SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM
1. (ENEM 2010) Após estudar na Europa, Anita Malfatti retornou ao Brasil com uma mostra que abalou
a cultura nacional do início do século XX. Elogiada por seus mestres na Europa, Anita se considerava
pronta para mostrar seu trabalho no Brasil, mas enfrentou as duras críticas de Monteiro Lobato. Com
a intenção de criar uma arte que valorizasse a cultura brasileira, Anita Malfatti e outros modernistas
a) buscaram libertar a arte brasileira das normas acadêmicas europeias, valorizando as cores, a
originalidade e os temas nacionais.
b) defenderam a liberdade limitada de uso da cor, até então utilizada de forma irrestrita, afetando a
criação artística nacional.
c) representavam a ideia de que a arte deveria copiar fielmente a natureza, tendo como finalidade a
prática educativa.
d) mantiveram de forma fiel a realidade nas figuras retratadas, defendendo uma liberdade artística
ligada à tradição acadêmica.
e) buscaram a liberdade na composição de suas figuras, respeitando limites de temas abordados.
2 (ENEM 2010)
(Tarsila do Amaral. “O mamoeiro”, 1925. Óleo
s/ tela; 65 x 70 cm. IEB-USP.)
O modernismo brasileiro teve forte influência
das vanguardas europeias. A partir da
Semana de Arte Moderna, esses conceitos
passaram a fazer parte da arte brasileira
definitivamente. Tomando como referência o
quadro “O mamoeiro”, identifica-se que, nas
artes plásticas, a
a) imagem passa a valer mais que as formas
vanguardistas.
b) forma estética ganha linhas retas e valoriza
o cotidiano.
c) natureza passa a ser admirada como um
espaço utópico.
d) imagem privilegia uma ação moderna e
industrializada.
e) forma apresenta contornos e detalhes
humanos.
3. (ENEM 2012)
O trovador
Sentimentos em mim do asperamente
dos homens das primeiras eras…
As primaveras do sarcasmo
intermitentemente no meu coração arlequinal…
Intermitentemente…
Outras vezes é um doente, um frio
na minha alma doente como um longo som redondo…
Cantabona! Cantabona!
Dlorom…
Sou um tupi tangendo um alaúde!
ANDRADE, M. In: MANFIO, D. Z. (Org.) Poesias completas de Mário de Andrade. Belo Horizonte: Itatiaia, 2005.
Cara ao Modernismo, a questão da identidade nacional é recorrente na prosa e na poesia de Mário de
Andrade. Em O trovador, esse aspecto é
a) abordado subliminarmente, por meio de expressões como “coração arlequinal” que, evocando o
carnaval, remete à brasilidade.
b) verificado já no título, que remete aos repentistas nordestinos, estudados por Mário de Andrade em suas
viagens e pesquisas folclóricas.
c) lamentado pelo eu lírico, tanto no uso de expressões como “Sentimentos em mim do asperamente” (v.
1), “frio” (v. 6), “alma doente” (v. 7), como pelo som triste do alaúde “Dlorom” (v. 9).
d) problematizado na oposição tupi (selvagem) x alaúde (civilizado), apontando a síntese nacional que
seria proposta no Manifesto Antropófago, de Oswald de Andrade.
e) exaltado pelo eu lírico, que evoca os “sentimentos dos homens das primeiras eras” para mostrar o
orgulho brasileiro por suas raízes indígenas.
4- (UFPR 2012) "A ambição do grupo [modernista] era grande: educar o Brasil, curá-lo do analfabetismo
letrado, e,sobretudo, pesquisar uma maneira nova de expressão, compatível com o tempo do cinema, do
telégrafo sem fio, das travessias aéreas intercontinentais".
(Boaventura, M. E. A
Semana de Arte Moderna e a Crítica Contemporânea:
vanguarda e modernidade nas artes brasileiras. Conferência - IEL-Unicamp, 2005, p.5-6.
Fonte:http://www.iar.unicamp.br/dap/vanguarda/artigos.html).
Conforme o trecho acima e os conhecimentos sobre a Semana de Arte Moderna de 1922 e o modernismo
brasileiro subsequente, é correto afirmar:
a) ( ) A Semana de 1922 marcou o modernismo inspirado em vanguardas européias, buscando uma nova
arte com uma identidade brasileira experimental, miscigenada, antropofágica e cosmopolita. O movimento
ceIebrava o progresso da[nação, simbolizado pelo desenvolvimento da cidade de São Paulo.
b) ( ) A Semana foi o grande marco da arte moderna brasileira, caracterizando-se pela busca por uma
imitação do surrealismo e do cubismo, realizada por acadêmicos em constante contato com os artistas
europeus.
c) ( ) A Semana de 1922 somou-se ao regionalismo nordestino para mostrar as raízes da cultura brasileira,
recusando qualquer interferência da arte estrangeira. Os modernistas fizeram, com isso, uma forte crítica à
modernização e alfabetização brasileira.
d) ( ) Monteiro Lobato e Mário de Andrade lideraram a Semana de 1922, que teve o intuito de aliar as
produções mais recentes no campo da música, literatura e artes plásticas futuristas com as obras
tradicionalistas da arte brasileira.
e) ( ) Os modernistas passaram a se organizar, depois da Semana de 1922, para efetivar uma arte
revolucionária nos moldes do realismo soviético, pois acreditavam na conscientização da população para
uma mudança no poder.
5 - UNIFOR - 2001.1 - A Semana de Arte Moderna de 1922, realizada na cidade de São Paulo, identifica-
se com
(A) as transformações sociais e econômicas porque passava a sociedade brasileira e a reação à oligarquia
agrária dominante.
(B) os ideais estéticos e morais da aristocracia cafeeira, proposto no manifesto informalista.
(C) a contestação no campo das artes ao modelo neoliberal e desenvolvimentista que caracterizava o
governo do presidente Deodoro da Fonseca.
(D) a reação cultural favorável ao impressionismo e aos padrões estéticos estrangeiros, introduzidos no
Brasil pelos neo-expressionistas.
(E) a contestação à industrialização de São Paulo, bem como as reivindicações operárias expressas no
manifesto contextualista e no pós-modernismo.
Observe o quadro Estrada de Ferro Central do Brasil (1924), de Tarsila do Amaral.
6) Na obra, podem-se reconhecer algumas
características do modernismo brasileiro nas artes,
como
a) o extremo pessimismo em relação ao futuro das
cidades modernas, porque coisificam todos os seus
habitantes, associado à atitude de enorme repúdio contra
as raízes religiosas brasileiras.
b) a aversão ao desenvolvimento urbano-industrial,
responsabilizado pelo aparecimento de cidades caóticas
e desiguais, e a negação das tradições nacionais por
meio da utilização de cores presentes na cultura
europeia.
c) a concepção de que a felicidade humana
relaciona-se com o espaço rural e não com o urbano,
fazendo a apologia da vida campesina, ao mesmo tempo em que nega ao cubismo sua condição de
arte.
d) a exaltação da melancolia, porque passou a ser considerada a mais importante qualidade do
brasileiro, somada ao individualismo, representados pela utilização exclusiva de formas
arredondadas.
e) a busca por temas e fontes nacionais e com o contraste das paisagens rurais e dos aspectos urbanos,
com a presença do templo católico e da estrada de ferro, representando, de forma geral, o atraso e
o progresso do Brasil.
7 - UFPR 2012 - “A ambição do grupo [modernista] era grande: educar o Brasil, curá-lo do analfabetismo
letrado, e, sobretudo, pesquisar uma maneira nova de expressão, compatível com o tempo do cinema, do
telégrafo sem fio, das travessias aéreas intercontinentais”.
(Boaventura, M. E. A Semana de Arte Moderna e a Crítica Contemporânea: vanguarda e modernidade nas
artes brasileiras. Conferência – IEL-Unicamp, 2005, p.5-6. Fonte:
http://www.iar.unicamp.br/dap/vanguarda/artigos.html).
Conforme o trecho acima e os conhecimentos sobre a Semana de Arte Moderna de 1922 e o modernismo
brasileiro subsequente, é correto afirmar:
a) A Semana de 1922 marcou o modernismo inspirado em vanguardas europeias, buscando uma nova arte
com uma identidade brasileira experimental, miscigenada, antropofágica e cosmopolita. O movimento
celebrava o progresso da nação, simbolizado pelo desenvolvimento da cidade de São Paulo.
b) A Semana foi o grande marco da arte moderna brasileira, caracterizando-se pela busca por uma imitação
do surrealismo e do cubismo, realizada por acadêmicos em constante contato com os artistas europeus.
c) A Semana de 1922 somou-se ao regionalismo nordestino para mostrar as raízes da cultura brasileira,
recusando qualquer interferência da arte estrangeira. Os modernistas fizeram, com isso, uma forte crítica à
modernização e à alfabetização brasileira.
d) Monteiro Lobato e Mário de Andrade lideraram a Semana de 1922, que teve o intuito de aliar as produções
mais recentes no campo da música, literatura e artes plásticas futuristas com as obras tradicionalistas da
arte brasileira.
e) Os modernistas passaram a se organizar, depois da Semana de 1922, para efetivar uma arte
revolucionária nos moldes do realismo soviético, pois acreditavam na conscientização da população para
uma mudança no
8- UFF 2000 - “Só a antropofagia nos une(...) Tupi, or not Tupi that is the question (...) Contra todos os
importadores de consciência enlatada. A existência palpável da vida (...). Nunca fomos catequizados.
Fizemos foi Carnaval. O índio vestido de senador do Império (...) Peste dos chamados povos cultos e
cristianizados, é contra ela que estamos agindo. Antropófagos” (ANDRADE, Oswald. Manifesto Antropófago. SP, 1928)
O trecho revela alguns dos princípios orientadores do modernismo brasileiro iniciado em 1922 com a Semana
de Arte Moderna. Sua interpretação sugere:
(A) a expressão do Modernismo como aceitação dos padrões estéticos classicistas e da arte acadêmica e
convencional;
(B) uma declaração de princípios nacionalistas que criticam a incorporação da cultura americana e o Estado
Novo;(C) a associação da Antropofagia ao Modernismo como uma das correntes em que este se dividiu,
internamente, opondo-se ao Romantismo;(D) a consideração da Antropofagia como um processo de
devoração cultural das técnicas autenticamente nacionais, visando a reelaborá-las;
(E) a acentuação do caráter de busca da identidade nacional do modernismo pela valorização das raízes
brasileiras.
9- FGV-SP 2012 - Economia - 1ª fase - Leia o texto.
A Semana de 22 não foi um fato isolado e sem origens. As discussões em torno da necessidade de
renovação das artes surgem em meados da década de 1910 em textos de revistas e em exposições, como
a de Anita Malfatti em 1917. Em 1921 já existe, por parte de intelectuais como Oswald de Andrade e Menotti
Del Picchia, a intenção de transformar as comemorações do centenário em momento de emancipação
artística. (...) (www.itaucultural.org.br)
Em geral, os artistas participantes da Semana de Arte Moderna propunham
a) que a arte, especialmente a literatura, abandonasse as preocupações com os destinos brasileiros e se
voltasse para o princípio da arte pela arte.
b) a rejeição ao conservadorismo presente na produção artística brasileira, defendendo novas estéticas e
temáticas, como a discussão sobre as questões brasileiras.
c) que os artistas estabelecessem vínculos com correntes filosóficas, mas não com projetos políticos e
ideológicos, fossem estes progressistas ou conservadores.
d) o reconhecimento da superioridade da arte europeia e da importância da civilização portuguesa no
notável desenvolvimento cultural brasileiro.
e) que apenas as artes plásticas, com destaque para a pintura, poderiam representar avanços
revolucionários em direção a uma arte de fato inovadora.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdfApostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
WeslleyDias8
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
Eline Lima
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
Zenia Ferreira
 

Mais procurados (20)

Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
 
Prova de Artes EJA Ensino Médio
Prova de Artes EJA Ensino MédioProva de Artes EJA Ensino Médio
Prova de Artes EJA Ensino Médio
 
Aula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeiasAula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeias
 
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdfApostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Questões simulado
Questões simuladoQuestões simulado
Questões simulado
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
História da arte arte moderna
História da arte   arte modernaHistória da arte   arte moderna
História da arte arte moderna
 
Body art/slide
Body art/slideBody art/slide
Body art/slide
 
Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
 
P rovas 6°ao 9º Ano- Artes Professora Leoneide Carvalho
P rovas 6°ao 9º Ano- Artes  Professora Leoneide CarvalhoP rovas 6°ao 9º Ano- Artes  Professora Leoneide Carvalho
P rovas 6°ao 9º Ano- Artes Professora Leoneide Carvalho
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
 
Instalação Artística
Instalação ArtísticaInstalação Artística
Instalação Artística
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 

Semelhante a QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx

Exercicios de revisso_[2] (1)
Exercicios de revisso_[2] (1)Exercicios de revisso_[2] (1)
Exercicios de revisso_[2] (1)
Kleo macedo
 
Prova 1 unidade ensino medio
Prova  1 unidade  ensino medioProva  1 unidade  ensino medio
Prova 1 unidade ensino medio
Fátima Soares
 
MATERIAL DE INCENTIVO DE LEITURA QUINTELA CAVALCANTI-MODERNISMO.pdf
MATERIAL DE INCENTIVO DE LEITURA QUINTELA CAVALCANTI-MODERNISMO.pdfMATERIAL DE INCENTIVO DE LEITURA QUINTELA CAVALCANTI-MODERNISMO.pdf
MATERIAL DE INCENTIVO DE LEITURA QUINTELA CAVALCANTI-MODERNISMO.pdf
JanecleideDavila1
 

Semelhante a QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx (20)

SEMANA DE ARTE MODERNA.pdf
SEMANA DE ARTE MODERNA.pdfSEMANA DE ARTE MODERNA.pdf
SEMANA DE ARTE MODERNA.pdf
 
Exercicios de revisso_[2] (1)
Exercicios de revisso_[2] (1)Exercicios de revisso_[2] (1)
Exercicios de revisso_[2] (1)
 
SLIDE AULÃO ARTES - MODERNISMO. Com questões
SLIDE AULÃO ARTES - MODERNISMO. Com questõesSLIDE AULÃO ARTES - MODERNISMO. Com questões
SLIDE AULÃO ARTES - MODERNISMO. Com questões
 
MODERNISMO NO BR.pptx
MODERNISMO NO BR.pptxMODERNISMO NO BR.pptx
MODERNISMO NO BR.pptx
 
Exercicios semana de arte
Exercicios semana de arteExercicios semana de arte
Exercicios semana de arte
 
Prova 1 unidade ensino medio
Prova  1 unidade  ensino medioProva  1 unidade  ensino medio
Prova 1 unidade ensino medio
 
Modernismo: Semana de 22 e 1ª Fase
Modernismo: Semana de 22 e 1ª FaseModernismo: Semana de 22 e 1ª Fase
Modernismo: Semana de 22 e 1ª Fase
 
MATERIAL DE INCENTIVO DE LEITURA QUINTELA CAVALCANTI-MODERNISMO.pdf
MATERIAL DE INCENTIVO DE LEITURA QUINTELA CAVALCANTI-MODERNISMO.pdfMATERIAL DE INCENTIVO DE LEITURA QUINTELA CAVALCANTI-MODERNISMO.pdf
MATERIAL DE INCENTIVO DE LEITURA QUINTELA CAVALCANTI-MODERNISMO.pdf
 
Mordenismo
MordenismoMordenismo
Mordenismo
 
Modernismo2018
Modernismo2018Modernismo2018
Modernismo2018
 
Trabs Molezinha
Trabs MolezinhaTrabs Molezinha
Trabs Molezinha
 
Arte moderna slide
Arte moderna slideArte moderna slide
Arte moderna slide
 
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª faseModernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª fase
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Semana de Arte Moderna de 1922.pptx
Semana de Arte Moderna de 1922.pptxSemana de Arte Moderna de 1922.pptx
Semana de Arte Moderna de 1922.pptx
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 

Mais de Janelindinha Sempre

Aval. Formação de palavras e Figura de linguagem Prova B.docx
Aval. Formação de palavras e Figura de linguagem Prova B.docxAval. Formação de palavras e Figura de linguagem Prova B.docx
Aval. Formação de palavras e Figura de linguagem Prova B.docx
Janelindinha Sempre
 

Mais de Janelindinha Sempre (20)

Vanguardas- Europeias um novo começo no Brasil
Vanguardas- Europeias um novo começo no BrasilVanguardas- Europeias um novo começo no Brasil
Vanguardas- Europeias um novo começo no Brasil
 
Temas do enem.2023 para discussão em sala
Temas do enem.2023 para discussão em salaTemas do enem.2023 para discussão em sala
Temas do enem.2023 para discussão em sala
 
SOMATOPARAFRENIA na psicologia no oitavo
SOMATOPARAFRENIA na psicologia no oitavoSOMATOPARAFRENIA na psicologia no oitavo
SOMATOPARAFRENIA na psicologia no oitavo
 
DESCRITORES DE LÍNGUA PORTUGUESA SEMANA 5.docx
DESCRITORES DE LÍNGUA PORTUGUESA SEMANA 5.docxDESCRITORES DE LÍNGUA PORTUGUESA SEMANA 5.docx
DESCRITORES DE LÍNGUA PORTUGUESA SEMANA 5.docx
 
Aval. Formação de palavras e Figura de linguagem Prova B.docx
Aval. Formação de palavras e Figura de linguagem Prova B.docxAval. Formação de palavras e Figura de linguagem Prova B.docx
Aval. Formação de palavras e Figura de linguagem Prova B.docx
 
Tema Fale, apenas fale.docx
Tema Fale, apenas fale.docxTema Fale, apenas fale.docx
Tema Fale, apenas fale.docx
 
Avaliação 7º 03 III TRI.docx
Avaliação 7º 03 III TRI.docxAvaliação 7º 03 III TRI.docx
Avaliação 7º 03 III TRI.docx
 
AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO ITALO.docx
AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO ITALO.docxAVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO ITALO.docx
AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO ITALO.docx
 
Avaliação I 2ªs séries III TRI.docx
Avaliação I 2ªs séries III TRI.docxAvaliação I 2ªs séries III TRI.docx
Avaliação I 2ªs séries III TRI.docx
 
Avaliação de Recuperação 2º anos III TRI.docx
Avaliação de Recuperação 2º anos III TRI.docxAvaliação de Recuperação 2º anos III TRI.docx
Avaliação de Recuperação 2º anos III TRI.docx
 
Infográfico.docx
Infográfico.docxInfográfico.docx
Infográfico.docx
 
mito da caverna.docx
mito da caverna.docxmito da caverna.docx
mito da caverna.docx
 
atividade_cartaz_2_ano.pdf
atividade_cartaz_2_ano.pdfatividade_cartaz_2_ano.pdf
atividade_cartaz_2_ano.pdf
 
História de São Mateus e seus Patrimônios Culturais.docx
História de São Mateus e seus Patrimônios Culturais.docxHistória de São Mateus e seus Patrimônios Culturais.docx
História de São Mateus e seus Patrimônios Culturais.docx
 
Recuperação paralela variação linguistica 7º 03
Recuperação paralela variação linguistica 7º 03Recuperação paralela variação linguistica 7º 03
Recuperação paralela variação linguistica 7º 03
 
Lista1 operações com números naturais
Lista1   operações com números naturaisLista1   operações com números naturais
Lista1 operações com números naturais
 
Solidizando
SolidizandoSolidizando
Solidizando
 
Frequencia diaria(2) 2º03
Frequencia diaria(2) 2º03Frequencia diaria(2) 2º03
Frequencia diaria(2) 2º03
 
Notícia
NotíciaNotícia
Notícia
 
Perguntas para aprofundar o papo
Perguntas para aprofundar o papoPerguntas para aprofundar o papo
Perguntas para aprofundar o papo
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx

  • 1. QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM 1. (ENEM 2010) Após estudar na Europa, Anita Malfatti retornou ao Brasil com uma mostra que abalou a cultura nacional do início do século XX. Elogiada por seus mestres na Europa, Anita se considerava pronta para mostrar seu trabalho no Brasil, mas enfrentou as duras críticas de Monteiro Lobato. Com a intenção de criar uma arte que valorizasse a cultura brasileira, Anita Malfatti e outros modernistas a) buscaram libertar a arte brasileira das normas acadêmicas europeias, valorizando as cores, a originalidade e os temas nacionais. b) defenderam a liberdade limitada de uso da cor, até então utilizada de forma irrestrita, afetando a criação artística nacional. c) representavam a ideia de que a arte deveria copiar fielmente a natureza, tendo como finalidade a prática educativa. d) mantiveram de forma fiel a realidade nas figuras retratadas, defendendo uma liberdade artística ligada à tradição acadêmica. e) buscaram a liberdade na composição de suas figuras, respeitando limites de temas abordados. 2 (ENEM 2010) (Tarsila do Amaral. “O mamoeiro”, 1925. Óleo s/ tela; 65 x 70 cm. IEB-USP.) O modernismo brasileiro teve forte influência das vanguardas europeias. A partir da Semana de Arte Moderna, esses conceitos passaram a fazer parte da arte brasileira definitivamente. Tomando como referência o quadro “O mamoeiro”, identifica-se que, nas artes plásticas, a a) imagem passa a valer mais que as formas vanguardistas. b) forma estética ganha linhas retas e valoriza o cotidiano. c) natureza passa a ser admirada como um espaço utópico. d) imagem privilegia uma ação moderna e industrializada. e) forma apresenta contornos e detalhes humanos. 3. (ENEM 2012) O trovador Sentimentos em mim do asperamente dos homens das primeiras eras… As primaveras do sarcasmo intermitentemente no meu coração arlequinal… Intermitentemente… Outras vezes é um doente, um frio na minha alma doente como um longo som redondo… Cantabona! Cantabona! Dlorom… Sou um tupi tangendo um alaúde! ANDRADE, M. In: MANFIO, D. Z. (Org.) Poesias completas de Mário de Andrade. Belo Horizonte: Itatiaia, 2005. Cara ao Modernismo, a questão da identidade nacional é recorrente na prosa e na poesia de Mário de Andrade. Em O trovador, esse aspecto é a) abordado subliminarmente, por meio de expressões como “coração arlequinal” que, evocando o carnaval, remete à brasilidade. b) verificado já no título, que remete aos repentistas nordestinos, estudados por Mário de Andrade em suas viagens e pesquisas folclóricas. c) lamentado pelo eu lírico, tanto no uso de expressões como “Sentimentos em mim do asperamente” (v. 1), “frio” (v. 6), “alma doente” (v. 7), como pelo som triste do alaúde “Dlorom” (v. 9). d) problematizado na oposição tupi (selvagem) x alaúde (civilizado), apontando a síntese nacional que seria proposta no Manifesto Antropófago, de Oswald de Andrade. e) exaltado pelo eu lírico, que evoca os “sentimentos dos homens das primeiras eras” para mostrar o orgulho brasileiro por suas raízes indígenas.
  • 2. 4- (UFPR 2012) "A ambição do grupo [modernista] era grande: educar o Brasil, curá-lo do analfabetismo letrado, e,sobretudo, pesquisar uma maneira nova de expressão, compatível com o tempo do cinema, do telégrafo sem fio, das travessias aéreas intercontinentais". (Boaventura, M. E. A Semana de Arte Moderna e a Crítica Contemporânea: vanguarda e modernidade nas artes brasileiras. Conferência - IEL-Unicamp, 2005, p.5-6. Fonte:http://www.iar.unicamp.br/dap/vanguarda/artigos.html). Conforme o trecho acima e os conhecimentos sobre a Semana de Arte Moderna de 1922 e o modernismo brasileiro subsequente, é correto afirmar: a) ( ) A Semana de 1922 marcou o modernismo inspirado em vanguardas européias, buscando uma nova arte com uma identidade brasileira experimental, miscigenada, antropofágica e cosmopolita. O movimento ceIebrava o progresso da[nação, simbolizado pelo desenvolvimento da cidade de São Paulo. b) ( ) A Semana foi o grande marco da arte moderna brasileira, caracterizando-se pela busca por uma imitação do surrealismo e do cubismo, realizada por acadêmicos em constante contato com os artistas europeus. c) ( ) A Semana de 1922 somou-se ao regionalismo nordestino para mostrar as raízes da cultura brasileira, recusando qualquer interferência da arte estrangeira. Os modernistas fizeram, com isso, uma forte crítica à modernização e alfabetização brasileira. d) ( ) Monteiro Lobato e Mário de Andrade lideraram a Semana de 1922, que teve o intuito de aliar as produções mais recentes no campo da música, literatura e artes plásticas futuristas com as obras tradicionalistas da arte brasileira. e) ( ) Os modernistas passaram a se organizar, depois da Semana de 1922, para efetivar uma arte revolucionária nos moldes do realismo soviético, pois acreditavam na conscientização da população para uma mudança no poder. 5 - UNIFOR - 2001.1 - A Semana de Arte Moderna de 1922, realizada na cidade de São Paulo, identifica- se com (A) as transformações sociais e econômicas porque passava a sociedade brasileira e a reação à oligarquia agrária dominante. (B) os ideais estéticos e morais da aristocracia cafeeira, proposto no manifesto informalista. (C) a contestação no campo das artes ao modelo neoliberal e desenvolvimentista que caracterizava o governo do presidente Deodoro da Fonseca. (D) a reação cultural favorável ao impressionismo e aos padrões estéticos estrangeiros, introduzidos no Brasil pelos neo-expressionistas. (E) a contestação à industrialização de São Paulo, bem como as reivindicações operárias expressas no manifesto contextualista e no pós-modernismo. Observe o quadro Estrada de Ferro Central do Brasil (1924), de Tarsila do Amaral. 6) Na obra, podem-se reconhecer algumas características do modernismo brasileiro nas artes, como a) o extremo pessimismo em relação ao futuro das cidades modernas, porque coisificam todos os seus habitantes, associado à atitude de enorme repúdio contra as raízes religiosas brasileiras. b) a aversão ao desenvolvimento urbano-industrial, responsabilizado pelo aparecimento de cidades caóticas e desiguais, e a negação das tradições nacionais por meio da utilização de cores presentes na cultura europeia. c) a concepção de que a felicidade humana relaciona-se com o espaço rural e não com o urbano, fazendo a apologia da vida campesina, ao mesmo tempo em que nega ao cubismo sua condição de arte. d) a exaltação da melancolia, porque passou a ser considerada a mais importante qualidade do brasileiro, somada ao individualismo, representados pela utilização exclusiva de formas arredondadas. e) a busca por temas e fontes nacionais e com o contraste das paisagens rurais e dos aspectos urbanos, com a presença do templo católico e da estrada de ferro, representando, de forma geral, o atraso e o progresso do Brasil. 7 - UFPR 2012 - “A ambição do grupo [modernista] era grande: educar o Brasil, curá-lo do analfabetismo letrado, e, sobretudo, pesquisar uma maneira nova de expressão, compatível com o tempo do cinema, do telégrafo sem fio, das travessias aéreas intercontinentais”.
  • 3. (Boaventura, M. E. A Semana de Arte Moderna e a Crítica Contemporânea: vanguarda e modernidade nas artes brasileiras. Conferência – IEL-Unicamp, 2005, p.5-6. Fonte: http://www.iar.unicamp.br/dap/vanguarda/artigos.html). Conforme o trecho acima e os conhecimentos sobre a Semana de Arte Moderna de 1922 e o modernismo brasileiro subsequente, é correto afirmar: a) A Semana de 1922 marcou o modernismo inspirado em vanguardas europeias, buscando uma nova arte com uma identidade brasileira experimental, miscigenada, antropofágica e cosmopolita. O movimento celebrava o progresso da nação, simbolizado pelo desenvolvimento da cidade de São Paulo. b) A Semana foi o grande marco da arte moderna brasileira, caracterizando-se pela busca por uma imitação do surrealismo e do cubismo, realizada por acadêmicos em constante contato com os artistas europeus. c) A Semana de 1922 somou-se ao regionalismo nordestino para mostrar as raízes da cultura brasileira, recusando qualquer interferência da arte estrangeira. Os modernistas fizeram, com isso, uma forte crítica à modernização e à alfabetização brasileira. d) Monteiro Lobato e Mário de Andrade lideraram a Semana de 1922, que teve o intuito de aliar as produções mais recentes no campo da música, literatura e artes plásticas futuristas com as obras tradicionalistas da arte brasileira. e) Os modernistas passaram a se organizar, depois da Semana de 1922, para efetivar uma arte revolucionária nos moldes do realismo soviético, pois acreditavam na conscientização da população para uma mudança no 8- UFF 2000 - “Só a antropofagia nos une(...) Tupi, or not Tupi that is the question (...) Contra todos os importadores de consciência enlatada. A existência palpável da vida (...). Nunca fomos catequizados. Fizemos foi Carnaval. O índio vestido de senador do Império (...) Peste dos chamados povos cultos e cristianizados, é contra ela que estamos agindo. Antropófagos” (ANDRADE, Oswald. Manifesto Antropófago. SP, 1928) O trecho revela alguns dos princípios orientadores do modernismo brasileiro iniciado em 1922 com a Semana de Arte Moderna. Sua interpretação sugere: (A) a expressão do Modernismo como aceitação dos padrões estéticos classicistas e da arte acadêmica e convencional; (B) uma declaração de princípios nacionalistas que criticam a incorporação da cultura americana e o Estado Novo;(C) a associação da Antropofagia ao Modernismo como uma das correntes em que este se dividiu, internamente, opondo-se ao Romantismo;(D) a consideração da Antropofagia como um processo de devoração cultural das técnicas autenticamente nacionais, visando a reelaborá-las; (E) a acentuação do caráter de busca da identidade nacional do modernismo pela valorização das raízes brasileiras. 9- FGV-SP 2012 - Economia - 1ª fase - Leia o texto. A Semana de 22 não foi um fato isolado e sem origens. As discussões em torno da necessidade de renovação das artes surgem em meados da década de 1910 em textos de revistas e em exposições, como a de Anita Malfatti em 1917. Em 1921 já existe, por parte de intelectuais como Oswald de Andrade e Menotti Del Picchia, a intenção de transformar as comemorações do centenário em momento de emancipação artística. (...) (www.itaucultural.org.br) Em geral, os artistas participantes da Semana de Arte Moderna propunham a) que a arte, especialmente a literatura, abandonasse as preocupações com os destinos brasileiros e se voltasse para o princípio da arte pela arte. b) a rejeição ao conservadorismo presente na produção artística brasileira, defendendo novas estéticas e temáticas, como a discussão sobre as questões brasileiras. c) que os artistas estabelecessem vínculos com correntes filosóficas, mas não com projetos políticos e ideológicos, fossem estes progressistas ou conservadores. d) o reconhecimento da superioridade da arte europeia e da importância da civilização portuguesa no notável desenvolvimento cultural brasileiro. e) que apenas as artes plásticas, com destaque para a pintura, poderiam representar avanços revolucionários em direção a uma arte de fato inovadora.