriosa
ascensão, em que, "morrendo, destruiu a
morte e ressuscitando restaurou a vida".
 Efetivamente, foi do lado de Cristo
adormecido na cruz que nasceu "o
sacramento admirável de toda a Igreja"»
(2). É por isso que, na liturgia, a Igreja
celebra principalmente o mistério
pascal, pelo qual Cristo realizou a obra
da nossa salvação. (CIC 1067)
 Assim, para celebrar bem a
Liturgia é preciso ter uma
profunda noção do que é o
Cristianismo; o conhecimento da
história da salvação, da obra de
Cristo e da missão da Igreja. Sem
isto a Liturgia não pode ser bem
compreendida e amada, e pode
se transformar em ritos vazios.
Podemos dizer que o último
tempo da história da salvação – o
tempo de Cristo e da Igreja – é o
tempo da Liturgia, uma vez que
ela torna presente a obra
redentora de Cristo pela
celebração dos Sacramentos.
Assim, somos também nós
participantes da história da
salvação. A Liturgia é a própria
história da salvação em exercício,
já que nela se celebra (torna
presente) tudo o que Deus
realizou ao longo dos séculos para
salvar os homens.
 Toda ação litúrgica é, essencialmente,
anamnética, epiclética e doxológica. A
dimensão anamnética é aquela do
memorial, na qual nós nos recordamos
das maravilhas operadas por Deus na
história da salvação, sobretudo do
mistério pascal de Cristo. O próprio
Senhor nos mandou fazer memória de
sua entrega na cruz (cf. Lc 22,19; 1Cor
11,25). A dimensão epiclética é aquela
invocatória, onde o Espírito Santo se faz
presente para atualizar no hoje aquilo
que recordamos sob seu poder. Jesus
nos disse que o Espirito Santo viria para
nos recordar e nos ensinar todas as
coisas (cf. Jo 16,13-15). A dimensão
doxológica é aquela da glorificação que
fazemos de Deus por sermos alcançados
pela sua salvação. A meta da vida cristã
é reconhecer o amor e a misericórdia
que nos vêm de Deus (cf. 2Cor 9,15; Ef
1,12).
 Na liturgia da Igreja, Deus Pai é bendito e
adorado como fonte de todas as bênçãos da
criação e da salvação, com que nos abençoou no
seu Filho, para nos dar o Espírito da adoção
filial.
 A obra de Cristo na liturgia é sacramental,
porque o seu mistério de salvação torna-se ali
presente pelo poder do seu Espírito Santo;
porque o seu corpo, que é a Igreja, é como que
o sacramento (sinal e instrumento) no qual o
Espírito Santo dispensa o mistério da salvação;
e porque, através das suas ações litúrgicas, a
Igreja peregrina participa já, por antecipação,
na liturgia do céu.
 A missão do Espírito Santo na liturgia da Igreja
é preparar a assembleia para o encontro com
Cristo, lembrar e manifestar Cristo à fé da
assembleia, tornar presente e atualizar a obra
salvífica de Cristo pelo seu poder
transformante e fazer frutificar o dom da
comunhão na Igreja.
 Por isso, afirmou o Vaticano II que “toda a
celebração litúrgica, como obra de Cristo
sacerdote e de seu corpo que é a Igreja, é ação
sagrada por excelência, cuja eficácia, no
mesmo título e grau, não é igualada por
nenhuma outra ação da Igreja” (SC,7). (CIC
§1070).
 A liturgia é obra do Cristo total, cabeça e
corpo. O nosso Sumo-Sacerdote celebra-a sem
cessar na liturgia celeste, com a Santa Mãe de
Deus, os Apóstolos, todos os santos e a
multidão dos seres humanos que já entraram
no Reino.
 A celebração litúrgica comporta sinais e
símbolos que se referem à criação (luz, água,
fogo), à vida humana (lavar, tingir; partir o
pão) e à história da salvação (ritos da Páscoa).
Inseridos no mundo da fé e assumidos pela
força do Espírito Santo, estes elementos
cósmicos, estes ritos humanos, estes gestos
memoriais de Deus, tornam-se portadores da
ação salvadora e santificadora de Cristo.
 O caráter comunitário está implícito no
modo de se pensar a vida litúrgica. Não se
celebra isolado da comunidade. Em outras
palavras, a dimensão cristológica da
liturgia está na celebração do mistério
pascal. Já a dimensão eclesiológica aponta
que esse mistério celebrado é feito em
comunidade.
 as ações litúrgicas não são ações privadas,
mas celebrações da Igreja, que é o
sacramento da unidade, isto é, o povo
santo, unido e ordenado sob a direção do
Bispo. É por isso que a Igreja ensina que
uma celebração comunitária, com
assistência e participação ativa dos fiéis,
deve ser preferida à celebração individual
ou quase privada (cf. SC, 27 e CIC §1140).
 Por tudo isso, a celebração litúrgica
precisa ser muito bem preparada: as
leituras bem feitas, sem erros e falhas; a
música bem ensaiada e adequada, as
vestes litúrgicas bem cuidadas, a igreja
bem arrumada, os fiéis dispostos.
 A liturgia tende a fortalecer nos
fiéis a:
 experiência de Deus,
 o caminho da solidariedade com
os sofredores e
 a comunhão com os irmãos, haja
vista que a páscoa de Jesus
revela esses três aspectos.
 “O gesto litúrgico não é autêntico
se não implica um compromisso de
caridade, um esforço sempre
renovado para ter os sentimentos
de Jesus Cristo e uma continua
conversão” (9,3). Logo em seguida
lemos no documento de Medellin:
“Na hora atual de nossa América
Latina, como em todos os tempos,
celebração litúrgica coroa e
comporta um compromisso com a
realidade humana (…) precisamente
porque toda a criação está inserida
no desígnio salvador” (9,4).
 “Na liturgia terrena, antegozando,
participamos da liturgia celeste,
que se celebra na Cidade Santa de
Jerusalém, para a qual, peregrinos,
nos encaminhamos” (SC 8).
ORIENTAÇÕES GERAIS PARA
MISSAS E CELEBRAÇÕES DA
PALAVRA
 AMBIENTE:
 Seja ele a capela, igreja, algum salão ou
casa particular (comunidade que não tem
local próprio), deve ser limpo, ornamentado
com flores naturais (nunca artificiais!), com
simplicidade e bom gosto. O exagero
sempre prejudica; por isso, que os arranjos
sejam discretos. Valorize-se a Mesa da
Palavra com enfeites bonitos. Jamais
coloque-se flores ou outro enfeite qualquer
sobre a Mesa da Celebração (nem mesmo o
Missal), porque ela é sinal do próprio Cristo
que reúne seu povo e oferece o sacrifício de
Sua vida pela nossa salvação. Seja
providenciado para as velas um suporte ou
coluna a parte, ao lado da mesa da
celebração, evitando colocá-las em cima da
mesa. Imagens do padroeiro ou outros
santos, nunca sejam colocados sobre a mesa
da celebração, mas em locais apropriados.
Não tem sentido colocar duas ou mais
imagens do mesmo santo (ex: duas imagens
de Maria).
 SÍMBOLOS:
 Quando usar símbolos, sejam eles
visíveis a todos e de acordo com a
celebração do dia. Se algum cartaz,
flâmula ou faixa forem usados na
celebração, sejam feitos com letras
grandes e bem legíveis. Na medida
do possível, os símbolos sejam
verdadeiros e não de "faz de conta"
(ex: correntes de papel)
 VESTES:
 Quem exerce alguma função dentro
da celebração precisa estar vestido
decentemente; por isso se fazem
necessárias às vestes litúrgicas.
Quando for solicitar ajuda a alguma
pessoa para entrar com algum
símbolo, tomar o cuidado de
observar se a mesma está vestida
com roupas adequadas. As vestes
não servem apenas para melhorar o
visual do proclamador, mas,
principalmente, para destacar a
dignidade do ministério e o valor da
Palavra de Deus.
 COMPORTAMENTO:
 O local da celebração é local da alegria, da
acolhida e também o lugar de silêncio e
respeito. Todos devem se comportar
dignamente. Evitar conversas em alta voz,
risadas. Isto vale principalmente para quem
está à frente dos trabalhos daquela celebração.
É importante prestar atenção no modo como
sentar. Que as equipes responsáveis peia
celebração providenciem tudo que for
necessário com antecedência para evitar os
"corre-corres" e atropelos de ultima hora.
 CANTOS:
 Cada momento da Celebração Eucarística tem
o seu "espírito" próprio. Cada momento da
liturgia exige um tipo de expressão musical,
cada canção tem uma função muito especial.
Uma boa escolha de cantos ajuda a assembleia
a celebrar e participar melhor da Missa ou
Celebração da Palavra. Os Músicos não podem
apenas "tocar na liturgia", mas “tocar a
Liturgia”, pois é um serviço e uma oração. Os
instrumentos terão a função de unir, incentivar
e apoiar o canto litúrgico. Não deverão cobrir
as vozes, dificultando a compreensão da letra
da música. Ao escolher os cantos,
especialmente os de abertura e comunhão,
tenha-se por base os textos bíblicos do dia e o
fio condutor da celebração.
 REUNIR TODOS OS RESPONSÁVEIS PELA
CELEBRAÇÃO: EQUIPE DE CELEBRAÇÃO
E CANTORES
 A celebração litúrgica não pode ser
como uma "colcha de retalhos", onde
cada um faz o que quer, como quer. Ela
é uma unidade e todos os responsáveis
pela sua realização precisam estar em
harmonia e dar harmonia ao conjunto da
celebração. Portanto, todos devem
preparar juntos a celebração, com
bastante antecedência: equipe de
liturgia, proclamadores, ministros,
dirigentes, cantores etc.
 - PEDIR AS LUZES DO ESPÍRITO SANTO
 É o Espírito Santo que conduz todo o
trabalho e nos leva a louvar ao Pai, por
Cristo. Ele nos dá sabedoria e
discernimento. No início da reunião, a
equipe invoque as luzes do Santo
Espírito.
 LOCALIZAR OS TEXTOS BÍBLICOS
DA CELEBRAÇÃO E AS ORAÇÕES
PRÓPRIAS
 (no Missal, no folheto ou na
Liturgia Diária) São os textos da
Palavra de Deus que dão a direção
da celebração do dia. Um bom
resumo da liturgia do dia pode ser
encontrado na oração da coleta
(antes da liturgia da Palavra) e nas
outras orações. Vale a pena
consultá-las. É bom ficar atento a
possíveis mudanças no calendário
litúrgico, como festas de santos, dia
do padroeiro ou outras solenidades,
que tem leituras próprias e devem
substituir as leituras comuns do dia.
Jamais usem a liturgia diária ou
folheto durante a celebração, mas
somente para prepará-la.
 LER ATENTAMENTE OS TEXTOS,
ESPECIALMENTE O EVANGELHO
 Que o grupo leia com atenção os textos
bíblicos, várias vezes, retire as ideias
principais e faça, na partilha, um resumo
da mensagem do dia. Perceba a ligação
clara e direta do Evangelho com a Primeira
Leitura e desta com o seu respectivo Salmo
Responsorial.
 DEFINIR, COM O GRUPO, O FIO CONDUTOR
DA CELEBRAÇÃO
 Fio condutor é a ideia central que dará
rumo a celebração. Tudo está baseado nele:
pedidos de perdão, preces, reflexão da
Palavra, criatividades, cantos... Ele poderá
ou não ser colocado em uma faixa ou
cartaz, a critério do grupo. Todos os
envolvidos na celebração precisam estar em
sintonia com o fio condutor, para que se
fale uma "linguagem" só.
 DECIDIR, EM GRUPO, OS DESTAQUES DA
CELEBRAÇÃO
 Estando o grupo ciente do fio condutor, passa-
se a definição dos momentos fortes da
celebração, levando em conta a realidade da
comunidade e o tempo litúrgico. São pensados,
aqui, o momento penitencial, a liturgia da
Palavra, a recordação da vida ou outras
criatividades. Importa lembrar que liturgia
bem preparada não é aquela "cheia de coisas",
com um "congestionamento" de atividades. O
grupo tenha bom senso para que um momento
da celebração não ofusque outro.
 DIVIDIR AS TAREFAS
 Em um trabalho em grupo, cada um deve
assumir suas responsabilidades, para que o
trabalho não pese a ninguém e evite-se a
centralização ou manipulação da liturgia. É
necessário que as tarefas sejam dividas e cada
um cuide da sua parte, com zelo e
compromisso, pois um leve descuido
prejudicará toda a celebração. Isso favorece
uma boa organização e evita os “desfiles" da
equipe no momento da celebração.
 AVALIAR A CELEBRAÇÃO,
LOGO EM SEGUIDA A SUA
REALIZAÇÃO
 Rever o que foi feito sempre
ajuda a corrigir futuras falhas.
É muito proveitoso que a
equipe de celebração e os
responsáveis pela liturgia
avaliem tudo pós a
celebração, com sinceridade,
correção fraterna e muito
respeito.
Liturgia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
nyllolucas
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
Francisco Rodrigues
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
Ano Litúrgico
Ano Litúrgico Ano Litúrgico
Ano Litúrgico
José Vieira Dos Santos
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Leandro Couto
 
Power point da formação
Power point da formaçãoPower point da formação
Power point da formação
acolitosdeparanhos
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
Si Leão
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
Wesley Mallbross
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Jean
 
Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistério
Fábio Vasconcelos
 
A eucaristia
A eucaristiaA eucaristia
A eucaristia
João Pereira
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
Jean
 
Palestra ministros palavra
Palestra ministros palavraPalestra ministros palavra
Palestra ministros palavra
luciano
 
Missa parte por parte
Missa parte por parteMissa parte por parte
Missa parte por parte
Nahor Lopes de Souza Junior
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
mbsilva1971
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Presentepravoce SOS
 
Formação com Catequistas
Formação com CatequistasFormação com Catequistas
Formação com Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Cris-Keka Mania
 
Formação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da PalavraFormação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da Palavra
ParoquiaStaCruz
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
Jean
 

Mais procurados (20)

A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
Ano Litúrgico
Ano Litúrgico Ano Litúrgico
Ano Litúrgico
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
 
Power point da formação
Power point da formaçãoPower point da formação
Power point da formação
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistério
 
A eucaristia
A eucaristiaA eucaristia
A eucaristia
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
 
Palestra ministros palavra
Palestra ministros palavraPalestra ministros palavra
Palestra ministros palavra
 
Missa parte por parte
Missa parte por parteMissa parte por parte
Missa parte por parte
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
 
Formação com Catequistas
Formação com CatequistasFormação com Catequistas
Formação com Catequistas
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
 
Formação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da PalavraFormação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da Palavra
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
 

Semelhante a Liturgia

liturgia-191031151421.pptx
liturgia-191031151421.pptxliturgia-191031151421.pptx
liturgia-191031151421.pptx
JulianaMaria954382
 
Liturgia Fundamental - Noções de Liturgia segundo o Concílio Vaticano II.pptx
Liturgia Fundamental - Noções de Liturgia segundo o Concílio Vaticano II.pptxLiturgia Fundamental - Noções de Liturgia segundo o Concílio Vaticano II.pptx
Liturgia Fundamental - Noções de Liturgia segundo o Concílio Vaticano II.pptx
Padre Anderson de Lima Alencar
 
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.pptLiturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Nuno Melo
 
01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao
Juliana Felisberto Cardoso Silva
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsxLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Padre Anderson de Lima Alencar
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.pptLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Padre Anderson de Lima Alencar
 
Curso sobre o Missal Romano | Aula 3 | O Movimento Litúrgico, princípios fu...
Curso sobre o Missal Romano | Aula 3 | O Movimento Litúrgico, princípios fu...Curso sobre o Missal Romano | Aula 3 | O Movimento Litúrgico, princípios fu...
Curso sobre o Missal Romano | Aula 3 | O Movimento Litúrgico, princípios fu...
FASBAM
 
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
Fabio Cavalcante
 
Orientações para profissionais na Igreja Católica
Orientações para profissionais na Igreja CatólicaOrientações para profissionais na Igreja Católica
Orientações para profissionais na Igreja Católica
Bernadetecebs .
 
Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
 Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto) Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
Diocese de Aveiro
 
Igreja una, santa, católica e apostólica
Igreja una, santa, católica e apostólicaIgreja una, santa, católica e apostólica
Igreja una, santa, católica e apostólica
José Luiz Silva Pinto
 
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Paróquia Menino Jesus
 
Repasse do nordestão(liturgia) 1
Repasse do nordestão(liturgia) 1Repasse do nordestão(liturgia) 1
Repasse do nordestão(liturgia) 1
Jean
 
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - LiturgiaA QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
JAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptxLiturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Padre Anderson de Lima Alencar
 
A vida cristã revisão geral
A vida cristã revisão geralA vida cristã revisão geral
A vida cristã revisão geral
Léo Mendonça
 
Confirmacao
ConfirmacaoConfirmacao
Confirmacao
GERALDAMAGOLIVER
 
Constituição conciliar vaticano ii
Constituição conciliar vaticano iiConstituição conciliar vaticano ii
Constituição conciliar vaticano ii
Antonio Soares
 
Youcat: como celebramos os mistérios cristãos
Youcat: como celebramos os mistérios cristãosYoucat: como celebramos os mistérios cristãos
Youcat: como celebramos os mistérios cristãos
Fábio Vasconcelos
 
11 ist - revisão geral modulo 1 e 2
11   ist - revisão geral modulo 1 e 211   ist - revisão geral modulo 1 e 2
11 ist - revisão geral modulo 1 e 2
Léo Mendonça
 

Semelhante a Liturgia (20)

liturgia-191031151421.pptx
liturgia-191031151421.pptxliturgia-191031151421.pptx
liturgia-191031151421.pptx
 
Liturgia Fundamental - Noções de Liturgia segundo o Concílio Vaticano II.pptx
Liturgia Fundamental - Noções de Liturgia segundo o Concílio Vaticano II.pptxLiturgia Fundamental - Noções de Liturgia segundo o Concílio Vaticano II.pptx
Liturgia Fundamental - Noções de Liturgia segundo o Concílio Vaticano II.pptx
 
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.pptLiturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
 
01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsxLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.pptLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
 
Curso sobre o Missal Romano | Aula 3 | O Movimento Litúrgico, princípios fu...
Curso sobre o Missal Romano | Aula 3 | O Movimento Litúrgico, princípios fu...Curso sobre o Missal Romano | Aula 3 | O Movimento Litúrgico, princípios fu...
Curso sobre o Missal Romano | Aula 3 | O Movimento Litúrgico, princípios fu...
 
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
 
Orientações para profissionais na Igreja Católica
Orientações para profissionais na Igreja CatólicaOrientações para profissionais na Igreja Católica
Orientações para profissionais na Igreja Católica
 
Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
 Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto) Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
 
Igreja una, santa, católica e apostólica
Igreja una, santa, católica e apostólicaIgreja una, santa, católica e apostólica
Igreja una, santa, católica e apostólica
 
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
 
Repasse do nordestão(liturgia) 1
Repasse do nordestão(liturgia) 1Repasse do nordestão(liturgia) 1
Repasse do nordestão(liturgia) 1
 
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - LiturgiaA QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
 
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptxLiturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
 
A vida cristã revisão geral
A vida cristã revisão geralA vida cristã revisão geral
A vida cristã revisão geral
 
Confirmacao
ConfirmacaoConfirmacao
Confirmacao
 
Constituição conciliar vaticano ii
Constituição conciliar vaticano iiConstituição conciliar vaticano ii
Constituição conciliar vaticano ii
 
Youcat: como celebramos os mistérios cristãos
Youcat: como celebramos os mistérios cristãosYoucat: como celebramos os mistérios cristãos
Youcat: como celebramos os mistérios cristãos
 
11 ist - revisão geral modulo 1 e 2
11   ist - revisão geral modulo 1 e 211   ist - revisão geral modulo 1 e 2
11 ist - revisão geral modulo 1 e 2
 

Mais de Samuel Elanio

Teologia da sacrosanctum concilium
Teologia da sacrosanctum conciliumTeologia da sacrosanctum concilium
Teologia da sacrosanctum concilium
Samuel Elanio
 
Slide cf 2017 (1)
Slide cf 2017 (1)Slide cf 2017 (1)
Slide cf 2017 (1)
Samuel Elanio
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Samuel Elanio
 
Projeto salvífico de deus em jesus cristo
Projeto salvífico de deus em jesus cristoProjeto salvífico de deus em jesus cristo
Projeto salvífico de deus em jesus cristo
Samuel Elanio
 
O nome de deus na liturgia
O nome de deus na liturgiaO nome de deus na liturgia
O nome de deus na liturgia
Samuel Elanio
 
A assembleia litúrgica
A assembleia litúrgicaA assembleia litúrgica
A assembleia litúrgica
Samuel Elanio
 
O salmo responsorial
O salmo responsorialO salmo responsorial
O salmo responsorial
Samuel Elanio
 
Leitores
LeitoresLeitores
Leitores
Samuel Elanio
 
Cores na Liturgia
Cores na LiturgiaCores na Liturgia
Cores na Liturgia
Samuel Elanio
 
A porta santa da basílica de são pedro
A porta santa da basílica de são pedroA porta santa da basílica de são pedro
A porta santa da basílica de são pedro
Samuel Elanio
 
Simbolos
SimbolosSimbolos
Simbolos
Samuel Elanio
 

Mais de Samuel Elanio (11)

Teologia da sacrosanctum concilium
Teologia da sacrosanctum conciliumTeologia da sacrosanctum concilium
Teologia da sacrosanctum concilium
 
Slide cf 2017 (1)
Slide cf 2017 (1)Slide cf 2017 (1)
Slide cf 2017 (1)
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Projeto salvífico de deus em jesus cristo
Projeto salvífico de deus em jesus cristoProjeto salvífico de deus em jesus cristo
Projeto salvífico de deus em jesus cristo
 
O nome de deus na liturgia
O nome de deus na liturgiaO nome de deus na liturgia
O nome de deus na liturgia
 
A assembleia litúrgica
A assembleia litúrgicaA assembleia litúrgica
A assembleia litúrgica
 
O salmo responsorial
O salmo responsorialO salmo responsorial
O salmo responsorial
 
Leitores
LeitoresLeitores
Leitores
 
Cores na Liturgia
Cores na LiturgiaCores na Liturgia
Cores na Liturgia
 
A porta santa da basílica de são pedro
A porta santa da basílica de são pedroA porta santa da basílica de são pedro
A porta santa da basílica de são pedro
 
Simbolos
SimbolosSimbolos
Simbolos
 

Último

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 

Último (20)

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 

Liturgia

  • 1. FORMAÇÃO LITÚRGICA Teologia da Liturgia / Preparando a Celebração
  • 2. APANHADO HISTÓRICO  Desde a mais remota antiguidade o homem buscou formas de se comunicar com a divindade; isto em todos os povos; seja através de danças, músicas, usando elementos da natureza como flores, plantas, animais, frutas, etc. É uma tendência inata no homem. O ser humano gosta de celebrações: celebramos aniversários, casamentos, bodas, formaturas, vitórias conquistadas, etc. Tudo isto acontece também, espontaneamente, no campo da fé, para se comunicar com Deus que se revela ao homem
  • 3.  As Sagradas Escrituras nos mostram que desde o Antigo Testamento o povo judeu celebrava ricamente a Liturgia. Deus estabeleceu uma Aliança com esse povo, através de Noé, Abraão, Isaac, Jacó, Moisés, Davi, dos Profetas, etc…  E esse povo respondia então a Deus mediante um culto de louvor e de adoração, de maneira rica e muito criteriosa. A tribo de Levi, os levitas, foi escolhida por Deus para prestarem os serviços religiosos. Daí saía os sacerdotes. Nesta Aliança Deus propõe ao povo as suas Leis a serem observadas, e, em contrapartida promete ao povo caminhar com ele, socorrê-lo e libertá- lo em suas necessidades.
  • 4.  A Liturgia do Antigo Testamento foi a forma que o povo encontrou para dar a sua resposta a Deus e celebrar a sua presença. Assim, o povo ia ao Templo, que Jesus tanto valorizou, à sinagoga, e mesmo em família, para orar e ouvir a sua Palavra, e celebrar o seu Deus, o qual escolheu Israel como a sua Esposa. A Lei e os Profetas, os Salmos e os demais livros sapienciais tiveram grande importância nestas celebrações, e ainda tem hoje. O próprio Jesus cantou os Salmos na última Ceia. Veja algumas citações que se referem à liturgia: “Moisés aspergiu com sangue a Tenda e todos os utensílios do culto (liturgia)” (Hb 9,21). “Completados os dias do seu ministério (liturgia), Zacarias voltou para casa” (Lc 1,23). “Celebravam eles (os primeiros discípulos) a liturgia em honra do Senhor” (At 13,2).
  • 5. VATICANO II  Por ocasião do Movimento Litúrgico do início deste século o termo LITURGIA será usado com grande força, sendo que o Concílio Vaticano II o consagrará nos seus diversos documentos, em especial na Constituição sobre a Liturgia Sacrosanctum Concilium, entendendo sempre por «Liturgia» “o exercício do sacerdócio de Jesus Cristo” (SC 7), ou o “cume em direção ao qual se dirige toda a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, a fonte da qual sai toda a sua força” (SC 10).
  • 6. LEX ORANDI, LEX CREDENDI  A fé da Igreja é anterior à fé do fiel, que é convidado a aderir a ela.  Quando a Igreja celebra os sacramentos, confessa a fé recebida dos apóstolos.  Daí o adágio antigo: lex orandi, lex credendi ("a lei da oração é a lei da fé") segundo Próspero de Aquitânia [século V). A lei da oração é a lei da fé, ou seja: a Igreja traduz em sua profissão de fé aquilo que expressa em sua oração. A liturgia é um elemento constitutivo da santa e viva Tradição.
  • 7.  No início data história está a vontade de Deus de “salvar e fazer chegar ao conhecimento da verdade todas as pessoas humanas”. Para conseguir isso, Deus acompanha toda a história, particularmente do seu povo eleito, comunicando-se com ele sobretudo pelos profetas, mas finalmente por seu próprio Filho.  A vontade de Deus de salvar a humanidade, seu eterno plano de salvação, que é a fonte de toda a história que chega a seu ponto culminante na páscoa do seu Filho, revelando assim que é um Deus de amor. Este é o grande mistério da fé que celebramos na liturgia.
  • 8.  No mistério pascal toda a Trindade está envolvida.  O Filho se entrega na obediência filial ao Pai ao seu projeto salvífico por meio da força do Espírito Santo. Além disso, foi do seu lado aberto na cruz que nasceu o sacramento de toda a Igreja (SC n.5). É esse sacramento que é celebrado. O mistério pascal é para a liturgia o seu fulcro.
  • 9.  Numa perspectiva cristológica e eclesiológica, para a Sacrosanctum Concilium a liturgia é fruto de um mandato do Senhor.  Da mesma forma que Cristo foi enviado pelo Pai, de igual modo ele enviou os apóstolos não somente para pregar o Evangelho e anunciar o mistério pascal, mas para também levarem a efeito o que anunciavam, isto é, a OBRA de SALVAÇÃO através do Sacrifício, que é a eucaristia, e dos demais sacramentos. Por conta disso a Igreja nunca deixou de se reunir para a celebração do mistério pascal (SCn.6).
  • 10.  «Esta obra da redenção humana e da glorificação perfeita de Deus, cujo prelúdio foram as magníficas obras divinas operadas no povo do Antigo Testamento, realizou-a Cristo Senhor, principalmente pelo mistério pascal da sua bem-aventurada paixão, Ressurreição dos mortos e gloriosa ascensão, em que, "morrendo, destruiu a morte e ressuscitando restaurou a vida".  Efetivamente, foi do lado de Cristo adormecido na cruz que nasceu "o sacramento admirável de toda a Igreja"» (2). É por isso que, na liturgia, a Igreja celebra principalmente o mistério pascal, pelo qual Cristo realizou a obra da nossa salvação. (CIC 1067)
  • 11.  Assim, para celebrar bem a Liturgia é preciso ter uma profunda noção do que é o Cristianismo; o conhecimento da história da salvação, da obra de Cristo e da missão da Igreja. Sem isto a Liturgia não pode ser bem compreendida e amada, e pode se transformar em ritos vazios. Podemos dizer que o último tempo da história da salvação – o tempo de Cristo e da Igreja – é o tempo da Liturgia, uma vez que ela torna presente a obra redentora de Cristo pela celebração dos Sacramentos. Assim, somos também nós participantes da história da salvação. A Liturgia é a própria história da salvação em exercício, já que nela se celebra (torna presente) tudo o que Deus realizou ao longo dos séculos para salvar os homens.
  • 12.  Toda ação litúrgica é, essencialmente, anamnética, epiclética e doxológica. A dimensão anamnética é aquela do memorial, na qual nós nos recordamos das maravilhas operadas por Deus na história da salvação, sobretudo do mistério pascal de Cristo. O próprio Senhor nos mandou fazer memória de sua entrega na cruz (cf. Lc 22,19; 1Cor 11,25). A dimensão epiclética é aquela invocatória, onde o Espírito Santo se faz presente para atualizar no hoje aquilo que recordamos sob seu poder. Jesus nos disse que o Espirito Santo viria para nos recordar e nos ensinar todas as coisas (cf. Jo 16,13-15). A dimensão doxológica é aquela da glorificação que fazemos de Deus por sermos alcançados pela sua salvação. A meta da vida cristã é reconhecer o amor e a misericórdia que nos vêm de Deus (cf. 2Cor 9,15; Ef 1,12).
  • 13.  Na liturgia da Igreja, Deus Pai é bendito e adorado como fonte de todas as bênçãos da criação e da salvação, com que nos abençoou no seu Filho, para nos dar o Espírito da adoção filial.  A obra de Cristo na liturgia é sacramental, porque o seu mistério de salvação torna-se ali presente pelo poder do seu Espírito Santo; porque o seu corpo, que é a Igreja, é como que o sacramento (sinal e instrumento) no qual o Espírito Santo dispensa o mistério da salvação; e porque, através das suas ações litúrgicas, a Igreja peregrina participa já, por antecipação, na liturgia do céu.  A missão do Espírito Santo na liturgia da Igreja é preparar a assembleia para o encontro com Cristo, lembrar e manifestar Cristo à fé da assembleia, tornar presente e atualizar a obra salvífica de Cristo pelo seu poder transformante e fazer frutificar o dom da comunhão na Igreja.
  • 14.  Por isso, afirmou o Vaticano II que “toda a celebração litúrgica, como obra de Cristo sacerdote e de seu corpo que é a Igreja, é ação sagrada por excelência, cuja eficácia, no mesmo título e grau, não é igualada por nenhuma outra ação da Igreja” (SC,7). (CIC §1070).  A liturgia é obra do Cristo total, cabeça e corpo. O nosso Sumo-Sacerdote celebra-a sem cessar na liturgia celeste, com a Santa Mãe de Deus, os Apóstolos, todos os santos e a multidão dos seres humanos que já entraram no Reino.  A celebração litúrgica comporta sinais e símbolos que se referem à criação (luz, água, fogo), à vida humana (lavar, tingir; partir o pão) e à história da salvação (ritos da Páscoa). Inseridos no mundo da fé e assumidos pela força do Espírito Santo, estes elementos cósmicos, estes ritos humanos, estes gestos memoriais de Deus, tornam-se portadores da ação salvadora e santificadora de Cristo.
  • 15.  O caráter comunitário está implícito no modo de se pensar a vida litúrgica. Não se celebra isolado da comunidade. Em outras palavras, a dimensão cristológica da liturgia está na celebração do mistério pascal. Já a dimensão eclesiológica aponta que esse mistério celebrado é feito em comunidade.  as ações litúrgicas não são ações privadas, mas celebrações da Igreja, que é o sacramento da unidade, isto é, o povo santo, unido e ordenado sob a direção do Bispo. É por isso que a Igreja ensina que uma celebração comunitária, com assistência e participação ativa dos fiéis, deve ser preferida à celebração individual ou quase privada (cf. SC, 27 e CIC §1140).  Por tudo isso, a celebração litúrgica precisa ser muito bem preparada: as leituras bem feitas, sem erros e falhas; a música bem ensaiada e adequada, as vestes litúrgicas bem cuidadas, a igreja bem arrumada, os fiéis dispostos.
  • 16.  A liturgia tende a fortalecer nos fiéis a:  experiência de Deus,  o caminho da solidariedade com os sofredores e  a comunhão com os irmãos, haja vista que a páscoa de Jesus revela esses três aspectos.
  • 17.  “O gesto litúrgico não é autêntico se não implica um compromisso de caridade, um esforço sempre renovado para ter os sentimentos de Jesus Cristo e uma continua conversão” (9,3). Logo em seguida lemos no documento de Medellin: “Na hora atual de nossa América Latina, como em todos os tempos, celebração litúrgica coroa e comporta um compromisso com a realidade humana (…) precisamente porque toda a criação está inserida no desígnio salvador” (9,4).  “Na liturgia terrena, antegozando, participamos da liturgia celeste, que se celebra na Cidade Santa de Jerusalém, para a qual, peregrinos, nos encaminhamos” (SC 8).
  • 18. ORIENTAÇÕES GERAIS PARA MISSAS E CELEBRAÇÕES DA PALAVRA  AMBIENTE:  Seja ele a capela, igreja, algum salão ou casa particular (comunidade que não tem local próprio), deve ser limpo, ornamentado com flores naturais (nunca artificiais!), com simplicidade e bom gosto. O exagero sempre prejudica; por isso, que os arranjos sejam discretos. Valorize-se a Mesa da Palavra com enfeites bonitos. Jamais coloque-se flores ou outro enfeite qualquer sobre a Mesa da Celebração (nem mesmo o Missal), porque ela é sinal do próprio Cristo que reúne seu povo e oferece o sacrifício de Sua vida pela nossa salvação. Seja providenciado para as velas um suporte ou coluna a parte, ao lado da mesa da celebração, evitando colocá-las em cima da mesa. Imagens do padroeiro ou outros santos, nunca sejam colocados sobre a mesa da celebração, mas em locais apropriados. Não tem sentido colocar duas ou mais imagens do mesmo santo (ex: duas imagens de Maria).
  • 19.  SÍMBOLOS:  Quando usar símbolos, sejam eles visíveis a todos e de acordo com a celebração do dia. Se algum cartaz, flâmula ou faixa forem usados na celebração, sejam feitos com letras grandes e bem legíveis. Na medida do possível, os símbolos sejam verdadeiros e não de "faz de conta" (ex: correntes de papel)  VESTES:  Quem exerce alguma função dentro da celebração precisa estar vestido decentemente; por isso se fazem necessárias às vestes litúrgicas. Quando for solicitar ajuda a alguma pessoa para entrar com algum símbolo, tomar o cuidado de observar se a mesma está vestida com roupas adequadas. As vestes não servem apenas para melhorar o visual do proclamador, mas, principalmente, para destacar a dignidade do ministério e o valor da Palavra de Deus.
  • 20.  COMPORTAMENTO:  O local da celebração é local da alegria, da acolhida e também o lugar de silêncio e respeito. Todos devem se comportar dignamente. Evitar conversas em alta voz, risadas. Isto vale principalmente para quem está à frente dos trabalhos daquela celebração. É importante prestar atenção no modo como sentar. Que as equipes responsáveis peia celebração providenciem tudo que for necessário com antecedência para evitar os "corre-corres" e atropelos de ultima hora.  CANTOS:  Cada momento da Celebração Eucarística tem o seu "espírito" próprio. Cada momento da liturgia exige um tipo de expressão musical, cada canção tem uma função muito especial. Uma boa escolha de cantos ajuda a assembleia a celebrar e participar melhor da Missa ou Celebração da Palavra. Os Músicos não podem apenas "tocar na liturgia", mas “tocar a Liturgia”, pois é um serviço e uma oração. Os instrumentos terão a função de unir, incentivar e apoiar o canto litúrgico. Não deverão cobrir as vozes, dificultando a compreensão da letra da música. Ao escolher os cantos, especialmente os de abertura e comunhão, tenha-se por base os textos bíblicos do dia e o fio condutor da celebração.
  • 21.  REUNIR TODOS OS RESPONSÁVEIS PELA CELEBRAÇÃO: EQUIPE DE CELEBRAÇÃO E CANTORES  A celebração litúrgica não pode ser como uma "colcha de retalhos", onde cada um faz o que quer, como quer. Ela é uma unidade e todos os responsáveis pela sua realização precisam estar em harmonia e dar harmonia ao conjunto da celebração. Portanto, todos devem preparar juntos a celebração, com bastante antecedência: equipe de liturgia, proclamadores, ministros, dirigentes, cantores etc.  - PEDIR AS LUZES DO ESPÍRITO SANTO  É o Espírito Santo que conduz todo o trabalho e nos leva a louvar ao Pai, por Cristo. Ele nos dá sabedoria e discernimento. No início da reunião, a equipe invoque as luzes do Santo Espírito.
  • 22.  LOCALIZAR OS TEXTOS BÍBLICOS DA CELEBRAÇÃO E AS ORAÇÕES PRÓPRIAS  (no Missal, no folheto ou na Liturgia Diária) São os textos da Palavra de Deus que dão a direção da celebração do dia. Um bom resumo da liturgia do dia pode ser encontrado na oração da coleta (antes da liturgia da Palavra) e nas outras orações. Vale a pena consultá-las. É bom ficar atento a possíveis mudanças no calendário litúrgico, como festas de santos, dia do padroeiro ou outras solenidades, que tem leituras próprias e devem substituir as leituras comuns do dia. Jamais usem a liturgia diária ou folheto durante a celebração, mas somente para prepará-la.
  • 23.  LER ATENTAMENTE OS TEXTOS, ESPECIALMENTE O EVANGELHO  Que o grupo leia com atenção os textos bíblicos, várias vezes, retire as ideias principais e faça, na partilha, um resumo da mensagem do dia. Perceba a ligação clara e direta do Evangelho com a Primeira Leitura e desta com o seu respectivo Salmo Responsorial.  DEFINIR, COM O GRUPO, O FIO CONDUTOR DA CELEBRAÇÃO  Fio condutor é a ideia central que dará rumo a celebração. Tudo está baseado nele: pedidos de perdão, preces, reflexão da Palavra, criatividades, cantos... Ele poderá ou não ser colocado em uma faixa ou cartaz, a critério do grupo. Todos os envolvidos na celebração precisam estar em sintonia com o fio condutor, para que se fale uma "linguagem" só.
  • 24.  DECIDIR, EM GRUPO, OS DESTAQUES DA CELEBRAÇÃO  Estando o grupo ciente do fio condutor, passa- se a definição dos momentos fortes da celebração, levando em conta a realidade da comunidade e o tempo litúrgico. São pensados, aqui, o momento penitencial, a liturgia da Palavra, a recordação da vida ou outras criatividades. Importa lembrar que liturgia bem preparada não é aquela "cheia de coisas", com um "congestionamento" de atividades. O grupo tenha bom senso para que um momento da celebração não ofusque outro.  DIVIDIR AS TAREFAS  Em um trabalho em grupo, cada um deve assumir suas responsabilidades, para que o trabalho não pese a ninguém e evite-se a centralização ou manipulação da liturgia. É necessário que as tarefas sejam dividas e cada um cuide da sua parte, com zelo e compromisso, pois um leve descuido prejudicará toda a celebração. Isso favorece uma boa organização e evita os “desfiles" da equipe no momento da celebração.
  • 25.  AVALIAR A CELEBRAÇÃO, LOGO EM SEGUIDA A SUA REALIZAÇÃO  Rever o que foi feito sempre ajuda a corrigir futuras falhas. É muito proveitoso que a equipe de celebração e os responsáveis pela liturgia avaliem tudo pós a celebração, com sinceridade, correção fraterna e muito respeito.