SlideShare uma empresa Scribd logo
PEELINGS BÁSICOS
SANDRA P.L.F. DE OLIVEIRA
DEFINIÇÃO
PEELINGS
 Os peelings constituem uma forma acelerada de
esfoliação induzida por diversos agentes , resultando
na destruição controlada de porções da epiderme e/ou
derme com subsequente regeneração de novos
tecidos.
TIPOS DE PEELINGS
MECÂNICOS
BIOLÓGICOS
FÍSICOS
QUÍMICOS
MISTOS:ASSOCIADOS
VEGETAIS
MECÂNICO
 Abrasão, lixamentos:Por definição, a
microdermabrasão consiste num tratamento não-
invasivo da epiderme, que remove a camada
superficial de células mortas e já danificadas,
revelando a camada de células cutâneas intactas
que se encontra por baixo. Este polimento
superficial da epiderme resulta numa pele com
uma aparência mais uniforme em textura e em
pigmentação, mais lisa, mais luminosa e
visivelmente rejuvenescida
MECÂNICO
• MICRO DERMOABRASÃO:diamante /cristal
DIAMANTE
BIOLÓGICOS
 Utilizam-se enzimas proteolíticas que hidrolisam
a queratina diminuindo a espessura da camada
córnea.
As enzimas mais utilizadas são a papaína,
encontrada na Carica papaya (papaia), e a
bromelina, encontrada no Ananas sativus
(abacaxi).
ENZIMA da abóbora- PUMPKING
 ARAZYME da aranha, etc
BIOLÓGICO-ENZIMÁTICOS
 Peeling enzimático
 Este peeling atua à base de enzimas e fermentos naturais. A
camada superficial da pele é removida ao ritmo natural da
regeneração ao longo de vários tratamentos periódicos, não
apresentado efeitos prejudiciais ou irritações. As substâncias
biológicas e os fermentos utilizados, têm a qualidade de
descolar e eliminar as células mortas, mas não os tecidos
vivos. A necessidade de um peeling, apresenta-se
frequentemente na prática cosmética, quando necessitamos
de uma penetração eficaz das substâncias activas para
combater:
 Estados de pele cansada, desvitalizada e com uma
circulação superficial deficiente;
 Casos de seborréia e tendência para a acne e impurezas;
 Pele rija, granulosa e esclerótica;
 Sardas, manchas e zonas hiper pigmentadas
ULTRA SÔNICO
 A ação do peeling ultra-sônico ocorre através da
esfoliação mecânica associada à microvibrações
que nebuliza o produto de limpeza
emulsionando as células mortas e impurezas da
pele, deixando limpa e mais fina, regularizando
a superfície da pele que ganha mais
uniformidade e textura suave, além de aumentar
a permeabilidade celular, facilitando a
introdução de produtos que podem ser aplicados
na seqüência
CRIO TERAPIA
 Utiliza-se o nitrogênio líquido para congelar e
destruir algumas lesões cutâneas e promover
uma renovação nos tecidos.
A criocirurgia é a destruição de tecidos pelo uso
da baixa temperatura com objetivos terapêuticos.
O termo crioterapia significa o tratamento de
patologias com o uso do frio, sem
obrigatoriamente provocar destruição tecidual.
LASER
 LASER:o peeling a laser funciona esquentando a água que
temos dentro das células do rosto. Essa água aquece tanto que
evapora, muito rapidamente, de maneira que as células são, na
verdade, volatilizadas, ficando em seu lugar uma camada
nova de pele
QUÍMICOS
 Consiste na aplicação de um agente QUÍMICOS
(ácidos ou bases ), que irá produzir um
esfoliação de profundidade variável.
Quanto maior a profundidade do peeling,
maiores são os riscos de ocorrerem
complicações. Portanto o peeling químico deve
ser aplicado com acompanhamento médico.
CLASSIFICAÇÃO
 Os peelings podem ser:
 muito superficiais ,
 superficiais ,
 médios e
 profundos dependendo da região da pele que atinge .
CLASSIFICAÇÃO
MUITO SUPERFICIAL
 CAMADAS ATINGIDAS:CAMADAS SUPERIORES DA
EPIDERME
 PROBLEMAS TRATÁVEIS:
 manchas superficiais,
 aspereza,pele sem brilho,
 peles descamativas, peles cansadas e maltratadas,
 pele seca.
SUPERFICIAL
SUPERFICIAL
 PROBLEMAS TRATÁVEIS: manchas superficiais,
asperezas, rugosidades finas, acne ativa
SUPERFICIAL
PEELING MÉDIO
 CAMADAS ATINGIDAS:EPIDERME DERME
PAPILAR,CAMADA SUPERFICIAL DA DERME
RETICULAR
 PROBLEMAS TRATÁVEIS: rugas, manchas, cicatrizes de
acne , sulcos
 O Peeling médio, já age mais profundamente, junto a derme e
retira lesões mais profundas
Peeling Básico Instituto Keynes
Peeling Básico Instituto Keynes
PEELING MÉDIO
 ácido pirúvico 90%,
 ácido tricloro-acético 30 a 40%,
 solução de Jessner + ácido tricloro-acético 35%.
 Ou outras associações que atinjam a derme.
PEELING MÉDIO
Peeling Básico Instituto Keynes
PEELING PROFUNDO
 CAMADAS ATINGIDAS:EPIDERME E DERME
RETICULAR
 PROBLEMAS TRATÁVEIS:
 envelhecimento total da pele,
 cicatrizes profundas de acne,
 manchas
PEELING PROFUNDO
 ácido tricloroacético acima de 40%,
 fenol 88%,
 fórmula Baker (fenol + óleo croton + septisol).
PEELING PROFUNDO
A Ação do Fenol Atenuado Kacowicz
A eliminação da pele envelhecida
A Recuperação da pele após o Peeling de
Fenol
PEELING-INDICAÇOES
 Manchas ,
 Diferentes alterações da cor da pele.
 Aumento da pigmentação de coloração da pele por
alguma substância aplicada.
 Depósito excessivo de queratina a nível de epiderme.
 Transtornos das glândulas sebáceas como peles oleosas,
acne,
 Cicatrizes superficiais,
 Rugas ou envelhecimento por radiação SOLAR
EFEITOS
 Pigmentação e vermelhidão se deixar o produto em um
determinado local por muito tempo.
 Eritemas e enrijecimento da pele
 Cicatrizes
 Alergias
 Infecções
 Formação de vesículas, cascas, etc.
Peeling Básico Instituto Keynes
CONTRA INDICAÇÃO
 Secreção nasal, erosões, feridas ou crostas na pele.
 Verrugas planas;
 Queimaduras de sol recente;
 Cirurgias faciais recentes;
 Falta de proteção solar;
 Depois de depilação;
 Se a pessoa estiver fazendo uso de vitamina A na pele;
PEELING PROFUNDO
PRINCÍPIO DOS PEELINGS
 O princípio geral, é que se uma lesão que se deseja
tratar for profunda na pele, o peeling deve atingir
esta profundidade para ser eficiente na sua
eliminação.
 Se a lesão estiver na superfície, o peeling não
precisa ser tão profundo.
 Quanto mais profundo o peeling, mais cuidadosa
deve ser sua realização, e mais cuidados são
necessários nos pós peelings.
 Assim é que não é só o tipo de peeling, mas a
profundidade em que é aplicado é que determina os
resultados e os riscos do tratamento.
REGENERAÇÃO
 A regeneração sempre ocorre a partir da camada basal, que é
a camada com capacidade de regeneração. É o peeling com os
melhores resultados, mas com a realização mais complexa e
a recuperação mais difÍcil. Um bom planejamento deve ser
feito antes de realizar qualquer tipo de peeling
ENTENDENDO O PEELING
ENTENDENDO O PEELING
 No envelhecimento e/ou ações dos RL nas reações
metabólicas, as
 fibras colágenas (verdes) tornam-se mais finas e escassas; a
rede fica irregular e desordenada, perdendo resistência. A
epiderme acaba desabando, dando origem as deformações da
superfície.
ENTENDENDO O PEELING
ENTENDENDO O PEELING
ENTENDENDO O PEELING
 A área vermelha representa a extensão da queimadura
 provocada pela aplicação do ácido ou laser do peeling.
 A queimadura avança na epiderme e na derme, até a
profundidade suficiente para incluir por completo as
deformações da pele. A parte profunda da derme e dos
folículos é poupada.
ENTENDENDO O PEELING
ENTENDENDO O PEELING
 Quando o tecido “queimado” pelo ácido ou laser é finalmente
eliminado observa-se um nivelamento da superfície (sem as
alterações da superfície), à altura da derme profunda. Note
que não existe mais epiderme nesta área,
 Entendendo o Peeling -4 mas, em compensação, há ainda
numerosos folículos pilosos espalhados ao longo de toda
região
ENTENDENDO O PEELING
ENTENDENDO O PEELING
 Após alguns dias uma nova epiderme começa a crescer a
partir das bordas da área tratada e dos folículos pilosos. As
fibras elásticas (azuis) e as colágenas (verdes) iniciam sua
renovação,
 diminuindo de espessura e dispondo-se em arranjos mais
organizados.
ENTENDENDO O PEELING
ENTENDENDO O PEELING
 Finalmente a epiderme se regenera por completo, sem
alterações na superfície. As fibras colágenas (verdes)
recuperam sua organização (redes paralelas à superfície) e
funcionabilidade (pele mais firme).
PROFUNDIDADE
 A profundidade do peeling depende
 da substância aplicada,

 de quanto é aplicado,
 da técnica de aplicação ( pincel , cotonete ou gaze),
 do preparo prévio da pele com tratamentos tópicos,
 do preparo que antecede imediatamente o procedimento com limpeza e retirada
de oleosidade,
 do tipo de pele (fina, espessa),
 da localização e a duração do contacto com a pele (principalmente os de ácido
glicólico).
Peeling Básico Instituto Keynes
Peeling Básico Instituto Keynes
Peeling Básico Instituto Keynes
Peeling Básico Instituto Keynes
Peeling Básico Instituto Keynes
Peeling Básico Instituto Keynes
AC. LACTOBIÔNICO
• É um ácido orgânico obtido a partir da oxidação química ou
microbiana da lactose.
• Sua estrutura molecular e funcionalidade assemelham-se à
Gluconolactona e outros ácidos (como ácido lático e glucárico).
Conhecido como ácido galacto-glucônico, AL é composto por uma
molécula de Galactose unida a outra de Gluconolactona (ou ácido
glucônico).
AC. LACTOBIÔNICO
• Usado em produtos antienvelhecimento, contra fotoenvelhecimento, hidratantes,
rejuvenescedores, em produtos anti acnéicos e para peles sensíveis.
• O pH de estabilidade varia entre 3,5 e 4,0 para peelings. Utilizado em concentrações de
2,0 a 10,0 %.
•
Sua faixa de concentração de uso é de 2 a 10%.
• O Ácido Lactobiônico possui elevada ação antioxidante, hidratante e rejuvenescedora,
vindo a ser excelente opção em produtos anti-aging, anti-fotoenvelhecimento, hidratantes
e rejuvenescedores
TCA ÁCIDO TRICLOROACÉTICO
 O que é: ácido químico, não extraído da natureza. É obtido
do triclorado do ácido acético.
 Para que serve: é um dos mais usados para peelings quando
utilizado com concentração acima de 30%. Também pode ser
indicado para lesões pré-cancerosas, com concentração de
30% a 90% e nos tratamentos ginecológicos, como no caso de
HPV.
 10-30% PEELINGS
 10 a 75% SOLUÇÃO AQUOSA- cotonete –FROST(
precipitação das proteinas)
TCA ÁCIDO TRICLOROACÉTICO
 Quem pode aplicar: dermatologista, pois é altamente
cáustico.
Esteticista com supervisão
Aplicação:só pode ser aplicado em consultório. A aplicação
costuma ser bem rápida, em torno de 2 a 3 minutos e pode ser
repetida após 30,60 ou 90 dias.
TCA ÁCIDO TRICLOROACÉTICO
 O peeling de TCA :
 pode ser feito isoladamente ou
 associado com o ácido glicólico e solução de Jessner.
 Estes agentes realizam um trabalho superficial, mas quando
associados ao TCA a 30-35% transformam-no em um peeling
médio ou profundo.
TCA ÁCIDO TRICLOROACÉTICO
 Esta indicado nas seguintes situações:
 Melasmas
 Efélides
 Cicatrizes de acne
 Queratoses actínicas
 Hiperpigmentação pós-inflamatória
 Rugas finas
 Fotoenvelhecimento
CONTRA INDICADO
 Contra indicação: não é indicado para peles morenas,
podendo causar cicatrizes. Não se deve aplicar em grávidas.
 O TCA não deve ser reaplicado antes de 3 a 60 dias, porque o
colágeno da derme ainda não se reorganizou e a pele pode
formar outras cicatrizes
AHAs
 Fontes naturais de AHA:
 Ácido Glicólico: Cana de açúcar, Beterraba, Uva, Alcachofra
e Abacaxi.
 Ácido Lático: Fermentação bacteriana da glicose.
 Ácido Málico: Maçãs
 Ácido Tartárico: Uva
 Ácido Cítrico: Laranja e Limão
AHAs
 Indicações para este tipo de peeling são:
 Fotoenvelhecimento,
 acne,
 eczema hiperquerostático,
 queratose actínica,
 rugas finas e melasma,
 efélides.
PEELING DE ACIDO LATICO
 O peeling de ácido lático é aplicado no tratamento de
melasmas e suas indicações se estendem ainda ao tratamento
de doenças como ictiose, hiperceratose folicular, queratoses
seborréica e actínica
PEELING DE ÁCIDO LÁTICO
 É peeling químico superficial - AHAs
 Pode ser realizado por todos os tipos de pele da tabela
FITZPATRICK
 O ácido lático faz parte da composição do NMF ( fator
natural de hidratação) da nossa pele.
 Promove maciez, hidratação e clareamento
 Concentração :10-30%
PEELING DE ÁCIDO LÁTICO
 O que é: Tratamento facial (e corporal) para atenuar
melasmas
Freqüência: quinzenal ou a cada 20 dias
Duração: 20 minutos
Número de sessões: de 3 a 6
Contra-indicações: Gestantes ou mulheres em fase de
amamentação, alergias conhecidas aos produtos utilizados,
transtornos de cicatrização (quelóides), dermatoses em geral e
doenças auto-imunes.
Cuidados: Proibido tomar sol durante o tratamento. O efeito
colateral mais observado é o eritema pós peeling, que pode
ser tratado com coticosteróides de baixa potencia.
ACIDO GLICÓLICO
 O que é: é derivado da cana de açúcar. Tem na
alcachofra, e abacaxi
Para que serve: indicado para rejuvenescimento
cutâneo, tratamento de manchas hipercrômicas
(escuras) e acne. Pode ser aplicado em casa, quando
formulado em concentrações de 4% a 10%. Nos
peelings, ela pode chegar de 30% a 70%.
ACIDO GLICÓLICO
 A execução do peeling de ácido glicólico deve ser
cuidadosamente planejada; a seleção do agente
desengordurante, a concentração e o pH do ácido glicólico, o
tempo de exposição e a localização de distúrbios específicos
dependem da cuidadosa avaliação de cada paciente
ACIDO GLICÓLICO
 Os tipos de pele 1 e 2 de Fitzpatrick são, muitas vezes, mais
sensíveis e menos tolerantes, e exigem concentrações mais
baixas e tempos de exposição menores. A pele fotodanificada
e mais velha tolera mais facilmente concentrações mais
elevadas e tempos de exposição maiores.
ACIDO GLICÓLICO
 Para a realização do peeling de ácido glicólico é importante
concentração acima de 50% e grau de pH. O pH em torno de
1,5 causa maior irritação do que com pH em torno de 2,5. O
ácido glicólico é encontrado a 70% em solução alcoólica ou
em gel. O peeling de ácido glicólico a 70% é tempo
dependente e superficial e pode ser repetido à cada 15 dias
ACIDO GLICÓLICO
 Quem pode aplicar: dermatologista, esteticista sob
supervisão médica.
Aplicação: quando usado em casa deve ser aplicado
à noite e evitar o sol. Em consultório, a aplicação
dura de 3 a 7 minutos. A pele descansa por três dias.
Contra indicação: pode induzir a hiperpigmentação
pós-inflamatória, que causa o aparecimento de
manchas nas maçãs do rosto, em torno da boca e no
queixo.
ACIDO MANDÉLICO
 O Ácido Mandélico é um dos AHA´S de maior peso
molecular. Provoca lentamente, uma reação na pele,
através de uma aplicação totalmente homogênea e
obtem um resultado completamente uniforme,
minimizando os transtornos comuns da aplicação de
AHA´S, que acontecem frequentemente nos
tratamentos, de peles que apresentam
hipersensibilidade, e também em peles negras. Este
ácido apresenta, incontestavelmente, as mínimas
reações adversas.
ACIDO MANDÉLICO
 O Ácido Mandélico facilita a penetração dos ativos
a ele associados, em tratamentos de
fotoenvelhecimento. Melhora a aparência das rugas
pré-existentes, a hiperpigmentação, e cicatrizes que
possam existir. Auxilia os ativos que serão
utilizados em procedimentos posteriores,
objetivando rejuvenescimento, também sendo um
excelente auxiliar nos tratamentos da acne e rosácea,
devido ao seu poder anti-séptico.
ACIDO MANDÉLICO
 Indicações
 Indicado para peles que seguem a classificação do sistema
Fitzpatrick , abaixo:
 SISTEMA FITZPATRICK:
 CLASSIFICAÇÃO PELE I a IV super
branca, branca, morena clara e morena escura
 V e VI(*)mulata e negra
ACIDO MANDÉLICO
 Contra-indicações:
 Gravidez.
 Pele com qualquer tipo de lesão, cicatrizes
recentes, pós-operatório imediato, herpes e
situações que, avaliadas pelo profissional,
possam parecer contra indicadas.
 Pele com aplicações recentes de qualquer outro
tipo de ácido, de depilação com cera quente ou
com eritema solar.
ACIDO MANDÉLICO
 Na Acne, o ácido mandélico age durante o processo
infeccioso, pois além de combater as bactérias que formam o
processo, ajuda a preveni-las, evitando a formação de novas
bactérias e acelerando a cicatrização, colaborando ainda com
o tratamento de eventuais seqüelas, e é extremamente eficaz
no controle de seborréia e restrição dos ósteos
ACIDO MANDÉLICO
 Comedões e pústulas também se beneficiam das
aplicações de ácido mandélico, que mostra-se
extremamente eficaz em eliminar bactérias
causadoras de outras infecções cutâneas.
 Na Hiperpigmentação, o ácido mandélico trabalha
na inibição da síntese da melanina (formação da
mancha), bem como na melanina já depositada
(mancha já formada), ajudando na remoção dos
pigmentos hipercrômicos.
ACIDO FÍTICO
 O Ácido Fítico é extraído de cereais como o farelo de
arroz e da aveia, e o gérmen de milho.
 Ações :
 * Excelente agente inibidor da Tirosinase ( enzima
fundamental para a síntese de melanina ).
 * Hidratante e suavizante de rugas. Pode ser usado em
peles que apresentam grande sensibilidade e discreto
grau de eritema ( como no pós operatório de peelings
com laser (CO2 ) ).
 * Potente antiinflamatório..
ACIDO SALICÍLICO
 O que é: Substância química não extraída da
natureza.
Para que serve: é ótima para esfoliação dos
pés, cotovelos, joelhos e calosidades, em
concentração de 20%.
Quem pode aplicar: esteticista e paciente
Contra indicações: não há.
Cuidados: Não tomar sol com o creme na pele.
ACIDO SALICÍLICO
 Para os casos de queratose actínica e
seborréicas, lentiginoses no dorso da mão e do
antebraço;
 na face é utilizado em solução alcoólica à 35%
por cerca de 5 minutos, seguida de neutralização
com água
 A descamação se inicia em torno do 4-5º dia
prolongando-se por cerca de 10 dias, com
eritema e edema mínimos, podendo ser repetidos
a entre 2 a 4 semanas.
YELLOW PEEL®
 Ácido Retinóico, combinado com os Ácidos Fítico,
Kojic e Azeláico.
 As principais indicações clinicas do Yellow Peel®
são: Melasma epidérmico,
 manchas hipercrômicas superficiais de diversas
etiologias, lesões epidérmicas que ocorrem no
 fotoenvelhecimento, pele flácida e seqüelas de
acne e estrias.
ALPHA BETA COMPLEX GEL®
 ● Ácido Glicólico Gel - 40%
 ● Ácido Salicílico - 10% à 15%
 Anteriormente, descrevemos com detalhes a utilização do ácido
glicólico como agente de peeling químico superficial. Agora,
descreveremos a sua combinação com o ácido salicílico, formando um
complexo sinérgico muito eficiente. O ácido salicílico é um beta
hidroxi ácido de ação queratolítica e com grande afinidade por gordura
(lipofílico) e que tem também ação anti-inflamatória e
seboreguladora.
 As indicações clínicas deste peeling Alpha Beta Complex Gel® são:
Queratose pilar, acne comedogênica e papulosa,
fotoenvelhecimento, melasma epidérmico e principalmente como
peeling de refrescamento no qual, objetivamente, pode-se remover o
estrato córneo superficial e deixar a pele com a aparência fresca e
suave.
RESORCINA
 Derivada do FENOL
 Indicação: sardas, manchas pós acne e para todos os tipos de
pele
 Deixa o rosto acastanhado e descamativo
 Pode causar irritaçãocutâneas e respiratórias.
 Contra-indicado: gestantes e pessoas sensíveis á resorcina.
ALPHA BETA PEEL
 È uma associação de AHA ( ácido mandélico) +BHA( ácido
salicílico)+ GAG (Glicosaminoglicanas- Hidratação)
 Peeling Superficial para melanoses e acnes para peles tipo
IV,V,VI
 Ação:comedolítica, queratolítica, clareadora, cicatrizante,
bactericida,rejuvenescedora.
ALPHA-BETA PEEL
 Solução de ALPH-BETA PEEL EM Ph=1,8
 FROSTING
 Neutralizar: solução bicarbonatada a10%
 Descamação
 FPS= 30
 PELES ORIENTAIS , MORENAS E NEGRAS
 Peeling de escolha antes do Laser
ACIDO AZELÁICO
 É um ácido dicarboxílico,, naturalmente encontrado no trigo e
em cereais em geral.
 Usado como medicamento para tratamento de acne e manchas
 Auxilia no tratamento da queda do cabelo e estimula seu
crescimento.
ACIDO AZELÁICO
 Tratamento para ACNE:
 Efeito queratolítico(desobstrução do tampão de
queratina e sebo)
 Ação Anti-bacteriana e antiinflamatória
 Ação Clareadora(compete com tirosinase)
 Antioxidante.
 Concentração: 20% pode ser incorporado em
shampoos, cremes, hidratantes
 Uso: mínimo de 3 meses.
ÁCIDO TRANEXÂMICO
• O Ácido tranexâmico mostrou uma redução da
atividade da tirosinase, enzima chave da síntese de
melanina
• Inibe a síntese de melanina não pela atuação direta nos
melanócitos, mas através da inibição dos ativadores dos
melanócitos e pela interferência com a interação dos
melanócitos e queratinócitos
ÁCIDO TRANEXÂMICO
• Previne a pigmentação induzida por raios UV;
-Produz clareamento da pele;
-Eficaz no tratamento de melasmas, remoção da
hiperpigmentação da pele resultante de cicatrizes de
acne, idade, exposição solar.
• Ácido Tranexâmico 3%
Peeling Básico Instituto Keynes
PEELING CORPORAL
 Pode ser realizado com qualquer AHAs,ou outros.
 O epitélio corporal, não responde como o epitélio da face.
 Deve ser repetido semanalmente.
 Usado para manchas, esfoliação, e estimulação de colágeno.
PEELING DO BUMBUM
 Usado para deixar a PREFERÊNCIA NACIONAL liso,
hidratado pele jovem, sem cravos e acnes.
 Pode ser mecânico como o de cristal ou químico( ac.
Mandélico, Glicólico, Retinóico, TCA, Alpha-beta, Salicílico,
Resorcina, etc)
 3-5 sessões. Não deve tomar sol durante as sessões. Usar FPS
30
PEELING PARA ESTRIAS I
 PEELING DE CRISTAL OU DIAMANTE
 Em seguida aplicação de ácido retinóico á 5% em base .
Deixar agir por 4-6 horas.
 Retirar com água
 Aplicar FPS 30, independente da área
 Repetir a cada 15 dias.
PEELING PARA ESTRIAS II
 PEELING DE CRISTAL OU ESFOLIAÇÃO
 Aplicação de ácido glicólico a 40%-70%
 Aguardar eritema
 Retirar com água
 Aplicar FPS 30
PEELING PARA ESTRIAS
PEELING PARA ESTRIAS
Peeling Básico Instituto Keynes
PREPARAÇÃO DA PELE
 Podem também ser utilizados os alfahidróxi-
ácidos como ácido glicólico (5 a 8%) ou ácido
láctico (5 a 7%) ou lactado de amônia (5%),
sempre à noite, durante pelo menos quinze dias
antes do peeling.
 ácido retinóico em concentrações de 0,025% a
0,1 %, uma vez à noite pelo no mínimo durante
15 dias antes da realização do peeling.
CUIDADOS
 Os peelings químicos também devem ser evitados em pessoas
muito idosas, (acima de 80 anos), cardíacos, diabéticos,
indivíduos em tratamento com drogas que induzem a
pigmentação (tetraciclína, anticonvulsivantes, amiodarona,
etc
CUIDADOS
• Quando o candidato ao Peeling utilizou a medicação da família
dos retinóides (isotretinoína ou etretinato), deve ser aguardado
no mínimo um ano após o término da medicação para realizar
o Peeling químico
CUIDADOS
 Evitar o uso de ácido até 7 dias após.
 O paciente pode usar maquiagem.
 Se for o caso usar hidratantes para amolecer as cascas,
 Usar filtros solares durante e depois do peeling
 Evitar ficar puxando as casquinhas.
Peeling Básico Instituto Keynes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cosmetologia da pele II: Envelhecimento Cutâneo
Cosmetologia da pele II: Envelhecimento CutâneoCosmetologia da pele II: Envelhecimento Cutâneo
Cosmetologia da pele II: Envelhecimento Cutâneo
Rodrigo Caixeta
 
O alta freqüência.
O alta freqüência.O alta freqüência.
O alta freqüência.
Míriam Ferreira
 
Aula 1. A pele.ppt
Aula 1. A pele.pptAula 1. A pele.ppt
Aula 1. A pele.ppt
JssicaMendes88
 
3 hipercromias
3 hipercromias3 hipercromias
3 hipercromias
Ana Cunha
 
52015300 50021884-apostila-de-princpios-ativos-cosmticos
52015300 50021884-apostila-de-princpios-ativos-cosmticos52015300 50021884-apostila-de-princpios-ativos-cosmticos
52015300 50021884-apostila-de-princpios-ativos-cosmticos
Néri Porto
 
Estrias
EstriasEstrias
Aula cosmetologia pele
Aula cosmetologia   peleAula cosmetologia   pele
Aula cosmetologia pele
Lucia Flegler
 
Depilação a laser
Depilação a laserDepilação a laser
Depilação a laser
Wando Pagani
 
Limpeza de Pele
Limpeza de PeleLimpeza de Pele
Limpeza de Pele
Julie Christie Do Brasil
 
Princípios ativos clareadores de a z
Princípios ativos clareadores de a zPrincípios ativos clareadores de a z
Princípios ativos clareadores de a z
Fernanda Esteves
 
Tricologia
TricologiaTricologia
Tricologia
Bosco Magalhaex
 
Alta frequência
Alta frequênciaAlta frequência
Alta frequência
Rosiane Bezerra
 
A Pele (2010)
A Pele (2010)A Pele (2010)
A Pele (2010)
markpt
 
Seminário 04: Envelhecimento cutâneo
Seminário 04: Envelhecimento cutâneoSeminário 04: Envelhecimento cutâneo
Seminário 04: Envelhecimento cutâneo
Alexandre H.P. Ferreira
 
microagulhamento
microagulhamentomicroagulhamento
microagulhamento
julianadosanjosmedei
 
Pele
PelePele
PODOLOGIA COSMÉTICA
PODOLOGIA COSMÉTICAPODOLOGIA COSMÉTICA
PODOLOGIA COSMÉTICA
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptxEletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
AnneAssis2
 
Acne
AcneAcne
depilacao
depilacaodepilacao
depilacao
Gracy Normandia
 

Mais procurados (20)

Cosmetologia da pele II: Envelhecimento Cutâneo
Cosmetologia da pele II: Envelhecimento CutâneoCosmetologia da pele II: Envelhecimento Cutâneo
Cosmetologia da pele II: Envelhecimento Cutâneo
 
O alta freqüência.
O alta freqüência.O alta freqüência.
O alta freqüência.
 
Aula 1. A pele.ppt
Aula 1. A pele.pptAula 1. A pele.ppt
Aula 1. A pele.ppt
 
3 hipercromias
3 hipercromias3 hipercromias
3 hipercromias
 
52015300 50021884-apostila-de-princpios-ativos-cosmticos
52015300 50021884-apostila-de-princpios-ativos-cosmticos52015300 50021884-apostila-de-princpios-ativos-cosmticos
52015300 50021884-apostila-de-princpios-ativos-cosmticos
 
Estrias
EstriasEstrias
Estrias
 
Aula cosmetologia pele
Aula cosmetologia   peleAula cosmetologia   pele
Aula cosmetologia pele
 
Depilação a laser
Depilação a laserDepilação a laser
Depilação a laser
 
Limpeza de Pele
Limpeza de PeleLimpeza de Pele
Limpeza de Pele
 
Princípios ativos clareadores de a z
Princípios ativos clareadores de a zPrincípios ativos clareadores de a z
Princípios ativos clareadores de a z
 
Tricologia
TricologiaTricologia
Tricologia
 
Alta frequência
Alta frequênciaAlta frequência
Alta frequência
 
A Pele (2010)
A Pele (2010)A Pele (2010)
A Pele (2010)
 
Seminário 04: Envelhecimento cutâneo
Seminário 04: Envelhecimento cutâneoSeminário 04: Envelhecimento cutâneo
Seminário 04: Envelhecimento cutâneo
 
microagulhamento
microagulhamentomicroagulhamento
microagulhamento
 
Pele
PelePele
Pele
 
PODOLOGIA COSMÉTICA
PODOLOGIA COSMÉTICAPODOLOGIA COSMÉTICA
PODOLOGIA COSMÉTICA
 
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptxEletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
Eletrocautério – Jato de Plasma apostila .pptx
 
Acne
AcneAcne
Acne
 
depilacao
depilacaodepilacao
depilacao
 

Semelhante a Peeling Básico Instituto Keynes

TRATAMENTO DERMAPEEL + KIT ADVANCED
TRATAMENTO DERMAPEEL + KIT ADVANCEDTRATAMENTO DERMAPEEL + KIT ADVANCED
TRATAMENTO DERMAPEEL + KIT ADVANCED
SKEYNDOR BRASIL
 
PROTOCOLO DE TRATAMENTO DA PELE COM O EQUIPAMENTO NEW SKIN Mm Optics
PROTOCOLO DE TRATAMENTO DA PELE COM O EQUIPAMENTO NEW SKIN Mm OpticsPROTOCOLO DE TRATAMENTO DA PELE COM O EQUIPAMENTO NEW SKIN Mm Optics
PROTOCOLO DE TRATAMENTO DA PELE COM O EQUIPAMENTO NEW SKIN Mm Optics
Tudo Belo Estética
 
UFCD 3557
UFCD 3557UFCD 3557
UFCD 3557
caxacarlamaia
 
Acne.novas tecnologias
Acne.novas tecnologiasAcne.novas tecnologias
Acne.novas tecnologias
Heloyse Lopes
 
UNIFORMIZAR O TOM DA PELE E REJUVENESCER SIMULTANEAMENTE
UNIFORMIZAR O TOM DA PELE E REJUVENESCER SIMULTANEAMENTEUNIFORMIZAR O TOM DA PELE E REJUVENESCER SIMULTANEAMENTE
UNIFORMIZAR O TOM DA PELE E REJUVENESCER SIMULTANEAMENTE
Kabuki Wk
 
Dra alexandra
Dra alexandraDra alexandra
Dra alexandra
pharmanostradesign
 
L'BEL JULHO 2013
L'BEL JULHO 2013L'BEL JULHO 2013
L'BEL JULHO 2013
Sandra Assis
 
Aula linha ouro
Aula linha ouroAula linha ouro
Aula linha ouro
Renato Siqueira
 
Cosmobeauty - Linha Ouro
Cosmobeauty - Linha OuroCosmobeauty - Linha Ouro
Cosmobeauty - Linha Ouro
Renato Siqueira
 
Catalogo - L'Bel
Catalogo - L'BelCatalogo - L'Bel
Catalogo - L'Bel
Luciano Laartesgerais
 
A base do tratamento individualizado
A base do tratamento individualizadoA base do tratamento individualizado
A base do tratamento individualizado
pharmanostradesign
 
Olheiras
OlheirasOlheiras
Olheiras
Amanda Hamaue
 
Treinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea VisageTreinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea Visage
CiaPromo Comunicação Integrada
 
Lbel ciclo 06 junho 2013
Lbel ciclo 06 junho 2013Lbel ciclo 06 junho 2013
Lbel ciclo 06 junho 2013
Meus Cosméticos
 
Control derm a5
Control derm a5Control derm a5
Control derm a5
Renato Siqueira
 
ws_do_m_s_body_suction_bioageao_vivo_14.09_final.pdf
ws_do_m_s_body_suction_bioageao_vivo_14.09_final.pdfws_do_m_s_body_suction_bioageao_vivo_14.09_final.pdf
ws_do_m_s_body_suction_bioageao_vivo_14.09_final.pdf
Sandro671810
 
H2OS Agua Thermal & SPA Skincare ASP
H2OS Agua Thermal  & SPA Skincare ASPH2OS Agua Thermal  & SPA Skincare ASP
H2OS Agua Thermal & SPA Skincare ASP
Termalismo Brasil
 
Aula dermalift
Aula dermaliftAula dermalift
Aula dermalift
Renato Siqueira
 
Lançamentos Vita Derme
Lançamentos Vita DermeLançamentos Vita Derme
Lançamentos Vita Derme
Vita Derm Itaquera
 
Lançamentos Vita Derm
Lançamentos Vita Derm Lançamentos Vita Derm
Lançamentos Vita Derm
Vita Derm Itaquera
 

Semelhante a Peeling Básico Instituto Keynes (20)

TRATAMENTO DERMAPEEL + KIT ADVANCED
TRATAMENTO DERMAPEEL + KIT ADVANCEDTRATAMENTO DERMAPEEL + KIT ADVANCED
TRATAMENTO DERMAPEEL + KIT ADVANCED
 
PROTOCOLO DE TRATAMENTO DA PELE COM O EQUIPAMENTO NEW SKIN Mm Optics
PROTOCOLO DE TRATAMENTO DA PELE COM O EQUIPAMENTO NEW SKIN Mm OpticsPROTOCOLO DE TRATAMENTO DA PELE COM O EQUIPAMENTO NEW SKIN Mm Optics
PROTOCOLO DE TRATAMENTO DA PELE COM O EQUIPAMENTO NEW SKIN Mm Optics
 
UFCD 3557
UFCD 3557UFCD 3557
UFCD 3557
 
Acne.novas tecnologias
Acne.novas tecnologiasAcne.novas tecnologias
Acne.novas tecnologias
 
UNIFORMIZAR O TOM DA PELE E REJUVENESCER SIMULTANEAMENTE
UNIFORMIZAR O TOM DA PELE E REJUVENESCER SIMULTANEAMENTEUNIFORMIZAR O TOM DA PELE E REJUVENESCER SIMULTANEAMENTE
UNIFORMIZAR O TOM DA PELE E REJUVENESCER SIMULTANEAMENTE
 
Dra alexandra
Dra alexandraDra alexandra
Dra alexandra
 
L'BEL JULHO 2013
L'BEL JULHO 2013L'BEL JULHO 2013
L'BEL JULHO 2013
 
Aula linha ouro
Aula linha ouroAula linha ouro
Aula linha ouro
 
Cosmobeauty - Linha Ouro
Cosmobeauty - Linha OuroCosmobeauty - Linha Ouro
Cosmobeauty - Linha Ouro
 
Catalogo - L'Bel
Catalogo - L'BelCatalogo - L'Bel
Catalogo - L'Bel
 
A base do tratamento individualizado
A base do tratamento individualizadoA base do tratamento individualizado
A base do tratamento individualizado
 
Olheiras
OlheirasOlheiras
Olheiras
 
Treinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea VisageTreinamento Nivea Visage
Treinamento Nivea Visage
 
Lbel ciclo 06 junho 2013
Lbel ciclo 06 junho 2013Lbel ciclo 06 junho 2013
Lbel ciclo 06 junho 2013
 
Control derm a5
Control derm a5Control derm a5
Control derm a5
 
ws_do_m_s_body_suction_bioageao_vivo_14.09_final.pdf
ws_do_m_s_body_suction_bioageao_vivo_14.09_final.pdfws_do_m_s_body_suction_bioageao_vivo_14.09_final.pdf
ws_do_m_s_body_suction_bioageao_vivo_14.09_final.pdf
 
H2OS Agua Thermal & SPA Skincare ASP
H2OS Agua Thermal  & SPA Skincare ASPH2OS Agua Thermal  & SPA Skincare ASP
H2OS Agua Thermal & SPA Skincare ASP
 
Aula dermalift
Aula dermaliftAula dermalift
Aula dermalift
 
Lançamentos Vita Derme
Lançamentos Vita DermeLançamentos Vita Derme
Lançamentos Vita Derme
 
Lançamentos Vita Derm
Lançamentos Vita Derm Lançamentos Vita Derm
Lançamentos Vita Derm
 

Mais de Instituto Keynes

Especialização em Engenharia de Ferrovias
Especialização em Engenharia de FerroviasEspecialização em Engenharia de Ferrovias
Especialização em Engenharia de Ferrovias
Instituto Keynes
 
Pós Graduação Londrina - MBA Gestão Financeira Instituto Keynes
Pós Graduação Londrina - MBA Gestão Financeira Instituto KeynesPós Graduação Londrina - MBA Gestão Financeira Instituto Keynes
Pós Graduação Londrina - MBA Gestão Financeira Instituto Keynes
Instituto Keynes
 
Curso de Identificação Veicular Londrina
Curso de Identificação Veicular LondrinaCurso de Identificação Veicular Londrina
Curso de Identificação Veicular Londrina
Instituto Keynes
 
Curso de Auxiliar de Secretária Instituto Keynes Londrina
Curso de Auxiliar de Secretária Instituto Keynes LondrinaCurso de Auxiliar de Secretária Instituto Keynes Londrina
Curso de Auxiliar de Secretária Instituto Keynes Londrina
Instituto Keynes
 
Curso de Capacitação Intensiva em Cosmetologia Aplicada à Estética
Curso de Capacitação Intensiva em Cosmetologia Aplicada à EstéticaCurso de Capacitação Intensiva em Cosmetologia Aplicada à Estética
Curso de Capacitação Intensiva em Cosmetologia Aplicada à Estética
Instituto Keynes
 
Curso NR10 Instituto Keynes
Curso NR10 Instituto KeynesCurso NR10 Instituto Keynes
Curso NR10 Instituto Keynes
Instituto Keynes
 
Especialização em Farmacologia e Toxicologia Forense Instituto Keynes Londrina
Especialização em Farmacologia e Toxicologia Forense Instituto Keynes LondrinaEspecialização em Farmacologia e Toxicologia Forense Instituto Keynes Londrina
Especialização em Farmacologia e Toxicologia Forense Instituto Keynes Londrina
Instituto Keynes
 
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes LondrinaFinanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
Instituto Keynes
 
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Instituto Keynes
 
Aula de Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes
Aula de Finanças para Pequenos Negócios Instituto KeynesAula de Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes
Aula de Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes
Instituto Keynes
 
Especialização em cosmetologia Aplicada a Desenvolvimento de Cosméticos
Especialização em cosmetologia Aplicada a Desenvolvimento de CosméticosEspecialização em cosmetologia Aplicada a Desenvolvimento de Cosméticos
Especialização em cosmetologia Aplicada a Desenvolvimento de Cosméticos
Instituto Keynes
 
Pós Graduação em saúde Estética e beleza – Instituto Keynes Londrina PR
Pós Graduação  em saúde Estética e beleza  – Instituto Keynes Londrina PRPós Graduação  em saúde Estética e beleza  – Instituto Keynes Londrina PR
Pós Graduação em saúde Estética e beleza – Instituto Keynes Londrina PR
Instituto Keynes
 
Pós Graduação em Acupuntura 1200 horas - Instituto Keynes
Pós Graduação em Acupuntura 1200 horas  - Instituto KeynesPós Graduação em Acupuntura 1200 horas  - Instituto Keynes
Pós Graduação em Acupuntura 1200 horas - Instituto Keynes
Instituto Keynes
 
CURSO PARA EMPREENDEDORES SOBRE FINANÇAS PARA PEQUENOS NEGÓCIOS
CURSO PARA EMPREENDEDORES SOBRE FINANÇAS PARA PEQUENOS NEGÓCIOS CURSO PARA EMPREENDEDORES SOBRE FINANÇAS PARA PEQUENOS NEGÓCIOS
CURSO PARA EMPREENDEDORES SOBRE FINANÇAS PARA PEQUENOS NEGÓCIOS
Instituto Keynes
 
Pós graduação em entomologia agrícola
Pós graduação em entomologia agrícolaPós graduação em entomologia agrícola
Pós graduação em entomologia agrícola
Instituto Keynes
 
Pós em Criminalística Keynes Londrina
Pós em Criminalística Keynes LondrinaPós em Criminalística Keynes Londrina
Pós em Criminalística Keynes Londrina
Instituto Keynes
 
Papo Keynes A Cidade que Queremos - 21 de setembro de 2013
Papo Keynes   A Cidade que Queremos - 21 de setembro de 2013Papo Keynes   A Cidade que Queremos - 21 de setembro de 2013
Papo Keynes A Cidade que Queremos - 21 de setembro de 2013
Instituto Keynes
 

Mais de Instituto Keynes (17)

Especialização em Engenharia de Ferrovias
Especialização em Engenharia de FerroviasEspecialização em Engenharia de Ferrovias
Especialização em Engenharia de Ferrovias
 
Pós Graduação Londrina - MBA Gestão Financeira Instituto Keynes
Pós Graduação Londrina - MBA Gestão Financeira Instituto KeynesPós Graduação Londrina - MBA Gestão Financeira Instituto Keynes
Pós Graduação Londrina - MBA Gestão Financeira Instituto Keynes
 
Curso de Identificação Veicular Londrina
Curso de Identificação Veicular LondrinaCurso de Identificação Veicular Londrina
Curso de Identificação Veicular Londrina
 
Curso de Auxiliar de Secretária Instituto Keynes Londrina
Curso de Auxiliar de Secretária Instituto Keynes LondrinaCurso de Auxiliar de Secretária Instituto Keynes Londrina
Curso de Auxiliar de Secretária Instituto Keynes Londrina
 
Curso de Capacitação Intensiva em Cosmetologia Aplicada à Estética
Curso de Capacitação Intensiva em Cosmetologia Aplicada à EstéticaCurso de Capacitação Intensiva em Cosmetologia Aplicada à Estética
Curso de Capacitação Intensiva em Cosmetologia Aplicada à Estética
 
Curso NR10 Instituto Keynes
Curso NR10 Instituto KeynesCurso NR10 Instituto Keynes
Curso NR10 Instituto Keynes
 
Especialização em Farmacologia e Toxicologia Forense Instituto Keynes Londrina
Especialização em Farmacologia e Toxicologia Forense Instituto Keynes LondrinaEspecialização em Farmacologia e Toxicologia Forense Instituto Keynes Londrina
Especialização em Farmacologia e Toxicologia Forense Instituto Keynes Londrina
 
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes LondrinaFinanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
 
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina - Aula 3
 
Aula de Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes
Aula de Finanças para Pequenos Negócios Instituto KeynesAula de Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes
Aula de Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes
 
Especialização em cosmetologia Aplicada a Desenvolvimento de Cosméticos
Especialização em cosmetologia Aplicada a Desenvolvimento de CosméticosEspecialização em cosmetologia Aplicada a Desenvolvimento de Cosméticos
Especialização em cosmetologia Aplicada a Desenvolvimento de Cosméticos
 
Pós Graduação em saúde Estética e beleza – Instituto Keynes Londrina PR
Pós Graduação  em saúde Estética e beleza  – Instituto Keynes Londrina PRPós Graduação  em saúde Estética e beleza  – Instituto Keynes Londrina PR
Pós Graduação em saúde Estética e beleza – Instituto Keynes Londrina PR
 
Pós Graduação em Acupuntura 1200 horas - Instituto Keynes
Pós Graduação em Acupuntura 1200 horas  - Instituto KeynesPós Graduação em Acupuntura 1200 horas  - Instituto Keynes
Pós Graduação em Acupuntura 1200 horas - Instituto Keynes
 
CURSO PARA EMPREENDEDORES SOBRE FINANÇAS PARA PEQUENOS NEGÓCIOS
CURSO PARA EMPREENDEDORES SOBRE FINANÇAS PARA PEQUENOS NEGÓCIOS CURSO PARA EMPREENDEDORES SOBRE FINANÇAS PARA PEQUENOS NEGÓCIOS
CURSO PARA EMPREENDEDORES SOBRE FINANÇAS PARA PEQUENOS NEGÓCIOS
 
Pós graduação em entomologia agrícola
Pós graduação em entomologia agrícolaPós graduação em entomologia agrícola
Pós graduação em entomologia agrícola
 
Pós em Criminalística Keynes Londrina
Pós em Criminalística Keynes LondrinaPós em Criminalística Keynes Londrina
Pós em Criminalística Keynes Londrina
 
Papo Keynes A Cidade que Queremos - 21 de setembro de 2013
Papo Keynes   A Cidade que Queremos - 21 de setembro de 2013Papo Keynes   A Cidade que Queremos - 21 de setembro de 2013
Papo Keynes A Cidade que Queremos - 21 de setembro de 2013
 

Último

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 

Último (20)

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 

Peeling Básico Instituto Keynes

  • 3. PEELINGS  Os peelings constituem uma forma acelerada de esfoliação induzida por diversos agentes , resultando na destruição controlada de porções da epiderme e/ou derme com subsequente regeneração de novos tecidos.
  • 5. MECÂNICO  Abrasão, lixamentos:Por definição, a microdermabrasão consiste num tratamento não- invasivo da epiderme, que remove a camada superficial de células mortas e já danificadas, revelando a camada de células cutâneas intactas que se encontra por baixo. Este polimento superficial da epiderme resulta numa pele com uma aparência mais uniforme em textura e em pigmentação, mais lisa, mais luminosa e visivelmente rejuvenescida
  • 8. BIOLÓGICOS  Utilizam-se enzimas proteolíticas que hidrolisam a queratina diminuindo a espessura da camada córnea. As enzimas mais utilizadas são a papaína, encontrada na Carica papaya (papaia), e a bromelina, encontrada no Ananas sativus (abacaxi). ENZIMA da abóbora- PUMPKING  ARAZYME da aranha, etc
  • 9. BIOLÓGICO-ENZIMÁTICOS  Peeling enzimático  Este peeling atua à base de enzimas e fermentos naturais. A camada superficial da pele é removida ao ritmo natural da regeneração ao longo de vários tratamentos periódicos, não apresentado efeitos prejudiciais ou irritações. As substâncias biológicas e os fermentos utilizados, têm a qualidade de descolar e eliminar as células mortas, mas não os tecidos vivos. A necessidade de um peeling, apresenta-se frequentemente na prática cosmética, quando necessitamos de uma penetração eficaz das substâncias activas para combater:  Estados de pele cansada, desvitalizada e com uma circulação superficial deficiente;  Casos de seborréia e tendência para a acne e impurezas;  Pele rija, granulosa e esclerótica;  Sardas, manchas e zonas hiper pigmentadas
  • 10. ULTRA SÔNICO  A ação do peeling ultra-sônico ocorre através da esfoliação mecânica associada à microvibrações que nebuliza o produto de limpeza emulsionando as células mortas e impurezas da pele, deixando limpa e mais fina, regularizando a superfície da pele que ganha mais uniformidade e textura suave, além de aumentar a permeabilidade celular, facilitando a introdução de produtos que podem ser aplicados na seqüência
  • 11. CRIO TERAPIA  Utiliza-se o nitrogênio líquido para congelar e destruir algumas lesões cutâneas e promover uma renovação nos tecidos. A criocirurgia é a destruição de tecidos pelo uso da baixa temperatura com objetivos terapêuticos. O termo crioterapia significa o tratamento de patologias com o uso do frio, sem obrigatoriamente provocar destruição tecidual.
  • 12. LASER  LASER:o peeling a laser funciona esquentando a água que temos dentro das células do rosto. Essa água aquece tanto que evapora, muito rapidamente, de maneira que as células são, na verdade, volatilizadas, ficando em seu lugar uma camada nova de pele
  • 13. QUÍMICOS  Consiste na aplicação de um agente QUÍMICOS (ácidos ou bases ), que irá produzir um esfoliação de profundidade variável. Quanto maior a profundidade do peeling, maiores são os riscos de ocorrerem complicações. Portanto o peeling químico deve ser aplicado com acompanhamento médico.
  • 14. CLASSIFICAÇÃO  Os peelings podem ser:  muito superficiais ,  superficiais ,  médios e  profundos dependendo da região da pele que atinge .
  • 16. MUITO SUPERFICIAL  CAMADAS ATINGIDAS:CAMADAS SUPERIORES DA EPIDERME  PROBLEMAS TRATÁVEIS:  manchas superficiais,  aspereza,pele sem brilho,  peles descamativas, peles cansadas e maltratadas,  pele seca.
  • 18. SUPERFICIAL  PROBLEMAS TRATÁVEIS: manchas superficiais, asperezas, rugosidades finas, acne ativa
  • 20. PEELING MÉDIO  CAMADAS ATINGIDAS:EPIDERME DERME PAPILAR,CAMADA SUPERFICIAL DA DERME RETICULAR  PROBLEMAS TRATÁVEIS: rugas, manchas, cicatrizes de acne , sulcos  O Peeling médio, já age mais profundamente, junto a derme e retira lesões mais profundas
  • 23. PEELING MÉDIO  ácido pirúvico 90%,  ácido tricloro-acético 30 a 40%,  solução de Jessner + ácido tricloro-acético 35%.  Ou outras associações que atinjam a derme.
  • 26. PEELING PROFUNDO  CAMADAS ATINGIDAS:EPIDERME E DERME RETICULAR  PROBLEMAS TRATÁVEIS:  envelhecimento total da pele,  cicatrizes profundas de acne,  manchas
  • 27. PEELING PROFUNDO  ácido tricloroacético acima de 40%,  fenol 88%,  fórmula Baker (fenol + óleo croton + septisol).
  • 29. A Ação do Fenol Atenuado Kacowicz
  • 30. A eliminação da pele envelhecida
  • 31. A Recuperação da pele após o Peeling de Fenol
  • 32. PEELING-INDICAÇOES  Manchas ,  Diferentes alterações da cor da pele.  Aumento da pigmentação de coloração da pele por alguma substância aplicada.  Depósito excessivo de queratina a nível de epiderme.  Transtornos das glândulas sebáceas como peles oleosas, acne,  Cicatrizes superficiais,  Rugas ou envelhecimento por radiação SOLAR
  • 33. EFEITOS  Pigmentação e vermelhidão se deixar o produto em um determinado local por muito tempo.  Eritemas e enrijecimento da pele  Cicatrizes  Alergias  Infecções  Formação de vesículas, cascas, etc.
  • 35. CONTRA INDICAÇÃO  Secreção nasal, erosões, feridas ou crostas na pele.  Verrugas planas;  Queimaduras de sol recente;  Cirurgias faciais recentes;  Falta de proteção solar;  Depois de depilação;  Se a pessoa estiver fazendo uso de vitamina A na pele;
  • 37. PRINCÍPIO DOS PEELINGS  O princípio geral, é que se uma lesão que se deseja tratar for profunda na pele, o peeling deve atingir esta profundidade para ser eficiente na sua eliminação.  Se a lesão estiver na superfície, o peeling não precisa ser tão profundo.  Quanto mais profundo o peeling, mais cuidadosa deve ser sua realização, e mais cuidados são necessários nos pós peelings.  Assim é que não é só o tipo de peeling, mas a profundidade em que é aplicado é que determina os resultados e os riscos do tratamento.
  • 38. REGENERAÇÃO  A regeneração sempre ocorre a partir da camada basal, que é a camada com capacidade de regeneração. É o peeling com os melhores resultados, mas com a realização mais complexa e a recuperação mais difÍcil. Um bom planejamento deve ser feito antes de realizar qualquer tipo de peeling
  • 40. ENTENDENDO O PEELING  No envelhecimento e/ou ações dos RL nas reações metabólicas, as  fibras colágenas (verdes) tornam-se mais finas e escassas; a rede fica irregular e desordenada, perdendo resistência. A epiderme acaba desabando, dando origem as deformações da superfície.
  • 43. ENTENDENDO O PEELING  A área vermelha representa a extensão da queimadura  provocada pela aplicação do ácido ou laser do peeling.  A queimadura avança na epiderme e na derme, até a profundidade suficiente para incluir por completo as deformações da pele. A parte profunda da derme e dos folículos é poupada.
  • 45. ENTENDENDO O PEELING  Quando o tecido “queimado” pelo ácido ou laser é finalmente eliminado observa-se um nivelamento da superfície (sem as alterações da superfície), à altura da derme profunda. Note que não existe mais epiderme nesta área,  Entendendo o Peeling -4 mas, em compensação, há ainda numerosos folículos pilosos espalhados ao longo de toda região
  • 47. ENTENDENDO O PEELING  Após alguns dias uma nova epiderme começa a crescer a partir das bordas da área tratada e dos folículos pilosos. As fibras elásticas (azuis) e as colágenas (verdes) iniciam sua renovação,  diminuindo de espessura e dispondo-se em arranjos mais organizados.
  • 49. ENTENDENDO O PEELING  Finalmente a epiderme se regenera por completo, sem alterações na superfície. As fibras colágenas (verdes) recuperam sua organização (redes paralelas à superfície) e funcionabilidade (pele mais firme).
  • 50. PROFUNDIDADE  A profundidade do peeling depende  da substância aplicada,   de quanto é aplicado,  da técnica de aplicação ( pincel , cotonete ou gaze),  do preparo prévio da pele com tratamentos tópicos,  do preparo que antecede imediatamente o procedimento com limpeza e retirada de oleosidade,  do tipo de pele (fina, espessa),  da localização e a duração do contacto com a pele (principalmente os de ácido glicólico).
  • 57. AC. LACTOBIÔNICO • É um ácido orgânico obtido a partir da oxidação química ou microbiana da lactose. • Sua estrutura molecular e funcionalidade assemelham-se à Gluconolactona e outros ácidos (como ácido lático e glucárico). Conhecido como ácido galacto-glucônico, AL é composto por uma molécula de Galactose unida a outra de Gluconolactona (ou ácido glucônico).
  • 58. AC. LACTOBIÔNICO • Usado em produtos antienvelhecimento, contra fotoenvelhecimento, hidratantes, rejuvenescedores, em produtos anti acnéicos e para peles sensíveis. • O pH de estabilidade varia entre 3,5 e 4,0 para peelings. Utilizado em concentrações de 2,0 a 10,0 %. • Sua faixa de concentração de uso é de 2 a 10%. • O Ácido Lactobiônico possui elevada ação antioxidante, hidratante e rejuvenescedora, vindo a ser excelente opção em produtos anti-aging, anti-fotoenvelhecimento, hidratantes e rejuvenescedores
  • 59. TCA ÁCIDO TRICLOROACÉTICO  O que é: ácido químico, não extraído da natureza. É obtido do triclorado do ácido acético.  Para que serve: é um dos mais usados para peelings quando utilizado com concentração acima de 30%. Também pode ser indicado para lesões pré-cancerosas, com concentração de 30% a 90% e nos tratamentos ginecológicos, como no caso de HPV.  10-30% PEELINGS  10 a 75% SOLUÇÃO AQUOSA- cotonete –FROST( precipitação das proteinas)
  • 60. TCA ÁCIDO TRICLOROACÉTICO  Quem pode aplicar: dermatologista, pois é altamente cáustico. Esteticista com supervisão Aplicação:só pode ser aplicado em consultório. A aplicação costuma ser bem rápida, em torno de 2 a 3 minutos e pode ser repetida após 30,60 ou 90 dias.
  • 61. TCA ÁCIDO TRICLOROACÉTICO  O peeling de TCA :  pode ser feito isoladamente ou  associado com o ácido glicólico e solução de Jessner.  Estes agentes realizam um trabalho superficial, mas quando associados ao TCA a 30-35% transformam-no em um peeling médio ou profundo.
  • 62. TCA ÁCIDO TRICLOROACÉTICO  Esta indicado nas seguintes situações:  Melasmas  Efélides  Cicatrizes de acne  Queratoses actínicas  Hiperpigmentação pós-inflamatória  Rugas finas  Fotoenvelhecimento
  • 63. CONTRA INDICADO  Contra indicação: não é indicado para peles morenas, podendo causar cicatrizes. Não se deve aplicar em grávidas.  O TCA não deve ser reaplicado antes de 3 a 60 dias, porque o colágeno da derme ainda não se reorganizou e a pele pode formar outras cicatrizes
  • 64. AHAs  Fontes naturais de AHA:  Ácido Glicólico: Cana de açúcar, Beterraba, Uva, Alcachofra e Abacaxi.  Ácido Lático: Fermentação bacteriana da glicose.  Ácido Málico: Maçãs  Ácido Tartárico: Uva  Ácido Cítrico: Laranja e Limão
  • 65. AHAs  Indicações para este tipo de peeling são:  Fotoenvelhecimento,  acne,  eczema hiperquerostático,  queratose actínica,  rugas finas e melasma,  efélides.
  • 66. PEELING DE ACIDO LATICO  O peeling de ácido lático é aplicado no tratamento de melasmas e suas indicações se estendem ainda ao tratamento de doenças como ictiose, hiperceratose folicular, queratoses seborréica e actínica
  • 67. PEELING DE ÁCIDO LÁTICO  É peeling químico superficial - AHAs  Pode ser realizado por todos os tipos de pele da tabela FITZPATRICK  O ácido lático faz parte da composição do NMF ( fator natural de hidratação) da nossa pele.  Promove maciez, hidratação e clareamento  Concentração :10-30%
  • 68. PEELING DE ÁCIDO LÁTICO  O que é: Tratamento facial (e corporal) para atenuar melasmas Freqüência: quinzenal ou a cada 20 dias Duração: 20 minutos Número de sessões: de 3 a 6 Contra-indicações: Gestantes ou mulheres em fase de amamentação, alergias conhecidas aos produtos utilizados, transtornos de cicatrização (quelóides), dermatoses em geral e doenças auto-imunes. Cuidados: Proibido tomar sol durante o tratamento. O efeito colateral mais observado é o eritema pós peeling, que pode ser tratado com coticosteróides de baixa potencia.
  • 69. ACIDO GLICÓLICO  O que é: é derivado da cana de açúcar. Tem na alcachofra, e abacaxi Para que serve: indicado para rejuvenescimento cutâneo, tratamento de manchas hipercrômicas (escuras) e acne. Pode ser aplicado em casa, quando formulado em concentrações de 4% a 10%. Nos peelings, ela pode chegar de 30% a 70%.
  • 70. ACIDO GLICÓLICO  A execução do peeling de ácido glicólico deve ser cuidadosamente planejada; a seleção do agente desengordurante, a concentração e o pH do ácido glicólico, o tempo de exposição e a localização de distúrbios específicos dependem da cuidadosa avaliação de cada paciente
  • 71. ACIDO GLICÓLICO  Os tipos de pele 1 e 2 de Fitzpatrick são, muitas vezes, mais sensíveis e menos tolerantes, e exigem concentrações mais baixas e tempos de exposição menores. A pele fotodanificada e mais velha tolera mais facilmente concentrações mais elevadas e tempos de exposição maiores.
  • 72. ACIDO GLICÓLICO  Para a realização do peeling de ácido glicólico é importante concentração acima de 50% e grau de pH. O pH em torno de 1,5 causa maior irritação do que com pH em torno de 2,5. O ácido glicólico é encontrado a 70% em solução alcoólica ou em gel. O peeling de ácido glicólico a 70% é tempo dependente e superficial e pode ser repetido à cada 15 dias
  • 73. ACIDO GLICÓLICO  Quem pode aplicar: dermatologista, esteticista sob supervisão médica. Aplicação: quando usado em casa deve ser aplicado à noite e evitar o sol. Em consultório, a aplicação dura de 3 a 7 minutos. A pele descansa por três dias. Contra indicação: pode induzir a hiperpigmentação pós-inflamatória, que causa o aparecimento de manchas nas maçãs do rosto, em torno da boca e no queixo.
  • 74. ACIDO MANDÉLICO  O Ácido Mandélico é um dos AHA´S de maior peso molecular. Provoca lentamente, uma reação na pele, através de uma aplicação totalmente homogênea e obtem um resultado completamente uniforme, minimizando os transtornos comuns da aplicação de AHA´S, que acontecem frequentemente nos tratamentos, de peles que apresentam hipersensibilidade, e também em peles negras. Este ácido apresenta, incontestavelmente, as mínimas reações adversas.
  • 75. ACIDO MANDÉLICO  O Ácido Mandélico facilita a penetração dos ativos a ele associados, em tratamentos de fotoenvelhecimento. Melhora a aparência das rugas pré-existentes, a hiperpigmentação, e cicatrizes que possam existir. Auxilia os ativos que serão utilizados em procedimentos posteriores, objetivando rejuvenescimento, também sendo um excelente auxiliar nos tratamentos da acne e rosácea, devido ao seu poder anti-séptico.
  • 76. ACIDO MANDÉLICO  Indicações  Indicado para peles que seguem a classificação do sistema Fitzpatrick , abaixo:  SISTEMA FITZPATRICK:  CLASSIFICAÇÃO PELE I a IV super branca, branca, morena clara e morena escura  V e VI(*)mulata e negra
  • 77. ACIDO MANDÉLICO  Contra-indicações:  Gravidez.  Pele com qualquer tipo de lesão, cicatrizes recentes, pós-operatório imediato, herpes e situações que, avaliadas pelo profissional, possam parecer contra indicadas.  Pele com aplicações recentes de qualquer outro tipo de ácido, de depilação com cera quente ou com eritema solar.
  • 78. ACIDO MANDÉLICO  Na Acne, o ácido mandélico age durante o processo infeccioso, pois além de combater as bactérias que formam o processo, ajuda a preveni-las, evitando a formação de novas bactérias e acelerando a cicatrização, colaborando ainda com o tratamento de eventuais seqüelas, e é extremamente eficaz no controle de seborréia e restrição dos ósteos
  • 79. ACIDO MANDÉLICO  Comedões e pústulas também se beneficiam das aplicações de ácido mandélico, que mostra-se extremamente eficaz em eliminar bactérias causadoras de outras infecções cutâneas.  Na Hiperpigmentação, o ácido mandélico trabalha na inibição da síntese da melanina (formação da mancha), bem como na melanina já depositada (mancha já formada), ajudando na remoção dos pigmentos hipercrômicos.
  • 80. ACIDO FÍTICO  O Ácido Fítico é extraído de cereais como o farelo de arroz e da aveia, e o gérmen de milho.  Ações :  * Excelente agente inibidor da Tirosinase ( enzima fundamental para a síntese de melanina ).  * Hidratante e suavizante de rugas. Pode ser usado em peles que apresentam grande sensibilidade e discreto grau de eritema ( como no pós operatório de peelings com laser (CO2 ) ).  * Potente antiinflamatório..
  • 81. ACIDO SALICÍLICO  O que é: Substância química não extraída da natureza. Para que serve: é ótima para esfoliação dos pés, cotovelos, joelhos e calosidades, em concentração de 20%. Quem pode aplicar: esteticista e paciente Contra indicações: não há. Cuidados: Não tomar sol com o creme na pele.
  • 82. ACIDO SALICÍLICO  Para os casos de queratose actínica e seborréicas, lentiginoses no dorso da mão e do antebraço;  na face é utilizado em solução alcoólica à 35% por cerca de 5 minutos, seguida de neutralização com água  A descamação se inicia em torno do 4-5º dia prolongando-se por cerca de 10 dias, com eritema e edema mínimos, podendo ser repetidos a entre 2 a 4 semanas.
  • 83. YELLOW PEEL®  Ácido Retinóico, combinado com os Ácidos Fítico, Kojic e Azeláico.  As principais indicações clinicas do Yellow Peel® são: Melasma epidérmico,  manchas hipercrômicas superficiais de diversas etiologias, lesões epidérmicas que ocorrem no  fotoenvelhecimento, pele flácida e seqüelas de acne e estrias.
  • 84. ALPHA BETA COMPLEX GEL®  ● Ácido Glicólico Gel - 40%  ● Ácido Salicílico - 10% à 15%  Anteriormente, descrevemos com detalhes a utilização do ácido glicólico como agente de peeling químico superficial. Agora, descreveremos a sua combinação com o ácido salicílico, formando um complexo sinérgico muito eficiente. O ácido salicílico é um beta hidroxi ácido de ação queratolítica e com grande afinidade por gordura (lipofílico) e que tem também ação anti-inflamatória e seboreguladora.  As indicações clínicas deste peeling Alpha Beta Complex Gel® são: Queratose pilar, acne comedogênica e papulosa, fotoenvelhecimento, melasma epidérmico e principalmente como peeling de refrescamento no qual, objetivamente, pode-se remover o estrato córneo superficial e deixar a pele com a aparência fresca e suave.
  • 85. RESORCINA  Derivada do FENOL  Indicação: sardas, manchas pós acne e para todos os tipos de pele  Deixa o rosto acastanhado e descamativo  Pode causar irritaçãocutâneas e respiratórias.  Contra-indicado: gestantes e pessoas sensíveis á resorcina.
  • 86. ALPHA BETA PEEL  È uma associação de AHA ( ácido mandélico) +BHA( ácido salicílico)+ GAG (Glicosaminoglicanas- Hidratação)  Peeling Superficial para melanoses e acnes para peles tipo IV,V,VI  Ação:comedolítica, queratolítica, clareadora, cicatrizante, bactericida,rejuvenescedora.
  • 87. ALPHA-BETA PEEL  Solução de ALPH-BETA PEEL EM Ph=1,8  FROSTING  Neutralizar: solução bicarbonatada a10%  Descamação  FPS= 30  PELES ORIENTAIS , MORENAS E NEGRAS  Peeling de escolha antes do Laser
  • 88. ACIDO AZELÁICO  É um ácido dicarboxílico,, naturalmente encontrado no trigo e em cereais em geral.  Usado como medicamento para tratamento de acne e manchas  Auxilia no tratamento da queda do cabelo e estimula seu crescimento.
  • 89. ACIDO AZELÁICO  Tratamento para ACNE:  Efeito queratolítico(desobstrução do tampão de queratina e sebo)  Ação Anti-bacteriana e antiinflamatória  Ação Clareadora(compete com tirosinase)  Antioxidante.  Concentração: 20% pode ser incorporado em shampoos, cremes, hidratantes  Uso: mínimo de 3 meses.
  • 90. ÁCIDO TRANEXÂMICO • O Ácido tranexâmico mostrou uma redução da atividade da tirosinase, enzima chave da síntese de melanina • Inibe a síntese de melanina não pela atuação direta nos melanócitos, mas através da inibição dos ativadores dos melanócitos e pela interferência com a interação dos melanócitos e queratinócitos
  • 91. ÁCIDO TRANEXÂMICO • Previne a pigmentação induzida por raios UV; -Produz clareamento da pele; -Eficaz no tratamento de melasmas, remoção da hiperpigmentação da pele resultante de cicatrizes de acne, idade, exposição solar. • Ácido Tranexâmico 3%
  • 93. PEELING CORPORAL  Pode ser realizado com qualquer AHAs,ou outros.  O epitélio corporal, não responde como o epitélio da face.  Deve ser repetido semanalmente.  Usado para manchas, esfoliação, e estimulação de colágeno.
  • 94. PEELING DO BUMBUM  Usado para deixar a PREFERÊNCIA NACIONAL liso, hidratado pele jovem, sem cravos e acnes.  Pode ser mecânico como o de cristal ou químico( ac. Mandélico, Glicólico, Retinóico, TCA, Alpha-beta, Salicílico, Resorcina, etc)  3-5 sessões. Não deve tomar sol durante as sessões. Usar FPS 30
  • 95. PEELING PARA ESTRIAS I  PEELING DE CRISTAL OU DIAMANTE  Em seguida aplicação de ácido retinóico á 5% em base . Deixar agir por 4-6 horas.  Retirar com água  Aplicar FPS 30, independente da área  Repetir a cada 15 dias.
  • 96. PEELING PARA ESTRIAS II  PEELING DE CRISTAL OU ESFOLIAÇÃO  Aplicação de ácido glicólico a 40%-70%  Aguardar eritema  Retirar com água  Aplicar FPS 30
  • 100. PREPARAÇÃO DA PELE  Podem também ser utilizados os alfahidróxi- ácidos como ácido glicólico (5 a 8%) ou ácido láctico (5 a 7%) ou lactado de amônia (5%), sempre à noite, durante pelo menos quinze dias antes do peeling.  ácido retinóico em concentrações de 0,025% a 0,1 %, uma vez à noite pelo no mínimo durante 15 dias antes da realização do peeling.
  • 101. CUIDADOS  Os peelings químicos também devem ser evitados em pessoas muito idosas, (acima de 80 anos), cardíacos, diabéticos, indivíduos em tratamento com drogas que induzem a pigmentação (tetraciclína, anticonvulsivantes, amiodarona, etc
  • 102. CUIDADOS • Quando o candidato ao Peeling utilizou a medicação da família dos retinóides (isotretinoína ou etretinato), deve ser aguardado no mínimo um ano após o término da medicação para realizar o Peeling químico
  • 103. CUIDADOS  Evitar o uso de ácido até 7 dias após.  O paciente pode usar maquiagem.  Se for o caso usar hidratantes para amolecer as cascas,  Usar filtros solares durante e depois do peeling  Evitar ficar puxando as casquinhas.