SlideShare uma empresa Scribd logo
Biologia 11




Exercícios de Revisão
Processamento Alternativo
O património genético de todas as células vivas está inscrito no seu DNA.
Nos seres eucariontes, o RNA sintetizado sofre um processamento ou maturação antes de
abandonar o núcleo. Durante este processo, diversas secções do RNA, inicialmente
transcritas, são removidas. Estas porções são chamadas intrões. As porções não removidas
– exões – ligam-se entre si, formando um mRNA maduro, que será traduzido numa proteína.
Todavia, entre o DNA e as proteínas esconde-se um outro código, o que explica que, apesar
de o DNA humano não conter mais do que uma vintena de milhares de genes, as nossas
células retirem dele informação para fabricar centenas de milhares de proteínas diferentes.
Na Figura 3, está representado um processamento alternativo em que são produzidas duas
moléculas diferentes de mRNA a partir do mesmo gene. Este processamento obedece a
regras de um código bem preciso, que era até há pouco tempo inimaginável.
A partir de uma mesma sequência de DNA, a célula pode produzir não um, mas mais de
uma dezena de mRNA diferentes. Em cada tecido, a célula reconhece, na sequência de um
primeiro intrão, a informação que nesse momento conduz à conservação ou à supressão do
exão seguinte.
Eis aqui uma nova forma de controlar o código da vida, que permite à célula saber como
processar o RNA pré-mensageiro de acordo com o seu papel no organismo. É graças a este
processo que as células se distinguem umas das outras e ajustam os seus comportamentos
às circunstâncias.
Na Figura 4, está representada a produção de diferentes moléculas de mRNA a partir do
mesmo gene, em diferentes tecidos. Assim, a partir de um único gene, o organismo é capaz
de conceber diferentes proteínas cuja funcionalidade é específica.
Baseado em Science & Vie, Outubro de 2010


                                            Nuno Correia                                      2
Nuno Correia   3
Nuno Correia   4
Explique de que modo o processo de inibição
da transcrição de genes e o processamento
alternativo contribuem para a diferenciação
celular.




                   Nuno Correia               5
Sugestão metodológica

1. Identificar os elementos do item que devem ser relacionados.
Os elementos que devem ser relacionados são os seguintes:

Explique de que modo o processo de inibição da transcrição de genes e o
processamento alternativo contribuem para a diferenciação celular.

2. Identificar o tipo de relação a estabelecer.
Tal como acontece com a maior parte das respostas de construção, também
esta se baseia na explicitação de uma relação causal; neste caso duas relações
processo de inibição da transcrição de genes e o processamento
alternativo (causa) e a diferenciação celular (efeito).
3. Estabelecer relações.
Neste caso, a relação deverá ser estabelecida com recurso a articuladores de
linguagem que exprimem relações de causa-efeito (por ex., uma vez que...
logo...; se... então...; considerando que... então...).
Ao desenvolver a resposta deve ter em conta a informação contida na introdução
à pergunta bem como nos textos, ou outros elementos, que lhe sirvam de
suporte. Apesar da sua resposta pressupor o conhecimento teórico sobre os
assuntos em causa, é fundamental que consiga selecionar, a partir dos
documentos fornecidos, elementos que permitam a sua estruturação.
                                   Nuno Correia                                  6
Elementos a Relacionar



     processo de inibição da                     processo de inibição da
        transcrição de genes                         transcrição de genes
    processamento alternativo                   processamento alternativo


           Uma vez que                                     Logo,




 Há bloqueio/inibição da
  transcrição de diferentes genes
                                          Existe uma relação entre a
  em diferentes células;
                                           produção de conjuntos de
 Existe relação entre a produção
                                           proteínas diferentes e a
  de diferentes moléculas de mRNA
                                           diferenciação celular
  a partir de um mesmo gene e o
  processamento alternativo;


                                 Nuno Correia                                 7
4. Leitura final.
Leia a resposta que construiu, verificando se a mesma satisfaz cabalmente os
requisitos da pergunta. Verifique também a sua correção formal, tanto sintática
como ortográfica/semântica.


A resposta deve apresentar os seguintes tópicos:

 referência ao bloqueio/inibição da transcrição de diferentes
  genes em diferentes células;
 relação entre a produção de diferentes moléculas de mRNA
  a partir de um mesmo gene e o processamento alternativo;
 relação entre a produção de conjuntos de proteínas
  diferentes e a diferenciação celular.



                                      Nuno Correia                                8
Identificada molécula responsável por metástases do cancro da mama

Imagine um polvo e um mexilhão. Este fica agarrado às rochas e, por mais fortes que
sejam as ondas, não sai do mesmo lugar. O polvo, por outro lado, espalha os
tentáculos e aproveita a sua elasticidade para se esticar ao máximo. É mais ou menos
esta a diferença entre o cancro da mama que não tem metástases e aquele que
invade a pele e outros órgãos. O "polvo" responsável por este tipo de cancro mais
agressivo é uma molécula chamada caderina-P e foi identifica por investigadores
portugueses num estudo agora publicado na revista britânica "Oncogene".
Os investigadores do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade
do Porto (Ipatimup) descobriram que quando uma mulher apresenta níveis elevados
desta proteína tem um pior prognóstico e tende a reagir pior às terapêuticas
administradas, o que acontece em um terço dos casos.




                                      Nuno Correia                                9
“Percebemos que sempre que a caderina-P é expressa nos carcinomas as doentes
tinham piores prognósticos”, explicou ao PÚBLICO Joana Paredes, que liderou a
equipa responsável pelo projecto. Uma caderina é uma molécula ou proteína
responsável pelo mecanismo hemofílico de adesão celular. "Funciona como um
fecho éclair", exemplifica Joana Paredes. Quando a caderina-P é muito elevada as
células, nomeadamente as cancerígenas, ficam com uma organização interna
diferente. Isto é, desprendem-se mais facilmente, tornam-se invasivas e podem
entrar na circulação, acabando por afectar         outros órgãos onde formam
metástases. Contudo, segundo a investigadora portuguesa é possível desenvolver
anticorpos que bloqueiem o aumento desta proteína e que permitam, assim,
controlar o aparecimento de metástases. Joana Paredes destaca também que o
comportamento desta caderina é oposto ao da caderina-E, associada ao cancro
gástrico.
Quando os níveis desta proteína são baixos os doentes têm pior prognóstico. Na P,
os efeitos são exactamente o contrário e é perante altas quantidades que a célula
é induzida a produzir "enzimas que degradam a matriz de suporte".

Em Portugal, surgem todos os anos 4500 novos casos de cancro da mama e
registam-se 1500 mortes.

http://www.publico.pt/Ci%C3%AAncias/identificada-molecula-responsavel-por-
metastases-do-cancro-da-mama_1412179
                                    Nuno Correia                               10
Estas novas descobertas feitas pelos investigadores do IPATIMUP podem
representar passos muito significativos no aumento da esperança de vida
de muitos pacientes. Explique em que medida os resultados do trabalho
descrito devem ser levados em conta relativamente à capacidade de
diminuir o número de casos de morte por cancro da mama, em Portugal.




                                Nuno Correia                         11
Seleccione a alternativa que avalia correctamente as afirmações.
1) A nível celular, a produção excessiva de proteínas pode muitas vezes ser
transformada num polissacarídeo de reserva como o glicogénio.
2) Ao nível celular, o transporte activo e a difusão simples são dependentes do
metabolismo celular.
3) A difusão simples é um transporte que conduz à anulação do gradiente de
concentrações.

a) 1 e 3 são verdadeiras; 2 é falsa;
b) 1 é verdadeira; 2 e 3 são falsas;
c) 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa;
d) 3 é verdadeira; 1 e 2 são falsas;




                                       Nuno Correia                               12
As glicoproteínas, como por exemplo a caderina-P, segregadas pelas células
cancerígenas, abandonam muitas vezes o espaço intracelular, alterando os
mecanismos de adesão celular ao nível do espaço intersticial. Tendo em conta
o fenómeno descrito reconstitua a sequência correta ordenando as letras
de A a F iniciando a ordenação pela letra A.

A.   Ação da enzima RNA-polimerase ao nível do núcleo da célula.
B.   Produção de uma cadeia polipeptídica não funcional.
C.   Ligação da porção glicosídica à cadeia polipeptídica.
D.   Transporte de glicoproteínas no espaço intracelular.
E.   Formação de uma molécula ribonucleotídica funcional.
F.   Aumento da concentração das caderinas-P ao nível do espaço intracelular.




                                     Nuno Correia                               13
Documento 2: Cientistas estudam moléculas que fazem a proteção solar
das cianobactérias

Os cientistas estão a um passo de criarem um protetor solar inspirado na
natureza. Eles identificaram as enzimas responsáveis pela produção de
moléculas de filtro solar em cianobactérias, organismos que vivem na Terra há
3,4 biliões de anos, muito antes da existência de oxigénio suficiente para
travar os efeitos nocivos dos raios ultravioletas do Sol. As cianobactérias
produzem energia e matéria orgânica através da fotossíntese. Para isso, elas
precisam de se expor à radiação ultravioleta do sol, que danifica moléculas de
DNA. A cianobactéria demorou quase l bilião de anos para desenvolver
moléculas proteicas chamadas mycosporines e mycosporine aminoácidos
(MMA) que absorvem os raios nocivos do Sol.




                                  Nuno Correia                                   14
Emily Balskus e Christopher Walsh, dois pesquisadores da Escola de Medicina de
Harvard, descobriram os genes e enzimas envolvidos na síntese desses
protectores solares biológicos pela primeira vez.
Com uma técnica de extração genómica, os dois identificaram um grupo de genes
que podem ser os responsáveis pela produção das moléculas-filtro solar em
cianobactérias da espécie Anabaena varialibis. Para testar os genes, os
cientistas activaram este grupo de genes em bactérias do tipo Escherichia coli,
que não produzem as moléculas normalmente, e notaram que as bactérias
passaram a produzi-las.
                                                                 In, New Scientist




                                    Nuno Correia                                15
Documento 3
O gráfico representa, em unidades arbitrárias, a quantidade de (CO2)
libertada e absorvida por uma cianobactérias sujeita a diferentes
intensidades luminosas.




                                Nuno Correia                           16
As radiações ultravioleta conduzem a alterações na molécula de DNA.
No organismo humano, se estas mutações ocorrerem em células____,
então____ser transmitidas às gerações seguintes.
A. sexuais ... não podem
B. não sexuais... podem.
C. somáticas... não podem
D. somáticas ... podem




                             Nuno Correia                         17
As cianobactérias são seres produtores, ____que obtêm a_____partir do
carbono atmosférico.
A. fotossintéticos ... energia
B. quimiossintéticos... matéria
C. fotossintéticos... matéria
D: quimiossintéticos... energia




                                 Nuno Correia                           18
Para testar os genes, os cientistas activaram estes grupo de genes em
bactérias do tipo Escherichia coli, que não produzem moléculas
normalmente, e notaram que as bactérias passaram a produzi-las. As
bactérias E. coli sintetizavam moléculas ______________ às sintetizadas pelas
cianobactérias devido à_______________.
A. Iguais ... universalidade do código genético.
B. Diferentes ... ambiguidade do código genético.
C. Iguais... redundância.
D. Diferentes... degenerescência.




                                  Nuno Correia                                  19
As cianobactérias dependem ___________da luz solar, uma vez que __________.

A. Indirectamente ... transferem energia luminosa para a matéria orgânica que
   sintetizam.
B. Directamente ... transferem energia luminosa para a matéria orgânica que
   sintetizam.
C. Directamente ... consomem matéria orgânica sintetizada pelos seres
   autotróficos.
D. Indirectamente... consomem matéria orgânica sintetizada por seres
   autotróficos.




                                     Nuno Correia                               20
Considere as afirmações que se seguem referentes à análise dos dados
presentes no documento 3. Selecione a alternativa que as avalia
correctamente.
1. À medida que a intensidade luminosa aumenta, a quantidade de C02 libertada
   também aumenta.
2. No momento II, a quantidade de CO2 utilizado na fotossíntese é superior à
   quantidade libertada durante a respiração.
3. O valor constante de C02 absorvido no momento III permite inferir que os
   produtos da fotossíntese são usados como reagentes na respiração.
a) l e 3 são verdadeiras; 2 é falsa.
b) 2 é verdadeira; l e 3 são falsas.
c) 2 é verdadeira; 2 e 3 são falsas.
d) l e 2 são verdadeiras; 3 é falsa.




                                  Nuno Correia                              21
Seleccione a alternativa que completa correctamente a afirmação
seguinte.
A síntese de enzimas envolvidas na produção desses protectores solares
biológicos a partir da informação de um gene implica a ....

A. ... tradução da sequência de codões do RNA mensageiro processado.
B. ... replicação semiconservativa da informação genética.
C. ... tradução da sequência de anti-codões do RNA mensageiro processado.
D. ... leitura aleatória do RNA mensageiro no citoplasma.




                                   Nuno Correia                             22
A cianobactérias demorou quase l bilião de anos para desenvolver
moléculas chamadas mycosporines e mycosporine aminoácidos
(MMA) que absorvem os raios do Sol, garantindo o processo
fotossintético.
Relacione a reduzida vulnerabilidade do material genético das
cianobactérias às radiações UV com o equilíbrio dos
ecossistemas de um ponto de vista trófico.




                            Nuno Correia                           23
Os vírus são partículas muito pequenas constituídas por uma região
central com ácido nucleico, rodeado por uma cápsula proteica. O ciclo
de vida de um vírus está representado na figura 1.




                                Nuno Correia                            24
1. As duas etapas de síntese proteica B e C, assinaladas no
esquema, são, respectivamente……
A. replicação (...) tradução
B. transcrição (...) tradução
C. replicação (...) transcrição
D. tradução (...) transcrição




                           Nuno Correia                       25
Quando um vírus infecta uma célula, multiplica-se no seu interior, dando origem
a um grande número de vírus. Relacione o fenómeno biológico A com o
facto de a descendência de um vírus poder ser toda idêntica.




                                   Nuno Correia                                   26
Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes
afirmações.
A. Através do processo de tradução da informação genética, ocorre a síntese
    dos três tipos de RNA.
B. O RNA transcrito é um percursor do RNAm funcional, designando-se, por isso,
    RNA pré-mensageiro.
C. O invólucro nuclear é contínuo com o REL
D. O invólucro nuclear é uma membrana simples, que separa o núcleo do
    citoplasma da célula.
E. A enzima RNA polimerase abre a cadeia de DNA permitindo a replicação.
F. As bases púricas são complementares das bases pirimidicas.
G. O RNA é traduzido a partir de uma cadeia de DNA.
H. A pentose e o ácido fosfórico são hidrofóbicos.




                                 Nuno Correia                               27
Considere a seguinte experiência:
 injectou-se uracilo radioactivo em ratos jovens;
 após duas horas, os animais foram "sacrificados1;
 seguidamente procedeu-se à pesquisa de sinais de
  radioactividade nas células do fígado.
 observação realizada por auto-radiografia, ao
  microscópio electrónico está ilustrado na figura 2.




                        Nuno Correia                    28
Nuno Correia   29
Os números 1 e 4 da figura 2 representam, respectivamente, ___________e
_______________.

A.   nucléolo(...) complexo de golgi ;
B.   núcleo (...) ribossomas
C.   núcleo (...) complexo de golgi
D.   nucléolo (...) ribossomas




                                         Nuno Correia                     30
2. Em l e 4 detectaram-se sinais de radioactividade.
Interprete estes resultados.

3. Suponha que se utilizou timina radioactiva em vez de
uracilo radiactivo.
3.1.Infira os resultados observados, nesta situação
experimental.
3.2. Fundamente a resposta dada em 3.




                        Nuno Correia                 31
Documento 4 - MILHO TRANSGÉNICO
Recentemente, a opinião pública portuguesa foi alertada para uma
situação pouco habitual, relacionada com a destruição parcial de uma área
de cultivo de milho transgénico, na zona sul do pais por parte de um grupo
de pessoas, que protestavam contra o cultivo desta planta geneticamente
modificada. O recurso a este tipo de cultura está relacionado com a
necessidade de minimizar o problema da fome, principalmente nos países
menos desenvolvidos. São plantas, mais resistentes às adversidades do
meio e às pragas, evitando o recurso sistemático aos pesticidas agrícolas.
Os organismos transgénicos são todos aqueles em que                  foram
incorporados genes, provenientes de outras espécies, e que não fazem
parte do seu genoma original. Várias associações ecologistas têm
contestado esta prática por temerem os perigos para o meio ambiente,
assim como para a saúde da população. Apesar dos critérios de
segurança definidos pelas empresas de biotecnologia, vários cientistas
defendem que ainda estamos longe de avaliar todos os riscas que
poderão advir desta nova era da genética.



                                 Nuno Correia                           32
Seleccione a alternativa que permite preencher os espaços e obter uma
afirmação correcta. O aumento da importância das plantas transgénicas está
directamente relacionado com o (a) ____________ da população mundial
permitindo _________ a esperança de vida das populações carenciadas de
alimentos.
A. aumento (...) diminuir
B. aumento (...) aumentar
C. diminuição (…) aumentar
D. diminuição (...) diminuir




                                  Nuno Correia                               33
Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes
afirmações.

A. A introdução de genes de outras espécies em plantas como o milho afecta,
   inevitavelmente, o processo de replicação do DNA nas células em divisão
   mitótica.
B. O aparecimento de porções de DNA diferente no genoma do milho origina,
   geralmente, a produção de novas substâncias químicas nas suas células.
C. Nas plantas transgénicas em desenvolvimento, poderão ocorrer mutações
   que conduzam ao aparecimento de novas características.
D. A clonagem poderá constituir um mecanismo de engenharia genética
   complementar à cultura de transgénicos, para a resolução da fome mundial.
E. A estrutura da molécula do DNA é a mesma em todas as espécies e é
   universal no mundo vivo.
F. O mecanismo de síntese proteica nas células vegetais, como por exemplo,
   na planta do milho é semelhante ao mecanismo que ocorre nos animais.
G. Numa planta, as células apresentam organização eucariótica e o seu DNA
   nuclear encontra-se associado a proteínas.
H. Numa célula em divisão o DNA é duplicado antes da fase mitótica.


                                  Nuno Correia                                 34
Uma das vantagens do cultivo de plantas transgénicas
reside na capacidade que estas apresentam para a
produção de substâncias tóxicas nefastas aos parasitas.
Explique em que medida a produção de substâncias
novas, toxicas para os insectos, por parte de plantas
transgénicas poderá contribuir para uma maior
conservação das condições ecológicas ambientais.




                        Nuno Correia                      35
Analise as afirmações que se seguem, relativas ao ciclo celular. Reconstitua a
sequência temporal dos acontecimentos mencionados, segundo uma relação de
causa-efeito, colocando por ordem as letras que os identificam.
A. Primeiro momento de regulação relativamente ao prosseguimento do ciclo
   celular.
B. Intensa actividade biossintética, nomeadamente proteínas e RNA.
C. Formação de anel contrátil de filamentos proteicos na placa equatorial.
D. Clivagem dos centrómeros.
E. Formação de um sulco de clivagem estrangulador do citoplasma.




                                    Nuno Correia                             36
Faça corresponder a cada uma das letras (de A a E) que identificam afirmações
relativas ao crescimento e renovação celular, o número (de l a VIII) da chave
relativa a alguns intervenientes nesses processos.

AFIRMAÇÕES
A. Filamento de DNA enrolado em torno de um conjunto de histonas.
B. Base azotada de anel simples que existe no DNA e RNA.
C. Codão de finalização que representa o sinal de paragem da síntese proteica.
D. Unidade de informação hereditária, constituída por uma sequência de
   nucleótidos.
E. Unidade monomérica das proteínas.

CHAVE
1. Nucleótido
2. Nucleossoma
3. Aminoácido
4. Gene
5. UAA
6. UUG
7. Citosina
8. Guanina
                                      Nuno Correia                               37
Documento 5 - DNA E MUTAÇÕES
A actividade de cada célula ou tecido é dirigida pelo seu DNA. Ao longo da
embriogénese à medida que células, cada vez mais diferenciadas, se originam a partir
do zigoto alguns genes tomam-se activos enquanto outros são silenciados, de acordo
com a função final da célula. Mas cada célula mantém sempre uma cópia do genoma
completo no seu núcleo. As cadeias de DNA são frágeis e facilmente são modificadas
por químicos ou radiação. Existem, contudo proteínas reparadoras de erros do DNA que
reduzem a taxa de erros ou mutações a um mínimo. A maior quantidade de erros ocorre
aquando da divisão celular, devido à necessidade duplicar cada cromossoma, de modo
a que cada célula-filha tenha uma cópia. Ao longo da vida, milhões de células do nosso
corpo sofrem pequenas mutações. Essas células normalmente autodestroem-se,
ordenadas pela actividade de proteínas, geradas a partir de genes anti-tumorais do
DNA, como por exemplo o P-053. Nenhuma célula se torna neoplásica apenas com
uma mutação. Normalmente são necessárias várias para haver desrregulação do ciclo
celular e proliferação excessiva, e ainda mais outras para que haja invasão dos órgãos
adjacentes ou distantes.




                                       Nuno Correia                               38
Seleccione a alternativa que permite preencher os espaços e obter uma
afirmação correcta. No Homem, durante a primeira fase de desenvolvimento do
embrião, as células filhas formadas a partir do ovo ou zigoto vão-se tornando,
sucessivamente, cada vez mais pequenas até se atingir, ao fim de cerca de 4 dias,
uma estrutura em forma de amora designada mórula.
Assim, nesta fase inicial que conduz à mórula, a relação volume
citoplasmático/volume nuclear vai-se tornando _______e o volume da
célula_______.
A. menor [...] mantém-se
B. maior [,..] mantém-se
C. menor [...] diminui
D. maior [..,] diminui




                                    Nuno Correia                               39
Durante a segmentação, ocorrem divisões celulares sucessivas, que originam
células com dimensões cada vez menores, embora o volume do núcleo se
mantenha constante.

                                 Nuno Correia                                40
Explique em que medida alterações em genes que
codificam proteínas reparadoras de erros de DNA,
poderá aumentar a probabilidade de aparecimento de
neoplasia maligna.




                      Nuno Correia               41
Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes
afirmações.
A. Em diferentes tecidos os genes em actividade são todos diferentes.
B. As mutações em células somáticas são transmissíveis à descendência.
C. O potencial genético de uma célula é inferior à sua expressão bioquímica.
D. Os cromossomas sexuais não existem nas células somáticas.
E. No Homem, tanto nas células do intestino, como nas células da traqueia,
    existem os mesmos cromossomas.
F. No mecanismo de expressão dos genes, o gene regulador é responsável pela
    produção de uma proteína repressora.
G. Em alguns organismos, as células adultas diferenciadas podem tornar-se
    indiferenciadas.
H. Uma célula com 2n = 46 cromossomas no final, de um ciclo celular, origina
    duas células filhas, cada uma com 2n= 46 cromossomas.




                                  Nuno Correia                             42
Seleccione a alternativa que completa correctamente a afirmação. Considere
uma célula no início da mitose. No final do ciclo celular
A. ... o número de cromossomas mantém-se mas o teor de DNA duplica
B. ... o número de cromossomas mantém-se mas o teor de DNA reduz para metade
C. ... o número de cromossomas reduz para metade
D. ... o número àe cromossomas é o dobro do número de cromatídeos




                                 Nuno Correia                            43
Quando o vírus da estomatite vesicular (VEV) infecta uma célula de um mamífero,
desencadeia nesta o inicio da síntese de uma glicoproteina, designada por G-
proteína, que pode ser incorporada na membrana plasmática. A orientação da G-
proteína nesta membrana é tal que a sua extremidade amina está em contacto com
o meio extracelular e a extremidade carboxílica com o meio intracelular, a porção
glicídica da glicoproteina estão em contacto com o meio extracelular. Células
infectadas com o vírus VEV foram colocadas num meio contendo aminoácidos
marcados radioactivamente com 14C, durante cinco minutos, e depois foram
transferidas para um meio contendo aminoácidos não marcados. Em intervalos de
tempo regulares, recolheram-se amostras de células que foram homogeneizadas.
Por centrifugação, separaram-se as membranas plasmáticas, as golgianas e as do
retículo endoplasmático rugosos (RER), após o que se determinou a quantidade de
G-proteína marcada radioactivamente em cada fracção. Os resultados obtidos
foram registados no gráfico l da figura 1. A experiência foi repetida, utilizando
galactose marcada radioactivamente com 3H e aminoácidos não marcados, tendo-
se obtido os resultados registados no gráfico II da mesma figura.




                                    Nuno Correia                               44
Nuno Correia   45
Pela análise dos gráficos pode-se concluir que as membranas biológicas
do retículo endoplasmático, das vesículas golgianas e da membrana
plasmática apresentam fluidez, porque_____.
A. ...é efectuado o transporte do mesmo tipo de biomoléculas.
B. ...as membranas possuem a mesma composição química.
C. ...ocorre a fusão de diferentes porções de membrana.
D. ...é efectuado o transporte de diferentes proteínas.




                                Nuno Correia                             46
Segundo os dados do gráfico l e II, ao fim de 10 minutos...
A. ... detecta-se marcação com 14C e com 3H no RER.
B. ... a marcação com 14C só é detectada no RER.
C. ... detecta-se marcação com 14C e com 3H no Complexo de Golgi
D. ...a marcação com 3H só é detectada no Complexo de Golgi.




                                  Nuno Correia                     47
A extremidade amina da G-proteína e a extremidade carboxílica são....

A.   ambas hidrofóbicas
B.   hidrofílica e hidrofóbica, respectivamente
C.   hibrofóbica e hidrofílica, respectivamente
D.   ambas hidrofílicas




                                      Nuno Correia                      48
A produção de________nas células é assegurada pelo_____ e a sua mobilização
pelo_____________
A. lípidos [...] REL [...] Complexo de Golgi
B. lípidos [...] RER [...] Complexo de Golgi
C. proteínas [... ] REL [... ] Complexo de Golgi
D. proteínas [...] Complexo de Golgi [...] RER




                                   Nuno Correia                               49
A porção proteica da G-proteína é um composto__________________, constituído
por cadeias ________sintetizadas ao nível do______.

A. quaternário [.,.] peptídicas [...] RER
B. quaternário [...] polissacarídeas [...] RER
C. ternário [...] peptídicas [...] REL
D. ternário [...] polissacarídeas [...] RER




                                      Nuno Correia                         50
Faça corresponder V (verdadeiro) ou F (falso) a cada uma das letras que
Identificam as afirmações seguintes, relativamente ao processo digestivo que
ocorre nos mamíferos.
A. A digestão é exclusivamente extracelular e intracorporal.
B. Ocorre uma digestão sequencial ao longo dos vários órgãos digestivos.
C. Existência de uma faringe extensível que auxilia â captura de presas, que são
   ingeridas pela boca.
D. Existência de duas aberturas: uma para a entrada do alimento e outra pela qual
   saem os resíduos.
E. Diversos alimentos podem experimentar diferente tipo de tratamento em
   diferentes órgãos.
F. A absorção é mais eficaz em relação à hidra de água doce, devido à existência
   dê uma cavidade gastrovascular ramificada.
G. Possui um tubo digestivo incompleto.
H. O aproveitamento do alimento é eficaz uma vez que não ocorre a mistura com
   substâncias não absorvidas a eliminar.




                                     Nuno Correia                               51

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biologia 11 sistemas de classificação
Biologia 11   sistemas de classificaçãoBiologia 11   sistemas de classificação
Biologia 11 sistemas de classificação
Nuno Correia
 
9 vulcanologia
9   vulcanologia9   vulcanologia
9 vulcanologia
margaridabt
 
bolores 11 ano
bolores 11 anobolores 11 ano
bolores 11 ano
Diana Carvalho
 
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Nuno Correia
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
ClaudiaSacres
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Ricardo Dias
 
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºExtração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Francisco Palaio
 
Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpratico
Joana Margarida
 
Teste1 poesia trovadoresca 10 ano
Teste1 poesia trovadoresca 10 anoTeste1 poesia trovadoresca 10 ano
Teste1 poesia trovadoresca 10 ano
Ronaldo Figo
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
António Fernandes
 
Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 anoExercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
Catir
 
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo VSermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
EuniceCarmo
 
Teste1
Teste1Teste1
Teste1
FJDOliveira
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Recursos geológicos
Recursos geológicosRecursos geológicos
Recursos geológicos
margaridabt
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
AMLDRP
 
Rochas sedimentares classificação biogénicas
Rochas sedimentares  classificação biogénicasRochas sedimentares  classificação biogénicas
Rochas sedimentares classificação biogénicas
Isabel Lopes
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
sandranascimento
 

Mais procurados (20)

Biologia 11 sistemas de classificação
Biologia 11   sistemas de classificaçãoBiologia 11   sistemas de classificação
Biologia 11 sistemas de classificação
 
9 vulcanologia
9   vulcanologia9   vulcanologia
9 vulcanologia
 
bolores 11 ano
bolores 11 anobolores 11 ano
bolores 11 ano
 
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
 
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºExtração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
 
Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpratico
 
Teste1 poesia trovadoresca 10 ano
Teste1 poesia trovadoresca 10 anoTeste1 poesia trovadoresca 10 ano
Teste1 poesia trovadoresca 10 ano
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 
Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 anoExercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
 
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo VSermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
 
Teste1
Teste1Teste1
Teste1
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Recursos geológicos
Recursos geológicosRecursos geológicos
Recursos geológicos
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
 
Rochas sedimentares classificação biogénicas
Rochas sedimentares  classificação biogénicasRochas sedimentares  classificação biogénicas
Rochas sedimentares classificação biogénicas
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
 

Destaque

Biologia 11 ciclo celular
Biologia 11   ciclo celularBiologia 11   ciclo celular
Biologia 11 ciclo celular
Nuno Correia
 
(2) Divisão celular
(2) Divisão celular(2) Divisão celular
(2) Divisão celular
Hugo Martins
 
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
Rita_Brito
 
Ficha trabalho2 11
Ficha trabalho2 11Ficha trabalho2 11
Ficha trabalho2 11
Magda Charrua
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Isaura Mourão
 
Geologia 11 rochas sedimentares - meteorização mecânica
Geologia 11   rochas sedimentares  - meteorização mecânicaGeologia 11   rochas sedimentares  - meteorização mecânica
Geologia 11 rochas sedimentares - meteorização mecânica
Nuno Correia
 
Exercícios divisão celular meiose e mitose
Exercícios divisão celular meiose e mitoseExercícios divisão celular meiose e mitose
Exercícios divisão celular meiose e mitose
Isabel Lopes
 
Biologia 11 diferenciação celular
Biologia 11   diferenciação celularBiologia 11   diferenciação celular
Biologia 11 diferenciação celular
Nuno Correia
 
Bg 11 preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
Bg 11   preparação para o teste de avaliação de biologia - exercíciosBg 11   preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
Bg 11 preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
Nuno Correia
 
Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1
Nuno Correia
 
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcçãoTeste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Isaura Mourão
 

Destaque (11)

Biologia 11 ciclo celular
Biologia 11   ciclo celularBiologia 11   ciclo celular
Biologia 11 ciclo celular
 
(2) Divisão celular
(2) Divisão celular(2) Divisão celular
(2) Divisão celular
 
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
 
Ficha trabalho2 11
Ficha trabalho2 11Ficha trabalho2 11
Ficha trabalho2 11
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
 
Geologia 11 rochas sedimentares - meteorização mecânica
Geologia 11   rochas sedimentares  - meteorização mecânicaGeologia 11   rochas sedimentares  - meteorização mecânica
Geologia 11 rochas sedimentares - meteorização mecânica
 
Exercícios divisão celular meiose e mitose
Exercícios divisão celular meiose e mitoseExercícios divisão celular meiose e mitose
Exercícios divisão celular meiose e mitose
 
Biologia 11 diferenciação celular
Biologia 11   diferenciação celularBiologia 11   diferenciação celular
Biologia 11 diferenciação celular
 
Bg 11 preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
Bg 11   preparação para o teste de avaliação de biologia - exercíciosBg 11   preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
Bg 11 preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
 
Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1
 
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcçãoTeste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
 

Semelhante a Biologia 11 preparação para exame 1

Crescer e placa de crescimento criança infantil juvenil adolescente fatores p...
Crescer e placa de crescimento criança infantil juvenil adolescente fatores p...Crescer e placa de crescimento criança infantil juvenil adolescente fatores p...
Crescer e placa de crescimento criança infantil juvenil adolescente fatores p...
Van Der Häägen Brazil
 
Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia
Seleste Mendes Pereira
 
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamentoLista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Biahhsilva1
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
ingridavilez
 
CRESCIMENTO: METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS; GH-CRESCIMENTO, I...
CRESCIMENTO: METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS; GH-CRESCIMENTO, I...CRESCIMENTO: METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS; GH-CRESCIMENTO, I...
CRESCIMENTO: METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS; GH-CRESCIMENTO, I...
Van Der Häägen Brazil
 
Exossomos
ExossomosExossomos
Exossomos
Alline Sa
 
Receptores
Receptores Receptores
Receptores
Adila Trubat
 
METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS G -CRESCIMENTO INSULINA E OUTROS
METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS G -CRESCIMENTO INSULINA E OUTROSMETODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS G -CRESCIMENTO INSULINA E OUTROS
METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS G -CRESCIMENTO INSULINA E OUTROS
Van Der Häägen Brazil
 
Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10
luziabiologa2010
 
1S_ Questoes ac nucleicos
1S_ Questoes ac nucleicos  1S_ Questoes ac nucleicos
1S_ Questoes ac nucleicos
Ionara Urrutia Moura
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
Suzany Berg
 
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptxAula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Tatilobato
 
Revisão de biologia - 2º ano - Ensino Médio
Revisão de biologia  - 2º ano - Ensino MédioRevisão de biologia  - 2º ano - Ensino Médio
Revisão de biologia - 2º ano - Ensino Médio
Gilda Sandes
 
Celulas tronco
Celulas troncoCelulas tronco
Celulas tronco
Jacqueline Lima
 
Exercícios revisionais
Exercícios revisionaisExercícios revisionais
Exercícios revisionais
Tamires Araújo Dias
 
Disciplina fds0021
Disciplina fds0021Disciplina fds0021
Disciplina fds0021
Isabela Peixoto
 
NOVO PARADIGMA EM HUMANOS-CRESCER IN FOCO-HGH:MECANISMO REGULAÇÃO DO TRÁFEGO ...
NOVO PARADIGMA EM HUMANOS-CRESCER IN FOCO-HGH:MECANISMO REGULAÇÃO DO TRÁFEGO ...NOVO PARADIGMA EM HUMANOS-CRESCER IN FOCO-HGH:MECANISMO REGULAÇÃO DO TRÁFEGO ...
NOVO PARADIGMA EM HUMANOS-CRESCER IN FOCO-HGH:MECANISMO REGULAÇÃO DO TRÁFEGO ...
Van Der Häägen Brazil
 
Enem Preparatório Biologia 1
Enem Preparatório Biologia 1Enem Preparatório Biologia 1
Enem Preparatório Biologia 1
Romario Queiroz Delphin
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Revista biologia
Revista biologiaRevista biologia
Revista biologia
Armazém Do Educador
 

Semelhante a Biologia 11 preparação para exame 1 (20)

Crescer e placa de crescimento criança infantil juvenil adolescente fatores p...
Crescer e placa de crescimento criança infantil juvenil adolescente fatores p...Crescer e placa de crescimento criança infantil juvenil adolescente fatores p...
Crescer e placa de crescimento criança infantil juvenil adolescente fatores p...
 
Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia
 
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamentoLista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
CRESCIMENTO: METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS; GH-CRESCIMENTO, I...
CRESCIMENTO: METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS; GH-CRESCIMENTO, I...CRESCIMENTO: METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS; GH-CRESCIMENTO, I...
CRESCIMENTO: METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS; GH-CRESCIMENTO, I...
 
Exossomos
ExossomosExossomos
Exossomos
 
Receptores
Receptores Receptores
Receptores
 
METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS G -CRESCIMENTO INSULINA E OUTROS
METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS G -CRESCIMENTO INSULINA E OUTROSMETODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS G -CRESCIMENTO INSULINA E OUTROS
METODOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO ORGÂNICA HORMÔNIOS G -CRESCIMENTO INSULINA E OUTROS
 
Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10
 
1S_ Questoes ac nucleicos
1S_ Questoes ac nucleicos  1S_ Questoes ac nucleicos
1S_ Questoes ac nucleicos
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
 
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptxAula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
Aula 01_Dogma Central da Biologia Molecular.pptx
 
Revisão de biologia - 2º ano - Ensino Médio
Revisão de biologia  - 2º ano - Ensino MédioRevisão de biologia  - 2º ano - Ensino Médio
Revisão de biologia - 2º ano - Ensino Médio
 
Celulas tronco
Celulas troncoCelulas tronco
Celulas tronco
 
Exercícios revisionais
Exercícios revisionaisExercícios revisionais
Exercícios revisionais
 
Disciplina fds0021
Disciplina fds0021Disciplina fds0021
Disciplina fds0021
 
NOVO PARADIGMA EM HUMANOS-CRESCER IN FOCO-HGH:MECANISMO REGULAÇÃO DO TRÁFEGO ...
NOVO PARADIGMA EM HUMANOS-CRESCER IN FOCO-HGH:MECANISMO REGULAÇÃO DO TRÁFEGO ...NOVO PARADIGMA EM HUMANOS-CRESCER IN FOCO-HGH:MECANISMO REGULAÇÃO DO TRÁFEGO ...
NOVO PARADIGMA EM HUMANOS-CRESCER IN FOCO-HGH:MECANISMO REGULAÇÃO DO TRÁFEGO ...
 
Enem Preparatório Biologia 1
Enem Preparatório Biologia 1Enem Preparatório Biologia 1
Enem Preparatório Biologia 1
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
 
Revista biologia
Revista biologiaRevista biologia
Revista biologia
 

Mais de Nuno Correia

Sismologia parte 1
Sismologia   parte 1Sismologia   parte 1
Sismologia parte 1
Nuno Correia
 
Geologia - Variações Climáticas
Geologia   - Variações ClimáticasGeologia   - Variações Climáticas
Geologia - Variações Climáticas
Nuno Correia
 
Biologia 12 imunidade celular
Biologia 12   imunidade celularBiologia 12   imunidade celular
Biologia 12 imunidade celular
Nuno Correia
 
Biologia 12 imunidade humoral
Biologia 12   imunidade humoralBiologia 12   imunidade humoral
Biologia 12 imunidade humoral
Nuno Correia
 
Geologia 12 estratotipo
Geologia 12   estratotipoGeologia 12   estratotipo
Geologia 12 estratotipo
Nuno Correia
 
Geologia 12 biozonas
Geologia 12   biozonasGeologia 12   biozonas
Geologia 12 biozonas
Nuno Correia
 
Geologia 12 movimentos horizontais
Geologia 12   movimentos horizontaisGeologia 12   movimentos horizontais
Geologia 12 movimentos horizontais
Nuno Correia
 
Geologia 12 isostasia
Geologia 12   isostasiaGeologia 12   isostasia
Geologia 12 isostasia
Nuno Correia
 
Geologia 12 paleomagnetismo
Geologia 12   paleomagnetismoGeologia 12   paleomagnetismo
Geologia 12 paleomagnetismo
Nuno Correia
 
Geologia 12 deriva dos continentes
Geologia 12   deriva dos continentesGeologia 12   deriva dos continentes
Geologia 12 deriva dos continentes
Nuno Correia
 
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12   biologia e os desafios da atualidadeBiologia 12   biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Nuno Correia
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimas
Nuno Correia
 
Geologia 12 arcos insulares
Geologia 12   arcos insularesGeologia 12   arcos insulares
Geologia 12 arcos insulares
Nuno Correia
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
Nuno Correia
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
Nuno Correia
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Nuno Correia
 
Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)
Nuno Correia
 
Genética (monobridismo exercícios)
Genética (monobridismo   exercícios)Genética (monobridismo   exercícios)
Genética (monobridismo exercícios)
Nuno Correia
 
Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)
Nuno Correia
 
Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)
Nuno Correia
 

Mais de Nuno Correia (20)

Sismologia parte 1
Sismologia   parte 1Sismologia   parte 1
Sismologia parte 1
 
Geologia - Variações Climáticas
Geologia   - Variações ClimáticasGeologia   - Variações Climáticas
Geologia - Variações Climáticas
 
Biologia 12 imunidade celular
Biologia 12   imunidade celularBiologia 12   imunidade celular
Biologia 12 imunidade celular
 
Biologia 12 imunidade humoral
Biologia 12   imunidade humoralBiologia 12   imunidade humoral
Biologia 12 imunidade humoral
 
Geologia 12 estratotipo
Geologia 12   estratotipoGeologia 12   estratotipo
Geologia 12 estratotipo
 
Geologia 12 biozonas
Geologia 12   biozonasGeologia 12   biozonas
Geologia 12 biozonas
 
Geologia 12 movimentos horizontais
Geologia 12   movimentos horizontaisGeologia 12   movimentos horizontais
Geologia 12 movimentos horizontais
 
Geologia 12 isostasia
Geologia 12   isostasiaGeologia 12   isostasia
Geologia 12 isostasia
 
Geologia 12 paleomagnetismo
Geologia 12   paleomagnetismoGeologia 12   paleomagnetismo
Geologia 12 paleomagnetismo
 
Geologia 12 deriva dos continentes
Geologia 12   deriva dos continentesGeologia 12   deriva dos continentes
Geologia 12 deriva dos continentes
 
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12   biologia e os desafios da atualidadeBiologia 12   biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimas
 
Geologia 12 arcos insulares
Geologia 12   arcos insularesGeologia 12   arcos insulares
Geologia 12 arcos insulares
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)
 
Genética (monobridismo exercícios)
Genética (monobridismo   exercícios)Genética (monobridismo   exercícios)
Genética (monobridismo exercícios)
 
Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)
 
Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)
 

Último

Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

Biologia 11 preparação para exame 1

  • 2. Processamento Alternativo O património genético de todas as células vivas está inscrito no seu DNA. Nos seres eucariontes, o RNA sintetizado sofre um processamento ou maturação antes de abandonar o núcleo. Durante este processo, diversas secções do RNA, inicialmente transcritas, são removidas. Estas porções são chamadas intrões. As porções não removidas – exões – ligam-se entre si, formando um mRNA maduro, que será traduzido numa proteína. Todavia, entre o DNA e as proteínas esconde-se um outro código, o que explica que, apesar de o DNA humano não conter mais do que uma vintena de milhares de genes, as nossas células retirem dele informação para fabricar centenas de milhares de proteínas diferentes. Na Figura 3, está representado um processamento alternativo em que são produzidas duas moléculas diferentes de mRNA a partir do mesmo gene. Este processamento obedece a regras de um código bem preciso, que era até há pouco tempo inimaginável. A partir de uma mesma sequência de DNA, a célula pode produzir não um, mas mais de uma dezena de mRNA diferentes. Em cada tecido, a célula reconhece, na sequência de um primeiro intrão, a informação que nesse momento conduz à conservação ou à supressão do exão seguinte. Eis aqui uma nova forma de controlar o código da vida, que permite à célula saber como processar o RNA pré-mensageiro de acordo com o seu papel no organismo. É graças a este processo que as células se distinguem umas das outras e ajustam os seus comportamentos às circunstâncias. Na Figura 4, está representada a produção de diferentes moléculas de mRNA a partir do mesmo gene, em diferentes tecidos. Assim, a partir de um único gene, o organismo é capaz de conceber diferentes proteínas cuja funcionalidade é específica. Baseado em Science & Vie, Outubro de 2010 Nuno Correia 2
  • 5. Explique de que modo o processo de inibição da transcrição de genes e o processamento alternativo contribuem para a diferenciação celular. Nuno Correia 5
  • 6. Sugestão metodológica 1. Identificar os elementos do item que devem ser relacionados. Os elementos que devem ser relacionados são os seguintes: Explique de que modo o processo de inibição da transcrição de genes e o processamento alternativo contribuem para a diferenciação celular. 2. Identificar o tipo de relação a estabelecer. Tal como acontece com a maior parte das respostas de construção, também esta se baseia na explicitação de uma relação causal; neste caso duas relações processo de inibição da transcrição de genes e o processamento alternativo (causa) e a diferenciação celular (efeito). 3. Estabelecer relações. Neste caso, a relação deverá ser estabelecida com recurso a articuladores de linguagem que exprimem relações de causa-efeito (por ex., uma vez que... logo...; se... então...; considerando que... então...). Ao desenvolver a resposta deve ter em conta a informação contida na introdução à pergunta bem como nos textos, ou outros elementos, que lhe sirvam de suporte. Apesar da sua resposta pressupor o conhecimento teórico sobre os assuntos em causa, é fundamental que consiga selecionar, a partir dos documentos fornecidos, elementos que permitam a sua estruturação. Nuno Correia 6
  • 7. Elementos a Relacionar  processo de inibição da  processo de inibição da transcrição de genes transcrição de genes  processamento alternativo  processamento alternativo Uma vez que Logo,  Há bloqueio/inibição da transcrição de diferentes genes  Existe uma relação entre a em diferentes células; produção de conjuntos de  Existe relação entre a produção proteínas diferentes e a de diferentes moléculas de mRNA diferenciação celular a partir de um mesmo gene e o processamento alternativo; Nuno Correia 7
  • 8. 4. Leitura final. Leia a resposta que construiu, verificando se a mesma satisfaz cabalmente os requisitos da pergunta. Verifique também a sua correção formal, tanto sintática como ortográfica/semântica. A resposta deve apresentar os seguintes tópicos:  referência ao bloqueio/inibição da transcrição de diferentes genes em diferentes células;  relação entre a produção de diferentes moléculas de mRNA a partir de um mesmo gene e o processamento alternativo;  relação entre a produção de conjuntos de proteínas diferentes e a diferenciação celular. Nuno Correia 8
  • 9. Identificada molécula responsável por metástases do cancro da mama Imagine um polvo e um mexilhão. Este fica agarrado às rochas e, por mais fortes que sejam as ondas, não sai do mesmo lugar. O polvo, por outro lado, espalha os tentáculos e aproveita a sua elasticidade para se esticar ao máximo. É mais ou menos esta a diferença entre o cancro da mama que não tem metástases e aquele que invade a pele e outros órgãos. O "polvo" responsável por este tipo de cancro mais agressivo é uma molécula chamada caderina-P e foi identifica por investigadores portugueses num estudo agora publicado na revista britânica "Oncogene". Os investigadores do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup) descobriram que quando uma mulher apresenta níveis elevados desta proteína tem um pior prognóstico e tende a reagir pior às terapêuticas administradas, o que acontece em um terço dos casos. Nuno Correia 9
  • 10. “Percebemos que sempre que a caderina-P é expressa nos carcinomas as doentes tinham piores prognósticos”, explicou ao PÚBLICO Joana Paredes, que liderou a equipa responsável pelo projecto. Uma caderina é uma molécula ou proteína responsável pelo mecanismo hemofílico de adesão celular. "Funciona como um fecho éclair", exemplifica Joana Paredes. Quando a caderina-P é muito elevada as células, nomeadamente as cancerígenas, ficam com uma organização interna diferente. Isto é, desprendem-se mais facilmente, tornam-se invasivas e podem entrar na circulação, acabando por afectar outros órgãos onde formam metástases. Contudo, segundo a investigadora portuguesa é possível desenvolver anticorpos que bloqueiem o aumento desta proteína e que permitam, assim, controlar o aparecimento de metástases. Joana Paredes destaca também que o comportamento desta caderina é oposto ao da caderina-E, associada ao cancro gástrico. Quando os níveis desta proteína são baixos os doentes têm pior prognóstico. Na P, os efeitos são exactamente o contrário e é perante altas quantidades que a célula é induzida a produzir "enzimas que degradam a matriz de suporte". Em Portugal, surgem todos os anos 4500 novos casos de cancro da mama e registam-se 1500 mortes. http://www.publico.pt/Ci%C3%AAncias/identificada-molecula-responsavel-por- metastases-do-cancro-da-mama_1412179 Nuno Correia 10
  • 11. Estas novas descobertas feitas pelos investigadores do IPATIMUP podem representar passos muito significativos no aumento da esperança de vida de muitos pacientes. Explique em que medida os resultados do trabalho descrito devem ser levados em conta relativamente à capacidade de diminuir o número de casos de morte por cancro da mama, em Portugal. Nuno Correia 11
  • 12. Seleccione a alternativa que avalia correctamente as afirmações. 1) A nível celular, a produção excessiva de proteínas pode muitas vezes ser transformada num polissacarídeo de reserva como o glicogénio. 2) Ao nível celular, o transporte activo e a difusão simples são dependentes do metabolismo celular. 3) A difusão simples é um transporte que conduz à anulação do gradiente de concentrações. a) 1 e 3 são verdadeiras; 2 é falsa; b) 1 é verdadeira; 2 e 3 são falsas; c) 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa; d) 3 é verdadeira; 1 e 2 são falsas; Nuno Correia 12
  • 13. As glicoproteínas, como por exemplo a caderina-P, segregadas pelas células cancerígenas, abandonam muitas vezes o espaço intracelular, alterando os mecanismos de adesão celular ao nível do espaço intersticial. Tendo em conta o fenómeno descrito reconstitua a sequência correta ordenando as letras de A a F iniciando a ordenação pela letra A. A. Ação da enzima RNA-polimerase ao nível do núcleo da célula. B. Produção de uma cadeia polipeptídica não funcional. C. Ligação da porção glicosídica à cadeia polipeptídica. D. Transporte de glicoproteínas no espaço intracelular. E. Formação de uma molécula ribonucleotídica funcional. F. Aumento da concentração das caderinas-P ao nível do espaço intracelular. Nuno Correia 13
  • 14. Documento 2: Cientistas estudam moléculas que fazem a proteção solar das cianobactérias Os cientistas estão a um passo de criarem um protetor solar inspirado na natureza. Eles identificaram as enzimas responsáveis pela produção de moléculas de filtro solar em cianobactérias, organismos que vivem na Terra há 3,4 biliões de anos, muito antes da existência de oxigénio suficiente para travar os efeitos nocivos dos raios ultravioletas do Sol. As cianobactérias produzem energia e matéria orgânica através da fotossíntese. Para isso, elas precisam de se expor à radiação ultravioleta do sol, que danifica moléculas de DNA. A cianobactéria demorou quase l bilião de anos para desenvolver moléculas proteicas chamadas mycosporines e mycosporine aminoácidos (MMA) que absorvem os raios nocivos do Sol. Nuno Correia 14
  • 15. Emily Balskus e Christopher Walsh, dois pesquisadores da Escola de Medicina de Harvard, descobriram os genes e enzimas envolvidos na síntese desses protectores solares biológicos pela primeira vez. Com uma técnica de extração genómica, os dois identificaram um grupo de genes que podem ser os responsáveis pela produção das moléculas-filtro solar em cianobactérias da espécie Anabaena varialibis. Para testar os genes, os cientistas activaram este grupo de genes em bactérias do tipo Escherichia coli, que não produzem as moléculas normalmente, e notaram que as bactérias passaram a produzi-las. In, New Scientist Nuno Correia 15
  • 16. Documento 3 O gráfico representa, em unidades arbitrárias, a quantidade de (CO2) libertada e absorvida por uma cianobactérias sujeita a diferentes intensidades luminosas. Nuno Correia 16
  • 17. As radiações ultravioleta conduzem a alterações na molécula de DNA. No organismo humano, se estas mutações ocorrerem em células____, então____ser transmitidas às gerações seguintes. A. sexuais ... não podem B. não sexuais... podem. C. somáticas... não podem D. somáticas ... podem Nuno Correia 17
  • 18. As cianobactérias são seres produtores, ____que obtêm a_____partir do carbono atmosférico. A. fotossintéticos ... energia B. quimiossintéticos... matéria C. fotossintéticos... matéria D: quimiossintéticos... energia Nuno Correia 18
  • 19. Para testar os genes, os cientistas activaram estes grupo de genes em bactérias do tipo Escherichia coli, que não produzem moléculas normalmente, e notaram que as bactérias passaram a produzi-las. As bactérias E. coli sintetizavam moléculas ______________ às sintetizadas pelas cianobactérias devido à_______________. A. Iguais ... universalidade do código genético. B. Diferentes ... ambiguidade do código genético. C. Iguais... redundância. D. Diferentes... degenerescência. Nuno Correia 19
  • 20. As cianobactérias dependem ___________da luz solar, uma vez que __________. A. Indirectamente ... transferem energia luminosa para a matéria orgânica que sintetizam. B. Directamente ... transferem energia luminosa para a matéria orgânica que sintetizam. C. Directamente ... consomem matéria orgânica sintetizada pelos seres autotróficos. D. Indirectamente... consomem matéria orgânica sintetizada por seres autotróficos. Nuno Correia 20
  • 21. Considere as afirmações que se seguem referentes à análise dos dados presentes no documento 3. Selecione a alternativa que as avalia correctamente. 1. À medida que a intensidade luminosa aumenta, a quantidade de C02 libertada também aumenta. 2. No momento II, a quantidade de CO2 utilizado na fotossíntese é superior à quantidade libertada durante a respiração. 3. O valor constante de C02 absorvido no momento III permite inferir que os produtos da fotossíntese são usados como reagentes na respiração. a) l e 3 são verdadeiras; 2 é falsa. b) 2 é verdadeira; l e 3 são falsas. c) 2 é verdadeira; 2 e 3 são falsas. d) l e 2 são verdadeiras; 3 é falsa. Nuno Correia 21
  • 22. Seleccione a alternativa que completa correctamente a afirmação seguinte. A síntese de enzimas envolvidas na produção desses protectores solares biológicos a partir da informação de um gene implica a .... A. ... tradução da sequência de codões do RNA mensageiro processado. B. ... replicação semiconservativa da informação genética. C. ... tradução da sequência de anti-codões do RNA mensageiro processado. D. ... leitura aleatória do RNA mensageiro no citoplasma. Nuno Correia 22
  • 23. A cianobactérias demorou quase l bilião de anos para desenvolver moléculas chamadas mycosporines e mycosporine aminoácidos (MMA) que absorvem os raios do Sol, garantindo o processo fotossintético. Relacione a reduzida vulnerabilidade do material genético das cianobactérias às radiações UV com o equilíbrio dos ecossistemas de um ponto de vista trófico. Nuno Correia 23
  • 24. Os vírus são partículas muito pequenas constituídas por uma região central com ácido nucleico, rodeado por uma cápsula proteica. O ciclo de vida de um vírus está representado na figura 1. Nuno Correia 24
  • 25. 1. As duas etapas de síntese proteica B e C, assinaladas no esquema, são, respectivamente…… A. replicação (...) tradução B. transcrição (...) tradução C. replicação (...) transcrição D. tradução (...) transcrição Nuno Correia 25
  • 26. Quando um vírus infecta uma célula, multiplica-se no seu interior, dando origem a um grande número de vírus. Relacione o fenómeno biológico A com o facto de a descendência de um vírus poder ser toda idêntica. Nuno Correia 26
  • 27. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. A. Através do processo de tradução da informação genética, ocorre a síntese dos três tipos de RNA. B. O RNA transcrito é um percursor do RNAm funcional, designando-se, por isso, RNA pré-mensageiro. C. O invólucro nuclear é contínuo com o REL D. O invólucro nuclear é uma membrana simples, que separa o núcleo do citoplasma da célula. E. A enzima RNA polimerase abre a cadeia de DNA permitindo a replicação. F. As bases púricas são complementares das bases pirimidicas. G. O RNA é traduzido a partir de uma cadeia de DNA. H. A pentose e o ácido fosfórico são hidrofóbicos. Nuno Correia 27
  • 28. Considere a seguinte experiência:  injectou-se uracilo radioactivo em ratos jovens;  após duas horas, os animais foram "sacrificados1;  seguidamente procedeu-se à pesquisa de sinais de radioactividade nas células do fígado.  observação realizada por auto-radiografia, ao microscópio electrónico está ilustrado na figura 2. Nuno Correia 28
  • 30. Os números 1 e 4 da figura 2 representam, respectivamente, ___________e _______________. A. nucléolo(...) complexo de golgi ; B. núcleo (...) ribossomas C. núcleo (...) complexo de golgi D. nucléolo (...) ribossomas Nuno Correia 30
  • 31. 2. Em l e 4 detectaram-se sinais de radioactividade. Interprete estes resultados. 3. Suponha que se utilizou timina radioactiva em vez de uracilo radiactivo. 3.1.Infira os resultados observados, nesta situação experimental. 3.2. Fundamente a resposta dada em 3. Nuno Correia 31
  • 32. Documento 4 - MILHO TRANSGÉNICO Recentemente, a opinião pública portuguesa foi alertada para uma situação pouco habitual, relacionada com a destruição parcial de uma área de cultivo de milho transgénico, na zona sul do pais por parte de um grupo de pessoas, que protestavam contra o cultivo desta planta geneticamente modificada. O recurso a este tipo de cultura está relacionado com a necessidade de minimizar o problema da fome, principalmente nos países menos desenvolvidos. São plantas, mais resistentes às adversidades do meio e às pragas, evitando o recurso sistemático aos pesticidas agrícolas. Os organismos transgénicos são todos aqueles em que foram incorporados genes, provenientes de outras espécies, e que não fazem parte do seu genoma original. Várias associações ecologistas têm contestado esta prática por temerem os perigos para o meio ambiente, assim como para a saúde da população. Apesar dos critérios de segurança definidos pelas empresas de biotecnologia, vários cientistas defendem que ainda estamos longe de avaliar todos os riscas que poderão advir desta nova era da genética. Nuno Correia 32
  • 33. Seleccione a alternativa que permite preencher os espaços e obter uma afirmação correcta. O aumento da importância das plantas transgénicas está directamente relacionado com o (a) ____________ da população mundial permitindo _________ a esperança de vida das populações carenciadas de alimentos. A. aumento (...) diminuir B. aumento (...) aumentar C. diminuição (…) aumentar D. diminuição (...) diminuir Nuno Correia 33
  • 34. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. A. A introdução de genes de outras espécies em plantas como o milho afecta, inevitavelmente, o processo de replicação do DNA nas células em divisão mitótica. B. O aparecimento de porções de DNA diferente no genoma do milho origina, geralmente, a produção de novas substâncias químicas nas suas células. C. Nas plantas transgénicas em desenvolvimento, poderão ocorrer mutações que conduzam ao aparecimento de novas características. D. A clonagem poderá constituir um mecanismo de engenharia genética complementar à cultura de transgénicos, para a resolução da fome mundial. E. A estrutura da molécula do DNA é a mesma em todas as espécies e é universal no mundo vivo. F. O mecanismo de síntese proteica nas células vegetais, como por exemplo, na planta do milho é semelhante ao mecanismo que ocorre nos animais. G. Numa planta, as células apresentam organização eucariótica e o seu DNA nuclear encontra-se associado a proteínas. H. Numa célula em divisão o DNA é duplicado antes da fase mitótica. Nuno Correia 34
  • 35. Uma das vantagens do cultivo de plantas transgénicas reside na capacidade que estas apresentam para a produção de substâncias tóxicas nefastas aos parasitas. Explique em que medida a produção de substâncias novas, toxicas para os insectos, por parte de plantas transgénicas poderá contribuir para uma maior conservação das condições ecológicas ambientais. Nuno Correia 35
  • 36. Analise as afirmações que se seguem, relativas ao ciclo celular. Reconstitua a sequência temporal dos acontecimentos mencionados, segundo uma relação de causa-efeito, colocando por ordem as letras que os identificam. A. Primeiro momento de regulação relativamente ao prosseguimento do ciclo celular. B. Intensa actividade biossintética, nomeadamente proteínas e RNA. C. Formação de anel contrátil de filamentos proteicos na placa equatorial. D. Clivagem dos centrómeros. E. Formação de um sulco de clivagem estrangulador do citoplasma. Nuno Correia 36
  • 37. Faça corresponder a cada uma das letras (de A a E) que identificam afirmações relativas ao crescimento e renovação celular, o número (de l a VIII) da chave relativa a alguns intervenientes nesses processos. AFIRMAÇÕES A. Filamento de DNA enrolado em torno de um conjunto de histonas. B. Base azotada de anel simples que existe no DNA e RNA. C. Codão de finalização que representa o sinal de paragem da síntese proteica. D. Unidade de informação hereditária, constituída por uma sequência de nucleótidos. E. Unidade monomérica das proteínas. CHAVE 1. Nucleótido 2. Nucleossoma 3. Aminoácido 4. Gene 5. UAA 6. UUG 7. Citosina 8. Guanina Nuno Correia 37
  • 38. Documento 5 - DNA E MUTAÇÕES A actividade de cada célula ou tecido é dirigida pelo seu DNA. Ao longo da embriogénese à medida que células, cada vez mais diferenciadas, se originam a partir do zigoto alguns genes tomam-se activos enquanto outros são silenciados, de acordo com a função final da célula. Mas cada célula mantém sempre uma cópia do genoma completo no seu núcleo. As cadeias de DNA são frágeis e facilmente são modificadas por químicos ou radiação. Existem, contudo proteínas reparadoras de erros do DNA que reduzem a taxa de erros ou mutações a um mínimo. A maior quantidade de erros ocorre aquando da divisão celular, devido à necessidade duplicar cada cromossoma, de modo a que cada célula-filha tenha uma cópia. Ao longo da vida, milhões de células do nosso corpo sofrem pequenas mutações. Essas células normalmente autodestroem-se, ordenadas pela actividade de proteínas, geradas a partir de genes anti-tumorais do DNA, como por exemplo o P-053. Nenhuma célula se torna neoplásica apenas com uma mutação. Normalmente são necessárias várias para haver desrregulação do ciclo celular e proliferação excessiva, e ainda mais outras para que haja invasão dos órgãos adjacentes ou distantes. Nuno Correia 38
  • 39. Seleccione a alternativa que permite preencher os espaços e obter uma afirmação correcta. No Homem, durante a primeira fase de desenvolvimento do embrião, as células filhas formadas a partir do ovo ou zigoto vão-se tornando, sucessivamente, cada vez mais pequenas até se atingir, ao fim de cerca de 4 dias, uma estrutura em forma de amora designada mórula. Assim, nesta fase inicial que conduz à mórula, a relação volume citoplasmático/volume nuclear vai-se tornando _______e o volume da célula_______. A. menor [...] mantém-se B. maior [,..] mantém-se C. menor [...] diminui D. maior [..,] diminui Nuno Correia 39
  • 40. Durante a segmentação, ocorrem divisões celulares sucessivas, que originam células com dimensões cada vez menores, embora o volume do núcleo se mantenha constante. Nuno Correia 40
  • 41. Explique em que medida alterações em genes que codificam proteínas reparadoras de erros de DNA, poderá aumentar a probabilidade de aparecimento de neoplasia maligna. Nuno Correia 41
  • 42. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. A. Em diferentes tecidos os genes em actividade são todos diferentes. B. As mutações em células somáticas são transmissíveis à descendência. C. O potencial genético de uma célula é inferior à sua expressão bioquímica. D. Os cromossomas sexuais não existem nas células somáticas. E. No Homem, tanto nas células do intestino, como nas células da traqueia, existem os mesmos cromossomas. F. No mecanismo de expressão dos genes, o gene regulador é responsável pela produção de uma proteína repressora. G. Em alguns organismos, as células adultas diferenciadas podem tornar-se indiferenciadas. H. Uma célula com 2n = 46 cromossomas no final, de um ciclo celular, origina duas células filhas, cada uma com 2n= 46 cromossomas. Nuno Correia 42
  • 43. Seleccione a alternativa que completa correctamente a afirmação. Considere uma célula no início da mitose. No final do ciclo celular A. ... o número de cromossomas mantém-se mas o teor de DNA duplica B. ... o número de cromossomas mantém-se mas o teor de DNA reduz para metade C. ... o número de cromossomas reduz para metade D. ... o número àe cromossomas é o dobro do número de cromatídeos Nuno Correia 43
  • 44. Quando o vírus da estomatite vesicular (VEV) infecta uma célula de um mamífero, desencadeia nesta o inicio da síntese de uma glicoproteina, designada por G- proteína, que pode ser incorporada na membrana plasmática. A orientação da G- proteína nesta membrana é tal que a sua extremidade amina está em contacto com o meio extracelular e a extremidade carboxílica com o meio intracelular, a porção glicídica da glicoproteina estão em contacto com o meio extracelular. Células infectadas com o vírus VEV foram colocadas num meio contendo aminoácidos marcados radioactivamente com 14C, durante cinco minutos, e depois foram transferidas para um meio contendo aminoácidos não marcados. Em intervalos de tempo regulares, recolheram-se amostras de células que foram homogeneizadas. Por centrifugação, separaram-se as membranas plasmáticas, as golgianas e as do retículo endoplasmático rugosos (RER), após o que se determinou a quantidade de G-proteína marcada radioactivamente em cada fracção. Os resultados obtidos foram registados no gráfico l da figura 1. A experiência foi repetida, utilizando galactose marcada radioactivamente com 3H e aminoácidos não marcados, tendo- se obtido os resultados registados no gráfico II da mesma figura. Nuno Correia 44
  • 46. Pela análise dos gráficos pode-se concluir que as membranas biológicas do retículo endoplasmático, das vesículas golgianas e da membrana plasmática apresentam fluidez, porque_____. A. ...é efectuado o transporte do mesmo tipo de biomoléculas. B. ...as membranas possuem a mesma composição química. C. ...ocorre a fusão de diferentes porções de membrana. D. ...é efectuado o transporte de diferentes proteínas. Nuno Correia 46
  • 47. Segundo os dados do gráfico l e II, ao fim de 10 minutos... A. ... detecta-se marcação com 14C e com 3H no RER. B. ... a marcação com 14C só é detectada no RER. C. ... detecta-se marcação com 14C e com 3H no Complexo de Golgi D. ...a marcação com 3H só é detectada no Complexo de Golgi. Nuno Correia 47
  • 48. A extremidade amina da G-proteína e a extremidade carboxílica são.... A. ambas hidrofóbicas B. hidrofílica e hidrofóbica, respectivamente C. hibrofóbica e hidrofílica, respectivamente D. ambas hidrofílicas Nuno Correia 48
  • 49. A produção de________nas células é assegurada pelo_____ e a sua mobilização pelo_____________ A. lípidos [...] REL [...] Complexo de Golgi B. lípidos [...] RER [...] Complexo de Golgi C. proteínas [... ] REL [... ] Complexo de Golgi D. proteínas [...] Complexo de Golgi [...] RER Nuno Correia 49
  • 50. A porção proteica da G-proteína é um composto__________________, constituído por cadeias ________sintetizadas ao nível do______. A. quaternário [.,.] peptídicas [...] RER B. quaternário [...] polissacarídeas [...] RER C. ternário [...] peptídicas [...] REL D. ternário [...] polissacarídeas [...] RER Nuno Correia 50
  • 51. Faça corresponder V (verdadeiro) ou F (falso) a cada uma das letras que Identificam as afirmações seguintes, relativamente ao processo digestivo que ocorre nos mamíferos. A. A digestão é exclusivamente extracelular e intracorporal. B. Ocorre uma digestão sequencial ao longo dos vários órgãos digestivos. C. Existência de uma faringe extensível que auxilia â captura de presas, que são ingeridas pela boca. D. Existência de duas aberturas: uma para a entrada do alimento e outra pela qual saem os resíduos. E. Diversos alimentos podem experimentar diferente tipo de tratamento em diferentes órgãos. F. A absorção é mais eficaz em relação à hidra de água doce, devido à existência dê uma cavidade gastrovascular ramificada. G. Possui um tubo digestivo incompleto. H. O aproveitamento do alimento é eficaz uma vez que não ocorre a mistura com substâncias não absorvidas a eliminar. Nuno Correia 51