SlideShare uma empresa Scribd logo
O sapo apaixonado
O Sapo estava sentado à beira do rio.
Sentia-se esquisito.
Não sabia se estava contente ou se estava triste.
Toda a semana tinha andado como que a sonhar.
Que é que teria?
Então encontrou o Porquinho.
  - Olá, Sapo – disse o Porquinho. – Não estás com muito bom ar. Que
é que tens?
   - Não sei – disse o Sapo. – Tenho vontade de rir e de chorar ao
mesmo tempo. E aqui dentro de mim tenho uma coisa que faz tum-tum.
- Talvez estejas constipado – disse o Porquinho. – É melhor ires para
casa e meteres-te na cama.
  O Sapo continuou o seu caminho. Estava preocupado.
Depois passou por casa da Lebre.
  - Lebre – disse ele – não me sinto bem.
   - Entra e senta-te um bocadinho – disse a Lebre, muito simpática. – Ora
então, o que é que tens?
  - Umas vezes fico com calor e outras vezes fico com frio. E aqui dentro de
mim tenho uma coisa que faz tum-tum.
  E pôs a mão no peito.
A Lebre pensou muito, como um verdadeiro médico. Depois disse:
  - Já sei. É o teu coração. O meu também faz tum-tum.
  - Mas o meu às vezes faz tum-tum mais depressa do que o costume – disse
o Sapo. – Faz um-dois, um-dois, um-dois.
  A Lebre foi buscar à estante um grande livro e pôs-se a virar as folhas.
  - Ah! – disse ela – Ora ouve: coração a bater acelerado, ataques de calor e
de frio…quer dizer que estás apaixonado!
- Apaixonado? – disse o Sapo surpreendido – Ena pá! Estou apaixonado!
  E ficou tão contente que deu um salto enorme pela porta fora.
O Porquinho assustou-se muito quando o Sapo de repente caiu do céu.
  - Parece que estás melhor – disse o Porquinho.
  - E estou! Sinto-me óptimo – disse o Sapo. – Estou apaixonado!
    - Bem, isso é uma boa notícia. Por quem é que estás apaixonado? –
perguntou o Porquinho.
  O Sapo não tinha tido tempo para pensar nisso.
- Já sei! – disse ele – Estou apaixonado pela linda e adorável Patinha
Branca!
    - Não pode ser – disse o Porquinho. – Um sapo não pode estar
apaixonado por uma pata. Tu és verde e ela é branca.
  Mas o Sapo não se importou com isso.
Não sabia escrever, mas sabia fazer bonitas pinturas.
  Quando voltou para casa fez uma pintura linda, com vermelho e azul e
muito verde, que era a cor de que ele gostava mais.
À noite, quando já estava escuro, saiu com a pintura e enfiou-a por baixo
da porta da Pata.
  Com a emoção, tinha o coração a bater com toda a força.
A Pata ficou muito admirada quando encontrou a pintura.
   - Quem é que me terá mandado esta linda pintura? – exclamou ela, e
pendurou-a na parede.
No dia seguinte, o Sapo colheu um belo ramo de flores. Ia oferecê-las à
Pata. Mas quando chegou à porta não teve coragem para a enfrentar. Pôs
as flores na soleira da porta e fugiu o mais depressa que pôde.
  E assim continuaram as coisas, dia após dia.
  O Sapo não conseguia arranjar coragem para falar.
A Pata andava muito contente com todos aqueles belos presentes.
Mas quem é que os mandaria?
Pobre Sapo!
Perdeu o apetite e à noite não conseguia dormir…
E as coisas continuaram assim durante semanas.
Como é que havia de mostrar à Pata que gostava dela?
    - Tenho de fazer uma coisa de que mais ninguém seja capaz – decidiu
ele – Tenho de bater o recorde do mundo de salto em altura! A Patinha vai
ficar muito surpreendida, e depois ela também vai gostar de mim.
O Sapo começou logo a treinar.
Praticou salto em altura durante dias a fio.
Saltava cada vez mais alto, até às nuvens.
Nunca nenhum sapo do mundo tinha saltado tanto.
- Que é que terá o Sapo? – perguntava a Pata, preocupada. Saltar assim
é perigoso. Ainda acaba por se magoar.
  E tinha razão.
Às duas horas e treze minutos da tarde de Sexta-feira, as coisas correram
mal.
   O Sapo estava a dar o salto mais alto da história quando perdeu o
equilíbrio e caiu ao chão.
  A Pata, que ia a passar nessa altura, veio a correr ajudá-lo. O Sapo mal
conseguia andar. A Pata amparou-o com carinho e levou-o para casa.
Tratou dele com toda a ternura.
- Ó Sapo, podias ter-te matado! – disse ela – Olha que tens de ter
cuidado. Gosto tanto de ti!
  Então, finalmente o Sapo lá conseguiu arranjar coragem:
  - Eu também gosto muito de ti, querida Pata – balbuciou ele.
   Tinha o coração a fazer tum-tum mais depressa do que nunca, e ficou
com a cara muito verde.
Desde então, amam-se perdidamente.
Um sapo e uma pata…
Verde e branca.
O amor não conhece barreiras.
Max Velthuijs, O Sapo Apaixonado, Caminho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Uma Prenda de Natal
Uma Prenda de NatalUma Prenda de Natal
Uma Prenda de Natal
Biblioteca Escolar Sobreira
 
Uma Vaca De Estimação
Uma Vaca De EstimaçãoUma Vaca De Estimação
Uma Vaca De Estimação
escolaldeia2010
 
A bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio motaA bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio mota
Ministério da Educação
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
Isa Crowe
 
Livro A Viagem Da Sementinha
Livro A Viagem Da SementinhaLivro A Viagem Da Sementinha
Livro A Viagem Da Sementinha
fefybc
 
Mais Lengalengas
Mais LengalengasMais Lengalengas
Mais Lengalengas
Luis Rolhas
 
A dieta do pai natal história e imagens
A dieta do pai natal   história e imagensA dieta do pai natal   história e imagens
A dieta do pai natal história e imagens
Jani Miranda
 
Ninguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalNinguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natal
Ana PAtrícia Lima
 
O palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoletoO palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoleto
Silvares
 
A lagartinha comilona
A lagartinha comilonaA lagartinha comilona
A lagartinha comilona
anabelasantosmendonca
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
subel
 
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantarA ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
Ofelia Liborio
 
Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
Ana Alho
 
A minha mae
A minha maeA minha mae
A minha mae
Joana Sobrenome
 
O leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentroO leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentro
Emília Lima
 
A que sabe a lua
A que sabe a luaA que sabe a lua
A que sabe a lua
Prudenciana Martins
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Marisol Santos
 
Adivinha quanto eu gosto de ti outono
Adivinha quanto eu gosto de ti   outonoAdivinha quanto eu gosto de ti   outono
Adivinha quanto eu gosto de ti outono
maria54cunha
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
Maria Ferreira
 
Carlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosa Carlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosa
Lara Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Uma Prenda de Natal
Uma Prenda de NatalUma Prenda de Natal
Uma Prenda de Natal
 
Uma Vaca De Estimação
Uma Vaca De EstimaçãoUma Vaca De Estimação
Uma Vaca De Estimação
 
A bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio motaA bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio mota
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
 
Livro A Viagem Da Sementinha
Livro A Viagem Da SementinhaLivro A Viagem Da Sementinha
Livro A Viagem Da Sementinha
 
Mais Lengalengas
Mais LengalengasMais Lengalengas
Mais Lengalengas
 
A dieta do pai natal história e imagens
A dieta do pai natal   história e imagensA dieta do pai natal   história e imagens
A dieta do pai natal história e imagens
 
Ninguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalNinguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natal
 
O palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoletoO palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoleto
 
A lagartinha comilona
A lagartinha comilonaA lagartinha comilona
A lagartinha comilona
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
 
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantarA ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
 
Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
 
A minha mae
A minha maeA minha mae
A minha mae
 
O leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentroO leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentro
 
A que sabe a lua
A que sabe a luaA que sabe a lua
A que sabe a lua
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
 
Adivinha quanto eu gosto de ti outono
Adivinha quanto eu gosto de ti   outonoAdivinha quanto eu gosto de ti   outono
Adivinha quanto eu gosto de ti outono
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
 
Carlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosa Carlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosa
 

Semelhante a O sapo apaixonado

Sapo apaixonado
Sapo apaixonadoSapo apaixonado
Sapo apaixonado
Sílvia Bastos
 
Powerpointsapoapaixonado 090323172146-phpapp02
Powerpointsapoapaixonado 090323172146-phpapp02Powerpointsapoapaixonado 090323172146-phpapp02
Powerpointsapoapaixonado 090323172146-phpapp02
Teresa Ramos
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
profgaspar
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
Marisa Simoes
 
Osapoapaixonado Div
Osapoapaixonado   DivOsapoapaixonado   Div
Osapoapaixonado Div
teresamendes
 
Conto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonadoConto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonado
fatimaadrega
 
15. o sapo apaixonado (2)
15. o sapo apaixonado (2)15. o sapo apaixonado (2)
15. o sapo apaixonado (2)
didsoak
 
15. o sapo apaixonado (2)
15. o sapo apaixonado (2)15. o sapo apaixonado (2)
15. o sapo apaixonado (2)
didsoak
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
Helena Moreira
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
Susanita_Costa
 
Sapo apaixonado
Sapo apaixonadoSapo apaixonado
Sapo apaixonado
Paulita Salvador
 
Conto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonadoConto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonado
Sheila Santos
 
Imagem4
Imagem4Imagem4
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
Marisa Simoes
 
O Sapo Apaixonado
O Sapo ApaixonadoO Sapo Apaixonado
O Sapo Apaixonado
armandargon
 
Osapoapaixonado[1]
Osapoapaixonado[1]Osapoapaixonado[1]
Osapoapaixonado[1]
Ana Augusto
 
O sapo-apaixonado
O sapo-apaixonadoO sapo-apaixonado
O sapo-apaixonado
Helena Rocha
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
Ana Barroca
 
O sapo-apaixonado
O sapo-apaixonadoO sapo-apaixonado
O sapo-apaixonado
Acilu
 
O sapo-apaixonado
O sapo-apaixonadoO sapo-apaixonado
O sapo-apaixonado
Gracinda Pinto Lopes
 

Semelhante a O sapo apaixonado (20)

Sapo apaixonado
Sapo apaixonadoSapo apaixonado
Sapo apaixonado
 
Powerpointsapoapaixonado 090323172146-phpapp02
Powerpointsapoapaixonado 090323172146-phpapp02Powerpointsapoapaixonado 090323172146-phpapp02
Powerpointsapoapaixonado 090323172146-phpapp02
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
 
Osapoapaixonado Div
Osapoapaixonado   DivOsapoapaixonado   Div
Osapoapaixonado Div
 
Conto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonadoConto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonado
 
15. o sapo apaixonado (2)
15. o sapo apaixonado (2)15. o sapo apaixonado (2)
15. o sapo apaixonado (2)
 
15. o sapo apaixonado (2)
15. o sapo apaixonado (2)15. o sapo apaixonado (2)
15. o sapo apaixonado (2)
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
 
Sapo apaixonado
Sapo apaixonadoSapo apaixonado
Sapo apaixonado
 
Conto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonadoConto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonado
 
Imagem4
Imagem4Imagem4
Imagem4
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
 
O Sapo Apaixonado
O Sapo ApaixonadoO Sapo Apaixonado
O Sapo Apaixonado
 
Osapoapaixonado[1]
Osapoapaixonado[1]Osapoapaixonado[1]
Osapoapaixonado[1]
 
O sapo-apaixonado
O sapo-apaixonadoO sapo-apaixonado
O sapo-apaixonado
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonadoO sapo apaixonado
O sapo apaixonado
 
O sapo-apaixonado
O sapo-apaixonadoO sapo-apaixonado
O sapo-apaixonado
 
O sapo-apaixonado
O sapo-apaixonadoO sapo-apaixonado
O sapo-apaixonado
 

Mais de Virgínia Ferreira

A mentira tem perna curta
A mentira tem perna curtaA mentira tem perna curta
A mentira tem perna curta
Virgínia Ferreira
 
Os ovos misteriosos (Paint)
Os ovos misteriosos (Paint)Os ovos misteriosos (Paint)
Os ovos misteriosos (Paint)
Virgínia Ferreira
 
Sapo apaixonado - atividades
Sapo apaixonado - atividades Sapo apaixonado - atividades
Sapo apaixonado - atividades
Virgínia Ferreira
 
Banda desenhada João e o pé de feijão
Banda desenhada João e o pé de feijãoBanda desenhada João e o pé de feijão
Banda desenhada João e o pé de feijão
Virgínia Ferreira
 
Pedro das malasartes picoto ppt
Pedro das malasartes   picoto pptPedro das malasartes   picoto ppt
Pedro das malasartes picoto ppt
Virgínia Ferreira
 
Pedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Pedro das Malasartes - EB1 de ArnelasPedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Pedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Virgínia Ferreira
 
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo AlvoPedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Virgínia Ferreira
 
Um lobo culto carvalhos
Um lobo culto   carvalhosUm lobo culto   carvalhos
Um lobo culto carvalhos
Virgínia Ferreira
 

Mais de Virgínia Ferreira (10)

A mentira tem perna curta
A mentira tem perna curtaA mentira tem perna curta
A mentira tem perna curta
 
Os ovos misteriosos (Paint)
Os ovos misteriosos (Paint)Os ovos misteriosos (Paint)
Os ovos misteriosos (Paint)
 
Sapo apaixonado - atividades
Sapo apaixonado - atividades Sapo apaixonado - atividades
Sapo apaixonado - atividades
 
Banda desenhada João e o pé de feijão
Banda desenhada João e o pé de feijãoBanda desenhada João e o pé de feijão
Banda desenhada João e o pé de feijão
 
Pedro das malasartes picoto ppt
Pedro das malasartes   picoto pptPedro das malasartes   picoto ppt
Pedro das malasartes picoto ppt
 
O polvo coceguinhas
O polvo coceguinhasO polvo coceguinhas
O polvo coceguinhas
 
O senhor mago e a folha
O senhor mago e a folhaO senhor mago e a folha
O senhor mago e a folha
 
Pedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Pedro das Malasartes - EB1 de ArnelasPedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
Pedro das Malasartes - EB1 de Arnelas
 
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo AlvoPedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
Pedro das Malasartes - EB1 de Seixo Alvo
 
Um lobo culto carvalhos
Um lobo culto   carvalhosUm lobo culto   carvalhos
Um lobo culto carvalhos
 

O sapo apaixonado

  • 2. O Sapo estava sentado à beira do rio. Sentia-se esquisito. Não sabia se estava contente ou se estava triste.
  • 3. Toda a semana tinha andado como que a sonhar. Que é que teria?
  • 4. Então encontrou o Porquinho. - Olá, Sapo – disse o Porquinho. – Não estás com muito bom ar. Que é que tens? - Não sei – disse o Sapo. – Tenho vontade de rir e de chorar ao mesmo tempo. E aqui dentro de mim tenho uma coisa que faz tum-tum.
  • 5. - Talvez estejas constipado – disse o Porquinho. – É melhor ires para casa e meteres-te na cama. O Sapo continuou o seu caminho. Estava preocupado.
  • 6. Depois passou por casa da Lebre. - Lebre – disse ele – não me sinto bem. - Entra e senta-te um bocadinho – disse a Lebre, muito simpática. – Ora então, o que é que tens? - Umas vezes fico com calor e outras vezes fico com frio. E aqui dentro de mim tenho uma coisa que faz tum-tum. E pôs a mão no peito.
  • 7. A Lebre pensou muito, como um verdadeiro médico. Depois disse: - Já sei. É o teu coração. O meu também faz tum-tum. - Mas o meu às vezes faz tum-tum mais depressa do que o costume – disse o Sapo. – Faz um-dois, um-dois, um-dois. A Lebre foi buscar à estante um grande livro e pôs-se a virar as folhas. - Ah! – disse ela – Ora ouve: coração a bater acelerado, ataques de calor e de frio…quer dizer que estás apaixonado!
  • 8. - Apaixonado? – disse o Sapo surpreendido – Ena pá! Estou apaixonado! E ficou tão contente que deu um salto enorme pela porta fora.
  • 9. O Porquinho assustou-se muito quando o Sapo de repente caiu do céu. - Parece que estás melhor – disse o Porquinho. - E estou! Sinto-me óptimo – disse o Sapo. – Estou apaixonado! - Bem, isso é uma boa notícia. Por quem é que estás apaixonado? – perguntou o Porquinho. O Sapo não tinha tido tempo para pensar nisso.
  • 10. - Já sei! – disse ele – Estou apaixonado pela linda e adorável Patinha Branca! - Não pode ser – disse o Porquinho. – Um sapo não pode estar apaixonado por uma pata. Tu és verde e ela é branca. Mas o Sapo não se importou com isso.
  • 11. Não sabia escrever, mas sabia fazer bonitas pinturas. Quando voltou para casa fez uma pintura linda, com vermelho e azul e muito verde, que era a cor de que ele gostava mais.
  • 12. À noite, quando já estava escuro, saiu com a pintura e enfiou-a por baixo da porta da Pata. Com a emoção, tinha o coração a bater com toda a força.
  • 13. A Pata ficou muito admirada quando encontrou a pintura. - Quem é que me terá mandado esta linda pintura? – exclamou ela, e pendurou-a na parede.
  • 14. No dia seguinte, o Sapo colheu um belo ramo de flores. Ia oferecê-las à Pata. Mas quando chegou à porta não teve coragem para a enfrentar. Pôs as flores na soleira da porta e fugiu o mais depressa que pôde. E assim continuaram as coisas, dia após dia. O Sapo não conseguia arranjar coragem para falar.
  • 15. A Pata andava muito contente com todos aqueles belos presentes. Mas quem é que os mandaria?
  • 16. Pobre Sapo! Perdeu o apetite e à noite não conseguia dormir… E as coisas continuaram assim durante semanas.
  • 17. Como é que havia de mostrar à Pata que gostava dela? - Tenho de fazer uma coisa de que mais ninguém seja capaz – decidiu ele – Tenho de bater o recorde do mundo de salto em altura! A Patinha vai ficar muito surpreendida, e depois ela também vai gostar de mim.
  • 18. O Sapo começou logo a treinar. Praticou salto em altura durante dias a fio. Saltava cada vez mais alto, até às nuvens. Nunca nenhum sapo do mundo tinha saltado tanto.
  • 19. - Que é que terá o Sapo? – perguntava a Pata, preocupada. Saltar assim é perigoso. Ainda acaba por se magoar. E tinha razão.
  • 20. Às duas horas e treze minutos da tarde de Sexta-feira, as coisas correram mal. O Sapo estava a dar o salto mais alto da história quando perdeu o equilíbrio e caiu ao chão. A Pata, que ia a passar nessa altura, veio a correr ajudá-lo. O Sapo mal conseguia andar. A Pata amparou-o com carinho e levou-o para casa. Tratou dele com toda a ternura.
  • 21. - Ó Sapo, podias ter-te matado! – disse ela – Olha que tens de ter cuidado. Gosto tanto de ti! Então, finalmente o Sapo lá conseguiu arranjar coragem: - Eu também gosto muito de ti, querida Pata – balbuciou ele. Tinha o coração a fazer tum-tum mais depressa do que nunca, e ficou com a cara muito verde.
  • 22. Desde então, amam-se perdidamente. Um sapo e uma pata… Verde e branca. O amor não conhece barreiras.
  • 23. Max Velthuijs, O Sapo Apaixonado, Caminho