SlideShare uma empresa Scribd logo
Planejamento e
Abordagens
Terapêuticas em
Saúde Mental
Prof.ª Dr.ª Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque
Aula 5 - Objetivo
Descrever algumas abordagens terapêuticas
em saúde mental
01.
Citar os pilares da ação terapêutica
02.
Contato afetivo
Naturalmente, o toque
físico nem sempre é bem-
vindo e nem sempre é
apropriado. Entre estranhos,
pode ser um ato de
violação.
Contato afetivo
O toque é importante para os
humanos quando se trata de
comunicar emoções e manter
relacionamentos – tanto
românticos quanto não.
Contato afetivo
Por exemplo, um estudo
relatou que exames
cerebrais revelaram que o
toque afetivo ativa o córtex
orbito frontal, uma região
do cérebro associada à
aprendizagem e à tomada
de decisões, bem como a
comportamentos
emocionais e sociais.
Situações de conflito familiar ou
grupal estão entre as principais
demandas do profissional ou do
serviço da atenção básica. Para
esse tipo de quadro, a mediação
de conflito envolve a capacidade
de transformar conhecimentos,
habilidades e atitudes em
resultados práticos.
Mediação de conflitos
Muitas vezes essas intervenções
dependem da adoção de algumas
técnicas simples – como o diálogo
guiado – e de conhecimentos
práticos que facilitem a condução
dessas situações, contribuindo de
diferentes formas para resolução do
problema.
Mediação de conflitos
É uma interação interpessoal
entre o enfermeiro e o cliente,
durante a qual o profissional
concentra-se nas necessidades
específicas do cliente para
promover uma troca eficaz de
informações.
Comunicação
terapêutica
Comunicação Terapêutica
Uso de técnicas de
comunição
Avaliar a
percepção que o
usuário tem do seu
problema
Estabelecimento de
vínculo terapêutico
Implementar
intervenções
destinadas a atender
às necessidades do
cliente
Comunicação Terapêutica
Uso de mensagens
concretas
Ouvir ativamente e
observar
Uso de técnicas da
comunicação
terapêuticas
Privacidade e respeito
aos limites
Zonas de distância
A ação terapêutica decorrente de vínculos
de cuidado bem-estruturados sustenta-se
em quatro pilares que permitem,
de forma específica, a ação de diferentes
técnicas psicoterápicas. Esses pilares são
mecanismos presentes em qualquer
relação terapêutica, podendo ser
instrumentalizados por todos os
profissionais de saúde.
Pilares da Ação Terapêutica
São eles: o Acolhimento,
a Escuta, o Suporte e o Esclarecimento.
Pilares da Ação Terapêutica
As abordagens da Saúde Mental de aplicação prática na Atenção Básica. Disponível
em: https://blog.cenatcursos.com.br/as-abordagens-da-saude-mental-de-aplicacao-
pratica-na-atencao-basica/
Contato afetivo. Disponível em:
https://blog.cenatcursos.com.br/os-efeitos-terapeuticos-do-contato-afetivo-na-
saude-mental-humana/
Videbeck, Sheila L. Enfermagem em saúde mental e psiquiatria. 5. ed. Porto Alegre :
Artmed, 2012
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf

Gatilhos Mentais - Persuasão Poderosa na Negociação com Pacientes.pdf
Gatilhos Mentais -  Persuasão Poderosa na Negociação com Pacientes.pdfGatilhos Mentais -  Persuasão Poderosa na Negociação com Pacientes.pdf
Gatilhos Mentais - Persuasão Poderosa na Negociação com Pacientes.pdf
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
Fabio Ferreira
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
Flora Couto
 
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticasJungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Flora Couto
 
Psicoterapia
PsicoterapiaPsicoterapia
Psicoterapia
psicologo-clinico
 
Gerenciando pacientes difíceis - uma visão abrangente sobre as melhores práti...
Gerenciando pacientes difíceis - uma visão abrangente sobre as melhores práti...Gerenciando pacientes difíceis - uma visão abrangente sobre as melhores práti...
Gerenciando pacientes difíceis - uma visão abrangente sobre as melhores práti...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Psicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaPsicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nica
flamarandr
 
N38 39a15: Souza; Silva; Boff; Trindade; Oliveira - Características do Trein...
N38 39a15: Souza; Silva; Boff; Trindade; Oliveira - Características do Trein...N38 39a15: Souza; Silva; Boff; Trindade; Oliveira - Características do Trein...
N38 39a15: Souza; Silva; Boff; Trindade; Oliveira - Características do Trein...
Flora Couto
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Aroldo Gavioli
 
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
Flora Couto
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
Flora Couto
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagens
Luciana Freitas
 
14682496751
1468249675114682496751
14682496751
Leidijane Terto
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
Maria Clara Figueiredo
 
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevesA entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
tania m f contrim
 
Mitos sobre a psicoterapia
Mitos sobre a psicoterapiaMitos sobre a psicoterapia
Mitos sobre a psicoterapia
Oficina Psicologia
 
Equipa Multidisciplinar
Equipa MultidisciplinarEquipa Multidisciplinar
Equipa Multidisciplinar
Fábio Simões
 
Reflexologia Podal
Reflexologia PodalReflexologia Podal
Reflexologia Podal
Hugo Pedrosa
 
Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
Marcelo da Rocha Carvalho
 
humanização saúde
humanização saúdehumanização saúde
humanização saúde
Aparecido Oliveira
 

Semelhante a aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf (20)

Gatilhos Mentais - Persuasão Poderosa na Negociação com Pacientes.pdf
Gatilhos Mentais -  Persuasão Poderosa na Negociação com Pacientes.pdfGatilhos Mentais -  Persuasão Poderosa na Negociação com Pacientes.pdf
Gatilhos Mentais - Persuasão Poderosa na Negociação com Pacientes.pdf
 
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
 
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticasJungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
 
Psicoterapia
PsicoterapiaPsicoterapia
Psicoterapia
 
Gerenciando pacientes difíceis - uma visão abrangente sobre as melhores práti...
Gerenciando pacientes difíceis - uma visão abrangente sobre as melhores práti...Gerenciando pacientes difíceis - uma visão abrangente sobre as melhores práti...
Gerenciando pacientes difíceis - uma visão abrangente sobre as melhores práti...
 
Psicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaPsicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nica
 
N38 39a15: Souza; Silva; Boff; Trindade; Oliveira - Características do Trein...
N38 39a15: Souza; Silva; Boff; Trindade; Oliveira - Características do Trein...N38 39a15: Souza; Silva; Boff; Trindade; Oliveira - Características do Trein...
N38 39a15: Souza; Silva; Boff; Trindade; Oliveira - Características do Trein...
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagens
 
14682496751
1468249675114682496751
14682496751
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
 
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevesA entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
 
Mitos sobre a psicoterapia
Mitos sobre a psicoterapiaMitos sobre a psicoterapia
Mitos sobre a psicoterapia
 
Equipa Multidisciplinar
Equipa MultidisciplinarEquipa Multidisciplinar
Equipa Multidisciplinar
 
Reflexologia Podal
Reflexologia PodalReflexologia Podal
Reflexologia Podal
 
Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
 
humanização saúde
humanização saúdehumanização saúde
humanização saúde
 

Mais de LucianoSoares624804

Aula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptxAula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptx
LucianoSoares624804
 
Saúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptxSaúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptx
LucianoSoares624804
 
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptxAula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
LucianoSoares624804
 
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptxAULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
LucianoSoares624804
 
zygmunt-bauman.pptx
zygmunt-bauman.pptxzygmunt-bauman.pptx
zygmunt-bauman.pptx
LucianoSoares624804
 
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.pptSaude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
LucianoSoares624804
 
PPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptxPPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptx
LucianoSoares624804
 
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdfPOLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
LucianoSoares624804
 

Mais de LucianoSoares624804 (8)

Aula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptxAula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptx
 
Saúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptxSaúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptx
 
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptxAula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
 
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptxAULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
 
zygmunt-bauman.pptx
zygmunt-bauman.pptxzygmunt-bauman.pptx
zygmunt-bauman.pptx
 
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.pptSaude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
 
PPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptxPPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptx
 
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdfPOLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
 

aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf

  • 1. Planejamento e Abordagens Terapêuticas em Saúde Mental Prof.ª Dr.ª Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque
  • 2. Aula 5 - Objetivo Descrever algumas abordagens terapêuticas em saúde mental 01. Citar os pilares da ação terapêutica 02.
  • 3. Contato afetivo Naturalmente, o toque físico nem sempre é bem- vindo e nem sempre é apropriado. Entre estranhos, pode ser um ato de violação.
  • 4. Contato afetivo O toque é importante para os humanos quando se trata de comunicar emoções e manter relacionamentos – tanto românticos quanto não.
  • 5. Contato afetivo Por exemplo, um estudo relatou que exames cerebrais revelaram que o toque afetivo ativa o córtex orbito frontal, uma região do cérebro associada à aprendizagem e à tomada de decisões, bem como a comportamentos emocionais e sociais.
  • 6. Situações de conflito familiar ou grupal estão entre as principais demandas do profissional ou do serviço da atenção básica. Para esse tipo de quadro, a mediação de conflito envolve a capacidade de transformar conhecimentos, habilidades e atitudes em resultados práticos. Mediação de conflitos
  • 7. Muitas vezes essas intervenções dependem da adoção de algumas técnicas simples – como o diálogo guiado – e de conhecimentos práticos que facilitem a condução dessas situações, contribuindo de diferentes formas para resolução do problema. Mediação de conflitos
  • 8. É uma interação interpessoal entre o enfermeiro e o cliente, durante a qual o profissional concentra-se nas necessidades específicas do cliente para promover uma troca eficaz de informações. Comunicação terapêutica
  • 9. Comunicação Terapêutica Uso de técnicas de comunição Avaliar a percepção que o usuário tem do seu problema Estabelecimento de vínculo terapêutico Implementar intervenções destinadas a atender às necessidades do cliente
  • 10. Comunicação Terapêutica Uso de mensagens concretas Ouvir ativamente e observar Uso de técnicas da comunicação terapêuticas Privacidade e respeito aos limites
  • 12.
  • 13. A ação terapêutica decorrente de vínculos de cuidado bem-estruturados sustenta-se em quatro pilares que permitem, de forma específica, a ação de diferentes técnicas psicoterápicas. Esses pilares são mecanismos presentes em qualquer relação terapêutica, podendo ser instrumentalizados por todos os profissionais de saúde. Pilares da Ação Terapêutica
  • 14. São eles: o Acolhimento, a Escuta, o Suporte e o Esclarecimento. Pilares da Ação Terapêutica
  • 15. As abordagens da Saúde Mental de aplicação prática na Atenção Básica. Disponível em: https://blog.cenatcursos.com.br/as-abordagens-da-saude-mental-de-aplicacao- pratica-na-atencao-basica/ Contato afetivo. Disponível em: https://blog.cenatcursos.com.br/os-efeitos-terapeuticos-do-contato-afetivo-na- saude-mental-humana/ Videbeck, Sheila L. Enfermagem em saúde mental e psiquiatria. 5. ed. Porto Alegre : Artmed, 2012 REFERÊNCIAS