SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                 PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO


     AULA DOIS: HARDWARE II – ESPECIFICIDADES DAS
       MEMÓRIAS E DISPOSITIVOS DE ARMAZENAGEM



Olá a todos.


Hoje vamos completar o estudo dos dispositivos de memória dos
computadores     analisando   questões   específicas   do    tema.
Pessoalmente, um edital que exige noções básicas de hardware não
deveria cobrar o conteúdo que veremos nesta aula, mas infelizmente
não é isso que acontece. Nos exercícios de fixação teremos uma
noção de como esses detalhes são cobrados. Sem mais enrolação,
vamos ao trabalho.



1 - Tipos de memória RAM


Essa é uma parte um pouco cansativa devido à similaridade de
nomenclaturas. É, no entanto, importante termos noções dos tipos de
memória RAM.
Existem dois tipos básicos de memória RAM: a DRAM (RAM
dinâmica), e a SRAM (RAM estática).


1.1 - SRAM (Static RAM)
O que precisamos saber sobre a SRAM é basicamente que ela é muito
mais veloz e cara que a DRAM. Além disso, ao contrário da DRAM, ela
não necessita do chamado Refresh. Refresh é um processo de
“Reforço” que as memórias do tipo DRAM utilizam, de tempos em
tempos, para manterem seus dados, como veremos logo a seguir.
Por sua performance elevada, a SRAM é o tipo de memória utilizado
na memória cache e, principalmente por seu preço igualmente
elevado, não é o tipo utilizado na memória RAM.


1.2 - DRAM (Dynamic RAM)
Como vimos, a DRAM é mais barata e lenta quando comparada à
SRAM. A memória RAM dinâmica utiliza transistores e capacitores
para o armazenamento de dados. Os capacitores têm o
funcionamento similar a uma bateria e, portanto, se descarregam
com o tempo, ou seja, o sinal elétrico que representa o dado
armazenado vai diminuindo. Para que os dados fiquem armazenados,


           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                          1
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                 PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
as memórias DRAM possuem circuitos especiais (circuitos de refresh),
que acessam milhares de vezes por segundo todas as células da
memória e atualizam o seu conteúdo (aumentando novamente o sinal
elétrico). Por isso são chamadas de dinâmicas.
Como é mais barata que a SRAM, a DRAM é a memória que
utilizamos como memória principal do computador, já que
necessitamos de maior capacidade de armazenamento. Quando nos
referimos de forma direta ou genérica à memória RAM, estamos
tratando de DRAM.
Existem vários tipos de DRAM. A variação ocorre principalmente em
função da época em que determinado tipo foi desenvolvido e em
função de fatores de mercado. Geralmente um micro suporta
somente um tipo de DRAM, mas há exceções e algumas questões de
compatibilidade a se considerar. Atualmente, os principais tipos de
DRAM são:
   •   SDRAM
   •   DDR
   •   DDR2


1.2.1 - SDRAM (DRAM síncrona)
A SDRAM foi muito utilizada entre 1997 e 2002 e caíram em desuso
sendo substituídas pelas DDR. São chamadas de síncronas por
conseguirem trabalhar em sincronia (na mesma freqüência) com a
placa mãe do computador.
Para entendermos a diferença entre as memórias do tipo SDRAM e
DDR, precisamos conhecer o conceito de freqüência de trabalho da
memória. Essa freqüência de trabalho (também conhecida como
clock) é medida em ciclos por segundo e é da ordem de milhões de
ciclos por segundo (MHz).
As memórias SDRAM trabalham transportando (lendo ou escrevendo)
64 bits de dados a cada ciclo de trabalho. Encontramos módulos de
SDRAM que podem operar com 66 (PC66), 100(PC100) ou
133(PC133) MHz. Como transportam 64 bits a cada ciclo de trabalho,
basta multiplicarmos a quantidade de bits pela freqüência de trabalho
para sabermos a quantidade de dados que podem ser transportados a
cada segundo, ou seja, sua taxa de transferência.
Vamos entender:
64 bits transferidos a cada ciclo = 8 bytes a cada ciclo (64÷8)
Então, em uma SDRAM PC100        100 milhões de ciclos por segundo X
8 bytes (64 bits) = 800 milhões de bytes por segundo = 800 MB/s.




              WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                         2
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO

      Tipo de SDRAM      Clock      Taxa de transferência
      PC66               66MHz             533 MB/s
      PC100              100MHz            800 MB/s
      PC133              133MHz            1066 MB/s


1.2.2 - DDR (Double Data Rate)
A diferença entre a DDR e a SDRAM é que a DDR utiliza cada ciclo de
trabalho da memória duas vezes, dobrando sua velocidade, enquanto
que a SDRAM utiliza o ciclo apenas uma vez. Quer dizer, ao
compararmos uma memória do tipo SDRAM que trabalhe a 100 MHz e
uma DDR que trabalhe nessa mesma freqüência, a DDR terá uma
taxa de transferência duas vezes superior à da SDRAM. Daí o motivo
de receber o nome Double Data Rate.
Isso gera certa confusão quanto à nomenclatura das memórias DDR.
Uma memória DDR400, por exemplo, faz em um segundo, 400
milhões de transferências, cada uma delas com 8 bytes (64 bits),
transferindo, assim, 3.200 MB/s. Por isso, os módulos DDR400 são
chamados de PC3200.
Os tipos de chips de memória DDR são:
 Tipo de     Nome do             Taxa de transferência
   chip      módulo
DDR200       PC1600    200 X 8 bytes 1,6KB X 1.000.000         =
                       = 1,6 KB       1600 GB/s
DDR266       PC2100    266 X 8 bytes 2,1KB X 1.000.000         =
                       =2,1KB        2100 GB/s
DDR333       PC2700    333 X 8 bytes 2,7KB X 1.000.000         =
                       = 2,7KB       2700 GB/s
DDR400       PC3200    400 X 8 bytes 3,2KB X 1.000.000         =
                       = 3,2KB       3200 GB/s


Mas de onde vem a confusão na nomenclatura das DDR? Simples:
como elas transportam duas vezes mais dados que uma SDRAM de
mesma freqüência, sua nomenclatura utiliza um valor nominal ao
invés do valor real das freqüências. Quer dizer, uma memória
DDR200 não trabalha a 200MHz, mas apenas a 100MHz, como
podemos ver na tabela seguinte:




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                            3
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                 PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO

Tipo       Clock      Nome do módulo     Taxa de transferência
DDR200     100MHz          PC1600                 1,6 GB/s
DDR266     133MHz          PC2100                 2,1 GB/s
DDR333     166MHz          PC2700                 2,7 GB/s
DDR400     200MHz          PC3200                 3,2 GB/s


Muita atenção aqui!
  O termo PC100 indica uma SDRAM que trabalha a 100MHz e que,
portanto, pode transferir 800MB/s (100 milhões X 8 bytes).
  O termo PC1600 indica uma DDR que pode transferir 1.600MB/s.
Ou seja, em uma SDRAM o termo PCxxx relaciona-se com o seu
clock, enquanto que em uma DDR o termo relaciona-se com a sua
taxa de transferência.


1.2.3 - DDR2
Tenham calma, a confusão já passou. A DDR2 é apenas uma
evolução da DDR, lançada em 2004. A menor versão desses módulos
de memória é a DDR2/400. Tanto a DDR400 quanto a DDR2/400
possuem a mesma velocidade de transferência de dados (3,2 GB/s).
Já podemos encontrar módulos DDR2/667, DDR2/800 e DDR2/1060.
Nunca é demais lembrar: essas freqüências são nominais. O valor das
freqüências reais é metade do das nominais.




        Esquema simplificado de tipos de memória RAM


2 – Outras características de memória RAM


2.1 - Tipos de encaixe de memórias RAM
Existe uma nomenclatura que identifica o formato físico de um
módulo de memória RAM. Nos micros atuais, esses módulos


           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                          4
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                 PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
obedecem ao formato DIMM (Dual In-line Memory Module). Esse
formato utiliza o nome DIMM seguido do número de vias (contatos
elétricos) do módulo:


                       SDRAM      DIMM/168
                       DDR        DIMM/184
                       DDR2       DIMM/240


É importante sabermos disso, porque as memórias SDRAM são vulgar
e erradamente conhecidas como memória DIMM. Agora sabemos que
essa associação não é correta.
Uma conseqüência dos diferentes tipos de módulo utilizados é que
um não se encaixa no slot do outro. Slot é o nome dado à fenda onde
encaixamos um módulo de memória.
Portanto, um módulo de memória DDR2 não pode ser utilizado em
um micro que só possua slots de memória DDR ou SDRAM. Muitas
vezes, entretanto, os fabricantes de micro produzem placas com mais
de um tipo de slot de memória RAM. Isso é comum nos períodos de
transição entre os formatos e ajuda a reduzir os custos de atualização
tecnológica (upgrade) dos micros.




                       Dois módulos DIMM
   Os encaixes são diferentes impedindo erros de instalação


Outros formatos de módulos de memória são o SIMM (Single In-line
Memory) e o RIMM.
O padrão SIMM era utilizado em módulos de memória antigos, até
aproximadamente 1997. Essas memórias, anteriores às SDRAM,
utilizavam as tecnologias FPM (Fast Page Mode) e EDO (Extended
Data Out), hoje completamente defasadas. Vale ressaltar que FPM e


           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                             5
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
EDO também são tipos de memória RAM dinâmica (FPM DRAM e EDO
DRAM).




                       Dois módulos SIMM


O segundo era o módulo adotado em um tipo de memória RAM
chamado RDRAM (Rambus DRAM). A RDRAM foi uma tecnologia que
surgiu para suprir uma necessidade de performance na época do
lançamento do Pentium 4, por volta dos anos 2000 e 2001. Devido ao
seu alto custo, ela não “pegou”, tendo sido rapidamente substituída
pela geração das primeiras memórias DDR.
Há também módulos utilizados por alguns notebooks, como os
módulos SODIMM ou os MicroDIMM.




 Módulo de memória SODIMM, utilizado em alguns notebooks


É importante notar que as tecnologias adotadas nos diversos tipos de
memória RAM surgem e desaparecem em função da necessidade
crescente de performance nos microcomputadores. Fatores de
mercado também exercem forte influência e acabam por determinar
o fracasso ou sucesso de uma ou outra tecnologia. Por isso, é comum
a convivência de várias dessas tecnologias em um dado período.
Em termos de concursos públicos, já sabemos que as bancas
examinadoras costumam cobrar, com maior freqüência e
profundidade, as tecnologias mais recentes. No entanto, é sempre
importante lembrarmos ao menos das nomenclaturas das tecnologias
ultrapassadas. Isso é bastante útil quando resolvemos questões
eliminando as alternativas erradas.
Por exemplo, ao nos depararmos com uma questão que afirma que a
memória RAM do tipo EDO é a mais rápida das memórias, se
soubermos que EDO é um tipo de memória ultrapassado, saberemos



           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                           6
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
que a afirmação está errada, mesmo desconhecendo a velocidade
deste tipo de memória.
Evolução cronológica dos diferentes tipos de memória RAM, com seus
respectivos tipos de módulo:


                  FPM           EDO          SDRAM
               SIMM/30-72    SIMM/72 ou     DIMM/168
                              DIMM/168



                RDRAM           DDR           DDR2
               RIMM/184       DIMM/184       DIMM/240



Não é demais lembrar que uma tecnologia não substitui
imediatamente outra, pois há períodos em que convivem no mercado
mais de um tipo de RAM.
     Observação: os módulos de memória RAM aqui
     apresentados, bem como os tipos de memória RAM a eles
     associados não constituem um rol exaustivo. Alguns
     fabricantes como Apple ou Dell podem exigir determinadas
     características em seus módulos. Além disso, há uma
     diversidade de equipamentos, como celulares e PDAs, que
     usam módulos de memória RAM muito específicos. Em
     termos objetivos, o que precisamos é de uma noção geral
     dos tipos de memória RAM e dos módulos mais importantes,
     lembrando, principalmente, que os módulos não são
     compatíveis entre si, ou seja, não podem ser substituídos
     uns pelos outros.
     Outra observação importante é que há certos módulos de
     memória, desenvolvidos para nichos de mercado, que
     possuem desempenho superior aos dos módulos padrão.
     Essas exceções não costumam ser cobradas, mas é bom
     sabermos que elas existem. Um exemplo dessas exceções é
     a existência de módulos de memória do tipo DDR superiores
     às DDR400(PC3200). São módulos mais caros e, como
     disse, voltados a nichos de mercado, como os usuários de
     jogos eletrônicos de ponta e praticantes de overclock
     (estudaremos o que é overclock na próxima aula).


2.2 - Tempo de acesso de memórias RAM
O tempo de acesso das memórias RAM é da ordem de poucos (por
volta de dez) milionésimos de segundo (nanossegundos ou ns).




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                          7
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
Vamos relembrar a diferença entre taxa de transferência e tempo de
acesso: a primeira medida diz respeito à capacidade de transferência
de dados do dispositivo com o restante do computador. A segunda
representa o tempo médio que o dispositivo leva para ler ou gravar
um dado na memória. Quanto maior a taxa de transferência, melhor.
Quanto menor o tempo de acesso, melhor.


3 – Discos ópticos e leitores


3.1 – Capacidade        de   armazenamento       e   tipos   de   CD
(ROM/R/RW)
A capacidade de armazenamento dos CD-R/RW pode variar em
função de alguns fatores. Um desses fatores é o diâmetro dos discos.
O diâmetro mais popular é o utilizado nos CDs de música tradicionais.
Nessa dimensão, o CD pode armazenar 700MB. Existem CDs de
menor diâmetro e, portanto, com menor capacidade de
armazenamento. Também já houve o desenvolvimento de CDs com
capacidade maior que 700MB, mas não se costuma cobrar isso em
prova. A propósito, questões de concursos que cobram conhecimento
de capacidades de armazenamento, geralmente o fazem tomando
como referência produtos padrão de mercado. Dessa forma, fiquemos
com esse valor para a capacidade de armazenamento de um CD:
700MB.
Já que estamos falando de CDs, vejamos os tipos existentes quanto à
capacidade de leitura e/ou escrita de dados. Há basicamente três
tipos de CD que nos interessam:
  •   CD-ROM: (read only memory) só pode ser lido, pois já vem
      gravado de fábrica, como CDs de instalação de softwares, por
      exemplo.
  •   CD-R: só pode ser gravado (escrita de dados) uma vez, mas
      lido inúmeras vezes. Existe um termo em inglês para esse tipo
      de memória que é “Write Once, Read Many - WORM”. Na
      verdade, podemos gravar um CD-R várias vezes, mas nunca
      podemos sobrescrever ou apagar algum dado previamente
      gravado. Vamos entender melhor isso:
      Quando gravamos arquivos em um CD-R, temos a opção de
      não finalizá-lo. Optando por não finalizá-lo, podemos gravar
      outros arquivos posteriormente, mas somente na área que
      ainda não recebeu dados, na área livre. Uma vez gravado um
      arquivo em um CD-R, ele não pode mais ser apagado.
  •   CD-RW: distingue-se do CD-R pela possibilidade de ter o seu
      conteúdo apagado para posteriormente receber novos dados.
      Antes de finalizá-lo, o comportamento é igual ao de um CD-R,



           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                            8
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                  PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
     entretanto, podemos apagar todo o seu conteúdo a qualquer
     momento deixando-o pronto para receber dados novamente.
Essas observações são válidas também para a classificação de DVDs.
Assim, um DVD-ROM pode apenas ser lido, um DVD-R pode ser
gravado uma vez e lido diversas vezes e um DVD-RW pode ser tanto
gravado como lido diversas vezes.


3.2 – Capacidade de armazenamento e tipos de DVD
DVDs possuem dois padrões distintos de gravação, o DVD- e o DVD+.
Não existe nenhuma diferença significativa entre eles, mas é bom
saber que um DVD- só pode ser gravado/lido em uma
gravadora/leitora compatível. O mesmo raciocínio é válido para o
DVD+. As gravadoras modernas, bem como os aparelhos domésticos
de DVD podem manipular os dois formatos, tornando essas
diferenças transparentes para o usuário.
Quanto à capacidade de armazenamento, vale o aplicado aos CDs, ou
seja, também variam em função do diâmetro. No diâmetro mais
popular, que é o mesmo do CD, um DVD armazena 4,7 GB. Preste
atenção às unidades de medida de bytes nos CDs e nos DVDs.
Nestes, o armazenamento é da ordem de BILHÕES de bytes (GB),
naqueles, é da ordem de MILHÕES de bytes (MB).
No caso dos DVDs, ainda há outro fator que exerce influência na sua
capacidade de armazenamento: a densidade. Existem DVDs de dupla
densidade (ou dupla camada/double layer), que, portanto, podem
armazenar mais dados na mesma área útil dos DVDs normais .
Os DVDs podem ainda conter dados nos dois lados do disco, como
nos antigos LPs (alguém se lembra deles?). A desvantagem desse
último tipo de mídia é a necessidade de virarmos o disco para gravar
ou ler no outro lado, já que os tocadores só conseguem ler um lado.
Em resumo, podemos ter DVDs com as seguintes capacidades:


  Padrão        Capacidade      N° de camadas       N° de lados
  DVD 5         4.7 GB                  1                 1
  DVD10         9.4 GB                  1                 2
  DVD 9         8.5 GB                  2                 1
  DVD 18        17 GB                   2                 2


Atentem para o fato de que um DVD de dupla densidade não tem o
dobro da capacidade de um de densidade simples. O dobro da
capacidade é alcançado pelo DVD de dupla face, não pelo de dupla
densidade. Isso ocorre porque a segunda camada de um DVD de



            WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                          9
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
dupla camada (ou densidade) armazena menos dados que a primeira
camada.
As especificações das mídias de armazenamento óptico variam muito
com o passar do tempo. A cada momento surgem novos padrões e
tecnologias, assim como outras são esquecidas. Por exemplo, já
houve o lançamento de CDs de dupla densidade, com capacidade de
1,3GB, mas o formato não “pegou”. As mídias de DVD-/+R mais
populares são as de 4.7 GB, que custam aproximadamente R$ 3,00,
enquanto que uma mídia de dupla camada custa aproximadamente
R$ 15,00. É possível que essa última nunca seja popular para os
usuários de PC e que seja substituída por novos formatos.
De fato, esses novos formatos já existem. Falo das tecnologias
Blu-ray e HD DVD. Este último pode armazenar até 15GB em uma
única camada. O Blu-ray, por sua vez, armazena 25 GB por camada.
No momento, os dois formatos estão travando uma batalha pela
preferência do mercado. Recentemente vi anúncios de aparelhos
domésticos de Blu-Ray.
Para efeito de concurso público, creio ser suficiente conhecer a
capacidade desses dois formatos. Não relevem essa informação, já
que as bancas costumam cobrar com freqüência as novidades e
tendências do mercado de informática e tecnologia.


3.3 – Drives de leitura e gravação de discos ópticos
Chamamos de drive de CD o equipamento que lê e/ou grava dados
em CDs. Os drives de CD podem ser classificados segundo sua taxa
máxima de transferência de dados com o computador. Essa
classificação utiliza a velocidade de um reprodutor padrão,
representada com a letra “X” estabelecendo múltiplos desse valor. A
velocidade tida como padrão para os drives de CD é de 150KBps
(Kilobytes por segundo). Portanto:


                          Drives de CD
                          1X     150KB/s
                                ...
                         52X     7,8MB/s


Os drives de CD utilizam uma nomenclatura padrão para indicar sua
velocidade para tarefas distintas. Um drive gravador/leitor de CD
típico possui uma indicação como: CDRW 24x10x40x.
A maior velocidade é sempre a de leitura de CD. A menor é a de
regravação (CD-RW) e a velocidade intermediária é de gravação (CD-
R). No exemplo, o drive pode ler um CD a 40x, gravar um CD-R a
24x e gravar um CD-RW a 10x.

           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                         10
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                 PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
Drives ópticos modernos podem trabalhar somente com CDs ou com
CDs e DVDs. As combinações possíveis são:
  •   Drives leitores de CD
  •   Drives leitores/gravadores de CD
                                                                    Comentário: Isso existe?
  •   Drives leitores de DVD e de CD
  •   Drives leitores de DVD e leitores/gravadores de CD (Combo
      drives)
  •   Drives leitores/gravadores de DVD e CD


A lógica é simples: um drive que lê DVDs, também lê CDs. Um drive
que grava DVDs, também grava CDs. A recíproca, no entanto, não é
verdadeira. Atenção ao chamado drive combo, pois ele não grava
DVDs, apesar de gravar CDs.
As medidas de velocidade dos drives de DVD são diferentes
das dos drives de CD. A velocidade padrão (1x) dos drives de DVD
é de cerca de 1350KB/s. Portanto:
                              Drives de DVD
                              1X     1350KB/s
                                    ...
                              12X    16,2MB/s


A velocidade 1x de um DVD equivale à velocidade 9x de um CD.




              Unidade leitora de CD 52X (7,8MB/s)




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                        11
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO




         Unidade leitora/gravadora de CD 52x32x52x


4 - Discos rígidos
4.1 – Anatomia de um disco rígido
O disco rígido é uma pilha de pratos de metal (normalmente
alumínio, revestidos de óxido de ferro), que gira sobre um eixo. A
leitura ou gravação é feita por um braço com diversas cabeças que se
movem simultaneamente, de forma que possam acessar qualquer
parte dos discos. Tudo isso é fechado dentro de uma câmara a vácuo
e selada.
Discos rígidos são equipamentos de construção e funcionamento
muito precisos. Para se ter uma idéia, a distância que separa o
cabeçote de leitura/gravação da superfície do disco é muito menor
que um fio de cabelo.
Cada um dos discos que compõem uma unidade de disco rígido
possui, obviamente, duas faces. O que importa é que ambas as faces
são utilizadas, e para cada uma delas há uma cabeça de
leitura/gravação de dados.




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                          12
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO




Interior de um disco rígido, com seus diversos discos e braços
                     de leitura/gravação




             Braços de leitura/gravação em detalhe


Cada face de um disco de um HD é dividida em uma série de círculos
concêntricos chamados de trilha. Trilhas parecem-se muito com as
faixas de um disco de áudio LP. A diferença é que em um LP os
círculos formam uma espiral contínua enquanto que no disco rígido
eles são separados. Discos modernos possuem milhares de trilhas em
cada face.
Cada trilha, por sua vez, é dividida em setores. Pense num disco, já
dividido em trilhas, sendo fatiado como se fatia uma pizza. Cada
pedaço resultante dessa divisão é um setor. Ainda sobre setores:
  •   o setor é a menor unidade com a qual o disco trabalha,
      portanto deve ser gravado ou lido sempre inteiro. Quer dizer,
      se for necessário alterar apenas um byte dos 512 bytes de um
      setor, todo o setor é regravado.
  •   cada setor armazena 512 bytes (meio KB).
  •   discos rígidos antigos possuíam um número de setores igual em
      todas as trilhas.
  •   discos modernos possuem mais setores nas trilhas mais
      externas.




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                          13
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO




              Esquema de um disco rígido (HD)




           Ilustração do interior de um disco rígido



4.2 – Capacidade de armazenamento
Os discos rígidos mais comuns no mercado brasileiro de PC são os
que armazenam de 60GB a 120GB. No entanto, existem discos com


          WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                       14
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
maior capacidade. Pelo que pude levantar, hoje, o maior disco rígido
interno possui capacidade de armazenar 500GB.
Discos rígidos externos podem ser maiores porque não possuem
limitação de tamanho. Os discos rígidos internos têm tamanho
padrão, já que devem encaixar-se perfeitamente nos gabinetes dos
PC, que também obedecem a um padrão. A propósito, discos rígidos
destinados a notebooks são menores que os destinados a desktops.
Não por acaso, são bem mais caros.


4.3 – Velocidade dos discos rígidos
4.3.1 – Padrão do disco
A velocidade dos discos rígidos varia em função de vários fatores,
dentre eles o padrão adotado. Os mais comuns hoje em dia são os do
padrão IDE, cuja taxa de transferência máxima é de 133MB/s.
Atualmente o mercado está migrando para o padrão SATA, cuja
menor velocidade é de 150 MB/s. Há também os discos rígidos SCSI.
Estes últimos são discos de alto custo e desempenho, usados
principalmente pelo mercado corporativo. Há discos SCSI que operam
a mais de 300MB/s. Voltaremos a falar desse assunto quando
estudarmos o assunto referente a barramentos.


4.3.2 – Velocidade de rotação
Outro fator que influencia de modo indireto na velocidade dos discos
rígidos é a velocidade de rotação dos discos. Discos voltados ao
mercado doméstico (SATA ou IDE) podem ser encontrados em
velocidades de rotação de 5400, 7200 ou 10.000 RPM (rotações por
minuto). Os discos SCSI mais velozes operam a 12.000 e 15.000
RPM.
Internamente, do ponto de vista mecânico (discos, braços, motores),
discos IDE, SATA e SCSI são semelhantes. A principal diferença entre
eles está nos seus circuitos controladores e no tipo de interface que
utilizam.


4.3.3 – Tempo médio de acesso
O tempo de acesso do disco rígido é o tempo que ele leva para
posicionar os cabeçotes de leitura/gravação sobre um determinado
ponto do disco. Como os tempos de acesso variam bastante em
função da distância de um ponto a outro, uma medida aproximada é
conseguida medindo-se o tempo que ele leva do início até o meio do
disco. O tempo de acesso resulta, portanto, da combinação da
velocidade de rotação do disco (RPM) e o tempo necessário para
mover os cabeçotes de uma trilha para outra.




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                           15
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
O tempo médio de acesso dos discos rígidos modernos varia de 5 a
15ms (milissegundos, 1/1.000 de segundo).
Cabe lembrar que o tempo médio de acesso das memórias RAM fica
em torno de 10 milionésimos de segundo (10/1.000.000 de segundo)


4.3.4 – Taxa de transferência interna e externa
Quando falamos que a velocidade de um HD é de 150MB/s estamos
falando de taxa de transferência externa. Essa é a velocidade com a
qual o disco rígido se comunica com o restante do computador, mais
especificamente com a placa-mãe do computador.
Entretanto, os discos rígidos possuem também uma taxa de
transferência interna. Essa taxa indica a velocidade com a qual o
disco se comunica com uma memória interna que possui. A função
dessa memória interna, conhecida como buffer, é a de ser
intermediária entre o disco e o restante do computador. Em geral, a
taxa de transferência interna é bem menor que a externa.
Não precisamos nos preocupar com valores de transferência interna,
mas é bom saber, e importante lembrar, que quando nos referimos à
taxa de transferência de um HD, estamos falando da taxa de
transferência externa. Também é comum referir-se à taxa de
transferência externa como velocidade de um HD:
– Qual a velocidade desse HD?
– 133 MB/s!



5 - Memórias Flash
Sem dúvida, a tecnologia disponibilizada por meio das modernas
memórias Flash representa uma revolução nos dispositivos portáteis
de armazenamento de dados. Até pouco tempo atrás, a única opção
que dispúnhamos era o disquete de 3 ½ polegadas, com seus míseros
1,44MB de capacidade, além de uma confiabilidade baixíssima.
Como estão cada vez mais presentes no dia-a-dia dos usuários de
PCs, é provável que fiquem também mais freqüentes nas questões de
concurso. Vamos destacar alguns detalhes desses dispositivos.


5.1 – Capacidade de armazenamento de memórias Flash
As memórias Flash estão em franco desenvolvimento, ficando cada
vez mais populares. Por isso, sua capacidade de armazenamento tem
crescido bastante em um curto espaço de tempo. Atualmente, essa
capacidade pode variar de alguns poucos megabytes (16, 32, 64) a
incríveis 4GB ou mesmo 8GB.



           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                         16
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
Lembro a todos que esse é um tipo muito caro de memória. Por
exemplo, por R$350,00 pode-se comprar um disco rígido de 200 GB
em um site de leilões brasileiro, o que dá R$1,75 por GB. No mesmo
site, encontramos um pen-drive (memória flash) de 4GB por
R$500,00. Nesse caso, o preço por GB pula para R$ 125,00!! Muito
caro, não acham?


5.2 – Tipos comuns de memórias Flash
Pode ser útil conhecermos os tipos mais comuns dessas memórias.
Os dispositivos de memória flash que são integrados a um conector
USB são conhecidos como pen-drive. Veremos mais sobre conectores
e USB nas próximas aulas.




   Pen-drive = memória Flash com conector USB integrado


Os cartões de memória, que também são tipos de memória Flash,
existem em diversos formatos, principalmente em função de fatores
de marca e mercado. Os mais comuns são:


  •   Compact Flash – o maior da turma:




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                        17
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
               PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
•   Secure Digital (SD), MiniSD e MicroSD/TransFlash – muito
    populares em máquinas fotográficas digitais menores e PDAs:




•   MMC e MMC mobile – relativamente compatíveis com o SD:




•   xD-Picture Card:




•   SmartMedia – em desuso:




         WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                        18
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                 PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
  •   Memory Stick:




Existem leitores/gravadores de cartões de memória externos ou
internos. Os externos geralmente conectam-se ao computador
através de um conector USB. Os internos costumam utilizar uma área
do gabinete idêntica à destinada aos drives de disquetes. Em minha
opinião, a tendência que se verifica é a de substituição dos drives de
disquete por leitores de cartões.
Há também alguns periféricos, como mouses e impressoras, que vêm
com leitor de cartões embutido, o que também acontece com
freqüência nos notebooks mais equipados.
Os leitores atuais costumam ser capazes de ler praticamente todos os
tipos de cartão do mercado. No entanto, é bom sabermos que os
cartões não são compatíveis entre si, salvo algumas exceções. O que
os fabricantes de leitores fazem é fabricá-los com encaixes para os
diversos tipos de cartão.




   Leitor externo de cartões de memória com conector USB




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                            19
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO




             Leitor interno de cartões de memória
            Encaixa-se no gabinete do computador




   No detalhe, leitor de cartões integrado a uma impressora




          Leitor de cartões integrado a um notebook



6 - Fitas magnéticas
As fitas magnéticas são muito utilizadas para backup de dados.
Existem vários formatos desse tipo de mídia. Como são voltadas para
um mercado mais corporativo, é comum que existam soluções quase
que personalizadas de formatos e equipamentos de gravação e leitura
de fitas. No entanto, um formato muito popular é o da chamada fita
DAT. Inicialmente projetada para áudio, foi adotada para
armazenamento de dados e pode guardar de 1,3 a 72GB em fitas de



           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                         20
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
60 a 170 metros, dependendo do formato em que são gravados os
dados.
Podemos lembrar de outros formatos como o DLT (digital linear tape)
e o LTO (Linear tape-open). Este último é um formato aberto em
oposição ao caráter proprietário do primeiro. Uma fita LTO pode
guardar até 800GB.
Vale lembrar que fitas são dispositivos de armazenamento
seqüencial, isto é, para se ler um dado que está no final da fita,
tem-se que passar por toda sua extensão, obrigatoriamente. Por esse
motivo, seu uso é praticamente limitado ao backup.


7 - Discos flexíveis
Um disco flexível de 3 e ½ polegadas armazena até 1,44 MB (atenção
ao M!). Apesar de ultrapassado, ainda encontramos unidades de disco
flexível, o famoso disquete, em praticamente qualquer PC atual. Uma
observação: o drive que lê e grava dados em disquetes muitas vezes
aparece apenas com a sigla FDD, de Floppy Drive Disk. Fiquem
atentos.
Os discos flexíveis existiram em tamanhos variados. Atualmente é
difícil encontrarmos um disquete que não seja o de 3 e ½". Há alguns
anos, entretanto, era comum termos computadores com duas
unidades de disquete: um de 3 e ½" e outro de 5 e ¼".
A maioria dos leitores/gravadores de disquetes são embutidos no
gabinete do computador. Entretanto, existem unidades externas,
principalmente para uso com notebooks.


7.1 – Zip Drive e Jaz Drive
Zip drive é um tipo especial de disquete com capacidade de
armazenamento muito superior (geralmente 100 e 250 MB). O nicho
de mercado desse disquete era o transporte de arquivos muito
grandes, que não cabiam em disquetes convencionais. A
popularização dos gravadores de CD com a conseqüente diminuição
no preço das mídias, bem como o surgimento das memórias Flash em
forma de Pen-drives e cartões de memória acabaram por fazer com
que o Zip Drive não decolasse como previsto.
Sei que um dia serei surpreendido, mas acho difícil imaginar uma
maneira mais simples de transportar dados do que utilizando um
pen-drive. Estou, logicamente, me referindo ao transporte físico,
manual, de dados.




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                          21
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO




                             Zip drive


Outro tipo de disquete, semelhante ao Zip Drive, é o Jaz Drive. Estes
últimos foram construídos com capacidade de 1 ou 2GB. Ambos são
criação de uma empresa chamada Iomega.




                             Jaz Drive




EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO - ESPECIFICIDADES DAS MEMÓRIAS
E DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO


1) (FCC) A capacidade de armazenamento de um CD é equivalente à
capacidade de cerca de:
A) 40 disquetes.
B) 500 disquetes.
C) 230 disquetes.
D) 20 disquetes.
E) 3000 disquetes.


Comentário:




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                           22
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
Para sabermos a capacidade de armazenamento de um CD em
números de disquetes, basta dividir 700MB por 1,44MB. Atenção!
Sempre que nos depararmos com questões desse tipo, o primeiro
passo para a resolução é colocarmos as capacidades dos dispositivos
nas mesmas unidades de memória. Quer dizer, devemos dividir 700
Megabytes por 1,44 (Megabytes) e não por 1.440 (Kilobytes). Tudo
bem, isso parece óbvio, mas, na hora do nervosismo, garanto que
essa precaução vale a pena.
A resposta para a questão é a alternativa “B”, já que o resultado da
divisão dá 486 ou cerca de 500.
Gabarito: alternativa B.


2) (CESPE) Um disco rígido de 80 GB permite armazenar uma
quantidade de bytes superior à quantidade que 100 discos do tipo
mais popular de CD-ROM permitem armazenar.


Comentário:
O tipo mais comum de CD-ROM, como vimos, armazena 700MB.
Portanto, 100 CDs podem armazenar aproximadamente 70.000MB ou
70GB. Assim, um disco rígido de 80GB pode armazenar mais bytes do
que 100 CDs comuns. Podemos perceber que o examinador tomou o
cuidado de reportar-se a CDs “do tipo mais popular” não deixando
margens a questionamentos acerca de outros formatos de CD, como
o de dupla densidade de 1,3GB de capacidade. Portanto, a questão
está correta.
De qualquer forma, mesmo que a questão não deixasse explícito que
se tratam de “discos do tipo mais popular”, devemos sempre partir
dessa premissa, quando o comando não citar algo diferente.
Gabarito: assertiva correta.


3) (ESAF – Auditor Fiscal do Trabalho – 2003)
Analise as seguintes afirmações relacionadas a processamento de
dados, hardware, software e periféricos.
I. A memória DDR usa circuitos de sincronização que aumentam a
sua velocidade. A memória DDR é, basicamente, duas vezes mais
rápida que a SDRAM, sem aumentar a velocidade nominal em MHz.
II. A cache é uma memória intermediária, com a mesma velocidade
que a RAM, que é utilizada para mediar a troca de dados entre o
processador e a memória RAM.
III. A memória EDO é aproximadamente 50% mais rápida que a
SDRAM, com ganhos reais ao redor de 25%.




           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                          23
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                 PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
Comentário:
Item I. A principal característica da DDR é utilizar a sua freqüência de
trabalho de forma duplicada em relação à SDRAM. Por isso possuem
o dobro da taxa de transferência quando comparadas a uma SDRAM
de mesma freqüência (freqüência nominal).
Item correto.


Item II. De fato a cache é uma memória intermediária e é utilizada
para mediar a troca de dados entre o processador e a memória RAM.
No entanto a velocidade da cache é muito maior que a da RAM.
Item errado.


Item III. A memória EDO é um tipo de DRAM (RAM dinâmica) antigo
e atualmente ultrapassado. A SDRAM é uma memória mais recente,
embora também já esteja ultrapassada. Analisando a evolução das
tecnologias de memórias RAM podemos notar que sempre há um
ganho de velocidade nos tipos mais recentes. Portanto, mesmo sem
saber os valores das respectivas taxas de transferência, podemos
verificar que o item está errado apenas lembrado da evolução
cronológica dos tipos de memória RAM.
Item errado.
Gabarito: apenas o item I está correto.


4) (FCC – 2004 – TRT PR – com adaptações) Em relação aos
componentes básicos de um microcomputador padrão PC, é correto
afirmar que:
A) a memória RAM armazena dados que são preservados, ainda que
o microcomputador seja desligado.
B) os programas armazenados em memória ROM recebem o nome de
firmware.


Comentário:
Alternativa A. A memória RAM é uma memória do tipo volátil,
portanto perde seus dados quando o computador é desligado.
Alternativa falsa.


Alternativa B.
Como vimos, firmware é o software básico dos equipamentos de
hardware e vem previamente gravado na memória ROM. Essa é a
alternativa certa.



            WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                             24
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                 PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
Gabarito: alternativa B.


5) (FCC) – (com adaptações) Com relação ao hardware da
plataforma IBM-PC, a:
A) RAM, ao contrário da memória ROM, é uma memória de
armazenamento definitivo e seu conteúdo somente é alterado ou
apagado através de comandos específicos.
B) RAM é uma memória de armazenamento temporário, enquanto a
memória ROM é um tipo de memória que não perde informações,
mesmo quando a energia é desligada.
C) ordem de busca realizada pela CPU para alocar os dados para
processamento inicia-se na memória principal, em seguida na Cache
L1 e por último na Cache L2.


Comentário:
Alternativa A. A RAM é uma memória de armazenamento temporário,
enquanto a ROM possui caráter definitivo. Houve uma inversão.
Alternativa Falsa.


Alternativa B.
Essa é a alternativa correta.


Alternativa C. A ordem de busca que a CPU realiza é: cache L1, cache
L2, cache L3 (se houver) e finalmente memória principal (RAM).
Alternativa Falsa.
Gabarito: alternativa B.


6) (CESPE – Policia Federal – Escrivão - 2002) Entre os meios de
armazenamento que podem ser utilizados por um usuário que precise
realizar o backup de informações obtidas na Internet, incluem-se
winchester, CD-ROM e fita magnética.


Comentário:
Esse é o tipo de questão que derruba o candidato mais apressado ou
aquele que dispensa uma preparação para as provas de informática
confiando em seus conhecimentos corriqueiros da matéria. Digo isso
porque o termo CD-ROM é comumente e inadequadamente utilizado
pelos leigos para indicar genericamente qualquer tipo de CD.




            WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                         25
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
Em uma lida rápida e despretensiosa podemos esquecer que o CD-
ROM, não permite gravações, já que vem previamente gravado de
fábrica.
Gabarito: item errado.


7) (CESPE – agente de tributos MT – 2004) Para a realização de
backup, existem vários procedimentos que vão desde a aquisição de
equipamentos e computadores específicos até procedimentos mais
simples como, por exemplo, a gravação de dados em CD-ROM. Uma
vantagem dos CD-ROMs é que todas as variedades dessa mídia
permitem um número ilimitado de operações de leitura e escrita,
possibilitando que qualquer tipo de CD-ROM seja utilizado inúmeras
vezes para operações de backup.


Como vimos, um CD-ROM é um CD que já vem com o conteúdo
gravado de fábrica e não pode ser alterado. A questão estaria certa
se se referisse a CD-RW, que é o tipo de mídia apropriado para
gravações e regravações sucessivas.
Gabarito: item errado.


8) (CESPE – TJBA 2003) Caso a unidade de CD-ROM 56× de um
computador seja trocada por uma de 50×, a velocidade de leitura em
CDs irá aumentar, apesar de a quantidade de memória contida no CD
diminuir.


Comentário:
Uma unidade de CD-ROM 56x é um leitor (somente) de CDs. O 56x
indica que ela pode ler o CD a uma velocidade de aproximadamente
8,4MB/s. Se for trocada por uma de 50x, só se poderá ler dados a
aproximadamente 7,8MB/s, portanto, diminuindo a velocidade de
leitura.
A quantidade de memória do CD não possui nenhuma relação com a
velocidade do drive, apenas com as características da mídia (CD).
Gabarito: item errado.


9) (ESAF - AFRF 2002) Analise as seguintes afirmações relativas a
sistemas de armazenamento:
I. O acesso aos registradores é mais rápido que o acesso à memória
cache.
II. O tempo de acesso à memória RAM e aos discos magnéticos é
praticamente o mesmo.



           WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                         26
CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR
                     PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO
III. As unidades de fita DAT são muito utilizadas para efetuar cópias
de segurança.
IV. Quando um disco magnético é utilizado como memória virtual, o
tempo de acesso é inferior ao da memória cache.
Indique a opção que contenha todas as afirmações verdadeiras.
a) I e II
b) II e III
c) III e IV
d) I e III
e) II e IV


Comentários:
Item I. Falaremos de registradores na próxima aula. Por hora, basta
saber que o tempo de acesso dos registradores é o menor que
encontrado no computador.


Item II. O tempo de acesso da memória RAM (+/-10ns,
nanossegundos) é quase mil vezes menor que o dos discos rígidos
(+/- 15ms, milissegundos).


Item III. A maior vocação das fitas magnéticas, principalmente por
conseqüência de sua forma de acesso de dados seqüencial, sempre
foi a realização de cópia de segurança, o famoso backup.


Item IV. O fato de um disco rígido ser utilizado como memória virtual
não tem o poder de alterar suas características físicas, dentre elas, o
tempo médio de acesso. Esse tempo é característica intrínseca de
cada dispositivo.


Gabarito: itens I e III estão corretos, alternativa D.


Por hoje é só.


Abraços a todos e até a próxima aula, quando falaremos de
processadores.




               WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR                         27

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5 memória
5 memória5 memória
5 memória
Sandra Minhós
 
Memórias digitais1
Memórias digitais1Memórias digitais1
Memórias digitais1
Sérgio Reis
 
Memórias dram
Memórias dramMemórias dram
Memórias dram
Wagner Bonfim
 
Tipos memorias2
Tipos memorias2Tipos memorias2
Tipos memorias2
cabaldreams
 
Tipos de memórias
Tipos de memóriasTipos de memórias
Tipos de memórias
Denise Lemos Cardoso, CEFET-MG
 
Memorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channel
Memorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channelMemorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channel
Memorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channel
Rogério Cardoso
 
Aula 06 memória ram
Aula 06   memória ramAula 06   memória ram
Aula 06 memória ram
Leewan Meneses
 
Memorias Ram Original[1]
Memorias Ram Original[1]Memorias Ram Original[1]
Memorias Ram Original[1]
Licínio Rocha
 
Memória Ram - Aula Completa
Memória Ram - Aula CompletaMemória Ram - Aula Completa
Memória Ram - Aula Completa
Universidade Zambeze
 
Memória RAM
Memória RAMMemória RAM
Memória RAM
Vinicius Buffolo
 
Memórias
MemóriasMemórias
Memórias
André Lopes
 
ApresentaçãO Tipos De Memorias
ApresentaçãO  Tipos De MemoriasApresentaçãO  Tipos De Memorias
ApresentaçãO Tipos De Memorias
ecompo
 
Trab Memorias Ram
Trab Memorias RamTrab Memorias Ram
Trab Memorias Ram
joaquimsousaferreira
 
MemóRias
MemóRiasMemóRias
MemóRias
Nelson Sousa
 
Memórias
MemóriasMemórias
Memórias
Jailson Silva
 
Aula 04 memórias - pt. i
Aula 04  memórias - pt. iAula 04  memórias - pt. i
Aula 04 memórias - pt. i
Alexandra Porcellis
 
As memórias
As memóriasAs memórias
As memóriasdgtavares
 
Apresentação Aula Memoria
Apresentação Aula MemoriaApresentação Aula Memoria
Apresentação Aula Memoria
CENTEC
 
Memória ram
Memória ramMemória ram
Memória ram
Inacia Lucia Medeiros
 
Memórias de armazenamento
Memórias de armazenamentoMemórias de armazenamento
Memórias de armazenamento
Anderson Zardo
 

Mais procurados (20)

5 memória
5 memória5 memória
5 memória
 
Memórias digitais1
Memórias digitais1Memórias digitais1
Memórias digitais1
 
Memórias dram
Memórias dramMemórias dram
Memórias dram
 
Tipos memorias2
Tipos memorias2Tipos memorias2
Tipos memorias2
 
Tipos de memórias
Tipos de memóriasTipos de memórias
Tipos de memórias
 
Memorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channel
Memorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channelMemorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channel
Memorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channel
 
Aula 06 memória ram
Aula 06   memória ramAula 06   memória ram
Aula 06 memória ram
 
Memorias Ram Original[1]
Memorias Ram Original[1]Memorias Ram Original[1]
Memorias Ram Original[1]
 
Memória Ram - Aula Completa
Memória Ram - Aula CompletaMemória Ram - Aula Completa
Memória Ram - Aula Completa
 
Memória RAM
Memória RAMMemória RAM
Memória RAM
 
Memórias
MemóriasMemórias
Memórias
 
ApresentaçãO Tipos De Memorias
ApresentaçãO  Tipos De MemoriasApresentaçãO  Tipos De Memorias
ApresentaçãO Tipos De Memorias
 
Trab Memorias Ram
Trab Memorias RamTrab Memorias Ram
Trab Memorias Ram
 
MemóRias
MemóRiasMemóRias
MemóRias
 
Memórias
MemóriasMemórias
Memórias
 
Aula 04 memórias - pt. i
Aula 04  memórias - pt. iAula 04  memórias - pt. i
Aula 04 memórias - pt. i
 
As memórias
As memóriasAs memórias
As memórias
 
Apresentação Aula Memoria
Apresentação Aula MemoriaApresentação Aula Memoria
Apresentação Aula Memoria
 
Memória ram
Memória ramMemória ram
Memória ram
 
Memórias de armazenamento
Memórias de armazenamentoMemórias de armazenamento
Memórias de armazenamento
 

Destaque

SP I
SP ISP I
Aula 0
Aula 0Aula 0
Aula 1
Aula 1Aula 1
Avaliação do calor ae-1 ctead
Avaliação do calor  ae-1 cteadAvaliação do calor  ae-1 ctead
Avaliação do calor ae-1 ctead
Luiz Dantas
 
Sintese das aulas 1
Sintese das aulas 1Sintese das aulas 1
Sintese das aulas 1
Daebul University
 
Treinamentodebrigada 01
Treinamentodebrigada 01Treinamentodebrigada 01
Treinamentodebrigada 01
Daebul University
 
Alterações da norma ohsas 1800.2007
Alterações da norma ohsas 1800.2007Alterações da norma ohsas 1800.2007
Alterações da norma ohsas 1800.2007
edmarluis
 
Cbo2002 liv2
Cbo2002 liv2Cbo2002 liv2
Cbo2002 liv2
Daebul University
 

Destaque (8)

SP I
SP ISP I
SP I
 
Aula 0
Aula 0Aula 0
Aula 0
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Avaliação do calor ae-1 ctead
Avaliação do calor  ae-1 cteadAvaliação do calor  ae-1 ctead
Avaliação do calor ae-1 ctead
 
Sintese das aulas 1
Sintese das aulas 1Sintese das aulas 1
Sintese das aulas 1
 
Treinamentodebrigada 01
Treinamentodebrigada 01Treinamentodebrigada 01
Treinamentodebrigada 01
 
Alterações da norma ohsas 1800.2007
Alterações da norma ohsas 1800.2007Alterações da norma ohsas 1800.2007
Alterações da norma ohsas 1800.2007
 
Cbo2002 liv2
Cbo2002 liv2Cbo2002 liv2
Cbo2002 liv2
 

Semelhante a Aula 2

Memorias dual channel
Memorias dual channelMemorias dual channel
Memorias dual channel
Marcio Andrey
 
Aula 16 memórias
Aula 16 memóriasAula 16 memórias
Aula 16 memórias
Alexandrino Sitoe
 
DDR5
DDR5DDR5
Aula 09 - Memórias do Computador
Aula 09 - Memórias do ComputadorAula 09 - Memórias do Computador
Aula 09 - Memórias do Computador
Suzana Viana Mota
 
Aula 04 instalação de hardware
Aula 04 instalação de hardwareAula 04 instalação de hardware
Aula 04 instalação de hardware
Jorge Ávila Miranda
 
Imei módulo2 - ficha formativa nº4
Imei   módulo2 - ficha formativa nº4Imei   módulo2 - ficha formativa nº4
Imei módulo2 - ficha formativa nº4
teacherpereira
 
Imei módulo2 - ficha formativa nº4
Imei   módulo2 - ficha formativa nº4Imei   módulo2 - ficha formativa nº4
Imei módulo2 - ficha formativa nº4
teacherpereira
 
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de ComputadoresAula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Jorge Ávila Miranda
 
Memória RAM
Memória RAMMemória RAM
Memória RAM
Roney Sousa
 
Memórias
MemóriasMemórias
Memórias
Pedro Henrique
 
Traba arc 2
Traba arc 2Traba arc 2
Traba arc 2
inescosta11
 
Componentes de um Computador
Componentes de um ComputadorComponentes de um Computador
Componentes de um Computador
inescosta11
 
Imei módulo2 - ficha formativa nº6
Imei   módulo2 - ficha formativa nº6Imei   módulo2 - ficha formativa nº6
Imei módulo2 - ficha formativa nº6
teacherpereira
 
Imei módulo2 - ficha formativa nº6
Imei   módulo2 - ficha formativa nº6Imei   módulo2 - ficha formativa nº6
Imei módulo2 - ficha formativa nº6
teacherpereira
 
S.m. arq com
S.m. arq comS.m. arq com
S.m. arq com
dsde
 
S.M. Arq Com
S.M. Arq ComS.M. Arq Com
S.M. Arq Com
dsde
 
Hardware questionario 03
Hardware   questionario 03Hardware   questionario 03
Hardware questionario 03
Tiago
 
Fundamento Hardware - Aula 002
Fundamento Hardware - Aula 002Fundamento Hardware - Aula 002
Fundamento Hardware - Aula 002
Cláudio Amaral
 
Memoria
MemoriaMemoria

Semelhante a Aula 2 (19)

Memorias dual channel
Memorias dual channelMemorias dual channel
Memorias dual channel
 
Aula 16 memórias
Aula 16 memóriasAula 16 memórias
Aula 16 memórias
 
DDR5
DDR5DDR5
DDR5
 
Aula 09 - Memórias do Computador
Aula 09 - Memórias do ComputadorAula 09 - Memórias do Computador
Aula 09 - Memórias do Computador
 
Aula 04 instalação de hardware
Aula 04 instalação de hardwareAula 04 instalação de hardware
Aula 04 instalação de hardware
 
Imei módulo2 - ficha formativa nº4
Imei   módulo2 - ficha formativa nº4Imei   módulo2 - ficha formativa nº4
Imei módulo2 - ficha formativa nº4
 
Imei módulo2 - ficha formativa nº4
Imei   módulo2 - ficha formativa nº4Imei   módulo2 - ficha formativa nº4
Imei módulo2 - ficha formativa nº4
 
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de ComputadoresAula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
 
Memória RAM
Memória RAMMemória RAM
Memória RAM
 
Memórias
MemóriasMemórias
Memórias
 
Traba arc 2
Traba arc 2Traba arc 2
Traba arc 2
 
Componentes de um Computador
Componentes de um ComputadorComponentes de um Computador
Componentes de um Computador
 
Imei módulo2 - ficha formativa nº6
Imei   módulo2 - ficha formativa nº6Imei   módulo2 - ficha formativa nº6
Imei módulo2 - ficha formativa nº6
 
Imei módulo2 - ficha formativa nº6
Imei   módulo2 - ficha formativa nº6Imei   módulo2 - ficha formativa nº6
Imei módulo2 - ficha formativa nº6
 
S.m. arq com
S.m. arq comS.m. arq com
S.m. arq com
 
S.M. Arq Com
S.M. Arq ComS.M. Arq Com
S.M. Arq Com
 
Hardware questionario 03
Hardware   questionario 03Hardware   questionario 03
Hardware questionario 03
 
Fundamento Hardware - Aula 002
Fundamento Hardware - Aula 002Fundamento Hardware - Aula 002
Fundamento Hardware - Aula 002
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 

Mais de Daebul University

Tq ferramentas da_qualidade_semana2
Tq ferramentas da_qualidade_semana2Tq ferramentas da_qualidade_semana2
Tq ferramentas da_qualidade_semana2
Daebul University
 
Tq ferramentas da_qualidade_semana1
Tq ferramentas da_qualidade_semana1Tq ferramentas da_qualidade_semana1
Tq ferramentas da_qualidade_semana1
Daebul University
 
Ferramentas da qualidade_semana10_revisado
Ferramentas da qualidade_semana10_revisadoFerramentas da qualidade_semana10_revisado
Ferramentas da qualidade_semana10_revisado
Daebul University
 
Apostila brigada incendio
Apostila brigada incendioApostila brigada incendio
Apostila brigada incendio
Daebul University
 
Rt cbmrs nr_14_1.extintores_ incendio
Rt cbmrs  nr_14_1.extintores_ incendioRt cbmrs  nr_14_1.extintores_ incendio
Rt cbmrs nr_14_1.extintores_ incendio
Daebul University
 
14.555parte vetada mantida
14.555parte vetada mantida14.555parte vetada mantida
14.555parte vetada mantida
Daebul University
 
La 016
La 016La 016
Termo de interdio_mte_silva
Termo de interdio_mte_silvaTermo de interdio_mte_silva
Termo de interdio_mte_silva
Daebul University
 
Mte
MteMte
Planta baixa sue
Planta baixa suePlanta baixa sue
Planta baixa sue
Daebul University
 
Exercicio freq e_grav1
Exercicio freq e_grav1Exercicio freq e_grav1
Exercicio freq e_grav1
Daebul University
 
Auditor fiscal prova_2
Auditor fiscal prova_2Auditor fiscal prova_2
Auditor fiscal prova_2
Daebul University
 
Auditor fiscal prova_1
Auditor fiscal prova_1Auditor fiscal prova_1
Auditor fiscal prova_1
Daebul University
 
Cd onlinetrabalhovisualizarresumo
Cd onlinetrabalhovisualizarresumoCd onlinetrabalhovisualizarresumo
Cd onlinetrabalhovisualizarresumo
Daebul University
 
Diretrizes seguranca saude_do_trabalho_para_empresas_contratadas
Diretrizes seguranca saude_do_trabalho_para_empresas_contratadasDiretrizes seguranca saude_do_trabalho_para_empresas_contratadas
Diretrizes seguranca saude_do_trabalho_para_empresas_contratadas
Daebul University
 
Avaliação os nove jeitos mais comuns de avaliar os estudantes e os benefíci...
Avaliação   os nove jeitos mais comuns de avaliar os estudantes e os benefíci...Avaliação   os nove jeitos mais comuns de avaliar os estudantes e os benefíci...
Avaliação os nove jeitos mais comuns de avaliar os estudantes e os benefíci...
Daebul University
 
Apt apresentacao-01
Apt apresentacao-01Apt apresentacao-01
Apt apresentacao-01
Daebul University
 
Ohsas18001 mod2
Ohsas18001 mod2Ohsas18001 mod2
Ohsas18001 mod2
Daebul University
 
Ohsas18001 mod1
Ohsas18001 mod1Ohsas18001 mod1
Ohsas18001 mod1
Daebul University
 
Basico sobre sst_para_me_e_epp_serralheria
Basico sobre sst_para_me_e_epp_serralheriaBasico sobre sst_para_me_e_epp_serralheria
Basico sobre sst_para_me_e_epp_serralheria
Daebul University
 

Mais de Daebul University (20)

Tq ferramentas da_qualidade_semana2
Tq ferramentas da_qualidade_semana2Tq ferramentas da_qualidade_semana2
Tq ferramentas da_qualidade_semana2
 
Tq ferramentas da_qualidade_semana1
Tq ferramentas da_qualidade_semana1Tq ferramentas da_qualidade_semana1
Tq ferramentas da_qualidade_semana1
 
Ferramentas da qualidade_semana10_revisado
Ferramentas da qualidade_semana10_revisadoFerramentas da qualidade_semana10_revisado
Ferramentas da qualidade_semana10_revisado
 
Apostila brigada incendio
Apostila brigada incendioApostila brigada incendio
Apostila brigada incendio
 
Rt cbmrs nr_14_1.extintores_ incendio
Rt cbmrs  nr_14_1.extintores_ incendioRt cbmrs  nr_14_1.extintores_ incendio
Rt cbmrs nr_14_1.extintores_ incendio
 
14.555parte vetada mantida
14.555parte vetada mantida14.555parte vetada mantida
14.555parte vetada mantida
 
La 016
La 016La 016
La 016
 
Termo de interdio_mte_silva
Termo de interdio_mte_silvaTermo de interdio_mte_silva
Termo de interdio_mte_silva
 
Mte
MteMte
Mte
 
Planta baixa sue
Planta baixa suePlanta baixa sue
Planta baixa sue
 
Exercicio freq e_grav1
Exercicio freq e_grav1Exercicio freq e_grav1
Exercicio freq e_grav1
 
Auditor fiscal prova_2
Auditor fiscal prova_2Auditor fiscal prova_2
Auditor fiscal prova_2
 
Auditor fiscal prova_1
Auditor fiscal prova_1Auditor fiscal prova_1
Auditor fiscal prova_1
 
Cd onlinetrabalhovisualizarresumo
Cd onlinetrabalhovisualizarresumoCd onlinetrabalhovisualizarresumo
Cd onlinetrabalhovisualizarresumo
 
Diretrizes seguranca saude_do_trabalho_para_empresas_contratadas
Diretrizes seguranca saude_do_trabalho_para_empresas_contratadasDiretrizes seguranca saude_do_trabalho_para_empresas_contratadas
Diretrizes seguranca saude_do_trabalho_para_empresas_contratadas
 
Avaliação os nove jeitos mais comuns de avaliar os estudantes e os benefíci...
Avaliação   os nove jeitos mais comuns de avaliar os estudantes e os benefíci...Avaliação   os nove jeitos mais comuns de avaliar os estudantes e os benefíci...
Avaliação os nove jeitos mais comuns de avaliar os estudantes e os benefíci...
 
Apt apresentacao-01
Apt apresentacao-01Apt apresentacao-01
Apt apresentacao-01
 
Ohsas18001 mod2
Ohsas18001 mod2Ohsas18001 mod2
Ohsas18001 mod2
 
Ohsas18001 mod1
Ohsas18001 mod1Ohsas18001 mod1
Ohsas18001 mod1
 
Basico sobre sst_para_me_e_epp_serralheria
Basico sobre sst_para_me_e_epp_serralheriaBasico sobre sst_para_me_e_epp_serralheria
Basico sobre sst_para_me_e_epp_serralheria
 

Aula 2

  • 1. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO AULA DOIS: HARDWARE II – ESPECIFICIDADES DAS MEMÓRIAS E DISPOSITIVOS DE ARMAZENAGEM Olá a todos. Hoje vamos completar o estudo dos dispositivos de memória dos computadores analisando questões específicas do tema. Pessoalmente, um edital que exige noções básicas de hardware não deveria cobrar o conteúdo que veremos nesta aula, mas infelizmente não é isso que acontece. Nos exercícios de fixação teremos uma noção de como esses detalhes são cobrados. Sem mais enrolação, vamos ao trabalho. 1 - Tipos de memória RAM Essa é uma parte um pouco cansativa devido à similaridade de nomenclaturas. É, no entanto, importante termos noções dos tipos de memória RAM. Existem dois tipos básicos de memória RAM: a DRAM (RAM dinâmica), e a SRAM (RAM estática). 1.1 - SRAM (Static RAM) O que precisamos saber sobre a SRAM é basicamente que ela é muito mais veloz e cara que a DRAM. Além disso, ao contrário da DRAM, ela não necessita do chamado Refresh. Refresh é um processo de “Reforço” que as memórias do tipo DRAM utilizam, de tempos em tempos, para manterem seus dados, como veremos logo a seguir. Por sua performance elevada, a SRAM é o tipo de memória utilizado na memória cache e, principalmente por seu preço igualmente elevado, não é o tipo utilizado na memória RAM. 1.2 - DRAM (Dynamic RAM) Como vimos, a DRAM é mais barata e lenta quando comparada à SRAM. A memória RAM dinâmica utiliza transistores e capacitores para o armazenamento de dados. Os capacitores têm o funcionamento similar a uma bateria e, portanto, se descarregam com o tempo, ou seja, o sinal elétrico que representa o dado armazenado vai diminuindo. Para que os dados fiquem armazenados, WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 1
  • 2. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO as memórias DRAM possuem circuitos especiais (circuitos de refresh), que acessam milhares de vezes por segundo todas as células da memória e atualizam o seu conteúdo (aumentando novamente o sinal elétrico). Por isso são chamadas de dinâmicas. Como é mais barata que a SRAM, a DRAM é a memória que utilizamos como memória principal do computador, já que necessitamos de maior capacidade de armazenamento. Quando nos referimos de forma direta ou genérica à memória RAM, estamos tratando de DRAM. Existem vários tipos de DRAM. A variação ocorre principalmente em função da época em que determinado tipo foi desenvolvido e em função de fatores de mercado. Geralmente um micro suporta somente um tipo de DRAM, mas há exceções e algumas questões de compatibilidade a se considerar. Atualmente, os principais tipos de DRAM são: • SDRAM • DDR • DDR2 1.2.1 - SDRAM (DRAM síncrona) A SDRAM foi muito utilizada entre 1997 e 2002 e caíram em desuso sendo substituídas pelas DDR. São chamadas de síncronas por conseguirem trabalhar em sincronia (na mesma freqüência) com a placa mãe do computador. Para entendermos a diferença entre as memórias do tipo SDRAM e DDR, precisamos conhecer o conceito de freqüência de trabalho da memória. Essa freqüência de trabalho (também conhecida como clock) é medida em ciclos por segundo e é da ordem de milhões de ciclos por segundo (MHz). As memórias SDRAM trabalham transportando (lendo ou escrevendo) 64 bits de dados a cada ciclo de trabalho. Encontramos módulos de SDRAM que podem operar com 66 (PC66), 100(PC100) ou 133(PC133) MHz. Como transportam 64 bits a cada ciclo de trabalho, basta multiplicarmos a quantidade de bits pela freqüência de trabalho para sabermos a quantidade de dados que podem ser transportados a cada segundo, ou seja, sua taxa de transferência. Vamos entender: 64 bits transferidos a cada ciclo = 8 bytes a cada ciclo (64÷8) Então, em uma SDRAM PC100 100 milhões de ciclos por segundo X 8 bytes (64 bits) = 800 milhões de bytes por segundo = 800 MB/s. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 2
  • 3. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Tipo de SDRAM Clock Taxa de transferência PC66 66MHz 533 MB/s PC100 100MHz 800 MB/s PC133 133MHz 1066 MB/s 1.2.2 - DDR (Double Data Rate) A diferença entre a DDR e a SDRAM é que a DDR utiliza cada ciclo de trabalho da memória duas vezes, dobrando sua velocidade, enquanto que a SDRAM utiliza o ciclo apenas uma vez. Quer dizer, ao compararmos uma memória do tipo SDRAM que trabalhe a 100 MHz e uma DDR que trabalhe nessa mesma freqüência, a DDR terá uma taxa de transferência duas vezes superior à da SDRAM. Daí o motivo de receber o nome Double Data Rate. Isso gera certa confusão quanto à nomenclatura das memórias DDR. Uma memória DDR400, por exemplo, faz em um segundo, 400 milhões de transferências, cada uma delas com 8 bytes (64 bits), transferindo, assim, 3.200 MB/s. Por isso, os módulos DDR400 são chamados de PC3200. Os tipos de chips de memória DDR são: Tipo de Nome do Taxa de transferência chip módulo DDR200 PC1600 200 X 8 bytes 1,6KB X 1.000.000 = = 1,6 KB 1600 GB/s DDR266 PC2100 266 X 8 bytes 2,1KB X 1.000.000 = =2,1KB 2100 GB/s DDR333 PC2700 333 X 8 bytes 2,7KB X 1.000.000 = = 2,7KB 2700 GB/s DDR400 PC3200 400 X 8 bytes 3,2KB X 1.000.000 = = 3,2KB 3200 GB/s Mas de onde vem a confusão na nomenclatura das DDR? Simples: como elas transportam duas vezes mais dados que uma SDRAM de mesma freqüência, sua nomenclatura utiliza um valor nominal ao invés do valor real das freqüências. Quer dizer, uma memória DDR200 não trabalha a 200MHz, mas apenas a 100MHz, como podemos ver na tabela seguinte: WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 3
  • 4. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Tipo Clock Nome do módulo Taxa de transferência DDR200 100MHz PC1600 1,6 GB/s DDR266 133MHz PC2100 2,1 GB/s DDR333 166MHz PC2700 2,7 GB/s DDR400 200MHz PC3200 3,2 GB/s Muita atenção aqui! O termo PC100 indica uma SDRAM que trabalha a 100MHz e que, portanto, pode transferir 800MB/s (100 milhões X 8 bytes). O termo PC1600 indica uma DDR que pode transferir 1.600MB/s. Ou seja, em uma SDRAM o termo PCxxx relaciona-se com o seu clock, enquanto que em uma DDR o termo relaciona-se com a sua taxa de transferência. 1.2.3 - DDR2 Tenham calma, a confusão já passou. A DDR2 é apenas uma evolução da DDR, lançada em 2004. A menor versão desses módulos de memória é a DDR2/400. Tanto a DDR400 quanto a DDR2/400 possuem a mesma velocidade de transferência de dados (3,2 GB/s). Já podemos encontrar módulos DDR2/667, DDR2/800 e DDR2/1060. Nunca é demais lembrar: essas freqüências são nominais. O valor das freqüências reais é metade do das nominais. Esquema simplificado de tipos de memória RAM 2 – Outras características de memória RAM 2.1 - Tipos de encaixe de memórias RAM Existe uma nomenclatura que identifica o formato físico de um módulo de memória RAM. Nos micros atuais, esses módulos WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 4
  • 5. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO obedecem ao formato DIMM (Dual In-line Memory Module). Esse formato utiliza o nome DIMM seguido do número de vias (contatos elétricos) do módulo: SDRAM DIMM/168 DDR DIMM/184 DDR2 DIMM/240 É importante sabermos disso, porque as memórias SDRAM são vulgar e erradamente conhecidas como memória DIMM. Agora sabemos que essa associação não é correta. Uma conseqüência dos diferentes tipos de módulo utilizados é que um não se encaixa no slot do outro. Slot é o nome dado à fenda onde encaixamos um módulo de memória. Portanto, um módulo de memória DDR2 não pode ser utilizado em um micro que só possua slots de memória DDR ou SDRAM. Muitas vezes, entretanto, os fabricantes de micro produzem placas com mais de um tipo de slot de memória RAM. Isso é comum nos períodos de transição entre os formatos e ajuda a reduzir os custos de atualização tecnológica (upgrade) dos micros. Dois módulos DIMM Os encaixes são diferentes impedindo erros de instalação Outros formatos de módulos de memória são o SIMM (Single In-line Memory) e o RIMM. O padrão SIMM era utilizado em módulos de memória antigos, até aproximadamente 1997. Essas memórias, anteriores às SDRAM, utilizavam as tecnologias FPM (Fast Page Mode) e EDO (Extended Data Out), hoje completamente defasadas. Vale ressaltar que FPM e WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 5
  • 6. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO EDO também são tipos de memória RAM dinâmica (FPM DRAM e EDO DRAM). Dois módulos SIMM O segundo era o módulo adotado em um tipo de memória RAM chamado RDRAM (Rambus DRAM). A RDRAM foi uma tecnologia que surgiu para suprir uma necessidade de performance na época do lançamento do Pentium 4, por volta dos anos 2000 e 2001. Devido ao seu alto custo, ela não “pegou”, tendo sido rapidamente substituída pela geração das primeiras memórias DDR. Há também módulos utilizados por alguns notebooks, como os módulos SODIMM ou os MicroDIMM. Módulo de memória SODIMM, utilizado em alguns notebooks É importante notar que as tecnologias adotadas nos diversos tipos de memória RAM surgem e desaparecem em função da necessidade crescente de performance nos microcomputadores. Fatores de mercado também exercem forte influência e acabam por determinar o fracasso ou sucesso de uma ou outra tecnologia. Por isso, é comum a convivência de várias dessas tecnologias em um dado período. Em termos de concursos públicos, já sabemos que as bancas examinadoras costumam cobrar, com maior freqüência e profundidade, as tecnologias mais recentes. No entanto, é sempre importante lembrarmos ao menos das nomenclaturas das tecnologias ultrapassadas. Isso é bastante útil quando resolvemos questões eliminando as alternativas erradas. Por exemplo, ao nos depararmos com uma questão que afirma que a memória RAM do tipo EDO é a mais rápida das memórias, se soubermos que EDO é um tipo de memória ultrapassado, saberemos WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 6
  • 7. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO que a afirmação está errada, mesmo desconhecendo a velocidade deste tipo de memória. Evolução cronológica dos diferentes tipos de memória RAM, com seus respectivos tipos de módulo: FPM EDO SDRAM SIMM/30-72 SIMM/72 ou DIMM/168 DIMM/168 RDRAM DDR DDR2 RIMM/184 DIMM/184 DIMM/240 Não é demais lembrar que uma tecnologia não substitui imediatamente outra, pois há períodos em que convivem no mercado mais de um tipo de RAM. Observação: os módulos de memória RAM aqui apresentados, bem como os tipos de memória RAM a eles associados não constituem um rol exaustivo. Alguns fabricantes como Apple ou Dell podem exigir determinadas características em seus módulos. Além disso, há uma diversidade de equipamentos, como celulares e PDAs, que usam módulos de memória RAM muito específicos. Em termos objetivos, o que precisamos é de uma noção geral dos tipos de memória RAM e dos módulos mais importantes, lembrando, principalmente, que os módulos não são compatíveis entre si, ou seja, não podem ser substituídos uns pelos outros. Outra observação importante é que há certos módulos de memória, desenvolvidos para nichos de mercado, que possuem desempenho superior aos dos módulos padrão. Essas exceções não costumam ser cobradas, mas é bom sabermos que elas existem. Um exemplo dessas exceções é a existência de módulos de memória do tipo DDR superiores às DDR400(PC3200). São módulos mais caros e, como disse, voltados a nichos de mercado, como os usuários de jogos eletrônicos de ponta e praticantes de overclock (estudaremos o que é overclock na próxima aula). 2.2 - Tempo de acesso de memórias RAM O tempo de acesso das memórias RAM é da ordem de poucos (por volta de dez) milionésimos de segundo (nanossegundos ou ns). WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 7
  • 8. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Vamos relembrar a diferença entre taxa de transferência e tempo de acesso: a primeira medida diz respeito à capacidade de transferência de dados do dispositivo com o restante do computador. A segunda representa o tempo médio que o dispositivo leva para ler ou gravar um dado na memória. Quanto maior a taxa de transferência, melhor. Quanto menor o tempo de acesso, melhor. 3 – Discos ópticos e leitores 3.1 – Capacidade de armazenamento e tipos de CD (ROM/R/RW) A capacidade de armazenamento dos CD-R/RW pode variar em função de alguns fatores. Um desses fatores é o diâmetro dos discos. O diâmetro mais popular é o utilizado nos CDs de música tradicionais. Nessa dimensão, o CD pode armazenar 700MB. Existem CDs de menor diâmetro e, portanto, com menor capacidade de armazenamento. Também já houve o desenvolvimento de CDs com capacidade maior que 700MB, mas não se costuma cobrar isso em prova. A propósito, questões de concursos que cobram conhecimento de capacidades de armazenamento, geralmente o fazem tomando como referência produtos padrão de mercado. Dessa forma, fiquemos com esse valor para a capacidade de armazenamento de um CD: 700MB. Já que estamos falando de CDs, vejamos os tipos existentes quanto à capacidade de leitura e/ou escrita de dados. Há basicamente três tipos de CD que nos interessam: • CD-ROM: (read only memory) só pode ser lido, pois já vem gravado de fábrica, como CDs de instalação de softwares, por exemplo. • CD-R: só pode ser gravado (escrita de dados) uma vez, mas lido inúmeras vezes. Existe um termo em inglês para esse tipo de memória que é “Write Once, Read Many - WORM”. Na verdade, podemos gravar um CD-R várias vezes, mas nunca podemos sobrescrever ou apagar algum dado previamente gravado. Vamos entender melhor isso: Quando gravamos arquivos em um CD-R, temos a opção de não finalizá-lo. Optando por não finalizá-lo, podemos gravar outros arquivos posteriormente, mas somente na área que ainda não recebeu dados, na área livre. Uma vez gravado um arquivo em um CD-R, ele não pode mais ser apagado. • CD-RW: distingue-se do CD-R pela possibilidade de ter o seu conteúdo apagado para posteriormente receber novos dados. Antes de finalizá-lo, o comportamento é igual ao de um CD-R, WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 8
  • 9. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO entretanto, podemos apagar todo o seu conteúdo a qualquer momento deixando-o pronto para receber dados novamente. Essas observações são válidas também para a classificação de DVDs. Assim, um DVD-ROM pode apenas ser lido, um DVD-R pode ser gravado uma vez e lido diversas vezes e um DVD-RW pode ser tanto gravado como lido diversas vezes. 3.2 – Capacidade de armazenamento e tipos de DVD DVDs possuem dois padrões distintos de gravação, o DVD- e o DVD+. Não existe nenhuma diferença significativa entre eles, mas é bom saber que um DVD- só pode ser gravado/lido em uma gravadora/leitora compatível. O mesmo raciocínio é válido para o DVD+. As gravadoras modernas, bem como os aparelhos domésticos de DVD podem manipular os dois formatos, tornando essas diferenças transparentes para o usuário. Quanto à capacidade de armazenamento, vale o aplicado aos CDs, ou seja, também variam em função do diâmetro. No diâmetro mais popular, que é o mesmo do CD, um DVD armazena 4,7 GB. Preste atenção às unidades de medida de bytes nos CDs e nos DVDs. Nestes, o armazenamento é da ordem de BILHÕES de bytes (GB), naqueles, é da ordem de MILHÕES de bytes (MB). No caso dos DVDs, ainda há outro fator que exerce influência na sua capacidade de armazenamento: a densidade. Existem DVDs de dupla densidade (ou dupla camada/double layer), que, portanto, podem armazenar mais dados na mesma área útil dos DVDs normais . Os DVDs podem ainda conter dados nos dois lados do disco, como nos antigos LPs (alguém se lembra deles?). A desvantagem desse último tipo de mídia é a necessidade de virarmos o disco para gravar ou ler no outro lado, já que os tocadores só conseguem ler um lado. Em resumo, podemos ter DVDs com as seguintes capacidades: Padrão Capacidade N° de camadas N° de lados DVD 5 4.7 GB 1 1 DVD10 9.4 GB 1 2 DVD 9 8.5 GB 2 1 DVD 18 17 GB 2 2 Atentem para o fato de que um DVD de dupla densidade não tem o dobro da capacidade de um de densidade simples. O dobro da capacidade é alcançado pelo DVD de dupla face, não pelo de dupla densidade. Isso ocorre porque a segunda camada de um DVD de WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 9
  • 10. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO dupla camada (ou densidade) armazena menos dados que a primeira camada. As especificações das mídias de armazenamento óptico variam muito com o passar do tempo. A cada momento surgem novos padrões e tecnologias, assim como outras são esquecidas. Por exemplo, já houve o lançamento de CDs de dupla densidade, com capacidade de 1,3GB, mas o formato não “pegou”. As mídias de DVD-/+R mais populares são as de 4.7 GB, que custam aproximadamente R$ 3,00, enquanto que uma mídia de dupla camada custa aproximadamente R$ 15,00. É possível que essa última nunca seja popular para os usuários de PC e que seja substituída por novos formatos. De fato, esses novos formatos já existem. Falo das tecnologias Blu-ray e HD DVD. Este último pode armazenar até 15GB em uma única camada. O Blu-ray, por sua vez, armazena 25 GB por camada. No momento, os dois formatos estão travando uma batalha pela preferência do mercado. Recentemente vi anúncios de aparelhos domésticos de Blu-Ray. Para efeito de concurso público, creio ser suficiente conhecer a capacidade desses dois formatos. Não relevem essa informação, já que as bancas costumam cobrar com freqüência as novidades e tendências do mercado de informática e tecnologia. 3.3 – Drives de leitura e gravação de discos ópticos Chamamos de drive de CD o equipamento que lê e/ou grava dados em CDs. Os drives de CD podem ser classificados segundo sua taxa máxima de transferência de dados com o computador. Essa classificação utiliza a velocidade de um reprodutor padrão, representada com a letra “X” estabelecendo múltiplos desse valor. A velocidade tida como padrão para os drives de CD é de 150KBps (Kilobytes por segundo). Portanto: Drives de CD 1X 150KB/s ... 52X 7,8MB/s Os drives de CD utilizam uma nomenclatura padrão para indicar sua velocidade para tarefas distintas. Um drive gravador/leitor de CD típico possui uma indicação como: CDRW 24x10x40x. A maior velocidade é sempre a de leitura de CD. A menor é a de regravação (CD-RW) e a velocidade intermediária é de gravação (CD- R). No exemplo, o drive pode ler um CD a 40x, gravar um CD-R a 24x e gravar um CD-RW a 10x. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 10
  • 11. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Drives ópticos modernos podem trabalhar somente com CDs ou com CDs e DVDs. As combinações possíveis são: • Drives leitores de CD • Drives leitores/gravadores de CD Comentário: Isso existe? • Drives leitores de DVD e de CD • Drives leitores de DVD e leitores/gravadores de CD (Combo drives) • Drives leitores/gravadores de DVD e CD A lógica é simples: um drive que lê DVDs, também lê CDs. Um drive que grava DVDs, também grava CDs. A recíproca, no entanto, não é verdadeira. Atenção ao chamado drive combo, pois ele não grava DVDs, apesar de gravar CDs. As medidas de velocidade dos drives de DVD são diferentes das dos drives de CD. A velocidade padrão (1x) dos drives de DVD é de cerca de 1350KB/s. Portanto: Drives de DVD 1X 1350KB/s ... 12X 16,2MB/s A velocidade 1x de um DVD equivale à velocidade 9x de um CD. Unidade leitora de CD 52X (7,8MB/s) WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 11
  • 12. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Unidade leitora/gravadora de CD 52x32x52x 4 - Discos rígidos 4.1 – Anatomia de um disco rígido O disco rígido é uma pilha de pratos de metal (normalmente alumínio, revestidos de óxido de ferro), que gira sobre um eixo. A leitura ou gravação é feita por um braço com diversas cabeças que se movem simultaneamente, de forma que possam acessar qualquer parte dos discos. Tudo isso é fechado dentro de uma câmara a vácuo e selada. Discos rígidos são equipamentos de construção e funcionamento muito precisos. Para se ter uma idéia, a distância que separa o cabeçote de leitura/gravação da superfície do disco é muito menor que um fio de cabelo. Cada um dos discos que compõem uma unidade de disco rígido possui, obviamente, duas faces. O que importa é que ambas as faces são utilizadas, e para cada uma delas há uma cabeça de leitura/gravação de dados. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 12
  • 13. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Interior de um disco rígido, com seus diversos discos e braços de leitura/gravação Braços de leitura/gravação em detalhe Cada face de um disco de um HD é dividida em uma série de círculos concêntricos chamados de trilha. Trilhas parecem-se muito com as faixas de um disco de áudio LP. A diferença é que em um LP os círculos formam uma espiral contínua enquanto que no disco rígido eles são separados. Discos modernos possuem milhares de trilhas em cada face. Cada trilha, por sua vez, é dividida em setores. Pense num disco, já dividido em trilhas, sendo fatiado como se fatia uma pizza. Cada pedaço resultante dessa divisão é um setor. Ainda sobre setores: • o setor é a menor unidade com a qual o disco trabalha, portanto deve ser gravado ou lido sempre inteiro. Quer dizer, se for necessário alterar apenas um byte dos 512 bytes de um setor, todo o setor é regravado. • cada setor armazena 512 bytes (meio KB). • discos rígidos antigos possuíam um número de setores igual em todas as trilhas. • discos modernos possuem mais setores nas trilhas mais externas. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 13
  • 14. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Esquema de um disco rígido (HD) Ilustração do interior de um disco rígido 4.2 – Capacidade de armazenamento Os discos rígidos mais comuns no mercado brasileiro de PC são os que armazenam de 60GB a 120GB. No entanto, existem discos com WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 14
  • 15. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO maior capacidade. Pelo que pude levantar, hoje, o maior disco rígido interno possui capacidade de armazenar 500GB. Discos rígidos externos podem ser maiores porque não possuem limitação de tamanho. Os discos rígidos internos têm tamanho padrão, já que devem encaixar-se perfeitamente nos gabinetes dos PC, que também obedecem a um padrão. A propósito, discos rígidos destinados a notebooks são menores que os destinados a desktops. Não por acaso, são bem mais caros. 4.3 – Velocidade dos discos rígidos 4.3.1 – Padrão do disco A velocidade dos discos rígidos varia em função de vários fatores, dentre eles o padrão adotado. Os mais comuns hoje em dia são os do padrão IDE, cuja taxa de transferência máxima é de 133MB/s. Atualmente o mercado está migrando para o padrão SATA, cuja menor velocidade é de 150 MB/s. Há também os discos rígidos SCSI. Estes últimos são discos de alto custo e desempenho, usados principalmente pelo mercado corporativo. Há discos SCSI que operam a mais de 300MB/s. Voltaremos a falar desse assunto quando estudarmos o assunto referente a barramentos. 4.3.2 – Velocidade de rotação Outro fator que influencia de modo indireto na velocidade dos discos rígidos é a velocidade de rotação dos discos. Discos voltados ao mercado doméstico (SATA ou IDE) podem ser encontrados em velocidades de rotação de 5400, 7200 ou 10.000 RPM (rotações por minuto). Os discos SCSI mais velozes operam a 12.000 e 15.000 RPM. Internamente, do ponto de vista mecânico (discos, braços, motores), discos IDE, SATA e SCSI são semelhantes. A principal diferença entre eles está nos seus circuitos controladores e no tipo de interface que utilizam. 4.3.3 – Tempo médio de acesso O tempo de acesso do disco rígido é o tempo que ele leva para posicionar os cabeçotes de leitura/gravação sobre um determinado ponto do disco. Como os tempos de acesso variam bastante em função da distância de um ponto a outro, uma medida aproximada é conseguida medindo-se o tempo que ele leva do início até o meio do disco. O tempo de acesso resulta, portanto, da combinação da velocidade de rotação do disco (RPM) e o tempo necessário para mover os cabeçotes de uma trilha para outra. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 15
  • 16. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO O tempo médio de acesso dos discos rígidos modernos varia de 5 a 15ms (milissegundos, 1/1.000 de segundo). Cabe lembrar que o tempo médio de acesso das memórias RAM fica em torno de 10 milionésimos de segundo (10/1.000.000 de segundo) 4.3.4 – Taxa de transferência interna e externa Quando falamos que a velocidade de um HD é de 150MB/s estamos falando de taxa de transferência externa. Essa é a velocidade com a qual o disco rígido se comunica com o restante do computador, mais especificamente com a placa-mãe do computador. Entretanto, os discos rígidos possuem também uma taxa de transferência interna. Essa taxa indica a velocidade com a qual o disco se comunica com uma memória interna que possui. A função dessa memória interna, conhecida como buffer, é a de ser intermediária entre o disco e o restante do computador. Em geral, a taxa de transferência interna é bem menor que a externa. Não precisamos nos preocupar com valores de transferência interna, mas é bom saber, e importante lembrar, que quando nos referimos à taxa de transferência de um HD, estamos falando da taxa de transferência externa. Também é comum referir-se à taxa de transferência externa como velocidade de um HD: – Qual a velocidade desse HD? – 133 MB/s! 5 - Memórias Flash Sem dúvida, a tecnologia disponibilizada por meio das modernas memórias Flash representa uma revolução nos dispositivos portáteis de armazenamento de dados. Até pouco tempo atrás, a única opção que dispúnhamos era o disquete de 3 ½ polegadas, com seus míseros 1,44MB de capacidade, além de uma confiabilidade baixíssima. Como estão cada vez mais presentes no dia-a-dia dos usuários de PCs, é provável que fiquem também mais freqüentes nas questões de concurso. Vamos destacar alguns detalhes desses dispositivos. 5.1 – Capacidade de armazenamento de memórias Flash As memórias Flash estão em franco desenvolvimento, ficando cada vez mais populares. Por isso, sua capacidade de armazenamento tem crescido bastante em um curto espaço de tempo. Atualmente, essa capacidade pode variar de alguns poucos megabytes (16, 32, 64) a incríveis 4GB ou mesmo 8GB. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 16
  • 17. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Lembro a todos que esse é um tipo muito caro de memória. Por exemplo, por R$350,00 pode-se comprar um disco rígido de 200 GB em um site de leilões brasileiro, o que dá R$1,75 por GB. No mesmo site, encontramos um pen-drive (memória flash) de 4GB por R$500,00. Nesse caso, o preço por GB pula para R$ 125,00!! Muito caro, não acham? 5.2 – Tipos comuns de memórias Flash Pode ser útil conhecermos os tipos mais comuns dessas memórias. Os dispositivos de memória flash que são integrados a um conector USB são conhecidos como pen-drive. Veremos mais sobre conectores e USB nas próximas aulas. Pen-drive = memória Flash com conector USB integrado Os cartões de memória, que também são tipos de memória Flash, existem em diversos formatos, principalmente em função de fatores de marca e mercado. Os mais comuns são: • Compact Flash – o maior da turma: WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 17
  • 18. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO • Secure Digital (SD), MiniSD e MicroSD/TransFlash – muito populares em máquinas fotográficas digitais menores e PDAs: • MMC e MMC mobile – relativamente compatíveis com o SD: • xD-Picture Card: • SmartMedia – em desuso: WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 18
  • 19. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO • Memory Stick: Existem leitores/gravadores de cartões de memória externos ou internos. Os externos geralmente conectam-se ao computador através de um conector USB. Os internos costumam utilizar uma área do gabinete idêntica à destinada aos drives de disquetes. Em minha opinião, a tendência que se verifica é a de substituição dos drives de disquete por leitores de cartões. Há também alguns periféricos, como mouses e impressoras, que vêm com leitor de cartões embutido, o que também acontece com freqüência nos notebooks mais equipados. Os leitores atuais costumam ser capazes de ler praticamente todos os tipos de cartão do mercado. No entanto, é bom sabermos que os cartões não são compatíveis entre si, salvo algumas exceções. O que os fabricantes de leitores fazem é fabricá-los com encaixes para os diversos tipos de cartão. Leitor externo de cartões de memória com conector USB WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 19
  • 20. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Leitor interno de cartões de memória Encaixa-se no gabinete do computador No detalhe, leitor de cartões integrado a uma impressora Leitor de cartões integrado a um notebook 6 - Fitas magnéticas As fitas magnéticas são muito utilizadas para backup de dados. Existem vários formatos desse tipo de mídia. Como são voltadas para um mercado mais corporativo, é comum que existam soluções quase que personalizadas de formatos e equipamentos de gravação e leitura de fitas. No entanto, um formato muito popular é o da chamada fita DAT. Inicialmente projetada para áudio, foi adotada para armazenamento de dados e pode guardar de 1,3 a 72GB em fitas de WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 20
  • 21. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO 60 a 170 metros, dependendo do formato em que são gravados os dados. Podemos lembrar de outros formatos como o DLT (digital linear tape) e o LTO (Linear tape-open). Este último é um formato aberto em oposição ao caráter proprietário do primeiro. Uma fita LTO pode guardar até 800GB. Vale lembrar que fitas são dispositivos de armazenamento seqüencial, isto é, para se ler um dado que está no final da fita, tem-se que passar por toda sua extensão, obrigatoriamente. Por esse motivo, seu uso é praticamente limitado ao backup. 7 - Discos flexíveis Um disco flexível de 3 e ½ polegadas armazena até 1,44 MB (atenção ao M!). Apesar de ultrapassado, ainda encontramos unidades de disco flexível, o famoso disquete, em praticamente qualquer PC atual. Uma observação: o drive que lê e grava dados em disquetes muitas vezes aparece apenas com a sigla FDD, de Floppy Drive Disk. Fiquem atentos. Os discos flexíveis existiram em tamanhos variados. Atualmente é difícil encontrarmos um disquete que não seja o de 3 e ½". Há alguns anos, entretanto, era comum termos computadores com duas unidades de disquete: um de 3 e ½" e outro de 5 e ¼". A maioria dos leitores/gravadores de disquetes são embutidos no gabinete do computador. Entretanto, existem unidades externas, principalmente para uso com notebooks. 7.1 – Zip Drive e Jaz Drive Zip drive é um tipo especial de disquete com capacidade de armazenamento muito superior (geralmente 100 e 250 MB). O nicho de mercado desse disquete era o transporte de arquivos muito grandes, que não cabiam em disquetes convencionais. A popularização dos gravadores de CD com a conseqüente diminuição no preço das mídias, bem como o surgimento das memórias Flash em forma de Pen-drives e cartões de memória acabaram por fazer com que o Zip Drive não decolasse como previsto. Sei que um dia serei surpreendido, mas acho difícil imaginar uma maneira mais simples de transportar dados do que utilizando um pen-drive. Estou, logicamente, me referindo ao transporte físico, manual, de dados. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 21
  • 22. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Zip drive Outro tipo de disquete, semelhante ao Zip Drive, é o Jaz Drive. Estes últimos foram construídos com capacidade de 1 ou 2GB. Ambos são criação de uma empresa chamada Iomega. Jaz Drive EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO - ESPECIFICIDADES DAS MEMÓRIAS E DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO 1) (FCC) A capacidade de armazenamento de um CD é equivalente à capacidade de cerca de: A) 40 disquetes. B) 500 disquetes. C) 230 disquetes. D) 20 disquetes. E) 3000 disquetes. Comentário: WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 22
  • 23. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Para sabermos a capacidade de armazenamento de um CD em números de disquetes, basta dividir 700MB por 1,44MB. Atenção! Sempre que nos depararmos com questões desse tipo, o primeiro passo para a resolução é colocarmos as capacidades dos dispositivos nas mesmas unidades de memória. Quer dizer, devemos dividir 700 Megabytes por 1,44 (Megabytes) e não por 1.440 (Kilobytes). Tudo bem, isso parece óbvio, mas, na hora do nervosismo, garanto que essa precaução vale a pena. A resposta para a questão é a alternativa “B”, já que o resultado da divisão dá 486 ou cerca de 500. Gabarito: alternativa B. 2) (CESPE) Um disco rígido de 80 GB permite armazenar uma quantidade de bytes superior à quantidade que 100 discos do tipo mais popular de CD-ROM permitem armazenar. Comentário: O tipo mais comum de CD-ROM, como vimos, armazena 700MB. Portanto, 100 CDs podem armazenar aproximadamente 70.000MB ou 70GB. Assim, um disco rígido de 80GB pode armazenar mais bytes do que 100 CDs comuns. Podemos perceber que o examinador tomou o cuidado de reportar-se a CDs “do tipo mais popular” não deixando margens a questionamentos acerca de outros formatos de CD, como o de dupla densidade de 1,3GB de capacidade. Portanto, a questão está correta. De qualquer forma, mesmo que a questão não deixasse explícito que se tratam de “discos do tipo mais popular”, devemos sempre partir dessa premissa, quando o comando não citar algo diferente. Gabarito: assertiva correta. 3) (ESAF – Auditor Fiscal do Trabalho – 2003) Analise as seguintes afirmações relacionadas a processamento de dados, hardware, software e periféricos. I. A memória DDR usa circuitos de sincronização que aumentam a sua velocidade. A memória DDR é, basicamente, duas vezes mais rápida que a SDRAM, sem aumentar a velocidade nominal em MHz. II. A cache é uma memória intermediária, com a mesma velocidade que a RAM, que é utilizada para mediar a troca de dados entre o processador e a memória RAM. III. A memória EDO é aproximadamente 50% mais rápida que a SDRAM, com ganhos reais ao redor de 25%. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 23
  • 24. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Comentário: Item I. A principal característica da DDR é utilizar a sua freqüência de trabalho de forma duplicada em relação à SDRAM. Por isso possuem o dobro da taxa de transferência quando comparadas a uma SDRAM de mesma freqüência (freqüência nominal). Item correto. Item II. De fato a cache é uma memória intermediária e é utilizada para mediar a troca de dados entre o processador e a memória RAM. No entanto a velocidade da cache é muito maior que a da RAM. Item errado. Item III. A memória EDO é um tipo de DRAM (RAM dinâmica) antigo e atualmente ultrapassado. A SDRAM é uma memória mais recente, embora também já esteja ultrapassada. Analisando a evolução das tecnologias de memórias RAM podemos notar que sempre há um ganho de velocidade nos tipos mais recentes. Portanto, mesmo sem saber os valores das respectivas taxas de transferência, podemos verificar que o item está errado apenas lembrado da evolução cronológica dos tipos de memória RAM. Item errado. Gabarito: apenas o item I está correto. 4) (FCC – 2004 – TRT PR – com adaptações) Em relação aos componentes básicos de um microcomputador padrão PC, é correto afirmar que: A) a memória RAM armazena dados que são preservados, ainda que o microcomputador seja desligado. B) os programas armazenados em memória ROM recebem o nome de firmware. Comentário: Alternativa A. A memória RAM é uma memória do tipo volátil, portanto perde seus dados quando o computador é desligado. Alternativa falsa. Alternativa B. Como vimos, firmware é o software básico dos equipamentos de hardware e vem previamente gravado na memória ROM. Essa é a alternativa certa. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 24
  • 25. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Gabarito: alternativa B. 5) (FCC) – (com adaptações) Com relação ao hardware da plataforma IBM-PC, a: A) RAM, ao contrário da memória ROM, é uma memória de armazenamento definitivo e seu conteúdo somente é alterado ou apagado através de comandos específicos. B) RAM é uma memória de armazenamento temporário, enquanto a memória ROM é um tipo de memória que não perde informações, mesmo quando a energia é desligada. C) ordem de busca realizada pela CPU para alocar os dados para processamento inicia-se na memória principal, em seguida na Cache L1 e por último na Cache L2. Comentário: Alternativa A. A RAM é uma memória de armazenamento temporário, enquanto a ROM possui caráter definitivo. Houve uma inversão. Alternativa Falsa. Alternativa B. Essa é a alternativa correta. Alternativa C. A ordem de busca que a CPU realiza é: cache L1, cache L2, cache L3 (se houver) e finalmente memória principal (RAM). Alternativa Falsa. Gabarito: alternativa B. 6) (CESPE – Policia Federal – Escrivão - 2002) Entre os meios de armazenamento que podem ser utilizados por um usuário que precise realizar o backup de informações obtidas na Internet, incluem-se winchester, CD-ROM e fita magnética. Comentário: Esse é o tipo de questão que derruba o candidato mais apressado ou aquele que dispensa uma preparação para as provas de informática confiando em seus conhecimentos corriqueiros da matéria. Digo isso porque o termo CD-ROM é comumente e inadequadamente utilizado pelos leigos para indicar genericamente qualquer tipo de CD. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 25
  • 26. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO Em uma lida rápida e despretensiosa podemos esquecer que o CD- ROM, não permite gravações, já que vem previamente gravado de fábrica. Gabarito: item errado. 7) (CESPE – agente de tributos MT – 2004) Para a realização de backup, existem vários procedimentos que vão desde a aquisição de equipamentos e computadores específicos até procedimentos mais simples como, por exemplo, a gravação de dados em CD-ROM. Uma vantagem dos CD-ROMs é que todas as variedades dessa mídia permitem um número ilimitado de operações de leitura e escrita, possibilitando que qualquer tipo de CD-ROM seja utilizado inúmeras vezes para operações de backup. Como vimos, um CD-ROM é um CD que já vem com o conteúdo gravado de fábrica e não pode ser alterado. A questão estaria certa se se referisse a CD-RW, que é o tipo de mídia apropriado para gravações e regravações sucessivas. Gabarito: item errado. 8) (CESPE – TJBA 2003) Caso a unidade de CD-ROM 56× de um computador seja trocada por uma de 50×, a velocidade de leitura em CDs irá aumentar, apesar de a quantidade de memória contida no CD diminuir. Comentário: Uma unidade de CD-ROM 56x é um leitor (somente) de CDs. O 56x indica que ela pode ler o CD a uma velocidade de aproximadamente 8,4MB/s. Se for trocada por uma de 50x, só se poderá ler dados a aproximadamente 7,8MB/s, portanto, diminuindo a velocidade de leitura. A quantidade de memória do CD não possui nenhuma relação com a velocidade do drive, apenas com as características da mídia (CD). Gabarito: item errado. 9) (ESAF - AFRF 2002) Analise as seguintes afirmações relativas a sistemas de armazenamento: I. O acesso aos registradores é mais rápido que o acesso à memória cache. II. O tempo de acesso à memória RAM e aos discos magnéticos é praticamente o mesmo. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 26
  • 27. CURSOS ON-LINE - INFORMÁTICA - CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO BONIFÁCIO III. As unidades de fita DAT são muito utilizadas para efetuar cópias de segurança. IV. Quando um disco magnético é utilizado como memória virtual, o tempo de acesso é inferior ao da memória cache. Indique a opção que contenha todas as afirmações verdadeiras. a) I e II b) II e III c) III e IV d) I e III e) II e IV Comentários: Item I. Falaremos de registradores na próxima aula. Por hora, basta saber que o tempo de acesso dos registradores é o menor que encontrado no computador. Item II. O tempo de acesso da memória RAM (+/-10ns, nanossegundos) é quase mil vezes menor que o dos discos rígidos (+/- 15ms, milissegundos). Item III. A maior vocação das fitas magnéticas, principalmente por conseqüência de sua forma de acesso de dados seqüencial, sempre foi a realização de cópia de segurança, o famoso backup. Item IV. O fato de um disco rígido ser utilizado como memória virtual não tem o poder de alterar suas características físicas, dentre elas, o tempo médio de acesso. Esse tempo é característica intrínseca de cada dispositivo. Gabarito: itens I e III estão corretos, alternativa D. Por hoje é só. Abraços a todos e até a próxima aula, quando falaremos de processadores. WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 27