SlideShare uma empresa Scribd logo
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 1
Arquétipos
Definição
Arquétipo
grego ἀρχή - arché: principal ou princípio
τύπος - tipós: impressão, marca)
é o primeiro modelo ou imagem de alguma coisa, antigas
impressões sobre algo.
Conceito explorado em diversos campos de estudo, como
a Filosofia, a Psicologia e a Narratologia.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Arqu%C3%A9tipo
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 2
Arquétipos
Definição - Jung
Carl Gustav Jung
~1920 – Arquétipos são imagens antigas ou
arcaicas que derivam do inconsciente coletivo.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 3
Arquétipos
Carl Gustav Jung
Dois tipos GERAIS de
disposição (perfis)
• Introvertido
• Extrovertido
Quatro tipos FUNCIONAIS
• Pensamento
• Sentimento
• Percepção
• Intuição
Oito Perfis Combinados GxF
JUNG, C. G. Tipos Psicológicos. Rio de Janeiro, Zahar, 1976.
Definição - Jung
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 4
Arquétipos
Joseph Campbell 1949
Definição - Campbell
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 5
Arquétipos
Definição - Campbell
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 6
Arquétipos
Definição - Campbell
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 7
Arquétipos
Definição - Campbell
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 8
Arquétipos
Definição - Campbell
O monomito está dividido em três seções:
1.  Partida (às vezes chamada Separação),
2.  Iniciação e
3.  Retorno.
A Partida lida com o herói aspirando à sua jornada;
a Iniciação contém as várias aventuras do herói ao longo de seu
caminho;
e o Retorno é o momento em que o herói volta a casa com o
conhecimento e os poderes que adquiriu ao longo da jornada.
Isto foi estabelecido por Joseph Campbell na primeira parte do livro O Herói
de Mil Faces, intitulada A Aventura do Herói. A tese do autor é de que todos
os mitos seguem essa estrutura em algum grau.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 9
Arquétipos
Definição - Campbell
Para citar vários exemplos, as histórias de Prometeu, Osíris, Buda e Jesus
Cristo todas seguem este paradigma quase exatamente.
A Odisseia apresenta repetições freqüentes da Iniciação.
O conto da Gata Borralheira (Cinderela) segue esta estrutura um tanto mais
livremente.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 10
Arquétipos
Definição - Campbell
http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
Os 12 Estágios da Jornada do Herói
1. Mundo Comum - O mundo normal do herói antes da história começar.
2. O Chamado da Aventura - Um problema se apresenta ao herói: um desafio
ou a aventura.
3. Reticência do Herói ou Recusa do Chamado - O herói recusa ou demora a
aceitar o desafio ou aventura, geralmente porque tem medo.
4. Encontro com o mentor ou Ajuda Sobrenatural - O herói encontra
um mentor que o faz aceitar o chamado e o informa e treina para sua aventura.
5. Cruzamento do Primeiro Portal - O herói abandona o mundo comum para
entrar no mundo especial ou mágico.
6. Provações, aliados e inimigos ou A Barriga da Baleia - O herói enfrenta
testes, encontra aliados e enfrenta inimigos, de forma que aprende as regras do
mundo especial.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 11
Arquétipos
Definição - Campbell
http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
Os 12 Estágios da Jornada do Herói
7. Aproximação - O herói tem êxitos durante as provações
8. Provação difícil ou traumática - A maior crise da aventura, de vida ou
morte.
9. Recompensa - O herói enfrentou a morte, se sobrepõe ao seu medo e
agora ganha uma recompensa (o elixir).
10. O Caminho de Volta - O herói deve voltar para o mundo comum.
11. Ressurreição do Herói - Outro teste no qual o herói enfrenta a morte, e
deve usar tudo que foi aprendido.
12. Regresso com o Elixir - O herói volta para casa com o elixir, e o usa
para ajudar todos no mundo comum.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 12
Arquétipos
Definição - Campbell
http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
2. Descida, Iniciação, Penetração
Estrada de Provas
Encontro com a Deusa
A Mulher como Tentação
Sintonia com o Pai
Apoteose
A Grande Conquista
Os Estágios de "O Herói de Mil Faces”
1. Partida, Separação
Mundo cotidiano
Chamado à aventura
Recusa do Chamado
Ajuda Sobrenatural
Travessia do Primeiro Limiar
No Ventre da Baleia
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 13
Arquétipos
Definição - Campbell
http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
3. Retorno
Recusa do Retorno
Vôo Mágico
Resgate de Dentro
Travessia do Limiar
Retorno
Senhor de Dois mundos
Liberdade para Viver
Os Estágios de "O Herói de Mil Faces”
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 14
Arquétipos
Definição - Campbell
YouTube Videos
Part 1: The Call to Adventure – O Chamado a Aventura
Part 2: Supernatural Aid – A Ajuda Sobrenatural
Part 3: Crossing the First Threshold – Travessia do Primeiro Limiar
Part 4: The Belly of the Whale - No Ventre da Baleia
Part 5: The Road of Trials – A Estrada de Provações
Part 6: Meeting with the Goddess – O Encontro com a Deusa
Part 7: The Ultimate Boon – O Derradeiro Desafio
Part 8: The Magic Flight – O Vôo Mágico
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 15
Arquétipos
1992, 1998, 2007Christopher Vogler
Definição - Vogler
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 16
Arquétipos
Definição - Vogler
http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 17
Arquétipos
Definição - Vogler
http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 18
Arquétipos
Definição - Vogler
http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 19
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
MUNDO COMUM
O mundo comum é o espaço cotidiano do herói, onde ele vive. O herói
pode estar satisfeito com este mundo ou ter desejo de modifica-lo (ou
sair dele).
CHAMADO À AVENTURA
Quando acontece algo que modifica o mundo comum e o herói é
convidado a partir para restaura-lo. No outro caso, se possibilita ao
herói mudar ou abandonar o mundo comum.
RECUSA AO CHAMADO
Ao receber o chamado o herói hesita devido ao temor natural de se
partir para o desconhecido.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 20
Arquétipos
Definição - Vogler
http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 21
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
ENCONTRO COM O MENTOR
O mentor estimula o herói a partir para a aventura e dá a ele informações
ou presentes que serão úteis no mundo especial. Com algum
conhecimento sobre este mundo o herói se sente mais seguro e começa
a sua jornada.
TRAVESSIA DO PRIMEIRO LIMIAR
A partir deste momento não há mais volta. O herói assume seu
compromisso com a aventura e entra no mundo especial, mesmo que
queira já não pode mais retornar. É a passagem pelo Guardião do Limiar.
TESTES, ALIADOS E INIMIGOS
Nesta etapa o herói tem suas forças testadas no mundo especial. Ele
encontra seus aliados na aventura e seus inimigos (aliados da sombra).
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 22
Arquétipos
Definição - Vogler
http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 23
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
APROXIMAÇÃO DA CAVERNA OCULTA
O herói se aproxima do lugar mais sombrio do mundo especial. Pode
ser a fortaleza da sombra ou outro lugar sinistro, onde ele deve ir para
encontrar um meio de enfrentar a sombra. Em muitos casos o herói
pode ainda ignorar a necessidade de se entrar na caverna oculta, mas
os rumos da história o levam até lá, onde ele enfrentará seus maiores
medos e pesadelos.
PROVAÇÃO SUPREMA
O herói entra na caverna oculta e enfrenta a morte (simbólica ou física).
Aparentemente sem saída, o herói enfrenta o grande perigo e após
parecer morrer, ele triunfa.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 24
Arquétipos
Definição - Vogler
http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 25
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
RECOMPENSA
Após triunfar sobre a morte (ou grande perigo) o herói adaptado ao
comum desaparece para o surgimento do herói adaptado ao mundo
especial. De certa forma ocorre uma morte simbólica. Este herói
renovado é capaz de enfrentar a sombra. Na caverna ele obteve a
recompensa da luta, que pode ser conhecimento, armas. Com esta nova
força ele passa pelo limiar do mundo especial para retornar para o seu
mundo.
O CAMINHO DE VOLTA
No caminho de saída do mundo especial o herói encontra as
conseqüências de ter manipulado ou enfrentado as forças obscuras do
mundo especial. Ele é perseguido por estas forças. Geralmente nesta
etapa um sacrifício deve ser feito, o herói pode perder um aliado ou o
seu mentor.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 26
Arquétipos
Definição - Vogler
http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 27
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
RESSURREIÇÃO
Nesta etapa a sombra faz sua última tentativa para destruir o herói, mas
é derrotada definitivamente. O herói vitorioso deve perecer para poder
retornar ao seu mundo comum, em seu lugar tem-se o herói adaptado
ao mundo comum, mas muito mais sábio e forte que o herói inicial.
Ocorre, então, uma segunda morte simbólica. O guerreiro deixa suas
armas e se limpa do sangue dos inimigos para retornar a sua vida.
VOLTA COM O ELIXIR
Terminada a transformação o herói entra triunfante no mundo comum.
Ele traz consigo a recompensa de sua jornada. Esta recompensa varia
conforme a história e possui um valor superior da recompensa obtida
anteriormente. Ela será partilhada com os seus companheiros do mundo
comum ou possibilitará ao herói uma vida nova no seu mundo.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 28
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
Arquétipo HERÓI
♦ Possui qualidades louváveis, mas também fraquezas.
♦ Se sacrifica pelo bem de todos.
♦ Usualmente, é o protagonista e a narrativa é a história de sua
jornada.
♦ Enfrenta obstáculos, muitos com risco de vida, onde a morte
pode ocorrer física ou simbólicamente. Quando morre, se torna
mártir, quando sobrevive as provas, renasce como um novo
ser.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 29
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo HERÓI
Lucky Sky Walker
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 30
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
Arquétipo MENTOR
♦ Auxilia o Herói a se preparar para a sua jornada.
♦ Prove ao Herói o conhecimento ou os recursos necessários
para que ele comece a sua aventura com confiança e
coragem.
♦ Socorre o Herói em momentos críticos através de conselhos e/
ou recursos especiais.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 31
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo MENTOR
Obi-Wan Kenobi
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 32
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo MENTOR
Mestre Yoda
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 33
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo MENTOR
Dumbledore
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 34
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
Arquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
♦ Se contrapõe ao Herói através de desafios e obstáculos.
♦ Não precisam ser humanos, podem ser elementos de um
cenário, objetos, animais, etc.
♦ No caso de serem asseclas do vilão principal, oferecem ao
Herói uma visão de como será a batalha final contra este vilão.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 35
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 36
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 37
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 38
Arquétipos
Definição – Vogler
http://roteiroparacinema.blogspot.com.br/2009/08/arauto.html
Arquétipo ARAUTO
♦ Na mitologia grega, Hermes era o Arauto dos deuses, era quem
levava os recados de Zeus. Na dramaturgia, sua função é mover a
história para frente anunciando a necessidade de mudança.
♦ Normalmente, aparece no Ato I, impulsionando o herói a aceitar o
Chamado à Aventura.
♦ Pode revelar-se de diversas maneiras: como um personagem, uma
carta, um livro ou mesmo um filme cuja mensagem nos atinge num
ponto em que precisamos mudar.
♦ Pode ser negativo quando induz o Herói a uma aventura perigosa,
que coloque em risco a vida dele. Quando isso acontece, é
possível que seja aliado de algum vilão ou antagonista.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 39
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo ARAUTO
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 40
Arquétipos
Definição – Vogler
http://roteiroparacinema.blogspot.com.br/2009/08/arauto.html
Arquétipo CAMALEÃO / METAMORFO
♦ A característica principal é a mudança de aparência ou de caráter,
sendo difícil prever o seu comportamento.
♦ Na história, está associado a imprevisibilidade e pode ser aliado do
herói ou de seus inimigos.
♦ Vários personagens podem assumir esta característica ao longo
da história.
♦ Pode mudar de posição ao longo do correr da história.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 41
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo CAMALEÃO / METAMORFO
Han Solo / Star Wars
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 42
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
Arquétipo SOMBRA
♦ Representa o vilão ou inimigo do herói. Seu objetivo é, geralmente,
a morte ou destruição definitiva do herói.
♦ A função primordial é impor desafios ao herói, de modo que este
tenha que se fortalecer para vence-los.
♦ Em uma história de luta psicológica, pode ser representada por
traumas e culpas do próprio herói.
♦ Além de fraquezas que podem ser exploradas pelo herói, o sombra
pode ter um lado bom ou uma visão que justifique suas ações.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 43
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo SOMBRA
Lex Luthor
Superman
Darth Vader
Star Wars
Capitão Gancho
Peter Pan
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 44
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo SOMBRA
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 45
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
Arquétipo PICARO
♦ Representado por um personagem cômico (palhaço), carrega em si
o desejo de mudança da realidade.
♦ Acorda o herói para a realidade, denunciando a hipocrisia e o lado
ridículo de situações apresentadas.
♦ Traz alívio cômico após uma situação tensa da história.
♦ O personagem transparece bom humor e, algumas vezes,
ingenuidade.
♦ Heróis podem transparecer um estilo picaresco.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 46
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo PICARO
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 47
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo PICARO
C3PO e R2D2
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 48
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
Arquétipo ANJO
♦ Sua função é ligar o herói a um destino ou a um plano maior (pode
se confundir com MENTOR ou ARAUTO).
♦ Se uma decisão do herói o afasta do rumo da história, um anjo
pode fazer com que ele retorne ao caminho original.
♦ Os anjos também podem aparecer como anjos caídos que fazem o
herói se afastar de seu objetivo.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 49
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo ANJO
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 50
Arquétipos
Definição – Vogler
http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc
Arquétipo OUVINTE
♦ Sua função é fazer com que as personagens principais passem
informações ao espectador, através do diálogo.
♦ Ele não tem trajetória própria e aparece sempre próximo ao
protagonista ou ao vilão e ouve suas impressões pessoais sobre o
desenrolar da história.
♦ Pode confundir com ARAUTO e MENTOR.
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 51
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo OUVINTE
Carlos Alberto - A Praça é Nossa
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 52
Arquétipos
Definição – Vogler
Arquétipo OUVINTE
Carlos Alberto - A Praça é Nossa
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 53
Arquétipos
Definição – Vogler
Outras Referências
Os Arquétipos na Fantasia – Parte 1
http://livrodosespelhos.com/os-arquetipos-na-fantasia-parte-1/
Os Arquétipos na Fantasia – Parte 2
http://livrodosespelhos.com/os-arquetipos-na-fantasia-parte-2/
Arquétipos
http://dicasderoteiro.com/2009/12/30/arquetipos/
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 54
Arquétipos
Definição – Vogler
Outras Referências
História Primeiro, Personagens Depois
http://dicasderoteiro.com/tag/personagens/
Quando Criar Novos Personagens
http://dicasderoteiro.com/2011/01/03/quando-criar-novos-personagens/
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 55
Arquétipos
Definição – Cowden
Tami Cowden
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 56
Arquétipos
Definição – Cowden
http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/
8 Tipos de Heróis
O CHEFE:
Um líder dinâmico, ele não tem tempo para nada além de
trabalhar. Ele pode ter nascido para liderar, ou talvez ele tenha
conquistado seu lugar até o topo, mas de qualquer modo, ele é
durão, decidido e determinado a conquistar suas metas. Isso
significa que ele também é um pouco dominador, arrogante e
inflexível. Pense em Yun-Fat Chow em Anna e o Rei (Anna and
the King, 1999), Harrison Ford em Sabrina (Sabrina, 1995), ou
Marlon Brando em O Poderoso Chefão (The Godfather, 1972).
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 57
Arquétipos
Definição – Cowden
8 Tipos de Heróis
O CHEFE
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 58
Arquétipos
Definição – Cowden
http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/
8 Tipos de Heróis
O REBELDE (BAD BOY):
Perigoso, ele gosta de viver selvagemente. Este é o rebelde, o
garoto do lado pobre da cidade. Ele é amargo e inconstante, um
idealista oprimido, mas também é carismático e sabe sobreviver
nas ruas. Pense em James Dean em Juventude Transviada (Rebel
Without a Cause, 1955), Matt Damon em Gênio Indomável (Good
Will Hunting, 1997), Patrick Swayze em Dirty Dancing – Ritmo
Quente (Dirty Dancing, 1987), Kurt Russell em Fuga de Nova York
(Escape From New York, 1981).
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 59
Arquétipos
Definição – Cowden
8 Tipos de Heróis
O REBELDE
Kurt Russell
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 60
Arquétipos
Definição – Cowden
http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/
8 Tipos de Heróis
O MELHOR AMIGO:
Doce e digno de confiança, ele nunca deixa ninguém na mão. Ele é
gentil, responsável, decente, um Sr. Cara Legal comum. Este
homem não gosta de confrontos e pode ocasionalmente ser
indeciso porque ele não quer ferir os sentimentos de ninguém. Mas
ele sempre estará lá para quem contar com ele. Pense em Jimmy
Stewart em A Felicidade Não Se Compra (It’s a Wonderful Life,
1946), Adam Sandler em Afinado No Amor (The Wedding Singer,
1998), Hugh Grant em Quatro Casamentos e Um Funeral (Four
Weddings and a Funeral, 1994), Kevin Spacey em Beleza
Americana (American Beauty, 1999).
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 61
Arquétipos
Definição – Cowden
8 Tipos de Heróis
O MELHOR AMIGO
Kevin Spacey
Hugh Grant
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 62
Arquétipos
Definição – Cowden
http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/
8 Tipos de Heróis
O ENCANTADOR:
Mais que um gigolô, ele cria fantasias. Ele é divertido, irresistível,
um manipulador afável, mas não muito responsável nem confiável.
Ele pode ser um playboy ou um malandro, e não se compromete
facilmente com uma mulher. Pense em Leonardo DiCaprio em
Titanic (Titanic, 1997), James Garner & Mel Gibson em Maverick
(Maverick, 1994), Don Johnson na série Nash Bridges (Nash
Bridges, 1996 – 2001), Dustin Hoffman em Perdidos Na Noite
(Midnight Cowboy, 1969).
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 63
Arquétipos
Definição – Cowden
8 Tipos de Heróis
O ENCANTADOR
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 64
Arquétipos
Definição – Cowden
http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/
8 Tipos de Heróis
A ALMA PERDIDA:
Um ser sensitivo, ele compreende as coisas. Torturado, reservado,
meditativo, e rancoroso. Assim é este homem. Mas ele também é
vulnerável. Ele pode ser um viajante ou um pária. No trabalho ele é
criativo, mas provavelmente também um solitário. Pense em Shrek
em Shrek (Shrek, 2001), Mel Gibson em Máquina Mortífera (Lethal
Weapon, 1987), David Duchovny na série Arquivo X (The X-Files,
1993-2002), a Fera em A Bela e a Fera (Beauty and the Beast,
1991).
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 65
Arquétipos
Definição – Cowden
8 Tipos de Heróis
ALMA PERDIDA
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 66
Arquétipos
Definição – Cowden
http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/
8 Tipos de Heróis
O PROFESSOR
Analista frio, ele sabe a resposta. Ele é lógico, introvertido e
inflexível, mas verdadeiro em seus sentimentos. No trabalho ele
gosta de fatos duros e frios, mas ele também é honesto e fiel e não
deixará você na mão. Pense em Leonard Nimoy na série Jornada
Nas Estrelas (Star Trek, 1966-1969), Robin Williams em Flubber –
Uma Invenção Desmiolada (Flubber, 1997), Kelsey Grammer na
série Frasier (Frasier, 1993-2004), Russell Crowe em Uma Mente
Brilhante (A Beautiful Mind, 2001).
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 67
Arquétipos
Definição – Cowden
8 Tipos de Heróis
O PROFESSOR
Kelsey Grammer Leonard Nimoy
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 68
Arquétipos
Definição – Cowden
http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/
8 Tipos de Heróis
O OUSADO (VALENTÃO)
O Sr. Agitação é um aventureiro. Este cara é ação, ação e mais
ação. Ele é audacioso e fisicamente ativo. Corajoso, ele é um
atrevido ou um explorador. Ele necessita de excitações e calafrios
para manter-se feliz. Pense em Antonio Banderas em A Máscara do
Zorro (The Mask of Zorro, 1998), Michael Douglas em Tudo Por
Uma Esmeralda (Romancing the Stone, 1984), Harrison Ford em
Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida (Raiders of the Lost
Ark, 1981)
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 69
Arquétipos
Definição – Cowden
8 Tipos de Heróis
O OUSADO (VALENTÃO)
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 70
Arquétipos
Definição – Cowden
http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/
8 Tipos de Heróis
O GUERREIRO
Um nobre campeão, ele age com honra. Este homem é ou o
salvador relutante ou o cavaleiro na armadura brilhante. Ele é
nobre, persistente, incansável, e sempre defende os oprimidos.
Para quem precisa de um protetor, ele é o cara. Ele não se rende
às regras e nem concorda com algo só para se dar bem com as
pessoas. Pense em Tom Hanks em Estrada Para Perdição (The
Road To Perdition, 2001), Clint Eastwood em Perseguidor
Implacável (Dirty Harry, 1971), Russell Crowe em Gladiador
(Gladiator, 2000), Mel Gibson em Coração Valente (Braveheart,
1995), Tobey Maguire em Homem-Aranha (Spider-Man, 2002).
U
F
P
R
LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 71
Arquétipos
Definição – Cowden
8 Tipos de Heróis
O GUERREIRO
Russell Crowe
Tobey Maguire

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
Viviane Calasans
 
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro LiterárioAnimação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
profealbattaiola
 
Produção e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualProdução e realização Audiovisual
Produção e realização Audiovisual
Feliciano Novo
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
cattonia
 
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia BásicaAula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
tiago.ufc
 
O Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãOO Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãO
José A. Moreno
 
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAISEVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
Tiago Lopes
 
Sinopse ou story line
Sinopse ou story lineSinopse ou story line
Sinopse ou story line
Josué Brazil
 
Comunicação e semiótica
Comunicação e semióticaComunicação e semiótica
Comunicação e semiótica
jepireslima
 
Direção de Arte
Direção de ArteDireção de Arte
Direção de Arte
Yu Amaral
 
Documentário: historia e linguagem
Documentário: historia e linguagemDocumentário: historia e linguagem
Documentário: historia e linguagem
richard_romancini
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
profealbattaiola
 
Enquadramento de câmera
Enquadramento de câmeraEnquadramento de câmera
Enquadramento de câmera
Renata Trindade
 
Arquétipos e Jornada do Herói
Arquétipos e Jornada do HeróiArquétipos e Jornada do Herói
Arquétipos e Jornada do Herói
Vinicius Carlos Vieira
 
01. O cinema como arte
01. O cinema como arte01. O cinema como arte
01. O cinema como arte
Cristiano Canguçu
 
Estruturas Narrativas (para Storytelling)
Estruturas Narrativas (para Storytelling)Estruturas Narrativas (para Storytelling)
Estruturas Narrativas (para Storytelling)
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisual
Marcioveras
 
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual aula 1
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  aula 1RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  aula 1
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual aula 1
UNIP. Universidade Paulista
 
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
#Jão Pablo
 
A historia do stop motion
A historia do stop motionA historia do stop motion
A historia do stop motion
Daniela Pinto
 

Mais procurados (20)

Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
 
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro LiterárioAnimação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
 
Produção e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualProdução e realização Audiovisual
Produção e realização Audiovisual
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia BásicaAula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
 
O Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãOO Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãO
 
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAISEVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
 
Sinopse ou story line
Sinopse ou story lineSinopse ou story line
Sinopse ou story line
 
Comunicação e semiótica
Comunicação e semióticaComunicação e semiótica
Comunicação e semiótica
 
Direção de Arte
Direção de ArteDireção de Arte
Direção de Arte
 
Documentário: historia e linguagem
Documentário: historia e linguagemDocumentário: historia e linguagem
Documentário: historia e linguagem
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
 
Enquadramento de câmera
Enquadramento de câmeraEnquadramento de câmera
Enquadramento de câmera
 
Arquétipos e Jornada do Herói
Arquétipos e Jornada do HeróiArquétipos e Jornada do Herói
Arquétipos e Jornada do Herói
 
01. O cinema como arte
01. O cinema como arte01. O cinema como arte
01. O cinema como arte
 
Estruturas Narrativas (para Storytelling)
Estruturas Narrativas (para Storytelling)Estruturas Narrativas (para Storytelling)
Estruturas Narrativas (para Storytelling)
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisual
 
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual aula 1
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  aula 1RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  aula 1
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual aula 1
 
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
 
A historia do stop motion
A historia do stop motionA historia do stop motion
A historia do stop motion
 

Mais de profealbattaiola

Anim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_CustoAnim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_Custo
profealbattaiola
 
Anim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwaresAnim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwares
profealbattaiola
 
Anim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_BackgroundAnim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_Background
profealbattaiola
 
Anim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 TemporizacaoAnim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 Temporizacao
profealbattaiola
 
Anim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 SincroniaAnim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 Sincronia
profealbattaiola
 
Anim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 PlanejamentoAnim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 Planejamento
profealbattaiola
 
Anim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
Anim2 Aula04 Ciclo de CaminhadaAnim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
Anim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
profealbattaiola
 
Anim2 Aula03 truques
Anim2 Aula03 truquesAnim2 Aula03 truques
Anim2 Aula03 truques
profealbattaiola
 
Anim2 aula02 tecnicas2
Anim2 aula02 tecnicas2Anim2 aula02 tecnicas2
Anim2 aula02 tecnicas2
profealbattaiola
 
Anim2 Aula01 Percepcao
Anim2 Aula01 PercepcaoAnim2 Aula01 Percepcao
Anim2 Aula01 Percepcao
profealbattaiola
 
NormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - PlágioNormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - Plágio
profealbattaiola
 
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã ZuleideNormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
profealbattaiola
 
NormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de AutorNormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de Autor
profealbattaiola
 
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações IntelectuaisNormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
profealbattaiola
 
Animação 2 - Princípios de Animação
Animação 2 - Princípios de AnimaçãoAnimação 2 - Princípios de Animação
Animação 2 - Princípios de Animação
profealbattaiola
 
Animação 2 - Ciclo de Caminhada
Animação 2 - Ciclo de CaminhadaAnimação 2 - Ciclo de Caminhada
Animação 2 - Ciclo de Caminhada
profealbattaiola
 
Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013
profealbattaiola
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
profealbattaiola
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
profealbattaiola
 
NormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) ContratoNormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) Contrato
profealbattaiola
 

Mais de profealbattaiola (20)

Anim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_CustoAnim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_Custo
 
Anim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwaresAnim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwares
 
Anim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_BackgroundAnim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_Background
 
Anim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 TemporizacaoAnim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 Temporizacao
 
Anim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 SincroniaAnim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 Sincronia
 
Anim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 PlanejamentoAnim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 Planejamento
 
Anim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
Anim2 Aula04 Ciclo de CaminhadaAnim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
Anim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
 
Anim2 Aula03 truques
Anim2 Aula03 truquesAnim2 Aula03 truques
Anim2 Aula03 truques
 
Anim2 aula02 tecnicas2
Anim2 aula02 tecnicas2Anim2 aula02 tecnicas2
Anim2 aula02 tecnicas2
 
Anim2 Aula01 Percepcao
Anim2 Aula01 PercepcaoAnim2 Aula01 Percepcao
Anim2 Aula01 Percepcao
 
NormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - PlágioNormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - Plágio
 
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã ZuleideNormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
 
NormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de AutorNormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de Autor
 
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações IntelectuaisNormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
 
Animação 2 - Princípios de Animação
Animação 2 - Princípios de AnimaçãoAnimação 2 - Princípios de Animação
Animação 2 - Princípios de Animação
 
Animação 2 - Ciclo de Caminhada
Animação 2 - Ciclo de CaminhadaAnimação 2 - Ciclo de Caminhada
Animação 2 - Ciclo de Caminhada
 
Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
 
NormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) ContratoNormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) Contrato
 

Animação 1 - Arquetipos

  • 1. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 1 Arquétipos Definição Arquétipo grego ἀρχή - arché: principal ou princípio τύπος - tipós: impressão, marca) é o primeiro modelo ou imagem de alguma coisa, antigas impressões sobre algo. Conceito explorado em diversos campos de estudo, como a Filosofia, a Psicologia e a Narratologia. http://pt.wikipedia.org/wiki/Arqu%C3%A9tipo
  • 2. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 2 Arquétipos Definição - Jung Carl Gustav Jung ~1920 – Arquétipos são imagens antigas ou arcaicas que derivam do inconsciente coletivo.
  • 3. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 3 Arquétipos Carl Gustav Jung Dois tipos GERAIS de disposição (perfis) • Introvertido • Extrovertido Quatro tipos FUNCIONAIS • Pensamento • Sentimento • Percepção • Intuição Oito Perfis Combinados GxF JUNG, C. G. Tipos Psicológicos. Rio de Janeiro, Zahar, 1976. Definição - Jung
  • 4. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 4 Arquétipos Joseph Campbell 1949 Definição - Campbell
  • 5. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 5 Arquétipos Definição - Campbell
  • 6. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 6 Arquétipos Definição - Campbell
  • 7. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 7 Arquétipos Definição - Campbell
  • 8. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 8 Arquétipos Definição - Campbell O monomito está dividido em três seções: 1.  Partida (às vezes chamada Separação), 2.  Iniciação e 3.  Retorno. A Partida lida com o herói aspirando à sua jornada; a Iniciação contém as várias aventuras do herói ao longo de seu caminho; e o Retorno é o momento em que o herói volta a casa com o conhecimento e os poderes que adquiriu ao longo da jornada. Isto foi estabelecido por Joseph Campbell na primeira parte do livro O Herói de Mil Faces, intitulada A Aventura do Herói. A tese do autor é de que todos os mitos seguem essa estrutura em algum grau. http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
  • 9. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 9 Arquétipos Definição - Campbell Para citar vários exemplos, as histórias de Prometeu, Osíris, Buda e Jesus Cristo todas seguem este paradigma quase exatamente. A Odisseia apresenta repetições freqüentes da Iniciação. O conto da Gata Borralheira (Cinderela) segue esta estrutura um tanto mais livremente. http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito
  • 10. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 10 Arquétipos Definição - Campbell http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito Os 12 Estágios da Jornada do Herói 1. Mundo Comum - O mundo normal do herói antes da história começar. 2. O Chamado da Aventura - Um problema se apresenta ao herói: um desafio ou a aventura. 3. Reticência do Herói ou Recusa do Chamado - O herói recusa ou demora a aceitar o desafio ou aventura, geralmente porque tem medo. 4. Encontro com o mentor ou Ajuda Sobrenatural - O herói encontra um mentor que o faz aceitar o chamado e o informa e treina para sua aventura. 5. Cruzamento do Primeiro Portal - O herói abandona o mundo comum para entrar no mundo especial ou mágico. 6. Provações, aliados e inimigos ou A Barriga da Baleia - O herói enfrenta testes, encontra aliados e enfrenta inimigos, de forma que aprende as regras do mundo especial.
  • 11. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 11 Arquétipos Definição - Campbell http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito Os 12 Estágios da Jornada do Herói 7. Aproximação - O herói tem êxitos durante as provações 8. Provação difícil ou traumática - A maior crise da aventura, de vida ou morte. 9. Recompensa - O herói enfrentou a morte, se sobrepõe ao seu medo e agora ganha uma recompensa (o elixir). 10. O Caminho de Volta - O herói deve voltar para o mundo comum. 11. Ressurreição do Herói - Outro teste no qual o herói enfrenta a morte, e deve usar tudo que foi aprendido. 12. Regresso com o Elixir - O herói volta para casa com o elixir, e o usa para ajudar todos no mundo comum.
  • 12. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 12 Arquétipos Definição - Campbell http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito 2. Descida, Iniciação, Penetração Estrada de Provas Encontro com a Deusa A Mulher como Tentação Sintonia com o Pai Apoteose A Grande Conquista Os Estágios de "O Herói de Mil Faces” 1. Partida, Separação Mundo cotidiano Chamado à aventura Recusa do Chamado Ajuda Sobrenatural Travessia do Primeiro Limiar No Ventre da Baleia
  • 13. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 13 Arquétipos Definição - Campbell http://pt.wikipedia.org/wiki/Monomito 3. Retorno Recusa do Retorno Vôo Mágico Resgate de Dentro Travessia do Limiar Retorno Senhor de Dois mundos Liberdade para Viver Os Estágios de "O Herói de Mil Faces”
  • 14. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 14 Arquétipos Definição - Campbell YouTube Videos Part 1: The Call to Adventure – O Chamado a Aventura Part 2: Supernatural Aid – A Ajuda Sobrenatural Part 3: Crossing the First Threshold – Travessia do Primeiro Limiar Part 4: The Belly of the Whale - No Ventre da Baleia Part 5: The Road of Trials – A Estrada de Provações Part 6: Meeting with the Goddess – O Encontro com a Deusa Part 7: The Ultimate Boon – O Derradeiro Desafio Part 8: The Magic Flight – O Vôo Mágico
  • 15. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 15 Arquétipos 1992, 1998, 2007Christopher Vogler Definição - Vogler
  • 16. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 16 Arquétipos Definição - Vogler http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 17. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 17 Arquétipos Definição - Vogler http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 18. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 18 Arquétipos Definição - Vogler http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 19. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 19 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc MUNDO COMUM O mundo comum é o espaço cotidiano do herói, onde ele vive. O herói pode estar satisfeito com este mundo ou ter desejo de modifica-lo (ou sair dele). CHAMADO À AVENTURA Quando acontece algo que modifica o mundo comum e o herói é convidado a partir para restaura-lo. No outro caso, se possibilita ao herói mudar ou abandonar o mundo comum. RECUSA AO CHAMADO Ao receber o chamado o herói hesita devido ao temor natural de se partir para o desconhecido.
  • 20. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 20 Arquétipos Definição - Vogler http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 21. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 21 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc ENCONTRO COM O MENTOR O mentor estimula o herói a partir para a aventura e dá a ele informações ou presentes que serão úteis no mundo especial. Com algum conhecimento sobre este mundo o herói se sente mais seguro e começa a sua jornada. TRAVESSIA DO PRIMEIRO LIMIAR A partir deste momento não há mais volta. O herói assume seu compromisso com a aventura e entra no mundo especial, mesmo que queira já não pode mais retornar. É a passagem pelo Guardião do Limiar. TESTES, ALIADOS E INIMIGOS Nesta etapa o herói tem suas forças testadas no mundo especial. Ele encontra seus aliados na aventura e seus inimigos (aliados da sombra).
  • 22. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 22 Arquétipos Definição - Vogler http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 23. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 23 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc APROXIMAÇÃO DA CAVERNA OCULTA O herói se aproxima do lugar mais sombrio do mundo especial. Pode ser a fortaleza da sombra ou outro lugar sinistro, onde ele deve ir para encontrar um meio de enfrentar a sombra. Em muitos casos o herói pode ainda ignorar a necessidade de se entrar na caverna oculta, mas os rumos da história o levam até lá, onde ele enfrentará seus maiores medos e pesadelos. PROVAÇÃO SUPREMA O herói entra na caverna oculta e enfrenta a morte (simbólica ou física). Aparentemente sem saída, o herói enfrenta o grande perigo e após parecer morrer, ele triunfa.
  • 24. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 24 Arquétipos Definição - Vogler http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 25. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 25 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc RECOMPENSA Após triunfar sobre a morte (ou grande perigo) o herói adaptado ao comum desaparece para o surgimento do herói adaptado ao mundo especial. De certa forma ocorre uma morte simbólica. Este herói renovado é capaz de enfrentar a sombra. Na caverna ele obteve a recompensa da luta, que pode ser conhecimento, armas. Com esta nova força ele passa pelo limiar do mundo especial para retornar para o seu mundo. O CAMINHO DE VOLTA No caminho de saída do mundo especial o herói encontra as conseqüências de ter manipulado ou enfrentado as forças obscuras do mundo especial. Ele é perseguido por estas forças. Geralmente nesta etapa um sacrifício deve ser feito, o herói pode perder um aliado ou o seu mentor.
  • 26. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 26 Arquétipos Definição - Vogler http://dc396.4shared.com/doc/OIluhDfj/preview.html
  • 27. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 27 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc RESSURREIÇÃO Nesta etapa a sombra faz sua última tentativa para destruir o herói, mas é derrotada definitivamente. O herói vitorioso deve perecer para poder retornar ao seu mundo comum, em seu lugar tem-se o herói adaptado ao mundo comum, mas muito mais sábio e forte que o herói inicial. Ocorre, então, uma segunda morte simbólica. O guerreiro deixa suas armas e se limpa do sangue dos inimigos para retornar a sua vida. VOLTA COM O ELIXIR Terminada a transformação o herói entra triunfante no mundo comum. Ele traz consigo a recompensa de sua jornada. Esta recompensa varia conforme a história e possui um valor superior da recompensa obtida anteriormente. Ela será partilhada com os seus companheiros do mundo comum ou possibilitará ao herói uma vida nova no seu mundo.
  • 28. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 28 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc Arquétipo HERÓI ♦ Possui qualidades louváveis, mas também fraquezas. ♦ Se sacrifica pelo bem de todos. ♦ Usualmente, é o protagonista e a narrativa é a história de sua jornada. ♦ Enfrenta obstáculos, muitos com risco de vida, onde a morte pode ocorrer física ou simbólicamente. Quando morre, se torna mártir, quando sobrevive as provas, renasce como um novo ser.
  • 29. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 29 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo HERÓI Lucky Sky Walker
  • 30. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 30 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc Arquétipo MENTOR ♦ Auxilia o Herói a se preparar para a sua jornada. ♦ Prove ao Herói o conhecimento ou os recursos necessários para que ele comece a sua aventura com confiança e coragem. ♦ Socorre o Herói em momentos críticos através de conselhos e/ ou recursos especiais.
  • 31. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 31 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo MENTOR Obi-Wan Kenobi
  • 32. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 32 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo MENTOR Mestre Yoda
  • 33. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 33 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo MENTOR Dumbledore
  • 34. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 34 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc Arquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR ♦ Se contrapõe ao Herói através de desafios e obstáculos. ♦ Não precisam ser humanos, podem ser elementos de um cenário, objetos, animais, etc. ♦ No caso de serem asseclas do vilão principal, oferecem ao Herói uma visão de como será a batalha final contra este vilão.
  • 35. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 35 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
  • 36. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 36 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
  • 37. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 37 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo GUARDIÃO DO LIMIAR
  • 38. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 38 Arquétipos Definição – Vogler http://roteiroparacinema.blogspot.com.br/2009/08/arauto.html Arquétipo ARAUTO ♦ Na mitologia grega, Hermes era o Arauto dos deuses, era quem levava os recados de Zeus. Na dramaturgia, sua função é mover a história para frente anunciando a necessidade de mudança. ♦ Normalmente, aparece no Ato I, impulsionando o herói a aceitar o Chamado à Aventura. ♦ Pode revelar-se de diversas maneiras: como um personagem, uma carta, um livro ou mesmo um filme cuja mensagem nos atinge num ponto em que precisamos mudar. ♦ Pode ser negativo quando induz o Herói a uma aventura perigosa, que coloque em risco a vida dele. Quando isso acontece, é possível que seja aliado de algum vilão ou antagonista.
  • 39. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 39 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo ARAUTO
  • 40. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 40 Arquétipos Definição – Vogler http://roteiroparacinema.blogspot.com.br/2009/08/arauto.html Arquétipo CAMALEÃO / METAMORFO ♦ A característica principal é a mudança de aparência ou de caráter, sendo difícil prever o seu comportamento. ♦ Na história, está associado a imprevisibilidade e pode ser aliado do herói ou de seus inimigos. ♦ Vários personagens podem assumir esta característica ao longo da história. ♦ Pode mudar de posição ao longo do correr da história.
  • 41. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 41 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo CAMALEÃO / METAMORFO Han Solo / Star Wars
  • 42. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 42 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc Arquétipo SOMBRA ♦ Representa o vilão ou inimigo do herói. Seu objetivo é, geralmente, a morte ou destruição definitiva do herói. ♦ A função primordial é impor desafios ao herói, de modo que este tenha que se fortalecer para vence-los. ♦ Em uma história de luta psicológica, pode ser representada por traumas e culpas do próprio herói. ♦ Além de fraquezas que podem ser exploradas pelo herói, o sombra pode ter um lado bom ou uma visão que justifique suas ações.
  • 43. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 43 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo SOMBRA Lex Luthor Superman Darth Vader Star Wars Capitão Gancho Peter Pan
  • 44. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 44 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo SOMBRA
  • 45. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 45 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc Arquétipo PICARO ♦ Representado por um personagem cômico (palhaço), carrega em si o desejo de mudança da realidade. ♦ Acorda o herói para a realidade, denunciando a hipocrisia e o lado ridículo de situações apresentadas. ♦ Traz alívio cômico após uma situação tensa da história. ♦ O personagem transparece bom humor e, algumas vezes, ingenuidade. ♦ Heróis podem transparecer um estilo picaresco.
  • 46. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 46 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo PICARO
  • 47. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 47 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo PICARO C3PO e R2D2
  • 48. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 48 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc Arquétipo ANJO ♦ Sua função é ligar o herói a um destino ou a um plano maior (pode se confundir com MENTOR ou ARAUTO). ♦ Se uma decisão do herói o afasta do rumo da história, um anjo pode fazer com que ele retorne ao caminho original. ♦ Os anjos também podem aparecer como anjos caídos que fazem o herói se afastar de seu objetivo.
  • 49. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 49 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo ANJO
  • 50. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 50 Arquétipos Definição – Vogler http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/screenwriter.sites.uol.com.br/dramaturgia.doc Arquétipo OUVINTE ♦ Sua função é fazer com que as personagens principais passem informações ao espectador, através do diálogo. ♦ Ele não tem trajetória própria e aparece sempre próximo ao protagonista ou ao vilão e ouve suas impressões pessoais sobre o desenrolar da história. ♦ Pode confundir com ARAUTO e MENTOR.
  • 51. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 51 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo OUVINTE Carlos Alberto - A Praça é Nossa
  • 52. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 52 Arquétipos Definição – Vogler Arquétipo OUVINTE Carlos Alberto - A Praça é Nossa
  • 53. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 53 Arquétipos Definição – Vogler Outras Referências Os Arquétipos na Fantasia – Parte 1 http://livrodosespelhos.com/os-arquetipos-na-fantasia-parte-1/ Os Arquétipos na Fantasia – Parte 2 http://livrodosespelhos.com/os-arquetipos-na-fantasia-parte-2/ Arquétipos http://dicasderoteiro.com/2009/12/30/arquetipos/
  • 54. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 54 Arquétipos Definição – Vogler Outras Referências História Primeiro, Personagens Depois http://dicasderoteiro.com/tag/personagens/ Quando Criar Novos Personagens http://dicasderoteiro.com/2011/01/03/quando-criar-novos-personagens/
  • 55. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 55 Arquétipos Definição – Cowden Tami Cowden
  • 56. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 56 Arquétipos Definição – Cowden http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/ 8 Tipos de Heróis O CHEFE: Um líder dinâmico, ele não tem tempo para nada além de trabalhar. Ele pode ter nascido para liderar, ou talvez ele tenha conquistado seu lugar até o topo, mas de qualquer modo, ele é durão, decidido e determinado a conquistar suas metas. Isso significa que ele também é um pouco dominador, arrogante e inflexível. Pense em Yun-Fat Chow em Anna e o Rei (Anna and the King, 1999), Harrison Ford em Sabrina (Sabrina, 1995), ou Marlon Brando em O Poderoso Chefão (The Godfather, 1972).
  • 57. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 57 Arquétipos Definição – Cowden 8 Tipos de Heróis O CHEFE
  • 58. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 58 Arquétipos Definição – Cowden http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/ 8 Tipos de Heróis O REBELDE (BAD BOY): Perigoso, ele gosta de viver selvagemente. Este é o rebelde, o garoto do lado pobre da cidade. Ele é amargo e inconstante, um idealista oprimido, mas também é carismático e sabe sobreviver nas ruas. Pense em James Dean em Juventude Transviada (Rebel Without a Cause, 1955), Matt Damon em Gênio Indomável (Good Will Hunting, 1997), Patrick Swayze em Dirty Dancing – Ritmo Quente (Dirty Dancing, 1987), Kurt Russell em Fuga de Nova York (Escape From New York, 1981).
  • 59. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 59 Arquétipos Definição – Cowden 8 Tipos de Heróis O REBELDE Kurt Russell
  • 60. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 60 Arquétipos Definição – Cowden http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/ 8 Tipos de Heróis O MELHOR AMIGO: Doce e digno de confiança, ele nunca deixa ninguém na mão. Ele é gentil, responsável, decente, um Sr. Cara Legal comum. Este homem não gosta de confrontos e pode ocasionalmente ser indeciso porque ele não quer ferir os sentimentos de ninguém. Mas ele sempre estará lá para quem contar com ele. Pense em Jimmy Stewart em A Felicidade Não Se Compra (It’s a Wonderful Life, 1946), Adam Sandler em Afinado No Amor (The Wedding Singer, 1998), Hugh Grant em Quatro Casamentos e Um Funeral (Four Weddings and a Funeral, 1994), Kevin Spacey em Beleza Americana (American Beauty, 1999).
  • 61. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 61 Arquétipos Definição – Cowden 8 Tipos de Heróis O MELHOR AMIGO Kevin Spacey Hugh Grant
  • 62. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 62 Arquétipos Definição – Cowden http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/ 8 Tipos de Heróis O ENCANTADOR: Mais que um gigolô, ele cria fantasias. Ele é divertido, irresistível, um manipulador afável, mas não muito responsável nem confiável. Ele pode ser um playboy ou um malandro, e não se compromete facilmente com uma mulher. Pense em Leonardo DiCaprio em Titanic (Titanic, 1997), James Garner & Mel Gibson em Maverick (Maverick, 1994), Don Johnson na série Nash Bridges (Nash Bridges, 1996 – 2001), Dustin Hoffman em Perdidos Na Noite (Midnight Cowboy, 1969).
  • 63. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 63 Arquétipos Definição – Cowden 8 Tipos de Heróis O ENCANTADOR
  • 64. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 64 Arquétipos Definição – Cowden http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/ 8 Tipos de Heróis A ALMA PERDIDA: Um ser sensitivo, ele compreende as coisas. Torturado, reservado, meditativo, e rancoroso. Assim é este homem. Mas ele também é vulnerável. Ele pode ser um viajante ou um pária. No trabalho ele é criativo, mas provavelmente também um solitário. Pense em Shrek em Shrek (Shrek, 2001), Mel Gibson em Máquina Mortífera (Lethal Weapon, 1987), David Duchovny na série Arquivo X (The X-Files, 1993-2002), a Fera em A Bela e a Fera (Beauty and the Beast, 1991).
  • 65. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 65 Arquétipos Definição – Cowden 8 Tipos de Heróis ALMA PERDIDA
  • 66. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 66 Arquétipos Definição – Cowden http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/ 8 Tipos de Heróis O PROFESSOR Analista frio, ele sabe a resposta. Ele é lógico, introvertido e inflexível, mas verdadeiro em seus sentimentos. No trabalho ele gosta de fatos duros e frios, mas ele também é honesto e fiel e não deixará você na mão. Pense em Leonard Nimoy na série Jornada Nas Estrelas (Star Trek, 1966-1969), Robin Williams em Flubber – Uma Invenção Desmiolada (Flubber, 1997), Kelsey Grammer na série Frasier (Frasier, 1993-2004), Russell Crowe em Uma Mente Brilhante (A Beautiful Mind, 2001).
  • 67. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 67 Arquétipos Definição – Cowden 8 Tipos de Heróis O PROFESSOR Kelsey Grammer Leonard Nimoy
  • 68. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 68 Arquétipos Definição – Cowden http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/ 8 Tipos de Heróis O OUSADO (VALENTÃO) O Sr. Agitação é um aventureiro. Este cara é ação, ação e mais ação. Ele é audacioso e fisicamente ativo. Corajoso, ele é um atrevido ou um explorador. Ele necessita de excitações e calafrios para manter-se feliz. Pense em Antonio Banderas em A Máscara do Zorro (The Mask of Zorro, 1998), Michael Douglas em Tudo Por Uma Esmeralda (Romancing the Stone, 1984), Harrison Ford em Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida (Raiders of the Lost Ark, 1981)
  • 69. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 69 Arquétipos Definição – Cowden 8 Tipos de Heróis O OUSADO (VALENTÃO)
  • 70. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 70 Arquétipos Definição – Cowden http://dicasderoteiro.com/2009/12/31/os-oito-herois-arquetipicos/ 8 Tipos de Heróis O GUERREIRO Um nobre campeão, ele age com honra. Este homem é ou o salvador relutante ou o cavaleiro na armadura brilhante. Ele é nobre, persistente, incansável, e sempre defende os oprimidos. Para quem precisa de um protetor, ele é o cara. Ele não se rende às regras e nem concorda com algo só para se dar bem com as pessoas. Pense em Tom Hanks em Estrada Para Perdição (The Road To Perdition, 2001), Clint Eastwood em Perseguidor Implacável (Dirty Harry, 1971), Russell Crowe em Gladiador (Gladiator, 2000), Mel Gibson em Coração Valente (Braveheart, 1995), Tobey Maguire em Homem-Aranha (Spider-Man, 2002).
  • 71. U F P R LAI-DI – Dep. Design / UFPR – André Luiz Battaiola 71 / 71 Arquétipos Definição – Cowden 8 Tipos de Heróis O GUERREIRO Russell Crowe Tobey Maguire