SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228
Volume 17 - Número 1 - 1º Semestre 2017
Aplicação dos fitorreguladores químicos na qualidade tecnológica do sorgo
sacarino em diferentes épocas de amostragens.
Ronaldo da Silva Viana1
; Paulo Alexandre Monteiro de Figueiredo2
; Lucas Aparecido Manzani Lisboa3
; Ana Carolina
Nunes Domingues de Assunpção4
; Marcos Eustáquio de Sá5
RESUMO
O objetivo deste trabalho foi avaliar a aplicação dos fitorreguladores químicos na qualidade tecnológica
do sorgo sacarino em diferentes épocas de amostragens. O ensaio foi realizado na usina Cerradinho em
Catanduva-SP. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, no esquema de
parcelas subdivididas, onde os tratamentos foram constituídos pela combinação de 10 tratamentos,
envolvendo as aplicações dos fitorreguladores químicos: 5; 10; 20 g ha-1
sulfometuron-methyl; 0,10;
0,20; 0,40 L ha-1
glifosate; 0,2; 0,4; 0,8 L ha-1
ethyl-trinexapac e testemunha. Nos subtratamentos foram
realizadas as amostragens para as avaliações da qualidade tecnológica em épocas distintas após
aplicação do maturadores químicos. A área foi dividida em parcelas formadas pelo cultivar de sorgo
sacarino C.V. 147 com quatro repetições. Foram avaliadas as qualidades tecnológicas como: Brix (%
caldo); Pol (% caldo); Açúcar Teórico Recuperável (ATR); Fibra (%); Pureza (% caldo); Açúcares
Redutores – AR (%) e Açúcares Redutores Totais – ART (%). O fitorregulador ethyl-trinexapac nas
dosagens de 0,40 e 0,80 L ha-1
promoveu maior incremento na qualidade tecnológica do sorgo sacarino.
As épocas de colheita que apresentaram incremento nas características tecnológicas do sorgo sacarino
foram entre os períodos compreendidos entre 30 e 52 dias após a aplicação dos fitorreguladores.
Palavras chave: Reguladores hormonais, Estressantes, Sorghum bicolor.
Application of a chemical bioregulators in the technology quality of the sweet
sorghum in times of sampling different.
ABSTRACT
The main purpose of this study is to evaluate the application of a chemical bioregulators in the
technology quality of the sweet sorghum in times of sampling different. This assay was performed in
Cerradinho Mill located in Catantuva city in the state of São Paulo. The delineation experimental used
randomized blocks, designed with split-plots, where the procedures were composed by the combination
of 10 proceedings, involving the chemical maturing: 5;10 20g ha' sulfometuron-menthyl; 0,10; 0,20;
0,40 L ha glifosate; 0,2; 0,4; 0,8 L ha ethyltrinexapac and an observer. The spli- plots samplings were
done to evaluate the technological quality in different moments after the application of chemical
maturing products. The area was divided into plots formed by cultivating sorghum saccharine CV 147
with four replications.The technological qualities evaluated were: purity(%juice);reducing sugar, the
total reducing sugar, Brix (%juice); Pol (% juice), the recuperable sugar and fiber (%). The chemical
maturing thyl-trinexapac dosages were between 0,40 and 0,80 L ha this procedure raised the
technological quality of the sweet sorghum. The periods of some crops that presented significant
difference on the surghum technological characteristics were the ones which the periods reached from
32 up to 52 days after the application of the vegetable regulator.
Keywords: Hormonal regulator, stressful, Sorghum bicolor.
45
INTRODUÇÃO
O sorgo sacarino (Sorghum bicolor (L.)
Moench) vem ganhando destaque em vários
países como uma alternativa à produção de
biocombustíveis, conforme descrito por Godsey
et al. (2012), devido à sua elevada produção de
biomassa lignocelulósica e açúcares
fermentáveis, segundo Whitfield et al. (2012).
Pode ainda ser utilizado durante o período da
entressafra da cana-de-açúcar, pois seu
crescimento é rápido e o seu ciclo de cultivo em
torno de 120 dias, reduzindo assim, o período de
entressafra da usina, no qual há considerável
ociosidade nas destilarias (DURÃES, 2011).
Conforme Nan et al. (1994), são
chamados de sorgo sacarino genótipos que
apresentam alto teor de umidade no colmo na
maturidade e acima de 8º Brix no caldo. Na
nutrição animal destaca-se por ser um alimento
de alto valor nutritivo, alto teor de açúcares e
por apresentar elevado rendimento de matéria
seca (NEUMANN et al., 2002). Para a produção
de etanol apresenta rapidez do ciclo de
produção, em função do alto teor relativo de
açúcares diretamente fermentáveis contidos no
colmo, além de facilidades de mecanização da
cultura (EMBRAPA, 2004).
A utilização de fitorreguladores vem se
destacando como uma alternativa para diminuir
a ocorrência de acamamento quando aplicados
na parte aérea com o objetivo de reduzir o
desenvolvimento longitudinal indesejável das
plantas, sem ocasionar diminuição na
produtividade, solução desejada por aqueles
envolvidos com o cultivo do sorgo sacarino
(RADEMACHER, 2000).
Porém, os efeitos dos reguladores
vegetais têm sido inconsistentes, pois em
algumas situações, verifica-se aumento de
produtividade, enquanto, em outras, redução da
mesma (ALVAREZ et al., 2007). Os
fitorreguladores são compostos sintéticos que
atuam como sinalizadores químicos no controle
do desenvolvimento da planta, alterando sua
morfologia e fisiologia, a ponto de levar às
modificações qualitativas e quantitativas na
produção, as quais podem afetar a iniciação ou
modificação do desenvolvimento de tecidos ou
órgãos vegetais Rademacher (2000); Taiz &
zeiger (2009).
Produtos químicos, como o glyphosate,
etil-trinexapac, paraquat, fluazifop-p-butil,
sulfometuron-methyl e ethepon, são registrados
no Brasil como maturadores ou reguladores de
crescimento vegetal e possibilitam incrementos
no teor de sacarose do caldo, antecipam o início
da maturação e podem aumentar a
produtividade agroindustrial (ALMEIDA et al.
2005).
Em função do exposto, o objetivo deste
trabalho foi avaliar a aplicação de
fitorreguladores químicos na qualidade
tecnológica do sorgo sacarino em diferentes
épocas de amostragens.
MATERIAIS E MÉTODOS
O ensaio foi instalado e conduzido na
Usina Cerradinho S/A no Município de
Catanduva-SP, em área de reforma do canavial,
localizada na Latitude - 21º 5’ 59,673”,
Longitude - 48º 58’ 46,961” e 454 m acima do
nível do mar. A área experimental apresentava
uma topografia semiplana e o solo classificado
como Latossolo Vermelho Férrico Eutrófico.
Por ocasião do plantio, foi realizada a correção
do solo com calcário dolomítico, com PRNT
90% para elevação da saturação por bases a
60%, segundo Raij et al. (1996). As
recomendações foram baseadas nas análises de
solo descritas na Tabela 1.
TABELA 1. Análise química do solo na profundidade de 0 - 20 e 20 – 40 cm, antes da implantação do experimento.
Catanduva SP, 2011.
Profundidade
0 – 20 cm 20 – 40 cm
pH CaCl2 5,6 5,2
MO g dm-3
13 9
P mg dm-3
(resina) 2 3
K mmolc dm-3
(resina) 2,7 2,5
Ca mmolc dm-3
(resina) 13 12
Mg mmolc dm-3
(resina) 7 7
H + Al mmolc dm-3
18 20
Al mmolc dm-3
0 0
Soma de bases mmolc dm-3
23 22
CTC mmolc dm-3
41 42
Saturação por bases % 56 52
Saturação Al % 0 0
S (SO4
-2
) mg dm-3
8 11
Cu mg dm-3
(DTPA) 0,6 0,8
Fe mg dm-3
(DTPA) 15 11
Zn mg dm-3
(DTPA) 0,4 0,4
Mn mg dm-3
(DTPA) 14,0 8,8
B mg dm-3
(Água quente) 0,15 0,28
Argila g kg-1
113 137
Silte g kg-1
37 33
Areia Total g kg-1
850 830
Areia Grossa 150 120
Areia Fina 700 710
MO: matéria orgânica; CTC: capacidade de troca de cátions
O plantio do sorgo sacarino, cultivar
C.V. 147, ocorreu entre meados de dezembro de
2011 e janeiro de 2012. O delineamento
experimental utilizado foi em blocos
casualizados, em parcelas subdivididas com
quatro repetições, constituído pela combinação
de10 tratamentos, envolvendo fitorreguladores
em nove situações e uma testemunha, segundo
demonstrado na Tabela 2. Como
subtratamentos, foram consideradas as coletas
de amostras de sorgo sacarino em diferentes
épocas. Cada parcela continha cinco linhas com
10 m de comprimento cada. Após 60 dias da
semeadura, foram realizadas as aplicações dos
fitorreguladores químicos, seguindo o período
de aplicação recomendado pelos fabricantes.
Foi utilizado um pulverizador com CO2
pressurizado com uma barra de 6 m de
comprimento em forma de T, com seis bicos
AXI 11002 com jato do tipo plano,
possibilitando a aplicação simultânea em duas
linhas. A barra foi posicionada horizontalmente
apoiada sobre outras duas barras verticais que
mantinham a barra pulverizadora a,
aproximadamente, 50 cm acima do dossel. A
pressão utilizada foi constante de 40 libras Pol2
com volume de 200 L ha-1
, segundo Viana et al.
(2008). As aplicações foram realizadas durante
o período das 07h00min às 11h00min. Na
ocasião, não houve ocorrência de ventos; e a
temperatura ambiente encontrava-se redor de 25
a 30ºC, com umidade relativa do ar entre 60 e
80%.
TABELA 2. Fitorreguladores químicos aplicados aos 65 dias após o plantio, cultivar sorgo sacarino C.V.147.
Catanduva SP, 2013.
Tratamento Ingrediente Ativo DOSE (L ou g p.c. ha-1
)
1 Glifosate 0,10
2 Glifosate 0,20
3 Glifosate 0,40
4 Sulfometuron-methyl 5
5 Sulfometuron-methyl 10
6 Sulfometuron-methyl 20
7 Ethyl-trinexapac 0,20
8 Ethyl-trinexapac 0,40
9 Ethyl-trinexapac 0,80
10 Testemunha -
Em cinco épocas, ou seja, aos 15, 30, 37,
52 e 61 dias após aplicação dos fitorreguladores
(DAA), foram realizadas as avaliações previstas
para os subtratamentos. Em cada época, foram
coletadas manualmente 10 plantas sequenciais
em linha de plantio de sorgo sacarino. As
plantas foram despontadas na altura da gema
apical, ou seja, ponto de quebra, e enviadas ao
Laboratório de Pagamento da Usina Cerradinho,
no município de Catanduva – SP para realização
das análises tecnológicas. O processamento foi
realizado segundo a metodologia do Sistema de
Pagamento pelo Teor de Sacarose (PCTS).
Após a desintegração e homogeneização
dos colmos, uma alíquota de 500 g foi
submetida à prensa hidráulica. O caldo extraído
foi destinado para o laboratório para a
determinação de Brix (% caldo); Pol (% caldo);
Açúcar Teórico Recuperável (ATR); Fibra (%);
Pureza (% caldo); Açúcares Redutores – AR
(%) e Açúcares Redutores Totais – ART (%),
utilizando os métodos de determinações
químico-tecnológicas, conforme Circular
Consecana (2006).
As variáveis foram submetidas à análise
de variância pelo teste F (p<0,05) e comparadas
pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade,
sendo utilizado o programa Assistat 7.6 Beta;
Silva; Azevedo (2002).
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Os resultados obtidos com a cultivar de
sorgo sacarino CV.147 encontram-se na Tabela
3. Os tratamentos com reguladores vegetais com
ethyl-trinexapac na dosagem de 0,40 L ha-1
e
ethyl-trinexapac na dosagem de 0,80 L ha-1
favoreceram um incremento nos valores médios
das características tecnológicas Brix (% caldo);
Pol (% caldo); Açúcar Teórico Recuperável
(ATR); Fibra (%);
De maneira geral, para as diferentes
épocas de amostragens, observou-se que as
maiores médias das variáveis tecnológicas
foram apresentadas entre 30 e 37 dias após
aplicação (DAA). Esses resultados corroboram
com os obtidos por Zhao et al. (2009) que
testaram três épocas de corte das plantas após o
florescimento (0, 20 e 40 DAF). Os autores
verificaram que a época de corte das plantas de
sorgo pode influenciar diretamente nos teores de
açúcar e no volume de caldo.
Segundo Silva et al. (2010), a aplicação
de maturadores químicos aplicados em cana-de-
açúcar (Saccharum spp) em final de safra
promoveu um aumento significativo sobre as
características tecnológicas Pol (caldo), Brix
(caldo) e ATR ao longo das épocas de colheitas
avaliadas, quando utilizado o glyphosate 0,4 L
de p.c.L ha-1
, sulfometuron methyl 20g ha-1
.
Na qualidade tecnológica do sorgo
sacarino o grau Brix representa o teor de sólidos
solúveis totais (açúcares e não açúcares)
presentes no caldo do colmo, que é uma forma
prática que permite a mensuração a campo da
quantidade de açúcar (porcentagem). Esta
constatação pode ser explicada pela época de
aplicação dos tratamentos. Segundo
recomendado por Andrei (2005), o principal
requisito para obtenção da eficiência dos
reguladores na concentração de sacarose na
cultura de cana-de-açúcar é a aplicação após o
pleno desenvolvimento vegetativo das plantas.
O valor pago pela matéria prima aos
produtores está diretamente expresso no ATR
encontrado. Sua qualidade é afetada pelo
ambiente e as condições de manejo da cultura.
Neste sentido, é observado diretamente a
influência dos maturadores sob os valores de
ATR na cultura após a colheita (MESCHEDE;
CARBONARI; VELINI, 2009).
Para a característica Fibra (% cana), os
teores foram menores quando as plantas
receberam a aplicação de fitorreguladores. Os
resultados encontrados neste trabalho seguiram
àqueles relatados por Silva et. al (2010), que
também apontaram um aumento nos valores
médios de fibra na cana-de-açúcar por meio da
aplicação dos maturadores glifosate e
sulfometuron methyl, quando comparados ao
grupo controle.
Crusciol et al. (2010) ressaltaram que,
dentre outros fatores, as condições climáticas,
época de aplicação, dose empregada,
conhecimento da curva de maturação da
variedade e planejamento da época de colheita
exercem influência agronômica sobre os
maturadores, independentemente da classe
utilizadas, ou seja, inibidor ou retardante do
crescimento.
Letras iguais não diferem entre si pelo Teste de Tukey, dentro do mesmo fator (P=0,05); *
P<0,05; **
P<0,01;
ns
P≥0,05;(daa) dias após
Andrei (2005) consideram que as
dosagens de ethyl-trinexapac recomendadas
para proporcionar um aumento no acúmulo de
sacarose e aceleração dos processos de
maturação, variam de 200 a 300 g i.a ha-1
com a
aplicação realizada após a cultura ter atingido
seu pleno desenvolvimento vegetativo.
Houve efeito significativo quando
aplicados os fitorreguladores no cultivar de
sorgo sacarino CV.147 sobre as características
tecnológicas: Pureza (% caldo); Açúcares
Redutores – AR (%) e Açúcares Redutores
Totais – ART (%).
Os maturadores químicos, ethyl-
trinexapac nas dosagens de 0,40 e 0,80 L ha-1
,
apresentaram maiores médias para as
características tecnológicas de Pureza caldo e
açúcares redutores totais; e menores valores
para açúcares redutores. Ainda na Tabela 4, as
épocas de amostragens apresentaram diferenças
significativas para as variáveis tecnológicas
analisadas. As melhores épocas de colheita do
sorgo sacarino para o cultivar CV.147 foram
aquelas compreendidas entre os períodos de 30
a 52 dias após a aplicação dos reguladores
vegetais.
Tabela 3. Valores médios observados para Brix (% caldo); Pol (% caldo); Açúcar Teórico
Recuperável (ATR); Fibra (%) nos tratamentos com maturadores, nas diferentes épocas de
amostragens, cultivar do sorgo CV147. Catanduva, SP,2013
Causas de variação Brix Caldo Pol(%) ATR Fibra
Maturadores (A)
Glifosate 0,10L ha-1
9.00 d 2.48 e 40.63f 11.57e
Glifosate 0,20 L ha-1
9.28 d 2.53 e 40.94f 11.89de
Glifosate 0,40 L ha-1
13.30 c 5.38 d 64.33e 12.74cd
Sulfometuron-methyl 5 g ha-1
14.11bc 6.13 cd 70.47de 13.19c
Sulfometuron-methyl 10gha-1
12.56 c 5.95 cd 73.92cde 13.23c
Sulfometuron-methyl 20 g ha-1
14.74b 7.05 bc 80.50abcd 14.50ab
Ethyl-trinexapac 0,20 L ha-1
15.37ab 7.01 bc 77.67bcd 14.35 b
Ethyl-trinexapac 0,40 L ha-1
17.79ª 8.08 ab 87.44ab 15.28ab
Ethyl-trinexapac 0,80 L ha-1
15.02ab 7.88 ab 83.87abc 15.15ab
Testemunha 16.12ª 8.65 a 90.76a 15.43a
DMS 1.43 1.26 11.11 0.98
Épocas (B)
(15daa) 16.84b 5.76 bc 67.91bc 13.44bc
(30 daa) 17.14b 6.58 ab 74.72a 13.99ab
(37 daa) 18.81a 7.09 a 69.67 b 14.63a
(52 daa) 14.05c 5.82 bc 68.26 bc 13.50bc
(61 daa) 14.29c 5.32 c 64.70 c 13.10 c
DMS 6.19 0.83 7.22 0.67
Fator A 21.71** 67.45 ** 59.56 ** 47.79**
Fator B 5.15** 11.23 ** 10.74 ** 11.75**
Fator A x B 3.92** 1.54 * 1.69 * 1.44ns
CV Parcela 53.56 19.15 14.49 6.63
CV sub Parcela 55.44 21.93 16.39 7.95
Tabela 4. Valores médios observados para Pureza (% caldo); Açúcares Redutores – AR (%) e Açúcares Redutores
Totais – ART (%) nos tratamentos com maturadores, nas diferentes épocas de amostragens, cultivar do sorgo CV.147.
Catanduva, SP,2013.
Causas de variação Pureza Caldo
(%)
Açúcar redutores
(%)
Açúcar redutores
totais (%)
Maturadores (A)
Glifosate 0,10L ha-1
31.23 ef 2.19 a 4.81 f
Glifosate 0,20 L ha-1
31.19 ef 2.18 a 4.85 f
Glifosate 0,40 L ha-1
45.94cd 1.72 bc 7.39 e
Sulfometuron-methyl 5 g ha-1
49.77cd 1.60 bcd 8.05 de
Sulfometuron-methyl 10gha-1
25.55 f 2.28 a 8.56 cde
Sulfometuron-methyl 20 g ha-1
41.20 de 1.80 b 9.23abcd
Ethyl-trinexapac 0,20 L ha-1
53.20bc 1.47 cde 8.85 bcd
Ethyl-trinexapac 0,40 L ha-1
54.04abc 1.43 def 9.94a
Ethyl-trinexapac 0,80 L ha-1
62.26ab 1.20 ef 9.50ab
Testemunha 64.00a 1.15 f 10.26a
DMS 10.08 0.28 1.20
Épocas (B)
(15daa) 45.43ab 1.72 ab 7.79 bc
(30 daa) 49.10a 1.60 b 8.54ab
(37 daa) 47.34ab 1.63 b 9.10a
(52 daa) 46.09ab 1.70 ab 7.83 bc
(61 daa) 41.23 b 1.85 a 7.45 c
DMS 6.12 0.17 0.78
Fator A 40.68** 47.71** 60.30 **
Fator B 3.51** 4.56** 11.03 **
Fator A x B 2.08** 2.01** 1.77 *
CV Parcela 20.37 15.52 13.73
CV sub Parcela 21.56 16.67 15.57
Letras iguais não diferem entre si pelo Teste de Tukey, dentro do mesmo fator (P=0,05); *
P<0,05; **
P<0,01;
ns
P≥0,05;(daa) dias após aplicação
De acordo com Von pinho; vasconcelos
(2002), as concentrações de açúcares redutores e
açúcares redutores totais presentes no caldo
extraído dos colmos de sorgo sacarino do
cultivar BRS 506 foram inferiores aos dados
obtidos para outras cultivares de sorgo sacarino
e podem afetar diretamente a produção de etanol
na indústria sucroalcooleira. Nesse sentido, o
manejo varietal e o uso dos maturadores
químicos na cultura torna-se imprescindível
para o ganho de produtividade na indústria. Os
valores são superiores aos encontrados por Leite
et al. (2009) quando estudaram cana-de-açúcar,
o que corrobora com Ribeiro filho et al. (2008).
Segundo Meschede et al. (2011), os
resultados encontrados apresentam uma
discrepância, pois os autores mostraram que o
sulfumeturon-methyl com doses elevadas pode
interferir na fotossíntese, devido a diminuição
dos teores de clorofila e carotenoides nas folhas.
Os autores ressaltam que a análise de clorofila e,
principalmente, de carotenoides, pode ser um
bom indicador para determinar os efeitos de
fitotoxicidade desses produtos no vegetal.
Em comparação à cana-de-açúcar, o
sorgo sacarino se destaca por apresentar maior
concentração de açúcares redutores totais no
caldo. Contudo, os valores obtidos neste
trabalho são semelhantes com os resultados
encontrado por Ribeiro filho et al. (2008), que
realizaram a moagem dos colmos do sorgo
sacarino com as folhas e obtiveram valores de
9,81 % de ART.
De acordo com a literatura, a redução de
sólidos solúveis presentes no caldo, após 34 dias
de florescimento, está relacionada com a
conversão destes compostos, principalmente de
açúcares em amido presentes nos grãos, que
servirão como material de reserva, ou
convertidos em material fibroso, sob a forma de
celulose (TSUCHIHASHI; GOTO, 2004).
CONCLUSÃO
O fitorregulador ethyl-trinexapac nas
dosagens de 0,40 e 0,80 L ha-1
promoveu maior
incremento na qualidade tecnológica do sorgo
sacarino. As épocas de colheita que
apresentaram incremento nas características
tecnológicas do sorgo sacarino foram entre os
períodos compreendidos entre 30 e 52 dias após
a aplicação dos fitorreguladores.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANDREI, E (Org.). Compêndio de defensivos
agrícolas. 7 ed. São Paulo: Andrei, 2005.
1142p.
ALMEIDA, J. C. V.; LEITE, C. R. F.; SOUZA,
J. R. P. de. Efeitos de maturadores nas
características tecnológicas da cana-de-açúcar
com e sem estresse hídrico. Semina: Ciências
Agrárias, Londrina, v. 26, n. 4, p. 441-448,
2005. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-
0359.2005v26n4p441
ALVAREZ, R. C. F.; CRUSCIOL, C. A. C.;
TRIVELIN, P. C. O.; RODRIGUES, J. D.;
AVAREZ, A. C. C. Influência do etil-trinexapac
no acúmulo, na distribuição de nitrogênio (15N)
e na massa de grãos de arroz de terras altas.
Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa,
MG, v. 31, p. 1487-1496, 2007. DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/S0100-
06832007000600025
CIRCULAR Consecana. Disponível em:
<http://www.orplana.com.br>. Acesso em: 26
jun. 2014.
CRUSCIOL, C. A. C.; LEITE, G. H. P.;
SIQUEIRA, G. F. Uso de maturadores com ou
sem misturas. In: CRUSCIOL, C. A. C. et al.
Tópicos em ecofissiologia da cana-de- açúcar.
Botucatu: FEPAF, 2010, p.93-102.
DURÃES, F. O. M. Sorgo sacarino:
desenvolvimento de tecnologia agronômica.
Revista em Agroenergia. 3 ed. p. 7, 2011.
EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa
Agropecuária, Centro Nacional de Milho e
Sorgo. Boletim Agrometeorológico do Ano
Agrícola. Sete Lagoas, 2004.
GODSEY, C. B.; LINNEMAN, J.; BELLMER,
D.; Huhnke, R.Developing row spacing and
planting density recommendations for
rainfedsweet sorghum production in the
southern plains. Agronomy Journal, v. 104, n.
2, p. 280-286, 2012.
doi:10.2134/agronj2011.0289
LEITE, G. H. P.; CRUSCIOL, C. A. C.;
SILVA, M. de A.; VENTURINI FILHO, W. G.
Technological quality of sugarcane uppon
application of ripeners during the cropping
season. Bragantia, Campinas, v. 68, n. 2, p.
527-534, 2009.
http://dx.doi.org/10.1590/S0006-
87052009000200028
MESCHEDE, D. K., VELINI, E. D.;
CARBONARI, C. A.; SILVA, J. R. M.
Physiological alteration in sugarcane influenced
by glyphosate and sulfumeturon-methyl
application. Planta Daninha, Viçosa, MG, v.
29, n. 2, p. 413-419, 2011.
http://dx.doi.org/10.1590/S0100835820110002
00019
MESCHEDE, D. K.; CARBONARI, C. A.;
VELINI, E. D. Different chemical ripeners
action on sugarcane yield and technological
quality. Revista Brasileira de Herbicidas, v.8,
n.2, p.62-67, 2009.
NAN, L.; BEST, G.; CARVALHO NETO, C.
C. Integrated energy systems in China: the cold
Northeastern region experience. Rome: FAO,
1994. 475 p.
NEUMANN, M.; RESTLE, J.; ALVES FILHO,
D.C.; BERNARDES, R.A.C.; ARBOITE, M.
Z.; CERDÓTES, L.; PEIXOTO, L.A.O.
Avaliação de diferentes híbridos de sorgo
(Sorghum bicolor, L. Moench) quanto aos
componentes da planta e silagens produzidas.
Revista Brasileira de Zootecnia. Viçosa, v.31,
p.302-312, 2002.
http://dx.doi.org/10.1590/S1516-
35982002000200003
RADEMACHER, W. Growth retardants: effects
on gibberellin biosynthesis and other metabolic
pathways. Annual Review of Plant Physiology
and Plant Molecular Biology, Palo Alto, v. 51,
p. 501-531, 2000.
DOI: 10.1146/annurev.arplant.51.1.501
RAIJ, B. van e CANTARELLA, H. Outras
culturas industriais. In: RAIJ, B. van;
CANTARELLA, H.; QUAGGIO J.A. e
FURLANI, A.M.C. (coord..) Recomendações
de adubação e calagem para o Estado de São
Paulo. 2.ed. Campinas: Instituto Agronômico e
Fundação IAC, 1996. p.233-236.
RIBEIRO FILHO, N. M.; ALVES, R. M.;
FLORÊNCIO, I. M.; FLORENTINO, E. R.;
DANTAS, J. P. Viabilidade de utilização do
caldo do sorgo sacarino para a Produção de
álcool carburante (etanol). Revista Brasileira
de Produtos Agroindustriais, Campina
Grande, 2008.
SILVA, F. A. S.; AZEVEDO, C. A. V. Versão
do programa computacional Assistat para o
sistema operacional Windows. Revista
Brasileira de Produtos Agroindustriais,
Campina Grande, v.4, n.1, p. 71-78, 2002.
SILVA, M. de A.; GAVA, G. J. C.; CAPUTO,
M. M.; SORRILLA, P. F.; BASSETTO, S. C.
Productivity of stalk and sucrose in sugarcane in
relation to cultivar and ripener interaction.
Scientia Agraria, Curitiba, v.11, n.4, p.323-
329,
2010.http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/agrari
a/article/view/18268/11956
VIANA, R. da S.; SILVA, P. H.; MUTTON, M.
A.; MUTTON, M. J. R.; GUIMARÃES, E. R.;
BENTO, M. Efeito da aplicação de maturadores
químicos na cultura da cana de açúcar
(Saccharum spp.) variedade SP 81-3250. Acta
Science Agronomy. Maringá, v.30, n.1, p. 65-
71, 2008.
VON PINHO, R. Z.; DE VASCONCELOS, R.
C. Cultura do Sorgo. Textos Acadêmicos.
Lavras: Editora UFLA. 2002. 75p.
WHITFIELD, M. B.; CHINN, M. S.; VEAL, M.
W. Processing of materials derived from sweet
sorghumfor biobased products. Industrial
Crops and Products, v. 37, n. 1, p. 362–375,
2012.
TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 4. ed.
Porto Alegre: Artmed, 2009. 848 p.
TSUCHIHASHI, N.; GOTO, Y. Cultivation of
sweet sorghum (Sorghum bicolor (L.) Moench)
and determination of its harvest time to make
use as the raw material for fermentation,
practiced during rainy season in dry land of
Indonesia. Plant Production Science, n, 7, p.
442-448,
2004.http://dx.doi.org/10.1626/pps.7.442
ZHAO, Y. L.; DOLAT, A.; STEINBERGER,
Y.; WANG, X.; OSMAN, A.; XIE, G. H.
Biomass yield and changes in chemical
composition of sweet sorghum cultivars grown
for biofuel. Field Crops Research, v. 111, p.
55-64, 2009.
______________________________________
1
Dr. Professor Assistente II, Faculdade de Tecnologia de
Araçatuba – FATEC, e-mail: ronaldodsv@hotmail.com;
2
Dr. Professor Adjunto, Universidade Estadual Paulista
"Júlio de Mesquita Filho" – UNESP, Campus de Dracena,
email:paulofigueiredo@dracena.unesp.br;
3
Biólogo, Mestre em Ciência e Tecnologia Animal,
UNESP, Campus Dracena e Ilha
Solteira,email: lisboa@dracena.unesp.br;
4
FUNDEC – Fundação Dracenense de Educação e
Cultura, Dracena – SP;
5
Dr. Professor Titular da Universidade Estadual Paulista
Júlio de Mesquita Filho, Campus de Ilha Solteira,
email:marcosa@agr.feis.unesp.br.
52

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Verificação da viabilidade da utilização de citrus sinensis como inseticida n...
Verificação da viabilidade da utilização de citrus sinensis como inseticida n...Verificação da viabilidade da utilização de citrus sinensis como inseticida n...
Verificação da viabilidade da utilização de citrus sinensis como inseticida n...
Jamile Pasturczak
 
Nitrato como maturador
Nitrato como maturadorNitrato como maturador
Nitrato como maturador
rfoltran
 
Frascos agitados e preparo de in culo
Frascos agitados e preparo de in culoFrascos agitados e preparo de in culo
Frascos agitados e preparo de in culo
Fco Antônio ribeiro
 
S charque
S charqueS charque
S charque
Samira Mantilla
 
Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95
Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95
Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95
Aleksander Westphal Muniz
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
tgandr
 
Fermentação em estado sólido
Fermentação em estado sólidoFermentação em estado sólido
Fermentação em estado sólido
Giullyanno Felisberto
 
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
tgandr
 
atividade bactericida
atividade bactericidaatividade bactericida
atividade bactericida
AmandaCarvalho761120
 
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
tgandr
 
Controle de Qualidade - análise microbiológica de MP e Form. Magistrais
Controle de Qualidade - análise microbiológica de MP e Form. MagistraisControle de Qualidade - análise microbiológica de MP e Form. Magistrais
Controle de Qualidade - análise microbiológica de MP e Form. Magistrais
Barbara Blauth
 
Crescimento tor tamboides
Crescimento tor tamboidesCrescimento tor tamboides
Crescimento tor tamboides
tgandr
 
Fermentação Descontínua
Fermentação DescontínuaFermentação Descontínua
Fermentação Descontínua
Giullyanno Felisberto
 
Reciclagem química do pet pós consumo. caracterização estrutural e efeito da ...
Reciclagem química do pet pós consumo. caracterização estrutural e efeito da ...Reciclagem química do pet pós consumo. caracterização estrutural e efeito da ...
Reciclagem química do pet pós consumo. caracterização estrutural e efeito da ...
Miguel Medeiros
 
%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos
Augusto Tanamati
 
Protocolo FIXAÇÃO biologica do n em leguminosas
Protocolo   FIXAÇÃO biologica do n em leguminosasProtocolo   FIXAÇÃO biologica do n em leguminosas
Protocolo FIXAÇÃO biologica do n em leguminosas
nayara moraes
 
Artigo bioterra v17_n2_09
Artigo bioterra v17_n2_09Artigo bioterra v17_n2_09
Artigo bioterra v17_n2_09
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Qualidade de grãos de milho armazenados em silos bolsa
Qualidade de grãos de milho armazenados em silos bolsaQualidade de grãos de milho armazenados em silos bolsa
Qualidade de grãos de milho armazenados em silos bolsa
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS
 
Digestibilidade proteica cruz et al 2005
Digestibilidade proteica cruz et al 2005Digestibilidade proteica cruz et al 2005
Digestibilidade proteica cruz et al 2005
Jorge Custodio
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Jaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

Verificação da viabilidade da utilização de citrus sinensis como inseticida n...
Verificação da viabilidade da utilização de citrus sinensis como inseticida n...Verificação da viabilidade da utilização de citrus sinensis como inseticida n...
Verificação da viabilidade da utilização de citrus sinensis como inseticida n...
 
Nitrato como maturador
Nitrato como maturadorNitrato como maturador
Nitrato como maturador
 
Frascos agitados e preparo de in culo
Frascos agitados e preparo de in culoFrascos agitados e preparo de in culo
Frascos agitados e preparo de in culo
 
S charque
S charqueS charque
S charque
 
Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95
Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95
Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
 
Fermentação em estado sólido
Fermentação em estado sólidoFermentação em estado sólido
Fermentação em estado sólido
 
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
 
atividade bactericida
atividade bactericidaatividade bactericida
atividade bactericida
 
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
 
Controle de Qualidade - análise microbiológica de MP e Form. Magistrais
Controle de Qualidade - análise microbiológica de MP e Form. MagistraisControle de Qualidade - análise microbiológica de MP e Form. Magistrais
Controle de Qualidade - análise microbiológica de MP e Form. Magistrais
 
Crescimento tor tamboides
Crescimento tor tamboidesCrescimento tor tamboides
Crescimento tor tamboides
 
Fermentação Descontínua
Fermentação DescontínuaFermentação Descontínua
Fermentação Descontínua
 
Reciclagem química do pet pós consumo. caracterização estrutural e efeito da ...
Reciclagem química do pet pós consumo. caracterização estrutural e efeito da ...Reciclagem química do pet pós consumo. caracterização estrutural e efeito da ...
Reciclagem química do pet pós consumo. caracterização estrutural e efeito da ...
 
%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos
 
Protocolo FIXAÇÃO biologica do n em leguminosas
Protocolo   FIXAÇÃO biologica do n em leguminosasProtocolo   FIXAÇÃO biologica do n em leguminosas
Protocolo FIXAÇÃO biologica do n em leguminosas
 
Artigo bioterra v17_n2_09
Artigo bioterra v17_n2_09Artigo bioterra v17_n2_09
Artigo bioterra v17_n2_09
 
Qualidade de grãos de milho armazenados em silos bolsa
Qualidade de grãos de milho armazenados em silos bolsaQualidade de grãos de milho armazenados em silos bolsa
Qualidade de grãos de milho armazenados em silos bolsa
 
Digestibilidade proteica cruz et al 2005
Digestibilidade proteica cruz et al 2005Digestibilidade proteica cruz et al 2005
Digestibilidade proteica cruz et al 2005
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
 

Semelhante a Artigo bioterra v17_n1_05

Análise microbiológica de iogurte
Análise microbiológica de iogurteAnálise microbiológica de iogurte
Análise microbiológica de iogurte
Artur Chimbapo
 
CBE - Radiação em Conservantes na Indústria Cosmética
CBE - Radiação em Conservantes na Indústria CosméticaCBE - Radiação em Conservantes na Indústria Cosmética
CBE - Radiação em Conservantes na Indústria Cosmética
24x7 COMUNICAÇÃO
 
Artigo_Bioterra_V23_N2_09
Artigo_Bioterra_V23_N2_09Artigo_Bioterra_V23_N2_09
Artigo_Bioterra_V23_N2_09
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Tese amido nativo e modificado
Tese   amido nativo e modificadoTese   amido nativo e modificado
Tese amido nativo e modificado
Silvana Licodiedoff
 
Ciências agrárias
Ciências agráriasCiências agrárias
Ciências agrárias
Valdivino Rocha
 
Resumo semic Kleber Diego Moreira
Resumo semic Kleber Diego MoreiraResumo semic Kleber Diego Moreira
Resumo semic Kleber Diego Moreira
Kleber Moreira
 
APRESENTAÇÃO_QUALIFICAÇÃO_FINAL.pptx
APRESENTAÇÃO_QUALIFICAÇÃO_FINAL.pptxAPRESENTAÇÃO_QUALIFICAÇÃO_FINAL.pptx
APRESENTAÇÃO_QUALIFICAÇÃO_FINAL.pptx
RalfMelo3
 
Seleção de-meios-de-produção-de-lipase-por-aspergillus-ssp
Seleção de-meios-de-produção-de-lipase-por-aspergillus-sspSeleção de-meios-de-produção-de-lipase-por-aspergillus-ssp
Seleção de-meios-de-produção-de-lipase-por-aspergillus-ssp
Barbhara Mota
 
Adubação racional econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Adubação racional  econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procaféAdubação racional  econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Adubação racional econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Cap20
Cap20Cap20
Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em dif...
Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em dif...Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em dif...
Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em dif...
AcessoMacauba
 
[2022] CLAE .pptx
[2022] CLAE .pptx[2022] CLAE .pptx
[2022] CLAE .pptx
carlosmurr
 
Avaliação de dois ecotipos de macaúba final
Avaliação de dois ecotipos de macaúba final Avaliação de dois ecotipos de macaúba final
Avaliação de dois ecotipos de macaúba final
AcessoMacauba
 
9fcfd507c487a685fb
9fcfd507c487a685fb9fcfd507c487a685fb
9fcfd507c487a685fb
sebas1128
 
Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
ClaireJuliana1
 
Carne de sol
Carne de solCarne de sol
Carne de sol
Samira Mantilla
 
Arroz hidrolis
Arroz hidrolisArroz hidrolis
Arroz hidrolis
José Luiz Alves Cardoso
 
Suinos i
Suinos iSuinos i
Suinos i
Verboten
 
Tese_180211
Tese_180211Tese_180211
Tese_180211
Guilherme D Avila
 
07
0707

Semelhante a Artigo bioterra v17_n1_05 (20)

Análise microbiológica de iogurte
Análise microbiológica de iogurteAnálise microbiológica de iogurte
Análise microbiológica de iogurte
 
CBE - Radiação em Conservantes na Indústria Cosmética
CBE - Radiação em Conservantes na Indústria CosméticaCBE - Radiação em Conservantes na Indústria Cosmética
CBE - Radiação em Conservantes na Indústria Cosmética
 
Artigo_Bioterra_V23_N2_09
Artigo_Bioterra_V23_N2_09Artigo_Bioterra_V23_N2_09
Artigo_Bioterra_V23_N2_09
 
Tese amido nativo e modificado
Tese   amido nativo e modificadoTese   amido nativo e modificado
Tese amido nativo e modificado
 
Ciências agrárias
Ciências agráriasCiências agrárias
Ciências agrárias
 
Resumo semic Kleber Diego Moreira
Resumo semic Kleber Diego MoreiraResumo semic Kleber Diego Moreira
Resumo semic Kleber Diego Moreira
 
APRESENTAÇÃO_QUALIFICAÇÃO_FINAL.pptx
APRESENTAÇÃO_QUALIFICAÇÃO_FINAL.pptxAPRESENTAÇÃO_QUALIFICAÇÃO_FINAL.pptx
APRESENTAÇÃO_QUALIFICAÇÃO_FINAL.pptx
 
Seleção de-meios-de-produção-de-lipase-por-aspergillus-ssp
Seleção de-meios-de-produção-de-lipase-por-aspergillus-sspSeleção de-meios-de-produção-de-lipase-por-aspergillus-ssp
Seleção de-meios-de-produção-de-lipase-por-aspergillus-ssp
 
Adubação racional econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Adubação racional  econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procaféAdubação racional  econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Adubação racional econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
 
Cap20
Cap20Cap20
Cap20
 
Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em dif...
Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em dif...Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em dif...
Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em dif...
 
[2022] CLAE .pptx
[2022] CLAE .pptx[2022] CLAE .pptx
[2022] CLAE .pptx
 
Avaliação de dois ecotipos de macaúba final
Avaliação de dois ecotipos de macaúba final Avaliação de dois ecotipos de macaúba final
Avaliação de dois ecotipos de macaúba final
 
9fcfd507c487a685fb
9fcfd507c487a685fb9fcfd507c487a685fb
9fcfd507c487a685fb
 
Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
 
Carne de sol
Carne de solCarne de sol
Carne de sol
 
Arroz hidrolis
Arroz hidrolisArroz hidrolis
Arroz hidrolis
 
Suinos i
Suinos iSuinos i
Suinos i
 
Tese_180211
Tese_180211Tese_180211
Tese_180211
 
07
0707
07
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v17_n1_05

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 17 - Número 1 - 1º Semestre 2017 Aplicação dos fitorreguladores químicos na qualidade tecnológica do sorgo sacarino em diferentes épocas de amostragens. Ronaldo da Silva Viana1 ; Paulo Alexandre Monteiro de Figueiredo2 ; Lucas Aparecido Manzani Lisboa3 ; Ana Carolina Nunes Domingues de Assunpção4 ; Marcos Eustáquio de Sá5 RESUMO O objetivo deste trabalho foi avaliar a aplicação dos fitorreguladores químicos na qualidade tecnológica do sorgo sacarino em diferentes épocas de amostragens. O ensaio foi realizado na usina Cerradinho em Catanduva-SP. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, no esquema de parcelas subdivididas, onde os tratamentos foram constituídos pela combinação de 10 tratamentos, envolvendo as aplicações dos fitorreguladores químicos: 5; 10; 20 g ha-1 sulfometuron-methyl; 0,10; 0,20; 0,40 L ha-1 glifosate; 0,2; 0,4; 0,8 L ha-1 ethyl-trinexapac e testemunha. Nos subtratamentos foram realizadas as amostragens para as avaliações da qualidade tecnológica em épocas distintas após aplicação do maturadores químicos. A área foi dividida em parcelas formadas pelo cultivar de sorgo sacarino C.V. 147 com quatro repetições. Foram avaliadas as qualidades tecnológicas como: Brix (% caldo); Pol (% caldo); Açúcar Teórico Recuperável (ATR); Fibra (%); Pureza (% caldo); Açúcares Redutores – AR (%) e Açúcares Redutores Totais – ART (%). O fitorregulador ethyl-trinexapac nas dosagens de 0,40 e 0,80 L ha-1 promoveu maior incremento na qualidade tecnológica do sorgo sacarino. As épocas de colheita que apresentaram incremento nas características tecnológicas do sorgo sacarino foram entre os períodos compreendidos entre 30 e 52 dias após a aplicação dos fitorreguladores. Palavras chave: Reguladores hormonais, Estressantes, Sorghum bicolor. Application of a chemical bioregulators in the technology quality of the sweet sorghum in times of sampling different. ABSTRACT The main purpose of this study is to evaluate the application of a chemical bioregulators in the technology quality of the sweet sorghum in times of sampling different. This assay was performed in Cerradinho Mill located in Catantuva city in the state of São Paulo. The delineation experimental used randomized blocks, designed with split-plots, where the procedures were composed by the combination of 10 proceedings, involving the chemical maturing: 5;10 20g ha' sulfometuron-menthyl; 0,10; 0,20; 0,40 L ha glifosate; 0,2; 0,4; 0,8 L ha ethyltrinexapac and an observer. The spli- plots samplings were done to evaluate the technological quality in different moments after the application of chemical maturing products. The area was divided into plots formed by cultivating sorghum saccharine CV 147 with four replications.The technological qualities evaluated were: purity(%juice);reducing sugar, the total reducing sugar, Brix (%juice); Pol (% juice), the recuperable sugar and fiber (%). The chemical maturing thyl-trinexapac dosages were between 0,40 and 0,80 L ha this procedure raised the technological quality of the sweet sorghum. The periods of some crops that presented significant difference on the surghum technological characteristics were the ones which the periods reached from 32 up to 52 days after the application of the vegetable regulator. Keywords: Hormonal regulator, stressful, Sorghum bicolor. 45
  • 2. INTRODUÇÃO O sorgo sacarino (Sorghum bicolor (L.) Moench) vem ganhando destaque em vários países como uma alternativa à produção de biocombustíveis, conforme descrito por Godsey et al. (2012), devido à sua elevada produção de biomassa lignocelulósica e açúcares fermentáveis, segundo Whitfield et al. (2012). Pode ainda ser utilizado durante o período da entressafra da cana-de-açúcar, pois seu crescimento é rápido e o seu ciclo de cultivo em torno de 120 dias, reduzindo assim, o período de entressafra da usina, no qual há considerável ociosidade nas destilarias (DURÃES, 2011). Conforme Nan et al. (1994), são chamados de sorgo sacarino genótipos que apresentam alto teor de umidade no colmo na maturidade e acima de 8º Brix no caldo. Na nutrição animal destaca-se por ser um alimento de alto valor nutritivo, alto teor de açúcares e por apresentar elevado rendimento de matéria seca (NEUMANN et al., 2002). Para a produção de etanol apresenta rapidez do ciclo de produção, em função do alto teor relativo de açúcares diretamente fermentáveis contidos no colmo, além de facilidades de mecanização da cultura (EMBRAPA, 2004). A utilização de fitorreguladores vem se destacando como uma alternativa para diminuir a ocorrência de acamamento quando aplicados na parte aérea com o objetivo de reduzir o desenvolvimento longitudinal indesejável das plantas, sem ocasionar diminuição na produtividade, solução desejada por aqueles envolvidos com o cultivo do sorgo sacarino (RADEMACHER, 2000). Porém, os efeitos dos reguladores vegetais têm sido inconsistentes, pois em algumas situações, verifica-se aumento de produtividade, enquanto, em outras, redução da mesma (ALVAREZ et al., 2007). Os fitorreguladores são compostos sintéticos que atuam como sinalizadores químicos no controle do desenvolvimento da planta, alterando sua morfologia e fisiologia, a ponto de levar às modificações qualitativas e quantitativas na produção, as quais podem afetar a iniciação ou modificação do desenvolvimento de tecidos ou órgãos vegetais Rademacher (2000); Taiz & zeiger (2009). Produtos químicos, como o glyphosate, etil-trinexapac, paraquat, fluazifop-p-butil, sulfometuron-methyl e ethepon, são registrados no Brasil como maturadores ou reguladores de crescimento vegetal e possibilitam incrementos no teor de sacarose do caldo, antecipam o início da maturação e podem aumentar a produtividade agroindustrial (ALMEIDA et al. 2005). Em função do exposto, o objetivo deste trabalho foi avaliar a aplicação de fitorreguladores químicos na qualidade tecnológica do sorgo sacarino em diferentes épocas de amostragens. MATERIAIS E MÉTODOS O ensaio foi instalado e conduzido na Usina Cerradinho S/A no Município de Catanduva-SP, em área de reforma do canavial, localizada na Latitude - 21º 5’ 59,673”, Longitude - 48º 58’ 46,961” e 454 m acima do nível do mar. A área experimental apresentava uma topografia semiplana e o solo classificado como Latossolo Vermelho Férrico Eutrófico. Por ocasião do plantio, foi realizada a correção do solo com calcário dolomítico, com PRNT 90% para elevação da saturação por bases a 60%, segundo Raij et al. (1996). As recomendações foram baseadas nas análises de solo descritas na Tabela 1. TABELA 1. Análise química do solo na profundidade de 0 - 20 e 20 – 40 cm, antes da implantação do experimento. Catanduva SP, 2011. Profundidade 0 – 20 cm 20 – 40 cm pH CaCl2 5,6 5,2 MO g dm-3 13 9 P mg dm-3 (resina) 2 3 K mmolc dm-3 (resina) 2,7 2,5 Ca mmolc dm-3 (resina) 13 12 Mg mmolc dm-3 (resina) 7 7 H + Al mmolc dm-3 18 20
  • 3. Al mmolc dm-3 0 0 Soma de bases mmolc dm-3 23 22 CTC mmolc dm-3 41 42 Saturação por bases % 56 52 Saturação Al % 0 0 S (SO4 -2 ) mg dm-3 8 11 Cu mg dm-3 (DTPA) 0,6 0,8 Fe mg dm-3 (DTPA) 15 11 Zn mg dm-3 (DTPA) 0,4 0,4 Mn mg dm-3 (DTPA) 14,0 8,8 B mg dm-3 (Água quente) 0,15 0,28 Argila g kg-1 113 137 Silte g kg-1 37 33 Areia Total g kg-1 850 830 Areia Grossa 150 120 Areia Fina 700 710 MO: matéria orgânica; CTC: capacidade de troca de cátions O plantio do sorgo sacarino, cultivar C.V. 147, ocorreu entre meados de dezembro de 2011 e janeiro de 2012. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, em parcelas subdivididas com quatro repetições, constituído pela combinação de10 tratamentos, envolvendo fitorreguladores em nove situações e uma testemunha, segundo demonstrado na Tabela 2. Como subtratamentos, foram consideradas as coletas de amostras de sorgo sacarino em diferentes épocas. Cada parcela continha cinco linhas com 10 m de comprimento cada. Após 60 dias da semeadura, foram realizadas as aplicações dos fitorreguladores químicos, seguindo o período de aplicação recomendado pelos fabricantes. Foi utilizado um pulverizador com CO2 pressurizado com uma barra de 6 m de comprimento em forma de T, com seis bicos AXI 11002 com jato do tipo plano, possibilitando a aplicação simultânea em duas linhas. A barra foi posicionada horizontalmente apoiada sobre outras duas barras verticais que mantinham a barra pulverizadora a, aproximadamente, 50 cm acima do dossel. A pressão utilizada foi constante de 40 libras Pol2 com volume de 200 L ha-1 , segundo Viana et al. (2008). As aplicações foram realizadas durante o período das 07h00min às 11h00min. Na ocasião, não houve ocorrência de ventos; e a temperatura ambiente encontrava-se redor de 25 a 30ºC, com umidade relativa do ar entre 60 e 80%. TABELA 2. Fitorreguladores químicos aplicados aos 65 dias após o plantio, cultivar sorgo sacarino C.V.147. Catanduva SP, 2013. Tratamento Ingrediente Ativo DOSE (L ou g p.c. ha-1 ) 1 Glifosate 0,10 2 Glifosate 0,20 3 Glifosate 0,40 4 Sulfometuron-methyl 5 5 Sulfometuron-methyl 10 6 Sulfometuron-methyl 20 7 Ethyl-trinexapac 0,20 8 Ethyl-trinexapac 0,40 9 Ethyl-trinexapac 0,80 10 Testemunha - Em cinco épocas, ou seja, aos 15, 30, 37, 52 e 61 dias após aplicação dos fitorreguladores (DAA), foram realizadas as avaliações previstas para os subtratamentos. Em cada época, foram coletadas manualmente 10 plantas sequenciais em linha de plantio de sorgo sacarino. As plantas foram despontadas na altura da gema apical, ou seja, ponto de quebra, e enviadas ao Laboratório de Pagamento da Usina Cerradinho, no município de Catanduva – SP para realização das análises tecnológicas. O processamento foi realizado segundo a metodologia do Sistema de Pagamento pelo Teor de Sacarose (PCTS).
  • 4. Após a desintegração e homogeneização dos colmos, uma alíquota de 500 g foi submetida à prensa hidráulica. O caldo extraído foi destinado para o laboratório para a determinação de Brix (% caldo); Pol (% caldo); Açúcar Teórico Recuperável (ATR); Fibra (%); Pureza (% caldo); Açúcares Redutores – AR (%) e Açúcares Redutores Totais – ART (%), utilizando os métodos de determinações químico-tecnológicas, conforme Circular Consecana (2006). As variáveis foram submetidas à análise de variância pelo teste F (p<0,05) e comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade, sendo utilizado o programa Assistat 7.6 Beta; Silva; Azevedo (2002). RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados obtidos com a cultivar de sorgo sacarino CV.147 encontram-se na Tabela 3. Os tratamentos com reguladores vegetais com ethyl-trinexapac na dosagem de 0,40 L ha-1 e ethyl-trinexapac na dosagem de 0,80 L ha-1 favoreceram um incremento nos valores médios das características tecnológicas Brix (% caldo); Pol (% caldo); Açúcar Teórico Recuperável (ATR); Fibra (%); De maneira geral, para as diferentes épocas de amostragens, observou-se que as maiores médias das variáveis tecnológicas foram apresentadas entre 30 e 37 dias após aplicação (DAA). Esses resultados corroboram com os obtidos por Zhao et al. (2009) que testaram três épocas de corte das plantas após o florescimento (0, 20 e 40 DAF). Os autores verificaram que a época de corte das plantas de sorgo pode influenciar diretamente nos teores de açúcar e no volume de caldo. Segundo Silva et al. (2010), a aplicação de maturadores químicos aplicados em cana-de- açúcar (Saccharum spp) em final de safra promoveu um aumento significativo sobre as características tecnológicas Pol (caldo), Brix (caldo) e ATR ao longo das épocas de colheitas avaliadas, quando utilizado o glyphosate 0,4 L de p.c.L ha-1 , sulfometuron methyl 20g ha-1 . Na qualidade tecnológica do sorgo sacarino o grau Brix representa o teor de sólidos solúveis totais (açúcares e não açúcares) presentes no caldo do colmo, que é uma forma prática que permite a mensuração a campo da quantidade de açúcar (porcentagem). Esta constatação pode ser explicada pela época de aplicação dos tratamentos. Segundo recomendado por Andrei (2005), o principal requisito para obtenção da eficiência dos reguladores na concentração de sacarose na cultura de cana-de-açúcar é a aplicação após o pleno desenvolvimento vegetativo das plantas. O valor pago pela matéria prima aos produtores está diretamente expresso no ATR encontrado. Sua qualidade é afetada pelo ambiente e as condições de manejo da cultura. Neste sentido, é observado diretamente a influência dos maturadores sob os valores de ATR na cultura após a colheita (MESCHEDE; CARBONARI; VELINI, 2009). Para a característica Fibra (% cana), os teores foram menores quando as plantas receberam a aplicação de fitorreguladores. Os resultados encontrados neste trabalho seguiram àqueles relatados por Silva et. al (2010), que também apontaram um aumento nos valores médios de fibra na cana-de-açúcar por meio da aplicação dos maturadores glifosate e sulfometuron methyl, quando comparados ao grupo controle. Crusciol et al. (2010) ressaltaram que, dentre outros fatores, as condições climáticas, época de aplicação, dose empregada, conhecimento da curva de maturação da variedade e planejamento da época de colheita exercem influência agronômica sobre os maturadores, independentemente da classe utilizadas, ou seja, inibidor ou retardante do crescimento.
  • 5. Letras iguais não diferem entre si pelo Teste de Tukey, dentro do mesmo fator (P=0,05); * P<0,05; ** P<0,01; ns P≥0,05;(daa) dias após Andrei (2005) consideram que as dosagens de ethyl-trinexapac recomendadas para proporcionar um aumento no acúmulo de sacarose e aceleração dos processos de maturação, variam de 200 a 300 g i.a ha-1 com a aplicação realizada após a cultura ter atingido seu pleno desenvolvimento vegetativo. Houve efeito significativo quando aplicados os fitorreguladores no cultivar de sorgo sacarino CV.147 sobre as características tecnológicas: Pureza (% caldo); Açúcares Redutores – AR (%) e Açúcares Redutores Totais – ART (%). Os maturadores químicos, ethyl- trinexapac nas dosagens de 0,40 e 0,80 L ha-1 , apresentaram maiores médias para as características tecnológicas de Pureza caldo e açúcares redutores totais; e menores valores para açúcares redutores. Ainda na Tabela 4, as épocas de amostragens apresentaram diferenças significativas para as variáveis tecnológicas analisadas. As melhores épocas de colheita do sorgo sacarino para o cultivar CV.147 foram aquelas compreendidas entre os períodos de 30 a 52 dias após a aplicação dos reguladores vegetais. Tabela 3. Valores médios observados para Brix (% caldo); Pol (% caldo); Açúcar Teórico Recuperável (ATR); Fibra (%) nos tratamentos com maturadores, nas diferentes épocas de amostragens, cultivar do sorgo CV147. Catanduva, SP,2013 Causas de variação Brix Caldo Pol(%) ATR Fibra Maturadores (A) Glifosate 0,10L ha-1 9.00 d 2.48 e 40.63f 11.57e Glifosate 0,20 L ha-1 9.28 d 2.53 e 40.94f 11.89de Glifosate 0,40 L ha-1 13.30 c 5.38 d 64.33e 12.74cd Sulfometuron-methyl 5 g ha-1 14.11bc 6.13 cd 70.47de 13.19c Sulfometuron-methyl 10gha-1 12.56 c 5.95 cd 73.92cde 13.23c Sulfometuron-methyl 20 g ha-1 14.74b 7.05 bc 80.50abcd 14.50ab Ethyl-trinexapac 0,20 L ha-1 15.37ab 7.01 bc 77.67bcd 14.35 b Ethyl-trinexapac 0,40 L ha-1 17.79ª 8.08 ab 87.44ab 15.28ab Ethyl-trinexapac 0,80 L ha-1 15.02ab 7.88 ab 83.87abc 15.15ab Testemunha 16.12ª 8.65 a 90.76a 15.43a DMS 1.43 1.26 11.11 0.98 Épocas (B) (15daa) 16.84b 5.76 bc 67.91bc 13.44bc (30 daa) 17.14b 6.58 ab 74.72a 13.99ab (37 daa) 18.81a 7.09 a 69.67 b 14.63a (52 daa) 14.05c 5.82 bc 68.26 bc 13.50bc (61 daa) 14.29c 5.32 c 64.70 c 13.10 c DMS 6.19 0.83 7.22 0.67 Fator A 21.71** 67.45 ** 59.56 ** 47.79** Fator B 5.15** 11.23 ** 10.74 ** 11.75** Fator A x B 3.92** 1.54 * 1.69 * 1.44ns CV Parcela 53.56 19.15 14.49 6.63 CV sub Parcela 55.44 21.93 16.39 7.95
  • 6. Tabela 4. Valores médios observados para Pureza (% caldo); Açúcares Redutores – AR (%) e Açúcares Redutores Totais – ART (%) nos tratamentos com maturadores, nas diferentes épocas de amostragens, cultivar do sorgo CV.147. Catanduva, SP,2013. Causas de variação Pureza Caldo (%) Açúcar redutores (%) Açúcar redutores totais (%) Maturadores (A) Glifosate 0,10L ha-1 31.23 ef 2.19 a 4.81 f Glifosate 0,20 L ha-1 31.19 ef 2.18 a 4.85 f Glifosate 0,40 L ha-1 45.94cd 1.72 bc 7.39 e Sulfometuron-methyl 5 g ha-1 49.77cd 1.60 bcd 8.05 de Sulfometuron-methyl 10gha-1 25.55 f 2.28 a 8.56 cde Sulfometuron-methyl 20 g ha-1 41.20 de 1.80 b 9.23abcd Ethyl-trinexapac 0,20 L ha-1 53.20bc 1.47 cde 8.85 bcd Ethyl-trinexapac 0,40 L ha-1 54.04abc 1.43 def 9.94a Ethyl-trinexapac 0,80 L ha-1 62.26ab 1.20 ef 9.50ab Testemunha 64.00a 1.15 f 10.26a DMS 10.08 0.28 1.20 Épocas (B) (15daa) 45.43ab 1.72 ab 7.79 bc (30 daa) 49.10a 1.60 b 8.54ab (37 daa) 47.34ab 1.63 b 9.10a (52 daa) 46.09ab 1.70 ab 7.83 bc (61 daa) 41.23 b 1.85 a 7.45 c DMS 6.12 0.17 0.78 Fator A 40.68** 47.71** 60.30 ** Fator B 3.51** 4.56** 11.03 ** Fator A x B 2.08** 2.01** 1.77 * CV Parcela 20.37 15.52 13.73 CV sub Parcela 21.56 16.67 15.57 Letras iguais não diferem entre si pelo Teste de Tukey, dentro do mesmo fator (P=0,05); * P<0,05; ** P<0,01; ns P≥0,05;(daa) dias após aplicação De acordo com Von pinho; vasconcelos (2002), as concentrações de açúcares redutores e açúcares redutores totais presentes no caldo extraído dos colmos de sorgo sacarino do cultivar BRS 506 foram inferiores aos dados obtidos para outras cultivares de sorgo sacarino e podem afetar diretamente a produção de etanol na indústria sucroalcooleira. Nesse sentido, o manejo varietal e o uso dos maturadores químicos na cultura torna-se imprescindível para o ganho de produtividade na indústria. Os valores são superiores aos encontrados por Leite et al. (2009) quando estudaram cana-de-açúcar, o que corrobora com Ribeiro filho et al. (2008). Segundo Meschede et al. (2011), os resultados encontrados apresentam uma discrepância, pois os autores mostraram que o sulfumeturon-methyl com doses elevadas pode interferir na fotossíntese, devido a diminuição dos teores de clorofila e carotenoides nas folhas. Os autores ressaltam que a análise de clorofila e, principalmente, de carotenoides, pode ser um bom indicador para determinar os efeitos de fitotoxicidade desses produtos no vegetal. Em comparação à cana-de-açúcar, o sorgo sacarino se destaca por apresentar maior concentração de açúcares redutores totais no caldo. Contudo, os valores obtidos neste trabalho são semelhantes com os resultados encontrado por Ribeiro filho et al. (2008), que realizaram a moagem dos colmos do sorgo sacarino com as folhas e obtiveram valores de 9,81 % de ART. De acordo com a literatura, a redução de sólidos solúveis presentes no caldo, após 34 dias de florescimento, está relacionada com a conversão destes compostos, principalmente de açúcares em amido presentes nos grãos, que servirão como material de reserva, ou convertidos em material fibroso, sob a forma de celulose (TSUCHIHASHI; GOTO, 2004).
  • 7. CONCLUSÃO O fitorregulador ethyl-trinexapac nas dosagens de 0,40 e 0,80 L ha-1 promoveu maior incremento na qualidade tecnológica do sorgo sacarino. As épocas de colheita que apresentaram incremento nas características tecnológicas do sorgo sacarino foram entre os períodos compreendidos entre 30 e 52 dias após a aplicação dos fitorreguladores. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDREI, E (Org.). Compêndio de defensivos agrícolas. 7 ed. São Paulo: Andrei, 2005. 1142p. ALMEIDA, J. C. V.; LEITE, C. R. F.; SOUZA, J. R. P. de. Efeitos de maturadores nas características tecnológicas da cana-de-açúcar com e sem estresse hídrico. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 26, n. 4, p. 441-448, 2005. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679- 0359.2005v26n4p441 ALVAREZ, R. C. F.; CRUSCIOL, C. A. C.; TRIVELIN, P. C. O.; RODRIGUES, J. D.; AVAREZ, A. C. C. Influência do etil-trinexapac no acúmulo, na distribuição de nitrogênio (15N) e na massa de grãos de arroz de terras altas. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 31, p. 1487-1496, 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100- 06832007000600025 CIRCULAR Consecana. Disponível em: <http://www.orplana.com.br>. Acesso em: 26 jun. 2014. CRUSCIOL, C. A. C.; LEITE, G. H. P.; SIQUEIRA, G. F. Uso de maturadores com ou sem misturas. In: CRUSCIOL, C. A. C. et al. Tópicos em ecofissiologia da cana-de- açúcar. Botucatu: FEPAF, 2010, p.93-102. DURÃES, F. O. M. Sorgo sacarino: desenvolvimento de tecnologia agronômica. Revista em Agroenergia. 3 ed. p. 7, 2011. EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Milho e Sorgo. Boletim Agrometeorológico do Ano Agrícola. Sete Lagoas, 2004. GODSEY, C. B.; LINNEMAN, J.; BELLMER, D.; Huhnke, R.Developing row spacing and planting density recommendations for rainfedsweet sorghum production in the southern plains. Agronomy Journal, v. 104, n. 2, p. 280-286, 2012. doi:10.2134/agronj2011.0289 LEITE, G. H. P.; CRUSCIOL, C. A. C.; SILVA, M. de A.; VENTURINI FILHO, W. G. Technological quality of sugarcane uppon application of ripeners during the cropping season. Bragantia, Campinas, v. 68, n. 2, p. 527-534, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0006- 87052009000200028 MESCHEDE, D. K., VELINI, E. D.; CARBONARI, C. A.; SILVA, J. R. M. Physiological alteration in sugarcane influenced by glyphosate and sulfumeturon-methyl application. Planta Daninha, Viçosa, MG, v. 29, n. 2, p. 413-419, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0100835820110002 00019 MESCHEDE, D. K.; CARBONARI, C. A.; VELINI, E. D. Different chemical ripeners action on sugarcane yield and technological quality. Revista Brasileira de Herbicidas, v.8, n.2, p.62-67, 2009. NAN, L.; BEST, G.; CARVALHO NETO, C. C. Integrated energy systems in China: the cold Northeastern region experience. Rome: FAO, 1994. 475 p. NEUMANN, M.; RESTLE, J.; ALVES FILHO, D.C.; BERNARDES, R.A.C.; ARBOITE, M. Z.; CERDÓTES, L.; PEIXOTO, L.A.O. Avaliação de diferentes híbridos de sorgo (Sorghum bicolor, L. Moench) quanto aos componentes da planta e silagens produzidas. Revista Brasileira de Zootecnia. Viçosa, v.31, p.302-312, 2002. http://dx.doi.org/10.1590/S1516- 35982002000200003 RADEMACHER, W. Growth retardants: effects on gibberellin biosynthesis and other metabolic pathways. Annual Review of Plant Physiology and Plant Molecular Biology, Palo Alto, v. 51,
  • 8. p. 501-531, 2000. DOI: 10.1146/annurev.arplant.51.1.501 RAIJ, B. van e CANTARELLA, H. Outras culturas industriais. In: RAIJ, B. van; CANTARELLA, H.; QUAGGIO J.A. e FURLANI, A.M.C. (coord..) Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. 2.ed. Campinas: Instituto Agronômico e Fundação IAC, 1996. p.233-236. RIBEIRO FILHO, N. M.; ALVES, R. M.; FLORÊNCIO, I. M.; FLORENTINO, E. R.; DANTAS, J. P. Viabilidade de utilização do caldo do sorgo sacarino para a Produção de álcool carburante (etanol). Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, 2008. SILVA, F. A. S.; AZEVEDO, C. A. V. Versão do programa computacional Assistat para o sistema operacional Windows. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.4, n.1, p. 71-78, 2002. SILVA, M. de A.; GAVA, G. J. C.; CAPUTO, M. M.; SORRILLA, P. F.; BASSETTO, S. C. Productivity of stalk and sucrose in sugarcane in relation to cultivar and ripener interaction. Scientia Agraria, Curitiba, v.11, n.4, p.323- 329, 2010.http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/agrari a/article/view/18268/11956 VIANA, R. da S.; SILVA, P. H.; MUTTON, M. A.; MUTTON, M. J. R.; GUIMARÃES, E. R.; BENTO, M. Efeito da aplicação de maturadores químicos na cultura da cana de açúcar (Saccharum spp.) variedade SP 81-3250. Acta Science Agronomy. Maringá, v.30, n.1, p. 65- 71, 2008. VON PINHO, R. Z.; DE VASCONCELOS, R. C. Cultura do Sorgo. Textos Acadêmicos. Lavras: Editora UFLA. 2002. 75p. WHITFIELD, M. B.; CHINN, M. S.; VEAL, M. W. Processing of materials derived from sweet sorghumfor biobased products. Industrial Crops and Products, v. 37, n. 1, p. 362–375, 2012. TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 848 p. TSUCHIHASHI, N.; GOTO, Y. Cultivation of sweet sorghum (Sorghum bicolor (L.) Moench) and determination of its harvest time to make use as the raw material for fermentation, practiced during rainy season in dry land of Indonesia. Plant Production Science, n, 7, p. 442-448, 2004.http://dx.doi.org/10.1626/pps.7.442 ZHAO, Y. L.; DOLAT, A.; STEINBERGER, Y.; WANG, X.; OSMAN, A.; XIE, G. H. Biomass yield and changes in chemical composition of sweet sorghum cultivars grown for biofuel. Field Crops Research, v. 111, p. 55-64, 2009. ______________________________________ 1 Dr. Professor Assistente II, Faculdade de Tecnologia de Araçatuba – FATEC, e-mail: ronaldodsv@hotmail.com; 2 Dr. Professor Adjunto, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – UNESP, Campus de Dracena, email:paulofigueiredo@dracena.unesp.br; 3 Biólogo, Mestre em Ciência e Tecnologia Animal, UNESP, Campus Dracena e Ilha Solteira,email: lisboa@dracena.unesp.br; 4 FUNDEC – Fundação Dracenense de Educação e Cultura, Dracena – SP; 5 Dr. Professor Titular da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Ilha Solteira, email:marcosa@agr.feis.unesp.br. 52