SlideShare uma empresa Scribd logo
CARACTERÍSTICAS DE CRESCIMENTO DE UMA PASTAGEM DE CAPIM
     BRAQUIARÃO (“BRACHIARIA BRIZANTHA” CV MARANDU) IRRIGADA E
   MANEJADA INTENSIVAMENTE EM UMA FAZENDA COMERCIAL, AO LONGO DE
                             DOIS ANOS1

   ADILSON DE PAULA ALMEIDA AGUIAR2, JULIANO RICARDO RESENDE3, LUIZ GONZAGA DE
  OLIVEIRA FILHO4, LUIS ROBERTO TORMIM ARANTES5, SERGIO EDUARDO TORMIM ARANTES5

1 Projeto financiado pela Agropecuária Hugo Arantes.
2 Professor de Pastagens e Plantas Forrageiras I, Zootecnia I e III (Bovinocultura de Corte e Leite) da FAZU (Faculdades Associadas
  de Uberaba) e Prof. de Agrostologia da UNIUBE (Universidade de Uberaba) em Uberaba, MG. E-mail adilson@consupec.com.br
3 Zootecnista e consultor pela CONSUPEC – Consultoria e Planejamento Pecuário. www.consupec.com.br E-mail:
juliano@consupec.com.br
4 Administrador de Empresas, Consultor em Gestão Pecuária, Pecuarista. lugonza@uol.com.br
5 Equipe da Agropecuária Hugo Arantes. searantes55@uol.com.br


RESUMO

Variáveis como a massa de forragem e a altura do relvado no pré e no pós-pastejo, a taxa
de acúmulo de forragem, a eficiência de pastejo e a capacidade de suporte da pastagem
são importantes, pois podem ser adotadas no planejamento do manejo do pastejo. O
objetivo deste trabalho foi avaliar as variáveis citadas em uma pastagem de capim-
braquiarão irrigada e explorada intensivamente em uma fazenda comercial durante dois
anos. O sistema de irrigação foi do tipo pivô central. Uma área de 103 ha foi dividida em
30 piquetes que foram pastejados no método de lotação rotacionada. Os animais eram
cruzados e zebuínos nas fases de recria e engorda. A produção da pastagem foi medida
pela técnica direta de medição. As alturas do relvado no pré e no pós-pastejo foram 37,4
e 23,3 cm e a massa de forragem no pré e no pós-pastejo foram 5.354,5 kg MS/ha e
2.423,7 kg MS/ha, respectivamente. A densidade media do relvado no pré-pastejo foi de
143,5 kg de MS/ha/cm; a taxa de acúmulo de forragem foi de 81,8 kg MS/ha/dia, a
forragem acumulada foi de 29.815,3 kg MS/ha/ano e a eficiência de pastejo foi e 55 %. No
período e nas condições deste trabalho foi possível trabalhar com taxa de lotação animal
média de 5,9 UA/ha, mas a capacidade de suporte foi de 6,1 UA/ha, indicando que é
possível trabalhar com a lotação ajustada sem comprometer o desempenho animal e
obter o ótimo da produção de forragem.

PALAVRA CHAVE

capacidade de suporte, lotação rotacionada, massa de forragem, sistema intensivo, taxa
de lotação

TITLE

          GROWTH CHARACTERISTICS OF A BRAQUIARÃO GRASS PASTURE
        (“BRACHIARIA BRIZANTHA” CV MARANDU) IRRIGATED AND MANAGED
             INTENSIVELY IN A COMMERCIAL FARM, OVER TWO YEARS

ABSTRACT

Variables such as herbage mass before and after grazing, sward height before and after
grazing, forage accumulation rate, grazing efficiency and carrying capacity are important to
adopt in the planning of grazing management. The objective of this work was to assess
those variables on pastures of Braquiarão grass irrigated and managed under an intensive
grazing, in a commercial farm over two years. The irrigation system was a central pivot.
The quantities of lime and fertilizers were calculated taking account the soils tests and
forage demand. An area of 103 ha was divided in 30 paddocks which were grazed using a
rotational stock method. The animals were of zebu breeds and European x zebu
crossbreeding in growth and fattening. The pasture production was measured by direct
technique of measurement. The heights of sward before and pos-grazing were 37,4 and
23,2 cm and the herbage mass before and pos-grazing were 5.354,5 kg DM/ha and
2.423,7 kg DM/ha, respectively. The average bulk density of the sward was 143,5 kg
DM/ha/cm, the forage accumulation rate was 81,8 kg DM/ha/day; the accumulated mass
was 29.815,3 kg DM/ha/year and the grazing efficiency was 55%. During the period and
under the conditions of this work was possible to work with a stocking rate of 5,9 AU/ha,
but the carrying capacity was 6,1 AU/ha, indicating the possibility to increase the stocking
rate.

KEYWORDS

carrying capacity, herbage mass, intensive system, rotational stock, stocking rate

INTRODUÇÃO

Nas reuniões anuais da SBZ, os trabalhos sobre irrigação em pastagens foram poucos
até 2000 (cinco trabalhos), seis em 2001 e mais de dez trabalhos em 2002. Esta evolução
demonstra uma renovação do interesse da comunidade científica sobre o assunto. Muitos
destes trabalhos têm sido realizados em casa de vegetação e em canteiros, não refletindo
as condições sob pastejo. Em poucos trabalhos, como os de Aguiar et al. (2004)
apareceram resultados em áreas pastejadas de capim-braquiarão avaliando taxa de
lotação e intensidade de pastejo. Nem sempre os centros de pesquisa têm recursos
disponíveis para investir em pesquisa com animais sob pastejo, principalmente em
pastagens irrigadas, devido aos altos custos deste tipo de trabalho e por isso, é
importante fazer parcerias com produtores dispostos a produzirem informações dentro de
suas propriedades. Variáveis como a massa de forragem no pré e no pós-pastejo
(MFPRP e MFPOP), a altura do relvado no pré e no pós-pastejo (ARPRP e ARPOP), a
densidade da massa de forragem no pré e pós pastejo (DMFPREP e DMFPOP), a taxa de
acúmulo de forragem (TAF), a eficiência de pastejo (EP) e a capacidade de suporte da
pastagem (CSP) são importantes, pois podem ser adotadas a campo no planejamento do
manejo do pastejo. O objetivo deste trabalho foi o de avaliar as variáveis citadas em uma
pastagem de capim-braquiarão irrigada e explorada intensivamente durante dois anos.

MATERIAL E MÉTODOS

Este trabalho foi desenvolvido na Fazenda Santa Ofélia, da Agropecuária Hugo Arantes,
no município de Selviria, MS, em altitude de 357 m, 20 “0” 21’ de latitude Sul e 51 “0” 26’
de longitude Oeste de Greenwich, nos anos de 2004 e 2005. As normais climatológicas
de 2004 e 2005 foram: temperatura média de 24,5 e 24,9 graus; evapotranspiração diária
de 4,2 e 4,0 mm (1533 e 1460 mm/ano); precipitação de 1.138 e 1.003 mm, 6,9 e 6,9
horas de insolação (estação meteorológica da UNESP, Ilha Solteira, localizada à menos
de 20 km da propriedade). Uma área de 103 ha que estava estabelecida com capim-
braquiarão desde o inicio da década de 80, foi escolhida para a implantação de um pivô
central. A área foi dividida em 30 piquetes de 3,45 ha os quais foram manejados em
lotação rotacionada, com ciclos de pastejo de 30 a 45 dias que variou de acordo com a
altura do relvado, sendo a média de 40 cm no pré pastejo e 20 cm no pós pastejo. O solo
foi classificado como Latossolo Vermelho Distrófico, de textura argilosa a média, que
apresentou no resultado de análise, antes do inicio dos trabalhos, os seguintes valores:
matéria orgânica (MO), 22 “g/dm3”; fósforo (P-resina), 10 “mg/dm3”; pH “CaCl2”, 5,5;
potássio (K), 3,7 “mmolc/dm3”; cálcio (Ca), 35 “mmolc/dm3”, magnésio (Mg), 15
“mmolc/dm3”; capacidade de troca de cátions (CTC), 75 “mmolc/dm3”; saturação por
bases (V%), 72; enxofre (S), 3 “mg/md3”; boro (B), 0,12 “mg/dm3”; cobre (Cu), 0,4
“mg/dm3”; ferro (Fe), 134 “mg/dm3”; manganês (Mn), 10 “mg/dm3” e zinco (Zn), 1,1
“mg/dm3”. Foram aplicados 325 e 370 kg/ha de nitrogênio (N), sendo que parte veio de
uma aplicação de quatro toneladas de cama-de-frango/ha em 2004, 128 e 0 kg/ha de
“P2O5”, 213 e 68 kg/ha de “K2O”, 42 e 20 kg/ha de enxofre, 0 e 0,4 kg/ha de boro para os
anos de 2004 e 2005 respectivamente. As adubações foram via fertirrigação durante 2004
e a lanço durante 2005 sempre após cada pastejo. O manejo da irrigação foi de acordo
com os dados coletados nas cinco baterias de tensiômetros instalados na área e na
estação meteorológica da UNESP de Ilha Solteira. Para a coleta de dados das variáveis
seguiram os seguintes procedimentos: lançamento da moldura ao acaso em quatro
pontos de cada piquete antes de cada pastejo; medição da ARPRP; corte da matéria
original dentro da moldura e pesagem. A matéria original foi secada até peso constante
em forno a gás. Estes procedimentos e estas definições foram adotados conforme
Pedreira (2002) para a técnica direta de medição da produção da pastagem. Com base
nos resultados obtidos fez se o cálculo da TAF (kg MS/ha/dia) pela diferença entre a
MFPRP e a MFPOP (kg MS/ha), dividida pelo número de dias entre medições. A FA (kg
MS/ha) foi calculada pelo somatório da FA em todos os ciclos de pastejos. A Densidade
da Massa de Forragem (DMF) foi calculada dividindo a massa de forragem pela altura do
relvado. A Capacidade de Suporte da Pastagem (UA/ha) foi calculada considerando uma
oferta de forragem de 6 kg de MS/100 kg de peso vivo. A EP (%) foi calculada dividindo a
forragem consumida (kg MS/animal/dia) pela MFPRP e é dada em porcentagem. Os
resultados foram comparados pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Nos dois anos de avaliação das variáveis relacionadas com características de
crescimento da pastagem (Tabela 1) observamos que as ARPRP e a ARPOP médias
foram de 37,4 e 23,3 cm, sem diferenças significativas entre os anos e de acordo com o
valor sugerido por Lupinacci (2002) que obteve um platô para os valores de taxa de
acúmulo e de produção de forragem em pastagem de capim-braquiarão entre as alturas
de pasto de 20 e 40 cm. A MFPRP também se manteve constante, sendo de 5.329 kg
MS/ha no ano 2004 e 5.380 kg MS/ha em 2005, sem diferença significativa. A DMFPREP,
assim como a MFPRP, foi igual entre os dois anos, sendo 143,4 kg MS/ha/cm, em 2004 e
143,6 kg MS/ha/cm em 2005, sem diferença significativa. Desta forma, podemos observar
que quando a ARPRP e a MFPRP são monitoradas por um período de tempo, a
densidade poderá ser usada posteriormente para calcular a MFPRP somente com
mensuração a campo da altura do relvado. Estes resultados têm nos embasados para
recomendações de técnicas de medição de forragem em sistemas de manejo intensivo,
onde sugerimos medir forragem pela técnica direta em um período de no mínimo um ano
e posteriormente trabalhar somente com a técnica indireta de medição, onde usamos a
densidade média de acordo com a estação do ano. O peso do resíduo pós pastejo
reduziu de 3.103,2 kg MS/ha, em 2004, para 1.744,2 kg MS/ha em 2.005. Com a MFPOP
muito acima do ideal em 2004, tentamos reduzir para próximo de 2.000 kg MS/ha,
quantidade mínima de resíduo que não limita a ingestão de forragem (Gomide, 1993) e
que resulta em desempenho animal acima de 210 kg de peso vivo ao ano (Aguiar et al.,
2004), porém devido a TL ficar acima da CSP, isto não foi possível, ocorrendo um
superpastejo durante alguns meses de 2005. A CSP foi calculada considerando uma
oferta de forragem de 6 kg de MS/100 kg de peso vivo ou 27 kg de MS/UA/dia com base
na MFPRP, e variou de 6,9 UA/ha em 2004, a 5,3 UA/ha em 2005, com CSP média, nos
dois anos, de 6,1 UA/ha, valor acima da taxa de lotação potencial de 5,0 UA/ha, estimada
por Balsalobre et al., (2003) com base na temperatura e latitude do município de Três
Lagoas, MS, que se localiza em latitude e altitude semelhantes as do município de
Selviria. Observa-se que em 2004 a taxa de lotação de 6,1 UA/ha esteve abaixo da CSP,
resultando em uma EP de 43 %, mas em 2005, a TL esteve acima da CSP, de 5,7 e 5,3
UA/ha, respectivamente, com conseqüente maior EP, que foi de 67 %. Na média dos dois
anos a taxa de lotação foi de 5,9 UA/ha contra uma CSP de 6,1 UA/ha, uma diferença de
0,2 UA/ha, ou seja, podemos perceber que a taxa de lotação pode ser praticamente igual
à capacidade de suporte, o que garante a perenidade da pastagem e uma boa eficiência
tanto no desempenho animal quanto na produção da forragem. A TAF reduziu de 89,1 kg
MS/ha/dia para 74,3 em 2005, o que resultou em um total de FA de 32.503,9 e 27.126,7
kg de MS/ha/ano, em 2004 e 2005, respectivamente. Aguiar et al., (2004), avaliando estes
mesmos parâmetros de crescimento na mesma área experimental, obteve resultados
muito semelhantes aos apresentados, porém a forragem acumulada foi de 34.300
kg/MS/ha/ano, capacidade de suporte de 7,36 UA/ha, eficiência de pastejo de 55 %.
Apesar de o manejo ser o mesmo desde 2001, estas variações de produtividade podem
ser atribuídas aos níveis de adubações, que apesar de calculada com base na mesma
meta de lotação 6 UA/ha, a adubação real é feita em função do preço do adubo e do fluxo
de caixa. O desempenho animal foi de 0,649 kg para 2004 e 0,526 kg em 2005 Aguiar et.
al. (2006 no prelo).




 Tabela 1. Características de crescimento de uma pastagem irrigada de capim-
        braquiarão em uma fazenda comercial ao longo de dois anos.
Variável                       2004               2005           Média  CV (%)
            ARPRP (cm)1                      37,2 a             37,7 a           37,4   10,0
            ARPOP (cm)2                      23,1 a             23,5 a           23,3    4,0
         MFPRP (kg MS/ha)3                 5.329,0 a          5.380,0 a        5.354,5  10,9
         MFPOP (kg MS/ha)4                 3.103,2 a          1.744,2 b        2.423,7  35,0
      DMFPREP (kg MS/ha/cm)5                143,4 a            143,6 a          143,5   10,4
         TAF (kg MS/ha/dia)7                 89,1 a             74,3 a          81,85   26,1
          FA (kg MS/ha/ano)8              32.503,9 a         27.126,7 a      29.815,3   26,6
               EP (%)9                      43% b              67% a             55%    23,1
            CSP (UA/ha)10                    6,9 a              5,3 b             6,1   25,8
             TL (UA/ha)11                    6,1 a              5,7 a             5,9   37,0
            GMD (kg/dia)12                   0,649              0,526           0,587     -
Médias seguidas de mesma letra não diferem pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade.
1ARPRP: Altura do Relvado no Pré-Pastejo; 2Altura do Relvado no Pós-Pastejo; 3MFPRP: Massa de
Forragem no Pré-Pastejo; 4MFPOP: Massa de Forragem no Pós-Pastejo; 5DMFPREP: Densidade da
Massa de Forragem pré pastejo; 6DMFPOP: Densidade da Massa de Forragem pós pastejo 7TAF: Taxa de
Acúmulo de Forragem; 8FA: Forragem Acumulada; 9EP: Eficiência de Pastejo; 10CSP: Capacidade de
Suporte da Pastagem; 11TL: Taxa de Lotação; 12GMD: Ganho Médio Diário.

CONCLUSÕES

No período e nas condições deste trabalho foi possível trabalhar com taxa de lotação
animal média ajustada com a capacidade de suporte, indicando que quando o sistema é
monitorado, podemos ter total controle do sistema de produção e obter o ótimo na
produção de forragem sem comprometer o desempenho animal.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. AGUIAR et al. Crescimento de uma pastagem de capim braquiarão (“brachiaria
brizantha” cv marandu) irrigada e manejada intensivamente. In: SIMPOSIO DE
FORRAGICULTURA NA REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE
ZOOTECNIA. 41., Campo Grande. Anais .... Campo Grande: SBZ, 2004. CD ROM

2. AGUIAR et al. Avaliação do ganho de peso de bovinos e produtividade animal em
pastagem de capim braquiarão (brachiaria brizantha      cv. marandú) manejada
intensivamente. In: SIMPOSIO DE FORRAGICULTURA NA REUNIÃO ANUAL DA
SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA. 43., João Pessoa. Anais .... João Pessoa:
SBZ, 2006 (no prelo).

3. BALSALOBRE, M. A. A. Pastagens Irrigadas. In: SIMPOSIO SOBRE MANEJO DA
PASTAGEM. 20., Piracicaba, 2003. Anais .... Piracicaba: FEALQ, 2003. 354 p. p. 265-
296.

4. GOMIDE, J. A. Produção de leite em regime de pasto. Revista da Sociedade
Brasileira de Zootecnia. Viçosa, v. 22, n. 4. p. 591-613, jul./agos. 1993.

5. LUPINACCI, A. V. Reservas orgânicas, índice de área foliar e produção de
forragem em Brachiaria brizantha cv. Marandu submetidas a intensidades de
pastejo por bovinos de corte. Piracicaba, SP: Escola Superior de Agricultura “Luiz de
Queiroz” – ESALQ, 2002. 160 p. Dissertação (Mestrado).

6. PEDREIRA, C. G. S. Avanços metodológicos na avaliação de pastagens. In:
SIMPOSIO DE FORRAGICULTURA NA REUNIAO ANUAL DA SOCIEDADE
BRASILEIRA DE ZOOTECNIA. 39., Recife. Anais... BATISTA et al., (Ed.). Recife: SBZ,
2002. 566 p. p. 100-150.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Ibá – Indústria Brasileira de Árvores
 
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
AgroTalento
 
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
FAO
 
ILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival VilelaILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival Vilela
ANCP Ribeirão Preto
 
CNA, CEPEA - Ativos da Pec. de Corte - jul/12
CNA, CEPEA - Ativos da Pec. de Corte - jul/12CNA, CEPEA - Ativos da Pec. de Corte - jul/12
CNA, CEPEA - Ativos da Pec. de Corte - jul/12
AgroTalento
 
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuáriaLeguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Daniel Staciarini Corrêa
 
Integração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aulaIntegração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aula
Lcfsouza
 
A agricultura de precisão para a gestão econômica
A agricultura de precisão para a gestão econômica A agricultura de precisão para a gestão econômica
A agricultura de precisão para a gestão econômica
Leandro Almeida
 
Manual Integração Lavoura-Pecuária
Manual Integração Lavoura-PecuáriaManual Integração Lavoura-Pecuária
Manual Integração Lavoura-Pecuária
Portal Canal Rural
 
[Palestra] Armindo Kichel: Degradação e Recuperação de Pastagem
[Palestra] Armindo Kichel: Degradação e Recuperação de Pastagem[Palestra] Armindo Kichel: Degradação e Recuperação de Pastagem
[Palestra] Armindo Kichel: Degradação e Recuperação de Pastagem
AgroTalento
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Gabriela De Paula Marciano
 
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuáriaSustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Marília Gomes
 
Cartilha ilpf 17_final
Cartilha ilpf 17_finalCartilha ilpf 17_final
Circ 96 milho
Circ 96 milhoCirc 96 milho
Adubação verde
Adubação verdeAdubação verde
Adubação verde
MauroWagnerdeOliveir
 
0100 204 x-pab-50-05-00407
0100 204 x-pab-50-05-004070100 204 x-pab-50-05-00407
0100 204 x-pab-50-05-00407
Jose Rodriguez
 
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
Produção de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinosProdução de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinos
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
MauroWagnerdeOliveir
 
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Instituto Besc
 
Degradação de pastagens em Goiás
Degradação de pastagens em GoiásDegradação de pastagens em Goiás
Degradação de pastagens em Goiás
Marília Gomes
 
Projetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastorisProjetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastoris
Exagro
 

Mais procurados (20)

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
 
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
 
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
 
ILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival VilelaILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival Vilela
 
CNA, CEPEA - Ativos da Pec. de Corte - jul/12
CNA, CEPEA - Ativos da Pec. de Corte - jul/12CNA, CEPEA - Ativos da Pec. de Corte - jul/12
CNA, CEPEA - Ativos da Pec. de Corte - jul/12
 
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuáriaLeguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
 
Integração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aulaIntegração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aula
 
A agricultura de precisão para a gestão econômica
A agricultura de precisão para a gestão econômica A agricultura de precisão para a gestão econômica
A agricultura de precisão para a gestão econômica
 
Manual Integração Lavoura-Pecuária
Manual Integração Lavoura-PecuáriaManual Integração Lavoura-Pecuária
Manual Integração Lavoura-Pecuária
 
[Palestra] Armindo Kichel: Degradação e Recuperação de Pastagem
[Palestra] Armindo Kichel: Degradação e Recuperação de Pastagem[Palestra] Armindo Kichel: Degradação e Recuperação de Pastagem
[Palestra] Armindo Kichel: Degradação e Recuperação de Pastagem
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
 
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuáriaSustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
 
Cartilha ilpf 17_final
Cartilha ilpf 17_finalCartilha ilpf 17_final
Cartilha ilpf 17_final
 
Circ 96 milho
Circ 96 milhoCirc 96 milho
Circ 96 milho
 
Adubação verde
Adubação verdeAdubação verde
Adubação verde
 
0100 204 x-pab-50-05-00407
0100 204 x-pab-50-05-004070100 204 x-pab-50-05-00407
0100 204 x-pab-50-05-00407
 
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
Produção de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinosProdução de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinos
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
 
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
 
Degradação de pastagens em Goiás
Degradação de pastagens em GoiásDegradação de pastagens em Goiás
Degradação de pastagens em Goiás
 
Projetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastorisProjetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastoris
 

Semelhante a Características de crescimento capim braquiarao

1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)
Lucas Ferreira
 
Experimento soja
Experimento sojaExperimento soja
Experimento soja
Rogger Wins
 
Artigo alface 04.11 completo
Artigo alface 04.11 completoArtigo alface 04.11 completo
Artigo alface 04.11 completo
Euvaldo Junior
 
Adubação feijão
Adubação feijãoAdubação feijão
Adubação feijão
Tadeu Cavalcante
 
Avaliaçao de genotipos de cenoura na regiao de cerrado pre amazonico
Avaliaçao de genotipos de cenoura na regiao de cerrado pre amazonicoAvaliaçao de genotipos de cenoura na regiao de cerrado pre amazonico
Avaliaçao de genotipos de cenoura na regiao de cerrado pre amazonico
Jose Carvalho
 
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondôniaTeor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Jose Carvalho
 
ALTURA DE MANEJO DAS PASTAGENS DE AZEVÉM E AVEIA
ALTURA DE MANEJO DAS PASTAGENS DE AZEVÉM E AVEIAALTURA DE MANEJO DAS PASTAGENS DE AZEVÉM E AVEIA
ALTURA DE MANEJO DAS PASTAGENS DE AZEVÉM E AVEIA
jessica zambonato
 
Esterco no milho
Esterco no milhoEsterco no milho
Esterco no milho
mvezzone
 
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Romildo Marques de Farias
 
PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO QUÍMICA E TAXA DE LOTAÇÃO DE SISTEMAS FORRAGEIROS CONSTI...
PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO QUÍMICA E TAXA DE LOTAÇÃO DE SISTEMAS FORRAGEIROS CONSTI...PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO QUÍMICA E TAXA DE LOTAÇÃO DE SISTEMAS FORRAGEIROS CONSTI...
PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO QUÍMICA E TAXA DE LOTAÇÃO DE SISTEMAS FORRAGEIROS CONSTI...
Rural Pecuária
 
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
Fernanda Sales
 
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
cbsaf
 
Contendauuuiuiuiuiuiuiuiuiuiuiuuiuu.pptx
Contendauuuiuiuiuiuiuiuiuiuiuiuuiuu.pptxContendauuuiuiuiuiuiuiuiuiuiuiuuiuu.pptx
Contendauuuiuiuiuiuiuiuiuiuiuiuuiuu.pptx
DinisOliveira30
 
Pastos egas 11
Pastos egas 11Pastos egas 11
Pastos egas 11
Egas Armando
 
4987 27155-1-pb
4987 27155-1-pb4987 27155-1-pb
4987 27155-1-pb
arturbonilha mendes
 
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforoFontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
arturbonilha mendes
 
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforoFontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Walter Artur Artur Mendes
 
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
CULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptxCULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptx
LUCIANOMAURCIOBEZERR3
 

Semelhante a Características de crescimento capim braquiarao (20)

1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)
 
Experimento soja
Experimento sojaExperimento soja
Experimento soja
 
Artigo alface 04.11 completo
Artigo alface 04.11 completoArtigo alface 04.11 completo
Artigo alface 04.11 completo
 
Adubação feijão
Adubação feijãoAdubação feijão
Adubação feijão
 
Avaliaçao de genotipos de cenoura na regiao de cerrado pre amazonico
Avaliaçao de genotipos de cenoura na regiao de cerrado pre amazonicoAvaliaçao de genotipos de cenoura na regiao de cerrado pre amazonico
Avaliaçao de genotipos de cenoura na regiao de cerrado pre amazonico
 
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondôniaTeor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
 
ALTURA DE MANEJO DAS PASTAGENS DE AZEVÉM E AVEIA
ALTURA DE MANEJO DAS PASTAGENS DE AZEVÉM E AVEIAALTURA DE MANEJO DAS PASTAGENS DE AZEVÉM E AVEIA
ALTURA DE MANEJO DAS PASTAGENS DE AZEVÉM E AVEIA
 
Esterco no milho
Esterco no milhoEsterco no milho
Esterco no milho
 
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
 
PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO QUÍMICA E TAXA DE LOTAÇÃO DE SISTEMAS FORRAGEIROS CONSTI...
PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO QUÍMICA E TAXA DE LOTAÇÃO DE SISTEMAS FORRAGEIROS CONSTI...PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO QUÍMICA E TAXA DE LOTAÇÃO DE SISTEMAS FORRAGEIROS CONSTI...
PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO QUÍMICA E TAXA DE LOTAÇÃO DE SISTEMAS FORRAGEIROS CONSTI...
 
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
 
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
 
Contendauuuiuiuiuiuiuiuiuiuiuiuuiuu.pptx
Contendauuuiuiuiuiuiuiuiuiuiuiuuiuu.pptxContendauuuiuiuiuiuiuiuiuiuiuiuuiuu.pptx
Contendauuuiuiuiuiuiuiuiuiuiuiuuiuu.pptx
 
Pastos egas 11
Pastos egas 11Pastos egas 11
Pastos egas 11
 
4987 27155-1-pb
4987 27155-1-pb4987 27155-1-pb
4987 27155-1-pb
 
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforoFontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
 
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforoFontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
 
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
 
Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04
 
CULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptxCULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptx
 

Último

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Características de crescimento capim braquiarao

  • 1. CARACTERÍSTICAS DE CRESCIMENTO DE UMA PASTAGEM DE CAPIM BRAQUIARÃO (“BRACHIARIA BRIZANTHA” CV MARANDU) IRRIGADA E MANEJADA INTENSIVAMENTE EM UMA FAZENDA COMERCIAL, AO LONGO DE DOIS ANOS1 ADILSON DE PAULA ALMEIDA AGUIAR2, JULIANO RICARDO RESENDE3, LUIZ GONZAGA DE OLIVEIRA FILHO4, LUIS ROBERTO TORMIM ARANTES5, SERGIO EDUARDO TORMIM ARANTES5 1 Projeto financiado pela Agropecuária Hugo Arantes. 2 Professor de Pastagens e Plantas Forrageiras I, Zootecnia I e III (Bovinocultura de Corte e Leite) da FAZU (Faculdades Associadas de Uberaba) e Prof. de Agrostologia da UNIUBE (Universidade de Uberaba) em Uberaba, MG. E-mail adilson@consupec.com.br 3 Zootecnista e consultor pela CONSUPEC – Consultoria e Planejamento Pecuário. www.consupec.com.br E-mail: juliano@consupec.com.br 4 Administrador de Empresas, Consultor em Gestão Pecuária, Pecuarista. lugonza@uol.com.br 5 Equipe da Agropecuária Hugo Arantes. searantes55@uol.com.br RESUMO Variáveis como a massa de forragem e a altura do relvado no pré e no pós-pastejo, a taxa de acúmulo de forragem, a eficiência de pastejo e a capacidade de suporte da pastagem são importantes, pois podem ser adotadas no planejamento do manejo do pastejo. O objetivo deste trabalho foi avaliar as variáveis citadas em uma pastagem de capim- braquiarão irrigada e explorada intensivamente em uma fazenda comercial durante dois anos. O sistema de irrigação foi do tipo pivô central. Uma área de 103 ha foi dividida em 30 piquetes que foram pastejados no método de lotação rotacionada. Os animais eram cruzados e zebuínos nas fases de recria e engorda. A produção da pastagem foi medida pela técnica direta de medição. As alturas do relvado no pré e no pós-pastejo foram 37,4 e 23,3 cm e a massa de forragem no pré e no pós-pastejo foram 5.354,5 kg MS/ha e 2.423,7 kg MS/ha, respectivamente. A densidade media do relvado no pré-pastejo foi de 143,5 kg de MS/ha/cm; a taxa de acúmulo de forragem foi de 81,8 kg MS/ha/dia, a forragem acumulada foi de 29.815,3 kg MS/ha/ano e a eficiência de pastejo foi e 55 %. No período e nas condições deste trabalho foi possível trabalhar com taxa de lotação animal média de 5,9 UA/ha, mas a capacidade de suporte foi de 6,1 UA/ha, indicando que é possível trabalhar com a lotação ajustada sem comprometer o desempenho animal e obter o ótimo da produção de forragem. PALAVRA CHAVE capacidade de suporte, lotação rotacionada, massa de forragem, sistema intensivo, taxa de lotação TITLE GROWTH CHARACTERISTICS OF A BRAQUIARÃO GRASS PASTURE (“BRACHIARIA BRIZANTHA” CV MARANDU) IRRIGATED AND MANAGED INTENSIVELY IN A COMMERCIAL FARM, OVER TWO YEARS ABSTRACT Variables such as herbage mass before and after grazing, sward height before and after grazing, forage accumulation rate, grazing efficiency and carrying capacity are important to
  • 2. adopt in the planning of grazing management. The objective of this work was to assess those variables on pastures of Braquiarão grass irrigated and managed under an intensive grazing, in a commercial farm over two years. The irrigation system was a central pivot. The quantities of lime and fertilizers were calculated taking account the soils tests and forage demand. An area of 103 ha was divided in 30 paddocks which were grazed using a rotational stock method. The animals were of zebu breeds and European x zebu crossbreeding in growth and fattening. The pasture production was measured by direct technique of measurement. The heights of sward before and pos-grazing were 37,4 and 23,2 cm and the herbage mass before and pos-grazing were 5.354,5 kg DM/ha and 2.423,7 kg DM/ha, respectively. The average bulk density of the sward was 143,5 kg DM/ha/cm, the forage accumulation rate was 81,8 kg DM/ha/day; the accumulated mass was 29.815,3 kg DM/ha/year and the grazing efficiency was 55%. During the period and under the conditions of this work was possible to work with a stocking rate of 5,9 AU/ha, but the carrying capacity was 6,1 AU/ha, indicating the possibility to increase the stocking rate. KEYWORDS carrying capacity, herbage mass, intensive system, rotational stock, stocking rate INTRODUÇÃO Nas reuniões anuais da SBZ, os trabalhos sobre irrigação em pastagens foram poucos até 2000 (cinco trabalhos), seis em 2001 e mais de dez trabalhos em 2002. Esta evolução demonstra uma renovação do interesse da comunidade científica sobre o assunto. Muitos destes trabalhos têm sido realizados em casa de vegetação e em canteiros, não refletindo as condições sob pastejo. Em poucos trabalhos, como os de Aguiar et al. (2004) apareceram resultados em áreas pastejadas de capim-braquiarão avaliando taxa de lotação e intensidade de pastejo. Nem sempre os centros de pesquisa têm recursos disponíveis para investir em pesquisa com animais sob pastejo, principalmente em pastagens irrigadas, devido aos altos custos deste tipo de trabalho e por isso, é importante fazer parcerias com produtores dispostos a produzirem informações dentro de suas propriedades. Variáveis como a massa de forragem no pré e no pós-pastejo (MFPRP e MFPOP), a altura do relvado no pré e no pós-pastejo (ARPRP e ARPOP), a densidade da massa de forragem no pré e pós pastejo (DMFPREP e DMFPOP), a taxa de acúmulo de forragem (TAF), a eficiência de pastejo (EP) e a capacidade de suporte da pastagem (CSP) são importantes, pois podem ser adotadas a campo no planejamento do manejo do pastejo. O objetivo deste trabalho foi o de avaliar as variáveis citadas em uma pastagem de capim-braquiarão irrigada e explorada intensivamente durante dois anos. MATERIAL E MÉTODOS Este trabalho foi desenvolvido na Fazenda Santa Ofélia, da Agropecuária Hugo Arantes, no município de Selviria, MS, em altitude de 357 m, 20 “0” 21’ de latitude Sul e 51 “0” 26’ de longitude Oeste de Greenwich, nos anos de 2004 e 2005. As normais climatológicas de 2004 e 2005 foram: temperatura média de 24,5 e 24,9 graus; evapotranspiração diária de 4,2 e 4,0 mm (1533 e 1460 mm/ano); precipitação de 1.138 e 1.003 mm, 6,9 e 6,9 horas de insolação (estação meteorológica da UNESP, Ilha Solteira, localizada à menos
  • 3. de 20 km da propriedade). Uma área de 103 ha que estava estabelecida com capim- braquiarão desde o inicio da década de 80, foi escolhida para a implantação de um pivô central. A área foi dividida em 30 piquetes de 3,45 ha os quais foram manejados em lotação rotacionada, com ciclos de pastejo de 30 a 45 dias que variou de acordo com a altura do relvado, sendo a média de 40 cm no pré pastejo e 20 cm no pós pastejo. O solo foi classificado como Latossolo Vermelho Distrófico, de textura argilosa a média, que apresentou no resultado de análise, antes do inicio dos trabalhos, os seguintes valores: matéria orgânica (MO), 22 “g/dm3”; fósforo (P-resina), 10 “mg/dm3”; pH “CaCl2”, 5,5; potássio (K), 3,7 “mmolc/dm3”; cálcio (Ca), 35 “mmolc/dm3”, magnésio (Mg), 15 “mmolc/dm3”; capacidade de troca de cátions (CTC), 75 “mmolc/dm3”; saturação por bases (V%), 72; enxofre (S), 3 “mg/md3”; boro (B), 0,12 “mg/dm3”; cobre (Cu), 0,4 “mg/dm3”; ferro (Fe), 134 “mg/dm3”; manganês (Mn), 10 “mg/dm3” e zinco (Zn), 1,1 “mg/dm3”. Foram aplicados 325 e 370 kg/ha de nitrogênio (N), sendo que parte veio de uma aplicação de quatro toneladas de cama-de-frango/ha em 2004, 128 e 0 kg/ha de “P2O5”, 213 e 68 kg/ha de “K2O”, 42 e 20 kg/ha de enxofre, 0 e 0,4 kg/ha de boro para os anos de 2004 e 2005 respectivamente. As adubações foram via fertirrigação durante 2004 e a lanço durante 2005 sempre após cada pastejo. O manejo da irrigação foi de acordo com os dados coletados nas cinco baterias de tensiômetros instalados na área e na estação meteorológica da UNESP de Ilha Solteira. Para a coleta de dados das variáveis seguiram os seguintes procedimentos: lançamento da moldura ao acaso em quatro pontos de cada piquete antes de cada pastejo; medição da ARPRP; corte da matéria original dentro da moldura e pesagem. A matéria original foi secada até peso constante em forno a gás. Estes procedimentos e estas definições foram adotados conforme Pedreira (2002) para a técnica direta de medição da produção da pastagem. Com base nos resultados obtidos fez se o cálculo da TAF (kg MS/ha/dia) pela diferença entre a MFPRP e a MFPOP (kg MS/ha), dividida pelo número de dias entre medições. A FA (kg MS/ha) foi calculada pelo somatório da FA em todos os ciclos de pastejos. A Densidade da Massa de Forragem (DMF) foi calculada dividindo a massa de forragem pela altura do relvado. A Capacidade de Suporte da Pastagem (UA/ha) foi calculada considerando uma oferta de forragem de 6 kg de MS/100 kg de peso vivo. A EP (%) foi calculada dividindo a forragem consumida (kg MS/animal/dia) pela MFPRP e é dada em porcentagem. Os resultados foram comparados pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. RESULTADOS E DISCUSSÃO Nos dois anos de avaliação das variáveis relacionadas com características de crescimento da pastagem (Tabela 1) observamos que as ARPRP e a ARPOP médias foram de 37,4 e 23,3 cm, sem diferenças significativas entre os anos e de acordo com o valor sugerido por Lupinacci (2002) que obteve um platô para os valores de taxa de acúmulo e de produção de forragem em pastagem de capim-braquiarão entre as alturas de pasto de 20 e 40 cm. A MFPRP também se manteve constante, sendo de 5.329 kg MS/ha no ano 2004 e 5.380 kg MS/ha em 2005, sem diferença significativa. A DMFPREP, assim como a MFPRP, foi igual entre os dois anos, sendo 143,4 kg MS/ha/cm, em 2004 e 143,6 kg MS/ha/cm em 2005, sem diferença significativa. Desta forma, podemos observar que quando a ARPRP e a MFPRP são monitoradas por um período de tempo, a densidade poderá ser usada posteriormente para calcular a MFPRP somente com mensuração a campo da altura do relvado. Estes resultados têm nos embasados para recomendações de técnicas de medição de forragem em sistemas de manejo intensivo,
  • 4. onde sugerimos medir forragem pela técnica direta em um período de no mínimo um ano e posteriormente trabalhar somente com a técnica indireta de medição, onde usamos a densidade média de acordo com a estação do ano. O peso do resíduo pós pastejo reduziu de 3.103,2 kg MS/ha, em 2004, para 1.744,2 kg MS/ha em 2.005. Com a MFPOP muito acima do ideal em 2004, tentamos reduzir para próximo de 2.000 kg MS/ha, quantidade mínima de resíduo que não limita a ingestão de forragem (Gomide, 1993) e que resulta em desempenho animal acima de 210 kg de peso vivo ao ano (Aguiar et al., 2004), porém devido a TL ficar acima da CSP, isto não foi possível, ocorrendo um superpastejo durante alguns meses de 2005. A CSP foi calculada considerando uma oferta de forragem de 6 kg de MS/100 kg de peso vivo ou 27 kg de MS/UA/dia com base na MFPRP, e variou de 6,9 UA/ha em 2004, a 5,3 UA/ha em 2005, com CSP média, nos dois anos, de 6,1 UA/ha, valor acima da taxa de lotação potencial de 5,0 UA/ha, estimada por Balsalobre et al., (2003) com base na temperatura e latitude do município de Três Lagoas, MS, que se localiza em latitude e altitude semelhantes as do município de Selviria. Observa-se que em 2004 a taxa de lotação de 6,1 UA/ha esteve abaixo da CSP, resultando em uma EP de 43 %, mas em 2005, a TL esteve acima da CSP, de 5,7 e 5,3 UA/ha, respectivamente, com conseqüente maior EP, que foi de 67 %. Na média dos dois anos a taxa de lotação foi de 5,9 UA/ha contra uma CSP de 6,1 UA/ha, uma diferença de 0,2 UA/ha, ou seja, podemos perceber que a taxa de lotação pode ser praticamente igual à capacidade de suporte, o que garante a perenidade da pastagem e uma boa eficiência tanto no desempenho animal quanto na produção da forragem. A TAF reduziu de 89,1 kg MS/ha/dia para 74,3 em 2005, o que resultou em um total de FA de 32.503,9 e 27.126,7 kg de MS/ha/ano, em 2004 e 2005, respectivamente. Aguiar et al., (2004), avaliando estes mesmos parâmetros de crescimento na mesma área experimental, obteve resultados muito semelhantes aos apresentados, porém a forragem acumulada foi de 34.300 kg/MS/ha/ano, capacidade de suporte de 7,36 UA/ha, eficiência de pastejo de 55 %. Apesar de o manejo ser o mesmo desde 2001, estas variações de produtividade podem ser atribuídas aos níveis de adubações, que apesar de calculada com base na mesma meta de lotação 6 UA/ha, a adubação real é feita em função do preço do adubo e do fluxo de caixa. O desempenho animal foi de 0,649 kg para 2004 e 0,526 kg em 2005 Aguiar et. al. (2006 no prelo). Tabela 1. Características de crescimento de uma pastagem irrigada de capim- braquiarão em uma fazenda comercial ao longo de dois anos.
  • 5. Variável 2004 2005 Média CV (%) ARPRP (cm)1 37,2 a 37,7 a 37,4 10,0 ARPOP (cm)2 23,1 a 23,5 a 23,3 4,0 MFPRP (kg MS/ha)3 5.329,0 a 5.380,0 a 5.354,5 10,9 MFPOP (kg MS/ha)4 3.103,2 a 1.744,2 b 2.423,7 35,0 DMFPREP (kg MS/ha/cm)5 143,4 a 143,6 a 143,5 10,4 TAF (kg MS/ha/dia)7 89,1 a 74,3 a 81,85 26,1 FA (kg MS/ha/ano)8 32.503,9 a 27.126,7 a 29.815,3 26,6 EP (%)9 43% b 67% a 55% 23,1 CSP (UA/ha)10 6,9 a 5,3 b 6,1 25,8 TL (UA/ha)11 6,1 a 5,7 a 5,9 37,0 GMD (kg/dia)12 0,649 0,526 0,587 - Médias seguidas de mesma letra não diferem pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. 1ARPRP: Altura do Relvado no Pré-Pastejo; 2Altura do Relvado no Pós-Pastejo; 3MFPRP: Massa de Forragem no Pré-Pastejo; 4MFPOP: Massa de Forragem no Pós-Pastejo; 5DMFPREP: Densidade da Massa de Forragem pré pastejo; 6DMFPOP: Densidade da Massa de Forragem pós pastejo 7TAF: Taxa de Acúmulo de Forragem; 8FA: Forragem Acumulada; 9EP: Eficiência de Pastejo; 10CSP: Capacidade de Suporte da Pastagem; 11TL: Taxa de Lotação; 12GMD: Ganho Médio Diário. CONCLUSÕES No período e nas condições deste trabalho foi possível trabalhar com taxa de lotação animal média ajustada com a capacidade de suporte, indicando que quando o sistema é monitorado, podemos ter total controle do sistema de produção e obter o ótimo na produção de forragem sem comprometer o desempenho animal. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. AGUIAR et al. Crescimento de uma pastagem de capim braquiarão (“brachiaria brizantha” cv marandu) irrigada e manejada intensivamente. In: SIMPOSIO DE FORRAGICULTURA NA REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA. 41., Campo Grande. Anais .... Campo Grande: SBZ, 2004. CD ROM 2. AGUIAR et al. Avaliação do ganho de peso de bovinos e produtividade animal em pastagem de capim braquiarão (brachiaria brizantha cv. marandú) manejada intensivamente. In: SIMPOSIO DE FORRAGICULTURA NA REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA. 43., João Pessoa. Anais .... João Pessoa: SBZ, 2006 (no prelo). 3. BALSALOBRE, M. A. A. Pastagens Irrigadas. In: SIMPOSIO SOBRE MANEJO DA PASTAGEM. 20., Piracicaba, 2003. Anais .... Piracicaba: FEALQ, 2003. 354 p. p. 265- 296. 4. GOMIDE, J. A. Produção de leite em regime de pasto. Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia. Viçosa, v. 22, n. 4. p. 591-613, jul./agos. 1993. 5. LUPINACCI, A. V. Reservas orgânicas, índice de área foliar e produção de forragem em Brachiaria brizantha cv. Marandu submetidas a intensidades de
  • 6. pastejo por bovinos de corte. Piracicaba, SP: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – ESALQ, 2002. 160 p. Dissertação (Mestrado). 6. PEDREIRA, C. G. S. Avanços metodológicos na avaliação de pastagens. In: SIMPOSIO DE FORRAGICULTURA NA REUNIAO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA. 39., Recife. Anais... BATISTA et al., (Ed.). Recife: SBZ, 2002. 566 p. p. 100-150.