SlideShare uma empresa Scribd logo
Autor: Herbert A. Pereira [Copyright © 2018] – Todos os direitos reservados.
Kéryx Estudos Bíblicos e Teológicos  Acesse: http://www.keryx.com.br
COMO EXPERIMENTAR E COMPROVAR A BOA, AGRADÁVEL E PERFEITA
VONTADE DE DEUS
"[1] Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas
misericórdias de Deus que se ofereçam em
sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este
é o culto racional de vocês. [2] Não se
amoldem ao padrão deste mundo, mas
transformem-se pela renovação da sua mente,
para que sejam capazes de experimentar e
comprovar a boa, agradável e perfeita
vontade de Deus." (Romanos 12.1-2 – Nova
Versão Internacional)
A passagem bíblica acima é bem
conhecida pela maioria dos evangélicos.
No texto bíblico o apóstolo Paulo convida todos os cristãos a que se abram para a transformação e não
se conformem com os caminhos deste mundo. Para o apóstolo, essas atitudes são necessárias para que
percebamos, verdadeiramente, a vida a partir da perspectiva de Deus. Nas palavras de Paulo, é para
que sejamos “capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.
Muitos almejam seguir a vontade de Deus. Isso é bom. Porém, não é algo simples de se fazer.
Quando a vontade de Deus está de acordo com a nossa vontade, com o aquilo que queremos, é fácil
segui-la, compreendê-la, aceitá-la. Na maior parte das vezes, no entanto, a vontade de Deus se revela
totalmente contrária ao que imaginamos. Por seguir a vontade de Deus, Abraão abandonou uma terra
que possuía uma arquitetura monumental, enorme riqueza, moradias confortáveis e viveu como
nômade em tendas por quase cem anos. Por seguir a vontade de Deus, Maria [mãe de Jesus] quase foi
abandonada pelo marido e exposta ao público como mulher infiel e de conduta imoral. Por seguir a
vontade de Deus, o Senhor Jesus morreu crucificado, mesmo sendo inocente. Por seguir a vontade de
Deus, os apóstolos de Cristo foram crucificados, mortos a espada, decapitados, lançados em tachos de
azeite fervendo, apedrejados, amarrados em sacos e lançados ao mar, esfolados vivos, enforcados,
atravessados por lanças, cravados por flechas e arrastados pelas ruas. Seria essa a boa, agradável e
perfeita vontade de Deus?
A princípio, falar sobre a vontade de Deus em relação a nossa vontade é algo paradoxal. Por um
lado, a Bíblia nos convida a buscar no SENHOR a nossa alegria, e ele nos dará os desejos do nosso
coração (cf. Salmo 37.4). Por outro lado, o Senhor Jesus nos ensinou a orar e pedir que seja feita a
vontade de Deus em nossa vida (cf. Mateus 6.10). Para piorar, o próprio Deus declara que “o coração
humano é mais enganoso que qualquer coisa e extremamente perverso” (cf. Jeremias 37.9 – NVT).
Logo, a nossa vontade pode se mostrar ilusória ou equivocada. Por causa disso, a grande maioria das
pessoas tem dificuldade em saber exatamente qual é a vontade de Deus para muitas ocasiões da vida.
P á g i n a | 2
Autor: Herbert A. Pereira [Copyright © 2018] – Todos os direitos reservados.
Kéryx Estudos Bíblicos e Teológicos  Acesse: http://www.keryx.com.br
No texto bíblico em grego, para o termo “vontade”, é utilizado o vocábulo (thélema)
que significa “aquilo traz satisfação”. Portanto, a vontade de Deus é aquilo que satisfaz o coração do
próprio Deus; e o desejo dEle para nós é que também experimentemos essa satisfação. Contudo, o
mundo no qual vivemos exerce toda a sorte de pressão sobre a nossa maneira de pensar, sentir e agir.
Diariamente nos vemos forçados a adotar sistemas de valores totalmente contrários aos estabelecidos
por Deus. Não são raros os momentos em que a nossa vontade, a nossa satisfação, opera em ambientes
estranhos aos que Deus trafega e, em decorrência disso, acabamos por adotar a maneira de pensar
deste mundo. Queremos fazer o que é certo, mas não o fazemos, não conseguimos. Somos dominados
pelas inclinações da nossa natureza humana e pelo pecado que habita em nós (cf. Romanos 7.15-20).
Quando queremos fazer o que é certo, percebemos que o mal está presente em nós. De acordo com o
apóstolo Paulo, apesar do nosso desejo em satisfazer o coração de Deus, dentro de nós existe algo que
está em guerra com a nossa mente e nos torna escravos do pecado que permanece em nosso interior
(cf. Romanos 7.21-23). Como resultado, o ato de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita
vontade de Deus, parece não fazer parte do nosso cotidiano; e quando deixamos de experimentar a
vontade de Deus, ficamos sujeitos à nossa própria vontade e aos erros e equívocos que, muitas vezes, a
acompanha. Sendo assim, como experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de
Deus? É o que veremos a seguir.
Nem sempre vontade de Deus está claramente explícita na Palavra de Deus. Às vezes, não
encontramos qualquer princípio que nos ajude definitivamente a definir se aquilo é ou não da vontade
de Deus. Mas no texto bíblico em análise, o apóstolo Paulo fornece aos seus leitores os princípios
básicos necessários para que seja possível experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita
vontade de Deus.
Em nosso texto bíblico em análise, se fizermos uso da gramática normativa, a partir de aspectos
lógicos e gerais observados na língua culta, poderemos lançar mão de figuras de criação (ou figuras de
sintaxe) e através de uma figura de construção (também chamada de figura sintática), construir uma
“inversão” da parte final da passagem bíblica e produzir, assim, uma mudança na ordem direta dos
termos na frase (sujeito + predicado + complementos). De forma que o texto bíblico, colocado em
ordem indireta, terá a seguinte transcrição:
“Para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de
Deus, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a
Deus; este é o culto racional de vocês. Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se
pela renovação da sua mente”.
Se mantivermos o texto bíblico dessa forma, nós teremos, então, os passos, as diretrizes, as
atitudes que nos permitirão experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.
Que atitudes são essas? Vejamos:
P á g i n a | 3
Autor: Herbert A. Pereira [Copyright © 2018] – Todos os direitos reservados.
Kéryx Estudos Bíblicos e Teológicos  Acesse: http://www.keryx.com.br
1. Para experimentarmos e comprovarmos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus,
precisamos nos oferecer em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. A este tipo de oferta, damos
o nome de culto. Nos cultos sacrificiais oferecidos no Antigo Testamento, o animal primeiramente era
morto, em seguida tinha o corpo particionado e depois queimado. Em nosso caso, devemos nos
oferecer a Deus “vivos”, isto é, animados, cheios de vivacidade, entusiasmo, vigor. Deus quer que nos
apresentemos diante dEle “inteiros”, isto é, por completo, sem parcialidades, com corpo, alma e
espírito juntos, na totalidade da nossa vida concreta; plenamente concentrados e envolvidos com o
momento da adoração. O termo “culto”, não faz alusão a simples atos litúrgicos. Culto é serviço,
entrega e, principalmente, dedicação – uma das manifestações do amor. Tudo de forma racional, ou
seja, de acordo com a razão, com a lógica. O culto racional é o culto com razões, com propósito, com
motivação.
O cristão verdadeiro pertence a Deus pelo direito da criação e pelo direito da redenção.
Contudo, ele ainda precisa se tornar de Deus em virtude da sua própria entrega livre de si mesmo.
Oferecer-se como sacrifício a Deus é se permitir morrer, se permitir ser vencido por Ele. O apóstolo
Paulo ensinou que “a natureza humana deseja fazer exatamente o oposto do que o Espírito Santo
quer, e o Espírito Santo nos impele na direção contrária àquela desejada pela natureza humana.
Essas duas forças se confrontam o tempo todo” (Gálatas 5.17 – NVT). O Espírito Santo é uma pessoa.
Como pessoa, Ele tem personalidade – vontades próprias, desejos próprios, sentimentos próprios. De
modo que a vida cristã é uma luta diária de nós contra Deus; da nossa natureza humana contra a
natureza divina do Espírito Santo. Para experimentar a vontade de Deus, precisamos “perder”
para Ele. Parece paradoxo, mas, o cristão vitorioso, é aquele que tem a sua natureza humana
derrotada por Deus. Foi dentro desse contexto que o apóstolo Paulo declarou: “já não sou eu quem
vive, mas Cristo vive em mim” (cf. Gálatas 2.20 – NVT). Paulo havia se permitido morrer; ele teve a
sua natureza humana vencida por Cristo.
2. Para experimentarmos e comprovarmos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus,
precisamos não nos amoldar ao padrão deste mundo. O verbo amoldar, do grego
(schematízõ), significa “tomar a forma ou aparência”. O termo grego tem a mesma raiz da palavra
“esquema”. Engloba tudo o que em uma pessoa afeta os sentidos, o comportamento, o discurso, as
ações, a forma de viver em geral. O cristão não deve imitar o comportamento e os costumes deste
mundo. De acordo com o apóstolo Paulo, os cristãos são uma carta de Cristo, escrita para ser lida e
conhecida por todos (cf. 2Coríntios 3.2-3). Cartas não falam. Elas precisam ser lidas e, para isso, sua
escrita deve se mostrar visível e inteligível. Todas as pessoas precisam ler em nossa vida a escrita do
dos princípios do Evangelho. Paulo também diz que os cristãos são “o aroma de Cristo que se eleva
até Deus. Mas esse aroma é percebido de forma diferente por aqueles que estão sendo salvos e por
aqueles que estão perecendo” (2Coríntios 2.15 – NVT). Assim como a carta, o bom perfume não fala
por si mesmo. Mas o seu aroma se torna perceptível por todo o ambiente em que se exala. Do mesmo
P á g i n a | 4
Autor: Herbert A. Pereira [Copyright © 2018] – Todos os direitos reservados.
Kéryx Estudos Bíblicos e Teológicos  Acesse: http://www.keryx.com.br
modo, temos que exalar do aroma do Evangelho de Cristo em qualquer lugar que estejamos. Tanto
entre cristãos, como entre aqueles que ainda não conhecem a verdade do Evangelho. Em outras
palavras, o nosso testemunho diário de vida, e não os nossos discursos, deve ser a nossa marca.
Infelizmente, na maior parte do tempo, nos preocupamos em ser influência, mas sem consistência.
Somos embalagens sem conteúdo. Os apóstolos de Jesus foram chamados de cristãos porque tinham a
fôrma de Cristo e não o “esquema” do mundo. E nós? A qual “esquema” pertencemos?
3. Para experimentarmos e comprovarmos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus,
precisamos nos transformar pela renovação da nossa mente. O verbo transforma implica em
mudar de forma, em transfigurar-se. Faz referência a aparência de Cristo que mudou e resplandeceu
com brilho divino sobre o monte da transfiguração (cf. Mateus 17.1-2). A nossa transformação, do
ponto de vista de Deus, envolve renovação, uma completa mudança para melhor. Mas não se trata, a
priori, de uma transformação em nosso estereótipo e sim da mente. Não se trata de conhecimento, mas
do nosso modo particular de pensar e julgar, da nossa capacidade de perceber as coisas. Se dirigir a
Deus com compreensão, seriedade e sinceridade, envolve necessariamente esforço sincero em ser,
pensar, falar e fazer o que é agradável a Ele, e evitar tudo o que Lhe desagrada, nas situações
concretas, difíceis e perigosas da vida humana. Não é questão apenas de pensamentos, sentimentos e
aspirações interiores, mas também de palavras e ações exteriores, de obediência de vida.
Uma mente cristã renovada tem dois aspectos. Em primeiro lugar, é uma mente que formou o
hábito de se concentrar constantemente em Deus. É uma mente preocupada com Deus e direcionada
regulamente a Ele em oração e meditação. Isso a torna capaz de trazer Deus ao centro do foco de
obediência em várias ocasiões durante todo o dia. Em segundo lugar, uma mente renovada é aquela
que vê toda a vida à luz de uma perspectiva cristã, e cresce em excelência intelectual.
A oferta, constantemente repetida, de nós mesmos em todo o nosso viver concreto como
sacrifício vivo para Deus, é a verdadeira ação de adorar. A obediência do cristão é a sua resposta ao
que Deus fez por ele e por todos os homens em Jesus Cristo. O seu motivo fundamental é gratidão pela
bondade de Deus em Cristo. Isto significa que todo esforço moral e verdadeiramente cristão é
teocêntrico. As pressões para nos conformarmos com o “esquema” do mundo estão sempre presentes,
e são sempre fortes – de forma que nós com frequência cedemos, ainda que inconscientemente.
Devemos reconhecer que, até certo ponto, nossa vida se conforma com o “esquema” desta era. Mas
em lugar sermos marcados novamente e moldados pela figura deste mundo, devemos nos submeter à
direção do Espírito de Deus. Devemos nos permitir ser transformados constantemente, remodelados,
refeitos, a fim de que a nossa vida, aqui e agora, manifeste cada vez mais sinais e indícios da imagem
de Cristo. Quando isso acontece, aí compreendemos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.
Porque ela gerará em nós um sentimento de completude, de satisfação em Deus.
 Reflexão baseada no sermão homônimo ministrado em 17/06/2018, na Igreja Batista em Jardim Santa
Terezinha - São Paulo/SP.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
Lições biblicas 2017[342]
Lições biblicas 2017[342]Lições biblicas 2017[342]
Lições biblicas 2017[342]
Marcio Daudt
 
Licao 1
Licao 1Licao 1
Lição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecadoLição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecado
Natalino das Neves Neves
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
Moisés Sampaio
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
GUERRA
GUERRAGUERRA
Lição 11 - Vivendo de Forma Moderada
Lição 11 - Vivendo de Forma ModeradaLição 11 - Vivendo de Forma Moderada
Lição 11 - Vivendo de Forma Moderada
Erberson Pinheiro
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
Márcio Martins
 
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITOLIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
Lourinaldo Serafim
 
Lição 9 mortos para o pecado
Lição 9 mortos para o pecadoLição 9 mortos para o pecado
Lição 9 mortos para o pecado
boasnovassena
 
3. a nova vida em cristo
3. a nova vida em cristo3. a nova vida em cristo
3. a nova vida em cristo
talmidimted
 
Jesus sua vida e sua obra
Jesus sua vida e sua obraJesus sua vida e sua obra
Jesus sua vida e sua obra
Margarete Das Neves Menezes
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
Natalino das Neves Neves
 
Conhecendo a vontade positiva de deus
Conhecendo a vontade positiva de deusConhecendo a vontade positiva de deus
Conhecendo a vontade positiva de deus
Instituto Teológico Gamaliel
 
Caráter
CaráterCaráter
Caráter
cleucio2012
 
Ebd 1° trimestre 2017 lição 8 a bondade que confere a vida.
Ebd  1° trimestre 2017 lição 8 a bondade que confere a vida.Ebd  1° trimestre 2017 lição 8 a bondade que confere a vida.
Ebd 1° trimestre 2017 lição 8 a bondade que confere a vida.
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
yosseph2013
 
Carta aos efésios 2.1 2.10
Carta aos efésios 2.1 2.10Carta aos efésios 2.1 2.10
Carta aos efésios 2.1 2.10
jedagr
 
Lição 8 - Cristo e a graça
Lição 8 - Cristo e a graçaLição 8 - Cristo e a graça
Lição 8 - Cristo e a graça
Natalino das Neves Neves
 

Mais procurados (20)

E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
Lições biblicas 2017[342]
Lições biblicas 2017[342]Lições biblicas 2017[342]
Lições biblicas 2017[342]
 
Licao 1
Licao 1Licao 1
Licao 1
 
Lição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecadoLição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecado
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
 
GUERRA
GUERRAGUERRA
GUERRA
 
Lição 11 - Vivendo de Forma Moderada
Lição 11 - Vivendo de Forma ModeradaLição 11 - Vivendo de Forma Moderada
Lição 11 - Vivendo de Forma Moderada
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
 
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITOLIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
 
Lição 9 mortos para o pecado
Lição 9 mortos para o pecadoLição 9 mortos para o pecado
Lição 9 mortos para o pecado
 
3. a nova vida em cristo
3. a nova vida em cristo3. a nova vida em cristo
3. a nova vida em cristo
 
Jesus sua vida e sua obra
Jesus sua vida e sua obraJesus sua vida e sua obra
Jesus sua vida e sua obra
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
 
Conhecendo a vontade positiva de deus
Conhecendo a vontade positiva de deusConhecendo a vontade positiva de deus
Conhecendo a vontade positiva de deus
 
Caráter
CaráterCaráter
Caráter
 
Ebd 1° trimestre 2017 lição 8 a bondade que confere a vida.
Ebd  1° trimestre 2017 lição 8 a bondade que confere a vida.Ebd  1° trimestre 2017 lição 8 a bondade que confere a vida.
Ebd 1° trimestre 2017 lição 8 a bondade que confere a vida.
 
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
 
Carta aos efésios 2.1 2.10
Carta aos efésios 2.1 2.10Carta aos efésios 2.1 2.10
Carta aos efésios 2.1 2.10
 
Lição 8 - Cristo e a graça
Lição 8 - Cristo e a graçaLição 8 - Cristo e a graça
Lição 8 - Cristo e a graça
 

Semelhante a Boa =perfeita vontade

Lição 09-Nova vida
Lição 09-Nova vidaLição 09-Nova vida
Lição 09-Nova vida
Márcio Pereira
 
Metamorfose 3ª fase (buscando o padrão de cristo)
Metamorfose 3ª fase (buscando o padrão de cristo)Metamorfose 3ª fase (buscando o padrão de cristo)
Metamorfose 3ª fase (buscando o padrão de cristo)
Michel Plattiny
 
Lição 10 O jovem e a consagração
Lição 10 O jovem e a consagraçãoLição 10 O jovem e a consagração
Lição 10 O jovem e a consagração
boasnovassena
 
Princípios Doutrinários
Princípios DoutrináriosPrincípios Doutrinários
Princípios Doutrinários
Jessé Lopes
 
Artigo sobre tatuagens
Artigo sobre tatuagensArtigo sobre tatuagens
Artigo sobre tatuagens
Samuel Alves Silva
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
Natalino das Neves Neves
 
Lição 3 aluno
Lição 3 alunoLição 3 aluno
Lição 3 aluno
Demerval Fernandes
 
Conhecendo a vontade de deus para ser geração bem aventurada
Conhecendo a vontade de deus para ser geração bem aventuradaConhecendo a vontade de deus para ser geração bem aventurada
Conhecendo a vontade de deus para ser geração bem aventurada
Eid Marques
 
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNELIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
Lourinaldo Serafim
 
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Claudio Marcio
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
KARINEVONEYVIEIRABAR
 
Vivendo de Forma Moderada.
Vivendo de Forma Moderada.Vivendo de Forma Moderada.
Vivendo de Forma Moderada.
Márcio Martins
 
Os meios da graça
Os meios da graçaOs meios da graça
Os meios da graça
Guilherme Souza Oliveira
 
Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)
PrLinaldo Junior
 
Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)
PrLinaldo Junior
 
Discernimento: a salvaguarda do reavivamento_Lição_original com textos_832013
Discernimento: a salvaguarda do reavivamento_Lição_original com textos_832013Discernimento: a salvaguarda do reavivamento_Lição_original com textos_832013
Discernimento: a salvaguarda do reavivamento_Lição_original com textos_832013
Gerson G. Ramos
 
10 Resumo Discipulado 3 a 9.pptx
10 Resumo Discipulado  3 a 9.pptx10 Resumo Discipulado  3 a 9.pptx
10 Resumo Discipulado 3 a 9.pptx
JooAlbertoSoaresdaSi
 
Palavra de vida
Palavra de vida Palavra de vida
Palavra de vida
Lanylldo Araujo
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
Pastor Natalino Das Neves
 

Semelhante a Boa =perfeita vontade (20)

Lição 09-Nova vida
Lição 09-Nova vidaLição 09-Nova vida
Lição 09-Nova vida
 
Metamorfose 3ª fase (buscando o padrão de cristo)
Metamorfose 3ª fase (buscando o padrão de cristo)Metamorfose 3ª fase (buscando o padrão de cristo)
Metamorfose 3ª fase (buscando o padrão de cristo)
 
Lição 10 O jovem e a consagração
Lição 10 O jovem e a consagraçãoLição 10 O jovem e a consagração
Lição 10 O jovem e a consagração
 
Princípios Doutrinários
Princípios DoutrináriosPrincípios Doutrinários
Princípios Doutrinários
 
Artigo sobre tatuagens
Artigo sobre tatuagensArtigo sobre tatuagens
Artigo sobre tatuagens
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
 
Lição 3 aluno
Lição 3 alunoLição 3 aluno
Lição 3 aluno
 
Conhecendo a vontade de deus para ser geração bem aventurada
Conhecendo a vontade de deus para ser geração bem aventuradaConhecendo a vontade de deus para ser geração bem aventurada
Conhecendo a vontade de deus para ser geração bem aventurada
 
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNELIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
 
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
 
Vivendo de Forma Moderada.
Vivendo de Forma Moderada.Vivendo de Forma Moderada.
Vivendo de Forma Moderada.
 
Os meios da graça
Os meios da graçaOs meios da graça
Os meios da graça
 
Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)
 
Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)
 
Discernimento: a salvaguarda do reavivamento_Lição_original com textos_832013
Discernimento: a salvaguarda do reavivamento_Lição_original com textos_832013Discernimento: a salvaguarda do reavivamento_Lição_original com textos_832013
Discernimento: a salvaguarda do reavivamento_Lição_original com textos_832013
 
10 Resumo Discipulado 3 a 9.pptx
10 Resumo Discipulado  3 a 9.pptx10 Resumo Discipulado  3 a 9.pptx
10 Resumo Discipulado 3 a 9.pptx
 
Palavra de vida
Palavra de vida Palavra de vida
Palavra de vida
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 

Último

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 

Último (10)

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 

Boa =perfeita vontade

  • 1. Autor: Herbert A. Pereira [Copyright © 2018] – Todos os direitos reservados. Kéryx Estudos Bíblicos e Teológicos  Acesse: http://www.keryx.com.br COMO EXPERIMENTAR E COMPROVAR A BOA, AGRADÁVEL E PERFEITA VONTADE DE DEUS "[1] Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. [2] Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." (Romanos 12.1-2 – Nova Versão Internacional) A passagem bíblica acima é bem conhecida pela maioria dos evangélicos. No texto bíblico o apóstolo Paulo convida todos os cristãos a que se abram para a transformação e não se conformem com os caminhos deste mundo. Para o apóstolo, essas atitudes são necessárias para que percebamos, verdadeiramente, a vida a partir da perspectiva de Deus. Nas palavras de Paulo, é para que sejamos “capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. Muitos almejam seguir a vontade de Deus. Isso é bom. Porém, não é algo simples de se fazer. Quando a vontade de Deus está de acordo com a nossa vontade, com o aquilo que queremos, é fácil segui-la, compreendê-la, aceitá-la. Na maior parte das vezes, no entanto, a vontade de Deus se revela totalmente contrária ao que imaginamos. Por seguir a vontade de Deus, Abraão abandonou uma terra que possuía uma arquitetura monumental, enorme riqueza, moradias confortáveis e viveu como nômade em tendas por quase cem anos. Por seguir a vontade de Deus, Maria [mãe de Jesus] quase foi abandonada pelo marido e exposta ao público como mulher infiel e de conduta imoral. Por seguir a vontade de Deus, o Senhor Jesus morreu crucificado, mesmo sendo inocente. Por seguir a vontade de Deus, os apóstolos de Cristo foram crucificados, mortos a espada, decapitados, lançados em tachos de azeite fervendo, apedrejados, amarrados em sacos e lançados ao mar, esfolados vivos, enforcados, atravessados por lanças, cravados por flechas e arrastados pelas ruas. Seria essa a boa, agradável e perfeita vontade de Deus? A princípio, falar sobre a vontade de Deus em relação a nossa vontade é algo paradoxal. Por um lado, a Bíblia nos convida a buscar no SENHOR a nossa alegria, e ele nos dará os desejos do nosso coração (cf. Salmo 37.4). Por outro lado, o Senhor Jesus nos ensinou a orar e pedir que seja feita a vontade de Deus em nossa vida (cf. Mateus 6.10). Para piorar, o próprio Deus declara que “o coração humano é mais enganoso que qualquer coisa e extremamente perverso” (cf. Jeremias 37.9 – NVT). Logo, a nossa vontade pode se mostrar ilusória ou equivocada. Por causa disso, a grande maioria das pessoas tem dificuldade em saber exatamente qual é a vontade de Deus para muitas ocasiões da vida.
  • 2. P á g i n a | 2 Autor: Herbert A. Pereira [Copyright © 2018] – Todos os direitos reservados. Kéryx Estudos Bíblicos e Teológicos  Acesse: http://www.keryx.com.br No texto bíblico em grego, para o termo “vontade”, é utilizado o vocábulo (thélema) que significa “aquilo traz satisfação”. Portanto, a vontade de Deus é aquilo que satisfaz o coração do próprio Deus; e o desejo dEle para nós é que também experimentemos essa satisfação. Contudo, o mundo no qual vivemos exerce toda a sorte de pressão sobre a nossa maneira de pensar, sentir e agir. Diariamente nos vemos forçados a adotar sistemas de valores totalmente contrários aos estabelecidos por Deus. Não são raros os momentos em que a nossa vontade, a nossa satisfação, opera em ambientes estranhos aos que Deus trafega e, em decorrência disso, acabamos por adotar a maneira de pensar deste mundo. Queremos fazer o que é certo, mas não o fazemos, não conseguimos. Somos dominados pelas inclinações da nossa natureza humana e pelo pecado que habita em nós (cf. Romanos 7.15-20). Quando queremos fazer o que é certo, percebemos que o mal está presente em nós. De acordo com o apóstolo Paulo, apesar do nosso desejo em satisfazer o coração de Deus, dentro de nós existe algo que está em guerra com a nossa mente e nos torna escravos do pecado que permanece em nosso interior (cf. Romanos 7.21-23). Como resultado, o ato de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus, parece não fazer parte do nosso cotidiano; e quando deixamos de experimentar a vontade de Deus, ficamos sujeitos à nossa própria vontade e aos erros e equívocos que, muitas vezes, a acompanha. Sendo assim, como experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus? É o que veremos a seguir. Nem sempre vontade de Deus está claramente explícita na Palavra de Deus. Às vezes, não encontramos qualquer princípio que nos ajude definitivamente a definir se aquilo é ou não da vontade de Deus. Mas no texto bíblico em análise, o apóstolo Paulo fornece aos seus leitores os princípios básicos necessários para que seja possível experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Em nosso texto bíblico em análise, se fizermos uso da gramática normativa, a partir de aspectos lógicos e gerais observados na língua culta, poderemos lançar mão de figuras de criação (ou figuras de sintaxe) e através de uma figura de construção (também chamada de figura sintática), construir uma “inversão” da parte final da passagem bíblica e produzir, assim, uma mudança na ordem direta dos termos na frase (sujeito + predicado + complementos). De forma que o texto bíblico, colocado em ordem indireta, terá a seguinte transcrição: “Para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente”. Se mantivermos o texto bíblico dessa forma, nós teremos, então, os passos, as diretrizes, as atitudes que nos permitirão experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Que atitudes são essas? Vejamos:
  • 3. P á g i n a | 3 Autor: Herbert A. Pereira [Copyright © 2018] – Todos os direitos reservados. Kéryx Estudos Bíblicos e Teológicos  Acesse: http://www.keryx.com.br 1. Para experimentarmos e comprovarmos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus, precisamos nos oferecer em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. A este tipo de oferta, damos o nome de culto. Nos cultos sacrificiais oferecidos no Antigo Testamento, o animal primeiramente era morto, em seguida tinha o corpo particionado e depois queimado. Em nosso caso, devemos nos oferecer a Deus “vivos”, isto é, animados, cheios de vivacidade, entusiasmo, vigor. Deus quer que nos apresentemos diante dEle “inteiros”, isto é, por completo, sem parcialidades, com corpo, alma e espírito juntos, na totalidade da nossa vida concreta; plenamente concentrados e envolvidos com o momento da adoração. O termo “culto”, não faz alusão a simples atos litúrgicos. Culto é serviço, entrega e, principalmente, dedicação – uma das manifestações do amor. Tudo de forma racional, ou seja, de acordo com a razão, com a lógica. O culto racional é o culto com razões, com propósito, com motivação. O cristão verdadeiro pertence a Deus pelo direito da criação e pelo direito da redenção. Contudo, ele ainda precisa se tornar de Deus em virtude da sua própria entrega livre de si mesmo. Oferecer-se como sacrifício a Deus é se permitir morrer, se permitir ser vencido por Ele. O apóstolo Paulo ensinou que “a natureza humana deseja fazer exatamente o oposto do que o Espírito Santo quer, e o Espírito Santo nos impele na direção contrária àquela desejada pela natureza humana. Essas duas forças se confrontam o tempo todo” (Gálatas 5.17 – NVT). O Espírito Santo é uma pessoa. Como pessoa, Ele tem personalidade – vontades próprias, desejos próprios, sentimentos próprios. De modo que a vida cristã é uma luta diária de nós contra Deus; da nossa natureza humana contra a natureza divina do Espírito Santo. Para experimentar a vontade de Deus, precisamos “perder” para Ele. Parece paradoxo, mas, o cristão vitorioso, é aquele que tem a sua natureza humana derrotada por Deus. Foi dentro desse contexto que o apóstolo Paulo declarou: “já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim” (cf. Gálatas 2.20 – NVT). Paulo havia se permitido morrer; ele teve a sua natureza humana vencida por Cristo. 2. Para experimentarmos e comprovarmos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus, precisamos não nos amoldar ao padrão deste mundo. O verbo amoldar, do grego (schematízõ), significa “tomar a forma ou aparência”. O termo grego tem a mesma raiz da palavra “esquema”. Engloba tudo o que em uma pessoa afeta os sentidos, o comportamento, o discurso, as ações, a forma de viver em geral. O cristão não deve imitar o comportamento e os costumes deste mundo. De acordo com o apóstolo Paulo, os cristãos são uma carta de Cristo, escrita para ser lida e conhecida por todos (cf. 2Coríntios 3.2-3). Cartas não falam. Elas precisam ser lidas e, para isso, sua escrita deve se mostrar visível e inteligível. Todas as pessoas precisam ler em nossa vida a escrita do dos princípios do Evangelho. Paulo também diz que os cristãos são “o aroma de Cristo que se eleva até Deus. Mas esse aroma é percebido de forma diferente por aqueles que estão sendo salvos e por aqueles que estão perecendo” (2Coríntios 2.15 – NVT). Assim como a carta, o bom perfume não fala por si mesmo. Mas o seu aroma se torna perceptível por todo o ambiente em que se exala. Do mesmo
  • 4. P á g i n a | 4 Autor: Herbert A. Pereira [Copyright © 2018] – Todos os direitos reservados. Kéryx Estudos Bíblicos e Teológicos  Acesse: http://www.keryx.com.br modo, temos que exalar do aroma do Evangelho de Cristo em qualquer lugar que estejamos. Tanto entre cristãos, como entre aqueles que ainda não conhecem a verdade do Evangelho. Em outras palavras, o nosso testemunho diário de vida, e não os nossos discursos, deve ser a nossa marca. Infelizmente, na maior parte do tempo, nos preocupamos em ser influência, mas sem consistência. Somos embalagens sem conteúdo. Os apóstolos de Jesus foram chamados de cristãos porque tinham a fôrma de Cristo e não o “esquema” do mundo. E nós? A qual “esquema” pertencemos? 3. Para experimentarmos e comprovarmos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus, precisamos nos transformar pela renovação da nossa mente. O verbo transforma implica em mudar de forma, em transfigurar-se. Faz referência a aparência de Cristo que mudou e resplandeceu com brilho divino sobre o monte da transfiguração (cf. Mateus 17.1-2). A nossa transformação, do ponto de vista de Deus, envolve renovação, uma completa mudança para melhor. Mas não se trata, a priori, de uma transformação em nosso estereótipo e sim da mente. Não se trata de conhecimento, mas do nosso modo particular de pensar e julgar, da nossa capacidade de perceber as coisas. Se dirigir a Deus com compreensão, seriedade e sinceridade, envolve necessariamente esforço sincero em ser, pensar, falar e fazer o que é agradável a Ele, e evitar tudo o que Lhe desagrada, nas situações concretas, difíceis e perigosas da vida humana. Não é questão apenas de pensamentos, sentimentos e aspirações interiores, mas também de palavras e ações exteriores, de obediência de vida. Uma mente cristã renovada tem dois aspectos. Em primeiro lugar, é uma mente que formou o hábito de se concentrar constantemente em Deus. É uma mente preocupada com Deus e direcionada regulamente a Ele em oração e meditação. Isso a torna capaz de trazer Deus ao centro do foco de obediência em várias ocasiões durante todo o dia. Em segundo lugar, uma mente renovada é aquela que vê toda a vida à luz de uma perspectiva cristã, e cresce em excelência intelectual. A oferta, constantemente repetida, de nós mesmos em todo o nosso viver concreto como sacrifício vivo para Deus, é a verdadeira ação de adorar. A obediência do cristão é a sua resposta ao que Deus fez por ele e por todos os homens em Jesus Cristo. O seu motivo fundamental é gratidão pela bondade de Deus em Cristo. Isto significa que todo esforço moral e verdadeiramente cristão é teocêntrico. As pressões para nos conformarmos com o “esquema” do mundo estão sempre presentes, e são sempre fortes – de forma que nós com frequência cedemos, ainda que inconscientemente. Devemos reconhecer que, até certo ponto, nossa vida se conforma com o “esquema” desta era. Mas em lugar sermos marcados novamente e moldados pela figura deste mundo, devemos nos submeter à direção do Espírito de Deus. Devemos nos permitir ser transformados constantemente, remodelados, refeitos, a fim de que a nossa vida, aqui e agora, manifeste cada vez mais sinais e indícios da imagem de Cristo. Quando isso acontece, aí compreendemos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Porque ela gerará em nós um sentimento de completude, de satisfação em Deus.  Reflexão baseada no sermão homônimo ministrado em 17/06/2018, na Igreja Batista em Jardim Santa Terezinha - São Paulo/SP.