SlideShare uma empresa Scribd logo
História do TIFO
RiquettsiasRiquettsias
• São bactérias Gram-negativas agrupadas na família Rickettsiaceae,
constituída pelos gêneros Rickettsia, Orientia, Coxiella, Bartonella,
Ehrlichia e Anaplasma.
• Derivada do grego, a palavra typhus significa fumaça, vapor, ilustra o
estado de confusão mental, com tendência a estupor dos pacientes
infectados.
RiquettsiasRiquettsias
• O gênero Rickettsia é dividido em dois grupos. O grupo tifo inclui três
espécies, R. prowazekii, o agente do tifo exantemático e epidêmico,
a R. typhi agente etiológico do tifo murino, e a Rickettsia rickettsii
agente etiológico da Febre macular brasileira.
PATOLOGIA CAUSA MEIO DE
TRANSMISSÃO
SINAIS E
SINTOMAS
DURAÇÃO DOS
SINTOMAS
TIFO EPIDÊMICO Rickettsia
prowazekii
PIOLHO Dores de cabeça,
calafrio, febre, dor
no corpo e nas
articulações,
manchas
vermelhas e
toxemia .
Duas a três semanas.
TIFO
EXANTEMÁTICO
Rickettsia
prowazekii
PIOLHO Dores de cabeça,
calafrio, febre, dor
no corpo e nas
articulações,
manchas
vermelhas e
toxemia .
O tempo de incubação
do tifo exantemático
varia de 1 a 2 semanas,
mas, na maior parte
dos casos, os sintomas
ficam evidentes dentro
de 12 dias.
PATOLOGIA CAUSADO PELA
BACTÉRIA
MEIO DE
TRANSMISSÃO
SINAIS E
SINTOMAS
DURAÇÃO DOS
SINTOMAS
TIFO MURINO Rickettsia mooseri RATOS Cefaleias, mialgias,
artralgias, náuseas
e mal estar,
seguindo-se, 1 a 3
dias depois, início
súbito de arrepios
e febre. Náuseas e
vómitos no início
da doença
Duas a três
semanas.
FEBRE MACULAR Rickettsia
rickettsii
CARRAPATOS O início dos
sintomas é súbito
e pouco
específico, com
febre, calafrios,
cefaleia,
hiperemia
conjuntival, dores
musculares e
articulares;
Entre o terceiro ao
sexto dia de
doença pode
surgir exantema
maculopapular
generalizado .
Tifo EpidêmicoTifo Epidêmico
FIOCRUZ, 20
TIFO
História do TIFO
A HISTÓRIA DO TIFO
• 430 a. C- Acredita-se que o tifo exantemático tenha sido a causa da
chamada “Peste de Atenas”, descrita pelo historiador Tucídides.
• Grande parte da população foi dizimada neste surto, mas as
descrições sugerem que todos aqueles que trabalhavam junto ao
fogo, como os forjadores, escapavam do mal.
Século XV
• Vários autores acreditam que o tifo foi introduzido no velho
continente por volta de 1489, durante a reconquista de Granada
pelos soldados espanhóis, que retornavam da ilha de Chipre.
• A partir de então, a doença passou a vitimar a população do velho
continente de forma assustadora.
• Não há notícias sobre epidemias de tifo exantemático no Brasil. Sua
importância histórica para o país relaciona-se ao período colonial,
quando um grande número de viajantes adoecia ou morria durante a
travessia atlântica.
Século XV
TIFO NOS NAVIOS
•Pode ser explicada pela precária higiene vivenciada pelos viajantes,
que conviviam com ratos, pulgas, piolhos e entre outros parasitas.
•Além dos navegadores, os prisioneiros e soldados em campanha
também sujeitos a toda a sorte de provações em ambientes pouco
salubres, eram acometidos pelo tifo.
SÉCULO XIX
• Um dos episódios mais conhecidos sobre vítimas em campanhas
militares foi na derrota de Napoleão Bonaparte em território russo.
• Concomitantemente ao frio intenso que seu poderoso exército
enfrentava, seus soldados foram dizimados pelo mal.
• Durante as seis semanas iniciais dos deslocamentos das tropas, 20%
dos homens estavam mortos ou sem condições físicas para combate
devido à doença.
• Em 1812, o tifo matou mais franceses do que soldados russos.
Reduzindo um exército de 600 mil homens a 40 mil homens.
Epidemia de tifo na Alemanha
Vítimas de epidemia de tifo em
Bergen-Belsen- Campo de
concentração na Alemanha
SÉCULO XIX
• Em 1848 o TIFO foi responsável, juntamente com a fome, pela morte
de 18 mil pessoas na Alta Silésia(zona industrial da Polônia e da
República Tcheca).
• Ao observar este surto, Virchow (1821-1902) elaborou um indignado
relatório sobre as deploráveis condições de vida dos trabalhadores,
principais vítimas da doença nas cidades.
• Neste período pode-se de fato considerar que a Medicina sofria,
desde o final do século XIX, uma revolução em vários campos, com
destaque à infectologia.
História do TIFO
SÉCULO XX
• O TIFO Ocasionou 3 milhões de mortos (Europa Oriental e Rússia) -O TIFO Ocasionou 3 milhões de mortos (Europa Oriental e Rússia) -
1918 a 19221918 a 1922
• A doença estava se propagando rapidamente entre os militares que
combatiam nas guerras balcânicas (1912-13), e havia uma grande
preocupação de que a enfermidade, altamente contagiosa, viesse a
se alastrar pela Europa.
• Com o início da 1ª Guerra Mundial, em agosto de 1914, Rocha Lima e
Von Prowazek tiveram de voltar para Hamburgo.
História do TIFO
SÉCULO XX
• Em 1914, Rocha Lima foi indicado pelo governo alemão para estudar
a doença em Constantinopla, na Turquia. Em meio à primeira Guerra
Mundial, em dezembro do mesmo ano retorna à Alemanha e dirige-
se para o campo de prisioneiros de, onde sete mil de um total de 10
mil tinham contraído tifo.
• Já se sabia que eram os piolhos os transmissores da doença, uma
descoberta feita pelo pesquisador Charles Nicolle, em 1909.
• Infelizmente, não demorou muito para Prowazek se contaminar com
os materiais preparados a fresco, falecendo em 17 de fevereiro de
1915.
SÉCULO XX
• Seguiram, então, para o campo de prisioneiros de Cottbus, onde sete
mil de um total de 10 mil tinham contraído tifo. Já se sabia que eram
os piolhos os transmissores da doença, uma descoberta feita pelo
pesquisador Charles Nicolle, em 1909.
• Infelizmente, não demorou muito para Prowazek se contaminar com
os materiais preparados a fresco, falecendo em 17 de fevereiro de
1915.
História do TIFO
SÉCULO XX
• Em 15 de fevereiro de 1916, Rocha Lima finalmente anunciou a
descoberta do causador do tifo epidêmico.
• Suas pesquisas, no entanto, não receberam o reconhecimento devido
da comunidade científica. Em 1928, Charles Jules Henri Nicolle
recebeu o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia por ter descoberto
que o piolho era o transmissor do tifo epidêmico e Rocha Lima sequer
foi citado.
• Mas seu nome foi perpetuado ao fazer surgir um novo capítulo na
história da microbiologia e das doenças infecciosas – as Riquetsioses.
SÉCULO XX
• Para investigar o agente causal do tifo exantemático, nomes de
destaque na pesquisa em doenças infecciosas foram chamados para o
Instituto de Doenças Tropicais de Hamburgo (Alemanha).
• Um deles era membro atuante de Manguinhos, que mais tarde se
tornaria o Instituto Oswaldo Cruz: o brasileiro Henrique da Rocha
Lima.
Henrique da Rocha Lima
• Nascido no Rio de Janeiro em 24 de novembro de
1879, Henrique da Rocha Lima tornou-se famoso
internacionalmente pela descoberta da causa do
tifo epidêmico (ou exantemático).
• Rocha Lima foi um dos primeiros a frequentar o
Instituto Oswaldo Cruz, na época chamado
Instituto Soroterápico Federal. Antes mesmo de se
formar em 1901 pela Faculdade de Medicina do Rio
de Janeiro, já trabalhava na instituição, mais
conhecida como Instituto de Manguinhos.
FEBRE MACULOSA BRASILEIRA
• Desde os estudos de Rocha Lima, vários micro-organismos foram - e
ainda estão sendo - encontrados e classificados como Rickettsias.
• Nas Américas, um grupo especial destas bactérias - o da febre
maculosa - é bem caracterizado como agente da febre das
Montanhas Rochosas (Estados Unidos), “fiebres manchadas”
(México) e da febre maculosa brasileira.
FEBRE MACULOSA
• Dentre os pesquisadores que investigaram a Febre das montanhas
rochosas, destaca-se aquele que acabaria dando seu sobrenome a
todo novo gênero de micro-organismos: Howard Taylor Ricketts.
• Em sua breve vida como pesquisador, Ricketts entre 1906 e 1909,
observou e descreveu micro-organismos encontrados em esfregaços
de tecidos de carrapatos e comprovou a transmissão do mal em
porquinhos da Índia (Cavia porcellus);
• Morto precocemente por infecção adquirida em seu laboratório, seu
legado somente foi complementado em 1926.
FEBRE METICULOSA BRASILEIRA
• Lemos Monteiro e seu auxiliar Edison Dias morreram em decorrência
da riquetsiose em 1933, numa época que não existia um
medicamento eficaz para seu combate.
• A pesquisa foi posteriormente interrompida e na atualidade, não há
vacina comercializada no Brasil contra a doença.
• Em relação aos dados notificados e comprovados no Brasil, no
período de 1957 a 1974 consta a ocorrência de 53 casos e no período
de 1976 a 1982 houve notificação de 10 casos
FEBRE METICULOSA BRASILEIRA
• Nas décadas de 1930 e 1940, Minas Gerais também foi atingida pela
doença, que passou a ser chamada de “Febre Maculosa Brasileira”.
• Em 1929 já se elaborava uma vacina a partir de carrapatos infectados
com R. Rickettsii, por iniciativa de pesquisadores do Instituto
Butantan, Lemos Monteiro, Travasso e Avallejo Freire.
• Contaminados em seu laboratório, Lemos Monteiro e seu auxiliar
Edison Dias morreram em decorrência da riquetsiose em 1933.
Século XX
• Epidemias ainda maiores em meio ao caos do pós-guerra da Europa
dos anos 1940 só foram evitadas pelo uso generalizado do recém-
descoberto DDT para matar os piolhos em milhões de refugiados e
pessoas deslocadas e do surgimento de antibióticos.
• A doença se fez presente em quase todas as guerras até então, e
chegou a influir diretamente no resultado de várias delas.
Século XX
• Em 1996 elaborou-se um programa de vigilância da febre maculosa
nas regiões de Campinas e de São João da Boa Vista (onde estão
situados os municípios acima), com o objetivo de controlar sua
transmissão;
• A doença foi declarada de notificação compulsória nestas regiões.
FEBRE METICULOSA BRASILEIRA
• A FMB vem ocorrendo, desde sua reemergência na década de 1980,
sobretudo na região sudeste e sul do Brasil, destacando-se o estado
de São Paulo como o de maior ocorrência de casos (AMERICAN
ACADEMY OF PEDIATRICS, 2006; GRAHAM, 2011; HERBET, 1982).
• Até o ano 2001, quando a FMB passou a ser considerada doença de
notificação compulsória em todo o país, os únicos estados que
mantinham um programa ativo de vigilância epidemiológica para a
FMB eram São Paulo e Minas Gerais.
FEBRE METICULOSA BRASILEIRAFEBRE METICULOSA BRASILEIRA
• Segundo dados do Ministério da Saúde, entre os anos de 1997 e 2010
houve a notificação de 868 casos confirmados de FMB, entre os quais
227 evoluíram para óbito, distribuídos entre os estados de São Paulo,
Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Bahia, Paraná, Santa
Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.
• No estado de São Paulo, as primeiras descrições de FMB, quando
ainda era denominada “typho exanthemático de São Paulo” (PIZA,
1932; LABRUNA, 2009
História do TIFO
História do TIFO
FEBRE METICULOSA BRASILEIRAFEBRE METICULOSA BRASILEIRA
Inicialmente descrita como doença com transmissão em áreas
tipicamente rurais e silvestres, a FMB vem ocorrendo também em
áreas periurbanas e urbanas (SOUZA, 2004).
São apontados como ambientes de maior risco áreas de pastagens,
matas ciliares, proximidades de coleções hídricas e com presença de
animais, como equinos e capivaras (SÃO PAULO, 2004)
CONSIDERAÇÕES FINAIS
• As riquetsioses têm inquestionável importância médica por sua
elevada mortalidade e merecem crescente atenção da saúde pública
mundial. Surtos isolados de grande letalidade continuam ocorrendo,
a exemplo dos recentes casos de FMB na região de Campinas (São
Paulo) e de tifo exantemático,observado em áreas elevadas da
América Latina (do México à América do Sul) e África.
• Os conhecimentos de seus mecanismos de transmissão, fisiopatologia
e controle devem-se ao estudo sistemático e cuidadoso de cientistas
de diversas nacionalidades. Vários são os brasileiros incluídos neste
seleto grupo. Eles se dedicaram, tiveram progressos e fracassos;
outros morreram na tentativa de obter respostas
REFERÊNCIAS
• ABRIL, SUPER. As grandes epidemias ao longo da história. Disponível
em:<http://super.abril.com.br/ciencia/as-grandes-epidemias-ao-longo-
da-historia>. Acesso em 17 de nov. de 2015.
• EDUCADORES, Dia a Dia. Linha do tempo das grandes Epidemias.
Disponível
em:<http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/simul
adoreseanimacoes/2011/biologia/5linha_epidemias.swf>.Acesso em 17
de nov. de 2015.
• FIOCRUZ. Rocha Lima, o pai das rickettsias. Disponivel
em:http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?
infoid=752&sid=7. Acesso em 17 de nov. de 2015.
REFERÊNCIAS
• FIOCRUZ. Febre meticulosa Brasileira; Disponível
em:<http://www.mediafire.com/view/8xx708ufn7pqu4g/livro-
carrapato-com-capa-pdf-isbn-novo.pdf>. Acesso em: 17 de novembro
de 2015.
• FURB. Rickettsias. Disponível em:
http://www2.inf.furb.br/sias/parasita/Textos/rickettsias.htm. Acesso
em : 17 de novembro de 2015.
• GURGEL, Cristina Brandt Friedrich Martin et al. Investigações das
riquetsioses: contribuições de cientistas brasileiros*. Rev Bras Clin
Med, São Paulo, v. 1, n. 7, p.256-260, 2009.
História do TIFO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
Janyedja Carvalho de Andrade
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
ITPAC PORTO
 
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Maria Freitas
 
Aula leishmaniose
Aula leishmanioseAula leishmaniose
Aula leishmaniose
Leninha Dos Anjos
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Ediones Costa
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Fêe Oliveira
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Protozoa / Protozoários
Protozoa / ProtozoáriosProtozoa / Protozoários
Protozoa / Protozoários
Rafael Nunes
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
naiellyrodrigues
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
Julia Martins Ulhoa
 
Aula 2
Aula 2   Aula 2
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Leonora Mello
 
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
Thiago André
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Tetano profilaxia e Tratamento final alexandre barbosa benedito barraviera ...
Tetano profilaxia e Tratamento final   alexandre barbosa benedito barraviera ...Tetano profilaxia e Tratamento final   alexandre barbosa benedito barraviera ...
Tetano profilaxia e Tratamento final alexandre barbosa benedito barraviera ...
Alexandre Naime Barbosa
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
Elismmelo55
 
0 conceitos sobre parasitologia
0   conceitos sobre parasitologia0   conceitos sobre parasitologia
0 conceitos sobre parasitologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
Gildo Crispim
 
Aula slides bacteriologia
Aula slides   bacteriologiaAula slides   bacteriologia
Aula slides bacteriologia
Simone Alvarenga
 
Questionário Hospedeiro e Parasita
Questionário Hospedeiro e ParasitaQuestionário Hospedeiro e Parasita
Questionário Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 

Mais procurados (20)

10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
 
Aula leishmaniose
Aula leishmanioseAula leishmaniose
Aula leishmaniose
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Protozoa / Protozoários
Protozoa / ProtozoáriosProtozoa / Protozoários
Protozoa / Protozoários
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
Aula 2
Aula 2   Aula 2
Aula 2
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
 
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Tetano profilaxia e Tratamento final alexandre barbosa benedito barraviera ...
Tetano profilaxia e Tratamento final   alexandre barbosa benedito barraviera ...Tetano profilaxia e Tratamento final   alexandre barbosa benedito barraviera ...
Tetano profilaxia e Tratamento final alexandre barbosa benedito barraviera ...
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
0 conceitos sobre parasitologia
0   conceitos sobre parasitologia0   conceitos sobre parasitologia
0 conceitos sobre parasitologia
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
 
Aula slides bacteriologia
Aula slides   bacteriologiaAula slides   bacteriologia
Aula slides bacteriologia
 
Questionário Hospedeiro e Parasita
Questionário Hospedeiro e ParasitaQuestionário Hospedeiro e Parasita
Questionário Hospedeiro e Parasita
 

Destaque

Tifo epidémico
Tifo epidémicoTifo epidémico
Tifo epidémico
Aidaly OM
 
Febre tifoide
Febre tifoideFebre tifoide
Febre tifoide
Jailson Maia
 
007 febre tifóide
007   febre tifóide007   febre tifóide
007 febre tifóide
Jonatas Barros
 
FEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDEFEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDE
Nelmidia Alves
 
Epidemias y pandemias
Epidemias y pandemiasEpidemias y pandemias
Epidemias y pandemias
Nami-Ayashi
 
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel diasExperiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
UFRRJ
 
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsiosesDesafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
UFRRJ
 
Tema aula 5 - desenvolvimento economico
Tema aula 5 - desenvolvimento economicoTema aula 5 - desenvolvimento economico
Tema aula 5 - desenvolvimento economico
Camila Freire
 
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em scVigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
UFRRJ
 
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileiraExperiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
UFRRJ
 
trabalho de bio doenças completo parte 2
trabalho de bio   doenças completo parte 2trabalho de bio   doenças completo parte 2
trabalho de bio doenças completo parte 2
eld09
 
Doenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatosDoenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatos
UFRRJ
 
.
..
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
Ricardo Alexandre
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
eld09
 
Febre tifoide
Febre tifoideFebre tifoide
Febre tifoide
HelenaDias26
 
Questionário temas 1 à 8
Questionário temas 1 à 8Questionário temas 1 à 8
Questionário temas 1 à 8
Douglas Machado
 
Difilobotríase
DifilobotríaseDifilobotríase
Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013
Mariana Freire
 
RADIOTERAPIA: HISTÓRICO
RADIOTERAPIA: HISTÓRICORADIOTERAPIA: HISTÓRICO
RADIOTERAPIA: HISTÓRICO
Herculys Douglas Clímaco Marques
 

Destaque (20)

Tifo epidémico
Tifo epidémicoTifo epidémico
Tifo epidémico
 
Febre tifoide
Febre tifoideFebre tifoide
Febre tifoide
 
007 febre tifóide
007   febre tifóide007   febre tifóide
007 febre tifóide
 
FEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDEFEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDE
 
Epidemias y pandemias
Epidemias y pandemiasEpidemias y pandemias
Epidemias y pandemias
 
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel diasExperiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
Experiencias do diagnostico da fmb fund. ezequiel dias
 
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsiosesDesafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
Desafios e perspectivas no diagnóstico laboaratorial das rickettsioses
 
Tema aula 5 - desenvolvimento economico
Tema aula 5 - desenvolvimento economicoTema aula 5 - desenvolvimento economico
Tema aula 5 - desenvolvimento economico
 
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em scVigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
 
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileiraExperiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
 
trabalho de bio doenças completo parte 2
trabalho de bio   doenças completo parte 2trabalho de bio   doenças completo parte 2
trabalho de bio doenças completo parte 2
 
Doenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatosDoenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatos
 
.
..
.
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Febre tifoide
Febre tifoideFebre tifoide
Febre tifoide
 
Questionário temas 1 à 8
Questionário temas 1 à 8Questionário temas 1 à 8
Questionário temas 1 à 8
 
Difilobotríase
DifilobotríaseDifilobotríase
Difilobotríase
 
Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013
 
RADIOTERAPIA: HISTÓRICO
RADIOTERAPIA: HISTÓRICORADIOTERAPIA: HISTÓRICO
RADIOTERAPIA: HISTÓRICO
 

Semelhante a História do TIFO

Apresentação Febre amarela
Apresentação Febre amarelaApresentação Febre amarela
Apresentação Febre amarela
Mariana Freire
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
lucas106085
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
Helena Batista
 
Trabalho doenças
Trabalho doenças Trabalho doenças
Trabalho doenças
junis cesar
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
Nelia Salles Nantes
 
Historia tuberculose
Historia tuberculoseHistoria tuberculose
Historia tuberculose
Priscilla Renata
 
Animais sinantrópicos
Animais sinantrópicosAnimais sinantrópicos
Animais sinantrópicos
olharverde
 
2005/2014
2005/20142005/2014
slide peste negra.pdf
slide peste negra.pdfslide peste negra.pdf
slide peste negra.pdf
RaquelAndrakelvin
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
cecilianoclaro
 
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdfAula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
Giza Carla Nitz
 
Pandemias 2009
Pandemias 2009Pandemias 2009
10 historiada malaria
10 historiada malaria10 historiada malaria
10 historiada malaria
Maria Jaqueline Mesquita
 
VARIOLA HISTÓRIA.pdf
VARIOLA HISTÓRIA.pdfVARIOLA HISTÓRIA.pdf
VARIOLA HISTÓRIA.pdf
CarinaSantos643837
 
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIXPara a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
José Mesquita
 
Modelos Matemáticos para Epidemias
Modelos Matemáticos para EpidemiasModelos Matemáticos para Epidemias
Modelos Matemáticos para Epidemias
Roberto Kraenkel
 
Guerras biológicas e imunidade
Guerras biológicas e imunidadeGuerras biológicas e imunidade
Guerras biológicas e imunidade
Moisés Siqueira
 
Doença do suor
Doença do suorDoença do suor
Doença do suor
Yana Sofia
 
A trajetória da parasitologia
A trajetória da parasitologiaA trajetória da parasitologia
A trajetória da parasitologia
Lucas Almeida Sá
 

Semelhante a História do TIFO (20)

Apresentação Febre amarela
Apresentação Febre amarelaApresentação Febre amarela
Apresentação Febre amarela
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
 
Trabalho doenças
Trabalho doenças Trabalho doenças
Trabalho doenças
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
 
Historia tuberculose
Historia tuberculoseHistoria tuberculose
Historia tuberculose
 
Animais sinantrópicos
Animais sinantrópicosAnimais sinantrópicos
Animais sinantrópicos
 
2005/2014
2005/20142005/2014
2005/2014
 
slide peste negra.pdf
slide peste negra.pdfslide peste negra.pdf
slide peste negra.pdf
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
 
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdfAula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
Aula 3 - Epidemiologia - Conceito e História.pdf
 
Pandemias 2009
Pandemias 2009Pandemias 2009
Pandemias 2009
 
10 historiada malaria
10 historiada malaria10 historiada malaria
10 historiada malaria
 
VARIOLA HISTÓRIA.pdf
VARIOLA HISTÓRIA.pdfVARIOLA HISTÓRIA.pdf
VARIOLA HISTÓRIA.pdf
 
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIXPara a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
Para a História da Saúde no Algarve. As epidemias do cólera-mórbus no século XIX
 
Modelos Matemáticos para Epidemias
Modelos Matemáticos para EpidemiasModelos Matemáticos para Epidemias
Modelos Matemáticos para Epidemias
 
Guerras biológicas e imunidade
Guerras biológicas e imunidadeGuerras biológicas e imunidade
Guerras biológicas e imunidade
 
Doença do suor
Doença do suorDoença do suor
Doença do suor
 
A trajetória da parasitologia
A trajetória da parasitologiaA trajetória da parasitologia
A trajetória da parasitologia
 

Mais de Mariana Freire

Valvolopatias
ValvolopatiasValvolopatias
Valvolopatias
Mariana Freire
 
Slide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vidaSlide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vida
Mariana Freire
 
Psicodinamica
Psicodinamica   Psicodinamica
Psicodinamica
Mariana Freire
 
Sae nanda 2013
Sae nanda 2013Sae nanda 2013
Sae nanda 2013
Mariana Freire
 
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosaTrabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Mariana Freire
 
Parto normal pós cesaria
Parto normal pós cesariaParto normal pós cesaria
Parto normal pós cesaria
Mariana Freire
 
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisaoGestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Mariana Freire
 
Confrei slides def
Confrei slides  defConfrei slides  def
Confrei slides def
Mariana Freire
 

Mais de Mariana Freire (8)

Valvolopatias
ValvolopatiasValvolopatias
Valvolopatias
 
Slide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vidaSlide - Qualidade de vida
Slide - Qualidade de vida
 
Psicodinamica
Psicodinamica   Psicodinamica
Psicodinamica
 
Sae nanda 2013
Sae nanda 2013Sae nanda 2013
Sae nanda 2013
 
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosaTrabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
 
Parto normal pós cesaria
Parto normal pós cesariaParto normal pós cesaria
Parto normal pós cesaria
 
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisaoGestao saude competencias_e_tomadadedecisao
Gestao saude competencias_e_tomadadedecisao
 
Confrei slides def
Confrei slides  defConfrei slides  def
Confrei slides def
 

História do TIFO

  • 2. RiquettsiasRiquettsias • São bactérias Gram-negativas agrupadas na família Rickettsiaceae, constituída pelos gêneros Rickettsia, Orientia, Coxiella, Bartonella, Ehrlichia e Anaplasma. • Derivada do grego, a palavra typhus significa fumaça, vapor, ilustra o estado de confusão mental, com tendência a estupor dos pacientes infectados.
  • 3. RiquettsiasRiquettsias • O gênero Rickettsia é dividido em dois grupos. O grupo tifo inclui três espécies, R. prowazekii, o agente do tifo exantemático e epidêmico, a R. typhi agente etiológico do tifo murino, e a Rickettsia rickettsii agente etiológico da Febre macular brasileira.
  • 4. PATOLOGIA CAUSA MEIO DE TRANSMISSÃO SINAIS E SINTOMAS DURAÇÃO DOS SINTOMAS TIFO EPIDÊMICO Rickettsia prowazekii PIOLHO Dores de cabeça, calafrio, febre, dor no corpo e nas articulações, manchas vermelhas e toxemia . Duas a três semanas. TIFO EXANTEMÁTICO Rickettsia prowazekii PIOLHO Dores de cabeça, calafrio, febre, dor no corpo e nas articulações, manchas vermelhas e toxemia . O tempo de incubação do tifo exantemático varia de 1 a 2 semanas, mas, na maior parte dos casos, os sintomas ficam evidentes dentro de 12 dias.
  • 5. PATOLOGIA CAUSADO PELA BACTÉRIA MEIO DE TRANSMISSÃO SINAIS E SINTOMAS DURAÇÃO DOS SINTOMAS TIFO MURINO Rickettsia mooseri RATOS Cefaleias, mialgias, artralgias, náuseas e mal estar, seguindo-se, 1 a 3 dias depois, início súbito de arrepios e febre. Náuseas e vómitos no início da doença Duas a três semanas. FEBRE MACULAR Rickettsia rickettsii CARRAPATOS O início dos sintomas é súbito e pouco específico, com febre, calafrios, cefaleia, hiperemia conjuntival, dores musculares e articulares; Entre o terceiro ao sexto dia de doença pode surgir exantema maculopapular generalizado .
  • 9. A HISTÓRIA DO TIFO • 430 a. C- Acredita-se que o tifo exantemático tenha sido a causa da chamada “Peste de Atenas”, descrita pelo historiador Tucídides. • Grande parte da população foi dizimada neste surto, mas as descrições sugerem que todos aqueles que trabalhavam junto ao fogo, como os forjadores, escapavam do mal.
  • 10. Século XV • Vários autores acreditam que o tifo foi introduzido no velho continente por volta de 1489, durante a reconquista de Granada pelos soldados espanhóis, que retornavam da ilha de Chipre. • A partir de então, a doença passou a vitimar a população do velho continente de forma assustadora. • Não há notícias sobre epidemias de tifo exantemático no Brasil. Sua importância histórica para o país relaciona-se ao período colonial, quando um grande número de viajantes adoecia ou morria durante a travessia atlântica.
  • 11. Século XV TIFO NOS NAVIOS •Pode ser explicada pela precária higiene vivenciada pelos viajantes, que conviviam com ratos, pulgas, piolhos e entre outros parasitas. •Além dos navegadores, os prisioneiros e soldados em campanha também sujeitos a toda a sorte de provações em ambientes pouco salubres, eram acometidos pelo tifo.
  • 12. SÉCULO XIX • Um dos episódios mais conhecidos sobre vítimas em campanhas militares foi na derrota de Napoleão Bonaparte em território russo. • Concomitantemente ao frio intenso que seu poderoso exército enfrentava, seus soldados foram dizimados pelo mal. • Durante as seis semanas iniciais dos deslocamentos das tropas, 20% dos homens estavam mortos ou sem condições físicas para combate devido à doença. • Em 1812, o tifo matou mais franceses do que soldados russos. Reduzindo um exército de 600 mil homens a 40 mil homens.
  • 13. Epidemia de tifo na Alemanha
  • 14. Vítimas de epidemia de tifo em Bergen-Belsen- Campo de concentração na Alemanha
  • 15. SÉCULO XIX • Em 1848 o TIFO foi responsável, juntamente com a fome, pela morte de 18 mil pessoas na Alta Silésia(zona industrial da Polônia e da República Tcheca). • Ao observar este surto, Virchow (1821-1902) elaborou um indignado relatório sobre as deploráveis condições de vida dos trabalhadores, principais vítimas da doença nas cidades. • Neste período pode-se de fato considerar que a Medicina sofria, desde o final do século XIX, uma revolução em vários campos, com destaque à infectologia.
  • 17. SÉCULO XX • O TIFO Ocasionou 3 milhões de mortos (Europa Oriental e Rússia) -O TIFO Ocasionou 3 milhões de mortos (Europa Oriental e Rússia) - 1918 a 19221918 a 1922 • A doença estava se propagando rapidamente entre os militares que combatiam nas guerras balcânicas (1912-13), e havia uma grande preocupação de que a enfermidade, altamente contagiosa, viesse a se alastrar pela Europa. • Com o início da 1ª Guerra Mundial, em agosto de 1914, Rocha Lima e Von Prowazek tiveram de voltar para Hamburgo.
  • 19. SÉCULO XX • Em 1914, Rocha Lima foi indicado pelo governo alemão para estudar a doença em Constantinopla, na Turquia. Em meio à primeira Guerra Mundial, em dezembro do mesmo ano retorna à Alemanha e dirige- se para o campo de prisioneiros de, onde sete mil de um total de 10 mil tinham contraído tifo. • Já se sabia que eram os piolhos os transmissores da doença, uma descoberta feita pelo pesquisador Charles Nicolle, em 1909. • Infelizmente, não demorou muito para Prowazek se contaminar com os materiais preparados a fresco, falecendo em 17 de fevereiro de 1915.
  • 20. SÉCULO XX • Seguiram, então, para o campo de prisioneiros de Cottbus, onde sete mil de um total de 10 mil tinham contraído tifo. Já se sabia que eram os piolhos os transmissores da doença, uma descoberta feita pelo pesquisador Charles Nicolle, em 1909. • Infelizmente, não demorou muito para Prowazek se contaminar com os materiais preparados a fresco, falecendo em 17 de fevereiro de 1915.
  • 22. SÉCULO XX • Em 15 de fevereiro de 1916, Rocha Lima finalmente anunciou a descoberta do causador do tifo epidêmico. • Suas pesquisas, no entanto, não receberam o reconhecimento devido da comunidade científica. Em 1928, Charles Jules Henri Nicolle recebeu o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia por ter descoberto que o piolho era o transmissor do tifo epidêmico e Rocha Lima sequer foi citado. • Mas seu nome foi perpetuado ao fazer surgir um novo capítulo na história da microbiologia e das doenças infecciosas – as Riquetsioses.
  • 23. SÉCULO XX • Para investigar o agente causal do tifo exantemático, nomes de destaque na pesquisa em doenças infecciosas foram chamados para o Instituto de Doenças Tropicais de Hamburgo (Alemanha). • Um deles era membro atuante de Manguinhos, que mais tarde se tornaria o Instituto Oswaldo Cruz: o brasileiro Henrique da Rocha Lima.
  • 24. Henrique da Rocha Lima • Nascido no Rio de Janeiro em 24 de novembro de 1879, Henrique da Rocha Lima tornou-se famoso internacionalmente pela descoberta da causa do tifo epidêmico (ou exantemático). • Rocha Lima foi um dos primeiros a frequentar o Instituto Oswaldo Cruz, na época chamado Instituto Soroterápico Federal. Antes mesmo de se formar em 1901 pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, já trabalhava na instituição, mais conhecida como Instituto de Manguinhos.
  • 25. FEBRE MACULOSA BRASILEIRA • Desde os estudos de Rocha Lima, vários micro-organismos foram - e ainda estão sendo - encontrados e classificados como Rickettsias. • Nas Américas, um grupo especial destas bactérias - o da febre maculosa - é bem caracterizado como agente da febre das Montanhas Rochosas (Estados Unidos), “fiebres manchadas” (México) e da febre maculosa brasileira.
  • 26. FEBRE MACULOSA • Dentre os pesquisadores que investigaram a Febre das montanhas rochosas, destaca-se aquele que acabaria dando seu sobrenome a todo novo gênero de micro-organismos: Howard Taylor Ricketts. • Em sua breve vida como pesquisador, Ricketts entre 1906 e 1909, observou e descreveu micro-organismos encontrados em esfregaços de tecidos de carrapatos e comprovou a transmissão do mal em porquinhos da Índia (Cavia porcellus); • Morto precocemente por infecção adquirida em seu laboratório, seu legado somente foi complementado em 1926.
  • 27. FEBRE METICULOSA BRASILEIRA • Lemos Monteiro e seu auxiliar Edison Dias morreram em decorrência da riquetsiose em 1933, numa época que não existia um medicamento eficaz para seu combate. • A pesquisa foi posteriormente interrompida e na atualidade, não há vacina comercializada no Brasil contra a doença. • Em relação aos dados notificados e comprovados no Brasil, no período de 1957 a 1974 consta a ocorrência de 53 casos e no período de 1976 a 1982 houve notificação de 10 casos
  • 28. FEBRE METICULOSA BRASILEIRA • Nas décadas de 1930 e 1940, Minas Gerais também foi atingida pela doença, que passou a ser chamada de “Febre Maculosa Brasileira”. • Em 1929 já se elaborava uma vacina a partir de carrapatos infectados com R. Rickettsii, por iniciativa de pesquisadores do Instituto Butantan, Lemos Monteiro, Travasso e Avallejo Freire. • Contaminados em seu laboratório, Lemos Monteiro e seu auxiliar Edison Dias morreram em decorrência da riquetsiose em 1933.
  • 29. Século XX • Epidemias ainda maiores em meio ao caos do pós-guerra da Europa dos anos 1940 só foram evitadas pelo uso generalizado do recém- descoberto DDT para matar os piolhos em milhões de refugiados e pessoas deslocadas e do surgimento de antibióticos. • A doença se fez presente em quase todas as guerras até então, e chegou a influir diretamente no resultado de várias delas.
  • 30. Século XX • Em 1996 elaborou-se um programa de vigilância da febre maculosa nas regiões de Campinas e de São João da Boa Vista (onde estão situados os municípios acima), com o objetivo de controlar sua transmissão; • A doença foi declarada de notificação compulsória nestas regiões.
  • 31. FEBRE METICULOSA BRASILEIRA • A FMB vem ocorrendo, desde sua reemergência na década de 1980, sobretudo na região sudeste e sul do Brasil, destacando-se o estado de São Paulo como o de maior ocorrência de casos (AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS, 2006; GRAHAM, 2011; HERBET, 1982). • Até o ano 2001, quando a FMB passou a ser considerada doença de notificação compulsória em todo o país, os únicos estados que mantinham um programa ativo de vigilância epidemiológica para a FMB eram São Paulo e Minas Gerais.
  • 32. FEBRE METICULOSA BRASILEIRAFEBRE METICULOSA BRASILEIRA • Segundo dados do Ministério da Saúde, entre os anos de 1997 e 2010 houve a notificação de 868 casos confirmados de FMB, entre os quais 227 evoluíram para óbito, distribuídos entre os estados de São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Bahia, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal. • No estado de São Paulo, as primeiras descrições de FMB, quando ainda era denominada “typho exanthemático de São Paulo” (PIZA, 1932; LABRUNA, 2009
  • 35. FEBRE METICULOSA BRASILEIRAFEBRE METICULOSA BRASILEIRA Inicialmente descrita como doença com transmissão em áreas tipicamente rurais e silvestres, a FMB vem ocorrendo também em áreas periurbanas e urbanas (SOUZA, 2004). São apontados como ambientes de maior risco áreas de pastagens, matas ciliares, proximidades de coleções hídricas e com presença de animais, como equinos e capivaras (SÃO PAULO, 2004)
  • 36. CONSIDERAÇÕES FINAIS • As riquetsioses têm inquestionável importância médica por sua elevada mortalidade e merecem crescente atenção da saúde pública mundial. Surtos isolados de grande letalidade continuam ocorrendo, a exemplo dos recentes casos de FMB na região de Campinas (São Paulo) e de tifo exantemático,observado em áreas elevadas da América Latina (do México à América do Sul) e África. • Os conhecimentos de seus mecanismos de transmissão, fisiopatologia e controle devem-se ao estudo sistemático e cuidadoso de cientistas de diversas nacionalidades. Vários são os brasileiros incluídos neste seleto grupo. Eles se dedicaram, tiveram progressos e fracassos; outros morreram na tentativa de obter respostas
  • 37. REFERÊNCIAS • ABRIL, SUPER. As grandes epidemias ao longo da história. Disponível em:<http://super.abril.com.br/ciencia/as-grandes-epidemias-ao-longo- da-historia>. Acesso em 17 de nov. de 2015. • EDUCADORES, Dia a Dia. Linha do tempo das grandes Epidemias. Disponível em:<http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/simul adoreseanimacoes/2011/biologia/5linha_epidemias.swf>.Acesso em 17 de nov. de 2015. • FIOCRUZ. Rocha Lima, o pai das rickettsias. Disponivel em:http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm? infoid=752&sid=7. Acesso em 17 de nov. de 2015.
  • 38. REFERÊNCIAS • FIOCRUZ. Febre meticulosa Brasileira; Disponível em:<http://www.mediafire.com/view/8xx708ufn7pqu4g/livro- carrapato-com-capa-pdf-isbn-novo.pdf>. Acesso em: 17 de novembro de 2015. • FURB. Rickettsias. Disponível em: http://www2.inf.furb.br/sias/parasita/Textos/rickettsias.htm. Acesso em : 17 de novembro de 2015. • GURGEL, Cristina Brandt Friedrich Martin et al. Investigações das riquetsioses: contribuições de cientistas brasileiros*. Rev Bras Clin Med, São Paulo, v. 1, n. 7, p.256-260, 2009.