SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida




                                                Trabalho elaborado por :
                                                      Sofia Oliveira nº6
                                                    Daniela Martins nº11
A arte rupestre até às sombras chinesas
 As primeiras pinturas deram-se na arte rupestre e depois
 nas sombras chinesas.
 Arte rupestre é o nome que se dá às mais antigas
 pinturas gravadas em cavernas , paredes , tectos
 rochosos ou até mesmo em pedras ao ar livre.
A arte rupestre até às sombras chinesas
 Sombras chinesas é um teatro de sombras que é uma arte
 muito antiga , vinda da China , onde se espalhou pelo
 Mundo e foi praticada por mais de 20 países.
O princípio ótico da “câmara escura” e
da “lanterna mágica”
  A câmara escura é uma caixa com um pequeno orifício
 numa das partes, que nos permite ver o lado oposto
 dessa imagem invertida do objecto que se encontra no
 lado de fora da caixa em frente ao orifícios.
O princípio ótico da “câmara escura” e
da “lanterna mágica”
 A lanterna mágica é o contrário da câmara escura. É uma
 fonte luminosa que sai da caixa , contém já a imagem e
 assim vai projectar uma imagem numa superfície branca
 ou de vidro.
Niépce e a primeira “heliografia”
inalterável da história
 Joseph Nicéphore Niépce foi um inventor francês, que
 tirou uma das primeiras fotografias.
Niépce e a primeira “heliografia”
inalterável da história
As fotografias que ele tirava , desapareciam. O primeiro
exemplo de uma imagem permanente foi tirada em 1826
foi chamado o processo
de heliografia e demorava oito horas para gravar uma
imagem.
A evolução da técnica de registo
(Daguerre e Talbot)
Daguerre foi o primeiro a conseguir uma imagem fixa
pela acção directa da luz.
Talbot era o pioneiro da fotografia, utilizava a câmara
escura para desenhos.




        (Talbot)                             ( Daguerre)
Formatos de câmaras e metodologias
de laboratório
Daguerre, revelava as imagens com o vapor de mercúrio,
para fixação foi usado sal marinho.
Formatos de câmaras e metodologias
de laboratório
Talbot, desenvolve um processo “ desenho fotogénico”,
ele construiu uma câmara escura que foi carregada com
papel de cloreto de prata. A imagem negativa era fixada
com sal de cozinha e submetida a um contacto de outro
papel sensível assim obtinha-se a cópia positiva.
O instantâneo fotográfico de Archer
Archer dedicava-se à gravura e a escultura, onde cedo se
desperta o interesse fotográfico do Calótipo. Mais tarde
Frederick Scott Archer, dá a conhecer a todos, o seu
trabalho que revolucionaria o mundo da fotografia.
A invenção de Maddox
Richard Maddox , em 1871,
desenvolveu a emulsão gelatinosa,
uma pelicula sensível à luz e flexível,
a base da gelatina e brometo de prata,
que poderia ser usada em placas mais
finas e em rolos , o que veio a facilitar
o manuseio das peliculas e causou
uma revolução no mundo da
fotografia .
George Eastman e a democratização e
industrialização da fotografia com a
Kodak
 George desenvolveu a primeira
 câmera portátil- a Kodak.
 O que tornou a fotografia mais
 barata, pois a Kodak usa filme
 de rolo.
 Na industrialização a Kodak
 tornou-se muito mais rápida e
 eficiente , escusava-se agora de
 esperar tanto por uma
 fotografia.
George Eastman e a democratização e
industrialização da fotografia com a
Kodak
Muybridge e o advento do início do
Cinema

                  Eadweard James Muybridge
                  nasceu na Inglaterra.
                  Começou a sua carreira de
                  fotografo em 1860 e tornou-se
                  conhecido como um grande
                  fotógrafo de paisagem.
Muybridge e o advento do início do
Cinema
Zootroscópio/Zootropo, é um brinquedo óptico que nos
permite ver o movimento contínuo.
Os desenhos são animados em tiras de papel que fazem
lembrar a película cinematográfica.
Muybridge e o advento do início do
Cinema
Um caleidoscópio/calidoscópio, é um aparelho óptico
com pequenos fragmentos de vidro ,que através da luz
exterior em pequenos espelhos inclinados, apresentam a
cada movimento combinações variadas de efeito visual.
Os irmãos Lumiére e a primeira
projecção pública
August Marie Louis Nicholas Lumière e Louis Jean
Lumière , foram os inventores do cinematógrafo, sendo
referidos com os pais do cinema.
Os irmãos Lumiére e a primeira
projecção pública
 A primeira projecção pública ocorreu a 28 de Setembro de
 1895 na primeira sala de cinema do mundo que ainda
 existe situado em La ciotat, no sudoeste de França.
O cinema documental
 É um género cinematográfico que se caracteriza com a
 exploração da realidade. Mas dessa informação não se
 deve julgar que representa a realidade “tal como ela é”. O
 documentário, assim como o cinema de ficção, é uma
 representação parcial ou subjectiva da realidade
O cinema fantástico de Méliès
 Georges Méliès, foi um ilusionista francês de sucesso que
 usava efeitos fotográficos para criar mundos fantásticos.
 Méliès além de ser considerado o “pai dos efeitos
 especiais”, fez mais de 500 filmes e construiu o primeiro
 estúdio cinematográfico da Europa.
Edison e o princípio do cinema
sonoro

Thomas Alva Edison foi um inventor e
empresário dos Estados Unidos.Edison
é um dos percursos da revolução
tecnológica do séc.xx, teve um papel
determinante na industria do cinema.
Edison e o princípio do cinema
sonoro
Cinema sonoro- o som é captado por um microfone, passa
por um amplificador, sendo que a saída deste alimenta uma
lâmpada cuja intensidade da luz e frequência varia com a
forma de onda do som captado.
Pathé e Gaumont a industria
cinematográfica
Gaumont Film Company é
um francês de produção
cinematográfica, empresa
de cinema mais antiga em
funcionamento do mundo
em 1897 a empresa
começou a produzir
curtas-metragens para
promover a sua marca de
câmera-projector.
Pathé e Gaumont a industria
cinematográfica
O cinema americano e as novas
narrativas(Griffith e Porter)

Começou a sua carreira como
dramaturgo mas não conseguiu
sucesso, depois tornou-se actor.
Na primeira viagem de Griffith
para a Califórnia, ele e a sua
empresa descobriram uma
pequena vila para filmar, esse
lugar era conhecido como
Hollywood.
A importância do design no
expressionismo alemão
Expressionismo alemão foi um estilo cinematográfico
que apareceu na década de 1920, que se caracterizou pela
distorção de personagens e cenário, através da
maquilhagem, com objectivo de expressar a maneira
como os realizadores viam o mundo.
A importância do design no
expressionismo alemão
O Star System e o sonho americano
O sistema estrelar foi o
método de criação,
promoção e exploração de
estrelas no cinema clássico.
Voz e dança era uma parte
comum do regime. As
mulheres deviam-se
comportar como senhoras,
nunca sair de casa sem
maquilhagem e roupas
elegantes, e os homens
deviam ser vistos em
público, como cavalheiros.
A industrialização e organização industrial
do séc XVIII e XIX, o movimento das Arts
and Crafts
Arts and Crafts é um
movimento estético e social
que surgiu na Inglaterra na
segunda metade do século
XX. Defendia o artesanato
criativo como alternativa a
mecanização.
Design e comunicação- novo cenário
urbano séc XIX e XX
É um exemplo de processo
criativo que atua na
construção de mensagens
responde a avanços sociais e
tecnológicos e também
abrange vários meios de
comunicação e essa é a
importância do design de
comunicação.


                               (Design de uma garrafa)
Design e comunicação- novo cenário
urbano séc XIX e XX
É uma disciplina ligada ao vídeo à música, ao design
gráfico, publicidade etc. Os processos criativos dependem
muitas vezes do enunciado.
O modernismo- de Toulouse Lautrec à
Bauhaus

O modernismo é um
conjunto de movimentos
culturais, escolas e
estilos, que permearam
as artes e o design da
primeira metade do séc
XX.
O modernismo- de Toulouse Lautrec à
Bauhaus

O movimento moderno
baseou-se na ideia de
que as formas “
tradicionais” das artes
plásticas, literatura,
design, organização
social, e da vida
quotidiana.


                          ( fundador da Bauhaus, Walter Gropius)
O mundo multinacional- a comunicação
universal


Aldeia global foi criado pelo
sociólogo canadense Marshall
McLuhan.
O mundo multinacional- a
 comunicação universal

 Foi o primeiro filósofo das
transformações sociais
provocados pela revolução
tecnológica de computador e
das telecomunicações. Ele
escolheu a televisão como um
meio de comunicação, via
satélite

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Casal Anorfini de Jan Van Eyck
O Casal Anorfini de Jan Van EyckO Casal Anorfini de Jan Van Eyck
O Casal Anorfini de Jan Van Eyck
Elis Avila
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
Maiara Giordani
 
A arte renascentista
A arte renascentistaA arte renascentista
A arte renascentista
Carla Freitas
 
Igreja de s.pedro de rates
Igreja de s.pedro de ratesIgreja de s.pedro de rates
Igreja de s.pedro de rates
Fábio Ferreira
 
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de RatesMódulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Carla Freitas
 
A Cúpula, o Círculo e a planta em cruz grega
A Cúpula, o Círculo e a planta em cruz gregaA Cúpula, o Círculo e a planta em cruz grega
A Cúpula, o Círculo e a planta em cruz grega
Matheus Garcia
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Carlos Vieira
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Carla Freitas
 
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicasMódulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Carla Freitas
 
Cultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - Maneirismo
Carlos Vieira
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura Gótica
Carla Freitas
 
Arte Bizantina
Arte BizantinaArte Bizantina
Arte Bizantina
Andrea Dressler
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
kyzinha
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
ArtesElisa
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
Ana Beatriz Cargnin
 
Arte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaArte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquitetura
Carlos Vieira
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
Ana Barreiros
 
Introdução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e designIntrodução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e design
Anacatgarrido
 
Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - Escultura
Carlos Vieira
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
Susana Simões
 

Mais procurados (20)

O Casal Anorfini de Jan Van Eyck
O Casal Anorfini de Jan Van EyckO Casal Anorfini de Jan Van Eyck
O Casal Anorfini de Jan Van Eyck
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
 
A arte renascentista
A arte renascentistaA arte renascentista
A arte renascentista
 
Igreja de s.pedro de rates
Igreja de s.pedro de ratesIgreja de s.pedro de rates
Igreja de s.pedro de rates
 
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de RatesMódulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
 
A Cúpula, o Círculo e a planta em cruz grega
A Cúpula, o Círculo e a planta em cruz gregaA Cúpula, o Círculo e a planta em cruz grega
A Cúpula, o Círculo e a planta em cruz grega
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
 
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicasMódulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
 
Cultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - Maneirismo
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura Gótica
 
Arte Bizantina
Arte BizantinaArte Bizantina
Arte Bizantina
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Arte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaArte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquitetura
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Introdução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e designIntrodução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e design
 
Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - Escultura
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 

Semelhante a Módulo 1 - CGA

Fotografia cinematografica
Fotografia cinematograficaFotografia cinematografica
Fotografia cinematografica
Gleimeson Souza
 
Primórdios da Fotografia
Primórdios da FotografiaPrimórdios da Fotografia
Primórdios da Fotografia
Michele Pó
 
430488
430488430488
Slides Histoire de la Photographie
Slides Histoire de la PhotographieSlides Histoire de la Photographie
Slides Histoire de la Photographie
olharfrancess
 
Cinema
CinemaCinema
A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
olivia57
 
Slide Introdução a fotografia.pdf
Slide Introdução a fotografia.pdfSlide Introdução a fotografia.pdf
Slide Introdução a fotografia.pdf
IsabellaQueiroz18
 
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Neto   a emergencia da fotografia e do cinemaNeto   a emergencia da fotografia e do cinema
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Pedro Pereira Neto
 
3º ano - Capítulo 10 e 11 - Impressões e Atitudes.pptx
3º ano - Capítulo 10 e 11 - Impressões e Atitudes.pptx3º ano - Capítulo 10 e 11 - Impressões e Atitudes.pptx
3º ano - Capítulo 10 e 11 - Impressões e Atitudes.pptx
RaquelFerreira565645
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
Ana Roberta Souza
 
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuiçõesHistória da fotografia - Pioneiros e suas contribuições
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições
isisnogueira
 
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições.
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições.História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições.
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições.
isisnogueira
 
História da fotografia - PIONEIROS E CONTRIBUIÇÃO HISTÓRICA
História da fotografia - PIONEIROS E CONTRIBUIÇÃO HISTÓRICAHistória da fotografia - PIONEIROS E CONTRIBUIÇÃO HISTÓRICA
História da fotografia - PIONEIROS E CONTRIBUIÇÃO HISTÓRICA
isisnogueira
 
Breve historia-da-fotografia
 Breve historia-da-fotografia Breve historia-da-fotografia
Breve historia-da-fotografia
Marta Monteiro
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
gabiimedeiros
 
historia-fotografia.ppt
historia-fotografia.ppthistoria-fotografia.ppt
historia-fotografia.ppt
JacksonRodrigues56
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
sergioborgato
 
Historiada fotografia
Historiada fotografia Historiada fotografia
Historiada fotografia
cafumilena
 
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
Paulo Neves
 
Cinema
CinemaCinema

Semelhante a Módulo 1 - CGA (20)

Fotografia cinematografica
Fotografia cinematograficaFotografia cinematografica
Fotografia cinematografica
 
Primórdios da Fotografia
Primórdios da FotografiaPrimórdios da Fotografia
Primórdios da Fotografia
 
430488
430488430488
430488
 
Slides Histoire de la Photographie
Slides Histoire de la PhotographieSlides Histoire de la Photographie
Slides Histoire de la Photographie
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
 
Slide Introdução a fotografia.pdf
Slide Introdução a fotografia.pdfSlide Introdução a fotografia.pdf
Slide Introdução a fotografia.pdf
 
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Neto   a emergencia da fotografia e do cinemaNeto   a emergencia da fotografia e do cinema
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
 
3º ano - Capítulo 10 e 11 - Impressões e Atitudes.pptx
3º ano - Capítulo 10 e 11 - Impressões e Atitudes.pptx3º ano - Capítulo 10 e 11 - Impressões e Atitudes.pptx
3º ano - Capítulo 10 e 11 - Impressões e Atitudes.pptx
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
 
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuiçõesHistória da fotografia - Pioneiros e suas contribuições
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições
 
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições.
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições.História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições.
História da fotografia - Pioneiros e suas contribuições.
 
História da fotografia - PIONEIROS E CONTRIBUIÇÃO HISTÓRICA
História da fotografia - PIONEIROS E CONTRIBUIÇÃO HISTÓRICAHistória da fotografia - PIONEIROS E CONTRIBUIÇÃO HISTÓRICA
História da fotografia - PIONEIROS E CONTRIBUIÇÃO HISTÓRICA
 
Breve historia-da-fotografia
 Breve historia-da-fotografia Breve historia-da-fotografia
Breve historia-da-fotografia
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
 
historia-fotografia.ppt
historia-fotografia.ppthistoria-fotografia.ppt
historia-fotografia.ppt
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
Historiada fotografia
Historiada fotografia Historiada fotografia
Historiada fotografia
 
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 

Módulo 1 - CGA

  • 1. Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Trabalho elaborado por : Sofia Oliveira nº6 Daniela Martins nº11
  • 2. A arte rupestre até às sombras chinesas As primeiras pinturas deram-se na arte rupestre e depois nas sombras chinesas. Arte rupestre é o nome que se dá às mais antigas pinturas gravadas em cavernas , paredes , tectos rochosos ou até mesmo em pedras ao ar livre.
  • 3. A arte rupestre até às sombras chinesas Sombras chinesas é um teatro de sombras que é uma arte muito antiga , vinda da China , onde se espalhou pelo Mundo e foi praticada por mais de 20 países.
  • 4. O princípio ótico da “câmara escura” e da “lanterna mágica” A câmara escura é uma caixa com um pequeno orifício numa das partes, que nos permite ver o lado oposto dessa imagem invertida do objecto que se encontra no lado de fora da caixa em frente ao orifícios.
  • 5. O princípio ótico da “câmara escura” e da “lanterna mágica” A lanterna mágica é o contrário da câmara escura. É uma fonte luminosa que sai da caixa , contém já a imagem e assim vai projectar uma imagem numa superfície branca ou de vidro.
  • 6. Niépce e a primeira “heliografia” inalterável da história Joseph Nicéphore Niépce foi um inventor francês, que tirou uma das primeiras fotografias.
  • 7. Niépce e a primeira “heliografia” inalterável da história As fotografias que ele tirava , desapareciam. O primeiro exemplo de uma imagem permanente foi tirada em 1826 foi chamado o processo de heliografia e demorava oito horas para gravar uma imagem.
  • 8. A evolução da técnica de registo (Daguerre e Talbot) Daguerre foi o primeiro a conseguir uma imagem fixa pela acção directa da luz. Talbot era o pioneiro da fotografia, utilizava a câmara escura para desenhos. (Talbot) ( Daguerre)
  • 9. Formatos de câmaras e metodologias de laboratório Daguerre, revelava as imagens com o vapor de mercúrio, para fixação foi usado sal marinho.
  • 10. Formatos de câmaras e metodologias de laboratório Talbot, desenvolve um processo “ desenho fotogénico”, ele construiu uma câmara escura que foi carregada com papel de cloreto de prata. A imagem negativa era fixada com sal de cozinha e submetida a um contacto de outro papel sensível assim obtinha-se a cópia positiva.
  • 11. O instantâneo fotográfico de Archer Archer dedicava-se à gravura e a escultura, onde cedo se desperta o interesse fotográfico do Calótipo. Mais tarde Frederick Scott Archer, dá a conhecer a todos, o seu trabalho que revolucionaria o mundo da fotografia.
  • 12. A invenção de Maddox Richard Maddox , em 1871, desenvolveu a emulsão gelatinosa, uma pelicula sensível à luz e flexível, a base da gelatina e brometo de prata, que poderia ser usada em placas mais finas e em rolos , o que veio a facilitar o manuseio das peliculas e causou uma revolução no mundo da fotografia .
  • 13. George Eastman e a democratização e industrialização da fotografia com a Kodak George desenvolveu a primeira câmera portátil- a Kodak. O que tornou a fotografia mais barata, pois a Kodak usa filme de rolo. Na industrialização a Kodak tornou-se muito mais rápida e eficiente , escusava-se agora de esperar tanto por uma fotografia.
  • 14. George Eastman e a democratização e industrialização da fotografia com a Kodak
  • 15. Muybridge e o advento do início do Cinema Eadweard James Muybridge nasceu na Inglaterra. Começou a sua carreira de fotografo em 1860 e tornou-se conhecido como um grande fotógrafo de paisagem.
  • 16. Muybridge e o advento do início do Cinema Zootroscópio/Zootropo, é um brinquedo óptico que nos permite ver o movimento contínuo. Os desenhos são animados em tiras de papel que fazem lembrar a película cinematográfica.
  • 17. Muybridge e o advento do início do Cinema Um caleidoscópio/calidoscópio, é um aparelho óptico com pequenos fragmentos de vidro ,que através da luz exterior em pequenos espelhos inclinados, apresentam a cada movimento combinações variadas de efeito visual.
  • 18. Os irmãos Lumiére e a primeira projecção pública August Marie Louis Nicholas Lumière e Louis Jean Lumière , foram os inventores do cinematógrafo, sendo referidos com os pais do cinema.
  • 19. Os irmãos Lumiére e a primeira projecção pública A primeira projecção pública ocorreu a 28 de Setembro de 1895 na primeira sala de cinema do mundo que ainda existe situado em La ciotat, no sudoeste de França.
  • 20. O cinema documental É um género cinematográfico que se caracteriza com a exploração da realidade. Mas dessa informação não se deve julgar que representa a realidade “tal como ela é”. O documentário, assim como o cinema de ficção, é uma representação parcial ou subjectiva da realidade
  • 21. O cinema fantástico de Méliès Georges Méliès, foi um ilusionista francês de sucesso que usava efeitos fotográficos para criar mundos fantásticos. Méliès além de ser considerado o “pai dos efeitos especiais”, fez mais de 500 filmes e construiu o primeiro estúdio cinematográfico da Europa.
  • 22. Edison e o princípio do cinema sonoro Thomas Alva Edison foi um inventor e empresário dos Estados Unidos.Edison é um dos percursos da revolução tecnológica do séc.xx, teve um papel determinante na industria do cinema.
  • 23. Edison e o princípio do cinema sonoro Cinema sonoro- o som é captado por um microfone, passa por um amplificador, sendo que a saída deste alimenta uma lâmpada cuja intensidade da luz e frequência varia com a forma de onda do som captado.
  • 24. Pathé e Gaumont a industria cinematográfica Gaumont Film Company é um francês de produção cinematográfica, empresa de cinema mais antiga em funcionamento do mundo em 1897 a empresa começou a produzir curtas-metragens para promover a sua marca de câmera-projector.
  • 25. Pathé e Gaumont a industria cinematográfica
  • 26. O cinema americano e as novas narrativas(Griffith e Porter) Começou a sua carreira como dramaturgo mas não conseguiu sucesso, depois tornou-se actor. Na primeira viagem de Griffith para a Califórnia, ele e a sua empresa descobriram uma pequena vila para filmar, esse lugar era conhecido como Hollywood.
  • 27. A importância do design no expressionismo alemão Expressionismo alemão foi um estilo cinematográfico que apareceu na década de 1920, que se caracterizou pela distorção de personagens e cenário, através da maquilhagem, com objectivo de expressar a maneira como os realizadores viam o mundo.
  • 28. A importância do design no expressionismo alemão
  • 29. O Star System e o sonho americano O sistema estrelar foi o método de criação, promoção e exploração de estrelas no cinema clássico. Voz e dança era uma parte comum do regime. As mulheres deviam-se comportar como senhoras, nunca sair de casa sem maquilhagem e roupas elegantes, e os homens deviam ser vistos em público, como cavalheiros.
  • 30. A industrialização e organização industrial do séc XVIII e XIX, o movimento das Arts and Crafts Arts and Crafts é um movimento estético e social que surgiu na Inglaterra na segunda metade do século XX. Defendia o artesanato criativo como alternativa a mecanização.
  • 31. Design e comunicação- novo cenário urbano séc XIX e XX É um exemplo de processo criativo que atua na construção de mensagens responde a avanços sociais e tecnológicos e também abrange vários meios de comunicação e essa é a importância do design de comunicação. (Design de uma garrafa)
  • 32. Design e comunicação- novo cenário urbano séc XIX e XX É uma disciplina ligada ao vídeo à música, ao design gráfico, publicidade etc. Os processos criativos dependem muitas vezes do enunciado.
  • 33. O modernismo- de Toulouse Lautrec à Bauhaus O modernismo é um conjunto de movimentos culturais, escolas e estilos, que permearam as artes e o design da primeira metade do séc XX.
  • 34. O modernismo- de Toulouse Lautrec à Bauhaus O movimento moderno baseou-se na ideia de que as formas “ tradicionais” das artes plásticas, literatura, design, organização social, e da vida quotidiana. ( fundador da Bauhaus, Walter Gropius)
  • 35. O mundo multinacional- a comunicação universal Aldeia global foi criado pelo sociólogo canadense Marshall McLuhan.
  • 36. O mundo multinacional- a comunicação universal Foi o primeiro filósofo das transformações sociais provocados pela revolução tecnológica de computador e das telecomunicações. Ele escolheu a televisão como um meio de comunicação, via satélite