SlideShare uma empresa Scribd logo
Ambulatório de laser e Fotomedicina
da Academia Brasileira de Laser













Medico Chefe do Ambulatório de laser e fotomedicina da Academia Brasileira do
Laser - ABL
Professor livre docente da Universidade federal do Rio grande do Sul /UFRGS
Instituto de Biociencias -Biomedicina
Professor coordenador do Grupo de Estudos do Laser GEL –São Paulo /Sp
Professor livre docente do Curso de Pos graduação em Dermatologia do Instituto
de Dermatologia,CEMEPE –Belo Horizonte/MG
Professor adjunto do Curso de Pos graduação em Medicina Estetica ASIME /Rj
Professor assistente do Curso de especialização em Cirurgia Plastica Estetica da
SBCMPE/SP
Membro titular da Academia Brasileira de Laser – ABL
Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia
Membro da Sociedade Italiana de Dermatologia e Estetica
Membro da Associacao Brasileira de Medicina Estetica
Membro aspirante da Sociedade Brasileira de Dermatologia
Dr Jauru Nunes de Freitas
Coordenador do Ambulatorio de Laser e
fotomedicina da ABL


4000 a.C. Egito Antigo – Vitiligo



Século XIX – Tuberculose Cutânea
Finsen – fototerapia -



Década de 1960 – NdYag, CO2, Rubi, Argônio



1983 – uso específico em medicina






Niels Ryberg
Finsen (Tórshavn, 15 de
Dezembro de 1860 —
Copenhague, 24 de
Setembro de 1904) foi
um médico dinamarquês.
Foi agraciado com o Nobel de
Fisiologia ou
Medicina de 1903, pelo
tratamento de doenças
da pele com base na aplicação
de luz.
Desde os primórdios ate’ a nova
transformação tecnológica presenciada ainda
no século XX,o fenômeno da luz tem
intrigado o ser humano:
Afinal a luz e onda ou partícula ?

Teoria corpuscular da
Luz
Defensor famoso desta
teoria Issac Newton
afirmava que a luz
era formada por um
feixe de particulas
deslocando-se me
linha reta,originaria
de uma um fonte
emissora.

Modelo Quantico da luz
1900 – Max Planck postula a
hipotese revolucionaria
segundo a radiacao emitida
por um corpo aquecido e’
formada por ―pacotes de
energia‖
E= h.f



Albert Eistein ,em
1905 publicou no
anuario alemao o
famoso postulado
sobre o efeito
fotoeletrico que
conferiu o premio
Nobel em 1921 .
Dr. Leon Goldman, a dermatologist
and surgeon who pioneered laser
medicine and was the founding
president of the American Society
of Laser Medicine, has died. He
was 91.
 Goldman, who most recently
practiced at the San Diego Naval
Medical Center, died Tuesday of
heart failure at a retirement
home in Pacific Beach, Calif.
 06/12/1997

Dr Jauru Nunes de Freitas
Coordenador do Ambulatorio de Laser e
fotomedicina da ABL


Velocidade (c)

C=ʎ.F
Logo

F = C /ʎ
Propagacao da luz

Exemplo otico
Luz ultravioleta: 200 a 400 nm
UVC 200-290 nm
UVB 290 a 320 nm
UVA 320 a 400 nm
Luz visível: 400-760 nm
Infravermelha curta (near infrared): 760 a 1.400 nm
Infravermelha média (mid infrared): 1.400a 3.000 nm
Infravermelha longa (far infrared): 3.000 nm em diante.
Laser: a palavra laser, na verdade, é uma abreviação da
frase:
Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation
L ight
A mplification
S timulated
E mission
R adiation
 POLICROMÁTICO
 INCOERENTE
 Comprimento

1200nm

de onda entre 400nm e
LAP-Laser Alta potencia
Laser cirúrgico
Ablativo


LBP-Laser Baixa Potencia
Laser terapêutico
Não Ablativo







Fibra optica
Ponteiras ou
canetas
Scanner
Braco articulado




Focada
Pre focada
Desfocada



Contato
Não contato

 Modo

operação :
1. Cw – continuos
wave
Emissão continua
,podendo haver
,pulsos
simples,repeticao
,superpulso ou
ultrapulsado
1. Q –Switch -








Ao incidir sobre um tecido qualquer ,a luz do
laser pode sofrer absorção ,reflexão,difusao e
transmissão.
A resposta biológica tecidual dependera das
propriedades óticas do tecido e de cada laser.
Por exemplo, quase todo tecido corporal
e’constituido de 70% a 90% de água.
O Laser de dióxido de carbono permite um
desempenho eficiente a penetração e’em torno
de 0,2mm o que permite ser um instrumento
preciso nas aplicações cirúrgicas .


Tecidos biológicos são meios ópticos
complexos ,e a propagação da luz no tecido
alvo depende tanto da inomogeneidade das
estruturas histobiologicas quanto das
propriedades ópticas do meio.


Coeficiente de absorcao (µ)










Comprimendo de onda
Densidade de potencia
(DP)
Densidade de energia
(DE)
Emissao (CW ou Q)
Duracao e intervalo de
pulsos
Modo contato/nao

Fatores relativos ao laser

Coeficiente de absorção
(alfa)
 Coeficiente de
espalhamento (beta)
 Índice de refração do
tecido
 Propriedade biologicas
(tipos de
células,perfusao
sanguinea )


Fatores relativos ao
tecido
Variaveis fisicas










Comprimento de onda( nm)
Densidade de potencia
(irradiancia ) (W/cm)
Densidade de energia (fluência ou
dose ) (j/cm)
Energia por ponto de aplicação
(joules)
Energia total sobre a area tratada
.
Potencia
Coerência
Tipo de emissao
Energia total aplicada em uma
sessao dividida pela area tratada
em cm ² (spatial average energy
fluence SAEF )

Tipo de doença a ser
tratada.
 Numeros de pontos
irradiados
 frequencia de
aplicacoes
 Doencas
concomitantes.
 Fototipo da pele.
 Modo de entrega
 …


Variaveis clinicas


Potencia : P = Watts (W)



Energia : E = P x T ( J)



Densidade de Potencia (DP) : DP= P/A (w/cm²)





Densidade de Energia (DE) :
DE = P x T / A (J/cm²)
SAEF = Energia x N ponto tratados ( J/cm²)
Area
Dr Jauru Nunes de Freitas
Coordenador do Ambulatorio de Laser e
Fotomedicina da ABL




Na década de 1980, a cirurgia cutânea com
laser foi revolucionada com a introdução da
teoria da fototermólise seletiva, proposta
por R. Rox Anderson e John Parrish.
Essa teoria propõe a destruição específica
de um cromóforo (pigmento alvo) por um
comprimento de onda de luz
específico, com mínimo efeito térmico à
distância.
A ação de um laser depende da sua interação com o
tecido. Por definição, um laser emite luz
monocromática, ou seja, de um comprimento de
onda único ou de pequena variação, determinada
pelo meio sólido, líquido ou gasoso.
 A coerência da luz, segunda propriedade, determina
que os fótons viajem em sintonia no tempo e no
espaço. Outra característica é a colimação, ou
seja, a luz é estreita, de feixe intenso e
paralelo, que se propaga por grandes
distâncias, sem divergência.
 Portanto, um laser necessita ser:
monocromático, coerente, colimado e de alta
energia.



Quando um laser é disparado no tecido, ele
é absorvido por cromóforos. Os principais
são a hemoglobina, melanina, água e tinta
exógena de tatuagens.
Três efeitos podem ocorrer:
fototérmico, quando o alvo é destruído
resultando em formação de calor local;
fotoquímico, quando ocorre interação com
agentes fotossensibilizantes, reação
observada na terapia fotodinâmica;
fotomecânico, quando ondas acústicas se
formam levando a uma rápida expansão do
tecido e sua explosão.

A

ação de um laser depende da sua
interação com o tecido.
 Por definição, um laser emite luz A
penetração da luz de laser depende de sua
absorção e dispersão.
 Em geral, quanto maior o comprimento de
onda da luz visível, maior sua penetração no
tecido. Comprimentos de onda na metade
final de infravermelho têm sua penetração
diminuída, pois são muito absorvidos pela
água do tecido.


Para uma correta aplicação da teoria da
fototermólise seletiva - destruição do alvo
específico sem dano térmico ao redor - um
novo conceito deve ser respeitado: o tempo de

relaxamento térmico.


Este é definido como o tempo necessário para
que o alvo perca 50% do calor recebido
imediatamente após a irradiação, ele permite
uma alta eficácia na área tratada como pouca
dissipação de calor ao redor, minimizando os
efeitos deletérios de cicatrizes inestéticas.
Dr Jauru nunes de Freitas
Coordenador do Ambulatorio de Laser e
fotomedicina da ABL




Para o resurfacing de pele a laser (LSR) ser
eficaz, a destruição térmica seletiva baseada
nos princípios da foto-termólise seletiva é
exigida.
A fim de controlar a profundidade do dano
térmico que ocorre no tecido, a duração de
pulso apropriada deveria ser menor do que 1
ms, e para alcançar vaporização do
tecido, energia suficiente deve ser distribuída
dentro desse tempo.


O alvo no sistema
de laser fracionado
são partes da pele e
não toda extensão
!


O alvo na
fotodepilacao esta
no pigmento
folicular .
Dr Jauru Nunes Freitas
Coordenador do Ambulatorio de Laser e
fotomedicina da ABL







Normas e segurança do laser
As recomendações são baseadas no conteúdo
dos padrões revisados Z-136.1 do American
National Standards International (ANSI).
Existe também a Federal Laser product
performance standard (FLPPS) que
regulamenta os fabricantes de Laser
Esse padrão tem sido adotado por industrias
,pela medicina como as exigências para os
usuários.Existem,também as normas técnicas
brasileiras ,regulamentadas pela ANVISA .




Perigos associados
aos laser
Segurança elétrica
Perigos oculares









Principais
ocorrências :
Lesão de córnea
Queimaduras
Opacidade de
cristalino
Cegueira
Queimaduras
térmicas
Alterações de
pigmentação
•Classe 1 - A radiação é inofensiva; o MPE não pode ser excedido em
quaisquer condições.
•Classe 2 - A radiação não é intrinsecamente inofensiva; no entanto, as
respostas de reflexo protegem normalmente o olho.
•Classe 3A - Para vista desarmada, a resposta de reflexo protege o
olho; no entanto, para observação directa do feixe lasers recorrendo a
instrumentos ópticos, a radiação pode ser perigosa.
•Classe 3B - A observação directa é sempre perigosa; a observação de
reflexões difusas pode ser inofensiva, em determinadas circunstâncias.
•Classe 4 - A radiação laser é perigosa; a observação de reflexões
difusas também é perigosa.
 Precauções :







Usa placas de advertência
Utilizar proteção ocular apropriada para toda
equipe.
Haver na sala o mínimo de pessoas durante o
manuseio.
Manter as luzes acesas.
Remover elementos que podem permitir a
reflexão
Manter a ponteira abaixo da face.
 Precauções :






Não usar substancias inflamáveis durante o
procedimento.
Proteger os olhos do paciente com solução
fisiológica com gaze umidificada ao utilizar
laser co2.
Identificar os óculos corretos .
Realizar treinamento incluindo a
familiarização com os procedimentos
operacionais do sistema.
 Precauções :








Institui supervisão medica e enfermagem
especializada ,quando for necessário.
Incluir treinamento dos operadores e técnicos de
Laser com habilitação e capacitações especificas.
Janelas devem conter barreiras para reduzir a
transparências.
Apenas 1 funcionário deve ter a permissão de
montar ,utilizar e interromper a utilização dos
equipamentos .
Riscos associados a operação do
laser :






Contaminação atmosférica (vaporizações HPV )
Risco de radiação colateral resultantes da UV e
Infravermelha
Risco elétricos ,como laser classe 4 que faz uso
de altas tensões
Refrigerantes criogênicos podem provocar
queimaduras
Risco de emissão de gases ,combustão ,explosão
.
Dr. Jauru Nunes de Freitas
Coordenador do Ambulatório de Laser e
Fotomedicina da ABL
Somente podemos dar prosseguimento a
tratamentos de cunho estético após a devida
verificação e exclusão (ou tratamento )das
condições clinicas atuais do paciente.
Portanto somente podemos tratar a pele do
paciente quando a mesma estiver
clinicamente saudável e sem sinais de
patologias inerentes a idade ou condição do
mesmo !
Dr. Jauru Freitas


Rejuvenescimento ,em verdade,denominamos
o tratamento dos sinais típicos do
envelhecimento cutâneo !




A pele fotoenvelhecida tem como
características a perda da
elasticidade, manchas escuras ou
claras, rugas finas e profundas e a alteração
da superfície da pele, que pode se apresentar
mais áspera, ressecada e descamativa.
Além disso surgem as ceratoses
solares, lesões que atingem a camada mais
superficial da pele formando "crostas" e
que, eventualmente, podem transformar-se
em um câncer da pele.
Tipo e Alteração

Envelhecimento Fisiológico

Envelhecimento Actínico ou
Fotoenvelhecimento

Epiderme

Renovação e proteção menores.
Diminui coesão entre as células
superficiais (desidratação).
Diminui número de melanócitos e
células de langerhans (alteração
imunidade cutânea).
Hipertrofia de glândulas sebáceas,
porém com menos produção de
sebo que torna a pele ressecada e
com poros dilatados.

Fica mais espessaÀs vezes
aparecem lesões pré-cancerosas.
Anomalias na distribuição de
melanina (discromias)

Derme

AtrofiaRedução do número de
fibloblastos e sua capacidade de
sínteseAlteração da estrutura do
colágeno.
Diminuição das
glicosaminoglicanas.
Fibras elásticas diminuídas e
modificadas (fragmentação).
Rarefação dos vasos sanguíneos.
Diminuição da comunicação celular
o que reduz processo de reparação

Fibras elásticas se tornam mais
espessas, numerosas e
anormais (elastose solar).
Fibras de colágeno delgadas,
fragmentadas e alteradas.
Taxa de glicosaminoglicanas está
alterada.
Diminui a síntese e colágeno.
Aumenta a degradação do
colágeno.
Aumento da produção de
metaloproteinas (colagenase,
gelatinase e estromelisina)

Junção dermoepidermica

Ela se achata devido à diminuição
de fibras que fixam a lâmina basal.
Redução da adesividade entre
derme e epiderme diminuindo as
trocas e a nutrição.
Alargamento das malhas de Rmd
(rede microdepressionária de
superfície ou microrelevo cutâneo)










Manchas ou lesões pigmentares
Distrofia da derme e epiderme (linhas,sulcos
,rugas )
Hiperlassidao tegumentar
Lesões vasculares e telangectasias
Nutrição tecidual
Pelos ,lesões verrucosas ,nevus
Lesões pré malignas ou malignas










use diariamente protetores solares, com FPS 15 ou maior, nas áreas de pele
continuamente expostas ao sol e que mais envelhecem, como a
face, pescoço, colo, braços e mãos.
para o dia a dia, dê preferência aos filtros solares "oil free" que são mais
agradáveis de se usar pois não deixam a pele gordurosa.
use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou
superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de
se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar ou transpiração
excessiva.
a duração da ação de um filtro solar é de cerca de 2 horas. Após este período
deve ser reaplicado.
use chapéu e guarda-sol quando for à praia. Ainda assim, use o filtro solar
pois parte da radiação ultra-violeta reflete-se na areia atingindo a sua pele.
evite o sol no período entre 10 e 15 horas.
Grau

Rugas

I

Rugas imperceptíveis Fotoenvelhecimento
leve
Rugas superficiais
leves e
imperceptíveis
Alterações
pigmentares leves
Rugas dinâmicas
Fotoenvelhecimento
leve a moderado
Lesões senis leves
Rugas dinâmicas ao
sorrir
Redundância da pele
palpebral

Sem alterações

30 anos

Flacidez e ptose das
regiões
nasogenianas e
região lateral à
comissura labial

40 anos

III

Rugas dinâmicas
estáticas leves

Flacidez e ptose das
regiões
nasogenianas e
região lateral à
comissura labial
Proeminência do
sulco nasogeniano
Discreta flacidez da
região
submentoniana

50 anos

IV

Rugas dinâmicas
Fotoenvelhecimento Flacidez e ptose da 50 ou mais
estáticas moderadas acentuado
região
DiscromiasLesões
submentoniana,
senis acentuadas
nasogeniana e região
Rugas em repouso e lateral à comissura
em movimentos
labial
Ptose da ponta nasal
moderados em
especial na região
cervical
Acima de 60 anos
Rugas dinâmicas
Fotoenvelhecimento Flacidez e ptose de
estáticas severas
severo
grau IV e da região
Pele de cor amarela cervical acentuada
pálida e espessa
Lesões senis severas
Rugas em repouso e
em movimentos
severas

II

V

Alterações
Cutâneas

Fotoenvelhecimento
moderado
Lesões senis
moderadas
Rugas em repouso e
em movimentos
leves principalmente
as glabelares e
frontais
Excesso de pele
palpebral mais
acentuada

Alterações
Musculares

Idade aproximada
Para aquelas pessoas que já sofreram a ação do sol e apresentam
os sinais do envelhecimento cutâneo, além da proteção solar, o uso
de algumas substâncias na forma de cremes, loções ou
géis, podem a médio ou longo prazo reverter alguns dos efeitos do
fotoenvelhecimento. Produtos contendo ácido
retinóico, adapaleno, ácido glicólico ou outros alfahidroxiácidos são
utilizados para melhorar o aspecto da pele
envelhecida, aumentando sua hidratação, corrigindo alterações de
superfície, atenuando as manchas e melhorando a sua
elasticidade.




Radiofrequencia
Luz intensa Pulsada
Laser de Baixa Intensidade
Geração de ondas eletromagnéticas de 300
kHz a 10 GHz
Profundidade de penetração inversamente
proporcional a frequência
•

Baseado no princípio de corrente iônica
 • Uso de eletrodos metálicos
 • Criação de campo magnético variável
 Variação de 475 kHz
 Aquecimento como Joule effect (J = R x I 2x t)
 O aquecimento é tão grande quanto a
impedância
 músculos e gordura.
 Baseia-se

no princípio de polarização
 molecular.
 A variação do campo elétrico magnético é
 de 450 kHz .
 Usa um eletrodo isolado ativo.
 A orietação molecular é de acordo com o
 campo gerado entre as duas placas,
 porém sem movimento de carga elétrica.
 O aquecimento é induzido pelo atrito
 molecular durante a aplicação da
 polarização alternada.
Sistema de propagação
Resistiva




Aplicador :
Estatica
Dinamica

Capacitiva
Elettrodo
Monopolar

Placca
FASES DE APLICAÇÃO DA RADIOFREQUÊNCIA
Placca
Elettrodo Monopolar
Fase 1: Aplicação de eletrodos Freq >100KHz
Fase 2: Ativação de movimento
molecular
Fase 3: Atrito e colisão
molecular
Fase 4: Aumento da temperatura de 40~42°C a
3~5 cm de profundidade
Aumento da temperatura local até 40~42℃

Vasodilatação

Aumento do fluxo sanguíneo.
Aumento
da Oxigenação

Queima
de gordura

Aumento
Nutriicional

Reposição
de colágeno

Estímulo
do sistema imune

Tratamento
da obesidade

Aumento
do Metabolismo

Drenagem
linfática

Eliminação
de material de
descarte









Redução de gordura.
Estrias
Redução de celulite.
Cicatriz de acne
Tratamento de irregularidades
Rejuvenescimento facial ,ritides pescoco.
Efeito de Lifting corporal


Promove um termo-rejuvenescimento dinâmico reduzindo os
problemas consequêntes do envelhecimento cutâneo.



Opera também nas camadas profundas que não são tratáveis
com transferência extena de energia para a pele danificada



Efetividade na redução de celulite.



Precisão.



Não invasivo.



Não há riscos de infecção.



Plenamente tolerável.



Adequado para tratamento localizado e corporal
Figura - Penetração da ponteira bipolar - causa calor mais na
superfície da pele. Usado em áreas de pouco tecido celular subcutâneo.
Dr. Jauru Nunes de Freitas
Professor do Nucleo Avançado de Pós Graduação em Ciencias da Saude UNIG/Rj
Coordenador do Ambulatório de Laserterapia e Fotomedicina –UNIG/ASIME Rio de
Janeiro/RJ
Professor de Laserterapia e Fotomedicina Curso de Pós graduação em Medicina e
Cirurgia Plástica Estética- Universidade de Araras /SP
Mestre Terapia Fotodinâmica Fundazione FatebeneFratelli Milano/Italia
Consulente medico in Terapia Fotodinâmica do Studio Medico Michelangelo Merrino –
Verona /Italia
Medico Sênior Dermatologia do Instituto Integraal Brasil Day Clinic & Spa
Natal/Rn
Verona/Italia
Rio janeiro/Rj
Alphaville /Sp


1961- Nd:YAG



1965 - CO²

 1990

- IPL




Não são fontes de
Luz Laser.
Utiliza uma luz
intensa de
flashlamp, controla
da por computador
Componentes





MONOCROMÁTICA
COERENTE
COLIMADO
Único comprimento
de onda por LASER





POLICROMÁTICO
INCOERENTE
Comprimento de
onda entre 400nm
e 1200nm
Espectro:
 430 – 1200
para tratamento de acne
 560 – 1200
rejuvenescimento da
pele
 640 – 1200
remoção de pelos
 580 – 1200
veias vermelhas
 485 – 1200
gestation vein



Fototipo I - V
As principais regiões tratadas com a LIP:
rosto, pescoço, colo e dorso das
mãos,regiões corporais de epilação.










Filtros
Luvas de proteção
Oculos de proteção individual operador
Oculos de proteção individual assistente
Oculos de proteçao individual paciente
Gel transdutor (gelado)
Anestesico tópico
Filtro solar FPS 30
Principais indicações


Estrias-coadjuvante



TFD



Olheiras



Lesões pré malignas



Acne / Rosácea



Psoríase



Poiquilodermia



Hipopigmentação


Epilação



Lesões vasculares –telangectasias



Remoção de lesões pigmentadas benignas



Rejuvenescimento Cutâneo Não Ablativo
Dr. Jauru Nunes de Freitas
Professor do Centro de Estudos de Pós Graduação em Medicina Estética do Rio de
JaneiroCoordenador do Ambulatório de Laserterapia - Rio de Janeiro/RJ
Professor do Curso de Pós graduação em Medicina e Cirurgia Plástica EstéticaUniversidade de Araras /SPMedico Máster do departamento de Dermatologia do Instituto Integraal Brasil Day
Clinic & Spa –
Natal /Rn
verona/Italia
Copacabana/Rj
Alphaville /Sp
Consulente medico in terapia Fotodinâmica do Studio Medico Michelangelo Merrino
– Verona /Italia
Tradução :
Laserterapia de Baixa Intensidade.

Descritor Inglês: Laser Therapy, Low-Level Descritor Espanhol: Terapia
por Láser de Baja Intensidad Descritor Português: Terapia a Laser de
Baixa Intensidade Sinônimos Português: Irradiação a Laser de Baixa
Intensidade
Terapia a Laser de Baixa Potência
Bioestimulação a Laser
Irradiação a Laser de Baixa Potência
LLLT


Definição Português: Tratamento que usa irradiação com LASER de
luz de baixa intensidade de forma que os efeitos não são devido ao
aquecimento, como na TERAPIA A LASER. Acredita-se que estes
efeitos não térmicos seja mediado por uma reação fotoquímica que
altera a PERMEABILIDADE DA MEMBRANA CELULAR levando ao
aumento da síntese de RNAm e da PROLIFERAÇÃO CELULAR. A
terapia a laser de baixa intensidade tem sido usada para várias
condições, porém mais freqüentemente para cicatrização de feridas
e controle da dor.




São produzidos por lâseres de semicondutor .
Emissores de menores dimensões existentes .
O meio ativo mais simples está constituído por um diodo (junção PN)= LED


Normalmente os lâseres de diodo comerciais são do tipo de
heterojunção .Ou seja, formados pela união de dois materiais
distintos (por exemplo GaAs e AlGaAs). é mais utilizada
rotineiramente para assim se obter a ação laser.
Energia laser tem secção retangular, com dimensões típicas de 0,5
um x 10 um nos lâseres de heterojunção.
O raio laser de saída tem secção elíptica, com divergências diferentes
no plano paralelo à união e no plano perpendicular.










As aplicações dos lâseres de diodo são muito variadas, mas
destacam-se sobretudo aquelas nas áreas :
médico-odontológicas
no campo das comunicações por fibra óptica,
reconhecimento dimensional
leitura de código de barras,
leitura de compact disk,
impressoras de escritório,
apontadores, entre outras.
absorção de energia luminosa podem ser classificadas em dois
grupos:
Grupo 1: Contém os aminoácidos e ácidos nucléicos
constituintes do DNA, assim como as proteínas celulares.

Grupo 2 : Grupo 2: Composto de proteínas que apresentam um
cromóforo como grupo funcional aderido.
.
.
Grupo 1: Contém os aminoácidos e ácidos nucléicos
constituintes do DNA, assim como as proteínas celulares.
Os aminoácidos apresentam absorção significativa na faixa
intermediária e inferior do ultravioleta,
Os ácidos nudéicos têm um espectro de absorção na mesma
faixa dos aminoácidos, e também na região do infravermelho.
Ambos não apresentam absorção significativa na faixa do
ultravioleta próximo ou do visível.

.
Grupo 2: Composto de proteínas que apresentam um cromóforo como
grupo funcional aderido.
Cromóforos podem ser definidos como estruturas moleculares que
absorvem luz na faixa do visível. podendo constituir enzimas,
membranas celulares ou substâncias extracelulares:
-Hemoglobina: dependendo do seu estado reduzido ou oxigenado
descreve uma curva de absorção característica, uma vez que, na
forma oxigenada
apresenta picos de absorção em 577 nm e 420 nm, enquanto que
na forma
reduzida, apresenta um pico de absorção em 600 nm.

-Melanina: apresenta sua maior absorção em comprimentos de onda
superiores a 300 nm, mostrando diminuição de absorção para
comprimentos de onda maiores que 1200 nm.
Componentes da cadeia respiratória, tais como os citocromos dos
sistemas
de fosforilação (citocromo a-a3 e o citocromo c
oxidase), constituem os
componentes funcionas terminais do sistema de transporte de
elétrons,
presentes na membrana mitocondrial. Absorvem na faixa do
infravermelho próximo (entre 700 e 900 nm) e do visível, quando se
encontram no seu estado redox intermediário, ou seja, não
totalmente oxidado ou reduzido (estado ótimo);
Componentes derivados de porfirinas, ferro de baixa rotação e demais
moléculas que absorvem comprimentos de onda na faixa entre 950
e 1 300 nm,
As flavoproteínas e oxidases terminais, absorvem na faixa do
visível, mais precisamente entre o violeta e o azul, com o máximo
de absorção nos comprimentos de onda entre 405 e 436nm. Estes
são responsáveis pela geração do oxigênio molecular.








A energia dos fótons constituintes de uma radiação laser absorvida
por uma célula, que será transfor¬mada em energia bioquímica e
utilizada em sua cadeia respiratória.
O mecanismo de interação do laser em nível molecular foi descrito
primeiramente por Karu, em 1988, que verificou um mecanismo de
ação diferente para os laseres que emitem radiação na faixa do
visível e para os que emitem na faixa do infravermelho próximo .
Laseres utilizados na laserterapia emitem comprimentos de onda
tanto na faixa do visível (laseres de Hélio-Neônio, utilizados no
passado, e os laseres de diodo), como no infravermelho próximo
(laser de diodo).
A luz laser visível induz a uma reação foto-química, ou seja, há
uma direta ativação da síntese de enzimas (Bolognani, et al., 1993;
Ostuni et
al., 1994; Bolton, et al., 1995), e essa luz tem como
primeiro alvo os lisossomos e as mitocôndrias das células .
Existe no organismo animal uma função fotorreguladora, baseada em
certos fotorreceptores capazes de absorver fótons de determinado
comprimento de onda, que chegam a provocar uma transformação
na atividade funcional e metabólica da célula. Este mecanismo é
importante nas aplicações dos laseres terapêuticos, pois é a partir
dele que se observa o efeito biomodulador.
As organelas não absorvem luz infraverme¬lha, apenas as membranas
apresentam resposta a estí¬mulos desse tipo.
As alterações no potencial mem¬brana causadas pela energia de fótons na
faixa do infravermelho próximo (Passarela et ai., 1984) induzem efeitos do
tipo fotofísico e fotoelétrico, causando exci¬tação de elétrons, vibração e
rotação de partes da molécula ou rotação de moléculas como um todo, que
se traduzem intracelularmente no incremento da síntese de ATP
(Colls, 1986).
O incremento de ATP mitocondrial (Passarela, et al., 1984; PourreauSchneider, et ai., 1989; Friedmann, et al., 1991) que se produz após a
irradiação com laser, favorece um grande número de reações que intervêm
no metabolismo celular.
O laser interfere no processo de troca iônica, acelerando o incremento de ATP
(Karu, et al., 1991a; Loevschall e Arenholt-Bindslev, 1994; Lubart, et
al., 1996, 1997), sobretudo quando a célula está em condição de
estresse, ou seja, quando o tecido ou órgão tratado com laser está afetado
por uma desordem funcional ou alguma lesão tecidual.
EFEITO TENSOR E DE ILUMINAÇÃO DO FACIAL.
 O conjunto de 8 LEDS emissores de luz azul emite ondas eletromagnéticas
com o comprimento de onda de 470 nm.
 Essa onda vai estimular um subproduto metabólico das células (porfirinas) a
produzir por oxidação um tipo de Oxigênio extremamente reativo.(oxigenio
singleto)
 Este elemento reage fortemente com o hidrogênio presente na membrana
citoplasmática das células e produz grande quantidade de Água dentro do
limite citoplasmático da célula, criando assim um mecanismo de hiper
hidratação e expansão por compressão dos tecidos
EFEITO BACTERICIDA
 A mesma porfirina citada anteriormente segue seu caminho
metabólico até ser excretada para fora da célula. Nesta
ocasião ao ser estimulada pela luz azul, ocorrerá a produção
do oxigênio reativo que reagirá com íons localizados na
membrana citoplasmática. Desta maneira ocorre uma
“inversão na polaridade de membrana” do citoplasma
celular, impedindo as trocas metabólicas que levará a célula a
sofrer desidratação e entrar em apoptose (morte celular) exe :
P.Acne
ACNE - qualquer grau
Bactericida
Higienizante
Hidratante
Pre peeling

Preparo laser ablativo
Pos radiofrequencia
EFEITO ANTIINFLAMATÓRIO
 A irradiação dos tecidos com este comprimento de onda produz
alterações metabólicas locais.
 Ocorre que o metabolismo basal das células necessita da glicose e
esta por sua vez precisa de energia para penetrar no interior das
células.
 A energia necessária encontra-se armazenada nos ácidos graxos
(gorduras). É da quebra da gordura para obtenção de energia que se
deriva uma enzima (prostaglandina) que tem diversas funções na
regulação dos mecanismos da Inflamação.
 A irradiação com a luz vermelha fornece energia diretamente ao
centro produtor de energia da célula o que inibe a quebra da
gordura para obtenção da energia.
 Em decorrência disso, ocorre uma diminuição da disponibilidade da
prostaglandina, o que acarretará em vaso constricao local e
diminuição na transmissão do impulso doloroso.
Pos peeling
Pos laser
Anagelsias topicas pre procedimentos
Redutor do Eritema
ACNE qualquer grau
Controle processo inflamatorio
Controle processo cicatrizacao
Estrias recentes
Modulador pos implante ou preenchimento
ABSORÇÃO DE ENERGIA - ATP
 Os tecidos que recebem radiação infravermelha aumentam
sua capacidade de absorver energia uma vez que a membrana
citoplasmática altera sua permeabilidade, pois a radiação
infravermelha é absorvida em sua superfície.
Processo de reparacao cicatricial
Pos peeling
Pos laser ablativo
Terapia capilar
Hipocromias ?
Ulceras
ESTÍMULO AO COLÁGENO
 A massa protéica que envolve externamente as fibras
musculares, tecido adiposo e outros diversos sofre assim
como os ossos, constante mecanismo de aposição e
deposição de material orgânico.
 Esse mecanismo biológico propõe várias reações químicas
que alteram a absorção de energia pelos receptores de luz
para o colágeno..
MECANISMO DE AÇÃO
As fibras de colágeno apresentam-se adensadas. Ao receber a
luz Âmbar o receptor que é enzimático, libera íons que se
aderem imediatamente à membrana citoplasmática das
células criando um efeito de espessamento não térmico das
fibras de colágeno.
O efeito clínico é de tensão e preenchimento das marcas e
depressões. A reflexão de luz pelos tecidos nessas condições
confere uma expressão saudável aos clientes, como se
tivessem recebido uma leve radiação do Sol da manhã de um
dia de temperatura suave

Neocolagenese
Rejuvenescimento
Coadjuvante terapia flacidez cutanea
Pos laser ablativo
Cicatrizante
Pos Radiofrequencia
Tratamento Flacidez





Luz Azul 470 nm (8 Leds) 2300mw
Luz Vermelha 660nm (2 Leds) 200mw
Infra-vermelho 808nm (2 Leds) 200mw
Luz Ambar 590nm (8Leds) 800mw
Dr Jauru Nunes De Freitas
Coordenador do Ambulatorio de Laser e
Fotomedicina da ABL
Somente podemos dar prosseguimento a
tratamentos de cunho estético após a devida
verificação e exclusão (ou tratamento )das
condições clinicas atuais do paciente.
Portanto somente podemos tratar a pele do
paciente quando a mesma estiver
clinicamente saudável e sem sinais de
patologias inerentes a idade ou condição do
mesmo !
Dr. Jauru Freitas


Promover o tratamento dos principais
sinais causais do envelhecimento
cutaneo através da dermoabrasao
,termocoagulacao dos tecidos biológicos
envolvidos.
Dr. Jauru Nunes de Freitas

Professor do Nucleo Avançado de Pós Graduação em Ciencias da Saude UNIG/Rj
Coordenador do Ambulatório de Laserterapia e Fotomedicina –UNIG/ASIME Rio de Janeiro/RJ
Professor de Laserterapia e Fotomedicina Curso de Pós graduação em Medicina e Cirurgia Plástica EstéticaUniversidade de Araras /SP
Mestre Terapia Fotodinâmica Fundazione FatebeneFratelli Milano/Italia
Consulente medico in Terapia Fotodinâmica do Studio Medico Michelangelo Merrino – Verona /Italia
Medico Sênior Dermatologia do Instituto Integraal Brasil Day Clinic & Spa
Porto Seguro/Ba
Verona/Italia
Rio janeiro/Rj
Alphaville /Sp







Lasers de gás
Lasers químicos
Excimer lasers
Lasers de estado sólido
DPSS

Fibra Óptica
















Normalmente os lasers são etiquetados pela sua potência, que identifica o nível de perigo do laser (observação: essas são
as classes antigas)
Classe I/1
É perfeitamente segura, normalmente porque a luz é contida internamente em um dispositivo, por exemplo CD players, ou
porque a potência é muito baixa (0.1 miliwatts)
Classe II/2
O reflexo do olho humano (aversão) previne dano ocular, a não ser que a pessoa deliberadamente olhe para o feixe por um
período prolongado. Essa classe apenas inclui para lasers que emitem luz visível (até 1 miliwatt).
Classe IIa/2a
A região logo no início da classe II, onde o laser precisa de pelo menos 1000 segundos contínuos para causar algum dano
permanente à retina. Scanners a laser comerciais estão nessa classe.
Classe IIIa/3a
Lasers dessa classe são em sua maioria perigosos em combinação com instrumentos ópticos que podem mudar o diâmetro
ou a densidade de potência. A potência de saída não excede 5 miliwatts. A densidade não excede 2,5 miliwatts por
centímetro quadrado. Muitas miras a laser para armas e apontadores laser estão nessa categoria.
Classe IIIb/3b
Lasers dessa potência poderão causar danos se houver contato direto com a retina. Aplica-se a lasers entre 5 e 500
miliwatts. O dano permanente pode ocorrer em um décimo de segundo ou menos dependendo da potência do laser.
Reflexões não são um problema, mas podem causar danos se forem reflexões diretas (como espelhos ou metais altamente
polidos/reflexivos). Proteção ocular é recomendada quando um contato direto poderá ocorrer. Lasers no final dessa
categoria (logo antes da Classe IV) também podem atear fogo em alguns objetos e levemente queimar a pele. "apontadores
laser" nessa categoria são chamados de Laser de mão.
Classe IV/4
Lasers classe 4 (mais de 500 miliwatts) podem causar queimaduras na pele e danos permanentes severos ao olho sem o
uso de lentes ou equipamento óptico extra. Reflexões difusas também podem causar tais danos à pele e aos olhos. A
maioria dos lasers militares, industriais, científicos e médicos estão nessa categoria.


O laser de dióxido de carbono (laser CO2) é
um dos mais antigos laseres de gás
desenvolvidos por Kumar Patel no Bell Labs
em 1964[1][2]. Hoje em dia, tem um grande
número de aplicações.


↑ (em inglês) Continuous-Wave Laser Action



1964, p. A1187–A1193.
↑ (em inglês) La publication de C. Kumar N.
Patel dans Physical Review.

on Vibrational-Rotational Transitions of
CO2, dans Physical Review, vol. 136, N ó 5A,


Por causa dos níveis do poder elevado disponíveis
(combinado com o custo razoável para o laser), CO2 os lasers
são usados freqüentemente em aplicações industriais para
corte e welding, quando uns lasers mais baixos do nível do
poder forem usados para o engraving. São também muito
úteis em procedimentos cirúrgicos porque a água (que
compõe a maioria tecido biológico) absorve esta freqüência
da luz muito bem. Alguns exemplos de usos médicos são
cirurgia do laser, resurfacing da pele (“laser facelifts“) (que
consistem essencialmente queimar a pele para promover a
formação do collagen), e dermabrasion. Também, poderia ser
usado tratar determinadas condições da pele como genitalis
dos papillaris dos hirsuties removendo as colisões, os
podules, etc. embarrassing ou irritantes.
Historico uso Médico




O peeling ablativo foi introduzido em meados
dos ano 90.Devido aos avanços dos lasers de
CO2 que permitiu minimizar o seu impacto
térmico sobre os tecidos.
Foram desenvolvidos dois tipos de lasers de
CO2.




O primeiro deles de pulsos ultra leves (SW),a
fim de minimizar o acúmulo de calor no
interior dos tecidos.
O segundo consistia em emissao de raios
laser de onda continua(CW) com dispositivo
de scanner.(Lsk e Cols.,1995)






Estes lasers foram usados inicialmente para
tratar rítides e as cicatrizes decorrentes da
acne .
Logo se descobriu ações capazes de
melhorar as alterações superficiais
decorrentes da ação da luz solar(incluso
lentigos..)
Verificaram também o efeito de aumentar a
tensão dos tecidos amenizando,por
conseguinte,as rugas de maior
profundidade(Fitzpatrick e cols,2000)




O Laser de CO2 revelou-se altamente eficaz ;mas a
medida que a tecnologia passou a fazer parte do
arsenal dos dermatologistas e cirugiões
plástico,começaram a aparecer os seus notáveis
efeitos colaterais.sobretudo em mãos
inexperientes.
Numerosos pacientes apresentavam eritema
prolongado,além de hiperpigmentação
passageira,ace ,dermatite de contato,infecçoes
fungicas e virais hipopigmentação prolongada e
formação cicatricial.




O LASER de CO2 Fracionado é uma evolução
técnica relativamente nova, que procura
associar o benefício do LASER de CO2
tradicional.
A finalidade de atingir o mesmo resultado de
um resurfacing,porem com uma recuperação
mais rápida e menos efeitos colaterais .


O LASER de CO2
Tradicional é
aplicado em uma só
sessão e tem ação
sobre toda a
extensão da pele.É
aplicado com feixe
laser continuo em
varredura.



LASER de CO2
Fracionado é
aplicado em
sessões
seriadas.Emiti o
laser em
microfeixes
calculados em
dotpicht.


LASER de CO2 Fracionado é aplicado em
sessões seriadas agilizando a recuperação ao
tratamento ,apresentando excelentes
resultados e menores indices de
complicações(Nanni CA,Alster TS 1998)



O laser de Co2 fracionado possui
comprimento de onda de 10.600 nm
O funcionamento baseia-se na fototermólise
seletiva onde as células atingidas são
vaporizadas (dermoabrasão) ao
experimentarem uma elevação na
temperatura em 100° graus durante alguns
microssegundos.


O laser de CO2
apresenta grande
afinidade pela
água(cromoforo)
presente na
pele, causando rápido
aumento de
temperatura e
destruição do tecido da
superfície aplicada de
forma precisa


O pulso do laser de
dioxido de carbono
fracionado aquece as
camadas mais
profundas da
pele, estimulando a
remodelação do
colágeno e contração
da mesma, o que
provoca uma
diminuição da flacidez.
(Infrared 10600nm)




O príncipio do LASER
fracionado é a criação
de “colunas térmicas”
(microzonas
térmicas) de energia
atravessando a
pele, deixando entre
essas colunas porções
de pele saudavel.


A pele que não foi
totalmente afetada
facilitará a
cicatrização das
colunas de tecido
atingidas pelo laser


As pequenas
pontes de pele
intacta permitem a
reestruturação da
epiderme mais
rapidamente (por
migração celular )


Dot pitch é uma especificação para um ecrã

de computador, impressora, digitalizador ou
outro dispositivo baseado em pixels que
descreve a distância entre pontos


Os lasers de Co2 fracionado removem 25 50 micrômeros de tecido em cada passada ou
conforme regulagem pré-determinada, ou
seja em 2 - 3 passadas conseguiremos
nivelar rugas e cicatrizes que medem 1 mm
ou mais de profundidade
Quanto maior a Irradiância (densidade) do laser, maior a
profundidade da coluna, assim conseguimos melhorar
cicatrizes e rugas mais profundas, difíceis de serem
alcançadas por outros métodos.


As grandes vantagens são a melhor
recuperação e menor sensação dolorosa
durante o procedimento, que pode ser feito
só com um creme anestésico.




Para pacientes mais sensíveis ao tratamento
no centro de estudos está utilizando celebra
200mg de 12/12hrs 24 horas antes do
procedimento.
Alternativa tylex 15mg VO 1h antes.


Áreas como a região perioral onde há
necessidade de altos indices de irradiância
(tratamento de codigo de barras) é
recomendável utilizar o bloqueio troncular
dos ramos da área peribucal.


Pacientes com história prévia ou suspeita de
recidiva de herpes são orientados a utilizar
aciclovir 200mg 1cp ao dia 7 a 10 dias antes
do procedimento.






A maioria dos casos não há necessidade de
preparo para realizar a sessão de laser CO2
fracionado .
Pacientes com história prévia de melanose
ou hipercromia podem ser previamente
preparados com despigmentante e
retinoides .
suspende-se 48hrs antes.Retorna-se ao
uso em média após a a descamaçao e
redução do eritema.








EPI(oculos,mascara,luvas,touca)
Oclusor ocular paciente (relativo)
Kit higiene facial(sem alcool)
Anestesico tópico (30minutos pré)
Fotodocumentação
Termo de consentimento informado
Contrato de prestação de serviços















Cicatriz de Acne
Dermatose Papulosa
Flacidez da Pele
Hiperplasia Sebácea
Miliuns
Queratose Seborreica
Rejuvenescimento
Resurfacing
Rugas
Siringomas
Verrugas
Xantelasma




Flacidez da Pele
• Rugas
• Olheiras
• Manchas na pele
• Cicatrizes de acne
• Cicatrizes hipertróficas ( pós-cirúrgicas )
• Rejuvenescimento Facial
• Rejuvenescimento Corporal (
Colo, pescoço, mãos )
Estrias






Vitiligo
Paciente em uso de Isotretinoína
Paciente em uso de anticoagulantes
Herpes ativa
Fototipo VI







Sessões mensais em média 21 a 28 dias de
intervalo.
O número de sessões varia da necessidade
e a área a ser tratada.
O Fototipo e o exame clinico do paciente
são fundamentais para ao ajuste dos
parâmetros terapeuticos.
Seguir Tabela de Procedimentos Skin Pulse
desenvolvida pelo Dr Jauru de Freitas no
ambulatório de laserterapia.


O CO2 SKIN
PULSE, aparelho
fabricado pela
ADVICE,empresa
Brasileira, possui a
tecnologia CO2
fracionado italiana


Basic specification
Normal mode:



wavelength 10.6µm, far-infrared laser
Pulsed radiofrequency 0.5–30 W
1.Max power: 120W



Hyper-pulse



2.Pulse width:200 to 500µs is optional



1. Average power: 0.5-20W
Pulse







2. Pulse frequency:33.3 Hz



Matrix mode:



Scan Graphics Square, rectangle, round or
customized graphics






Dot quantity 400 dots at most
Working state Hyper-pulsed mode
Scan mode Sequence scan or Random scan.
Pulse energy 10mj to 100mj is optional for each
dot.



Technical specification





Laser apparatus Sealed.off laser device stimulated
by direct current



Condenser focus f=



Beam divergence angle 0.3 mrad



Spot size Min at the focus



Max power intensity 75,000 W / cm²



Radiation time 0.01 .
1 sec





Interval time 0.01 .
1 sec



Aiming beam Less than 2mW,635nm red
semiconductor laser



Articulated arm with six segments and balance



Beam transport device



weight
Power supply 230V/110V












Eritema imediato
Inflamação (edema)
Hiperpigmentação
(intensificação da cor
da pele)
Hipopigmentação
(diminuição da cor da
pele )
Cicatrizes ou quelóides
Reação alergicas a
ativos cosméticos








Despigmentante nanossomado.
Aplicação de laser RED 660nm 20j/cm2 – 10
a 20 min pós laser CO2
Fotoproteção ,óculos,luvas,chapéu
,sombrinha,roupas..
Hidratação
Orientações rotina pós peeling .











Fitzpatrik RE,Rostan EF,Marchell N (2000)Collagen tigthening
induced by carbon dioxide laser versus Erbium .Surg Med
27(5):395-403
Friedman PM,GEronemus RG (2001) Use of the 308nm exmer laser
for postresurfacing leukoderma Arch Dermatol 137(6):824-825
Kilmer SL,CHotzen V,ZElinckson BD,Mclaren M,Silva S ,Calkin J,No
D(2003) Full face laser resurfacing usin a supplemented topical
anesthesia protocol.Arch Dermatol 139(10):1279-283
Lask G,Keller G,Lowe N,Gormley D (1995) Laser Skin resurfacing with
the Silk Touch flaschscanner for facil rhytides.Dermatol Surg
21(2):1021-1024
Sriprachya –Anunt S, MArchell NI,Fitzpatrick RE,Goldman MP,Rostan
EF (2002 Facial resurfacing in patients with Fitzpatrick skin type
IV.Laser Surg Med 30(2):86-92
Sriprachya –Anunt S, MArchell NI,Fitzpatrick RE,Goldman MP,et al
(1997) Infections complicating pulsed carbon dioxide laser
resurfacing for photoaged facil skin.Dermatol Surg 23:5270536
drjaurufreitas@hotmail.com

21-80343873
Dr Veronica Louro
Adjunto do Ambulatorio de Laser e Fotomedicina
da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ultrassom
UltrassomUltrassom
Ultrassom
Isabel Amarante
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
Cleanto Santos Vieira
 
Ws laser co2 fracionado
Ws laser co2 fracionadoWs laser co2 fracionado
Ws laser co2 fracionado
Jauru Freitas
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Curso de Rejuvenescimento a Laser e Laserterapia e Foto-rejuvenescimento
Curso de Rejuvenescimento a Laser e Laserterapia e Foto-rejuvenescimentoCurso de Rejuvenescimento a Laser e Laserterapia e Foto-rejuvenescimento
Curso de Rejuvenescimento a Laser e Laserterapia e Foto-rejuvenescimento
Dra. Ana Carolin Puga
 
Laser
LaserLaser
Apostila laserterapia estetica
Apostila laserterapia esteticaApostila laserterapia estetica
Apostila laserterapia estetica
Guttemberg Silva
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
APRESENTACAO LAVIEEN.pptx
APRESENTACAO LAVIEEN.pptxAPRESENTACAO LAVIEEN.pptx
APRESENTACAO LAVIEEN.pptx
SulLaserLocaes1
 
O alta freqüência.
O alta freqüência.O alta freqüência.
O alta freqüência.
Míriam Ferreira
 
Laser de Baixa Potência nos vários Protocolos da Estética.
 Laser de Baixa Potência nos vários Protocolos da Estética. Laser de Baixa Potência nos vários Protocolos da Estética.
Laser de Baixa Potência nos vários Protocolos da Estética.
Ezequiel Paulo de Souza
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
Nay Ribeiro
 
AULA-protocolos clínicos LASER DE BAIXA POTÊNCIA
AULA-protocolos clínicos LASER DE BAIXA POTÊNCIAAULA-protocolos clínicos LASER DE BAIXA POTÊNCIA
AULA-protocolos clínicos LASER DE BAIXA POTÊNCIA
suzana cardoso moreira
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
Regina de Oliveira
 
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Lupe Bello Cuerpo
 
So_laser
So_laserSo_laser
So_laser
Ana Pereira
 
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptxEletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
AnneAssis2
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Cleanto Santos Vieira
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
Nay Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Ultrassom
UltrassomUltrassom
Ultrassom
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Ws laser co2 fracionado
Ws laser co2 fracionadoWs laser co2 fracionado
Ws laser co2 fracionado
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 
Curso de Rejuvenescimento a Laser e Laserterapia e Foto-rejuvenescimento
Curso de Rejuvenescimento a Laser e Laserterapia e Foto-rejuvenescimentoCurso de Rejuvenescimento a Laser e Laserterapia e Foto-rejuvenescimento
Curso de Rejuvenescimento a Laser e Laserterapia e Foto-rejuvenescimento
 
Laser
LaserLaser
Laser
 
Apostila laserterapia estetica
Apostila laserterapia esteticaApostila laserterapia estetica
Apostila laserterapia estetica
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
APRESENTACAO LAVIEEN.pptx
APRESENTACAO LAVIEEN.pptxAPRESENTACAO LAVIEEN.pptx
APRESENTACAO LAVIEEN.pptx
 
O alta freqüência.
O alta freqüência.O alta freqüência.
O alta freqüência.
 
Laser de Baixa Potência nos vários Protocolos da Estética.
 Laser de Baixa Potência nos vários Protocolos da Estética. Laser de Baixa Potência nos vários Protocolos da Estética.
Laser de Baixa Potência nos vários Protocolos da Estética.
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
AULA-protocolos clínicos LASER DE BAIXA POTÊNCIA
AULA-protocolos clínicos LASER DE BAIXA POTÊNCIAAULA-protocolos clínicos LASER DE BAIXA POTÊNCIA
AULA-protocolos clínicos LASER DE BAIXA POTÊNCIA
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
 
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
 
So_laser
So_laserSo_laser
So_laser
 
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptxEletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
 

Destaque

LASERTERAPIA
LASERTERAPIALASERTERAPIA
LASERTERAPIA
MARCO MORALES
 
Láser terapéutico
Láser terapéuticoLáser terapéutico
Láser terapéutico
AleehFlan
 
Laser
LaserLaser
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Laserterapia
UNMSM
 
01 manual de aprendizagem acupuntura laser
01 manual de aprendizagem acupuntura laser01 manual de aprendizagem acupuntura laser
01 manual de aprendizagem acupuntura laser
Roseli Italo fonseca lazarini
 
Aplicaciones del láser en medicina
Aplicaciones del láser en medicinaAplicaciones del láser en medicina
Aplicaciones del láser en medicina
Lourdes Ferrera
 
Associação da Fototerapia e Ativos Cosméticos nos Tratamentos estéticos Facia...
Associação da Fototerapia e Ativos Cosméticos nos Tratamentos estéticos Facia...Associação da Fototerapia e Ativos Cosméticos nos Tratamentos estéticos Facia...
Associação da Fototerapia e Ativos Cosméticos nos Tratamentos estéticos Facia...
Lupe Bello Cuerpo
 
10° expo - laserterapia
10° expo -  laserterapia10° expo -  laserterapia
10° expo - laserterapia
limylujan
 
Curso de Depilação a Laser de Diodo, LIP e NdYag
Curso de Depilação a Laser de Diodo, LIP e NdYagCurso de Depilação a Laser de Diodo, LIP e NdYag
Curso de Depilação a Laser de Diodo, LIP e NdYag
Dra. Ana Carolin Puga
 
Apresentação Lux Laserterapia e Spa Capilar
Apresentação Lux Laserterapia e Spa CapilarApresentação Lux Laserterapia e Spa Capilar
Apresentação Lux Laserterapia e Spa Capilar
Bila herrmann
 
40 laserterapia bucal no tratamento oncológico
40   laserterapia bucal no tratamento oncológico40   laserterapia bucal no tratamento oncológico
40 laserterapia bucal no tratamento oncológico
ONCOcare
 
Epilação e depilação
Epilação e depilaçãoEpilação e depilação
Epilação e depilação
Teresa Castilho
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
laismoraes93
 
167682767 apostila-acupuntura-laser
167682767 apostila-acupuntura-laser167682767 apostila-acupuntura-laser
167682767 apostila-acupuntura-laser
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Depilacao a Laser - Acorporalle
Depilacao a Laser - AcorporalleDepilacao a Laser - Acorporalle
Depilacao a Laser - Acorporalle
Dra. Ana Carolina Puga
 
Luz Intensa Pulsada en Dermatologia
Luz Intensa Pulsada en DermatologiaLuz Intensa Pulsada en Dermatologia
Luz Intensa Pulsada en Dermatologia
DR. JOSE RAUL GONZALEZ VASQUEZ
 
El láser
El láserEl láser
El láser
guestdb3d8d5
 
Ficha de anamnese facial
Ficha de anamnese facialFicha de anamnese facial
Ficha de anamnese facial
luiz1964
 

Destaque (18)

LASERTERAPIA
LASERTERAPIALASERTERAPIA
LASERTERAPIA
 
Láser terapéutico
Láser terapéuticoLáser terapéutico
Láser terapéutico
 
Laser
LaserLaser
Laser
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Laserterapia
 
01 manual de aprendizagem acupuntura laser
01 manual de aprendizagem acupuntura laser01 manual de aprendizagem acupuntura laser
01 manual de aprendizagem acupuntura laser
 
Aplicaciones del láser en medicina
Aplicaciones del láser en medicinaAplicaciones del láser en medicina
Aplicaciones del láser en medicina
 
Associação da Fototerapia e Ativos Cosméticos nos Tratamentos estéticos Facia...
Associação da Fototerapia e Ativos Cosméticos nos Tratamentos estéticos Facia...Associação da Fototerapia e Ativos Cosméticos nos Tratamentos estéticos Facia...
Associação da Fototerapia e Ativos Cosméticos nos Tratamentos estéticos Facia...
 
10° expo - laserterapia
10° expo -  laserterapia10° expo -  laserterapia
10° expo - laserterapia
 
Curso de Depilação a Laser de Diodo, LIP e NdYag
Curso de Depilação a Laser de Diodo, LIP e NdYagCurso de Depilação a Laser de Diodo, LIP e NdYag
Curso de Depilação a Laser de Diodo, LIP e NdYag
 
Apresentação Lux Laserterapia e Spa Capilar
Apresentação Lux Laserterapia e Spa CapilarApresentação Lux Laserterapia e Spa Capilar
Apresentação Lux Laserterapia e Spa Capilar
 
40 laserterapia bucal no tratamento oncológico
40   laserterapia bucal no tratamento oncológico40   laserterapia bucal no tratamento oncológico
40 laserterapia bucal no tratamento oncológico
 
Epilação e depilação
Epilação e depilaçãoEpilação e depilação
Epilação e depilação
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
 
167682767 apostila-acupuntura-laser
167682767 apostila-acupuntura-laser167682767 apostila-acupuntura-laser
167682767 apostila-acupuntura-laser
 
Depilacao a Laser - Acorporalle
Depilacao a Laser - AcorporalleDepilacao a Laser - Acorporalle
Depilacao a Laser - Acorporalle
 
Luz Intensa Pulsada en Dermatologia
Luz Intensa Pulsada en DermatologiaLuz Intensa Pulsada en Dermatologia
Luz Intensa Pulsada en Dermatologia
 
El láser
El láserEl láser
El láser
 
Ficha de anamnese facial
Ficha de anamnese facialFicha de anamnese facial
Ficha de anamnese facial
 

Semelhante a Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL

Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
Tatiana Machado
 
Proteção Radiologica palestra
Proteção Radiologica palestraProteção Radiologica palestra
Proteção Radiologica palestra
Renata Cristina
 
Trabalho de Radiologia
 Trabalho de Radiologia  Trabalho de Radiologia
Trabalho de Radiologia
Thiago Da Silva Pereira
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Cristiane Dias
 
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptxUltrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
fabiola
 
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdfLista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Gabriela Almas
 
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptxRADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
nathaliaroncada
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
protetor.pdf
protetor.pdfprotetor.pdf
protetor.pdf
Ancelmo8
 
Atividade saude ocupacional
Atividade saude ocupacionalAtividade saude ocupacional
Atividade saude ocupacional
Antonio Felipe
 
Uso da alta frequência
Uso da alta frequênciaUso da alta frequência
Uso da alta frequência
Anna Paulla
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
Welisson Porto
 
SLIDES Introdução a Radiologia Odontológica.pdf
SLIDES Introdução a Radiologia Odontológica.pdfSLIDES Introdução a Radiologia Odontológica.pdf
SLIDES Introdução a Radiologia Odontológica.pdf
JooLuizMacedo1
 
RadioProteção
RadioProteçãoRadioProteção
RadioProteção
ssuser4c83e0
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
Simone Morais
 
Apresentação biofísica da radioatividade
Apresentação biofísica da  radioatividadeApresentação biofísica da  radioatividade
Apresentação biofísica da radioatividade
Elyda Santos
 
Power Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
Power Point - PP 2009 Ondas EletromagnéticasPower Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
Power Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
dualschool
 
Power Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
Power Point - PP 2009 Ondas EletromagnéticasPower Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
Power Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
dualschool
 
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
Fabiano Ladislau
 
Alta tecnologia e dermocosméticos
Alta tecnologia e dermocosméticos Alta tecnologia e dermocosméticos
Alta tecnologia e dermocosméticos
Jauru Freitas
 

Semelhante a Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL (20)

Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Proteção Radiologica palestra
Proteção Radiologica palestraProteção Radiologica palestra
Proteção Radiologica palestra
 
Trabalho de Radiologia
 Trabalho de Radiologia  Trabalho de Radiologia
Trabalho de Radiologia
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptxUltrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
 
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdfLista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
 
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptxRADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
RADIOPROTEÇÃOSALUTE.pptx
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
 
protetor.pdf
protetor.pdfprotetor.pdf
protetor.pdf
 
Atividade saude ocupacional
Atividade saude ocupacionalAtividade saude ocupacional
Atividade saude ocupacional
 
Uso da alta frequência
Uso da alta frequênciaUso da alta frequência
Uso da alta frequência
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
 
SLIDES Introdução a Radiologia Odontológica.pdf
SLIDES Introdução a Radiologia Odontológica.pdfSLIDES Introdução a Radiologia Odontológica.pdf
SLIDES Introdução a Radiologia Odontológica.pdf
 
RadioProteção
RadioProteçãoRadioProteção
RadioProteção
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Apresentação biofísica da radioatividade
Apresentação biofísica da  radioatividadeApresentação biofísica da  radioatividade
Apresentação biofísica da radioatividade
 
Power Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
Power Point - PP 2009 Ondas EletromagnéticasPower Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
Power Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
 
Power Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
Power Point - PP 2009 Ondas EletromagnéticasPower Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
Power Point - PP 2009 Ondas Eletromagnéticas
 
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
 
Alta tecnologia e dermocosméticos
Alta tecnologia e dermocosméticos Alta tecnologia e dermocosméticos
Alta tecnologia e dermocosméticos
 

Mais de Jauru Freitas

Artigo clinico covid
Artigo clinico covidArtigo clinico covid
Artigo clinico covid
Jauru Freitas
 
Sars cov 2 spike mutations paper los alamos
Sars cov 2 spike mutations paper los alamosSars cov 2 spike mutations paper los alamos
Sars cov 2 spike mutations paper los alamos
Jauru Freitas
 
Revisão dermocosmeticos Meeting Academia Americana de Dermatologia
Revisão dermocosmeticos Meeting Academia Americana de DermatologiaRevisão dermocosmeticos Meeting Academia Americana de Dermatologia
Revisão dermocosmeticos Meeting Academia Americana de Dermatologia
Jauru Freitas
 
Consenso psoriase 2012
Consenso psoriase 2012Consenso psoriase 2012
Consenso psoriase 2012
Jauru Freitas
 
laser fracionado 1340 em Acne cistica artigo
laser fracionado 1340 em Acne cistica artigo laser fracionado 1340 em Acne cistica artigo
laser fracionado 1340 em Acne cistica artigo
Jauru Freitas
 
Calendário de Atividades ABL 2014
Calendário de Atividades ABL 2014Calendário de Atividades ABL 2014
Calendário de Atividades ABL 2014
Jauru Freitas
 
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
Jauru Freitas
 
Lei do Ato médico sancionada 11/07/2013
Lei do Ato médico sancionada 11/07/2013Lei do Ato médico sancionada 11/07/2013
Lei do Ato médico sancionada 11/07/2013
Jauru Freitas
 

Mais de Jauru Freitas (8)

Artigo clinico covid
Artigo clinico covidArtigo clinico covid
Artigo clinico covid
 
Sars cov 2 spike mutations paper los alamos
Sars cov 2 spike mutations paper los alamosSars cov 2 spike mutations paper los alamos
Sars cov 2 spike mutations paper los alamos
 
Revisão dermocosmeticos Meeting Academia Americana de Dermatologia
Revisão dermocosmeticos Meeting Academia Americana de DermatologiaRevisão dermocosmeticos Meeting Academia Americana de Dermatologia
Revisão dermocosmeticos Meeting Academia Americana de Dermatologia
 
Consenso psoriase 2012
Consenso psoriase 2012Consenso psoriase 2012
Consenso psoriase 2012
 
laser fracionado 1340 em Acne cistica artigo
laser fracionado 1340 em Acne cistica artigo laser fracionado 1340 em Acne cistica artigo
laser fracionado 1340 em Acne cistica artigo
 
Calendário de Atividades ABL 2014
Calendário de Atividades ABL 2014Calendário de Atividades ABL 2014
Calendário de Atividades ABL 2014
 
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
Aula lesões elementares e_tumores_cutâneos_-
 
Lei do Ato médico sancionada 11/07/2013
Lei do Ato médico sancionada 11/07/2013Lei do Ato médico sancionada 11/07/2013
Lei do Ato médico sancionada 11/07/2013
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL

  • 1. Ambulatório de laser e Fotomedicina da Academia Brasileira de Laser
  • 2.            Medico Chefe do Ambulatório de laser e fotomedicina da Academia Brasileira do Laser - ABL Professor livre docente da Universidade federal do Rio grande do Sul /UFRGS Instituto de Biociencias -Biomedicina Professor coordenador do Grupo de Estudos do Laser GEL –São Paulo /Sp Professor livre docente do Curso de Pos graduação em Dermatologia do Instituto de Dermatologia,CEMEPE –Belo Horizonte/MG Professor adjunto do Curso de Pos graduação em Medicina Estetica ASIME /Rj Professor assistente do Curso de especialização em Cirurgia Plastica Estetica da SBCMPE/SP Membro titular da Academia Brasileira de Laser – ABL Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia Membro da Sociedade Italiana de Dermatologia e Estetica Membro da Associacao Brasileira de Medicina Estetica Membro aspirante da Sociedade Brasileira de Dermatologia
  • 3. Dr Jauru Nunes de Freitas Coordenador do Ambulatorio de Laser e fotomedicina da ABL
  • 4.  4000 a.C. Egito Antigo – Vitiligo  Século XIX – Tuberculose Cutânea Finsen – fototerapia -  Década de 1960 – NdYag, CO2, Rubi, Argônio  1983 – uso específico em medicina 
  • 5.   Niels Ryberg Finsen (Tórshavn, 15 de Dezembro de 1860 — Copenhague, 24 de Setembro de 1904) foi um médico dinamarquês. Foi agraciado com o Nobel de Fisiologia ou Medicina de 1903, pelo tratamento de doenças da pele com base na aplicação de luz.
  • 6.
  • 7. Desde os primórdios ate’ a nova transformação tecnológica presenciada ainda no século XX,o fenômeno da luz tem intrigado o ser humano: Afinal a luz e onda ou partícula ? 
  • 8. Teoria corpuscular da Luz Defensor famoso desta teoria Issac Newton afirmava que a luz era formada por um feixe de particulas deslocando-se me linha reta,originaria de uma um fonte emissora. 
  • 9. Modelo Quantico da luz 1900 – Max Planck postula a hipotese revolucionaria segundo a radiacao emitida por um corpo aquecido e’ formada por ―pacotes de energia‖ E= h.f 
  • 10.  Albert Eistein ,em 1905 publicou no anuario alemao o famoso postulado sobre o efeito fotoeletrico que conferiu o premio Nobel em 1921 .
  • 11. Dr. Leon Goldman, a dermatologist and surgeon who pioneered laser medicine and was the founding president of the American Society of Laser Medicine, has died. He was 91.  Goldman, who most recently practiced at the San Diego Naval Medical Center, died Tuesday of heart failure at a retirement home in Pacific Beach, Calif.  06/12/1997 
  • 12. Dr Jauru Nunes de Freitas Coordenador do Ambulatorio de Laser e fotomedicina da ABL
  • 13.
  • 14.
  • 16.
  • 18. Luz ultravioleta: 200 a 400 nm UVC 200-290 nm UVB 290 a 320 nm UVA 320 a 400 nm Luz visível: 400-760 nm Infravermelha curta (near infrared): 760 a 1.400 nm Infravermelha média (mid infrared): 1.400a 3.000 nm Infravermelha longa (far infrared): 3.000 nm em diante. Laser: a palavra laser, na verdade, é uma abreviação da frase: Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation
  • 19.
  • 20. L ight A mplification S timulated E mission R adiation
  • 21.
  • 22.  POLICROMÁTICO  INCOERENTE  Comprimento 1200nm de onda entre 400nm e
  • 23.
  • 24.
  • 25. LAP-Laser Alta potencia Laser cirúrgico Ablativo  LBP-Laser Baixa Potencia Laser terapêutico Não Ablativo 
  • 28.   Contato Não contato  Modo operação : 1. Cw – continuos wave Emissão continua ,podendo haver ,pulsos simples,repeticao ,superpulso ou ultrapulsado 1. Q –Switch -
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.     Ao incidir sobre um tecido qualquer ,a luz do laser pode sofrer absorção ,reflexão,difusao e transmissão. A resposta biológica tecidual dependera das propriedades óticas do tecido e de cada laser. Por exemplo, quase todo tecido corporal e’constituido de 70% a 90% de água. O Laser de dióxido de carbono permite um desempenho eficiente a penetração e’em torno de 0,2mm o que permite ser um instrumento preciso nas aplicações cirúrgicas .
  • 33.  Tecidos biológicos são meios ópticos complexos ,e a propagação da luz no tecido alvo depende tanto da inomogeneidade das estruturas histobiologicas quanto das propriedades ópticas do meio.
  • 35.       Comprimendo de onda Densidade de potencia (DP) Densidade de energia (DE) Emissao (CW ou Q) Duracao e intervalo de pulsos Modo contato/nao Fatores relativos ao laser Coeficiente de absorção (alfa)  Coeficiente de espalhamento (beta)  Índice de refração do tecido  Propriedade biologicas (tipos de células,perfusao sanguinea )  Fatores relativos ao tecido
  • 36. Variaveis fisicas          Comprimento de onda( nm) Densidade de potencia (irradiancia ) (W/cm) Densidade de energia (fluência ou dose ) (j/cm) Energia por ponto de aplicação (joules) Energia total sobre a area tratada . Potencia Coerência Tipo de emissao Energia total aplicada em uma sessao dividida pela area tratada em cm ² (spatial average energy fluence SAEF ) Tipo de doença a ser tratada.  Numeros de pontos irradiados  frequencia de aplicacoes  Doencas concomitantes.  Fototipo da pele.  Modo de entrega  …  Variaveis clinicas
  • 37.  Potencia : P = Watts (W)  Energia : E = P x T ( J)  Densidade de Potencia (DP) : DP= P/A (w/cm²)   Densidade de Energia (DE) : DE = P x T / A (J/cm²) SAEF = Energia x N ponto tratados ( J/cm²) Area
  • 38.
  • 39. Dr Jauru Nunes de Freitas Coordenador do Ambulatorio de Laser e Fotomedicina da ABL
  • 40.
  • 41.   Na década de 1980, a cirurgia cutânea com laser foi revolucionada com a introdução da teoria da fototermólise seletiva, proposta por R. Rox Anderson e John Parrish. Essa teoria propõe a destruição específica de um cromóforo (pigmento alvo) por um comprimento de onda de luz específico, com mínimo efeito térmico à distância.
  • 42.
  • 43. A ação de um laser depende da sua interação com o tecido. Por definição, um laser emite luz monocromática, ou seja, de um comprimento de onda único ou de pequena variação, determinada pelo meio sólido, líquido ou gasoso.  A coerência da luz, segunda propriedade, determina que os fótons viajem em sintonia no tempo e no espaço. Outra característica é a colimação, ou seja, a luz é estreita, de feixe intenso e paralelo, que se propaga por grandes distâncias, sem divergência.  Portanto, um laser necessita ser: monocromático, coerente, colimado e de alta energia. 
  • 44.
  • 45.  Quando um laser é disparado no tecido, ele é absorvido por cromóforos. Os principais são a hemoglobina, melanina, água e tinta exógena de tatuagens.
  • 46.
  • 47. Três efeitos podem ocorrer: fototérmico, quando o alvo é destruído resultando em formação de calor local; fotoquímico, quando ocorre interação com agentes fotossensibilizantes, reação observada na terapia fotodinâmica; fotomecânico, quando ondas acústicas se formam levando a uma rápida expansão do tecido e sua explosão. 
  • 48.
  • 49. A ação de um laser depende da sua interação com o tecido.  Por definição, um laser emite luz A penetração da luz de laser depende de sua absorção e dispersão.  Em geral, quanto maior o comprimento de onda da luz visível, maior sua penetração no tecido. Comprimentos de onda na metade final de infravermelho têm sua penetração diminuída, pois são muito absorvidos pela água do tecido.
  • 50.  Para uma correta aplicação da teoria da fototermólise seletiva - destruição do alvo específico sem dano térmico ao redor - um novo conceito deve ser respeitado: o tempo de relaxamento térmico.  Este é definido como o tempo necessário para que o alvo perca 50% do calor recebido imediatamente após a irradiação, ele permite uma alta eficácia na área tratada como pouca dissipação de calor ao redor, minimizando os efeitos deletérios de cicatrizes inestéticas.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55. Dr Jauru nunes de Freitas Coordenador do Ambulatorio de Laser e fotomedicina da ABL
  • 56.   Para o resurfacing de pele a laser (LSR) ser eficaz, a destruição térmica seletiva baseada nos princípios da foto-termólise seletiva é exigida. A fim de controlar a profundidade do dano térmico que ocorre no tecido, a duração de pulso apropriada deveria ser menor do que 1 ms, e para alcançar vaporização do tecido, energia suficiente deve ser distribuída dentro desse tempo.
  • 57.  O alvo no sistema de laser fracionado são partes da pele e não toda extensão !
  • 58.  O alvo na fotodepilacao esta no pigmento folicular .
  • 59. Dr Jauru Nunes Freitas Coordenador do Ambulatorio de Laser e fotomedicina da ABL
  • 60.     Normas e segurança do laser As recomendações são baseadas no conteúdo dos padrões revisados Z-136.1 do American National Standards International (ANSI). Existe também a Federal Laser product performance standard (FLPPS) que regulamenta os fabricantes de Laser Esse padrão tem sido adotado por industrias ,pela medicina como as exigências para os usuários.Existem,também as normas técnicas brasileiras ,regulamentadas pela ANVISA .
  • 61.    Perigos associados aos laser Segurança elétrica Perigos oculares        Principais ocorrências : Lesão de córnea Queimaduras Opacidade de cristalino Cegueira Queimaduras térmicas Alterações de pigmentação
  • 62. •Classe 1 - A radiação é inofensiva; o MPE não pode ser excedido em quaisquer condições. •Classe 2 - A radiação não é intrinsecamente inofensiva; no entanto, as respostas de reflexo protegem normalmente o olho. •Classe 3A - Para vista desarmada, a resposta de reflexo protege o olho; no entanto, para observação directa do feixe lasers recorrendo a instrumentos ópticos, a radiação pode ser perigosa. •Classe 3B - A observação directa é sempre perigosa; a observação de reflexões difusas pode ser inofensiva, em determinadas circunstâncias. •Classe 4 - A radiação laser é perigosa; a observação de reflexões difusas também é perigosa.
  • 63.
  • 64.  Precauções :       Usa placas de advertência Utilizar proteção ocular apropriada para toda equipe. Haver na sala o mínimo de pessoas durante o manuseio. Manter as luzes acesas. Remover elementos que podem permitir a reflexão Manter a ponteira abaixo da face.
  • 65.  Precauções :     Não usar substancias inflamáveis durante o procedimento. Proteger os olhos do paciente com solução fisiológica com gaze umidificada ao utilizar laser co2. Identificar os óculos corretos . Realizar treinamento incluindo a familiarização com os procedimentos operacionais do sistema.
  • 66.  Precauções :     Institui supervisão medica e enfermagem especializada ,quando for necessário. Incluir treinamento dos operadores e técnicos de Laser com habilitação e capacitações especificas. Janelas devem conter barreiras para reduzir a transparências. Apenas 1 funcionário deve ter a permissão de montar ,utilizar e interromper a utilização dos equipamentos .
  • 67. Riscos associados a operação do laser :      Contaminação atmosférica (vaporizações HPV ) Risco de radiação colateral resultantes da UV e Infravermelha Risco elétricos ,como laser classe 4 que faz uso de altas tensões Refrigerantes criogênicos podem provocar queimaduras Risco de emissão de gases ,combustão ,explosão .
  • 68.
  • 69. Dr. Jauru Nunes de Freitas Coordenador do Ambulatório de Laser e Fotomedicina da ABL
  • 70. Somente podemos dar prosseguimento a tratamentos de cunho estético após a devida verificação e exclusão (ou tratamento )das condições clinicas atuais do paciente. Portanto somente podemos tratar a pele do paciente quando a mesma estiver clinicamente saudável e sem sinais de patologias inerentes a idade ou condição do mesmo ! Dr. Jauru Freitas
  • 71.  Rejuvenescimento ,em verdade,denominamos o tratamento dos sinais típicos do envelhecimento cutâneo !
  • 72.
  • 73.   A pele fotoenvelhecida tem como características a perda da elasticidade, manchas escuras ou claras, rugas finas e profundas e a alteração da superfície da pele, que pode se apresentar mais áspera, ressecada e descamativa. Além disso surgem as ceratoses solares, lesões que atingem a camada mais superficial da pele formando "crostas" e que, eventualmente, podem transformar-se em um câncer da pele.
  • 74. Tipo e Alteração Envelhecimento Fisiológico Envelhecimento Actínico ou Fotoenvelhecimento Epiderme Renovação e proteção menores. Diminui coesão entre as células superficiais (desidratação). Diminui número de melanócitos e células de langerhans (alteração imunidade cutânea). Hipertrofia de glândulas sebáceas, porém com menos produção de sebo que torna a pele ressecada e com poros dilatados. Fica mais espessaÀs vezes aparecem lesões pré-cancerosas. Anomalias na distribuição de melanina (discromias) Derme AtrofiaRedução do número de fibloblastos e sua capacidade de sínteseAlteração da estrutura do colágeno. Diminuição das glicosaminoglicanas. Fibras elásticas diminuídas e modificadas (fragmentação). Rarefação dos vasos sanguíneos. Diminuição da comunicação celular o que reduz processo de reparação Fibras elásticas se tornam mais espessas, numerosas e anormais (elastose solar). Fibras de colágeno delgadas, fragmentadas e alteradas. Taxa de glicosaminoglicanas está alterada. Diminui a síntese e colágeno. Aumenta a degradação do colágeno. Aumento da produção de metaloproteinas (colagenase, gelatinase e estromelisina) Junção dermoepidermica Ela se achata devido à diminuição de fibras que fixam a lâmina basal. Redução da adesividade entre derme e epiderme diminuindo as trocas e a nutrição. Alargamento das malhas de Rmd (rede microdepressionária de superfície ou microrelevo cutâneo)
  • 75.
  • 76.        Manchas ou lesões pigmentares Distrofia da derme e epiderme (linhas,sulcos ,rugas ) Hiperlassidao tegumentar Lesões vasculares e telangectasias Nutrição tecidual Pelos ,lesões verrucosas ,nevus Lesões pré malignas ou malignas
  • 77.
  • 78.      use diariamente protetores solares, com FPS 15 ou maior, nas áreas de pele continuamente expostas ao sol e que mais envelhecem, como a face, pescoço, colo, braços e mãos. para o dia a dia, dê preferência aos filtros solares "oil free" que são mais agradáveis de se usar pois não deixam a pele gordurosa. use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar ou transpiração excessiva. a duração da ação de um filtro solar é de cerca de 2 horas. Após este período deve ser reaplicado. use chapéu e guarda-sol quando for à praia. Ainda assim, use o filtro solar pois parte da radiação ultra-violeta reflete-se na areia atingindo a sua pele. evite o sol no período entre 10 e 15 horas.
  • 79. Grau Rugas I Rugas imperceptíveis Fotoenvelhecimento leve Rugas superficiais leves e imperceptíveis Alterações pigmentares leves Rugas dinâmicas Fotoenvelhecimento leve a moderado Lesões senis leves Rugas dinâmicas ao sorrir Redundância da pele palpebral Sem alterações 30 anos Flacidez e ptose das regiões nasogenianas e região lateral à comissura labial 40 anos III Rugas dinâmicas estáticas leves Flacidez e ptose das regiões nasogenianas e região lateral à comissura labial Proeminência do sulco nasogeniano Discreta flacidez da região submentoniana 50 anos IV Rugas dinâmicas Fotoenvelhecimento Flacidez e ptose da 50 ou mais estáticas moderadas acentuado região DiscromiasLesões submentoniana, senis acentuadas nasogeniana e região Rugas em repouso e lateral à comissura em movimentos labial Ptose da ponta nasal moderados em especial na região cervical Acima de 60 anos Rugas dinâmicas Fotoenvelhecimento Flacidez e ptose de estáticas severas severo grau IV e da região Pele de cor amarela cervical acentuada pálida e espessa Lesões senis severas Rugas em repouso e em movimentos severas II V Alterações Cutâneas Fotoenvelhecimento moderado Lesões senis moderadas Rugas em repouso e em movimentos leves principalmente as glabelares e frontais Excesso de pele palpebral mais acentuada Alterações Musculares Idade aproximada
  • 80.
  • 81. Para aquelas pessoas que já sofreram a ação do sol e apresentam os sinais do envelhecimento cutâneo, além da proteção solar, o uso de algumas substâncias na forma de cremes, loções ou géis, podem a médio ou longo prazo reverter alguns dos efeitos do fotoenvelhecimento. Produtos contendo ácido retinóico, adapaleno, ácido glicólico ou outros alfahidroxiácidos são utilizados para melhorar o aspecto da pele envelhecida, aumentando sua hidratação, corrigindo alterações de superfície, atenuando as manchas e melhorando a sua elasticidade.
  • 83.
  • 84. Geração de ondas eletromagnéticas de 300 kHz a 10 GHz Profundidade de penetração inversamente proporcional a frequência
  • 85. • Baseado no princípio de corrente iônica  • Uso de eletrodos metálicos  • Criação de campo magnético variável  Variação de 475 kHz  Aquecimento como Joule effect (J = R x I 2x t)  O aquecimento é tão grande quanto a impedância  músculos e gordura.
  • 86.
  • 87.  Baseia-se no princípio de polarização  molecular.  A variação do campo elétrico magnético é  de 450 kHz .  Usa um eletrodo isolado ativo.  A orietação molecular é de acordo com o  campo gerado entre as duas placas,  porém sem movimento de carga elétrica.  O aquecimento é induzido pelo atrito  molecular durante a aplicação da  polarização alternada.
  • 88.
  • 90.
  • 91.
  • 93. FASES DE APLICAÇÃO DA RADIOFREQUÊNCIA Placca Elettrodo Monopolar Fase 1: Aplicação de eletrodos Freq >100KHz Fase 2: Ativação de movimento molecular Fase 3: Atrito e colisão molecular Fase 4: Aumento da temperatura de 40~42°C a 3~5 cm de profundidade
  • 94.
  • 95.
  • 96. Aumento da temperatura local até 40~42℃ Vasodilatação Aumento do fluxo sanguíneo. Aumento da Oxigenação Queima de gordura Aumento Nutriicional Reposição de colágeno Estímulo do sistema imune Tratamento da obesidade Aumento do Metabolismo Drenagem linfática Eliminação de material de descarte
  • 97.
  • 98.        Redução de gordura. Estrias Redução de celulite. Cicatriz de acne Tratamento de irregularidades Rejuvenescimento facial ,ritides pescoco. Efeito de Lifting corporal
  • 99.  Promove um termo-rejuvenescimento dinâmico reduzindo os problemas consequêntes do envelhecimento cutâneo.  Opera também nas camadas profundas que não são tratáveis com transferência extena de energia para a pele danificada  Efetividade na redução de celulite.  Precisão.  Não invasivo.  Não há riscos de infecção.  Plenamente tolerável.  Adequado para tratamento localizado e corporal
  • 100. Figura - Penetração da ponteira bipolar - causa calor mais na superfície da pele. Usado em áreas de pouco tecido celular subcutâneo.
  • 101. Dr. Jauru Nunes de Freitas Professor do Nucleo Avançado de Pós Graduação em Ciencias da Saude UNIG/Rj Coordenador do Ambulatório de Laserterapia e Fotomedicina –UNIG/ASIME Rio de Janeiro/RJ Professor de Laserterapia e Fotomedicina Curso de Pós graduação em Medicina e Cirurgia Plástica Estética- Universidade de Araras /SP Mestre Terapia Fotodinâmica Fundazione FatebeneFratelli Milano/Italia Consulente medico in Terapia Fotodinâmica do Studio Medico Michelangelo Merrino – Verona /Italia Medico Sênior Dermatologia do Instituto Integraal Brasil Day Clinic & Spa Natal/Rn Verona/Italia Rio janeiro/Rj Alphaville /Sp
  • 102.  1961- Nd:YAG  1965 - CO²  1990 - IPL
  • 103.
  • 104.
  • 105.
  • 106.
  • 107.
  • 108.
  • 109.   Não são fontes de Luz Laser. Utiliza uma luz intensa de flashlamp, controla da por computador
  • 111.
  • 112.
  • 113.
  • 114.     MONOCROMÁTICA COERENTE COLIMADO Único comprimento de onda por LASER    POLICROMÁTICO INCOERENTE Comprimento de onda entre 400nm e 1200nm
  • 115.
  • 116.
  • 117.
  • 118. Espectro:  430 – 1200 para tratamento de acne  560 – 1200 rejuvenescimento da pele  640 – 1200 remoção de pelos  580 – 1200 veias vermelhas  485 – 1200 gestation vein
  • 119.   Fototipo I - V As principais regiões tratadas com a LIP: rosto, pescoço, colo e dorso das mãos,regiões corporais de epilação.
  • 120.
  • 121.         Filtros Luvas de proteção Oculos de proteção individual operador Oculos de proteção individual assistente Oculos de proteçao individual paciente Gel transdutor (gelado) Anestesico tópico Filtro solar FPS 30
  • 122.
  • 123.
  • 125.  Estrias-coadjuvante  TFD  Olheiras  Lesões pré malignas  Acne / Rosácea  Psoríase  Poiquilodermia  Hipopigmentação
  • 126.  Epilação  Lesões vasculares –telangectasias  Remoção de lesões pigmentadas benignas  Rejuvenescimento Cutâneo Não Ablativo
  • 127.
  • 128. Dr. Jauru Nunes de Freitas Professor do Centro de Estudos de Pós Graduação em Medicina Estética do Rio de JaneiroCoordenador do Ambulatório de Laserterapia - Rio de Janeiro/RJ Professor do Curso de Pós graduação em Medicina e Cirurgia Plástica EstéticaUniversidade de Araras /SPMedico Máster do departamento de Dermatologia do Instituto Integraal Brasil Day Clinic & Spa – Natal /Rn verona/Italia Copacabana/Rj Alphaville /Sp Consulente medico in terapia Fotodinâmica do Studio Medico Michelangelo Merrino – Verona /Italia
  • 129. Tradução : Laserterapia de Baixa Intensidade. 
  • 130. Descritor Inglês: Laser Therapy, Low-Level Descritor Espanhol: Terapia por Láser de Baja Intensidad Descritor Português: Terapia a Laser de Baixa Intensidade Sinônimos Português: Irradiação a Laser de Baixa Intensidade Terapia a Laser de Baixa Potência Bioestimulação a Laser Irradiação a Laser de Baixa Potência LLLT
  • 131.  Definição Português: Tratamento que usa irradiação com LASER de luz de baixa intensidade de forma que os efeitos não são devido ao aquecimento, como na TERAPIA A LASER. Acredita-se que estes efeitos não térmicos seja mediado por uma reação fotoquímica que altera a PERMEABILIDADE DA MEMBRANA CELULAR levando ao aumento da síntese de RNAm e da PROLIFERAÇÃO CELULAR. A terapia a laser de baixa intensidade tem sido usada para várias condições, porém mais freqüentemente para cicatrização de feridas e controle da dor.
  • 132.    São produzidos por lâseres de semicondutor . Emissores de menores dimensões existentes . O meio ativo mais simples está constituído por um diodo (junção PN)= LED
  • 133.  Normalmente os lâseres de diodo comerciais são do tipo de heterojunção .Ou seja, formados pela união de dois materiais distintos (por exemplo GaAs e AlGaAs). é mais utilizada rotineiramente para assim se obter a ação laser.
  • 134. Energia laser tem secção retangular, com dimensões típicas de 0,5 um x 10 um nos lâseres de heterojunção. O raio laser de saída tem secção elíptica, com divergências diferentes no plano paralelo à união e no plano perpendicular.
  • 135.         As aplicações dos lâseres de diodo são muito variadas, mas destacam-se sobretudo aquelas nas áreas : médico-odontológicas no campo das comunicações por fibra óptica, reconhecimento dimensional leitura de código de barras, leitura de compact disk, impressoras de escritório, apontadores, entre outras.
  • 136.
  • 137.
  • 138.
  • 139. absorção de energia luminosa podem ser classificadas em dois grupos: Grupo 1: Contém os aminoácidos e ácidos nucléicos constituintes do DNA, assim como as proteínas celulares. Grupo 2 : Grupo 2: Composto de proteínas que apresentam um cromóforo como grupo funcional aderido. . .
  • 140. Grupo 1: Contém os aminoácidos e ácidos nucléicos constituintes do DNA, assim como as proteínas celulares. Os aminoácidos apresentam absorção significativa na faixa intermediária e inferior do ultravioleta, Os ácidos nudéicos têm um espectro de absorção na mesma faixa dos aminoácidos, e também na região do infravermelho. Ambos não apresentam absorção significativa na faixa do ultravioleta próximo ou do visível. .
  • 141. Grupo 2: Composto de proteínas que apresentam um cromóforo como grupo funcional aderido. Cromóforos podem ser definidos como estruturas moleculares que absorvem luz na faixa do visível. podendo constituir enzimas, membranas celulares ou substâncias extracelulares: -Hemoglobina: dependendo do seu estado reduzido ou oxigenado descreve uma curva de absorção característica, uma vez que, na forma oxigenada apresenta picos de absorção em 577 nm e 420 nm, enquanto que na forma reduzida, apresenta um pico de absorção em 600 nm. -Melanina: apresenta sua maior absorção em comprimentos de onda superiores a 300 nm, mostrando diminuição de absorção para comprimentos de onda maiores que 1200 nm.
  • 142.
  • 143. Componentes da cadeia respiratória, tais como os citocromos dos sistemas de fosforilação (citocromo a-a3 e o citocromo c oxidase), constituem os componentes funcionas terminais do sistema de transporte de elétrons, presentes na membrana mitocondrial. Absorvem na faixa do infravermelho próximo (entre 700 e 900 nm) e do visível, quando se encontram no seu estado redox intermediário, ou seja, não totalmente oxidado ou reduzido (estado ótimo); Componentes derivados de porfirinas, ferro de baixa rotação e demais moléculas que absorvem comprimentos de onda na faixa entre 950 e 1 300 nm, As flavoproteínas e oxidases terminais, absorvem na faixa do visível, mais precisamente entre o violeta e o azul, com o máximo de absorção nos comprimentos de onda entre 405 e 436nm. Estes são responsáveis pela geração do oxigênio molecular.
  • 144.     A energia dos fótons constituintes de uma radiação laser absorvida por uma célula, que será transfor¬mada em energia bioquímica e utilizada em sua cadeia respiratória. O mecanismo de interação do laser em nível molecular foi descrito primeiramente por Karu, em 1988, que verificou um mecanismo de ação diferente para os laseres que emitem radiação na faixa do visível e para os que emitem na faixa do infravermelho próximo . Laseres utilizados na laserterapia emitem comprimentos de onda tanto na faixa do visível (laseres de Hélio-Neônio, utilizados no passado, e os laseres de diodo), como no infravermelho próximo (laser de diodo). A luz laser visível induz a uma reação foto-química, ou seja, há uma direta ativação da síntese de enzimas (Bolognani, et al., 1993; Ostuni et al., 1994; Bolton, et al., 1995), e essa luz tem como primeiro alvo os lisossomos e as mitocôndrias das células .
  • 145.
  • 146. Existe no organismo animal uma função fotorreguladora, baseada em certos fotorreceptores capazes de absorver fótons de determinado comprimento de onda, que chegam a provocar uma transformação na atividade funcional e metabólica da célula. Este mecanismo é importante nas aplicações dos laseres terapêuticos, pois é a partir dele que se observa o efeito biomodulador.
  • 147.
  • 148. As organelas não absorvem luz infraverme¬lha, apenas as membranas apresentam resposta a estí¬mulos desse tipo. As alterações no potencial mem¬brana causadas pela energia de fótons na faixa do infravermelho próximo (Passarela et ai., 1984) induzem efeitos do tipo fotofísico e fotoelétrico, causando exci¬tação de elétrons, vibração e rotação de partes da molécula ou rotação de moléculas como um todo, que se traduzem intracelularmente no incremento da síntese de ATP (Colls, 1986). O incremento de ATP mitocondrial (Passarela, et al., 1984; PourreauSchneider, et ai., 1989; Friedmann, et al., 1991) que se produz após a irradiação com laser, favorece um grande número de reações que intervêm no metabolismo celular. O laser interfere no processo de troca iônica, acelerando o incremento de ATP (Karu, et al., 1991a; Loevschall e Arenholt-Bindslev, 1994; Lubart, et al., 1996, 1997), sobretudo quando a célula está em condição de estresse, ou seja, quando o tecido ou órgão tratado com laser está afetado por uma desordem funcional ou alguma lesão tecidual.
  • 149.
  • 150.
  • 151.
  • 152. EFEITO TENSOR E DE ILUMINAÇÃO DO FACIAL.  O conjunto de 8 LEDS emissores de luz azul emite ondas eletromagnéticas com o comprimento de onda de 470 nm.  Essa onda vai estimular um subproduto metabólico das células (porfirinas) a produzir por oxidação um tipo de Oxigênio extremamente reativo.(oxigenio singleto)  Este elemento reage fortemente com o hidrogênio presente na membrana citoplasmática das células e produz grande quantidade de Água dentro do limite citoplasmático da célula, criando assim um mecanismo de hiper hidratação e expansão por compressão dos tecidos
  • 153.
  • 154.
  • 155. EFEITO BACTERICIDA  A mesma porfirina citada anteriormente segue seu caminho metabólico até ser excretada para fora da célula. Nesta ocasião ao ser estimulada pela luz azul, ocorrerá a produção do oxigênio reativo que reagirá com íons localizados na membrana citoplasmática. Desta maneira ocorre uma “inversão na polaridade de membrana” do citoplasma celular, impedindo as trocas metabólicas que levará a célula a sofrer desidratação e entrar em apoptose (morte celular) exe : P.Acne
  • 156. ACNE - qualquer grau Bactericida Higienizante Hidratante Pre peeling Preparo laser ablativo Pos radiofrequencia
  • 157.
  • 158. EFEITO ANTIINFLAMATÓRIO  A irradiação dos tecidos com este comprimento de onda produz alterações metabólicas locais.  Ocorre que o metabolismo basal das células necessita da glicose e esta por sua vez precisa de energia para penetrar no interior das células.  A energia necessária encontra-se armazenada nos ácidos graxos (gorduras). É da quebra da gordura para obtenção de energia que se deriva uma enzima (prostaglandina) que tem diversas funções na regulação dos mecanismos da Inflamação.  A irradiação com a luz vermelha fornece energia diretamente ao centro produtor de energia da célula o que inibe a quebra da gordura para obtenção da energia.  Em decorrência disso, ocorre uma diminuição da disponibilidade da prostaglandina, o que acarretará em vaso constricao local e diminuição na transmissão do impulso doloroso.
  • 159. Pos peeling Pos laser Anagelsias topicas pre procedimentos Redutor do Eritema ACNE qualquer grau Controle processo inflamatorio Controle processo cicatrizacao Estrias recentes Modulador pos implante ou preenchimento
  • 160.
  • 161. ABSORÇÃO DE ENERGIA - ATP  Os tecidos que recebem radiação infravermelha aumentam sua capacidade de absorver energia uma vez que a membrana citoplasmática altera sua permeabilidade, pois a radiação infravermelha é absorvida em sua superfície.
  • 162.
  • 163. Processo de reparacao cicatricial Pos peeling Pos laser ablativo Terapia capilar Hipocromias ? Ulceras
  • 164.
  • 165. ESTÍMULO AO COLÁGENO  A massa protéica que envolve externamente as fibras musculares, tecido adiposo e outros diversos sofre assim como os ossos, constante mecanismo de aposição e deposição de material orgânico.  Esse mecanismo biológico propõe várias reações químicas que alteram a absorção de energia pelos receptores de luz para o colágeno..
  • 166.
  • 167. MECANISMO DE AÇÃO As fibras de colágeno apresentam-se adensadas. Ao receber a luz Âmbar o receptor que é enzimático, libera íons que se aderem imediatamente à membrana citoplasmática das células criando um efeito de espessamento não térmico das fibras de colágeno. O efeito clínico é de tensão e preenchimento das marcas e depressões. A reflexão de luz pelos tecidos nessas condições confere uma expressão saudável aos clientes, como se tivessem recebido uma leve radiação do Sol da manhã de um dia de temperatura suave 
  • 168.
  • 169. Neocolagenese Rejuvenescimento Coadjuvante terapia flacidez cutanea Pos laser ablativo Cicatrizante Pos Radiofrequencia Tratamento Flacidez
  • 170.
  • 171.
  • 172.     Luz Azul 470 nm (8 Leds) 2300mw Luz Vermelha 660nm (2 Leds) 200mw Infra-vermelho 808nm (2 Leds) 200mw Luz Ambar 590nm (8Leds) 800mw
  • 173.
  • 174. Dr Jauru Nunes De Freitas Coordenador do Ambulatorio de Laser e Fotomedicina da ABL
  • 175. Somente podemos dar prosseguimento a tratamentos de cunho estético após a devida verificação e exclusão (ou tratamento )das condições clinicas atuais do paciente. Portanto somente podemos tratar a pele do paciente quando a mesma estiver clinicamente saudável e sem sinais de patologias inerentes a idade ou condição do mesmo ! Dr. Jauru Freitas
  • 176.  Promover o tratamento dos principais sinais causais do envelhecimento cutaneo através da dermoabrasao ,termocoagulacao dos tecidos biológicos envolvidos.
  • 177. Dr. Jauru Nunes de Freitas Professor do Nucleo Avançado de Pós Graduação em Ciencias da Saude UNIG/Rj Coordenador do Ambulatório de Laserterapia e Fotomedicina –UNIG/ASIME Rio de Janeiro/RJ Professor de Laserterapia e Fotomedicina Curso de Pós graduação em Medicina e Cirurgia Plástica EstéticaUniversidade de Araras /SP Mestre Terapia Fotodinâmica Fundazione FatebeneFratelli Milano/Italia Consulente medico in Terapia Fotodinâmica do Studio Medico Michelangelo Merrino – Verona /Italia Medico Sênior Dermatologia do Instituto Integraal Brasil Day Clinic & Spa Porto Seguro/Ba Verona/Italia Rio janeiro/Rj Alphaville /Sp
  • 178.       Lasers de gás Lasers químicos Excimer lasers Lasers de estado sólido DPSS Fibra Óptica
  • 179.              Normalmente os lasers são etiquetados pela sua potência, que identifica o nível de perigo do laser (observação: essas são as classes antigas) Classe I/1 É perfeitamente segura, normalmente porque a luz é contida internamente em um dispositivo, por exemplo CD players, ou porque a potência é muito baixa (0.1 miliwatts) Classe II/2 O reflexo do olho humano (aversão) previne dano ocular, a não ser que a pessoa deliberadamente olhe para o feixe por um período prolongado. Essa classe apenas inclui para lasers que emitem luz visível (até 1 miliwatt). Classe IIa/2a A região logo no início da classe II, onde o laser precisa de pelo menos 1000 segundos contínuos para causar algum dano permanente à retina. Scanners a laser comerciais estão nessa classe. Classe IIIa/3a Lasers dessa classe são em sua maioria perigosos em combinação com instrumentos ópticos que podem mudar o diâmetro ou a densidade de potência. A potência de saída não excede 5 miliwatts. A densidade não excede 2,5 miliwatts por centímetro quadrado. Muitas miras a laser para armas e apontadores laser estão nessa categoria. Classe IIIb/3b Lasers dessa potência poderão causar danos se houver contato direto com a retina. Aplica-se a lasers entre 5 e 500 miliwatts. O dano permanente pode ocorrer em um décimo de segundo ou menos dependendo da potência do laser. Reflexões não são um problema, mas podem causar danos se forem reflexões diretas (como espelhos ou metais altamente polidos/reflexivos). Proteção ocular é recomendada quando um contato direto poderá ocorrer. Lasers no final dessa categoria (logo antes da Classe IV) também podem atear fogo em alguns objetos e levemente queimar a pele. "apontadores laser" nessa categoria são chamados de Laser de mão. Classe IV/4 Lasers classe 4 (mais de 500 miliwatts) podem causar queimaduras na pele e danos permanentes severos ao olho sem o uso de lentes ou equipamento óptico extra. Reflexões difusas também podem causar tais danos à pele e aos olhos. A maioria dos lasers militares, industriais, científicos e médicos estão nessa categoria.
  • 180.  O laser de dióxido de carbono (laser CO2) é um dos mais antigos laseres de gás desenvolvidos por Kumar Patel no Bell Labs em 1964[1][2]. Hoje em dia, tem um grande número de aplicações.
  • 181.
  • 182.  ↑ (em inglês) Continuous-Wave Laser Action  1964, p. A1187–A1193. ↑ (em inglês) La publication de C. Kumar N. Patel dans Physical Review. on Vibrational-Rotational Transitions of CO2, dans Physical Review, vol. 136, N ó 5A,
  • 183.
  • 184.
  • 185.  Por causa dos níveis do poder elevado disponíveis (combinado com o custo razoável para o laser), CO2 os lasers são usados freqüentemente em aplicações industriais para corte e welding, quando uns lasers mais baixos do nível do poder forem usados para o engraving. São também muito úteis em procedimentos cirúrgicos porque a água (que compõe a maioria tecido biológico) absorve esta freqüência da luz muito bem. Alguns exemplos de usos médicos são cirurgia do laser, resurfacing da pele (“laser facelifts“) (que consistem essencialmente queimar a pele para promover a formação do collagen), e dermabrasion. Também, poderia ser usado tratar determinadas condições da pele como genitalis dos papillaris dos hirsuties removendo as colisões, os podules, etc. embarrassing ou irritantes.
  • 186.
  • 187.
  • 189.
  • 190.   O peeling ablativo foi introduzido em meados dos ano 90.Devido aos avanços dos lasers de CO2 que permitiu minimizar o seu impacto térmico sobre os tecidos. Foram desenvolvidos dois tipos de lasers de CO2.
  • 191.   O primeiro deles de pulsos ultra leves (SW),a fim de minimizar o acúmulo de calor no interior dos tecidos. O segundo consistia em emissao de raios laser de onda continua(CW) com dispositivo de scanner.(Lsk e Cols.,1995)
  • 192.    Estes lasers foram usados inicialmente para tratar rítides e as cicatrizes decorrentes da acne . Logo se descobriu ações capazes de melhorar as alterações superficiais decorrentes da ação da luz solar(incluso lentigos..) Verificaram também o efeito de aumentar a tensão dos tecidos amenizando,por conseguinte,as rugas de maior profundidade(Fitzpatrick e cols,2000)
  • 193.   O Laser de CO2 revelou-se altamente eficaz ;mas a medida que a tecnologia passou a fazer parte do arsenal dos dermatologistas e cirugiões plástico,começaram a aparecer os seus notáveis efeitos colaterais.sobretudo em mãos inexperientes. Numerosos pacientes apresentavam eritema prolongado,além de hiperpigmentação passageira,ace ,dermatite de contato,infecçoes fungicas e virais hipopigmentação prolongada e formação cicatricial.
  • 194.
  • 195.   O LASER de CO2 Fracionado é uma evolução técnica relativamente nova, que procura associar o benefício do LASER de CO2 tradicional. A finalidade de atingir o mesmo resultado de um resurfacing,porem com uma recuperação mais rápida e menos efeitos colaterais .
  • 196.  O LASER de CO2 Tradicional é aplicado em uma só sessão e tem ação sobre toda a extensão da pele.É aplicado com feixe laser continuo em varredura.  LASER de CO2 Fracionado é aplicado em sessões seriadas.Emiti o laser em microfeixes calculados em dotpicht.
  • 197.
  • 198.  LASER de CO2 Fracionado é aplicado em sessões seriadas agilizando a recuperação ao tratamento ,apresentando excelentes resultados e menores indices de complicações(Nanni CA,Alster TS 1998)
  • 199.   O laser de Co2 fracionado possui comprimento de onda de 10.600 nm O funcionamento baseia-se na fototermólise seletiva onde as células atingidas são vaporizadas (dermoabrasão) ao experimentarem uma elevação na temperatura em 100° graus durante alguns microssegundos.
  • 200.  O laser de CO2 apresenta grande afinidade pela água(cromoforo) presente na pele, causando rápido aumento de temperatura e destruição do tecido da superfície aplicada de forma precisa
  • 201.  O pulso do laser de dioxido de carbono fracionado aquece as camadas mais profundas da pele, estimulando a remodelação do colágeno e contração da mesma, o que provoca uma diminuição da flacidez. (Infrared 10600nm)
  • 202.   O príncipio do LASER fracionado é a criação de “colunas térmicas” (microzonas térmicas) de energia atravessando a pele, deixando entre essas colunas porções de pele saudavel.
  • 203.  A pele que não foi totalmente afetada facilitará a cicatrização das colunas de tecido atingidas pelo laser
  • 204.  As pequenas pontes de pele intacta permitem a reestruturação da epiderme mais rapidamente (por migração celular )
  • 205.
  • 206.  Dot pitch é uma especificação para um ecrã de computador, impressora, digitalizador ou outro dispositivo baseado em pixels que descreve a distância entre pontos
  • 207.
  • 208.
  • 209.
  • 210.
  • 211.  Os lasers de Co2 fracionado removem 25 50 micrômeros de tecido em cada passada ou conforme regulagem pré-determinada, ou seja em 2 - 3 passadas conseguiremos nivelar rugas e cicatrizes que medem 1 mm ou mais de profundidade
  • 212.
  • 213. Quanto maior a Irradiância (densidade) do laser, maior a profundidade da coluna, assim conseguimos melhorar cicatrizes e rugas mais profundas, difíceis de serem alcançadas por outros métodos.
  • 214.  As grandes vantagens são a melhor recuperação e menor sensação dolorosa durante o procedimento, que pode ser feito só com um creme anestésico.
  • 215.   Para pacientes mais sensíveis ao tratamento no centro de estudos está utilizando celebra 200mg de 12/12hrs 24 horas antes do procedimento. Alternativa tylex 15mg VO 1h antes.
  • 216.  Áreas como a região perioral onde há necessidade de altos indices de irradiância (tratamento de codigo de barras) é recomendável utilizar o bloqueio troncular dos ramos da área peribucal.
  • 217.  Pacientes com história prévia ou suspeita de recidiva de herpes são orientados a utilizar aciclovir 200mg 1cp ao dia 7 a 10 dias antes do procedimento.
  • 218.    A maioria dos casos não há necessidade de preparo para realizar a sessão de laser CO2 fracionado . Pacientes com história prévia de melanose ou hipercromia podem ser previamente preparados com despigmentante e retinoides . suspende-se 48hrs antes.Retorna-se ao uso em média após a a descamaçao e redução do eritema.
  • 219.        EPI(oculos,mascara,luvas,touca) Oclusor ocular paciente (relativo) Kit higiene facial(sem alcool) Anestesico tópico (30minutos pré) Fotodocumentação Termo de consentimento informado Contrato de prestação de serviços
  • 220.             Cicatriz de Acne Dermatose Papulosa Flacidez da Pele Hiperplasia Sebácea Miliuns Queratose Seborreica Rejuvenescimento Resurfacing Rugas Siringomas Verrugas Xantelasma
  • 221.   Flacidez da Pele • Rugas • Olheiras • Manchas na pele • Cicatrizes de acne • Cicatrizes hipertróficas ( pós-cirúrgicas ) • Rejuvenescimento Facial • Rejuvenescimento Corporal ( Colo, pescoço, mãos ) Estrias
  • 222.      Vitiligo Paciente em uso de Isotretinoína Paciente em uso de anticoagulantes Herpes ativa Fototipo VI
  • 223.     Sessões mensais em média 21 a 28 dias de intervalo. O número de sessões varia da necessidade e a área a ser tratada. O Fototipo e o exame clinico do paciente são fundamentais para ao ajuste dos parâmetros terapeuticos. Seguir Tabela de Procedimentos Skin Pulse desenvolvida pelo Dr Jauru de Freitas no ambulatório de laserterapia.
  • 224.  O CO2 SKIN PULSE, aparelho fabricado pela ADVICE,empresa Brasileira, possui a tecnologia CO2 fracionado italiana
  • 225.  Basic specification Normal mode:  wavelength 10.6µm, far-infrared laser Pulsed radiofrequency 0.5–30 W 1.Max power: 120W  Hyper-pulse  2.Pulse width:200 to 500µs is optional  1. Average power: 0.5-20W Pulse     2. Pulse frequency:33.3 Hz  Matrix mode:  Scan Graphics Square, rectangle, round or customized graphics     Dot quantity 400 dots at most Working state Hyper-pulsed mode Scan mode Sequence scan or Random scan. Pulse energy 10mj to 100mj is optional for each dot.  Technical specification   Laser apparatus Sealed.off laser device stimulated by direct current  Condenser focus f=  Beam divergence angle 0.3 mrad  Spot size Min at the focus  Max power intensity 75,000 W / cm²  Radiation time 0.01 . 1 sec    Interval time 0.01 . 1 sec  Aiming beam Less than 2mW,635nm red semiconductor laser  Articulated arm with six segments and balance  Beam transport device  weight Power supply 230V/110V 
  • 226.
  • 227.
  • 228.
  • 229.
  • 230.
  • 231.
  • 232.
  • 233.
  • 234.
  • 235.
  • 236.
  • 237.
  • 238.
  • 239.
  • 240.
  • 241.
  • 242.
  • 243.
  • 244.
  • 245.
  • 246.
  • 247.
  • 248.
  • 249.
  • 250.
  • 251.
  • 252.
  • 253.
  • 254.       Eritema imediato Inflamação (edema) Hiperpigmentação (intensificação da cor da pele) Hipopigmentação (diminuição da cor da pele ) Cicatrizes ou quelóides Reação alergicas a ativos cosméticos
  • 255.
  • 256.      Despigmentante nanossomado. Aplicação de laser RED 660nm 20j/cm2 – 10 a 20 min pós laser CO2 Fotoproteção ,óculos,luvas,chapéu ,sombrinha,roupas.. Hidratação Orientações rotina pós peeling .
  • 257.
  • 258.       Fitzpatrik RE,Rostan EF,Marchell N (2000)Collagen tigthening induced by carbon dioxide laser versus Erbium .Surg Med 27(5):395-403 Friedman PM,GEronemus RG (2001) Use of the 308nm exmer laser for postresurfacing leukoderma Arch Dermatol 137(6):824-825 Kilmer SL,CHotzen V,ZElinckson BD,Mclaren M,Silva S ,Calkin J,No D(2003) Full face laser resurfacing usin a supplemented topical anesthesia protocol.Arch Dermatol 139(10):1279-283 Lask G,Keller G,Lowe N,Gormley D (1995) Laser Skin resurfacing with the Silk Touch flaschscanner for facil rhytides.Dermatol Surg 21(2):1021-1024 Sriprachya –Anunt S, MArchell NI,Fitzpatrick RE,Goldman MP,Rostan EF (2002 Facial resurfacing in patients with Fitzpatrick skin type IV.Laser Surg Med 30(2):86-92 Sriprachya –Anunt S, MArchell NI,Fitzpatrick RE,Goldman MP,et al (1997) Infections complicating pulsed carbon dioxide laser resurfacing for photoaged facil skin.Dermatol Surg 23:5270536
  • 260. Dr Veronica Louro Adjunto do Ambulatorio de Laser e Fotomedicina da ABL