SlideShare uma empresa Scribd logo
Apresentação Febre amarela
 É uma doença infecciosa não contagiosa, causada
por um arbovírus do gênero Flavivirus , pertencente à
família Flaviridae.
 As manifestações da doença são repentinas: febre
alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular,
náuseas e vômitos por cerca de três dias.
 Transmissão:
É Transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou
silvestres, sua manifestação é idêntica em ambos os
casos de transmissão;
No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre
amarela é principalmente o mosquito Haemagogus.
Já no meio urbano, a transmissão se dá através do
mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue).
História da Febre Amarela
 Os séculos XV e XVI marcam o começo de um período histórico
chamado Idade Moderna, que se estende até o final do século XVIII.
 O primeiro acontecimento significativo da Idade Moderna foram as
Grandes Navegações.
 Em cerca de 2 meses após os espanhóis travarem
guerra contra os indígenas , na batalha de Vega real
ou Santo Serro .
 Na ilha espanhola (Haiti), irrompeu uma epidemia de
Febre amarela.
História da Febre Amarela
 O Jesuíta Raymound Bréton foi o primeiro a se
referir á febre amarela com relativa precisão ;
 Afirmou que a primeira epidemia ocorreu em 1635
entre os imigrantes franceses na ilha de Guadalupe,
conhecida como ‘’Coup de bare’’.
 Em um Manuscrito Maia em Yucatan no México, foi
o primeiro relato de Febre amarela.
 A primeira epidemia de Febre amarela no Brasil -
Ocorrência de febre amarela no Brasil – Recife ,
Olinda e outras cidades de PE;
 Epidemia de Febre amarela na Bahia;
 Houve relatos de sua presença ali até meados de
1692, período em que cerca de 25 mil pessoas
adoeceram e 900 morreram.
 Visando controlar a primeira epidemia de que se tem notícia
em território brasileiro, foi posta em prática a primeira campanha
profilática no Novo Continente, elaborada por João Ferreira da
Rosa.
 Primeira Campanha sanitária, Recomendações para a
execução das campanhas:
1)Limpeza das casas, ruas e praias;
2)Dos que morreram da doença dos males;
3)Do que se há de praticar nos navios que entram;
4)Sobre o reconhecimento das escravas e mais mulheres de
ambas estas povoações do Recife e Santo Antônio.
História da Febre Amarela
Durante mais de um século não se encontram relatos
sobre a infecção amarílica no Brasil, o que sugere o
seu desaparecimento, pelo menos sob a forma
epidêmica
 Nos séculos 17 e 18, houve várias expedições ao interior
do Brasil;
 De 1750 a 1777, o Brasil sofreu uma grande
reestruturação promovida pelo Marquês de Pombal;
 O final do século 18 foi marcado por movimentos de
independência em Minas Gerais e Bahia.
 Revolução Francesa.
História da Febre Amarela
 Em setembro de 1849, irrompeu uma epidemia em Salvador,
atribuída à chegada de um navio americano ;
 Período da propagação da doença no país: 1849 – 1861-
Invadindo primeiramente os portos marítimos, seguindo, com
raras exceções o caminho da navegação marítima.
 Em fevereiro de 1850, a febre amarela se apossara da cidade
e das praias da região do RJ.
 Segundo estimativa, atingiu 90.658 habitantes do Rio de
Janeiro, causando 4.160 mortes, de acordo com os dados
oficiais.
 Regulamento Sanitário, o qual estabelecia normas para a
execução da segunda campanha contra a febre amarela
organizada no Brasil.
 O êxito alcançado com a campanha motivou o governo a
organizar a defesa sanitária do país. Pela Lei nº 598, de 14 de
setembro de 1850, foi criada uma Comissão de Engenheiros.
História da Febre Amarela
 Chegada da família real portuguesa, que fugia do conflito entre a
frança napoleônica e a inglaterra.
 Campanha abolicionista que culmina na lei aúrea.
 Fundação do partido republicano nacional após a guerra do
paraguai;
 Decadência da monarquia brasileira;
 Fim da mão-de-obra escrava e sua substituição por trabalho
assalariado.
 Oswaldo Cruz, médico e sanitarista brasileiro, fundador da medicina
experimental no Brasil, nasceu em São Luís do Paraitinga (SP), em 5
de agosto de 1872. Seu nome completo era Oswaldo Gonçalves Cruz.
Aos 14 anos ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.
Durante os seis anos em que freqüentou o curso, não demonstrou
grande interesse pela clínica, mas sentiu-se completamente fascinado
pelo mundo microscópico, que começava a ser revelado pelas
descobertas de Louis Pasteur, Robert Koch e outros investigadores.
 Clinicou no Rio de Janeiro até meados de 1896, quando
viajou para a França. Em Paris, estagiou no Instituto Pasteur
e, em seguida, na Alemanha. Regressou ao Brasil em 1899,
quando foi designado para organizar o combate ao surto de
peste bubônica em Santos (SP) e em outras cidades
portuárias. Nomeado em 1902 para dirigir o Instituto
Soroterápico, atual Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
 Osvaldo Cruz assumiu o cargo de diretor técnico e
administrativo do instituto de Manguinhos.
 Osvaldo Cruz assumiu o cargo de diretor técnico e
administrativo do instituto de Manguinhos.
 Foi nomeado Diretor Geral de Saúde Pública, que foi
criado o Serviço de Profilaxia da febre amarela.
 No ano seguinte, criou-se o serviço de profilaxia da
Febre Amarela.
 Estrada de Ferro Madeira-Mamoré é uma ferrovia construída
que foi construída neste período para ligar Porto Velho a Guajará-
Mirim, no atual estado de Rondônia.
 Ficou conhecida à época como a "Ferrovia do Diabo" devido
às milhares de mortes de trabalhadores ocorridas durante a sua
construção devido às doenças tropicais, como a Febre Amarela e
a Malária, complementar à lenda de que sob cada um de seus
dormentes existia um cadáver.
Apresentação Febre amarela
 Osvaldo Cruz foi em convite da Companhia Estrada de ferro
Madeira Mamoré e da companhia Port. Of Pará para a região
amazônica, a fim de estudar as condições sanitárias e indicar
as medidas de saneamento necessárias para o saneamento
da região compreendida entre os Rios Madeira e Mamoré.
 Ele nasceu na aldeia de Sanjogata e morava em uma fazenda
muito pobre. Quando tinha 2 anos de idade, Hideyo Noguchi sofreu
um acidente onde se queimou gravemente, especialmente seu
corpo e seu braço esquerdo. Em 1897 obteve seu diploma, após
passar com mérito em dois exames na Escola de Medicina de
Tóquio. Depois entrou no Instituto de Doenças Infecciosas, em
Tóquio, então dirigido pelo Professor Kitasato, descobridor dos
organismos provocadores do tétano e da pestilência.Noguchi foi um
dos pesquisadores que descobriram que o antídoto para picadas de
cobra poderia ser produzido a partir do próprio veneno da cobra, o
soro antiofídico.
 Em 1904, Hideyo Noguchi se mudou para Nova York, onde
ganhou até naturalização americana e concentrou suas pesquisas
sobre a sífilis, uma doença que não era bem compreendida na
época.
 Em 1927, fez uma grande descoberta onde comprovou que a
febre amarela se tratava de uma doença viral e não bacterial como
antes pensava.
 E foi durante suas pesquisas sobre a febre Amarela, que ele
acabou contraindo a doença, que o levou à sua morte em 1928, na
África, em Accra, hoje chamada de Gana. Infelizmente, acabou
sendo morto pelo seu próprio “objeto de estudo”.
 Hideyo Negushi identificou em Quaiaquil (Equador) o
Leptospira icteroides e anunciou ser a febre amarela uma
Lepstospirose, semelhante á doença de Weil, embora
transmitida pelo mosquito.
 Já extintas as Comissões Sanitárias Federais, o governo
convidou a Divisão sanitária Internacional da Fundação
Rockefeller para vim estudar o problema da Febre amarela no
Brasil, especialmente no Nordeste.
 O contrato foi renovado até dezembro de 1939 e graças á sua
rigorosa execução do combate ao Aedes Aegypti, é que foi
possível o êxito alcançado no combate a doença e a seu vetor
humano.
.
P R O V Á V E L R O TA D A D I S S E M I N A Ç Ã O D A O N D A
E P I Z O Ó T I C O - E P I D Ê M I C A D E F E B R E A M A R E L A
N O B R A S I L – 1 9 3 2 -
 Médicos da Fundação Rockefeller, trabalhando com macacos,
descobriram que o agente causador da febre amarela é um vírus.
 Após a descoberta do agente infeccioso causal, os
pesquisadores passaram, então, a investir na produção de uma
vacina e, em 1937, a Fundação Rockefeller passou a produzir a
vacina contra febre amarela em larga escala.
 Epidemia de Febre Amarela – no Rio de Janeiro.
 Nessa ocasião, o modelo profilático oswaldiano repetiu-se com
sucesso, agora sob o comando de Clementino Fraga, Diretor-
Geral de Saúde Pública.
 Os estudos preliminares sobre o uso do vírus 17 D na
vacinação humana foram feitos em membros da Fundação
Rockefeller, em Nova York.
 Em janeiro de 1937, Dr. Smith trouxe para o Brasil, o vírus 17 D, para
que fossem efetuadas vacinas.
 Osvaldo cruz passou a preparar a vacina 17 D, que é a empregada no
Brasil. Em junho deste ano, iniciou-se uma vacinação em larga escala em
Varginha, com os melhores resultados, o que levou aos dirigentes da Febre
amarela a estenderem a vacinação com o vírus 17 D a outros Estados.
 A fundação Rockfeller em cooperação com o serviço Nacional
de febre amarela, escolheu uma região considerada livre de vírus
amarílico e onde pudesse realizar os estudos sobre a duração da
imunidade conferida pela vacina com o vírus 17 D – Pouso alegre.
 E o resultado final das provas revelou-se que 97,1% das
pessoas vacinadas possuíam anticorpos demonstráveis para o
vírus da febre amarela.
 No XIV congresso internacional de história de medicina com
sede em Roma(Itália) ratificou que Carlos J. Finlay, de Cuba, é o
único e somente a ele corresponde o descobrimento do agente
transmissor da febre amarela e a aplicação de sua doutrina e
saneamento do trópico
 Na comissão de peritos em Vacina contra Febre Amarela, a
OMS, reunida em genebra concluiu: Que devido á presença da
Febre amarela entre animais das selvas, o vírus não pode ser
erradicado, e as vacinações repetidas da população serão
necessárias por tempo indeterminado.
 Neste ano outro vetor, o Aedes albopictus, foi identificado no Brasil,
atingindo vários estados. Esse mosquito é considerado um vetor potencial
da febre amarela silvestre.
 COVER, Over Magazine. Osvaldo Cruz. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/jbpml/v38n2/a01v38n2.pdf>. Acesso em : 04 de setembro de
2015.
 FOCO, Japão em. História do cientista Hideyo Noguchi. Disponível em: <
http://www.japaoemfoco.com/historia-do-cientista-hideyo-noguchi/>. Acesso em : 04
de setembro de 2015.
 FERREIRA, Karla Vanessa et al. Histórico da febre amarela no Brasil e a
importância da vacinação antiamarílica, Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde,
v.36, n.1, p. 40-47, Jan./Abr. 2011. Disponível em:<http://files.bvs.br/upload/S/1983-
2451/2011/v36n1/a1923.pdf>. Acesso em : 04 de setembro de 2015.
 FRANCO, Odair. História da Febre amarela no Brasil. Rio de Janeiro – Brasil, GB,
1969.
 MANGUINHOS, Bio. Febre amarela: sintomas, transmissão e prevenção.
Disponível em: < https://www.bio.fiocruz.br/index.php/febre-amarela-sintomas-
transmissao-e-prevencao >. Acesso em : 04 de setembro de 2015.
 FERREIRA, Karla Vanessa et al. Histórico da febre amarela no Brasil
e a importância da vacinação antiamarílica, Arquivos Brasileiros de
Ciências da Saúde, v.36, n.1, p. 40-47, Jan./Abr. 2011. Disponível
em:<http://files.bvs.br/upload/S/1983- 2451/2011/v36n1/a1923.pdf>.
Acesso em : 04 de setembro de 2015.
 FRANCO, Odair. História da Febre amarela no Brasil. Rio de Janeiro
– Brasil, GB, 1969.
 NOTÍCIAS, Agencia Fiocruz. Uma breve história da Febre Amarela,
2008. Disponível em: <http://www.agencia.fiocruz.br/uma-breve-
hist%C3%B3ria-da-febre-amarela>. Acesso em : 04 de setembro de
2015.
 SAÚDE, Ministério da. Febre amarela. Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/febreamarela/historico.php>. Acesso em :
04 de setembro de 2015.
Ninguém ignora tudo. Ninguém
sabe tudo. Todos nós sabemos
alguma coisa. Todos nós
ignoramos alguma coisa. Por isso
aprendemos sempre.
Paulo Freire

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Silmara da Rocha Moura
 
04 aula cólera
04 aula   cólera04 aula   cólera
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
Fausto Barros
 
Sarampo aula
Sarampo aulaSarampo aula
Sarampo aula
Ana Figueiredo
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
Auggoustt Eddson Jose
 
Palestra de Dengue
Palestra de DenguePalestra de Dengue
Palestra de Dengue
Elias Cordeiro
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
Ylla Cohim
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
Nelmidia Alves
 
Palestra sobre combate a dengue
Palestra sobre combate a denguePalestra sobre combate a dengue
Palestra sobre combate a dengue
Multimix Air
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
Paulo Firmino
 
Dengue
DengueDengue
Sarna
SarnaSarna
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
Fernanda Dias
 
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7   endemias brasileiras e controle de vetoresAula 7   endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Mario Gandra
 
Gripe
GripeGripe
Trabalho vacinas
Trabalho vacinas Trabalho vacinas
Trabalho vacinas
Vânia Batista
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
Géssica Freire
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
Patricia Nunes
 

Mais procurados (20)

Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
04 aula cólera
04 aula   cólera04 aula   cólera
04 aula cólera
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Sarampo aula
Sarampo aulaSarampo aula
Sarampo aula
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
Palestra de Dengue
Palestra de DenguePalestra de Dengue
Palestra de Dengue
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
 
Palestra sobre combate a dengue
Palestra sobre combate a denguePalestra sobre combate a dengue
Palestra sobre combate a dengue
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Sarna
SarnaSarna
Sarna
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7   endemias brasileiras e controle de vetoresAula 7   endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
Trabalho vacinas
Trabalho vacinas Trabalho vacinas
Trabalho vacinas
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 

Destaque

Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
Jayranne Mara Santana
 
CiêNcias+[1]..
CiêNcias+[1]..CiêNcias+[1]..
CiêNcias+[1]..
guestb8d893a
 
Febre Amarela
Febre AmarelaFebre Amarela
Febre Amarela
Raquel Hemanuelly
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
Natália Maciel
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Mariinazorzi
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Guida Abreu
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
ACSHospitais
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nathy Oliveira
 
1 slides animais peçonhentos
1   slides    animais peçonhentos1   slides    animais peçonhentos
1 slides animais peçonhentos
Zacarias Junior
 

Destaque (9)

Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
CiêNcias+[1]..
CiêNcias+[1]..CiêNcias+[1]..
CiêNcias+[1]..
 
Febre Amarela
Febre AmarelaFebre Amarela
Febre Amarela
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
1 slides animais peçonhentos
1   slides    animais peçonhentos1   slides    animais peçonhentos
1 slides animais peçonhentos
 

Semelhante a Apresentação Febre amarela

História do TIFO
História do TIFOHistória do TIFO
História do TIFO
Mariana Freire
 
Oswaldo Cruz
Oswaldo CruzOswaldo Cruz
Oswaldo Cruz
+ Aloisio Magalhães
 
Módulo 2
Módulo 2Módulo 2
Módulo 2
Gabriel Swanhild
 
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIXPara a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
José Mesquita
 
VARIOLA HISTÓRIA.pdf
VARIOLA HISTÓRIA.pdfVARIOLA HISTÓRIA.pdf
VARIOLA HISTÓRIA.pdf
CarinaSantos643837
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
Nelia Salles Nantes
 
Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
mayanemel
 
Guerras biológicas e imunidade
Guerras biológicas e imunidadeGuerras biológicas e imunidade
Guerras biológicas e imunidade
Moisés Siqueira
 
A trajetória da parasitologia
A trajetória da parasitologiaA trajetória da parasitologia
A trajetória da parasitologia
Lucas Almeida Sá
 
Febre amarela no Brasil
Febre amarela no BrasilFebre amarela no Brasil
Febre amarela no Brasil
Patrícia Oliver
 
10 historiada malaria
10 historiada malaria10 historiada malaria
10 historiada malaria
Maria Jaqueline Mesquita
 
Breve história das doenças exantemáticas
Breve história das doenças exantemáticasBreve história das doenças exantemáticas
Breve história das doenças exantemáticas
Leonardo Savassi
 
Trabalho P.E. Fontes historicas e biograficas.pptx
Trabalho P.E. Fontes historicas e biograficas.pptxTrabalho P.E. Fontes historicas e biograficas.pptx
Trabalho P.E. Fontes historicas e biograficas.pptx
SamuelMendona15
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
ssuser51d27c1
 
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempoVigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
feraps
 
Animais sinantrópicos
Animais sinantrópicosAnimais sinantrópicos
Animais sinantrópicos
olharverde
 
slide peste negra.pdf
slide peste negra.pdfslide peste negra.pdf
slide peste negra.pdf
RaquelAndrakelvin
 
A questão da Vacinação no Brasil aula basica sobre o tema.pptx
A questão da Vacinação no Brasil aula basica sobre o tema.pptxA questão da Vacinação no Brasil aula basica sobre o tema.pptx
A questão da Vacinação no Brasil aula basica sobre o tema.pptx
renatacolbeich1
 
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
Sérgio Pitaki
 
Doença do suor
Doença do suorDoença do suor
Doença do suor
Yana Sofia
 

Semelhante a Apresentação Febre amarela (20)

História do TIFO
História do TIFOHistória do TIFO
História do TIFO
 
Oswaldo Cruz
Oswaldo CruzOswaldo Cruz
Oswaldo Cruz
 
Módulo 2
Módulo 2Módulo 2
Módulo 2
 
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIXPara a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
 
VARIOLA HISTÓRIA.pdf
VARIOLA HISTÓRIA.pdfVARIOLA HISTÓRIA.pdf
VARIOLA HISTÓRIA.pdf
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
 
Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
 
Guerras biológicas e imunidade
Guerras biológicas e imunidadeGuerras biológicas e imunidade
Guerras biológicas e imunidade
 
A trajetória da parasitologia
A trajetória da parasitologiaA trajetória da parasitologia
A trajetória da parasitologia
 
Febre amarela no Brasil
Febre amarela no BrasilFebre amarela no Brasil
Febre amarela no Brasil
 
10 historiada malaria
10 historiada malaria10 historiada malaria
10 historiada malaria
 
Breve história das doenças exantemáticas
Breve história das doenças exantemáticasBreve história das doenças exantemáticas
Breve história das doenças exantemáticas
 
Trabalho P.E. Fontes historicas e biograficas.pptx
Trabalho P.E. Fontes historicas e biograficas.pptxTrabalho P.E. Fontes historicas e biograficas.pptx
Trabalho P.E. Fontes historicas e biograficas.pptx
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
 
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempoVigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
 
Animais sinantrópicos
Animais sinantrópicosAnimais sinantrópicos
Animais sinantrópicos
 
slide peste negra.pdf
slide peste negra.pdfslide peste negra.pdf
slide peste negra.pdf
 
A questão da Vacinação no Brasil aula basica sobre o tema.pptx
A questão da Vacinação no Brasil aula basica sobre o tema.pptxA questão da Vacinação no Brasil aula basica sobre o tema.pptx
A questão da Vacinação no Brasil aula basica sobre o tema.pptx
 
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
 
Doença do suor
Doença do suorDoença do suor
Doença do suor
 

Mais de Mariana Freire

Valvolopatias
ValvolopatiasValvolopatias
Valvolopatias
Mariana Freire
 
Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013
Mariana Freire
 
Slide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vidaSlide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vida
Mariana Freire
 
Psicodinamica
Psicodinamica   Psicodinamica
Psicodinamica
Mariana Freire
 
Sae nanda 2013
Sae nanda 2013Sae nanda 2013
Sae nanda 2013
Mariana Freire
 
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosaTrabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Mariana Freire
 
Parto normal pós cesaria
Parto normal pós cesariaParto normal pós cesaria
Parto normal pós cesaria
Mariana Freire
 
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisaoGestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Mariana Freire
 
Confrei slides def
Confrei slides  defConfrei slides  def
Confrei slides def
Mariana Freire
 

Mais de Mariana Freire (9)

Valvolopatias
ValvolopatiasValvolopatias
Valvolopatias
 
Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013
 
Slide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vidaSlide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vida
 
Psicodinamica
Psicodinamica   Psicodinamica
Psicodinamica
 
Sae nanda 2013
Sae nanda 2013Sae nanda 2013
Sae nanda 2013
 
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosaTrabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
 
Parto normal pós cesaria
Parto normal pós cesariaParto normal pós cesaria
Parto normal pós cesaria
 
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisaoGestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisao
 
Confrei slides def
Confrei slides  defConfrei slides  def
Confrei slides def
 

Apresentação Febre amarela

  • 2.  É uma doença infecciosa não contagiosa, causada por um arbovírus do gênero Flavivirus , pertencente à família Flaviridae.  As manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias.
  • 3.  Transmissão: É Transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres, sua manifestação é idêntica em ambos os casos de transmissão;
  • 4. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue).
  • 6.  Os séculos XV e XVI marcam o começo de um período histórico chamado Idade Moderna, que se estende até o final do século XVIII.  O primeiro acontecimento significativo da Idade Moderna foram as Grandes Navegações.
  • 7.  Em cerca de 2 meses após os espanhóis travarem guerra contra os indígenas , na batalha de Vega real ou Santo Serro .  Na ilha espanhola (Haiti), irrompeu uma epidemia de Febre amarela.
  • 9.  O Jesuíta Raymound Bréton foi o primeiro a se referir á febre amarela com relativa precisão ;  Afirmou que a primeira epidemia ocorreu em 1635 entre os imigrantes franceses na ilha de Guadalupe, conhecida como ‘’Coup de bare’’.
  • 10.  Em um Manuscrito Maia em Yucatan no México, foi o primeiro relato de Febre amarela.
  • 11.  A primeira epidemia de Febre amarela no Brasil - Ocorrência de febre amarela no Brasil – Recife , Olinda e outras cidades de PE;
  • 12.  Epidemia de Febre amarela na Bahia;  Houve relatos de sua presença ali até meados de 1692, período em que cerca de 25 mil pessoas adoeceram e 900 morreram.
  • 13.  Visando controlar a primeira epidemia de que se tem notícia em território brasileiro, foi posta em prática a primeira campanha profilática no Novo Continente, elaborada por João Ferreira da Rosa.
  • 14.  Primeira Campanha sanitária, Recomendações para a execução das campanhas: 1)Limpeza das casas, ruas e praias; 2)Dos que morreram da doença dos males; 3)Do que se há de praticar nos navios que entram; 4)Sobre o reconhecimento das escravas e mais mulheres de ambas estas povoações do Recife e Santo Antônio.
  • 15. História da Febre Amarela Durante mais de um século não se encontram relatos sobre a infecção amarílica no Brasil, o que sugere o seu desaparecimento, pelo menos sob a forma epidêmica
  • 16.  Nos séculos 17 e 18, houve várias expedições ao interior do Brasil;  De 1750 a 1777, o Brasil sofreu uma grande reestruturação promovida pelo Marquês de Pombal;  O final do século 18 foi marcado por movimentos de independência em Minas Gerais e Bahia.  Revolução Francesa.
  • 18.  Em setembro de 1849, irrompeu uma epidemia em Salvador, atribuída à chegada de um navio americano ;  Período da propagação da doença no país: 1849 – 1861- Invadindo primeiramente os portos marítimos, seguindo, com raras exceções o caminho da navegação marítima.
  • 19.  Em fevereiro de 1850, a febre amarela se apossara da cidade e das praias da região do RJ.  Segundo estimativa, atingiu 90.658 habitantes do Rio de Janeiro, causando 4.160 mortes, de acordo com os dados oficiais.
  • 20.  Regulamento Sanitário, o qual estabelecia normas para a execução da segunda campanha contra a febre amarela organizada no Brasil.  O êxito alcançado com a campanha motivou o governo a organizar a defesa sanitária do país. Pela Lei nº 598, de 14 de setembro de 1850, foi criada uma Comissão de Engenheiros.
  • 22.  Chegada da família real portuguesa, que fugia do conflito entre a frança napoleônica e a inglaterra.  Campanha abolicionista que culmina na lei aúrea.  Fundação do partido republicano nacional após a guerra do paraguai;  Decadência da monarquia brasileira;  Fim da mão-de-obra escrava e sua substituição por trabalho assalariado.
  • 23.  Oswaldo Cruz, médico e sanitarista brasileiro, fundador da medicina experimental no Brasil, nasceu em São Luís do Paraitinga (SP), em 5 de agosto de 1872. Seu nome completo era Oswaldo Gonçalves Cruz. Aos 14 anos ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Durante os seis anos em que freqüentou o curso, não demonstrou grande interesse pela clínica, mas sentiu-se completamente fascinado pelo mundo microscópico, que começava a ser revelado pelas descobertas de Louis Pasteur, Robert Koch e outros investigadores.
  • 24.  Clinicou no Rio de Janeiro até meados de 1896, quando viajou para a França. Em Paris, estagiou no Instituto Pasteur e, em seguida, na Alemanha. Regressou ao Brasil em 1899, quando foi designado para organizar o combate ao surto de peste bubônica em Santos (SP) e em outras cidades portuárias. Nomeado em 1902 para dirigir o Instituto Soroterápico, atual Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
  • 25.  Osvaldo Cruz assumiu o cargo de diretor técnico e administrativo do instituto de Manguinhos.
  • 26.  Osvaldo Cruz assumiu o cargo de diretor técnico e administrativo do instituto de Manguinhos.  Foi nomeado Diretor Geral de Saúde Pública, que foi criado o Serviço de Profilaxia da febre amarela.  No ano seguinte, criou-se o serviço de profilaxia da Febre Amarela.
  • 27.  Estrada de Ferro Madeira-Mamoré é uma ferrovia construída que foi construída neste período para ligar Porto Velho a Guajará- Mirim, no atual estado de Rondônia.  Ficou conhecida à época como a "Ferrovia do Diabo" devido às milhares de mortes de trabalhadores ocorridas durante a sua construção devido às doenças tropicais, como a Febre Amarela e a Malária, complementar à lenda de que sob cada um de seus dormentes existia um cadáver.
  • 29.  Osvaldo Cruz foi em convite da Companhia Estrada de ferro Madeira Mamoré e da companhia Port. Of Pará para a região amazônica, a fim de estudar as condições sanitárias e indicar as medidas de saneamento necessárias para o saneamento da região compreendida entre os Rios Madeira e Mamoré.
  • 30.  Ele nasceu na aldeia de Sanjogata e morava em uma fazenda muito pobre. Quando tinha 2 anos de idade, Hideyo Noguchi sofreu um acidente onde se queimou gravemente, especialmente seu corpo e seu braço esquerdo. Em 1897 obteve seu diploma, após passar com mérito em dois exames na Escola de Medicina de Tóquio. Depois entrou no Instituto de Doenças Infecciosas, em Tóquio, então dirigido pelo Professor Kitasato, descobridor dos organismos provocadores do tétano e da pestilência.Noguchi foi um dos pesquisadores que descobriram que o antídoto para picadas de cobra poderia ser produzido a partir do próprio veneno da cobra, o soro antiofídico.
  • 31.  Em 1904, Hideyo Noguchi se mudou para Nova York, onde ganhou até naturalização americana e concentrou suas pesquisas sobre a sífilis, uma doença que não era bem compreendida na época.  Em 1927, fez uma grande descoberta onde comprovou que a febre amarela se tratava de uma doença viral e não bacterial como antes pensava.  E foi durante suas pesquisas sobre a febre Amarela, que ele acabou contraindo a doença, que o levou à sua morte em 1928, na África, em Accra, hoje chamada de Gana. Infelizmente, acabou sendo morto pelo seu próprio “objeto de estudo”.
  • 32.  Hideyo Negushi identificou em Quaiaquil (Equador) o Leptospira icteroides e anunciou ser a febre amarela uma Lepstospirose, semelhante á doença de Weil, embora transmitida pelo mosquito.
  • 33.  Já extintas as Comissões Sanitárias Federais, o governo convidou a Divisão sanitária Internacional da Fundação Rockefeller para vim estudar o problema da Febre amarela no Brasil, especialmente no Nordeste.  O contrato foi renovado até dezembro de 1939 e graças á sua rigorosa execução do combate ao Aedes Aegypti, é que foi possível o êxito alcançado no combate a doença e a seu vetor humano. .
  • 34. P R O V Á V E L R O TA D A D I S S E M I N A Ç Ã O D A O N D A E P I Z O Ó T I C O - E P I D Ê M I C A D E F E B R E A M A R E L A N O B R A S I L – 1 9 3 2 -
  • 35.  Médicos da Fundação Rockefeller, trabalhando com macacos, descobriram que o agente causador da febre amarela é um vírus.  Após a descoberta do agente infeccioso causal, os pesquisadores passaram, então, a investir na produção de uma vacina e, em 1937, a Fundação Rockefeller passou a produzir a vacina contra febre amarela em larga escala.
  • 36.  Epidemia de Febre Amarela – no Rio de Janeiro.  Nessa ocasião, o modelo profilático oswaldiano repetiu-se com sucesso, agora sob o comando de Clementino Fraga, Diretor- Geral de Saúde Pública.
  • 37.  Os estudos preliminares sobre o uso do vírus 17 D na vacinação humana foram feitos em membros da Fundação Rockefeller, em Nova York.
  • 38.  Em janeiro de 1937, Dr. Smith trouxe para o Brasil, o vírus 17 D, para que fossem efetuadas vacinas.  Osvaldo cruz passou a preparar a vacina 17 D, que é a empregada no Brasil. Em junho deste ano, iniciou-se uma vacinação em larga escala em Varginha, com os melhores resultados, o que levou aos dirigentes da Febre amarela a estenderem a vacinação com o vírus 17 D a outros Estados.
  • 39.  A fundação Rockfeller em cooperação com o serviço Nacional de febre amarela, escolheu uma região considerada livre de vírus amarílico e onde pudesse realizar os estudos sobre a duração da imunidade conferida pela vacina com o vírus 17 D – Pouso alegre.  E o resultado final das provas revelou-se que 97,1% das pessoas vacinadas possuíam anticorpos demonstráveis para o vírus da febre amarela.
  • 40.  No XIV congresso internacional de história de medicina com sede em Roma(Itália) ratificou que Carlos J. Finlay, de Cuba, é o único e somente a ele corresponde o descobrimento do agente transmissor da febre amarela e a aplicação de sua doutrina e saneamento do trópico
  • 41.  Na comissão de peritos em Vacina contra Febre Amarela, a OMS, reunida em genebra concluiu: Que devido á presença da Febre amarela entre animais das selvas, o vírus não pode ser erradicado, e as vacinações repetidas da população serão necessárias por tempo indeterminado.
  • 42.  Neste ano outro vetor, o Aedes albopictus, foi identificado no Brasil, atingindo vários estados. Esse mosquito é considerado um vetor potencial da febre amarela silvestre.
  • 43.  COVER, Over Magazine. Osvaldo Cruz. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jbpml/v38n2/a01v38n2.pdf>. Acesso em : 04 de setembro de 2015.  FOCO, Japão em. História do cientista Hideyo Noguchi. Disponível em: < http://www.japaoemfoco.com/historia-do-cientista-hideyo-noguchi/>. Acesso em : 04 de setembro de 2015.  FERREIRA, Karla Vanessa et al. Histórico da febre amarela no Brasil e a importância da vacinação antiamarílica, Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, v.36, n.1, p. 40-47, Jan./Abr. 2011. Disponível em:<http://files.bvs.br/upload/S/1983- 2451/2011/v36n1/a1923.pdf>. Acesso em : 04 de setembro de 2015.  FRANCO, Odair. História da Febre amarela no Brasil. Rio de Janeiro – Brasil, GB, 1969.  MANGUINHOS, Bio. Febre amarela: sintomas, transmissão e prevenção. Disponível em: < https://www.bio.fiocruz.br/index.php/febre-amarela-sintomas- transmissao-e-prevencao >. Acesso em : 04 de setembro de 2015.
  • 44.  FERREIRA, Karla Vanessa et al. Histórico da febre amarela no Brasil e a importância da vacinação antiamarílica, Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, v.36, n.1, p. 40-47, Jan./Abr. 2011. Disponível em:<http://files.bvs.br/upload/S/1983- 2451/2011/v36n1/a1923.pdf>. Acesso em : 04 de setembro de 2015.  FRANCO, Odair. História da Febre amarela no Brasil. Rio de Janeiro – Brasil, GB, 1969.  NOTÍCIAS, Agencia Fiocruz. Uma breve história da Febre Amarela, 2008. Disponível em: <http://www.agencia.fiocruz.br/uma-breve- hist%C3%B3ria-da-febre-amarela>. Acesso em : 04 de setembro de 2015.  SAÚDE, Ministério da. Febre amarela. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/febreamarela/historico.php>. Acesso em : 04 de setembro de 2015.
  • 45. Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre. Paulo Freire