SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Aula – Protagonismo Juvenil – 3º ano (em dupla ou trio)
 Objetivo dessa aula: Discutir o relacionamento entre as pessoas.
Para o término do desenvolvimento dessa aula, os alunos farão um
A PIPA E A FLOR
“Era uma vez uma pipa.
O menino que a fez estava alegre e imaginou que a pipa também estaria. Por isso fez
nela uma cara risonha, colando tiras de papel de seda vermelho: dois olhos, um nariz,
uma boca...
Ô pipa boa: levinha, travessa, subia alto...
Gostava de brincar com o perigo, vivia zombando dos fios e dos galhos das árvores.
- “Vocês não me pegam, vocês não me pegam...”
E enquanto ria sacudia o rabo em desafio.
Chegou até a rasgar o papel, num galho que foi mais rápido, mas o menino consertou,
colando um remendo da mesma cor.
Mas aconteceu que num dia, ela estava começando a subir, correndo de um lado para
o outro no vento, olhou para baixo e viu, lá num quintal, uma flor. Ela já havia visto
muitas flores. Só que desta vez os seus olhos e os olhos da flor se encontraram, e ela
sentiu uma coisa estranha. Não, não era a beleza da flor. Já vira outras, mais belas.
Eram os olhos...
Quem não entende pensa que todos os olhos são parecidos, só diferentes na cor. Mas
não é assim. Há olhos que agradam, acariciam a gente como se fossem mãos. Outros
dão medo, ameaçam, acusam, quando a gente se percebe encarados por eles, dá um
arrepio ruim elo corpo. Tem também os olhos que colam, hipnotizam, enfeitiçam...
Ah! Você não sabe o que é enfeitiçar?!
Enfeitiçar é virar a gente pelo avesso: as coisas boas ficam escondidas, não têm
permissão para aparecer; e as coisas ruins começam a sair. Todo mundo é uma
mistura de coisas boas e ruins; às vezes a gente está sorrindo, às vezes a gente está
de cara feia. Mas o enfeitiçado fica sendo uma coisa só...
Pois é, o enfeitiçado não pode mais fazer o que ele quer, fica esquecido de quem ele
era...
A pipa ficou enfeitiçada. Não mais queria ser pipa. Só queria ser uma coisa: fazer o
que a florzinha quisesse. Ah! Ela era tão maravilhosa! Que felicidade se pudesse ficar
de mãos dadas com ela, pelo resto dos seus dias...
E assim, resolver mudar de dono. Aproveitando-se de um vento forte, deu um puxão
repentino na linha, ela arrebentou e a pipa foi cair, devagarzinho, ao lado da flor.
E deu a sua linha para ela segurar. Ela segurou forte.
Agora, sua linha nas mãos da flor, a pipa pensou que voar seria muito mais gostoso.
Lá de cima conversaria com ela, e ao voltar lhe contaria estórias para que ela
dormisse. E ela pediu:
- “Florzinha, me solta...” E a florzinha soltou.
A pipa subiu bem alto e seu coração bateu feliz. Quando se está lá no alto é bom
saber que há alguém esperando, lá embaixo.
Mas a flor, aqui de baixo, percebeu que estava ficando triste. Não, não é que estivesse
triste. Estava ficando com raiva. Que injustiça que a pipa pudesse voar tão alto, e ela
tivesse de ficar plantada no não. E teve inveja da pipa.
Tinha raiva ao ver a felicidade da pipa, longe dela... Tinha raiva quando via as pipas lá
em cima, tagarelando entre si. E ela flor, sozinha, deixada de fora.
- “Se a pipa me amasse de verdade não poderia estar feliz lá em cima, longe de mim.
Ficaria o tempo todo aqui comigo...”
E à inveja juntou-se o ciúme.
Inveja é ficar infeliz vendo as coisas bonitas e boas que os outros têm, e nós não.
Ciúme é a dor que dá quando a gente imagina a felicidade do outro, sem que a gente
esteja com ele.
E a flor começou a ficar malvada. Ficava emburrada quando a pipa chegava. Exigia
explicações de tudo. E a pipa começou a ter medo de ficar feliz, pois sabia que isto
faria a flor sofrer.
E a flor aos poucos foi encurtando a linha. A pipa não podia mais voar.
Via ali do baixinho, de sobre o quintal (esta essa toda a distância que a flor lhe
permitia voar) as pipas lá em cima... E sua boca foi ficando triste. E percebeu que já
não gostava tanto da flor, como no início...
Essa história não terminou. Está acontecendo bem agora, em algum lugar... E há três
jeitos de escrever o seu fim. Você é que vai escolher.
Primeiro: A pipa ficou tão triste que resolveu nunca mais voar.
- “Não vou te incomodar com os meus risos, Flor, mas também não vou te dar a
alegria do meu sorriso”.
E assim ficou amarrada junto à flor, mas mais longe dela do que nunca, porque o seu
coração estava em sonhos de vôos e nos risos de outros tempos.
Segundo: A flor, na verdade, era uma borboleta que uma bruxa má havia enfeitiçado e
condenado a ficar fincada no chão. O feitiço só se quebraria no dia em que ela fosse
capaz de dizer não à sua inveja e ao seu ciúme, e se sentisse feliz com a felicidade
dos outros. E aconteceu que um dia, vendo a pipa voar, ela se esqueceu de si mesma
por um instante e ficou feliz ao ver a felicidade da pipa. Quando isso aconteceu, o
feitiço se quebrou, e ela voou, agora como borboleta, para o alto, e os dois, pipa e
borboleta, puderam brincar juntos...
Terceiro: a pipa percebeu que havia mais alegria na liberdade de antigamente que nos
abraços da flor. Porque aqueles eram abraços que amarravam. E assim, num dia de
grande ventania, e se valendo de uma distração da flor, arrebentou a linha, e foi em
busca de uma outra mão que ficasse feliz vendo-a voar nas alturas.”
 Ao final da leitura todos os alunos deverão:
Refletir sobre a vida profissional deles e a relação de cada um comos adolescentes e
jovens.
 Em seguida, todos deverão compartilhar os pensamentos, o que pensam a
respeito sobre se relacionar com as pessoas que os rodeiam (ex. amigos,
familiares, pessoas que encontram na rua ou em estabelecimentos comerciais
que frequentam, etc.)
Nome_______________________________________________________________3ºanoA
ATIVIDADE INDIVIDUALVALENDONOTAPARAO 2º BIMESTRE
COMPREENSÃO DO TEXTO
1-Responda com base no texto:
a) O que a pipa sentiu quando subiu bem alto?
b) Para a pipa, o que era bom saber quando estava lá no alto?
C) Quem, lá embaixo, esperava a pipa?
2) Complete as frases com as palavras do quadro, de acordo com o texto:
Ciúme - triste - inveja – raiva
a) A flor percebeu que estava ficando................................................
b) Ela estava também com...............................................................
c) E teve.............................................................da pipa
d) E a inveja juntou-se o.................................................
3) Complete as duas frases do texto que mostram as razões de a flor ficar com tanta raiva da
pipa
a) Tinha raiva..............................................................................
b) Tinha raiva................................................................................
4) Copie do texto o que a flor pensava quando a pipa estava longe dela:
5) O que o narrador escreveu sobre:
a) A inveja...................................................................................
b) O ciúme.................................................................................
6) Complete as frases com as alternativas que caracterizam a flor e a pipa
a) a flor começou a ficar...............................................................
( ) arrependida ( ) bondosa ( ) malvada
7) Por que a pipa não podia mais voar?
8) Qual foi o sentimento da pipa em relação à flor, quando via as outras pipas voando lá em
cima?
9) O que você faria se estivesse no lugar da flor?
10) Quem é o autor dessa história?
FONTE: http://cantinhodosaberlinguaportuguesa.blogspot.com.br/2009/03/atividade-de-
lingua-portuguesa-3-ano.html
1 - A pipa, cansada pela atitude da flor, resolveu romper a linha e procurar uma mão menos
egoísta.
2 - A pipa, mesmo triste com a atitude da flor, decidiu ficar, mas nunca mais sorriu.
3 - A flor, na verdade, era um ser encantado.
O encantamento quebraria no dia em que ela visse a
felicidade da pipa e não sentisse inveja nem ciúme.
Isso aconteceu num belo dia de sol e a flor se transformou numa linda borboleta e as duas
voaram juntas.
Rubens Alves
Rubem Alves nasceu no dia 15 de setembro de 1933, em Boa Esperança, sul de Minas Gerais,
naquele tempo chamada de Dores da Boa Esperança. A cidade é conhecida pela serra
imortalizada por Lamartine Babo e Francisco Alves na música "Serra da Boa Esperança".

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto: Brincando Também se Aparende Matemática /5º ano
Projeto:   Brincando Também se Aparende Matemática /5º anoProjeto:   Brincando Também se Aparende Matemática /5º ano
Projeto: Brincando Também se Aparende Matemática /5º anoMary Alvarenga
 
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdfAulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdfDirceGrein
 
001. contrato da boa convivência
001. contrato da boa convivência001. contrato da boa convivência
001. contrato da boa convivênciaBeatriz Otto Ramos
 
Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Amanda Vaz
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxMaxLuisEspinosa
 
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdfLIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdfEMERSONMUNIZDECARVAL
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.Prof. Noe Assunção
 
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º anoSEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º anoIolanda Sá
 
As mudanças dos estados físicos da água
As mudanças dos estados físicos da água As mudanças dos estados físicos da água
As mudanças dos estados físicos da água Mary Alvarenga
 
Cienc- O Meio Ambiente
Cienc- O Meio Ambiente Cienc- O Meio Ambiente
Cienc- O Meio Ambiente Mary Alvarenga
 
Projeto o lixo e a reciclagem
Projeto o lixo e a reciclagemProjeto o lixo e a reciclagem
Projeto o lixo e a reciclagememjmachado
 

Mais procurados (20)

Projeto: Brincando Também se Aparende Matemática /5º ano
Projeto:   Brincando Também se Aparende Matemática /5º anoProjeto:   Brincando Também se Aparende Matemática /5º ano
Projeto: Brincando Também se Aparende Matemática /5º ano
 
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdfAulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
 
Diário de bordo
Diário de bordoDiário de bordo
Diário de bordo
 
Quiz ambiental / Questões
Quiz ambiental / QuestõesQuiz ambiental / Questões
Quiz ambiental / Questões
 
001. contrato da boa convivência
001. contrato da boa convivência001. contrato da boa convivência
001. contrato da boa convivência
 
Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
 
Ementa eletiva coracao
Ementa eletiva coracaoEmenta eletiva coracao
Ementa eletiva coracao
 
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdfLIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
 
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º anoSEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
 
Atividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileirosAtividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileiros
 
Modelo projeto pedagogico
Modelo projeto pedagogicoModelo projeto pedagogico
Modelo projeto pedagogico
 
As mudanças dos estados físicos da água
As mudanças dos estados físicos da água As mudanças dos estados físicos da água
As mudanças dos estados físicos da água
 
Cienc- O Meio Ambiente
Cienc- O Meio Ambiente Cienc- O Meio Ambiente
Cienc- O Meio Ambiente
 
Projeto o lixo e a reciclagem
Projeto o lixo e a reciclagemProjeto o lixo e a reciclagem
Projeto o lixo e a reciclagem
 

Semelhante a A Pipa e a Flor: a importância da liberdade e da solidariedade

Semelhante a A Pipa e a Flor: a importância da liberdade e da solidariedade (20)

A pipa e a flor
A pipa e a florA pipa e a flor
A pipa e a flor
 
Xico Braga
Xico BragaXico Braga
Xico Braga
 
A pipa e a flor
A pipa e a florA pipa e a flor
A pipa e a flor
 
A pipa e a flor
A pipa e a florA pipa e a flor
A pipa e a flor
 
Licao de voo + atividades
Licao de voo + atividadesLicao de voo + atividades
Licao de voo + atividades
 
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
 
Suplemento Acre 027 - Fevereiro + março 2023
Suplemento Acre 027 - Fevereiro + março 2023Suplemento Acre 027 - Fevereiro + março 2023
Suplemento Acre 027 - Fevereiro + março 2023
 
A menina e o pássaro encantado
A menina e o pássaro encantadoA menina e o pássaro encantado
A menina e o pássaro encantado
 
A pipa e a flor
A pipa e a florA pipa e a flor
A pipa e a flor
 
Bela e a fera
Bela e a feraBela e a fera
Bela e a fera
 
A Bela e a Fera
A Bela e a FeraA Bela e a Fera
A Bela e a Fera
 
Atividades complementares 6 série
Atividades complementares 6 sérieAtividades complementares 6 série
Atividades complementares 6 série
 
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesConto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
 
Passaporte da leitura / 3º Período (2011/12)
Passaporte da leitura / 3º Período (2011/12)Passaporte da leitura / 3º Período (2011/12)
Passaporte da leitura / 3º Período (2011/12)
 
Aborboletaeocavalinho copia
Aborboletaeocavalinho   copiaAborboletaeocavalinho   copia
Aborboletaeocavalinho copia
 
1 4918339399097254230
1 49183393990972542301 4918339399097254230
1 4918339399097254230
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
 
Visita de um Amigo
Visita de um AmigoVisita de um Amigo
Visita de um Amigo
 

Mais de Maria Aparecida Borges

3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docxMaria Aparecida Borges
 
Revisão 5 exercícios de leitura de gráficos (1)
Revisão 5   exercícios de leitura de gráficos (1)Revisão 5   exercícios de leitura de gráficos (1)
Revisão 5 exercícios de leitura de gráficos (1)Maria Aparecida Borges
 
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranjaDesengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranjaMaria Aparecida Borges
 

Mais de Maria Aparecida Borges (6)

3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
 
Separação de silabas complexas
Separação de silabas complexas Separação de silabas complexas
Separação de silabas complexas
 
Revisão 5 exercícios de leitura de gráficos (1)
Revisão 5   exercícios de leitura de gráficos (1)Revisão 5   exercícios de leitura de gráficos (1)
Revisão 5 exercícios de leitura de gráficos (1)
 
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranjaDesengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
 
Prova de l. portuguesa
Prova de l. portuguesaProva de l. portuguesa
Prova de l. portuguesa
 
1º a regi
1º a   regi1º a   regi
1º a regi
 

Último

Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 

Último (20)

Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 

A Pipa e a Flor: a importância da liberdade e da solidariedade

  • 1. Aula – Protagonismo Juvenil – 3º ano (em dupla ou trio)  Objetivo dessa aula: Discutir o relacionamento entre as pessoas. Para o término do desenvolvimento dessa aula, os alunos farão um A PIPA E A FLOR “Era uma vez uma pipa. O menino que a fez estava alegre e imaginou que a pipa também estaria. Por isso fez nela uma cara risonha, colando tiras de papel de seda vermelho: dois olhos, um nariz, uma boca... Ô pipa boa: levinha, travessa, subia alto... Gostava de brincar com o perigo, vivia zombando dos fios e dos galhos das árvores. - “Vocês não me pegam, vocês não me pegam...” E enquanto ria sacudia o rabo em desafio. Chegou até a rasgar o papel, num galho que foi mais rápido, mas o menino consertou, colando um remendo da mesma cor. Mas aconteceu que num dia, ela estava começando a subir, correndo de um lado para o outro no vento, olhou para baixo e viu, lá num quintal, uma flor. Ela já havia visto muitas flores. Só que desta vez os seus olhos e os olhos da flor se encontraram, e ela sentiu uma coisa estranha. Não, não era a beleza da flor. Já vira outras, mais belas. Eram os olhos... Quem não entende pensa que todos os olhos são parecidos, só diferentes na cor. Mas não é assim. Há olhos que agradam, acariciam a gente como se fossem mãos. Outros dão medo, ameaçam, acusam, quando a gente se percebe encarados por eles, dá um arrepio ruim elo corpo. Tem também os olhos que colam, hipnotizam, enfeitiçam... Ah! Você não sabe o que é enfeitiçar?! Enfeitiçar é virar a gente pelo avesso: as coisas boas ficam escondidas, não têm permissão para aparecer; e as coisas ruins começam a sair. Todo mundo é uma mistura de coisas boas e ruins; às vezes a gente está sorrindo, às vezes a gente está de cara feia. Mas o enfeitiçado fica sendo uma coisa só... Pois é, o enfeitiçado não pode mais fazer o que ele quer, fica esquecido de quem ele era... A pipa ficou enfeitiçada. Não mais queria ser pipa. Só queria ser uma coisa: fazer o que a florzinha quisesse. Ah! Ela era tão maravilhosa! Que felicidade se pudesse ficar de mãos dadas com ela, pelo resto dos seus dias... E assim, resolver mudar de dono. Aproveitando-se de um vento forte, deu um puxão repentino na linha, ela arrebentou e a pipa foi cair, devagarzinho, ao lado da flor. E deu a sua linha para ela segurar. Ela segurou forte. Agora, sua linha nas mãos da flor, a pipa pensou que voar seria muito mais gostoso. Lá de cima conversaria com ela, e ao voltar lhe contaria estórias para que ela dormisse. E ela pediu: - “Florzinha, me solta...” E a florzinha soltou. A pipa subiu bem alto e seu coração bateu feliz. Quando se está lá no alto é bom saber que há alguém esperando, lá embaixo.
  • 2. Mas a flor, aqui de baixo, percebeu que estava ficando triste. Não, não é que estivesse triste. Estava ficando com raiva. Que injustiça que a pipa pudesse voar tão alto, e ela tivesse de ficar plantada no não. E teve inveja da pipa. Tinha raiva ao ver a felicidade da pipa, longe dela... Tinha raiva quando via as pipas lá em cima, tagarelando entre si. E ela flor, sozinha, deixada de fora. - “Se a pipa me amasse de verdade não poderia estar feliz lá em cima, longe de mim. Ficaria o tempo todo aqui comigo...” E à inveja juntou-se o ciúme. Inveja é ficar infeliz vendo as coisas bonitas e boas que os outros têm, e nós não. Ciúme é a dor que dá quando a gente imagina a felicidade do outro, sem que a gente esteja com ele. E a flor começou a ficar malvada. Ficava emburrada quando a pipa chegava. Exigia explicações de tudo. E a pipa começou a ter medo de ficar feliz, pois sabia que isto faria a flor sofrer. E a flor aos poucos foi encurtando a linha. A pipa não podia mais voar. Via ali do baixinho, de sobre o quintal (esta essa toda a distância que a flor lhe permitia voar) as pipas lá em cima... E sua boca foi ficando triste. E percebeu que já não gostava tanto da flor, como no início... Essa história não terminou. Está acontecendo bem agora, em algum lugar... E há três jeitos de escrever o seu fim. Você é que vai escolher. Primeiro: A pipa ficou tão triste que resolveu nunca mais voar. - “Não vou te incomodar com os meus risos, Flor, mas também não vou te dar a alegria do meu sorriso”. E assim ficou amarrada junto à flor, mas mais longe dela do que nunca, porque o seu coração estava em sonhos de vôos e nos risos de outros tempos. Segundo: A flor, na verdade, era uma borboleta que uma bruxa má havia enfeitiçado e condenado a ficar fincada no chão. O feitiço só se quebraria no dia em que ela fosse capaz de dizer não à sua inveja e ao seu ciúme, e se sentisse feliz com a felicidade dos outros. E aconteceu que um dia, vendo a pipa voar, ela se esqueceu de si mesma por um instante e ficou feliz ao ver a felicidade da pipa. Quando isso aconteceu, o feitiço se quebrou, e ela voou, agora como borboleta, para o alto, e os dois, pipa e borboleta, puderam brincar juntos... Terceiro: a pipa percebeu que havia mais alegria na liberdade de antigamente que nos abraços da flor. Porque aqueles eram abraços que amarravam. E assim, num dia de grande ventania, e se valendo de uma distração da flor, arrebentou a linha, e foi em busca de uma outra mão que ficasse feliz vendo-a voar nas alturas.”  Ao final da leitura todos os alunos deverão: Refletir sobre a vida profissional deles e a relação de cada um comos adolescentes e jovens.  Em seguida, todos deverão compartilhar os pensamentos, o que pensam a respeito sobre se relacionar com as pessoas que os rodeiam (ex. amigos, familiares, pessoas que encontram na rua ou em estabelecimentos comerciais que frequentam, etc.)
  • 3. Nome_______________________________________________________________3ºanoA ATIVIDADE INDIVIDUALVALENDONOTAPARAO 2º BIMESTRE COMPREENSÃO DO TEXTO 1-Responda com base no texto: a) O que a pipa sentiu quando subiu bem alto? b) Para a pipa, o que era bom saber quando estava lá no alto? C) Quem, lá embaixo, esperava a pipa? 2) Complete as frases com as palavras do quadro, de acordo com o texto: Ciúme - triste - inveja – raiva a) A flor percebeu que estava ficando................................................ b) Ela estava também com............................................................... c) E teve.............................................................da pipa d) E a inveja juntou-se o................................................. 3) Complete as duas frases do texto que mostram as razões de a flor ficar com tanta raiva da pipa a) Tinha raiva.............................................................................. b) Tinha raiva................................................................................ 4) Copie do texto o que a flor pensava quando a pipa estava longe dela: 5) O que o narrador escreveu sobre: a) A inveja................................................................................... b) O ciúme................................................................................. 6) Complete as frases com as alternativas que caracterizam a flor e a pipa a) a flor começou a ficar............................................................... ( ) arrependida ( ) bondosa ( ) malvada 7) Por que a pipa não podia mais voar? 8) Qual foi o sentimento da pipa em relação à flor, quando via as outras pipas voando lá em cima? 9) O que você faria se estivesse no lugar da flor? 10) Quem é o autor dessa história? FONTE: http://cantinhodosaberlinguaportuguesa.blogspot.com.br/2009/03/atividade-de- lingua-portuguesa-3-ano.html
  • 4. 1 - A pipa, cansada pela atitude da flor, resolveu romper a linha e procurar uma mão menos egoísta. 2 - A pipa, mesmo triste com a atitude da flor, decidiu ficar, mas nunca mais sorriu. 3 - A flor, na verdade, era um ser encantado. O encantamento quebraria no dia em que ela visse a felicidade da pipa e não sentisse inveja nem ciúme. Isso aconteceu num belo dia de sol e a flor se transformou numa linda borboleta e as duas voaram juntas. Rubens Alves Rubem Alves nasceu no dia 15 de setembro de 1933, em Boa Esperança, sul de Minas Gerais, naquele tempo chamada de Dores da Boa Esperança. A cidade é conhecida pela serra imortalizada por Lamartine Babo e Francisco Alves na música "Serra da Boa Esperança".