O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Bioma Mata atlântica

2.389 visualizações

Publicada em

Mata Atlântica
A Mata Atlântica é um bioma de floresta tropical que abrange a costa leste, sudeste e sul do Brasil, leste do Paraguai e a província de Misiones, na Argentina. É uma das mais importantes florestas tropicais do mundo, apresentando uma rica biodiversidade. A partir da colonização européia, e principalmente, no século XX, a Mata Atlântica passou por intenso desmatamento, restando menos de 10% da cobertura vegetal original. É um grande centro de endemismo e suas formações vegetais são extremamente heterogêneas, indo desde campos abertos em regiões montanhosas até florestas chuvosas perenes nas terras baixas do litoral. A fauna abriga diversas espécies endêmicas, e muitas são carismáticas, como o mico-leão-dourado e a onça-pintada. O WWF dividiu a Mata Atlântica em 15 ecorregiões, visando manter ações mais regionalizadas na conservação, já que o grau de desmatamento e as ações conservacionistas são específicas para cada região abrangida pelo bioma. Atualmente, menos de 10% da cobertura original existe, a maior parte em pequenos fragmentos de floresta secundária. No Brasil, restam cerca de 7% (a maior parte na Serra do Mar), no Paraguai, cerca de 15% e na Argentina, 45% da vegetação.
Área De Abrangência
A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações florestais Florestas: Ombrófila Densa, Ombrófila Mista, Estacional Semidecidual, Estacional Decidual e Ombrófila Aberta e ecossistemas associados como as restingas, manguezais e campos de altitude, que se estendiam originalmente por aproximadamente 1.300.000 km2 em 17 estados do território brasileiro. Hoje os remanescentes de vegetação nativa estão reduzidos a cerca de 22% de sua cobertura original e encontram-se em diferentes estágios de regeneração. Apenas cerca de 7% estão bem conservados em fragmentos acima de 100 hectares. É um Hotspot mundial, ou seja, uma das áreas mais ricas em biodiversidade e mais ameaçadas do planeta. Vive na Mata Atlântica atualmente quase 72% da população brasileira, com base nas estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 2014. São mais de 145 milhões de habitantes em 3.429 municípios, onde são gerados aproximadamente 70% do PIB brasileiro, prestando importantíssimos serviços ambientais.
Características
• Presença de árvores de médio e grande porte, formando uma floresta fechada e densa;
• Rica biodiversidade, com presença de diversas espécies animais e vegetais;
• As árvores de grande porte formam um microclima na mata, gerando sombra e umidade;
• Fauna rica com presença de diversas espécies de mamíferos, anfíbios, aves, insetos, peixes e répteis;
• Na região da Serra do Mar, forma-se na Mata Atlântica uma constante neblina.

Fauna
A Mata Atlântica possui uma grande riqueza em sua fauna e flora abrigando centenas de espécies, sendo muitas endêmicas, isto é, que são apenas encontradas em seu território. O bioma possui atua

  • Seja o primeiro a comentar

Bioma Mata atlântica

  1. 1. A Mata Atlântica é um bioma de floresta tropical que abrange a costa leste, sudeste e sul do Brasil, leste do Paraguai e a província de Misiones, na Argentina. É uma das mais importantes florestas tropicais do mundo, apresentando uma rica biodiversidade. A partir da colonização européia, e principalmente, no século XX, a Mata Atlântica passou por intenso desmatamento, restando menos de 10% da cobertura vegetal original. É um grande centro de endemismo e suas formações vegetais são extremamente heterogêneas, indo desde campos abertos em regiões montanhosas até florestas chuvosas perenes nas terras baixas do litoral. A fauna abriga diversas espécies endêmicas, e muitas são carismáticas, como o mico-leão-dourado e a onça- pintada. O WWF dividiu a Mata Atlântica em 15 ecorregiões, visando manter ações mais regionalizadas na conservação, já que o grau de desmatamento e as ações conservacionistas são específicas para cada região abrangida pelo bioma. Atualmente, menos de 10% da cobertura original existe, a maior parte em pequenos fragmentos de floresta secundária. No Brasil, restam cerca de 7% a maior parte na Serra do Mar, no Paraguai, cerca de 15% e na Argentina, 45% da vegetação.
  2. 2. A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações florestais Florestas: Ombrófila Densa, Ombrófila Mista, Estacional Semidecidual, Estacional Decidual e Ombrófila Aberta e ecossistemas associados como as restingas, manguezais e campos de altitude, que se estendiam originalmente por aproximadamente 1.300.000 km2 em 17 estados do território brasileiro. Hoje os remanescentes de vegetação nativa estão reduzidos a cerca de 22% de sua cobertura original e encontram-se em diferentes estágios de regeneração. Apenas cerca de 7% estão bem conservados em fragmentos acima de 100 hectares. É um Hotspot mundial, ou seja, uma das áreas mais ricas em biodiversidade e mais ameaçadas do planeta. Vive na Mata Atlântica atualmente quase 72% da população brasileira, com base nas estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 2014. São mais de 145 milhões de habitantes em 3.429 municípios, onde são gerados aproximadamente 70% do PIB brasileiro, prestando importantíssimos serviços ambientais.
  3. 3. • Presença de árvores de médio e grande porte, formando uma floresta fechada e densa; • Rica biodiversidade, com presença de diversas espécies animais e vegetais; • As árvores de grande porte formam um microclima na mata, gerando sombra e umidade; • Fauna rica com presença de diversas espécies de mamíferos, anfíbios, aves, insetos, peixes e répteis; • Na região da Serra do Mar, forma-se na Mata Atlântica uma constante neblina.
  4. 4. A Mata Atlântica possui uma grande riqueza em sua fauna e flora abrigando centenas de espécies, sendo muitas endêmicas, isto é, que são apenas encontradas em seu território. O bioma possui atualmente cerca de 20 mil espécies de plantas 8 mil delas são endêmicas, 849 espécies de aves, 370 espécies de anfíbios, 200 espécies de répteis, 270 de mamíferos e cerca de 350 espécies de peixes. O Brasil possui 633 espécies de animais que estão em pleno risco de extinção e deste número 383 estão presentes na Mata Atlântica, dentre elas podemos destacar: • Mico-leão-dourado, • Onça Pintada, • Tamanduá bandeira, • Arara-azul-pequena, • Tatu canastra e Bugio.
  5. 5. É fácil entender, portanto, porque a Mata Atlântica apresenta estruturas e composições florísticas tão diferenciadas. Uma das florestas mais ricas em biodiversidade no Planeta, a Mata Atlântica detém o recorde de plantas lenhosas angiospermas por hectare 450 espécies no Sul da Bahia, cerca de 20 mil espécies vegetais, sendo 8 mil delas endêmicas, além de recordes de quantidade de espécies e endemismo em vários outros grupos de plantas. Dentre as plantas podemos citar: • Pau-brasil, • Bromélias, • Palmeiras, • Figueiras, • Jacarandá, • Peroba, • Jequitibá rosa, • Cipós, • Begônias e outras centenas de espécies.
  6. 6. Desde a extração do pau-brasil até o vertiginoso crescimento urbano-industrial brasileiro, não temos muito o que comemorar: estatísticas atuais dão conta que 90% da floresta, que se estendia no Rio Grande do Sul, já foi destruída. Além disso, os pontos remanescentes estão localizados em locais de difícil acesso. As cidades e a necessidades de terras para o cultivo de cana-de-açúcar, cacau e café causaram a derrubada da mata original. Os principais impactos ambientais decorrentes dessa destruição foram: poluição das águas fluviais e subterrâneas, contaminação e erosão do solo e poluição do ar atmosférico. Além das cidades e regiões metropolitanas, o espaço ocupado antigamente pela mata Atlântica abriga hoje as grandes regiões industriais, os complexos petrolíferos e os maiores portos do país. Suas maiores áreas preservadas estão nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, nas serras do Mar e da Mantiqueira, em virtude do relevo acidentado que torna difícil a ocupação humana. Quanto à mata da Araucária, a retirada da madeira – para a produção de móveis e de papel de jornal – e a agropecuária são os principais fatores de sua devastação acentuada. Da década de 1930 até hoje 100 mil pinheiros foram derrubados.

×