SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA CAP. 3, PÁG. 53 A 72
O Brasil é dono de uma das biodiversidades
mais ricas do mundo. Possui as maiores
reservas de água doce e um terço das
florestas tropicais que ainda restam.

  A biodiversidade brasileira é considerada
uma “megadiversidade”. Aproximadamente
20% das espécies conhecidas no mundo são
encontradas em território brasileiro.

   ...E ainda há muitas espécies a serem
descritas e identificadas pelo homem...
E qual a justificativa para esta grande biodiversidade?


 O Brasil é um país de extensão continental, ocupando uma
vasta área da América do Sul.
 Possui uma grande variedade de ambientes.
 As alterações climáticas , de relevo e do solo nas diversas
regiões do país determinam grandes e significativas variações
na composição da fauna e da flora.
 Formação de sistemas ambientais com uma cobertura
vegetal e uma fauna típica de cada região biogeográfica
brasileira.
1) Floresta Amazônica
2) Mata Atlântica
3) Mata de Araucárias
4) Mata dos Cocais
5) Caatinga
6) Cerrado
7) Pampas
8) Pantanal
9) Manguezais
À direita: regiões biogeográficas naturais
À esquerda: áreas descaracterizadas pela ação do homem e os corredores ecológicos
criados para proteger a fauna e a flora.
 Hiléia Amazônica.
 Maior floresta tropical do mundo.
 Ocupa aproximadamente 1/3 da América do Sul.
 Norte do Brasil:
        Acre, Amazonas e Pará
         Partes de Rondônia, Roraima, Amapá, Mato
Grosso, Tocantins e Maranhão
 Outros países: Suriname, Guiana, Guiana
Francesa, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e
Bolívia.
 Clima equatorial , quente e úmido.
 Elevada Pluviosidade.
 Temperaturas médias anuais elevadas (24 e 26 0C)
em 80% do território.
        Verão: 40 0C
 A estratificação da floresta

cria diferentes microambientes,
com uma grande biodiversidade
animal e vegetal, que vive nas
copas         e        nas        regiões
intermediárias das árvores e do
solo.

 Cada nível de estratificação
vertical é habitado por diversas
comunidades diferentes.
Ex.: insetos (todos os níveis); aves e
macacos (níveis superiores); anfíbios,
roedores, animais rastejantes (níveis
mais    baixos);   felinos,   pacas,   tatus,
jabutis, antas (estrato terrestre).
 Maior bacia hidrográfica do mundo, cortada por vários rios.

 Nos rios da Floresta Amazônica são encontrados mais de 1000 espécies de
peixes (ex: tucunarés, pirarucus, bagres).

 Margens dos rios: ariranhas, capivaras, jacarés, sucuris.

                                                                Pirarucu
                                        Tucunaré




                                                   Sucuri
ATENÇÃO:
 O solo é pobre, pouco profundo, constituído de argila e areia.

 Os sais minerais e os nutrientes devolvidos ao solo pela ação
dos decompositores são rapidamente absorvidos pelas árvores
de grande porte, o que torna a reciclagem de nutrientes muito
curta e o solo pobre.
    Densa cobertura vegetal que cai no solo (serrapilheira)
protege-o, impedindo que o húmus seja lavado pelas chuvas.
 Desmatamento: aumento da lixiviação dos nutrientes, restando
apenas uma camada arenosa, o que facilita o processo de
desertificação.
 Vegetação arbórea, heterogênea, latifoliada e perene. Típica de clima
equatorial, quente e úmido.



Dentro da Floresta podemos encontrar vários tipos de matas:

Matas de Terra Firme           terrenos altos e nunca inundados; árvores de
grande porte, com copas densas; interior é úmido, escuro e pouco ventilado.
Ex.: cedro, guaraná, mogno, plantas epífitas, cipós.

Matas de Igapós  próximas aos rios, permanentemente inundada, solo
alagado. Ex.: vitória-régia, aguapés.

Matas de Várzea  Entre as matas de terra firme e as dos igapós. Inundadas
periodicamente, durante as cheias dos rios. Vegetação de porte médio. Ex:
seringueiras, cacaueiros, jatobás , palmeiras.
IMPORTÂNCIA DA AMAZÔNIA
 Enorme biodiversidade.

 Possui um dos maiores bancos genéticos para a humanidade.
 Grande fonte de recursos (medicamentos, óleos, essências,
madeiras e minérios).
 Influência no clima mundial.
       Emissão ou retenção de gases
         A evapotranspiração na Amazônia é tão grande que é
responsável por cerca de 50% das chuvas que a floresta
recebe.
        Estudos indicam que o desmatamento completo causaria
      um    aumento      na temperatura do ar de até 20C e, uma
      redução de 10 a    20% nas chuvas      da região.
        Maior influência: retenção de gases do efeito estufa.
AMAZÔNIA: PULMÃO DO MUNDO?
Quanto à emissão de oxigênio, ao contrário do que muitas vezes é dito, a
Amazônia não pode ser considerada o "pulmão do mundo". Durante o dia,
a vegetação produz oxigênio e absorve gás carbônico através da
fotossíntese. No entanto, simultaneamente ocorre o processo de
respiração, com a absorção de oxigênio e a liberação de gás carbônico. O
equilíbrio, porém, não é perfeito, e o saldo final - se haverá mais produção
do que absorção de CO2 e O2 - dependerá de outros processos, como as
queimadas e o reflorestamento. O reflorestamento resulta na absorção de
gás carbônico, pois a floresta em crescimento precisa do carbono presente
na molécula de CO2 para a constituição da matéria orgânica de que as
plantas são feitas. Já as queimadas liberam gás carbônico. Outras partes
do globo, como as regiões do oceano ricas em fitoplâncton, têm saldo final
mais significativo de produção de oxigênio.
IMPACTOS AMBIENTAIS
 Queimadas

 Exploração da madeira
 Extração de minérios
   Grandes      projetos   agropecuários    (destruição   fauna,   flora,
assoreamento, contaminação por agrotóxicos, destruição de reservas
extrativistas)
 Construção de hidrelétricas ( impacto cultural e sócio-econômico,
inundações de áreas florestais, agrícolas, vilas...)
 Caça e pesca predatória
 Biopirataria : apropriação de conhecimento e de recursos genéticos
de comunidades de agricultores, indígenas por indivíduos ou por
instituições, que procuram o controle exclusivo sobre esses recursos
 Risco de Savanização (transformação do bioma em cerrado)
 Segunda maior extensão de floresta
tropical do Brasil.
 Exploração desde o século XVI.
Ecossistema mais bem protegido
pela lei: restam apenas 7% de sua área
original preservada.
Unidades de conservação: Reserva
de Poço das Antas (RJ), Parque
Estadual do Rio Doce (MG)...
 Clima quente, úmido, com árvores
latifoliadas e perenes.

 Relevo de planaltos e serras.
 Impedimento para a passagem de massas de ar, provocando chuvas
constantes.
 Maior biodiversidade de plantas entre os ecossistemas terrestres.
           Cerca de 25 mil espécies catalogadas
           ex: pau-brasil, jacarandá, palmito, figueira, caviúna, ipê, embaúba,
epífitas
 Cobertura vegetal sofreu ao longo dos anos intensa exploração, com
consequentes desmatamentos para a implantação da agricultura e da
pecuária.
        Extração predatória do pau-brasil, para fabricação de corantes e
construções
           Ciclo da cana-de-açúcar
           Ciclo do café
 Está entre as 25 regiões mais ricas em biodiversidade, mas também é uma
das mais ameaçadas do mundo.
 Muitas espécies de animais ameaçadas de extinção
           Mico–leão, macaco-muriqui, lontra, tatu-canastra, onça-pintada, jacu,
           araponga, macuco etc...
 Gambás, tamanduás, preguiças, antas, quatis, veados, cutias etc...
Caviúna
                   Jacarandá

Pau-brasil




             Ipê
Bicho preguiça



                                             Araponga




                             Lontra




                 Mico leão
                 dourado              Jacu
 70% da população brasileira vive na região da Mata Atlântica.
 Maiores pólos industriais, petroleiros e portuários do país.
        ES: muitas árvores nativas derrubadas para a produção de papel e
celulose, sendo substituídas gradativamente por plantações de eucalipto
         SP: pólo petroquímico em Cubatão, poluição urbana




  Principais impactos ambientais:

  Desmatamento para:
                                         • Pesca predatória em seus rios
  • Extração de madeira
                                         • Turismo desordenado
  • Moradia, construção de cidades
                                         • Comércio ilegal de animais e plantas
  • Agricultura                          nativos
  • Industrialização                     • Queimadas
  • Construção de rodovias               • Fragmentação das áreas preservadas
 Ocorre na região Sul do país (Rio Grande do
Sul, Paraná, Santa Catarina).
 Clima temperado subtropical ( ameno e
úmido), com 2 estações bem definidas:
       Verões úmidos e quentes (áreas mais
       baixas);
       Inverno rigoroso, nos pontos mais altos,
podendo inclusive nevar.
 Chuvas regulares (1500 mm média anual).
 Solo naturalmente fértil .
 Vegetação
         Arbórea:    Araucárias (pinheiro-do-
paraná), com folhas aciculares;   erva mate.
         Arbustiva: Samambaias arborescentes,
         popular xaxim;
         Herbácea: Gramíneas.
 Fauna pouco variada.
        Ex: serelepe (pequeno roedor), quati, gato-do-mato, gralha-azul,
pica-pau etc...
 Zona de transição entre as florestas úmidas
da bacia Amazônica e o sertão semiárido
nordestino (caatinga).
 Estados do Maranhão, Piauí, pequena parte
do Ceará e norte de Tocantins
 Formação vegetal secundária, resultante da
degradação de uma formação vegetal primária,
no caso, a Floresta Amazônica.
Desmatamentos, queimadas: destruição da
mata original. Espécies resistentes brotam após
meses,      formando    a   cobertura    vegetal
característica da mata de cocais.
 Clima: quente (seco a úmido).
 Índice elevado de chuvas .
 Temperatura média anual de 260C.
 Vegetação
        Palmeiras como o babaçú, a carnaúba, o buriti e a oiticica (Palmáceas).
        No extrato mais baixo da mata, encontram-se diversas espécies de
        arbustos e vegetações de pequeno porte.
        As folhas das palmáceas caracterizam-se por serem grandes e finas.

 Importância econômica
 Óleo de babaçú (culinária, cosméticos)
 Fibras e folhas do babaçú (artesanato)
 Carnaúba (cera usada na fabricação de cosméticos, sabão e lubrificantes,
plásticos e adesivos


 Ampliação de áreas de pasto para a pecuária é a principal ameaça
 Fauna
        Ratos, preás, cobras, lagartos, corujas, gaviões, cachorros-do-mato
Buriti
Babaçú




         Carnaúba
 “Mata Branca” – linguagem indígena.
 Sertão Nordestino ou Agreste: Norte de
Minas, interior da Bahia, Sergipe, Alagoas,
Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte,
Ceará e Piauí.
 Ocupa 11% do território brasileiro.
 Clima tropical semiárido,             elevadas
temperaturas e baixa umidade.
 Chuvas mal distribuídas durante o ano
(normalmente no inverno).
 Longos períodos de seca (verão).
        Temperatura do solo: até 600C
        Evaporação águas, lagoas secam
        Rios São Francisco e Parnaíba
(únicos que permanecem)
 Solo raso, pedregoso, ácido e não armazena a chuva que cai.
 Altas temperaturas causam uma evaporação intensa e a salinização do solo.
 Vegetação rala e de plantas xerófitas (adaptadas ao clima seco).
        Estratos arbóreos, arbustivos e herbáceos
        Ex: Cactáceas de tamanhos diversos, mandacaru, aroeira, xique-xique,
broméliáceas ,  facheiro, juazeiro, umbu etc...

Adaptações das plantas ao clima seco:
 Raízes próximas à superfície do solo, para absorver o máximo da água das chuvas;
 Folhas caducas (caem na época das secas);
 Folhas reduzidas ou transformadas em espinhos;
 Folhas com poucos estômatos e com fechamento rápido;
 Folhas com cutícula impermeável e espessa;
Vegetais suculentos (armazenam água em seus caules). Ex: cactos, bromélias.

Fauna pouco rica
                 Ex: cascavéis, cotia, preás, tatu-peba, veado-catingueiro (ameaçado
de extinção), gambá, calango,        ararinha-azul (ameaçada de extinção), carcará,
asa-branca.
Xique-Xique
Mandacaru
                          Aroeira
 Juazeiro




                 Umbu
 Savana mais rica em biodiversidade do mundo .
 Ocupa aproximadamente 25% do território brasileiro.
 Região centro-oeste: Goiás, Mato- Grosso, Mato-Grosso
do Sul e Minas Gerais , Bahia, Distrito Federal.
  Há outras áreas de Cerrado, chamadas
 periféricas ou ecótonos, que são transições com os
 biomas Amazônia, Mata Atlântica e Caatinga.
  Clima quente, temperatura média anual (260C).
  Seis meses de seca e chuva ao longo do ano.
         Inverno seco, verão chuvoso
  Solo profundo, muito ácido e rico em alumínio:
 tóxico para a vegetação
  Lençóis freáticos permanentes.
          Longas raízes das árvores chegam até
 eles, garantindo a sobrevivência nos períodos de
 seca
 Vegetação
       Árvores espaçadas, entremeadas por gramíneas e pequenos arbustos. Ex:
       capim-flecha, capim barba-de-bode, capim-gordura, gabiroba
       Árvores de porte médio, com troncos e galhos retorcidos, copas irregulares,
       casca espessa e folhas grandes e duras. Ex: pequi, ipê, caviúna, pau-terra


 Vegetação com Falso xeromorfismo ou xeromorfismo aparente como
adaptação às condições do ambiente, especialmente as condições do solo:


 Excesso de alumínio no solo: formação de árvores pequenas, de caules
tortuosos, casca espessa e folhas coriáceas, que dificultam a perda de água
nos períodos de seca;


 Os troncos tortos podem ser considerados como um efeito do fogo (oriundo
de constantes incêndios) no crescimento dos caules, impedindo-os de se
tornarem retilíneos. Pelas mortes de sucessivas gemas terminais e brotamento
de gemas laterais, o caule acaba tomando uma aparência tortuosa.
 Fauna
 = Planície, na linguagem indígena (povos andinos).
 Campos temperados (pradarias) , localizados ao Sul do
Brasil.
 Também na Argentina e no Uruguai.
 Clima subtropical, temperaturas amenas e chuvas
constantes.
 Estações bem definidas:
         Inverno (10 a 140C)
         Verão (20 a 230C)
 Solo fértil: agricultura e criação de gado leiteiro e de corte.
 Vegetação campestre, rica em gramíneas.
 Vegetação arbustiva e arbórea muito rara, encontrada próxima a cursos d’água,
formando matas ciliares.

 Fauna: ratos , preás, cobras, lagartos, codornas e perdizes
 Cará (peixe endêmico da região)
 Pantanal Mato-grossense.
 Maior planície inundável do planeta.
 Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, também estendendo-se
pela Bolívia e pelo Paraguai.

 Não é um pântano!!!
 Superfície não está constantemente alagada.
 Reconhecido pela UNESCO como Patrimônio
da Humanidade.
 Vegetação do “Complexo Pantanal”: plantas
do cerrado, da floresta tropical, palmeiras e
espécies típicas de terrenos alagados. Matas
ciliares nas margens.
 Equilíbrio do ecossistema depende do fluxo de
entrada e de saída das águas (enchentes),
diretamente relacionado com a pluviosidade
regional.
 Clima tropical, semi-úmido.
        Chuvas (Outubro a Março)
        Rios da Bacia do Paraguai transbordam
        Vazante (a partir de Maio)
 Quando o terreno começa a secar, no período da vazante, permanece sobre a
superfície uma fina camada de lama humífera (areia, matéria orgânica, húmus) ,
propiciando grande fertilidade ao solo.
 Neste período muitos peixes ficam retidos em lagoas ou baías, não conseguindo
retornar aos rios: farto banquete para várias espécies de aves a animais carnívoros,
como jacarés e ariranhas.
 Aves migratórias, fugindo do frio, fazem uma parada obrigatória nesta região, em
busca de alimentos da época das vazantes.
 Piracema
 Período de desova dos peixes na bacia hidrográfica do rio Paraguai.
 Ocorre entre outubro e março, quando os peixes nadam contra a corrente
para realizar a desova, de modo a poderem reproduzir-se. Tal evento é
fundamental para a preservação da abundância de peixes nas águas de rios e
de lagoas.
 Neste período é proibida a pesca nos dois estados!!!
Biodiversidade




                                      Manacá-da-serra
Xaxim ou samabaia-açu




   Aguapé               Bromélias   Piúva ou ipê roxo
Tuiuiú               Piranha




Cervo do pantanal


                    Pintado
                              Iguana
Impactos Ambientais

  Caça e pesca predatória (peixes, jacarés, aves)

  Desmatamento
  Queimadas
  Garimpo (contaminação as águas e do solo por metais
 pesados)
  Turismo e migração desordenada
         Estabelecimento de hotéis e pousadas nas margens dos
 rios,   lançamentos de esgotos, lixo
  Aproveitamento do cerrado
         O manejo agrícola inadequado de lavouras, resultando em
         erosão dos    solos, o que aumentou significativamente o
         sedimento de vários rios que deságuam no Pantanal;
         contaminação dos rios com fertilizantes,   agrotóxicos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
Marina Godoy
 
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANALAPRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
Ceber Alves
 
Bioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata AtlânticaBioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata Atlântica
Anderson Silva
 
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata AtlânticaApresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
Eder Borges
 
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato MarchesiniUnidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Renato Marchesini
 
O Bioma Caatinga
O Bioma Caatinga O Bioma Caatinga
O Bioma Caatinga
trabalhosconta
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Rogerio Silveira
 
Ecologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaEcologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma Amazônia
Bruno Anacleto
 
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - EcologiaBioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
Amália Beims
 
O cerrado
O cerradoO cerrado
O cerrado
David Cavalcante
 
Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
igor-oliveira
 
Pantanal
PantanalPantanal
Pantanal
Edmar Souza
 
Apresentação amazônia
Apresentação   amazôniaApresentação   amazônia
Apresentação amazônia
Victor Ygor
 
Bioma Mata Atlantica
Bioma Mata AtlanticaBioma Mata Atlantica
Bioma Mata Atlantica
Jean Leão
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
Karlla Costa
 
Mata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - BiomasMata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - Biomas
Beatriz Monteiro
 
Biomas Aquaticos - Ecologia - Integrado.pptx
Biomas Aquaticos - Ecologia - Integrado.pptxBiomas Aquaticos - Ecologia - Integrado.pptx
Biomas Aquaticos - Ecologia - Integrado.pptx
AdrianaPaula45
 
Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
taffila
 
Cerrado
CerradoCerrado
Cerrado
Edmar Souza
 
Bioma Mata atlântica
Bioma Mata atlânticaBioma Mata atlântica
Bioma Mata atlântica
Felipe Batista
 

Mais procurados (20)

Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANALAPRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
 
Bioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata AtlânticaBioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata Atlântica
 
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata AtlânticaApresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
 
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato MarchesiniUnidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
 
O Bioma Caatinga
O Bioma Caatinga O Bioma Caatinga
O Bioma Caatinga
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
 
Ecologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaEcologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma Amazônia
 
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - EcologiaBioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
 
O cerrado
O cerradoO cerrado
O cerrado
 
Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
 
Pantanal
PantanalPantanal
Pantanal
 
Apresentação amazônia
Apresentação   amazôniaApresentação   amazônia
Apresentação amazônia
 
Bioma Mata Atlantica
Bioma Mata AtlanticaBioma Mata Atlantica
Bioma Mata Atlantica
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
Mata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - BiomasMata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - Biomas
 
Biomas Aquaticos - Ecologia - Integrado.pptx
Biomas Aquaticos - Ecologia - Integrado.pptxBiomas Aquaticos - Ecologia - Integrado.pptx
Biomas Aquaticos - Ecologia - Integrado.pptx
 
Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
 
Cerrado
CerradoCerrado
Cerrado
 
Bioma Mata atlântica
Bioma Mata atlânticaBioma Mata atlântica
Bioma Mata atlântica
 

Destaque

Caatinga
CaatingaCaatinga
A recuperação da floresta com as características e a biodiversidade
A recuperação da floresta com as características e a biodiversidadeA recuperação da floresta com as características e a biodiversidade
A recuperação da floresta com as características e a biodiversidade
marcosgrijo
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Maicon Azevedo
 
Projeto vamos reflorestar
Projeto vamos reflorestarProjeto vamos reflorestar
Projeto vamos reflorestar
amourasantos
 
Reflorestamento no Brasil
Reflorestamento no Brasil Reflorestamento no Brasil
Reflorestamento no Brasil
Atkinson Junior
 
Apresentação 3 (1)
Apresentação 3 (1)Apresentação 3 (1)
Apresentação 3 (1)
Matheus Henrique
 
Reflorestamento
ReflorestamentoReflorestamento
Reflorestamento
Alexandre Misturini
 
Florestamento e reflorestamento,tecnicas de trabalho!!
Florestamento e reflorestamento,tecnicas de trabalho!!Florestamento e reflorestamento,tecnicas de trabalho!!
Florestamento e reflorestamento,tecnicas de trabalho!!
Míria Alves Cirqueira
 
Geografia Do Brasil
Geografia Do BrasilGeografia Do Brasil
Geografia Do Brasil
aroudus
 
Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2
Altair Hoepers
 
Biomas brasileiros completo (1)
Biomas brasileiros completo (1)Biomas brasileiros completo (1)
Biomas brasileiros completo (1)
norivalfp
 
Apostila de ciências
Apostila de ciênciasApostila de ciências
Apostila de ciências
Brenda Santana
 
Biomas
BiomasBiomas
Atividades Biomas
Atividades BiomasAtividades Biomas
Atividades Biomas
Doug Caesar
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Escola Adventista de Amaralina
 
Plantas encontrada no Nordeste
Plantas encontrada no  NordestePlantas encontrada no  Nordeste
Plantas encontrada no Nordeste
professoralivia
 
As Floresta e os campos
As Floresta e os camposAs Floresta e os campos
As Floresta e os campos
Anderson Silva
 
Reflorestamento no brasil
Reflorestamento no brasilReflorestamento no brasil
Reflorestamento no brasil
Wanderlei Marques
 
Conheca nosso Bioma Caatinga.
Conheca nosso Bioma Caatinga.Conheca nosso Bioma Caatinga.
Conheca nosso Bioma Caatinga.
Juliana Boaventura
 
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUEMATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
Luan Henrique Alves
 

Destaque (20)

Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
A recuperação da floresta com as características e a biodiversidade
A recuperação da floresta com as características e a biodiversidadeA recuperação da floresta com as características e a biodiversidade
A recuperação da floresta com as características e a biodiversidade
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Projeto vamos reflorestar
Projeto vamos reflorestarProjeto vamos reflorestar
Projeto vamos reflorestar
 
Reflorestamento no Brasil
Reflorestamento no Brasil Reflorestamento no Brasil
Reflorestamento no Brasil
 
Apresentação 3 (1)
Apresentação 3 (1)Apresentação 3 (1)
Apresentação 3 (1)
 
Reflorestamento
ReflorestamentoReflorestamento
Reflorestamento
 
Florestamento e reflorestamento,tecnicas de trabalho!!
Florestamento e reflorestamento,tecnicas de trabalho!!Florestamento e reflorestamento,tecnicas de trabalho!!
Florestamento e reflorestamento,tecnicas de trabalho!!
 
Geografia Do Brasil
Geografia Do BrasilGeografia Do Brasil
Geografia Do Brasil
 
Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2
 
Biomas brasileiros completo (1)
Biomas brasileiros completo (1)Biomas brasileiros completo (1)
Biomas brasileiros completo (1)
 
Apostila de ciências
Apostila de ciênciasApostila de ciências
Apostila de ciências
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Atividades Biomas
Atividades BiomasAtividades Biomas
Atividades Biomas
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Plantas encontrada no Nordeste
Plantas encontrada no  NordestePlantas encontrada no  Nordeste
Plantas encontrada no Nordeste
 
As Floresta e os campos
As Floresta e os camposAs Floresta e os campos
As Floresta e os campos
 
Reflorestamento no brasil
Reflorestamento no brasilReflorestamento no brasil
Reflorestamento no brasil
 
Conheca nosso Bioma Caatinga.
Conheca nosso Bioma Caatinga.Conheca nosso Bioma Caatinga.
Conheca nosso Bioma Caatinga.
 
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUEMATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
 

Semelhante a Biomas brasileiros

Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
leila Cardoso
 
6º ano cap 6 biomas brasileiros
6º ano cap 6  biomas brasileiros6º ano cap 6  biomas brasileiros
6º ano cap 6 biomas brasileiros
ISJ
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
Maria Lima
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
norivalfp
 
Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
AndressaCosta90
 
Caatinga, Mata Atlatica e Amazonia
Caatinga, Mata Atlatica e AmazoniaCaatinga, Mata Atlatica e Amazonia
Caatinga, Mata Atlatica e Amazonia
Ancelmo Furtado
 
Principais biomas brasileiros
Principais biomas brasileirosPrincipais biomas brasileiros
Principais biomas brasileiros
Luis Augusto
 
Biomas: Pantanal
Biomas: PantanalBiomas: Pantanal
Biomas: Pantanal
Guimattosrp
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Alano Hellery Alano
 
Biomas do Brasil
Biomas do BrasilBiomas do Brasil
Biomas do Brasil
Fábio Ianomami
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 
9 c 2
9 c 29 c 2
Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
petrivanacarvalho
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
RedneyAlesi
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
LinoReis1
 
Trabalho De Florestas
Trabalho De FlorestasTrabalho De Florestas
Trabalho De Florestas
Leo França
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil
Colégio Nova Geração COC
 

Semelhante a Biomas brasileiros (20)

Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
6º ano cap 6 biomas brasileiros
6º ano cap 6  biomas brasileiros6º ano cap 6  biomas brasileiros
6º ano cap 6 biomas brasileiros
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
 
Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
 
Caatinga, Mata Atlatica e Amazonia
Caatinga, Mata Atlatica e AmazoniaCaatinga, Mata Atlatica e Amazonia
Caatinga, Mata Atlatica e Amazonia
 
Principais biomas brasileiros
Principais biomas brasileirosPrincipais biomas brasileiros
Principais biomas brasileiros
 
Biomas: Pantanal
Biomas: PantanalBiomas: Pantanal
Biomas: Pantanal
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas do Brasil
Biomas do BrasilBiomas do Brasil
Biomas do Brasil
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
9 c 2
9 c 29 c 2
9 c 2
 
Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
 
Trabalho De Florestas
Trabalho De FlorestasTrabalho De Florestas
Trabalho De Florestas
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
4 biomas
 
Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Alpha Colégio e Vestibulares
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 

Biomas brasileiros

  • 1. APOSTILA CAP. 3, PÁG. 53 A 72
  • 2. O Brasil é dono de uma das biodiversidades mais ricas do mundo. Possui as maiores reservas de água doce e um terço das florestas tropicais que ainda restam. A biodiversidade brasileira é considerada uma “megadiversidade”. Aproximadamente 20% das espécies conhecidas no mundo são encontradas em território brasileiro. ...E ainda há muitas espécies a serem descritas e identificadas pelo homem...
  • 3. E qual a justificativa para esta grande biodiversidade?  O Brasil é um país de extensão continental, ocupando uma vasta área da América do Sul.  Possui uma grande variedade de ambientes.  As alterações climáticas , de relevo e do solo nas diversas regiões do país determinam grandes e significativas variações na composição da fauna e da flora.  Formação de sistemas ambientais com uma cobertura vegetal e uma fauna típica de cada região biogeográfica brasileira.
  • 4. 1) Floresta Amazônica 2) Mata Atlântica 3) Mata de Araucárias 4) Mata dos Cocais 5) Caatinga 6) Cerrado 7) Pampas 8) Pantanal 9) Manguezais
  • 5. À direita: regiões biogeográficas naturais À esquerda: áreas descaracterizadas pela ação do homem e os corredores ecológicos criados para proteger a fauna e a flora.
  • 6.  Hiléia Amazônica.  Maior floresta tropical do mundo.  Ocupa aproximadamente 1/3 da América do Sul.  Norte do Brasil: Acre, Amazonas e Pará Partes de Rondônia, Roraima, Amapá, Mato Grosso, Tocantins e Maranhão  Outros países: Suriname, Guiana, Guiana Francesa, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.  Clima equatorial , quente e úmido.  Elevada Pluviosidade.  Temperaturas médias anuais elevadas (24 e 26 0C) em 80% do território. Verão: 40 0C
  • 7.  A estratificação da floresta cria diferentes microambientes, com uma grande biodiversidade animal e vegetal, que vive nas copas e nas regiões intermediárias das árvores e do solo.  Cada nível de estratificação vertical é habitado por diversas comunidades diferentes. Ex.: insetos (todos os níveis); aves e macacos (níveis superiores); anfíbios, roedores, animais rastejantes (níveis mais baixos); felinos, pacas, tatus, jabutis, antas (estrato terrestre).
  • 8.  Maior bacia hidrográfica do mundo, cortada por vários rios.  Nos rios da Floresta Amazônica são encontrados mais de 1000 espécies de peixes (ex: tucunarés, pirarucus, bagres).  Margens dos rios: ariranhas, capivaras, jacarés, sucuris. Pirarucu Tucunaré Sucuri
  • 9.
  • 10. ATENÇÃO:  O solo é pobre, pouco profundo, constituído de argila e areia.  Os sais minerais e os nutrientes devolvidos ao solo pela ação dos decompositores são rapidamente absorvidos pelas árvores de grande porte, o que torna a reciclagem de nutrientes muito curta e o solo pobre.  Densa cobertura vegetal que cai no solo (serrapilheira) protege-o, impedindo que o húmus seja lavado pelas chuvas.  Desmatamento: aumento da lixiviação dos nutrientes, restando apenas uma camada arenosa, o que facilita o processo de desertificação.
  • 11.  Vegetação arbórea, heterogênea, latifoliada e perene. Típica de clima equatorial, quente e úmido. Dentro da Floresta podemos encontrar vários tipos de matas: Matas de Terra Firme  terrenos altos e nunca inundados; árvores de grande porte, com copas densas; interior é úmido, escuro e pouco ventilado. Ex.: cedro, guaraná, mogno, plantas epífitas, cipós. Matas de Igapós  próximas aos rios, permanentemente inundada, solo alagado. Ex.: vitória-régia, aguapés. Matas de Várzea  Entre as matas de terra firme e as dos igapós. Inundadas periodicamente, durante as cheias dos rios. Vegetação de porte médio. Ex: seringueiras, cacaueiros, jatobás , palmeiras.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15. IMPORTÂNCIA DA AMAZÔNIA  Enorme biodiversidade.  Possui um dos maiores bancos genéticos para a humanidade.  Grande fonte de recursos (medicamentos, óleos, essências, madeiras e minérios).  Influência no clima mundial.  Emissão ou retenção de gases  A evapotranspiração na Amazônia é tão grande que é responsável por cerca de 50% das chuvas que a floresta recebe.  Estudos indicam que o desmatamento completo causaria um aumento na temperatura do ar de até 20C e, uma redução de 10 a 20% nas chuvas da região.  Maior influência: retenção de gases do efeito estufa.
  • 16. AMAZÔNIA: PULMÃO DO MUNDO? Quanto à emissão de oxigênio, ao contrário do que muitas vezes é dito, a Amazônia não pode ser considerada o "pulmão do mundo". Durante o dia, a vegetação produz oxigênio e absorve gás carbônico através da fotossíntese. No entanto, simultaneamente ocorre o processo de respiração, com a absorção de oxigênio e a liberação de gás carbônico. O equilíbrio, porém, não é perfeito, e o saldo final - se haverá mais produção do que absorção de CO2 e O2 - dependerá de outros processos, como as queimadas e o reflorestamento. O reflorestamento resulta na absorção de gás carbônico, pois a floresta em crescimento precisa do carbono presente na molécula de CO2 para a constituição da matéria orgânica de que as plantas são feitas. Já as queimadas liberam gás carbônico. Outras partes do globo, como as regiões do oceano ricas em fitoplâncton, têm saldo final mais significativo de produção de oxigênio.
  • 17. IMPACTOS AMBIENTAIS  Queimadas  Exploração da madeira  Extração de minérios  Grandes projetos agropecuários (destruição fauna, flora, assoreamento, contaminação por agrotóxicos, destruição de reservas extrativistas)  Construção de hidrelétricas ( impacto cultural e sócio-econômico, inundações de áreas florestais, agrícolas, vilas...)  Caça e pesca predatória  Biopirataria : apropriação de conhecimento e de recursos genéticos de comunidades de agricultores, indígenas por indivíduos ou por instituições, que procuram o controle exclusivo sobre esses recursos  Risco de Savanização (transformação do bioma em cerrado)
  • 18.  Segunda maior extensão de floresta tropical do Brasil.  Exploração desde o século XVI. Ecossistema mais bem protegido pela lei: restam apenas 7% de sua área original preservada. Unidades de conservação: Reserva de Poço das Antas (RJ), Parque Estadual do Rio Doce (MG)...  Clima quente, úmido, com árvores latifoliadas e perenes.  Relevo de planaltos e serras.  Impedimento para a passagem de massas de ar, provocando chuvas constantes.
  • 19.  Maior biodiversidade de plantas entre os ecossistemas terrestres. Cerca de 25 mil espécies catalogadas ex: pau-brasil, jacarandá, palmito, figueira, caviúna, ipê, embaúba, epífitas  Cobertura vegetal sofreu ao longo dos anos intensa exploração, com consequentes desmatamentos para a implantação da agricultura e da pecuária. Extração predatória do pau-brasil, para fabricação de corantes e construções Ciclo da cana-de-açúcar Ciclo do café  Está entre as 25 regiões mais ricas em biodiversidade, mas também é uma das mais ameaçadas do mundo.  Muitas espécies de animais ameaçadas de extinção Mico–leão, macaco-muriqui, lontra, tatu-canastra, onça-pintada, jacu, araponga, macuco etc...  Gambás, tamanduás, preguiças, antas, quatis, veados, cutias etc...
  • 20. Caviúna Jacarandá Pau-brasil Ipê
  • 21. Bicho preguiça Araponga Lontra Mico leão dourado Jacu
  • 22.  70% da população brasileira vive na região da Mata Atlântica.  Maiores pólos industriais, petroleiros e portuários do país. ES: muitas árvores nativas derrubadas para a produção de papel e celulose, sendo substituídas gradativamente por plantações de eucalipto SP: pólo petroquímico em Cubatão, poluição urbana Principais impactos ambientais: Desmatamento para: • Pesca predatória em seus rios • Extração de madeira • Turismo desordenado • Moradia, construção de cidades • Comércio ilegal de animais e plantas • Agricultura nativos • Industrialização • Queimadas • Construção de rodovias • Fragmentação das áreas preservadas
  • 23.  Ocorre na região Sul do país (Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina).  Clima temperado subtropical ( ameno e úmido), com 2 estações bem definidas: Verões úmidos e quentes (áreas mais baixas); Inverno rigoroso, nos pontos mais altos, podendo inclusive nevar.  Chuvas regulares (1500 mm média anual).  Solo naturalmente fértil .  Vegetação Arbórea: Araucárias (pinheiro-do- paraná), com folhas aciculares; erva mate. Arbustiva: Samambaias arborescentes, popular xaxim; Herbácea: Gramíneas.
  • 24.
  • 25.  Fauna pouco variada. Ex: serelepe (pequeno roedor), quati, gato-do-mato, gralha-azul, pica-pau etc...
  • 26.  Zona de transição entre as florestas úmidas da bacia Amazônica e o sertão semiárido nordestino (caatinga).  Estados do Maranhão, Piauí, pequena parte do Ceará e norte de Tocantins  Formação vegetal secundária, resultante da degradação de uma formação vegetal primária, no caso, a Floresta Amazônica. Desmatamentos, queimadas: destruição da mata original. Espécies resistentes brotam após meses, formando a cobertura vegetal característica da mata de cocais.  Clima: quente (seco a úmido).  Índice elevado de chuvas .  Temperatura média anual de 260C.
  • 27.  Vegetação Palmeiras como o babaçú, a carnaúba, o buriti e a oiticica (Palmáceas). No extrato mais baixo da mata, encontram-se diversas espécies de arbustos e vegetações de pequeno porte. As folhas das palmáceas caracterizam-se por serem grandes e finas.  Importância econômica  Óleo de babaçú (culinária, cosméticos)  Fibras e folhas do babaçú (artesanato)  Carnaúba (cera usada na fabricação de cosméticos, sabão e lubrificantes, plásticos e adesivos  Ampliação de áreas de pasto para a pecuária é a principal ameaça  Fauna Ratos, preás, cobras, lagartos, corujas, gaviões, cachorros-do-mato
  • 28. Buriti Babaçú Carnaúba
  • 29.  “Mata Branca” – linguagem indígena.  Sertão Nordestino ou Agreste: Norte de Minas, interior da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí.  Ocupa 11% do território brasileiro.  Clima tropical semiárido, elevadas temperaturas e baixa umidade.  Chuvas mal distribuídas durante o ano (normalmente no inverno).  Longos períodos de seca (verão). Temperatura do solo: até 600C Evaporação águas, lagoas secam Rios São Francisco e Parnaíba (únicos que permanecem)
  • 30.  Solo raso, pedregoso, ácido e não armazena a chuva que cai.  Altas temperaturas causam uma evaporação intensa e a salinização do solo.  Vegetação rala e de plantas xerófitas (adaptadas ao clima seco). Estratos arbóreos, arbustivos e herbáceos Ex: Cactáceas de tamanhos diversos, mandacaru, aroeira, xique-xique, broméliáceas , facheiro, juazeiro, umbu etc... Adaptações das plantas ao clima seco:  Raízes próximas à superfície do solo, para absorver o máximo da água das chuvas;  Folhas caducas (caem na época das secas);  Folhas reduzidas ou transformadas em espinhos;  Folhas com poucos estômatos e com fechamento rápido;  Folhas com cutícula impermeável e espessa; Vegetais suculentos (armazenam água em seus caules). Ex: cactos, bromélias. Fauna pouco rica Ex: cascavéis, cotia, preás, tatu-peba, veado-catingueiro (ameaçado de extinção), gambá, calango, ararinha-azul (ameaçada de extinção), carcará, asa-branca.
  • 31. Xique-Xique Mandacaru Aroeira Juazeiro Umbu
  • 32.
  • 33.  Savana mais rica em biodiversidade do mundo .  Ocupa aproximadamente 25% do território brasileiro.  Região centro-oeste: Goiás, Mato- Grosso, Mato-Grosso do Sul e Minas Gerais , Bahia, Distrito Federal.  Há outras áreas de Cerrado, chamadas periféricas ou ecótonos, que são transições com os biomas Amazônia, Mata Atlântica e Caatinga.  Clima quente, temperatura média anual (260C).  Seis meses de seca e chuva ao longo do ano. Inverno seco, verão chuvoso  Solo profundo, muito ácido e rico em alumínio: tóxico para a vegetação  Lençóis freáticos permanentes. Longas raízes das árvores chegam até eles, garantindo a sobrevivência nos períodos de seca
  • 34.  Vegetação Árvores espaçadas, entremeadas por gramíneas e pequenos arbustos. Ex: capim-flecha, capim barba-de-bode, capim-gordura, gabiroba Árvores de porte médio, com troncos e galhos retorcidos, copas irregulares, casca espessa e folhas grandes e duras. Ex: pequi, ipê, caviúna, pau-terra  Vegetação com Falso xeromorfismo ou xeromorfismo aparente como adaptação às condições do ambiente, especialmente as condições do solo:  Excesso de alumínio no solo: formação de árvores pequenas, de caules tortuosos, casca espessa e folhas coriáceas, que dificultam a perda de água nos períodos de seca;  Os troncos tortos podem ser considerados como um efeito do fogo (oriundo de constantes incêndios) no crescimento dos caules, impedindo-os de se tornarem retilíneos. Pelas mortes de sucessivas gemas terminais e brotamento de gemas laterais, o caule acaba tomando uma aparência tortuosa.
  • 35.
  • 37.  = Planície, na linguagem indígena (povos andinos).  Campos temperados (pradarias) , localizados ao Sul do Brasil.  Também na Argentina e no Uruguai.  Clima subtropical, temperaturas amenas e chuvas constantes.  Estações bem definidas: Inverno (10 a 140C) Verão (20 a 230C)  Solo fértil: agricultura e criação de gado leiteiro e de corte.  Vegetação campestre, rica em gramíneas.  Vegetação arbustiva e arbórea muito rara, encontrada próxima a cursos d’água, formando matas ciliares.  Fauna: ratos , preás, cobras, lagartos, codornas e perdizes  Cará (peixe endêmico da região)
  • 38.
  • 39.  Pantanal Mato-grossense.  Maior planície inundável do planeta.  Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, também estendendo-se pela Bolívia e pelo Paraguai.  Não é um pântano!!!  Superfície não está constantemente alagada.  Reconhecido pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade.  Vegetação do “Complexo Pantanal”: plantas do cerrado, da floresta tropical, palmeiras e espécies típicas de terrenos alagados. Matas ciliares nas margens.  Equilíbrio do ecossistema depende do fluxo de entrada e de saída das águas (enchentes), diretamente relacionado com a pluviosidade regional.
  • 40.  Clima tropical, semi-úmido. Chuvas (Outubro a Março) Rios da Bacia do Paraguai transbordam Vazante (a partir de Maio)  Quando o terreno começa a secar, no período da vazante, permanece sobre a superfície uma fina camada de lama humífera (areia, matéria orgânica, húmus) , propiciando grande fertilidade ao solo.  Neste período muitos peixes ficam retidos em lagoas ou baías, não conseguindo retornar aos rios: farto banquete para várias espécies de aves a animais carnívoros, como jacarés e ariranhas.  Aves migratórias, fugindo do frio, fazem uma parada obrigatória nesta região, em busca de alimentos da época das vazantes.  Piracema  Período de desova dos peixes na bacia hidrográfica do rio Paraguai.  Ocorre entre outubro e março, quando os peixes nadam contra a corrente para realizar a desova, de modo a poderem reproduzir-se. Tal evento é fundamental para a preservação da abundância de peixes nas águas de rios e de lagoas.  Neste período é proibida a pesca nos dois estados!!!
  • 41. Biodiversidade Manacá-da-serra Xaxim ou samabaia-açu Aguapé Bromélias Piúva ou ipê roxo
  • 42. Tuiuiú Piranha Cervo do pantanal Pintado Iguana
  • 43. Impactos Ambientais  Caça e pesca predatória (peixes, jacarés, aves)  Desmatamento  Queimadas  Garimpo (contaminação as águas e do solo por metais pesados)  Turismo e migração desordenada Estabelecimento de hotéis e pousadas nas margens dos rios, lançamentos de esgotos, lixo  Aproveitamento do cerrado O manejo agrícola inadequado de lavouras, resultando em erosão dos solos, o que aumentou significativamente o sedimento de vários rios que deságuam no Pantanal; contaminação dos rios com fertilizantes, agrotóxicos

Notas do Editor

  1. Matas de Terra Firme Árvores de grande porte, com copas densas, muitas vezes quase impedindo a passagem de luz. Plantas Epífitas: crescem em outras plantas, extraindo nutrientes do ar e das chuvas, em vez de fazê-lo da planta hospedeira, que fornece sustentação estrutural. Ex: liquens, bromélias, samambaias, orquídeas tropicais. Matas de Igapós Muitas plantas possuem adaptações para o ambiente alagado (ex.: raízes-escora, raízes tabulares – estabilidade, suporte e sustentação). Matas de Várzea