SlideShare uma empresa Scribd logo
Dia do Imigrante Italiano no Brasil  21 de fevereiro
Anderemo in Mèrica  In tel bel Brasil  E qua i nostri siori  Lavorerá la tera col badil!   Iremos para a América Para aquele belo Brasil E aqui nossos senhores Trabalharão a terra com a pá! Mèrica, Mèrica...
Que entendeis por uma Nação, Senhor Ministro?  É a massa dos infelizes?  Plantamos e ceifamos o trigo, mas nunca provamos pão branco. Cultivamos a videira, mas não bebemos o vinho.  Criamos animais, mas não comemos a carne.  Apesar disso, vós nos aconselhais a não abandonarmos a nossa Pátria? Mas é uma Pátria a terra onde não se consegue  viver do próprio trabalho ? (Fala anônima de um italiano para o Ministro de Estado da Itália)
A primeira viagem de imigrantes italianos para o Brasil aconteceu  no dia 3 de janeiro de 1874, às 13 horas, quando partiram do Porto de Gênova, em um navio à vela, o "La Sofia", na expedição Tabacchi,  e a segunda pelo " Rivadávia",  ambos de bandeira francesa.  O "Sofia" chegou ao Brasil em 21 de fevereiro de 1874 ,  386 famílias, para as terras de Pietro Tabacchi, em Santa Cruz . Segundo o sociólogo italiano Renzo M. Grosselli,  a Expedição de Pietro Tabachi, foi o primeiro caso de partida  em massa de imigrantes da região norte da Itália para o Brasil. O nome da colônia criada no Espírito Santo, pelo Governo Brasileiro, chamava-se Nova Trento.  Podemos dizer que Santa Cruz foi o berço da Imigração italiana no Brasil.
Na primeira metade do século XIX, a Europa encontrava-se marcada  por diversas revoluções liberais, vindo a ocasionar profundas modificações políticas e econômicas em seu seio.  Após o Congresso de Viena em 1814, a Itália estava dividida em sete regiões:  o Reino do Piemonte-Sardenha; o Reino Lombardo-Veneziano; o Reino das Duas Sicílias; os Estados da Igreja e três Ducados submetidos ao poderio austríaco.  Surgiu na Itália a ordem Carbonária, que tinha por objetivo combater o absolutismo, a intolerância da religião e buscava como princípio fundamental, defender os ideais liberais. Um nome foi destacado, o de Giuseppe Mazzini.  Em 1860 surgiu no conflito Giuseppe Garibaldi, líder da Sociedade Nacional, um movimento que também adotava como preceito, a liberdade italiana e sua unificação. Rei Vítor Emannuel II Garibaldi
Em 1850, sobre 1.800 Comunas do Reino de Nápoles, 1.500 não tinham estradas. Em muitas regiões, não sabiam o que era o dinheiro; as trocas se faziam em natura, como no tempo de Cícero.  "Il sostentamento di un bracciante costa meno di quello di un asino. "  O sustento de um trabalhador braçal custa menos do que o de um burro. Em 1861, somente 600.000 podiam votar: eram aqueles que tinham um patrimônio ou uma renda. Eram os "Signori". E só os abastados podiam ser votados. Portanto, o povo comum não tinha representantes no Congresso.  Os colonos não tinham propriedades; viviam do trabalho escravo.   As massas populares não eram consideradas povo.  Quando se falava em "povo", entendia-se a burguesia: os funcionários, os comerciantes, os advogados, os médicos, etc.  Os outros (e eram os quatro quintos) não contavam nada.  Os cargos políticos eram impostos pelo Rei. Com essa situação, com as autoridades insensíveis às necessidades das massas populares, começaram os primeiros movimentos emigratórios.   Os colonos fugiam de um País ingrato, que nunca foi sua verdadeira Pátria. Entre 1860 e 1865 houve revoltas e massacres no Sul da Itália;  muitos bispos foram expulsos ou presos.  Aqui começa o período da longa emigração.
A malária matava 40.000 pessoas por ano;  a pelagra, 100.000.  Entre 1884 e 87 o cólera tinha matado 55.000 pessoas. As estatísticas falam em 400.000 mortes por ano.  Metade eram crianças com menos de cinco anos, porque a comida era escassa,  a higiene quase nula  e a consulta médica a um preço proibitivo. Dos 3.672 trabalhadores nas minas sicilianas de enxofre, só 203 foram declarados sãos e aptos para o serviço militar.  O resto era tudo doente. Dos 30.000.000 de habitantes, 21.000.000 eram colonos.  O arado era ainda aquele de prego, o mesmo usado por Cincinato, 2.000 anos antes. Entretanto, a Inglaterra, a França e a Alemanha já haviam ingressado  na era industrial.  A Itália parecia  um país de miseráveis analfabetos.  Só o Piemonte e a planície do Pó demonstravam um pouco  de progresso agrícola.
Centenas de milhares de italianos viviam ainda em grutas ou cabanas de pau a pique e barro, sem janelas, ou em escavações feitas na rocha.  Segundo dados de 1879, aí viviam na média 10 pessoas por vão. As terras pertenciam a quem não tinha amor ao campo; quem trabalhava os campos era um servo, o descendente dos escravos.  Havia grandes propriedades burguesas, conseguidas pelos "notabili" através da usurpação  e da aquisição  de terras tiradas da Igreja.  Nessas propriedades os colonos eram explorados; não tinham nenhum vínculo com a terra. Por isso, havia uma vontade terrível de terra, não somente de possuí-la, mas de sair do nada, de conquistar uma dignidade. Foi assim que acolheram com entusiasmo a Giuseppe Garibaldi, porque esperavam a distribuição das terras e se atiraram com fúria sobre as propriedades dos "galantuomini", latifundiários,  mas foram barrados e espancados.
Alguns repetiam:  "Sarà quel che sarà. Peggio del presente non sarà. Tentiamo la sorte. E poiché abbiamo, presto o tardi, da morire, tanto vale di lasciare la nostra pelle in America come in Europa...  Viva l`America! Morte ai signori!... Noi andiamo in Brasile.  Ora toccherà ai padroni lavorare la terra.“ Nessas condições, portanto, a emigração era não só estimulada pelo governo, como era, também, uma solução de sobrevivência para as famílias.  Assim, é possível entender a saída de cerca de 7 milhões de italianos  no período compreendido entre 1860 e 1920.
Os primeiros imigrantes a deixarem a Itália na época da "grande imigração" (1870-1920), foram sobretudo os vênetos, cerca de 30% do total,  seguidos dos habitantes de Campânia, Calábria e Lombardia.  Esse primeiro grupo foi sucedido por emigrantes da região sul. Se os vênetos eram mais loiros do que a maioria dos italianos, eram pequenos proprietários, arrendatários ou meeiros, para quem a possibilidade do acesso à terra era um estímulo decisivo para o empreendimento da arriscada viagem;  os imigrantes do sul eram morenos,  mais pobres e rústicos, geralmente camponeses que não dispunham de nenhuma economia e eram chamados de  braccianti.
Em 1850, o Brasil encarava dificuldades quanto a uma mão-de-obra especializada, basicamente a força de trabalho era formada por escravos e neste mesmo ano, seria adotada a Lei  Eusébio de Queirós, que proibia o tráfico negreiro. O governo brasileiro tomou conhecimento que levas de imigrantes europeus estavam partindo para os Estados Unidos, Austrália, a própria América do Sul, levando na bagagem um sonho de uma vida melhor,  foi quando o mesmo interessou-se em trazer estas levas ao Brasil.  (Propaganda do Brasil na Itália)
A primeira leva de imigrantes italianos vinda ao Brasil, aconteceu em 1874, porém a imigração só foi oficializada, em 1875. A travessia do Atlântico, em velhos navios, era dramática,  um jogo no escuro:  tudo podia correr bem, mais ou menos, ou mal. Mortes de pessoas, na travessia,  eram comuns. Naufrágios, também, não raro aconteciam.  De qualquer forma, os  “ Quaranta sei giorni di macchina e vapore ” constituíam uma angústia e um medo só.
No Brasil, os emigrantes se dirigiram para os Estados do Sul: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. E os Estados do Sudeste:  São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo.  Aqui fundaram pedaços da Itália: Nova Roma, Nova Vicenza, Nova Veneza,  Nova Trento, Novo Treviso, Nova Pádua, Nova Údine, Vale Vêneto, etc.         
Graças à vontade férrea, a maioria venceu na vida e se tornou proprietário,  alguns bem abastados. "Dove lo Stato era fallito, gli straccioni erano riusciti" (Manzotti).  "Onde o Estado faliu, os maltrapilhos tiveram sucesso."
Hospedaria dos Imigrantes – São Paulo Chegada de italianos em uma fazenda em 1880
Interessante notar que se trata de um único passaporte para toda a família.  Muitas famílias de imigrantes eram numerosas, com a da foto.  Mas também havia casais com um ou dois filhos, homens casados sem a família  (que viria depois) e jovens solteiros.  Foto de passaporte de família italiana, de 1923 .
Os emigrantes italianos, com sua saída, permitiram o progresso da Itália, diminuindo a população e fazendo sobrar alimento para os que ficaram. Recomeçando sua vida no meio do mato e entre animais ferozes,  e com falta de tudo, ainda enviavam tanto dinheiro aos parentes no "Paese"  de origem, que o Ministro das Finanças da Itália considerou essas remessas  um "ruscello d`oro", um filete de ouro.
 
A propaganda dos pioneiros aos compatriotas Os primeiros colonos instalados no Brasil escreviam a seus parentes na Europa dizendo: “ Venham o quanto antes”.  Paulo Rossato, um dos primeiros colonos do Garibaldi – RS escreveu aos pais dizendo :  “Tratem de vir o quanto antes possível. (...) A posição é boa, os ares são melhores que na Itália, é boa a água. Haveria uma colônia próximo à minha. Se pensa em vir, trate de escrever-me quanto antes, que lhe reservo a terra”.  (op.cit.19-20) Casa de imigrante italiano preservada no Rio Gde. Do Sul
Porém, a Itália só ultimamente começou a se interessar por seus filhos "all`estero" (no estrangeiro), calculados em 20.000.000, a maioria vivendo no Brasil. O s ítalo-brasileiros são considerados  a maior população de  oriundi  (descendentes de italianos) fora da Itália.
TENHA ORGULHO DE SEUS HUMILDES ANTEPASSADOS São as pessoas humildes que eu procuro,  O sal da Terra, por assim dizer,  Aqueles que domaram o solo bruto,  E fizeram nele as sementes florescer.  São estes que eu gosto de encontrar,  Quando mergulhada na estrada da genealogia.  E é apenas por orgulho que me deixo levar,  Refazendo seus passos para assim os imortalizar.  Aqueles que buscam o passado com sonhos de glória,  De encontrar heróis educados em cada história,  Não devem jamais se desapontar  Ainda que descobrirem que os humildes bisavós ou tataravós Tinham somente as estrelas para contemplar. G. McCoy   In:  The Sunny Side of Genealogy.
Emigração italiana para o Brasil, segundo as regiões de procedência   período 1876/1920 Vêneto 365.710 Campânia 166.080 Calábria 113.155 Lombardia 105.973 Abruzzi/Molizi 93.020 Toscana 81.056 Emília Romana 59.877 Brasilicata 52.888 Sicília 44.390 Piemonte 40.336 Puglia 34.833 Marche 25.074 Lázio 15.982 Úmbria 11.818  Ligúria 9.328 Sardenha 6.113 Total 1.243.633 (Fonte:Brasil 500 anos de povoamento. IBGE. Rio de Janeiro. 2000)
Filme sugerido: Título:  A Árvore dos Tamancos  Título Original:  L'Albero degli Zoccoli  Direção:  Ermanno Olmi Ano de Produção:  1978 Vencedor por unanimidade da Palma de Ouro de Melhor Filme  no Festival de Cannes. Conheça a vida e as dificuldades de uma comunidade de camponeses da região de Bérgamo, no norte da Itália. Uma das famílias decide colocar o filho na escola em vez de utilizá-lo na lavoura. É o início de uma série de problemas, pois a escola fica muito longe e eles mal têm condições de comprar roupas para o menino. É dificil não se emocionar com a história dessa gente humilde e trabalhadora, contada com muito realismo e poesia.
Obra consultada: "STORIA DIMENTICATA'' do escritor italiano Deliso Villa By Eliane/2009

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)
Fabiana Alexandre
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
Andressa Fontenele
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
Edenilson Morais
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Marilia Pimentel
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Aulas de História
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Marilia Pimentel
 
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico   revolução agrícola e as primeiras cidadesNeolítico   revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Douglas Barraqui
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
joana71
 
Quilombos orig.
Quilombos  orig.Quilombos  orig.
Quilombos orig.
Felipe Weizenmann
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
Formação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7anoFormação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7ano
Suely Takahashi
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
monica10
 
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
josafaslima
 
Anarquismo
AnarquismoAnarquismo
Anarquismo
Isabel Aguiar
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
Joemille Leal
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
Anderson Silva
 
Imperialismo – ásia
Imperialismo – ásiaImperialismo – ásia
Imperialismo – ásia
Carlos Glufke
 

Mais procurados (20)

Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
 
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico   revolução agrícola e as primeiras cidadesNeolítico   revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
 
Quilombos orig.
Quilombos  orig.Quilombos  orig.
Quilombos orig.
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Formação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7anoFormação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7ano
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
PPT - Da Primeira Grande Guerra ao Pós-45
 
Anarquismo
AnarquismoAnarquismo
Anarquismo
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
Imperialismo – ásia
Imperialismo – ásiaImperialismo – ásia
Imperialismo – ásia
 

Destaque

Imigracao italiana para_o_brasil1
Imigracao italiana para_o_brasil1Imigracao italiana para_o_brasil1
Imigracao italiana para_o_brasil1
Delma Maiochi
 
Imigrantes no RS
Imigrantes no RSImigrantes no RS
Imigrantes no RS
vintecinco
 
Imigração ao brasil
Imigração ao brasilImigração ao brasil
Imigração ao brasil
andresjacobo
 
Historia da Imigração no Brasil
Historia da Imigração no BrasilHistoria da Imigração no Brasil
Historia da Imigração no Brasil
Thaís Bozz
 
Famílias
FamíliasFamílias
Famílias
Jorge Barbosa
 
Imigrantes
ImigrantesImigrantes
Imigrantes
eloifc
 
Imigração
ImigraçãoImigração
Imigração
novageracao
 
Itália
  Itália  Itália
Itália
maria2345
 
Imigração brasileira
Imigração brasileiraImigração brasileira
Imigração brasileira
vitor moraes ribeiro
 
AS RAZÕES DE ANTÓNIO CAPUCHO
AS RAZÕES DE ANTÓNIO CAPUCHOAS RAZÕES DE ANTÓNIO CAPUCHO
AS RAZÕES DE ANTÓNIO CAPUCHO
Umberto Pacheco
 
Lina sinalização segurança
Lina sinalização segurançaLina sinalização segurança
Lina sinalização segurança
CNO PartnerHotel
 
Emigrazione italiana
Emigrazione italianaEmigrazione italiana
Emigrazione italiana
Henry Chinaglia Filho
 
Os novos trabalhadores imigrantes: "o sonho brasileiro"
Os novos trabalhadores imigrantes: "o sonho brasileiro"Os novos trabalhadores imigrantes: "o sonho brasileiro"
Os novos trabalhadores imigrantes: "o sonho brasileiro"
Fundação de Economia e Estatística
 
Pessoas sao diferentes
Pessoas sao diferentesPessoas sao diferentes
Pessoas sao diferentes
Fer Nanda
 
A história do sindicalismo no brasil
A história do sindicalismo no brasilA história do sindicalismo no brasil
A história do sindicalismo no brasil
Vinícius Soares
 
gli antenati
gli antenatigli antenati
gli antenati
Delma Maiochi
 
Imigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasilImigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasil
Lorrany Viana
 
Crise Humanitária no Acre
Crise Humanitária no AcreCrise Humanitária no Acre
Crise Humanitária no Acre
GUILHERME FRANÇA
 
Itália
Itália Itália
Itália
DaraSilva3d
 
Itália
ItáliaItália
Itália
20014
 

Destaque (20)

Imigracao italiana para_o_brasil1
Imigracao italiana para_o_brasil1Imigracao italiana para_o_brasil1
Imigracao italiana para_o_brasil1
 
Imigrantes no RS
Imigrantes no RSImigrantes no RS
Imigrantes no RS
 
Imigração ao brasil
Imigração ao brasilImigração ao brasil
Imigração ao brasil
 
Historia da Imigração no Brasil
Historia da Imigração no BrasilHistoria da Imigração no Brasil
Historia da Imigração no Brasil
 
Famílias
FamíliasFamílias
Famílias
 
Imigrantes
ImigrantesImigrantes
Imigrantes
 
Imigração
ImigraçãoImigração
Imigração
 
Itália
  Itália  Itália
Itália
 
Imigração brasileira
Imigração brasileiraImigração brasileira
Imigração brasileira
 
AS RAZÕES DE ANTÓNIO CAPUCHO
AS RAZÕES DE ANTÓNIO CAPUCHOAS RAZÕES DE ANTÓNIO CAPUCHO
AS RAZÕES DE ANTÓNIO CAPUCHO
 
Lina sinalização segurança
Lina sinalização segurançaLina sinalização segurança
Lina sinalização segurança
 
Emigrazione italiana
Emigrazione italianaEmigrazione italiana
Emigrazione italiana
 
Os novos trabalhadores imigrantes: "o sonho brasileiro"
Os novos trabalhadores imigrantes: "o sonho brasileiro"Os novos trabalhadores imigrantes: "o sonho brasileiro"
Os novos trabalhadores imigrantes: "o sonho brasileiro"
 
Pessoas sao diferentes
Pessoas sao diferentesPessoas sao diferentes
Pessoas sao diferentes
 
A história do sindicalismo no brasil
A história do sindicalismo no brasilA história do sindicalismo no brasil
A história do sindicalismo no brasil
 
gli antenati
gli antenatigli antenati
gli antenati
 
Imigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasilImigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasil
 
Crise Humanitária no Acre
Crise Humanitária no AcreCrise Humanitária no Acre
Crise Humanitária no Acre
 
Itália
Itália Itália
Itália
 
Itália
ItáliaItália
Itália
 

Semelhante a Imigracao Italiana Para O Brasil

Imigração italiana
Imigração italianaImigração italiana
Imigração italiana
osmarvolpato
 
gli antenati
gli antenatigli antenati
gli antenati
Delma Maiochi
 
Imigração italiana para o Brasil
Imigração italiana para o BrasilImigração italiana para o Brasil
Imigração italiana para o Brasil
antoniobedin
 
FamíLia Dallabrida
FamíLia DallabridaFamíLia Dallabrida
FamíLia Dallabrida
Adrodalla
 
FamíLia Dallabrida
FamíLia DallabridaFamíLia Dallabrida
FamíLia Dallabrida
Adrodalla
 
Imigração italiana2
Imigração italiana2Imigração italiana2
Imigração italiana2
Maria Bernardi Turani
 
Imigração italiana2
Imigração italiana2Imigração italiana2
Imigração italiana2
Maria Bernardi Turani
 
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdfFamilia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Adroaldo Dallabrida
 
ES Imperial
ES ImperialES Imperial
ES Imperial
Jalbert Jr
 
Ebook de historia1
Ebook de historia1Ebook de historia1
Ebook de historia1
Wilson Do Carmo
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
juracyferra
 
2º reinado
2º reinado2º reinado
2º reinado
harlissoncarvalho
 
Revisao 8
Revisao 8Revisao 8
Revisao 8
Janaína Bindá
 
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.pptCapítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
BetoFonseca8
 
Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
Pérysson Nogueira
 
2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt
HelderHenrique8
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
Simone Gomes
 
Imigração
ImigraçãoImigração
Imigração
Jonas
 
Pesquisa profª débora c. páises imigrantes
Pesquisa profª débora c. páises imigrantesPesquisa profª débora c. páises imigrantes
Pesquisa profª débora c. páises imigrantes
Solange Ferreira
 
Colonização européia na américa
Colonização européia  na américaColonização européia  na américa
Colonização européia na américa
Walter Frederico
 

Semelhante a Imigracao Italiana Para O Brasil (20)

Imigração italiana
Imigração italianaImigração italiana
Imigração italiana
 
gli antenati
gli antenatigli antenati
gli antenati
 
Imigração italiana para o Brasil
Imigração italiana para o BrasilImigração italiana para o Brasil
Imigração italiana para o Brasil
 
FamíLia Dallabrida
FamíLia DallabridaFamíLia Dallabrida
FamíLia Dallabrida
 
FamíLia Dallabrida
FamíLia DallabridaFamíLia Dallabrida
FamíLia Dallabrida
 
Imigração italiana2
Imigração italiana2Imigração italiana2
Imigração italiana2
 
Imigração italiana2
Imigração italiana2Imigração italiana2
Imigração italiana2
 
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdfFamilia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
 
ES Imperial
ES ImperialES Imperial
ES Imperial
 
Ebook de historia1
Ebook de historia1Ebook de historia1
Ebook de historia1
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
2º reinado
2º reinado2º reinado
2º reinado
 
Revisao 8
Revisao 8Revisao 8
Revisao 8
 
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.pptCapítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
 
Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
 
2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
 
Imigração
ImigraçãoImigração
Imigração
 
Pesquisa profª débora c. páises imigrantes
Pesquisa profª débora c. páises imigrantesPesquisa profª débora c. páises imigrantes
Pesquisa profª débora c. páises imigrantes
 
Colonização européia na américa
Colonização européia  na américaColonização européia  na américa
Colonização européia na américa
 

Mais de Noeliza Bianchini S. Lima

Educacao Emocional
Educacao EmocionalEducacao Emocional
Educacao Emocional
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Mensagem de Dr Bezerra de Menezes
Mensagem de Dr Bezerra de MenezesMensagem de Dr Bezerra de Menezes
Mensagem de Dr Bezerra de Menezes
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupoUm pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Estaiahora Popular
Estaiahora PopularEstaiahora Popular
Estaiahora Popular
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Cantores brazileiros - 70th
Cantores brazileiros - 70thCantores brazileiros - 70th
Cantores brazileiros - 70th
Noeliza Bianchini S. Lima
 
A Saga dos Bianchini de Goito
A Saga dos Bianchini de GoitoA Saga dos Bianchini de Goito
A Saga dos Bianchini de Goito
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Perséfone em seus espaços
Perséfone em seus espaçosPerséfone em seus espaços
Perséfone em seus espaços
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Violência contra a mulher
Violência contra a mulherViolência contra a mulher
Violência contra a mulher
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Podas
PodasPodas
O Pai Nosso De Sevilha
O Pai Nosso De SevilhaO Pai Nosso De Sevilha
O Pai Nosso De Sevilha
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Estudo - mulheres nas empresas
Estudo - mulheres nas empresasEstudo - mulheres nas empresas
Estudo - mulheres nas empresas
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Grupos Aportes
Grupos AportesGrupos Aportes
Bagagem Da Vida
Bagagem Da VidaBagagem Da Vida
Bagagem Da Vida
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Dicas para maduros(as)
Dicas para maduros(as)Dicas para maduros(as)
Dicas para maduros(as)
Noeliza Bianchini S. Lima
 
Voem Juntos - jamais amarrados
Voem Juntos - jamais amarradosVoem Juntos - jamais amarrados
Voem Juntos - jamais amarrados
Noeliza Bianchini S. Lima
 

Mais de Noeliza Bianchini S. Lima (15)

Educacao Emocional
Educacao EmocionalEducacao Emocional
Educacao Emocional
 
Mensagem de Dr Bezerra de Menezes
Mensagem de Dr Bezerra de MenezesMensagem de Dr Bezerra de Menezes
Mensagem de Dr Bezerra de Menezes
 
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupoUm pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
 
Estaiahora Popular
Estaiahora PopularEstaiahora Popular
Estaiahora Popular
 
Cantores brazileiros - 70th
Cantores brazileiros - 70thCantores brazileiros - 70th
Cantores brazileiros - 70th
 
A Saga dos Bianchini de Goito
A Saga dos Bianchini de GoitoA Saga dos Bianchini de Goito
A Saga dos Bianchini de Goito
 
Perséfone em seus espaços
Perséfone em seus espaçosPerséfone em seus espaços
Perséfone em seus espaços
 
Violência contra a mulher
Violência contra a mulherViolência contra a mulher
Violência contra a mulher
 
Podas
PodasPodas
Podas
 
O Pai Nosso De Sevilha
O Pai Nosso De SevilhaO Pai Nosso De Sevilha
O Pai Nosso De Sevilha
 
Estudo - mulheres nas empresas
Estudo - mulheres nas empresasEstudo - mulheres nas empresas
Estudo - mulheres nas empresas
 
Grupos Aportes
Grupos AportesGrupos Aportes
Grupos Aportes
 
Bagagem Da Vida
Bagagem Da VidaBagagem Da Vida
Bagagem Da Vida
 
Dicas para maduros(as)
Dicas para maduros(as)Dicas para maduros(as)
Dicas para maduros(as)
 
Voem Juntos - jamais amarrados
Voem Juntos - jamais amarradosVoem Juntos - jamais amarrados
Voem Juntos - jamais amarrados
 

Último

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 

Imigracao Italiana Para O Brasil

  • 1. Dia do Imigrante Italiano no Brasil 21 de fevereiro
  • 2. Anderemo in Mèrica In tel bel Brasil E qua i nostri siori Lavorerá la tera col badil! Iremos para a América Para aquele belo Brasil E aqui nossos senhores Trabalharão a terra com a pá! Mèrica, Mèrica...
  • 3. Que entendeis por uma Nação, Senhor Ministro? É a massa dos infelizes? Plantamos e ceifamos o trigo, mas nunca provamos pão branco. Cultivamos a videira, mas não bebemos o vinho. Criamos animais, mas não comemos a carne. Apesar disso, vós nos aconselhais a não abandonarmos a nossa Pátria? Mas é uma Pátria a terra onde não se consegue viver do próprio trabalho ? (Fala anônima de um italiano para o Ministro de Estado da Itália)
  • 4. A primeira viagem de imigrantes italianos para o Brasil aconteceu no dia 3 de janeiro de 1874, às 13 horas, quando partiram do Porto de Gênova, em um navio à vela, o "La Sofia", na expedição Tabacchi, e a segunda pelo " Rivadávia", ambos de bandeira francesa. O "Sofia" chegou ao Brasil em 21 de fevereiro de 1874 , 386 famílias, para as terras de Pietro Tabacchi, em Santa Cruz . Segundo o sociólogo italiano Renzo M. Grosselli, a Expedição de Pietro Tabachi, foi o primeiro caso de partida em massa de imigrantes da região norte da Itália para o Brasil. O nome da colônia criada no Espírito Santo, pelo Governo Brasileiro, chamava-se Nova Trento. Podemos dizer que Santa Cruz foi o berço da Imigração italiana no Brasil.
  • 5. Na primeira metade do século XIX, a Europa encontrava-se marcada por diversas revoluções liberais, vindo a ocasionar profundas modificações políticas e econômicas em seu seio. Após o Congresso de Viena em 1814, a Itália estava dividida em sete regiões: o Reino do Piemonte-Sardenha; o Reino Lombardo-Veneziano; o Reino das Duas Sicílias; os Estados da Igreja e três Ducados submetidos ao poderio austríaco. Surgiu na Itália a ordem Carbonária, que tinha por objetivo combater o absolutismo, a intolerância da religião e buscava como princípio fundamental, defender os ideais liberais. Um nome foi destacado, o de Giuseppe Mazzini. Em 1860 surgiu no conflito Giuseppe Garibaldi, líder da Sociedade Nacional, um movimento que também adotava como preceito, a liberdade italiana e sua unificação. Rei Vítor Emannuel II Garibaldi
  • 6. Em 1850, sobre 1.800 Comunas do Reino de Nápoles, 1.500 não tinham estradas. Em muitas regiões, não sabiam o que era o dinheiro; as trocas se faziam em natura, como no tempo de Cícero. "Il sostentamento di un bracciante costa meno di quello di un asino. " O sustento de um trabalhador braçal custa menos do que o de um burro. Em 1861, somente 600.000 podiam votar: eram aqueles que tinham um patrimônio ou uma renda. Eram os "Signori". E só os abastados podiam ser votados. Portanto, o povo comum não tinha representantes no Congresso. Os colonos não tinham propriedades; viviam do trabalho escravo.   As massas populares não eram consideradas povo. Quando se falava em "povo", entendia-se a burguesia: os funcionários, os comerciantes, os advogados, os médicos, etc. Os outros (e eram os quatro quintos) não contavam nada. Os cargos políticos eram impostos pelo Rei. Com essa situação, com as autoridades insensíveis às necessidades das massas populares, começaram os primeiros movimentos emigratórios.  Os colonos fugiam de um País ingrato, que nunca foi sua verdadeira Pátria. Entre 1860 e 1865 houve revoltas e massacres no Sul da Itália; muitos bispos foram expulsos ou presos. Aqui começa o período da longa emigração.
  • 7. A malária matava 40.000 pessoas por ano; a pelagra, 100.000. Entre 1884 e 87 o cólera tinha matado 55.000 pessoas. As estatísticas falam em 400.000 mortes por ano. Metade eram crianças com menos de cinco anos, porque a comida era escassa, a higiene quase nula e a consulta médica a um preço proibitivo. Dos 3.672 trabalhadores nas minas sicilianas de enxofre, só 203 foram declarados sãos e aptos para o serviço militar.  O resto era tudo doente. Dos 30.000.000 de habitantes, 21.000.000 eram colonos. O arado era ainda aquele de prego, o mesmo usado por Cincinato, 2.000 anos antes. Entretanto, a Inglaterra, a França e a Alemanha já haviam ingressado na era industrial. A Itália parecia  um país de miseráveis analfabetos. Só o Piemonte e a planície do Pó demonstravam um pouco de progresso agrícola.
  • 8. Centenas de milhares de italianos viviam ainda em grutas ou cabanas de pau a pique e barro, sem janelas, ou em escavações feitas na rocha. Segundo dados de 1879, aí viviam na média 10 pessoas por vão. As terras pertenciam a quem não tinha amor ao campo; quem trabalhava os campos era um servo, o descendente dos escravos. Havia grandes propriedades burguesas, conseguidas pelos "notabili" através da usurpação  e da aquisição  de terras tiradas da Igreja. Nessas propriedades os colonos eram explorados; não tinham nenhum vínculo com a terra. Por isso, havia uma vontade terrível de terra, não somente de possuí-la, mas de sair do nada, de conquistar uma dignidade. Foi assim que acolheram com entusiasmo a Giuseppe Garibaldi, porque esperavam a distribuição das terras e se atiraram com fúria sobre as propriedades dos "galantuomini", latifundiários, mas foram barrados e espancados.
  • 9. Alguns repetiam: "Sarà quel che sarà. Peggio del presente non sarà. Tentiamo la sorte. E poiché abbiamo, presto o tardi, da morire, tanto vale di lasciare la nostra pelle in America come in Europa... Viva l`America! Morte ai signori!... Noi andiamo in Brasile. Ora toccherà ai padroni lavorare la terra.“ Nessas condições, portanto, a emigração era não só estimulada pelo governo, como era, também, uma solução de sobrevivência para as famílias. Assim, é possível entender a saída de cerca de 7 milhões de italianos no período compreendido entre 1860 e 1920.
  • 10. Os primeiros imigrantes a deixarem a Itália na época da "grande imigração" (1870-1920), foram sobretudo os vênetos, cerca de 30% do total, seguidos dos habitantes de Campânia, Calábria e Lombardia. Esse primeiro grupo foi sucedido por emigrantes da região sul. Se os vênetos eram mais loiros do que a maioria dos italianos, eram pequenos proprietários, arrendatários ou meeiros, para quem a possibilidade do acesso à terra era um estímulo decisivo para o empreendimento da arriscada viagem; os imigrantes do sul eram morenos, mais pobres e rústicos, geralmente camponeses que não dispunham de nenhuma economia e eram chamados de braccianti.
  • 11. Em 1850, o Brasil encarava dificuldades quanto a uma mão-de-obra especializada, basicamente a força de trabalho era formada por escravos e neste mesmo ano, seria adotada a Lei  Eusébio de Queirós, que proibia o tráfico negreiro. O governo brasileiro tomou conhecimento que levas de imigrantes europeus estavam partindo para os Estados Unidos, Austrália, a própria América do Sul, levando na bagagem um sonho de uma vida melhor, foi quando o mesmo interessou-se em trazer estas levas ao Brasil. (Propaganda do Brasil na Itália)
  • 12. A primeira leva de imigrantes italianos vinda ao Brasil, aconteceu em 1874, porém a imigração só foi oficializada, em 1875. A travessia do Atlântico, em velhos navios, era dramática, um jogo no escuro: tudo podia correr bem, mais ou menos, ou mal. Mortes de pessoas, na travessia, eram comuns. Naufrágios, também, não raro aconteciam. De qualquer forma, os “ Quaranta sei giorni di macchina e vapore ” constituíam uma angústia e um medo só.
  • 13. No Brasil, os emigrantes se dirigiram para os Estados do Sul: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. E os Estados do Sudeste: São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. Aqui fundaram pedaços da Itália: Nova Roma, Nova Vicenza, Nova Veneza, Nova Trento, Novo Treviso, Nova Pádua, Nova Údine, Vale Vêneto, etc.         
  • 14. Graças à vontade férrea, a maioria venceu na vida e se tornou proprietário, alguns bem abastados. "Dove lo Stato era fallito, gli straccioni erano riusciti" (Manzotti). "Onde o Estado faliu, os maltrapilhos tiveram sucesso."
  • 15. Hospedaria dos Imigrantes – São Paulo Chegada de italianos em uma fazenda em 1880
  • 16. Interessante notar que se trata de um único passaporte para toda a família. Muitas famílias de imigrantes eram numerosas, com a da foto. Mas também havia casais com um ou dois filhos, homens casados sem a família (que viria depois) e jovens solteiros. Foto de passaporte de família italiana, de 1923 .
  • 17. Os emigrantes italianos, com sua saída, permitiram o progresso da Itália, diminuindo a população e fazendo sobrar alimento para os que ficaram. Recomeçando sua vida no meio do mato e entre animais ferozes, e com falta de tudo, ainda enviavam tanto dinheiro aos parentes no "Paese" de origem, que o Ministro das Finanças da Itália considerou essas remessas um "ruscello d`oro", um filete de ouro.
  • 18.  
  • 19. A propaganda dos pioneiros aos compatriotas Os primeiros colonos instalados no Brasil escreviam a seus parentes na Europa dizendo: “ Venham o quanto antes”. Paulo Rossato, um dos primeiros colonos do Garibaldi – RS escreveu aos pais dizendo : “Tratem de vir o quanto antes possível. (...) A posição é boa, os ares são melhores que na Itália, é boa a água. Haveria uma colônia próximo à minha. Se pensa em vir, trate de escrever-me quanto antes, que lhe reservo a terra”. (op.cit.19-20) Casa de imigrante italiano preservada no Rio Gde. Do Sul
  • 20. Porém, a Itália só ultimamente começou a se interessar por seus filhos "all`estero" (no estrangeiro), calculados em 20.000.000, a maioria vivendo no Brasil. O s ítalo-brasileiros são considerados a maior população de oriundi (descendentes de italianos) fora da Itália.
  • 21. TENHA ORGULHO DE SEUS HUMILDES ANTEPASSADOS São as pessoas humildes que eu procuro, O sal da Terra, por assim dizer, Aqueles que domaram o solo bruto, E fizeram nele as sementes florescer. São estes que eu gosto de encontrar, Quando mergulhada na estrada da genealogia. E é apenas por orgulho que me deixo levar, Refazendo seus passos para assim os imortalizar. Aqueles que buscam o passado com sonhos de glória, De encontrar heróis educados em cada história, Não devem jamais se desapontar Ainda que descobrirem que os humildes bisavós ou tataravós Tinham somente as estrelas para contemplar. G. McCoy In: The Sunny Side of Genealogy.
  • 22. Emigração italiana para o Brasil, segundo as regiões de procedência período 1876/1920 Vêneto 365.710 Campânia 166.080 Calábria 113.155 Lombardia 105.973 Abruzzi/Molizi 93.020 Toscana 81.056 Emília Romana 59.877 Brasilicata 52.888 Sicília 44.390 Piemonte 40.336 Puglia 34.833 Marche 25.074 Lázio 15.982 Úmbria 11.818 Ligúria 9.328 Sardenha 6.113 Total 1.243.633 (Fonte:Brasil 500 anos de povoamento. IBGE. Rio de Janeiro. 2000)
  • 23. Filme sugerido: Título: A Árvore dos Tamancos Título Original: L'Albero degli Zoccoli Direção: Ermanno Olmi Ano de Produção: 1978 Vencedor por unanimidade da Palma de Ouro de Melhor Filme no Festival de Cannes. Conheça a vida e as dificuldades de uma comunidade de camponeses da região de Bérgamo, no norte da Itália. Uma das famílias decide colocar o filho na escola em vez de utilizá-lo na lavoura. É o início de uma série de problemas, pois a escola fica muito longe e eles mal têm condições de comprar roupas para o menino. É dificil não se emocionar com a história dessa gente humilde e trabalhadora, contada com muito realismo e poesia.
  • 24. Obra consultada: "STORIA DIMENTICATA'' do escritor italiano Deliso Villa By Eliane/2009