SlideShare uma empresa Scribd logo
Cinema
O cinema foi inventado em
várias localidades diferentes,
e mais ou menos ao mesmo
tempo. O século XIX viu
surgirem, após o advento da
fotografia na década de 1820,
inúmeros aparelhos ópticos
que tinham como função
buscar efeitos de ilusão
relacionados à imagem em
movimento.
Era assim, por exemplo, o
quinetoscópio, inventado pela
equipe de Thomas Edison. O
aparelho exibia uma tira
giratória com imagens
simples, como dançarinas em
movimento, que podiam ser
vistas através de um pequeno
visor.
Quinetoscópio
A busca pela imagem em
movimento que poderia ser
projetada em uma tela
prosseguiu naqueles anos
pioneiros, em que a imagem
fotográfica passava a se
tornar um importante veículo
de comunicação, tanto na
Europa quanto nos Estados
Unidos.
Na última década do século XIX,
Etienne-Jules Marey já havia
tentado imprimir sobre uma chapa
fotográfica os movimentos
sucessivos de um corpo captados
por uma objetiva fotográfica.
Contemporaneamente, nos
Estados Unidos, Edward
Muybridge, usando vários
aparelhos fotográficos
regularmente dispostos, captava as
diversas fases dos movimentos de
homens e animais.
Criança levando bouquet para mulher
1884-85
Um estudo fotográfico de
Edward Muybridge sobre
o movimento do corpo
humano
A exibição pública e paga que
os irmãos Lumière fizeram no
Grand Café, em Paris, em 28
de dezembro de 1895, em
geral é considerada a data
inaugural do cinema. Dois
meses antes, porém, os
alemães Max e Emil
Skladanowsky já haviam feito
projeções em Berlim. Edison
também faria exibições nos
Estados Unidos pouco depois.
O cinematógrafo, aparelho
inventado pelos comerciantes de
produtos fotográficos Louis e
Auguste Lumière, porém,
apresentava várias vantagens em
relação às invenções semelhantes:
era ao mesmo tempo câmera,
projetor e copiador, além de ser
mais leve e funcional e utilizar a
velocidade de projeção de 16
quadros por segundo – padrão
muito mais próximo do cinema
atual.
cinematógrafo
A mecânica que possibilita o
cinema analógico é simples:
as imagens são captadas
através de um processo
fotoquímico e inscritas em
uma fita de celulóide, suporte
fotográfico flexível que
permite ao filme deslizar
sobre o projetor.
Cada uma destas pequenas
fotografias é um fotograma, e
são necessários milhares de
fotogramas projetados
sequencialmente em uma
velocidade determinada para
que se possa exibir uma cena
cinematográfica curta e criar a
ilusão do cinema. Atualmente,
os filmes são exibidos na
velocidade de 24 fotogramas
por segundo.
fita de celulóide
Os primeiros filmes, que datam de um
período que se localiza mais ou menos entre
as primeiras imagens (1894) até os
preparativos para a constituição da narrativa
cinematográfica padrão (1907) percorreram
o caminho errante das experimentações e
das artes populares que os precederam. Os
filmes eram exibidos em teatros de
variedades, para públicos de classe média
interessados em todos os tipos de
novidades e artes: lado a lado com os
curtíssimos primeiros filmes, shows de
dança, pequenas encenações, declamações
de poesia e performances de todos os tipos
eram realizadas nestes ambientes.
Depois, o cinema passou também a
ser exibido em feiras e circos,
aumentando sua popularidade
entre as classes operárias. Os
filmes, conhecidos hoje como
“cinema de atrações”, tinham mais
a intenção de fascinar, maravilhar e
entreter do que propriamente de
narrar histórias. Números de
mágica auxiliados por cortes
cinematográficos, assim como
historietas fantásticas, números
cômicos, imagens de lugares
exóticos e encenações de fatos
importantes para a época eram
muito populares.
“cinema de atrações”
Cinema

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da Fotografia
guest668b3
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
01 o fenómeno da globalização alunos
01 o fenómeno da globalização alunos01 o fenómeno da globalização alunos
01 o fenómeno da globalização alunos
Vítor Santos
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .
TavaresJoana
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
Maiara Giordani
 
Cinema brasileiro
Cinema brasileiroCinema brasileiro
Cinema brasileiro
mundica broda
 
02 a materialização da vida nos movimentos
02 a materialização da vida nos movimentos02 a materialização da vida nos movimentos
02 a materialização da vida nos movimentos
Vítor Santos
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Arte Educadora
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
Ana Roberta Souza
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Michele Pó
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Carlos Pinheiro
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Carlos Vieira
 
Di cavalcanti
Di cavalcantiDi cavalcanti
Di cavalcanti
DeaaSouza
 
Futurismo
Futurismo Futurismo
Futurismo
Dominique Dariva
 
História da televisão
História da televisãoHistória da televisão
História da televisão
brenobmf
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
diogocaetanorodrigues
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
CrisBiagio
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
Michele Pó
 
Modulo 10 contexto
Modulo 10   contextoModulo 10   contexto
Modulo 10 contexto
cattonia
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da Fotografia
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
01 o fenómeno da globalização alunos
01 o fenómeno da globalização alunos01 o fenómeno da globalização alunos
01 o fenómeno da globalização alunos
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
Cinema brasileiro
Cinema brasileiroCinema brasileiro
Cinema brasileiro
 
02 a materialização da vida nos movimentos
02 a materialização da vida nos movimentos02 a materialização da vida nos movimentos
02 a materialização da vida nos movimentos
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Di cavalcanti
Di cavalcantiDi cavalcanti
Di cavalcanti
 
Futurismo
Futurismo Futurismo
Futurismo
 
História da televisão
História da televisãoHistória da televisão
História da televisão
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Modulo 10 contexto
Modulo 10   contextoModulo 10   contexto
Modulo 10 contexto
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
 

Destaque

A Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudoA Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudo
Luryan da Silva F.
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
Mauricio Mallet Duprat
 
Setima Arte
Setima ArteSetima Arte
Setima Arte
celinho_ingles
 
O Cinema Mudo
O Cinema MudoO Cinema Mudo
O Cinema Mudo
Esther Macêdo
 
Mcs o cinema, c daniel e vero
Mcs   o cinema, c daniel e veroMcs   o cinema, c daniel e vero
Mcs o cinema, c daniel e vero
José Palma
 
Cinema
CinemaCinema
La guerra de la independencia (1808
La guerra de la independencia (1808 La guerra de la independencia (1808
La guerra de la independencia (1808
IES La Azucarera
 
Trabalho cinema
Trabalho  cinemaTrabalho  cinema
Trabalho cinema
Franciscab25
 

Destaque (8)

A Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudoA Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudo
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
 
Setima Arte
Setima ArteSetima Arte
Setima Arte
 
O Cinema Mudo
O Cinema MudoO Cinema Mudo
O Cinema Mudo
 
Mcs o cinema, c daniel e vero
Mcs   o cinema, c daniel e veroMcs   o cinema, c daniel e vero
Mcs o cinema, c daniel e vero
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
La guerra de la independencia (1808
La guerra de la independencia (1808 La guerra de la independencia (1808
La guerra de la independencia (1808
 
Trabalho cinema
Trabalho  cinemaTrabalho  cinema
Trabalho cinema
 

Semelhante a Cinema

A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
olivia57
 
A sétima arte e os irmãos lumiére
A sétima arte e os irmãos lumiéreA sétima arte e os irmãos lumiére
A sétima arte e os irmãos lumiére
kanina211
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
Prof. Valdemir Ferreira
 
Cinema
CinemaCinema
Módulo 1 - CGA
Módulo 1 - CGAMódulo 1 - CGA
Módulo 1 - CGA
SofiaOliveira96
 
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Neto   a emergencia da fotografia e do cinemaNeto   a emergencia da fotografia e do cinema
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Pedro Pereira Neto
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
Fotografia cinematografica
Fotografia cinematograficaFotografia cinematografica
Fotografia cinematografica
Gleimeson Souza
 
O cinematógrafo
O cinematógrafoO cinematógrafo
O cinematógrafo
SaraRafaela
 
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
Mauricio Mallet Duprat
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
Fabricio Marques
 
Introdução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e designIntrodução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e design
Anacatgarrido
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
gabiimedeiros
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
ladybru
 
O cinematógrafo
O cinematógrafoO cinematógrafo
O cinematógrafo
SaraRafaela
 
Primórdios da Fotografia
Primórdios da FotografiaPrimórdios da Fotografia
Primórdios da Fotografia
Michele Pó
 
CAP 1. Fotografia -PERSPECTIVA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2022.pptx
CAP 1. Fotografia -PERSPECTIVA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2022.pptxCAP 1. Fotografia -PERSPECTIVA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2022.pptx
CAP 1. Fotografia -PERSPECTIVA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2022.pptx
TATE9
 
Oficina teoria
Oficina teoriaOficina teoria
Oficina teoria
atovirtual
 
Setima arte fim
Setima arte fimSetima arte fim
Setima arte fim
eliana_correia
 
3 cga
3 cga3 cga
3 cga
pfilipa
 

Semelhante a Cinema (20)

A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
 
A sétima arte e os irmãos lumiére
A sétima arte e os irmãos lumiéreA sétima arte e os irmãos lumiére
A sétima arte e os irmãos lumiére
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
Módulo 1 - CGA
Módulo 1 - CGAMódulo 1 - CGA
Módulo 1 - CGA
 
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Neto   a emergencia da fotografia e do cinemaNeto   a emergencia da fotografia e do cinema
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
Eav aula 2 c
 
Fotografia cinematografica
Fotografia cinematograficaFotografia cinematografica
Fotografia cinematografica
 
O cinematógrafo
O cinematógrafoO cinematógrafo
O cinematógrafo
 
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
 
Introdução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e designIntrodução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e design
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
 
O cinematógrafo
O cinematógrafoO cinematógrafo
O cinematógrafo
 
Primórdios da Fotografia
Primórdios da FotografiaPrimórdios da Fotografia
Primórdios da Fotografia
 
CAP 1. Fotografia -PERSPECTIVA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2022.pptx
CAP 1. Fotografia -PERSPECTIVA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2022.pptxCAP 1. Fotografia -PERSPECTIVA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2022.pptx
CAP 1. Fotografia -PERSPECTIVA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2022.pptx
 
Oficina teoria
Oficina teoriaOficina teoria
Oficina teoria
 
Setima arte fim
Setima arte fimSetima arte fim
Setima arte fim
 
3 cga
3 cga3 cga
3 cga
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

Cinema

  • 2.
  • 3. O cinema foi inventado em várias localidades diferentes, e mais ou menos ao mesmo tempo. O século XIX viu surgirem, após o advento da fotografia na década de 1820, inúmeros aparelhos ópticos que tinham como função buscar efeitos de ilusão relacionados à imagem em movimento.
  • 4. Era assim, por exemplo, o quinetoscópio, inventado pela equipe de Thomas Edison. O aparelho exibia uma tira giratória com imagens simples, como dançarinas em movimento, que podiam ser vistas através de um pequeno visor.
  • 6.
  • 7. A busca pela imagem em movimento que poderia ser projetada em uma tela prosseguiu naqueles anos pioneiros, em que a imagem fotográfica passava a se tornar um importante veículo de comunicação, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos.
  • 8. Na última década do século XIX, Etienne-Jules Marey já havia tentado imprimir sobre uma chapa fotográfica os movimentos sucessivos de um corpo captados por uma objetiva fotográfica. Contemporaneamente, nos Estados Unidos, Edward Muybridge, usando vários aparelhos fotográficos regularmente dispostos, captava as diversas fases dos movimentos de homens e animais.
  • 9.
  • 10. Criança levando bouquet para mulher 1884-85
  • 11. Um estudo fotográfico de Edward Muybridge sobre o movimento do corpo humano
  • 12.
  • 13. A exibição pública e paga que os irmãos Lumière fizeram no Grand Café, em Paris, em 28 de dezembro de 1895, em geral é considerada a data inaugural do cinema. Dois meses antes, porém, os alemães Max e Emil Skladanowsky já haviam feito projeções em Berlim. Edison também faria exibições nos Estados Unidos pouco depois.
  • 14.
  • 15. O cinematógrafo, aparelho inventado pelos comerciantes de produtos fotográficos Louis e Auguste Lumière, porém, apresentava várias vantagens em relação às invenções semelhantes: era ao mesmo tempo câmera, projetor e copiador, além de ser mais leve e funcional e utilizar a velocidade de projeção de 16 quadros por segundo – padrão muito mais próximo do cinema atual.
  • 17. A mecânica que possibilita o cinema analógico é simples: as imagens são captadas através de um processo fotoquímico e inscritas em uma fita de celulóide, suporte fotográfico flexível que permite ao filme deslizar sobre o projetor.
  • 18. Cada uma destas pequenas fotografias é um fotograma, e são necessários milhares de fotogramas projetados sequencialmente em uma velocidade determinada para que se possa exibir uma cena cinematográfica curta e criar a ilusão do cinema. Atualmente, os filmes são exibidos na velocidade de 24 fotogramas por segundo.
  • 20. Os primeiros filmes, que datam de um período que se localiza mais ou menos entre as primeiras imagens (1894) até os preparativos para a constituição da narrativa cinematográfica padrão (1907) percorreram o caminho errante das experimentações e das artes populares que os precederam. Os filmes eram exibidos em teatros de variedades, para públicos de classe média interessados em todos os tipos de novidades e artes: lado a lado com os curtíssimos primeiros filmes, shows de dança, pequenas encenações, declamações de poesia e performances de todos os tipos eram realizadas nestes ambientes.
  • 21. Depois, o cinema passou também a ser exibido em feiras e circos, aumentando sua popularidade entre as classes operárias. Os filmes, conhecidos hoje como “cinema de atrações”, tinham mais a intenção de fascinar, maravilhar e entreter do que propriamente de narrar histórias. Números de mágica auxiliados por cortes cinematográficos, assim como historietas fantásticas, números cômicos, imagens de lugares exóticos e encenações de fatos importantes para a época eram muito populares.