SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula – Protagonismo Juvenil – 3º ano (em dupla ou trio)
 Objetivo dessa aula: Discutir o relacionamento entre as pessoas.
Para o término do desenvolvimento dessa aula, os alunos farão um
A PIPA E A FLOR
“Era uma vez uma pipa.
O menino que a fez estava alegre e imaginou que a pipa também estaria. Por isso fez
nela uma cara risonha, colando tiras de papel de seda vermelho: dois olhos, um nariz,
uma boca...
Ô pipa boa: levinha, travessa, subia alto...
Gostava de brincar com o perigo, vivia zombando dos fios e dos galhos das árvores.
- “Vocês não me pegam, vocês não me pegam...”
E enquanto ria sacudia o rabo em desafio.
Chegou até a rasgar o papel, num galho que foi mais rápido, mas o menino consertou,
colando um remendo da mesma cor.
Mas aconteceu que num dia, ela estava começando a subir, correndo de um lado para
o outro no vento, olhou para baixo e viu, lá num quintal, uma flor. Ela já havia visto
muitas flores. Só que desta vez os seus olhos e os olhos da flor se encontraram, e ela
sentiu uma coisa estranha. Não, não era a beleza da flor. Já vira outras, mais belas.
Eram os olhos...
Quem não entende pensa que todos os olhos são parecidos, só diferentes na cor. Mas
não é assim. Há olhos que agradam, acariciam a gente como se fossem mãos. Outros
dão medo, ameaçam, acusam, quando a gente se percebe encarados por eles, dá um
arrepio ruim elo corpo. Tem também os olhos que colam, hipnotizam, enfeitiçam...
Ah! Você não sabe o que é enfeitiçar?!
Enfeitiçar é virar a gente pelo avesso: as coisas boas ficam escondidas, não têm
permissão para aparecer; e as coisas ruins começam a sair. Todo mundo é uma
mistura de coisas boas e ruins; às vezes a gente está sorrindo, às vezes a gente está
de cara feia. Mas o enfeitiçado fica sendo uma coisa só...
Pois é, o enfeitiçado não pode mais fazer o que ele quer, fica esquecido de quem ele
era...
A pipa ficou enfeitiçada. Não mais queria ser pipa. Só queria ser uma coisa: fazer o
que a florzinha quisesse. Ah! Ela era tão maravilhosa! Que felicidade se pudesse ficar
de mãos dadas com ela, pelo resto dos seus dias...
E assim, resolver mudar de dono. Aproveitando-se de um vento forte, deu um puxão
repentino na linha, ela arrebentou e a pipa foi cair, devagarzinho, ao lado da flor.
E deu a sua linha para ela segurar. Ela segurou forte.
Agora, sua linha nas mãos da flor, a pipa pensou que voar seria muito mais gostoso.
Lá de cima conversaria com ela, e ao voltar lhe contaria estórias para que ela
dormisse. E ela pediu:
- “Florzinha, me solta...” E a florzinha soltou.
A pipa subiu bem alto e seu coração bateu feliz. Quando se está lá no alto é bom
saber que há alguém esperando, lá embaixo.
Mas a flor, aqui de baixo, percebeu que estava ficando triste. Não, não é que estivesse
triste. Estava ficando com raiva. Que injustiça que a pipa pudesse voar tão alto, e ela
tivesse de ficar plantada no não. E teve inveja da pipa.
Tinha raiva ao ver a felicidade da pipa, longe dela... Tinha raiva quando via as pipas lá
em cima, tagarelando entre si. E ela flor, sozinha, deixada de fora.
- “Se a pipa me amasse de verdade não poderia estar feliz lá em cima, longe de mim.
Ficaria o tempo todo aqui comigo...”
E à inveja juntou-se o ciúme.
Inveja é ficar infeliz vendo as coisas bonitas e boas que os outros têm, e nós não.
Ciúme é a dor que dá quando a gente imagina a felicidade do outro, sem que a gente
esteja com ele.
E a flor começou a ficar malvada. Ficava emburrada quando a pipa chegava. Exigia
explicações de tudo. E a pipa começou a ter medo de ficar feliz, pois sabia que isto
faria a flor sofrer.
E a flor aos poucos foi encurtando a linha. A pipa não podia mais voar.
Via ali do baixinho, de sobre o quintal (esta essa toda a distância que a flor lhe
permitia voar) as pipas lá em cima... E sua boca foi ficando triste. E percebeu que já
não gostava tanto da flor, como no início...
Essa história não terminou. Está acontecendo bem agora, em algum lugar... E há três
jeitos de escrever o seu fim. Você é que vai escolher.
Primeiro: A pipa ficou tão triste que resolveu nunca mais voar.
- “Não vou te incomodar com os meus risos, Flor, mas também não vou te dar a
alegria do meu sorriso”.
E assim ficou amarrada junto à flor, mas mais longe dela do que nunca, porque o seu
coração estava em sonhos de vôos e nos risos de outros tempos.
Segundo: A flor, na verdade, era uma borboleta que uma bruxa má havia enfeitiçado e
condenado a ficar fincada no chão. O feitiço só se quebraria no dia em que ela fosse
capaz de dizer não à sua inveja e ao seu ciúme, e se sentisse feliz com a felicidade
dos outros. E aconteceu que um dia, vendo a pipa voar, ela se esqueceu de si mesma
por um instante e ficou feliz ao ver a felicidade da pipa. Quando isso aconteceu, o
feitiço se quebrou, e ela voou, agora como borboleta, para o alto, e os dois, pipa e
borboleta, puderam brincar juntos...
Terceiro: a pipa percebeu que havia mais alegria na liberdade de antigamente que nos
abraços da flor. Porque aqueles eram abraços que amarravam. E assim, num dia de
grande ventania, e se valendo de uma distração da flor, arrebentou a linha, e foi em
busca de uma outra mão que ficasse feliz vendo-a voar nas alturas.”
 Ao final da leitura todos os alunos deverão:
Refletir sobre a vida profissional deles e a relação de cada um comos adolescentes e
jovens.
 Em seguida, todos deverão compartilhar os pensamentos, o que pensam a
respeito sobre se relacionar com as pessoas que os rodeiam (ex. amigos,
familiares, pessoas que encontram na rua ou em estabelecimentos comerciais
que frequentam, etc.)
Nome_______________________________________________________________3ºanoA
ATIVIDADE INDIVIDUALVALENDONOTAPARAO 2º BIMESTRE
COMPREENSÃO DO TEXTO
1-Responda com base no texto:
a) O que a pipa sentiu quando subiu bem alto?
b) Para a pipa, o que era bom saber quando estava lá no alto?
C) Quem, lá embaixo, esperava a pipa?
2) Complete as frases com as palavras do quadro, de acordo com o texto:
Ciúme - triste - inveja – raiva
a) A flor percebeu que estava ficando................................................
b) Ela estava também com...............................................................
c) E teve.............................................................da pipa
d) E a inveja juntou-se o.................................................
3) Complete as duas frases do texto que mostram as razões de a flor ficar com tanta raiva da
pipa
a) Tinha raiva..............................................................................
b) Tinha raiva................................................................................
4) Copie do texto o que a flor pensava quando a pipa estava longe dela:
5) O que o narrador escreveu sobre:
a) A inveja...................................................................................
b) O ciúme.................................................................................
6) Complete as frases com as alternativas que caracterizam a flor e a pipa
a) a flor começou a ficar...............................................................
( ) arrependida ( ) bondosa ( ) malvada
7) Por que a pipa não podia mais voar?
8) Qual foi o sentimento da pipa em relação à flor, quando via as outras pipas voando lá em
cima?
9) O que você faria se estivesse no lugar da flor?
10) Quem é o autor dessa história?
FONTE: http://cantinhodosaberlinguaportuguesa.blogspot.com.br/2009/03/atividade-de-
lingua-portuguesa-3-ano.html
1 - A pipa, cansada pela atitude da flor, resolveu romper a linha e procurar uma mão menos
egoísta.
2 - A pipa, mesmo triste com a atitude da flor, decidiu ficar, mas nunca mais sorriu.
3 - A flor, na verdade, era um ser encantado.
O encantamento quebraria no dia em que ela visse a
felicidade da pipa e não sentisse inveja nem ciúme.
Isso aconteceu num belo dia de sol e a flor se transformou numa linda borboleta e as duas
voaram juntas.
Rubens Alves
Rubem Alves nasceu no dia 15 de setembro de 1933, em Boa Esperança, sul de Minas Gerais,
naquele tempo chamada de Dores da Boa Esperança. A cidade é conhecida pela serra
imortalizada por Lamartine Babo e Francisco Alves na música "Serra da Boa Esperança".

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

136241213 atividades-sobre-agua-o-ciclo-da-agua-na-natureza
136241213 atividades-sobre-agua-o-ciclo-da-agua-na-natureza136241213 atividades-sobre-agua-o-ciclo-da-agua-na-natureza
136241213 atividades-sobre-agua-o-ciclo-da-agua-na-naturezaDiesvania Mussi
 
O ar - Texto e atividade
O ar - Texto e atividadeO ar - Texto e atividade
O ar - Texto e atividadeMary Alvarenga
 
Poluição - Texto e atividade de Ciências
Poluição  - Texto e atividade de Ciências Poluição  - Texto e atividade de Ciências
Poluição - Texto e atividade de Ciências Mary Alvarenga
 
Multiplicação divertida
Multiplicação divertida Multiplicação divertida
Multiplicação divertida Mary Alvarenga
 
Jogo da Velha da Multiplicação - Prof. Rubiane.pdf
Jogo da Velha da Multiplicação - Prof. Rubiane.pdfJogo da Velha da Multiplicação - Prof. Rubiane.pdf
Jogo da Velha da Multiplicação - Prof. Rubiane.pdfAnabia Rangell
 
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amareloAtividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amareloMaria de Lourdes Lourenço
 
Atividade de Ciência - Saneamento básico texto e atividade
Atividade de Ciência - Saneamento básico texto e atividadeAtividade de Ciência - Saneamento básico texto e atividade
Atividade de Ciência - Saneamento básico texto e atividadeMary Alvarenga
 
Atividades flor da sustentabilidade
Atividades flor da sustentabilidadeAtividades flor da sustentabilidade
Atividades flor da sustentabilidadeGEssica siluzinha
 
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.docAtividades Diversas Cláudia
 
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013Angela Maria
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAndré Moraes
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosMary Alvarenga
 
Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Amanda Vaz
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Mary Alvarenga
 
Exercícios extras 9ano densidade
Exercícios extras 9ano densidadeExercícios extras 9ano densidade
Exercícios extras 9ano densidadeProfessora Raquel
 
Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingMary Alvarenga
 

Mais procurados (20)

AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
 
136241213 atividades-sobre-agua-o-ciclo-da-agua-na-natureza
136241213 atividades-sobre-agua-o-ciclo-da-agua-na-natureza136241213 atividades-sobre-agua-o-ciclo-da-agua-na-natureza
136241213 atividades-sobre-agua-o-ciclo-da-agua-na-natureza
 
O ar - Texto e atividade
O ar - Texto e atividadeO ar - Texto e atividade
O ar - Texto e atividade
 
Poluição - Texto e atividade de Ciências
Poluição  - Texto e atividade de Ciências Poluição  - Texto e atividade de Ciências
Poluição - Texto e atividade de Ciências
 
Multiplicação divertida
Multiplicação divertida Multiplicação divertida
Multiplicação divertida
 
Jogo da Velha da Multiplicação - Prof. Rubiane.pdf
Jogo da Velha da Multiplicação - Prof. Rubiane.pdfJogo da Velha da Multiplicação - Prof. Rubiane.pdf
Jogo da Velha da Multiplicação - Prof. Rubiane.pdf
 
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amareloAtividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
 
Atividades sobre fake news
Atividades sobre fake newsAtividades sobre fake news
Atividades sobre fake news
 
Atividade de Ciência - Saneamento básico texto e atividade
Atividade de Ciência - Saneamento básico texto e atividadeAtividade de Ciência - Saneamento básico texto e atividade
Atividade de Ciência - Saneamento básico texto e atividade
 
Atividades flor da sustentabilidade
Atividades flor da sustentabilidadeAtividades flor da sustentabilidade
Atividades flor da sustentabilidade
 
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
 
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
 
Planeta Terra
Planeta Terra Planeta Terra
Planeta Terra
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
 
Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos
 
Exercícios extras 9ano densidade
Exercícios extras 9ano densidadeExercícios extras 9ano densidade
Exercícios extras 9ano densidade
 
Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - Bullying
 

Semelhante a Aula 3 protagonismo juvenil

Semelhante a Aula 3 protagonismo juvenil (20)

A pipa e a flor
A pipa e a florA pipa e a flor
A pipa e a flor
 
Xico Braga
Xico BragaXico Braga
Xico Braga
 
A pipa e a flor
A pipa e a florA pipa e a flor
A pipa e a flor
 
A pipa e a flor
A pipa e a florA pipa e a flor
A pipa e a flor
 
Licao de voo + atividades
Licao de voo + atividadesLicao de voo + atividades
Licao de voo + atividades
 
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
 
Suplemento Acre 027 - Fevereiro + março 2023
Suplemento Acre 027 - Fevereiro + março 2023Suplemento Acre 027 - Fevereiro + março 2023
Suplemento Acre 027 - Fevereiro + março 2023
 
A menina e o pássaro encantado
A menina e o pássaro encantadoA menina e o pássaro encantado
A menina e o pássaro encantado
 
A pipa e a flor
A pipa e a florA pipa e a flor
A pipa e a flor
 
Bela e a fera
Bela e a feraBela e a fera
Bela e a fera
 
A Bela e a Fera
A Bela e a FeraA Bela e a Fera
A Bela e a Fera
 
Atividades complementares 6 série
Atividades complementares 6 sérieAtividades complementares 6 série
Atividades complementares 6 série
 
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesConto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
 
Passaporte da leitura / 3º Período (2011/12)
Passaporte da leitura / 3º Período (2011/12)Passaporte da leitura / 3º Período (2011/12)
Passaporte da leitura / 3º Período (2011/12)
 
Aborboletaeocavalinho copia
Aborboletaeocavalinho   copiaAborboletaeocavalinho   copia
Aborboletaeocavalinho copia
 
1 4918339399097254230
1 49183393990972542301 4918339399097254230
1 4918339399097254230
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
 
Visita de um Amigo
Visita de um AmigoVisita de um Amigo
Visita de um Amigo
 

Mais de Maria Aparecida Borges

3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docxMaria Aparecida Borges
 
Revisão 5 exercícios de leitura de gráficos (1)
Revisão 5   exercícios de leitura de gráficos (1)Revisão 5   exercícios de leitura de gráficos (1)
Revisão 5 exercícios de leitura de gráficos (1)Maria Aparecida Borges
 
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranjaDesengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranjaMaria Aparecida Borges
 

Mais de Maria Aparecida Borges (6)

3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
3- SISTEMA DE CRENÇAS E PRÁTICA EDUCATIVA.docx
 
Separação de silabas complexas
Separação de silabas complexas Separação de silabas complexas
Separação de silabas complexas
 
Revisão 5 exercícios de leitura de gráficos (1)
Revisão 5   exercícios de leitura de gráficos (1)Revisão 5   exercícios de leitura de gráficos (1)
Revisão 5 exercícios de leitura de gráficos (1)
 
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranjaDesengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
Desengordurante ecológico feito instantaneamente com cascas de laranja
 
Prova de l. portuguesa
Prova de l. portuguesaProva de l. portuguesa
Prova de l. portuguesa
 
1º a regi
1º a   regi1º a   regi
1º a regi
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisValéria Shoujofan
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (20)

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 

Aula 3 protagonismo juvenil

  • 1. Aula – Protagonismo Juvenil – 3º ano (em dupla ou trio)  Objetivo dessa aula: Discutir o relacionamento entre as pessoas. Para o término do desenvolvimento dessa aula, os alunos farão um A PIPA E A FLOR “Era uma vez uma pipa. O menino que a fez estava alegre e imaginou que a pipa também estaria. Por isso fez nela uma cara risonha, colando tiras de papel de seda vermelho: dois olhos, um nariz, uma boca... Ô pipa boa: levinha, travessa, subia alto... Gostava de brincar com o perigo, vivia zombando dos fios e dos galhos das árvores. - “Vocês não me pegam, vocês não me pegam...” E enquanto ria sacudia o rabo em desafio. Chegou até a rasgar o papel, num galho que foi mais rápido, mas o menino consertou, colando um remendo da mesma cor. Mas aconteceu que num dia, ela estava começando a subir, correndo de um lado para o outro no vento, olhou para baixo e viu, lá num quintal, uma flor. Ela já havia visto muitas flores. Só que desta vez os seus olhos e os olhos da flor se encontraram, e ela sentiu uma coisa estranha. Não, não era a beleza da flor. Já vira outras, mais belas. Eram os olhos... Quem não entende pensa que todos os olhos são parecidos, só diferentes na cor. Mas não é assim. Há olhos que agradam, acariciam a gente como se fossem mãos. Outros dão medo, ameaçam, acusam, quando a gente se percebe encarados por eles, dá um arrepio ruim elo corpo. Tem também os olhos que colam, hipnotizam, enfeitiçam... Ah! Você não sabe o que é enfeitiçar?! Enfeitiçar é virar a gente pelo avesso: as coisas boas ficam escondidas, não têm permissão para aparecer; e as coisas ruins começam a sair. Todo mundo é uma mistura de coisas boas e ruins; às vezes a gente está sorrindo, às vezes a gente está de cara feia. Mas o enfeitiçado fica sendo uma coisa só... Pois é, o enfeitiçado não pode mais fazer o que ele quer, fica esquecido de quem ele era... A pipa ficou enfeitiçada. Não mais queria ser pipa. Só queria ser uma coisa: fazer o que a florzinha quisesse. Ah! Ela era tão maravilhosa! Que felicidade se pudesse ficar de mãos dadas com ela, pelo resto dos seus dias... E assim, resolver mudar de dono. Aproveitando-se de um vento forte, deu um puxão repentino na linha, ela arrebentou e a pipa foi cair, devagarzinho, ao lado da flor. E deu a sua linha para ela segurar. Ela segurou forte. Agora, sua linha nas mãos da flor, a pipa pensou que voar seria muito mais gostoso. Lá de cima conversaria com ela, e ao voltar lhe contaria estórias para que ela dormisse. E ela pediu: - “Florzinha, me solta...” E a florzinha soltou. A pipa subiu bem alto e seu coração bateu feliz. Quando se está lá no alto é bom saber que há alguém esperando, lá embaixo.
  • 2. Mas a flor, aqui de baixo, percebeu que estava ficando triste. Não, não é que estivesse triste. Estava ficando com raiva. Que injustiça que a pipa pudesse voar tão alto, e ela tivesse de ficar plantada no não. E teve inveja da pipa. Tinha raiva ao ver a felicidade da pipa, longe dela... Tinha raiva quando via as pipas lá em cima, tagarelando entre si. E ela flor, sozinha, deixada de fora. - “Se a pipa me amasse de verdade não poderia estar feliz lá em cima, longe de mim. Ficaria o tempo todo aqui comigo...” E à inveja juntou-se o ciúme. Inveja é ficar infeliz vendo as coisas bonitas e boas que os outros têm, e nós não. Ciúme é a dor que dá quando a gente imagina a felicidade do outro, sem que a gente esteja com ele. E a flor começou a ficar malvada. Ficava emburrada quando a pipa chegava. Exigia explicações de tudo. E a pipa começou a ter medo de ficar feliz, pois sabia que isto faria a flor sofrer. E a flor aos poucos foi encurtando a linha. A pipa não podia mais voar. Via ali do baixinho, de sobre o quintal (esta essa toda a distância que a flor lhe permitia voar) as pipas lá em cima... E sua boca foi ficando triste. E percebeu que já não gostava tanto da flor, como no início... Essa história não terminou. Está acontecendo bem agora, em algum lugar... E há três jeitos de escrever o seu fim. Você é que vai escolher. Primeiro: A pipa ficou tão triste que resolveu nunca mais voar. - “Não vou te incomodar com os meus risos, Flor, mas também não vou te dar a alegria do meu sorriso”. E assim ficou amarrada junto à flor, mas mais longe dela do que nunca, porque o seu coração estava em sonhos de vôos e nos risos de outros tempos. Segundo: A flor, na verdade, era uma borboleta que uma bruxa má havia enfeitiçado e condenado a ficar fincada no chão. O feitiço só se quebraria no dia em que ela fosse capaz de dizer não à sua inveja e ao seu ciúme, e se sentisse feliz com a felicidade dos outros. E aconteceu que um dia, vendo a pipa voar, ela se esqueceu de si mesma por um instante e ficou feliz ao ver a felicidade da pipa. Quando isso aconteceu, o feitiço se quebrou, e ela voou, agora como borboleta, para o alto, e os dois, pipa e borboleta, puderam brincar juntos... Terceiro: a pipa percebeu que havia mais alegria na liberdade de antigamente que nos abraços da flor. Porque aqueles eram abraços que amarravam. E assim, num dia de grande ventania, e se valendo de uma distração da flor, arrebentou a linha, e foi em busca de uma outra mão que ficasse feliz vendo-a voar nas alturas.”  Ao final da leitura todos os alunos deverão: Refletir sobre a vida profissional deles e a relação de cada um comos adolescentes e jovens.  Em seguida, todos deverão compartilhar os pensamentos, o que pensam a respeito sobre se relacionar com as pessoas que os rodeiam (ex. amigos, familiares, pessoas que encontram na rua ou em estabelecimentos comerciais que frequentam, etc.)
  • 3. Nome_______________________________________________________________3ºanoA ATIVIDADE INDIVIDUALVALENDONOTAPARAO 2º BIMESTRE COMPREENSÃO DO TEXTO 1-Responda com base no texto: a) O que a pipa sentiu quando subiu bem alto? b) Para a pipa, o que era bom saber quando estava lá no alto? C) Quem, lá embaixo, esperava a pipa? 2) Complete as frases com as palavras do quadro, de acordo com o texto: Ciúme - triste - inveja – raiva a) A flor percebeu que estava ficando................................................ b) Ela estava também com............................................................... c) E teve.............................................................da pipa d) E a inveja juntou-se o................................................. 3) Complete as duas frases do texto que mostram as razões de a flor ficar com tanta raiva da pipa a) Tinha raiva.............................................................................. b) Tinha raiva................................................................................ 4) Copie do texto o que a flor pensava quando a pipa estava longe dela: 5) O que o narrador escreveu sobre: a) A inveja................................................................................... b) O ciúme................................................................................. 6) Complete as frases com as alternativas que caracterizam a flor e a pipa a) a flor começou a ficar............................................................... ( ) arrependida ( ) bondosa ( ) malvada 7) Por que a pipa não podia mais voar? 8) Qual foi o sentimento da pipa em relação à flor, quando via as outras pipas voando lá em cima? 9) O que você faria se estivesse no lugar da flor? 10) Quem é o autor dessa história? FONTE: http://cantinhodosaberlinguaportuguesa.blogspot.com.br/2009/03/atividade-de- lingua-portuguesa-3-ano.html
  • 4. 1 - A pipa, cansada pela atitude da flor, resolveu romper a linha e procurar uma mão menos egoísta. 2 - A pipa, mesmo triste com a atitude da flor, decidiu ficar, mas nunca mais sorriu. 3 - A flor, na verdade, era um ser encantado. O encantamento quebraria no dia em que ela visse a felicidade da pipa e não sentisse inveja nem ciúme. Isso aconteceu num belo dia de sol e a flor se transformou numa linda borboleta e as duas voaram juntas. Rubens Alves Rubem Alves nasceu no dia 15 de setembro de 1933, em Boa Esperança, sul de Minas Gerais, naquele tempo chamada de Dores da Boa Esperança. A cidade é conhecida pela serra imortalizada por Lamartine Babo e Francisco Alves na música "Serra da Boa Esperança".