SlideShare uma empresa Scribd logo
GASTROENTERITE
VERMINÓTICA DOS
RUMINANTES
Prof.: Maria Alice de
Sene Moreira
SINONÍMIA
 Verminose gastro-intestinal
 Helmintose
 Trichostrongilose
CONCEITO
Parasitose causada por
nematódeos e cestódeos
IMPORTÂNCIA
Prejuízos
Redução na
produção de
leite
Redução no
ganho de
peso
Redução
desempenho
reprodutivo Interferem
na resposta
imunológica
Mortalidade
(2 a 10%)
ETIOLOGIA NO ABOMASO
Haemonchus contortus
Haemonchus placei
Ostertagiaspp.
Trichostrongylus axei
ETIOLOGIA NO INTESTINO
DELGADO
Cooperia punctata
C. pectinata
C. spatulata
C. curticei
Bunostomum spp.
Trichostrongylus
colubriformis
Strongyloides
papillosus
Toxocara
vitulorum
Nematodirus spp.
Moniezia
benedeni
M. expansa
ETIOLOGIA NO INTESTINO
GROSSO
Oesophagostomum spp
Trichuris spp.
 Onchocerca gutturosa (N)
ETIOLOGIA NO LIGAMENTO
CERVICAL
Haemonchus contortus
Haemonchus placei
Cooperia punctata
Correspondem
aproximadamente 90% da
carga parasitária dos
bovinos
EPIDEMIOLOGIA
- Cosmopolita
- Depende do clima
SURTOS DE VERMINOSES
Clima
Temperat
ura
5°C: larvas
se
imobiliza
m
22-26°C:
Desenvolvime
nto
> 30°C:
Desenvolvim
ento
acelerado
Umidade
Fator limitante
(100% ideal)
Ovo e L3:
+
resistente
* Maioria das larvas morrem com
30 dias
ANIMAIS SUSCEPTÍVEIS
Bovinos
- Bovinos de leite:
- A partir do 1°mês de vida
- 4-18 meses de idade é mais
acentuada
- Bovinos de corte: -entre a desmama e
aos 2 anos de idade (+ resistentes).
- Animais adultos são mais resistentes
ANIMAIS SUSCEPTÍVEIS
Caprinos e ovinos
- Até 8 semanas de idade: baixas
cargas parasitárias
- Altamente sensíveis:
- Desmama
- Lactação
- Gestação
TRANSMISSÃO
L3 e ovos
podem ficar
viáveis no ½
ambiente
por até 10
m
Prejuízos
45-50/
animal/
ano
Forma de
infecção:
½
ambiente
L3 ou ovo
embrionad
o
contamina
m água
e/ou
pastagemL3 e ovo
são
resistente
s as
condições
do ½
ambiente
Chuvas :
infestação
TRANSMISSÃO
L3 ou ovo
embriona
do nas
fezes
Contamina ½
ambiente
Animal ingere
capim / água
contaminado(
a)
Verme adulto
no animal
TRANSMISSÃO BUNOSTOMUM
Pastagem
contaminada
(L3)
Animal ingere
Parasito
adulto no int
delgado
Fezes
contaminadas
(L3)
Pisa no
bolo fecal
L3 penetra
na pele
Corrente
linfática
Polidermat
ite
TRANSMISSÃO
STRONGYLOIDES
Fêmea
partogêneica
ovipõe
Animal ingere
Parasito
adulto no int
delgado
Fezes
contaminadas
(L3)
Pisa no
bolo fecal
L3 penetra
na pele
Corrente
linfática
Polidermat
ite
Proglótides
nas fezes
Liberação de
ovos
Ácaros
ingerem
ovos
Bovino
ingere
ácaros
Liberação
do cisticerco
no intestino
TRANSMISSÃO MONIEZIA
FATORES QUE INFLUENCIAM
NA EPIDEMIOLOGIA DA
VERMINOSE
- Idade dos animais
- Grau de infecção
- Imunidade
- Reinfecção
- Estado nutricional
- Condições climáticas
- Espécie do parasito
- Manejo
- Topografia
- Hipobiose → larvas em dormência
FATORES QUE INFLUENCIAM
OS EFEITOS DAS
PARASITOSES NOS BOVINOS
- Idade dos hospedeiros
- Taxa de consumo de larvas
infectantes do parasito pelo
hospedeiro
- Localização do parasito no organismo
do hospedeiro
- Estado nutricional
COMO OS PARASITOS
AGRIDEM OS ANIMAIS
- Competição pelo alimento
- Consumo de sangue
- Provocam lesões
- Facilitam infecções secundárias
PATOGENIA
Bovino engole
L3 com a
pastagem
Parasito
adulto e
larvas no TGI
Parasito
adulto fixa na
mucosa
Inflamação e
ulceração da
mucosa
Degeneração de
células secretoras
Células
secretoras
HCL, pepsina
Digestão
↑ pH
↑ Bácterias
X
↓
↓
+ Sangue
Neutraliza pH
↓ absorção
Enterite
↓absorção
P: ossos
frágeis
Enterite
Espessamento
da mucosa
Destruição de
células
absorventes
Atrofia
vilosidades
↓ superfície de
absorção
Piora
conversão
alimentar
↑ peristaltismo
Diarréia
Muco
↓absorção↑
secreção
Parasitos hematófagos ao realizar repasto
sanguíneo provocam lesões
Perda de sangue total
Anemia
Hipoproteinemia
Extravassamento de líquido
Edema submandibular
(papeira)
SINTOMAS
Perda
de
peso
Desidrataç
ão
Anorexi
a
Magrez
a
Anem
ia
Edem
a
Caquex
ia
Morte
Crescime
nto
retardado
Pêlos
arrepiados
e sem
brilho
DIAGNÓSTICO
Basear em
Anamnese Sintomas Laboratorial Necrópsia
Diagnóstico
laboratorial
willis OPG (quantitativo) Coprocultura
CONSIDERAÇÕES SOBRE
OPG
 Não reflete infecção real (reação
hospedeiro e características próprias de
cada espécie)
 Formas imaturas não produzem ovos
(não evidenciáveis por métodos
coprológicos)
 Volume de fezes de animal adulto é ≠
volume fezes animal jovem
 OPG alto: indica número alto de
helmintos
Gastroenterites verminóticas dos ruminantes
GUIA PARA INTERPRETAÇÃO DA
CONTAGEM DE OVOS DE HELMINTOS
Bovinos Infecção Leve Infecção Moderada Infecção Grave
Infecção mista - 200-700 >700
Haemonchus <200 - >500
Ostertagia <150 - >500
T.axei <50 50-300 >300
Trichostrongylus - - >500
Bunostomum 20 20-100 >100
Cooperia <500 500-3000 >3000
Cooperia punctata <50 200 >200
O.radiatum 50-150 150-500 >500
GUIA PARA INTERPRETAÇÃO DA
CONTAGEM DE OVOS DE HELMINTOS
Ovinos Infecção Leve Infecção Moderada Infecção Grave
Infecção mista - 1000 >2000
Haemonchus <100-2500 2500-8000 >8000
Ostertagia 50-200 200-2000 >3000
T.axei - - >300
Trichostrongylus <100-500 500-2000 >2000
Nematodirus 50-100 100-600 >600
Strongyloides - - >10000
O.columbianum <100-1000 1000-2000 >3000
TRATAMENTO
- Anti-helmíntico: atuar na de
desenvolvimento e na fase adulta
- Resistência
 Haemonchus: benzimidazóis e ivermectina
 Cooperia: ivermectina
- Ação prolongada: período residual
- Dose: ↑ intoxicar / ↓ resistência
- Via de aplicação: respeitar → veículo
PRINCIPAIS GRUPOS DE ANTI-
HELMINTICOS USADOS CONTRA OS
NEMATÓIDES
GRUPO QUÍMICO DROGAS
PIPERAZINAS Sais de piperazina, dietilcarbamazina
IMIDAZOTIAZÓIS/
TETRA-HIDROPIRIMIDINAS Tetramisol, levamisol, morantel, pirantel
BENZIMIDAZÓIS/
PRÓ-BENZIMIDAZÓIS Tiabendazol, mebendazol, parbendazol,
fenbendazol, oxfenbendazol,
albendazol, oxibendazol, cambendazol,
flubendazol, febantel, tiofanato,
netobimina
AVERMECTINAS/
MILBEMICINAS
Ivermectin, Abamectin, Doramectin,
Moxidectin
DOSAGEM E ATIVIDADE ANTIHELMINTICA DOS
PRODUTOS UTILIZADOS CONTRA
NEMATÓIDES DO SRUMINANTES
PRODUTO DOSE (mg/kg) ADULTO LARVAS OVO VIA
Tiabendazol 44 –66 oral + + -
Fenbendazol 5 –7,5 oral + + +
Albendazol 5 –7,5 oral + + +
Levamisol 7,5 SC + + -
Morantel 10 oral + + -
Ivermectina 200 μg/kg Oral/SC + + -
Abamectina 200 μg/kg SC + + -
Moxidectina 1 SC + + -
Moxidectina 0,2 oral + + -
Doramectina 200 μg/kg IM/SC + + -
CONTROLE
Integrado
Medidas
gerais
Larvas Parasitária
MEDIDAS GERAIS DE
CONTROLE
Alimentação
adequada
Suplementação
mineral na
seca
Água de
qualidade
Higiene
Controle
sanitário
CONTROLE DAS LARVAS
Rotação de
pastagens
Localização dos
piquetes
Manejo do
esterco
Separação por
faixa etária
Superpopulação
Gastroenterites verminóticas dos ruminantes
CONTROLE DOS PARASITAS
Utilização de produtos químicos
Espectro
de ação
Dose Resistência Época Frequência
CONTROLE
Bovinos de
corte
Bezerros 1-12
m
3m (desmama)
9m
12m
Novilhos 1 a
2,5 anos
Maio/ jul/set
Adultos
Anual (jul ou
ago)
CONTROLE
Bovinos de leite
Bezerros 1-12
m
30 / 60/ 90 / 180 dias
9 e 12 meses
Novilhos 1 a
2,5 anos
Maio/ jul/set
Adultos
Anual (maio e
set)
CONTROLE
Caprinos
Cria
Nascimento
à desmana
Recria
Desmama ao
início da
reprodução
Matrizes Reprodutoras Adultos
30 / 60 /
90
dias
A cada 60
dias
Antes da
cobertura
1 Semana
após parto
4 em 4
meses
Maio / jul
/ set/ jan
CONTROLE
Ovinos
Cria
Nascimento à
desmana
Recria
Desmama ao
início da
reprodução
Carneiros e
ovelhos
Cordeiros e
ovelhas
Adultos
30 / 60 /
90
dias
A cada 60
dias
Antes da
estação
reprodutiva
No
desmame
Maio / jul
/ set/ jan
CONTROLE ESTRÁTEGICO
1. Inicio das águas
2. Meio das secas
3. Inicio da seca
1. Risco de surtos
2. Monitorar com OPG
3. Cultura de larvas
CONTROLE TÁTICO
BRONCOPNEUMONIA
VERMINÓTICA
SINONÍMIA
Dictiocaulose
Vermiose pulmonar
Metastrongilose
Aerulostrongilose
CONCEITO
Verminose pulmonar causada por um
nematódio que acomete animais jovens
(+ frequente) e animais adultos
ETIOLOGIA
 Dictyocaulus
viviparus (bovinos)
 Dictyocaulus filaria
(ovinos e caprinos)
 Dictyocaulus
armfield (equídeos)
EPIDEMIOLOGIA
 Cosmopolita
 Condições climáticas:
Chuvas: + larvas no ambiente
Seca: + parasitos no animal → alimentação
inadequada
 Manejo: não deixar bezerros nas partes mais
baixas do curral (local pra onde escorre o
esterco)
ANIMAIS SUSCEPTÍVEIS
 Jovens ( mais importante) e adultos
 Espécie especifíca
 + frequente é a Dictyocaulose
TRANSMISSÃO
Animal
infectad
o
L1 sai nas
fezes
L3 forma
infectante
L3 é
ingerida
Corrente
linfática
Coração
Pulmão
Ovos na
traquéia
Ovos são
deglutido
Ovos
TGI
IMUNIDADE
Celular
Uma das 1ªs barreiras
Desenvolve quando o
animal entra em contato
com a verminose
A 1ª barreira são os
linfonodos mesentéricos
Humoral
Realizada pelos anticorpos
Reduz nº de parasitos instalados
Infecção e sintomas + brandos
PATOGENIA
Tipos de ações do parasito no
hospedeiro:
1. Traumática: ao chegar no pulmão e
romper capilares
2. Irritativa
3. Mecânica
 penetração e migração larval: 1-7 dias →
normalmente é uma fase sem sinais clínicos e
passa despercebida / se o grau da infecção for
alto pode provocar a morte
PPP: 7-25 dias → dificuldade respiratória,
bronquiolite com presença de exsudato
eosinofílico, bloqueio dos bronquíolos e
pequenos brônquios → dificuldade de
passagem de ar → atelectasia → enfisema →
edema pulmonar
Período patente (período do parasito adulto):
25-55 dias
 25% dos animais que tiveram a infecção
alta → sequela (tosse crônica e dispneia
– devido a epitelização alveolar)
 Na prática pode ocorrer recidivas →
infecção ocorrendo dia a dia
 Hipertermia → normalmente ocorre
quando tem infecção secundária
 É comum infecção secundária associada
SINTOMAS
Tosse
Taquipnéia
Dispnéia
Secreção nasal
Anorexia
Perda de peso
Edema
Enfisema pulmonar
DIAGNÓSTICO
1- Anamnese e sintomas clínicos
 Morbidade alta
 Ao movimentar os animais eles começam a
tossir
2- Exame parasitológico
TRATAMENTO
Bovinos / ovinos / equídeos
- Albendazol: 5-10 mg/Kg VO
- Febendazol: 7,5 mg/Kg VO
- Levamisol: 7,5 mg/Kg VO
- Avermectinas: 200 µg/Kg VO/SC
TRATAMENTO SINTOMÁTICO
 Para animal com respiração ofegante
utilizar um anti-histamínico.
 Fenergan 5mg/10Kg
CONTROLE
Medidas gerais de manejo
Medicação preventiva
Igual a gastroenterite verminótica de
ruminantes
EXERCÍCIO
Um veterinário foi chamado em uma propriedade rural no mês
de janeiro. A propriedade possui a criação de bovinos de leite.
No rebanho havia 32 bezerros de 0-12 meses e destes 11
morreram. As vacas são ordenhadas duas vezes ao dia e os
bezerros mantidos no curral durante o dia e no pasto junto com
as suas mães durante a noite.
Os bezerros não ganham peso, ficam miúdos para a idade, pêlos
arrepiados, alguns não comem bem e começam a emagrecer,
vão ficando fracos, alguns apresentam diarreia e melhoram,
outros chegam a morrem.
Qual o diagnóstico clínico?
Qual o diagnóstico laboratorial poderá ser feito para confirmar
a suspeita clínica?
Qual o tratamento?
ESPIROCERCOSE
ESPIROCERCOSE
Parasitose da parede do esôfago,
estômago e mais raro da aorta.
ETILOGIA
Spirocerca lupi
(nematóide)
EPIDEMIOLOGIA
 Cosmopolita
 No Brasil relativamente frequente
 Sua ocorrência depende de hospedeiro
intermediário
TRANSMISSÃO
Ovo larvado
nas fezes
do cão
Besouro
ingere a
larva
Cão ingere
besouro
Spirocerca
na parede
do esôfago
Gastroenterites verminóticas dos ruminantes
PATOGENIA
 Lesões no esôfago (principalmente torácico)
 Nódulos firmes e fibrosos e de vários cm
 Obstrução da luz do esôfago → dificuldade de
ingestão de alimentos → regurgitação
 Compressão da traqueia → tosse crônica
Gastroenterites verminóticas dos ruminantes
 No estômago: lesões similares a do
esôfago
Gastrite crônica com vômitos frequentes
/ Debilidade / Deficiência nutricional
 Na aorta: aneurisma verminótico →
ruptura → morte súbita
DIAGNÓSTICO
 Clínico: histórico e exame clínico
Laboratorial: exame de fezes (pesquisar
ovos larvados) e exame de imagem
TRATAMENTO
 Disofenol 1mL/Kg SC – 2 doses de 10
em 10 dias
 Disonol 50 (Ancylex®)– 1 comprimido p
cada 5 Kg via oral
CONTROLE
 Controlar hábitos alimentares
 Medicação preventiva 1 x /ano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Febre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaFebre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rocha
JARDSON ROCHA
 
Caderno farmacologia-terapeutica
Caderno farmacologia-terapeuticaCaderno farmacologia-terapeutica
Caderno farmacologia-terapeutica
Instituto Qualittas de Pós Graduação
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
HIAGO SANTOS
 
Diarreia Viral Bovina
Diarreia Viral BovinaDiarreia Viral Bovina
Diarreia Viral Bovina
UFPEL
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
Marília Gomes
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Verminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e OvinosVerminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e Ovinos
Natália Borges
 
Anatomia das aves
Anatomia das avesAnatomia das aves
Anatomia das aves
Marília Gomes
 
Aula 07 08 09 2009 2
Aula 07 08 09 2009 2Aula 07 08 09 2009 2
Aula 07 08 09 2009 2
UFPEL
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Nematelmintos equinos 2021
Nematelmintos equinos 2021Nematelmintos equinos 2021
Nematelmintos equinos 2021
elayne cristina julio de lima
 
Àcaros e Carrapatos
Àcaros e CarrapatosÀcaros e Carrapatos
Àcaros e Carrapatos
Mayanne Leitte
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose
iaavila
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
Marília Gomes
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
Killer Max
 
Prg aula 2 pragas de pastagens
 Prg aula 2 pragas de pastagens Prg aula 2 pragas de pastagens
Prg aula 2 pragas de pastagens
Carol Castro
 
Febre aftosa
Febre aftosaFebre aftosa
Febre aftosa
Maria Alice Sene
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Bete Tatui
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
jessica zambonato
 
Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
Aula 15   ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1Aula 15   ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
Lucas Almeida Sá
 

Mais procurados (20)

Febre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaFebre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rocha
 
Caderno farmacologia-terapeutica
Caderno farmacologia-terapeuticaCaderno farmacologia-terapeutica
Caderno farmacologia-terapeutica
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Diarreia Viral Bovina
Diarreia Viral BovinaDiarreia Viral Bovina
Diarreia Viral Bovina
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Verminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e OvinosVerminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e Ovinos
 
Anatomia das aves
Anatomia das avesAnatomia das aves
Anatomia das aves
 
Aula 07 08 09 2009 2
Aula 07 08 09 2009 2Aula 07 08 09 2009 2
Aula 07 08 09 2009 2
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Nematelmintos equinos 2021
Nematelmintos equinos 2021Nematelmintos equinos 2021
Nematelmintos equinos 2021
 
Àcaros e Carrapatos
Àcaros e CarrapatosÀcaros e Carrapatos
Àcaros e Carrapatos
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
 
Prg aula 2 pragas de pastagens
 Prg aula 2 pragas de pastagens Prg aula 2 pragas de pastagens
Prg aula 2 pragas de pastagens
 
Febre aftosa
Febre aftosaFebre aftosa
Febre aftosa
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
 
Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
Aula 15   ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1Aula 15   ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
 

Semelhante a Gastroenterites verminóticas dos ruminantes

Tabela antimicrobianos de uso veterinario.pdf
Tabela antimicrobianos de uso veterinario.pdfTabela antimicrobianos de uso veterinario.pdf
Tabela antimicrobianos de uso veterinario.pdf
MikaLima4
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Nematelmintos ruminantes 2021
Nematelmintos ruminantes 2021Nematelmintos ruminantes 2021
Nematelmintos ruminantes 2021
elayne cristina julio de lima
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
Núbia Fernanda
 
Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucograma
ReginaReiniger
 
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃESMEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MillaArajo5
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
Raimundo Tostes
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
ITPAC PORTO
 
ISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTOISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTO
ITPAC PORTO
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
Thiara Cerqueira
 
Parasitoses maila
Parasitoses mailaParasitoses maila
Parasitoses maila
Maila Murad Balduino
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
Fatima Comiotto
 
RESUMO Fisiopatologia.doc
RESUMO Fisiopatologia.docRESUMO Fisiopatologia.doc
RESUMO Fisiopatologia.doc
LviaCarlaBarbedo
 
slides Larva migrans
slides Larva migransslides Larva migrans
slides Larva migrans
NETTO Santtos
 
Caso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceralCaso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceral
Professor Robson
 
Rinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos SuínosRinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos Suínos
Vitória Gusmão
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
Marília Gomes
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
Raimundo Tostes
 
Aula amebas final medicina 2007si
Aula amebas final medicina 2007siAula amebas final medicina 2007si
Aula amebas final medicina 2007si
Sayeny Ávila
 

Semelhante a Gastroenterites verminóticas dos ruminantes (20)

Tabela antimicrobianos de uso veterinario.pdf
Tabela antimicrobianos de uso veterinario.pdfTabela antimicrobianos de uso veterinario.pdf
Tabela antimicrobianos de uso veterinario.pdf
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Espiroq
 
Nematelmintos ruminantes 2021
Nematelmintos ruminantes 2021Nematelmintos ruminantes 2021
Nematelmintos ruminantes 2021
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
 
Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucograma
 
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃESMEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
 
ISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTOISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTO
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
 
Parasitoses maila
Parasitoses mailaParasitoses maila
Parasitoses maila
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
 
RESUMO Fisiopatologia.doc
RESUMO Fisiopatologia.docRESUMO Fisiopatologia.doc
RESUMO Fisiopatologia.doc
 
slides Larva migrans
slides Larva migransslides Larva migrans
slides Larva migrans
 
Caso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceralCaso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceral
 
Rinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos SuínosRinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos Suínos
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
 
Aula amebas final medicina 2007si
Aula amebas final medicina 2007siAula amebas final medicina 2007si
Aula amebas final medicina 2007si
 

Gastroenterites verminóticas dos ruminantes