SlideShare uma empresa Scribd logo
O Espantalho Enamorado

Guido Visconti
Giovanna Osellame
Gustavo era um espantalho feliz. Tinha muitos amigos entre os
animais da vizinhança. E tinha amigos sobretudo entre os
passarinhos, precisamente aqueles que devia espantar.
“Obrigado por nos deixares bicar as espigas” chilreavam eles à
sua volta.
“Bem, eu peço-vos sempre alguma coisa em troca, não é?”,
ria-se ele.
De facto, Gustavo confiava nos pássaros para levarem as suas
ternas mensagens de amor a Amélia, a menina-espantalho
que vivia no topo da colina.
Gustavo estava apaixonado por Amélia.
Sonhava com o dia em que ia poder abraçá-la. Mas como?
Apenas podia, quando a brisa soprava, acenar-lhe com a
manga do casaco.
Quando chegou o Outono, contudo,
Gustavo ficou triste.
As belas espigas douradas foram ceifadas
e muitos dos seus amigos tiveram de partir.
Já não havia andorinhas a chilrear, mas
sim corvos negros.
Embora também fosse amigo dos corvos,
Gustavo não podia mandar mensagens de
amor através das suas vozes estridentes.
Além disso, no Outono não soprava a brisa.
Em seu lugar soprava uma fria nortada, por
vezes tão forte que Gustavo temia que o
seu chapéu voasse da cabeça.
- Queres que a Amélia veja que sou
careca?! – gritou-lhe
- Desculpa, - assobiou a nortada. – Vou-me
embora.
-Não! Se te fores embora, vem o nevoeiro!
Gustavo não gostava do nevoeiro, pois este
impedia-o de ver Amélia.
Mas mesmo que não houvesse vento nem nevoeiro, no
Outono Gustavo não podia admirar Amélia: tinha de
estar alerta para avistar os caçadores a tempo de
avisar os poucos amigos que tinham ficado.
- Inimigo à vista! – gritou ele, um dia, de repente.
À distância avistava-se um homem armado com uma
espingarda…
A raposa que buscava a sua presa, a lebre à procura
de raízes, os falcões à cata de grãos, os patos nas
margens do rio e as codornizes entre os caules
cortados, todos escutaram o grito de Gustavo. E num
ápice, todos desapareceram, como que por magia.
Porém, um dos animais não foi suficientemente rápido.
PUM!, fez a espingarda.
- Aaaaiii! – gemeu uma codorniz.
O caçador aproximou-se.
Pôs-se à procura da codorniz mas não
conseguiu achá-la.
- Mas eu tenho a certeza que lhe acertei –
resmungou.
Procurou durante um bom bocado; da codorniz,
nem sinal. O caçador continuou a resmungar,
primeiro confuso, depois zangado. Estava
cansado e começou a transpirar. Tinha calor
com o cachecol. Então, tirou-o e depositou-o
sobre as costas do espantalho, dizendo-lhe:
- Vê lá se não o deixas voar com este vento.
A
seguir
afastou-se,
procurando
e
resmungando.
-E eu sou algum cabide? – protestou Gustavo.
Mas parou de protestar assim que sentiu o calor
do belo cachecol. Talvez a codorniz…
- Já se foi – murmurou Gustavo. – Estás ferida?
- Só um bocadinho – respondeu a codorniz,
espreitando de um bolso do casaco. – Salvaste-me
a vida. Como posso agradecer-te?
- Leva-me este cachecol à Amélia – respondeu
Gustavo rapidamente. – Deve estar cheia de frio,
com aquela roupa levezinha.
Com o seu rápido bater de asas a
codorniz chegou ao topo da colina.
- Gustavo manda-te este presente –
disse-lhe, esvoaçando em seu redor. –
Está tão apaixonado! Qualquer dia casa
contigo.
- Quem me dera – suspirou Amélia,
acenando para Gustavo com a ponta do
cachecol.
Mas Gustavo não estava a olhar para
ela…
… porque o caçador voltara, com o saco
a tiracolo cheio de caça e um ar
triunfante no rosto.
Já não tinha calor, e vinha buscar o seu
cachecol.
Mas o cachecol desaparecera.
- Em vez de ficares aí parado, devias ter
evitado que o vento levasse o meu
cachecol! Agora tenho frio – gritou ele ao
pobre espantalho enquanto lhe tirava o
chapéu.
- Oh, vou morrer de vergonha – gemeu
Gustavo.
Ainda por cima o caçador preparava-se
também para lhe tirar o casaco…
- Ai, assim vai morrer de frio – gritaram os seus
amigos que observavam a cena nos seus
esconderijos.
- Agora é a nossa vez de lhe salvar a vida –
decidiu a raposa, lançando-se ao ataque.
Os outros fizeram o mesmo.
Patos, faisões, corvos, lebres e codornizes
atiraram-se ao caçador, fazendo-o cair.
O caçador tentou defender-se. Arrancou
Gustavo do chão e empunhou-o como se
ele fosse um bastão.
- Assim já é demais! – a raposa, a lebre,
faisões, corvos e codornizes mostraram
as garras e os dentes, verdadeiramente
enfurecidos.
O caçador tentou fugir dos animais.
- Acudam! Estou a ser atacado! – gritou ele em louca correria
acima, com o Gustavo nas mãos.
A meio da subida o caçador já estava quase sem fôlego, bem
como os animais que o perseguiam, mas Gustavo suplicou-lhes:
- Por favor, só mais um bocadinho. Estamos quase lá.
-Chegámos! Podem parar! – exultou Gustavo ao atingirem o
topo da colina.
- Sim, parem – suplicou o caçador. – Eu devolvo-te o
chapéu, mas diz aos teus amigos para me deixarem em
paz.
Os animais clamaram:
- Por que é que estás contra nós? Já reparaste que
encontrámos o teu cachecol?
Afinal, o cachecol estava ali perto, sobre os ombros de
Amélia…
O caçador pegou nele e virou costas, sem sequer lhe
agradecer.
Gustavo, por outro lado, achou que nunca conseguiria recompensar os seus amigos pelo que
tinham acabado de fazer.
- Obrigado. Muito obrigado – balbuciou. Estava um pouco maltratado, tinha as roupas
amarrotadas, as mangas do casaco estavam caídas, mas ele não sentia vergonha. Estava tão
contente por ter Amélia tão próxima de si…
Tão próxima que sentiu um enorme desejo de a abraçar.
Mas como?
- Deixa-me ajudar-te. – E a nortada pôs-se a soprar, levantando a manga do casaco de
Gustavo e pousando-a sobre os ombros de Amélia.
– Agora sim, estão casados! – soprou ela aos quatro cantos do mundo, enquanto por cima da
colina, a lua branquinha velava pelos dois amantes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
JATG
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
guest188b998
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outono
Carla Ferreira
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
Luzia Couto
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Marisol Santos
 
Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.doc
Elza Melo
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
subel
 
História com recadinho txt
História com recadinho txtHistória com recadinho txt
História com recadinho txt
Constantino Alves
 
São martinho.ppt lenda
São martinho.ppt lendaSão martinho.ppt lenda
São martinho.ppt lenda
dinaflopes
 
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
MariaArmindaLopes
 
Um Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.PptUm Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.Ppt
Cláudia Cardoso
 
Ciclo do pão
Ciclo do pãoCiclo do pão
Ciclo do pão
Isa Crowe
 
25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho
25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho
25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho
Ensinar Português Andaluzia
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
Virgínia Ferreira
 
Historia ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteadoHistoria ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteado
Natalia Pina
 
A maior-flor-do-mundo
A maior-flor-do-mundoA maior-flor-do-mundo
A maior-flor-do-mundo
beebgondomar Judite
 
Ciclo do azeite
Ciclo do azeiteCiclo do azeite
Ciclo do azeite
Isa Crowe
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
Paula Morgado
 
Comportamento individual para colar no caderno dos alunos
Comportamento individual para colar no caderno dos alunosComportamento individual para colar no caderno dos alunos
Comportamento individual para colar no caderno dos alunos
get123456
 
Piratinha vol1
Piratinha vol1Piratinha vol1
Piratinha vol1
silvia santos
 

Mais procurados (20)

A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outono
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
 
Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.doc
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
 
História com recadinho txt
História com recadinho txtHistória com recadinho txt
História com recadinho txt
 
São martinho.ppt lenda
São martinho.ppt lendaSão martinho.ppt lenda
São martinho.ppt lenda
 
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
 
Um Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.PptUm Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.Ppt
 
Ciclo do pão
Ciclo do pãoCiclo do pão
Ciclo do pão
 
25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho
25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho
25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
 
Historia ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteadoHistoria ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteado
 
A maior-flor-do-mundo
A maior-flor-do-mundoA maior-flor-do-mundo
A maior-flor-do-mundo
 
Ciclo do azeite
Ciclo do azeiteCiclo do azeite
Ciclo do azeite
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
 
Comportamento individual para colar no caderno dos alunos
Comportamento individual para colar no caderno dos alunosComportamento individual para colar no caderno dos alunos
Comportamento individual para colar no caderno dos alunos
 
Piratinha vol1
Piratinha vol1Piratinha vol1
Piratinha vol1
 

Semelhante a O espantalho enamorado

O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
Marta Isabel
 
O espantalho enamorado - Reconto
O espantalho enamorado - RecontoO espantalho enamorado - Reconto
O espantalho enamorado - Reconto
profceliagraca
 
Cópia de o espantalho enamorado
Cópia de o espantalho enamoradoCópia de o espantalho enamorado
Cópia de o espantalho enamorado
catarina01
 
Espantalho enamorado
Espantalho enamoradoEspantalho enamorado
Espantalho enamorado
Jorge Carnaz
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
Marcio Flores
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
Mi Lemos
 
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
PauloPereira34163
 
Escrita na ponta de um lápis
Escrita na ponta de um lápisEscrita na ponta de um lápis
Escrita na ponta de um lápis
anabelalmeida
 
Escrita na ponta de um lápis
Escrita na ponta de um lápisEscrita na ponta de um lápis
Escrita na ponta de um lápis
anabelalmeida
 
.
..
Escrita na Ponta de um Lápis
Escrita na Ponta de um LápisEscrita na Ponta de um Lápis
Escrita na Ponta de um Lápis
anabelalmeida
 
Aquiles e a tartaruga infantil
Aquiles e a tartaruga   infantilAquiles e a tartaruga   infantil
Aquiles e a tartaruga infantil
José Carlos S. de Almeida
 
Venha ver o por do sol
Venha ver o por do solVenha ver o por do sol
Venha ver o por do sol
Cicero Luciano
 
Pdf contos
Pdf contosPdf contos
Pdf contos
leilatutora
 
Contos pdf
Contos pdfContos pdf
Contos pdf
leilatutora
 
Pdf contos
Pdf contosPdf contos
Pdf contos
leilatutora
 
.
..
.
..
.
..
O espantalho enamorado3ºa ano rita
O espantalho enamorado3ºa ano ritaO espantalho enamorado3ºa ano rita
O espantalho enamorado3ºa ano rita
guest188b998
 

Semelhante a O espantalho enamorado (20)

O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
O espantalho enamorado - Reconto
O espantalho enamorado - RecontoO espantalho enamorado - Reconto
O espantalho enamorado - Reconto
 
Cópia de o espantalho enamorado
Cópia de o espantalho enamoradoCópia de o espantalho enamorado
Cópia de o espantalho enamorado
 
Espantalho enamorado
Espantalho enamoradoEspantalho enamorado
Espantalho enamorado
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
 
Escrita na ponta de um lápis
Escrita na ponta de um lápisEscrita na ponta de um lápis
Escrita na ponta de um lápis
 
Escrita na ponta de um lápis
Escrita na ponta de um lápisEscrita na ponta de um lápis
Escrita na ponta de um lápis
 
.
..
.
 
Escrita na Ponta de um Lápis
Escrita na Ponta de um LápisEscrita na Ponta de um Lápis
Escrita na Ponta de um Lápis
 
Aquiles e a tartaruga infantil
Aquiles e a tartaruga   infantilAquiles e a tartaruga   infantil
Aquiles e a tartaruga infantil
 
Venha ver o por do sol
Venha ver o por do solVenha ver o por do sol
Venha ver o por do sol
 
Pdf contos
Pdf contosPdf contos
Pdf contos
 
Contos pdf
Contos pdfContos pdf
Contos pdf
 
Pdf contos
Pdf contosPdf contos
Pdf contos
 
.
..
.
 
.
..
.
 
.
..
.
 
O espantalho enamorado3ºa ano rita
O espantalho enamorado3ºa ano ritaO espantalho enamorado3ºa ano rita
O espantalho enamorado3ºa ano rita
 

Mais de Carolina Magalhães

Letra v
Letra vLetra v
Letra r
Letra rLetra r
Letra q
Letra qLetra q
Grupo ar er_ir_or_ur
Grupo ar er_ir_or_urGrupo ar er_ir_or_ur
Grupo ar er_ir_or_ur
Carolina Magalhães
 
Caso rr
Caso rrCaso rr
Caso r
Caso r Caso r
Al el il ol ul
Al el il ol ulAl el il ol ul
Al el il ol ul
Carolina Magalhães
 
Topp1 cartoes letra_u
Topp1 cartoes letra_uTopp1 cartoes letra_u
Topp1 cartoes letra_u
Carolina Magalhães
 
Topp1 cartoes letra_p
Topp1 cartoes letra_pTopp1 cartoes letra_p
Topp1 cartoes letra_p
Carolina Magalhães
 
Topp1 cartoes letra_i
Topp1 cartoes letra_iTopp1 cartoes letra_i
Topp1 cartoes letra_i
Carolina Magalhães
 
Topp1 cartoes letra_a
Topp1 cartoes letra_aTopp1 cartoes letra_a
Topp1 cartoes letra_a
Carolina Magalhães
 
Letraaa 161022123605
Letraaa 161022123605Letraaa 161022123605
Letraaa 161022123605
Carolina Magalhães
 
Ocaderno 161011091045
Ocaderno 161011091045Ocaderno 161011091045
Ocaderno 161011091045
Carolina Magalhães
 
Letraee 161030084509
Letraee 161030084509Letraee 161030084509
Letraee 161030084509
Carolina Magalhães
 
Letratt 161112124630
Letratt 161112124630Letratt 161112124630
Letratt 161112124630
Carolina Magalhães
 

Mais de Carolina Magalhães (20)

Letra v
Letra vLetra v
Letra v
 
Letra r
Letra rLetra r
Letra r
 
Letra q
Letra qLetra q
Letra q
 
Grupo ar er_ir_or_ur
Grupo ar er_ir_or_urGrupo ar er_ir_or_ur
Grupo ar er_ir_or_ur
 
Caso rr
Caso rrCaso rr
Caso rr
 
Caso r
Caso r Caso r
Caso r
 
Al el il ol ul
Al el il ol ulAl el il ol ul
Al el il ol ul
 
letra l
letra lletra l
letra l
 
letra t
letra tletra t
letra t
 
letra d
letra dletra d
letra d
 
Topp1 cartoes letra_u
Topp1 cartoes letra_uTopp1 cartoes letra_u
Topp1 cartoes letra_u
 
Topp1 cartoes letra_p
Topp1 cartoes letra_pTopp1 cartoes letra_p
Topp1 cartoes letra_p
 
Topp1 cartoes letra_o
Topp1 cartoes letra_oTopp1 cartoes letra_o
Topp1 cartoes letra_o
 
Topp1 cartoes letra_i
Topp1 cartoes letra_iTopp1 cartoes letra_i
Topp1 cartoes letra_i
 
Topp1 cartoes letra_e
Topp1 cartoes letra_eTopp1 cartoes letra_e
Topp1 cartoes letra_e
 
Topp1 cartoes letra_a
Topp1 cartoes letra_aTopp1 cartoes letra_a
Topp1 cartoes letra_a
 
Letraaa 161022123605
Letraaa 161022123605Letraaa 161022123605
Letraaa 161022123605
 
Ocaderno 161011091045
Ocaderno 161011091045Ocaderno 161011091045
Ocaderno 161011091045
 
Letraee 161030084509
Letraee 161030084509Letraee 161030084509
Letraee 161030084509
 
Letratt 161112124630
Letratt 161112124630Letratt 161112124630
Letratt 161112124630
 

O espantalho enamorado

  • 1. O Espantalho Enamorado Guido Visconti Giovanna Osellame
  • 2. Gustavo era um espantalho feliz. Tinha muitos amigos entre os animais da vizinhança. E tinha amigos sobretudo entre os passarinhos, precisamente aqueles que devia espantar. “Obrigado por nos deixares bicar as espigas” chilreavam eles à sua volta. “Bem, eu peço-vos sempre alguma coisa em troca, não é?”, ria-se ele. De facto, Gustavo confiava nos pássaros para levarem as suas ternas mensagens de amor a Amélia, a menina-espantalho que vivia no topo da colina. Gustavo estava apaixonado por Amélia. Sonhava com o dia em que ia poder abraçá-la. Mas como? Apenas podia, quando a brisa soprava, acenar-lhe com a manga do casaco.
  • 3. Quando chegou o Outono, contudo, Gustavo ficou triste. As belas espigas douradas foram ceifadas e muitos dos seus amigos tiveram de partir. Já não havia andorinhas a chilrear, mas sim corvos negros. Embora também fosse amigo dos corvos, Gustavo não podia mandar mensagens de amor através das suas vozes estridentes. Além disso, no Outono não soprava a brisa. Em seu lugar soprava uma fria nortada, por vezes tão forte que Gustavo temia que o seu chapéu voasse da cabeça. - Queres que a Amélia veja que sou careca?! – gritou-lhe - Desculpa, - assobiou a nortada. – Vou-me embora. -Não! Se te fores embora, vem o nevoeiro! Gustavo não gostava do nevoeiro, pois este impedia-o de ver Amélia.
  • 4. Mas mesmo que não houvesse vento nem nevoeiro, no Outono Gustavo não podia admirar Amélia: tinha de estar alerta para avistar os caçadores a tempo de avisar os poucos amigos que tinham ficado. - Inimigo à vista! – gritou ele, um dia, de repente. À distância avistava-se um homem armado com uma espingarda… A raposa que buscava a sua presa, a lebre à procura de raízes, os falcões à cata de grãos, os patos nas margens do rio e as codornizes entre os caules cortados, todos escutaram o grito de Gustavo. E num ápice, todos desapareceram, como que por magia. Porém, um dos animais não foi suficientemente rápido. PUM!, fez a espingarda. - Aaaaiii! – gemeu uma codorniz.
  • 5. O caçador aproximou-se. Pôs-se à procura da codorniz mas não conseguiu achá-la. - Mas eu tenho a certeza que lhe acertei – resmungou. Procurou durante um bom bocado; da codorniz, nem sinal. O caçador continuou a resmungar, primeiro confuso, depois zangado. Estava cansado e começou a transpirar. Tinha calor com o cachecol. Então, tirou-o e depositou-o sobre as costas do espantalho, dizendo-lhe: - Vê lá se não o deixas voar com este vento. A seguir afastou-se, procurando e resmungando. -E eu sou algum cabide? – protestou Gustavo. Mas parou de protestar assim que sentiu o calor do belo cachecol. Talvez a codorniz…
  • 6. - Já se foi – murmurou Gustavo. – Estás ferida? - Só um bocadinho – respondeu a codorniz, espreitando de um bolso do casaco. – Salvaste-me a vida. Como posso agradecer-te? - Leva-me este cachecol à Amélia – respondeu Gustavo rapidamente. – Deve estar cheia de frio, com aquela roupa levezinha.
  • 7. Com o seu rápido bater de asas a codorniz chegou ao topo da colina. - Gustavo manda-te este presente – disse-lhe, esvoaçando em seu redor. – Está tão apaixonado! Qualquer dia casa contigo. - Quem me dera – suspirou Amélia, acenando para Gustavo com a ponta do cachecol. Mas Gustavo não estava a olhar para ela…
  • 8. … porque o caçador voltara, com o saco a tiracolo cheio de caça e um ar triunfante no rosto. Já não tinha calor, e vinha buscar o seu cachecol. Mas o cachecol desaparecera. - Em vez de ficares aí parado, devias ter evitado que o vento levasse o meu cachecol! Agora tenho frio – gritou ele ao pobre espantalho enquanto lhe tirava o chapéu. - Oh, vou morrer de vergonha – gemeu Gustavo. Ainda por cima o caçador preparava-se também para lhe tirar o casaco…
  • 9. - Ai, assim vai morrer de frio – gritaram os seus amigos que observavam a cena nos seus esconderijos. - Agora é a nossa vez de lhe salvar a vida – decidiu a raposa, lançando-se ao ataque. Os outros fizeram o mesmo. Patos, faisões, corvos, lebres e codornizes atiraram-se ao caçador, fazendo-o cair.
  • 10. O caçador tentou defender-se. Arrancou Gustavo do chão e empunhou-o como se ele fosse um bastão. - Assim já é demais! – a raposa, a lebre, faisões, corvos e codornizes mostraram as garras e os dentes, verdadeiramente enfurecidos.
  • 11. O caçador tentou fugir dos animais. - Acudam! Estou a ser atacado! – gritou ele em louca correria acima, com o Gustavo nas mãos. A meio da subida o caçador já estava quase sem fôlego, bem como os animais que o perseguiam, mas Gustavo suplicou-lhes: - Por favor, só mais um bocadinho. Estamos quase lá.
  • 12. -Chegámos! Podem parar! – exultou Gustavo ao atingirem o topo da colina. - Sim, parem – suplicou o caçador. – Eu devolvo-te o chapéu, mas diz aos teus amigos para me deixarem em paz. Os animais clamaram: - Por que é que estás contra nós? Já reparaste que encontrámos o teu cachecol? Afinal, o cachecol estava ali perto, sobre os ombros de Amélia… O caçador pegou nele e virou costas, sem sequer lhe agradecer.
  • 13. Gustavo, por outro lado, achou que nunca conseguiria recompensar os seus amigos pelo que tinham acabado de fazer. - Obrigado. Muito obrigado – balbuciou. Estava um pouco maltratado, tinha as roupas amarrotadas, as mangas do casaco estavam caídas, mas ele não sentia vergonha. Estava tão contente por ter Amélia tão próxima de si… Tão próxima que sentiu um enorme desejo de a abraçar. Mas como? - Deixa-me ajudar-te. – E a nortada pôs-se a soprar, levantando a manga do casaco de Gustavo e pousando-a sobre os ombros de Amélia.
  • 14. – Agora sim, estão casados! – soprou ela aos quatro cantos do mundo, enquanto por cima da colina, a lua branquinha velava pelos dois amantes.

Notas do Editor

  1. {}