SlideShare uma empresa Scribd logo
Carl Rogers
Personalidade III
Alunos: Maiele Carla; Rosângela Castro; Ana Luiza Nogueira;
Heloiza Lemes; Priscila Waxony; Lucas Alves; Daniela de Melo;
Ana Rúbia de Oliveira.
Introdução
Vida Pessoal - Abordagem
 Carl Rogers (1902-1987) foi um psicólogo norte-americano da
Psicologia Humanista, também chamada de Terceira Força da
Psicologia. Nasceu em Oak Park, Illinois, nos Estado Unidos, no
dia 8 de janeiro de 1902.
 Inserindo-se na corrente da Psicologia Humanista, a Abordagem
Centrada na Pessoa desenvolve-se a partir da década de 40 nos
Estados Unidos da América, como reação às práticas e aos
modelos teóricos que então dominavam a Psicologia e a
psicoterapia (Comportamentalismo e Psicanálise).
Introdução
Vida Pessoal – Empatia
 Carl Rogers traz para a psicoterapia uma diferente perspectiva
do Homem e, consequentemente, uma forma diversa de
encarar a pessoa que pede ajuda e a relação terapeuta/cliente
– uma abordagem não-diretiva da relação terapêutica, uma
Terapia Centrada no Cliente.
 A relação terapêutica então, se estabelece a partir da
compreensão empática, que é "um processo dinâmico que
consiste na capacidade de penetrar no universo do outro,
sendo sensível à mobilidade e significação das suas vivências”.
Carl rogers
Estrutura da Personalidade e Organismo
 Rogers dedica sua atenção a mudança e ao desenvolvimento
da personalidade, e os constructos importante para sua teoria
são o organismo e o self.
 Segundo Rogers, há um campo de experiência único para
cada indivíduo; este campo de experiência ou campo
fenomenal contém tudo o que se passa no organismo em
qualquer momento, e está potencialmente disponível à
consciência. Inclui eventos, percepções, sensações e impactos
dos quais a pessoa não toma consciência, mas poderia tomar
se focalizasse a atenção nesses estímulos. É um estímulo
privativo e pessoal que pode ou não corresponder à realidade
objetiva.
Estrutura da Personalidade e Organismo
 Dentro do campo da experiência está o self. Rogers usa o self
para se referir ao contínuo processo de reconhecimento da
pessoa. O self ou autoconceito é a visão que uma pessoa tem
de si própria, baseada em experiências passadas, estimulações
presentes e expectativas futuras.
 O self ideal é o conjunto de características que o indivíduo
mais gostaria de poder reclamar como sendo descritivas de si
mesmo. A extensão da diferença entre o self e o self ideal é um
indicador de desconforto, insatisfação e dificuldades
neuróticas.
Carl rogers
Congruência e Incongruência
Congruência
 Rogers define congruência como o grau de exatidão entre
a experiência e a tomada de consciência.
 Um alto grau de congruência significa que a pessoa é
ajustada, madura, aceita toda a variedade de experiências
sem ameaça ou ansiedade.
 É também a coerência do sujeito em termos de seus
pensamentos, sentimentos, percepções e ações.
Congruência e Incongruência
Incongruência
 Ocorre quando há diferença entre a tomada de
consciência, a experiência e a comunicação desta.
 Exemplo: pessoas que dizem estar passando por um
período maravilhoso, mas que se mostram entediadas
isoladas ou facilmente doentes, estão revelando
incongruência.
 Reflete a diferença entre a auto-imagem de uma pessoa e
a experiência real.
Dinâmica da Personalidade
 Tendência realizadora do organismo: função de ir em busca daquilo
que o faça se sentir completo e realizado, como o organismo tem a
tendência de ir em busca de realizar, manter e melhorar o organismo
que o experiencia.
 A tendência realizadora é seletiva, pois somente prestamos atenção
naqueles aspectos do ambiente que possa proporcionar uma
realização, e nos dar o ar de completude.
 Mesmo quando passamos por uma situação desfavorável, sempre
buscamos meios para que possamos melhorar, pois faz parte da
tendência realizadora buscarmos a melhora para o organismo, ou seja,
lutamos para existir.
Dinâmica da Personalidade
Exemplo: Na infância de Rogers havia um depósito onde guardavam o suprimento
de batatas para o inverno, que ficava no porão, a mais de 2 metros abaixo da janela.
As condições do local eram desfavoráveis, mas, mesmo assim, as batatas
começavam a brotar. Eram brotos brancos, diferentes dos brotos que surgiam
quando as batatas eram plantadas no solo, na primavera.
Ou seja, mesmo crescendo com pouca luz e de forma diferente, eles estavam lá
lutando para existir, pois se não houvesse esse esforço, mesmo estando em
condições desfavoráveis, eles jamais se tornariam plantas, logo não iriam
amadurecer.
Com esse exemplo Rogers nos direciona sobre nossos clientes, clientes que tiveram
um desenvolvimento desfavorável, que se sentem como anormais, mas que
podemos confiar que em cada uma deles existe uma tendência realizadora.
Dinâmica da Personalidade
 Ao aceitar o cliente, o terapeuta precisa se importar, valorizar e precisa entender
empaticamente o cliente, essas condições criam um “clima de mudança”, pois
assim, o cliente se sente livre para reconhecer e agir de acordo com a sua
tendência realizadora.
 Rogers acrescenta sobre o aspecto de crescimento. Uma pessoa só pode realizar-
se a menos que ela consiga diferenciar os comportamentos progressivos e os
regressivos. Não existe uma voz que nos oriente sobre o que é progressivo, sendo
assim, as pessoas precisam conhecer antes de poder escolher, e quando
conhecem escolhem crescer em vez de regredir.
 Rogers, acredita que devemos compreender as variáveis complexas que estão por
trás de várias expressões da tendência realizadora do organismo, e que desta
forma o conceito de motivos específicos desaparecerá.
Exemplo: Só se come... porque se está com fome.
Desenvolvimento da Personalidade
 Rogers não ofereceu um cronograma de desenvolvimento
da personalidade em fases, como Freud, Erik Ericson e
outros.
 Ele investigou as avaliações de um indivíduo pelos outros,
particularmente na infância, quando os pais e outras
pessoas fazem do comportamento da criança às vezes
positivos, às vezes negativos.
 A própria criança tende a ser aquilo que os outros querem
que ela seja, ao invés de ser aquilo que ela realmente é,
distanciando-se da experiência do organismo e do self.
Desenvolvimento da Personalidade
 Durante a infância o autoconceito se torna cada
vez mais distorcido devido as avaliações do outros,
e para proteger sua integridade o indivíduo passa
a fazer uma simbolização distorcida do real,
afetando seu autoconceito.
A questão é, como corrigir uma brecha
organismo e self e o self dos outros?
 Para o terapeuta ao se tornar claro que se aceite com
confiança e compreensão todas as demandas do
cliente, o mesmo terá mais respeito incondicional.
 Assim, poder receber e aceitar a pessoa como ela é.
 Ter empatia pelo cliente para sentir o que ele sentiria
caso estivesse na mesma situação.
 Com essa situação calorosa, o cliente se sente seguro a
explorar seus sentimentos inconscientes, trazendo-os a
consciência e explorando o que não foi simbolizado
corretamente, para a reorganização do seu
autoconceito.
 Esse self consciente lhe trará benefícios, tanto para si
quanto socialmente. O indivíduo então passa a
compreender e aceitar o outro, compreende que cada
um tem suas necessidades, podendo viver um processo
continuo de valorização e crescimento .
A TEORIA NA PRÁTICA
ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA (ACP)-
EXEMPLOS NA CONTEMPORANEIDADE
Mulher grávida aos 64 anos
 A procuradora Norma Maia de Oliveira, de 64 anos, deu a luz a sua
primeira filha, a pequena Ana Letícia. Ana nasceu no dia 10/04/2018, no
Hospital Octaviano Neves, em Belo Horizonte. Em entrevista, a obstetra
relatou que se tratou de uma gravidez de alto risco, e que a procuradora
engravidou por meio de uma fertilização in vitro. Norma relata que agora
esta feliz e realizada.
 Rogers fala em sua teoria da tendência atualizante, onde os indivíduos se
adaptam às contingências que o cercam. A partir das condições biológicas
em que Norma se encontra, ela procura formas de se atualizar para se
auto realizar.
 O ser humano é dotado de uma natureza essencialmente positiva, e
sempre está em busca da sua auto realização.
Mulher grávida aos 64 anos
Quando a escola deixa de ser uma fábrica
de alunos
 A escola de massas, onde um professor ensinava ao
mesmo tempo e no mesmo lugar dezenas de alunos,
nasceu com a revolução industrial, mas chegou até o
século XXI.
 Em dois séculos mudaram os estudantes, a sociedade
e o mercado de trabalho. Quando mudará a escola?
 CATARINA FERNANDES MARTINS, 1 de Setembro de
2013, 0:00.
Crianças sentadas em fila, olhando para a
frente. Mãos cruzadas em cima da mesa,
numa postura inerte.
A secretária do professor fica no extremo
esquerdo da sala de aula. Não está a
ensinar. Os alunos têm uns capacetes de
metal, ligados por uns cabos eléctricos a
uma máquina onde o professor coloca uns
livros.
A função desse aparelho, compreende-se
pela imagem, é a de extrair a informação
dos manuais e introduzi-la diretamente nos
cérebros dos jovens, através da transmissão
da energia elétrica.
Foi assim que os ilustradores franceses Jean
Marc Cotê e Villemard imaginaram e
retrataram a escola do ano 2000, num postal
que era parte de uma série produzida para a
Exposição Universal de Paris, em 1900.
Filme “Histórias Cruzadas”
 Histórias Cruzadas é um filme de 2011, que se passa nos anos 60
na cidade de Mississipi nos Estados Unidos. O filme retrata a
sociedade da época, dividida entre negros e brancos, entre os
que representam a sociedade e os que estão à margem da
sociedade americana.
 À época negros sofriam regime de segregação racial, onde
diversas medidas foram tomadas com objetivo de separá-los dos
brancos. Essas medidas incluíam discriminar áreas específicas
para negros em restaurantes, hotéis, teatros, banheiros
específicos, dentre outros artífices. Entretanto essas medidas iam
além das físicas. Brancos evitavam conviver, conversar com
negros, mantendo contato apenas na relação de trabalho, uma
vez que eram eles os empregados dos brancos.
 Uma jovem idealista chamada
Skeeter, que incomodada com a
configuração social e o
tratamento dado aos negros,
resolve escrever um livro
retratando os sentimentos e a
realidade sofrida pelas
empregadas domésticas negras e
mobiliza toda a classe para que
lute por seus direitos como ser
humano.
Filme “Histórias Cruzadas”
Filme “Histórias Cruzadas”
 Segundo Rogers, o ser humano tem em si uma tendência
actualizante/realizadora que é uma motivação intrínseca que
faz com o sujeito busque sempre se desenvolver e progredir.
O fracasso em se realizar se deve a influencias coercitivas,
como a social.
 Carl Rogers diz também do olhar positivo incondicional, que
é aceitar e receber o outro incondicionalmente na sua
individualidade. Skeeter direcionou esse olhar para com essa
classe oprimida, o que possibilitou liberdade para que
fossem o que de fato eram e o que gostariam de ser, e se
empoderassem de forma a enfrentar toda sociedade racista
e sexista da época.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Juliermeson Morais
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Isabella Ruas
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
Andréa Forgiarni Cechin
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
Marcela Montalvão Teti
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Deisiane Cazaroto
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Erica Nascimento
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
Dandara Cunha
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa
MandyNeres7
 
Origem da Psicologia
Origem da Psicologia Origem da Psicologia
Origem da Psicologia
ritateixeira17
 
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
Filipe Leal
 
História da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptxHistória da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptx
Vilciele
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
Caio Maximino
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Carolina Pacheco
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
Silvia Marina Anaruma
 
Teoria Humanista de Rogers
Teoria Humanista de RogersTeoria Humanista de Rogers
Teoria Humanista de Rogers
psicologiaisecensa
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Caio Maximino
 

Mais procurados (20)

Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa
 
Origem da Psicologia
Origem da Psicologia Origem da Psicologia
Origem da Psicologia
 
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
 
História da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptxHistória da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptx
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
 
Teoria Humanista de Rogers
Teoria Humanista de RogersTeoria Humanista de Rogers
Teoria Humanista de Rogers
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 

Semelhante a Carl rogers

Psicologia humanista fromm, rogers e maslow
Psicologia humanista fromm, rogers e maslowPsicologia humanista fromm, rogers e maslow
Psicologia humanista fromm, rogers e maslow
Alexandra Ramos Ramos
 
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Marcelo da Rocha Carvalho
 
carl rogers.pptx
carl rogers.pptxcarl rogers.pptx
carl rogers.pptx
MarcellinoCallegari
 
10 abril
10 abril10 abril
10 abril
LugaraoAfecto
 
Jair passos escola dominical 2011
Jair passos escola dominical 2011Jair passos escola dominical 2011
Jair passos escola dominical 2011
Tiago Costa
 
Não Diretivismo
Não DiretivismoNão Diretivismo
Não Diretivismo
Camila Munari
 
Monografia ismar
Monografia ismarMonografia ismar
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
jt7_9
 
Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
psicologiaazambuja
 
Estagios da comunicacao e a pnl
Estagios da comunicacao e a pnlEstagios da comunicacao e a pnl
Estagios da comunicacao e a pnl
Marina Rosa
 
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxPPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
MatildePaulo1
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
norberto faria
 
atribuição.ppt
atribuição.pptatribuição.ppt
atribuição.ppt
Fred Clementino
 
Escola de Bonneuil, Lugar de Vida relatos de uma educação terapêutica possív...
Escola de Bonneuil, Lugar de Vida  relatos de uma educação terapêutica possív...Escola de Bonneuil, Lugar de Vida  relatos de uma educação terapêutica possív...
Escola de Bonneuil, Lugar de Vida relatos de uma educação terapêutica possív...
SEDF
 
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdfPsicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
ErickFelipe22
 
Educação
EducaçãoEducação
Educação
Lidiane Freitas
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
Endriely Teodoro
 
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptxResumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
BeatrizVieira226546
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
Liberty Ensino
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
842203966
 

Semelhante a Carl rogers (20)

Psicologia humanista fromm, rogers e maslow
Psicologia humanista fromm, rogers e maslowPsicologia humanista fromm, rogers e maslow
Psicologia humanista fromm, rogers e maslow
 
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
 
carl rogers.pptx
carl rogers.pptxcarl rogers.pptx
carl rogers.pptx
 
10 abril
10 abril10 abril
10 abril
 
Jair passos escola dominical 2011
Jair passos escola dominical 2011Jair passos escola dominical 2011
Jair passos escola dominical 2011
 
Não Diretivismo
Não DiretivismoNão Diretivismo
Não Diretivismo
 
Monografia ismar
Monografia ismarMonografia ismar
Monografia ismar
 
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
 
Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
 
Estagios da comunicacao e a pnl
Estagios da comunicacao e a pnlEstagios da comunicacao e a pnl
Estagios da comunicacao e a pnl
 
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxPPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
atribuição.ppt
atribuição.pptatribuição.ppt
atribuição.ppt
 
Escola de Bonneuil, Lugar de Vida relatos de uma educação terapêutica possív...
Escola de Bonneuil, Lugar de Vida  relatos de uma educação terapêutica possív...Escola de Bonneuil, Lugar de Vida  relatos de uma educação terapêutica possív...
Escola de Bonneuil, Lugar de Vida relatos de uma educação terapêutica possív...
 
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdfPsicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
 
Educação
EducaçãoEducação
Educação
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
 
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptxResumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 

Último

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

Carl rogers

  • 1. Carl Rogers Personalidade III Alunos: Maiele Carla; Rosângela Castro; Ana Luiza Nogueira; Heloiza Lemes; Priscila Waxony; Lucas Alves; Daniela de Melo; Ana Rúbia de Oliveira.
  • 2. Introdução Vida Pessoal - Abordagem  Carl Rogers (1902-1987) foi um psicólogo norte-americano da Psicologia Humanista, também chamada de Terceira Força da Psicologia. Nasceu em Oak Park, Illinois, nos Estado Unidos, no dia 8 de janeiro de 1902.  Inserindo-se na corrente da Psicologia Humanista, a Abordagem Centrada na Pessoa desenvolve-se a partir da década de 40 nos Estados Unidos da América, como reação às práticas e aos modelos teóricos que então dominavam a Psicologia e a psicoterapia (Comportamentalismo e Psicanálise).
  • 3. Introdução Vida Pessoal – Empatia  Carl Rogers traz para a psicoterapia uma diferente perspectiva do Homem e, consequentemente, uma forma diversa de encarar a pessoa que pede ajuda e a relação terapeuta/cliente – uma abordagem não-diretiva da relação terapêutica, uma Terapia Centrada no Cliente.  A relação terapêutica então, se estabelece a partir da compreensão empática, que é "um processo dinâmico que consiste na capacidade de penetrar no universo do outro, sendo sensível à mobilidade e significação das suas vivências”.
  • 5. Estrutura da Personalidade e Organismo  Rogers dedica sua atenção a mudança e ao desenvolvimento da personalidade, e os constructos importante para sua teoria são o organismo e o self.  Segundo Rogers, há um campo de experiência único para cada indivíduo; este campo de experiência ou campo fenomenal contém tudo o que se passa no organismo em qualquer momento, e está potencialmente disponível à consciência. Inclui eventos, percepções, sensações e impactos dos quais a pessoa não toma consciência, mas poderia tomar se focalizasse a atenção nesses estímulos. É um estímulo privativo e pessoal que pode ou não corresponder à realidade objetiva.
  • 6. Estrutura da Personalidade e Organismo  Dentro do campo da experiência está o self. Rogers usa o self para se referir ao contínuo processo de reconhecimento da pessoa. O self ou autoconceito é a visão que uma pessoa tem de si própria, baseada em experiências passadas, estimulações presentes e expectativas futuras.  O self ideal é o conjunto de características que o indivíduo mais gostaria de poder reclamar como sendo descritivas de si mesmo. A extensão da diferença entre o self e o self ideal é um indicador de desconforto, insatisfação e dificuldades neuróticas.
  • 8. Congruência e Incongruência Congruência  Rogers define congruência como o grau de exatidão entre a experiência e a tomada de consciência.  Um alto grau de congruência significa que a pessoa é ajustada, madura, aceita toda a variedade de experiências sem ameaça ou ansiedade.  É também a coerência do sujeito em termos de seus pensamentos, sentimentos, percepções e ações.
  • 9. Congruência e Incongruência Incongruência  Ocorre quando há diferença entre a tomada de consciência, a experiência e a comunicação desta.  Exemplo: pessoas que dizem estar passando por um período maravilhoso, mas que se mostram entediadas isoladas ou facilmente doentes, estão revelando incongruência.  Reflete a diferença entre a auto-imagem de uma pessoa e a experiência real.
  • 10. Dinâmica da Personalidade  Tendência realizadora do organismo: função de ir em busca daquilo que o faça se sentir completo e realizado, como o organismo tem a tendência de ir em busca de realizar, manter e melhorar o organismo que o experiencia.  A tendência realizadora é seletiva, pois somente prestamos atenção naqueles aspectos do ambiente que possa proporcionar uma realização, e nos dar o ar de completude.  Mesmo quando passamos por uma situação desfavorável, sempre buscamos meios para que possamos melhorar, pois faz parte da tendência realizadora buscarmos a melhora para o organismo, ou seja, lutamos para existir.
  • 11. Dinâmica da Personalidade Exemplo: Na infância de Rogers havia um depósito onde guardavam o suprimento de batatas para o inverno, que ficava no porão, a mais de 2 metros abaixo da janela. As condições do local eram desfavoráveis, mas, mesmo assim, as batatas começavam a brotar. Eram brotos brancos, diferentes dos brotos que surgiam quando as batatas eram plantadas no solo, na primavera. Ou seja, mesmo crescendo com pouca luz e de forma diferente, eles estavam lá lutando para existir, pois se não houvesse esse esforço, mesmo estando em condições desfavoráveis, eles jamais se tornariam plantas, logo não iriam amadurecer. Com esse exemplo Rogers nos direciona sobre nossos clientes, clientes que tiveram um desenvolvimento desfavorável, que se sentem como anormais, mas que podemos confiar que em cada uma deles existe uma tendência realizadora.
  • 12. Dinâmica da Personalidade  Ao aceitar o cliente, o terapeuta precisa se importar, valorizar e precisa entender empaticamente o cliente, essas condições criam um “clima de mudança”, pois assim, o cliente se sente livre para reconhecer e agir de acordo com a sua tendência realizadora.  Rogers acrescenta sobre o aspecto de crescimento. Uma pessoa só pode realizar- se a menos que ela consiga diferenciar os comportamentos progressivos e os regressivos. Não existe uma voz que nos oriente sobre o que é progressivo, sendo assim, as pessoas precisam conhecer antes de poder escolher, e quando conhecem escolhem crescer em vez de regredir.  Rogers, acredita que devemos compreender as variáveis complexas que estão por trás de várias expressões da tendência realizadora do organismo, e que desta forma o conceito de motivos específicos desaparecerá. Exemplo: Só se come... porque se está com fome.
  • 13. Desenvolvimento da Personalidade  Rogers não ofereceu um cronograma de desenvolvimento da personalidade em fases, como Freud, Erik Ericson e outros.  Ele investigou as avaliações de um indivíduo pelos outros, particularmente na infância, quando os pais e outras pessoas fazem do comportamento da criança às vezes positivos, às vezes negativos.  A própria criança tende a ser aquilo que os outros querem que ela seja, ao invés de ser aquilo que ela realmente é, distanciando-se da experiência do organismo e do self.
  • 14. Desenvolvimento da Personalidade  Durante a infância o autoconceito se torna cada vez mais distorcido devido as avaliações do outros, e para proteger sua integridade o indivíduo passa a fazer uma simbolização distorcida do real, afetando seu autoconceito.
  • 15. A questão é, como corrigir uma brecha organismo e self e o self dos outros?  Para o terapeuta ao se tornar claro que se aceite com confiança e compreensão todas as demandas do cliente, o mesmo terá mais respeito incondicional.  Assim, poder receber e aceitar a pessoa como ela é.  Ter empatia pelo cliente para sentir o que ele sentiria caso estivesse na mesma situação.
  • 16.  Com essa situação calorosa, o cliente se sente seguro a explorar seus sentimentos inconscientes, trazendo-os a consciência e explorando o que não foi simbolizado corretamente, para a reorganização do seu autoconceito.  Esse self consciente lhe trará benefícios, tanto para si quanto socialmente. O indivíduo então passa a compreender e aceitar o outro, compreende que cada um tem suas necessidades, podendo viver um processo continuo de valorização e crescimento .
  • 17. A TEORIA NA PRÁTICA ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA (ACP)- EXEMPLOS NA CONTEMPORANEIDADE
  • 18. Mulher grávida aos 64 anos  A procuradora Norma Maia de Oliveira, de 64 anos, deu a luz a sua primeira filha, a pequena Ana Letícia. Ana nasceu no dia 10/04/2018, no Hospital Octaviano Neves, em Belo Horizonte. Em entrevista, a obstetra relatou que se tratou de uma gravidez de alto risco, e que a procuradora engravidou por meio de uma fertilização in vitro. Norma relata que agora esta feliz e realizada.  Rogers fala em sua teoria da tendência atualizante, onde os indivíduos se adaptam às contingências que o cercam. A partir das condições biológicas em que Norma se encontra, ela procura formas de se atualizar para se auto realizar.  O ser humano é dotado de uma natureza essencialmente positiva, e sempre está em busca da sua auto realização.
  • 20. Quando a escola deixa de ser uma fábrica de alunos  A escola de massas, onde um professor ensinava ao mesmo tempo e no mesmo lugar dezenas de alunos, nasceu com a revolução industrial, mas chegou até o século XXI.  Em dois séculos mudaram os estudantes, a sociedade e o mercado de trabalho. Quando mudará a escola?  CATARINA FERNANDES MARTINS, 1 de Setembro de 2013, 0:00.
  • 21. Crianças sentadas em fila, olhando para a frente. Mãos cruzadas em cima da mesa, numa postura inerte. A secretária do professor fica no extremo esquerdo da sala de aula. Não está a ensinar. Os alunos têm uns capacetes de metal, ligados por uns cabos eléctricos a uma máquina onde o professor coloca uns livros. A função desse aparelho, compreende-se pela imagem, é a de extrair a informação dos manuais e introduzi-la diretamente nos cérebros dos jovens, através da transmissão da energia elétrica. Foi assim que os ilustradores franceses Jean Marc Cotê e Villemard imaginaram e retrataram a escola do ano 2000, num postal que era parte de uma série produzida para a Exposição Universal de Paris, em 1900.
  • 22. Filme “Histórias Cruzadas”  Histórias Cruzadas é um filme de 2011, que se passa nos anos 60 na cidade de Mississipi nos Estados Unidos. O filme retrata a sociedade da época, dividida entre negros e brancos, entre os que representam a sociedade e os que estão à margem da sociedade americana.  À época negros sofriam regime de segregação racial, onde diversas medidas foram tomadas com objetivo de separá-los dos brancos. Essas medidas incluíam discriminar áreas específicas para negros em restaurantes, hotéis, teatros, banheiros específicos, dentre outros artífices. Entretanto essas medidas iam além das físicas. Brancos evitavam conviver, conversar com negros, mantendo contato apenas na relação de trabalho, uma vez que eram eles os empregados dos brancos.
  • 23.  Uma jovem idealista chamada Skeeter, que incomodada com a configuração social e o tratamento dado aos negros, resolve escrever um livro retratando os sentimentos e a realidade sofrida pelas empregadas domésticas negras e mobiliza toda a classe para que lute por seus direitos como ser humano. Filme “Histórias Cruzadas”
  • 24. Filme “Histórias Cruzadas”  Segundo Rogers, o ser humano tem em si uma tendência actualizante/realizadora que é uma motivação intrínseca que faz com o sujeito busque sempre se desenvolver e progredir. O fracasso em se realizar se deve a influencias coercitivas, como a social.  Carl Rogers diz também do olhar positivo incondicional, que é aceitar e receber o outro incondicionalmente na sua individualidade. Skeeter direcionou esse olhar para com essa classe oprimida, o que possibilitou liberdade para que fossem o que de fato eram e o que gostariam de ser, e se empoderassem de forma a enfrentar toda sociedade racista e sexista da época.