SlideShare uma empresa Scribd logo
Abraço simbólico no Parque Municipal alerta população
sobre exploração de crianças e adolescentes
Páginas 4 e 5
Sedese inaugura duas Unidades
Interligadas de Registro Civil de
Nascimento em Montes Claros.
Páginas 8 e 9
Maria Juanita Godinho Pimenta
Subsecretária de Direitos Humanos da Sedese
anuncia projeto de criação da Escola de
Formação em Direitos Humanos.
Página 9
Acontece ...
Informativo semanal da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social
6ª edição • 16 a 22 de maio de 2014
Divulgação
2
Conversa com o
Secretário
O assunto de nos-
sa conversa esta se-
mana é de interesse
mundial: a violência,
que é, sem dúvida,
um dos maiores pro-
blemas enfrentados
na atualidade. E na
semana em que co-
memoramos o Dia
Internacional de
Combate ao Abuso e
Exploração Sexual de
Crianças e Adolescentes (18 de maio),
eu não poderia deixar de falar sobre um
tema tão importante para todos nós.
A violência contra crianças e adolescen-
tes inclui violência física, psicológica,
discriminação, negligência e maus-tra-
tos. Ela vai desde abusos sexuais em
casa a castigos corporais e humilhantes
na escola, do uso de restrições físicas
em casa à brutalidade cometida pelas
forças da ordem, de abusos e negligên-
cia em instituições às lutas de gangues
nas ruas, onde as crianças brincam ou
trabalham, do infanticídio aos chama-
dos “crimes” de honra.
É importante ressaltar que todas as
pessoas têm um importante papel a de-
sempenhar nesta causa, mas cabe aos
Estados a principal responsabilidade:
proibir todas as formas de violência con-
tra as crianças, independentemente de
local ou de quem a pratica, e investir em
programas de prevenção para enfrentar
as causas que lhe estão subjacentes.
A Campanha Proteja Nossas Crianças,
coordenada pela Sedese, é um exem-
plo da atuação do Estado na busca da
consolidação e ampliação das ações
de enfrentamento ao abuso e à explora-
ção sexual de crianças e adolescentes
em Minas Gerais. Desde seu início, a
Sedese está investindo, cada vez mais,
em ações preventivas e na promoção e
garantia dos direitos humanos. O Dis-
que Direitos Humanos vem recebendo, a
cada ano, um número maior de ligações
com denúncias, que são devidamente
encaminhadas para os conselhos tutela-
res, promotorias da infância e delegacias
especializadas.Isso demonstra que a so-
ciedade civil está sensibilizada e atenta
ao problema, mas o número de denún-
cias é baixo diante da violência que ainda
está oculta. Por isso, todos nós devemos
ajudar a informar e divulgar os meios de
denúncia permanentemente, para que o
silêncio que permeia essa violência seja
quebrado de forma definitiva.
As marcas físicas, emocionais e psicoló-
gicas da violência podem ter sérias im-
plicações no desenvolvimento da criança
ou do adolescente, na sua saúde e capa-
cidade de aprendizagem e representam
algumas das principais causas de doen-
ças e de morte (inclusive suicídios).
E essa violência tem consequências du-
radouras não apenas paras as crianças,
adolescente e seus familiares, mas tam-
bém para o desenvolvimento de comu-
nidades e países. Sendo assim, convo-
co todos vocês para nos ajudar a cuidar
de nossas crianças, nosso maior bem e
os agentes do futuro de nosso país.
Nosso canal de comunicação:
conversacomsecretario@social.mg.gov.br
3
Divulgação/Sedese
Subsecretário Hélio Rabelo durante oficina Regional de Inclusão Produtiva Urbana, realizada em BH.
Osubsecretário de Trabalho e Emprego da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento
Social (Sedese), Hélio Rabelo, participou da abertura da Oficina Regional de Inclusão Produtiva
Urbana – Região Sudeste, realizada na quarta-feira (21), no Othon Palace em Belo Horizonte. Na aber-
tura, o secretário Extraordinário para Superação da Extrema Pobreza do Ministério do Desenvolvimento
Social e Combate à Fome, Tiago Falcão, apresentou o Balanço Regional do Plano Brasil Sem Miséria.
Destinado a um público formado por interlocutores do Pronatec/BSM na região Sudeste, o subsecre-
tário Hélio Rabelo fez uma apresentação sobre as principais ações e parcerias do governo de Minas
para a inclusão produtiva urbana e rural no Estado. Rabelo apresentou dados e informações dos Nú-
cleos de Inclusão Produtiva no Estado de Minas Gerais. O objetivo é promover a inclusão produtiva,
por meio da geração e obtenção de renda, fomento à economia popular solidária, apoio aos trabalha-
dores autônomos, incentivo a atividades empreendedoras geradoras de trabalho e renda e promoção
do acesso a orientações ao microcrédito.
Tomaram posse na segunda-feira (19),
25 novos servidores da Sedese. O se-
cretário de Estado de Trabalho e Desen-
volvimento Social, Eduardo Bernis, deu
boas-vindas aos novos colaboradores,
que foram aprovados em concurso pú-
blico para o cargo de Analista de Ges-
tão e Políticas em Desenvolvimento.
Os novos servidores desenvolvem suas
funções em Belo Horizonte, na própria
sede da Secretaria, na Cidade Adminis-
trativa Presidente Tancredo Neves.
Hélio Rabelo apresenta ações para a
inclusão produtiva urbana e rural em Minas
Secretário dá boas-vindas aos novos servidores
da Sedese
Divulgação/ Sedese
LeilaGuimarães/Sedese
4
Ação em BH alerta a população
sobre abuso e exploração de
crianças e adolescentes
Centenas de crianças, jovens e adultos se
uniram nessa terça-feira (20) para abraçar
o Parque Municipal. Com o ato simbólico em
volta do lago principal do Parque, a Secreta-
ria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento
Social (Sedese), o Serviço Voluntário de Assis-
tência Social (Servas) e a Prefeitura de Belo
Horizonte (PBH) buscaram alertar a população
para o Dia Internacional de Combate ao Abuso
e Exploração Sexual de Crianças e Adolescen-
tes e o Dia Mundial de Combate ao Trabalho
Infantil, celebrados em 18 de maio e 12 de ju-
nho, respectivamente. Além de Belo Horizonte,
as datas também foram relembradas em vários
municípios do Estado com diversas ações.
O abraço simbólico, realizado em um dos
maiores espaços de lazer e cultura da capital
mineira, integrou a programação do evento de-
nominado “Identificar para Proteger”, que pro-
moveu uma série de atividades ao ar livre para
a população, incluindo peças teatrais, atendi-
mentos à saúde, emissão de documentos e a
Campanha Proteja Nossas Crianças, do go-
verno de Minas. “É fundamental esta união de
esforços, para continuarmos desenvolvendo e
ampliando ações astuciosas de enfrentamento
ao abuso e à exploração sexual de crianças e
adolescentes em Minas Gerais. É uma mobi-
lização permanente, não podemos descuidar”,
ressaltou o secretário de Estado de Trabalho e
Desenvolvimento Social, Eduardo Bernis, que
participou do abraço em volta do lago do Par-
que Municipal e acompanhou as atividades,
juntamente com a primeira-dama e presidente
do Servas, Célia Pinto Coelho.
Desyree da Trindade Rosa, de 18 anos, jovem
aprendiz do Ensino Social Profissionalizante
(Espro), em Belo Horizonte, ressalta a partici-
pação dos jovens em mobilizações e campa-
nhas de sensibilização como esta. “A campa-
5
nha é muito importante para chamar a atenção
de todos os jovens e todas as crianças no com-
bate ao abuso sexual. Isso é algo muito sério,
por isso participamos da ação”, ressaltou.
A data
O dia 18 de maio foi instituído pela Lei Federal
nº. 9970/00 como o Dia Nacional de Combate
ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças
e Adolescentes. A data foi escolhida porque
em 18 de maio de 1973, em Vitória (ES), uma
menina de oito anos de idade foi raptada, dro-
gada, estuprada, morta e carbonizada por jo-
vens de classe média alta da cidade. O crime
bárbaro chocou a opinião pública nacional e
ficou conhecido como o “Crime Araceli”, nome
da vítima. Apesar de sua natureza hedionda,
prescreveu impune.
Campanha Proteja Nossas Crianças
Lançada em maio de 2008, a Campanha Pro-
teja Nossas Crianças é coordenada pela Se-
dese, Serviço Voluntário de Assistência Social
(Servas) e pelo Conselho Estadual dos Direitos
da Criança e do Adolescente (Cedca). Trata-se
de uma das maiores mobilizações já realiza-
das no país com foco no combate à violência
doméstica e à exploração sexual de crianças e
adolescentes. Para isso, conta com vários par-
ceiros, entre eles emissoras de TV, rádio e jor-
nais impressos do Estado.
De 2008 a 2013, foram realizadas mais de 830
blitze em estradas estaduais e federais, além
de mais de 15 mil denúncias de crimes contra
crianças e adolescentes registradas por meio do
Disque Direitos Humanos (0800 031 11 19), da
Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvi-
mento Social (Sedese), que recebe e encaminha
qualquer tipo de acusação de violação de direi-
tos humanos em todo o Estado. A ligação é gra-
tuita, sigilosa e o serviço funciona de segunda a
sexta-feira, das 8h às 20h.
Às vésperas da Copa do Mundo, a Sedese vai in-
tensificar a campanha Proteja Nossas Crianças,
aumentando ações e estratégias de proteção dos
direitos da criança e do adolescente em 43 muni-
cípios, que terão impacto direto com a chegada de
um grande volume de turistas, estabelecendo flu-
xos da rede de amparo, capacitação, plantão inte-
grado de atendimento com equipe volante e serviço
temporário de convivência.A intenção é combater o
abuso e a exploração de crianças e adolescentes,
além de outros tipos de violência contra a popula-
ção infantojuvenil, como a negligência, o abandono
e as agressões físicas e psicológicas.
PauloBellardini/Sedese
6
1. Secretário Eduardo Bernis, ao lado da primeira-
dama e presidente do Servas, Célia Pinto Coelho,
durante ações do mutirão“Identificar para Proteger”,
intensificando a Campanha Proteja Nossas
Crianças contra o abuso e a exploração sexual de
crianças e adolescentes, realizada na terça-feira,
20, no Parque Municipal.
2. Nesta semana, Eduardo Bernis foi convidado a
participardaExponor2014-MostraEmpresarialdo
Nordeste Mineiro.O convite foi feito pelo Presidente
doSindcomérciodeTeófiloOtoni,IesserAnisLauar,
que esteve no gabinete da Sedese acompanhado
pelo presidente do Sindilojas, Nadim Elias Donato
Filho, da gerente Danielle Stancioli. O encontro
também contou com a presença do subsecretário
do Trabalho e Emprego da Sedese, Hélio Rabelo.
3. Adalberto Pires e Carmelino da Luz Soares,
respectivamente vice-prefeito e presidente da
Câmara de São Gonçalo do Rio Preto, em visita
ao secretário Eduardo Bernis, acompanhados de
Donizete Godinho, chefe de gabinete do deputado
estadual Luiz Henrique.
Sedese
em pauta
4.
4. Reunião de Trabalho: Eduardo Bernis
em reunião de trabalho com o presidente da
Utramig, José Murilo Resende, e o chefe de
gabinete daquela entidade, Felipe Carrara,
o subsecretário de Trabalho e Emprego da
Sedese, Hélio Rabelo, e o superintendente de
Política de Trabalho e Emprego, Bruno Dias
Magalhães. Também estiveram presentes o
deputado estadual João Bittar e João Bittar Neto.
5.	 O secretário esteve reunido
com o prefeito de Serranos, José
da Cunha, e o chefe de Gabinete
do deputado estadual Leonardo
Moreira, Luis Roberto Pieroni.
6. Secretário Eduardo Bernis
reunido com José Murilo
Resende e Felipe Carrara,
presidente e chefe de gabinete
da Utramig, respectivamente,
o subsecretário de Trabalho
e Emprego Hélio Rabelo, e o
superintendente de Política de
Trabalho e Emprego, Bruno Dias
Magalhães.
7. Tereza Navarro e sua
assessora, Maria Cecília, foram
recebidas pelo secretário.
8. O secretário Eduardo Bernis
e o prefeito de Muriaé, Aloisio
Aquino, assinaram termo aditivo
de cessão de terreno da Sedese
ao município.
1.
PauloBellardini/SedesePauloBellardini/Sedese
PauloBellardini/Sedese
7
Geraldo Ribeiro/ Sedese
Geraldo Ribeiro/ Sedese
Paulo Bellardini/ Sedese
Paulo Bellardini/ Sedese
7. 8.
6.5.
4.
5.
Paulo Bellardini/ Sedese Victor Rodrigues/ Sedese
8
Omunicípio de Montes Claros, no Norte de
Minas, ganhou nessa quarta-feira (21)
duas Unidades Interligadas de Registro Civil
de Nascimento (UIs), projeto da Secretaria de
Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social
(Sedese) que permite às mães terem acesso
ao registro de seus filhos antes mesmo de dei-
xarem a maternidade. A entrega do novo ser-
viço à população montesclarense, no Hospital
Clemente de Faria (da Unimontes) e na Santa
Casa de Misericórdia, foi feita pelo secretário
de Estado de Trabalho e Desenvolvimento So-
cial, Eduardo Bernis, que tem se empenhado
muito para garantir à população fácil acesso à
documentação básica e o pleno exercício da ci-
dadania. Com mais essas duas UIs, Minas já
conta com 18 unidades em funcionamento no
Estado, o que já permitiu a emissão de 6.887
Certidões de Nascimento até agora.
Montes Claros ganha duas Unidades
Interligadas de Registro Civil de Nascimento
Durante a solenidade, Eduardo Bernis informou
que outras 17 UIs serão implantadas em mater-
nidades de Belo Horizonte, Região Metropolita-
na e em municípios do semiárido mineiro. Com
um sistema interligado ao cartório via internet,
as mães têm acesso à Certidão de Nascimento
dos filhos ainda na maternidade. Todo o pro-
cesso é feito on-line, com a impressão do do-
cumento sendo feita no próprio hospital.
A Sedese tem como parceiros desse projeto
para a erradicação do sub-registro civil em Mi-
nas a Secretaria de Direitos Humanos da Pre-
sidência da República, a Corregedoria Geral de
Justiça de Minas Gerais, o Ministério Público Es-
tadual, os cartórios e o Sindicato dos Oficiais do
Registro Civil das Pessoas Naturais (Recivil).
“A Certidão de Nascimento oficializa a exis-
tência da pessoa, garantindo-lhe a cidadania.
Sem ela, as pessoas não podem exercer seus
Cidadania | Em Minas, já foram emitidas quase 7 mil Certidões de
Nascimento nas 16 unidades já implantadas
Divulgação/ Sedese
9
direitos civis”, enfatizou Eduardo Bernis,
lembrando que, além da comodidade e
agilidade para os pais, esse documento
também possibilita à família a inclusão
em benefícios e programas sociais dos
governos.
Estão no sub-registro civil os nascidos
vivos e não registrados no próprio ano
em que ocorre o parto. E a Certidão de
Nascimento é a única maneira de garan-
tir às pessoas o reconhecimento formal
enquanto titular de direitos, permitindo o
pleno exercício da cidadania.
Segundo dados do Censo de 2010 do
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatís-
tica (IBGE), 12.157 mineiros, com até 10
anos de idade, não possuíam o registro
civil. Para minimizar essa situação no Es-
tado, além da criação das UIs, a Sedese
capacitou 210 pessoas para atuar nes-
ses espaços, garantindo o registro civil
de nascimento, e tem realizado mutirões
em comunidades tradicionais, como qui-
lombolas, indígenas e ciganas, principal-
mente em municípios com alto índice de
sub-registro civil de nascimento.
Encontro de gestores
O secretário Eduardo Bernis também participou, em Montes Claros, do I Encontro de Gestores do Sis-
tema Único de Assistência Social (Suas), realizado no auditório da Associação dos Municípios da Área
Mineira da Sudene (Amans). Na abertura do evento, ele ressaltou a importância da realização desses
encontros regionais, que são momentos essenciais para a ampliação e a discussão da política pública
de assistência social. “Como gestor público, nossa missão é atender a população mais necessitada e a
Sedese está aberta e integrada ao trabalho dos municípios”, afirmou. O encontro contou com palestra da
subsecretária de Assistência Social da Sedese, Maria Albanita Roberta de Lima, que destacou a impor-
tância e o papel da gestão do Suas, além da busca permanente pelo fortalecimento da gestão e execu-
ção do Sistema Único de Assistência Social nos municípios.
Divulgação/ Sedese
Divulgação/ Sedese
10
No ultimo dia 9/5, o subsecretário de Trabalho
e Emprego, Hélio Rabelo, recebeu a visita de
50 diaristas. Participaram também do encontro o
superintende de Política de Trabalho e Emprego,
Bruno Magalhães, a diretora de Geração e Ren-
da, Solange Moreira, além das equipes técnicas
da Central de Prestação de Serviços Autônomos
e da Diretoria de Geração e Renda da Sedese.
Na reunião, foi apresentada às diaristas a nova
estrutura da Secretaria, após a junção com a
pasta de Trabalho, Emprego e Renda. Também
ficou definida uma tabela de valores dos servi-
ços prestados pelas diaristas em Belo Horizon-
te. Na oportunidade, Hélio Rabelo salientou a
importância da reciclagem e da qualificação, re-
lembrando as habilidades especificas e compor-
tamentais necessárias para se adquirir um bom
desempenho como trabalhador. “O trabalhador
autônomo tem que ser tratado com dignidade,
por isso a Sedese tem desenvolvido ações para
O secretário de Estado de Trabalho e Desenvol-
vimento Social, Eduardo Bernis, apresentou os
“Desafios Estratégicos da Sedese” para o ano de
2014, durante reunião estratégica com o secre-
tário de Estado Adjunto, Juliano Fisicaro Borges,
subsecretários, superintendentes e diretores da
Secretaria. A reunião aconteceu na sexta-feira,
dia 16 e um de seus objetivos foi o de compar-
tilhar entre as equipes da Sedese as metas de
cada um que estão dispostas no Acordo de Re-
sultados desse ano.
melhoria no atendimento a todos os trabalha-
dores do Estado, principalmente nos postos do
Sine”, afirmou.
De acordo com o superintende de Política de tra-
balho e Emprego, Bruno Magalhães, a proposta é
intermediar a mão de obra do trabalhador autôno-
mo para própria geração de renda.“A importância
desse encontro foi promover a construção coleti-
va e participativa da prestação de serviços autô-
nomos, juntamente com as diaristas”, declarou. O
superintendente explicou que o novo preço inicial
do serviço das diaristas foi construído utilizando
uma metodologia que considera a média do mer-
cado em Belo Horizonte, mas com base na parti-
cipação e experiência de cada uma das mulheres
presentes. “Vale ressaltar que o preço inicial é um
preço mínimo, cobrado por cada diarista pelo ser-
viço padrão. Dependendo do desempenho indivi-
dual de cada uma, bem como dos serviços adi-
cionais oferecidos (produtos de limpeza, passar
e lavar roupa etc.), o retorno pode ser negociado
com os demandantes, estimulando a competição
saudável e o ajuste natural dos preços de merca-
do,” explicou Magalhães.
O valor médio da diária em Belo Horizonte ficou
definido em R$100.A passagem e a alimentação
ficam por conta do trabalhador. Os interessados
em contratar o serviço de trabalhadores autôno-
mos em Belo Horizonte podem contar com as
Centrais de Prestação de Serviços das Unidades
de Atendimento ao Trabalhador (UATs), disponí-
veis nos postos do Sine em BH.
A lista completa das Unidades do Sine em BH
pode ser acessada em www.social.mg.gov.br.
Reunião com diaristas define valor de
referência para serviços em BH
Desafios Estratégicos da Sedese são apresentados durante
reunião
Divulgação/ Sedese
PauloBellardini/Sedese
11
Na Secretaria de Estado de Trabalho e De-
senvolvimento Social (Sedese) desde
1999, onde ingressou como técnica, a subse-
cretária de Direitos Humanos, Maria Juanita
Godinho Pimenta, que sempre se dedicou ao
longo de sua carreira de assistente social à
defesa dos direitos das pessoas menos favo-
recidas e em situação de vulnerabilidade, tra-
balha agora em projeto audacioso em Minas
Gerais: a criação da Escola de Formação em
Direitos Humanos, que vai possibilitar a capa-
citação e especialização em Direitos Huma-
nos de milhares de pessoas em todo o Estado.
O projeto será desenvolvido pela Subsecreta-
ria de Direitos Humanos da Sedese – em par-
ceria com a Secretaria de Estado de Ciência e
Tecnologia, por meio do programa Universida-
de Aberta (Uaitec). O Termo de Cooperação
Técnica que será firmado com a Universidade
do Estado de Minas Gerais (Uemg), Univer-
sidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e
Universidade Estadual de Montes Claros (Uni-
montes) prevê cursos de educação a distância
em Direitos Humanos nos eixos capacitação,
tecnólogo e de especialização.
Desde que assumiu a Subsecretaria de Direi-
tos Humanos da Sedese, em janeiro deste ano,
Maria Juanita tem se empenhado em ações e
projetos que buscam resguardar, segundo ela,
os valores mais preciosos da pessoa humana:
solidariedade, a igualdade, a fraternidade e a
dignidade. “Quando garantimos os
direitos às pessoas, garantimos
mais dignidade às suas vidas,
possibilitando que elas vivam
em melhores condições”, enfa-
tizou, lembrando que nesses
pouco mais de seis meses que
ainda restam do governo Alber-
to Pinto Coelho, o desafio será
avançar nas políticas públicas de
proteção e garantia de direitos, com
o foco em articular e mobilizar as políticas
setoriais com vistas à inclusão social, “o que
exige um olhar específico para as populações
que, historicamente, foram vulnerabilizadas
pela sociedade”.
Ainda na CDH, Maria Juanita, que é especia-
lista em planejamento e administração de pro-
jetos sociais, também pretende construir uma
política de atenção à população em situação
de rua, com a criação de um Comitê Estadu-
al de Direitos da População em Situação de
Rua, em parceria com o Instituto Nenuca de
Desenvolvimento Sustentável.
Com passagens na Sedese por duas direto-
rias e pela Superintendência de Assistência
Social, Maria Juanita chegou a assumir, no
ano passado, a Subsecretaria de Estado de
Assistência Social, onde teve um importante
papel na consolidação das políticas de assis-
tência social na área. “É fundamental man-
ter, ampliar e aperfeiçoar a política pública de
assistência social, com vistas a reduzirmos,
cada vez mais, as desigualdades e in-
justiças sociais e avançarmos para
fazermos do Estado o melhor lu-
gar para se viver, que assegura a
todos os direitos e oportunidades
iguais”, enfatizou.
Casada e mãe de dois filhos, a
subsecretária de Direitos Huma-
nos começou sua carreira como
assistente social em Capelinha, sua
terra natal, quando assumiu a Secreta-
ria Municipal de Assistência Social. À frente de
uma das subsecretarias da Sedese, tem pro-
curado valorizar o trabalho em equipe. “A com-
binação de qualidades como prontidão, cora-
gem e eficiência (vontade); cuidado, confiança
e vínculo (coração); entendimento, visão e
integridade (mente), de modo equilibrado, re-
sultam numa poderosa integração. E é esta
integração que estamos buscando na Subdh”,
ressaltou a secretária que, nas horas de folga,
se dedica à família e a viagens.
Subdh/Sedese trabalha na criação da
EscoladeFormaçãoemDireitosHumanos
PauloBellardini/Sedese
“Quando
garantimos os
direitos às pessoas,
garantimos mais
dignidade às suas
vidas”
12
Observe as seguintes afirmações:
“Eu canto um canto matinal”. (Guilherme de Almeida)
“A ameaça, o perigo, eu os apalpava quase”. (Guimarães Rosa)
Na primeira afirmação, o escritor utiliza o verbo cantar, que já traz consigo a ideia de canto (quem
canta, logicamente canta um canto). Na segunda, de Guimarães Rosa, os vocábulos “ameaça” e
“perigo” fazem parte de um mesmo eixo significativo: são sinônimas. Entretanto, o escritor usou as
duas, a fim reforçando a ideia que queria transmitir.
Quando fazemos uso de expressões redundantes com a finalidade de reforçar uma ideia estamos
utilizando a figura de linguagem chamada de pleonasmo. Quando bem elaborada, além de embelezar
o texto, esta figura de linguagem intensifica e destaca o sentido da expressão onde foi empregada.
“A vida, não vale a pena nem a dor de ser vivida”. (Manuel Bandeira)
É correto usar o gerúndio quando se quer expressar uma ideia ou ação que ocorre no momento de
outra no futuro.
Ao conversarmos com atendentes de lojas ou do setor de ouvidoria de qualquer empresa pública ou
privada, para fazermos alguma solicitação ou reclamação, percebemos que uma chuva de gerundismo
acontece. “Senhor, vou estar transferindo sua ligação...”; “Senhor, vamos estar verificando ...”.
O gerundismo seria a proliferação de uso (inadequado) do gerúndio, e por isso o sufixo ismo de
gerundismo é o mesmo que ocorre nos vocábulos consumismo, derrotismo, oportunismo, que veicula
a ideia pejorativa de tendência viciosa, mania, mau uso...
Trata-se de um fenômeno recente no Brasil de implicações semânticas e pragmáticas, usadas, na
maioria dos casos, quando o falante não quer repassar a ideia de ações simultâneas e quando a
duração não é prioridade.
É correto usar o gerúndio quando se quer expressar uma ideia ou ação que ocorre no momento de
outra no futuro. Logo, podemos dizer: “Amanhã, quando você estiver fazendo a apresentação, eu
estarei realizando os meus exames.”
Para que haja total clareza de empregabilidade desta loção verbal, de uma vez por todas, apresento
mais dois exemplos abaixo:
Certo: “Não me ligue nessa hora, porque eu vou estar almoçando.”
Neste caso indica que uma ação (ligação) acontecerá durante outro processo (o almoço) que terá
certa duração, e que estará em curso.
Errado: ‘’Um minuto que eu vou estar verificando seu cadastro.”
Nesta construção emprega-se erradamente o gerúndio “vou estar verificando” para uma ação que
indica um processo que se finaliza imediatamente ao momento da fala. Logo, o correto é:‘’Um minuto,
vou verificar seu cadastro.”
Se quisermos atendentes mais objetivas ao passar informações, profissionais mais assertivos ao
realizarem exposições de ideias e corporações mais eficazes, em termos de comunicação corporativa,
precisamos estar mais atentos ao que pode ser inserido na língua portuguesa, gerando riqueza
linguística e potencializando a capacidade de comunicação.
Em dia com a língua portuguesa
Como usar o gerúndio corretamente (sem virar gerundismo)
Pleonasmos
13
Inaugurado dia 26 de setembro de 1897,
antes mesmo da nova capital mineira, o
Parque Municipal Américo Renê Giannetti é
o patrimônio ambiental mais antigo de Belo
Horizonte. Projetado no final do século XIX
pela comissão construtora encarregada de
planejar a nova capital de Minas Gerais, o
parque localiza-se no Hipercentro, região
mais adensada da cidade.
Apesar de ter uma área intensamente
manejada, com a maioria das espécies
existentes introduzidas, após 111 anos de
sua implantação, o parque forma hoje um
ecossistema representativo com árvores
centenárias e ampla diversidade de espécies.
Parque Municipal possui diversas nascentes que abastecem três lagoas e cerca de 280 espécies de
árvores exóticas e nativas, como figueiras, jaqueiras, cipreste-calvo, flamboyant, eucalipto, sapucaia,
pau-mulato e pau-rei.
Refúgio para a fauna silvestre, o espaço abriga mais de 100 espécies de aves entre bem-te-vis, sabiás,
garças, periquitos, pica-paus, sanhaços, saíras e outros animais, como gambás e micos.
Como opções de lazer, o parque oferece, para uso gratuito, brinquedos, equipamentos de ginástica,
pista de caminhada, quadra poliesportiva, pista para skate e quadra de tênis. Abriga, também, com
tarifa de R$2,50, vinte e um brinquedos eletrônicos como carrossel, roda gigante, minhocão, rotor,
safári e pula-pula. Nele encontramos os tradicionais burrinhos, fotógrafos lambe-lambes e o trenzinho.
Com uma área de 182 mil metros quadrados de extensa vegetação, o parque contribui para amenizar o
clima da região central da cidade. Lá se encontram também o Teatro Francisco Nunes e um Orquidário.
Horário de funcionamento: das 6h às 18h, de terça-feira a domingo.
Localização: Av. Afonso Pena, 1377 – Centro.
Informações: 3277-4161.
Entrada franca.
Roteiro Cultural
Conheça Belo Horizonte
Deve-se evitar, entretanto, o uso de pleonasmos viciosos. Estes não têm valor de reforçar uma noção
já implicada no texto. São frutos do desconhecimento do sentido das palavras por parte do falante.
O pleonasmo vicioso é muito utilizado na modalidade oral, o que acaba influenciando a modalidade
escrita. Veja alguns exemplos:
“Menino, entre já para dentro”. (entrar só pode ser para dentro, assim como sair só pode ser para
fora).
“Eu fui fazer um hemograma de sangue hoje de manhã”. (Hemograma é a contagem dos elementos
do sangue – glóbulos vermelhos, brancos, plaquetas etc.)
“Eu vi com esses olhos que um dia a terra há de comer”. (Só podemos ver/enxergar com os olhos).
“A protagonista principal do filme ‘O sorriso de Monalisa’ é Julia Roberts”. (Toda protagonista é a
estrela principal).
14
Acontece ...
Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social
Eduardo Bernis
Secretário de Estado Adjunto de Trabalho e Desenvolvimento Social
Juliano Fisicaro
Subsecretário de Estado de Trabalho
Hélio Rabelo
Subsecretária de Estado de Assistência Social
Maria Albanita Roberta de Lima
Subsecretária de Estado de Direitos Humanos
Maria Juanita Godinho Pimenta
Assessoria de Comunicação Social
comunicação@social.mg.gov.br
www.social.mg.gov.br
31 3961-8235

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano acao enfrentamento_violencia_idoso
Plano acao enfrentamento_violencia_idosoPlano acao enfrentamento_violencia_idoso
Plano acao enfrentamento_violencia_idoso
Emanuel andrade
 
Nota dos movimentos e organizações sociais do campo sobre o estatuto da juven...
Nota dos movimentos e organizações sociais do campo sobre o estatuto da juven...Nota dos movimentos e organizações sociais do campo sobre o estatuto da juven...
Nota dos movimentos e organizações sociais do campo sobre o estatuto da juven...
UFPB
 
2012 pl fica instituido a semana de conscientização do planejamento familia...
2012 pl   fica instituido a semana de conscientização do planejamento familia...2012 pl   fica instituido a semana de conscientização do planejamento familia...
2012 pl fica instituido a semana de conscientização do planejamento familia...
drtaylorjr
 
Boletim observa genero n41 ano6
Boletim observa genero n41 ano6Boletim observa genero n41 ano6
Boletim observa genero n41 ano6
coeppelotas
 
Proposta de Governo Paulo Souto
Proposta de Governo Paulo SoutoProposta de Governo Paulo Souto
Proposta de Governo Paulo Souto
Paulo Souto 25
 
Indicadores de Desenvolvimento Brasileiros 2001 - 2012
Indicadores de Desenvolvimento Brasileiros 2001 - 2012Indicadores de Desenvolvimento Brasileiros 2001 - 2012
Indicadores de Desenvolvimento Brasileiros 2001 - 2012
Luciano Sathler
 
Cartilha+mídia unicef
Cartilha+mídia unicefCartilha+mídia unicef
Cartilha+mídia unicef
Onésimo Remígio
 
Enem redaçao 2013
Enem redaçao 2013Enem redaçao 2013
Enem redaçao 2013
MARCIA REGINA SILVA DE ARAUJO
 
Manifesto (1)
Manifesto (1)Manifesto (1)
Manifesto (1)
Valdson Oliveira
 
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
E1R2I3
 
O trabalho profissional do assistente social pesquisa de campo, por edinei...
O trabalho profissional do assistente social    pesquisa de campo, por edinei...O trabalho profissional do assistente social    pesquisa de campo, por edinei...
O trabalho profissional do assistente social pesquisa de campo, por edinei...
EDINEIMESSIASALECRIM
 
Finalboletim
FinalboletimFinalboletim
Finalboletim
gdurowork
 
Cartilha indígenas pdf_ final_versão_email
Cartilha indígenas pdf_ final_versão_emailCartilha indígenas pdf_ final_versão_email
Cartilha indígenas pdf_ final_versão_email
natielemesquita
 
Plano nacional de promocao da cidadania e direitos humanos lgbt 2009
Plano nacional de promocao da cidadania e direitos humanos lgbt 2009Plano nacional de promocao da cidadania e direitos humanos lgbt 2009
Plano nacional de promocao da cidadania e direitos humanos lgbt 2009
Unidade Temática T3 - blog
 
PCR - Plano Cidade Segura
PCR - Plano Cidade SeguraPCR - Plano Cidade Segura
PCR - Plano Cidade Segura
Paulo Veras
 
Carta das Centrais Sindicais baianas ao presidente Lula
Carta das Centrais Sindicais baianas ao presidente LulaCarta das Centrais Sindicais baianas ao presidente Lula
Carta das Centrais Sindicais baianas ao presidente Lula
TRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
Juventude Viva - Homicídios e Juventude no Brasil
Juventude Viva - Homicídios e Juventude no BrasilJuventude Viva - Homicídios e Juventude no Brasil
Juventude Viva - Homicídios e Juventude no Brasil
Ministério Público de Santa Catarina
 
Brasilafroatitude
BrasilafroatitudeBrasilafroatitude
Brasilafroatitude
População Negra e Saúde
 

Mais procurados (18)

Plano acao enfrentamento_violencia_idoso
Plano acao enfrentamento_violencia_idosoPlano acao enfrentamento_violencia_idoso
Plano acao enfrentamento_violencia_idoso
 
Nota dos movimentos e organizações sociais do campo sobre o estatuto da juven...
Nota dos movimentos e organizações sociais do campo sobre o estatuto da juven...Nota dos movimentos e organizações sociais do campo sobre o estatuto da juven...
Nota dos movimentos e organizações sociais do campo sobre o estatuto da juven...
 
2012 pl fica instituido a semana de conscientização do planejamento familia...
2012 pl   fica instituido a semana de conscientização do planejamento familia...2012 pl   fica instituido a semana de conscientização do planejamento familia...
2012 pl fica instituido a semana de conscientização do planejamento familia...
 
Boletim observa genero n41 ano6
Boletim observa genero n41 ano6Boletim observa genero n41 ano6
Boletim observa genero n41 ano6
 
Proposta de Governo Paulo Souto
Proposta de Governo Paulo SoutoProposta de Governo Paulo Souto
Proposta de Governo Paulo Souto
 
Indicadores de Desenvolvimento Brasileiros 2001 - 2012
Indicadores de Desenvolvimento Brasileiros 2001 - 2012Indicadores de Desenvolvimento Brasileiros 2001 - 2012
Indicadores de Desenvolvimento Brasileiros 2001 - 2012
 
Cartilha+mídia unicef
Cartilha+mídia unicefCartilha+mídia unicef
Cartilha+mídia unicef
 
Enem redaçao 2013
Enem redaçao 2013Enem redaçao 2013
Enem redaçao 2013
 
Manifesto (1)
Manifesto (1)Manifesto (1)
Manifesto (1)
 
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
 
O trabalho profissional do assistente social pesquisa de campo, por edinei...
O trabalho profissional do assistente social    pesquisa de campo, por edinei...O trabalho profissional do assistente social    pesquisa de campo, por edinei...
O trabalho profissional do assistente social pesquisa de campo, por edinei...
 
Finalboletim
FinalboletimFinalboletim
Finalboletim
 
Cartilha indígenas pdf_ final_versão_email
Cartilha indígenas pdf_ final_versão_emailCartilha indígenas pdf_ final_versão_email
Cartilha indígenas pdf_ final_versão_email
 
Plano nacional de promocao da cidadania e direitos humanos lgbt 2009
Plano nacional de promocao da cidadania e direitos humanos lgbt 2009Plano nacional de promocao da cidadania e direitos humanos lgbt 2009
Plano nacional de promocao da cidadania e direitos humanos lgbt 2009
 
PCR - Plano Cidade Segura
PCR - Plano Cidade SeguraPCR - Plano Cidade Segura
PCR - Plano Cidade Segura
 
Carta das Centrais Sindicais baianas ao presidente Lula
Carta das Centrais Sindicais baianas ao presidente LulaCarta das Centrais Sindicais baianas ao presidente Lula
Carta das Centrais Sindicais baianas ao presidente Lula
 
Juventude Viva - Homicídios e Juventude no Brasil
Juventude Viva - Homicídios e Juventude no BrasilJuventude Viva - Homicídios e Juventude no Brasil
Juventude Viva - Homicídios e Juventude no Brasil
 
Brasilafroatitude
BrasilafroatitudeBrasilafroatitude
Brasilafroatitude
 

Semelhante a Boletim acontece ed.6

18 de maio dia nacional de combate ao abuso e exploracao sexual de criancas e...
18 de maio dia nacional de combate ao abuso e exploracao sexual de criancas e...18 de maio dia nacional de combate ao abuso e exploracao sexual de criancas e...
18 de maio dia nacional de combate ao abuso e exploracao sexual de criancas e...
Atividades Diversas Cláudia
 
18 demaio2014
18 demaio201418 demaio2014
18 demaio2014
Robson Lacerda Ferrari
 
cartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdfcartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdf
RaquelBrito54
 
Jornal digital 18-05-17
Jornal digital 18-05-17Jornal digital 18-05-17
Jornal digital 18-05-17
Jornal Correio do Sul
 
Violência e exploração sexual de crianças e adolescentes
Violência e exploração sexual de crianças e adolescentesViolência e exploração sexual de crianças e adolescentes
Violência e exploração sexual de crianças e adolescentes
Gleisi Hoffmann
 
Mariana Oliveira - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Mariana Oliveira - Maio Laranja - 8º Ano - BartolomeuMariana Oliveira - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Mariana Oliveira - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Paulo Sérgio
 
Revista quebrando silencio 2019
Revista quebrando silencio 2019 Revista quebrando silencio 2019
Revista quebrando silencio 2019
Rogerio Sena
 
Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014
Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014
Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014
Paulo Veras
 
Impacto violência saúde_crianças
Impacto violência saúde_criançasImpacto violência saúde_crianças
Impacto violência saúde_crianças
Amorim Albert
 
Cartilha%20 violencia%20saude%20ms[1]
Cartilha%20 violencia%20saude%20ms[1]Cartilha%20 violencia%20saude%20ms[1]
Cartilha%20 violencia%20saude%20ms[1]
SUELI SANTOS
 
Planejamento estratégico completo2012/2015
Planejamento estratégico completo2012/2015Planejamento estratégico completo2012/2015
Planejamento estratégico completo2012/2015
Proame
 
Cartilha impacto violencia_final
Cartilha impacto violencia_finalCartilha impacto violencia_final
Cartilha impacto violencia_final
Alinebrauna Brauna
 
Cartilha cartilha educativa
Cartilha cartilha educativaCartilha cartilha educativa
Cartilha cartilha educativa
Patricia Coutinho da Cunha
 
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptxO-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
AugustoSvio2
 
ORIENTACAOPROJETO INTEGRADOR EPJAI - MAIO.pptx
ORIENTACAOPROJETO INTEGRADOR EPJAI - MAIO.pptxORIENTACAOPROJETO INTEGRADOR EPJAI - MAIO.pptx
ORIENTACAOPROJETO INTEGRADOR EPJAI - MAIO.pptx
maiaralimaa05
 
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Pastora Vanessa
 
Adole sc entes - prevenção à violência sexual
Adole sc entes - prevenção à violência sexualAdole sc entes - prevenção à violência sexual
Adole sc entes - prevenção à violência sexual
Onésimo Remígio
 
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaProtocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Juninho Spina
 
Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das cr...
Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das cr...Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das cr...
Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das cr...
Maria Cecilia Silva
 
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idosoPlano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
ivone guedes borges
 

Semelhante a Boletim acontece ed.6 (20)

18 de maio dia nacional de combate ao abuso e exploracao sexual de criancas e...
18 de maio dia nacional de combate ao abuso e exploracao sexual de criancas e...18 de maio dia nacional de combate ao abuso e exploracao sexual de criancas e...
18 de maio dia nacional de combate ao abuso e exploracao sexual de criancas e...
 
18 demaio2014
18 demaio201418 demaio2014
18 demaio2014
 
cartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdfcartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdf
 
Jornal digital 18-05-17
Jornal digital 18-05-17Jornal digital 18-05-17
Jornal digital 18-05-17
 
Violência e exploração sexual de crianças e adolescentes
Violência e exploração sexual de crianças e adolescentesViolência e exploração sexual de crianças e adolescentes
Violência e exploração sexual de crianças e adolescentes
 
Mariana Oliveira - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Mariana Oliveira - Maio Laranja - 8º Ano - BartolomeuMariana Oliveira - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Mariana Oliveira - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
 
Revista quebrando silencio 2019
Revista quebrando silencio 2019 Revista quebrando silencio 2019
Revista quebrando silencio 2019
 
Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014
Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014
Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014
 
Impacto violência saúde_crianças
Impacto violência saúde_criançasImpacto violência saúde_crianças
Impacto violência saúde_crianças
 
Cartilha%20 violencia%20saude%20ms[1]
Cartilha%20 violencia%20saude%20ms[1]Cartilha%20 violencia%20saude%20ms[1]
Cartilha%20 violencia%20saude%20ms[1]
 
Planejamento estratégico completo2012/2015
Planejamento estratégico completo2012/2015Planejamento estratégico completo2012/2015
Planejamento estratégico completo2012/2015
 
Cartilha impacto violencia_final
Cartilha impacto violencia_finalCartilha impacto violencia_final
Cartilha impacto violencia_final
 
Cartilha cartilha educativa
Cartilha cartilha educativaCartilha cartilha educativa
Cartilha cartilha educativa
 
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptxO-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
 
ORIENTACAOPROJETO INTEGRADOR EPJAI - MAIO.pptx
ORIENTACAOPROJETO INTEGRADOR EPJAI - MAIO.pptxORIENTACAOPROJETO INTEGRADOR EPJAI - MAIO.pptx
ORIENTACAOPROJETO INTEGRADOR EPJAI - MAIO.pptx
 
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
 
Adole sc entes - prevenção à violência sexual
Adole sc entes - prevenção à violência sexualAdole sc entes - prevenção à violência sexual
Adole sc entes - prevenção à violência sexual
 
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaProtocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
 
Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das cr...
Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das cr...Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das cr...
Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das cr...
 
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idosoPlano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
 

Mais de Victor Santos

Termo de uso_facebook
Termo de uso_facebookTermo de uso_facebook
Termo de uso_facebook
Victor Santos
 
Cartilha portas de entrada ppcaam mg
Cartilha portas de entrada ppcaam mgCartilha portas de entrada ppcaam mg
Cartilha portas de entrada ppcaam mg
Victor Santos
 
Boletim sedese em ação ed.16
Boletim sedese em ação  ed.16Boletim sedese em ação  ed.16
Boletim sedese em ação ed.16
Victor Santos
 
Folder ppcam
Folder ppcamFolder ppcam
Folder ppcam
Victor Santos
 
Folder central de libras juiz de fora
Folder central de libras juiz de foraFolder central de libras juiz de fora
Folder central de libras juiz de fora
Victor Santos
 
Folder cdh Sedese
Folder cdh SedeseFolder cdh Sedese
Folder cdh Sedese
Victor Santos
 
Boletim Sedese em ação ed.12
Boletim Sedese em ação  ed.12Boletim Sedese em ação  ed.12
Boletim Sedese em ação ed.12
Victor Santos
 
Propostas das bancadas ceter
Propostas das bancadas ceterPropostas das bancadas ceter
Propostas das bancadas ceter
Victor Santos
 
Orientação de atividades pedagógicas
Orientação de atividades pedagógicasOrientação de atividades pedagógicas
Orientação de atividades pedagógicas
Victor Santos
 
Informativo travessia ed04
Informativo travessia ed04Informativo travessia ed04
Informativo travessia ed04
Victor Santos
 
Informativo sedese ed65
Informativo sedese ed65Informativo sedese ed65
Informativo sedese ed65
Victor Santos
 

Mais de Victor Santos (11)

Termo de uso_facebook
Termo de uso_facebookTermo de uso_facebook
Termo de uso_facebook
 
Cartilha portas de entrada ppcaam mg
Cartilha portas de entrada ppcaam mgCartilha portas de entrada ppcaam mg
Cartilha portas de entrada ppcaam mg
 
Boletim sedese em ação ed.16
Boletim sedese em ação  ed.16Boletim sedese em ação  ed.16
Boletim sedese em ação ed.16
 
Folder ppcam
Folder ppcamFolder ppcam
Folder ppcam
 
Folder central de libras juiz de fora
Folder central de libras juiz de foraFolder central de libras juiz de fora
Folder central de libras juiz de fora
 
Folder cdh Sedese
Folder cdh SedeseFolder cdh Sedese
Folder cdh Sedese
 
Boletim Sedese em ação ed.12
Boletim Sedese em ação  ed.12Boletim Sedese em ação  ed.12
Boletim Sedese em ação ed.12
 
Propostas das bancadas ceter
Propostas das bancadas ceterPropostas das bancadas ceter
Propostas das bancadas ceter
 
Orientação de atividades pedagógicas
Orientação de atividades pedagógicasOrientação de atividades pedagógicas
Orientação de atividades pedagógicas
 
Informativo travessia ed04
Informativo travessia ed04Informativo travessia ed04
Informativo travessia ed04
 
Informativo sedese ed65
Informativo sedese ed65Informativo sedese ed65
Informativo sedese ed65
 

Boletim acontece ed.6

  • 1. Abraço simbólico no Parque Municipal alerta população sobre exploração de crianças e adolescentes Páginas 4 e 5 Sedese inaugura duas Unidades Interligadas de Registro Civil de Nascimento em Montes Claros. Páginas 8 e 9 Maria Juanita Godinho Pimenta Subsecretária de Direitos Humanos da Sedese anuncia projeto de criação da Escola de Formação em Direitos Humanos. Página 9 Acontece ... Informativo semanal da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social 6ª edição • 16 a 22 de maio de 2014 Divulgação
  • 2. 2 Conversa com o Secretário O assunto de nos- sa conversa esta se- mana é de interesse mundial: a violência, que é, sem dúvida, um dos maiores pro- blemas enfrentados na atualidade. E na semana em que co- memoramos o Dia Internacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (18 de maio), eu não poderia deixar de falar sobre um tema tão importante para todos nós. A violência contra crianças e adolescen- tes inclui violência física, psicológica, discriminação, negligência e maus-tra- tos. Ela vai desde abusos sexuais em casa a castigos corporais e humilhantes na escola, do uso de restrições físicas em casa à brutalidade cometida pelas forças da ordem, de abusos e negligên- cia em instituições às lutas de gangues nas ruas, onde as crianças brincam ou trabalham, do infanticídio aos chama- dos “crimes” de honra. É importante ressaltar que todas as pessoas têm um importante papel a de- sempenhar nesta causa, mas cabe aos Estados a principal responsabilidade: proibir todas as formas de violência con- tra as crianças, independentemente de local ou de quem a pratica, e investir em programas de prevenção para enfrentar as causas que lhe estão subjacentes. A Campanha Proteja Nossas Crianças, coordenada pela Sedese, é um exem- plo da atuação do Estado na busca da consolidação e ampliação das ações de enfrentamento ao abuso e à explora- ção sexual de crianças e adolescentes em Minas Gerais. Desde seu início, a Sedese está investindo, cada vez mais, em ações preventivas e na promoção e garantia dos direitos humanos. O Dis- que Direitos Humanos vem recebendo, a cada ano, um número maior de ligações com denúncias, que são devidamente encaminhadas para os conselhos tutela- res, promotorias da infância e delegacias especializadas.Isso demonstra que a so- ciedade civil está sensibilizada e atenta ao problema, mas o número de denún- cias é baixo diante da violência que ainda está oculta. Por isso, todos nós devemos ajudar a informar e divulgar os meios de denúncia permanentemente, para que o silêncio que permeia essa violência seja quebrado de forma definitiva. As marcas físicas, emocionais e psicoló- gicas da violência podem ter sérias im- plicações no desenvolvimento da criança ou do adolescente, na sua saúde e capa- cidade de aprendizagem e representam algumas das principais causas de doen- ças e de morte (inclusive suicídios). E essa violência tem consequências du- radouras não apenas paras as crianças, adolescente e seus familiares, mas tam- bém para o desenvolvimento de comu- nidades e países. Sendo assim, convo- co todos vocês para nos ajudar a cuidar de nossas crianças, nosso maior bem e os agentes do futuro de nosso país. Nosso canal de comunicação: conversacomsecretario@social.mg.gov.br
  • 3. 3 Divulgação/Sedese Subsecretário Hélio Rabelo durante oficina Regional de Inclusão Produtiva Urbana, realizada em BH. Osubsecretário de Trabalho e Emprego da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), Hélio Rabelo, participou da abertura da Oficina Regional de Inclusão Produtiva Urbana – Região Sudeste, realizada na quarta-feira (21), no Othon Palace em Belo Horizonte. Na aber- tura, o secretário Extraordinário para Superação da Extrema Pobreza do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tiago Falcão, apresentou o Balanço Regional do Plano Brasil Sem Miséria. Destinado a um público formado por interlocutores do Pronatec/BSM na região Sudeste, o subsecre- tário Hélio Rabelo fez uma apresentação sobre as principais ações e parcerias do governo de Minas para a inclusão produtiva urbana e rural no Estado. Rabelo apresentou dados e informações dos Nú- cleos de Inclusão Produtiva no Estado de Minas Gerais. O objetivo é promover a inclusão produtiva, por meio da geração e obtenção de renda, fomento à economia popular solidária, apoio aos trabalha- dores autônomos, incentivo a atividades empreendedoras geradoras de trabalho e renda e promoção do acesso a orientações ao microcrédito. Tomaram posse na segunda-feira (19), 25 novos servidores da Sedese. O se- cretário de Estado de Trabalho e Desen- volvimento Social, Eduardo Bernis, deu boas-vindas aos novos colaboradores, que foram aprovados em concurso pú- blico para o cargo de Analista de Ges- tão e Políticas em Desenvolvimento. Os novos servidores desenvolvem suas funções em Belo Horizonte, na própria sede da Secretaria, na Cidade Adminis- trativa Presidente Tancredo Neves. Hélio Rabelo apresenta ações para a inclusão produtiva urbana e rural em Minas Secretário dá boas-vindas aos novos servidores da Sedese Divulgação/ Sedese LeilaGuimarães/Sedese
  • 4. 4 Ação em BH alerta a população sobre abuso e exploração de crianças e adolescentes Centenas de crianças, jovens e adultos se uniram nessa terça-feira (20) para abraçar o Parque Municipal. Com o ato simbólico em volta do lago principal do Parque, a Secreta- ria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), o Serviço Voluntário de Assis- tência Social (Servas) e a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) buscaram alertar a população para o Dia Internacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescen- tes e o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, celebrados em 18 de maio e 12 de ju- nho, respectivamente. Além de Belo Horizonte, as datas também foram relembradas em vários municípios do Estado com diversas ações. O abraço simbólico, realizado em um dos maiores espaços de lazer e cultura da capital mineira, integrou a programação do evento de- nominado “Identificar para Proteger”, que pro- moveu uma série de atividades ao ar livre para a população, incluindo peças teatrais, atendi- mentos à saúde, emissão de documentos e a Campanha Proteja Nossas Crianças, do go- verno de Minas. “É fundamental esta união de esforços, para continuarmos desenvolvendo e ampliando ações astuciosas de enfrentamento ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes em Minas Gerais. É uma mobi- lização permanente, não podemos descuidar”, ressaltou o secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social, Eduardo Bernis, que participou do abraço em volta do lago do Par- que Municipal e acompanhou as atividades, juntamente com a primeira-dama e presidente do Servas, Célia Pinto Coelho. Desyree da Trindade Rosa, de 18 anos, jovem aprendiz do Ensino Social Profissionalizante (Espro), em Belo Horizonte, ressalta a partici- pação dos jovens em mobilizações e campa- nhas de sensibilização como esta. “A campa-
  • 5. 5 nha é muito importante para chamar a atenção de todos os jovens e todas as crianças no com- bate ao abuso sexual. Isso é algo muito sério, por isso participamos da ação”, ressaltou. A data O dia 18 de maio foi instituído pela Lei Federal nº. 9970/00 como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A data foi escolhida porque em 18 de maio de 1973, em Vitória (ES), uma menina de oito anos de idade foi raptada, dro- gada, estuprada, morta e carbonizada por jo- vens de classe média alta da cidade. O crime bárbaro chocou a opinião pública nacional e ficou conhecido como o “Crime Araceli”, nome da vítima. Apesar de sua natureza hedionda, prescreveu impune. Campanha Proteja Nossas Crianças Lançada em maio de 2008, a Campanha Pro- teja Nossas Crianças é coordenada pela Se- dese, Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) e pelo Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca). Trata-se de uma das maiores mobilizações já realiza- das no país com foco no combate à violência doméstica e à exploração sexual de crianças e adolescentes. Para isso, conta com vários par- ceiros, entre eles emissoras de TV, rádio e jor- nais impressos do Estado. De 2008 a 2013, foram realizadas mais de 830 blitze em estradas estaduais e federais, além de mais de 15 mil denúncias de crimes contra crianças e adolescentes registradas por meio do Disque Direitos Humanos (0800 031 11 19), da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvi- mento Social (Sedese), que recebe e encaminha qualquer tipo de acusação de violação de direi- tos humanos em todo o Estado. A ligação é gra- tuita, sigilosa e o serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h. Às vésperas da Copa do Mundo, a Sedese vai in- tensificar a campanha Proteja Nossas Crianças, aumentando ações e estratégias de proteção dos direitos da criança e do adolescente em 43 muni- cípios, que terão impacto direto com a chegada de um grande volume de turistas, estabelecendo flu- xos da rede de amparo, capacitação, plantão inte- grado de atendimento com equipe volante e serviço temporário de convivência.A intenção é combater o abuso e a exploração de crianças e adolescentes, além de outros tipos de violência contra a popula- ção infantojuvenil, como a negligência, o abandono e as agressões físicas e psicológicas. PauloBellardini/Sedese
  • 6. 6 1. Secretário Eduardo Bernis, ao lado da primeira- dama e presidente do Servas, Célia Pinto Coelho, durante ações do mutirão“Identificar para Proteger”, intensificando a Campanha Proteja Nossas Crianças contra o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes, realizada na terça-feira, 20, no Parque Municipal. 2. Nesta semana, Eduardo Bernis foi convidado a participardaExponor2014-MostraEmpresarialdo Nordeste Mineiro.O convite foi feito pelo Presidente doSindcomérciodeTeófiloOtoni,IesserAnisLauar, que esteve no gabinete da Sedese acompanhado pelo presidente do Sindilojas, Nadim Elias Donato Filho, da gerente Danielle Stancioli. O encontro também contou com a presença do subsecretário do Trabalho e Emprego da Sedese, Hélio Rabelo. 3. Adalberto Pires e Carmelino da Luz Soares, respectivamente vice-prefeito e presidente da Câmara de São Gonçalo do Rio Preto, em visita ao secretário Eduardo Bernis, acompanhados de Donizete Godinho, chefe de gabinete do deputado estadual Luiz Henrique. Sedese em pauta 4. 4. Reunião de Trabalho: Eduardo Bernis em reunião de trabalho com o presidente da Utramig, José Murilo Resende, e o chefe de gabinete daquela entidade, Felipe Carrara, o subsecretário de Trabalho e Emprego da Sedese, Hélio Rabelo, e o superintendente de Política de Trabalho e Emprego, Bruno Dias Magalhães. Também estiveram presentes o deputado estadual João Bittar e João Bittar Neto. 5. O secretário esteve reunido com o prefeito de Serranos, José da Cunha, e o chefe de Gabinete do deputado estadual Leonardo Moreira, Luis Roberto Pieroni. 6. Secretário Eduardo Bernis reunido com José Murilo Resende e Felipe Carrara, presidente e chefe de gabinete da Utramig, respectivamente, o subsecretário de Trabalho e Emprego Hélio Rabelo, e o superintendente de Política de Trabalho e Emprego, Bruno Dias Magalhães. 7. Tereza Navarro e sua assessora, Maria Cecília, foram recebidas pelo secretário. 8. O secretário Eduardo Bernis e o prefeito de Muriaé, Aloisio Aquino, assinaram termo aditivo de cessão de terreno da Sedese ao município. 1. PauloBellardini/SedesePauloBellardini/Sedese PauloBellardini/Sedese
  • 7. 7 Geraldo Ribeiro/ Sedese Geraldo Ribeiro/ Sedese Paulo Bellardini/ Sedese Paulo Bellardini/ Sedese 7. 8. 6.5. 4. 5. Paulo Bellardini/ Sedese Victor Rodrigues/ Sedese
  • 8. 8 Omunicípio de Montes Claros, no Norte de Minas, ganhou nessa quarta-feira (21) duas Unidades Interligadas de Registro Civil de Nascimento (UIs), projeto da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese) que permite às mães terem acesso ao registro de seus filhos antes mesmo de dei- xarem a maternidade. A entrega do novo ser- viço à população montesclarense, no Hospital Clemente de Faria (da Unimontes) e na Santa Casa de Misericórdia, foi feita pelo secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento So- cial, Eduardo Bernis, que tem se empenhado muito para garantir à população fácil acesso à documentação básica e o pleno exercício da ci- dadania. Com mais essas duas UIs, Minas já conta com 18 unidades em funcionamento no Estado, o que já permitiu a emissão de 6.887 Certidões de Nascimento até agora. Montes Claros ganha duas Unidades Interligadas de Registro Civil de Nascimento Durante a solenidade, Eduardo Bernis informou que outras 17 UIs serão implantadas em mater- nidades de Belo Horizonte, Região Metropolita- na e em municípios do semiárido mineiro. Com um sistema interligado ao cartório via internet, as mães têm acesso à Certidão de Nascimento dos filhos ainda na maternidade. Todo o pro- cesso é feito on-line, com a impressão do do- cumento sendo feita no próprio hospital. A Sedese tem como parceiros desse projeto para a erradicação do sub-registro civil em Mi- nas a Secretaria de Direitos Humanos da Pre- sidência da República, a Corregedoria Geral de Justiça de Minas Gerais, o Ministério Público Es- tadual, os cartórios e o Sindicato dos Oficiais do Registro Civil das Pessoas Naturais (Recivil). “A Certidão de Nascimento oficializa a exis- tência da pessoa, garantindo-lhe a cidadania. Sem ela, as pessoas não podem exercer seus Cidadania | Em Minas, já foram emitidas quase 7 mil Certidões de Nascimento nas 16 unidades já implantadas Divulgação/ Sedese
  • 9. 9 direitos civis”, enfatizou Eduardo Bernis, lembrando que, além da comodidade e agilidade para os pais, esse documento também possibilita à família a inclusão em benefícios e programas sociais dos governos. Estão no sub-registro civil os nascidos vivos e não registrados no próprio ano em que ocorre o parto. E a Certidão de Nascimento é a única maneira de garan- tir às pessoas o reconhecimento formal enquanto titular de direitos, permitindo o pleno exercício da cidadania. Segundo dados do Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatís- tica (IBGE), 12.157 mineiros, com até 10 anos de idade, não possuíam o registro civil. Para minimizar essa situação no Es- tado, além da criação das UIs, a Sedese capacitou 210 pessoas para atuar nes- ses espaços, garantindo o registro civil de nascimento, e tem realizado mutirões em comunidades tradicionais, como qui- lombolas, indígenas e ciganas, principal- mente em municípios com alto índice de sub-registro civil de nascimento. Encontro de gestores O secretário Eduardo Bernis também participou, em Montes Claros, do I Encontro de Gestores do Sis- tema Único de Assistência Social (Suas), realizado no auditório da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amans). Na abertura do evento, ele ressaltou a importância da realização desses encontros regionais, que são momentos essenciais para a ampliação e a discussão da política pública de assistência social. “Como gestor público, nossa missão é atender a população mais necessitada e a Sedese está aberta e integrada ao trabalho dos municípios”, afirmou. O encontro contou com palestra da subsecretária de Assistência Social da Sedese, Maria Albanita Roberta de Lima, que destacou a impor- tância e o papel da gestão do Suas, além da busca permanente pelo fortalecimento da gestão e execu- ção do Sistema Único de Assistência Social nos municípios. Divulgação/ Sedese Divulgação/ Sedese
  • 10. 10 No ultimo dia 9/5, o subsecretário de Trabalho e Emprego, Hélio Rabelo, recebeu a visita de 50 diaristas. Participaram também do encontro o superintende de Política de Trabalho e Emprego, Bruno Magalhães, a diretora de Geração e Ren- da, Solange Moreira, além das equipes técnicas da Central de Prestação de Serviços Autônomos e da Diretoria de Geração e Renda da Sedese. Na reunião, foi apresentada às diaristas a nova estrutura da Secretaria, após a junção com a pasta de Trabalho, Emprego e Renda. Também ficou definida uma tabela de valores dos servi- ços prestados pelas diaristas em Belo Horizon- te. Na oportunidade, Hélio Rabelo salientou a importância da reciclagem e da qualificação, re- lembrando as habilidades especificas e compor- tamentais necessárias para se adquirir um bom desempenho como trabalhador. “O trabalhador autônomo tem que ser tratado com dignidade, por isso a Sedese tem desenvolvido ações para O secretário de Estado de Trabalho e Desenvol- vimento Social, Eduardo Bernis, apresentou os “Desafios Estratégicos da Sedese” para o ano de 2014, durante reunião estratégica com o secre- tário de Estado Adjunto, Juliano Fisicaro Borges, subsecretários, superintendentes e diretores da Secretaria. A reunião aconteceu na sexta-feira, dia 16 e um de seus objetivos foi o de compar- tilhar entre as equipes da Sedese as metas de cada um que estão dispostas no Acordo de Re- sultados desse ano. melhoria no atendimento a todos os trabalha- dores do Estado, principalmente nos postos do Sine”, afirmou. De acordo com o superintende de Política de tra- balho e Emprego, Bruno Magalhães, a proposta é intermediar a mão de obra do trabalhador autôno- mo para própria geração de renda.“A importância desse encontro foi promover a construção coleti- va e participativa da prestação de serviços autô- nomos, juntamente com as diaristas”, declarou. O superintendente explicou que o novo preço inicial do serviço das diaristas foi construído utilizando uma metodologia que considera a média do mer- cado em Belo Horizonte, mas com base na parti- cipação e experiência de cada uma das mulheres presentes. “Vale ressaltar que o preço inicial é um preço mínimo, cobrado por cada diarista pelo ser- viço padrão. Dependendo do desempenho indivi- dual de cada uma, bem como dos serviços adi- cionais oferecidos (produtos de limpeza, passar e lavar roupa etc.), o retorno pode ser negociado com os demandantes, estimulando a competição saudável e o ajuste natural dos preços de merca- do,” explicou Magalhães. O valor médio da diária em Belo Horizonte ficou definido em R$100.A passagem e a alimentação ficam por conta do trabalhador. Os interessados em contratar o serviço de trabalhadores autôno- mos em Belo Horizonte podem contar com as Centrais de Prestação de Serviços das Unidades de Atendimento ao Trabalhador (UATs), disponí- veis nos postos do Sine em BH. A lista completa das Unidades do Sine em BH pode ser acessada em www.social.mg.gov.br. Reunião com diaristas define valor de referência para serviços em BH Desafios Estratégicos da Sedese são apresentados durante reunião Divulgação/ Sedese PauloBellardini/Sedese
  • 11. 11 Na Secretaria de Estado de Trabalho e De- senvolvimento Social (Sedese) desde 1999, onde ingressou como técnica, a subse- cretária de Direitos Humanos, Maria Juanita Godinho Pimenta, que sempre se dedicou ao longo de sua carreira de assistente social à defesa dos direitos das pessoas menos favo- recidas e em situação de vulnerabilidade, tra- balha agora em projeto audacioso em Minas Gerais: a criação da Escola de Formação em Direitos Humanos, que vai possibilitar a capa- citação e especialização em Direitos Huma- nos de milhares de pessoas em todo o Estado. O projeto será desenvolvido pela Subsecreta- ria de Direitos Humanos da Sedese – em par- ceria com a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia, por meio do programa Universida- de Aberta (Uaitec). O Termo de Cooperação Técnica que será firmado com a Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), Univer- sidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Estadual de Montes Claros (Uni- montes) prevê cursos de educação a distância em Direitos Humanos nos eixos capacitação, tecnólogo e de especialização. Desde que assumiu a Subsecretaria de Direi- tos Humanos da Sedese, em janeiro deste ano, Maria Juanita tem se empenhado em ações e projetos que buscam resguardar, segundo ela, os valores mais preciosos da pessoa humana: solidariedade, a igualdade, a fraternidade e a dignidade. “Quando garantimos os direitos às pessoas, garantimos mais dignidade às suas vidas, possibilitando que elas vivam em melhores condições”, enfa- tizou, lembrando que nesses pouco mais de seis meses que ainda restam do governo Alber- to Pinto Coelho, o desafio será avançar nas políticas públicas de proteção e garantia de direitos, com o foco em articular e mobilizar as políticas setoriais com vistas à inclusão social, “o que exige um olhar específico para as populações que, historicamente, foram vulnerabilizadas pela sociedade”. Ainda na CDH, Maria Juanita, que é especia- lista em planejamento e administração de pro- jetos sociais, também pretende construir uma política de atenção à população em situação de rua, com a criação de um Comitê Estadu- al de Direitos da População em Situação de Rua, em parceria com o Instituto Nenuca de Desenvolvimento Sustentável. Com passagens na Sedese por duas direto- rias e pela Superintendência de Assistência Social, Maria Juanita chegou a assumir, no ano passado, a Subsecretaria de Estado de Assistência Social, onde teve um importante papel na consolidação das políticas de assis- tência social na área. “É fundamental man- ter, ampliar e aperfeiçoar a política pública de assistência social, com vistas a reduzirmos, cada vez mais, as desigualdades e in- justiças sociais e avançarmos para fazermos do Estado o melhor lu- gar para se viver, que assegura a todos os direitos e oportunidades iguais”, enfatizou. Casada e mãe de dois filhos, a subsecretária de Direitos Huma- nos começou sua carreira como assistente social em Capelinha, sua terra natal, quando assumiu a Secreta- ria Municipal de Assistência Social. À frente de uma das subsecretarias da Sedese, tem pro- curado valorizar o trabalho em equipe. “A com- binação de qualidades como prontidão, cora- gem e eficiência (vontade); cuidado, confiança e vínculo (coração); entendimento, visão e integridade (mente), de modo equilibrado, re- sultam numa poderosa integração. E é esta integração que estamos buscando na Subdh”, ressaltou a secretária que, nas horas de folga, se dedica à família e a viagens. Subdh/Sedese trabalha na criação da EscoladeFormaçãoemDireitosHumanos PauloBellardini/Sedese “Quando garantimos os direitos às pessoas, garantimos mais dignidade às suas vidas”
  • 12. 12 Observe as seguintes afirmações: “Eu canto um canto matinal”. (Guilherme de Almeida) “A ameaça, o perigo, eu os apalpava quase”. (Guimarães Rosa) Na primeira afirmação, o escritor utiliza o verbo cantar, que já traz consigo a ideia de canto (quem canta, logicamente canta um canto). Na segunda, de Guimarães Rosa, os vocábulos “ameaça” e “perigo” fazem parte de um mesmo eixo significativo: são sinônimas. Entretanto, o escritor usou as duas, a fim reforçando a ideia que queria transmitir. Quando fazemos uso de expressões redundantes com a finalidade de reforçar uma ideia estamos utilizando a figura de linguagem chamada de pleonasmo. Quando bem elaborada, além de embelezar o texto, esta figura de linguagem intensifica e destaca o sentido da expressão onde foi empregada. “A vida, não vale a pena nem a dor de ser vivida”. (Manuel Bandeira) É correto usar o gerúndio quando se quer expressar uma ideia ou ação que ocorre no momento de outra no futuro. Ao conversarmos com atendentes de lojas ou do setor de ouvidoria de qualquer empresa pública ou privada, para fazermos alguma solicitação ou reclamação, percebemos que uma chuva de gerundismo acontece. “Senhor, vou estar transferindo sua ligação...”; “Senhor, vamos estar verificando ...”. O gerundismo seria a proliferação de uso (inadequado) do gerúndio, e por isso o sufixo ismo de gerundismo é o mesmo que ocorre nos vocábulos consumismo, derrotismo, oportunismo, que veicula a ideia pejorativa de tendência viciosa, mania, mau uso... Trata-se de um fenômeno recente no Brasil de implicações semânticas e pragmáticas, usadas, na maioria dos casos, quando o falante não quer repassar a ideia de ações simultâneas e quando a duração não é prioridade. É correto usar o gerúndio quando se quer expressar uma ideia ou ação que ocorre no momento de outra no futuro. Logo, podemos dizer: “Amanhã, quando você estiver fazendo a apresentação, eu estarei realizando os meus exames.” Para que haja total clareza de empregabilidade desta loção verbal, de uma vez por todas, apresento mais dois exemplos abaixo: Certo: “Não me ligue nessa hora, porque eu vou estar almoçando.” Neste caso indica que uma ação (ligação) acontecerá durante outro processo (o almoço) que terá certa duração, e que estará em curso. Errado: ‘’Um minuto que eu vou estar verificando seu cadastro.” Nesta construção emprega-se erradamente o gerúndio “vou estar verificando” para uma ação que indica um processo que se finaliza imediatamente ao momento da fala. Logo, o correto é:‘’Um minuto, vou verificar seu cadastro.” Se quisermos atendentes mais objetivas ao passar informações, profissionais mais assertivos ao realizarem exposições de ideias e corporações mais eficazes, em termos de comunicação corporativa, precisamos estar mais atentos ao que pode ser inserido na língua portuguesa, gerando riqueza linguística e potencializando a capacidade de comunicação. Em dia com a língua portuguesa Como usar o gerúndio corretamente (sem virar gerundismo) Pleonasmos
  • 13. 13 Inaugurado dia 26 de setembro de 1897, antes mesmo da nova capital mineira, o Parque Municipal Américo Renê Giannetti é o patrimônio ambiental mais antigo de Belo Horizonte. Projetado no final do século XIX pela comissão construtora encarregada de planejar a nova capital de Minas Gerais, o parque localiza-se no Hipercentro, região mais adensada da cidade. Apesar de ter uma área intensamente manejada, com a maioria das espécies existentes introduzidas, após 111 anos de sua implantação, o parque forma hoje um ecossistema representativo com árvores centenárias e ampla diversidade de espécies. Parque Municipal possui diversas nascentes que abastecem três lagoas e cerca de 280 espécies de árvores exóticas e nativas, como figueiras, jaqueiras, cipreste-calvo, flamboyant, eucalipto, sapucaia, pau-mulato e pau-rei. Refúgio para a fauna silvestre, o espaço abriga mais de 100 espécies de aves entre bem-te-vis, sabiás, garças, periquitos, pica-paus, sanhaços, saíras e outros animais, como gambás e micos. Como opções de lazer, o parque oferece, para uso gratuito, brinquedos, equipamentos de ginástica, pista de caminhada, quadra poliesportiva, pista para skate e quadra de tênis. Abriga, também, com tarifa de R$2,50, vinte e um brinquedos eletrônicos como carrossel, roda gigante, minhocão, rotor, safári e pula-pula. Nele encontramos os tradicionais burrinhos, fotógrafos lambe-lambes e o trenzinho. Com uma área de 182 mil metros quadrados de extensa vegetação, o parque contribui para amenizar o clima da região central da cidade. Lá se encontram também o Teatro Francisco Nunes e um Orquidário. Horário de funcionamento: das 6h às 18h, de terça-feira a domingo. Localização: Av. Afonso Pena, 1377 – Centro. Informações: 3277-4161. Entrada franca. Roteiro Cultural Conheça Belo Horizonte Deve-se evitar, entretanto, o uso de pleonasmos viciosos. Estes não têm valor de reforçar uma noção já implicada no texto. São frutos do desconhecimento do sentido das palavras por parte do falante. O pleonasmo vicioso é muito utilizado na modalidade oral, o que acaba influenciando a modalidade escrita. Veja alguns exemplos: “Menino, entre já para dentro”. (entrar só pode ser para dentro, assim como sair só pode ser para fora). “Eu fui fazer um hemograma de sangue hoje de manhã”. (Hemograma é a contagem dos elementos do sangue – glóbulos vermelhos, brancos, plaquetas etc.) “Eu vi com esses olhos que um dia a terra há de comer”. (Só podemos ver/enxergar com os olhos). “A protagonista principal do filme ‘O sorriso de Monalisa’ é Julia Roberts”. (Toda protagonista é a estrela principal).
  • 14. 14 Acontece ... Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social Eduardo Bernis Secretário de Estado Adjunto de Trabalho e Desenvolvimento Social Juliano Fisicaro Subsecretário de Estado de Trabalho Hélio Rabelo Subsecretária de Estado de Assistência Social Maria Albanita Roberta de Lima Subsecretária de Estado de Direitos Humanos Maria Juanita Godinho Pimenta Assessoria de Comunicação Social comunicação@social.mg.gov.br www.social.mg.gov.br 31 3961-8235