SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
•Os Artrópodes (do grego arthros: articulado e
podos: pés, patas, apêndices) são animais
invertebrados caracterizados por possuírem
membros rígidos e articulados.
• São o maior grupo de animais existentes, as
classes são insetos, arachnida, crustáceos,
quilópodes e diplópodes.
Filo:Arthropoda
Artrópodos
• Maior grupo de espécies do Reino
Animal (+ - ¾ de todas espécies).
• Segmentados (pelo menos nos
estágios embrionários)
• Protostomados
• Sistema nervoso ganglionar com um
cérebro anterior dorsal e cordão
nervoso ventral
• Apresenta apêndices articulados
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
• Corpo dividido em cabeça (cephalon) e
regiões do tronco; comumente com maior
especialização regional do corpo ou
tagmose; tipicamente com uma carapaça na
cabeça.
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
• Cutícula forma exoesqueleto bem
desenvolvido, geralmente com placas
grossas esclerotizadas (escleritos)
consistindo de tergitos dorsais, pleuritos
laterais e esternitos ventrais.
• Cutícula de exoesqueleto consiste de quitina
e proteína (incluindo resilina), com grau
variável de calcificação; sem colágeno
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Conquista do ambiente
terrestre
• Apêndices articulados: facilita a locomoção
• Exoesqueleto quitinoso (exclusividade)
– Tergo: dorsal
– Pleuras: laterais
– Esterno: ventral
Desaparecimento deste padrão e ocorreu fusão das
placas, dividindo o corpo do animal em regiões:
TAGMAS
Exoesqueleto Muda ou Ecdise
Controle hormonal: Ecdisona
Instares: estágios entre as mudas
Se torna maior a medida que o animal fica mais
velho
Em crustáceos – ecdisona produzido pelo órgão Y (base dos
pêndices bucais)
Durante o período intermuda, hormônio inibidor da muda
é produzido pelas células secretoras do órgão X, localizada
No pedúnculo ocular
Crescimento Artropoda
(real crescimento tecidual)
Aparente crescimento de
Artropoda devido a muda
Crescimento de não
Artrópoda
Muda
Muda
Muda
Muda
Tempo
Tamanhodocorpo
rescimento de Artropoda versus não Artropoda. Linha escura
dica o padrão de incremento de um artropodo quando medido
or mudanças no tamanho externo do corpo associado com mudas.
linha pontilhada retrata o real crescimento tecidual. A linha cinza retra
crescimento típico de um não artrópodo
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
APÊNDICES
Endópodo
Protópodo
Exópodo
Mer
o
Carpo Própod
o
Dáctilo
Ísquio
Base
Epípodos
Endito
Apêndices do corpo de artrópodos (A)Um apêndice
birreme generalizado de Crustáceo. (B) um apêndice
Filopodial de crustáceo; (C) uma perna unirreme; (D)
o apêndice do tronco de um Trilobita; (E) Perna unirreme
de escorpião; (F) perna Unirreme de Gafanhoto
Endito
(gnatobase)
Endópodo
Mer
o
Base
Ísquio
Carpo
Própod
o
Dáctilo
EndópodoExópodo
Epípodos
(branquias)
Telópodo
Tarso
RamoFilamento
Gnatibases
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Órgãos sensoriais
• Sensilos: podem ser cerdas, pelos,
cabides, buracos, fendas.
– Função: monitorar o ambiente externo
– Apresentam neurônios receptores:
quimiorreceptores, mecanorreceptores
• Olhos: muito variados
– simples ou compostos
– Podem perceber apenas a intensidade da
luz ou formar imagens
Olhos Compostos
http://www.zeitnews.org/energy-and-fuels-research/insect-eyes-inspire-improved-solar-cells.html
http://bugs.bio.usyd.edu.au/learning/resources/Entomology
/externalMorphology/imagePages/compoundEye.html
Sinapomorfia do grupo
Cérebro de Artropoda
Sistema Circulatório
• Aberto com desenvolvimento da
hemocele.
• Coração dorsal primitivo e tubular.
• Vasos sanguíneos e hemocele.
• Apresenta óstios laterais pareados para
a entrada do sangue.
• Pigmento respiratório: Hemocianina.
Sistema Circulatório Aberto
Insecta - Arthropoda
Coração
Cordão Nervoso
Corações auxiliares
Coração Òstio
Organização do sistema circulatório de artrópoda. Setas indicam a
direção do fluxo sanguineo. A aorta pode ser contrátil e força o
fluxo sanguineo. As ramificações da aorta fornecem sangue aos
tecidos do corpo
Sistema Excretor
• Túbulos de Malpighi
– Centopéias, piolhos de cobra, insetos,
aracnídeos
• Sáculos (ex. glânduxas coxais,
glandulas antenais...)
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Sistema Digestivo
• Intestino anterior:
– Ingestão, trituração, armazenamento
– Componentes muito variados (dieta e modo de
alimentação)
• Intestino médio:
– Digestão e absorção
– Pode ter sua área aumentada por evaginações
• Intestino posterior:
– Absorção de água e formação das fezes
Reprodução
• Maioria dióica e com fecundação cruzada.
• Ocorre partenogênese em alguns grupos.
• Fertilização interna em indivíduos terrestres e
externa nos aquáticos.
• Pode haver emprego de apêndices modificados
para auxiliar transferência de esperma (com ou
sem cópula).
• Podem apresentar padrões de comportamento
muito complexos relacionados ao cuidado da
prole e organização social.
• Forte hipótese de que se originaram de
ancestrais celomados protostomios
segmentados.
• Evidências sustentam a posição de
Onycophora e Tardigrada como grupos
proximamente relacionados.
• Onycophora + Tardigrada + Artropoda =
Parnartropoda
Classificação
segundo Brusca e Brusca 2003
• Subfilos:
• Trilobita (Trilobitomorpha): Marinhos
todos extintos; viveram do Cambriano ao
período Carbonífero; corpos dividos em
três lobos longitudinais; cabeça tórax e
abdome presentes; um par de antenas e
apêndices birremes
• Chelicerata: Corpo usualmente divididos
em prossoma e opistossoma; primeiro par
de apêndices modificados em pinças
(quelíceras) e usados na alimentação
límulus, escorpiões, aranhas e ácaros
• Crustacea Muitos aquáticos, cabeça com
dois pares de antenas, um par de
mandíbulas e dois pares de maxilas;
apêndices birremes. ( copépodas,
cracas, camarões, lagostas,
caranguejos,...)
• Unirramia: Cabeça com um par de
antenas e usualmente um par de
mandíbulas: miriápodes (Centopéias,
piolhos-de-cobra , lacraias), Insetos e
seus relacionados
Chelicerata
• 75.000 espécies descritas
• Composta por três grupos: Merostomata
(límulos), Arachnida (escorpiões, aranhas,
ácaros e opiliões) e os Pygnogonida
(aranhas-do-mar)
• Arachnida – 98% das espécies
Glândulas de veneno
Glândulas de seda
Mandibulata
(Crustacea + Tracheata)
• Tracheata (unirramia) = Myriapoda
(centopéias e piolhos de cobra) e Hexapoda
(Entognata + Insecta).
• Entognata (Collembola, Diplura, Protura).
• Insecta (Archaeognatha, Zygentoma e
Pterygota).
Myriapoda
Corpo com cápsula cefálica e tronco não diferenciado.
Relações com outros Filos
• (C) Cephalobaena tetrapoda (Pentastomida).
(A) Peripatopsis sp. (Onychophora);
(B) Pseudechiniscus suillus
(Tardigrada)
Onycophora
• Aproximadamente 200 espécies
• Terrestres, ambientes úmidos
• Distribuem-se pela Américas Central, do Sul,
África, Austrália. Massas continentais derivadas da
Godwana
• Possuem combinação de características em comum
com artropodos e annelida.
• Possuem fina cutícula parecida com a de Arthropoda
Distribuição das famílias Peripatidae e Peripatopsidae
• Parede corpórea é como em Annelida, como o
método de locomoção, pernas não segmentadas, o
sistema excretor e o sistema nervoso.
Lobópodo
• Características artropodianas incluem uma cavidade
hemocélica, desenvolvimento e estrutura das
maníbulas, presença de glândulas salivares, sistema
circulatório aberto, sistema circulatório traqueal, e
quelas nas pontas das pernas
Onycophora x Myriapoda
• Formato de corpo similar
• Tagmose restrita a cabeça que tem três segmentos,
• As vesículas eversíveis (tomada de umidade) estão
presentes em Diplopoda e Symphyla, bem como em
alguns onicóforos,
• Glândula digestiva ausente,
• Intestino médio similar.
• Tratos genitais de Onychophora parecem com
aqueles de miriapodas.
• Gonóporo é subterminal.
• E certas características de desenvolvimento são
comum a ambos os grupos.
Sub filo Trilobita
• Extintos, Marinhos - 3.900 sp
• Cada segmentos pós oral possuia um par de
apêndices semelhantes
• Região cefálica anterior, Região do tronco
média (segmentos não fundidos) e Pigídeo
(região posterior)
• Um par de antenas e um par de olhos dorso-
laterais
• Escavadores, rastejadores, epibentônicos,
planctônicos e nadadores
• 3 a 10 cm (0,5mm)
Sub filo Trilobita
Cambriano
540 – 505 m.
Sub filo Trilobita
Ordoviciano
505 – 430 m.
Sub filo Trilobita
Sub filo Chelicerata
• Classe Merostomata
– Sub classe Xiphosura:
Lim ulus po lyphe m us : Costa noroeste do
Atlântico e Golfo do méxico
Águas rasas de fundo macio
60 cm de comprimento
Lim ulus po lyphe m us
Lim ulus po lyphe m us
Fósseis
Pedipalpo
Quelíceras do Caranguejo-ferradura são queladas
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
um olho só.)
Em 1785, o zoólogo dinamarquês Otto Müller resolveu a
questão. Havia quem realmente achasse que o animal só tinha
um olho. Müller transferiu o límulo para um gênero próprio, o
‘Limulus’, que significa ‘pequeno oblíquo’, por causa do
formato de sua carapaça.
O límulo é um animal fantástico mesmo. Seu sangue não tem
hemoglobina, que utiliza ferro para transportar oxigênio, mas
hemocianina, que utiliza cobre. Por isso, seu sangue é azul. Ele
não tem um sistema imunológico e não é capaz de
desenvolver anticorpos para combater infecções. No entanto,
o seu sangue contém um elemento que coagula em torno de
agentes invasores e os dissolve. 
• Por isso, o límulo possui uma grande
importância médica. A indústria
farmacêutica utiliza um extrato de seu
sangue, o Lisado do Amebócito do Límulo
(LAL), para testar medicamentos, vacinas e
dispositivos médicos a fim de verificar se
não estão contaminados. Até hoje, não
existe outra opção tão simples e confiável
quanto o uso do LAL para realizar essas
ações.
Classe Eurypterida
Escorpiões do mar
Arthopodos gigantes
EXTINTOS
Aquáticos
Ordoviciano – Permiano
Classe Eurypterida
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Classe Arachinda
• Classificação:
– Ordem Escorpiones: Escorpiões
– Ordem Palpígrados: Palpígrados
– Ordem Schizomida: Esquizomídeos
– Ordem Uropygi: Escorpiões-vinagre
– Ordem Aranae: Aranhas
– Ordem Amblypygi: Amblipígeos
– Ordem Ricinulei: Ricinúleos
– Ordem Pseudoscorpiones: Pseudoescorpiões
– Ordem Solifugae: Solífugos
– Ordem Opiliones: Opiliões
– Acari: grupo de 7 ordens que contém ácaros e
carrapatos
• Amblipigios:
• Arácnideos de aparência perigosa porém
completamente inofensivos.
• Entre 0.5cm-5cm.
• Hábitos noturnos, vivem em climas
tropicais e subtropicais.
• São chamados de aranhas coração, aranhas
estrela, escorpião rei, entre outros.
• Sas patas dianteiras podem medir até
30cm!!!
• Desenho esquemático de Amblypygi. Figura
retirada de Brusca & Brusca, 2007.
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Pseudoescorpiões:
• Aracnídeos diminutos e
inofensivos.
• Parecem escorpioes
porém sem cauda.
• Entre 0,2-0,8cm.
Pedipalpos dos
pseudoescorpiões
são quelados. Eles
possuem
pequenas esporas
neles que
transmitem veneno
quando os fecham
na presa
Uropygi:
• Aracnídeos parecidos com amblipígios, porém com
cauda.
• São inofensivos pois não possuem glândulas venenosas.
• Entretanto, têm glândulas anais que segregam um
líquido parecido com vinagre (84% ác. acético).
Igualmente inofensivo para o ser humano.
• Medem entre 2cm-6cm.
• De hábitos noturnos e carnívoros, habitam
regiões tropicais e subtropicais.
Arachnida
Classe Arachnida
• Mais comuns: escorpiões, aranhas, ácaros e
carrapatos.
• Grupo mais antigo (escorpiões – 400m.)
• Prossomo não segmentado (coberto por carapaça
sólida)
• 1 par de quelíceras
• 1 par de pedipalpos
• 4 pares de pernas
• Além dos caracteres morfológicos que
permitem o reconhecimento dos aracnídeos
(quatro pares de pernas, quelíceras e divisão
do corpo), há um conjunto de caracteres que
definem Arachnida como um grupo natural:
• 1. Órgãos sensoriais em fenda
• 2. Túbulos de Malpighi;
• 3. Boca orientada anteriormente;
• 4. Perda da borda pleural da carapaça;
5. Pulmões foliáceos.
• Órgão em fenda em quelícera de Elaver sp., foto de microscopia eletrônica de varredura. R.
Saturnino
Classe Arachnida
• Carnívoros
• Digestão inicialmente extra-corpórea
• Boca, faringe bombeadora, esôfago, intestino anterior,
intestino médio, intestino posterior, ânus
• Sistema nervoso:
– Cérebro dividido em Protocérebro e Tritocérebro
– A maioria dos gânglios localizam-se no gânglio
subesofágico
• Órgãos sensoriais: pelos sensoriais, olhos, órgãos
sensoriais em fenda
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Classe Arachnida
• Sistema respiratório:
– Pulmões laminares ou foliáceos
– Espiráculo: fenda
– Traquéias: tubos internos
– Aracnídeos menores (pseudo-escorpiões e algumas-
aranhas)
Lamela do
Pulmão Fluxo sanguineo
Entre as lamelas
Câmara de ar
Músculo
Fluxo de ar
através do espiráculo
Classe Arachnida
• Sistema circulátório:
– Coração: localizado na metade anterior do abdômen,
– 7 pares de óstio, cada um correspondendo a um
segmento
– Apresenta aortas e artérias
– Sangue descarregado das artérias para os espaços
interteciduais (Sist. Circ. aberto)
Classe Arachnida
• Sistema reprodutivo:
– Orifício genital ventral no segundo segmento abdominal
– Transmissão de esperma direta ou com espermatóforo
– Desenvolvimento direto
Ordem Escorpiones
• 1 aguilhão posterior que apresenta em sua base uma
glândula de veneno
• Pedipalpos aumentados apresentando 1 quela (garra)
• Quelíceras pequenas e com garras
• Abdômem (mesossomo)com 7 segmentos
• Cauda (metassomo) com 5 segmentos
• 1 par de pectinas (pente, plastrão): apêndice sensorial
• Espiráculos ventrais se abre nos pulmões laminares
• Transferência espermática pelo espermatóforos
Ordem Escorpiones
Média: 3 a 9 cm
Carbonífero: 44 e 86 cm
Prossoma
Mesossoma
Metassoma
Opistossoma
Escorpiões
também
Possuem
pedipalpos
Quelados.
Eles os usam
para segurar
suas
presas
Enquando as
envenenam
Com seu aguilhão
venenoso
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Quelíceras dos
escorpiões são
queladas
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
/
Cuidado Parental
Ordem Aranae
Latrodectus mactans
Viúva negra com ovo
Theraphosa blondi
Tarântula
Ordem Aranae
Pedipalpo do macho modificado emórgão copulatório
Corpo dividido emprossoma e opistossoma, separados pelo
pedicelo
Prossomo globoso portando o externo e todos os apêndices
Opistossomo: Sulco epigástrico, fenda pulmonare epigino,
fiandeiras (primitivamente 4 pares, maioria é reduzido para 3,
sendo 1 muito pequeno)
Mais de 42.000 espécies
Tamanho muito variado de 0,5mm até 10cm
Prossomo
Opistossomo
Olhos (geralmente
oito)
Quelícera
Pedipalpo
Ordem Aranae
Pernas
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
/
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Dentes das quelíceras
Segmento basal
Duto de veneno
Presa
Duto de veneno
Glândula de veneno
E qual a diferença entre animais
venenosos e peçonhentos?
Veneno e uma mistura de proteínas animais
utilizada para matar ou paralisar suas presas
Animais peçonhentos devem injetar o veneno
Animais venenosos podem ser
ingeridos/ contato para
intoxicar
Ordem Aranae
Produção de seda – glândulas de seda – fiandeiras
Alimentação: insetos e pequenos vertebrados
As trocas gasosas das aranhas são feitas de duas formas,
através de pulmões foliáceos e traquéias.
Sistema excretorpo glândulas coxais (1° par) e túbulos de
Malpighi
Ordem Aranae
Órgãos sensoriais: 4 pares de olhos, pelos, órgãos sensoriais
emfenda
Os olhos na maioria das aranhas, são incapazes de formaruma
imagemdevido ao número insuficiente de receptores, nas
espécies caçadoras, o número de receptores é maiordo que
nas construtoras de teias, as quais são sedentárias. As aranhas
papa-moscas, que são aranhas que freqüentemente
encontramos em nossas residências, podem perceberuma
imagemnítida de tamanho considerável.
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Alguns machos de
aranhas
possuem bulbos ao
fim do seus pedipalpos
que eles as usam para
segurar esperma
quando eles empurram
para a abertura
geninal feminina
Habilidade de construir teias
Gafanhoto, enlaçado e preso na teia da
aranha dourada de jardim (Argiope
aurantia) é embrulhado na teia enquanto
ainda vivo
Dolomedes triton ao capturar um peixe
• Dead bat
(Rhinolophus
cornutus orii) caught
in the web of a
female Nephila
pilipes on Amami-
Oshima Island, Japan
(photo by Yasunori
Maezono, Kyoto
University, Japan)
Photo by Yasunori Maezono, Kyoto University, Japan
• Adult female Avicularia urticans feeding on a Greater Sac-winged Bat
(Saccopteryx bilineata) on the side of a palm tree near the Rio Yarapa, Peru
(photo by Rick West, Victoria, Canada).
http://www.wired.com/wiredscience/2013/03/bat-eating-spiders/?
cid=co6392994&pid=6442&viewall=true
Fio de reboque
Sistemática de Aranae
• Aranhas são divididas em duas subordens,
Opistothelae e Mesothelae (Platnick & Gertsch,
1976).
• Mesothelae inclui a infraordem Liphistiomorphaea,
composta por aranhas que retém caracteres
primitivos, como traços de segmentação abdominal.
Mesothelae é encontrada exclusivamente na Ásia
(Brescovit et al, 2002).
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Ordem Aranae
Opistothelae, por sua vez, engloba as infraordens
Mygalomorphae e Araneomorphae, reconhecidas
pelas posições paraxial (paralela) e diaxial de suas
quelíceras, respectivamente.
• Mygalomorphae inclui as aranhas
conhecidas como caranguejeiras, que
possuem além da disposição paralela das
quelíceras, geralmente, apenas dois pares de
fiandeiras. Esta ordem é bem menos diversa
do que Araneomorphae, que engloba
aproximadamente 90% das aranhas
viventes.
• Araneomorphae ainda difere de
Mygalomorphae pela presença de três pares
de fiandeiras.
• Orthognatha (subordem Mygalomorphae, que
chamamos popularmente de aranhas
caranguejeiras): possuem os ferrões
inoculadores de veneno paralelos
(paralelodonte) entre si e ao eixo longitudinal
do corpo, picam movimentando os ferrões de
cima para baixo.
Ordem Aranae
As Lycosidae e as Agelenidae, tem a capacidade de se
autotomizar(auto amputar) suas pernas, usamesse
mecanismo quando são atacadas, existe umponto de ruptura
pré formado entre a coxa e o trocânterpermitindo a ruptura e
um rápido fechamento da ferida.
Sistema reprodutivo
Trnsferência espermática direta através do pedipalpos.
Mordidas de aranha deixam
Duas pequenas punçoes
Se injetada a toxina
é particularmente
potente,
as enzimas
digestivas podem
causar grande dano
tecidual
Classe Arachnida
Classe Arachnida
Ordem Aranae
No Brasil temos quatro aranhas que consideramos
como perigosas, que são a Viúva negra (Latrodectus
sp) Família Theridiidae,
Aranha armadeira (Phoneutriasp) Família Ctenidae,
Aranha marrom(Loxosceles sp) Família Scytodiidae
Tarântula (LycosaerythrognathaouScaptocosa
raptoria) Família Lycosidae.
Classe Arachnida
Aranha armadeira (Phoneutria)
Phoneutria nigriventer - fêmea
Mortes humanas por picadas
são raras
Principais espécies: Phoneutriafera(Amazonas),
Phoneutriarufibarbis ( Amapá, Guianas, Amazonas,
Pará), Phoneutriakeiserlingi ( Espírito Santo até
Buenos Aires, nas baixadas fluminense e santista) e
Phoneutriaboliviensis ( Bolívia).
• Phoneutria fera, família Ctenidae;
Classe Arachnida
Tamanho aproximado de 6 cm, corpo e pernas castanhos,
possuem fileiras de manchas claras no dorso do abdômen,
são agressivas, podendo pular para picar. Os acidentes
ocorrem quando colocamos a mão em ambientes escuros,
ou dentro de caixas, calçamos os sapatos, etc., a aranha
pica ao sentir o movimento a sua frente, o que para ela é
uma ameaça.
Tempo de vida : dois a 4 anos,
Possuem hábitos crepusculares e noturnos, alimentando-
se de insetos em geral, como são errantes, não constroem
teias, caminham em vários locais a fim de buscar alimento,
ocorrendo a entrada nas residências para se abrigar
também.
Classe Arachnida
Apicadaprovocadorintensaquepersistedurantes algumas
horas eirradia-seportodaaregião, ocasionandoquedade
pressão, prostração, tontura, vômitos, dispnéia, sudorese,
aumento das secreções glandulares eespasmos.
Classe Arachnida
Aranha marrom(Loxosceles)
Classe Arachnida
Aranhamarrom: Loxosceles intermedia, L. leta
Características distintivas: Olhos qenúmero de6emtrês
pares.
Sãoaranhas pequenas, deaproximadamente1,5cmde
tamanho, seuabdômenaparentaserglabro, mas ao servista
nalupa, podemos verapresençadepêlos, possuemaindaas
pernas finas. Nãosãoagressivas, picandosomentequando
sãocomprimidas aocorpo, como porexemplovestimos uma
calça, umsapato, umboné, etc.
Éconsideradaumaaranhadoméstica, ousejavivementreos
seres humanos, nãosãoexclusivamentesilvestres. Porisso
os acidentes sãodecertaformamais fáceis deocorrer.
Classe Arachnida
Fazemumateiaqueparecefios dealgodãoqueformam
umtipodelençol, semumaformadefinida, ondeafunila
paraumburaconobarranco, raízes, folhas caídas,
montes detelhas, tijolos, etc., vivememambientes
escuros eúmidos.
• Alim e ntam -se de pe q ue no s inse to s
alado s, baratas, g rilo s, q ue e ntram na
re g ião de se u re fúg io , co stum am
e nvo lve r sua pre sa e m te ia para de po is
co m e r. Pro duz e m um a o o te ca
arre do ndada, de co r branca q ue
co ntê m de 6 0 a 20 0 o vo s, co m
g e stação de apro xim adam e nte 23 dias.
Vive m ce rca de um ano e m e io .
Classe Arachnida
Seuveneno nãoprovocamuito efeito quando aplicados em
camundongos, ratos, coelhos, ououtros animais delaboratório.
Mas paraoserhumano, seuefeitoémuitointenso podendolevar
amorteumacriançaouumadulto debilitado. Suatoxinatem
açãonecrosante, provocando ações lesivas como proteolítica,
hemolíticaecoagulante.
Viúva Negra
Latrodectus mactans
Classe Arachnida
EspécieBrasileira: Latrodectus geometricus (Rio Grande do
Sul, São Paulo, Guanabara, Rio de Janeiro),
Pequenas, de aproximadamente 2 cm, os machos são bem
menores que a fêmea, possuemo abdômen globoso,
apresentam no ventre uma mancha vermelha em forma de
ampulheta que caracteriza essa espécie. Não são agressivas,
picamsomente quando comprimidas ao corpo, como por
exemplo quando calçamos umsapato, ou colocamos um
boné.
Ocorremem vegetação arbustiva, e podemaparecerperto
de residências também.
Classe Arachnida
O abdômen não apresenta a coloração negra, cefalotórax
amarelo castanho, palpos e pernas amarelos, com anéis
escuros emtodos os segmentos, abdômen esbranquiçado no
dorso e dos lados contendo manchas geometricamente
distribuídas. É uma viúva negra que não oferece tanto perigo
pela picada, ocorrendo acidentes semgravidade. Habitam
muitos lugares, inclusive nos arredores das residências, onde
podemos encontrarvárias aranhas com seus ninhos perto uma
das outras. Sua ooteca (saco de ovos), temo formato de uma
esfera comespinhos, de coramarelo claro, em sua teia
podemos encontrarmais uma ooteca, contendo cada uma de
100 a 400 ovos. Onde seus filhotes depois de nascerempodem
viajarpara longe, pois podem dispersarpelo vento. Vivem
aproximadamente dois anos.
Classe Arachnida
Logo após a picada, aproximadamente depois de 35
minutos, inicia-se uma dorlocal, do tipo mialgia, de
intensidade e extensão variáveis, sudorese, agitação
psicomotora, podemocorrertambéma taquicardia,
hipertensão arterial e arritimias cardíacas, dores
abdominais, cãibras. O veneno da viúva negra temação
neurotóxica. Vítimas como crianças, pessoas com
cardiopatias, gestantes e idosos, são considerados como do
grupo de risco, devendo sero tratamento, mais
intensificado devido a probabilidade de posteriores
complicações.
Entre 1980 e 1990, foramregistrados 64 casos
na Bahia e acidentes isolados no Rio de Janeiro, Niterói, e
Agudos. Alguns casos fatais foramdescritos no Chile, EUA,
África, Austrália, Europa, etc.
ARANHA TARÂNTULA (Lyco sa e rythro g natha )
Classe Arachnida
Comuns no nosso dia a dia, quem tem umjardimcom
gramado ou perto de piscinas, já deve tervisto uma aranha
que corre rápido quando descoberta. Não é agressiva, mas
pica se molestada ou quando colocamos a mão ou os pés
acidentalmente. É encontrada praticamente pelo mundo
todo, até emregiões frias cobertas de gelo. Adaptam-se
facilmente a vários ambientes.
Classe Arachnida
Corpo comcoloração marrom, 5 cm de envergadura das
pernas, quelíceras com pêlos vermelhos.
Ocefalotórax possuemfaixas claras e no dorso do
abdômen existe umdesenho preto em forma de seta que é
a característica principal. o macho geralmente é menos
robusto que a fêmea, tema coloração do corpo
acinzentada e o abdômen sempre menos volumoso.
Classe Arachnida
A fêmea produz uma ooteca de corcinza, que possui emmédia
800 ovos ou mais, é normal produzirtrês ootecas depois da
cópula, sendo que pode morrerapós a última postura.
A ooteca é presa porteia sob as fiandeiras onde ela carrega para
todo o lugar, quando os filhotes nascem, estes sobemno dorso da
mãe até completaras trocas de pele necessárias para que consiga
caçarsozinho.
Vivem cerca de dois anos e meio, costumam cavargalerias onde
se refugiam, os machos são errantes.
http://farm1.static.flickr.com/26/97224458_dd9c3a6c9d.jpg
Tarântula pink ('Ephebopus cyanognathus'), pertence a família Theraphosidae. Seu habitat natural
é em profunda tocas subterrâneas que são muitas vezes construídos com ajuda de troncos
caídos.
Classe Arachnida
A sua picada produz uma ardência no local, sem maiores
conseqüências, a dorpode seracalmada através de analgésicos
orais.
Classe Arachnida
Caranguejeiras
São as aranhas mais temidas pelo serhumano, devido ao seu
grande porte, seu corpo recoberto de pêlos, sua aparência
agressiva, mas seu veneno não chega a tergrandes efeitos em
um humano. 
A defesa de algumas caranguejeiras são seus pêlos existentes
no dorso do abdômen, os quais ela libera esfregando suas
pernas traseira, que vão provocarirritações na pele e mucosas
do seu possível predador.
Não são agressivas, só picamse foremmolestadas ou
manuseadas de forma errada.
Classe Arachnida
As caranguejeiras fazem faxina tambémno seu viveiro, limpam
os resíduos, colocando-os nos cantos e às vezes tecemuma
camada de teia emcima da superfície suja.
Algumas caranguejeiras podem viverpor25 anos, o macho de
caranguejeira tece uma outra teia que chamamos de teia
espermática, onde ele vai depositarseu sêmen e coletarcom os
bulbos copuladores para o acasalamento.
É normal a fêmea mataro macho, principalmente se ele for
descuidado, a fêmea põe de 200 a 800 ovos, faz um casulo
contendo os ovos e protege-os durante um tempo onde ajuda os
filhotes, fazendo um orifício para que possam sair.
Classe Arachnida
Existem as caranguejeiras de alçapão, que cavam um
buraco, revestem-o de teia e constroem uma tampa para seu
abrigo, ficam dentro do abrigo até que uma presa passe por
perto. Existe teia nos arredores do alçapão e ela percebe as
vibrações da vítima. No Brasil existem cerca de 300 espécies
diferentes, com formas e tamanhos variados.
Classe Arachnida
Opiliones
• 3.200 espécies.
• Habitam regiões de clima tropical e temperado,
preferindo sempre lugares úmidos, folhiço,
troncos, rochas e emcavernas
• Possuem glândula de cheiro ou repugnatória.
http://www.efn.uncor.edu/dep/divbioeco/DivAni1/luis/op/OP.html
Realizam
autotomia
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
• Boophilus annulatus
ACARI
• 30,000 descritas, embora haja estimativas de que
existam em torno de 500,000 a 1 milhão de
espécies.
• Muitas são encontradas no folhiço das florestas,
ambientes terrestres, aquáticos…
• Muitos são parasitas durante um ou mais estágios
do ciclo de vida.
• Muitos são menores que 1 mm de comprimento.
• Carrapatos podem alcançar até 3 cm.
• Completa fusão do cefalotórax e abdome
Dermacentor variabilis
(ordem Acari). Larva, ninfa
e adultos são todos
parasitas, mas deixam seus
hospedeiros para muda da
próxima fase
Veludo vermelho,
Trombidium sp. Tal como acontece
com as larvas (Trombicula), apenas
larvas de Trombidium são parasitas.
Ninfas e os adultos são de vida livre e
se alimentam de insetos ovos e
pequenos invertebrados.
• Peças bucais projetam-se em uma estrutura
chamada de Capítulo.
• O Capítulo consiste de principalmente de
apêndices alimentares que circundam a
boca.
• Em cada lado da boca está a quelicera, que
funciona como perfurador da comida.
Lateral as queliceras está um par de
• Pedipalpos que está relacionado com a
alimentação
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Eletromicrografia de scanning do ácaro do pó doméstico
, Dermatophagoides farinae.
Sarcoptes scabiei,
Danos a Chamaedorea sp.
(palmeira) causada por
carrapatos da família
Tetranychidae (order
Acari). Mais de 130
espécies dessa família
ocorrem na América do
Norte e alguns causam
problemas sérios a
agricultura. Carrapatos
perfuram as células da
planta e sugam seus
constituintes, dando as
folhas a aparência
amarelada e murcha
mostrada aqui
Classe Pycnogonida

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Subfilo Miriápodes
Subfilo Miriápodes Subfilo Miriápodes
Subfilo Miriápodes
MarianeSGS
 
Os artrópodes
Os artrópodesOs artrópodes
Os artrópodes
Victor Hugo
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
InsetosInsetos
Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
MarianeSGS
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Marcos Alan
 
Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
paulogrillo
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
letyap
 
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragasTaxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Centro Educacional Êxito
 
Quilópodes
QuilópodesQuilópodes
Quilópodes
Jonathan Araújo
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
URCA
 
Apêndices dos arthropoda
Apêndices dos arthropodaApêndices dos arthropoda
Apêndices dos arthropoda
Fábio Ianomami
 
Polychaeta e Chaetognata
Polychaeta e ChaetognataPolychaeta e Chaetognata
Polychaeta e Chaetognata
PriscilaTeixeiraAmaral
 
classe insecta.Bio
classe insecta.Bioclasse insecta.Bio
classe insecta.Bio
Malu Anacleto
 
Artrópodes oficial
Artrópodes   oficialArtrópodes   oficial
Artrópodes oficial
Animais Amados
 
Entomologia
EntomologiaEntomologia
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
Jean Carlos Wittaczik
 
Chelicerata
ChelicerataChelicerata
Chelicerata
Rafael Rodrigues
 
Apostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geralApostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geral
Fabricia Maisa
 
Hemichordata, anfíbios e répteis
Hemichordata, anfíbios e  répteisHemichordata, anfíbios e  répteis
Hemichordata, anfíbios e répteis
Sabrina Venceslau
 

Mais procurados (20)

Subfilo Miriápodes
Subfilo Miriápodes Subfilo Miriápodes
Subfilo Miriápodes
 
Os artrópodes
Os artrópodesOs artrópodes
Os artrópodes
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 
Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
 
Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragasTaxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
 
Quilópodes
QuilópodesQuilópodes
Quilópodes
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
Apêndices dos arthropoda
Apêndices dos arthropodaApêndices dos arthropoda
Apêndices dos arthropoda
 
Polychaeta e Chaetognata
Polychaeta e ChaetognataPolychaeta e Chaetognata
Polychaeta e Chaetognata
 
classe insecta.Bio
classe insecta.Bioclasse insecta.Bio
classe insecta.Bio
 
Artrópodes oficial
Artrópodes   oficialArtrópodes   oficial
Artrópodes oficial
 
Entomologia
EntomologiaEntomologia
Entomologia
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
 
Chelicerata
ChelicerataChelicerata
Chelicerata
 
Apostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geralApostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geral
 
Hemichordata, anfíbios e répteis
Hemichordata, anfíbios e  répteisHemichordata, anfíbios e  répteis
Hemichordata, anfíbios e répteis
 

Semelhante a Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata

Capítulo 07 invertebrados II
Capítulo 07   invertebrados IICapítulo 07   invertebrados II
Capítulo 07 invertebrados II
Igor Brant
 
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermosAnelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
amollaop
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
tenenteleu123
 
3 cordados
3 cordados3 cordados
Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011
Raissa Araujo
 
Slide artropodes
Slide artropodesSlide artropodes
Slide artropodes
GabrielGabriolo
 
Arthropoda 1
Arthropoda 1Arthropoda 1
Arthropoda 1
Fabio Santos Nery
 
Filo chordata
Filo chordataFilo chordata
Filo chordata
TayssaAquila
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
Márcio Cavallini
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Iuri Fretta Wiggers
 
2016 Frente 2 módulo 1 o tegumento dos animais
2016 Frente 2 módulo 1 o tegumento dos animais2016 Frente 2 módulo 1 o tegumento dos animais
2016 Frente 2 módulo 1 o tegumento dos animais
Colégio Batista de Mantena
 
Zoologia dos Vertebrados
Zoologia dos VertebradosZoologia dos Vertebrados
Zoologia dos Vertebrados
Alline Sa
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Filo Arthropoda Modificado
Filo Arthropoda ModificadoFilo Arthropoda Modificado
Filo Arthropoda Modificado
profatatiana
 
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
Zoo 2   de anelídeos a equinodermosZoo 2   de anelídeos a equinodermos
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
aulasdotubao
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
hackroots
 
Aula de-artropodes 2017
Aula de-artropodes 2017Aula de-artropodes 2017
Aula de-artropodes 2017
colegiodesafio
 
Os Répteis
Os RépteisOs Répteis
Os Répteis
Arthur da Veiga
 
Arthropoda 2
Arthropoda 2Arthropoda 2
Arthropoda 2
Fabio Santos Nery
 
Filo dos cordados atual
Filo dos cordados atualFilo dos cordados atual
Filo dos cordados atual
OTO SABINO
 

Semelhante a Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata (20)

Capítulo 07 invertebrados II
Capítulo 07   invertebrados IICapítulo 07   invertebrados II
Capítulo 07 invertebrados II
 
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermosAnelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
3 cordados
3 cordados3 cordados
3 cordados
 
Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011
 
Slide artropodes
Slide artropodesSlide artropodes
Slide artropodes
 
Arthropoda 1
Arthropoda 1Arthropoda 1
Arthropoda 1
 
Filo chordata
Filo chordataFilo chordata
Filo chordata
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
2016 Frente 2 módulo 1 o tegumento dos animais
2016 Frente 2 módulo 1 o tegumento dos animais2016 Frente 2 módulo 1 o tegumento dos animais
2016 Frente 2 módulo 1 o tegumento dos animais
 
Zoologia dos Vertebrados
Zoologia dos VertebradosZoologia dos Vertebrados
Zoologia dos Vertebrados
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Filo Arthropoda Modificado
Filo Arthropoda ModificadoFilo Arthropoda Modificado
Filo Arthropoda Modificado
 
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
Zoo 2   de anelídeos a equinodermosZoo 2   de anelídeos a equinodermos
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Aula de-artropodes 2017
Aula de-artropodes 2017Aula de-artropodes 2017
Aula de-artropodes 2017
 
Os Répteis
Os RépteisOs Répteis
Os Répteis
 
Arthropoda 2
Arthropoda 2Arthropoda 2
Arthropoda 2
 
Filo dos cordados atual
Filo dos cordados atualFilo dos cordados atual
Filo dos cordados atual
 

Mais de Filipe Augusto Gonçalves de Melo

Carioteca cromatina
Carioteca cromatinaCarioteca cromatina
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii SarcopterygiiOsteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Técnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celularTécnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celular
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Morfologia celular
Morfologia celularMorfologia celular
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Osmo regulação excrecao
Osmo regulação excrecaoOsmo regulação excrecao
Osmo regulação excrecao
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Filo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustaceaFilo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustacea
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 

Mais de Filipe Augusto Gonçalves de Melo (8)

Carioteca cromatina
Carioteca cromatinaCarioteca cromatina
Carioteca cromatina
 
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii SarcopterygiiOsteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
 
Técnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celularTécnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celular
 
Morfologia celular
Morfologia celularMorfologia celular
Morfologia celular
 
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
Gnatostomados – vertebrados com mandíbulas 2
 
Osmo regulação excrecao
Osmo regulação excrecaoOsmo regulação excrecao
Osmo regulação excrecao
 
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
 
Filo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustaceaFilo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustacea
 

Último

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata

  • 2. •Os Artrópodes (do grego arthros: articulado e podos: pés, patas, apêndices) são animais invertebrados caracterizados por possuírem membros rígidos e articulados. • São o maior grupo de animais existentes, as classes são insetos, arachnida, crustáceos, quilópodes e diplópodes. Filo:Arthropoda
  • 3. Artrópodos • Maior grupo de espécies do Reino Animal (+ - ¾ de todas espécies). • Segmentados (pelo menos nos estágios embrionários) • Protostomados • Sistema nervoso ganglionar com um cérebro anterior dorsal e cordão nervoso ventral • Apresenta apêndices articulados
  • 5. • Corpo dividido em cabeça (cephalon) e regiões do tronco; comumente com maior especialização regional do corpo ou tagmose; tipicamente com uma carapaça na cabeça.
  • 8. • Cutícula forma exoesqueleto bem desenvolvido, geralmente com placas grossas esclerotizadas (escleritos) consistindo de tergitos dorsais, pleuritos laterais e esternitos ventrais. • Cutícula de exoesqueleto consiste de quitina e proteína (incluindo resilina), com grau variável de calcificação; sem colágeno
  • 10. Conquista do ambiente terrestre • Apêndices articulados: facilita a locomoção • Exoesqueleto quitinoso (exclusividade) – Tergo: dorsal – Pleuras: laterais – Esterno: ventral Desaparecimento deste padrão e ocorreu fusão das placas, dividindo o corpo do animal em regiões: TAGMAS
  • 11. Exoesqueleto Muda ou Ecdise Controle hormonal: Ecdisona Instares: estágios entre as mudas Se torna maior a medida que o animal fica mais velho Em crustáceos – ecdisona produzido pelo órgão Y (base dos pêndices bucais) Durante o período intermuda, hormônio inibidor da muda é produzido pelas células secretoras do órgão X, localizada No pedúnculo ocular
  • 12. Crescimento Artropoda (real crescimento tecidual) Aparente crescimento de Artropoda devido a muda Crescimento de não Artrópoda Muda Muda Muda Muda Tempo Tamanhodocorpo rescimento de Artropoda versus não Artropoda. Linha escura dica o padrão de incremento de um artropodo quando medido or mudanças no tamanho externo do corpo associado com mudas. linha pontilhada retrata o real crescimento tecidual. A linha cinza retra crescimento típico de um não artrópodo
  • 17. APÊNDICES Endópodo Protópodo Exópodo Mer o Carpo Própod o Dáctilo Ísquio Base Epípodos Endito Apêndices do corpo de artrópodos (A)Um apêndice birreme generalizado de Crustáceo. (B) um apêndice Filopodial de crustáceo; (C) uma perna unirreme; (D) o apêndice do tronco de um Trilobita; (E) Perna unirreme de escorpião; (F) perna Unirreme de Gafanhoto Endito (gnatobase) Endópodo Mer o Base Ísquio Carpo Própod o Dáctilo EndópodoExópodo Epípodos (branquias) Telópodo Tarso RamoFilamento Gnatibases
  • 20. Órgãos sensoriais • Sensilos: podem ser cerdas, pelos, cabides, buracos, fendas. – Função: monitorar o ambiente externo – Apresentam neurônios receptores: quimiorreceptores, mecanorreceptores • Olhos: muito variados – simples ou compostos – Podem perceber apenas a intensidade da luz ou formar imagens
  • 23. Sistema Circulatório • Aberto com desenvolvimento da hemocele. • Coração dorsal primitivo e tubular. • Vasos sanguíneos e hemocele. • Apresenta óstios laterais pareados para a entrada do sangue. • Pigmento respiratório: Hemocianina.
  • 24. Sistema Circulatório Aberto Insecta - Arthropoda Coração Cordão Nervoso Corações auxiliares
  • 25. Coração Òstio Organização do sistema circulatório de artrópoda. Setas indicam a direção do fluxo sanguineo. A aorta pode ser contrátil e força o fluxo sanguineo. As ramificações da aorta fornecem sangue aos tecidos do corpo
  • 26. Sistema Excretor • Túbulos de Malpighi – Centopéias, piolhos de cobra, insetos, aracnídeos • Sáculos (ex. glânduxas coxais, glandulas antenais...)
  • 28. Sistema Digestivo • Intestino anterior: – Ingestão, trituração, armazenamento – Componentes muito variados (dieta e modo de alimentação) • Intestino médio: – Digestão e absorção – Pode ter sua área aumentada por evaginações • Intestino posterior: – Absorção de água e formação das fezes
  • 29. Reprodução • Maioria dióica e com fecundação cruzada. • Ocorre partenogênese em alguns grupos. • Fertilização interna em indivíduos terrestres e externa nos aquáticos. • Pode haver emprego de apêndices modificados para auxiliar transferência de esperma (com ou sem cópula). • Podem apresentar padrões de comportamento muito complexos relacionados ao cuidado da prole e organização social.
  • 30. • Forte hipótese de que se originaram de ancestrais celomados protostomios segmentados. • Evidências sustentam a posição de Onycophora e Tardigrada como grupos proximamente relacionados. • Onycophora + Tardigrada + Artropoda = Parnartropoda
  • 31. Classificação segundo Brusca e Brusca 2003 • Subfilos: • Trilobita (Trilobitomorpha): Marinhos todos extintos; viveram do Cambriano ao período Carbonífero; corpos dividos em três lobos longitudinais; cabeça tórax e abdome presentes; um par de antenas e apêndices birremes • Chelicerata: Corpo usualmente divididos em prossoma e opistossoma; primeiro par de apêndices modificados em pinças (quelíceras) e usados na alimentação límulus, escorpiões, aranhas e ácaros
  • 32. • Crustacea Muitos aquáticos, cabeça com dois pares de antenas, um par de mandíbulas e dois pares de maxilas; apêndices birremes. ( copépodas, cracas, camarões, lagostas, caranguejos,...) • Unirramia: Cabeça com um par de antenas e usualmente um par de mandíbulas: miriápodes (Centopéias, piolhos-de-cobra , lacraias), Insetos e seus relacionados
  • 33. Chelicerata • 75.000 espécies descritas • Composta por três grupos: Merostomata (límulos), Arachnida (escorpiões, aranhas, ácaros e opiliões) e os Pygnogonida (aranhas-do-mar) • Arachnida – 98% das espécies Glândulas de veneno Glândulas de seda
  • 34. Mandibulata (Crustacea + Tracheata) • Tracheata (unirramia) = Myriapoda (centopéias e piolhos de cobra) e Hexapoda (Entognata + Insecta). • Entognata (Collembola, Diplura, Protura). • Insecta (Archaeognatha, Zygentoma e Pterygota).
  • 35. Myriapoda Corpo com cápsula cefálica e tronco não diferenciado.
  • 36. Relações com outros Filos • (C) Cephalobaena tetrapoda (Pentastomida). (A) Peripatopsis sp. (Onychophora); (B) Pseudechiniscus suillus (Tardigrada)
  • 37. Onycophora • Aproximadamente 200 espécies • Terrestres, ambientes úmidos
  • 38. • Distribuem-se pela Américas Central, do Sul, África, Austrália. Massas continentais derivadas da Godwana • Possuem combinação de características em comum com artropodos e annelida. • Possuem fina cutícula parecida com a de Arthropoda
  • 39. Distribuição das famílias Peripatidae e Peripatopsidae
  • 40. • Parede corpórea é como em Annelida, como o método de locomoção, pernas não segmentadas, o sistema excretor e o sistema nervoso. Lobópodo
  • 41. • Características artropodianas incluem uma cavidade hemocélica, desenvolvimento e estrutura das maníbulas, presença de glândulas salivares, sistema circulatório aberto, sistema circulatório traqueal, e quelas nas pontas das pernas
  • 43. • Formato de corpo similar • Tagmose restrita a cabeça que tem três segmentos, • As vesículas eversíveis (tomada de umidade) estão presentes em Diplopoda e Symphyla, bem como em alguns onicóforos, • Glândula digestiva ausente, • Intestino médio similar.
  • 44. • Tratos genitais de Onychophora parecem com aqueles de miriapodas. • Gonóporo é subterminal. • E certas características de desenvolvimento são comum a ambos os grupos.
  • 45. Sub filo Trilobita • Extintos, Marinhos - 3.900 sp • Cada segmentos pós oral possuia um par de apêndices semelhantes • Região cefálica anterior, Região do tronco média (segmentos não fundidos) e Pigídeo (região posterior) • Um par de antenas e um par de olhos dorso- laterais • Escavadores, rastejadores, epibentônicos, planctônicos e nadadores • 3 a 10 cm (0,5mm)
  • 49. Sub filo Chelicerata • Classe Merostomata – Sub classe Xiphosura: Lim ulus po lyphe m us : Costa noroeste do Atlântico e Golfo do méxico Águas rasas de fundo macio 60 cm de comprimento
  • 50. Lim ulus po lyphe m us
  • 51. Lim ulus po lyphe m us Fósseis
  • 56. um olho só.) Em 1785, o zoólogo dinamarquês Otto Müller resolveu a questão. Havia quem realmente achasse que o animal só tinha um olho. Müller transferiu o límulo para um gênero próprio, o ‘Limulus’, que significa ‘pequeno oblíquo’, por causa do formato de sua carapaça. O límulo é um animal fantástico mesmo. Seu sangue não tem hemoglobina, que utiliza ferro para transportar oxigênio, mas hemocianina, que utiliza cobre. Por isso, seu sangue é azul. Ele não tem um sistema imunológico e não é capaz de desenvolver anticorpos para combater infecções. No entanto, o seu sangue contém um elemento que coagula em torno de agentes invasores e os dissolve. 
  • 57. • Por isso, o límulo possui uma grande importância médica. A indústria farmacêutica utiliza um extrato de seu sangue, o Lisado do Amebócito do Límulo (LAL), para testar medicamentos, vacinas e dispositivos médicos a fim de verificar se não estão contaminados. Até hoje, não existe outra opção tão simples e confiável quanto o uso do LAL para realizar essas ações.
  • 58. Classe Eurypterida Escorpiões do mar Arthopodos gigantes EXTINTOS Aquáticos Ordoviciano – Permiano
  • 61. Classe Arachinda • Classificação: – Ordem Escorpiones: Escorpiões – Ordem Palpígrados: Palpígrados – Ordem Schizomida: Esquizomídeos – Ordem Uropygi: Escorpiões-vinagre – Ordem Aranae: Aranhas – Ordem Amblypygi: Amblipígeos – Ordem Ricinulei: Ricinúleos – Ordem Pseudoscorpiones: Pseudoescorpiões – Ordem Solifugae: Solífugos – Ordem Opiliones: Opiliões – Acari: grupo de 7 ordens que contém ácaros e carrapatos
  • 62. • Amblipigios: • Arácnideos de aparência perigosa porém completamente inofensivos. • Entre 0.5cm-5cm. • Hábitos noturnos, vivem em climas tropicais e subtropicais. • São chamados de aranhas coração, aranhas estrela, escorpião rei, entre outros. • Sas patas dianteiras podem medir até 30cm!!!
  • 63. • Desenho esquemático de Amblypygi. Figura retirada de Brusca & Brusca, 2007.
  • 65. Pseudoescorpiões: • Aracnídeos diminutos e inofensivos. • Parecem escorpioes porém sem cauda. • Entre 0,2-0,8cm.
  • 66. Pedipalpos dos pseudoescorpiões são quelados. Eles possuem pequenas esporas neles que transmitem veneno quando os fecham na presa
  • 67. Uropygi: • Aracnídeos parecidos com amblipígios, porém com cauda. • São inofensivos pois não possuem glândulas venenosas. • Entretanto, têm glândulas anais que segregam um líquido parecido com vinagre (84% ác. acético). Igualmente inofensivo para o ser humano.
  • 68. • Medem entre 2cm-6cm. • De hábitos noturnos e carnívoros, habitam regiões tropicais e subtropicais.
  • 70. Classe Arachnida • Mais comuns: escorpiões, aranhas, ácaros e carrapatos. • Grupo mais antigo (escorpiões – 400m.) • Prossomo não segmentado (coberto por carapaça sólida) • 1 par de quelíceras • 1 par de pedipalpos • 4 pares de pernas
  • 71. • Além dos caracteres morfológicos que permitem o reconhecimento dos aracnídeos (quatro pares de pernas, quelíceras e divisão do corpo), há um conjunto de caracteres que definem Arachnida como um grupo natural:
  • 72. • 1. Órgãos sensoriais em fenda • 2. Túbulos de Malpighi; • 3. Boca orientada anteriormente; • 4. Perda da borda pleural da carapaça; 5. Pulmões foliáceos.
  • 73. • Órgão em fenda em quelícera de Elaver sp., foto de microscopia eletrônica de varredura. R. Saturnino
  • 74. Classe Arachnida • Carnívoros • Digestão inicialmente extra-corpórea • Boca, faringe bombeadora, esôfago, intestino anterior, intestino médio, intestino posterior, ânus • Sistema nervoso: – Cérebro dividido em Protocérebro e Tritocérebro – A maioria dos gânglios localizam-se no gânglio subesofágico • Órgãos sensoriais: pelos sensoriais, olhos, órgãos sensoriais em fenda
  • 77. Classe Arachnida • Sistema respiratório: – Pulmões laminares ou foliáceos – Espiráculo: fenda – Traquéias: tubos internos – Aracnídeos menores (pseudo-escorpiões e algumas- aranhas)
  • 78. Lamela do Pulmão Fluxo sanguineo Entre as lamelas Câmara de ar Músculo Fluxo de ar através do espiráculo
  • 79. Classe Arachnida • Sistema circulátório: – Coração: localizado na metade anterior do abdômen, – 7 pares de óstio, cada um correspondendo a um segmento – Apresenta aortas e artérias – Sangue descarregado das artérias para os espaços interteciduais (Sist. Circ. aberto)
  • 80. Classe Arachnida • Sistema reprodutivo: – Orifício genital ventral no segundo segmento abdominal – Transmissão de esperma direta ou com espermatóforo – Desenvolvimento direto
  • 81. Ordem Escorpiones • 1 aguilhão posterior que apresenta em sua base uma glândula de veneno • Pedipalpos aumentados apresentando 1 quela (garra) • Quelíceras pequenas e com garras • Abdômem (mesossomo)com 7 segmentos • Cauda (metassomo) com 5 segmentos • 1 par de pectinas (pente, plastrão): apêndice sensorial • Espiráculos ventrais se abre nos pulmões laminares • Transferência espermática pelo espermatóforos
  • 82. Ordem Escorpiones Média: 3 a 9 cm Carbonífero: 44 e 86 cm
  • 84. Escorpiões também Possuem pedipalpos Quelados. Eles os usam para segurar suas presas Enquando as envenenam Com seu aguilhão venenoso
  • 88. /
  • 90. Ordem Aranae Latrodectus mactans Viúva negra com ovo Theraphosa blondi Tarântula
  • 91. Ordem Aranae Pedipalpo do macho modificado emórgão copulatório Corpo dividido emprossoma e opistossoma, separados pelo pedicelo Prossomo globoso portando o externo e todos os apêndices Opistossomo: Sulco epigástrico, fenda pulmonare epigino, fiandeiras (primitivamente 4 pares, maioria é reduzido para 3, sendo 1 muito pequeno)
  • 92. Mais de 42.000 espécies Tamanho muito variado de 0,5mm até 10cm Prossomo Opistossomo Olhos (geralmente oito) Quelícera Pedipalpo Ordem Aranae Pernas
  • 94. /
  • 96. Dentes das quelíceras Segmento basal Duto de veneno Presa Duto de veneno Glândula de veneno
  • 97. E qual a diferença entre animais venenosos e peçonhentos? Veneno e uma mistura de proteínas animais utilizada para matar ou paralisar suas presas Animais peçonhentos devem injetar o veneno Animais venenosos podem ser ingeridos/ contato para intoxicar
  • 98. Ordem Aranae Produção de seda – glândulas de seda – fiandeiras Alimentação: insetos e pequenos vertebrados As trocas gasosas das aranhas são feitas de duas formas, através de pulmões foliáceos e traquéias. Sistema excretorpo glândulas coxais (1° par) e túbulos de Malpighi
  • 99. Ordem Aranae Órgãos sensoriais: 4 pares de olhos, pelos, órgãos sensoriais emfenda Os olhos na maioria das aranhas, são incapazes de formaruma imagemdevido ao número insuficiente de receptores, nas espécies caçadoras, o número de receptores é maiordo que nas construtoras de teias, as quais são sedentárias. As aranhas papa-moscas, que são aranhas que freqüentemente encontramos em nossas residências, podem perceberuma imagemnítida de tamanho considerável.
  • 102. Alguns machos de aranhas possuem bulbos ao fim do seus pedipalpos que eles as usam para segurar esperma quando eles empurram para a abertura geninal feminina
  • 103. Habilidade de construir teias Gafanhoto, enlaçado e preso na teia da aranha dourada de jardim (Argiope aurantia) é embrulhado na teia enquanto ainda vivo
  • 104. Dolomedes triton ao capturar um peixe
  • 105. • Dead bat (Rhinolophus cornutus orii) caught in the web of a female Nephila pilipes on Amami- Oshima Island, Japan (photo by Yasunori Maezono, Kyoto University, Japan) Photo by Yasunori Maezono, Kyoto University, Japan
  • 106. • Adult female Avicularia urticans feeding on a Greater Sac-winged Bat (Saccopteryx bilineata) on the side of a palm tree near the Rio Yarapa, Peru (photo by Rick West, Victoria, Canada). http://www.wired.com/wiredscience/2013/03/bat-eating-spiders/? cid=co6392994&pid=6442&viewall=true
  • 108. Sistemática de Aranae • Aranhas são divididas em duas subordens, Opistothelae e Mesothelae (Platnick & Gertsch, 1976). • Mesothelae inclui a infraordem Liphistiomorphaea, composta por aranhas que retém caracteres primitivos, como traços de segmentação abdominal. Mesothelae é encontrada exclusivamente na Ásia (Brescovit et al, 2002).
  • 110. Ordem Aranae Opistothelae, por sua vez, engloba as infraordens Mygalomorphae e Araneomorphae, reconhecidas pelas posições paraxial (paralela) e diaxial de suas quelíceras, respectivamente.
  • 111. • Mygalomorphae inclui as aranhas conhecidas como caranguejeiras, que possuem além da disposição paralela das quelíceras, geralmente, apenas dois pares de fiandeiras. Esta ordem é bem menos diversa do que Araneomorphae, que engloba aproximadamente 90% das aranhas viventes. • Araneomorphae ainda difere de Mygalomorphae pela presença de três pares de fiandeiras.
  • 112. • Orthognatha (subordem Mygalomorphae, que chamamos popularmente de aranhas caranguejeiras): possuem os ferrões inoculadores de veneno paralelos (paralelodonte) entre si e ao eixo longitudinal do corpo, picam movimentando os ferrões de cima para baixo.
  • 113. Ordem Aranae As Lycosidae e as Agelenidae, tem a capacidade de se autotomizar(auto amputar) suas pernas, usamesse mecanismo quando são atacadas, existe umponto de ruptura pré formado entre a coxa e o trocânterpermitindo a ruptura e um rápido fechamento da ferida. Sistema reprodutivo Trnsferência espermática direta através do pedipalpos.
  • 114. Mordidas de aranha deixam Duas pequenas punçoes Se injetada a toxina é particularmente potente, as enzimas digestivas podem causar grande dano tecidual
  • 117. Ordem Aranae No Brasil temos quatro aranhas que consideramos como perigosas, que são a Viúva negra (Latrodectus sp) Família Theridiidae, Aranha armadeira (Phoneutriasp) Família Ctenidae, Aranha marrom(Loxosceles sp) Família Scytodiidae Tarântula (LycosaerythrognathaouScaptocosa raptoria) Família Lycosidae.
  • 118. Classe Arachnida Aranha armadeira (Phoneutria) Phoneutria nigriventer - fêmea Mortes humanas por picadas são raras Principais espécies: Phoneutriafera(Amazonas), Phoneutriarufibarbis ( Amapá, Guianas, Amazonas, Pará), Phoneutriakeiserlingi ( Espírito Santo até Buenos Aires, nas baixadas fluminense e santista) e Phoneutriaboliviensis ( Bolívia).
  • 119. • Phoneutria fera, família Ctenidae;
  • 120. Classe Arachnida Tamanho aproximado de 6 cm, corpo e pernas castanhos, possuem fileiras de manchas claras no dorso do abdômen, são agressivas, podendo pular para picar. Os acidentes ocorrem quando colocamos a mão em ambientes escuros, ou dentro de caixas, calçamos os sapatos, etc., a aranha pica ao sentir o movimento a sua frente, o que para ela é uma ameaça. Tempo de vida : dois a 4 anos, Possuem hábitos crepusculares e noturnos, alimentando- se de insetos em geral, como são errantes, não constroem teias, caminham em vários locais a fim de buscar alimento, ocorrendo a entrada nas residências para se abrigar também.
  • 121. Classe Arachnida Apicadaprovocadorintensaquepersistedurantes algumas horas eirradia-seportodaaregião, ocasionandoquedade pressão, prostração, tontura, vômitos, dispnéia, sudorese, aumento das secreções glandulares eespasmos.
  • 123. Classe Arachnida Aranhamarrom: Loxosceles intermedia, L. leta Características distintivas: Olhos qenúmero de6emtrês pares. Sãoaranhas pequenas, deaproximadamente1,5cmde tamanho, seuabdômenaparentaserglabro, mas ao servista nalupa, podemos verapresençadepêlos, possuemaindaas pernas finas. Nãosãoagressivas, picandosomentequando sãocomprimidas aocorpo, como porexemplovestimos uma calça, umsapato, umboné, etc. Éconsideradaumaaranhadoméstica, ousejavivementreos seres humanos, nãosãoexclusivamentesilvestres. Porisso os acidentes sãodecertaformamais fáceis deocorrer.
  • 124. Classe Arachnida Fazemumateiaqueparecefios dealgodãoqueformam umtipodelençol, semumaformadefinida, ondeafunila paraumburaconobarranco, raízes, folhas caídas, montes detelhas, tijolos, etc., vivememambientes escuros eúmidos.
  • 125. • Alim e ntam -se de pe q ue no s inse to s alado s, baratas, g rilo s, q ue e ntram na re g ião de se u re fúg io , co stum am e nvo lve r sua pre sa e m te ia para de po is co m e r. Pro duz e m um a o o te ca arre do ndada, de co r branca q ue co ntê m de 6 0 a 20 0 o vo s, co m g e stação de apro xim adam e nte 23 dias. Vive m ce rca de um ano e m e io .
  • 126. Classe Arachnida Seuveneno nãoprovocamuito efeito quando aplicados em camundongos, ratos, coelhos, ououtros animais delaboratório. Mas paraoserhumano, seuefeitoémuitointenso podendolevar amorteumacriançaouumadulto debilitado. Suatoxinatem açãonecrosante, provocando ações lesivas como proteolítica, hemolíticaecoagulante.
  • 128. Classe Arachnida EspécieBrasileira: Latrodectus geometricus (Rio Grande do Sul, São Paulo, Guanabara, Rio de Janeiro), Pequenas, de aproximadamente 2 cm, os machos são bem menores que a fêmea, possuemo abdômen globoso, apresentam no ventre uma mancha vermelha em forma de ampulheta que caracteriza essa espécie. Não são agressivas, picamsomente quando comprimidas ao corpo, como por exemplo quando calçamos umsapato, ou colocamos um boné. Ocorremem vegetação arbustiva, e podemaparecerperto de residências também.
  • 129. Classe Arachnida O abdômen não apresenta a coloração negra, cefalotórax amarelo castanho, palpos e pernas amarelos, com anéis escuros emtodos os segmentos, abdômen esbranquiçado no dorso e dos lados contendo manchas geometricamente distribuídas. É uma viúva negra que não oferece tanto perigo pela picada, ocorrendo acidentes semgravidade. Habitam muitos lugares, inclusive nos arredores das residências, onde podemos encontrarvárias aranhas com seus ninhos perto uma das outras. Sua ooteca (saco de ovos), temo formato de uma esfera comespinhos, de coramarelo claro, em sua teia podemos encontrarmais uma ooteca, contendo cada uma de 100 a 400 ovos. Onde seus filhotes depois de nascerempodem viajarpara longe, pois podem dispersarpelo vento. Vivem aproximadamente dois anos.
  • 130. Classe Arachnida Logo após a picada, aproximadamente depois de 35 minutos, inicia-se uma dorlocal, do tipo mialgia, de intensidade e extensão variáveis, sudorese, agitação psicomotora, podemocorrertambéma taquicardia, hipertensão arterial e arritimias cardíacas, dores abdominais, cãibras. O veneno da viúva negra temação neurotóxica. Vítimas como crianças, pessoas com cardiopatias, gestantes e idosos, são considerados como do grupo de risco, devendo sero tratamento, mais intensificado devido a probabilidade de posteriores complicações. Entre 1980 e 1990, foramregistrados 64 casos na Bahia e acidentes isolados no Rio de Janeiro, Niterói, e Agudos. Alguns casos fatais foramdescritos no Chile, EUA, África, Austrália, Europa, etc.
  • 131. ARANHA TARÂNTULA (Lyco sa e rythro g natha )
  • 132. Classe Arachnida Comuns no nosso dia a dia, quem tem umjardimcom gramado ou perto de piscinas, já deve tervisto uma aranha que corre rápido quando descoberta. Não é agressiva, mas pica se molestada ou quando colocamos a mão ou os pés acidentalmente. É encontrada praticamente pelo mundo todo, até emregiões frias cobertas de gelo. Adaptam-se facilmente a vários ambientes.
  • 133. Classe Arachnida Corpo comcoloração marrom, 5 cm de envergadura das pernas, quelíceras com pêlos vermelhos. Ocefalotórax possuemfaixas claras e no dorso do abdômen existe umdesenho preto em forma de seta que é a característica principal. o macho geralmente é menos robusto que a fêmea, tema coloração do corpo acinzentada e o abdômen sempre menos volumoso.
  • 134. Classe Arachnida A fêmea produz uma ooteca de corcinza, que possui emmédia 800 ovos ou mais, é normal produzirtrês ootecas depois da cópula, sendo que pode morrerapós a última postura. A ooteca é presa porteia sob as fiandeiras onde ela carrega para todo o lugar, quando os filhotes nascem, estes sobemno dorso da mãe até completaras trocas de pele necessárias para que consiga caçarsozinho. Vivem cerca de dois anos e meio, costumam cavargalerias onde se refugiam, os machos são errantes.
  • 136. Tarântula pink ('Ephebopus cyanognathus'), pertence a família Theraphosidae. Seu habitat natural é em profunda tocas subterrâneas que são muitas vezes construídos com ajuda de troncos caídos.
  • 137. Classe Arachnida A sua picada produz uma ardência no local, sem maiores conseqüências, a dorpode seracalmada através de analgésicos orais.
  • 138. Classe Arachnida Caranguejeiras São as aranhas mais temidas pelo serhumano, devido ao seu grande porte, seu corpo recoberto de pêlos, sua aparência agressiva, mas seu veneno não chega a tergrandes efeitos em um humano.  A defesa de algumas caranguejeiras são seus pêlos existentes no dorso do abdômen, os quais ela libera esfregando suas pernas traseira, que vão provocarirritações na pele e mucosas do seu possível predador. Não são agressivas, só picamse foremmolestadas ou manuseadas de forma errada.
  • 139. Classe Arachnida As caranguejeiras fazem faxina tambémno seu viveiro, limpam os resíduos, colocando-os nos cantos e às vezes tecemuma camada de teia emcima da superfície suja. Algumas caranguejeiras podem viverpor25 anos, o macho de caranguejeira tece uma outra teia que chamamos de teia espermática, onde ele vai depositarseu sêmen e coletarcom os bulbos copuladores para o acasalamento. É normal a fêmea mataro macho, principalmente se ele for descuidado, a fêmea põe de 200 a 800 ovos, faz um casulo contendo os ovos e protege-os durante um tempo onde ajuda os filhotes, fazendo um orifício para que possam sair.
  • 140. Classe Arachnida Existem as caranguejeiras de alçapão, que cavam um buraco, revestem-o de teia e constroem uma tampa para seu abrigo, ficam dentro do abrigo até que uma presa passe por perto. Existe teia nos arredores do alçapão e ela percebe as vibrações da vítima. No Brasil existem cerca de 300 espécies diferentes, com formas e tamanhos variados.
  • 142. Opiliones • 3.200 espécies. • Habitam regiões de clima tropical e temperado, preferindo sempre lugares úmidos, folhiço, troncos, rochas e emcavernas • Possuem glândula de cheiro ou repugnatória. http://www.efn.uncor.edu/dep/divbioeco/DivAni1/luis/op/OP.html Realizam autotomia
  • 145. ACARI • 30,000 descritas, embora haja estimativas de que existam em torno de 500,000 a 1 milhão de espécies. • Muitas são encontradas no folhiço das florestas, ambientes terrestres, aquáticos… • Muitos são parasitas durante um ou mais estágios do ciclo de vida. • Muitos são menores que 1 mm de comprimento. • Carrapatos podem alcançar até 3 cm.
  • 146. • Completa fusão do cefalotórax e abdome Dermacentor variabilis (ordem Acari). Larva, ninfa e adultos são todos parasitas, mas deixam seus hospedeiros para muda da próxima fase Veludo vermelho, Trombidium sp. Tal como acontece com as larvas (Trombicula), apenas larvas de Trombidium são parasitas. Ninfas e os adultos são de vida livre e se alimentam de insetos ovos e pequenos invertebrados.
  • 147. • Peças bucais projetam-se em uma estrutura chamada de Capítulo. • O Capítulo consiste de principalmente de apêndices alimentares que circundam a boca. • Em cada lado da boca está a quelicera, que funciona como perfurador da comida. Lateral as queliceras está um par de • Pedipalpos que está relacionado com a alimentação
  • 151. Eletromicrografia de scanning do ácaro do pó doméstico , Dermatophagoides farinae.
  • 153. Danos a Chamaedorea sp. (palmeira) causada por carrapatos da família Tetranychidae (order Acari). Mais de 130 espécies dessa família ocorrem na América do Norte e alguns causam problemas sérios a agricultura. Carrapatos perfuram as células da planta e sugam seus constituintes, dando as folhas a aparência amarelada e murcha mostrada aqui