SlideShare uma empresa Scribd logo
Conto de António Torrado   http://www.escolovar.org
O veado florido / Conto de António Torrado




   A história que vou contar passou-se há muito tempo, numa
terra que muitos arados revolveram, muitos pés pisaram, muitos
rios sulcaram, muitas árvores cobriram, muitas secas secaram.
   É uma história muito antiga, passada numa terra ainda mais
antiga.
Nessa terra havia um senhor muito rico. Tão rico ele era que
possuía nos jardins do seu palácio uma colecção singular de
animais nunca vistos.




O veado florido / Conto de António Torrado
Os amigos e as                     visitas desse senhor muito rico
embasbacavam-se diante                das jaulas doiradas, que encerravam
animais fantásticos, ali              colocados para que as visitas e os
amigos do senhor muito                rico abrissem a boca e ficassem sem
fala, cheios de espanto.



                                                            Ah!

                     Oh!
O veado florido / Conto de António Torrado
E não era razão para menos. Havia crocodilos voadores, leões
emplumados, borboletas gigantes, serpentes luminosas, girafas
listadas, cisnes transparentes… eu nem sei descrever o que lá
havia… e, quando não se sabe, inventa-se!




O veado florido / Conto de António Torrado
Esse senhor muito rico espalhara pelos quatro cantos
do mundo criados seus, encarregados de descobrir novos
bichos esquisitos.
Quando um deles chegava da sua longa viagem, trazendo consigo
mais uma raridade para a colecção, havia sempre uma jaula à
espera, porque os bichos nunca vistos, embora fossem muito bem
tratados, cedo morriam, deixando vazias as jaulas doiradas. Por
isso os criados se afadigavam pelos quatros cantos do mundo,
não sucedesse um dia o senhor muito rico não ter nenhuma nova
raridade para mostrar às visitas e aos amigos.




O veado florido / Conto de António Torrado
Um desses exploradores, o mais velho, o mais provado em
anteriores caçadas sempre bem sucedidas, descobriu, uma vez,
um espantoso animal, daqueles que só aparecem nos sonhos,
mas não em todos.
Foi numa floresta silenciosa. Bem perto, por entre as árvores,
olhou-o um veado. Pois que admiração, se viviam na floresta
veados que espreitavam num repente, que espreitavam e fugiam,
cheios de susto…
Como era, porém, diferente aquele veado! Era um veado florido.
Belo e acetinado, como os outros, corpo flexível, patas finas,
focinho aguçado, humedecido de ternura. Tal como os outros.
Mas, nas longas e recortadas hastes que lhe ornavam a
cabeça, tinha flores. Eram brancas. E tinha folhas, folhas de um
verde luzidio, quase transparente. Entre as folhas, tinha botões,
donde brotariam novas flores. Era um veado florido.
O veado estacou quando homem estacou. Parado no verde-
escuro das sombras, parecia dizer-lhe: «Vem admirar-me de
perto. Vem!» O homem foi e o veado não fugiu. Queria que lhe
fizessem festas. Gostava muito de festas.
«-Quem me dera este veado para a colecção do meu amo.» –
pensou, em voz alta, o homem. Prendeu o veado com uma rede,
amarrou-o bem e levou-o consigo. Nunca caçara presa tão
valiosa. Que bela recompensa iria receber!
Mas, pelo caminho, notou que as hastes do veado se despiam
de folhas. As flores caíam. Quis guardar uma, mas ela desfez-se-
lhe nas mãos.
Olhou para as árvores em volta. Também não tinham folhas. E o
criado compreendeu: «É isso! Visto que estamos no Outono, caem
as folhas das árvores e as flores das hastes do veado.» E o criado
prosseguiu, satisfeito da vida, em direcção do palácio do senhor
muito rico.
«-Trazes-me um veado insignificante. Não tenho cá lugar para
tais bichos.» - disse o senhor muito rico.
«- Espere Vossa Senhoria pela Primavera e verá como das hastes
hão-de nascer flores mais catitas do que as rosas dos seus
canteiros.»
«- Veremos então.». E o senhor muito rico virou as costas ao
criado, sem o recompensar.
Veio a Primavera e as hastes do veado florido continuaram
mudas, isto é, continuaram secas como as raízes arrancadas da
areia. O veado mal comia. Nas outras jaulas os outros bichos
também não tocavam na comida. Muitos morreram.
    E o senhor muito rico começou a enfastiar-se.
    «- Afinal, que graça têm estes animais?» - perguntava ele, de
si para si.
Os seus criados e emissários voltavam dos quatro
cantos do mundo com as redes e as cordas a arrastar
pelo chão. Tinham desaparecido todos os animais
estranhos que havia à face da Terra. Nas jaulas doiradas
os últimos morriam. Só ficou o veado, aquele veado
vulgar que o senhor muito rico nunca vira florir.
- Deitem abaixo todas estas jaulas para prolongar os
roseirais. O veado só está a estorvar. Tirem-no daí. -
ordenou o senhor. Foi o criado que o aprisionara quem
abriu a porta da jaula e o afugentou para fora dos
muros do jardim.
- Vai-te, bicho nojento, que não me serviste de nada!
O Veado correu até à
orla da floresta.
Havia sol e ervas
tenras. Como se os
raios de Sol lhe
despertassem as
hastes, de novo elas
se cobriram de
folhas luzidias
quase transparentes,
e de flores muito
brancas.
«- Senhor, senhor, venha ver! - gritava o
criado, apontando para longe.
Mas, quando o senhor muito rico chegou ao
portão, já o veado tinha desaparecido.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
Carolina Magalhães
 
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesConto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Rita Arantes
 
O pequeno azul e o pequeno amarelo
O pequeno azul e o pequeno amareloO pequeno azul e o pequeno amarelo
O pequeno azul e o pequeno amarelo
Andre Mandim
 
A liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge LetriaA liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge Letria
M José Buenavida
 
A ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentaçãoA ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentação
Fátima Lares Correia
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequim
casmaria
 
Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!
guest0bf490
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outono
Carla Ferreira
 
Historia ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteadoHistoria ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteado
Natalia Pina
 
Peixinho arco íris
Peixinho arco írisPeixinho arco íris
Peixinho arco íris
Raquel Moreira
 
História com recadinho txt
História com recadinho txtHistória com recadinho txt
História com recadinho txt
Constantino Alves
 
A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
JATG
 
Uma Vaca De Estimação
Uma Vaca De EstimaçãoUma Vaca De Estimação
Uma Vaca De Estimação
escolaldeia2010
 
Conto torrado nuvem.caracol_Clara
Conto torrado nuvem.caracol_ClaraConto torrado nuvem.caracol_Clara
Conto torrado nuvem.caracol_Clara
Clara Sousa
 
Um Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.PptUm Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.Ppt
Cláudia Cardoso
 
bichos-bicharocos
bichos-bicharocosbichos-bicharocos
bichos-bicharocos
Sousa Martins
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Marisol Santos
 
Ciclo do azeite
Ciclo do azeiteCiclo do azeite
Ciclo do azeite
Isa Crowe
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
Luzia Couto
 

Mais procurados (20)

O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesConto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
 
O pequeno azul e o pequeno amarelo
O pequeno azul e o pequeno amareloO pequeno azul e o pequeno amarelo
O pequeno azul e o pequeno amarelo
 
A liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge LetriaA liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge Letria
 
A ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentaçãoA ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentação
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequim
 
Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outono
 
Historia ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteadoHistoria ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteado
 
Quando a mãe grita...
Quando a mãe grita...Quando a mãe grita...
Quando a mãe grita...
 
Peixinho arco íris
Peixinho arco írisPeixinho arco íris
Peixinho arco íris
 
História com recadinho txt
História com recadinho txtHistória com recadinho txt
História com recadinho txt
 
A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
 
Uma Vaca De Estimação
Uma Vaca De EstimaçãoUma Vaca De Estimação
Uma Vaca De Estimação
 
Conto torrado nuvem.caracol_Clara
Conto torrado nuvem.caracol_ClaraConto torrado nuvem.caracol_Clara
Conto torrado nuvem.caracol_Clara
 
Um Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.PptUm Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.Ppt
 
bichos-bicharocos
bichos-bicharocosbichos-bicharocos
bichos-bicharocos
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
 
Ciclo do azeite
Ciclo do azeiteCiclo do azeite
Ciclo do azeite
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
 

Destaque

A dieta do pai natal história e imagens
A dieta do pai natal   história e imagensA dieta do pai natal   história e imagens
A dieta do pai natal história e imagens
Jani Miranda
 
Uma Prenda de Natal
Uma Prenda de NatalUma Prenda de Natal
Uma Prenda de Natal
Biblioteca Escolar Sobreira
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natal
Ana Moreira
 
A velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natalA velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natal
Maria Sousa
 
Ninguem da prendas pai natal
Ninguem da prendas pai natalNinguem da prendas pai natal
Ninguem da prendas pai natal
esquecimento1
 
Natal das Belas Histórias - Sonhar Acordado Campinas
Natal das Belas Histórias - Sonhar Acordado CampinasNatal das Belas Histórias - Sonhar Acordado Campinas
Natal das Belas Histórias - Sonhar Acordado Campinas
grandesfestas_sonhar_cps
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
Paula Morgado
 
Lista 2
Lista 2Lista 2
A HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVOREA HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVORE
Marisa Seara
 
Natal, a história recontada
Natal, a história recontadaNatal, a história recontada
Natal, a história recontada
Ana Melo
 
Jesus e o Natal
Jesus e o NatalJesus e o Natal
Jesus e o Natal
igmateus
 
Poesias de Natal
Poesias de NatalPoesias de Natal
Poesias de Natal
angelagomescosta
 
A VERDADE SOBRE O NATAL
A VERDADE SOBRE O NATALA VERDADE SOBRE O NATAL
A VERDADE SOBRE O NATAL
ASD Remanescentes
 
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlbergO carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
Carla Ferreira
 
Uma Arvore De Natal Muito Especial
Uma Arvore De Natal Muito EspecialUma Arvore De Natal Muito Especial
Uma Arvore De Natal Muito Especial
A. E. Júlio Brandão
 
Livro natal bimby_lo
Livro natal bimby_loLivro natal bimby_lo
Livro natal bimby_lo
Marinha Portuguesa
 
TradiçõEs De Natal
TradiçõEs De NatalTradiçõEs De Natal
TradiçõEs De Natal
Ana Cunha
 
Uma prenda de natal
Uma prenda de natalUma prenda de natal
Uma prenda de natal
Acilu
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
Isa Crowe
 

Destaque (20)

A dieta do pai natal história e imagens
A dieta do pai natal   história e imagensA dieta do pai natal   história e imagens
A dieta do pai natal história e imagens
 
Uma Prenda de Natal
Uma Prenda de NatalUma Prenda de Natal
Uma Prenda de Natal
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natal
 
A velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natalA velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natal
 
Ninguem da prendas pai natal
Ninguem da prendas pai natalNinguem da prendas pai natal
Ninguem da prendas pai natal
 
Natal nas asas do arco-íris
Natal nas asas do arco-írisNatal nas asas do arco-íris
Natal nas asas do arco-íris
 
Natal das Belas Histórias - Sonhar Acordado Campinas
Natal das Belas Histórias - Sonhar Acordado CampinasNatal das Belas Histórias - Sonhar Acordado Campinas
Natal das Belas Histórias - Sonhar Acordado Campinas
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
 
Lista 2
Lista 2Lista 2
Lista 2
 
A HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVOREA HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVORE
 
Natal, a história recontada
Natal, a história recontadaNatal, a história recontada
Natal, a história recontada
 
Jesus e o Natal
Jesus e o NatalJesus e o Natal
Jesus e o Natal
 
Poesias de Natal
Poesias de NatalPoesias de Natal
Poesias de Natal
 
A VERDADE SOBRE O NATAL
A VERDADE SOBRE O NATALA VERDADE SOBRE O NATAL
A VERDADE SOBRE O NATAL
 
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlbergO carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
O carteiro-chegou-janet-e-allan-ahlberg
 
Uma Arvore De Natal Muito Especial
Uma Arvore De Natal Muito EspecialUma Arvore De Natal Muito Especial
Uma Arvore De Natal Muito Especial
 
Livro natal bimby_lo
Livro natal bimby_loLivro natal bimby_lo
Livro natal bimby_lo
 
TradiçõEs De Natal
TradiçõEs De NatalTradiçõEs De Natal
TradiçõEs De Natal
 
Uma prenda de natal
Uma prenda de natalUma prenda de natal
Uma prenda de natal
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
 

Semelhante a Conto veado.florido

O patinho feio - teatro
O patinho feio - teatro O patinho feio - teatro
O patinho feio - teatro
Constantino Alves
 
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
Alice Lirio
 
Uma gaivota e_gato_ensinou_a_voar_obra_integral_net
Uma gaivota e_gato_ensinou_a_voar_obra_integral_netUma gaivota e_gato_ensinou_a_voar_obra_integral_net
Uma gaivota e_gato_ensinou_a_voar_obra_integral_net
Maria Viegas
 
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -
VALERIADEOLIVEIRALIM
 
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
Angelica Moreira
 
7 libertacao-1949
7 libertacao-19497 libertacao-1949
7 libertacao-1949
paulasa pin
 
História de-uma-gaivota-e-do-gato-que-a-ensinou-a-voar simplificado
História de-uma-gaivota-e-do-gato-que-a-ensinou-a-voar simplificadoHistória de-uma-gaivota-e-do-gato-que-a-ensinou-a-voar simplificado
História de-uma-gaivota-e-do-gato-que-a-ensinou-a-voar simplificado
MariajoosousaPadilha
 
Libertação andré luiz
Libertação   andré luizLibertação   andré luiz
Libertação andré luiz
Margareth Rodrigues
 
O patinho feio
O patinho feioO patinho feio
O patinho feio
JULIANAHBENATTISANTA
 
Guia ilustrado de 25 Aves de Lisboa
Guia ilustrado de 25 Aves de LisboaGuia ilustrado de 25 Aves de Lisboa
Guia ilustrado de 25 Aves de Lisboa
Lisboa E-Nova - Agência Municipal de Energia-Ambiente
 
Andre luiz chico xavier - libertação
Andre luiz   chico xavier - libertaçãoAndre luiz   chico xavier - libertação
Andre luiz chico xavier - libertação
havatar
 
E-book de Raul Brandão, A ilha azul
E-book de Raul Brandão, A ilha azulE-book de Raul Brandão, A ilha azul
E-book de Raul Brandão, A ilha azul
Carla Crespo
 
Antiga lenda egípcia do peixinho vermelho
Antiga lenda egípcia do peixinho vermelhoAntiga lenda egípcia do peixinho vermelho
Antiga lenda egípcia do peixinho vermelho
cirilox
 
Português jfevereiro
Português jfevereiroPortuguês jfevereiro
Português jfevereiro
lveiga
 
Ideias do canario
Ideias do canarioIdeias do canario
Ideias do canario
Joao Maria John Sincero
 
Reconto Arvore Folhas Doem
Reconto Arvore Folhas DoemReconto Arvore Folhas Doem
Reconto Arvore Folhas Doem
chiripito
 
Reconto Arvore Folhas Doem
Reconto Arvore Folhas DoemReconto Arvore Folhas Doem
Reconto Arvore Folhas Doem
chiripito
 
A rainha da primavera
A rainha da primaveraA rainha da primavera
A rainha da primavera
Vitória Tavares
 
Sonhos doro
Sonhos doroSonhos doro
Sonhos doro
marcosdcl
 
José de Alencar - Os sonhos d'ouro
José de Alencar - Os sonhos d'ouroJosé de Alencar - Os sonhos d'ouro
José de Alencar - Os sonhos d'ouro
Francis Monteiro da Rocha
 

Semelhante a Conto veado.florido (20)

O patinho feio - teatro
O patinho feio - teatro O patinho feio - teatro
O patinho feio - teatro
 
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
 
Uma gaivota e_gato_ensinou_a_voar_obra_integral_net
Uma gaivota e_gato_ensinou_a_voar_obra_integral_netUma gaivota e_gato_ensinou_a_voar_obra_integral_net
Uma gaivota e_gato_ensinou_a_voar_obra_integral_net
 
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -
 
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
 
7 libertacao-1949
7 libertacao-19497 libertacao-1949
7 libertacao-1949
 
História de-uma-gaivota-e-do-gato-que-a-ensinou-a-voar simplificado
História de-uma-gaivota-e-do-gato-que-a-ensinou-a-voar simplificadoHistória de-uma-gaivota-e-do-gato-que-a-ensinou-a-voar simplificado
História de-uma-gaivota-e-do-gato-que-a-ensinou-a-voar simplificado
 
Libertação andré luiz
Libertação   andré luizLibertação   andré luiz
Libertação andré luiz
 
O patinho feio
O patinho feioO patinho feio
O patinho feio
 
Guia ilustrado de 25 Aves de Lisboa
Guia ilustrado de 25 Aves de LisboaGuia ilustrado de 25 Aves de Lisboa
Guia ilustrado de 25 Aves de Lisboa
 
Andre luiz chico xavier - libertação
Andre luiz   chico xavier - libertaçãoAndre luiz   chico xavier - libertação
Andre luiz chico xavier - libertação
 
E-book de Raul Brandão, A ilha azul
E-book de Raul Brandão, A ilha azulE-book de Raul Brandão, A ilha azul
E-book de Raul Brandão, A ilha azul
 
Antiga lenda egípcia do peixinho vermelho
Antiga lenda egípcia do peixinho vermelhoAntiga lenda egípcia do peixinho vermelho
Antiga lenda egípcia do peixinho vermelho
 
Português jfevereiro
Português jfevereiroPortuguês jfevereiro
Português jfevereiro
 
Ideias do canario
Ideias do canarioIdeias do canario
Ideias do canario
 
Reconto Arvore Folhas Doem
Reconto Arvore Folhas DoemReconto Arvore Folhas Doem
Reconto Arvore Folhas Doem
 
Reconto Arvore Folhas Doem
Reconto Arvore Folhas DoemReconto Arvore Folhas Doem
Reconto Arvore Folhas Doem
 
A rainha da primavera
A rainha da primaveraA rainha da primavera
A rainha da primavera
 
Sonhos doro
Sonhos doroSonhos doro
Sonhos doro
 
José de Alencar - Os sonhos d'ouro
José de Alencar - Os sonhos d'ouroJosé de Alencar - Os sonhos d'ouro
José de Alencar - Os sonhos d'ouro
 

Mais de Ana Violante

Projeto "Todos Juntos Podemos Ler"
Projeto "Todos Juntos Podemos Ler"Projeto "Todos Juntos Podemos Ler"
Projeto "Todos Juntos Podemos Ler"
Ana Violante
 
Programa definitivo(1)
Programa definitivo(1)Programa definitivo(1)
Programa definitivo(1)
Ana Violante
 
Lista livros-metas-1ºciclo
Lista livros-metas-1ºcicloLista livros-metas-1ºciclo
Lista livros-metas-1ºciclo
Ana Violante
 
Dia Internacional da Pessoa com Deficiência
Dia Internacional da Pessoa com DeficiênciaDia Internacional da Pessoa com Deficiência
Dia Internacional da Pessoa com Deficiência
Ana Violante
 
Requisição de livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Requisição de livros dos nossos amigos na BiBlioTecaRequisição de livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Requisição de livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Ana Violante
 
Requisição dos livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Requisição dos livros dos nossos amigos na BiBlioTecaRequisição dos livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Requisição dos livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Ana Violante
 
A bruxa mimi[1]
A bruxa mimi[1]A bruxa mimi[1]
A bruxa mimi[1]
Ana Violante
 
Desculpa por acaso és uma bruxa.ppsx
Desculpa por acaso és uma bruxa.ppsxDesculpa por acaso és uma bruxa.ppsx
Desculpa por acaso és uma bruxa.ppsx
Ana Violante
 
Historia da roda dos alimentos
Historia da roda dos alimentosHistoria da roda dos alimentos
Historia da roda dos alimentos
Ana Violante
 
Lista conj leitura_orientada_1º ciclo
Lista conj leitura_orientada_1º cicloLista conj leitura_orientada_1º ciclo
Lista conj leitura_orientada_1º ciclo
Ana Violante
 
Apresentação (2)
Apresentação (2)Apresentação (2)
Apresentação (2)
Ana Violante
 
Mês internacional das bibliotecas escolares
Mês internacional das bibliotecas escolaresMês internacional das bibliotecas escolares
Mês internacional das bibliotecas escolares
Ana Violante
 
Mês internacional das bibliotecas escolares
Mês internacional das bibliotecas escolaresMês internacional das bibliotecas escolares
Mês internacional das bibliotecas escolares
Ana Violante
 
Catálogo obras
Catálogo obrasCatálogo obras
Catálogo obras
Ana Violante
 
261224 633921912696695000 ver1
261224 633921912696695000 ver1261224 633921912696695000 ver1
261224 633921912696695000 ver1
Ana Violante
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadores Formação de utilizadores
Formação de utilizadores
Ana Violante
 
Accoes Futuras D1
Accoes Futuras D1Accoes Futuras D1
Accoes Futuras D1
Ana Violante
 
Tabela D 1
Tabela D 1Tabela D 1
Tabela D 1
Ana Violante
 
Plano Avaliacao A22 A25
Plano Avaliacao A22 A25Plano Avaliacao A22 A25
Plano Avaliacao A22 A25
Ana Violante
 
Apresentação do Modelo ao Conselho Pedagógico
Apresentação  do Modelo  ao Conselho PedagógicoApresentação  do Modelo  ao Conselho Pedagógico
Apresentação do Modelo ao Conselho Pedagógico
Ana Violante
 

Mais de Ana Violante (20)

Projeto "Todos Juntos Podemos Ler"
Projeto "Todos Juntos Podemos Ler"Projeto "Todos Juntos Podemos Ler"
Projeto "Todos Juntos Podemos Ler"
 
Programa definitivo(1)
Programa definitivo(1)Programa definitivo(1)
Programa definitivo(1)
 
Lista livros-metas-1ºciclo
Lista livros-metas-1ºcicloLista livros-metas-1ºciclo
Lista livros-metas-1ºciclo
 
Dia Internacional da Pessoa com Deficiência
Dia Internacional da Pessoa com DeficiênciaDia Internacional da Pessoa com Deficiência
Dia Internacional da Pessoa com Deficiência
 
Requisição de livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Requisição de livros dos nossos amigos na BiBlioTecaRequisição de livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Requisição de livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
 
Requisição dos livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Requisição dos livros dos nossos amigos na BiBlioTecaRequisição dos livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
Requisição dos livros dos nossos amigos na BiBlioTeca
 
A bruxa mimi[1]
A bruxa mimi[1]A bruxa mimi[1]
A bruxa mimi[1]
 
Desculpa por acaso és uma bruxa.ppsx
Desculpa por acaso és uma bruxa.ppsxDesculpa por acaso és uma bruxa.ppsx
Desculpa por acaso és uma bruxa.ppsx
 
Historia da roda dos alimentos
Historia da roda dos alimentosHistoria da roda dos alimentos
Historia da roda dos alimentos
 
Lista conj leitura_orientada_1º ciclo
Lista conj leitura_orientada_1º cicloLista conj leitura_orientada_1º ciclo
Lista conj leitura_orientada_1º ciclo
 
Apresentação (2)
Apresentação (2)Apresentação (2)
Apresentação (2)
 
Mês internacional das bibliotecas escolares
Mês internacional das bibliotecas escolaresMês internacional das bibliotecas escolares
Mês internacional das bibliotecas escolares
 
Mês internacional das bibliotecas escolares
Mês internacional das bibliotecas escolaresMês internacional das bibliotecas escolares
Mês internacional das bibliotecas escolares
 
Catálogo obras
Catálogo obrasCatálogo obras
Catálogo obras
 
261224 633921912696695000 ver1
261224 633921912696695000 ver1261224 633921912696695000 ver1
261224 633921912696695000 ver1
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadores Formação de utilizadores
Formação de utilizadores
 
Accoes Futuras D1
Accoes Futuras D1Accoes Futuras D1
Accoes Futuras D1
 
Tabela D 1
Tabela D 1Tabela D 1
Tabela D 1
 
Plano Avaliacao A22 A25
Plano Avaliacao A22 A25Plano Avaliacao A22 A25
Plano Avaliacao A22 A25
 
Apresentação do Modelo ao Conselho Pedagógico
Apresentação  do Modelo  ao Conselho PedagógicoApresentação  do Modelo  ao Conselho Pedagógico
Apresentação do Modelo ao Conselho Pedagógico
 

Conto veado.florido

  • 1. Conto de António Torrado http://www.escolovar.org
  • 2. O veado florido / Conto de António Torrado A história que vou contar passou-se há muito tempo, numa terra que muitos arados revolveram, muitos pés pisaram, muitos rios sulcaram, muitas árvores cobriram, muitas secas secaram. É uma história muito antiga, passada numa terra ainda mais antiga.
  • 3. Nessa terra havia um senhor muito rico. Tão rico ele era que possuía nos jardins do seu palácio uma colecção singular de animais nunca vistos. O veado florido / Conto de António Torrado
  • 4. Os amigos e as visitas desse senhor muito rico embasbacavam-se diante das jaulas doiradas, que encerravam animais fantásticos, ali colocados para que as visitas e os amigos do senhor muito rico abrissem a boca e ficassem sem fala, cheios de espanto. Ah! Oh! O veado florido / Conto de António Torrado
  • 5. E não era razão para menos. Havia crocodilos voadores, leões emplumados, borboletas gigantes, serpentes luminosas, girafas listadas, cisnes transparentes… eu nem sei descrever o que lá havia… e, quando não se sabe, inventa-se! O veado florido / Conto de António Torrado
  • 6. Esse senhor muito rico espalhara pelos quatro cantos do mundo criados seus, encarregados de descobrir novos bichos esquisitos.
  • 7. Quando um deles chegava da sua longa viagem, trazendo consigo mais uma raridade para a colecção, havia sempre uma jaula à espera, porque os bichos nunca vistos, embora fossem muito bem tratados, cedo morriam, deixando vazias as jaulas doiradas. Por isso os criados se afadigavam pelos quatros cantos do mundo, não sucedesse um dia o senhor muito rico não ter nenhuma nova raridade para mostrar às visitas e aos amigos. O veado florido / Conto de António Torrado
  • 8. Um desses exploradores, o mais velho, o mais provado em anteriores caçadas sempre bem sucedidas, descobriu, uma vez, um espantoso animal, daqueles que só aparecem nos sonhos, mas não em todos.
  • 9. Foi numa floresta silenciosa. Bem perto, por entre as árvores, olhou-o um veado. Pois que admiração, se viviam na floresta veados que espreitavam num repente, que espreitavam e fugiam, cheios de susto…
  • 10. Como era, porém, diferente aquele veado! Era um veado florido. Belo e acetinado, como os outros, corpo flexível, patas finas, focinho aguçado, humedecido de ternura. Tal como os outros.
  • 11. Mas, nas longas e recortadas hastes que lhe ornavam a cabeça, tinha flores. Eram brancas. E tinha folhas, folhas de um verde luzidio, quase transparente. Entre as folhas, tinha botões, donde brotariam novas flores. Era um veado florido.
  • 12. O veado estacou quando homem estacou. Parado no verde- escuro das sombras, parecia dizer-lhe: «Vem admirar-me de perto. Vem!» O homem foi e o veado não fugiu. Queria que lhe fizessem festas. Gostava muito de festas.
  • 13. «-Quem me dera este veado para a colecção do meu amo.» – pensou, em voz alta, o homem. Prendeu o veado com uma rede, amarrou-o bem e levou-o consigo. Nunca caçara presa tão valiosa. Que bela recompensa iria receber!
  • 14. Mas, pelo caminho, notou que as hastes do veado se despiam de folhas. As flores caíam. Quis guardar uma, mas ela desfez-se- lhe nas mãos.
  • 15. Olhou para as árvores em volta. Também não tinham folhas. E o criado compreendeu: «É isso! Visto que estamos no Outono, caem as folhas das árvores e as flores das hastes do veado.» E o criado prosseguiu, satisfeito da vida, em direcção do palácio do senhor muito rico.
  • 16. «-Trazes-me um veado insignificante. Não tenho cá lugar para tais bichos.» - disse o senhor muito rico. «- Espere Vossa Senhoria pela Primavera e verá como das hastes hão-de nascer flores mais catitas do que as rosas dos seus canteiros.» «- Veremos então.». E o senhor muito rico virou as costas ao criado, sem o recompensar.
  • 17. Veio a Primavera e as hastes do veado florido continuaram mudas, isto é, continuaram secas como as raízes arrancadas da areia. O veado mal comia. Nas outras jaulas os outros bichos também não tocavam na comida. Muitos morreram. E o senhor muito rico começou a enfastiar-se. «- Afinal, que graça têm estes animais?» - perguntava ele, de si para si.
  • 18. Os seus criados e emissários voltavam dos quatro cantos do mundo com as redes e as cordas a arrastar pelo chão. Tinham desaparecido todos os animais estranhos que havia à face da Terra. Nas jaulas doiradas os últimos morriam. Só ficou o veado, aquele veado vulgar que o senhor muito rico nunca vira florir.
  • 19. - Deitem abaixo todas estas jaulas para prolongar os roseirais. O veado só está a estorvar. Tirem-no daí. - ordenou o senhor. Foi o criado que o aprisionara quem abriu a porta da jaula e o afugentou para fora dos muros do jardim. - Vai-te, bicho nojento, que não me serviste de nada!
  • 20. O Veado correu até à orla da floresta. Havia sol e ervas tenras. Como se os raios de Sol lhe despertassem as hastes, de novo elas se cobriram de folhas luzidias quase transparentes, e de flores muito brancas.
  • 21. «- Senhor, senhor, venha ver! - gritava o criado, apontando para longe. Mas, quando o senhor muito rico chegou ao portão, já o veado tinha desaparecido.