SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
O BARROCO

Século XVII
Caravaggio

• 1602

DIVINO X
 HUMANO
BERNINI

 “Êxtase de
Santa Teresa”

  séc. XVII

 DIVINO X
 HUMANO
Rembrandt




A EFEMERIDADE DA VIDA
O barroco é


 EXPRESSÃO da profunda crise
ideológica e da multiplicidade de
  estados de espírito do homem
           seiscentista
O homem em conflito
          Razão X Fé

       Ciência X Religião

   Reforma X Contra-Reforma

Teocentrismo X Antropocentrismo
conflitos espirituais vividos pelo
                homem
• Deus e Diabo;
• bem e mal;
• céu e terra;
• pureza e pecado;
• alegria e tristeza;
• paganismo e cristianismo;
• espírito e matéria
A busca do prazer se torna
angustiada, à medida que o
homem tem consciência da
  transitoriedade de tudo.
A época
• Segundo Calvino, enriquecer com o
  trabalho é divino

• Vive-se na opulência e no luxo. Tementes
  a Deus, os colonos usavam seu dinheiro
  também para a construção de
  capelas, igrejas, conventos e irmandades.
Arte Barroca
• Reação ao comedimento, à harmonia, à
  simetria e à simplocidade do Renascimento

• Dramaticidade e
  emoções violentas

• Rebuscamento formal
Contexto Histórico
         Brasileiro
• Centro econômico, político e
  social: Bahia.

• Ciclo econômico: Exploração do
  açúcar
Desenganos da vida humana, metaforicamente
                            (Gregório de Matos)
É a vaidade, Fábio, nesta vida,
Rosa, que da manhã lisonjeada,
Púrpuras mil, com ambição dourada,
Airosa rompe, arrasta presumida.

É planta, que de abril favorecida,
Por mares de soberba desatada,
Florida galeota empavesada,
Sulca ufana, navega destemida.
                                     É nau enfim, que em breve ligeireza
                                     Com presunção de Fênix generosa,
                                     Galhardias apresta, alentos preza:

                                     Mas ser planta, ser rosa, nau vistosa
                                     De que importa, se aguarda sem defesa
                                     Penha a nau, ferro a planta, tarde a rosa?
Os Números
Meus amigos essa noite eu tive uma                     Raul Seixas
alucinação
Sonhei com um bando de número               •   -Dois
invadindo o meu sertão                          E no dois o homem luta entre coisas
E de tanta coincidência que eu fiz essa         diferente,
canção                                          Bem e mal, amor e
-Falar do número um                             guerra, preto e
Falar do número um não é preciso muito
estudo,                                         branco, bicho e gente
Só se casa uma vez e foi um Deus que            Rico e pobre, claro e
criou tudo,                                     escuro, noite e dia, corpo e
Uma vida só se vive, só se usa um
sobretudo.                                      mente.
-Agora o doze                               •   -Agora o quatro
E só de pensar no doze eu então quase           E o quatro é importante, quatro ponto
desisto,                                        cardeal,
São doze meses do ano, doze apóstolos           Quatro estação do ano, quatro pé tem
de Cristo,                                      um animal,
Doze hora é meio-dia, haja dito e haja          Quatro perna tem a mesa, quatro dia o
visto.                                          carnaval.
-Agora o sete                               •   - Pra encerrar
Sete dias da semana, sete notas                 Eu falei de tanto número, talvez
musicais,                                       esqueci algum,
Sete cores do arco-íris nas regiões             Mas as coisas que eu disse não são lá
divinais,                                       muito comum,
E se pintar tanto sete, eu já não agüento       Quem souber que conte outra, ou que
mais.                                           fique sem nenhum
Divino X Humano
Atingir a fé através dos
sentidos e da emoção e
não apenas pelo
raciocínio.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

A morte e a morte de quincas berro d água
A morte e a morte de quincas berro d águaA morte e a morte de quincas berro d água
A morte e a morte de quincas berro d água
Ana Paula Medeiros
 
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-daguaA morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
Melyssa Queiroz
 
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo   poesia - 2.a fase - OseModernismo   poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
André Damázio
 
Capitães de Areia
Capitães de AreiaCapitães de Areia
Capitães de Areia
quel.silva
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
rkhelena
 
Ementa Ensino Médio
Ementa Ensino MédioEmenta Ensino Médio
Ementa Ensino Médio
CamilaClivati
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
CrisBiagio
 
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
CrisBiagio
 

Destaque (17)

Cidadania e prosa
Cidadania e prosaCidadania e prosa
Cidadania e prosa
 
Seminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da AreiaSeminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da Areia
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
A morte e a morte de Quincas Berro Dágua
A morte e a morte de Quincas Berro DáguaA morte e a morte de Quincas Berro Dágua
A morte e a morte de Quincas Berro Dágua
 
A morte e a morte de quincas berro d água
A morte e a morte de quincas berro d águaA morte e a morte de quincas berro d água
A morte e a morte de quincas berro d água
 
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-daguaA morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
 
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo   poesia - 2.a fase - OseModernismo   poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)
 
Capitães de Areia
Capitães de AreiaCapitães de Areia
Capitães de Areia
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 
Jorge Amado
Jorge AmadoJorge Amado
Jorge Amado
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
 
Ementa Ensino Médio
Ementa Ensino MédioEmenta Ensino Médio
Ementa Ensino Médio
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
 
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
 

Semelhante a Barroco I guia

Aruanda - umbanda ----------------------
Aruanda - umbanda ----------------------Aruanda - umbanda ----------------------
Aruanda - umbanda ----------------------
Eliane524833
 
Poesia e heteronímia em fernando pessoa
Poesia e heteronímia em fernando pessoaPoesia e heteronímia em fernando pessoa
Poesia e heteronímia em fernando pessoa
ma.no.el.ne.ves
 
Ilustrações selecionadas
Ilustrações selecionadasIlustrações selecionadas
Ilustrações selecionadas
iriberto
 
Alcides conejeiro peres_-_ilustracoes_selecionadas
Alcides conejeiro peres_-_ilustracoes_selecionadasAlcides conejeiro peres_-_ilustracoes_selecionadas
Alcides conejeiro peres_-_ilustracoes_selecionadas
INOVAR CLUB
 

Semelhante a Barroco I guia (20)

Aruanda - umbanda ----------------------
Aruanda - umbanda ----------------------Aruanda - umbanda ----------------------
Aruanda - umbanda ----------------------
 
aruanda robson pinheiro romance mediunico.pdf
aruanda robson pinheiro romance mediunico.pdfaruanda robson pinheiro romance mediunico.pdf
aruanda robson pinheiro romance mediunico.pdf
 
Natalia Correia
Natalia CorreiaNatalia Correia
Natalia Correia
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Boletim 550 29-07-12
Boletim 550 29-07-12Boletim 550 29-07-12
Boletim 550 29-07-12
 
Poesia e heteronímia em fernando pessoa
Poesia e heteronímia em fernando pessoaPoesia e heteronímia em fernando pessoa
Poesia e heteronímia em fernando pessoa
 
AULA UCPEL2.pptx
AULA UCPEL2.pptxAULA UCPEL2.pptx
AULA UCPEL2.pptx
 
28/06/2013 - PARNASO e SALDO EXTRA
28/06/2013 - PARNASO e SALDO EXTRA28/06/2013 - PARNASO e SALDO EXTRA
28/06/2013 - PARNASO e SALDO EXTRA
 
Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.
 
Ilustrações selecionadas
Ilustrações selecionadasIlustrações selecionadas
Ilustrações selecionadas
 
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
 
A História do Cordel
A História do CordelA História do Cordel
A História do Cordel
 
Licao 5 1 t - 2020 - a unidade da r-aca humana em pdf para o grupo
Licao 5   1 t - 2020 - a unidade da r-aca humana em pdf para o grupoLicao 5   1 t - 2020 - a unidade da r-aca humana em pdf para o grupo
Licao 5 1 t - 2020 - a unidade da r-aca humana em pdf para o grupo
 
Alcides conejeiro peres_-_ilustracoes_selecionadas
Alcides conejeiro peres_-_ilustracoes_selecionadasAlcides conejeiro peres_-_ilustracoes_selecionadas
Alcides conejeiro peres_-_ilustracoes_selecionadas
 
13. tqa ufmg 2012, 10
13. tqa ufmg 2012, 1013. tqa ufmg 2012, 10
13. tqa ufmg 2012, 10
 
Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861
 
LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"
LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"
LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Literatura portuguesa barroco
Literatura portuguesa barrocoLiteratura portuguesa barroco
Literatura portuguesa barroco
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 

Mais de Andre Guerra

Mais de Andre Guerra (18)

Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Invenção de orfeu
Invenção de orfeuInvenção de orfeu
Invenção de orfeu
 
As vítimas algozes
As vítimas algozesAs vítimas algozes
As vítimas algozes
 
Cadernos negros
Cadernos negrosCadernos negros
Cadernos negros
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
História da arte 1
História da arte 1História da arte 1
História da arte 1
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo 1922
Modernismo   1922Modernismo   1922
Modernismo 1922
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
Gerações poéticas
Gerações poéticasGerações poéticas
Gerações poéticas
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Vanguardas Européias
Vanguardas EuropéiasVanguardas Européias
Vanguardas Européias
 
Leitura 2011
Leitura 2011Leitura 2011
Leitura 2011
 
Gêneros literários 3o
Gêneros literários 3oGêneros literários 3o
Gêneros literários 3o
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

Barroco I guia

  • 3. BERNINI “Êxtase de Santa Teresa” séc. XVII DIVINO X HUMANO
  • 5. O barroco é EXPRESSÃO da profunda crise ideológica e da multiplicidade de estados de espírito do homem seiscentista
  • 6. O homem em conflito Razão X Fé Ciência X Religião Reforma X Contra-Reforma Teocentrismo X Antropocentrismo
  • 7. conflitos espirituais vividos pelo homem • Deus e Diabo; • bem e mal; • céu e terra; • pureza e pecado; • alegria e tristeza; • paganismo e cristianismo; • espírito e matéria
  • 8. A busca do prazer se torna angustiada, à medida que o homem tem consciência da transitoriedade de tudo.
  • 9. A época • Segundo Calvino, enriquecer com o trabalho é divino • Vive-se na opulência e no luxo. Tementes a Deus, os colonos usavam seu dinheiro também para a construção de capelas, igrejas, conventos e irmandades.
  • 10. Arte Barroca • Reação ao comedimento, à harmonia, à simetria e à simplocidade do Renascimento • Dramaticidade e emoções violentas • Rebuscamento formal
  • 11. Contexto Histórico Brasileiro • Centro econômico, político e social: Bahia. • Ciclo econômico: Exploração do açúcar
  • 12. Desenganos da vida humana, metaforicamente (Gregório de Matos) É a vaidade, Fábio, nesta vida, Rosa, que da manhã lisonjeada, Púrpuras mil, com ambição dourada, Airosa rompe, arrasta presumida. É planta, que de abril favorecida, Por mares de soberba desatada, Florida galeota empavesada, Sulca ufana, navega destemida. É nau enfim, que em breve ligeireza Com presunção de Fênix generosa, Galhardias apresta, alentos preza: Mas ser planta, ser rosa, nau vistosa De que importa, se aguarda sem defesa Penha a nau, ferro a planta, tarde a rosa?
  • 13. Os Números Meus amigos essa noite eu tive uma Raul Seixas alucinação Sonhei com um bando de número • -Dois invadindo o meu sertão E no dois o homem luta entre coisas E de tanta coincidência que eu fiz essa diferente, canção Bem e mal, amor e -Falar do número um guerra, preto e Falar do número um não é preciso muito estudo, branco, bicho e gente Só se casa uma vez e foi um Deus que Rico e pobre, claro e criou tudo, escuro, noite e dia, corpo e Uma vida só se vive, só se usa um sobretudo. mente. -Agora o doze • -Agora o quatro E só de pensar no doze eu então quase E o quatro é importante, quatro ponto desisto, cardeal, São doze meses do ano, doze apóstolos Quatro estação do ano, quatro pé tem de Cristo, um animal, Doze hora é meio-dia, haja dito e haja Quatro perna tem a mesa, quatro dia o visto. carnaval. -Agora o sete • - Pra encerrar Sete dias da semana, sete notas Eu falei de tanto número, talvez musicais, esqueci algum, Sete cores do arco-íris nas regiões Mas as coisas que eu disse não são lá divinais, muito comum, E se pintar tanto sete, eu já não agüento Quem souber que conte outra, ou que mais. fique sem nenhum
  • 15. Atingir a fé através dos sentidos e da emoção e não apenas pelo raciocínio.