Modelo mitose trabpratico

4.234 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.234
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelo mitose trabpratico

  1. 1. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso Disciplina de Biologia e Geologia – 11º ano ATIVIDADE EXPERIMENTAL: A fase mitótica em células de raiz de cebola Trabalho realizado por : Alunos do 11º A e 11º D Docente: Teresa Lacerda 06-11-2011 Esta apresentação resultou da compilação dos trabalhos 1 realizados pelos alunos.
  2. 2. 2 O que sabemos?... Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  3. 3. O ciclo celular… 3 Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  4. 4. Mitose: Prófase A prófase é a fase mais longa da mitose. Os cromossomas tornam-se mais curtos e grossos; cada um deles é constituído por dois cromatídios unidos pelo centrómero; Nas células animais, os dois pares de centríolos começam a afastar-se e formam o fuso acromático; nas células vegetais o fuso acromático forma-se a partir do centro organizador de microtúbulos. No fim desta fase, a membrana nuclear desorganiza-se e os nucléolos desaparecem. Imagem In Internet Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  5. 5. Mitose: Metáfase Os cromossomas atingem o máximo de encurtamento. O fuso acromático fica completo. Os cromossomas ligam-se ao fuso acromático pelo centrómero, dispondo-se no plano equatorial da célula. Imagem In Internet Os centrómeros estão ligados a esse fuso enquanto os “braços” dos cromossomas estão voltados para fora, e ficam imobilizados nessa posição até ao momento da sua divisão. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  6. 6. Mitose: Anáfase Na anáfase dá-se a cisão do centrómero, o que conduz à separação dos 2 cromatídios de cada cromossoma; cada cromatídio passa a constituir um cromossoma independente (cromossomas – filhos). Os cromossomas-filhos ascendem para polos opostos da célula: ascensão polar. No final desta fase na mesma célula temos dois conjuntos completos de cromossomas, cada um deles localizados em polos opostos da célula. Imagem In Internet Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  7. 7. Mitose: Telófase A membrana nuclear reorganiza-se à volta dos cromossomas de cada uma das células-filhas. O fuso mitótico desfaz-se e os nucléolos reaparecem. Os cromossomas ficam cada vez mais finos e longos, ficando assim também menos visíveis. A célula apresenta dois núcleos e a mitose está concluída . Imagem In Internet Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  8. 8. Citocinese 8 A citocinese nas células vegetais ocorre tendo em atenção as seguintes fases: -Alinhamento na região equatorial da célula de vesículas do complexo de Golgi; -Fusão dessas vesículas formando uma estrutura plana; -As membranas das vesículas originam as membranas plasmáticas das células-filhas; -O conteúdo das vesículas possui os percursores da parede celular. Imagem In >>>> A citocinese das células animais ocorre por estrangulamento do citoplasma e consequente individualização das células. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  9. 9. Então, o que sabemos realmente? 9 Fase mitótica (células vegetais e animais) A fase mitótica das células vegetais segue o modelo geral das células animais. Contudo, existem diferenças importantes, referentes à formação do fuso acromático e à citocinese. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  10. 10. 10 Então… Quais as principais diferenças entre a fase mitótica nas células animais e nas células vegetais? Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  11. 11. 11 Para respondermos à pergunta observamos células vegetais em divisão. Imagem In Internet Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  12. 12. 12 Utilizamos as extremidades das raízes de uma cebola que ficaram dentro de um copo com água durante uma semana antes da atividade. Imagem In Internet Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  13. 13. 13 Porque os tecidos dos ápices (extremidades) das raízes – meristemas apicais – têm células em divisão. Imagem In Internet Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  14. 14. 14 Quais foram as etapas do nosso trabalho experimental?... Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  15. 15. 1ª Etapa 15 © Andreia Silva, Bruno Moreira, Cláudia Rodrigues, 2011 Misturaram-se 9 partes de Orceína acética com 1 parte de Ácido cloridríco. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  16. 16. © José Silva, Mónica Oliveira, Tânia Oliveira, Tiago Barbosa, 2011 16 A orceína acética é um corante que foi utilizado para corar a cromatina presente no núcleo. O ácido clorídrico foi usado para dissolver as lamelas medianas que unem as células umas às outras. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  17. 17. 2ª Etapa 17 © Andreia Silva, Bruno Moreira, Cláudia Rodrigues, 2011 © Ana Rita, Ângela Afonso, David Matos, Patrícia Rodrigues, 2011 Juntou-se à solução de Orceína acética e Ácido clorídrico alguns vértices vegetativos da raiz da cebola. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  18. 18. © José Silva, Mónica Oliveira, Tânia Oliveira, Tiago Barbosa, 2011 18 Os vértices vegetativos possuem tecido meristemático com células em divisão, o que permitiu visualizar as diferentes fases da mitose quando se observou a preparação ao microscópio ótico composto (MOC). Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  19. 19. 3ª Etapa 19 © Luís Antunes, Joana Cancela, 2011 Aqueceu-se o vidro de relógio, passando-o algumas vezes pela chama, sem, contudo, deixar que a solução entrasse em ebulição. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  20. 20. © José Silva, Mónica Oliveira, Tânia Oliveira, Tiago Barbosa, 2011 20 O aquecimento fornece energia à reação, acelerando-a. Desta forma, o aquecimento apressa a coloração para facilitar a visualização dos cromossomas. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  21. 21. 4ª Etapa 21 Comprimiu-se com uma agulha espatulada. Fez-se uma montagem entre lâmina e lamela usando orceína acética. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011 © José Silva, Mónica Oliveira, Tânia Oliveira, Tiago Barbosa, 2011 Retirou-se um vértice vegetativo para uma lâmina ao qual se cortou cerca de 1mm e rejeitouse o restante.
  22. 22. 22 O material biológico foi pressionado com a agulha espatulada para que ficasse rebatido no sentido de se obter uma camada de células e, assim, facilitar a sua observação ao MOC. © Ana Rita Marques, Ana Rita Soares, Daniel Soares, Filipe Rocha, 2011 Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  23. 23. 5ª Etapa 23 © José Silva, Mónica Oliveira, Tânia Oliveira, Tiago Barbosa, 2011 Observação da preparação ao microscópio ótico composto (MOC). Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  24. 24. 24 Resultados Observaram-se as diferentes fases da Mitose e a Citocinese. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  25. 25. Observações ao MOC 25 1 4 2 5 3 1 – Profase 2 – Metafase 3 – Anafase 4 – Telofase 5 – Citocinese (Ampliação: 10x60 = 600X) Imagens: © Ana Gonçalves & André Silva, 2011
  26. 26. A concluir… 26     Foi possível observar células em divisão mitótica nos tecidos dos ápices das raízes da cebola (meristemas apicais radiculares). O ácido clorídrico dissolveu as lamelas medianas que unem as células umas às outras permitindo que se separassem e se tornassem mais visíveis; a orceína acética ao dar coloração aos cromossomas permitiu, ainda, a sua observação microscópica. Verificou-se que a mitose é um processo contínuo ao longo dos tecidos, já que no mesmo tecido puderam observar-se vários estádios da mitose (profase, metafase, anafase, telofase) e a citocinese. Ao contrário das células animais, nas células vegetais não há contração citoplasmática na zona equatorial, mas observou-se a formação de uma placa intermédia que originará a parede celular. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011
  27. 27. 27 Bibliografia Centro de Estudos de Genoma Humano, Observação de Mitose em raiz de cebola, consultado na Internet in >>>> Silva, A. & outros (2008). Terra Universo de Vida- Manual de Biologia de 11º ano. Porto: Porto Editora. Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, 2011

×